SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 39
Profª Irene dias ribeiro Profª :Maria Inês Vitorinoalunos :anaclaudia l. rodrigueswesley a. netto nascimento       3ª e  -  2011
MENMORIAL  DO  CONVENTO
JOSÉ SARAMAGO
BIOGRAFIA
José Saramago nasceu na vila de Azinhaga, no conselho da Golegã, de uma família de pais e avós agricultores. A sua vida é passada em grande parte em Lisboa, para onde a família se muda em 1924 – era um menino de apenas dois anos de idade. Dificuldades econômicas impedem-no de entrar na universidade. Demonstra desde cedo interesse pelos estudos e pela cultura, sendo que esta curiosidade perante o Mundo o acompanhou até à morte. Formou-se numa escola técnica.
O seu primeiro emprego foi de serralheiro mecânico. Fascinado pelos livros, visitava, à noite, com grande freqüência, a Biblioteca Municipal Central — Palácio Galveias. Aos 25 anos, publica o primeiro romance Terra do Pecado (1947), no mesmo ano de nascimento da sua filha, Violente, fruto do primeiro casamento com Ilda Reis – com quem se casou em 1944 e com quem permaneceu até 1970.
Da experiência vivida nos jornais, restaram quatro crônicas: Deste Mundo e do Outro, 1971. A Bagagem do  viajante, 1973.  As Opiniões que o DL Teve, 1974 e Os Apontamentos, 1976. Mas não são as crônicas, nem os contos, nem o teatro os responsáveis por fazer de Saramago um dos autores portugueses de maior destaque - esta missão está reservada aos seus romances, gênero a que retorna em 1977.
RESUMO  DO  ENRREDO
Apesar  de ter  sido trazida da Áustria já há dois anos, especialmente para gerar  o sucessor  ao trono de D. João V, rei de Portugal, a rainha D. Maria Ana Josefa parece não conseguir  engravidar. Sendo o rei um símbolo de virilidade, mas é ela considerada infértil e, conseqüentemente, a única culpada pelo fato de o rei ainda não ter tido herdeiros. Quando, ao cair da noite, o rei se prepara para ir ao quarto da rainha para mais uma tentativa, chega ao palácio D. Nuno da Cunha, bispo inquisidor, acompanhado de um  velho frade franciscano, Antônio de S. José, que propõe uma solução para o problema do rei. Diz o frade que a rainha engravidaria assim que o rei prometesse construir um convento para os frades da ordem dos  franciscanos na vila de Mafra. Feita a promessa, o casal real vai para o quarto. Depois de consumado o ato sexual, rei e rainha dormem e sonham cada um com seus próprios desejos, suas diferentes fantasias: ela sonha que tem um encontro amoroso com seu cunhado, o Infante.
Passado o "entrudo" , como de costume, durante a quaresma as ruas se encheram  de gente que fazia cada um suas penitências. Segundo a tradição, a quaresma era a única época em que as mulheres podiam percorrer as igrejas sozinhas e assim gozar de uma rara liberdade que lhes permitia até mesmo de se encontrarem com seus amantes secretos. Porém, D. Maria Ana não podia gozar dessas liberdades pois, além de ser rainha, agora se encontrava grávida. Assim, tendo ido para a cama cedo, consolou se em sonhar  outra vez  com D.Francisco, seu cunhado. Passada a quaresma, todas as mulheres retornaram para a reclusão de suas casas.
Não somente por causa da gravidez de cinco meses, mas também por estar de luto pela morte de seu irmão, a rainha Maria Ana deixa de freqüentar o grande auto­de­fé na praça do Rossio em Lisboa, evento muito popular, que já há dois anos não ocorria. Ali seriam  castigados pela Inquisição diversos casos de heresia. Entre os condenados pelo Santo Ofício, um é focalizado com maior destaque. É Sebastiana Maria de Jesus, acusada de ser feiticeira e cristã nova . Sebastiana, durante alguns parágrafos, torna se a narradora da história. Sebastiana Maria de Jesus tem uma filha de 19 anos: Blimunda, jovem de poderes sobrenaturais, que assiste à procissão ao lado do padre Bartolomeu Lourenço. Perto dela está um homem, Baltasar Mateus, o Sete Sóis, a quem ela se dirige e cujo nome procura saber.
Depois de o padre sair, Blimunda convida Baltasar para que fique morando em sua casa, pelo menos até que ele tivesse que voltar  a Mafra . No dia  seguinte, ao acordar, Blimunda, sem abrir  os olhos, come um pedaço de pão e promete a Baltasar  que nunca o olharia "por dentro". Começa aqui a fiel e duradoura amizade entre os  três personagens que se contrapõem aos personagens da família real, heróis da historiografia oficial. Inicia se também a relação amorosa entre Baltasar e Blimunda, que ocupará o centro da narrativa. Ao encontrar se com o padre Bartolomeu Lourenço, que estava procurando usar sua influência no palácio para conseguir dinheiro. Baltasar fica sabendo que o padre era conhecido.
como "o  Voador", por  ter  criado uma máquina a qual todos ridicularizam, chamando de "a  passarola". Baltasar aceita o convite do padre para ser seu ajudante no projeto de construir a tal "máquina de voar", mas enquanto não chega o dinheiro para o material necessário, fica trabalhando em  um açougue. Enquanto isso, no palácio, para decepção do rei, a rainha dá à luz  uma menina, Maria Xavier  Francisca Leonor  Bárbara, que é batizada por  sete bispos. Apesar  de o frade Antônio de S. José já ter  morrido quando do nascimento da criança, a promessa do rei de construir o convento seria mantida.
Enquanto no palácio nascia D. Pedro, segundo filho da família real, e o rei viajava a Mafra para escolher o lugar onde seria erguido o convento monumental, Baltasar e Blimunda mudam se para a abigodaria na quinta do duque de Aveiro, amigo do rei, em S. Sebastião da Pedreira. Além de proporcionar lhe o lugar de trabalho, o rei, que se interessara pelo projeto do padre como uma criança se interessa por  um brinquedo novo, com sua amizade e influência protegia o padre  das garras da Inquisição que, caso viesse a saber dos projetos do padre, teria motivos suficientes para acasalo de heresia. Na quinta do duque de Aveiro, Padre Bartolomeu, com a ajuda de Baltasar e Blimunda, prossegue na construção da passarola. Decide, então, partir à Holanda, onde dizem que os sábios conhecem os mistérios da alquimia e a natureza do éter ,
o único elemento que, segundo ele, estava faltando para que sua invenção fosse concluída. Baltasar e Blimunda, depois que o padre parte, decidem mudar­se para Mafra , terra natal de Baltasar. Antes de partir, o casal decide assistir, ao invés de mais um auto­de­fé que seria realizado na praça do Rossio, a uma outra festa popular, a tourada. Assim como os  autos-e­fé , as touradas sempre terminavam  com  um  forte cheiro de carne queimada, proveniente do churrasco realizado no final da festa. Ao chegar à casa da família em Mafra , acompanhado de Blimunda, Baltasar  é recebido por  sua mãe, Marta Maria, já que João Francisco, seu pai, estava trabalhando no campo. Baltasar fica sabendo que sua única irmã, Inês Antônia, estava casada com Álvaro  "Pedreiro" Diogo
personagens
1. Personagens Históricos D. João QuintoD. Ana Maria Josefa, princesa austríaca que se tornou rainha de Portugal, casada com D. João V. A história a descreve como beata, submissa e medrosa. Padre Bartolomeu Lourenço de Gusmão, brasileiro, nascido em 1685, apelidado de "O Voador" por ter inventado a passarola (aeróstato); morto em 1724, dado como louco pela Inquisição. Giuseppe Domenico Scarlatti (Nápoles, 26 de outubro de 1685 — Madrid, 23 de julho de 1757) foi um compositor italiano
“Filho do também músico e compositor Alessandro Scarlatti, suas maiores contribuições para a música foram suas sonatas para teclado em um único movimento, em que empreendeu abordagens harmônicas bastante inovadoras, apesar de ter composto também obras para orquestra e voz. Embora tenha vivido no período que corresponde ao auge da música barroca européia, suas composições, mais leves e homofônicas, têm estilo mais próximo daquele do início do período clássico.”
2. Personagens de ficção  Blimunda de Jesus (Blimunda Sete-Luas) - é uma criatura diferente: enxerga as pessoas "por dentro" se estiver em jejum.Tem 19 anos, é forte, decidida, ama Baltazar assim que o vê, sabia que ele seria seu amor para sempre:
"Correu algum sangue sobre a esteira. Com as pontas dos dedos médio e indicador umedecidos nele, Blimunda persignou-se e fez uma cruz no peito de Baltazar, sobre o coração. Estavam ambos nus."Baltazar Mateus (Baltazar Sete-Sóis) - fora soldado e, na guerra, perdera a mão esquerda: Tem 26 anos, é forte e destemido. Também sabe que terá Blimunda para sempre.
Outras personagens  "- João Elvas, Manuel Milho, José pequeno, Álvaro Diogo e Inês Antônia (cunhado e irmã de Baltazar), Marta Maria (mãe de Baltazar) e João Francisco (pai de Baltazar).
Tempo / espaço
No romance existem alguns espaços nomeados: 1. O palácio que abriga a nobreza de D. João V, por onde o clero transita com facilidade; 
2. As ruas de Lisboa, sempre cheias da "arraia-miúda", o povo pobre, faminto; 
3. A quinta (chácara) para onde vão Blimunda e Baltazar construir a Passarola; 
4. A cidade de Mafra e os arredores.
O tempo O tempo narrativo é do tipo cronológico e está inserido entre duas datas: "dezessete de novembro deste ano da graça de 1717" e , como indica o último capítulo, a data da morte do escritor e comediógrafo brasileiro Antônio José da Silva, o Judeu, autor das Guerra de Alecrim e Manjerona, em 1739.
.Ou seja, a história que vamos analisar tem duração temporal de 22 anosO volume percorre um período de aproximadamente 30 anos na História de Portugal à época da Inquisição. O cenário é rico, registrando não só o fato histórico, mas reconstituindo a vivência popular, numa viagem a diferentes povoados ao redor de Lisboa.
FOCO NARRATIVO
O foco narrativo do romance é do tipo cambiante/deslizante, isto é, mistura das  falas;também chamado múltiplo, com predominância em 3 a . pessoa. A  voz  do narrador  faz  comentários satíricos com freqüência e entra em contradição com os dados  históricos oferecidos anteriormente.
"Já  se deitaram. Esta é a cama que veio da Holanda quando a rainha veio da Áustria, mandada fazer de propósito pelo rei, a cama, a quem custou setenta e cinco mil cruzados, que em Portugal não há artífices de tanto primor, e, se  os houvesse, sem dúvida  ganhariam menos.
A desprevenido olhar nem se sabe se é de madeira o magnífico móvel, coberto como está pela armação preciosa, tecida e bordada de florões e relevos de ouro, isto não falando do dossel que poderia servir para cobrir o papa. Quando a cama aqui foi posta e armada ainda não haviapercevejos  nela, tão nova era, mas depois, com  o uso, o calor  dos  corpos, as migrações  no interior  do palácio, ou da cidade para dentro, rica de matéria e adorno não se lhe pode aproximar um trapo a arder para queimar o enxame, não há mais remédio, ainda não o sendo, que pagar a Santo Aleixo cinqüenta réis por ano, a ver se livra a rainha e a nós todos da praga e da coceira."
“Esta é a cama que veio da Holanda(...)"  "Este que por desafrontada aparência, sacudir da espada e desaparelhadas vestes, ainda que descalço, parece soldado, é Baltazar Mateus.
LINGUAGEM           E     ESTILO
"Cada frase, ou discurso, ou o período, cria-se dentro de mim mais como uma fala do que como uma escrita. A possibilidade da espontaneidade, a possibilidade do discurso em linha recta, enfim, a direito, é muito maior do que se eu me colocasse na posição de quem escreve. No fundo, ao escrever estou colocado na posição de quem fala."
conclusão
Em  Memorial  do Convento, a linguagem não é utilizada apenas como efeito ornamental, mas sim para comprometer o romance com a estética que o guia. Todas as características particulares da escrita de Saramago  originam um discurso próximo da oralidade e espontâneo, estabelecendo-se como que uma relação entre o narrador e o leitor. Com a sua escrita, Saramago consegue criar um ritmo de escrita próximo da poesia, conseguindo conjugar diferentes figuras de estilo, utilizando aforismos, provérbios e ditados populares, originando uma nova forma de utilizar a pontuação, recorrendo a marcas  características  do discurso oral,construindo efeitos irônicos, sarcásticos e humorísticos e entrelaçando o seu discurso com outros discursos literários e jogos de conceitos típicos do Barroco. Como narrador de O Memorial do Convento, o próprio Saramago, explica sua opção pela recuperação da imaginação na escrita: "...fingindo, passam então as histórias a ser mais verdadeiras que os casos  verdadeiros que elas contam...".
Referências Bibliográficas http://www.passeiweb.com/na_ponta_lingua/livros/analises_completas/m/memorial_do_convento
Agradecemos  pela  atenção  de vocês....

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Capítulo XXII - MC
Capítulo XXII - MCCapítulo XXII - MC
Capítulo XXII - MC
12anogolega
 
Memorial convento- José Saramago
Memorial convento- José SaramagoMemorial convento- José Saramago
Memorial convento- José Saramago
becresforte
 
Ação "Os Maias"
Ação "Os Maias"Ação "Os Maias"
Ação "Os Maias"
Marta Jorge
 
MC construção da passarola
MC construção da passarolaMC construção da passarola
MC construção da passarola
AnaFPinto
 
Capítulo X - MC
Capítulo X - MCCapítulo X - MC
Capítulo X - MC
12anogolega
 
Capítulo XXIV - MC
Capítulo XXIV - MCCapítulo XXIV - MC
Capítulo XXIV - MC
12anogolega
 

Mais procurados (20)

Paula rego
Paula regoPaula rego
Paula rego
 
Capítulo XXII - MC
Capítulo XXII - MCCapítulo XXII - MC
Capítulo XXII - MC
 
Memorial convento- José Saramago
Memorial convento- José SaramagoMemorial convento- José Saramago
Memorial convento- José Saramago
 
Os Maias_ sistematizacao
Os Maias_ sistematizacaoOs Maias_ sistematizacao
Os Maias_ sistematizacao
 
Maias.apontamentos
Maias.apontamentosMaias.apontamentos
Maias.apontamentos
 
Os Maias - Capítulo III
Os Maias - Capítulo IIIOs Maias - Capítulo III
Os Maias - Capítulo III
 
17 nov texto expositivo maias
17 nov texto expositivo maias17 nov texto expositivo maias
17 nov texto expositivo maias
 
Resumos de Português: Memorial do convento
Resumos de Português: Memorial do conventoResumos de Português: Memorial do convento
Resumos de Português: Memorial do convento
 
Os Maias
Os MaiasOs Maias
Os Maias
 
Os Maias - Capítulo IV
Os Maias - Capítulo IVOs Maias - Capítulo IV
Os Maias - Capítulo IV
 
Apresentação dos Maias - Capítulo 5
Apresentação dos Maias - Capítulo 5Apresentação dos Maias - Capítulo 5
Apresentação dos Maias - Capítulo 5
 
Ação "Os Maias"
Ação "Os Maias"Ação "Os Maias"
Ação "Os Maias"
 
MC construção da passarola
MC construção da passarolaMC construção da passarola
MC construção da passarola
 
poema bucólica
poema bucólicapoema bucólica
poema bucólica
 
Capítulo X - MC
Capítulo X - MCCapítulo X - MC
Capítulo X - MC
 
Maias Episódio Corrida no Hipódromo
Maias Episódio Corrida no HipódromoMaias Episódio Corrida no Hipódromo
Maias Episódio Corrida no Hipódromo
 
Memorial do Convento - Capitulo XXV
Memorial do Convento - Capitulo XXVMemorial do Convento - Capitulo XXV
Memorial do Convento - Capitulo XXV
 
Capítulo XXIV - MC
Capítulo XXIV - MCCapítulo XXIV - MC
Capítulo XXIV - MC
 
Os Maias-Capitulo 9
Os Maias-Capitulo 9Os Maias-Capitulo 9
Os Maias-Capitulo 9
 
Os Maias - Capitulos XII, XV e XVI.
Os Maias - Capitulos XII, XV e XVI. Os Maias - Capitulos XII, XV e XVI.
Os Maias - Capitulos XII, XV e XVI.
 

Destaque

Aulas digitais memorial do convento
Aulas digitais memorial do conventoAulas digitais memorial do convento
Aulas digitais memorial do convento
Dulce Gomes
 
Memorial do convento - Personagens
Memorial do convento - PersonagensMemorial do convento - Personagens
Memorial do convento - Personagens
MiguelavRodrigues
 
Como redigir a introdução e a conclusão de um trabalho escrito
Como redigir a introdução e a conclusão de um trabalho escritoComo redigir a introdução e a conclusão de um trabalho escrito
Como redigir a introdução e a conclusão de um trabalho escrito
Biblioteca Escolar Ourique
 

Destaque (11)

Memorial do Convento
Memorial do ConventoMemorial do Convento
Memorial do Convento
 
Memorial Do Convento
Memorial Do ConventoMemorial Do Convento
Memorial Do Convento
 
Leitura memorial convento
Leitura memorial conventoLeitura memorial convento
Leitura memorial convento
 
Introdução à leitura de Memorial do Convento
Introdução à leitura de Memorial do ConventoIntrodução à leitura de Memorial do Convento
Introdução à leitura de Memorial do Convento
 
A sátira e a crítica social no Memorial do Convento
A sátira e a crítica social no Memorial do ConventoA sátira e a crítica social no Memorial do Convento
A sátira e a crítica social no Memorial do Convento
 
Memorial do convento_[1]
Memorial do convento_[1]Memorial do convento_[1]
Memorial do convento_[1]
 
Memorial do Convento, de José Saramago II
Memorial do Convento, de José Saramago IIMemorial do Convento, de José Saramago II
Memorial do Convento, de José Saramago II
 
6. sequências narrativas
6. sequências narrativas6. sequências narrativas
6. sequências narrativas
 
Aulas digitais memorial do convento
Aulas digitais memorial do conventoAulas digitais memorial do convento
Aulas digitais memorial do convento
 
Memorial do convento - Personagens
Memorial do convento - PersonagensMemorial do convento - Personagens
Memorial do convento - Personagens
 
Como redigir a introdução e a conclusão de um trabalho escrito
Como redigir a introdução e a conclusão de um trabalho escritoComo redigir a introdução e a conclusão de um trabalho escrito
Como redigir a introdução e a conclusão de um trabalho escrito
 

Semelhante a Memorial do Convento 3ª E - 2011

Personagens memorial do convento
Personagens memorial do conventoPersonagens memorial do convento
Personagens memorial do convento
paulouhf
 
Dia dos namorados
Dia dos namoradosDia dos namorados
Dia dos namorados
cresac
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 72-73
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 72-73Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 72-73
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 72-73
luisprista
 

Semelhante a Memorial do Convento 3ª E - 2011 (20)

Memorial- Análise por Capítulos
Memorial- Análise por CapítulosMemorial- Análise por Capítulos
Memorial- Análise por Capítulos
 
Resumo - Memorial do Convento
Resumo - Memorial do ConventoResumo - Memorial do Convento
Resumo - Memorial do Convento
 
José saramago
José saramagoJosé saramago
José saramago
 
Aulas sobre o memorial
Aulas sobre o memorialAulas sobre o memorial
Aulas sobre o memorial
 
Os maias bruno
Os maias brunoOs maias bruno
Os maias bruno
 
Personagens memorial do convento
Personagens memorial do conventoPersonagens memorial do convento
Personagens memorial do convento
 
SÃO VALENTIM.pdf
SÃO VALENTIM.pdfSÃO VALENTIM.pdf
SÃO VALENTIM.pdf
 
O Amor de Pedro por Ines
O Amor de  Pedro por InesO Amor de  Pedro por Ines
O Amor de Pedro por Ines
 
"Os Maias" capítulo VII
"Os Maias" capítulo VII"Os Maias" capítulo VII
"Os Maias" capítulo VII
 
(Colecao os pensadores) vol. 24 jean jacques rousseau 1
(Colecao os pensadores) vol. 24 jean jacques rousseau 1(Colecao os pensadores) vol. 24 jean jacques rousseau 1
(Colecao os pensadores) vol. 24 jean jacques rousseau 1
 
Vida de um homem: Francisco de Assis - Chiara Frugoni
Vida de um homem: Francisco de Assis - Chiara FrugoniVida de um homem: Francisco de Assis - Chiara Frugoni
Vida de um homem: Francisco de Assis - Chiara Frugoni
 
Destaques Enciclopédia 22 09-2014 a 28-09-2014
Destaques Enciclopédia 22 09-2014 a 28-09-2014Destaques Enciclopédia 22 09-2014 a 28-09-2014
Destaques Enciclopédia 22 09-2014 a 28-09-2014
 
A nobre familia de Santa Clara de Assis
A nobre familia de Santa Clara de AssisA nobre familia de Santa Clara de Assis
A nobre familia de Santa Clara de Assis
 
Dia dos namorados
Dia dos namoradosDia dos namorados
Dia dos namorados
 
Maria moises de Camilo Castelo Branco
Maria moises de Camilo Castelo BrancoMaria moises de Camilo Castelo Branco
Maria moises de Camilo Castelo Branco
 
Jb news informativo nr. 0069
Jb news   informativo nr. 0069Jb news   informativo nr. 0069
Jb news informativo nr. 0069
 
Os maias
Os maiasOs maias
Os maias
 
Pedroe ines
Pedroe inesPedroe ines
Pedroe ines
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 72-73
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 72-73Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 72-73
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 72-73
 
A escrava isaura
A escrava isauraA escrava isaura
A escrava isaura
 

Mais de Maria Inês de Souza Vitorino Justino

Mais de Maria Inês de Souza Vitorino Justino (20)

Triste fim de policarpo quaresma 3ª a 2015
Triste fim de policarpo quaresma 3ª a   2015Triste fim de policarpo quaresma 3ª a   2015
Triste fim de policarpo quaresma 3ª a 2015
 
Triste fim de policarpo quaresma 3ª a 2015
Triste fim de policarpo quaresma 3ª a   2015Triste fim de policarpo quaresma 3ª a   2015
Triste fim de policarpo quaresma 3ª a 2015
 
Clara dos anjos 3ª a - 2015
Clara dos anjos   3ª a - 2015Clara dos anjos   3ª a - 2015
Clara dos anjos 3ª a - 2015
 
Clara dos anjos 3ª a - 2015
Clara dos anjos   3ª a - 2015Clara dos anjos   3ª a - 2015
Clara dos anjos 3ª a - 2015
 
Triste fim de Policarpo Quaresma 3º A - 2015
Triste fim de Policarpo Quaresma 3º A -  2015Triste fim de Policarpo Quaresma 3º A -  2015
Triste fim de Policarpo Quaresma 3º A - 2015
 
Clara dos Anjos 3º A - 2015
Clara dos Anjos   3º A - 2015Clara dos Anjos   3º A - 2015
Clara dos Anjos 3º A - 2015
 
Slides revolução industrial
Slides revolução industrialSlides revolução industrial
Slides revolução industrial
 
Sociologia sobre a cidade e as serras
Sociologia   sobre a cidade e as serrasSociologia   sobre a cidade e as serras
Sociologia sobre a cidade e as serras
 
Breve histórico
Breve históricoBreve histórico
Breve histórico
 
Apontamentos sobre livros da fuvest
Apontamentos sobre livros da fuvestApontamentos sobre livros da fuvest
Apontamentos sobre livros da fuvest
 
A Cidade e as Serras 3ª B - 2013
A Cidade e as Serras   3ª B - 2013A Cidade e as Serras   3ª B - 2013
A Cidade e as Serras 3ª B - 2013
 
O cortiço 3ª b - 2013
O cortiço   3ª b - 2013O cortiço   3ª b - 2013
O cortiço 3ª b - 2013
 
Memórias de um Sargento de Milícias - 3ª A - 2013
Memórias de um Sargento de Milícias - 3ª A - 2013Memórias de um Sargento de Milícias - 3ª A - 2013
Memórias de um Sargento de Milícias - 3ª A - 2013
 
Viagens na minha Terra - 3ª A - 2013
Viagens na minha Terra - 3ª A -  2013Viagens na minha Terra - 3ª A -  2013
Viagens na minha Terra - 3ª A - 2013
 
Til 3ª C - 2013
Til 3ª C -  2013Til 3ª C -  2013
Til 3ª C - 2013
 
Capitães da Areia 3ª C - 2013
Capitães da Areia   3ª C - 2013Capitães da Areia   3ª C - 2013
Capitães da Areia 3ª C - 2013
 
Vidas secas graciliano ramos (1)
Vidas secas   graciliano ramos (1)Vidas secas   graciliano ramos (1)
Vidas secas graciliano ramos (1)
 
Til 3ª C 2013
Til 3ª C 2013Til 3ª C 2013
Til 3ª C 2013
 
Til 3ª A - 2013
Til   3ª A - 2013Til   3ª A - 2013
Til 3ª A - 2013
 
Til 3ª B - 2013
Til  3ª B -  2013Til  3ª B -  2013
Til 3ª B - 2013
 

Memorial do Convento 3ª E - 2011

  • 1. Profª Irene dias ribeiro Profª :Maria Inês Vitorinoalunos :anaclaudia l. rodrigueswesley a. netto nascimento 3ª e - 2011
  • 2. MENMORIAL DO CONVENTO
  • 5. José Saramago nasceu na vila de Azinhaga, no conselho da Golegã, de uma família de pais e avós agricultores. A sua vida é passada em grande parte em Lisboa, para onde a família se muda em 1924 – era um menino de apenas dois anos de idade. Dificuldades econômicas impedem-no de entrar na universidade. Demonstra desde cedo interesse pelos estudos e pela cultura, sendo que esta curiosidade perante o Mundo o acompanhou até à morte. Formou-se numa escola técnica.
  • 6. O seu primeiro emprego foi de serralheiro mecânico. Fascinado pelos livros, visitava, à noite, com grande freqüência, a Biblioteca Municipal Central — Palácio Galveias. Aos 25 anos, publica o primeiro romance Terra do Pecado (1947), no mesmo ano de nascimento da sua filha, Violente, fruto do primeiro casamento com Ilda Reis – com quem se casou em 1944 e com quem permaneceu até 1970.
  • 7. Da experiência vivida nos jornais, restaram quatro crônicas: Deste Mundo e do Outro, 1971. A Bagagem do viajante, 1973.  As Opiniões que o DL Teve, 1974 e Os Apontamentos, 1976. Mas não são as crônicas, nem os contos, nem o teatro os responsáveis por fazer de Saramago um dos autores portugueses de maior destaque - esta missão está reservada aos seus romances, gênero a que retorna em 1977.
  • 8. RESUMO DO ENRREDO
  • 9. Apesar  de ter  sido trazida da Áustria já há dois anos, especialmente para gerar  o sucessor  ao trono de D. João V, rei de Portugal, a rainha D. Maria Ana Josefa parece não conseguir  engravidar. Sendo o rei um símbolo de virilidade, mas é ela considerada infértil e, conseqüentemente, a única culpada pelo fato de o rei ainda não ter tido herdeiros. Quando, ao cair da noite, o rei se prepara para ir ao quarto da rainha para mais uma tentativa, chega ao palácio D. Nuno da Cunha, bispo inquisidor, acompanhado de um  velho frade franciscano, Antônio de S. José, que propõe uma solução para o problema do rei. Diz o frade que a rainha engravidaria assim que o rei prometesse construir um convento para os frades da ordem dos  franciscanos na vila de Mafra. Feita a promessa, o casal real vai para o quarto. Depois de consumado o ato sexual, rei e rainha dormem e sonham cada um com seus próprios desejos, suas diferentes fantasias: ela sonha que tem um encontro amoroso com seu cunhado, o Infante.
  • 10. Passado o "entrudo" , como de costume, durante a quaresma as ruas se encheram  de gente que fazia cada um suas penitências. Segundo a tradição, a quaresma era a única época em que as mulheres podiam percorrer as igrejas sozinhas e assim gozar de uma rara liberdade que lhes permitia até mesmo de se encontrarem com seus amantes secretos. Porém, D. Maria Ana não podia gozar dessas liberdades pois, além de ser rainha, agora se encontrava grávida. Assim, tendo ido para a cama cedo, consolou se em sonhar  outra vez  com D.Francisco, seu cunhado. Passada a quaresma, todas as mulheres retornaram para a reclusão de suas casas.
  • 11. Não somente por causa da gravidez de cinco meses, mas também por estar de luto pela morte de seu irmão, a rainha Maria Ana deixa de freqüentar o grande auto­de­fé na praça do Rossio em Lisboa, evento muito popular, que já há dois anos não ocorria. Ali seriam  castigados pela Inquisição diversos casos de heresia. Entre os condenados pelo Santo Ofício, um é focalizado com maior destaque. É Sebastiana Maria de Jesus, acusada de ser feiticeira e cristã nova . Sebastiana, durante alguns parágrafos, torna se a narradora da história. Sebastiana Maria de Jesus tem uma filha de 19 anos: Blimunda, jovem de poderes sobrenaturais, que assiste à procissão ao lado do padre Bartolomeu Lourenço. Perto dela está um homem, Baltasar Mateus, o Sete Sóis, a quem ela se dirige e cujo nome procura saber.
  • 12. Depois de o padre sair, Blimunda convida Baltasar para que fique morando em sua casa, pelo menos até que ele tivesse que voltar  a Mafra . No dia seguinte, ao acordar, Blimunda, sem abrir  os olhos, come um pedaço de pão e promete a Baltasar  que nunca o olharia "por dentro". Começa aqui a fiel e duradoura amizade entre os  três personagens que se contrapõem aos personagens da família real, heróis da historiografia oficial. Inicia se também a relação amorosa entre Baltasar e Blimunda, que ocupará o centro da narrativa. Ao encontrar se com o padre Bartolomeu Lourenço, que estava procurando usar sua influência no palácio para conseguir dinheiro. Baltasar fica sabendo que o padre era conhecido.
  • 13. como "o  Voador", por  ter  criado uma máquina a qual todos ridicularizam, chamando de "a  passarola". Baltasar aceita o convite do padre para ser seu ajudante no projeto de construir a tal "máquina de voar", mas enquanto não chega o dinheiro para o material necessário, fica trabalhando em um açougue. Enquanto isso, no palácio, para decepção do rei, a rainha dá à luz  uma menina, Maria Xavier  Francisca Leonor  Bárbara, que é batizada por  sete bispos. Apesar  de o frade Antônio de S. José já ter  morrido quando do nascimento da criança, a promessa do rei de construir o convento seria mantida.
  • 14. Enquanto no palácio nascia D. Pedro, segundo filho da família real, e o rei viajava a Mafra para escolher o lugar onde seria erguido o convento monumental, Baltasar e Blimunda mudam se para a abigodaria na quinta do duque de Aveiro, amigo do rei, em S. Sebastião da Pedreira. Além de proporcionar lhe o lugar de trabalho, o rei, que se interessara pelo projeto do padre como uma criança se interessa por  um brinquedo novo, com sua amizade e influência protegia o padre das garras da Inquisição que, caso viesse a saber dos projetos do padre, teria motivos suficientes para acasalo de heresia. Na quinta do duque de Aveiro, Padre Bartolomeu, com a ajuda de Baltasar e Blimunda, prossegue na construção da passarola. Decide, então, partir à Holanda, onde dizem que os sábios conhecem os mistérios da alquimia e a natureza do éter ,
  • 15. o único elemento que, segundo ele, estava faltando para que sua invenção fosse concluída. Baltasar e Blimunda, depois que o padre parte, decidem mudar­se para Mafra , terra natal de Baltasar. Antes de partir, o casal decide assistir, ao invés de mais um auto­de­fé que seria realizado na praça do Rossio, a uma outra festa popular, a tourada. Assim como os  autos-e­fé , as touradas sempre terminavam  com  um  forte cheiro de carne queimada, proveniente do churrasco realizado no final da festa. Ao chegar à casa da família em Mafra , acompanhado de Blimunda, Baltasar  é recebido por  sua mãe, Marta Maria, já que João Francisco, seu pai, estava trabalhando no campo. Baltasar fica sabendo que sua única irmã, Inês Antônia, estava casada com Álvaro "Pedreiro" Diogo
  • 17. 1. Personagens Históricos D. João QuintoD. Ana Maria Josefa, princesa austríaca que se tornou rainha de Portugal, casada com D. João V. A história a descreve como beata, submissa e medrosa. Padre Bartolomeu Lourenço de Gusmão, brasileiro, nascido em 1685, apelidado de "O Voador" por ter inventado a passarola (aeróstato); morto em 1724, dado como louco pela Inquisição. Giuseppe Domenico Scarlatti (Nápoles, 26 de outubro de 1685 — Madrid, 23 de julho de 1757) foi um compositor italiano
  • 18. “Filho do também músico e compositor Alessandro Scarlatti, suas maiores contribuições para a música foram suas sonatas para teclado em um único movimento, em que empreendeu abordagens harmônicas bastante inovadoras, apesar de ter composto também obras para orquestra e voz. Embora tenha vivido no período que corresponde ao auge da música barroca européia, suas composições, mais leves e homofônicas, têm estilo mais próximo daquele do início do período clássico.”
  • 19. 2. Personagens de ficção  Blimunda de Jesus (Blimunda Sete-Luas) - é uma criatura diferente: enxerga as pessoas "por dentro" se estiver em jejum.Tem 19 anos, é forte, decidida, ama Baltazar assim que o vê, sabia que ele seria seu amor para sempre:
  • 20. "Correu algum sangue sobre a esteira. Com as pontas dos dedos médio e indicador umedecidos nele, Blimunda persignou-se e fez uma cruz no peito de Baltazar, sobre o coração. Estavam ambos nus."Baltazar Mateus (Baltazar Sete-Sóis) - fora soldado e, na guerra, perdera a mão esquerda: Tem 26 anos, é forte e destemido. Também sabe que terá Blimunda para sempre.
  • 21. Outras personagens  "- João Elvas, Manuel Milho, José pequeno, Álvaro Diogo e Inês Antônia (cunhado e irmã de Baltazar), Marta Maria (mãe de Baltazar) e João Francisco (pai de Baltazar).
  • 23. No romance existem alguns espaços nomeados: 1. O palácio que abriga a nobreza de D. João V, por onde o clero transita com facilidade; 
  • 24. 2. As ruas de Lisboa, sempre cheias da "arraia-miúda", o povo pobre, faminto; 
  • 25. 3. A quinta (chácara) para onde vão Blimunda e Baltazar construir a Passarola; 
  • 26. 4. A cidade de Mafra e os arredores.
  • 27. O tempo O tempo narrativo é do tipo cronológico e está inserido entre duas datas: "dezessete de novembro deste ano da graça de 1717" e , como indica o último capítulo, a data da morte do escritor e comediógrafo brasileiro Antônio José da Silva, o Judeu, autor das Guerra de Alecrim e Manjerona, em 1739.
  • 28. .Ou seja, a história que vamos analisar tem duração temporal de 22 anosO volume percorre um período de aproximadamente 30 anos na História de Portugal à época da Inquisição. O cenário é rico, registrando não só o fato histórico, mas reconstituindo a vivência popular, numa viagem a diferentes povoados ao redor de Lisboa.
  • 30. O foco narrativo do romance é do tipo cambiante/deslizante, isto é, mistura das  falas;também chamado múltiplo, com predominância em 3 a . pessoa. A  voz  do narrador  faz  comentários satíricos com freqüência e entra em contradição com os dados  históricos oferecidos anteriormente.
  • 31. "Já  se deitaram. Esta é a cama que veio da Holanda quando a rainha veio da Áustria, mandada fazer de propósito pelo rei, a cama, a quem custou setenta e cinco mil cruzados, que em Portugal não há artífices de tanto primor, e, se os houvesse, sem dúvida ganhariam menos.
  • 32. A desprevenido olhar nem se sabe se é de madeira o magnífico móvel, coberto como está pela armação preciosa, tecida e bordada de florões e relevos de ouro, isto não falando do dossel que poderia servir para cobrir o papa. Quando a cama aqui foi posta e armada ainda não haviapercevejos  nela, tão nova era, mas depois, com  o uso, o calor  dos  corpos, as migrações  no interior  do palácio, ou da cidade para dentro, rica de matéria e adorno não se lhe pode aproximar um trapo a arder para queimar o enxame, não há mais remédio, ainda não o sendo, que pagar a Santo Aleixo cinqüenta réis por ano, a ver se livra a rainha e a nós todos da praga e da coceira."
  • 33. “Esta é a cama que veio da Holanda(...)"  "Este que por desafrontada aparência, sacudir da espada e desaparelhadas vestes, ainda que descalço, parece soldado, é Baltazar Mateus.
  • 34. LINGUAGEM E ESTILO
  • 35. "Cada frase, ou discurso, ou o período, cria-se dentro de mim mais como uma fala do que como uma escrita. A possibilidade da espontaneidade, a possibilidade do discurso em linha recta, enfim, a direito, é muito maior do que se eu me colocasse na posição de quem escreve. No fundo, ao escrever estou colocado na posição de quem fala."
  • 37. Em Memorial do Convento, a linguagem não é utilizada apenas como efeito ornamental, mas sim para comprometer o romance com a estética que o guia. Todas as características particulares da escrita de Saramago originam um discurso próximo da oralidade e espontâneo, estabelecendo-se como que uma relação entre o narrador e o leitor. Com a sua escrita, Saramago consegue criar um ritmo de escrita próximo da poesia, conseguindo conjugar diferentes figuras de estilo, utilizando aforismos, provérbios e ditados populares, originando uma nova forma de utilizar a pontuação, recorrendo a marcas características do discurso oral,construindo efeitos irônicos, sarcásticos e humorísticos e entrelaçando o seu discurso com outros discursos literários e jogos de conceitos típicos do Barroco. Como narrador de O Memorial do Convento, o próprio Saramago, explica sua opção pela recuperação da imaginação na escrita: "...fingindo, passam então as histórias a ser mais verdadeiras que os casos verdadeiros que elas contam...".
  • 39. Agradecemos pela atenção de vocês....