3º - Estética (Ala 01)

1.329 visualizações

Publicada em

0 comentários
4 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.329
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
11
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
79
Comentários
0
Gostaram
4
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

3º - Estética (Ala 01)

  1. 1. + Estética Natureza e tarefa da estética
  2. 2. + Estética n  Do grego aisthesis, que significa sensação, percepção sensível. n  Nasce como ramo do saber em meados do século XVIII; n  Ramo da filosofia que tem por objeto o estudo da natureza do belo e dos fundamentos da arte; n  Destinada a estudar uma forma de conhecimento obscura, logo, com uma esmagadora carga especulativa; n  Também pode ocupar-se do sublime, ou da privação da beleza, ou seja, o que pode ser considerado feio, ou até mesmo ridículo.
  3. 3. + Estética n  A estética ajuda o espectador a recuperar consciência do lugar que ocupa em sua relação direta e imediata com um objeto estético ou com um produto artístico em particular. n  Se a realidade é dinâmica a Estética o será também. n  A estética é uma teoria não normativa, fecunda para a prática artística.
  4. 4. + Problemas da estética n  1º- Especificação do objeto; n  2º - Definição da própria estética, sua utilidade e vantagem; n  Universo estético: seres naturais e objetos artificiais; n  Dentro desse universos estético existem aqueles objetos que não recebem a atenção de nenhuma ciência específica, portanto, faz-se necessária uma ciência especial que se ocupe desses objetos e do comportamento humano em relação a ele, essa ciência é a Estética.
  5. 5. + Estética como filosofia do belo O que é o Belo?
  6. 6. + Estética como filosofia do belo n  Platão: é o perfeito, absoluto e atemporal; É uma ideia; n  Aristóteles: possui ordem, limite, simetria; n  Estética cristã e medieval: é medida e forma, ordem e proporção; n  Renascimento: é consonância e integração mútua das partes; n  Antes do século XVIII: qualidade das coisas, da realidade.
  7. 7. + Estética como filosofia do belo n  A partir do século XVIII: n  Hutcheson: é uma percepção da mente; n  Hume: existe na mente daquele que a contempla. n  Todo o belo é estético, mas nem todo estético é belo, n  A arte não pode reduzir-se à sua versão clássica ou classicista. n  A Estética não pode ser definida como a ciêcia do belo.
  8. 8. +
  9. 9. + Estética como filosofia da arte n  O estético ou o belo deixam de interessar como problema especial ou exclusivo, e a atenção se concentra na arte, onde um e outro acontecem; n  Em favor dessa concepção atua o papel privilegiado que desde o Renascimento foi atribuído à arte; n  É atribuída ao homem a capacidade criadora.
  10. 10. + Estética como filosofia da arte n  Antes a arte só existia com uma dupla condição servil: n  Como meio ou instrumento de uma finalidade alheia, a serviço dos homens ou dos deuses; n  Como uma atividade própria de artesãos ou servos; n  Com o renascimento a arte passa a ocupar o lugar central nas digressões estéticas.
  11. 11. + Estética como filosofia da arte n  Embora para a Estética a arte seja um objeto de estudo fundamental, não pode ser exclusivo; n  A arte é apenas uma forma do comportamento estético humano; n  A relação estética não se dá apenas na arte e na recepção de seus produtos, mas também na contemplação da natureza, assim como no comportamento humano com objetos produzidos com uma finalidade prático-utilitária.
  12. 12. + Estética como filosofia da arte n  A definição da Estética como filosofia da arte é duplamente limitativa: n  Restringe o campo do estético ao artístico, como também o da arte com outras atividades humanas; n  Assim como a vinculação de todo o campo artístico com a sociedade em que ocorre e com as diversas relações sociais que a condicionam; n  Trata-se de uma teoria limitada diante da amplitude do universo estético.
  13. 13. + Estética e ciência da arte n  O que a diferencia da filosofia da arte é o modo que concebe o objeto, a arte; n  Já não se tende a vê-la por um único lado, o estético, mas sim em todos os seus aspectos e relações; n  Estético: é o que pode suscitar uma percepção desinteressada; n  Artístico: compreende os valores diversos que se revelam na obra de arte.
  14. 14. + Estética e ciência da arte n  Pode considerar uma obra artística determinada levando em conta seus valores não exatamente estéticos: religiosos, morais, racionais ou sociais; n  A arte se liberta assim de sua submissão à beleza e, mais exatamente, a beleza clássica; n  A ciência da arte considera a obra artística não só pelo seu lado estético, mas como um todo que inclui valores extra- estéticos.
  15. 15. +
  16. 16. + Conclusão n  Estética caracteriza um comportamento específico com a realidade. n  A Estética é a ciência de um modo específico de apropriação da realidade, vinculado a outros modos de apropriação humana do mundo e com as condições históricas, sociais e culturais em que ocorre.
  17. 17. + Exemplo n  Pintura rupestre pré-histórica; n  Pia batismal de uma igreja medieval; n  Coatlicue.
  18. 18. +
  19. 19. + Exemplo n  Bisão saltando: n  Finalidade ou funções mágicas; n  Meio de exercer uma ação real; n  Ferramenta de caça.
  20. 20. + Exemplo n  Pia batismal: n  Função ritual-religiosa; n  Meio para a administração de um sacramento; n  Ressaltar a importância do batismo.
  21. 21. + Exemplo n  Coatlicue: n  Função mítica; n  Remete à ideia do poder onipotente e tremendo da deusa da Terra sobre tudo aquilo que nasce e morre; n  Despertar a crença do poder terrível da deusa.
  22. 22. + Exemplo n  Os objetos possuem concepções diferentes do mundo: mágica, religiosa e mítica; n  Hoje os três tem em comum o fato de serem dignos de contemplação; n  Possuem a mesma relação: estética; n  Hoje cumprem a mesma função estética. n  Antes cumpriam a função mágico-venatória, ritual-cristã e mítico-religiosa.
  23. 23. + Exemplo n  Desligadas de suas funções originais, voltamos nossa atenção para a forma que o executante imprimiu à matéria; n  Contudo, a obra não se reduz apenas à forma; n  Seu significado não se perde ou dilui na obra formada ao perder-se ou diluir-se sua função original.
  24. 24. + Exemplo n  O bisão não mais funciona magicamente, mas não se reduz à combinação de linhas e cores; n  O desenho não só testemunha o domínio da matéria, mas também a encarnação de certa atitude do homem pré- histórico em frente do mundo; n  Significado ideológico.
  25. 25. + Exemplo n  O mesmo acontece com a pia batismal; n  Crente ou não, ao deslocada a atenção para a forma o objeto perde sua função ritualística; n  A obra mantém seu significado religioso.
  26. 26. + Exemplo n  Hoje, não vemos com terror a estátua asteca, mas com adminiração; n  Coatlicue perdeu seu poder terrível, mas não perdeu o seu significado; n  Todos esses objetos cumprem a mesma função: estética.

×