Gabarito 1o. bim biologia

1.649 visualizações

Publicada em

Gabarito 1º Bimestre- Biologia

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.649
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
24
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Gabarito 1o. bim biologia

  1. 1. Pré-vestibular Biologia 1º Bimestre © MÓdulo 1 BioloGiA MolEculAR PARTE A – áGuA, sAis MinERAis, cARBoidRATos, liPÍdEos E PRoTEÍnAs GABARITO (PARTE A) 1. A água quente desnaturaria as enzimas, que perderiam sua ação catalítica. 2. Com a homeotermia, a temperatura interna se mantém constante, o que faz com que as enzimas trabalhem em temperatura bem próxima à ideal, aumentando a eficiência de seu funcionamento. 3. Esses 20 aminoácidos se organizam em diferentes sequências, que determinarão a identidade de cada proteína. 4. O calor desnatura o peptídeo, o qual perde a atividade e, ao ser ingerido, este hormônio é digerido, também perdendo sua atividade. 5. a) Desidratação. b) Solvente dos principais componentes celulares; regulador térmico; facilitador de reações. c) Cérebro, pois é aquele que, devido a sua enorme atividade metabólica, tem maior necessidade de água. 6. a) Numa dieta para perder peso devem ser consumidos em menor quantidade os alimentos ricos em carboidratos, No caso apresentado deve ser diminuído o consumo do alimento II, que contém, além de amido, glicose e maltose. b) A eliminação do alimento III seria a mais prejudicial já que as proteínas são moléculas com funções estruturais essenciais ao crescimento de uma criança. 7. Porque a sacarose é um dissacarídeo (glicose + frutose) e precisaria ser quebrada primeiramente em suas unidades menores (monossacarídeos), para serem absorvidas pelo organismo e produzirem energia. 8. A 9. B 10. D 11. D 12. A 13. D 14. C 15. E 16. B 17. E 18. C 19. E Biologia 1 Curso pH
  2. 2. 20. C 21. B 22. B 23. D 24. D PARTE B – ácidos nucleicos GABARITO (PARTE B) 1. erão 20 aminoácidos, codificados cada um por 3 bases, o que totaliza 60 nucleotídeos. Entretanto, S existem códons, que não são lidos, que precedem o códon AUG de início ou o códon de fim. No DNA existem ainda as bases que fazem parte dos íntrons, que são removidas do RNA, mas que faziam parte do DNA. 2. Não, cada tecido expressa genes diferentes e, portanto, possui RNAs distintos. a) b) sses são iguais, pois todas as células fazem a tradução, da qual participam idênticos RNAs transE portadores e ribossomas. 3. produto da DNA polimerase, o DNA, será “passado” para as células-filhas e deve ser o mais perfeitaO mente copiado possível do molde. Daí a relevância da edição, que corrige eventuais erros. Entretanto, o produto da RNA polimerase, o RNA, será utilizado e depois degradado. Assim, mesmo que existam erros em sua sequência, os possíveis problemas por eles desencadeados serão apenas transitórios. 4. s organismos transgênicos possuem e ativam genes de outros organismos. O fato de todos os orO ganismos lerem o DNA da mesma forma permite que o gene exógeno que o transgênico contém seja lido de maneira correta, como se estivesse presente no organismo original. 5. a) CAUCGGAUC b) ão, pois a fita complementar, como o próprio nome diz, não tem uma sequência igual a essa e N sim, complementar. Assim, a sequência formada será complementar à do item a e não igual. 6. s regiões 2 e 4. Essas regiões formam alças justamente por não possuírem as sequências de nucleA otídeos complementares, que foram eliminadas após o processo de transcrição. 7. introdução de um nucleotídeo mudará todo o sistema de leitura da fita de DNA (feita de 3 em 3 A nucleotídeos) a partir do ponto de inserção. Isso poderá mudar toda a sequencia de aminoácidos da proteína que seria codificada pelo DNA normal, produzindo uma proteína inteiramente diferente da original. Por outro lado, se for feita a introdução de três nucleotídeos, estará sendo acrescentado apenas um aminoácido diferente na proteína original, sem modificar totalmente as propriedades da proteína traduzida, já que o sistema de leitura é mantido inalterado. 8. conclusão do cientista baseia-se no fato de que, em uma molécula de DNA formada por duas caA deias, estas são necessariamente complementares em relação às suas bases, ou seja, a quantidade de adenina é igual à de timina (A = T) e a de guanina é igual à de citosina (G = C). Como as bases complementares da amostra aparecem em quantidades diferentes, a fita de DNA está representada por apenas um filamento. 9. orque um aminoácido é sempre codificado por uma trinca de nucleotídeos (códon) e ainda existem P vários nucleotídeos do gene que têm função de regulação e não são transcritos além de nos eucariontes existirem os íntrons, que são transcritos, mas não são traduzidos. Dessa forma, a quantidade de nucleotídeos é sempre maior que a de aminoácidos. 10. a) aminoácido que substitui o ácido glutâmico é a valina. Durante a duplicação ocorreu uma falha O e a trinca GAA pareou-se com CAT, quando o certo seria o pareamento com CTT. Metade das moléculas de DNA apresentarão na haste informacional (que codifica o RNA-m) a trinca CAT, que será transcrita como GUA, codificando a valina. b) ão. Porque a duplicação do DNA é semiconservativa, deixando metade das moléculas livre da N mutação. Curso pH 2 Biologia
  3. 3. 11. a) NA - TAC GTG GAT CTC TAG GAA GAT CCA ATT CGG CCT D RNA - AUG CAC CUA GAG AUC CUU CUA GGU UAA GCC GGA b) Met-His-Leu-Glu-Iso-Leu-Leu-Gli Obs.: ATT = códon de fim (sem sentido) 12. Não. Os tecidos de um mesmo organismo diferenciam- se pelas diferentes proteínas que contêm. Assim, a diferenciação dos tecidos resulta, principalmente, da transcrição de genes diferentes, o que naturalmente produz uma composição de RNAm qualitativamente diferente de tecido para tecido. 13. D 14. E 15. B 16. C 17. B 18. B 19. B 20. E 21. D 22. C 23. D 24. E 25. D 26. A 27. A 28. E 29. A 30. C 31. C 32. A 33. C 34. E 35. A 36. D 37. E 38. C © MÓDULO 2 CITOLOGIA PARTE A – membrana plasmática GABARITO 1. sal desidrata o alimento, devido à elevação da pressão osmótica. Assim, os microorganismos que O fazem a putrefação não sobreviverão em ambiente tão seco e ainda serão desidratados. O congeBiologia 3 Curso pH
  4. 4. lamento, ao reduzir a temperatura reduz o metabolismo dos microrganismos. Já a defumação, que consiste na colocação do alimento em lento calor (em geral, derivado da fumaça de um fogão de lenha) também promove a sua desidratação. 2. ão, a principal reside na existência de organelas internas (compartimentalização) apenas na célula N eucarionte; entre essas organelas está a carioteca. 3. uas funções variarão em função do tipo de proteínas que essas membranas possuem, que podem S ser enzimas, transportadores, etc. 4. B. Inicialmente a velocidade de transporte dessa substância é maior que a de A, indicando a prea) sença de uma permease (carreador). Isso é ratificado pelo fato de que existe uma saturação do transporte, a partir do ponto em que o aumento da concentração da substância no meio externo não acarretou o aumento da velocidade de transporte. b) ão, os dois transportes são passivos, pois a velocidade de transporte é diretamente proporcional N ao aumento da concentração da substância. O transporte passivo não depende de energia. 5. a) Certo. b) erto, entretanto a substância II, a partir do ponto assinalado, é absorvida por transporte ativo C somente. c) Certo, a partir do ponto assinalado. d) Certo, a partir do ponto assinalado. e) erto, pois para acontecer o transporte ativo a célula deve possuir metabolismo. Já as células II C absorvem o íon por difusão simples, que ocorre mesmo sem energia. 6. A resistente parede celular impede o rompimento da célula vegetal. a) b) A permeabilidade apresentada pela parede celular. 7. a) II e III b) transporte da substância S1 é feito por difusão simples enquanto que a substância S2 é transO portada por carreador. Na difusão simples, a velocidade do transporte é diretamente proporcional à concentração da molécula transportada. Já no transporte mediado por carreador, a velocidade de transporte se aproxima de um valor máximo quando a proteína carreadora está saturada (todos os sítios ligantes estão ocupados), pois este transporte depende da ligação da molécula a ser transportada à proteína carreadora. 8. C 9. A 10. A 11. C 12. C 13. D 14. C 15. A 16. C 17. B 18. A 19. C 20. C 21. D 22. C Curso pH 4 Biologia
  5. 5. 23. D 24. D 25. A 26. A 27. D 28. C 29. E 30. A PARTE B – ORGANELAS GABARITO (PARTE B) 1. I – vesículas de secreção; II – mitocôndria; III – Complexo de Golgi; IV – RER. a) b) . Complexo de Golgi (promove a glicosilação da proteína); 2. RER; 3. IV – III – I; 4. Complexo de 1 Golgi 2. sses homens terão cílios e flagelos inativos. Assim, os espermatozoides não funcionarão, tornandoE -o estéril, e os cílios, que promovem a limpeza das vias aéreas não atuarão, levando ao acúmulo de impurezas no trajeto do ar e promovendo os problemas respiratórios. 3. grande número de poros indica intenso trânsito entre o núcleo e o citoplasma, o que é caracteO rístico de células com alta atividade nuclear e síntese proteica, relacionados diretamente com alto metabolismo. 4. nucléolo é responsável pela síntese de RNA ribossomal e, portanto, dos ribossomos, estruturas O responsáveis pela síntese proteica, essencial em células com alto metabolismo. 5. Verdadeira. Os lisossomos, apesar de serem produzidos no Golgi, possuem enzimas digestivas, a) que são proteínas. b) mbos são responsáveis por processos digestivos e possuem enzimas que trabalham em pH A ácido. 6. Ribossomo. É nessa organela que ocorre a síntese de proteínas. a) b) A membrana plasmática, pois é nela que acontece o transporte de glicose. 7. etículo endoplasmático granular (ou rugoso) – é uma organela delimitada por membrana na qual R se prendem ribossomos. Tem como função a produção de proteínas para exportação. Retículo endoplasmático agranular (ou liso) – é uma organela delimitada por membrana sem apresentar ribossomos. Atua no transporte intracelular, além de possuir enzimas que agem na síntese de fosfolipídeos e gorduras. 8. ão, as zonas de espiralização do DNA não são fixas. As regiões espiralizadas correspondem às parN tes inativas do DNA, ou seja, em que não há transcrição. Dessa forma, dependendo do tipo de célula e do seu momento fisiológico as regiões de espiralização não são as mesmas. 9. fagocitose está associada à nutrição de certos organismos que exibem digestão intracelular, como A as amebas, por exemplo. Está também associada à defesa do corpo em organismos complexos como os seres humanos, onde os leucócitos ou glóbulos brancos (células sanguíneas) fagocitam partículas sólidas ou microorganismos invasores, destruindo-os. 10. a) Estômago. b) Eles têm enzimas digestivas que atuam em pH ácido. 11. C 12. E 13. B Biologia 5 Curso pH
  6. 6. 14. E 15. B 16. D 17. C 18. D 19. E 20. E 21. A 22. B 23. D 24. C 25. A 26. A 27. B 28. B 29. B 30. C 31. E © MÓDULO 3 DIVISÃO CELULAR E VÍRUS GABARITO 1. a Metáfase. A mitose só será interrompida na etapa da divisão em que a participação do fuso é funN damental para a continuidade do processo. Os cromossomos não se ligarão ao fuso (pois este não foi formado) e a anáfase, que seria subsequente à metáfase, não acontecerá. Se a questão perguntasse em que fase a substância inibidora do fuso atuou, seria na prófase. 2. 6,8 pg a) b) 3,4 pg (pois é haploide) c) 13,6 pg (os cromossomos estão duplicados) d) 13,6 pg (as cromátides já se separaram, porém a célula ainda não se dividiu) e) ,8 pg (a célula iniciou a meiose II com metade do número de cromossomos, mas estes estão du6 plicados). 3. NA. Ao fato de que a primeira etapa de sua multiplicação consiste em uma transcrição reversa, em R que o RNA viral é copiado em DNA. 4. Para que o capsídeo viral fosse digerido, permitindo o acesso ao material genético viral. a) b) s dois vírus têm material genético formado de DNA, pois apenas a DNAase o degradou. EnO tretanto o vírus M13 possui DNA fita simples, uma vez que, no DNA fita dupla deveria haver um percentual igual de bases C e G, já que haveria duas fitas complementares. 5. ão. Durante a intérfase há intensa atividade metabólica, com síntese de DNA, RNA e proteínas, N tanto para a atividade celular normal, quanto numa preparação para a divisão celular. Curso pH 6 Biologia
  7. 7. 6. s organismos diploides apresentam como vantagens evolutivas a maior variabilidade genética (o O que aumenta as chances de adaptação ao ambiente) e a possibilidade de neutralização de genes deletérios recessivos pela ação de genes dominantes. 7. omo não há reprodução celular no tecido nervoso dos adultos, o DNA não irá se multiplicar e, porC tanto, sua concentração permanecerá constante. 8. a) Ocorre duplicação de DNA na fase A (intérfase). b) final da fase A existirão duas cópias do gene H (devido à duplicação de DNA na intérfase). No Também haverá duas cópias do gene H nas fases B, C, D. Na fase E cada uma das células formadas terá apenas uma cópia do gene H. Obs.: é importante lembrar que a pergunta refere- se a um gene H e não a um par de alelos H. 9. B 10. A 11. C 12. A 13. C 14. D 15. B 16. A 17. D 18. C 19. C 20. D 21. C 22. D 23. A 24. B 25. C 26. D 27. E 28. C 29. A 30. E 31. D Biologia 7 Curso pH
  8. 8. © MÓDULO 4 HISTOLOGIA ANIMAL PARTE A – TECIDO EPITELIAL, TECIDOS CONJUNTIVOS: O PROPRIAMENTE DITO, O CARTILAGINOSO E O ÓSSEO GABARITO (PARTE A) 1. ma superfície respiratória deve promover intensas trocas com o meio, assim deve ser formado por U apenas uma camada de célula e estas devem ser bem finas, ou seja, com uma pequena razão entre a altura e a largura. É o tecido A. 2. s plasmócitos produzem anticorpos, que são proteínas produzidas por essas células através do sisO tema celular secretor de proteínas, o RER. Já os macrófagos, especializados em fagocitose, possuem inúmeros lisossomos que contêm as enzimas digestivas necessárias à sua atividade. 3. São ligamentos e tendões formados de colágeno. 4. a osteoporose há desbalanço entre a atividade osteoclástica (que destrói o tecido ósseo) e a osteoN blástica (que o produz). Assim a destruição do osso é mais intensa que a sua produção. O hábito de ingerir cálcio estimula a calcificação e ao tomar sol é produzida maior quantidade de vitamina D (a partir de provitamina D, pela radiação ultravioleta na pele). Esta vitamina auxilia na fixação de cálcio nos ossos. Assim, se na juventude, os ossos tem maior massa, as perdas que ocorrem na velhice terão menor impacto. 5. steoclastos. Eles digerem a matriz óssea, abrindo espaço para a realocação dos dentes. O 6. orque o tumor precisa de sangue para receber nutrientes e oxigênio necessários ao seu rápido cresP cimento. A cartilagem, por ser avascularizada, não permite o crescimento do tumor. 7. D 8. D 9. A 10. B 11. A 12. C 13. C 14. A 15. C 16. A 17. A 18. C 19. C 20. D 21. E 22. D 23. D Curso pH 8 Biologia
  9. 9. © MÓDULO 5 HISTOLOGIA ANIMAL PARTE B – SANGUE (HEMÁCIAS, PLAQUETAS E LEUCÓCITOS) E SISTEMA IMUNOLÓGICO GABARITO (PARTE B) 1. Elas são continuamente produzidas na medula óssea vermelha. 2. s hemácias. As baixas pressões de O2 em altitude estimulam o aumento da produção de hemácias, A a fim de compensar a baixa saturação de oxigênio no sangue. 3. vírus da gripe, diferentemente do vírus da poliomielite, sofre mutações muito rapidamente. Assim O a vacina utiliza um tipo de vírus, induzindo a produção de anticorpos e células de memória específicas para ele. Entretanto, depois de algum tempo, as variedades virais presentes no ambiente serão tão diferentes, devido às mutações, que não serão mais reconhecidas pelas células de memória do indivíduo vacinado. Na realidade, atualmente, as vacinas contra gripe são feitas com três variedades virais e tem cobertura de um ano, aproximadamente. 4. As células citadas participam dos mecanismos de defesa imune. Assim, sua destruição leva à mea) nor resistência imune. b) s macrofágos realizam fagocitose do antígeno, bem como, ao se transformarem em células apreO sentadoras de antígenos, ativam outras células de defesa. Já os linfócitos participam de vários processos, como a produção de anticorpos, a citotoxicidade e a memória imune. 5. pesar de haver em qualquer indivíduo um completo reaproveitamento do ferro da destruição das A hemácias, as mulheres perdem hemácias através da menstruação, não havendo reabsorção desse ferro e a necessidade de ingestão complementar. Já as crianças, por crescerem, produzem quantidades crescentes de sangue, o que exige a ingestão de ferro. 6. s leucócitos. Os pesquisadores buscam o DNA, que é ausente nas hemácias, pois estas são anucleadas. O 7. Devido à formação de células de memória, que auxiliarão a combater o vírus do sarampo de fora) ma mais efetiva se houver um posterior contágio. b) las simulam a ação do próprio antígeno, estimulando o sistema imunológico a produzir anticorE pos específicos e células de memória; estas combaterão o verdadeiro antígeno no futuro. c) través da placenta passam anticorpos da mãe para o filho. Estes protegem temporariamente o A bebê, contra as doenças que a mãe já teve. 8. s anticorpos do soro que combateram o veneno são destruídos após alguns dias, caracterizando O uma imunização temporária. 9. vírus da gripe não consegue replicar-se nas hemácias porque estas são células desprovidas de O núcleo e de DNA. 10. Os plasmócitos produzem os anticorpos, proteínas que são eliminadas pelas células e os macrófagos têm que digerir os antígenos que fagocitam. 11. Porque são fragmentos de células, delimitados por membranas, não apresentando desta forma o núcleo celular. 12. Porque as proteínas que constituem os antígenos, os quais serão reconhecidos pelas células de memória produzidas a partir da vacinação, serão modificadas pelas mutações. 13. a) Aumento em seu número indica possíveis infecções. b) Diminuição em seu número indica anemia. c) Alterações indicam doenças como a anemia falciforme e a talassemia. d) A diminuição em seu número indica problemas de coagulação. 14. D 15. A Biologia 9 Curso pH
  10. 10. 16. A 17. B 18. B 19. B 20. B 21. E 22. C 23. D 24. B 25. B 26. D 27. D 28. A 29. A 30. D 31. C 32. D © MÓDULO 6 HISTOLOGIA ANIMAL PARTE C – TECIDOS MUSCULARES E TECIDO NERVOSO GABARITO (PARTE C) 1. ácido lático a) b) uando o suprimento de oxigênio se torna insuficiente, as células musculares realizam a fermenQ tação lática para gerar energia, levando ao acúmulo de ácido lático. c) condicionamento aumenta a capacidade do coração em bombear sangue, bem como o número O de vasos sanguíneos que irrigam o músculo, aumentando a oferta de oxigênio a estes e reduzindo a necessidade de realização de metabolismo anaeróbio. 2. través dos mecanismos que regeneram ATP, como a fosfocreatina, que refaz ATP a partir de ADP, A e da respiração celular, em que nutrientes são oxidados para gerar energia e produzir ATP. 3. ão será transmitido, pois o neurônio foi estimulado durante o período em que estava se repolariN zando, isto é, voltando ao repouso (período refratário). 4. e o animal se torna incapaz de se movimentar, conclui-se que o curare impede que o neurotransS missor acetilcolina se ligue aos receptores da célula muscular. Assim, mesmo quando há estímulo nervoso, a célula muscular não contrai. 5. experimento evidencia a lei do tudo ou nada. Para que ocorra a despolarização do neurônio, eviO denciada pela inversão de polaridade, são necessário estímulos maiores que um valor mínimo. A partir desse estímulo mínimo a intensidade da transmissão e sua velocidade são constantes. 6. s músculos do peito fazem uma atividade intensa e de curta duração, metabolismo tipicamente O anaeróbio. Daí não haver mitocôndrias (onde há o metabolismo aeróbio) ou mioglobina. Já os músculos da perna fazem uma atividade lenta e de longa duração, o que exige a respiração aeróbia; suas Curso pH 10 Biologia
  11. 11. mitocôndrias participam da respiração aeróbia e a mioglobina armazena o oxigênio que será usado nessa atividade. 7. Regenerar o ATP, mantendo seus níveis estáveis. 8. Ativado, pois para o potencial de membrana do neurônio se elevar, a célula deve despolarizar. Para a) tanto, os canais de Na+ se abrem e permitem a entrada desse íon e a consequente despolarização. b) nativado. No momento T o neurônio está se repolarizando e é incapaz de perceber outro estímulo I (está no chamado período refratário). Assim, os canais de Na+ não podem se abrir até que a polarização volte ao valor de repouso. 9. Quando morrem, as células deixar de gerar energia, o que é fundamental para manter os íons a) Ca++ no retículo sarcoplasmático. Assim, esses íons lentamente saem do retículo, onde estão acumulados, para o citoplasma, fazendo com que actina e miosina, as proteínas responsáveis pela contração, se liguem, levando ao enrijecimento do músculo. b) Quanto menor a temperatura mais lenta é a difusão dos íons Ca++ do retículo. c) om a autólise, os lisossomos liberam enzimas digestivas, que degradam actina e miosina, e a C rigidez é perdida. 10. C 11. A 12. B 13. D 14. D 15. E 16. A 17. C 18. C 19. C 20. D 21. C 22. E 23. A 24. E 25. C 26. C 27. C © MÓDULO 7 FISIOLOGIA ANIMAL: NUTRIÇÃO E DIGESTÃO GABARITO 1. intestino delgado e o pâncreas, pois a digestão de açúcar (sacarose); farinha (amido) e manteiga (lipíO deos) é realizada por enzimas desses órgãos e não do estômago, especializado na digestão de proteínas. 2. Apenas água, já que os peptídeos, formados pela digestão das proteínas da clara de ovo não atraa) vessam a membrana. b) pH deveria ser modificado para 8 e ser adicionado suco pancreático, que contém lipases que O irão digerir o óleo e formar glicerol e ácidos graxos. Biologia 11 Curso pH
  12. 12. 3. e C. Esse estímulo é dado pela possível presença do hormônio gastrina no sangue dos cães A, B e C. No A caso de A, apesar de ter o nervo vago seccionado, que estimula a atividade gástrica, continuará a haver a produção de gastrina quando o alimento protêico chegar ao estômago. No caso de B, o alimento não alcançará o estômago e não haverá a produção de gastrina. Já o cão C produzirá normalmente o hormônio. 4. s microvilosidades aumentam a superfície de contato para a absorção de nutrientes, já as mitocônA drias fornecem energia para o transporte ativo desses nutrientes para o sangue. 5. digestão gástrica de proteínas seria interrompida, devido a dois fatores: o pepsinogênio não seria A ativado à pepsina e o pH não estaria baixo o suficiente para que a enzima pudesse atuar. 6. substância presente na casca de arroz é a vitamina B1 (tiamina), que atua no metabolismo dos carA boidratos e sobre as células nervosas. 7. s ruminantes possuem o estômago dividido em quatro compartimentos (rume, barrete, folhoso e O coagulador) onde o alimento passa algum tempo, retornando à boca para ser remastigado até que a digestão esteja completa. Nesses animais, a celulose é digerida por bactérias e protozoários existentes no rume e no barrete. Depois de passar por esses compartimentos, a massa alimentar passa para o folhoso e o coagulador, onde o suco gástrico digere os componentes proteicos (inclusive os microrganismos que se multiplicaram no rume e no barrete). homem, a celulose não digerida aumenta o volume das fezes estimulando os movimentos peristálticos. No 8. bicarbonato neutraliza a acidez do estômago, o que era necessário para sua ação bactericida. O 9. ão. Essa proteína apenas bloquearia a ação da amilase salivar. Entretanto, quando ela alcançasse N o estômago, seria digerida e não poderia impedir a ação da amilase pancreática, que continuaria a digerir normalmente o amido. 10. a) ransporte ativo. O íon sódio será transportado do meio intracelular para o líquido intersticial T pela ação da bomba de sódio (sendo trocado pelo potássio) com gasto de energia, já que vai de uma região de maior concentração para uma de menor concentração. b) ransporte passivo por difusão. Os íons sódio passam de um compartimento a outro em função T do seu gradiente de concentração. 11. D 12. B 13. C 14. B 15. D 16. D 17. C 18. C 19. C 20. A 21. D 22. D 23. E 24. D 25. C 26. D 27. D 28. E 29. E 30. C Curso pH 12 Biologia

×