SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 3
Baixar para ler offline
A literatura e a formação do homem
Nesta palestra, desejo desejo apresentar algumas variações sobre a função
humanizadora da literatura, isto é, sobre a capacidade que ela tem de
confirmar a humanidade do homem. Para esse fim, começo focalizando
rapidamente, nos estudos literários, o conceito de função, vista como papel que
a obra literária desempenha na sociedade. Este conceito social de função não
está em voga, pois as correntes mais modernas se preocupam sobretudo com
o de estrutura, cujo conhecimento seria, teoricamente, optativo em relação a
ele, se aplicarmos o raciocínio feito com referência a história. Que
incompatibilidade metodológica poderia existir entre o estudo da estrutura e o
da função social? O primeiro pode ser comparativamente mais estático do o
segundo, que evocaria certas noções em cadeias, de cunho mais dinâmico,
como: atuação, processo, sucessão, história. E daí bastaria um passo para
Mas ainda: a ideia de função provoca não apenas uma certa inclinação para o
lado do valor, mas para o lado da pessoa, no caso, o escritor (que produz a
obra) e o leitor, coletivamente o público (que recebe o seu impacto). Ora, uma
característica do enfoque estrutural é não apenas concentrar-se na obra
tomada em si mesma (o que aliás ocorria em outras orientações teóricas
anteriores). Eles não seriam a-históricos, mas talvez trans-histiricos, porque
possuem generalidade e permanência muitos maiores, em relação as
manifestações particulares, (obras) que passam para o segundo plano como
capacidade explicativa. O ponto de vista estrutural consiste em ver as obras
com referências aos modelos ocultos, pondo pelo menos provisória e
metodicamente entre parêntese os elementos que indicam a sua gênese e a
sua função num momento dado, e que portanto acentuam o seu caractere de
produto contingente mergulhado na história. Isto é dito para justificar a
afirmação inicial: que os estudos modernos de literatura se voltam mais para
estrutura do que para função. Seria possível, no entretanto, focaliza-la? É claro
desde que não queiramos substituir um enforque pelo outro. O enforque
estrutural (inclusive sob a modalidade mais recente, conhecida como
estruturalismo) é responsável pelo maior avanço que estudos literários
conheceram em nosso tempo. Voltando aos pontos de referência mencionados
acima: na medida em que nos interessa também como experiência humana,
não apenas como produção de obras consideradas projeções, ou melhor
transformações de modelo profundos, a literatura desperta inevitavelmente o
interesse pelos elementos contextuais. Mesmo que isto nos afaste de uma
visão cientifica, é difícil pôr de lado os problemas individuais e sociais que dão
lastro-as obras e as amarram ao mundo onde vivemos. Digamos, então, para
encerrar esta introdução: há no estudo da obra literária um momento analítico,
se quiserem de cunho cientifico, que precisa deixar em suspenso problemas
relativo ao autor, a atuação psíquica e social, a fim de reforçar uma
concentração necessária na obra como objeto de conhecimento. Tendo assim
demarcado os campo, vejamos alguma coisa sobre a literatura como força
humanizada a, não como sistema de obras. Um certo tipo de função
psicológica é talvez a primeira coisa que nos ocorrem quando pensamos no
papel da literatura. É isto que ocorrem no primitivo e no civilizado, na criança,
no adulto, no instruído e no analfabeto. A literatura propriamente dita é uma
das modalidades que funcionam como resposta a essa necessidade universal,
cujas formas mais humildes e espontâneas de satisfações talvez sejam coisas
como anedota, a adivinha, o trocadilho, o rifão. No nosso ciclo de civilização,
tudo isto culminou de certo modo nas formas impressas, divulgadas pelo livro,
o folheto, o jornal, a revista: o poema, o conto, o romance, narrativa
romanceada. Portanto, por vias oral ou visual, sob formas curtas e
elementares, ou sob complexas formas extensas, a necessidade de ficção se
manifesta a cada instante, aliás, ninguém pode passar um dia sem consumi-la,
ainda que sob a forma de palpite da loteria, devaneio, construção ideal ou
anedota. E assim se justifica o interesse pela função dessas formas de
sistematizar a fantasia, de que a literatura é uma das modalidade mais ricas. A
fantasia quase nunca é pura. Ela se refere constantemente a alguma realidade:
fenômeno natural, paisagem, sentimento, fato, desejo de explicação, costumes,
defeitos humanos. Sabemos que um grande números de mitos, lendas, e
contos são etiológicos, isto é, são do modo configurados ou fictício de explicar
o aparecimento e a razão de ser do mundo físico e da sociedade. Haveria
pontos de contatos entre ambas? A resposta pode ser uma especulação lateral
no problema da função que nos ocupa. Interessado em estudar a formação do
espirito cientifico. Gaston bachelard procurou investigar como ele ia surgindo
duma espécie de progressiva depuração a partir da ganga imaginativa do
devaneio, que seria um estado de passividade intelectual a ser anulado. O
devaneio seria o caminho da verdadeira imaginação, que não se alimenta dos
resíduos da percepção e portanto não é uma espécie de resto da realidade,
mas estabelece a series autônomas coerentes, a partir dos estímulos da
realidade. Independe mente de aceitamos ou não o ponto de vista de
bachelard, a referência a ele serve neste contexto sobretudo como amostra do
laço entre a imaginação literária e realidade concreta do mundo. Ao mesmo
tempo, a evocação dessa impregnação profunda mostra como as criações
ficcionais e poéticas podem atuar de modo subconsciente e inocente, operando
uma espécie de inculca mento que não percebemos. Isto leva a perguntar a
literatura tem uma função formativa de tipo educacional? Sabemos que a
instruamos países civilizados sempre se baseou nas letras. Daí o elo entre a
formação do homem, humanismo, letras humanas e estudos da língua e da
literatura. Seja como for, a sua função educativa é muito mais complexa do que
pressupõe um ponto de vista estritamente pedagógico. A literatura pode formar,
mas não segundo a pedagogia oficial, que costuma vê-la ideologicamente
como veículo da tríade famosa, o verdadeiro, o bom, o belo, definidos
conformes s interesses dos grupos dominantes, para reforço da sua concepção
de vida. Daí as atitudes ambivalentes que suscita nos moralistas e nos
educadores, ao mesmo tempo fascinados pela sua força humanizada a e
temerosos da sua indiscriminada riqueza. Dado que a literatura, como a vida,
ensina na medida em que atua com toda a sua gama, e artificial querer que ela
funcione como manuais de virtude e boa conduta. Paradoxos, portanto, de todo
lado, mostrando o conflito entre ideias convencional de uma literatura que eleva
e edifica (segundos os padrões oficiais) e a sua poderosa força indiscriminada
de iniciação na vida, com uma variada complexidade nem sempre desejada
pela educadores. Chegamos agora ao ponto mais complicado. Além das
funções mencionadas (isto é: satisfazer a necessidade universal de fantasia e
contribuir para formação da personalidade) teria a literatura uma função de
conhecimento do mundo e do ser? Isto posto, podemos abordar o problema da
função da literatura como representação de uma dada realidade social e
humana, que faculta a maior inteligibilidade com relação a esta realidade.
Trata-se de um caso privilegiado para estudar o papel da literatura num pais
em formação, que procura a sua identidade através da variação dos temas e
da fixação da linguagem, oscilando para isto entre adesão aos modelos
europeus e a pesquisa de aspectos locais. Ao mesmo tempo documentário e
idealizador, forneceu elementos para a auto-indentificaçao do homem brasileiro
e também para uma serie de projeções ideais. Mas antes de ir além, um
parêntese para dizer que hoje, tanto na crítica brasileira quanto na latino-
americano, a palavra de ordem é a morte ao regionalismo, quanto ao presente,
e menosprezo pelo que foi o passado. Mas é forçoso convir que, justamente
porque a literatura desempenha função na vida da sociedade, não depende
apenas da opinião crítica que o regionalismo existia ou deixa de existe. O que
acontece é que ele se vai modificado e adaptando, superando as formas mais
grosseiras até dar a impressão de que se dissolveu na generalidade dos temas
universais, como é normal em toda obra bem feita. Fechando parêntese,
voltemos ao assunto com uma consideração de ordem geral: o regionalismo
estabelece uma curiosa tensão tema e linguagem. O regionalismo deve
estabelecer uma relação adequada entre os dois aspectos, e por isso torna um
instrumento poderoso de transformação da língua de revelação e
autoconsciência do pais, mas pode ser também fator de artificialidade na língua
e de alienação no plano do conhecimento do pais. Nos livros regionalistas, o
homem de posição social mais elevada nunca tem sotaque, não apresenta
peculiaridade de pronuncia, não deforma as palavras, que na sua boca,
assumem o estado ideal de dicionário. Em tais casos, o regionalismo é uma
falsa admissão do homem rural ao universo dos valores éticos e estéticos. No
entretanto, o seu proposito consciente era o contrário. Dito de outro modo:
pode funcionar como representação humanizada ou como representação
desumanizada do homem das culturas rurais.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Sandro ornellas
Sandro ornellasSandro ornellas
Sandro ornellasliterafro
 
Apostila literatura brasileira-libre
Apostila literatura brasileira-libreApostila literatura brasileira-libre
Apostila literatura brasileira-libreMaria Teresa Fortes
 
Literatura Brasileira
Literatura BrasileiraLiteratura Brasileira
Literatura BrasileiraProfessor
 
Ensino de literatura
Ensino de literaturaEnsino de literatura
Ensino de literaturaElis Silva
 
ARTE, VIDA E FORMAÇÃO HUMANA: CONCEITOS INSTIGANTES EM LEV VYGOSTSKY
ARTE, VIDA E FORMAÇÃO HUMANA: CONCEITOS INSTIGANTES EM LEV VYGOSTSKYARTE, VIDA E FORMAÇÃO HUMANA: CONCEITOS INSTIGANTES EM LEV VYGOSTSKY
ARTE, VIDA E FORMAÇÃO HUMANA: CONCEITOS INSTIGANTES EM LEV VYGOSTSKYLOCIMAR MASSALAI
 
A Paratopia em "Feliz Ano Velho": Linguagem e Transmidiação
A Paratopia em "Feliz Ano Velho": Linguagem e TransmidiaçãoA Paratopia em "Feliz Ano Velho": Linguagem e Transmidiação
A Paratopia em "Feliz Ano Velho": Linguagem e TransmidiaçãoKelly Christi
 
Policarpo quaresma um embate entre a utopia e a realidade
Policarpo quaresma um embate entre a utopia e a realidadePolicarpo quaresma um embate entre a utopia e a realidade
Policarpo quaresma um embate entre a utopia e a realidadeUNEB
 
Entre praticas e_representacoes_os_folhetins_nos_anos_sessenta
Entre praticas e_representacoes_os_folhetins_nos_anos_sessentaEntre praticas e_representacoes_os_folhetins_nos_anos_sessenta
Entre praticas e_representacoes_os_folhetins_nos_anos_sessentaSilvana Oliveira
 
A escola da era moderna entre a transmissao e a vigilancia
A escola da era moderna entre a transmissao e a vigilanciaA escola da era moderna entre a transmissao e a vigilancia
A escola da era moderna entre a transmissao e a vigilanciaUniversidad de Antioquia
 
Recontarhistoriasereinventarmemorias
 Recontarhistoriasereinventarmemorias Recontarhistoriasereinventarmemorias
RecontarhistoriasereinventarmemoriasNegrafrancis Francis
 
202 603-1-pb
202 603-1-pb202 603-1-pb
202 603-1-pbsamuel98
 
C:\fakepath\barbara santos
C:\fakepath\barbara santosC:\fakepath\barbara santos
C:\fakepath\barbara santosliterafro
 
O lugar da teoria no ensino de literatura
O lugar da teoria no ensino de literaturaO lugar da teoria no ensino de literatura
O lugar da teoria no ensino de literaturaMariana Marcelino
 
6 a intertextualidade_nos_quadrinhos_da_turma_da_mnica...
6 a intertextualidade_nos_quadrinhos_da_turma_da_mnica...6 a intertextualidade_nos_quadrinhos_da_turma_da_mnica...
6 a intertextualidade_nos_quadrinhos_da_turma_da_mnica...Tiça Ribeiro
 
Literariedade e mimesis
Literariedade e mimesisLiterariedade e mimesis
Literariedade e mimesisLima Venancio
 
ANTROPOLOGIA_DA_INDIVIDUACAO_Estudos_sob.pdf
ANTROPOLOGIA_DA_INDIVIDUACAO_Estudos_sob.pdfANTROPOLOGIA_DA_INDIVIDUACAO_Estudos_sob.pdf
ANTROPOLOGIA_DA_INDIVIDUACAO_Estudos_sob.pdfBeatriz Ribeiro
 

Mais procurados (20)

Sandro ornellas
Sandro ornellasSandro ornellas
Sandro ornellas
 
Apostila literatura brasileira-libre
Apostila literatura brasileira-libreApostila literatura brasileira-libre
Apostila literatura brasileira-libre
 
Literatura Brasileira
Literatura BrasileiraLiteratura Brasileira
Literatura Brasileira
 
Ensino de literatura
Ensino de literaturaEnsino de literatura
Ensino de literatura
 
Eu compro essa mulher
Eu compro essa mulherEu compro essa mulher
Eu compro essa mulher
 
ARTE, VIDA E FORMAÇÃO HUMANA: CONCEITOS INSTIGANTES EM LEV VYGOSTSKY
ARTE, VIDA E FORMAÇÃO HUMANA: CONCEITOS INSTIGANTES EM LEV VYGOSTSKYARTE, VIDA E FORMAÇÃO HUMANA: CONCEITOS INSTIGANTES EM LEV VYGOSTSKY
ARTE, VIDA E FORMAÇÃO HUMANA: CONCEITOS INSTIGANTES EM LEV VYGOSTSKY
 
A Paratopia em "Feliz Ano Velho": Linguagem e Transmidiação
A Paratopia em "Feliz Ano Velho": Linguagem e TransmidiaçãoA Paratopia em "Feliz Ano Velho": Linguagem e Transmidiação
A Paratopia em "Feliz Ano Velho": Linguagem e Transmidiação
 
Policarpo quaresma um embate entre a utopia e a realidade
Policarpo quaresma um embate entre a utopia e a realidadePolicarpo quaresma um embate entre a utopia e a realidade
Policarpo quaresma um embate entre a utopia e a realidade
 
Entre praticas e_representacoes_os_folhetins_nos_anos_sessenta
Entre praticas e_representacoes_os_folhetins_nos_anos_sessentaEntre praticas e_representacoes_os_folhetins_nos_anos_sessenta
Entre praticas e_representacoes_os_folhetins_nos_anos_sessenta
 
A escola da era moderna entre a transmissao e a vigilancia
A escola da era moderna entre a transmissao e a vigilanciaA escola da era moderna entre a transmissao e a vigilancia
A escola da era moderna entre a transmissao e a vigilancia
 
Literatura comparada
Literatura comparadaLiteratura comparada
Literatura comparada
 
Recontarhistoriasereinventarmemorias
 Recontarhistoriasereinventarmemorias Recontarhistoriasereinventarmemorias
Recontarhistoriasereinventarmemorias
 
202 603-1-pb
202 603-1-pb202 603-1-pb
202 603-1-pb
 
C:\fakepath\barbara santos
C:\fakepath\barbara santosC:\fakepath\barbara santos
C:\fakepath\barbara santos
 
Generos Subalternizacao Edson Soares Martins
Generos Subalternizacao   Edson Soares MartinsGeneros Subalternizacao   Edson Soares Martins
Generos Subalternizacao Edson Soares Martins
 
Formações ideológicas na cultura brasileira - Alfredo Bosi.
Formações ideológicas na cultura brasileira - Alfredo Bosi.Formações ideológicas na cultura brasileira - Alfredo Bosi.
Formações ideológicas na cultura brasileira - Alfredo Bosi.
 
O lugar da teoria no ensino de literatura
O lugar da teoria no ensino de literaturaO lugar da teoria no ensino de literatura
O lugar da teoria no ensino de literatura
 
6 a intertextualidade_nos_quadrinhos_da_turma_da_mnica...
6 a intertextualidade_nos_quadrinhos_da_turma_da_mnica...6 a intertextualidade_nos_quadrinhos_da_turma_da_mnica...
6 a intertextualidade_nos_quadrinhos_da_turma_da_mnica...
 
Literariedade e mimesis
Literariedade e mimesisLiterariedade e mimesis
Literariedade e mimesis
 
ANTROPOLOGIA_DA_INDIVIDUACAO_Estudos_sob.pdf
ANTROPOLOGIA_DA_INDIVIDUACAO_Estudos_sob.pdfANTROPOLOGIA_DA_INDIVIDUACAO_Estudos_sob.pdf
ANTROPOLOGIA_DA_INDIVIDUACAO_Estudos_sob.pdf
 

Semelhante a A literatura e a formação humana

A literatura infantil e a crítica
A literatura infantil e a críticaA literatura infantil e a crítica
A literatura infantil e a críticamarimidlej
 
Apostila-Completa-Teoria-da-Literatura-1.pdf
Apostila-Completa-Teoria-da-Literatura-1.pdfApostila-Completa-Teoria-da-Literatura-1.pdf
Apostila-Completa-Teoria-da-Literatura-1.pdfNatliaCarolinedeoliv
 
LITERATURA- A ARTE DA PALAVRA 1 ANOS.pptx
LITERATURA- A ARTE DA PALAVRA 1 ANOS.pptxLITERATURA- A ARTE DA PALAVRA 1 ANOS.pptx
LITERATURA- A ARTE DA PALAVRA 1 ANOS.pptxAndréia Cristina
 
Ler e escrever na cultura digital
Ler e escrever na cultura digitalLer e escrever na cultura digital
Ler e escrever na cultura digitallidcabral
 
Joao carlos-correia-comunicacao-e-poder
Joao carlos-correia-comunicacao-e-poderJoao carlos-correia-comunicacao-e-poder
Joao carlos-correia-comunicacao-e-poderFrancilis Enes
 
Lajolo, marisa do mundo da leitura para a leitura do mundo
Lajolo, marisa do mundo da leitura para a leitura do mundoLajolo, marisa do mundo da leitura para a leitura do mundo
Lajolo, marisa do mundo da leitura para a leitura do mundomarcaocampos
 
00 - Introdução a Literatura.pdf
00 - Introdução a Literatura.pdf00 - Introdução a Literatura.pdf
00 - Introdução a Literatura.pdfgeroboaosouza
 
01 o que é literatura - 1o ano - 2014 - literatura
01   o que é literatura - 1o ano - 2014 - literatura01   o que é literatura - 1o ano - 2014 - literatura
01 o que é literatura - 1o ano - 2014 - literaturajasonrplima
 
O TREM DE FERRO QUE PASSA A ORALIDADE: uma análise que aborda a estética oral...
O TREM DE FERRO QUE PASSA A ORALIDADE: uma análise que aborda a estética oral...O TREM DE FERRO QUE PASSA A ORALIDADE: uma análise que aborda a estética oral...
O TREM DE FERRO QUE PASSA A ORALIDADE: uma análise que aborda a estética oral...Allan Diego Souza
 
Trabalho de lusã³fonas_do_giovane[1]
Trabalho de lusã³fonas_do_giovane[1]Trabalho de lusã³fonas_do_giovane[1]
Trabalho de lusã³fonas_do_giovane[1]GIOVANE LIMA
 
Apostila literatura brasileira uf paraná
Apostila literatura brasileira uf paranáApostila literatura brasileira uf paraná
Apostila literatura brasileira uf paranáfledsongs
 
Resenhas Magnum Soria
Resenhas Magnum SoriaResenhas Magnum Soria
Resenhas Magnum SoriaLALLi
 
Honra versus Paixão o adultério na visão de Eça de Queiros
Honra versus Paixão o adultério na visão de Eça de QueirosHonra versus Paixão o adultério na visão de Eça de Queiros
Honra versus Paixão o adultério na visão de Eça de QueirosReynaldo Luiz Dias Ferreira
 

Semelhante a A literatura e a formação humana (20)

A literatura infantil e a crítica
A literatura infantil e a críticaA literatura infantil e a crítica
A literatura infantil e a crítica
 
Apostila-Completa-Teoria-da-Literatura-1.pdf
Apostila-Completa-Teoria-da-Literatura-1.pdfApostila-Completa-Teoria-da-Literatura-1.pdf
Apostila-Completa-Teoria-da-Literatura-1.pdf
 
Vidas em letras1
Vidas em letras1Vidas em letras1
Vidas em letras1
 
LITERATURA- A ARTE DA PALAVRA 1 ANOS.pptx
LITERATURA- A ARTE DA PALAVRA 1 ANOS.pptxLITERATURA- A ARTE DA PALAVRA 1 ANOS.pptx
LITERATURA- A ARTE DA PALAVRA 1 ANOS.pptx
 
Hipertexto mito
Hipertexto mitoHipertexto mito
Hipertexto mito
 
Ler e escrever na cultura digital
Ler e escrever na cultura digitalLer e escrever na cultura digital
Ler e escrever na cultura digital
 
Joao carlos-correia-comunicacao-e-poder
Joao carlos-correia-comunicacao-e-poderJoao carlos-correia-comunicacao-e-poder
Joao carlos-correia-comunicacao-e-poder
 
Módulo 3
Módulo 3Módulo 3
Módulo 3
 
Lajolo, marisa do mundo da leitura para a leitura do mundo
Lajolo, marisa do mundo da leitura para a leitura do mundoLajolo, marisa do mundo da leitura para a leitura do mundo
Lajolo, marisa do mundo da leitura para a leitura do mundo
 
00 - Introdução a Literatura.pdf
00 - Introdução a Literatura.pdf00 - Introdução a Literatura.pdf
00 - Introdução a Literatura.pdf
 
Abordagem dos-classicos-no-ensino-de-literatura
Abordagem dos-classicos-no-ensino-de-literaturaAbordagem dos-classicos-no-ensino-de-literatura
Abordagem dos-classicos-no-ensino-de-literatura
 
01 o que é literatura - 1o ano - 2014 - literatura
01   o que é literatura - 1o ano - 2014 - literatura01   o que é literatura - 1o ano - 2014 - literatura
01 o que é literatura - 1o ano - 2014 - literatura
 
O TREM DE FERRO QUE PASSA A ORALIDADE: uma análise que aborda a estética oral...
O TREM DE FERRO QUE PASSA A ORALIDADE: uma análise que aborda a estética oral...O TREM DE FERRO QUE PASSA A ORALIDADE: uma análise que aborda a estética oral...
O TREM DE FERRO QUE PASSA A ORALIDADE: uma análise que aborda a estética oral...
 
Trabalho de lusã³fonas_do_giovane[1]
Trabalho de lusã³fonas_do_giovane[1]Trabalho de lusã³fonas_do_giovane[1]
Trabalho de lusã³fonas_do_giovane[1]
 
Apostila literatura brasileira uf paraná
Apostila literatura brasileira uf paranáApostila literatura brasileira uf paraná
Apostila literatura brasileira uf paraná
 
Apostila literatura brasileira
Apostila literatura brasileiraApostila literatura brasileira
Apostila literatura brasileira
 
Resenhas Magnum Soria
Resenhas Magnum SoriaResenhas Magnum Soria
Resenhas Magnum Soria
 
Literatura infantil uma
Literatura infantil umaLiteratura infantil uma
Literatura infantil uma
 
Honra versus Paixão o adultério na visão de Eça de Queiros
Honra versus Paixão o adultério na visão de Eça de QueirosHonra versus Paixão o adultério na visão de Eça de Queiros
Honra versus Paixão o adultério na visão de Eça de Queiros
 
Slide seminário
Slide seminárioSlide seminário
Slide seminário
 

A literatura e a formação humana

  • 1. A literatura e a formação do homem Nesta palestra, desejo desejo apresentar algumas variações sobre a função humanizadora da literatura, isto é, sobre a capacidade que ela tem de confirmar a humanidade do homem. Para esse fim, começo focalizando rapidamente, nos estudos literários, o conceito de função, vista como papel que a obra literária desempenha na sociedade. Este conceito social de função não está em voga, pois as correntes mais modernas se preocupam sobretudo com o de estrutura, cujo conhecimento seria, teoricamente, optativo em relação a ele, se aplicarmos o raciocínio feito com referência a história. Que incompatibilidade metodológica poderia existir entre o estudo da estrutura e o da função social? O primeiro pode ser comparativamente mais estático do o segundo, que evocaria certas noções em cadeias, de cunho mais dinâmico, como: atuação, processo, sucessão, história. E daí bastaria um passo para Mas ainda: a ideia de função provoca não apenas uma certa inclinação para o lado do valor, mas para o lado da pessoa, no caso, o escritor (que produz a obra) e o leitor, coletivamente o público (que recebe o seu impacto). Ora, uma característica do enfoque estrutural é não apenas concentrar-se na obra tomada em si mesma (o que aliás ocorria em outras orientações teóricas anteriores). Eles não seriam a-históricos, mas talvez trans-histiricos, porque possuem generalidade e permanência muitos maiores, em relação as manifestações particulares, (obras) que passam para o segundo plano como capacidade explicativa. O ponto de vista estrutural consiste em ver as obras com referências aos modelos ocultos, pondo pelo menos provisória e metodicamente entre parêntese os elementos que indicam a sua gênese e a sua função num momento dado, e que portanto acentuam o seu caractere de produto contingente mergulhado na história. Isto é dito para justificar a afirmação inicial: que os estudos modernos de literatura se voltam mais para estrutura do que para função. Seria possível, no entretanto, focaliza-la? É claro desde que não queiramos substituir um enforque pelo outro. O enforque estrutural (inclusive sob a modalidade mais recente, conhecida como estruturalismo) é responsável pelo maior avanço que estudos literários conheceram em nosso tempo. Voltando aos pontos de referência mencionados acima: na medida em que nos interessa também como experiência humana, não apenas como produção de obras consideradas projeções, ou melhor transformações de modelo profundos, a literatura desperta inevitavelmente o interesse pelos elementos contextuais. Mesmo que isto nos afaste de uma visão cientifica, é difícil pôr de lado os problemas individuais e sociais que dão lastro-as obras e as amarram ao mundo onde vivemos. Digamos, então, para encerrar esta introdução: há no estudo da obra literária um momento analítico, se quiserem de cunho cientifico, que precisa deixar em suspenso problemas relativo ao autor, a atuação psíquica e social, a fim de reforçar uma concentração necessária na obra como objeto de conhecimento. Tendo assim demarcado os campo, vejamos alguma coisa sobre a literatura como força humanizada a, não como sistema de obras. Um certo tipo de função psicológica é talvez a primeira coisa que nos ocorrem quando pensamos no papel da literatura. É isto que ocorrem no primitivo e no civilizado, na criança,
  • 2. no adulto, no instruído e no analfabeto. A literatura propriamente dita é uma das modalidades que funcionam como resposta a essa necessidade universal, cujas formas mais humildes e espontâneas de satisfações talvez sejam coisas como anedota, a adivinha, o trocadilho, o rifão. No nosso ciclo de civilização, tudo isto culminou de certo modo nas formas impressas, divulgadas pelo livro, o folheto, o jornal, a revista: o poema, o conto, o romance, narrativa romanceada. Portanto, por vias oral ou visual, sob formas curtas e elementares, ou sob complexas formas extensas, a necessidade de ficção se manifesta a cada instante, aliás, ninguém pode passar um dia sem consumi-la, ainda que sob a forma de palpite da loteria, devaneio, construção ideal ou anedota. E assim se justifica o interesse pela função dessas formas de sistematizar a fantasia, de que a literatura é uma das modalidade mais ricas. A fantasia quase nunca é pura. Ela se refere constantemente a alguma realidade: fenômeno natural, paisagem, sentimento, fato, desejo de explicação, costumes, defeitos humanos. Sabemos que um grande números de mitos, lendas, e contos são etiológicos, isto é, são do modo configurados ou fictício de explicar o aparecimento e a razão de ser do mundo físico e da sociedade. Haveria pontos de contatos entre ambas? A resposta pode ser uma especulação lateral no problema da função que nos ocupa. Interessado em estudar a formação do espirito cientifico. Gaston bachelard procurou investigar como ele ia surgindo duma espécie de progressiva depuração a partir da ganga imaginativa do devaneio, que seria um estado de passividade intelectual a ser anulado. O devaneio seria o caminho da verdadeira imaginação, que não se alimenta dos resíduos da percepção e portanto não é uma espécie de resto da realidade, mas estabelece a series autônomas coerentes, a partir dos estímulos da realidade. Independe mente de aceitamos ou não o ponto de vista de bachelard, a referência a ele serve neste contexto sobretudo como amostra do laço entre a imaginação literária e realidade concreta do mundo. Ao mesmo tempo, a evocação dessa impregnação profunda mostra como as criações ficcionais e poéticas podem atuar de modo subconsciente e inocente, operando uma espécie de inculca mento que não percebemos. Isto leva a perguntar a literatura tem uma função formativa de tipo educacional? Sabemos que a instruamos países civilizados sempre se baseou nas letras. Daí o elo entre a formação do homem, humanismo, letras humanas e estudos da língua e da literatura. Seja como for, a sua função educativa é muito mais complexa do que pressupõe um ponto de vista estritamente pedagógico. A literatura pode formar, mas não segundo a pedagogia oficial, que costuma vê-la ideologicamente como veículo da tríade famosa, o verdadeiro, o bom, o belo, definidos conformes s interesses dos grupos dominantes, para reforço da sua concepção de vida. Daí as atitudes ambivalentes que suscita nos moralistas e nos educadores, ao mesmo tempo fascinados pela sua força humanizada a e temerosos da sua indiscriminada riqueza. Dado que a literatura, como a vida, ensina na medida em que atua com toda a sua gama, e artificial querer que ela funcione como manuais de virtude e boa conduta. Paradoxos, portanto, de todo lado, mostrando o conflito entre ideias convencional de uma literatura que eleva e edifica (segundos os padrões oficiais) e a sua poderosa força indiscriminada de iniciação na vida, com uma variada complexidade nem sempre desejada
  • 3. pela educadores. Chegamos agora ao ponto mais complicado. Além das funções mencionadas (isto é: satisfazer a necessidade universal de fantasia e contribuir para formação da personalidade) teria a literatura uma função de conhecimento do mundo e do ser? Isto posto, podemos abordar o problema da função da literatura como representação de uma dada realidade social e humana, que faculta a maior inteligibilidade com relação a esta realidade. Trata-se de um caso privilegiado para estudar o papel da literatura num pais em formação, que procura a sua identidade através da variação dos temas e da fixação da linguagem, oscilando para isto entre adesão aos modelos europeus e a pesquisa de aspectos locais. Ao mesmo tempo documentário e idealizador, forneceu elementos para a auto-indentificaçao do homem brasileiro e também para uma serie de projeções ideais. Mas antes de ir além, um parêntese para dizer que hoje, tanto na crítica brasileira quanto na latino- americano, a palavra de ordem é a morte ao regionalismo, quanto ao presente, e menosprezo pelo que foi o passado. Mas é forçoso convir que, justamente porque a literatura desempenha função na vida da sociedade, não depende apenas da opinião crítica que o regionalismo existia ou deixa de existe. O que acontece é que ele se vai modificado e adaptando, superando as formas mais grosseiras até dar a impressão de que se dissolveu na generalidade dos temas universais, como é normal em toda obra bem feita. Fechando parêntese, voltemos ao assunto com uma consideração de ordem geral: o regionalismo estabelece uma curiosa tensão tema e linguagem. O regionalismo deve estabelecer uma relação adequada entre os dois aspectos, e por isso torna um instrumento poderoso de transformação da língua de revelação e autoconsciência do pais, mas pode ser também fator de artificialidade na língua e de alienação no plano do conhecimento do pais. Nos livros regionalistas, o homem de posição social mais elevada nunca tem sotaque, não apresenta peculiaridade de pronuncia, não deforma as palavras, que na sua boca, assumem o estado ideal de dicionário. Em tais casos, o regionalismo é uma falsa admissão do homem rural ao universo dos valores éticos e estéticos. No entretanto, o seu proposito consciente era o contrário. Dito de outro modo: pode funcionar como representação humanizada ou como representação desumanizada do homem das culturas rurais.