SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 10
PERSONAGENS
MEMORIAL DO CONVENTO
PERSONAGENS

Em Memorial do Convento existem diversas e vastas personagens que
  formam dois grupos opostos: A aristocracia e o alto clero representam
  o grupo do poder, enquanto o povo e os oprimidos, que representam
  o grupo do contra-poder. Os primeiros são caracterizados pela falsidade,
  ridículo, ostentação e indiferença pelo sofrimento humano ou crueldade
  mal disfarçada de religiosidade. Os segundos são os heróis esquecidos
  pela História oficial, que ganham relevo e rebeldia através da ficção do
  romance.
Grupo do poder

                           D. JOÃO V
Proclamado rei a 1 de Janeiro de 1707, casou, no ano seguinte, com a
   princesa Maria Ana de Áustria e vive um dos mais longos reinados da
   nossa história. Surge na obra só pela sua promessa de erguer um convento
   se tivesse um filho varão do seu casamento.
O casal real cumpre, no início da obra, com artificialismo, os rituais de
  acasalamento. O autor escreverá o memorial para resgatar o papel dos
  oprimidos que o construíram. Rei e rainha são representantes do poder, da
  ordem e da repressão absolutista.
D. MARIA ANA JOSEFA
Esta personagem representa o papel da mulher da época: submissa,
  simples procriadora e objecto da vontade masculina. E por pertencer
  à casa real e por estar grávida, nem da festa da pós-Quaresma pode
  desfrutar, enquanto as outras mulheres comuns aproveitam o único
  dia de independência que têm com os seus amantes.
Grupo contra-poder


  PADRE BARTOLOMEU LOURENÇO DE GUSMÃO
 Tem por alcunha O Voador, gosto pelas viagens, estrangeirado, a ciência era,
   para ele, a preocupação verdadeiramente nobre. O rei mostra-se muito
   empenhado no progresso do seu invento. A populaça troça dele, Baltasar e
   Blimunda serão ouvintes atentos das suas histórias e sermões. A amizade
   destes dois seres, simples, enigmáticos, mas verdadeiros protagonistas do
   Memorial, é tão valiosa para o padre como necessária à
   representatividade da obra como símbolo de solidariedade e beleza em
   dicotomia com egoísmo e poder.
DOMENICO SCARLATTI

Veio como professor do irmão de D. João V, o infante D. António, passando
   depois a ser professor da infanta D. Maria Bárbara. Exerceu as funções
   de mestre-de-capela e professor da casa real de 1720 a 1729, tendo
   escrito inúmeras peças musicais durante esse tempo. No contexto do
   romance, para além do seu contributo na construção da passarola é
   determinante na cura da doença de Blimunda; durante uma semana tocou
   cravo para ela, até ela ter forças para se levantar.
BALTASAR E BLIMUNDA

São o casal que, simbolicamente, guardará os segredos dos infelizes, dos
  humilhados, dos condenados, enfim, dos oprimidos. Conhecem-se durante
  um autode-fé, levado a cabo pela Inquisição, o de 26 de Julho de 1711 e
  não mais deixam de se amar. Vivem um amor sem regras, natural e
  instintivo, entregando-se a jogos eróticos. A plenitude do amor é sentida
  no momento em que se amam e a procriação não é sonho que os atormente
  como sucede com os reis.
BLIMUNDA
Com poderes que a tornavam conhecedora dos outros nos seus bens e nos
  seus males, recusando-se, no entanto, a olhar Baltasar por dentro. Vai ser
  ela quem, com Baltasar, guardará a passarola quando o padre Bartolomeu
  vai para Espanha onde, afinal, acabará por morrer. Ela e Baltasar sentir-
  se-ão obrigados a guardá-la como sua, quando, após uma aventura voadora,
  conseguira aterrar na serra do Barregudo, não longe de Monte Junto,
  perdido o rasto do padre que desaparecera como fumo. Quando voltaram a
  Mafra, dois dias depois, todos achavam que tinha voado sobre as obras da
  basílica o Espírito Santo e fizeram uma procissão de agradecimento.
  Começaram a voltar ao local onde a passarola dormia para cuidar dela,
  remendá-la, compô-la e limpá-la.
Um dia Baltasar foi verificar os efeitos do tempo na passarola, mas
 Blimunda não o acompanhou e ele não voltou. Procurou-o durante 9 anos,
 infeliz de saudade, na sua sétima passagem por Lisboa encontrou-o entre
 os supliciados da Inquisição, a arder numa das fogueiras, disse-lhe "Vem"
 e a vontade dele não subiu para as estrelas pois pertencia à terra e a
 Blimunda
Baltasar, Blimunda e o padre Bartolomeu Lourenço formam um trio que vai
   pôr em prática o sonho de voar. Assim, o trabalho físico e artesanal de
   Baltasar liga-se à capacidade mágica de Blimunda e aos conhecimentos
   científicos do padre. Todos partilham do entusiasmo na construção da
   passarola, aos quais se junta um quarto elemento, o músico Domenico
   Scarlatti , que passa a tocar enquanto os outros trabalham. O saber
   artístico junta-se aos outros saberes e todos corporizam o sonho de voar.
Em Memorial do Convento, as personagens
    históricas convivem com as fictícias,




conduzindo à fusão entre realidade e ficção.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Ficha verificação leitura memorial
Ficha verificação leitura memorialFicha verificação leitura memorial
Ficha verificação leitura memorialFernanda Pereira
 
Memorial do convento - o tempo
Memorial do convento - o tempoMemorial do convento - o tempo
Memorial do convento - o tempoCarla Luís
 
Resumos de Português: Memorial do convento
Resumos de Português: Memorial do conventoResumos de Português: Memorial do convento
Resumos de Português: Memorial do conventoRaffaella Ergün
 
Capítulo XVI - MC
Capítulo XVI - MCCapítulo XVI - MC
Capítulo XVI - MC12anogolega
 
Cesario Verde Ave Marias Ana Catarina E Ana Sofia
Cesario Verde   Ave Marias   Ana Catarina E Ana SofiaCesario Verde   Ave Marias   Ana Catarina E Ana Sofia
Cesario Verde Ave Marias Ana Catarina E Ana SofiaJoana Azevedo
 
A sátira e a crítica social no Memorial do Convento
A sátira e a crítica social no Memorial do ConventoA sátira e a crítica social no Memorial do Convento
A sátira e a crítica social no Memorial do ConventoJoana Filipa Rodrigues
 
Memorial do Convento
Memorial do ConventoMemorial do Convento
Memorial do Conventoguest304ad9
 
A Evolução do Ramalhete - Os Maias
A Evolução do Ramalhete - Os MaiasA Evolução do Ramalhete - Os Maias
A Evolução do Ramalhete - Os Maiasmauro dinis
 
Fernando Pessoa - Fingimento Artístico/Poético
Fernando Pessoa - Fingimento Artístico/PoéticoFernando Pessoa - Fingimento Artístico/Poético
Fernando Pessoa - Fingimento Artístico/PoéticoAlexandra Canané
 
Frei Luís de Sousa - sistematização
Frei Luís de Sousa - sistematizaçãoFrei Luís de Sousa - sistematização
Frei Luís de Sousa - sistematizaçãoAntónio Fernandes
 
Capítulo XXIV - MC
Capítulo XXIV - MCCapítulo XXIV - MC
Capítulo XXIV - MC12anogolega
 
Memorial do convento - Personagens
Memorial do convento - PersonagensMemorial do convento - Personagens
Memorial do convento - PersonagensMiguelavRodrigues
 
Capítulo X - MC
Capítulo X - MCCapítulo X - MC
Capítulo X - MC12anogolega
 
Características de Blimunda
Características de BlimundaCaracterísticas de Blimunda
Características de BlimundaRicardo Santos
 
Memorial do Convento - linguagem e estilo
Memorial do Convento - linguagem e estiloMemorial do Convento - linguagem e estilo
Memorial do Convento - linguagem e estiloFilipaFonseca
 

Mais procurados (20)

Frei luís de sousa
Frei luís de sousaFrei luís de sousa
Frei luís de sousa
 
Ficha verificação leitura memorial
Ficha verificação leitura memorialFicha verificação leitura memorial
Ficha verificação leitura memorial
 
Capítulo i
Capítulo iCapítulo i
Capítulo i
 
Memorial do convento - o tempo
Memorial do convento - o tempoMemorial do convento - o tempo
Memorial do convento - o tempo
 
Resumos de Português: Memorial do convento
Resumos de Português: Memorial do conventoResumos de Português: Memorial do convento
Resumos de Português: Memorial do convento
 
Viriato
ViriatoViriato
Viriato
 
Capítulo XVI - MC
Capítulo XVI - MCCapítulo XVI - MC
Capítulo XVI - MC
 
Cesario Verde Ave Marias Ana Catarina E Ana Sofia
Cesario Verde   Ave Marias   Ana Catarina E Ana SofiaCesario Verde   Ave Marias   Ana Catarina E Ana Sofia
Cesario Verde Ave Marias Ana Catarina E Ana Sofia
 
A sátira e a crítica social no Memorial do Convento
A sátira e a crítica social no Memorial do ConventoA sátira e a crítica social no Memorial do Convento
A sátira e a crítica social no Memorial do Convento
 
José saramago capítulo vii
José saramago capítulo viiJosé saramago capítulo vii
José saramago capítulo vii
 
Memorial do Convento
Memorial do ConventoMemorial do Convento
Memorial do Convento
 
A Evolução do Ramalhete - Os Maias
A Evolução do Ramalhete - Os MaiasA Evolução do Ramalhete - Os Maias
A Evolução do Ramalhete - Os Maias
 
Fernando Pessoa - Fingimento Artístico/Poético
Fernando Pessoa - Fingimento Artístico/PoéticoFernando Pessoa - Fingimento Artístico/Poético
Fernando Pessoa - Fingimento Artístico/Poético
 
Frei Luís de Sousa - sistematização
Frei Luís de Sousa - sistematizaçãoFrei Luís de Sousa - sistematização
Frei Luís de Sousa - sistematização
 
Capítulo XXIV - MC
Capítulo XXIV - MCCapítulo XXIV - MC
Capítulo XXIV - MC
 
Memorial do convento - Personagens
Memorial do convento - PersonagensMemorial do convento - Personagens
Memorial do convento - Personagens
 
Os maias
Os maiasOs maias
Os maias
 
Capítulo X - MC
Capítulo X - MCCapítulo X - MC
Capítulo X - MC
 
Características de Blimunda
Características de BlimundaCaracterísticas de Blimunda
Características de Blimunda
 
Memorial do Convento - linguagem e estilo
Memorial do Convento - linguagem e estiloMemorial do Convento - linguagem e estilo
Memorial do Convento - linguagem e estilo
 

Destaque

Aulas digitais memorial do convento
Aulas digitais memorial do conventoAulas digitais memorial do convento
Aulas digitais memorial do conventoDulce Gomes
 
Memorial convento- José Saramago
Memorial convento- José SaramagoMemorial convento- José Saramago
Memorial convento- José Saramagobecresforte
 
Memorial do convento
Memorial do conventoMemorial do convento
Memorial do conventoMarcos Alex
 
Memorial do Convento, de José Saramago II
Memorial do Convento, de José Saramago IIMemorial do Convento, de José Saramago II
Memorial do Convento, de José Saramago IIDina Baptista
 
Memorial do Convento - Personagens
Memorial do Convento - PersonagensMemorial do Convento - Personagens
Memorial do Convento - PersonagensFilipa Alexandra
 
Memorial do Convento: o tempo histórico
Memorial do Convento: o tempo históricoMemorial do Convento: o tempo histórico
Memorial do Convento: o tempo históricomariacel
 
Memorialdo Convento
Memorialdo ConventoMemorialdo Convento
Memorialdo Conventojoanamatux
 
Memorial do convento capitulo xviii
Memorial do convento capitulo xviiiMemorial do convento capitulo xviii
Memorial do convento capitulo xviii12anogolega
 
Categorias Da Narrativa
Categorias Da NarrativaCategorias Da Narrativa
Categorias Da NarrativaMaria Fonseca
 

Destaque (10)

Aulas digitais memorial do convento
Aulas digitais memorial do conventoAulas digitais memorial do convento
Aulas digitais memorial do convento
 
Memorial Do Convento
Memorial Do ConventoMemorial Do Convento
Memorial Do Convento
 
Memorial convento- José Saramago
Memorial convento- José SaramagoMemorial convento- José Saramago
Memorial convento- José Saramago
 
Memorial do convento
Memorial do conventoMemorial do convento
Memorial do convento
 
Memorial do Convento, de José Saramago II
Memorial do Convento, de José Saramago IIMemorial do Convento, de José Saramago II
Memorial do Convento, de José Saramago II
 
Memorial do Convento - Personagens
Memorial do Convento - PersonagensMemorial do Convento - Personagens
Memorial do Convento - Personagens
 
Memorial do Convento: o tempo histórico
Memorial do Convento: o tempo históricoMemorial do Convento: o tempo histórico
Memorial do Convento: o tempo histórico
 
Memorialdo Convento
Memorialdo ConventoMemorialdo Convento
Memorialdo Convento
 
Memorial do convento capitulo xviii
Memorial do convento capitulo xviiiMemorial do convento capitulo xviii
Memorial do convento capitulo xviii
 
Categorias Da Narrativa
Categorias Da NarrativaCategorias Da Narrativa
Categorias Da Narrativa
 

Semelhante a Personagens de Memorial do Convento

Viagens na minha terra
Viagens na minha terraViagens na minha terra
Viagens na minha terraAna Couto
 
Enredos das principais obras da prosa romântica
Enredos das principais obras da prosa românticaEnredos das principais obras da prosa romântica
Enredos das principais obras da prosa românticaSeduc/AM
 
Slide: Mulheres de Alencar, Literatura.
Slide: Mulheres de Alencar, Literatura.Slide: Mulheres de Alencar, Literatura.
Slide: Mulheres de Alencar, Literatura.agendab
 
Dia dos namorados
Dia dos namoradosDia dos namorados
Dia dos namoradoscresac
 
O amor em Memorial do Convento
O amor em Memorial do ConventoO amor em Memorial do Convento
O amor em Memorial do ConventoAntónio Teixeira
 
Quatro Mulheres E Muito Amor - Frei Betto
Quatro Mulheres E Muito Amor - Frei BettoQuatro Mulheres E Muito Amor - Frei Betto
Quatro Mulheres E Muito Amor - Frei BettoPaula Prata
 
Os maias analise global
Os maias   analise globalOs maias   analise global
Os maias analise globalAna Ferreira
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 72-73
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 72-73Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 72-73
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 72-73luisprista
 
Bram stoker -_o_monstro_branco
Bram stoker -_o_monstro_brancoBram stoker -_o_monstro_branco
Bram stoker -_o_monstro_brancoAriovaldo Cunha
 

Semelhante a Personagens de Memorial do Convento (20)

Memorial do Convento 3ª E - 2011
Memorial do Convento   3ª E - 2011Memorial do Convento   3ª E - 2011
Memorial do Convento 3ª E - 2011
 
Viagens na minha terra
Viagens na minha terraViagens na minha terra
Viagens na minha terra
 
ROMANCE memorial.pdf
ROMANCE memorial.pdfROMANCE memorial.pdf
ROMANCE memorial.pdf
 
Enredos das principais obras da prosa romântica
Enredos das principais obras da prosa românticaEnredos das principais obras da prosa romântica
Enredos das principais obras da prosa romântica
 
-Resumos-Dos-Maias.pdf
-Resumos-Dos-Maias.pdf-Resumos-Dos-Maias.pdf
-Resumos-Dos-Maias.pdf
 
Slide: Mulheres de Alencar, Literatura.
Slide: Mulheres de Alencar, Literatura.Slide: Mulheres de Alencar, Literatura.
Slide: Mulheres de Alencar, Literatura.
 
Dia dos namorados
Dia dos namoradosDia dos namorados
Dia dos namorados
 
O amor em Memorial do Convento
O amor em Memorial do ConventoO amor em Memorial do Convento
O amor em Memorial do Convento
 
10 livros essenciais
10 livros essenciais10 livros essenciais
10 livros essenciais
 
Quatro Mulheres E Muito Amor - Frei Betto
Quatro Mulheres E Muito Amor - Frei BettoQuatro Mulheres E Muito Amor - Frei Betto
Quatro Mulheres E Muito Amor - Frei Betto
 
Os maias analise global
Os maias   analise globalOs maias   analise global
Os maias analise global
 
Diversos aspectos dos romances brasileiros
Diversos aspectos dos romances brasileirosDiversos aspectos dos romances brasileiros
Diversos aspectos dos romances brasileiros
 
Memorial do convento
Memorial do conventoMemorial do convento
Memorial do convento
 
Sugestões PNL
Sugestões PNLSugestões PNL
Sugestões PNL
 
Sugestões PNL
Sugestões PNLSugestões PNL
Sugestões PNL
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 72-73
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 72-73Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 72-73
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 72-73
 
2. a contracapa
2. a contracapa2. a contracapa
2. a contracapa
 
Idademediasociedade
IdademediasociedadeIdademediasociedade
Idademediasociedade
 
Bram stoker -_o_monstro_branco
Bram stoker -_o_monstro_brancoBram stoker -_o_monstro_branco
Bram stoker -_o_monstro_branco
 
José saramago
José saramagoJosé saramago
José saramago
 

Personagens de Memorial do Convento

  • 2. PERSONAGENS Em Memorial do Convento existem diversas e vastas personagens que formam dois grupos opostos: A aristocracia e o alto clero representam o grupo do poder, enquanto o povo e os oprimidos, que representam o grupo do contra-poder. Os primeiros são caracterizados pela falsidade, ridículo, ostentação e indiferença pelo sofrimento humano ou crueldade mal disfarçada de religiosidade. Os segundos são os heróis esquecidos pela História oficial, que ganham relevo e rebeldia através da ficção do romance.
  • 3. Grupo do poder D. JOÃO V Proclamado rei a 1 de Janeiro de 1707, casou, no ano seguinte, com a princesa Maria Ana de Áustria e vive um dos mais longos reinados da nossa história. Surge na obra só pela sua promessa de erguer um convento se tivesse um filho varão do seu casamento. O casal real cumpre, no início da obra, com artificialismo, os rituais de acasalamento. O autor escreverá o memorial para resgatar o papel dos oprimidos que o construíram. Rei e rainha são representantes do poder, da ordem e da repressão absolutista.
  • 4. D. MARIA ANA JOSEFA Esta personagem representa o papel da mulher da época: submissa, simples procriadora e objecto da vontade masculina. E por pertencer à casa real e por estar grávida, nem da festa da pós-Quaresma pode desfrutar, enquanto as outras mulheres comuns aproveitam o único dia de independência que têm com os seus amantes.
  • 5. Grupo contra-poder PADRE BARTOLOMEU LOURENÇO DE GUSMÃO Tem por alcunha O Voador, gosto pelas viagens, estrangeirado, a ciência era, para ele, a preocupação verdadeiramente nobre. O rei mostra-se muito empenhado no progresso do seu invento. A populaça troça dele, Baltasar e Blimunda serão ouvintes atentos das suas histórias e sermões. A amizade destes dois seres, simples, enigmáticos, mas verdadeiros protagonistas do Memorial, é tão valiosa para o padre como necessária à representatividade da obra como símbolo de solidariedade e beleza em dicotomia com egoísmo e poder.
  • 6. DOMENICO SCARLATTI Veio como professor do irmão de D. João V, o infante D. António, passando depois a ser professor da infanta D. Maria Bárbara. Exerceu as funções de mestre-de-capela e professor da casa real de 1720 a 1729, tendo escrito inúmeras peças musicais durante esse tempo. No contexto do romance, para além do seu contributo na construção da passarola é determinante na cura da doença de Blimunda; durante uma semana tocou cravo para ela, até ela ter forças para se levantar.
  • 7. BALTASAR E BLIMUNDA São o casal que, simbolicamente, guardará os segredos dos infelizes, dos humilhados, dos condenados, enfim, dos oprimidos. Conhecem-se durante um autode-fé, levado a cabo pela Inquisição, o de 26 de Julho de 1711 e não mais deixam de se amar. Vivem um amor sem regras, natural e instintivo, entregando-se a jogos eróticos. A plenitude do amor é sentida no momento em que se amam e a procriação não é sonho que os atormente como sucede com os reis.
  • 8. BLIMUNDA Com poderes que a tornavam conhecedora dos outros nos seus bens e nos seus males, recusando-se, no entanto, a olhar Baltasar por dentro. Vai ser ela quem, com Baltasar, guardará a passarola quando o padre Bartolomeu vai para Espanha onde, afinal, acabará por morrer. Ela e Baltasar sentir- se-ão obrigados a guardá-la como sua, quando, após uma aventura voadora, conseguira aterrar na serra do Barregudo, não longe de Monte Junto, perdido o rasto do padre que desaparecera como fumo. Quando voltaram a Mafra, dois dias depois, todos achavam que tinha voado sobre as obras da basílica o Espírito Santo e fizeram uma procissão de agradecimento. Começaram a voltar ao local onde a passarola dormia para cuidar dela, remendá-la, compô-la e limpá-la. Um dia Baltasar foi verificar os efeitos do tempo na passarola, mas Blimunda não o acompanhou e ele não voltou. Procurou-o durante 9 anos, infeliz de saudade, na sua sétima passagem por Lisboa encontrou-o entre os supliciados da Inquisição, a arder numa das fogueiras, disse-lhe "Vem" e a vontade dele não subiu para as estrelas pois pertencia à terra e a Blimunda
  • 9. Baltasar, Blimunda e o padre Bartolomeu Lourenço formam um trio que vai pôr em prática o sonho de voar. Assim, o trabalho físico e artesanal de Baltasar liga-se à capacidade mágica de Blimunda e aos conhecimentos científicos do padre. Todos partilham do entusiasmo na construção da passarola, aos quais se junta um quarto elemento, o músico Domenico Scarlatti , que passa a tocar enquanto os outros trabalham. O saber artístico junta-se aos outros saberes e todos corporizam o sonho de voar.
  • 10. Em Memorial do Convento, as personagens históricas convivem com as fictícias, conduzindo à fusão entre realidade e ficção.