SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 16
Baixar para ler offline
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
ATENÇÃO ÀS
MULHERES
ATENÇÃO HUMANIZADA AO ABORTAMENTO
NORMA TÉCNICA – MINISTÉRIO DA SAÚDE
2ª EDIÇÃO - 2ª REIMPRESSÃO EM 2014
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
ATENÇÃO HUMANIZADA AO ABORTAMENTO
O abortamento representa um grave problema
de saúde pública, sendo causa importante de
morte materna.
O Ministério da Saúde reconhece este problema
e estabelece normas para o atendimento ao
abortamento nos serviços de saúde.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
ATENÇÃO HUMANIZADA AO ABORTAMENTO
O que você encontra na norma técnica
1. Contextualização do abortamento no Brasil
2. Marco conceitual de atenção ao abortamento
3. Aspectos ético-profissionais e jurídicos do abortamento
4. Três pilares da atenção ao abortamento
ATENÇÃO HUMANIZADA AO ABORTAMENTO
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
Introdução
• O Ministério da Saúde, atento à primazia dos direitos humanos e sensível às
reivindicações dos movimentos feministas e de mulheres, tem o compromisso com a
garantia dos direitos reprodutivos e dos direitos sexuais das mulheres.
• Estima-se que ocorram, considerando apenas o Brasil, mais de um milhão de
abortamentos induzidos ao ano, sendo uma das principais causas de morte materna
no País.
• Na nova edição da norma técnica (a primeira é de 2005), são incorporados objetivos
específicos da Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Mulher, a qual busca
promover a atenção qualificada e humanizada – obstétrica e neonatal. Essa atenção
inclui a assistência ao abortamento em condições seguras, para mulheres e
adolescentes.
ATENÇÃO HUMANIZADA AO ABORTAMENTO
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
Objetivo da Norma Técnica: subsidiar a prática profissional
• A Norma pretende fornecer aos profissionais subsídios para que possam oferecer
não só um cuidado imediato às mulheres em situação de abortamento, mas
também, na perspectiva da integralidade deste atendimento, disponibilizá-las
alternativas contraceptivas, evitando o recurso a abortos repetidos.
• Para mulheres com abortamentos espontâneos e que desejem nova gestação
deve ser garantido um atendimento adequado às suas necessidades.
• É fundamental reconhecer que a qualidade da atenção almejada inclui aspectos
relativos à sua humanização, incitando profissionais, independentemente dos
seus preceitos morais e religiosos, a preservarem uma postura ética, garantindo
o respeito aos direitos humanos das mulheres.
ATENÇÃO HUMANIZADA AO ABORTAMENTO
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
Marco conceitual da Norma técnica de atenção humanizada ao abortamento
• A inclusão de um modelo humanizado de atenção às mulheres com abortamento
é propósito da Norma.
• Não apenas como um guia de cuidados, mas também na intenção de oferecer às
mulheres, aos serviços de saúde e à sociedade um novo paradigma que torne
seguro, sustentável e efetivo a atenção às mulheres em situação de
abortamento.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
ATENÇÃO HUMANIZADA AO ABORTAMENTO
O que a norma técnica define como abortamento?
Abortamento é a interrupção da gravidez até a 20ª ou 22ª semana e
com o produto da concepção pesando menos que 500g.
Aborto é o produto da concepção eliminado no abortamento.
São várias as causas de abortamento, contudo, na maioria das vezes,
a causa permanece indeterminada.
Muitas gestações são interrompidas por decisão pessoal da mulher.
ATENÇÃO HUMANIZADA AO ABORTAMENTO
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
A atenção ao abortamento deve se apoiar em três pilares
1. Acolher e orientar
2. Atenção clínica ao abortamento
3. Planejamento reprodutivo pós-abortamento
ATENÇÃO HUMANIZADA AO ABORTAMENTO
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
Acolhimento é o tratamento digno e respeitoso, a escuta, o reconhecimento e a
aceitação das diferenças, o respeito ao direito de decidir de mulheres e homens, assim
como o acesso e a resolubilidade da assistência à saúde.
1. Acolher e orientar
• Quando as mulheres chegam aos serviços de saúde em processo de abortamento sua experiência é
física, emocional e social. Geralmente, elas verbalizam as queixas físicas, demandando soluções, e
calam-se sobre suas vivências e sentimentos.
• A mulher que chega ao serviço de saúde em situação de abortamento espontâneo, induzido ou
provocado, está passando por um momento difícil e pode ter sentimentos de solidão, angústia,
ansiedade, culpa, autocensura, medo de falar, de ser punida, de ser humilhada, sensação de
incapacidade de engravidar novamente.
• Todos esses sentimentos se misturam no momento da decisão pela interrupção, sendo que para a
maioria das mulheres, no momento do pós-abortamento, sobressai o sentimento de alívio.
ATENÇÃO HUMANIZADA AO ABORTAMENTO
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
2. Atenção clínica ao abortamento
É preciso saber classificar adequadamente, pois isso ajudará a definir a conduta
adequada:
• ameaça de abortamento
• abortamento completo
• abortamento inevitável/incompleto
• abortamento retido
• abortamento infectado
• abortamento habitual
• abortamento eletivo previsto em lei
ATENÇÃO HUMANIZADA AO ABORTAMENTO
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
• É importante que a escolha do tipo de método para o abortamento faça parte de um processo de decisão
compartilhada entre a mulher e os profissionais de saúde.
• Os diferentes métodos disponíveis devem ser igualmente oferecidos de forma apropriada, garantindo que a decisão
seja a mais livre, consciente e informada possível.
• Durante o primeiro trimestre da gravidez consideram-se métodos aceitáveis a aspiração intrauterina (manual ou
elétrica), o abortamento farmacológico e a curetagem uterina.
• A ordem de escolha para os diferentes métodos depende das condições de cada serviço e da preferência da mulher,
além da necessária avaliação do risco-benefício de cada procedimento.
• Deve-se adotar critérios que considerem e respeitem: (a) a disponibilidade de métodos em cada serviço de saúde; (b)
a capacitação, habilidade e rotinas dos serviços de saúde para cada método; (c) as condições clínicas, sociais e
psicológicas da mulher.
2. Atenção clínica ao abortamento
A Atenção clínica compreende a classificação adequada, a definição do método, a
execução adequada e o manejo da dor.
ATENÇÃO HUMANIZADA AO ABORTAMENTO
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
Abortamento farmacológico: é a utilização de fármacos para indução do abortamento ou abreviação do
abortamento em curso. – Misoprostol e Ocitocina
Aspiração Manual Intrauterina (Amiu): Procedimento que utiliza cânulas de Karman, com diâmetros
variáveis, de 4 a 12mm, acopladas a seringa com vácuo, promovendo a retirada dos restos ovulares através
da raspagem da cavidade uterina e por aspiração.
Curetagem uterina: realizada com a utilização da cureta, promovendo-se uma raspagem da cavidade
uterina, extraindo-se o material desprendido pelo instrumental
Em qualquer das técnicas utilizadas: promover o ALÍVIO DA DOR
2. Atenção clínica ao abortamento: escolhendo as técnicas de
esvaziamento uterino
ATENÇÃO HUMANIZADA AO ABORTAMENTO
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
Idealmente, todos os métodos contraceptivos devem estar
disponíveis no local onde se atende à mulher em abortamento, dando
oportunidades às mulheres de iniciar o uso antes de receber alta. Em que
pese a obrigatoriedade da orientação e oferta de métodos contraceptivos,
as mulheres devem ter absoluta liberdade de aceitar ou não os métodos
acima citados.
3. Planejamento reprodutivo pós-abortamento
• Mulher com complicações de abortamento, espontâneo ou por decisão pessoal, tem
necessidade de cuidados destinados a protegê-la das consequências físicas e
psicológicas do processo que está sofrendo, assim como evitar que volte a ser acometida
do mesmo problema no futuro.
• Nos casos de abortamento provocado, a adoção imediata de contracepção tem se
mostrado como uma medida eficaz para reduzir o risco de novos abortamentos.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
ATENÇÃO HUMANIZADA AO ABORTAMENTO
A atenção ao abortamento deve se apoiar em três pilares
1. Acolher e orientar: ouvir a mulher, a partir de princípios éticos
dos direitos reprodutivos
2. Atenção clínica ao abortamento: classificar, decidir como
fazer e executar, lembrando da necessidade de manejo da dor
3. Planejamento reprodutivo pós-abortamento: discutir com a
mulher sobre suas intenções reprodutivas e oferecer os
métodos contraceptivos disponíveis, orientando sobre
continuidade do cuidado em serviços de atenção básica
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
ATENÇÃO HUMANIZADA AO ABORTAMENTO
Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações
Programáticas Estratégicas. Atenção humanizada ao abortamento: norma técnica /
Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Área Técnica de Saúde da Mulher. – 2.
ed., 2. reimp – Brasília : Ministério da Saúde, 2014. 60 p.: il. – (Série Direitos Sexuais e
Direitos Reprodutivos ; Caderno no 4)
Referência bibliográfica
ATENÇÃO ÀS
MULHERES
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
Material de 27 de fevereiro de 2018
Disponível em: portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
Aprofunde seus conhecimentos acessando artigos disponíveis na biblioteca do Portal.
ATENÇÃO HUMANIZADA AO ABORTAMENTO

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Ética Profissional de enfermagem
Ética Profissional de enfermagemÉtica Profissional de enfermagem
Ética Profissional de enfermagemfnanda
 
Aula sobre parto seguro
Aula sobre parto seguroAula sobre parto seguro
Aula sobre parto seguroProqualis
 
Administração de medicamentos
Administração de medicamentosAdministração de medicamentos
Administração de medicamentosJanaína Lassala
 
Alojamento conjunto e enfermagem
Alojamento conjunto e enfermagemAlojamento conjunto e enfermagem
Alojamento conjunto e enfermagemjusantos_
 
Código de ética dos profissionais de enfermagem
Código de ética dos profissionais de enfermagemCódigo de ética dos profissionais de enfermagem
Código de ética dos profissionais de enfermagemCentro Universitário Ages
 
Aula anotação de enfermagem
Aula anotação de enfermagem Aula anotação de enfermagem
Aula anotação de enfermagem Rafaela Amanso
 
Aula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEM
Aula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEMAula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEM
Aula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEMLuziane Costa
 
Apresentacao legislacao em enfermagem 1
Apresentacao legislacao em enfermagem 1Apresentacao legislacao em enfermagem 1
Apresentacao legislacao em enfermagem 1Rosimeire Areias
 
Aborto: questões éticas e legais
Aborto: questões éticas e legaisAborto: questões éticas e legais
Aborto: questões éticas e legaisMaria Stella
 
Cartilha HUMANIZAÇÃO do PARTO: NASCE o RESPEITO - MP PE
Cartilha HUMANIZAÇÃO do PARTO: NASCE o RESPEITO - MP PECartilha HUMANIZAÇÃO do PARTO: NASCE o RESPEITO - MP PE
Cartilha HUMANIZAÇÃO do PARTO: NASCE o RESPEITO - MP PEProf. Marcus Renato de Carvalho
 
Teorias de Enfermagem
Teorias de Enfermagem Teorias de Enfermagem
Teorias de Enfermagem resenfe2013
 

Mais procurados (20)

Ética Profissional de enfermagem
Ética Profissional de enfermagemÉtica Profissional de enfermagem
Ética Profissional de enfermagem
 
Aula sobre parto seguro
Aula sobre parto seguroAula sobre parto seguro
Aula sobre parto seguro
 
Paism slider
Paism sliderPaism slider
Paism slider
 
Administração de medicamentos
Administração de medicamentosAdministração de medicamentos
Administração de medicamentos
 
Alojamento conjunto e enfermagem
Alojamento conjunto e enfermagemAlojamento conjunto e enfermagem
Alojamento conjunto e enfermagem
 
Código de ética dos profissionais de enfermagem
Código de ética dos profissionais de enfermagemCódigo de ética dos profissionais de enfermagem
Código de ética dos profissionais de enfermagem
 
Urgência e emergência
Urgência e emergênciaUrgência e emergência
Urgência e emergência
 
SAÚDE DA MULHER: ENFERMAGEM
SAÚDE DA MULHER: ENFERMAGEMSAÚDE DA MULHER: ENFERMAGEM
SAÚDE DA MULHER: ENFERMAGEM
 
Aula anotação de enfermagem
Aula anotação de enfermagem Aula anotação de enfermagem
Aula anotação de enfermagem
 
Aula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEM
Aula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEMAula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEM
Aula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEM
 
Apresentacao legislacao em enfermagem 1
Apresentacao legislacao em enfermagem 1Apresentacao legislacao em enfermagem 1
Apresentacao legislacao em enfermagem 1
 
Aborto: questões éticas e legais
Aborto: questões éticas e legaisAborto: questões éticas e legais
Aborto: questões éticas e legais
 
Parto e nascimento humanizado
Parto e nascimento humanizadoParto e nascimento humanizado
Parto e nascimento humanizado
 
BIOÉTICA EM ENFERMAGEM
BIOÉTICA EM ENFERMAGEMBIOÉTICA EM ENFERMAGEM
BIOÉTICA EM ENFERMAGEM
 
Cartilha HUMANIZAÇÃO do PARTO: NASCE o RESPEITO - MP PE
Cartilha HUMANIZAÇÃO do PARTO: NASCE o RESPEITO - MP PECartilha HUMANIZAÇÃO do PARTO: NASCE o RESPEITO - MP PE
Cartilha HUMANIZAÇÃO do PARTO: NASCE o RESPEITO - MP PE
 
Transporte de pacientes
Transporte de pacientesTransporte de pacientes
Transporte de pacientes
 
Teorias de Enfermagem
Teorias de Enfermagem Teorias de Enfermagem
Teorias de Enfermagem
 
Enfermagem ObstéTrica Parte 1
Enfermagem ObstéTrica Parte 1Enfermagem ObstéTrica Parte 1
Enfermagem ObstéTrica Parte 1
 
Rede cegonha 24022011
Rede cegonha 24022011Rede cegonha 24022011
Rede cegonha 24022011
 
Planejamento Reprodutivo: o que há de novo e além do planejamento familiar?
Planejamento Reprodutivo: o que há de novo e além do planejamento familiar?Planejamento Reprodutivo: o que há de novo e além do planejamento familiar?
Planejamento Reprodutivo: o que há de novo e além do planejamento familiar?
 

Semelhante a ATENÇÃO HUMANIZADA AO ABORTAMENTO

Violência obstetrícia: o que é e os direitos da parturiente
Violência obstetrícia: o que é e os direitos da parturienteViolência obstetrícia: o que é e os direitos da parturiente
Violência obstetrícia: o que é e os direitos da parturienteMaria Luiza Gorga
 
Manual de Planejamento familiar
Manual de Planejamento familiarManual de Planejamento familiar
Manual de Planejamento familiarKarla Vivianne
 
Parto aborto puerperio
Parto aborto puerperioParto aborto puerperio
Parto aborto puerperiokarol_ribeiro
 
Parto Seguro_0.pdf
Parto Seguro_0.pdfParto Seguro_0.pdf
Parto Seguro_0.pdfbianca375788
 
Humanização na Assistência Obstétrica
Humanização na Assistência ObstétricaHumanização na Assistência Obstétrica
Humanização na Assistência ObstétricaProfessor Robson
 
Política de humanização em mato grosso do sul
Política de humanização em mato grosso do sulPolítica de humanização em mato grosso do sul
Política de humanização em mato grosso do sulMaria Juaçaba Juaçaba
 
Desenvolvimento Jornal UFG
Desenvolvimento Jornal UFGDesenvolvimento Jornal UFG
Desenvolvimento Jornal UFGAlberto Finotti
 
Bioética em centro cirúrgico e projeto minerva princípio da enfermagem 3 g ...
Bioética em centro cirúrgico e projeto minerva   princípio da enfermagem 3 g ...Bioética em centro cirúrgico e projeto minerva   princípio da enfermagem 3 g ...
Bioética em centro cirúrgico e projeto minerva princípio da enfermagem 3 g ...Emilton Dos Santos Oliveira
 
Saude mulher-pre-natal
Saude mulher-pre-natalSaude mulher-pre-natal
Saude mulher-pre-natalEliete Santos
 
sadedamulher-150825191857-lva1-app6892+(1)_abcdpdf_pdf_para_ppt.pptx
sadedamulher-150825191857-lva1-app6892+(1)_abcdpdf_pdf_para_ppt.pptxsadedamulher-150825191857-lva1-app6892+(1)_abcdpdf_pdf_para_ppt.pptx
sadedamulher-150825191857-lva1-app6892+(1)_abcdpdf_pdf_para_ppt.pptxItauanaAlmeida1
 
Aula 2- Fundamentos de Enfermagem.pptx
Aula 2- Fundamentos de Enfermagem.pptxAula 2- Fundamentos de Enfermagem.pptx
Aula 2- Fundamentos de Enfermagem.pptxDheniseMikaelly
 
Aula 2 - Vida humana.pptx
Aula 2 - Vida humana.pptxAula 2 - Vida humana.pptx
Aula 2 - Vida humana.pptxDheniseMikaelly
 

Semelhante a ATENÇÃO HUMANIZADA AO ABORTAMENTO (20)

Violência obstetrícia: o que é e os direitos da parturiente
Violência obstetrícia: o que é e os direitos da parturienteViolência obstetrícia: o que é e os direitos da parturiente
Violência obstetrícia: o que é e os direitos da parturiente
 
Manual de Planejamento familiar
Manual de Planejamento familiarManual de Planejamento familiar
Manual de Planejamento familiar
 
Parto aborto puerperio
Parto aborto puerperioParto aborto puerperio
Parto aborto puerperio
 
Aborto
AbortoAborto
Aborto
 
Manual de parto
Manual de partoManual de parto
Manual de parto
 
Parto Humanizado
Parto HumanizadoParto Humanizado
Parto Humanizado
 
Obstetricia y P4
Obstetricia y P4Obstetricia y P4
Obstetricia y P4
 
Parto Seguro_0.pdf
Parto Seguro_0.pdfParto Seguro_0.pdf
Parto Seguro_0.pdf
 
Humanização na Assistência Obstétrica
Humanização na Assistência ObstétricaHumanização na Assistência Obstétrica
Humanização na Assistência Obstétrica
 
Política de humanização em mato grosso do sul
Política de humanização em mato grosso do sulPolítica de humanização em mato grosso do sul
Política de humanização em mato grosso do sul
 
Desenvolvimento Jornal UFG
Desenvolvimento Jornal UFGDesenvolvimento Jornal UFG
Desenvolvimento Jornal UFG
 
Bioética em centro cirúrgico e projeto minerva princípio da enfermagem 3 g ...
Bioética em centro cirúrgico e projeto minerva   princípio da enfermagem 3 g ...Bioética em centro cirúrgico e projeto minerva   princípio da enfermagem 3 g ...
Bioética em centro cirúrgico e projeto minerva princípio da enfermagem 3 g ...
 
Saude mulher-pre-natal
Saude mulher-pre-natalSaude mulher-pre-natal
Saude mulher-pre-natal
 
Aula etica neo 2
Aula etica neo 2Aula etica neo 2
Aula etica neo 2
 
sadedamulher-150825191857-lva1-app6892+(1)_abcdpdf_pdf_para_ppt.pptx
sadedamulher-150825191857-lva1-app6892+(1)_abcdpdf_pdf_para_ppt.pptxsadedamulher-150825191857-lva1-app6892+(1)_abcdpdf_pdf_para_ppt.pptx
sadedamulher-150825191857-lva1-app6892+(1)_abcdpdf_pdf_para_ppt.pptx
 
Cesariana a pedido:desenvolvendo oferta de opções equivalentes
Cesariana a pedido:desenvolvendo oferta de opções equivalentesCesariana a pedido:desenvolvendo oferta de opções equivalentes
Cesariana a pedido:desenvolvendo oferta de opções equivalentes
 
Aula 2- Fundamentos de Enfermagem.pptx
Aula 2- Fundamentos de Enfermagem.pptxAula 2- Fundamentos de Enfermagem.pptx
Aula 2- Fundamentos de Enfermagem.pptx
 
AMIU: quando e como fazer?
AMIU: quando e como fazer?AMIU: quando e como fazer?
AMIU: quando e como fazer?
 
Aula 2 - Vida humana.pptx
Aula 2 - Vida humana.pptxAula 2 - Vida humana.pptx
Aula 2 - Vida humana.pptx
 
Fôlder sobre Violência Obstétrica
Fôlder sobre Violência ObstétricaFôlder sobre Violência Obstétrica
Fôlder sobre Violência Obstétrica
 

Mais de Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)

Mais de Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz) (20)

Disbioses, Infecções Genitais e Infertilidade
Disbioses, Infecções Genitais e InfertilidadeDisbioses, Infecções Genitais e Infertilidade
Disbioses, Infecções Genitais e Infertilidade
 
Prevenção de Infecção de Sítio Cirúrgico em Pediatria
Prevenção de Infecção de Sítio Cirúrgico em PediatriaPrevenção de Infecção de Sítio Cirúrgico em Pediatria
Prevenção de Infecção de Sítio Cirúrgico em Pediatria
 
Ansiedade e Depressão no Climatério
Ansiedade e Depressão no ClimatérioAnsiedade e Depressão no Climatério
Ansiedade e Depressão no Climatério
 
Diabetes Mellitus na Gestação: estratégias de organização e hierarquização da...
Diabetes Mellitus na Gestação: estratégias de organização e hierarquização da...Diabetes Mellitus na Gestação: estratégias de organização e hierarquização da...
Diabetes Mellitus na Gestação: estratégias de organização e hierarquização da...
 
Prevenção do Câncer de Colo: quando a colposcopia é indicada?
Prevenção do Câncer de Colo: quando a colposcopia é indicada?Prevenção do Câncer de Colo: quando a colposcopia é indicada?
Prevenção do Câncer de Colo: quando a colposcopia é indicada?
 
Desospitalização de Crianças com CCC: panorama da atenção domiciliar no Brasil
Desospitalização de Crianças com CCC: panorama da atenção domiciliar no BrasilDesospitalização de Crianças com CCC: panorama da atenção domiciliar no Brasil
Desospitalização de Crianças com CCC: panorama da atenção domiciliar no Brasil
 
O Pré-natal e a Promoção do Parto Normal
O Pré-natal e a Promoção do Parto NormalO Pré-natal e a Promoção do Parto Normal
O Pré-natal e a Promoção do Parto Normal
 
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
 
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
 
Diabetes Mellitus na Gestação: alterações metabólicas associadas
Diabetes Mellitus na Gestação: alterações metabólicas associadasDiabetes Mellitus na Gestação: alterações metabólicas associadas
Diabetes Mellitus na Gestação: alterações metabólicas associadas
 
Luto Perinatal
Luto PerinatalLuto Perinatal
Luto Perinatal
 
Anafilaxia na Infância: Apresentação Clínica e Manejo
Anafilaxia na Infância: Apresentação Clínica e ManejoAnafilaxia na Infância: Apresentação Clínica e Manejo
Anafilaxia na Infância: Apresentação Clínica e Manejo
 
Diabetes Mellitus na Gestação: Cuidados no Parto e Puerpério
Diabetes Mellitus na Gestação: Cuidados no Parto e PuerpérioDiabetes Mellitus na Gestação: Cuidados no Parto e Puerpério
Diabetes Mellitus na Gestação: Cuidados no Parto e Puerpério
 
Retomada da Cobertura Vacinal: Desafios e Perspectivas no Brasil
Retomada da Cobertura Vacinal: Desafios e Perspectivas no BrasilRetomada da Cobertura Vacinal: Desafios e Perspectivas no Brasil
Retomada da Cobertura Vacinal: Desafios e Perspectivas no Brasil
 
Cuidados com a Saúde Bucal na Gestação
Cuidados com a Saúde Bucal na GestaçãoCuidados com a Saúde Bucal na Gestação
Cuidados com a Saúde Bucal na Gestação
 
Hábitos Saudáveis e a Prevenção do Câncer de Mama: é possível?
Hábitos Saudáveis e a Prevenção do Câncer de Mama: é possível?Hábitos Saudáveis e a Prevenção do Câncer de Mama: é possível?
Hábitos Saudáveis e a Prevenção do Câncer de Mama: é possível?
 
Fibrose Cística: como diagnosticar?
Fibrose Cística: como diagnosticar?Fibrose Cística: como diagnosticar?
Fibrose Cística: como diagnosticar?
 
Osteogênese Imperfeita
Osteogênese ImperfeitaOsteogênese Imperfeita
Osteogênese Imperfeita
 
Diabetes Mellitus na Gestação: Tratamento e Cuidados no Pré-natal
Diabetes Mellitus na Gestação: Tratamento e Cuidados no Pré-natalDiabetes Mellitus na Gestação: Tratamento e Cuidados no Pré-natal
Diabetes Mellitus na Gestação: Tratamento e Cuidados no Pré-natal
 
Desafios na Introdução Alimentar
Desafios na Introdução AlimentarDesafios na Introdução Alimentar
Desafios na Introdução Alimentar
 

ATENÇÃO HUMANIZADA AO ABORTAMENTO

  • 1. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br ATENÇÃO ÀS MULHERES ATENÇÃO HUMANIZADA AO ABORTAMENTO NORMA TÉCNICA – MINISTÉRIO DA SAÚDE 2ª EDIÇÃO - 2ª REIMPRESSÃO EM 2014
  • 2. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br ATENÇÃO HUMANIZADA AO ABORTAMENTO O abortamento representa um grave problema de saúde pública, sendo causa importante de morte materna. O Ministério da Saúde reconhece este problema e estabelece normas para o atendimento ao abortamento nos serviços de saúde.
  • 3. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br ATENÇÃO HUMANIZADA AO ABORTAMENTO O que você encontra na norma técnica 1. Contextualização do abortamento no Brasil 2. Marco conceitual de atenção ao abortamento 3. Aspectos ético-profissionais e jurídicos do abortamento 4. Três pilares da atenção ao abortamento
  • 4. ATENÇÃO HUMANIZADA AO ABORTAMENTO portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br Introdução • O Ministério da Saúde, atento à primazia dos direitos humanos e sensível às reivindicações dos movimentos feministas e de mulheres, tem o compromisso com a garantia dos direitos reprodutivos e dos direitos sexuais das mulheres. • Estima-se que ocorram, considerando apenas o Brasil, mais de um milhão de abortamentos induzidos ao ano, sendo uma das principais causas de morte materna no País. • Na nova edição da norma técnica (a primeira é de 2005), são incorporados objetivos específicos da Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Mulher, a qual busca promover a atenção qualificada e humanizada – obstétrica e neonatal. Essa atenção inclui a assistência ao abortamento em condições seguras, para mulheres e adolescentes.
  • 5. ATENÇÃO HUMANIZADA AO ABORTAMENTO portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br Objetivo da Norma Técnica: subsidiar a prática profissional • A Norma pretende fornecer aos profissionais subsídios para que possam oferecer não só um cuidado imediato às mulheres em situação de abortamento, mas também, na perspectiva da integralidade deste atendimento, disponibilizá-las alternativas contraceptivas, evitando o recurso a abortos repetidos. • Para mulheres com abortamentos espontâneos e que desejem nova gestação deve ser garantido um atendimento adequado às suas necessidades. • É fundamental reconhecer que a qualidade da atenção almejada inclui aspectos relativos à sua humanização, incitando profissionais, independentemente dos seus preceitos morais e religiosos, a preservarem uma postura ética, garantindo o respeito aos direitos humanos das mulheres.
  • 6. ATENÇÃO HUMANIZADA AO ABORTAMENTO portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br Marco conceitual da Norma técnica de atenção humanizada ao abortamento • A inclusão de um modelo humanizado de atenção às mulheres com abortamento é propósito da Norma. • Não apenas como um guia de cuidados, mas também na intenção de oferecer às mulheres, aos serviços de saúde e à sociedade um novo paradigma que torne seguro, sustentável e efetivo a atenção às mulheres em situação de abortamento.
  • 7. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br ATENÇÃO HUMANIZADA AO ABORTAMENTO O que a norma técnica define como abortamento? Abortamento é a interrupção da gravidez até a 20ª ou 22ª semana e com o produto da concepção pesando menos que 500g. Aborto é o produto da concepção eliminado no abortamento. São várias as causas de abortamento, contudo, na maioria das vezes, a causa permanece indeterminada. Muitas gestações são interrompidas por decisão pessoal da mulher.
  • 8. ATENÇÃO HUMANIZADA AO ABORTAMENTO portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br A atenção ao abortamento deve se apoiar em três pilares 1. Acolher e orientar 2. Atenção clínica ao abortamento 3. Planejamento reprodutivo pós-abortamento
  • 9. ATENÇÃO HUMANIZADA AO ABORTAMENTO portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br Acolhimento é o tratamento digno e respeitoso, a escuta, o reconhecimento e a aceitação das diferenças, o respeito ao direito de decidir de mulheres e homens, assim como o acesso e a resolubilidade da assistência à saúde. 1. Acolher e orientar • Quando as mulheres chegam aos serviços de saúde em processo de abortamento sua experiência é física, emocional e social. Geralmente, elas verbalizam as queixas físicas, demandando soluções, e calam-se sobre suas vivências e sentimentos. • A mulher que chega ao serviço de saúde em situação de abortamento espontâneo, induzido ou provocado, está passando por um momento difícil e pode ter sentimentos de solidão, angústia, ansiedade, culpa, autocensura, medo de falar, de ser punida, de ser humilhada, sensação de incapacidade de engravidar novamente. • Todos esses sentimentos se misturam no momento da decisão pela interrupção, sendo que para a maioria das mulheres, no momento do pós-abortamento, sobressai o sentimento de alívio.
  • 10. ATENÇÃO HUMANIZADA AO ABORTAMENTO portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br 2. Atenção clínica ao abortamento É preciso saber classificar adequadamente, pois isso ajudará a definir a conduta adequada: • ameaça de abortamento • abortamento completo • abortamento inevitável/incompleto • abortamento retido • abortamento infectado • abortamento habitual • abortamento eletivo previsto em lei
  • 11. ATENÇÃO HUMANIZADA AO ABORTAMENTO portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br • É importante que a escolha do tipo de método para o abortamento faça parte de um processo de decisão compartilhada entre a mulher e os profissionais de saúde. • Os diferentes métodos disponíveis devem ser igualmente oferecidos de forma apropriada, garantindo que a decisão seja a mais livre, consciente e informada possível. • Durante o primeiro trimestre da gravidez consideram-se métodos aceitáveis a aspiração intrauterina (manual ou elétrica), o abortamento farmacológico e a curetagem uterina. • A ordem de escolha para os diferentes métodos depende das condições de cada serviço e da preferência da mulher, além da necessária avaliação do risco-benefício de cada procedimento. • Deve-se adotar critérios que considerem e respeitem: (a) a disponibilidade de métodos em cada serviço de saúde; (b) a capacitação, habilidade e rotinas dos serviços de saúde para cada método; (c) as condições clínicas, sociais e psicológicas da mulher. 2. Atenção clínica ao abortamento A Atenção clínica compreende a classificação adequada, a definição do método, a execução adequada e o manejo da dor.
  • 12. ATENÇÃO HUMANIZADA AO ABORTAMENTO portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br Abortamento farmacológico: é a utilização de fármacos para indução do abortamento ou abreviação do abortamento em curso. – Misoprostol e Ocitocina Aspiração Manual Intrauterina (Amiu): Procedimento que utiliza cânulas de Karman, com diâmetros variáveis, de 4 a 12mm, acopladas a seringa com vácuo, promovendo a retirada dos restos ovulares através da raspagem da cavidade uterina e por aspiração. Curetagem uterina: realizada com a utilização da cureta, promovendo-se uma raspagem da cavidade uterina, extraindo-se o material desprendido pelo instrumental Em qualquer das técnicas utilizadas: promover o ALÍVIO DA DOR 2. Atenção clínica ao abortamento: escolhendo as técnicas de esvaziamento uterino
  • 13. ATENÇÃO HUMANIZADA AO ABORTAMENTO portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br Idealmente, todos os métodos contraceptivos devem estar disponíveis no local onde se atende à mulher em abortamento, dando oportunidades às mulheres de iniciar o uso antes de receber alta. Em que pese a obrigatoriedade da orientação e oferta de métodos contraceptivos, as mulheres devem ter absoluta liberdade de aceitar ou não os métodos acima citados. 3. Planejamento reprodutivo pós-abortamento • Mulher com complicações de abortamento, espontâneo ou por decisão pessoal, tem necessidade de cuidados destinados a protegê-la das consequências físicas e psicológicas do processo que está sofrendo, assim como evitar que volte a ser acometida do mesmo problema no futuro. • Nos casos de abortamento provocado, a adoção imediata de contracepção tem se mostrado como uma medida eficaz para reduzir o risco de novos abortamentos.
  • 14. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br ATENÇÃO HUMANIZADA AO ABORTAMENTO A atenção ao abortamento deve se apoiar em três pilares 1. Acolher e orientar: ouvir a mulher, a partir de princípios éticos dos direitos reprodutivos 2. Atenção clínica ao abortamento: classificar, decidir como fazer e executar, lembrando da necessidade de manejo da dor 3. Planejamento reprodutivo pós-abortamento: discutir com a mulher sobre suas intenções reprodutivas e oferecer os métodos contraceptivos disponíveis, orientando sobre continuidade do cuidado em serviços de atenção básica
  • 15. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br ATENÇÃO HUMANIZADA AO ABORTAMENTO Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Atenção humanizada ao abortamento: norma técnica / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Área Técnica de Saúde da Mulher. – 2. ed., 2. reimp – Brasília : Ministério da Saúde, 2014. 60 p.: il. – (Série Direitos Sexuais e Direitos Reprodutivos ; Caderno no 4) Referência bibliográfica
  • 16. ATENÇÃO ÀS MULHERES portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br Material de 27 de fevereiro de 2018 Disponível em: portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br Aprofunde seus conhecimentos acessando artigos disponíveis na biblioteca do Portal. ATENÇÃO HUMANIZADA AO ABORTAMENTO