SlideShare uma empresa Scribd logo

Módulo 3

Biblioterapia_Módulo 3

1 de 19
Baixar para ler offline
Universidade Federal de Minas Gerais Departamento de Teoria e Gestão da Informação Graduação em Biblioteconomia Tópicos em Informação e Cultura D (Biblioterapia) 
Módulo 3 BIBLIOTERAPIA E A LITERATURA 
Marina Nogueira
LITERATURA E ESTÉTICA DA RECEPÇÃO 
Sistema literário= obra + autor + leitor 
Até meados do século XX, a estética tradicional e as teorias norteadoras das análises literárias desconsideravam o leitor, fazendo com que os estudos oscilassem entre o autor e a obra (MOTA, p.1).
LITERATURA E ESTÉTICA DA RECEPÇÃO 
No primeiro caso, interessadas no universo do escritor, quando a biografia ganhava importância. No segundo, a obra era vista fora de todo contexto histórico, e a linguagem, o estilo, a estrutura e a textualidade eram priorizadas em prejuízo do mundo do autor. 
Fosse como fosse, em ambos os casos, as teorizações se estabeleciam em detrimento do leitor que, desde o surgimento da sistematização teórica dos estudos, não tinha merecido interesse (MOTA, p.1).
LITERATURA E ESTÉTICA DA RECEPÇÃO 
A Estética da Recepção (ER) surge em meados do Século XX, com um grupo de teóricos na Alemanha, com o desejo de conceder ao leitor sua real importância. 
Ela se diferencia da teoria da estética tradicional, pois entende a Literatura como processo de produção, recepção e comunicação, ou seja, uma relação dinâmica entre autor, obra, leitor e o sentido daí resultante
LITERATURA E ESTÉTICA DA RECEPÇÃO 
Destaques da ER: 
•Wolfang Iser; 
•Hans Robert Jauss: qualquer obra de arte literária só será efetivamente recriada ou “concretizada”, quando o leitor a legitimar. Na sua tese, um livro sem leitor não existe.
LITERATURA E ESTÉTICA DA RECEPÇÃO 
Assim, o trabalho do autor e o próprio texto criado perdem prioridade. Por isso, é fundamental descobrir o “horizonte de expectativas” do leitor, que envolve a obra em análise. 
Acontece que os leitores são condicionados por leituras pregressas, em especial, no âmbito de um mesmo gênero literário. Razão pela qual depositam determinadas expectativas nos textos que leem (MOTA, p.2).

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Prática curricular iv conversa preliminar
Prática curricular iv   conversa preliminarPrática curricular iv   conversa preliminar
Prática curricular iv conversa preliminarValdemir Lopes Valdermir
 
A literatura infantil e a crítica
A literatura infantil e a críticaA literatura infantil e a crítica
A literatura infantil e a críticamarimidlej
 
Estética da recepção
Estética da recepçãoEstética da recepção
Estética da recepçãoAna Paula
 
O lugar da teoria no ensino de literatura
O lugar da teoria no ensino de literaturaO lugar da teoria no ensino de literatura
O lugar da teoria no ensino de literaturaMariana Marcelino
 
202 603-1-pb
202 603-1-pb202 603-1-pb
202 603-1-pbsamuel98
 
2015 ludonarrativa ciaiq
2015 ludonarrativa ciaiq2015 ludonarrativa ciaiq
2015 ludonarrativa ciaiqRosemary Ramos
 
21 resenha sobre o livro de roger
21 resenha sobre o livro de roger21 resenha sobre o livro de roger
21 resenha sobre o livro de rogerEnnilyy
 
Dissertao -rubens_gomes_lacerda
Dissertao  -rubens_gomes_lacerdaDissertao  -rubens_gomes_lacerda
Dissertao -rubens_gomes_lacerdaSandra Oliveira
 
H white teoria literária e escrita da história
H white   teoria literária e escrita da históriaH white   teoria literária e escrita da história
H white teoria literária e escrita da históriaAna Claudia Pereira Leal
 
Livro resenha maria lucia c v o andrade
Livro  resenha  maria lucia c v o andradeLivro  resenha  maria lucia c v o andrade
Livro resenha maria lucia c v o andradeVanessa Santana
 
Curadoria educativa inventando conversas - Mirian Celeste Martins
Curadoria educativa inventando conversas - Mirian Celeste MartinsCuradoria educativa inventando conversas - Mirian Celeste Martins
Curadoria educativa inventando conversas - Mirian Celeste MartinsAndréia De Bernardi
 
Be significados para os alunos
Be   significados para os alunosBe   significados para os alunos
Be significados para os alunosDomingos Boieiro
 

Mais procurados (20)

Prática curricular iv conversa preliminar
Prática curricular iv   conversa preliminarPrática curricular iv   conversa preliminar
Prática curricular iv conversa preliminar
 
2. três tipos de leitores
2. três tipos de leitores2. três tipos de leitores
2. três tipos de leitores
 
A literatura infantil e a crítica
A literatura infantil e a críticaA literatura infantil e a crítica
A literatura infantil e a crítica
 
A critica biografica
A critica biograficaA critica biografica
A critica biografica
 
Estética da recepção
Estética da recepçãoEstética da recepção
Estética da recepção
 
O lugar da teoria no ensino de literatura
O lugar da teoria no ensino de literaturaO lugar da teoria no ensino de literatura
O lugar da teoria no ensino de literatura
 
202 603-1-pb
202 603-1-pb202 603-1-pb
202 603-1-pb
 
2015 ludonarrativa ciaiq
2015 ludonarrativa ciaiq2015 ludonarrativa ciaiq
2015 ludonarrativa ciaiq
 
21 resenha sobre o livro de roger
21 resenha sobre o livro de roger21 resenha sobre o livro de roger
21 resenha sobre o livro de roger
 
A8 Chartier Prologo E Ult Capitulo
A8 Chartier Prologo E Ult CapituloA8 Chartier Prologo E Ult Capitulo
A8 Chartier Prologo E Ult Capitulo
 
Teoria da recepção
Teoria da recepçãoTeoria da recepção
Teoria da recepção
 
Aula 1
Aula 1Aula 1
Aula 1
 
Dissertao -rubens_gomes_lacerda
Dissertao  -rubens_gomes_lacerdaDissertao  -rubens_gomes_lacerda
Dissertao -rubens_gomes_lacerda
 
H white teoria literária e escrita da história
H white   teoria literária e escrita da históriaH white   teoria literária e escrita da história
H white teoria literária e escrita da história
 
Livro resenha maria lucia c v o andrade
Livro  resenha  maria lucia c v o andradeLivro  resenha  maria lucia c v o andrade
Livro resenha maria lucia c v o andrade
 
Atos de fingir
Atos de fingirAtos de fingir
Atos de fingir
 
Curadoria educativa inventando conversas - Mirian Celeste Martins
Curadoria educativa inventando conversas - Mirian Celeste MartinsCuradoria educativa inventando conversas - Mirian Celeste Martins
Curadoria educativa inventando conversas - Mirian Celeste Martins
 
Be significados para os alunos
Be   significados para os alunosBe   significados para os alunos
Be significados para os alunos
 
Poetas da-benzecao
Poetas da-benzecaoPoetas da-benzecao
Poetas da-benzecao
 
Cultura e memória
Cultura e memóriaCultura e memória
Cultura e memória
 

Semelhante a Módulo 3

Ler e escrever na cultura digital
Ler e escrever na cultura digitalLer e escrever na cultura digital
Ler e escrever na cultura digitallidcabral
 
Roger Chartier e a História Cultural
Roger Chartier e a História CulturalRoger Chartier e a História Cultural
Roger Chartier e a História CulturalMariano Akerman
 
O livro um objeto de estudo de práticas culturais
O livro um objeto de estudo de práticas culturaisO livro um objeto de estudo de práticas culturais
O livro um objeto de estudo de práticas culturaisAdilson P Motta Motta
 
DOS ROLOS E CÓDICES AOS TEXTOS DIGITAIS: MUDANÇAS E DESAFIOS NAS PRÁTICAS DA...
 DOS ROLOS E CÓDICES AOS TEXTOS DIGITAIS: MUDANÇAS E DESAFIOS NAS PRÁTICAS DA... DOS ROLOS E CÓDICES AOS TEXTOS DIGITAIS: MUDANÇAS E DESAFIOS NAS PRÁTICAS DA...
DOS ROLOS E CÓDICES AOS TEXTOS DIGITAIS: MUDANÇAS E DESAFIOS NAS PRÁTICAS DA...LOCIMAR MASSALAI
 
Apresentaçao Fundamentos do Programa de Leitura Fome de Ler
Apresentaçao Fundamentos do Programa de Leitura Fome de LerApresentaçao Fundamentos do Programa de Leitura Fome de Ler
Apresentaçao Fundamentos do Programa de Leitura Fome de LerAna Paula Cecato
 
Constituição de acervo para bibliotecas
Constituição de acervo para bibliotecasConstituição de acervo para bibliotecas
Constituição de acervo para bibliotecasAna Paula Cecato
 
Ambientes de leitura enquanto espaço de construção da cidadania
Ambientes de leitura enquanto espaço de construção da cidadaniaAmbientes de leitura enquanto espaço de construção da cidadania
Ambientes de leitura enquanto espaço de construção da cidadaniaRaquel Prado Leite de Sousa
 
Entre o real e a ficção - as marcas literárias no jornalismo de Eliane Brum
Entre o real e a ficção - as marcas literárias no jornalismo de Eliane BrumEntre o real e a ficção - as marcas literárias no jornalismo de Eliane Brum
Entre o real e a ficção - as marcas literárias no jornalismo de Eliane BrumMárcio Eduardo Borges
 
Prática curricular iv conversa preliminar - cópia
Prática curricular iv   conversa preliminar - cópiaPrática curricular iv   conversa preliminar - cópia
Prática curricular iv conversa preliminar - cópiaValdemir Lopes Valdermir
 
Apresentação UFMG projeto Literatura Caminhos da História
Apresentação UFMG projeto Literatura Caminhos da HistóriaApresentação UFMG projeto Literatura Caminhos da História
Apresentação UFMG projeto Literatura Caminhos da HistóriaAna Souza
 
A importância da leitura
A importância da leituraA importância da leitura
A importância da leituraKênia Machado
 
A importância da leitura
A importância da leituraA importância da leitura
A importância da leituraKênia Machado
 
A literatura e a formação do homem
A literatura e a formação do homemA literatura e a formação do homem
A literatura e a formação do homemJussiara Amaral
 
Aula 2 – O que é Literatura.pptx
Aula 2 – O que é Literatura.pptxAula 2 – O que é Literatura.pptx
Aula 2 – O que é Literatura.pptxAna Vaz
 
PLANO DIDÁTICO ANUAL LITERATURA 1º ANO ENSINO MÉDIO
PLANO DIDÁTICO ANUAL LITERATURA 1º ANO ENSINO MÉDIOPLANO DIDÁTICO ANUAL LITERATURA 1º ANO ENSINO MÉDIO
PLANO DIDÁTICO ANUAL LITERATURA 1º ANO ENSINO MÉDIOIFMA
 
NO MUNDO DOS CLÁSSICOS LITERÁRIOS
NO MUNDO DOS CLÁSSICOS LITERÁRIOSNO MUNDO DOS CLÁSSICOS LITERÁRIOS
NO MUNDO DOS CLÁSSICOS LITERÁRIOSJohn Wainwright
 

Semelhante a Módulo 3 (20)

Ler e escrever na cultura digital
Ler e escrever na cultura digitalLer e escrever na cultura digital
Ler e escrever na cultura digital
 
Roger Chartier e a História Cultural
Roger Chartier e a História CulturalRoger Chartier e a História Cultural
Roger Chartier e a História Cultural
 
Tessituras
TessiturasTessituras
Tessituras
 
Rua Josué Guimarães, nº 81: biblioteca
Rua Josué Guimarães, nº 81: bibliotecaRua Josué Guimarães, nº 81: biblioteca
Rua Josué Guimarães, nº 81: biblioteca
 
O livro um objeto de estudo de práticas culturais
O livro um objeto de estudo de práticas culturaisO livro um objeto de estudo de práticas culturais
O livro um objeto de estudo de práticas culturais
 
DOS ROLOS E CÓDICES AOS TEXTOS DIGITAIS: MUDANÇAS E DESAFIOS NAS PRÁTICAS DA...
 DOS ROLOS E CÓDICES AOS TEXTOS DIGITAIS: MUDANÇAS E DESAFIOS NAS PRÁTICAS DA... DOS ROLOS E CÓDICES AOS TEXTOS DIGITAIS: MUDANÇAS E DESAFIOS NAS PRÁTICAS DA...
DOS ROLOS E CÓDICES AOS TEXTOS DIGITAIS: MUDANÇAS E DESAFIOS NAS PRÁTICAS DA...
 
Apresentaçao Fundamentos do Programa de Leitura Fome de Ler
Apresentaçao Fundamentos do Programa de Leitura Fome de LerApresentaçao Fundamentos do Programa de Leitura Fome de Ler
Apresentaçao Fundamentos do Programa de Leitura Fome de Ler
 
Trilha - Linguagens 2023.pptx
Trilha - Linguagens 2023.pptxTrilha - Linguagens 2023.pptx
Trilha - Linguagens 2023.pptx
 
LEITURA E FORMAÇÃO DE LEITORES
LEITURA E FORMAÇÃO DE LEITORESLEITURA E FORMAÇÃO DE LEITORES
LEITURA E FORMAÇÃO DE LEITORES
 
Constituição de acervo para bibliotecas
Constituição de acervo para bibliotecasConstituição de acervo para bibliotecas
Constituição de acervo para bibliotecas
 
Ambientes de leitura enquanto espaço de construção da cidadania
Ambientes de leitura enquanto espaço de construção da cidadaniaAmbientes de leitura enquanto espaço de construção da cidadania
Ambientes de leitura enquanto espaço de construção da cidadania
 
Entre o real e a ficção - as marcas literárias no jornalismo de Eliane Brum
Entre o real e a ficção - as marcas literárias no jornalismo de Eliane BrumEntre o real e a ficção - as marcas literárias no jornalismo de Eliane Brum
Entre o real e a ficção - as marcas literárias no jornalismo de Eliane Brum
 
Prática curricular iv conversa preliminar - cópia
Prática curricular iv   conversa preliminar - cópiaPrática curricular iv   conversa preliminar - cópia
Prática curricular iv conversa preliminar - cópia
 
Apresentação UFMG projeto Literatura Caminhos da História
Apresentação UFMG projeto Literatura Caminhos da HistóriaApresentação UFMG projeto Literatura Caminhos da História
Apresentação UFMG projeto Literatura Caminhos da História
 
A importância da leitura
A importância da leituraA importância da leitura
A importância da leitura
 
A importância da leitura
A importância da leituraA importância da leitura
A importância da leitura
 
A literatura e a formação do homem
A literatura e a formação do homemA literatura e a formação do homem
A literatura e a formação do homem
 
Aula 2 – O que é Literatura.pptx
Aula 2 – O que é Literatura.pptxAula 2 – O que é Literatura.pptx
Aula 2 – O que é Literatura.pptx
 
PLANO DIDÁTICO ANUAL LITERATURA 1º ANO ENSINO MÉDIO
PLANO DIDÁTICO ANUAL LITERATURA 1º ANO ENSINO MÉDIOPLANO DIDÁTICO ANUAL LITERATURA 1º ANO ENSINO MÉDIO
PLANO DIDÁTICO ANUAL LITERATURA 1º ANO ENSINO MÉDIO
 
NO MUNDO DOS CLÁSSICOS LITERÁRIOS
NO MUNDO DOS CLÁSSICOS LITERÁRIOSNO MUNDO DOS CLÁSSICOS LITERÁRIOS
NO MUNDO DOS CLÁSSICOS LITERÁRIOS
 

Último

Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptx
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptxSlides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptx
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.
1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.
1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.azulassessoriaacadem3
 
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;azulassessoriaacadem3
 
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...excellenceeducaciona
 
Domínio da Linguagem Oral Classificação Sílaba Inicial
Domínio da Linguagem  Oral Classificação Sílaba InicialDomínio da Linguagem  Oral Classificação Sílaba Inicial
Domínio da Linguagem Oral Classificação Sílaba InicialTeresaCosta92
 
Sendo assim, desenvolva um breve texto que possa evidenciar a importância da ...
Sendo assim, desenvolva um breve texto que possa evidenciar a importância da ...Sendo assim, desenvolva um breve texto que possa evidenciar a importância da ...
Sendo assim, desenvolva um breve texto que possa evidenciar a importância da ...excellenceeducaciona
 
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...azulassessoriaacadem3
 
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...azulassessoriaacadem3
 
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...azulassessoriaacadem3
 
Acróstico - Maria da Penha Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006
Acróstico - Maria da Penha    Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006Acróstico - Maria da Penha    Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006
Acróstico - Maria da Penha Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006Mary Alvarenga
 
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...azulassessoriaacadem3
 
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...azulassessoriaacadem3
 
Planejamento do 1º semestre de Ciências 2024 9º ano.pdf
Planejamento do 1º semestre  de Ciências 2024 9º ano.pdfPlanejamento do 1º semestre  de Ciências 2024 9º ano.pdf
Planejamento do 1º semestre de Ciências 2024 9º ano.pdfJanielleCristina1
 
01. Considerando as informações da imagem acima, explique de formas simples e...
01. Considerando as informações da imagem acima, explique de formas simples e...01. Considerando as informações da imagem acima, explique de formas simples e...
01. Considerando as informações da imagem acima, explique de formas simples e...azulassessoriaacadem3
 
Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...
Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...
Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...apoioacademicoead
 
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...azulassessoriaacadem3
 
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...azulassessoriaacadem3
 
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...excellenceeducaciona
 
Slides Lição 9, CPAD, O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja, 1Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja, 1Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja, 1Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja, 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

GABARITO CRUZADINHA PATRIM E FONTES.docx
GABARITO CRUZADINHA PATRIM E FONTES.docxGABARITO CRUZADINHA PATRIM E FONTES.docx
GABARITO CRUZADINHA PATRIM E FONTES.docx
 
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptx
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptxSlides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptx
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptx
 
1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.
1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.
1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.
 
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;
 
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
 
Domínio da Linguagem Oral Classificação Sílaba Inicial
Domínio da Linguagem  Oral Classificação Sílaba InicialDomínio da Linguagem  Oral Classificação Sílaba Inicial
Domínio da Linguagem Oral Classificação Sílaba Inicial
 
Sendo assim, desenvolva um breve texto que possa evidenciar a importância da ...
Sendo assim, desenvolva um breve texto que possa evidenciar a importância da ...Sendo assim, desenvolva um breve texto que possa evidenciar a importância da ...
Sendo assim, desenvolva um breve texto que possa evidenciar a importância da ...
 
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
 
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
 
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
 
Acróstico - Maria da Penha Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006
Acróstico - Maria da Penha    Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006Acróstico - Maria da Penha    Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006
Acróstico - Maria da Penha Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006
 
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
 
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...
 
Planejamento do 1º semestre de Ciências 2024 9º ano.pdf
Planejamento do 1º semestre  de Ciências 2024 9º ano.pdfPlanejamento do 1º semestre  de Ciências 2024 9º ano.pdf
Planejamento do 1º semestre de Ciências 2024 9º ano.pdf
 
01. Considerando as informações da imagem acima, explique de formas simples e...
01. Considerando as informações da imagem acima, explique de formas simples e...01. Considerando as informações da imagem acima, explique de formas simples e...
01. Considerando as informações da imagem acima, explique de formas simples e...
 
Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...
Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...
Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...
 
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...
 
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...
 
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
 
Slides Lição 9, CPAD, O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja, 1Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja, 1Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja, 1Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja, 1Tr24.pptx
 

Módulo 3

  • 1. Universidade Federal de Minas Gerais Departamento de Teoria e Gestão da Informação Graduação em Biblioteconomia Tópicos em Informação e Cultura D (Biblioterapia) Módulo 3 BIBLIOTERAPIA E A LITERATURA Marina Nogueira
  • 2. LITERATURA E ESTÉTICA DA RECEPÇÃO Sistema literário= obra + autor + leitor Até meados do século XX, a estética tradicional e as teorias norteadoras das análises literárias desconsideravam o leitor, fazendo com que os estudos oscilassem entre o autor e a obra (MOTA, p.1).
  • 3. LITERATURA E ESTÉTICA DA RECEPÇÃO No primeiro caso, interessadas no universo do escritor, quando a biografia ganhava importância. No segundo, a obra era vista fora de todo contexto histórico, e a linguagem, o estilo, a estrutura e a textualidade eram priorizadas em prejuízo do mundo do autor. Fosse como fosse, em ambos os casos, as teorizações se estabeleciam em detrimento do leitor que, desde o surgimento da sistematização teórica dos estudos, não tinha merecido interesse (MOTA, p.1).
  • 4. LITERATURA E ESTÉTICA DA RECEPÇÃO A Estética da Recepção (ER) surge em meados do Século XX, com um grupo de teóricos na Alemanha, com o desejo de conceder ao leitor sua real importância. Ela se diferencia da teoria da estética tradicional, pois entende a Literatura como processo de produção, recepção e comunicação, ou seja, uma relação dinâmica entre autor, obra, leitor e o sentido daí resultante
  • 5. LITERATURA E ESTÉTICA DA RECEPÇÃO Destaques da ER: •Wolfang Iser; •Hans Robert Jauss: qualquer obra de arte literária só será efetivamente recriada ou “concretizada”, quando o leitor a legitimar. Na sua tese, um livro sem leitor não existe.
  • 6. LITERATURA E ESTÉTICA DA RECEPÇÃO Assim, o trabalho do autor e o próprio texto criado perdem prioridade. Por isso, é fundamental descobrir o “horizonte de expectativas” do leitor, que envolve a obra em análise. Acontece que os leitores são condicionados por leituras pregressas, em especial, no âmbito de um mesmo gênero literário. Razão pela qual depositam determinadas expectativas nos textos que leem (MOTA, p.2).
  • 7. LITERATURA E ESTÉTICA DA RECEPÇÃO As abordagens da ER consideram as condições sócio-históricas das diversas interpretações textuais pelo universo de leitores possíveis. O discurso literário se constituiria, através de seu processo receptivo, enquanto pluralidade de estruturas de sentido historicamente mediadas. •papel ativo do leitor no processo de construção do sentido presente na interpretação e na leitura crítica das obras.
  • 8. LITERATURA E ESTÉTICA DA RECEPÇÃO Para a estética da recepção, todo texto é uma obra em potencial, que se realiza através da ação do leitor e dos efeitos que nele provoca. [...] O autor, ao invés de impor uma ótica única ao leitor, deve despertar diferentes pontos de vista e deixar perspectivas em aberto. A tarefa do autor é despertar no leitor o desejo de ler. Já a tarefa do leitor é a de formar a partir do texto uma interpretação original que não é necessariamente aquela formulada pelo autor da obra. (VENTURELLA, 2012).
  • 9. DO SÉTIMO ANDAR (Loa Hermanos) Fiz aquele anúncio e ninguém viu Pus em quase todo lugar a foto mais bonita que eu fiz, você olhando pra mim Alto aqui do sétimo andar longe, eu via você e a luz desperdiçada de manhã num copo de café Deus sabe o que quis foi te proteger do perigo maior, que é você E eu sei que parece o que não se diz o seu caso é o tempo passar Quem fala é o doutor Parece que foi ontem, eu fiz aquele chá de habu pra te curar da tosse do chulé pra te botar de pé E foi difícil ter que te levar àquele lugar Como é que hoje se diz? Você não quis ficar Os poucos que viram você aqui me disseram que mal você não faz E se eu numa esquina qualquer te vir será que você vai fugir? Se você for, eu vou correr Se for, eu vou.
  • 10. LITERATURA E ESTÉTICA DA RECEPÇÃO Regina Zilberman considera que existem algumas convenções existentes no comportamento e decisões dos leitores que são na seguinte ordem: - social, pois o indivíduo ocupa uma posição na hierarquia da sociedade; - intelectual, porque ele detém uma visão de mundo compatível, na maior parte das vezes, com seu lugar no espectro social, mas que atinge após completar o ciclo de sua educação formal; - ideológica, corresponde aos valores circulantes no meio, de que se imbuiu e dos quais não consegue fugir; - lingüística, pois emprega um certo padrão expressivo, mais ou menos coincidente com a norma gramatical privilegiada, o que decorre tanto de sua educação, como do espaço social em que transita; - literária, proveniente das leituras que fez, de suas preferências e da oferta artística que a tradição, a atualidade e os meios de comunicação, incluindos e aí a própria escola, lhe concedem.
  • 11. LITERATURA E ESTÉTICA DA RECEPÇÃO [...] o receptor não é neutro no contato com qualquer gênero de texto (impresso, oral, fílmico etc), mas [...] que na recepção oral isso difere um pouco, pois o leitor-narrador não é isento e interfere substancialmente na condução da história, dando mais cor em determinados trechos, evidenciando características de um ou de outro personagem e destacando alguns aspectos do texto em detrimento de outros. (MOTA apud BORTOLIN).
  • 12. Leitura dos clássicos •A leitura dos clássicos proporciona ao ser humano cultura, discernimento e centralidade mental fora da superficialidade em que a vida contemporânea se encontra. Ajuda-nos a encontrar novas saídas para o enfrentamento das dificuldades. •Clássicos são livros que criaram as noções de realidade e fantasia, senso comum e extravagância, razão e irrazão, liberdade e tirania, absoluto e relativo – as noções que usamos diariamente para expressar nossos pontos de vista (FONSECA, p.4).
  • 13. Leitura dos clássicos •A leitura dos clássicos aprimora suas capacidades intelectuais e cognitivas, cuja aquisição é fundamental para a compreensão do mundo. Os livros clássicos são marcados por experiências de vidas passadas, carregam consigo um somatório de histórias sobre a humanidade e por isso pode trazer ao leitor novas possibilidades de enxergar o mundo que, por hora, poderia encontrar-se em um “estado morno” pela sobrecarga da vida diária (FONSECA, p.4). •Por que um livro se torna clássico? Por sua capacidade de proporcionar várias leituras!
  • 14. Leitura Literária Cada página literária é um tributo à inteligência, à sensibilidade e à capacidade que as pessoas têm de entender a si e aos outros e de compartilhar. Quem lê/escuta um texto também lê/escuta a si mesmo, porque tem a oportunidade de descobrir-se e reconhecer-se nessa experiência que fusiona afeto, emoção, imaginação, memória, criatividade, lógica, razão e crítica (Pra que serve a literatura?).
  • 15. Leitura Literária Cada página literária pega o leitor pela mão e o leva a passear, sem nada impor, pelo campo florido das questões fundamentais da humanidade − até mesmo dos erros, a coisa mais verdadeiramente humana dos humanos. A literatura enriquece pontos de vista; instiga a ouvir, a levar em conta e a dar valor à voz do outro; desperta a vontade de ultrapassar o próprio “mundinho” e alimentar-se de outras luzes. Um belo dia, quem sabe emerja uma percepção da vida “menos burocrática, mais amorosa”... (Pra que serve a literatura?)
  • 16. Palavras podem ser usadas de muitas maneiras. Os fósforos só podem ser usados uma vez. Arnaldo Antunes
  • 19. Referências Bibliográficas ALMEIDA, Miriam Lúcia de; BORTOLIN, Sueli. Biblioterapia e a recepção da literatura. XXV Congresso Brasileiro de Biblioteconomia, Documentação e Ciência da Informação – Florianópolis, SC, Brasil, 07 a 10 de julho de 2013. Disponível em:< http://portal.febab.org.br/anais/article/view/1247/1248>. Acesso em 20 fev. 2014. FONSECA, Karla Haydê Oliveira da. A leitura dos clássicos, uma possibilidade biblioterapêutica: por um viver melhor. Revista ACB: Biblioteconomia em Santa Catarina, Florianópolis, v.19, n.1, p. 6-12, jan./jun., 2014. Disponível em:<http://revista.acbsc.org.br/racb/article/download/841/pdf_82 >. Acesso em 04 jul. 2014. MOTA, Débora T. Mutter da Silva. Literatura e estética da recepção. Disponível em:< http://www.ulbra.br/letras/files/literatura-e-estetica-da-recepcao- enade-2011.pdf>. Acesso em 20 jul. 2014.