SlideShare uma empresa Scribd logo

Gabarito 1o. bim português i

Ligia Amaral
Ligia Amaral
Ligia AmaralProjeto Aprender

Gabarito 1o. bim português i

1 de 11
Baixar para ler offline
Pré-vestibular
Português I
1º Bimestre
©

MÓDULO 1
LINGUAGEM LITERÁRIA

GABARITO
1. B
2. No verso 7, há comparação, ao passo que, no verso 9, ocorre uma metáfora.
3. A obra literária é, sempre, indissociável do contexto em que é produzida. Além disso, tem como função fazer pensar, contribuindo para a dinâmica sócio-político-cultural da humanidade. Consciente
dessa dimensão da arte, Manuel Bandeira diz que a poesia deve produzir “desespero“, ou seja, alertar, criar dúvidas, impulsionar o leitor para a tarefa do pensamento.
4. C
5. C
6. a) A frase “estou lúcido, pai, sei onde me contradigo“ é de sentido denotativo, pois expressa de
forma inequívoca um significado de base: a consciência do filho da lucidez diante de seu discurso
desconexo.
b) Uma tradução possível é: se no que eu digo pode haver alguma obscuridade ou desconexão, tenha
certeza, meu pai, de que muita coisa aí contida também é coerente e muito bem pensada.
7. a) As imagens do grilhão e das botas ajudam a caracterizar a ideia de que há uma estreita relação
entre o prazer e a dor. Sugere-se, nos dois textos, que o prazer é um estado associado à supressão
da dor, isto é, um estado que se faz sentir pelo contraste com o seu oposto. As imagens das botas
apertadas e do grilhão ilustram bem essa ideia, pois, nos dois casos, o prazer resulta justamente
da remoção daquilo que gerava a dor.
b) Do texto 1 depreende-se que a dor e o prazer, embora sejam sensações ou estados intimamente relacionados, excluem-se no que diz respeito à possibilidade de ocorrerem ao mesmo tempo
no homem, o que fica óbvio na passagem “tanto um como o outro recusam ser simultâneos no
homem“.
c) A ironia presente na passagem em destaque resulta da associação entre o tema grandioso do
aperfeiçoamento da felicidade terrestre e algo tão prosaico quanto a existência de calos. Tomada
ao pé da letra, essa associação parece despropositada, o que favorece a leitura do trecho como
irônico.
8. O poema faz referências ao período inicial da ditadura militar no Brasil nos anos 60, momento
histórico marcado pela violência e pela repressão política. Os sentimentos e valores defendidos pelo
eu lírico, o direito à vida plena e à liberdade, vão de encontro à realidade que se sucedeu ao golpe
militar, indicada nos 6 últimos versos do texto.
9. a) Lacerda propõe levantar a bandeira contra a imoralidade que ronda no governo. Espera contar
com o apoio da classe média, a qual apresenta uma ilusória virtude.
b) A classe média, aparentemente virtuosa, é a guardiã da moralidade. Assim, torna-se o principal
alvo de campanhas moralistas planejadas por Lacerda.
10. a) Pelas repetições, Lacerda procura firmar a mentira como verdade. Ainda, busca influenciar o
comportamento daqueles que recebem a mensagem (função conativa ou apelativa).
b) Metonímia. Generalização.
Português I

1

Curso pH
11.	Há uma relação semântica entre palavras, pois designam atividades imorais.
	12.	 a)	
Trata-se da angústia existencial do eu lírico, ansioso por se descobrir.
		 b)	Metalinguística. Sei que canto. E a canção é tudo. Tem sangue eterno a asa ritmada.
	13.	 D
	14.	 C
	15.	 C
	16.	 D
	17.	 “As tuas unhas de coral“
	18.	 Atração e repulsa.
	19.	 A
	20.	 D
	21.	 B
	22.	 C
	23.	 C

©	

MÓDULO 2

	 CLASSES GRAMATICAIS (1a parte)
GABARITO
	1.	 “desfeitio”. Na expressão “o desfeitio da vida”, pode-se ressaltar o sentido de que a vida não tem
a)	
feição ou configuração certa.
		 b)	 ma dentre as formas:
U
	 	 	 • muito inteligente
	 	 	 • bastante inteligente
	 	 	 • bem inteligente
	 	 	 • deveras inteligente
	 	 	 • assaz inteligente
	 	 	 • inteligentíssimo
		 c)	 Trata-se de estruturas comparativas.
	 2.	 personagem Doutor Mimoso é apresentado de forma favorável, com muitas qualidades positivas:
O
é “justo”, “inteligentudo” e “bom”. Trata-se do adjetivo.
	3.	
Cirurgião
		
Trata-se de uma forma de manter a progressão do texto, uma vez que anteriormente foi citado “um
senhor Doutor Mimoso”.
	4.	 Não. “alma” para o rapaz é essência, substantivo abstrato; para o velhinho, espírito, substantivo
a)	
concreto.
		 b)	 O negócio é a propaganda da alma.
	 5.	 uando se fala “o rapaz” tem-se certeza de que se trata de um rapaz já mencionado, o que nos remete
Q
ao publicitário anteriormente mencionado.
	6.	
Intensidade e afetividade.
	 7.	jovem” e “velhinho”, por serem núcleos, são substantivos, e “publicitário” e “religioso”, por serem
“
acessórios, adjetivos.
	8.	
D
	9.	
D
Curso pH	

2	

Português I
10.	Marca-se um ritmo lento que contrasta com o rompante que marca o desfecho da história.
	11.	 Reforçar a ideia de que ambos estavam sós.
	12.	Comparação.
	13.	 a)	
Trata-se de o esposo ter elogiado um manjar que, obviamente, estava ruim.
		 b)	 Pela não reclamação
	14.	A expressão “Só por fazer”.
	15.	 B
	16.	 a)	
Uma combinação inusitada seria “livro palerma”. O efeito especial aqui decorre do fato de que o
adjetivo palerma, embora sintaticamente associado a “livro” é, semanticamente, ligado ao eu lírico.
		b)	Hipálage.
	17.	Segundo o autor, “dançar com religião” é dançar de forma espontânea, intensa e prazerosa.
	18.	 a)	 ma interpretação possível é “não há, de jeito nenhum, caminho para os amantes da Terra”.
U
Outra interpretação é de que “não há caminho idêntico para os amantes da Terra”.
		 b)	 interpretação mais adequada é “não há caminho idêntico para os amantes da Terra”, pois de
A
acordo com o texto, como as terras do Rio, de Minas e do Norte são admiráveis, longas caminhadas por esses caminhos seriam sempre interessantes. Já a interpretação de que “não há, de jeito
nenhum, caminho para os amantes da Terra” torna o texto sem sentido.
	19.	 a)	
Cansaço, tristeza e, o que seria ainda pior, alegria fingida.
		 b)	 enunciado I, trata-se de moços brasileiros com tendência modernista; no enunciado II, trata-se
No
de moços cuja tendência modernista é brasileira.
	20.	 a)	 “pensando bem”, “dum”; “duma”, “(...) o que milhões, milhões é exagero, muitos (...)”.
		 b)	 O recurso é o ponto de exclamação.
	21.	 a)	 s primeiros membros de cada comparação são os argumentativamente valorizados, o que
O
demonstra a tendência do autor à rejeição de se familiarizar apenas com comportamentos eruditas.
		b)	“ponho tanto entusiasmo e carinho no escrever”
		 c)	 uso do artigo antes de substantivo próprio traduz uma noção de familiaridade, de intimidade,
O
que não cabe no contexto.

©	

MÓDULO 3

	 GÊNERO NARRATIVO (1a parte)
GABARITO
	1.	
B
	2.	
B
	3.	
D
	4.	
C
	5.	
C
	6.	
D
	7.	 Presença de personagem, de sequência de ações; emprego de verbos no pretérito perfeito, dentre
a)	
outras. Dentre outros versos, “Paulo Roberto Parreiras” (v. 1), “Paulo Roberto estudou” (v. 15),
“Deixou de lado os discos, o cinema,” (v. 18–19).
		 b)	 ficou triste/ e sumiu/ De vergonha? de raiva?” (v. 12–14) Ou “Paulo Roberto estudou/Dura dura“
mente” (v. 15–16)
		 c)	1a estrofe — causa: “que não passou no vestibular” (v. 10), consequência: “desapareceu de casa.”
(v. 2) e 2a estrofe — causa: “Recebeu a notícia quinta-feira à tarde,” (v. 11), consequência: “ficou
triste e sumiu.” (v. 12–13)
Português I	

3	

Curso pH
8.	 Gondim considera que, para haver literatura, a linguagem precisa distanciar-se da fala cotidiana.
a)	
Uma dentre as possibilidades:
	 	 	 •  um artista não pode escrever como fala.
	 	 	 •  Se eu fosse escrever como falo, ninguém me lia.
			
O narrador considera que o texto literário deve se aproximar da fala cotidiana.
	 	 	 •   Há lá ninguém que fale dessa forma!
		 b)	 Duas dentre as referências:
	 	 	 •  à posse do capital pelo narrador
	 	 	 •  ao poder de comando do narrador
	 	 	 •  à divisão do trabalho na composição da obra
	 	 	 •  à posterior propriedade sobre o produto final, ou seja, o livro
	 	 	 •  à escola, representada no texto pelas normas da gramática escolar
	 	 	 •  à autoridade religiosa
	 9.	 u disse a Gondim que fosse para o Inferno, que ele havia acanalhado o troço. Disse que estava perE
nóstico, estava safado, estava idiota. E lhe perguntei se achava que alguém falava daquela forma.
	10.	 “ignora-se por que”
	11.	 Espera-se que o leitor saia de si para ver o outro ou que use o texto como válvula de escape.
	12.	 “O cais imundo dava-lhe saudade do futuro”
	13.	 Aos ratos da rua do Acre.
	14.	 Uma dentre as formulações:
		 Os textos são ambos narrados em primeira pessoa.
		 O ponto de vista é interno à narrativa.
	15.	O primeiro texto apresenta um tom nostálgico e respeitoso diante do poder e da autoridade do patriarca, avô do personagem-narrador.
		 segundo satiriza a família e os representantes da ordem social com quem o narrador travou contato.
O
	16.	“Nos currais do Sobradinho, no debaixo do capotão de meu avô, passei os anos de pequenice, que
pai e mãe perdi no gosto do primeiro leite.”
	17.	 a)	 Ela dizia que guardava tudo o que o seu neto escrevia.
		 b)	 Ela disse que deveria bastar, que ela não se atrevia a pedir mais.
		 c)	 Disse ele com malícia que o major era um filósofo.
		 d)	 O guerreiro Tabajara disse que Caubi tinha voltado.
		 e)	 Gritaram em volta que seguisse a dança.
		 f)	 “Lopo Alves disse que aquilo ia depressa.
		 g)	 Concluiu que ali não estava o que procurava.
	18.	No texto 8, o narrador em primeira pessoa participa da cena e nela se envolve, revelando uma carga
de afetividade por meio da criação de imagens idealizadas da favela, do uso de intensa adjetivação e
de pontuação expressiva.
		 texto 9, o ponto de vista do narrador em terceira pessoa cria um distanciamento a partir do qual
No
se escamoteia sua subjetividade. Esse posicionamento mais objetivo é expresso pela descrição meticulosa e desmitificadora de personagens e ambientes.
	19.	Camões, no início de Os Lusíadas, marca a presença de homens valorosos que pertencem à elite
portuguesa e constroem uma nova nação. Em Macedo, os “varões assinalados” representam a corrupção que consome a pátria.
	20.	 a)	 palavra é utilizada tanto em sentido denotativo quanto em sentido conotativo (metafórico).
A
		b)	 fasta-se, já que sua personalidade fraca se opõe aos valores do herói clássico, tipicamente
A
romântico.
	21.	 a)	 vv.1-3, 2-4, 8-10 e 9-11.
		 b)	 arte está em criar uma situação que se assemelha à realidade, mas que não a reproduz exataA
mente. Trata-se do conceito de arte como mimesis da realidade.
	22.	 a)	
Cria-se uma intensificação do adjetivo. Trata-se de uma forma coloquial de obtenção do superlativo. (Não se admitirá a resposta “ênfase”)
Curso pH	

4	

Português I
b)	 á, no primeiro caso, apenas a ênfase ao adjetivo. Já, no segundo, há uma sutil modificação de
H
sentido: devedores grossos são devedores grosseiros ou gordos e grossos devedores são grandes
devedores, devedores de quantidades volumosas.
	23.	 a)	Instrumento.
		 b)	 O emissor utiliza primeiramente “pobre” como substantivo e depois como adjetivo.
	24.	 Pela grande presença de detalhes psicológicos e de descrições, a narrativa se configura lenta.
	25.	 Sugere-se uma penetração psicológica mais intensa.
	26.	Em Juazeiro venderia o jumento, embora fosse sentir falta de Jeremias, já que fazia seis anos que o
possuía e muito ele o ajudara.
	27.	Na primeira, a presença do “mas” introduzindo a ideia de “confiar pouco”, torna-a forte. Na segunda, ao introduzir, a oração da perífrase “ajudaram a levar”, o “mas” deixa a ideia de “confiar pouco”
menos importante.
	28.	
“Era preciso trabalho para convencê-la a andar e Agostinho e João Pedro desesperavam-se por vezes”
	29.	 C
	30.	 D
	31.	 A
	32.	 D
	33.	 A
	34.	 B
	35.	 C
	36.	 C
	37.	 A

©	

MÓDULO 4

	 GÊNERO NARRATIVO (2a parte)
GABARITO
	 1.	 o texto 1, o personagem Raimundo tem sua caracterização simplificada pelo narrador, que o reN
sume a um tipo: o estudante intelectualmente limitado, porém esforçado. No texto 2, Conceição apresenta uma caracterização mais complexa, fazendo-a imprevisível em suas ações. Na segunda parte
do texto, por exemplo, ela tem uma atitude repentina, diferente de seu costume.
	 2.	 nquanto os primeiros personagens são tratados apenas pelo primeiro nome — o que lhes dá intimiE
dade —, o último é marcado por seu sobrenome — o que, além do distanciamento, representa sua
posição social. Em outras palavras, o amor nas relações entre os personagens iniciais dá lugar ao
dinheiro na última relação.
	3.	
A
	4.	
B
	5.	
D
	6.	
B
	7.	
A
	8.	
A
	9.	
A
	10.	 D
Português I	

5	

Curso pH
11.	 C
	12.	 B
	13.	 D
	14.	 C
	15.	 C
	16.	 a)	 Uma dentre as comprovações:
			
São apresentados coloquialismos na fala dos personagens e até mesmo o discurso do narrador é
marcado pelo despojamento.
			
Utiliza-se no texto literário um registro informal que não seria aceito antes do movimento modernista.
		 b)	 texto revela um interesse pela vida das classes populares no meio urbano brasileiro, que foi a
O
tônica na prosa de ficção posterior ao movimento modernista.
	17.	 a)	
Seu Alberto disse que a voz de Leniza era linda, e ela comentou que, por ele, ela já estaria no rádio.
		 b)	 o discurso indireto livre, os pensamentos, as ideias, as falas dos personagens são incorporados
N
ao discurso do narrador, sem utilização de verbos dicendi.
			 Exemplo: que loucura ou É desgraçado de fanhoso, mas é rádio.
	18.	Os ídolos da música popular são apresentados através dos personagens do romance, passando a ser
vistos pela repercussão de sua imagem e de sua obra junto a esses personagens.
	19.	 A
	20.	 C
	21.	 C
	22.	 D
	23.	 A
	24.	 D
	25.	 C
	26.	 B
	27.	 D
	28.	 C
	29.	 A
	30.	 A
	31.	 B
	32.	 D
	33.	 C

©	

MÓDULO 5

	 CLASSES GRAMATICAIS (2a parte)
GABARITO
	1.	
a)	 I. No final da Guerra Civil americana, o ex-coronel ianque (...) sai à caça do soldado desertor que
realizou assalto a trem que levava confederados.
			 No final da Guerra Civil americana, o ex-coronel ianque (...) sai à caça do soldado desertor que,
II.
com confederados, realizou assalto a trem.
Curso pH	

6	

Português I

Recomendados

Gabarito 3o. ano língua portuguesa 1 - 2o. bim
Gabarito 3o. ano   língua portuguesa 1 - 2o. bimGabarito 3o. ano   língua portuguesa 1 - 2o. bim
Gabarito 3o. ano língua portuguesa 1 - 2o. bimstjamesmkt
 
Gabarito 1o. bim português ii
Gabarito 1o. bim   português iiGabarito 1o. bim   português ii
Gabarito 1o. bim português iiLigia Amaral
 
Interpretação textual 2
Interpretação textual 2Interpretação textual 2
Interpretação textual 2Fabricio Souza
 
Exercícios comentados de interpretação textual
Exercícios comentados de interpretação textualExercícios comentados de interpretação textual
Exercícios comentados de interpretação textualSeduc/AM
 
Resolucao 2015 pre-vestibular_literatura_l1_split - SAS
Resolucao 2015 pre-vestibular_literatura_l1_split - SASResolucao 2015 pre-vestibular_literatura_l1_split - SAS
Resolucao 2015 pre-vestibular_literatura_l1_split - SASjasonrplima
 
linguagens para o enem n 3
   linguagens para o  enem n  3   linguagens para o  enem n  3
linguagens para o enem n 3PATRICIA VIANA
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 128-129
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 128-129Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 128-129
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 128-129luisprista
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 138-139
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 138-139Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 138-139
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 138-139luisprista
 
O melhor do mundo não são as crianças (luís prista)
O melhor do mundo não são as crianças (luís prista)O melhor do mundo não são as crianças (luís prista)
O melhor do mundo não são as crianças (luís prista)luisprista
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 153-153 r
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 153-153 rApresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 153-153 r
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 153-153 rluisprista
 
Questoes literatura prof. carlos alexandre(reformado por aluno felipe)‏
Questoes literatura   prof. carlos alexandre(reformado por aluno felipe)‏Questoes literatura   prof. carlos alexandre(reformado por aluno felipe)‏
Questoes literatura prof. carlos alexandre(reformado por aluno felipe)‏tamandarealfamanha
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 135
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 135Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 135
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 135luisprista
 
Terceira aplicação do enem 2014: Literatura
Terceira aplicação do enem 2014: LiteraturaTerceira aplicação do enem 2014: Literatura
Terceira aplicação do enem 2014: Literaturama.no.el.ne.ves
 
Segunda aplicação do enem 2009, literatura
Segunda aplicação do enem 2009, literaturaSegunda aplicação do enem 2009, literatura
Segunda aplicação do enem 2009, literaturama.no.el.ne.ves
 
Exercício literatura professor alexandre
 Exercício literatura   professor alexandre Exercício literatura   professor alexandre
Exercício literatura professor alexandretamandarealfamanha
 
Projeto Enem Português (Aula 04)
Projeto Enem   Português (Aula 04)Projeto Enem   Português (Aula 04)
Projeto Enem Português (Aula 04)Walace Cestari
 
SEMANA DO FERA 2014 - SEGUNDO ANO
SEMANA DO FERA 2014 - SEGUNDO ANOSEMANA DO FERA 2014 - SEGUNDO ANO
SEMANA DO FERA 2014 - SEGUNDO ANOPaulo Alexandre
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 118-118 r
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 118-118 rApresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 118-118 r
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 118-118 rluisprista
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 148-148 r
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 148-148 rApresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 148-148 r
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 148-148 rluisprista
 

Mais procurados (20)

Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 128-129
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 128-129Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 128-129
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 128-129
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 138-139
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 138-139Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 138-139
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 138-139
 
O melhor do mundo não são as crianças (luís prista)
O melhor do mundo não são as crianças (luís prista)O melhor do mundo não são as crianças (luís prista)
O melhor do mundo não são as crianças (luís prista)
 
1 ano prof karol
1 ano prof karol1 ano prof karol
1 ano prof karol
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 153-153 r
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 153-153 rApresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 153-153 r
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 153-153 r
 
Questoes literatura prof. carlos alexandre(reformado por aluno felipe)‏
Questoes literatura   prof. carlos alexandre(reformado por aluno felipe)‏Questoes literatura   prof. carlos alexandre(reformado por aluno felipe)‏
Questoes literatura prof. carlos alexandre(reformado por aluno felipe)‏
 
Projetovestibular
ProjetovestibularProjetovestibular
Projetovestibular
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 135
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 135Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 135
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 135
 
Lingua Portuguesa
Lingua PortuguesaLingua Portuguesa
Lingua Portuguesa
 
Terceira aplicação do enem 2014: Literatura
Terceira aplicação do enem 2014: LiteraturaTerceira aplicação do enem 2014: Literatura
Terceira aplicação do enem 2014: Literatura
 
Revisão (ii)
Revisão (ii)Revisão (ii)
Revisão (ii)
 
Segunda aplicação do enem 2009, literatura
Segunda aplicação do enem 2009, literaturaSegunda aplicação do enem 2009, literatura
Segunda aplicação do enem 2009, literatura
 
Exercício literatura professor alexandre
 Exercício literatura   professor alexandre Exercício literatura   professor alexandre
Exercício literatura professor alexandre
 
Projeto Enem Português (Aula 04)
Projeto Enem   Português (Aula 04)Projeto Enem   Português (Aula 04)
Projeto Enem Português (Aula 04)
 
SEMANA DO FERA 2014 - SEGUNDO ANO
SEMANA DO FERA 2014 - SEGUNDO ANOSEMANA DO FERA 2014 - SEGUNDO ANO
SEMANA DO FERA 2014 - SEGUNDO ANO
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 118-118 r
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 118-118 rApresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 118-118 r
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 118-118 r
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 148-148 r
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 148-148 rApresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 148-148 r
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 148-148 r
 
R3
R3R3
R3
 
Figuras de linguagem
Figuras de linguagemFiguras de linguagem
Figuras de linguagem
 
Enem 2014, literatura
Enem 2014, literaturaEnem 2014, literatura
Enem 2014, literatura
 

Destaque

Gabarito 1o. bim matemática ii
Gabarito 1o. bim   matemática iiGabarito 1o. bim   matemática ii
Gabarito 1o. bim matemática iiLigia Amaral
 
Gabarito 1o. bim biologia
Gabarito 1o. bim   biologiaGabarito 1o. bim   biologia
Gabarito 1o. bim biologiaLigia Amaral
 
Gabarito 1o. bim matemática i
Gabarito 1o. bim   matemática iGabarito 1o. bim   matemática i
Gabarito 1o. bim matemática iLigia Amaral
 
Reginaldo enem geo 2011
Reginaldo   enem geo 2011Reginaldo   enem geo 2011
Reginaldo enem geo 2011Ligia Amaral
 
Gabarito 1o. bim química
Gabarito 1o. bim   químicaGabarito 1o. bim   química
Gabarito 1o. bim químicaLigia Amaral
 
Gabarito 1o. bim história
Gabarito 1o. bim   históriaGabarito 1o. bim   história
Gabarito 1o. bim históriaLigia Amaral
 
Gabarito 1o. bim inglês
Gabarito 1o. bim   inglêsGabarito 1o. bim   inglês
Gabarito 1o. bim inglêsLigia Amaral
 
Gabarito 1o. bim física
Gabarito 1o. bim   físicaGabarito 1o. bim   física
Gabarito 1o. bim físicaLigia Amaral
 
Dinâmica climática
Dinâmica climáticaDinâmica climática
Dinâmica climáticaLigia Amaral
 
Guia de-sobrevivencia-para-conversas-ingles
Guia de-sobrevivencia-para-conversas-inglesGuia de-sobrevivencia-para-conversas-ingles
Guia de-sobrevivencia-para-conversas-inglesYuri Songo
 
Gabarito 3o. ano inglês - 2o. bim
Gabarito 3o. ano   inglês - 2o. bimGabarito 3o. ano   inglês - 2o. bim
Gabarito 3o. ano inglês - 2o. bimstjamesmkt
 
Gabarito 3o. ano história - 2o. bim
Gabarito 3o. ano   história - 2o. bimGabarito 3o. ano   história - 2o. bim
Gabarito 3o. ano história - 2o. bimstjamesmkt
 
Gabarito 3o. ano geografia - 2o. bim
Gabarito 3o. ano   geografia - 2o. bimGabarito 3o. ano   geografia - 2o. bim
Gabarito 3o. ano geografia - 2o. bimstjamesmkt
 
Resolução prova ph p4
Resolução prova ph   p4Resolução prova ph   p4
Resolução prova ph p4Ligia Amaral
 
Simulado uerj gb (1)
Simulado uerj gb (1)Simulado uerj gb (1)
Simulado uerj gb (1)stjamesmkt
 
Gabarito 3o. ano matemática 2 - 2o. bim
Gabarito 3o. ano   matemática 2 - 2o. bimGabarito 3o. ano   matemática 2 - 2o. bim
Gabarito 3o. ano matemática 2 - 2o. bimstjamesmkt
 
Gabarito 3o. ano física - 2o. bim
Gabarito 3o. ano   física - 2o. bimGabarito 3o. ano   física - 2o. bim
Gabarito 3o. ano física - 2o. bimstjamesmkt
 
Gabarito 3o. ano língua portuguesa 2 - 2o. bim
Gabarito 3o. ano   língua portuguesa 2 - 2o. bimGabarito 3o. ano   língua portuguesa 2 - 2o. bim
Gabarito 3o. ano língua portuguesa 2 - 2o. bimstjamesmkt
 
Gabarito 3o. ano biologia - 2o. bim
Gabarito 3o. ano   biologia - 2o. bimGabarito 3o. ano   biologia - 2o. bim
Gabarito 3o. ano biologia - 2o. bimstjamesmkt
 
Lista de exercícios 1a fase - história do brasil - uel
Lista de exercícios   1a fase - história do brasil - uelLista de exercícios   1a fase - história do brasil - uel
Lista de exercícios 1a fase - história do brasil - uelstjamesmkt
 

Destaque (20)

Gabarito 1o. bim matemática ii
Gabarito 1o. bim   matemática iiGabarito 1o. bim   matemática ii
Gabarito 1o. bim matemática ii
 
Gabarito 1o. bim biologia
Gabarito 1o. bim   biologiaGabarito 1o. bim   biologia
Gabarito 1o. bim biologia
 
Gabarito 1o. bim matemática i
Gabarito 1o. bim   matemática iGabarito 1o. bim   matemática i
Gabarito 1o. bim matemática i
 
Reginaldo enem geo 2011
Reginaldo   enem geo 2011Reginaldo   enem geo 2011
Reginaldo enem geo 2011
 
Gabarito 1o. bim química
Gabarito 1o. bim   químicaGabarito 1o. bim   química
Gabarito 1o. bim química
 
Gabarito 1o. bim história
Gabarito 1o. bim   históriaGabarito 1o. bim   história
Gabarito 1o. bim história
 
Gabarito 1o. bim inglês
Gabarito 1o. bim   inglêsGabarito 1o. bim   inglês
Gabarito 1o. bim inglês
 
Gabarito 1o. bim física
Gabarito 1o. bim   físicaGabarito 1o. bim   física
Gabarito 1o. bim física
 
Dinâmica climática
Dinâmica climáticaDinâmica climática
Dinâmica climática
 
Guia de-sobrevivencia-para-conversas-ingles
Guia de-sobrevivencia-para-conversas-inglesGuia de-sobrevivencia-para-conversas-ingles
Guia de-sobrevivencia-para-conversas-ingles
 
Gabarito 3o. ano inglês - 2o. bim
Gabarito 3o. ano   inglês - 2o. bimGabarito 3o. ano   inglês - 2o. bim
Gabarito 3o. ano inglês - 2o. bim
 
Gabarito 3o. ano história - 2o. bim
Gabarito 3o. ano   história - 2o. bimGabarito 3o. ano   história - 2o. bim
Gabarito 3o. ano história - 2o. bim
 
Gabarito 3o. ano geografia - 2o. bim
Gabarito 3o. ano   geografia - 2o. bimGabarito 3o. ano   geografia - 2o. bim
Gabarito 3o. ano geografia - 2o. bim
 
Resolução prova ph p4
Resolução prova ph   p4Resolução prova ph   p4
Resolução prova ph p4
 
Simulado uerj gb (1)
Simulado uerj gb (1)Simulado uerj gb (1)
Simulado uerj gb (1)
 
Gabarito 3o. ano matemática 2 - 2o. bim
Gabarito 3o. ano   matemática 2 - 2o. bimGabarito 3o. ano   matemática 2 - 2o. bim
Gabarito 3o. ano matemática 2 - 2o. bim
 
Gabarito 3o. ano física - 2o. bim
Gabarito 3o. ano   física - 2o. bimGabarito 3o. ano   física - 2o. bim
Gabarito 3o. ano física - 2o. bim
 
Gabarito 3o. ano língua portuguesa 2 - 2o. bim
Gabarito 3o. ano   língua portuguesa 2 - 2o. bimGabarito 3o. ano   língua portuguesa 2 - 2o. bim
Gabarito 3o. ano língua portuguesa 2 - 2o. bim
 
Gabarito 3o. ano biologia - 2o. bim
Gabarito 3o. ano   biologia - 2o. bimGabarito 3o. ano   biologia - 2o. bim
Gabarito 3o. ano biologia - 2o. bim
 
Lista de exercícios 1a fase - história do brasil - uel
Lista de exercícios   1a fase - história do brasil - uelLista de exercícios   1a fase - história do brasil - uel
Lista de exercícios 1a fase - história do brasil - uel
 

Semelhante a Gabarito 1o. bim português i

Banco de questões e soluções de língua portuguesa
Banco de questões e soluções de língua portuguesaBanco de questões e soluções de língua portuguesa
Banco de questões e soluções de língua portuguesaotsciepalexandrecarvalho
 
Avaliação 1 - formatada para o aluno.docx
Avaliação 1 - formatada para o aluno.docxAvaliação 1 - formatada para o aluno.docx
Avaliação 1 - formatada para o aluno.docxSAMARASILVANOGUEIRAP
 
APOSTILA PREPARATÓRIA ENEM 2012. LINGUAGENS SUAS TECNOLOGIAS E SEUS CÓDIGOS.
APOSTILA PREPARATÓRIA ENEM 2012. LINGUAGENS SUAS TECNOLOGIAS E SEUS CÓDIGOS.APOSTILA PREPARATÓRIA ENEM 2012. LINGUAGENS SUAS TECNOLOGIAS E SEUS CÓDIGOS.
APOSTILA PREPARATÓRIA ENEM 2012. LINGUAGENS SUAS TECNOLOGIAS E SEUS CÓDIGOS.Antônio Fernandes
 
ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 19
ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 19ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 19
ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 19luisprista
 
Gabarito comentado e questões extras da Aula alunoTOP 06 de setembro
Gabarito comentado e questões extras da Aula alunoTOP 06 de setembroGabarito comentado e questões extras da Aula alunoTOP 06 de setembro
Gabarito comentado e questões extras da Aula alunoTOP 06 de setembroSejaaluno TOP
 
Prova - Simulado Alvaro Gaudêncio
Prova - Simulado Alvaro Gaudêncio  Prova - Simulado Alvaro Gaudêncio
Prova - Simulado Alvaro Gaudêncio Lenivaldo Costa
 
APOSTILA DE INTERPRETAÇÃO TEXTUAL COM QUESTÕES DE SEMIÓTICA.
APOSTILA DE INTERPRETAÇÃO TEXTUAL COM QUESTÕES DE SEMIÓTICA.APOSTILA DE INTERPRETAÇÃO TEXTUAL COM QUESTÕES DE SEMIÓTICA.
APOSTILA DE INTERPRETAÇÃO TEXTUAL COM QUESTÕES DE SEMIÓTICA.Antônio Fernandes
 
Caderno de atividades das leituras do vestibular
Caderno de atividades das leituras do vestibularCaderno de atividades das leituras do vestibular
Caderno de atividades das leituras do vestibularpibidletrasifpa
 
Prova: funções da linguagem
Prova: funções da linguagemProva: funções da linguagem
Prova: funções da linguagemMarilza Fuentes
 
Prova: funçoes da linguagem
Prova: funçoes da linguagemProva: funçoes da linguagem
Prova: funçoes da linguagemMarilza Fuentes
 
Figura de Linguagem_ATIVIDADE_ DE PORTUGUÊS SOBRE FIGURAS DE LINGUAGEM.doc
Figura de Linguagem_ATIVIDADE_ DE PORTUGUÊS SOBRE FIGURAS DE LINGUAGEM.docFigura de Linguagem_ATIVIDADE_ DE PORTUGUÊS SOBRE FIGURAS DE LINGUAGEM.doc
Figura de Linguagem_ATIVIDADE_ DE PORTUGUÊS SOBRE FIGURAS DE LINGUAGEM.docProfAdrianaAlves
 

Semelhante a Gabarito 1o. bim português i (20)

Banco de questões e soluções de língua portuguesa
Banco de questões e soluções de língua portuguesaBanco de questões e soluções de língua portuguesa
Banco de questões e soluções de língua portuguesa
 
Avaliação 1 - formatada para o aluno.docx
Avaliação 1 - formatada para o aluno.docxAvaliação 1 - formatada para o aluno.docx
Avaliação 1 - formatada para o aluno.docx
 
APOSTILA PREPARATÓRIA ENEM 2012. LINGUAGENS SUAS TECNOLOGIAS E SEUS CÓDIGOS.
APOSTILA PREPARATÓRIA ENEM 2012. LINGUAGENS SUAS TECNOLOGIAS E SEUS CÓDIGOS.APOSTILA PREPARATÓRIA ENEM 2012. LINGUAGENS SUAS TECNOLOGIAS E SEUS CÓDIGOS.
APOSTILA PREPARATÓRIA ENEM 2012. LINGUAGENS SUAS TECNOLOGIAS E SEUS CÓDIGOS.
 
ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 19
ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 19ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 19
ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 19
 
Simulado 2
Simulado 2Simulado 2
Simulado 2
 
Gabarito comentado e questões extras da Aula alunoTOP 06 de setembro
Gabarito comentado e questões extras da Aula alunoTOP 06 de setembroGabarito comentado e questões extras da Aula alunoTOP 06 de setembro
Gabarito comentado e questões extras da Aula alunoTOP 06 de setembro
 
Prova - Simulado Alvaro Gaudêncio
Prova - Simulado Alvaro Gaudêncio  Prova - Simulado Alvaro Gaudêncio
Prova - Simulado Alvaro Gaudêncio
 
APOSTILA DE INTERPRETAÇÃO TEXTUAL COM QUESTÕES DE SEMIÓTICA.
APOSTILA DE INTERPRETAÇÃO TEXTUAL COM QUESTÕES DE SEMIÓTICA.APOSTILA DE INTERPRETAÇÃO TEXTUAL COM QUESTÕES DE SEMIÓTICA.
APOSTILA DE INTERPRETAÇÃO TEXTUAL COM QUESTÕES DE SEMIÓTICA.
 
Prova de arte
Prova de arteProva de arte
Prova de arte
 
Caderno de atividades das leituras do vestibular
Caderno de atividades das leituras do vestibularCaderno de atividades das leituras do vestibular
Caderno de atividades das leituras do vestibular
 
Live broo
Live brooLive broo
Live broo
 
Questões de portugues
Questões de portuguesQuestões de portugues
Questões de portugues
 
01_SAS_ENEM_2021.pdf
01_SAS_ENEM_2021.pdf01_SAS_ENEM_2021.pdf
01_SAS_ENEM_2021.pdf
 
Da teoria a pratica
Da teoria a pratica   Da teoria a pratica
Da teoria a pratica
 
Prova: funções da linguagem
Prova: funções da linguagemProva: funções da linguagem
Prova: funções da linguagem
 
Prova: funçoes da linguagem
Prova: funçoes da linguagemProva: funçoes da linguagem
Prova: funçoes da linguagem
 
Figura de Linguagem_ATIVIDADE_ DE PORTUGUÊS SOBRE FIGURAS DE LINGUAGEM.doc
Figura de Linguagem_ATIVIDADE_ DE PORTUGUÊS SOBRE FIGURAS DE LINGUAGEM.docFigura de Linguagem_ATIVIDADE_ DE PORTUGUÊS SOBRE FIGURAS DE LINGUAGEM.doc
Figura de Linguagem_ATIVIDADE_ DE PORTUGUÊS SOBRE FIGURAS DE LINGUAGEM.doc
 
Apostila portugu+¬s concursos - petrobras
Apostila portugu+¬s concursos  - petrobrasApostila portugu+¬s concursos  - petrobras
Apostila portugu+¬s concursos - petrobras
 
Revisão para enem 2016
Revisão para enem 2016Revisão para enem 2016
Revisão para enem 2016
 
1º literatura
1º literatura1º literatura
1º literatura
 

Mais de Ligia Amaral

Reginaldo enem geo 2013 (2)
Reginaldo   enem geo 2013 (2)Reginaldo   enem geo 2013 (2)
Reginaldo enem geo 2013 (2)Ligia Amaral
 
Reginaldo enem geo 2012
Reginaldo   enem geo 2012Reginaldo   enem geo 2012
Reginaldo enem geo 2012Ligia Amaral
 
Resolução prova ph p3
Resolução prova ph   p3Resolução prova ph   p3
Resolução prova ph p3Ligia Amaral
 
Uem historia geral (1)
Uem   historia geral (1)Uem   historia geral (1)
Uem historia geral (1)Ligia Amaral
 
Uem historia do brasil
Uem   historia do brasilUem   historia do brasil
Uem historia do brasilLigia Amaral
 
Separação de misturas
Separação de misturasSeparação de misturas
Separação de misturasLigia Amaral
 
Inflamaçãoeo cancer
Inflamaçãoeo cancerInflamaçãoeo cancer
Inflamaçãoeo cancerLigia Amaral
 
modelos - folhas de redação
modelos - folhas de redaçãomodelos - folhas de redação
modelos - folhas de redaçãoLigia Amaral
 
Dinâmica climática enviada por reginaldo
Dinâmica climática  enviada por reginaldoDinâmica climática  enviada por reginaldo
Dinâmica climática enviada por reginaldoLigia Amaral
 
Gabarito 1o. bim geografia
Gabarito 1o. bim   geografiaGabarito 1o. bim   geografia
Gabarito 1o. bim geografiaLigia Amaral
 

Mais de Ligia Amaral (12)

Reginaldo enem geo 2013 (2)
Reginaldo   enem geo 2013 (2)Reginaldo   enem geo 2013 (2)
Reginaldo enem geo 2013 (2)
 
Reginaldo enem geo 2012
Reginaldo   enem geo 2012Reginaldo   enem geo 2012
Reginaldo enem geo 2012
 
Resolução prova ph p3
Resolução prova ph   p3Resolução prova ph   p3
Resolução prova ph p3
 
Uem historia geral (1)
Uem   historia geral (1)Uem   historia geral (1)
Uem historia geral (1)
 
Uem historia do brasil
Uem   historia do brasilUem   historia do brasil
Uem historia do brasil
 
enem
enem enem
enem
 
Separação de misturas
Separação de misturasSeparação de misturas
Separação de misturas
 
Alotropia
AlotropiaAlotropia
Alotropia
 
Inflamaçãoeo cancer
Inflamaçãoeo cancerInflamaçãoeo cancer
Inflamaçãoeo cancer
 
modelos - folhas de redação
modelos - folhas de redaçãomodelos - folhas de redação
modelos - folhas de redação
 
Dinâmica climática enviada por reginaldo
Dinâmica climática  enviada por reginaldoDinâmica climática  enviada por reginaldo
Dinâmica climática enviada por reginaldo
 
Gabarito 1o. bim geografia
Gabarito 1o. bim   geografiaGabarito 1o. bim   geografia
Gabarito 1o. bim geografia
 

Gabarito 1o. bim português i

  • 1. Pré-vestibular Português I 1º Bimestre © MÓDULO 1 LINGUAGEM LITERÁRIA GABARITO 1. B 2. No verso 7, há comparação, ao passo que, no verso 9, ocorre uma metáfora. 3. A obra literária é, sempre, indissociável do contexto em que é produzida. Além disso, tem como função fazer pensar, contribuindo para a dinâmica sócio-político-cultural da humanidade. Consciente dessa dimensão da arte, Manuel Bandeira diz que a poesia deve produzir “desespero“, ou seja, alertar, criar dúvidas, impulsionar o leitor para a tarefa do pensamento. 4. C 5. C 6. a) A frase “estou lúcido, pai, sei onde me contradigo“ é de sentido denotativo, pois expressa de forma inequívoca um significado de base: a consciência do filho da lucidez diante de seu discurso desconexo. b) Uma tradução possível é: se no que eu digo pode haver alguma obscuridade ou desconexão, tenha certeza, meu pai, de que muita coisa aí contida também é coerente e muito bem pensada. 7. a) As imagens do grilhão e das botas ajudam a caracterizar a ideia de que há uma estreita relação entre o prazer e a dor. Sugere-se, nos dois textos, que o prazer é um estado associado à supressão da dor, isto é, um estado que se faz sentir pelo contraste com o seu oposto. As imagens das botas apertadas e do grilhão ilustram bem essa ideia, pois, nos dois casos, o prazer resulta justamente da remoção daquilo que gerava a dor. b) Do texto 1 depreende-se que a dor e o prazer, embora sejam sensações ou estados intimamente relacionados, excluem-se no que diz respeito à possibilidade de ocorrerem ao mesmo tempo no homem, o que fica óbvio na passagem “tanto um como o outro recusam ser simultâneos no homem“. c) A ironia presente na passagem em destaque resulta da associação entre o tema grandioso do aperfeiçoamento da felicidade terrestre e algo tão prosaico quanto a existência de calos. Tomada ao pé da letra, essa associação parece despropositada, o que favorece a leitura do trecho como irônico. 8. O poema faz referências ao período inicial da ditadura militar no Brasil nos anos 60, momento histórico marcado pela violência e pela repressão política. Os sentimentos e valores defendidos pelo eu lírico, o direito à vida plena e à liberdade, vão de encontro à realidade que se sucedeu ao golpe militar, indicada nos 6 últimos versos do texto. 9. a) Lacerda propõe levantar a bandeira contra a imoralidade que ronda no governo. Espera contar com o apoio da classe média, a qual apresenta uma ilusória virtude. b) A classe média, aparentemente virtuosa, é a guardiã da moralidade. Assim, torna-se o principal alvo de campanhas moralistas planejadas por Lacerda. 10. a) Pelas repetições, Lacerda procura firmar a mentira como verdade. Ainda, busca influenciar o comportamento daqueles que recebem a mensagem (função conativa ou apelativa). b) Metonímia. Generalização. Português I 1 Curso pH
  • 2. 11. Há uma relação semântica entre palavras, pois designam atividades imorais. 12. a) Trata-se da angústia existencial do eu lírico, ansioso por se descobrir. b) Metalinguística. Sei que canto. E a canção é tudo. Tem sangue eterno a asa ritmada. 13. D 14. C 15. C 16. D 17. “As tuas unhas de coral“ 18. Atração e repulsa. 19. A 20. D 21. B 22. C 23. C © MÓDULO 2 CLASSES GRAMATICAIS (1a parte) GABARITO 1. “desfeitio”. Na expressão “o desfeitio da vida”, pode-se ressaltar o sentido de que a vida não tem a) feição ou configuração certa. b) ma dentre as formas: U • muito inteligente • bastante inteligente • bem inteligente • deveras inteligente • assaz inteligente • inteligentíssimo c) Trata-se de estruturas comparativas. 2. personagem Doutor Mimoso é apresentado de forma favorável, com muitas qualidades positivas: O é “justo”, “inteligentudo” e “bom”. Trata-se do adjetivo. 3. Cirurgião Trata-se de uma forma de manter a progressão do texto, uma vez que anteriormente foi citado “um senhor Doutor Mimoso”. 4. Não. “alma” para o rapaz é essência, substantivo abstrato; para o velhinho, espírito, substantivo a) concreto. b) O negócio é a propaganda da alma. 5. uando se fala “o rapaz” tem-se certeza de que se trata de um rapaz já mencionado, o que nos remete Q ao publicitário anteriormente mencionado. 6. Intensidade e afetividade. 7. jovem” e “velhinho”, por serem núcleos, são substantivos, e “publicitário” e “religioso”, por serem “ acessórios, adjetivos. 8. D 9. D Curso pH 2 Português I
  • 3. 10. Marca-se um ritmo lento que contrasta com o rompante que marca o desfecho da história. 11. Reforçar a ideia de que ambos estavam sós. 12. Comparação. 13. a) Trata-se de o esposo ter elogiado um manjar que, obviamente, estava ruim. b) Pela não reclamação 14. A expressão “Só por fazer”. 15. B 16. a) Uma combinação inusitada seria “livro palerma”. O efeito especial aqui decorre do fato de que o adjetivo palerma, embora sintaticamente associado a “livro” é, semanticamente, ligado ao eu lírico. b) Hipálage. 17. Segundo o autor, “dançar com religião” é dançar de forma espontânea, intensa e prazerosa. 18. a) ma interpretação possível é “não há, de jeito nenhum, caminho para os amantes da Terra”. U Outra interpretação é de que “não há caminho idêntico para os amantes da Terra”. b) interpretação mais adequada é “não há caminho idêntico para os amantes da Terra”, pois de A acordo com o texto, como as terras do Rio, de Minas e do Norte são admiráveis, longas caminhadas por esses caminhos seriam sempre interessantes. Já a interpretação de que “não há, de jeito nenhum, caminho para os amantes da Terra” torna o texto sem sentido. 19. a) Cansaço, tristeza e, o que seria ainda pior, alegria fingida. b) enunciado I, trata-se de moços brasileiros com tendência modernista; no enunciado II, trata-se No de moços cuja tendência modernista é brasileira. 20. a) “pensando bem”, “dum”; “duma”, “(...) o que milhões, milhões é exagero, muitos (...)”. b) O recurso é o ponto de exclamação. 21. a) s primeiros membros de cada comparação são os argumentativamente valorizados, o que O demonstra a tendência do autor à rejeição de se familiarizar apenas com comportamentos eruditas. b) “ponho tanto entusiasmo e carinho no escrever” c) uso do artigo antes de substantivo próprio traduz uma noção de familiaridade, de intimidade, O que não cabe no contexto. © MÓDULO 3 GÊNERO NARRATIVO (1a parte) GABARITO 1. B 2. B 3. D 4. C 5. C 6. D 7. Presença de personagem, de sequência de ações; emprego de verbos no pretérito perfeito, dentre a) outras. Dentre outros versos, “Paulo Roberto Parreiras” (v. 1), “Paulo Roberto estudou” (v. 15), “Deixou de lado os discos, o cinema,” (v. 18–19). b) ficou triste/ e sumiu/ De vergonha? de raiva?” (v. 12–14) Ou “Paulo Roberto estudou/Dura dura“ mente” (v. 15–16) c) 1a estrofe — causa: “que não passou no vestibular” (v. 10), consequência: “desapareceu de casa.” (v. 2) e 2a estrofe — causa: “Recebeu a notícia quinta-feira à tarde,” (v. 11), consequência: “ficou triste e sumiu.” (v. 12–13) Português I 3 Curso pH
  • 4. 8. Gondim considera que, para haver literatura, a linguagem precisa distanciar-se da fala cotidiana. a) Uma dentre as possibilidades: • um artista não pode escrever como fala. • Se eu fosse escrever como falo, ninguém me lia. O narrador considera que o texto literário deve se aproximar da fala cotidiana. • Há lá ninguém que fale dessa forma! b) Duas dentre as referências: • à posse do capital pelo narrador • ao poder de comando do narrador • à divisão do trabalho na composição da obra • à posterior propriedade sobre o produto final, ou seja, o livro • à escola, representada no texto pelas normas da gramática escolar • à autoridade religiosa 9. u disse a Gondim que fosse para o Inferno, que ele havia acanalhado o troço. Disse que estava perE nóstico, estava safado, estava idiota. E lhe perguntei se achava que alguém falava daquela forma. 10. “ignora-se por que” 11. Espera-se que o leitor saia de si para ver o outro ou que use o texto como válvula de escape. 12. “O cais imundo dava-lhe saudade do futuro” 13. Aos ratos da rua do Acre. 14. Uma dentre as formulações: Os textos são ambos narrados em primeira pessoa. O ponto de vista é interno à narrativa. 15. O primeiro texto apresenta um tom nostálgico e respeitoso diante do poder e da autoridade do patriarca, avô do personagem-narrador. segundo satiriza a família e os representantes da ordem social com quem o narrador travou contato. O 16. “Nos currais do Sobradinho, no debaixo do capotão de meu avô, passei os anos de pequenice, que pai e mãe perdi no gosto do primeiro leite.” 17. a) Ela dizia que guardava tudo o que o seu neto escrevia. b) Ela disse que deveria bastar, que ela não se atrevia a pedir mais. c) Disse ele com malícia que o major era um filósofo. d) O guerreiro Tabajara disse que Caubi tinha voltado. e) Gritaram em volta que seguisse a dança. f) “Lopo Alves disse que aquilo ia depressa. g) Concluiu que ali não estava o que procurava. 18. No texto 8, o narrador em primeira pessoa participa da cena e nela se envolve, revelando uma carga de afetividade por meio da criação de imagens idealizadas da favela, do uso de intensa adjetivação e de pontuação expressiva. texto 9, o ponto de vista do narrador em terceira pessoa cria um distanciamento a partir do qual No se escamoteia sua subjetividade. Esse posicionamento mais objetivo é expresso pela descrição meticulosa e desmitificadora de personagens e ambientes. 19. Camões, no início de Os Lusíadas, marca a presença de homens valorosos que pertencem à elite portuguesa e constroem uma nova nação. Em Macedo, os “varões assinalados” representam a corrupção que consome a pátria. 20. a) palavra é utilizada tanto em sentido denotativo quanto em sentido conotativo (metafórico). A b) fasta-se, já que sua personalidade fraca se opõe aos valores do herói clássico, tipicamente A romântico. 21. a) vv.1-3, 2-4, 8-10 e 9-11. b) arte está em criar uma situação que se assemelha à realidade, mas que não a reproduz exataA mente. Trata-se do conceito de arte como mimesis da realidade. 22. a) Cria-se uma intensificação do adjetivo. Trata-se de uma forma coloquial de obtenção do superlativo. (Não se admitirá a resposta “ênfase”) Curso pH 4 Português I
  • 5. b) á, no primeiro caso, apenas a ênfase ao adjetivo. Já, no segundo, há uma sutil modificação de H sentido: devedores grossos são devedores grosseiros ou gordos e grossos devedores são grandes devedores, devedores de quantidades volumosas. 23. a) Instrumento. b) O emissor utiliza primeiramente “pobre” como substantivo e depois como adjetivo. 24. Pela grande presença de detalhes psicológicos e de descrições, a narrativa se configura lenta. 25. Sugere-se uma penetração psicológica mais intensa. 26. Em Juazeiro venderia o jumento, embora fosse sentir falta de Jeremias, já que fazia seis anos que o possuía e muito ele o ajudara. 27. Na primeira, a presença do “mas” introduzindo a ideia de “confiar pouco”, torna-a forte. Na segunda, ao introduzir, a oração da perífrase “ajudaram a levar”, o “mas” deixa a ideia de “confiar pouco” menos importante. 28. “Era preciso trabalho para convencê-la a andar e Agostinho e João Pedro desesperavam-se por vezes” 29. C 30. D 31. A 32. D 33. A 34. B 35. C 36. C 37. A © MÓDULO 4 GÊNERO NARRATIVO (2a parte) GABARITO 1. o texto 1, o personagem Raimundo tem sua caracterização simplificada pelo narrador, que o reN sume a um tipo: o estudante intelectualmente limitado, porém esforçado. No texto 2, Conceição apresenta uma caracterização mais complexa, fazendo-a imprevisível em suas ações. Na segunda parte do texto, por exemplo, ela tem uma atitude repentina, diferente de seu costume. 2. nquanto os primeiros personagens são tratados apenas pelo primeiro nome — o que lhes dá intimiE dade —, o último é marcado por seu sobrenome — o que, além do distanciamento, representa sua posição social. Em outras palavras, o amor nas relações entre os personagens iniciais dá lugar ao dinheiro na última relação. 3. A 4. B 5. D 6. B 7. A 8. A 9. A 10. D Português I 5 Curso pH
  • 6. 11. C 12. B 13. D 14. C 15. C 16. a) Uma dentre as comprovações: São apresentados coloquialismos na fala dos personagens e até mesmo o discurso do narrador é marcado pelo despojamento. Utiliza-se no texto literário um registro informal que não seria aceito antes do movimento modernista. b) texto revela um interesse pela vida das classes populares no meio urbano brasileiro, que foi a O tônica na prosa de ficção posterior ao movimento modernista. 17. a) Seu Alberto disse que a voz de Leniza era linda, e ela comentou que, por ele, ela já estaria no rádio. b) o discurso indireto livre, os pensamentos, as ideias, as falas dos personagens são incorporados N ao discurso do narrador, sem utilização de verbos dicendi. Exemplo: que loucura ou É desgraçado de fanhoso, mas é rádio. 18. Os ídolos da música popular são apresentados através dos personagens do romance, passando a ser vistos pela repercussão de sua imagem e de sua obra junto a esses personagens. 19. A 20. C 21. C 22. D 23. A 24. D 25. C 26. B 27. D 28. C 29. A 30. A 31. B 32. D 33. C © MÓDULO 5 CLASSES GRAMATICAIS (2a parte) GABARITO 1. a) I. No final da Guerra Civil americana, o ex-coronel ianque (...) sai à caça do soldado desertor que realizou assalto a trem que levava confederados. No final da Guerra Civil americana, o ex-coronel ianque (...) sai à caça do soldado desertor que, II. com confederados, realizou assalto a trem. Curso pH 6 Português I
  • 7. b) a frase 1, com indica a relação continente-conteúdo (trem-soldados), como em copo com água. N Na frase 2, com indica “em companhia de”. Em 1, com introduz um adjunto adnominal (de trem); em 2, introduz um adjunto adverbial de companhia. 2. D 3. C 4. C 5. A palavra denotativa “mesmo” pode introduzir o argumento mais forte para a chegada de uma a) conclusão. No caso do texto, para a conclusão de que existe preconceito no meio profissional do entrevistado. b) função das aspas é marcar a expressão que não foi dita pelo entrevistado, que sequer concorda A com ela. Trata-se, portanto, de um índice de polifonia. 6. Substantivo comum concreto. a) b) e a empresa passava por um período excelente, em consequência, deveria aumentar e não reS duzir o salário do funcionário. Se o funcionário sofreu um corte salarial, não deveria ter ficado satisfeito ou agradecido. c) Um dentre os conectivos que mantenham o paradoxo: • logo • assim • portanto Um dentre os conectivos que eliminem o paradoxo: • mas • porém • todavia • contudo • entretanto 7. A perda da identidade do personagem em função de sua acomodação aos abusos que lhe são a) impostos no trabalho. personagem pode ser considerado o representante de uma grande massa anônima de emO pregados que são explorados no ambiente de trabalho. b) Duas dentre as orações: • João aceitou passivamente a exploração. • João transformou-se em um escravo do trabalho. • João submeteu-se às imposições de seu empregador. 8. que se infere, implicitamente, é que João sempre foi forte e que um dia poderá deixar de sê-lo. O 9. Segundo o rapaz, não houve cortes./ Corte esse cabelo, rapaz! 10. “Menor” é comparativo de superioridade e excelente é grau zero. 11. a) advérbio b) calmamente 12. a) causa b) Ele virá com tudo pronto. c) Com a redução do salário 13. No segundo enunciado, tem-se a impressão de que só há mais uma recompensa. 14. Magro, sentia-se com mais leveza, mais agilidade. A frase nova não dá ideia de processo contínuo que existe na original. 15. Tornaram-se cinza, Valor emotivo (trata-se de metáfora) 16. A preposição “em” marca a coloquialidade. Em seu lugar, a norma culta exigiria o “a”. 17. O eu poemático dá a entender que a pessoa amada tinha outros casos, ou seja, ela nada tinha de pessoa pura ou inocente. Afirmar uma coisa para sugerir o oposto caracteriza a ironia. 18. No poema, “mente” ocorre como verbo e como sufixo formador de advérbio de modo e de intensidade (“inconscientemente”, “imensamente”, “invariavelmente”, “involuntariamente”), e o efeito expressivo é reforçar a mentira: “so/mente”, “inconsciente/mente”. Português I 7 Curso pH
  • 8. 19. O poeta usa, para se referir à pessoa amada, o pronome de tratamento você, que pode ser usado para ambos os sexos. 20. Modo, tempo e intensidade. 21. a) Fora do contexto, a fala da moça é entendida como uma acusação de que os homens são mentirosos, habitualmente falam mentiras. b) palavra formada seria o advérbio homem-mente (transcrevendi letra por letras os dois termos A contidos no quadrinho). Significaria da maneira típica dos homens. c) Fazendo as duas leituras simultaneamente, entende-se que é típico dos homens mentir: ou seja, comporta-se “homemente”, à maneira de homem, implica mentir o tempo todo. 22. a) dois vocábulos que explicitam os espaços para marcar a oposição “corpo e alma” apresentada Os no texto 4 são “cá” e “longe”. b) s expressões formadas por adjetivo(s) e substantivo que caracterizam esses espaços são as seA guintes: Espaço do corpo (“cá”): vã matéria; humana e trágica miséria; surdos abismos assassinos; atros – destinos; flor apodrecida e deletéria; baixo mundo; movimentos lassos. (OBS.: Apresentar apenas uma expressão.) Espaço da alma (“longe”): claros astros peregrinos; dons divinos; grande paz; grande paz sidérea; – almas irmãs; almas perfeitas; regiões eleitas; largos, profundos, imortais abraços. (OBS.: Apresentar apenas uma expressão.) 23. A visão de corpo manifesta no texto IV é caracterizada como inferior em relação a alma: o corpo constitui um obstáculo ao desenvolvimento da alma. 24. O contraste entre as falas e as ações dos personagens. 25. A interjeição é polissêmica. Portanto, uma mesma interjeição pode representar mais de uma emoção, fazendo-se necessário seu esclarecimento. 26. a) “Cininha, mesmo no chão, deu de ombros.” b) Desdém. 27. Cria-se cumplicidade com o leitor pelo fato de o narrador compartilhar da mesma surpresa que o leitor tem ao verificar a coincidência dos eventos descritos. 28. a) Advérbio. b) Afirmação. © MÓDULO 6 CLASSES GRAMATICAIS (3a parte) CONJUNÇÃO GABARITO 1. conjunção mas desempenha o papel de realçar o conteúdo da segunda oração, que constitui o A elemento central na argumentação. 2. Embora tenha perdido o dia, ganhei o mundo. a) b) período original adota, argumentativamente, a “estratégia do suspense”, que consiste em deO stacar, primeiro, para o leitor, algo que será rebatido pelo argumento introduzido pelo “mas”. Cria-se, assim, a falsa impressão de que o emissor concorda com uma ideia contrária à sua; impressão essa que só será desfeita com o argumento subsequente ao “mas”. Na reescritura, o “embora” traduz a “estratégia da antecipação”: o leitor já sabe que o argumento introduzido por esse conectivo não terá peso suficiente para rebater o subsequente, que deverá ser oposto a ele. 3. O “um” é artigo (indefinido). Basta que se observe o paralelismo com seu termo coordenado a) “janela”, que é introduzido por artigo definido. b) rata-se do “mesmo” que, como já se viu, introduz o argumento mais relevante de uma série, deT vendo ser, por isso, o último a ser posicionado. Curso pH 8 Português I
  • 9. c) Encerra uma ideia de tempo, indicando algo como “em tal momento”. d) vírgula enfatiza que essas características não são permanentes, mas circunstanciais. Além disA so, pode-se acrescentar o fato de que a vírgula separa esses elementos do verbo, deixando mais evidente a ligação deles com o substantivo “ideias”. 4. a) Polissíndeto. b) o caso, trata-se de conferir um ritmo mais expressivo ao texto e ênfase a cada uma das ações N descritas. 5. s parênteses ressaltam que se trata de uma ressalva, como bem atesta o operador concessivo “mesO mo que”. 6. forma você assume valor genérico. Pode fazer referência à pluralidade de interlocutores: o próprio eu A poético, o leitor, todo ou qualquer homem que se identifique com a experiência representada no poema. 7. o texto II, a vida na infância e a vida na velhice se assemelham quanto ao aproveitamento intenso N de cada instante. Os recursos linguísticos que expressam essa semelhança são o uso da expressão comparativa tal e qual e o emprego do vocábulo também. 8. o texto I, a expressão trinta segundos representa uma possibilidade rara de experimentar a vida N em sua plenitude. No texto II, a expressão cinco minutos representa o tempo usual, cotidianamente experimentado pelo sujeito. 9. ara que haja polissíndeto, as conjunções devem unir termos sintaticamente equivalentes. Não é o P caso de “conhecem a volúpia de viver dia a dia, hora a hora, e suas esperas e desejos nunca se estendem além de cinco minutos...”, já que o primeiro “e” coordena as orações dos verbos “conhecer” e “estender-se” e o segundo, os termos “esperas” e “volúpias”. 10. a) Simultaneidade. Conjunções Subordinativas Adverbiais Temporais. b) Trecho I. Há contraste entre a impaciência do automóvel e a lentidão dos cavalos, expressas pelos adjetivos. 11. D 12. Utilização do poder para realizações infantis. 13. O personagem passa da adolescência para a maturidade, da irresponsabilidade para a responsabilidade, desejando primeiro se aproveitar das pessoas sem que elas o reconhecessem, para depois desejar melhorar a vida dos outros. 14. a) Um dentre os significados abaixo: • irresponsabilidade • falta de compromisso b) Todas as suas ações, enquanto invisível, por não serem reconhecidas pelos demais, não o responsabilizam por elas, nem mesmo quando ele desejaria ser responsabilizado, isto é, reconhecido. 15. a) Adição. b) como também/ como ainda/ mas também. c) Cria-se uma sensação de destaque ao segundo membro da série, como se ele fosse um arremate das pretensões do narrador. 16. Trata-se de perguntas retóricas (reflexivas, portanto) que têm a finalidade de negar o valor positivo que o narrador atribuía às possibilidades de uso da invisibilidade. 17. a) Como a Beloní, de tão amargurada, nem tomara banho e dormira vestida, percebi que perdera a viagem. b) Ambos traduzem ideia de causa. 18. a) ão se pode dizer que a medida é ruim baseando-se apenas no fato de que foi feita pelo presiN dente. b) A medida foi feita pelo presidente, mas não se pode dizer que é ruim. 19. No clube — o Águia F. C. é o único —, o salão se abre ao funk e ao charm enquanto nos bares fechados, ficam os velhos seresteiros, por isso é comum de um ponto alto do morro ouvir-se a mistura de vários sons. 20. O “mas” contrapões as ideias “aparência de velho” e “vigor da juventude”. O “e”, aditivo, introduz a síntese das características apresentadas. Português I 9 Curso pH
  • 10. 21. O pescador agitava-se em movimentos curtos e potentes, já que a vela tinha que ser içada logo, para que o barco não cedesse à insistência das ondas em aderná-lo. 22. Embora. 23. Amantes dos antigos bolachões penam não só para encontrar os discos, que ficam a cada dia mais raros, mas também na hora de trocar a agulha, ou de levar o toca-discos para o conserto. 24. C 25. a) Levando-se em conta o todo do texto, o significado usualmente dado à expressão “à beira do abismo” não se confirma. O segundo período da passagem, ao afirmar que será preciso um grande esforço coletivo para recolocar o país “lá em cima”, deixa claro que, na opinião do enunciador, o país já despencou no abismo, a catástrofe já aconteceu. Nota-se, portanto, uma interpretação irônica da expressão “à beira do abismo”. A primeira oração, entendida nos termos indicados no enunciado da questão, reproduz o discurso do senso comum, que é negado pelo segundo período, no qual o enunciador afirma sua posição crítica. b) mbora o Brasil já esteja à beira do abismo, ainda vai ser preciso um grande esforço de todo E mundo para que o coloquemos novamente lá em cima. © MÓDULO 7 GÊNERO LÍRICO (1a parte) GABARITO 1. Trata-se da própria composição poética. a) b) Metalinguística. 2. rata-se de um texto formado por dois quartetos e dois tercetos, com um verso final chamado “chave T de ouro”. 3. Passei bem junto a ela. E decerto ela nem soube que eu passei tão perto e nem suspeita que eu a) segui chorando! Trata-se do último terceto. b) É uma menção à rejeição amorosa tematizada pelo eu lírico. 4. Embora Guimarães Rosa tivesse consciência de que Graciliano Ramos votara contra ele no cona) curso de contos, não tinha ressentimentos e aceitou, de bom grado, os comentários feitos pelo autor de Vidas Secas. b) autor escreve os “rr”, “ll” e “ss” como em “esmoer”, “brabeza dos olhos”, “perder de olho”, “ele O é boi espirrador”. 5. “Boi bem bravo, / bate baixo, / bota baba, / boi berrando... / Dança doido, / dá de duro, / dá de a) dentro, / dá direito... / Vai, vem, volta, / vem na vara, / vai não volta, / vai varando...” b) São doze versos de três sílabas poéticas. Obs.: uma outra possibilidade de leitura é considerar o parágrafo formado por seis versos de sete sílabas: “Boi bem bravo, bate baixo, / bota baba, boi berrando... / Dança doido, dá de duro, / dá de dentro, dá direito... / Vai, vem, volta, vem na vara, / vai não volta, vai varando...” 6. a) Saudade. b) dois poemas são escritos endecassílabos, apresentam a forma de soneto (dois quartetos e dois Os tercetos) e rimas em ABBA (nos quartetos) e CDC DCD (nos tercetos). 7. No texto de José Bonifácio, o pai é lembrado como presença física: “Vejo meu pai na sala, camina) hando, / Da luz da tarde aos tépidos clarões”. No poema de Luís Guimarães Junior, o pai é figura de uma sociedade patriarcal, o qual impregna o ambiente, sentido mesmo em sua ausência. b) O Gênio (ou o fantasma). 8. Minhas irmãs brincam na sala de jantar. Uma saudade chorava em cada canto. a) Curso pH 10 Português I
  • 11. b) A estrutura de ambas é: Minhas irmãs brincam Uma saudade chorava na sala de jantar. em cada canto. 9. B 10. C 11. A 12. D 13. A 14. D 15. A presença das rimas nos versos pares destaca a fala da flor. 16. Sugere-se o passar das águas. 17. Regular. Alternam-se sempre versos de 10 e 6 sílabas. 18. Pela criação metafórica. 19. a) efeito cômico é dado pela possibilidade de Kerr e Peck poderem ser associados, pela semelO hança sonora, a quer e peque, o que resulta na alteração de classe gramatical – de substantivo (próprio) a verbo – e, consequentemente, de função sintática. b) Os vocábulos peque e santinho passam a integrar o mesmo campo semântico, ao estabelecer uma relação de contraste entre pecado e santidade. 20. B 21. D 22. D 23. C 24. D Português I 11 Curso pH