Estética da recepção

14.854 visualizações

Publicada em

0 comentários
10 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
14.854
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
349
Comentários
0
Gostaram
10
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • 1
  • Estética da recepção

    1. 1. UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E EXATAS LICENCIATURA EM LETRAS Teoria da Recepção
    2. 2. • A teoria da recepção examina o papel do leitor na literatura, é algo bastante novo. • Embora a relação leitura e literatura seja bastante evidente, o campo dos estudos literários só passou a tematizá-la a partir das primeiras décadas do séc. XX.
    3. 3. Pode-se periodizar a história da moderna teoria literária em três fases:
    4. 4. Jauss(1978;1994) aparece como um dos autores mais exponenciais e significativos entre os que colocam o leitor e a leitura como elementos privilegiados nos estudos literários. Além de pensar o caráter artístico de um texto em razão do efeito que este gera em seus leitores, Jauss também propõe uma nova abordagem da história literária pautada também no aspecto recepcional.
    5. 5. oA proposta de Jauss de história literária articula tanto a recepção atual de um texto (aspecto sincrônico) quanto sua recepção ao longo da história (aspecto diacrônico), e ainda a relação da literatura com o processo de construção da experiência de vida do leitor. oEle reivindica que se torne como princípio historiográfico da literatura o modo como as obras foram lidas e avaliadas por seus diferentes públicos na história.
    6. 6. Outra vertente da teoria recepcional, o Reader- Response-Criticism, se desenvolveu mais nos domínio norte americanos. Seus principais representantes são Fish (1980), Culler e Iser (1999). Essa vertente pensa mais especificamente nos efeitos que os textos desencadeiam em seu leitor. Esses autores consideram que o texto só ganha existência no momento da leitura e os “resultados” ou “efeitos” dessa leitura são fundamentais para que se pense seu sentido.
    7. 7. A sociologia da leitura também é caracterizada como uma teoria recepcional. Para os seus principais representantes Escarpit (1969)Chartier , Bourdieu o estudo da literatura é feito por via dos elementos que dão base e sustentação para que ela exista, o público (leitores), o próprio livro,e a leitura . Escarpit entende a literatura não a partir de seus elementos textuais, mas como um tipo de leitura que é feita por gratuidade e que permite a evasão, o que exclui de suas pesquisas o aspecto estético.
    8. 8. A sociologia da leitura interessa-se também por todos os circuitos que envolvem o livro (sua produção na esfera do autor, do editor, sua distribuição e circulação).
    9. 9. Crítica de Jauss Jauss procura mostrar que a qualidade ou o valor de uma literária não podem ser medidos ou apreciados nem a partir das condições históricas ou biográficas de sua origem nem do lugar que ela ocupa no desenvolvimento de um gênero. Para ele, a qualidade e a categoria estética de um texto vem “dos critérios de recepção, do efeito produzido e de sua fama junto á posteridade”. (JAUSS,1994,p.7).
    10. 10. Sua crítica atinge o Formalismo e a Sociologia da literatura. Para Jauss, os estudiosos dessas duas linhas teóricas tentaram formular critérios para considerar um texto como fato literário e, assim, explicar a sucessão histórica. Embora ambas as teorias (sociológica e formalista) tivessem tentado resolver o dilema entre história e estética, para Jauss nenhuma delas conseguiu.
    11. 11. Valor estético e a recepção conforme Jauss.
    12. 12. Para que a literatura aconteça , o leitor é tão vital quanto o autor. (EAGLETON, 2011).
    13. 13. FIM

    ×