SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 100
Baixar para ler offline
Índice
NR32

02

Risco Biólogico

09

Risco Químico

25

Risco Quimioterápico

28

Risco com Gases Medicinais

40

Risco com Radiação

45

Risco com Resíduos

62

Risco com Refeições

69

Capacitação

73

Ergonomia Ocupacional

89

Anexo e Outras Referências

94
NR 32
norma regulamentadora nº32
Norma regulamentadora nº 32
ou NR-32: O que é?
É uma legislação do Ministério do
Trabalho e Emprego que estabelece
medidas para proteger a segurança e a
saúde dos trabalhadores de saúde em
qualquer serviço de saúde inclusive os
que trabalham nas escolas, ensinando
ou pesquisando.
Seu objetivo é prevenir os acidentes
e o adoecimento causado pelo trabalho
nos profissionais da saúde, eliminando
ou controlando as condições de risco
presentes nos Serviços de Saúde.
Ela recomenda para cada situação de
risco a adoção de medidas preventivas e
a capacitação dos trabalhadores para o
trabalho seguro.
Introdução - NR-32

3
Esta norma não desobriga as empresas
do cumprimento de outras disposições
que, com relação à matéria, sejam incluídas em códigos ou regulamentos
sanitários dos Estados, Municípios e do
Distrito Federal, e outras oriundas de
convenções e acordos coletivos de trabalho, ou constantes nas demais NR’s e
legislação federal pertinente à matéria.
A quem a norma atinge?
Atinge não só os empregados próprios
do Serviço de Saúde como também os
empregados das empresas terceirizadas,
cooperativas, prestadoras de serviço,
enfim a todos os que trabalham na área
de saúde.

4

NR-32 - Introdução
A NR-32 dispõe que a responsabilidade é solidária (ou seja, compartilhada)
entre contratantes e contratados quanto
ao seu cumprimento.
A definição de serviço de saúde incorpora o conceito de edificação. Assim,
todos os trabalhadores que exerçam atividades nestas edificações, relacionadas
ou não com a promoção e assistência à
saúde, são abrangidos pela norma. Por
exemplo, atividade de limpeza, lavanderia, reforma e manutenção.
Importante para a sua aplicação é a
participação dos trabalhadores, através
das Comissões Institucionais de caráter
legal e técnico, entre as quais, a CIPA
Introdução - NR-32

5
(instituições privadas); COMSAT’S (instituições públicas), SESMT (Serviço Especializado em Engenharia e Segurança do
Trabalho) e a CCIH (Comissão de Controle e Infecção Hospitalar), além dos
eventos específicos, como as Semanas
Internas de Prevenção de Acidentes de
Trabalho – SIPAT’s.
O descumprimento de normas de segurança e medicina do trabalho poderá
provocar a aplicação e o pagamento de
multa imposta por auditores fiscais do
trabalho e da vigilância sanitária do
trabalho.
Sobre a rotina do trabalho da enfermagem,
do que a norma trata?
A NR-32 abrange as situações de exposição aos diversos agentes de risco
6

NR-32 - Introdução
presentes no ambiente de trabalho, como os agentes de risco biológico; os
agentes de risco químico; os agentes
de risco físico com destaque para as
radiações ionizantes; os agentes de
risco ergonômico.
Quais outras situações de interesse?
A NR-32 abrange ainda a questão
da obrigatoriedade da vacinação do
profissional de enfermagem (tétano,
difteria, hepatite B e o que mais estiver contido no PCMSO), com reforços
e sorologia de controle pertinentes,
conforme recomendação do Ministério
da Saúde, devidamente registrada em
prontuário funcional com comprovante
ao trabalhador.

Introdução - NR-32

7
O profissional de enfermagem deve
atender a convocação para receber as
vacinas, elas são importantes para a
prevenção de moléstias infecciosas que
poderão estar presentes no ambiente
de trabalho.
Determina ainda algumas situações na
questão de vestuário e vestiários, refeitórios, resíduos, capacitação contínua e permanente na área específica de atuação,
entre outras não menos importantes.

8

NR-32 - Introdução
Risco
Biólogico
norma regulamentadora nº32
O que a norma determina em relação
ao risco biológico?
Considera como risco biológico a probabilidade da exposição ocupacional a
agentes biológicos (microrganismos,
geneticamente modificados ou não; as
culturas de células; os parasitas; as toxinas e os príons).
Em relação aos acidentes pérfurocortantes os profissionais de enfermagem são os trabalhadores mais
expostos, porque:
• é a maior categoria nos serviços
de saúde;
• tem contato direto na assistência
aos pacientes;
10

Risco Biólgico
• pelo tipo e a frequência das tarefas realizadas.
A gravidade dos acidentes com pérfuro-cortante está em que ele pode ser
a porta de entrada de doenças infecciosas graves e letais como a Hepatite
B e C e a AIDS.

32.2.4.15. São vedados o reencape e a
desconexão manual de agulhas.
O objetivo deste item é o de diminuir
a ocorrência dos acidentes com agulhas.

Estudos nacionais e internacionais
relatam que práticas de risco são
Risco Biólgico

11
responsáveis por parte significativa da
ocorrência de acidentes de trabalho
com pérfuro-cortantes. Nesses estudos,
a prática de reencapar agulhas foi responsável por 15 a 35% desses acidentes.
Estudo em hospital universitário da cidade de São Paulo evidenciou que o reencape manual de agulhas foi responsável
por 13,7% dos acidentes com agulhas.
Os ferimentos com pérfuro-cortantes
estão primariamente associados à
transmissão ocupacional dos vírus da
hepatite B (HBV), hepatite C (HCV)
e HIV. Após um acidente com agulha
contaminada com o agente, estima-se
que o risco de contaminação com o vírus da hepatite B (HBV) é de 6 a 30%,
com o vírus da hepatite C (HCV) é de
12

Risco Biólgico
0,5 a 2%, e com o vírus da AIDS (HIV) é
de 0,3 a 0,4%.
A frequência de exposições é maior
entre, auxiliares e técnicos de enfermagem, quando comparados a profissionais
de nível superior.
Entre 30 a 35% dos casos das exposições percutâneas estão associados
à retirada de sangue ou de punção
venosa periférica.
Entre 60 e 80% das exposições ocorrem
após a realização do procedimento e podem ser evitadas com as práticas de precauções padrão e com o uso sistemático
de dispositivos de segurança.
Risco Biólgico

13
Como a norma trata a questão do risco
biológico?
A NR-32 determina (em seus artigos
normatizadores) que:
Os trabalhadores com feridas ou lesões nos membros superiores
só podem iniciar suas atividades após
avaliação médica obrigatória com
emissão de documento de liberação
para o trabalho.
32.2.4.4.

32.2.4.5. O

empregador deve vedar:

• a utilização de pias de trabalho para
fins diversos dos previstos;

14

Risco Biólgico
• o ato de fumar, o uso de adornos e o
manuseio de lentes de contato nos postos de trabalho, o consumo de alimentos
e bebidas nos postos de trabalho;
• a guarda de alimentos em locais não
destinados para este fim;
• o uso de calçados abertos.
Devem ser entendidos como postos de
trabalho os locais onde o trabalhador
efetivamente realiza suas atividades.
O empregador pode disponibilizar ambientes próximos aos postos de trabalho,
para a realização de refeições complementares. Estes ambientes devem
Risco Biólgico

15
obedecer aos requisitos mínimos estabelecidos no item 32.6.2.
A proibição do uso de adornos deve
ser observada para todo trabalhador do
serviço de saúde, bem como daqueles
que exercem atividades de promoção e
assistência à saúde exposto ao agente
biológico, independente da sua função.
O PPRA deve descrever as funções e os
locais de trabalho onde haja exposição
ao agente biológico, conforme previsto
no item 32.2.2.1.
São exemplos de adornos: alianças e
anéis, pulseiras, relógios de uso pessoal, colares, brincos, broches, piercings
16

Risco Biólgico
expostos. Esta proibição estende-se
a crachás pendurados com cordão e
gravatas.
Entende-se por calçado aberto aquele
que proporciona exposição da região do
calcâneo (calcanhar), do dorso (peito)
ou das laterais do pé. Esta proibição
aplica-se aos trabalhadores do serviço de saúde, bem como daqueles que
exercem atividades de promoção e assistência à saúde potencialmente expostos, conforme definido no PPRA.
O PPRA deverá indicar as características dos calçados a serem utilizados nos
diversos postos de trabalho.
A proibição do uso de calçados abertos
Risco Biólgico

17
implica no fornecimento gratuito, pelo
empregador, dos calçados fechados conforme definidos no PPRA.

32.2.4.6. Todos os trabalhadores com
possibilidade de exposição a agentes
biológicos devem utilizar vestimenta
de trabalho adequada e em condições
de conforto.
18

Risco Biólgico
A vestimenta deve ser fornecida sem ônus para o empregado.
32.2.4.6.1.

As vestimentas são os trajes de trabalho, que devem ser fornecidos pelo
empregador, podendo compreender o
traje completo ou algumas peças, como
aventais, jalecos e capotes.
O PPRA deve definir a vestimenta
mais apropriada a cada situação. Em
todos os casos, a vestimenta fornecida deverá atender a condições mínimas de conforto, especialmente o
conforto térmico.
Os trabalhadores não devem deixar o local de trabalho com os
32.2.4.6.2.

Risco Biólgico

19
equipamentos de proteção individual e
as vestimentas utilizadas em suas atividades laborais.
32.2.4.6.3. O empregador deve providenciar locais apropriados para
fornecimento de vestimentas limpas
e para deposição das usadas.
32.2.4.6.4. A higienização

das vestimentas utilizadas nos centros cirúrgicos e obstétricos, serviços de tratamento intensivo, unidades de pacientes com doenças
infecto-contagiosas e quando houver contato direto da vestimenta com material
orgânico, deve ser de responsabilidade
do empregador.

20

Risco Biólgico
32.2.4.7. Os Equipamentos de Proteção

Individual – EPI, descartáveis ou não,
deverão estar à disposição, em número
suficiente, nos postos de trabalho, de
forma que seja garantido o imediato
fornecimento ou reposição.Atenção:
Comunique qualquer acidente de
trabalho exigindo a abertura da comunicação de acidente de trabalho – CAT
– por menor que seja o acidente, mesmo
não havendo afastamento do trabalho.
Pratique as precauções padrão, use
sempre os equipamentos de proteção.
Para atendimento às doenças infecciosas ou lesões com secreção abundante pratique as precauções adicionais
indicadas, peça orientação a CCIH.
Risco Biólgico

21
As máscaras de proteção devem ser
individuais e específicas aos agentes
presentes (consulte a CCIH). Exija uma
só para você.
32.2.4.14. Os trabalhadores que utilizarem objetos pérfuro-cortantes devem
ser os responsáveis pelo seu descarte.

22

Risco Biólgico
Descarte as agulhas e outros materiais
pérfuro-cortantes, sem reencapar, dentro da caixa apropriada, obedecendo ao
limite de enchimento.
O processo de trabalho, durante a
utilização de objetos com características pérfuro-cortantes, deve ser considerado como finalizado somente após

o descarte seguro dos mesmos.
Estudos demonstram que 41% dos
acidentes ocorrem após o uso e antes
do descarte, 39% durante o uso do produto e 16% após o descarte.
Risco Biólgico

23
Desta forma, 80% dos acidentes ocorrem
sob a responsabilidade do profissional
que está realizando o procedimento.
O objetivo deste item, portanto, é
contribuir para a diminuição dessa taxa ao exigir que o descarte imediato
de pérfuro-cortantes seja realizado
exclusivamente pelos trabalhadores do
serviço de saúde, bem como daqueles
que exercem atividades de promoção e
assistência à saúde envolvidos no procedimento. Ressalte-se que o descarte deve ser feito em recipiente apropriado e
situado o mais próximo possível do local
onde o procedimento é executado.

24

Risco Biólgico
Risco
Químico
norma regulamentadora nº32
E quanto aos riscos químicos? Como
vai funcionar?
Esta situação compreende a exposição aos agentes químicos presentes no
local de trabalho. Consideram-se agentes químicos, substâncias, compostos
ou produtos químicos em suas diversas
formas de apresentação: líquida, sólida, plasma, vapor, poeira, névoa, neblina, gasosa e fumo.
As vias de entrada do agente químico
no organismo são: digestiva, respiratória, mucosa, parenteral e cutânea.
A NR-32 aborda esta situação nos seguintes itens:
26

Risco Químico
32.3.1. Deve

ser mantida a rotulagem
do fabricante na embalagem original dos
produtos químicos utilizados em serviços
de saúde.
32.3.2. Todo recipiente contendo produto químico manipulado ou fracionado deve ser identificado, de forma
legível, por etiqueta com o nome do
produto, composição química, sua
concentração, data de envase e de
validade e nome do responsável pela
manipulação ou fracionamento.
32.3.3. É

vedado o procedimento de
reutilização das embalagens de produtos químicos.

Risco Químico

27
Risco
Quimioterápico
norma regulamentadora nº32
O que a NR-32 diz sobre o trabalho
com quimioterápicos antineoplásicos?
No capítulo dos riscos químicos o
destaque está na proteção ao trabalhador que manuseia as substâncias
quimioterápicas antineoplásicas.
32.3.9.4.9.1. Com relação aos quimioterápicos, entende-se por acidente:

ambiental: contaminação do ambiente devido à saída do medicamento
do envase no qual esteja acondicionado,
seja por derramamento ou por aerodispersóides sólidos ou líquidos;

pessoal: contaminação gerada por
contato ou inalação dos medicamentos
Risco Quimioterápico

29
da terapia quimioterápica antineoplásica em qualquer das etapas do processo.
Para que não ocorram acidentes é
necessário observar as recomendações
contidas nos itens da NR-32 e na Resolução RDC no 220, de 21 de setembro de
2004 da Agência Nacional de Vigilância
Sanitária – ANVISA.
32.3.9.4.6. Com relação aos quimioterápicos antineoplásicos, compete
ao empregador:

• proibir fumar, comer ou beber, bem
como portar adornos ou maquiar-se;
• afastar das atividades as trabalhadoras gestantes e nutrizes;
30

Risco Quimioterápico
• proibir que os trabalhadores expostos realizem atividades com possibilidade de exposição aos agentes ionizantes;
• fornecer aos trabalhadores avental
confeccionado em material impermeável, com frente resistente e fechado nas
costas, manga comprida e punho justo,
quando do seu preparo e administração;
• fornecer aos trabalhadores dispositivos de segurança que minimizem
a geração de aerossóis e a ocorrência
de acidentes durante a manipulação e
administração;
• fornecer aos trabalhadores dispositivos de segurança para a prevenção de
acidentes durante o transporte.
Risco Quimioterápico

31
Além do cumprimento do
disposto na legislação vigente, os Equipamentos de Proteção Individual– EPI
devem atender às seguintes exigências:
32.3.9.4.7.

• ser avaliados diariamente quanto ao
estado de conservação e segurança;
• estar armazenados em locais de fácil
acesso e em quantidade suficiente para
imediata substituição;
• segundo as exigências do procedimento ou em caso de contaminação
ou dano.

32

Risco Quimioterápico
O que é proibido a quem trabalha
com quimioterápicos antineoplásicos?
32.3.9.4.8. Com relação aos quimioterá-

picos antineoplásicos é vedado:
• iniciar qualquer atividade na falta
de EPI;
• dar continuidade às atividades de
manipulação quando ocorrer qualquer
interrupção do funcionamento da cabine
de segurança biológica.
Quais as regras em relação ao local
de preparo de quimioterápicos
antineoplásicos?
Segundo a recomendação da ANVISA
– RDC 220:
Risco Quimioterápico

33
7.2. Quando o STA contar com farmácia

própria, esta deve atender os seguintes
requisitos mínimos:
Área destinada à paramentação: provida de lavatório para
higienização das mãos.
7.2.1.

Sala exclusiva para a preparação de medicamentos para TA, com área
mínima de 5 (cinco) m2 por cabine de
segurança biológica.
7.2.2.

7.2.2.1. Cabine de Segurança Biológica
(CSB) Classe II B2 que deve ser instalada seguindo as orientações contidas na
RDC/ANVISA n° 50, de 21/02/2002.

34

Risco Quimioterápico
Área de armazenamento exclusiva para estocagem de medicamentos
específicos da TA.
7.2.3.

Todos os equipamentos devem ser
submetidos à manutenção preventiva e
corretiva, de acordo com um programa
formal, obedecendo às especificações
do manual do fabricante.
7.3.

Deve existir registro por escrito das manutenções preventivas e
corretivas realizadas.
7.3.1.

As etiquetas com datas referentes
à última e à próxima verificação devem
estar afixadas nos equipamentos.
7.3.2.

Risco Quimioterápico

35
Importante:
32.3.9.4.9.3. Nas áreas de preparação,
armazenamento e administração e para
o transporte, deve ser mantido um kit
de derramamento identificado e disponível, que deve conter no mínimo:
luvas de procedimento, avental impermeável, compressas absorventes,
proteção respiratória, proteção ocular,
sabão, recipiente identificado para recolhimento de resíduos e descrição do
procedimento.

O que fazer em caso de acidentes
no manuseio de quimioterápicos
antineoplásicos?

ANEXO V Da recomendação da
36

Risco Quimioterápico
ANVISA – RDC 220:
1.4.

Em caso de Acidente:

1.4.1. Todos os acidentes devem ser
registrados em formulário específico.
1.4.2. Pessoal:

O vestuário deve ser removido imediatamente quando houver
contaminação.
1.4.2.1.

As áreas da pele atingidas devem ser lavadas com água e sabão.
1.4.2.2.

Quando da contaminação dos
olhos ou outras mucosas, lavar com água
ou solução isotônica em abundância,
providenciar acompanhamento médico.
1.4.2.3.

Risco Quimioterápico

37
1.4.3.

Na Cabine:

Promover a descontaminação
de toda a superfície interna da cabine.
1.4.3.1.

1.4.3.2. Em caso de contaminação
direta da superfície do filtro HEPA, a
cabine deverá ser isolada até a substituição do filtro.
1.4.4. Ambiental:
1.4.4.1.

O responsável pela desconta-

minação deve paramentar-se antes de
iniciar o procedimento.
A área do derramamento,
após identificação e restrição de acesso, deve ser limitada com compressas
absorventes.
1.4.4.2.

38

Risco Quimioterápico
Os pós devem ser recolhidos
com compressa absorvente umedecida.
1.4.4.3.

1.4.4.4. Os líquidos devem ser recolhidos com compressas absorventes secas.
1.4.4.5. A área deve ser limpa com água

e sabão em abundância.
1.4.4.6. Quando da existência de
fragmentos, estes devem ser recolhidos e descartados conforme RDC/
ANVISA nº 33, de 25/02/2003, suas atualizações ou outro instrumento
que venha substituí-la.

Risco Quimioterápico

39
Risco com
Gases Medicinais
norma regulamentadora nº32
E a questão dos gases e vapores
anestésicos?
Toda trabalhadora gestante só será liberada para o trabalho em
áreas com possibilidade de exposição
a gases ou vapores anestésicos, após
autorização por escrito do médico responsável pelo PCMSO, considerando as
informações contidas no PPRA.
32.3.9.3.4.

Observar com rigor as recomendações
e legislações vigentes, disponibilizadas
em português aos trabalhadores.
É proibida a utilização de equipamentos sem manutenção corretiva e
preventiva, devendo existir a verificação programada de cilindros de gases,
Risco com Gases Medicinais

41
conectores, conexões, mangueiras,
balões, traquéias, válvulas, aparelho
de anestesia e máscaras faciais para
ventilação pulmonar.
Todas as informações devem estar
disponíveis aos trabalhadores expostos.
Locais com gases e vapores anestésicos devem ser providos de ventilação e
exaustão adequados.
A enfermagem deve manusear cilindros
de gases medicinais?
Não cabe ao profissional de Enfermagem o manuseio e/ou transporte
de cilindros de gases medicinais,
com exceção dos portáteis, quando
42

Risco com Gases Medicinais
utilizados no transporte de pacientes
ou reposição.

É proibido:
• Utilização de equipamento com
vazamentos de gás.
• Utilização de equipamento sem
identificação e válvula de segurança.
• Movimentação de cilindros sem EPIs
adequados.
• Contato de óleos, graxas ou materiais
orgânicos similares com gases oxidantes.
• Utilização de cilindros sem válvula de retenção ou impedimento de
fluxo reverso.
Risco com Gases Medicinais

43
• Transferir gases de um cilindro
para outro.
• Transportar cilindros soltos em
posição horizontal e sem capacete.

Observações:
• deve haver sinalização ampla,
visível e haver placa de informações
com o nome das pessoas autorizadas
e treinadas para operação e manutenção do sistema;
• procedimentos de emergência;
• número do telefone de emergência;
• sinalização de perigo.
44

Risco com Gases Medicinais
Risco
com Radiação
norma regulamentadora nº32
E o trabalhador que tem contato
com radiações ionizantes (raios X,
entre outras)?
A radiação ionizante é um risco físico.
Considera-se risco físico a probabilidade
de exposição a agentes físicos, que são
as diversas formas de energia a que possam estar expostos os trabalhadores, tais
como ruído, vibração, pressão anormal,
iluminação, temperatura extrema, radiações ionizantes e não-ionizantes.
A NR-32 destaca dentre os riscos físicos, a exposição às radiações ionizantes.
Para os trabalhadores que executam
suas atividades expostos à radiação
ionizante, destacamos dentre outros,
os itens:
46

Risco com Radiação
32.4.2. É

obrigatório manter no local
de trabalho e à disposição da inspeção
do trabalho, o Plano de Proteção Radiológica – PPR, aprovado pelo CNEN,
e para os serviços de radiodiagnóstico
aprovado pela Vigilância Sanitária.
32.4.2.1. O Plano de Proteção Radiológica deve:

• estar dentro do prazo de vigência;
• identificar o profissional responsável e seu substituto eventual como
membros efetivos da equipe de trabalho do serviço;
• fazer parte do PPRA do estabelecimento;
Risco com Radiação

47
• ser considerado na elaboração e
implementação do PCMSO;
• ser apresentado na CIPA, quando
existente na empresa, sendo sua cópia
anexada às atas desta comissão.

A sala de raios X deve dispor de:
• sinalização visível na face exterior
das portas de acesso, contendo o símbolo internacional de radiação ionizante,
acompanhado das inscrições: raios X, entrada restrita ou raios X, entrada proibida
a pessoas não autorizadas.
• sinalização luminosa vermelha
acima da face externa da porta de
acesso, acompanhada do seguinte
48

Risco com Radiação
aviso de advertência: quando a luz
vermelha estiver acesa, a entrada
é proibida;
• a sinalização luminosa deve ser
acionada durante os procedimentos
radiológicos.
• as portas de acesso das salas
com equipamentos de raios X fixos
devem ser mantidas fechadas durante as exposições;
• não é permitida a instalação de mais
de um equipamento de raios X por sala.

A câmara escura deve dispor de:
• sistema de exaustão de ar localizado;
• pia com torneira.
Risco com Radiação

49
Todo equipamento de radiodiagnóstico
médico deve possuir diafragma e colimador em condições de funcionamento
para tomada radiográfica.
Os equipamentos móveis devem ter
um cabo disparador com um comprimento mínimo de 2 metros.
Deverão permanecer no local do procedimento radiológico somente o paciente e a equipe necessária.
A cabine de comando deve ser posicionada de forma a:
• permitir ao operador, na posição
de disparo, eficaz comunicação e observação visual do paciente;
50

Risco com Radiação
• permitir que o operador visualize a
entrada de qualquer pessoa durante o
procedimento radiológico.
Qual deve ser a postura de quem
trabalha próximo às radiações?
32.4.3. O

trabalhador que realiza atividades em áreas onde existam fontes de
radiações ionizantes deve:
• permanecer nestas áreas o menor tempo possível para a realização
do procedimento;
• ter conhecimento dos riscos radiológicos associados ao seu trabalho;
• estar capacitado inicialmente e de forma continuada em proteção radiológica;
Risco com Radiação

51
• usar os EPIs adequados para a minimização dos riscos;
• estar sob monitoração individual de
dose de radiação ionizante, nos casos
em que a exposição seja ocupacional.
32.4.4. Toda trabalhadora com gravidez

confirmada deve ser afastada das atividades com radiações ionizantes, devendo ser remanejada para atividade compatível com seu nível de formação.
32.4.5. Toda

instalação radiativa deve dispor de monitoração individual e
de áreas.
Os dosímetros individuais
devem ser obtidos, calibrados e avaliados exclusivamente em laboratórios
32.4.5.1.

52

Risco com Radiação
de monitoração individual acreditados
pelo CNEN.
Na ocorrência ou suspeita de
exposição acidental, os dosímetros devem ser encaminhados para leitura no
prazo máximo de 24 horas.
32.4.5.3.

32.4.5.6. Deve ser elaborado e implementado um programa de monitoração
periódica de áreas, constante do Plano
de Proteção Radiológica, para todas as
áreas da instalação radiativa.

Quais as obrigações do empregador
quanto ao risco radiológico a
esta situação?
32.4.6. Cabe

ao empregador:
Risco com Radiação

53
• implementar medidas de proteção coletiva relacionadas aos riscos
radiológicos;
• manter um profissional habilitado,
responsável pela proteção radiológica
em cada área específica, com vinculação
formal com o estabelecimento;
• promover a capacitação em proteção radiológica, inicialmente e de forma continuada, para os trabalhadores
ocupacionalmente e para-ocupacionalmente expostos às radiações ionizantes;
• manter no registro individual do trabalhador as capacitações ministradas;
• fornecer ao trabalhador, por escrito
e mediante recibo, instruções relativas
54

Risco com Radiação
aos riscos radiológicos e procedimentos
de proteção radiológica adotados na instalação radiativa;
• dar ciência dos resultados das doses referentes às exposições de rotina,
acidentais e de emergências, por escrito
e mediante recibo, a cada trabalhador
e ao médico coordenador do PCMSO ou
médico encarregado dos exames médicos previstos na NR.

Importante:
• Toda instalação radiativa deve possuir um serviço de proteção radiológica.
• As áreas da instalação radiativa devem ser classificadas, sinalizadas e ter
controle de acesso definido pelo responsável pela proteção radiológica.
Risco com Radiação

55
A sala de manipulação e armazenamento de fontes radiativas
em uso deve:
• ser revestida com material impermeável que possibilite sua descontaminação, devendo os pisos e paredes serem providos de cantos arredondados;
• possuir bancadas constituídas de
material liso, de fácil descontaminação, recobertas com plástico e papel absorvente;
• dispor de pia com cuba de, no mínimo, 40 cm de profundidade, e acionamento para abertura das torneiras sem
controle manual;
• é obrigatória a instalação de sistemas exclusivos de exaustão.
56

Risco com Radiação
Nos locais onde são manipulados
e armazenados materiais radiativos
ou rejeitos, não é permitido:
• aplicar cosméticos, alimentar-se,
beber, fumar e repousar;
• guardar alimentos, bebidas e bens
pessoais;
• os trabalhadores envolvidos na
manipulação de materiais radiativos e
marcação de fármacos devem usar os
equipamentos de proteção recomendados no PPRA e PPR;
• ao término da jornada de trabalho,
deve ser realizada a monitoração das
superfícies de acordo com o PPRA, utilizando-se monitor de contaminação.
Risco com Radiação

57
O local destinado ao decaimento
de rejeitos radiativos deve:
• ser localizado em área de acesso controlado;
• ser sinalizado;
• possuir blindagem adequada;
• ser constituído de compartimentos que possibilitem a segregação dos
rejeitos por grupo de radionuclídeos
com meia-vida física próxima e por
estado físico.

A radiação é apenas um dos agentes de risco que pode ser encontrado
e deve ser tratado em conjunto com
outros agentes de risco presentes.
58

Risco com Radiação
O que deve ser observado na
administração de radiofármacos?
O quarto destinado à internação de paciente, para administração de radiofármacos, deve possuir:
• blindagem;
• paredes e pisos com cantos arredondados, revestidos de materiais
impermeáveis, que permitam sua descontaminação;
• sanitário privativo;
• biombo blindado junto ao leito;
• sinalização externa da presença de
radiação ionizante;
• acesso controlado.
Risco com Radiação

59
E na situação de radioterapia?
Os serviços de radioterapia devem
adotar, no mínimo, os seguintes dispositivos de segurança:
• salas de tratamento possuindo portas
com sistema de intertravamento, que
previnam o acesso indevido de pessoas
durante a operação do equipamento;
• indicadores luminosos de equipamento em operação, localizados na sala
de tratamento e em seu acesso externo
em posição visível.
E no procedimento de braquiterapia?
Na sala de preparo e armazenamento
de fontes é vedada a prática de qualquer
atividade não relacionada com a preparação das fontes seladas.
60

Risco com Radiação
O preparo manual de fontes utilizadas
em braquiterapia de baixa taxa de dose deve ser realizado em sala específica
com acesso controlado, somente sendo
permitida a presença de pessoas diretamente envolvidas com esta atividade.
O manuseio de fontes de baixa taxa de
dose deve ser realizado exclusivamente
com a utilização de instrumentos e com
a proteção de anteparo plumbífero.
Após cada aplicação, as vestimentas
de pacientes e as roupas de cama devem
ser monitoradas para verificação da presença de fontes seladas.

Risco com Radiação

61
Cuidados
com Resíduos
norma regulamentadora nº32
A NR-32 prevê algo para a questão
dos resíduos?
A NR-32 dedicou especial atenção ao
tratamento de resíduos, por suas implicações na biosegurança pessoal e no
meio ambiente.
Importante ressaltar que a NR-32 não
desobriga o cumprimento da Resolução
ANVISA RDC nº 306, de 7 de Dezembro de
2004 e Resolução CONAMA nº 358, de 29
de abril de 2005.
Estas resoluções dispõem sobre o
Plano de Gerenciamento de Resíduos
de Serviços de Saúde – PGRSS e sobre
a necessidade da designação de profissional, com registro ativo junto ao seu
conselho de classe, com apresentação
Cuidados com Residuos

63
de Anotação de Responsabilidade
Técnica – ART, ou Certificado de Responsabilidade Técnica ou documento
similar, quando couber, para exercer
a função de responsável pela elaboração e implantação do PGRSS.
Diz ainda que: quando a formação profissional não abranger os conhecimentos
necessários, este poderá ser assessorado
por equipe de trabalho que detenha as
qualificações correspondentes.
O Conselho Federal de Enfermagem
– COFEN baixou a Resolução COFEN n°
303/2005 que autoriza o enfermeiro a
assumir a coordenação como Responsável Técnico do Plano de Gerenciamento
de Resíduos de Serviços de Saúde.
64

Cuidados com Residuos
Resíduos – O que é bom saber?
Entre outros, podemos destacar:
32.5.2. Os sacos plásticos utilizados no
acondicionamento dos resíduos de saúde
devem atender ao disposto na NBR 9191
e ainda ser:

• preenchidos até 2/3 de sua capacidade;
• fechados de tal forma que não se
permita o seu derramamento, mesmo
que virados com a abertura para baixo;
• retirados imediatamente do local
de geração após o preenchimento
e fechamento;

Cuidados com Residuos

65
• mantidos íntegros até o tratamento
ou a disposição final do resíduo.
32.5.3. A segregação

dos resíduos deve
ser realizada no local onde são gerados,
devendo ser observado que:
• sejam utilizados recipientes que
atendam às normas da ABNT, em número
suficiente para o armazenamento;
• os recipientes estejam localizados
próximos da fonte geradora;
• os recipientes sejam constituídos de
material lavável, resistente a punctura,
ruptura e vazamento, com tampa provida de sistema de abertura sem contato
manual, com cantos arredondados e que
sejam resistentes ao tombamento;
66

Cuidados com Residuos
• os recipientes sejam identificados e sinalizados segundo as normas
da ABNT.
Os recipientes existentes nas
salas de cirurgia e de parto não necessitam de tampa para vedação.
32.5.3.1.

Para os recipientes destinados
a coleta de material pérfuro-cortante,
o limite máximo de enchimento deve
estar localizado 5cm abaixo do bocal.
32.5.3.2.

Cuidados com Residuos

67
32.5.3.2.1. O recipiente para acondicio-

namento dos pérfuro-cortantes deve ser
mantido em suporte exclusivo e em altura que permita a visualização da abertura para descarte.
32.5.4. O

transporte manual do recipiente de segregação deve ser realizado
de forma que não exista o contato do
mesmo com outras partes do corpo, sendo vedado o arrasto.
Sempre que o transporte do
recipiente de segregação possa comprometer a segurança e a saúde do trabalhador, devem ser utilizados meios técnicos apropriados, de modo a preservar
a sua saúde e integridade física.
32.5.5.

68

Cuidados com Residuos
Cuidados
com Refeições
norma regulamentadora nº32
A NR-32 trata da questão do refeitório
e refeições?
Sim. A NR-32 reservou importante
atenção ao trabalhador no quesito alimentação, em que determina que é
proibido aos trabalhadores ingerirem
alimentos no local de trabalho e, para
conforto destes, durante as refeições,
devem ser observados os seguintes itens:
32.6.1. Os

refeitórios dos serviços de
saúde devem atender ao disposto
na NR-24.
32.6.2. Os

estabelecimentos com até
300 trabalhadores devem ser dotados
de locais para refeição que atendam
aos seguintes requisitos mínimos:
70

Cuidados com Refeições
• localização fora da área do posto
de trabalho;
• piso lavável;
• limpeza, arejamento e boa iluminação;
• mesas e assentos dimensionados de
acordo com o número de trabalhadores
por intervalo de descanso e refeição;
• lavatórios instalados nas proximidades ou no próprio local;
• fornecimento de água potável;
• possuir equipamento apropriado e
seguro para aquecimento de refeições.
Cuidados com Refeições

71
32.6.3. Os

lavatórios para higiene das
mãos devem ser providos de papeltoalha, sabonete líquido e lixeira com
tampa de acionamento por pedal.

72

Cuidados com Refeições
Capacitação
norma regulamentadora nº32
A NR-32 garante ao trabalhador a
capacitação em relação ao processo
de trabalho?
A NR-32 reserva especial atenção
para esta questão, demonstrando toda a preocupação em fazer com que
o trabalhador, por meio de sua efetiva
capacitação, possa minimizar os riscos
provenientes do exercício profissional e
determina ser esta uma obrigação imediata e permanente do empregador.
Nesta questão, cabe ao enfermeiro,
na equipe de enfermagem, estar consciente das responsabilidades pertinentes.
A diminuição ou eliminação dos
agravos à saúde do trabalhador está
74

Capacitação
relacionada à sua capacidade de entender a importância dos cuidados e medidas de proteção que devem tomar no
trabalho. Levar este saber ao trabalhador deve fazer parte das medidas
de proteção.
Além dos indicados na NR-32 outros temas de saúde também devem
ser objetos de programas educativos
baseados nos indicadores de saúde dos
trabalhadores ou sempre que indicados
pelo Ministério do Trabalho e Emprego
e Ministério da Saúde.
A capacitação quanto aos riscos biológicos
32.2.4.9. O empregador deve assegurar

capacitação aos trabalhadores, antes
Capacitação

75
do início das atividades e de forma continuada, devendo ser ministrada:
• sempre que ocorra uma mudança
das condições de exposição dos trabalhadores aos agentes biológicos;
• durante a jornada de trabalho;
• por profissionais de saúde familiarizados com os riscos inerentes aos
agentes biológicos.
32.2.4.9.1. A capacitação deve ser adaptada à evolução do conhecimento e à
identificação de novos riscos biológicos e
deve incluir:

• os dados disponíveis sobre riscos potenciais para a saúde;
76

Capacitação
• medidas de controle que minimizem
a exposição aos agentes;
• normas e procedimentos de higiene;
• utilização de equipamentos de proteção coletiva, individual e vestimentas
de trabalho;
• medidas para a prevenção de acidentes e incidentes;
• medidas a serem adotadas pelos
trabalhadores no caso de ocorrência de
incidentes e acidentes.
O empregador deve comprovar para a inspeção do trabalho a
32.2.4.9.2.

Capacitação

77
realização da capacitação por meio de
documentos que informem a data, o
horário, a carga horária, o conteúdo
ministrado, o nome e a formação ou capacitação profissional do instrutor e dos
trabalhadores envolvidos.
32.2.4.10. Em todo local onde exista
a possibilidade de exposição a agentes
biológicos, devem ser fornecidas aos
trabalhadores instruções escritas, em
linguagem acessível, das rotinas realizadas no local de trabalho e medidas de
prevenção de acidentes e de doenças
relacionadas ao trabalho.

Procedimentos e instruções escritos
de forma clara asseguram uniformidade,
78

Capacitação
eficiência e eficácia na coordenação das
atividades nos serviços de saúde.
32.2.4.10.1. As instruções devem ser
entregues ao trabalhador, mediante recibo, devendo este ficar à disposição da
inspeção do trabalho.

As instruções deverão ser entregues na
forma impressa, constituindo-se em um
documento. Outras formas de comunicação dessas instruções não substituem a
forma impressa.
Em 19 de novembro de 2008 foi publicada no DOU – Seção 1 – pág. 238
a Portaria n.° 939 do Ministério do
Trabalho e Emprego que dispõe sobre a
Capacitação

79
obrigatoriedade dos Serviços de Saúde
de implantarem materiais com dispositivos de segurança (agulhas, seringas,
bisturis e outros) em anexo.
A capacitação quanto aos riscos químicos
32.3.6.

Cabe ao empregador:

32.3.6.1. Capacitar, inicialmente e de
forma continuada, os trabalhadores
envolvidos para a utilização segura de
produtos químicos.
32.3.6.1.1.

A capacitação deve conter,

no mínimo:
• a apresentação das fichas descritivas
citadas no subitem 32.3.4.1.1, com explicação das informações nelas contidas;
80

Capacitação
• os procedimentos de segurança
relativos à utilização;
• os procedimentos a serem adotados
em caso de incidentes, acidentes e em
situações de emergência.
A capacitação quanto aos quimioterápicos antineoplásicos
Devem ser elaborados manuais de procedimentos relativos à limpeza, descontaminação e desinfecção
de todas as áreas, incluindo superfícies,
instalações, equipamentos, mobiliário,
vestimentas, EPI e materiais.
32.3.9.4.3.

32.3.9.4.3.1. Os manuais devem estar
disponíveis a todos os trabalhadores e à
fiscalização do trabalho.
Capacitação

81
32.3.10.1. Os

trabalhadores envolvidos
devem receber capacitação inicial e
continuada que contenha, no mínimo:
• as principais vias de exposição
ocupacional;
• os efeitos terapêuticos e adversos
destes medicamentos e o possível risco à
saúde, a curto e longo prazo;
• as normas e os procedimentos padronizados relativos ao manuseio,
preparo, transporte, administração,
distribuição e descarte dos quimioterápicos antineoplásicos;
• as normas e os procedimentos a
serem adotados no caso de ocorrência
de acidentes.
82

Capacitação
32.3.10.1.1. A capacitação

deve ser ministrada por profissionais de saúde familiarizados com os riscos inerentes aos
quimioterápicos antineoplásicos.
A capacitação quanto ao trabalho
com radiação ionizante
32.4.3. O

trabalhador que realize atividades em áreas onde existam fontes de
radiações ionizantes deve:
• permanecer nestas áreas o menor
tempo possível para a realização do procedimento;
• ter conhecimento dos riscos radiológicos associados ao seu trabalho;
Capacitação

83
• estar capacitado inicialmente e de forma continuada em proteção radiológica;
• usar os EPIs adequados para a minimização dos riscos;
• estar sob monitoração individual de
dose de radiação ionizante, nos casos
em que a exposição seja ocupacional.
32.4.6. Cabe

ao empregador:

• implementar medidas de proteção coletiva relacionadas aos riscos radiológicos;
• manter um profissional habilitado,
responsável pela proteção radiológica
em cada área específica, com vinculação
formal com o estabelecimento;
84

Capacitação
• promover capacitação em proteção
radiológica, inicialmente e de forma
continuada, para os trabalhadores ocupacionalmente e para-ocupacionalmente expostos às radiações ionizantes;
• manter no registro individual do trabalhador as capacitações ministradas;
• fornecer ao trabalhador, por escrito
e mediante recibo, instruções relativas
aos riscos radiológicos e procedimentos
de proteção radiológica adotados na instalação radiativa;
• dar ciência dos resultados das doses
referentes às exposições de rotina, acidentais e de emergências, por escrito
Capacitação

85
e mediante recibo, a cada trabalhador
e ao médico coordenador do PCMSO ou
médico encarregado dos exames médicos previstos na NR-07.
A capacitação quanto a braquiterapia
Além das outras já descritas, deve:
32.4.14.2.4. Na capacitação dos trabalhadores para manipulação de fontes seladas utilizadas em braquiterapia devem
ser empregados simuladores de fontes.

A capacitação quanto aos resíduos
32.5.1. Cabe ao empregador capacitar,
inicialmente e de forma continuada,os
trabalhadores nos seguintes assuntos:
86

Capacitação
• segregação, acondicionamento e
transporte dos resíduos;
• definições, classificação e potencial
de risco dos resíduos;
• sistema de gerenciamento adotado
internamente no estabelecimento;
• formas de reduzir a geração
de resíduos;
• conhecimento das responsabilidades
e de tarefas;
• reconhecimento dos símbolos de
identificação das classes de resíduos;
• conhecimento sobre a a utilização
dos veículos de coleta;
Capacitação

87
• orientações quanto ao uso de Equipamentos de Proteção Individual – EPI.
A capacitação quanto aos trabalhadores do serviço de limpeza e
conservação
Os trabalhadores que realizam
a limpeza dos serviços de saúde devem
ser capacitados, inicialmente e de forma continuada, quanto aos princípios
de higiene pessoal, risco biológico,
risco químico, sinalização, rotulagem,
EPI, EPC e procedimentos em situações
de emergência.
32.8.1.

32.8.1.1. A comprovação da capacitação deve ser mantida no local de
trabalho, à disposição da inspeção
do trabalho.
88

Capacitação
Ergonomia
Ocupacional
norma regulamentadora nº32
A NR-32 normatiza algo em relação à
ergonomia ocupacional?
A NR-32 não traz um capítulo exclusivo para tratar do risco ergonômico, mas
podemos encontrar diluído em outros
temas ações de prevenção relacionadas
a ele.
32.9.4. Os equipamentos e meios mecânicos utilizados para transporte devem ser submetidos periodicamente a
manutenção, de forma a conservar os
sistemas de rodízio em perfeito estado
de funcionamento.
32.9.5. Os dispositivos de ajuste dos
leitos devem ser submetidos a manutenção preventiva, assegurando a lubrificação permanente, de forma a garantir
sua operação sem sobrecarga para os
trabalhadores.
90

Ergonomia Ocupacional
32.10.1.

Os serviços de saúde devem:

• atender às condições de conforto relativas aos níveis de ruído previstas na
NB 95 da ABNT;
• atender às condições de iluminação
conforme NB 57 da ABNT;
• atender às condições de conforto
térmico previstas na RDC 50/02
da ANVISA;
• manter os ambientes de trabalho em
condições de limpeza e conservação.
32.10.9. Em todos os postos de trabalho
devem ser previstos dispositivos seguros
e com estabilidade que permitam aos
trabalhadores acessar locais altos, sem
esforço adicional.
Ergonomia Ocupacional

91
32.10.10. Nos procedimentos de movimentação e transporte de pacientes deve ser privilegiado o uso de
dispositivos que minimizem o esforço
realizado pelos trabalhadores.
32.10.11. O transporte de materiais
que possa comprometer a segurança e
a saúde do trabalhador deve ser efetuado com auxílio de meios mecânicos
ou eletromecânicos.
32.10.12. Os trabalhadores dos serviços
de saúde devem ser:

• capacitados para adotar mecânica
corporal correta, na movimentação de
pacientes ou de materiais, de forma a preservar a sua saúde e integridade física;
92

Ergonomia Ocupacional
• orientados nas medidas a serem
tomadas diante de pacientes com distúrbios de comportamento.
32.10.13. O ambiente onde são realizados procedimentos que provoquem odores fétidos devem ser providos de sistema de exaustão ou outro dispositivo que
os minimizem.

Ergonomia Ocupacional

93
Anexo e
Outras Referências
norma regulamentadora nº32
Para conhecer o texto completo da
NR-32, visite o site do COREN-SP:

www.coren-sp.gov.br
O Ministério do Trabalho e Emprego
publicou no site www.mte.gov.br o Guia
Técnico Riscos Biológicos do Ministério
do Trabalho e Emprego.
Anexo:
Ministério do Trabalho e Emprego
Gabinete do ministro
Portaria n.º 939, de 18 de novembro de 2008
(DOU de 19/11/08 – Seção 1 – pág. 238)

O ministro do trabalho e emprego,
no uso das atribuições que lhe confere
o artigo 87, parágrafo único, inciso II,
Anexo

95
da Constituição Federal, e os artigos
155, inciso I, e 200 da Consolidação
das Leis do Trabalho – CLT, aprovada
pelo Decreto-Lei n.º 5.452, de 1º de
maio de 1943, com a redação dada
pelo art. 1º da Lei n.º 6.514, de 22 de
dezembro de 1977, resolve:
Art. 1º –Publicar o cronograma previsto no item 32.2.4.16 da Norma Regulamentadora n.º 32 (NR-32), aprovada pela Portaria MTE n.º 485, de 11
de novembro de 2005, publicada na
Seção I do Diário Oficial da União de
16 de novembro de 2005, aprovado
pela Comissão Tripartite Permanente
Nacional da NR-32, conforme estabelecido abaixo:
I –06 meses para divulgação e treinamento; e
96

Anexo
II – 18 meses após o prazo concedido na alínea a para implementação e
adaptação de mercado.
Parágrafo único: Os empregadores devem promover a substituição dos materiais pérfuro-cortantes por outros com
dispositivo de segurança no prazo máximo de vinte e quatro meses a partir da
data de publicação desta Portaria.

Art. 2º – Aprovar e acrescentar os subitens 32.2.4.16.1 e 32.2.4.16.2 à NR-32,
que passarão a vigorar de acordo com os
prazos estabelecidos no cronograma do
art. 1º desta Portaria, com a seguinte
redação:
32.2.4.16.1. As empresas que produzem
ou comercializam materiais pérfurocortantes devem disponibilizar, para os
Anexo

97
trabalhadores dos serviços de saúde, capacitação sobre a correta utilização do
dispositivo de segurança.
32.2.4.16.2. O empregador deve assegurar, aos trabalhadores dos serviços de
saúde, a capacitação prevista no subitem 32.2.4.16.1.

Art. 3º – Esta Portaria entra em vigor
na data de sua publicação.

Carlos Lupi

98

Anexo
Sites e documentos relacionados consultados
e citados por este manual:
• www.saudepublica.bvs.br
• http://dtr2001.saude.gov.br/editora/produtos/
livros/pdf/04_0408_M.pdf
• www.anvisa.gov.br/reblas/diretrizes.pdf
• www.riscobiologico.org/resources/4888.pdf
• www.aids.gov.br/final/biblioteca/manual_
exposicao/manual_acidentes.doc
• www.anvisa.gov.br/hotsite/higienizacao_maos/
index.htm
• Agência Nacional de Vigilância Sanitária –
ANVISA, Curso Básico de Controle de Infecção
Hospitalar, Caderno C – Métodos de Proteção
Anti-Infecciosa – 2000.
www.anvisa.gov.br
•http://dtr2001.saude.gov.br/svs/imu/cries.htm
•Guia Técnico Riscos Biológicos do Ministério do
Trabalho e Emprego. www.mte.gov.br
Outras Referências

99

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Acidentes com perfurocortantes
Acidentes com perfurocortantesAcidentes com perfurocortantes
Acidentes com perfurocortantesRicardo Alanís
 
Biossegurança
BiossegurançaBiossegurança
Biossegurançaclinicansl
 
Análise de Riscos em um Ambiente Hospitalar
Análise de Riscos em um Ambiente HospitalarAnálise de Riscos em um Ambiente Hospitalar
Análise de Riscos em um Ambiente HospitalarEdmilson Pachêco
 
Slides nr-32-seguranca-e-saude-no-trabalho-em-servicos-de-saude
Slides nr-32-seguranca-e-saude-no-trabalho-em-servicos-de-saudeSlides nr-32-seguranca-e-saude-no-trabalho-em-servicos-de-saude
Slides nr-32-seguranca-e-saude-no-trabalho-em-servicos-de-saudeVeras Reis Reis
 
Doença Profissional e Doença do Trabalho
Doença Profissional e Doença do TrabalhoDoença Profissional e Doença do Trabalho
Doença Profissional e Doença do TrabalhoDay Vasconcellos
 
Nr 32 - Resumo da Norma Regulamentadora dos profissionais da saúde
Nr 32 - Resumo da Norma Regulamentadora dos profissionais da saúdeNr 32 - Resumo da Norma Regulamentadora dos profissionais da saúde
Nr 32 - Resumo da Norma Regulamentadora dos profissionais da saúdeRogério Eustáquio Dos Santos
 
Princípios de biossegurança pdf
Princípios de biossegurança pdfPrincípios de biossegurança pdf
Princípios de biossegurança pdfRherysonn Pantoja
 
Folder adorno zero com portaria
Folder adorno zero   com portariaFolder adorno zero   com portaria
Folder adorno zero com portariaAllanMorais14
 
SaúDe Do Trabalhador I Aula
SaúDe Do Trabalhador I AulaSaúDe Do Trabalhador I Aula
SaúDe Do Trabalhador I Aulacybelly
 
Biossegurança na enfermagem
Biossegurança na enfermagemBiossegurança na enfermagem
Biossegurança na enfermagemJuliana Maciel
 

Mais procurados (20)

Nr 32
Nr 32Nr 32
Nr 32
 
Introdução à Enfermagem do Trabalho
Introdução à Enfermagem do TrabalhoIntrodução à Enfermagem do Trabalho
Introdução à Enfermagem do Trabalho
 
Nr32
Nr32Nr32
Nr32
 
Acidentes com perfurocortantes
Acidentes com perfurocortantesAcidentes com perfurocortantes
Acidentes com perfurocortantes
 
Biossegurança
BiossegurançaBiossegurança
Biossegurança
 
nr-32.ppt
nr-32.pptnr-32.ppt
nr-32.ppt
 
Riscos Biológicos
Riscos BiológicosRiscos Biológicos
Riscos Biológicos
 
Biossegurança
BiossegurançaBiossegurança
Biossegurança
 
Biossegurança 1
Biossegurança 1Biossegurança 1
Biossegurança 1
 
Análise de Riscos em um Ambiente Hospitalar
Análise de Riscos em um Ambiente HospitalarAnálise de Riscos em um Ambiente Hospitalar
Análise de Riscos em um Ambiente Hospitalar
 
Nr – 32
Nr – 32Nr – 32
Nr – 32
 
Slides nr-32-seguranca-e-saude-no-trabalho-em-servicos-de-saude
Slides nr-32-seguranca-e-saude-no-trabalho-em-servicos-de-saudeSlides nr-32-seguranca-e-saude-no-trabalho-em-servicos-de-saude
Slides nr-32-seguranca-e-saude-no-trabalho-em-servicos-de-saude
 
Doença Profissional e Doença do Trabalho
Doença Profissional e Doença do TrabalhoDoença Profissional e Doença do Trabalho
Doença Profissional e Doença do Trabalho
 
biossegurança
biossegurançabiossegurança
biossegurança
 
Nr 32 - Resumo da Norma Regulamentadora dos profissionais da saúde
Nr 32 - Resumo da Norma Regulamentadora dos profissionais da saúdeNr 32 - Resumo da Norma Regulamentadora dos profissionais da saúde
Nr 32 - Resumo da Norma Regulamentadora dos profissionais da saúde
 
Princípios de biossegurança pdf
Princípios de biossegurança pdfPrincípios de biossegurança pdf
Princípios de biossegurança pdf
 
Biossegurança pdf
Biossegurança pdfBiossegurança pdf
Biossegurança pdf
 
Folder adorno zero com portaria
Folder adorno zero   com portariaFolder adorno zero   com portaria
Folder adorno zero com portaria
 
SaúDe Do Trabalhador I Aula
SaúDe Do Trabalhador I AulaSaúDe Do Trabalhador I Aula
SaúDe Do Trabalhador I Aula
 
Biossegurança na enfermagem
Biossegurança na enfermagemBiossegurança na enfermagem
Biossegurança na enfermagem
 

Destaque

44 biosseguranca - riscos e contencao
44 biosseguranca - riscos e contencao44 biosseguranca - riscos e contencao
44 biosseguranca - riscos e contencaoevandroFREITAS
 
Apostila de agentes fisicos
Apostila de agentes fisicosApostila de agentes fisicos
Apostila de agentes fisicosJota68
 
Aula 204 equipamentos de proteção individual - parte 2
Aula 204   equipamentos de proteção individual - parte 2Aula 204   equipamentos de proteção individual - parte 2
Aula 204 equipamentos de proteção individual - parte 2Alexandre Batista de Almeida
 
Aula 203 equipamentos de proteção individual - parte 1
Aula 203   equipamentos de proteção individual - parte 1Aula 203   equipamentos de proteção individual - parte 1
Aula 203 equipamentos de proteção individual - parte 1Alexandre Batista de Almeida
 
Normas segurança do trabalho NR 17-NR24
Normas segurança do trabalho NR 17-NR24Normas segurança do trabalho NR 17-NR24
Normas segurança do trabalho NR 17-NR24Karoline Tavares
 
2 curso-básico-de-segurança-e-higiene-ocupacional
2 curso-básico-de-segurança-e-higiene-ocupacional2 curso-básico-de-segurança-e-higiene-ocupacional
2 curso-básico-de-segurança-e-higiene-ocupacionalTais Helena
 
Programa de higiene ocupacional petros
Programa de higiene ocupacional petrosPrograma de higiene ocupacional petros
Programa de higiene ocupacional petrosPaulo H Bueno
 
Cipa
CipaCipa
Cipanms
 
Aula 204 Equipamentos de proteção individual - parte 2
Aula 204  Equipamentos de proteção individual - parte 2Aula 204  Equipamentos de proteção individual - parte 2
Aula 204 Equipamentos de proteção individual - parte 2Alexandre Batista de Almeida
 
Sinalização proteção coletiva e individual
Sinalização proteção coletiva e individualSinalização proteção coletiva e individual
Sinalização proteção coletiva e individualJoão Barreiros
 

Destaque (20)

44 biosseguranca - riscos e contencao
44 biosseguranca - riscos e contencao44 biosseguranca - riscos e contencao
44 biosseguranca - riscos e contencao
 
Aula 207 transporte - classes de risco
Aula 207   transporte - classes de riscoAula 207   transporte - classes de risco
Aula 207 transporte - classes de risco
 
Aula 205 armazenagem - parte II
Aula 205   armazenagem - parte IIAula 205   armazenagem - parte II
Aula 205 armazenagem - parte II
 
Apostila de agentes fisicos
Apostila de agentes fisicosApostila de agentes fisicos
Apostila de agentes fisicos
 
Aula 204 equipamentos de proteção individual - parte 2
Aula 204   equipamentos de proteção individual - parte 2Aula 204   equipamentos de proteção individual - parte 2
Aula 204 equipamentos de proteção individual - parte 2
 
Aula 003 risco químico - coleta
Aula 003   risco químico - coletaAula 003   risco químico - coleta
Aula 003 risco químico - coleta
 
Aula 205 armazenagem - parte I
Aula 205   armazenagem - parte IAula 205   armazenagem - parte I
Aula 205 armazenagem - parte I
 
Aula 002 risco químico - cilindros
Aula 002   risco químico - cilindrosAula 002   risco químico - cilindros
Aula 002 risco químico - cilindros
 
Aula 004 risco químico - limites de tolerancia
Aula 004   risco químico - limites de toleranciaAula 004   risco químico - limites de tolerancia
Aula 004 risco químico - limites de tolerancia
 
Aula 203 equipamentos de proteção individual - parte 1
Aula 203   equipamentos de proteção individual - parte 1Aula 203   equipamentos de proteção individual - parte 1
Aula 203 equipamentos de proteção individual - parte 1
 
Aula 206 transporte - legislação
Aula 206   transporte - legislaçãoAula 206   transporte - legislação
Aula 206 transporte - legislação
 
Normas segurança do trabalho NR 17-NR24
Normas segurança do trabalho NR 17-NR24Normas segurança do trabalho NR 17-NR24
Normas segurança do trabalho NR 17-NR24
 
Aula 201 manuseio de produtos químicos
Aula 201   manuseio de produtos químicosAula 201   manuseio de produtos químicos
Aula 201 manuseio de produtos químicos
 
2 curso-básico-de-segurança-e-higiene-ocupacional
2 curso-básico-de-segurança-e-higiene-ocupacional2 curso-básico-de-segurança-e-higiene-ocupacional
2 curso-básico-de-segurança-e-higiene-ocupacional
 
Programa de higiene ocupacional petros
Programa de higiene ocupacional petrosPrograma de higiene ocupacional petros
Programa de higiene ocupacional petros
 
Cipa
CipaCipa
Cipa
 
Cipa
CipaCipa
Cipa
 
Cipa apresentacao
Cipa apresentacaoCipa apresentacao
Cipa apresentacao
 
Aula 204 Equipamentos de proteção individual - parte 2
Aula 204  Equipamentos de proteção individual - parte 2Aula 204  Equipamentos de proteção individual - parte 2
Aula 204 Equipamentos de proteção individual - parte 2
 
Sinalização proteção coletiva e individual
Sinalização proteção coletiva e individualSinalização proteção coletiva e individual
Sinalização proteção coletiva e individual
 

Semelhante a Livreto nr32 Coren

NR-32 (atualizada 2011).pdf
NR-32 (atualizada 2011).pdfNR-32 (atualizada 2011).pdf
NR-32 (atualizada 2011).pdfAndrea491870
 
Aula NR32, Normaa regulamentadorAaaaaaaa
Aula NR32, Normaa regulamentadorAaaaaaaaAula NR32, Normaa regulamentadorAaaaaaaa
Aula NR32, Normaa regulamentadorAaaaaaaaenfcamila
 
22-Curso-NR-32.pdf
22-Curso-NR-32.pdf22-Curso-NR-32.pdf
22-Curso-NR-32.pdfKauanJusti1
 
2ª aula segurança do trabalho (1) (1)
2ª aula   segurança do trabalho (1) (1)2ª aula   segurança do trabalho (1) (1)
2ª aula segurança do trabalho (1) (1)graufinanceiro
 
Manual seguranca e_saude_no_trabalho
Manual seguranca e_saude_no_trabalhoManual seguranca e_saude_no_trabalho
Manual seguranca e_saude_no_trabalhoPedro Santos
 
Exercicios 28 09-2013 03 out
Exercicios 28 09-2013 03 outExercicios 28 09-2013 03 out
Exercicios 28 09-2013 03 outelizangelalily
 
ALUNOS_Biossegurança.pdf
ALUNOS_Biossegurança.pdfALUNOS_Biossegurança.pdf
ALUNOS_Biossegurança.pdfMarcosAugusto100
 
Saúde e segurança do trabalho para técnicos de enfermagem
Saúde e segurança do trabalho para técnicos de enfermagemSaúde e segurança do trabalho para técnicos de enfermagem
Saúde e segurança do trabalho para técnicos de enfermagemjanenfa95
 
BIOSSEGURANÇA.pptx
BIOSSEGURANÇA.pptxBIOSSEGURANÇA.pptx
BIOSSEGURANÇA.pptxMaryCosta54
 
biossegurana-230124163146-8728f8f8.pdf
biossegurana-230124163146-8728f8f8.pdfbiossegurana-230124163146-8728f8f8.pdf
biossegurana-230124163146-8728f8f8.pdfCleitonFernandes29
 
ACIDENTE DE TRABALHO.pptx saude do trabalhador
ACIDENTE DE TRABALHO.pptx saude do trabalhadorACIDENTE DE TRABALHO.pptx saude do trabalhador
ACIDENTE DE TRABALHO.pptx saude do trabalhadorAnielleAlvesMarchesi
 
COMPLETA _Doença Profissional e Doença do Trabalho - Copia.pptx
COMPLETA _Doença Profissional e Doença do Trabalho - Copia.pptxCOMPLETA _Doença Profissional e Doença do Trabalho - Copia.pptx
COMPLETA _Doença Profissional e Doença do Trabalho - Copia.pptxSandraoliveira116913
 

Semelhante a Livreto nr32 Coren (20)

Livreto nr32 0
Livreto nr32 0Livreto nr32 0
Livreto nr32 0
 
Nr32 resumo
Nr32 resumoNr32 resumo
Nr32 resumo
 
NR32.pptx
NR32.pptxNR32.pptx
NR32.pptx
 
Treinamento de NR 32.ppt
Treinamento de NR 32.pptTreinamento de NR 32.ppt
Treinamento de NR 32.ppt
 
Treinamento de NR 32.ppt
Treinamento de NR 32.pptTreinamento de NR 32.ppt
Treinamento de NR 32.ppt
 
NR-32 (atualizada 2011).pdf
NR-32 (atualizada 2011).pdfNR-32 (atualizada 2011).pdf
NR-32 (atualizada 2011).pdf
 
Nr 32
Nr 32Nr 32
Nr 32
 
Aula NR32, Normaa regulamentadorAaaaaaaa
Aula NR32, Normaa regulamentadorAaaaaaaaAula NR32, Normaa regulamentadorAaaaaaaa
Aula NR32, Normaa regulamentadorAaaaaaaa
 
adornos - NR 32.pptx
adornos - NR 32.pptxadornos - NR 32.pptx
adornos - NR 32.pptx
 
22-Curso-NR-32.pdf
22-Curso-NR-32.pdf22-Curso-NR-32.pdf
22-Curso-NR-32.pdf
 
nr-32.ppt
nr-32.pptnr-32.ppt
nr-32.ppt
 
2ª aula segurança do trabalho (1) (1)
2ª aula   segurança do trabalho (1) (1)2ª aula   segurança do trabalho (1) (1)
2ª aula segurança do trabalho (1) (1)
 
Manual seguranca e_saude_no_trabalho
Manual seguranca e_saude_no_trabalhoManual seguranca e_saude_no_trabalho
Manual seguranca e_saude_no_trabalho
 
Exercicios 28 09-2013 03 out
Exercicios 28 09-2013 03 outExercicios 28 09-2013 03 out
Exercicios 28 09-2013 03 out
 
ALUNOS_Biossegurança.pdf
ALUNOS_Biossegurança.pdfALUNOS_Biossegurança.pdf
ALUNOS_Biossegurança.pdf
 
Saúde e segurança do trabalho para técnicos de enfermagem
Saúde e segurança do trabalho para técnicos de enfermagemSaúde e segurança do trabalho para técnicos de enfermagem
Saúde e segurança do trabalho para técnicos de enfermagem
 
BIOSSEGURANÇA.pptx
BIOSSEGURANÇA.pptxBIOSSEGURANÇA.pptx
BIOSSEGURANÇA.pptx
 
biossegurana-230124163146-8728f8f8.pdf
biossegurana-230124163146-8728f8f8.pdfbiossegurana-230124163146-8728f8f8.pdf
biossegurana-230124163146-8728f8f8.pdf
 
ACIDENTE DE TRABALHO.pptx saude do trabalhador
ACIDENTE DE TRABALHO.pptx saude do trabalhadorACIDENTE DE TRABALHO.pptx saude do trabalhador
ACIDENTE DE TRABALHO.pptx saude do trabalhador
 
COMPLETA _Doença Profissional e Doença do Trabalho - Copia.pptx
COMPLETA _Doença Profissional e Doença do Trabalho - Copia.pptxCOMPLETA _Doença Profissional e Doença do Trabalho - Copia.pptx
COMPLETA _Doença Profissional e Doença do Trabalho - Copia.pptx
 

Mais de Letícia Spina Tapia

Manual de orientação nutricional enteral em domicilio - Nestle
Manual de orientação nutricional enteral em domicilio - NestleManual de orientação nutricional enteral em domicilio - Nestle
Manual de orientação nutricional enteral em domicilio - NestleLetícia Spina Tapia
 
Manual do paciente em terapia nutricional enteral domiciliar
Manual do paciente em terapia nutricional enteral domiciliarManual do paciente em terapia nutricional enteral domiciliar
Manual do paciente em terapia nutricional enteral domiciliarLetícia Spina Tapia
 
Manual Nutrição Enteral Domiciliar - Unicamp
Manual Nutrição Enteral Domiciliar - UnicampManual Nutrição Enteral Domiciliar - Unicamp
Manual Nutrição Enteral Domiciliar - UnicampLetícia Spina Tapia
 
Protocolo clinico de proteção da criança
Protocolo clinico de proteção da criançaProtocolo clinico de proteção da criança
Protocolo clinico de proteção da criançaLetícia Spina Tapia
 
Caderno Ministério da Saúde - Saúde da Criança 2012
Caderno Ministério da  Saúde - Saúde da Criança 2012Caderno Ministério da  Saúde - Saúde da Criança 2012
Caderno Ministério da Saúde - Saúde da Criança 2012Letícia Spina Tapia
 
Livro de receitas - Vencendo a Desnutrição na Criança
Livro de receitas - Vencendo a Desnutrição na CriançaLivro de receitas - Vencendo a Desnutrição na Criança
Livro de receitas - Vencendo a Desnutrição na CriançaLetícia Spina Tapia
 
Dicas para facilitar seu trabalho de parto
Dicas para facilitar seu trabalho de partoDicas para facilitar seu trabalho de parto
Dicas para facilitar seu trabalho de partoLetícia Spina Tapia
 
Caderneta de saúde do adolescente
Caderneta de saúde do adolescenteCaderneta de saúde do adolescente
Caderneta de saúde do adolescenteLetícia Spina Tapia
 
Cadernenta de saúde da criança - menina
Cadernenta de saúde da criança - meninaCadernenta de saúde da criança - menina
Cadernenta de saúde da criança - meninaLetícia Spina Tapia
 
Além da sobrevivencia - praticas integradas de atenção ao parto
Além da sobrevivencia - praticas integradas de atenção ao partoAlém da sobrevivencia - praticas integradas de atenção ao parto
Além da sobrevivencia - praticas integradas de atenção ao partoLetícia Spina Tapia
 
CaderNenta de saúde da criança - menino
CaderNenta de saúde da criança - meninoCaderNenta de saúde da criança - menino
CaderNenta de saúde da criança - meninoLetícia Spina Tapia
 
Atenção integrada às doenças prevalentes na infância
Atenção integrada às doenças prevalentes na infânciaAtenção integrada às doenças prevalentes na infância
Atenção integrada às doenças prevalentes na infânciaLetícia Spina Tapia
 
Dez passos para uma alimentação saudável para crianças brasileiras menores de...
Dez passos para uma alimentação saudável para crianças brasileiras menores de...Dez passos para uma alimentação saudável para crianças brasileiras menores de...
Dez passos para uma alimentação saudável para crianças brasileiras menores de...Letícia Spina Tapia
 
Programa de Formação de Professores em Educação Infantil
Programa de Formação de Professores em Educação InfantilPrograma de Formação de Professores em Educação Infantil
Programa de Formação de Professores em Educação InfantilLetícia Spina Tapia
 
Manual de Prevenção de Acidentes e Primeiros Socorros nas Escolas
Manual de Prevenção de Acidentes e Primeiros Socorros nas EscolasManual de Prevenção de Acidentes e Primeiros Socorros nas Escolas
Manual de Prevenção de Acidentes e Primeiros Socorros nas EscolasLetícia Spina Tapia
 
ORIENTAÇÕES DA VIGILÂNCIA SANITÁRIA PARA INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO INFANTIL
ORIENTAÇÕES DA VIGILÂNCIA SANITÁRIA PARA INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO INFANTILORIENTAÇÕES DA VIGILÂNCIA SANITÁRIA PARA INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO INFANTIL
ORIENTAÇÕES DA VIGILÂNCIA SANITÁRIA PARA INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO INFANTILLetícia Spina Tapia
 

Mais de Letícia Spina Tapia (20)

Manual de orientação nutricional enteral em domicilio - Nestle
Manual de orientação nutricional enteral em domicilio - NestleManual de orientação nutricional enteral em domicilio - Nestle
Manual de orientação nutricional enteral em domicilio - Nestle
 
Manual do paciente em terapia nutricional enteral domiciliar
Manual do paciente em terapia nutricional enteral domiciliarManual do paciente em terapia nutricional enteral domiciliar
Manual do paciente em terapia nutricional enteral domiciliar
 
Manual Nutrição Enteral Domiciliar - Unicamp
Manual Nutrição Enteral Domiciliar - UnicampManual Nutrição Enteral Domiciliar - Unicamp
Manual Nutrição Enteral Domiciliar - Unicamp
 
Saberes e Práticas da Inclusão
Saberes e Práticas da InclusãoSaberes e Práticas da Inclusão
Saberes e Práticas da Inclusão
 
Protocolo clinico de proteção da criança
Protocolo clinico de proteção da criançaProtocolo clinico de proteção da criança
Protocolo clinico de proteção da criança
 
Caderno Ministério da Saúde - Saúde da Criança 2012
Caderno Ministério da  Saúde - Saúde da Criança 2012Caderno Ministério da  Saúde - Saúde da Criança 2012
Caderno Ministério da Saúde - Saúde da Criança 2012
 
Livro de receitas - Vencendo a Desnutrição na Criança
Livro de receitas - Vencendo a Desnutrição na CriançaLivro de receitas - Vencendo a Desnutrição na Criança
Livro de receitas - Vencendo a Desnutrição na Criança
 
Posições do parto
Posições do partoPosições do parto
Posições do parto
 
Posições do parto
Posições do partoPosições do parto
Posições do parto
 
Gravidez parto e nascimento
Gravidez parto e nascimentoGravidez parto e nascimento
Gravidez parto e nascimento
 
Dicas para facilitar seu trabalho de parto
Dicas para facilitar seu trabalho de partoDicas para facilitar seu trabalho de parto
Dicas para facilitar seu trabalho de parto
 
Caderneta de saúde do adolescente
Caderneta de saúde do adolescenteCaderneta de saúde do adolescente
Caderneta de saúde do adolescente
 
Cadernenta de saúde da criança - menina
Cadernenta de saúde da criança - meninaCadernenta de saúde da criança - menina
Cadernenta de saúde da criança - menina
 
Além da sobrevivencia - praticas integradas de atenção ao parto
Além da sobrevivencia - praticas integradas de atenção ao partoAlém da sobrevivencia - praticas integradas de atenção ao parto
Além da sobrevivencia - praticas integradas de atenção ao parto
 
CaderNenta de saúde da criança - menino
CaderNenta de saúde da criança - meninoCaderNenta de saúde da criança - menino
CaderNenta de saúde da criança - menino
 
Atenção integrada às doenças prevalentes na infância
Atenção integrada às doenças prevalentes na infânciaAtenção integrada às doenças prevalentes na infância
Atenção integrada às doenças prevalentes na infância
 
Dez passos para uma alimentação saudável para crianças brasileiras menores de...
Dez passos para uma alimentação saudável para crianças brasileiras menores de...Dez passos para uma alimentação saudável para crianças brasileiras menores de...
Dez passos para uma alimentação saudável para crianças brasileiras menores de...
 
Programa de Formação de Professores em Educação Infantil
Programa de Formação de Professores em Educação InfantilPrograma de Formação de Professores em Educação Infantil
Programa de Formação de Professores em Educação Infantil
 
Manual de Prevenção de Acidentes e Primeiros Socorros nas Escolas
Manual de Prevenção de Acidentes e Primeiros Socorros nas EscolasManual de Prevenção de Acidentes e Primeiros Socorros nas Escolas
Manual de Prevenção de Acidentes e Primeiros Socorros nas Escolas
 
ORIENTAÇÕES DA VIGILÂNCIA SANITÁRIA PARA INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO INFANTIL
ORIENTAÇÕES DA VIGILÂNCIA SANITÁRIA PARA INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO INFANTILORIENTAÇÕES DA VIGILÂNCIA SANITÁRIA PARA INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO INFANTIL
ORIENTAÇÕES DA VIGILÂNCIA SANITÁRIA PARA INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO INFANTIL
 

Livreto nr32 Coren

  • 1.
  • 2. Índice NR32 02 Risco Biólogico 09 Risco Químico 25 Risco Quimioterápico 28 Risco com Gases Medicinais 40 Risco com Radiação 45 Risco com Resíduos 62 Risco com Refeições 69 Capacitação 73 Ergonomia Ocupacional 89 Anexo e Outras Referências 94
  • 4. Norma regulamentadora nº 32 ou NR-32: O que é? É uma legislação do Ministério do Trabalho e Emprego que estabelece medidas para proteger a segurança e a saúde dos trabalhadores de saúde em qualquer serviço de saúde inclusive os que trabalham nas escolas, ensinando ou pesquisando. Seu objetivo é prevenir os acidentes e o adoecimento causado pelo trabalho nos profissionais da saúde, eliminando ou controlando as condições de risco presentes nos Serviços de Saúde. Ela recomenda para cada situação de risco a adoção de medidas preventivas e a capacitação dos trabalhadores para o trabalho seguro. Introdução - NR-32 3
  • 5. Esta norma não desobriga as empresas do cumprimento de outras disposições que, com relação à matéria, sejam incluídas em códigos ou regulamentos sanitários dos Estados, Municípios e do Distrito Federal, e outras oriundas de convenções e acordos coletivos de trabalho, ou constantes nas demais NR’s e legislação federal pertinente à matéria. A quem a norma atinge? Atinge não só os empregados próprios do Serviço de Saúde como também os empregados das empresas terceirizadas, cooperativas, prestadoras de serviço, enfim a todos os que trabalham na área de saúde. 4 NR-32 - Introdução
  • 6. A NR-32 dispõe que a responsabilidade é solidária (ou seja, compartilhada) entre contratantes e contratados quanto ao seu cumprimento. A definição de serviço de saúde incorpora o conceito de edificação. Assim, todos os trabalhadores que exerçam atividades nestas edificações, relacionadas ou não com a promoção e assistência à saúde, são abrangidos pela norma. Por exemplo, atividade de limpeza, lavanderia, reforma e manutenção. Importante para a sua aplicação é a participação dos trabalhadores, através das Comissões Institucionais de caráter legal e técnico, entre as quais, a CIPA Introdução - NR-32 5
  • 7. (instituições privadas); COMSAT’S (instituições públicas), SESMT (Serviço Especializado em Engenharia e Segurança do Trabalho) e a CCIH (Comissão de Controle e Infecção Hospitalar), além dos eventos específicos, como as Semanas Internas de Prevenção de Acidentes de Trabalho – SIPAT’s. O descumprimento de normas de segurança e medicina do trabalho poderá provocar a aplicação e o pagamento de multa imposta por auditores fiscais do trabalho e da vigilância sanitária do trabalho. Sobre a rotina do trabalho da enfermagem, do que a norma trata? A NR-32 abrange as situações de exposição aos diversos agentes de risco 6 NR-32 - Introdução
  • 8. presentes no ambiente de trabalho, como os agentes de risco biológico; os agentes de risco químico; os agentes de risco físico com destaque para as radiações ionizantes; os agentes de risco ergonômico. Quais outras situações de interesse? A NR-32 abrange ainda a questão da obrigatoriedade da vacinação do profissional de enfermagem (tétano, difteria, hepatite B e o que mais estiver contido no PCMSO), com reforços e sorologia de controle pertinentes, conforme recomendação do Ministério da Saúde, devidamente registrada em prontuário funcional com comprovante ao trabalhador. Introdução - NR-32 7
  • 9. O profissional de enfermagem deve atender a convocação para receber as vacinas, elas são importantes para a prevenção de moléstias infecciosas que poderão estar presentes no ambiente de trabalho. Determina ainda algumas situações na questão de vestuário e vestiários, refeitórios, resíduos, capacitação contínua e permanente na área específica de atuação, entre outras não menos importantes. 8 NR-32 - Introdução
  • 11. O que a norma determina em relação ao risco biológico? Considera como risco biológico a probabilidade da exposição ocupacional a agentes biológicos (microrganismos, geneticamente modificados ou não; as culturas de células; os parasitas; as toxinas e os príons). Em relação aos acidentes pérfurocortantes os profissionais de enfermagem são os trabalhadores mais expostos, porque: • é a maior categoria nos serviços de saúde; • tem contato direto na assistência aos pacientes; 10 Risco Biólgico
  • 12. • pelo tipo e a frequência das tarefas realizadas. A gravidade dos acidentes com pérfuro-cortante está em que ele pode ser a porta de entrada de doenças infecciosas graves e letais como a Hepatite B e C e a AIDS. 32.2.4.15. São vedados o reencape e a desconexão manual de agulhas. O objetivo deste item é o de diminuir a ocorrência dos acidentes com agulhas. Estudos nacionais e internacionais relatam que práticas de risco são Risco Biólgico 11
  • 13. responsáveis por parte significativa da ocorrência de acidentes de trabalho com pérfuro-cortantes. Nesses estudos, a prática de reencapar agulhas foi responsável por 15 a 35% desses acidentes. Estudo em hospital universitário da cidade de São Paulo evidenciou que o reencape manual de agulhas foi responsável por 13,7% dos acidentes com agulhas. Os ferimentos com pérfuro-cortantes estão primariamente associados à transmissão ocupacional dos vírus da hepatite B (HBV), hepatite C (HCV) e HIV. Após um acidente com agulha contaminada com o agente, estima-se que o risco de contaminação com o vírus da hepatite B (HBV) é de 6 a 30%, com o vírus da hepatite C (HCV) é de 12 Risco Biólgico
  • 14. 0,5 a 2%, e com o vírus da AIDS (HIV) é de 0,3 a 0,4%. A frequência de exposições é maior entre, auxiliares e técnicos de enfermagem, quando comparados a profissionais de nível superior. Entre 30 a 35% dos casos das exposições percutâneas estão associados à retirada de sangue ou de punção venosa periférica. Entre 60 e 80% das exposições ocorrem após a realização do procedimento e podem ser evitadas com as práticas de precauções padrão e com o uso sistemático de dispositivos de segurança. Risco Biólgico 13
  • 15. Como a norma trata a questão do risco biológico? A NR-32 determina (em seus artigos normatizadores) que: Os trabalhadores com feridas ou lesões nos membros superiores só podem iniciar suas atividades após avaliação médica obrigatória com emissão de documento de liberação para o trabalho. 32.2.4.4. 32.2.4.5. O empregador deve vedar: • a utilização de pias de trabalho para fins diversos dos previstos; 14 Risco Biólgico
  • 16. • o ato de fumar, o uso de adornos e o manuseio de lentes de contato nos postos de trabalho, o consumo de alimentos e bebidas nos postos de trabalho; • a guarda de alimentos em locais não destinados para este fim; • o uso de calçados abertos. Devem ser entendidos como postos de trabalho os locais onde o trabalhador efetivamente realiza suas atividades. O empregador pode disponibilizar ambientes próximos aos postos de trabalho, para a realização de refeições complementares. Estes ambientes devem Risco Biólgico 15
  • 17. obedecer aos requisitos mínimos estabelecidos no item 32.6.2. A proibição do uso de adornos deve ser observada para todo trabalhador do serviço de saúde, bem como daqueles que exercem atividades de promoção e assistência à saúde exposto ao agente biológico, independente da sua função. O PPRA deve descrever as funções e os locais de trabalho onde haja exposição ao agente biológico, conforme previsto no item 32.2.2.1. São exemplos de adornos: alianças e anéis, pulseiras, relógios de uso pessoal, colares, brincos, broches, piercings 16 Risco Biólgico
  • 18. expostos. Esta proibição estende-se a crachás pendurados com cordão e gravatas. Entende-se por calçado aberto aquele que proporciona exposição da região do calcâneo (calcanhar), do dorso (peito) ou das laterais do pé. Esta proibição aplica-se aos trabalhadores do serviço de saúde, bem como daqueles que exercem atividades de promoção e assistência à saúde potencialmente expostos, conforme definido no PPRA. O PPRA deverá indicar as características dos calçados a serem utilizados nos diversos postos de trabalho. A proibição do uso de calçados abertos Risco Biólgico 17
  • 19. implica no fornecimento gratuito, pelo empregador, dos calçados fechados conforme definidos no PPRA. 32.2.4.6. Todos os trabalhadores com possibilidade de exposição a agentes biológicos devem utilizar vestimenta de trabalho adequada e em condições de conforto. 18 Risco Biólgico
  • 20. A vestimenta deve ser fornecida sem ônus para o empregado. 32.2.4.6.1. As vestimentas são os trajes de trabalho, que devem ser fornecidos pelo empregador, podendo compreender o traje completo ou algumas peças, como aventais, jalecos e capotes. O PPRA deve definir a vestimenta mais apropriada a cada situação. Em todos os casos, a vestimenta fornecida deverá atender a condições mínimas de conforto, especialmente o conforto térmico. Os trabalhadores não devem deixar o local de trabalho com os 32.2.4.6.2. Risco Biólgico 19
  • 21. equipamentos de proteção individual e as vestimentas utilizadas em suas atividades laborais. 32.2.4.6.3. O empregador deve providenciar locais apropriados para fornecimento de vestimentas limpas e para deposição das usadas. 32.2.4.6.4. A higienização das vestimentas utilizadas nos centros cirúrgicos e obstétricos, serviços de tratamento intensivo, unidades de pacientes com doenças infecto-contagiosas e quando houver contato direto da vestimenta com material orgânico, deve ser de responsabilidade do empregador. 20 Risco Biólgico
  • 22. 32.2.4.7. Os Equipamentos de Proteção Individual – EPI, descartáveis ou não, deverão estar à disposição, em número suficiente, nos postos de trabalho, de forma que seja garantido o imediato fornecimento ou reposição.Atenção: Comunique qualquer acidente de trabalho exigindo a abertura da comunicação de acidente de trabalho – CAT – por menor que seja o acidente, mesmo não havendo afastamento do trabalho. Pratique as precauções padrão, use sempre os equipamentos de proteção. Para atendimento às doenças infecciosas ou lesões com secreção abundante pratique as precauções adicionais indicadas, peça orientação a CCIH. Risco Biólgico 21
  • 23. As máscaras de proteção devem ser individuais e específicas aos agentes presentes (consulte a CCIH). Exija uma só para você. 32.2.4.14. Os trabalhadores que utilizarem objetos pérfuro-cortantes devem ser os responsáveis pelo seu descarte. 22 Risco Biólgico
  • 24. Descarte as agulhas e outros materiais pérfuro-cortantes, sem reencapar, dentro da caixa apropriada, obedecendo ao limite de enchimento. O processo de trabalho, durante a utilização de objetos com características pérfuro-cortantes, deve ser considerado como finalizado somente após o descarte seguro dos mesmos. Estudos demonstram que 41% dos acidentes ocorrem após o uso e antes do descarte, 39% durante o uso do produto e 16% após o descarte. Risco Biólgico 23
  • 25. Desta forma, 80% dos acidentes ocorrem sob a responsabilidade do profissional que está realizando o procedimento. O objetivo deste item, portanto, é contribuir para a diminuição dessa taxa ao exigir que o descarte imediato de pérfuro-cortantes seja realizado exclusivamente pelos trabalhadores do serviço de saúde, bem como daqueles que exercem atividades de promoção e assistência à saúde envolvidos no procedimento. Ressalte-se que o descarte deve ser feito em recipiente apropriado e situado o mais próximo possível do local onde o procedimento é executado. 24 Risco Biólgico
  • 27. E quanto aos riscos químicos? Como vai funcionar? Esta situação compreende a exposição aos agentes químicos presentes no local de trabalho. Consideram-se agentes químicos, substâncias, compostos ou produtos químicos em suas diversas formas de apresentação: líquida, sólida, plasma, vapor, poeira, névoa, neblina, gasosa e fumo. As vias de entrada do agente químico no organismo são: digestiva, respiratória, mucosa, parenteral e cutânea. A NR-32 aborda esta situação nos seguintes itens: 26 Risco Químico
  • 28. 32.3.1. Deve ser mantida a rotulagem do fabricante na embalagem original dos produtos químicos utilizados em serviços de saúde. 32.3.2. Todo recipiente contendo produto químico manipulado ou fracionado deve ser identificado, de forma legível, por etiqueta com o nome do produto, composição química, sua concentração, data de envase e de validade e nome do responsável pela manipulação ou fracionamento. 32.3.3. É vedado o procedimento de reutilização das embalagens de produtos químicos. Risco Químico 27
  • 30. O que a NR-32 diz sobre o trabalho com quimioterápicos antineoplásicos? No capítulo dos riscos químicos o destaque está na proteção ao trabalhador que manuseia as substâncias quimioterápicas antineoplásicas. 32.3.9.4.9.1. Com relação aos quimioterápicos, entende-se por acidente: ambiental: contaminação do ambiente devido à saída do medicamento do envase no qual esteja acondicionado, seja por derramamento ou por aerodispersóides sólidos ou líquidos; pessoal: contaminação gerada por contato ou inalação dos medicamentos Risco Quimioterápico 29
  • 31. da terapia quimioterápica antineoplásica em qualquer das etapas do processo. Para que não ocorram acidentes é necessário observar as recomendações contidas nos itens da NR-32 e na Resolução RDC no 220, de 21 de setembro de 2004 da Agência Nacional de Vigilância Sanitária – ANVISA. 32.3.9.4.6. Com relação aos quimioterápicos antineoplásicos, compete ao empregador: • proibir fumar, comer ou beber, bem como portar adornos ou maquiar-se; • afastar das atividades as trabalhadoras gestantes e nutrizes; 30 Risco Quimioterápico
  • 32. • proibir que os trabalhadores expostos realizem atividades com possibilidade de exposição aos agentes ionizantes; • fornecer aos trabalhadores avental confeccionado em material impermeável, com frente resistente e fechado nas costas, manga comprida e punho justo, quando do seu preparo e administração; • fornecer aos trabalhadores dispositivos de segurança que minimizem a geração de aerossóis e a ocorrência de acidentes durante a manipulação e administração; • fornecer aos trabalhadores dispositivos de segurança para a prevenção de acidentes durante o transporte. Risco Quimioterápico 31
  • 33. Além do cumprimento do disposto na legislação vigente, os Equipamentos de Proteção Individual– EPI devem atender às seguintes exigências: 32.3.9.4.7. • ser avaliados diariamente quanto ao estado de conservação e segurança; • estar armazenados em locais de fácil acesso e em quantidade suficiente para imediata substituição; • segundo as exigências do procedimento ou em caso de contaminação ou dano. 32 Risco Quimioterápico
  • 34. O que é proibido a quem trabalha com quimioterápicos antineoplásicos? 32.3.9.4.8. Com relação aos quimioterá- picos antineoplásicos é vedado: • iniciar qualquer atividade na falta de EPI; • dar continuidade às atividades de manipulação quando ocorrer qualquer interrupção do funcionamento da cabine de segurança biológica. Quais as regras em relação ao local de preparo de quimioterápicos antineoplásicos? Segundo a recomendação da ANVISA – RDC 220: Risco Quimioterápico 33
  • 35. 7.2. Quando o STA contar com farmácia própria, esta deve atender os seguintes requisitos mínimos: Área destinada à paramentação: provida de lavatório para higienização das mãos. 7.2.1. Sala exclusiva para a preparação de medicamentos para TA, com área mínima de 5 (cinco) m2 por cabine de segurança biológica. 7.2.2. 7.2.2.1. Cabine de Segurança Biológica (CSB) Classe II B2 que deve ser instalada seguindo as orientações contidas na RDC/ANVISA n° 50, de 21/02/2002. 34 Risco Quimioterápico
  • 36. Área de armazenamento exclusiva para estocagem de medicamentos específicos da TA. 7.2.3. Todos os equipamentos devem ser submetidos à manutenção preventiva e corretiva, de acordo com um programa formal, obedecendo às especificações do manual do fabricante. 7.3. Deve existir registro por escrito das manutenções preventivas e corretivas realizadas. 7.3.1. As etiquetas com datas referentes à última e à próxima verificação devem estar afixadas nos equipamentos. 7.3.2. Risco Quimioterápico 35
  • 37. Importante: 32.3.9.4.9.3. Nas áreas de preparação, armazenamento e administração e para o transporte, deve ser mantido um kit de derramamento identificado e disponível, que deve conter no mínimo: luvas de procedimento, avental impermeável, compressas absorventes, proteção respiratória, proteção ocular, sabão, recipiente identificado para recolhimento de resíduos e descrição do procedimento. O que fazer em caso de acidentes no manuseio de quimioterápicos antineoplásicos? ANEXO V Da recomendação da 36 Risco Quimioterápico
  • 38. ANVISA – RDC 220: 1.4. Em caso de Acidente: 1.4.1. Todos os acidentes devem ser registrados em formulário específico. 1.4.2. Pessoal: O vestuário deve ser removido imediatamente quando houver contaminação. 1.4.2.1. As áreas da pele atingidas devem ser lavadas com água e sabão. 1.4.2.2. Quando da contaminação dos olhos ou outras mucosas, lavar com água ou solução isotônica em abundância, providenciar acompanhamento médico. 1.4.2.3. Risco Quimioterápico 37
  • 39. 1.4.3. Na Cabine: Promover a descontaminação de toda a superfície interna da cabine. 1.4.3.1. 1.4.3.2. Em caso de contaminação direta da superfície do filtro HEPA, a cabine deverá ser isolada até a substituição do filtro. 1.4.4. Ambiental: 1.4.4.1. O responsável pela desconta- minação deve paramentar-se antes de iniciar o procedimento. A área do derramamento, após identificação e restrição de acesso, deve ser limitada com compressas absorventes. 1.4.4.2. 38 Risco Quimioterápico
  • 40. Os pós devem ser recolhidos com compressa absorvente umedecida. 1.4.4.3. 1.4.4.4. Os líquidos devem ser recolhidos com compressas absorventes secas. 1.4.4.5. A área deve ser limpa com água e sabão em abundância. 1.4.4.6. Quando da existência de fragmentos, estes devem ser recolhidos e descartados conforme RDC/ ANVISA nº 33, de 25/02/2003, suas atualizações ou outro instrumento que venha substituí-la. Risco Quimioterápico 39
  • 41. Risco com Gases Medicinais norma regulamentadora nº32
  • 42. E a questão dos gases e vapores anestésicos? Toda trabalhadora gestante só será liberada para o trabalho em áreas com possibilidade de exposição a gases ou vapores anestésicos, após autorização por escrito do médico responsável pelo PCMSO, considerando as informações contidas no PPRA. 32.3.9.3.4. Observar com rigor as recomendações e legislações vigentes, disponibilizadas em português aos trabalhadores. É proibida a utilização de equipamentos sem manutenção corretiva e preventiva, devendo existir a verificação programada de cilindros de gases, Risco com Gases Medicinais 41
  • 43. conectores, conexões, mangueiras, balões, traquéias, válvulas, aparelho de anestesia e máscaras faciais para ventilação pulmonar. Todas as informações devem estar disponíveis aos trabalhadores expostos. Locais com gases e vapores anestésicos devem ser providos de ventilação e exaustão adequados. A enfermagem deve manusear cilindros de gases medicinais? Não cabe ao profissional de Enfermagem o manuseio e/ou transporte de cilindros de gases medicinais, com exceção dos portáteis, quando 42 Risco com Gases Medicinais
  • 44. utilizados no transporte de pacientes ou reposição. É proibido: • Utilização de equipamento com vazamentos de gás. • Utilização de equipamento sem identificação e válvula de segurança. • Movimentação de cilindros sem EPIs adequados. • Contato de óleos, graxas ou materiais orgânicos similares com gases oxidantes. • Utilização de cilindros sem válvula de retenção ou impedimento de fluxo reverso. Risco com Gases Medicinais 43
  • 45. • Transferir gases de um cilindro para outro. • Transportar cilindros soltos em posição horizontal e sem capacete. Observações: • deve haver sinalização ampla, visível e haver placa de informações com o nome das pessoas autorizadas e treinadas para operação e manutenção do sistema; • procedimentos de emergência; • número do telefone de emergência; • sinalização de perigo. 44 Risco com Gases Medicinais
  • 47. E o trabalhador que tem contato com radiações ionizantes (raios X, entre outras)? A radiação ionizante é um risco físico. Considera-se risco físico a probabilidade de exposição a agentes físicos, que são as diversas formas de energia a que possam estar expostos os trabalhadores, tais como ruído, vibração, pressão anormal, iluminação, temperatura extrema, radiações ionizantes e não-ionizantes. A NR-32 destaca dentre os riscos físicos, a exposição às radiações ionizantes. Para os trabalhadores que executam suas atividades expostos à radiação ionizante, destacamos dentre outros, os itens: 46 Risco com Radiação
  • 48. 32.4.2. É obrigatório manter no local de trabalho e à disposição da inspeção do trabalho, o Plano de Proteção Radiológica – PPR, aprovado pelo CNEN, e para os serviços de radiodiagnóstico aprovado pela Vigilância Sanitária. 32.4.2.1. O Plano de Proteção Radiológica deve: • estar dentro do prazo de vigência; • identificar o profissional responsável e seu substituto eventual como membros efetivos da equipe de trabalho do serviço; • fazer parte do PPRA do estabelecimento; Risco com Radiação 47
  • 49. • ser considerado na elaboração e implementação do PCMSO; • ser apresentado na CIPA, quando existente na empresa, sendo sua cópia anexada às atas desta comissão. A sala de raios X deve dispor de: • sinalização visível na face exterior das portas de acesso, contendo o símbolo internacional de radiação ionizante, acompanhado das inscrições: raios X, entrada restrita ou raios X, entrada proibida a pessoas não autorizadas. • sinalização luminosa vermelha acima da face externa da porta de acesso, acompanhada do seguinte 48 Risco com Radiação
  • 50. aviso de advertência: quando a luz vermelha estiver acesa, a entrada é proibida; • a sinalização luminosa deve ser acionada durante os procedimentos radiológicos. • as portas de acesso das salas com equipamentos de raios X fixos devem ser mantidas fechadas durante as exposições; • não é permitida a instalação de mais de um equipamento de raios X por sala. A câmara escura deve dispor de: • sistema de exaustão de ar localizado; • pia com torneira. Risco com Radiação 49
  • 51. Todo equipamento de radiodiagnóstico médico deve possuir diafragma e colimador em condições de funcionamento para tomada radiográfica. Os equipamentos móveis devem ter um cabo disparador com um comprimento mínimo de 2 metros. Deverão permanecer no local do procedimento radiológico somente o paciente e a equipe necessária. A cabine de comando deve ser posicionada de forma a: • permitir ao operador, na posição de disparo, eficaz comunicação e observação visual do paciente; 50 Risco com Radiação
  • 52. • permitir que o operador visualize a entrada de qualquer pessoa durante o procedimento radiológico. Qual deve ser a postura de quem trabalha próximo às radiações? 32.4.3. O trabalhador que realiza atividades em áreas onde existam fontes de radiações ionizantes deve: • permanecer nestas áreas o menor tempo possível para a realização do procedimento; • ter conhecimento dos riscos radiológicos associados ao seu trabalho; • estar capacitado inicialmente e de forma continuada em proteção radiológica; Risco com Radiação 51
  • 53. • usar os EPIs adequados para a minimização dos riscos; • estar sob monitoração individual de dose de radiação ionizante, nos casos em que a exposição seja ocupacional. 32.4.4. Toda trabalhadora com gravidez confirmada deve ser afastada das atividades com radiações ionizantes, devendo ser remanejada para atividade compatível com seu nível de formação. 32.4.5. Toda instalação radiativa deve dispor de monitoração individual e de áreas. Os dosímetros individuais devem ser obtidos, calibrados e avaliados exclusivamente em laboratórios 32.4.5.1. 52 Risco com Radiação
  • 54. de monitoração individual acreditados pelo CNEN. Na ocorrência ou suspeita de exposição acidental, os dosímetros devem ser encaminhados para leitura no prazo máximo de 24 horas. 32.4.5.3. 32.4.5.6. Deve ser elaborado e implementado um programa de monitoração periódica de áreas, constante do Plano de Proteção Radiológica, para todas as áreas da instalação radiativa. Quais as obrigações do empregador quanto ao risco radiológico a esta situação? 32.4.6. Cabe ao empregador: Risco com Radiação 53
  • 55. • implementar medidas de proteção coletiva relacionadas aos riscos radiológicos; • manter um profissional habilitado, responsável pela proteção radiológica em cada área específica, com vinculação formal com o estabelecimento; • promover a capacitação em proteção radiológica, inicialmente e de forma continuada, para os trabalhadores ocupacionalmente e para-ocupacionalmente expostos às radiações ionizantes; • manter no registro individual do trabalhador as capacitações ministradas; • fornecer ao trabalhador, por escrito e mediante recibo, instruções relativas 54 Risco com Radiação
  • 56. aos riscos radiológicos e procedimentos de proteção radiológica adotados na instalação radiativa; • dar ciência dos resultados das doses referentes às exposições de rotina, acidentais e de emergências, por escrito e mediante recibo, a cada trabalhador e ao médico coordenador do PCMSO ou médico encarregado dos exames médicos previstos na NR. Importante: • Toda instalação radiativa deve possuir um serviço de proteção radiológica. • As áreas da instalação radiativa devem ser classificadas, sinalizadas e ter controle de acesso definido pelo responsável pela proteção radiológica. Risco com Radiação 55
  • 57. A sala de manipulação e armazenamento de fontes radiativas em uso deve: • ser revestida com material impermeável que possibilite sua descontaminação, devendo os pisos e paredes serem providos de cantos arredondados; • possuir bancadas constituídas de material liso, de fácil descontaminação, recobertas com plástico e papel absorvente; • dispor de pia com cuba de, no mínimo, 40 cm de profundidade, e acionamento para abertura das torneiras sem controle manual; • é obrigatória a instalação de sistemas exclusivos de exaustão. 56 Risco com Radiação
  • 58. Nos locais onde são manipulados e armazenados materiais radiativos ou rejeitos, não é permitido: • aplicar cosméticos, alimentar-se, beber, fumar e repousar; • guardar alimentos, bebidas e bens pessoais; • os trabalhadores envolvidos na manipulação de materiais radiativos e marcação de fármacos devem usar os equipamentos de proteção recomendados no PPRA e PPR; • ao término da jornada de trabalho, deve ser realizada a monitoração das superfícies de acordo com o PPRA, utilizando-se monitor de contaminação. Risco com Radiação 57
  • 59. O local destinado ao decaimento de rejeitos radiativos deve: • ser localizado em área de acesso controlado; • ser sinalizado; • possuir blindagem adequada; • ser constituído de compartimentos que possibilitem a segregação dos rejeitos por grupo de radionuclídeos com meia-vida física próxima e por estado físico. A radiação é apenas um dos agentes de risco que pode ser encontrado e deve ser tratado em conjunto com outros agentes de risco presentes. 58 Risco com Radiação
  • 60. O que deve ser observado na administração de radiofármacos? O quarto destinado à internação de paciente, para administração de radiofármacos, deve possuir: • blindagem; • paredes e pisos com cantos arredondados, revestidos de materiais impermeáveis, que permitam sua descontaminação; • sanitário privativo; • biombo blindado junto ao leito; • sinalização externa da presença de radiação ionizante; • acesso controlado. Risco com Radiação 59
  • 61. E na situação de radioterapia? Os serviços de radioterapia devem adotar, no mínimo, os seguintes dispositivos de segurança: • salas de tratamento possuindo portas com sistema de intertravamento, que previnam o acesso indevido de pessoas durante a operação do equipamento; • indicadores luminosos de equipamento em operação, localizados na sala de tratamento e em seu acesso externo em posição visível. E no procedimento de braquiterapia? Na sala de preparo e armazenamento de fontes é vedada a prática de qualquer atividade não relacionada com a preparação das fontes seladas. 60 Risco com Radiação
  • 62. O preparo manual de fontes utilizadas em braquiterapia de baixa taxa de dose deve ser realizado em sala específica com acesso controlado, somente sendo permitida a presença de pessoas diretamente envolvidas com esta atividade. O manuseio de fontes de baixa taxa de dose deve ser realizado exclusivamente com a utilização de instrumentos e com a proteção de anteparo plumbífero. Após cada aplicação, as vestimentas de pacientes e as roupas de cama devem ser monitoradas para verificação da presença de fontes seladas. Risco com Radiação 61
  • 64. A NR-32 prevê algo para a questão dos resíduos? A NR-32 dedicou especial atenção ao tratamento de resíduos, por suas implicações na biosegurança pessoal e no meio ambiente. Importante ressaltar que a NR-32 não desobriga o cumprimento da Resolução ANVISA RDC nº 306, de 7 de Dezembro de 2004 e Resolução CONAMA nº 358, de 29 de abril de 2005. Estas resoluções dispõem sobre o Plano de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde – PGRSS e sobre a necessidade da designação de profissional, com registro ativo junto ao seu conselho de classe, com apresentação Cuidados com Residuos 63
  • 65. de Anotação de Responsabilidade Técnica – ART, ou Certificado de Responsabilidade Técnica ou documento similar, quando couber, para exercer a função de responsável pela elaboração e implantação do PGRSS. Diz ainda que: quando a formação profissional não abranger os conhecimentos necessários, este poderá ser assessorado por equipe de trabalho que detenha as qualificações correspondentes. O Conselho Federal de Enfermagem – COFEN baixou a Resolução COFEN n° 303/2005 que autoriza o enfermeiro a assumir a coordenação como Responsável Técnico do Plano de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde. 64 Cuidados com Residuos
  • 66. Resíduos – O que é bom saber? Entre outros, podemos destacar: 32.5.2. Os sacos plásticos utilizados no acondicionamento dos resíduos de saúde devem atender ao disposto na NBR 9191 e ainda ser: • preenchidos até 2/3 de sua capacidade; • fechados de tal forma que não se permita o seu derramamento, mesmo que virados com a abertura para baixo; • retirados imediatamente do local de geração após o preenchimento e fechamento; Cuidados com Residuos 65
  • 67. • mantidos íntegros até o tratamento ou a disposição final do resíduo. 32.5.3. A segregação dos resíduos deve ser realizada no local onde são gerados, devendo ser observado que: • sejam utilizados recipientes que atendam às normas da ABNT, em número suficiente para o armazenamento; • os recipientes estejam localizados próximos da fonte geradora; • os recipientes sejam constituídos de material lavável, resistente a punctura, ruptura e vazamento, com tampa provida de sistema de abertura sem contato manual, com cantos arredondados e que sejam resistentes ao tombamento; 66 Cuidados com Residuos
  • 68. • os recipientes sejam identificados e sinalizados segundo as normas da ABNT. Os recipientes existentes nas salas de cirurgia e de parto não necessitam de tampa para vedação. 32.5.3.1. Para os recipientes destinados a coleta de material pérfuro-cortante, o limite máximo de enchimento deve estar localizado 5cm abaixo do bocal. 32.5.3.2. Cuidados com Residuos 67
  • 69. 32.5.3.2.1. O recipiente para acondicio- namento dos pérfuro-cortantes deve ser mantido em suporte exclusivo e em altura que permita a visualização da abertura para descarte. 32.5.4. O transporte manual do recipiente de segregação deve ser realizado de forma que não exista o contato do mesmo com outras partes do corpo, sendo vedado o arrasto. Sempre que o transporte do recipiente de segregação possa comprometer a segurança e a saúde do trabalhador, devem ser utilizados meios técnicos apropriados, de modo a preservar a sua saúde e integridade física. 32.5.5. 68 Cuidados com Residuos
  • 71. A NR-32 trata da questão do refeitório e refeições? Sim. A NR-32 reservou importante atenção ao trabalhador no quesito alimentação, em que determina que é proibido aos trabalhadores ingerirem alimentos no local de trabalho e, para conforto destes, durante as refeições, devem ser observados os seguintes itens: 32.6.1. Os refeitórios dos serviços de saúde devem atender ao disposto na NR-24. 32.6.2. Os estabelecimentos com até 300 trabalhadores devem ser dotados de locais para refeição que atendam aos seguintes requisitos mínimos: 70 Cuidados com Refeições
  • 72. • localização fora da área do posto de trabalho; • piso lavável; • limpeza, arejamento e boa iluminação; • mesas e assentos dimensionados de acordo com o número de trabalhadores por intervalo de descanso e refeição; • lavatórios instalados nas proximidades ou no próprio local; • fornecimento de água potável; • possuir equipamento apropriado e seguro para aquecimento de refeições. Cuidados com Refeições 71
  • 73. 32.6.3. Os lavatórios para higiene das mãos devem ser providos de papeltoalha, sabonete líquido e lixeira com tampa de acionamento por pedal. 72 Cuidados com Refeições
  • 75. A NR-32 garante ao trabalhador a capacitação em relação ao processo de trabalho? A NR-32 reserva especial atenção para esta questão, demonstrando toda a preocupação em fazer com que o trabalhador, por meio de sua efetiva capacitação, possa minimizar os riscos provenientes do exercício profissional e determina ser esta uma obrigação imediata e permanente do empregador. Nesta questão, cabe ao enfermeiro, na equipe de enfermagem, estar consciente das responsabilidades pertinentes. A diminuição ou eliminação dos agravos à saúde do trabalhador está 74 Capacitação
  • 76. relacionada à sua capacidade de entender a importância dos cuidados e medidas de proteção que devem tomar no trabalho. Levar este saber ao trabalhador deve fazer parte das medidas de proteção. Além dos indicados na NR-32 outros temas de saúde também devem ser objetos de programas educativos baseados nos indicadores de saúde dos trabalhadores ou sempre que indicados pelo Ministério do Trabalho e Emprego e Ministério da Saúde. A capacitação quanto aos riscos biológicos 32.2.4.9. O empregador deve assegurar capacitação aos trabalhadores, antes Capacitação 75
  • 77. do início das atividades e de forma continuada, devendo ser ministrada: • sempre que ocorra uma mudança das condições de exposição dos trabalhadores aos agentes biológicos; • durante a jornada de trabalho; • por profissionais de saúde familiarizados com os riscos inerentes aos agentes biológicos. 32.2.4.9.1. A capacitação deve ser adaptada à evolução do conhecimento e à identificação de novos riscos biológicos e deve incluir: • os dados disponíveis sobre riscos potenciais para a saúde; 76 Capacitação
  • 78. • medidas de controle que minimizem a exposição aos agentes; • normas e procedimentos de higiene; • utilização de equipamentos de proteção coletiva, individual e vestimentas de trabalho; • medidas para a prevenção de acidentes e incidentes; • medidas a serem adotadas pelos trabalhadores no caso de ocorrência de incidentes e acidentes. O empregador deve comprovar para a inspeção do trabalho a 32.2.4.9.2. Capacitação 77
  • 79. realização da capacitação por meio de documentos que informem a data, o horário, a carga horária, o conteúdo ministrado, o nome e a formação ou capacitação profissional do instrutor e dos trabalhadores envolvidos. 32.2.4.10. Em todo local onde exista a possibilidade de exposição a agentes biológicos, devem ser fornecidas aos trabalhadores instruções escritas, em linguagem acessível, das rotinas realizadas no local de trabalho e medidas de prevenção de acidentes e de doenças relacionadas ao trabalho. Procedimentos e instruções escritos de forma clara asseguram uniformidade, 78 Capacitação
  • 80. eficiência e eficácia na coordenação das atividades nos serviços de saúde. 32.2.4.10.1. As instruções devem ser entregues ao trabalhador, mediante recibo, devendo este ficar à disposição da inspeção do trabalho. As instruções deverão ser entregues na forma impressa, constituindo-se em um documento. Outras formas de comunicação dessas instruções não substituem a forma impressa. Em 19 de novembro de 2008 foi publicada no DOU – Seção 1 – pág. 238 a Portaria n.° 939 do Ministério do Trabalho e Emprego que dispõe sobre a Capacitação 79
  • 81. obrigatoriedade dos Serviços de Saúde de implantarem materiais com dispositivos de segurança (agulhas, seringas, bisturis e outros) em anexo. A capacitação quanto aos riscos químicos 32.3.6. Cabe ao empregador: 32.3.6.1. Capacitar, inicialmente e de forma continuada, os trabalhadores envolvidos para a utilização segura de produtos químicos. 32.3.6.1.1. A capacitação deve conter, no mínimo: • a apresentação das fichas descritivas citadas no subitem 32.3.4.1.1, com explicação das informações nelas contidas; 80 Capacitação
  • 82. • os procedimentos de segurança relativos à utilização; • os procedimentos a serem adotados em caso de incidentes, acidentes e em situações de emergência. A capacitação quanto aos quimioterápicos antineoplásicos Devem ser elaborados manuais de procedimentos relativos à limpeza, descontaminação e desinfecção de todas as áreas, incluindo superfícies, instalações, equipamentos, mobiliário, vestimentas, EPI e materiais. 32.3.9.4.3. 32.3.9.4.3.1. Os manuais devem estar disponíveis a todos os trabalhadores e à fiscalização do trabalho. Capacitação 81
  • 83. 32.3.10.1. Os trabalhadores envolvidos devem receber capacitação inicial e continuada que contenha, no mínimo: • as principais vias de exposição ocupacional; • os efeitos terapêuticos e adversos destes medicamentos e o possível risco à saúde, a curto e longo prazo; • as normas e os procedimentos padronizados relativos ao manuseio, preparo, transporte, administração, distribuição e descarte dos quimioterápicos antineoplásicos; • as normas e os procedimentos a serem adotados no caso de ocorrência de acidentes. 82 Capacitação
  • 84. 32.3.10.1.1. A capacitação deve ser ministrada por profissionais de saúde familiarizados com os riscos inerentes aos quimioterápicos antineoplásicos. A capacitação quanto ao trabalho com radiação ionizante 32.4.3. O trabalhador que realize atividades em áreas onde existam fontes de radiações ionizantes deve: • permanecer nestas áreas o menor tempo possível para a realização do procedimento; • ter conhecimento dos riscos radiológicos associados ao seu trabalho; Capacitação 83
  • 85. • estar capacitado inicialmente e de forma continuada em proteção radiológica; • usar os EPIs adequados para a minimização dos riscos; • estar sob monitoração individual de dose de radiação ionizante, nos casos em que a exposição seja ocupacional. 32.4.6. Cabe ao empregador: • implementar medidas de proteção coletiva relacionadas aos riscos radiológicos; • manter um profissional habilitado, responsável pela proteção radiológica em cada área específica, com vinculação formal com o estabelecimento; 84 Capacitação
  • 86. • promover capacitação em proteção radiológica, inicialmente e de forma continuada, para os trabalhadores ocupacionalmente e para-ocupacionalmente expostos às radiações ionizantes; • manter no registro individual do trabalhador as capacitações ministradas; • fornecer ao trabalhador, por escrito e mediante recibo, instruções relativas aos riscos radiológicos e procedimentos de proteção radiológica adotados na instalação radiativa; • dar ciência dos resultados das doses referentes às exposições de rotina, acidentais e de emergências, por escrito Capacitação 85
  • 87. e mediante recibo, a cada trabalhador e ao médico coordenador do PCMSO ou médico encarregado dos exames médicos previstos na NR-07. A capacitação quanto a braquiterapia Além das outras já descritas, deve: 32.4.14.2.4. Na capacitação dos trabalhadores para manipulação de fontes seladas utilizadas em braquiterapia devem ser empregados simuladores de fontes. A capacitação quanto aos resíduos 32.5.1. Cabe ao empregador capacitar, inicialmente e de forma continuada,os trabalhadores nos seguintes assuntos: 86 Capacitação
  • 88. • segregação, acondicionamento e transporte dos resíduos; • definições, classificação e potencial de risco dos resíduos; • sistema de gerenciamento adotado internamente no estabelecimento; • formas de reduzir a geração de resíduos; • conhecimento das responsabilidades e de tarefas; • reconhecimento dos símbolos de identificação das classes de resíduos; • conhecimento sobre a a utilização dos veículos de coleta; Capacitação 87
  • 89. • orientações quanto ao uso de Equipamentos de Proteção Individual – EPI. A capacitação quanto aos trabalhadores do serviço de limpeza e conservação Os trabalhadores que realizam a limpeza dos serviços de saúde devem ser capacitados, inicialmente e de forma continuada, quanto aos princípios de higiene pessoal, risco biológico, risco químico, sinalização, rotulagem, EPI, EPC e procedimentos em situações de emergência. 32.8.1. 32.8.1.1. A comprovação da capacitação deve ser mantida no local de trabalho, à disposição da inspeção do trabalho. 88 Capacitação
  • 91. A NR-32 normatiza algo em relação à ergonomia ocupacional? A NR-32 não traz um capítulo exclusivo para tratar do risco ergonômico, mas podemos encontrar diluído em outros temas ações de prevenção relacionadas a ele. 32.9.4. Os equipamentos e meios mecânicos utilizados para transporte devem ser submetidos periodicamente a manutenção, de forma a conservar os sistemas de rodízio em perfeito estado de funcionamento. 32.9.5. Os dispositivos de ajuste dos leitos devem ser submetidos a manutenção preventiva, assegurando a lubrificação permanente, de forma a garantir sua operação sem sobrecarga para os trabalhadores. 90 Ergonomia Ocupacional
  • 92. 32.10.1. Os serviços de saúde devem: • atender às condições de conforto relativas aos níveis de ruído previstas na NB 95 da ABNT; • atender às condições de iluminação conforme NB 57 da ABNT; • atender às condições de conforto térmico previstas na RDC 50/02 da ANVISA; • manter os ambientes de trabalho em condições de limpeza e conservação. 32.10.9. Em todos os postos de trabalho devem ser previstos dispositivos seguros e com estabilidade que permitam aos trabalhadores acessar locais altos, sem esforço adicional. Ergonomia Ocupacional 91
  • 93. 32.10.10. Nos procedimentos de movimentação e transporte de pacientes deve ser privilegiado o uso de dispositivos que minimizem o esforço realizado pelos trabalhadores. 32.10.11. O transporte de materiais que possa comprometer a segurança e a saúde do trabalhador deve ser efetuado com auxílio de meios mecânicos ou eletromecânicos. 32.10.12. Os trabalhadores dos serviços de saúde devem ser: • capacitados para adotar mecânica corporal correta, na movimentação de pacientes ou de materiais, de forma a preservar a sua saúde e integridade física; 92 Ergonomia Ocupacional
  • 94. • orientados nas medidas a serem tomadas diante de pacientes com distúrbios de comportamento. 32.10.13. O ambiente onde são realizados procedimentos que provoquem odores fétidos devem ser providos de sistema de exaustão ou outro dispositivo que os minimizem. Ergonomia Ocupacional 93
  • 95. Anexo e Outras Referências norma regulamentadora nº32
  • 96. Para conhecer o texto completo da NR-32, visite o site do COREN-SP: www.coren-sp.gov.br O Ministério do Trabalho e Emprego publicou no site www.mte.gov.br o Guia Técnico Riscos Biológicos do Ministério do Trabalho e Emprego. Anexo: Ministério do Trabalho e Emprego Gabinete do ministro Portaria n.º 939, de 18 de novembro de 2008 (DOU de 19/11/08 – Seção 1 – pág. 238) O ministro do trabalho e emprego, no uso das atribuições que lhe confere o artigo 87, parágrafo único, inciso II, Anexo 95
  • 97. da Constituição Federal, e os artigos 155, inciso I, e 200 da Consolidação das Leis do Trabalho – CLT, aprovada pelo Decreto-Lei n.º 5.452, de 1º de maio de 1943, com a redação dada pelo art. 1º da Lei n.º 6.514, de 22 de dezembro de 1977, resolve: Art. 1º –Publicar o cronograma previsto no item 32.2.4.16 da Norma Regulamentadora n.º 32 (NR-32), aprovada pela Portaria MTE n.º 485, de 11 de novembro de 2005, publicada na Seção I do Diário Oficial da União de 16 de novembro de 2005, aprovado pela Comissão Tripartite Permanente Nacional da NR-32, conforme estabelecido abaixo: I –06 meses para divulgação e treinamento; e 96 Anexo
  • 98. II – 18 meses após o prazo concedido na alínea a para implementação e adaptação de mercado. Parágrafo único: Os empregadores devem promover a substituição dos materiais pérfuro-cortantes por outros com dispositivo de segurança no prazo máximo de vinte e quatro meses a partir da data de publicação desta Portaria. Art. 2º – Aprovar e acrescentar os subitens 32.2.4.16.1 e 32.2.4.16.2 à NR-32, que passarão a vigorar de acordo com os prazos estabelecidos no cronograma do art. 1º desta Portaria, com a seguinte redação: 32.2.4.16.1. As empresas que produzem ou comercializam materiais pérfurocortantes devem disponibilizar, para os Anexo 97
  • 99. trabalhadores dos serviços de saúde, capacitação sobre a correta utilização do dispositivo de segurança. 32.2.4.16.2. O empregador deve assegurar, aos trabalhadores dos serviços de saúde, a capacitação prevista no subitem 32.2.4.16.1. Art. 3º – Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação. Carlos Lupi 98 Anexo
  • 100. Sites e documentos relacionados consultados e citados por este manual: • www.saudepublica.bvs.br • http://dtr2001.saude.gov.br/editora/produtos/ livros/pdf/04_0408_M.pdf • www.anvisa.gov.br/reblas/diretrizes.pdf • www.riscobiologico.org/resources/4888.pdf • www.aids.gov.br/final/biblioteca/manual_ exposicao/manual_acidentes.doc • www.anvisa.gov.br/hotsite/higienizacao_maos/ index.htm • Agência Nacional de Vigilância Sanitária – ANVISA, Curso Básico de Controle de Infecção Hospitalar, Caderno C – Métodos de Proteção Anti-Infecciosa – 2000. www.anvisa.gov.br •http://dtr2001.saude.gov.br/svs/imu/cries.htm •Guia Técnico Riscos Biológicos do Ministério do Trabalho e Emprego. www.mte.gov.br Outras Referências 99