SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 25
REFORMA PROTESTANTE
Foi um movimento de reformas religiosas que ocorreu
na Europa do século XVI e representou a divisão da
Igreja Católica no Ocidente.
REFORMA PROTESTANTE
No século XVI a Igreja Católica se
mostrava completamente distante
dos ideais do cristianismo. A prática
da SIMONIA (compra de cargos
eclesiásticos) era comum. E grande
parte dos seus membros estava na
Igreja por outros interesses.
REFORMA PROTESTANTE
A nova realidade do final da Idade Média, criou um clima de
questionamentos que possibilitou a Reforma. Entre os
principais acontecimentos estão:
- Renascimento comercial;
- Surgimento da burguesia;
- Grandes navegações;
- Invenção da imprensa.
O Renascimento Cultural rompeu com os padrões
doTEOCENTRISMO, onde o mundo era visto sob
uma perspectiva divina.
O ser humano foi elevado a uma condição suprema
e se tornou o centro da cultura humanista que
tinha como base o ANTROPOCENTRISMO.
REFORMA PROTESTANTE
No século XVI a igreja
acelerou aVENDA
DAS INDULGÊNCIAS
prometendo o
perdão e o acesso ao
paraíso. Fato que
gerou críticas e levou
a movimentos de
contestação da Igreja
Católica.
Em 1517 o Papa Leão X ofereceu INDULGÊNCIAS
para aqueles que dessem esmolas para reconstruir
a Basílica de São Pedro em Roma.
VALE
LEMBRAR!!!
REFORMA PROTESTANTE (ALEMANHA)
Martinho Lutero foi um monge católico que
questionou a venda de indulgências. Assim em
1517 pregou na porta da Igreja deWittenberg
95 teses propondo mudanças para Igreja
Católica.
Entre as suas principais críticas estavam:
- a venda das indulgências;
- o celibato;
- o culto aos santos e a virgem Maria.
95Teses de Lutero
Na concepção de Lutero só quem dá o perdão é Deus e a fé é o
grande caminho da salvação.
Na imagem temos uma das cenas do filme LUTERO.
QUEM ERAM ESSES PODEROSOS?
OS PRÍNCIPES ALEMÃES.
O QUE ELES QUERIAM?
ASTERRAS DA IGREJA.
A BURGUESIAAPOIOU LUTERO?
Sim, mas esse grupo ainda NÃOTINHA FORÇA POLÍTICA
naquele momento.
Os escritos de Lutero rapidamente se propagaram e a Igreja Católica hesitou
em puni-lo. Além disso, os poderosos (nobres e burgueses) lhe apoiaram.
Em 1520, a Igreja excomungou Lutero mas já era tarde.
Em 1520, A IGREJA EXCOMUNGOU
LUTERO mas já era tarde.
REFORMA PROTESTANTE
Reforma desencadeou uma crise dividindo aAlemanha.
O norte seguiu Lutero e sul defendeu a Igreja Católica.
Princípios da Igreja Luterana
 A salvação se alcança unicamente pela fé e não pelas
obras;
 A bíblia era a única fonte de fé e deve ser interpretada
livremente por todos;
 Só existem dois sacramentos (batismo e eucaristia);
 Recusa a autoridade do papa, do culto aos santos, da
Virgem e do celibato.
REFORMA PROTESTANTE
O conflito só foi
encerrado com a Paz de
Augsburgo, em 1555. A
partir desse momento, os
príncipes poderiam
escolher a religião em
seus domínios.
REFORMA PROTESTANTE
Além de Lutero outros movimentos de contestação surgiram
e desafiaram o poder da Igreja Católica. Entre ele citam-se:
 CALVINISMO na Suíça por João Calvino.
 ANGLICANISMO na Inglaterra por HenriqueVIII.
REFORMA PROTESTANTE
Vídeo do filme: LUTERO
https://www.youtube.com/watch?v=PlP-Xt4LLNg
CALVINISMO
 O CALVINISMO foi a doutrina protestante
criada por JOÃO CALVINO no século XVI,
fruto de suas observações e aprofundamento
na doutrina criada por Martinho Lutero.
 Calvino cria uma nova proposta religiosa e a implementa
primeiramente em Genebra, na Suíça. Mas suas ideias
tiveram maior alcance na França, seus seguidores são
chamados de huguenotes e na Inglaterra de puritanos (ou
presbiterianos).
CALVINISMO
 O Calvinismo tem como principal temática a
predestinação (o ser humano foi criado por Deus com
um destino traçado, ou seja, a condenação ou a
salvação).
 Essa doutrina será defendida amplamente e pelos
burgueses , pois essa nova religião pregava que quanto
mais “privilegiada” uma pessoa fosse mais essa estaria
no caminho da salvação. E, ao contrário disto, os pobres
e desafortunados eram escolhidos para a perdição.
ANGLICANISMO
Esse movimento ficou conhecido como
Reforma Anglicana devido a decisão do
rei inglês rei HenriqueVIII, de mudar a
religião oficial do país, tornando oficial
uma igreja por ele, através do Ato de
Supremacia. O anglicanismo tem ritos
similares ao do catolicismo, mas seu chefe
supremo seria monarca inglês.
Tal mudança foi promulgada em 1534, e deriva da recusa
do papa em aceitar o divórcio de Henrique e
sua primeira esposa, a rainha espanholaCatarina de
Aragão. O resultado é o rompimento do rei inglês com a
Igreja Católica. O rompimento trazia a vantagem de
acabar com a influência da igreja na política da Inglaterra
e deixava a nobreza local livre para apossar-se das terras
e dos bens da igreja. Esses fatores serviriam para
fortalecer o poder da monarquia inglesa.
ANGLICANISMO
Contrarreforma, também conhecida por Reforma
Católica é o nome dado ao movimento que surgiu no
interior da Igreja Católica em resposta aos movimentos
protestantes que surgiram e cresciam na Europa.
CONTRARREFORMA
Entre 1545 e 1563 foi realizado o Concílio deTrento, na Itália. Esse
encontro das principais autoridades católicas tinha por objetivo
redefinir o posicionamento da Igreja em relação à sua doutrina
religiosa, bem como encontrar meios de frear o avanço do
protestantismo pela Europa.
O Concílio deTrento (1545 e 1563 ), na Itália.
Dentre as medidas tomadas no Concílio deTrento estão:
- A venda de indulgências, deveria ser evitada;
- Criação dos seminários;
- Criação do Index (Index Librorum Prohibitorum);
- Inquisição ouTribunal do Santo Ofício;
- Companhia de Jesus (Inácio de Loyola);
- Criação do catecismo.
CONTRARREFORMA
Por outro lado, o que ocorreu foi a afirmação dos dogmas
religiosos católicos. O princípio da salvação pela fé e boas
obras foi mantido, mesmo após as críticas de Martinho
Lutero. O culto àVirgem Maria e aos santos foi reafirmado,
bem como a existência do purgatório. A crença católica
manteria as duas origens: a Bíblia e as tradições
transmitidas pela Igreja Católica, bem como os 7
sacramentos (batismo, confirmação (ou crisma), eucaristia,
reconciliação (ou penitência), unção dos enfermos, ordem e
matrimônio).
CONTRARREFORMA

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Reforma Protestante
Reforma ProtestanteReforma Protestante
Reforma Protestante
josepinho
 
Colonizacao espanhola-america
Colonizacao espanhola-americaColonizacao espanhola-america
Colonizacao espanhola-america
Marcos Oliveira
 
Unificação italia e alemanha
Unificação italia e alemanhaUnificação italia e alemanha
Unificação italia e alemanha
Isabel Aguiar
 
Revolucão Francesa
Revolucão FrancesaRevolucão Francesa
Revolucão Francesa
eiprofessor
 

Mais procurados (20)

Brasil: Economia Colonial
Brasil: Economia ColonialBrasil: Economia Colonial
Brasil: Economia Colonial
 
Reforma Protestante
Reforma ProtestanteReforma Protestante
Reforma Protestante
 
Grandes navegações
Grandes navegaçõesGrandes navegações
Grandes navegações
 
As Grandes Navegações - 7º Ano (2016)
As Grandes Navegações - 7º Ano (2016)As Grandes Navegações - 7º Ano (2016)
As Grandes Navegações - 7º Ano (2016)
 
Primeira guerra mundial
Primeira guerra mundialPrimeira guerra mundial
Primeira guerra mundial
 
O Estado Moderno
O Estado ModernoO Estado Moderno
O Estado Moderno
 
Colonizacao espanhola-america
Colonizacao espanhola-americaColonizacao espanhola-america
Colonizacao espanhola-america
 
As Grandes Navegações - 7º Ano (2018)
As Grandes Navegações - 7º Ano (2018)As Grandes Navegações - 7º Ano (2018)
As Grandes Navegações - 7º Ano (2018)
 
Povos pré colombianos
Povos pré colombianosPovos pré colombianos
Povos pré colombianos
 
Brasil expansão territorial
Brasil expansão territorialBrasil expansão territorial
Brasil expansão territorial
 
1° ano aula slide - feudalismo
1° ano   aula slide - feudalismo1° ano   aula slide - feudalismo
1° ano aula slide - feudalismo
 
Índios brasileiros
Índios brasileirosÍndios brasileiros
Índios brasileiros
 
A mineração no brasil colonial
A mineração no brasil colonialA mineração no brasil colonial
A mineração no brasil colonial
 
1° ano - Mesopotâmia
1° ano - Mesopotâmia1° ano - Mesopotâmia
1° ano - Mesopotâmia
 
Astecas maias e incas
Astecas maias e incasAstecas maias e incas
Astecas maias e incas
 
Era vargas
Era vargasEra vargas
Era vargas
 
Primeiro Reinado (1822-1831)
Primeiro Reinado (1822-1831)Primeiro Reinado (1822-1831)
Primeiro Reinado (1822-1831)
 
Cruzadas
CruzadasCruzadas
Cruzadas
 
Unificação italia e alemanha
Unificação italia e alemanhaUnificação italia e alemanha
Unificação italia e alemanha
 
Revolucão Francesa
Revolucão FrancesaRevolucão Francesa
Revolucão Francesa
 

Destaque

Perspectivas mundiais dos biocombustíveis petrobras
Perspectivas mundiais dos biocombustíveis petrobrasPerspectivas mundiais dos biocombustíveis petrobras
Perspectivas mundiais dos biocombustíveis petrobras
Sydney Dias
 
Aula de nutrição mineral
Aula de nutrição mineralAula de nutrição mineral
Aula de nutrição mineral
Bruno Rodrigues
 
Bioquímica Celular - Aula Programada
Bioquímica Celular - Aula ProgramadaBioquímica Celular - Aula Programada
Bioquímica Celular - Aula Programada
giovannimusetti
 

Destaque (20)

A Terra e suas Transformações - 6º Ano (2017)
A Terra e suas Transformações - 6º Ano (2017)A Terra e suas Transformações - 6º Ano (2017)
A Terra e suas Transformações - 6º Ano (2017)
 
Aspectos populacionais do Brasil 4 - 7º Ano (2016)
Aspectos populacionais do Brasil 4 - 7º Ano (2016)Aspectos populacionais do Brasil 4 - 7º Ano (2016)
Aspectos populacionais do Brasil 4 - 7º Ano (2016)
 
As regiões do Brasil - 7º Ano (2016)
As regiões do Brasil - 7º Ano (2016)As regiões do Brasil - 7º Ano (2016)
As regiões do Brasil - 7º Ano (2016)
 
Metabolismo energético
Metabolismo energéticoMetabolismo energético
Metabolismo energético
 
Observe satelite GTTP 2014
Observe satelite GTTP 2014Observe satelite GTTP 2014
Observe satelite GTTP 2014
 
As coordenadas geográficas - 6º ANO (2016)
As coordenadas geográficas - 6º ANO (2016)As coordenadas geográficas - 6º ANO (2016)
As coordenadas geográficas - 6º ANO (2016)
 
A Formação do Território Brasileiro- 7º Ano 2016
A Formação do Território Brasileiro- 7º Ano 2016A Formação do Território Brasileiro- 7º Ano 2016
A Formação do Território Brasileiro- 7º Ano 2016
 
Tn+76 flip novo
Tn+76 flip novoTn+76 flip novo
Tn+76 flip novo
 
Perspectivas mundiais dos biocombustíveis petrobras
Perspectivas mundiais dos biocombustíveis petrobrasPerspectivas mundiais dos biocombustíveis petrobras
Perspectivas mundiais dos biocombustíveis petrobras
 
Aula de nutrição mineral
Aula de nutrição mineralAula de nutrição mineral
Aula de nutrição mineral
 
PREVENÇÃO CONTRA INCÊNDIO
PREVENÇÃO CONTRA INCÊNDIOPREVENÇÃO CONTRA INCÊNDIO
PREVENÇÃO CONTRA INCÊNDIO
 
Sist sol marcoscalil
Sist sol marcoscalilSist sol marcoscalil
Sist sol marcoscalil
 
Bioquímica Celular - Aula Programada
Bioquímica Celular - Aula ProgramadaBioquímica Celular - Aula Programada
Bioquímica Celular - Aula Programada
 
Aspectos populacionais do Brasil 1 - 7º Ano (2016)
Aspectos populacionais do Brasil 1 - 7º Ano (2016)Aspectos populacionais do Brasil 1 - 7º Ano (2016)
Aspectos populacionais do Brasil 1 - 7º Ano (2016)
 
Observação de Satélites Artificiais - Marcos Calil
Observação de Satélites Artificiais - Marcos CalilObservação de Satélites Artificiais - Marcos Calil
Observação de Satélites Artificiais - Marcos Calil
 
O Império Romano do Oriente (Império Bizantino) (2017) - 7º Ano
O Império Romano do Oriente (Império Bizantino) (2017) - 7º AnoO Império Romano do Oriente (Império Bizantino) (2017) - 7º Ano
O Império Romano do Oriente (Império Bizantino) (2017) - 7º Ano
 
Os Municípios e as Regiões Metropolitanas - 7º Ano (2017)
Os Municípios e as Regiões Metropolitanas - 7º Ano (2017)Os Municípios e as Regiões Metropolitanas - 7º Ano (2017)
Os Municípios e as Regiões Metropolitanas - 7º Ano (2017)
 
Egito Antigo (6º Ano - 2016)
Egito Antigo (6º Ano - 2016)Egito Antigo (6º Ano - 2016)
Egito Antigo (6º Ano - 2016)
 
Terra: Evidências da Criação
Terra: Evidências da CriaçãoTerra: Evidências da Criação
Terra: Evidências da Criação
 
A Formação do Território Brasileiro - 7º Ano (2017)
A Formação do Território Brasileiro - 7º Ano (2017)A Formação do Território Brasileiro - 7º Ano (2017)
A Formação do Território Brasileiro - 7º Ano (2017)
 

Semelhante a A Reforma Protestante - 7º ANO (2017)

Reforma protestante reforma_e_contra-reforma
Reforma protestante reforma_e_contra-reformaReforma protestante reforma_e_contra-reforma
Reforma protestante reforma_e_contra-reforma
rakeloliveiraborges
 
Reforma e contrarreforma
Reforma e contrarreformaReforma e contrarreforma
Reforma e contrarreforma
Fabiana Tonsis
 
Reforma e contrarreforma
Reforma e contrarreformaReforma e contrarreforma
Reforma e contrarreforma
Fabiana Tonsis
 

Semelhante a A Reforma Protestante - 7º ANO (2017) (20)

REFORMA PROTESTANTE.pptx
REFORMA PROTESTANTE.pptxREFORMA PROTESTANTE.pptx
REFORMA PROTESTANTE.pptx
 
05 reforma protestante
05   reforma protestante05   reforma protestante
05 reforma protestante
 
Reformas religiosas
Reformas religiosasReformas religiosas
Reformas religiosas
 
Reforma Protestante
Reforma ProtestanteReforma Protestante
Reforma Protestante
 
Reforma Protestante
Reforma Protestante Reforma Protestante
Reforma Protestante
 
a reforma religiosa. - temas de História
a reforma religiosa. - temas de Históriaa reforma religiosa. - temas de História
a reforma religiosa. - temas de História
 
Reforma protestante
Reforma protestanteReforma protestante
Reforma protestante
 
Reforma protestante reforma_e_contra-reforma
Reforma protestante reforma_e_contra-reformaReforma protestante reforma_e_contra-reforma
Reforma protestante reforma_e_contra-reforma
 
A Reforma
A ReformaA Reforma
A Reforma
 
Contra-Reforma Religiosa - Prof.Altair Aguilar
Contra-Reforma Religiosa - Prof.Altair AguilarContra-Reforma Religiosa - Prof.Altair Aguilar
Contra-Reforma Religiosa - Prof.Altair Aguilar
 
Reforma e contrarreforma
Reforma e contrarreforma   Reforma e contrarreforma
Reforma e contrarreforma
 
Aula reforma e contra-reforma religiosa2
Aula  reforma e contra-reforma religiosa2Aula  reforma e contra-reforma religiosa2
Aula reforma e contra-reforma religiosa2
 
1º ano - Reforma Religiosa
1º ano - Reforma Religiosa1º ano - Reforma Religiosa
1º ano - Reforma Religiosa
 
A reforma aula
A reforma aulaA reforma aula
A reforma aula
 
Reforma Protestante
Reforma ProtestanteReforma Protestante
Reforma Protestante
 
Reforma e contrarreforma
Reforma e contrarreformaReforma e contrarreforma
Reforma e contrarreforma
 
Reforma e contrarreforma
Reforma e contrarreformaReforma e contrarreforma
Reforma e contrarreforma
 
Reforma protestante.pdf
Reforma protestante.pdfReforma protestante.pdf
Reforma protestante.pdf
 
Reforma Protestante - 1° ano - EM
Reforma Protestante - 1° ano - EMReforma Protestante - 1° ano - EM
Reforma Protestante - 1° ano - EM
 
Reforma Protestante 1° Ano
Reforma Protestante 1° AnoReforma Protestante 1° Ano
Reforma Protestante 1° Ano
 

Mais de Nefer19

Mais de Nefer19 (20)

China Antiga - 6º Ano (2018)
China Antiga - 6º Ano (2018)China Antiga - 6º Ano (2018)
China Antiga - 6º Ano (2018)
 
Monarquias nacionais, Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2018)
Monarquias nacionais, Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2018)Monarquias nacionais, Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2018)
Monarquias nacionais, Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2018)
 
Os Persas - 6º Ano (2018)
Os Persas - 6º Ano (2018)Os Persas - 6º Ano (2018)
Os Persas - 6º Ano (2018)
 
Os Fenícios - 6º Ano (2018)
Os Fenícios - 6º Ano (2018)Os Fenícios - 6º Ano (2018)
Os Fenícios - 6º Ano (2018)
 
O Renascimento - 7º Ano (2018)
O Renascimento - 7º Ano (2018)O Renascimento - 7º Ano (2018)
O Renascimento - 7º Ano (2018)
 
Tectonismo e Vulcanismo - 6º Ano (2018)
Tectonismo e Vulcanismo -  6º Ano (2018)Tectonismo e Vulcanismo -  6º Ano (2018)
Tectonismo e Vulcanismo - 6º Ano (2018)
 
As Diferentes Regionalizações do Brasil - 7º Ano (2018)
As Diferentes Regionalizações do Brasil - 7º Ano (2018)As Diferentes Regionalizações do Brasil - 7º Ano (2018)
As Diferentes Regionalizações do Brasil - 7º Ano (2018)
 
A Terra e suas Transformações - 6º Ano (2018)
A Terra e suas Transformações - 6º Ano (2018)A Terra e suas Transformações - 6º Ano (2018)
A Terra e suas Transformações - 6º Ano (2018)
 
Egito Antigo - 6º Ano (2018)
Egito Antigo - 6º Ano (2018)Egito Antigo - 6º Ano (2018)
Egito Antigo - 6º Ano (2018)
 
Mesopotâmia - 6º Ano (2018)
Mesopotâmia - 6º Ano (2018)Mesopotâmia - 6º Ano (2018)
Mesopotâmia - 6º Ano (2018)
 
A Baixa Idade Média - 7º Ano (2018)
A Baixa Idade Média - 7º Ano (2018)A Baixa Idade Média - 7º Ano (2018)
A Baixa Idade Média - 7º Ano (2018)
 
O Espaço Rural no Brasil - 7º Ano (2018)
O Espaço Rural no Brasil - 7º Ano (2018)O Espaço Rural no Brasil - 7º Ano (2018)
O Espaço Rural no Brasil - 7º Ano (2018)
 
O Processo de Industrialização do Brasil - 7º Ano (2018)
O Processo de Industrialização do Brasil - 7º Ano (2018)O Processo de Industrialização do Brasil - 7º Ano (2018)
O Processo de Industrialização do Brasil - 7º Ano (2018)
 
Os Meios de Orientação - 6º Ano (2018)
Os Meios de Orientação - 6º Ano (2018)Os Meios de Orientação - 6º Ano (2018)
Os Meios de Orientação - 6º Ano (2018)
 
Os Municípios e as Regiões Metropolitanas - 7º Ano (2018)
Os Municípios e as Regiões Metropolitanas - 7º Ano (2018)Os Municípios e as Regiões Metropolitanas - 7º Ano (2018)
Os Municípios e as Regiões Metropolitanas - 7º Ano (2018)
 
A Formação do Território Brasileiro - 7º Ano (2018)
A Formação do Território Brasileiro - 7º Ano (2018)A Formação do Território Brasileiro - 7º Ano (2018)
A Formação do Território Brasileiro - 7º Ano (2018)
 
África Medieval - 7º Ano (2018)
África Medieval - 7º Ano (2018)África Medieval - 7º Ano (2018)
África Medieval - 7º Ano (2018)
 
O Sistema Solar - 6º ANO (2018)
O Sistema Solar - 6º ANO (2018)O Sistema Solar - 6º ANO (2018)
O Sistema Solar - 6º ANO (2018)
 
O Brasil no Mundo - 7º Ano (2018)
O Brasil no Mundo - 7º Ano (2018)O Brasil no Mundo - 7º Ano (2018)
O Brasil no Mundo - 7º Ano (2018)
 
Aspectos Populacionais do Brasil 3 - 7º Ano (2018)
Aspectos Populacionais do Brasil 3  - 7º Ano (2018)Aspectos Populacionais do Brasil 3  - 7º Ano (2018)
Aspectos Populacionais do Brasil 3 - 7º Ano (2018)
 

Último

AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
ssuserbb4ac2
 
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importânciaclubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
LuanaAlves940822
 
Plano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola públicaPlano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola pública
anapsuls
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Pastor Robson Colaço
 

Último (20)

Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdfRespostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
 
Poema - Reciclar é preciso
Poema            -        Reciclar é precisoPoema            -        Reciclar é preciso
Poema - Reciclar é preciso
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
Atividade com a música Xote  da  Alegria    -   FalamansaAtividade com a música Xote  da  Alegria    -   Falamansa
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
 
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importânciaclubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
 
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxSão Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
 
Plano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola públicaPlano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola pública
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
 
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.pptAula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
 
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_AssisMemórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
 
Slide - HIV (1) edit.pptx hiv em crianças
Slide - HIV (1) edit.pptx hiv em criançasSlide - HIV (1) edit.pptx hiv em crianças
Slide - HIV (1) edit.pptx hiv em crianças
 

A Reforma Protestante - 7º ANO (2017)

  • 1. REFORMA PROTESTANTE Foi um movimento de reformas religiosas que ocorreu na Europa do século XVI e representou a divisão da Igreja Católica no Ocidente.
  • 2. REFORMA PROTESTANTE No século XVI a Igreja Católica se mostrava completamente distante dos ideais do cristianismo. A prática da SIMONIA (compra de cargos eclesiásticos) era comum. E grande parte dos seus membros estava na Igreja por outros interesses.
  • 3. REFORMA PROTESTANTE A nova realidade do final da Idade Média, criou um clima de questionamentos que possibilitou a Reforma. Entre os principais acontecimentos estão: - Renascimento comercial; - Surgimento da burguesia; - Grandes navegações; - Invenção da imprensa.
  • 4. O Renascimento Cultural rompeu com os padrões doTEOCENTRISMO, onde o mundo era visto sob uma perspectiva divina. O ser humano foi elevado a uma condição suprema e se tornou o centro da cultura humanista que tinha como base o ANTROPOCENTRISMO.
  • 5. REFORMA PROTESTANTE No século XVI a igreja acelerou aVENDA DAS INDULGÊNCIAS prometendo o perdão e o acesso ao paraíso. Fato que gerou críticas e levou a movimentos de contestação da Igreja Católica.
  • 6. Em 1517 o Papa Leão X ofereceu INDULGÊNCIAS para aqueles que dessem esmolas para reconstruir a Basílica de São Pedro em Roma. VALE LEMBRAR!!!
  • 7. REFORMA PROTESTANTE (ALEMANHA) Martinho Lutero foi um monge católico que questionou a venda de indulgências. Assim em 1517 pregou na porta da Igreja deWittenberg 95 teses propondo mudanças para Igreja Católica. Entre as suas principais críticas estavam: - a venda das indulgências; - o celibato; - o culto aos santos e a virgem Maria.
  • 9. Na concepção de Lutero só quem dá o perdão é Deus e a fé é o grande caminho da salvação. Na imagem temos uma das cenas do filme LUTERO.
  • 10. QUEM ERAM ESSES PODEROSOS? OS PRÍNCIPES ALEMÃES. O QUE ELES QUERIAM? ASTERRAS DA IGREJA. A BURGUESIAAPOIOU LUTERO? Sim, mas esse grupo ainda NÃOTINHA FORÇA POLÍTICA naquele momento. Os escritos de Lutero rapidamente se propagaram e a Igreja Católica hesitou em puni-lo. Além disso, os poderosos (nobres e burgueses) lhe apoiaram. Em 1520, a Igreja excomungou Lutero mas já era tarde.
  • 11. Em 1520, A IGREJA EXCOMUNGOU LUTERO mas já era tarde.
  • 12. REFORMA PROTESTANTE Reforma desencadeou uma crise dividindo aAlemanha. O norte seguiu Lutero e sul defendeu a Igreja Católica.
  • 13. Princípios da Igreja Luterana  A salvação se alcança unicamente pela fé e não pelas obras;  A bíblia era a única fonte de fé e deve ser interpretada livremente por todos;  Só existem dois sacramentos (batismo e eucaristia);  Recusa a autoridade do papa, do culto aos santos, da Virgem e do celibato.
  • 14. REFORMA PROTESTANTE O conflito só foi encerrado com a Paz de Augsburgo, em 1555. A partir desse momento, os príncipes poderiam escolher a religião em seus domínios.
  • 15. REFORMA PROTESTANTE Além de Lutero outros movimentos de contestação surgiram e desafiaram o poder da Igreja Católica. Entre ele citam-se:  CALVINISMO na Suíça por João Calvino.  ANGLICANISMO na Inglaterra por HenriqueVIII.
  • 16. REFORMA PROTESTANTE Vídeo do filme: LUTERO https://www.youtube.com/watch?v=PlP-Xt4LLNg
  • 17. CALVINISMO  O CALVINISMO foi a doutrina protestante criada por JOÃO CALVINO no século XVI, fruto de suas observações e aprofundamento na doutrina criada por Martinho Lutero.  Calvino cria uma nova proposta religiosa e a implementa primeiramente em Genebra, na Suíça. Mas suas ideias tiveram maior alcance na França, seus seguidores são chamados de huguenotes e na Inglaterra de puritanos (ou presbiterianos).
  • 18. CALVINISMO  O Calvinismo tem como principal temática a predestinação (o ser humano foi criado por Deus com um destino traçado, ou seja, a condenação ou a salvação).  Essa doutrina será defendida amplamente e pelos burgueses , pois essa nova religião pregava que quanto mais “privilegiada” uma pessoa fosse mais essa estaria no caminho da salvação. E, ao contrário disto, os pobres e desafortunados eram escolhidos para a perdição.
  • 19. ANGLICANISMO Esse movimento ficou conhecido como Reforma Anglicana devido a decisão do rei inglês rei HenriqueVIII, de mudar a religião oficial do país, tornando oficial uma igreja por ele, através do Ato de Supremacia. O anglicanismo tem ritos similares ao do catolicismo, mas seu chefe supremo seria monarca inglês.
  • 20. Tal mudança foi promulgada em 1534, e deriva da recusa do papa em aceitar o divórcio de Henrique e sua primeira esposa, a rainha espanholaCatarina de Aragão. O resultado é o rompimento do rei inglês com a Igreja Católica. O rompimento trazia a vantagem de acabar com a influência da igreja na política da Inglaterra e deixava a nobreza local livre para apossar-se das terras e dos bens da igreja. Esses fatores serviriam para fortalecer o poder da monarquia inglesa. ANGLICANISMO
  • 21.
  • 22. Contrarreforma, também conhecida por Reforma Católica é o nome dado ao movimento que surgiu no interior da Igreja Católica em resposta aos movimentos protestantes que surgiram e cresciam na Europa. CONTRARREFORMA Entre 1545 e 1563 foi realizado o Concílio deTrento, na Itália. Esse encontro das principais autoridades católicas tinha por objetivo redefinir o posicionamento da Igreja em relação à sua doutrina religiosa, bem como encontrar meios de frear o avanço do protestantismo pela Europa.
  • 23. O Concílio deTrento (1545 e 1563 ), na Itália.
  • 24. Dentre as medidas tomadas no Concílio deTrento estão: - A venda de indulgências, deveria ser evitada; - Criação dos seminários; - Criação do Index (Index Librorum Prohibitorum); - Inquisição ouTribunal do Santo Ofício; - Companhia de Jesus (Inácio de Loyola); - Criação do catecismo. CONTRARREFORMA
  • 25. Por outro lado, o que ocorreu foi a afirmação dos dogmas religiosos católicos. O princípio da salvação pela fé e boas obras foi mantido, mesmo após as críticas de Martinho Lutero. O culto àVirgem Maria e aos santos foi reafirmado, bem como a existência do purgatório. A crença católica manteria as duas origens: a Bíblia e as tradições transmitidas pela Igreja Católica, bem como os 7 sacramentos (batismo, confirmação (ou crisma), eucaristia, reconciliação (ou penitência), unção dos enfermos, ordem e matrimônio). CONTRARREFORMA