SlideShare uma empresa Scribd logo
Estudo de Caso ICC




                     .
Hipótese Diagnóstica

 ICC - Insuficiência Cardíaca Congestiva


 Fisiopatologia da ICC:
É a incapacidade do coração de bombear
sangue     suficiente para    satisfazer   as
necessidades de O2 e nutrientes por partes do
tecido.Clinicamente    caracterizado      por
dispnéia, fadiga, edema e redução de
sobrevida.
                                 .
Insuficiência Cardíaca Direita




                      .
Fisiopatologia




            .    Marisa
Sinais e Sintomas




              .     Marisa
Insuficiência cardíaca
       Esquerda




                .
Fisiopatologia




             .
SINAIS E SINTOMAS PATOGNOMÔNICOS




                       .
Tratamento medicamentoso
 Inibidores da ECA - estimulam os rins a excretar
  sódio       e     líquido     (enquanto       retém
  potássio), diminuindo a pressão de enchimento
  ventricular esquerdo e também a congestão
  pulmonar.
 Digitálicos- promovem a excreção de sódio e água
  através dos rins.
 Diuréticos (digoxina) – diminui os sintomas do ICC e
  aumenta a capacidade de realizar as atividades
  diárias aumentando a força de contração e
  consequentemente         o    débito     ventricular
  esquerdo, promove o aumento da diurese.
 Anticoagulantes (catecolamina) – proporciona
  aumento da contratilidade cardíaca.
                                     .
Levantamento de Problemas
 Dispnéia ao esforços mínimos    Conjuntiva descorada ++/4+
 Edema de membros                Mucosa oral ressecada e
  inferiores                         higienização insatisfatória
 Palpitações no coração            Lábios ressecados
 Falta de comunicação verbal       Língua saburrosa
 Ausência de acompanhante          Tosse produtiva, sem
                                     expectoração
 Hipertenso
                                    Presença de sibilos e roncos
 Tabagista                          pulmonares bilaterias
 Não evacua há 3 dias              Não deambula
 Não orientado em tempo e          Abdome
  espaço                             globoso, doloroso, apresentan
                                     do abaulamento discreto

                                               .
 MMSS e MMII com
    movimentação e força
    diminuídas,hiperimeados
    edemaciados ++/4+
   Rachaduras em região
    plantar
   Uso de dispositivo de
    incontinência urinária
   Uso de fralda geriátrica
   Diminuição acentuada de
    diurese


                               .
NANDA
 Intolerância á atividade    Comunicação verbal
 Fadiga                         prejudicada
 Volume de líquido             Mobilidade física
    excessivos                   prejudicada
   Ansiedade                   Confusão Aguda
   Deglutição prejudicada      Déficit do autocuidado
   Eliminação urinária         Constipação
    prejudicada                 Integridade da pele
   Motilidade                   prejudicada
    gastrointestinal            Risco de infecção
    disfuncional                Débito cardíaco
                                 diminuído
                                         .
NIC

 Controle de energia           Melhora da comunicação
 Controle do ambiente          Promoção da mecânica
 Controle hidroeletrolítico       corporal
 Redução da ansiedade            Monitoração neurológica
 Posicionamento                  Assistência no auto
                                   cuidado
 Controle de eliminação
  urinária                        Controle da constipação
 Controle ácido básico           Supervisão da pele
 Controle da constipação         Proteção contra infecção
                                  Regulação
                                   hemodinâmica

                                           .
NOC
 Capacidade para                    Equilíbrio na oxigenação
    desempenhar atividades           Orientação e atenção em
    físicas com vigor na vida         relação ao ambiente
    diária                           Formação e evacuação das
   Restabelecer volume de            fezes
    líquido corporal                 Integridade estrutural e função
   Funcionamento normal do           fisiológica normal
    mecanismo de deglutição
   Ações para reduzir ansiedade
   Eliminação urinária normal
   Eliminação gastrointestinal
    adequada
   Restabelecer capacidade de
    receber mensagens verbais


                                                  .
Prescrição de Enfermagem
 Verificar sinais vitais 4/4h, anotar e comunicar
  alterações
 Manter repouso no leito
 Proporcionar ambiente confortável e livre de
  ruídos 24 hs;
 Mensurar eliminações vesicais 06 /18 horas;
 Oferecer suporte emocional 24 hs;
 Manter cabeceiras elevadas a 30º, 24 hs
 Observar e anotar eliminações intestinais
  06/18h;
 Realizar mudança de decúbito 2/2h
                                   .
 Realizar banho de aspersão em cadeira de
    banho pela manhã (8h);
   Realizar hidratação da pele após o banho;
   Realizar troca de dispositivo de incontinência
    vesical após o banho e anotar;
   Anotar e comunicar alterações na pele;
   Manter oxigenioterapia contínua CPM 24 hs;
   Realizar higienização oral 8/8 h;
   Manter acesso periférico salinizado e observar
    sinais flogísticos 24 hs


                                    .
 Manter grades da cama elevadas 24 hs
 Conter MMSS se apresentar agitação
 Trocar acesso venoso periférico conforme
  protocolo
 Lavar sonda nasoenteral após administração
  medicamentos VO
 Realizar higiene íntima a cada troca de fralda
 Manter procedimentos identificados, datados
  e fixados



                                 .
Referências Bibliográficas
online]. 2008, vol.21, n.2, pp. 243-248. ISSN 0103-2100
 Brunner &Sunddarth, Tratado de Enfermagem Médico-
   cirúrgica 10ª edição., Rio de Janeiro: Guanabara, 2000.

  NANDA I. Diagnóstico de Enfermagem definições e
  classificação 2007-2008 Mc Closkey DJ, Bulchek GM
  Classificação das intervenções de Enfermagem
  (NIC), tradução de Regina Machado Garcez. 4 ed Porto
  Alegre Artmed 2008.
 Ligações entre NANDA, NOC e NIC –
  Diagnósticos, Resultados e Intervenções de
  Enfermagem Mariaw Idhsaw etal -2 ed - São Paulo –
  2009




                                            .

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Insuficiência Renal Crônica
Insuficiência Renal CrônicaInsuficiência Renal Crônica
Insuficiência Renal Crônica
ivanaferraz
 
Neurointensivismo
NeurointensivismoNeurointensivismo
Instrumentação cirúrgica oficial
Instrumentação cirúrgica oficialInstrumentação cirúrgica oficial
Instrumentação cirúrgica oficial
Eliete Santos
 
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Will Nunes
 
Aula de feridas e curativos - Completa
Aula de feridas e curativos -  CompletaAula de feridas e curativos -  Completa
Aula de feridas e curativos - Completa
SMS - Petrópolis
 
Insuficiência Cardíaca Congestiva - ICC
Insuficiência Cardíaca Congestiva - ICCInsuficiência Cardíaca Congestiva - ICC
Insuficiência Cardíaca Congestiva - ICC
Cíntia Costa
 
Procedimentos operacionais padrão pop´s
Procedimentos operacionais padrão   pop´sProcedimentos operacionais padrão   pop´s
Procedimentos operacionais padrão pop´s
papacampos
 
CENTRAL DE MATERIAL ESTERILIZADO - CME AULA 01.pptx
CENTRAL DE MATERIAL ESTERILIZADO - CME AULA 01.pptxCENTRAL DE MATERIAL ESTERILIZADO - CME AULA 01.pptx
CENTRAL DE MATERIAL ESTERILIZADO - CME AULA 01.pptx
AdrianoCosta696471
 
Cuidados nas etapas do processamentodos artigos em cme enfa nadja ferreira
Cuidados nas etapas do processamentodos artigos em cme enfa nadja ferreiraCuidados nas etapas do processamentodos artigos em cme enfa nadja ferreira
Cuidados nas etapas do processamentodos artigos em cme enfa nadja ferreira
Karla Georgia
 
Insuficiência cardíaca 2017
Insuficiência cardíaca 2017Insuficiência cardíaca 2017
Insuficiência cardíaca 2017
pauloalambert
 
ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM EM CARDIOLOGIA CUIDANDO DE IDOSOS EM UNIDADE DE TER...
ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM EM CARDIOLOGIACUIDANDO DE IDOSOS EM UNIDADE DE TER...ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM EM CARDIOLOGIACUIDANDO DE IDOSOS EM UNIDADE DE TER...
ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM EM CARDIOLOGIA CUIDANDO DE IDOSOS EM UNIDADE DE TER...
Márcio Borges
 
Tipos de anestesia
Tipos de anestesiaTipos de anestesia
Tipos de anestesia
Garrote Leal
 
Insuficiência renal aguda
Insuficiência renal agudaInsuficiência renal aguda
Insuficiência renal aguda
Ana Nataly
 
Aula de Instrumentação Biomédica sobre Coleta e Amostras
Aula de Instrumentação Biomédica sobre Coleta e AmostrasAula de Instrumentação Biomédica sobre Coleta e Amostras
Aula de Instrumentação Biomédica sobre Coleta e Amostras
Jaqueline Almeida
 
Aula Insuficiência Renal Aguda
Aula Insuficiência Renal AgudaAula Insuficiência Renal Aguda
Aula Insuficiência Renal Aguda
Jucie Vasconcelos
 
Gasometria Arterial
Gasometria ArterialGasometria Arterial
Gasometria Arterial
resenfe2013
 
Monitorização do paciente na UTI
Monitorização do paciente na UTIMonitorização do paciente na UTI
Monitorização do paciente na UTI
Fábio Falcão
 
Relatório de enfermagem 'Enfermeira Joselene Beatriz'
Relatório de enfermagem 'Enfermeira Joselene Beatriz'Relatório de enfermagem 'Enfermeira Joselene Beatriz'
Relatório de enfermagem 'Enfermeira Joselene Beatriz'
joselene beatriz
 
Pé Diabético
Pé DiabéticoPé Diabético
Pé Diabético
Professor Robson
 

Mais procurados (20)

Insuficiência Renal Crônica
Insuficiência Renal CrônicaInsuficiência Renal Crônica
Insuficiência Renal Crônica
 
Neurointensivismo
NeurointensivismoNeurointensivismo
Neurointensivismo
 
Instrumentação cirúrgica oficial
Instrumentação cirúrgica oficialInstrumentação cirúrgica oficial
Instrumentação cirúrgica oficial
 
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
 
Evolução pós parto
Evolução pós partoEvolução pós parto
Evolução pós parto
 
Aula de feridas e curativos - Completa
Aula de feridas e curativos -  CompletaAula de feridas e curativos -  Completa
Aula de feridas e curativos - Completa
 
Insuficiência Cardíaca Congestiva - ICC
Insuficiência Cardíaca Congestiva - ICCInsuficiência Cardíaca Congestiva - ICC
Insuficiência Cardíaca Congestiva - ICC
 
Procedimentos operacionais padrão pop´s
Procedimentos operacionais padrão   pop´sProcedimentos operacionais padrão   pop´s
Procedimentos operacionais padrão pop´s
 
CENTRAL DE MATERIAL ESTERILIZADO - CME AULA 01.pptx
CENTRAL DE MATERIAL ESTERILIZADO - CME AULA 01.pptxCENTRAL DE MATERIAL ESTERILIZADO - CME AULA 01.pptx
CENTRAL DE MATERIAL ESTERILIZADO - CME AULA 01.pptx
 
Cuidados nas etapas do processamentodos artigos em cme enfa nadja ferreira
Cuidados nas etapas do processamentodos artigos em cme enfa nadja ferreiraCuidados nas etapas do processamentodos artigos em cme enfa nadja ferreira
Cuidados nas etapas do processamentodos artigos em cme enfa nadja ferreira
 
Insuficiência cardíaca 2017
Insuficiência cardíaca 2017Insuficiência cardíaca 2017
Insuficiência cardíaca 2017
 
ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM EM CARDIOLOGIA CUIDANDO DE IDOSOS EM UNIDADE DE TER...
ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM EM CARDIOLOGIACUIDANDO DE IDOSOS EM UNIDADE DE TER...ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM EM CARDIOLOGIACUIDANDO DE IDOSOS EM UNIDADE DE TER...
ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM EM CARDIOLOGIA CUIDANDO DE IDOSOS EM UNIDADE DE TER...
 
Tipos de anestesia
Tipos de anestesiaTipos de anestesia
Tipos de anestesia
 
Insuficiência renal aguda
Insuficiência renal agudaInsuficiência renal aguda
Insuficiência renal aguda
 
Aula de Instrumentação Biomédica sobre Coleta e Amostras
Aula de Instrumentação Biomédica sobre Coleta e AmostrasAula de Instrumentação Biomédica sobre Coleta e Amostras
Aula de Instrumentação Biomédica sobre Coleta e Amostras
 
Aula Insuficiência Renal Aguda
Aula Insuficiência Renal AgudaAula Insuficiência Renal Aguda
Aula Insuficiência Renal Aguda
 
Gasometria Arterial
Gasometria ArterialGasometria Arterial
Gasometria Arterial
 
Monitorização do paciente na UTI
Monitorização do paciente na UTIMonitorização do paciente na UTI
Monitorização do paciente na UTI
 
Relatório de enfermagem 'Enfermeira Joselene Beatriz'
Relatório de enfermagem 'Enfermeira Joselene Beatriz'Relatório de enfermagem 'Enfermeira Joselene Beatriz'
Relatório de enfermagem 'Enfermeira Joselene Beatriz'
 
Pé Diabético
Pé DiabéticoPé Diabético
Pé Diabético
 

Semelhante a Icc

Caso clínico - adulto
Caso clínico - adultoCaso clínico - adulto
Caso clínico - adulto
UNIME
 
Sistema urinário
Sistema urinárioSistema urinário
Sistema urinário
Rosa Paollucci
 
enfermagem saúde do adulto estudo de caso
enfermagem saúde do adulto estudo de caso enfermagem saúde do adulto estudo de caso
enfermagem saúde do adulto estudo de caso
luzienne moraes
 
aula sobre o processo de Envelhecimento fisiologico
aula sobre o processo de Envelhecimento fisiologicoaula sobre o processo de Envelhecimento fisiologico
aula sobre o processo de Envelhecimento fisiologico
drivedolulu2006
 
aula sobre o processo de Envelhecimento fisiologico
aula sobre o processo de Envelhecimento fisiologicoaula sobre o processo de Envelhecimento fisiologico
aula sobre o processo de Envelhecimento fisiologico
drivedolulu2006
 
Disfunção miccional - Bexiga Neurogênica
Disfunção miccional - Bexiga Neurogênica Disfunção miccional - Bexiga Neurogênica
Disfunção miccional - Bexiga Neurogênica
Urovideo.org
 
Disfunção miccional Bexiga Neurogênica
Disfunção miccional Bexiga NeurogênicaDisfunção miccional Bexiga Neurogênica
Disfunção miccional Bexiga Neurogênica
Urovideo.org
 
4. Afecções urologicas.pdf
4. Afecções urologicas.pdf4. Afecções urologicas.pdf
4. Afecções urologicas.pdf
JoanaDarcDeSiqueira
 
Cti ira aula 2
Cti   ira  aula 2Cti   ira  aula 2
Cti ira aula 2
Monica Rezende
 
Slides nhb
Slides nhbSlides nhb
Slides nhb
calinesa
 
Estudo de caso anemia falciforme
Estudo de caso anemia falciforme Estudo de caso anemia falciforme
Estudo de caso anemia falciforme
luzienne moraes
 
Insuficiência renal crônica
Insuficiência renal crônicaInsuficiência renal crônica
Insuficiência renal crônica
Claudia Beatriz Barreto
 
Etilismo Crônico
Etilismo CrônicoEtilismo Crônico
Etilismo Crônico
Julio Cesar Matias
 
Assistência de Enfermagem às Afecções Urológicas (1).pptx
Assistência de Enfermagem às Afecções Urológicas (1).pptxAssistência de Enfermagem às Afecções Urológicas (1).pptx
Assistência de Enfermagem às Afecções Urológicas (1).pptx
VeridyanaValverde1
 
AULA CURSO TECNICO ENF_INSUFICIENCIA RENAL
AULA CURSO TECNICO ENF_INSUFICIENCIA RENALAULA CURSO TECNICO ENF_INSUFICIENCIA RENAL
AULA CURSO TECNICO ENF_INSUFICIENCIA RENAL
DannyFernandes33
 
doenças do sistema urinário.pdf
doenças do sistema urinário.pdfdoenças do sistema urinário.pdf
doenças do sistema urinário.pdf
GustavoWallaceAlvesd
 
Em Tempos De Dengue II
Em Tempos De Dengue IIEm Tempos De Dengue II
Em Tempos De Dengue II
marioaugusto
 
Em Tempos De Dengue
Em Tempos De DengueEm Tempos De Dengue
Em Tempos De Dengue
thiagoroberto
 
Clínica médica - Constipação intestinal, diarréia, diverticulose e doença de ...
Clínica médica - Constipação intestinal, diarréia, diverticulose e doença de ...Clínica médica - Constipação intestinal, diarréia, diverticulose e doença de ...
Clínica médica - Constipação intestinal, diarréia, diverticulose e doença de ...
Marcela Lago
 
Oligoelementos
OligoelementosOligoelementos
Oligoelementos
Kborobia
 

Semelhante a Icc (20)

Caso clínico - adulto
Caso clínico - adultoCaso clínico - adulto
Caso clínico - adulto
 
Sistema urinário
Sistema urinárioSistema urinário
Sistema urinário
 
enfermagem saúde do adulto estudo de caso
enfermagem saúde do adulto estudo de caso enfermagem saúde do adulto estudo de caso
enfermagem saúde do adulto estudo de caso
 
aula sobre o processo de Envelhecimento fisiologico
aula sobre o processo de Envelhecimento fisiologicoaula sobre o processo de Envelhecimento fisiologico
aula sobre o processo de Envelhecimento fisiologico
 
aula sobre o processo de Envelhecimento fisiologico
aula sobre o processo de Envelhecimento fisiologicoaula sobre o processo de Envelhecimento fisiologico
aula sobre o processo de Envelhecimento fisiologico
 
Disfunção miccional - Bexiga Neurogênica
Disfunção miccional - Bexiga Neurogênica Disfunção miccional - Bexiga Neurogênica
Disfunção miccional - Bexiga Neurogênica
 
Disfunção miccional Bexiga Neurogênica
Disfunção miccional Bexiga NeurogênicaDisfunção miccional Bexiga Neurogênica
Disfunção miccional Bexiga Neurogênica
 
4. Afecções urologicas.pdf
4. Afecções urologicas.pdf4. Afecções urologicas.pdf
4. Afecções urologicas.pdf
 
Cti ira aula 2
Cti   ira  aula 2Cti   ira  aula 2
Cti ira aula 2
 
Slides nhb
Slides nhbSlides nhb
Slides nhb
 
Estudo de caso anemia falciforme
Estudo de caso anemia falciforme Estudo de caso anemia falciforme
Estudo de caso anemia falciforme
 
Insuficiência renal crônica
Insuficiência renal crônicaInsuficiência renal crônica
Insuficiência renal crônica
 
Etilismo Crônico
Etilismo CrônicoEtilismo Crônico
Etilismo Crônico
 
Assistência de Enfermagem às Afecções Urológicas (1).pptx
Assistência de Enfermagem às Afecções Urológicas (1).pptxAssistência de Enfermagem às Afecções Urológicas (1).pptx
Assistência de Enfermagem às Afecções Urológicas (1).pptx
 
AULA CURSO TECNICO ENF_INSUFICIENCIA RENAL
AULA CURSO TECNICO ENF_INSUFICIENCIA RENALAULA CURSO TECNICO ENF_INSUFICIENCIA RENAL
AULA CURSO TECNICO ENF_INSUFICIENCIA RENAL
 
doenças do sistema urinário.pdf
doenças do sistema urinário.pdfdoenças do sistema urinário.pdf
doenças do sistema urinário.pdf
 
Em Tempos De Dengue II
Em Tempos De Dengue IIEm Tempos De Dengue II
Em Tempos De Dengue II
 
Em Tempos De Dengue
Em Tempos De DengueEm Tempos De Dengue
Em Tempos De Dengue
 
Clínica médica - Constipação intestinal, diarréia, diverticulose e doença de ...
Clínica médica - Constipação intestinal, diarréia, diverticulose e doença de ...Clínica médica - Constipação intestinal, diarréia, diverticulose e doença de ...
Clínica médica - Constipação intestinal, diarréia, diverticulose e doença de ...
 
Oligoelementos
OligoelementosOligoelementos
Oligoelementos
 

Icc

  • 2. Hipótese Diagnóstica  ICC - Insuficiência Cardíaca Congestiva  Fisiopatologia da ICC: É a incapacidade do coração de bombear sangue suficiente para satisfazer as necessidades de O2 e nutrientes por partes do tecido.Clinicamente caracterizado por dispnéia, fadiga, edema e redução de sobrevida. .
  • 4. Fisiopatologia . Marisa
  • 5. Sinais e Sintomas . Marisa
  • 8. SINAIS E SINTOMAS PATOGNOMÔNICOS .
  • 9. Tratamento medicamentoso  Inibidores da ECA - estimulam os rins a excretar sódio e líquido (enquanto retém potássio), diminuindo a pressão de enchimento ventricular esquerdo e também a congestão pulmonar.  Digitálicos- promovem a excreção de sódio e água através dos rins.  Diuréticos (digoxina) – diminui os sintomas do ICC e aumenta a capacidade de realizar as atividades diárias aumentando a força de contração e consequentemente o débito ventricular esquerdo, promove o aumento da diurese.  Anticoagulantes (catecolamina) – proporciona aumento da contratilidade cardíaca. .
  • 10. Levantamento de Problemas  Dispnéia ao esforços mínimos  Conjuntiva descorada ++/4+  Edema de membros  Mucosa oral ressecada e inferiores higienização insatisfatória  Palpitações no coração  Lábios ressecados  Falta de comunicação verbal  Língua saburrosa  Ausência de acompanhante  Tosse produtiva, sem expectoração  Hipertenso  Presença de sibilos e roncos  Tabagista pulmonares bilaterias  Não evacua há 3 dias  Não deambula  Não orientado em tempo e  Abdome espaço globoso, doloroso, apresentan do abaulamento discreto .
  • 11.  MMSS e MMII com movimentação e força diminuídas,hiperimeados edemaciados ++/4+  Rachaduras em região plantar  Uso de dispositivo de incontinência urinária  Uso de fralda geriátrica  Diminuição acentuada de diurese .
  • 12. NANDA  Intolerância á atividade  Comunicação verbal  Fadiga prejudicada  Volume de líquido  Mobilidade física excessivos prejudicada  Ansiedade  Confusão Aguda  Deglutição prejudicada  Déficit do autocuidado  Eliminação urinária  Constipação prejudicada  Integridade da pele  Motilidade prejudicada gastrointestinal  Risco de infecção disfuncional  Débito cardíaco diminuído .
  • 13. NIC  Controle de energia  Melhora da comunicação  Controle do ambiente  Promoção da mecânica  Controle hidroeletrolítico corporal  Redução da ansiedade  Monitoração neurológica  Posicionamento  Assistência no auto cuidado  Controle de eliminação urinária  Controle da constipação  Controle ácido básico  Supervisão da pele  Controle da constipação  Proteção contra infecção  Regulação hemodinâmica .
  • 14. NOC  Capacidade para  Equilíbrio na oxigenação desempenhar atividades  Orientação e atenção em físicas com vigor na vida relação ao ambiente diária  Formação e evacuação das  Restabelecer volume de fezes líquido corporal  Integridade estrutural e função  Funcionamento normal do fisiológica normal mecanismo de deglutição  Ações para reduzir ansiedade  Eliminação urinária normal  Eliminação gastrointestinal adequada  Restabelecer capacidade de receber mensagens verbais .
  • 15. Prescrição de Enfermagem  Verificar sinais vitais 4/4h, anotar e comunicar alterações  Manter repouso no leito  Proporcionar ambiente confortável e livre de ruídos 24 hs;  Mensurar eliminações vesicais 06 /18 horas;  Oferecer suporte emocional 24 hs;  Manter cabeceiras elevadas a 30º, 24 hs  Observar e anotar eliminações intestinais 06/18h;  Realizar mudança de decúbito 2/2h .
  • 16.  Realizar banho de aspersão em cadeira de banho pela manhã (8h);  Realizar hidratação da pele após o banho;  Realizar troca de dispositivo de incontinência vesical após o banho e anotar;  Anotar e comunicar alterações na pele;  Manter oxigenioterapia contínua CPM 24 hs;  Realizar higienização oral 8/8 h;  Manter acesso periférico salinizado e observar sinais flogísticos 24 hs .
  • 17.  Manter grades da cama elevadas 24 hs  Conter MMSS se apresentar agitação  Trocar acesso venoso periférico conforme protocolo  Lavar sonda nasoenteral após administração medicamentos VO  Realizar higiene íntima a cada troca de fralda  Manter procedimentos identificados, datados e fixados .
  • 18. Referências Bibliográficas online]. 2008, vol.21, n.2, pp. 243-248. ISSN 0103-2100  Brunner &Sunddarth, Tratado de Enfermagem Médico- cirúrgica 10ª edição., Rio de Janeiro: Guanabara, 2000.  NANDA I. Diagnóstico de Enfermagem definições e classificação 2007-2008 Mc Closkey DJ, Bulchek GM Classificação das intervenções de Enfermagem (NIC), tradução de Regina Machado Garcez. 4 ed Porto Alegre Artmed 2008.  Ligações entre NANDA, NOC e NIC – Diagnósticos, Resultados e Intervenções de Enfermagem Mariaw Idhsaw etal -2 ed - São Paulo – 2009 .