SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 43
NR NR- 32
 PROTEÇÃO DA

 SAÚDE E

E SEGURANÇA SEGURANÇA

SERVIÇOS DE SAÚDE
ABRANGE TODAS AS EDIFICAÇÕES
DESTINADAS ÀS AÇÕES DE :
PROMOÇÃO, RECUPERAÇÃO,
ASSISTÊNCIA , PESQUISA E
ENSINO EM SAÚDE
NÃO SÓ A ÁREA HOSPITALAR
NRs - NORMAS
REGULAMENTADORAS
As Normas Regulamentadoras - NR, são
relativas à segurança e medicina do
trabalho, e de observância obrigatória
pelas empresas privadas e públicas e
pelos órgãos públicos ,administração
direta e indireta, e pelos órgãos dos
Poderes Legislativo e Judiciário, que
tenham empregados regidos pela
Consolidação das Leis doTrabalho -
CLT.
 NR – 04 Serviços Especializados em
Engenharia de segurança e em Medicina do
Trabalho - SESMT
 NR – 05 Comissão Interna de Prevenção
de Acidentes - CIPA
 NR – 06 Equipamento de Proteção
Individual- EPI
 NR - 07 Programa de Controle Médico de
Saúde Ocupacional - PCMSO
 NR – 09 Programa de Prevenção de Riscos
Ambientais - PPRA
Interação da NR-32 com as demais NRs
Interação da NR-32 com as demais NRs
 NR- 15 Atividades e Operações Insalubres
 NR- 16 Atividades e Operações Perigosas
 NR – 17 Ergonomia
 NR – 24 Condições Sanitárias e de Conforto
 NR - 26 Sinalização de Segurança
 Plano de Proteção Radiológica - P P R
 P rograma de Gerenciamento de Resíduos nos
Serviços de Saúde - PGRSS
 Programa Nacional de Imunização - PNI- MS
 Programa de Controle de Infecção Hospitalar
 RDC – 50 da ANVISA
INTEGRAÇÃO da NR-32 com
outros PROGRAMAS
A NR – 32 é um importante
ganho e fundamental passo
para a Segurança do
Trabalhador da Área da
Saúde
MEDIDAS NORMATIZADAS
• RISCOS BIOLÓGICOS 32.2.1 a 32.2.4.17.7
• RISCOS QUÍMICOS 32.3.1 a 32.3.10.1.1
Gases Medicinais
Medicamentos e das Drogas de Risco
Gases e Vapores Anestésicos
Quimioterápicos Antineoplásicos
MEDIDAS NORMATIZADAS
• Radiações Ionizantes 32.4 a 32.4.16.2
• Resíduos tóxicos 32.5 a 32.5.9
• Condições de higiene e conforto por ocasião
das refeições 32.6 a 32.6.3
• Lavanderia 32.7 a 32.7.4
• Limpeza e Conservação 32.8 a 32.8.3
• Manutenção de máquinas e Equipamentos
32.9 a 32.9.6.1
MEDIDAS NORMATIZADAS
•Das Disposições Gerais 32.10 a 32.10.16
• Das Disposições Finais 32.11 a 32.11.4
•ANEXO I - Classificação de Risco dos
Agentes Biológicos
•ANEXO II –Tabela de Classificação de
grupos de agentes biológicos
•GLOSSÁRIO
A NR-32 AINDA NÃO ESTÁ
FINALIZADA É A MAIOR NORMA
REGULAMENTADORA, POSSUI MAIS
DE 700 ITENS. HÁ UMA COMISSÃO
TRIPARTITE NACIONAL QUE A
APRIMORA CONTINUAMENTE (CTPN)
E TAMBÉM CTP REGIONAL (CTPR)
DAS QUAIS O COREN-SP PARTICIPA.
CTPN E CTPR
COMPREENDER
VALORIZAR
CUMPRIR
NR - 32
IMPLANTAÇÃO
FUNCIONÁRIOS
Capacitação
Conscientização
Participação
Avaliação
EMPREGADORES
Compromisso
Controlar ações
Gestão efetiva
Fiscalização
RESPONSABILIDADE SOLIDÁRIA
EQUIPES FACILITADORAS
NA IMPLEMENTAÇÃO
CIPA
Comissão Interna de Prevenção de Acidentes
CCIH / SCIH
Comissão/Serviço de Controle de infecção Hospitalar
COMISSÕES
Compras, Materiais Hospitalares, Ética, Ensino, Pesquisa
Científica, Educação Pernamente, etc...
PROGRAMAS
FACILITADORES NA IMPLANTAÇÃO
PPR – Plano de Proteção Radiológica;
PGRSS – Plano de Gerenciamento de Resíduos
de Serviços de Saúde;
Programas de Controle de Infecção Hospitalar
elaborados pela CCIH/SCIH;
Programa Nacional de Imunização – PNI
Programa de Prevenção de Riscos Ambientais
PPRA
Programa de Controle Médico de Saúde
Ocupacional - PCMSO
NA IMPLEMENTAÇÃO INCREMENTE :
 # ELABORAÇÃO DE CHECK LIST DE SITUAÇÃO
 # DISTRIBUIÇÃO DO CHECK LIST POR SETOR
 # AGENDAMENTO DE REUNIÕES PERIÓDICAS
 # ACOMPANHAMENTO POR EQUIPE MULTIDISCIPLINAR
 # APRESENTAÇÃO DE ANALISE DE DADOS À DIREÇÃO
 # ADEQUAÇÕES NECESSÁRIAS
 # UTILIZAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS PRÓPRIOS
 # VERIFICAÇÃO PERIÓDICA DE EFICACIA DE AÇÕES
 # ANALISE DE FALHAS PARA CORREÇÃO
NA IMPLANTAÇÃO INVISTA EM :
1. CAPACITAÇÃO
2. INFORMAÇÃO
3. TREINAMENTO
4. EDUCAÇÃO CONTINUADA PARA TODOS
5. DOCUMENTAÇÃO ESCRITA
6. ATIVIDADES INTERDISCIPLINARES
7. INTERAÇÕES
CAPACITAÇÃO INICIAL E
CONTINUADA
a) Na Contratação e sempre que ocorra mudança
das condições de exposição dos trabalhadores aos
agentes biológicos, químicos físicos, ergonômicos
b) Durante a jornada de trabalho;
c) Por profissionais de saúde familiarizados
com os riscos inerentes aos agentes
ambientais.
d)Normas e Procedimentos disponíveis
RISCO BIOLÓGICO 32.2
É O QUE CONTEM O MAIOR Nº DE ITENS:
 32.2.1 Para fins de aplicação desta
NR, considera-se Risco Biológico a
probabilidade da exposição
ocupacional a agentes biológicos.
 32.2.1.1 Consideram-se Agentes
Biológicos os microrganismos,
geneticamente modificados ou não;
as culturas de células; os parasitas;
as toxinas e os príons.
RISCO BIOLÓGICO 32.2
32.2.4.10 INFORMAÇÃO
Em todo local onde exista a
possibilidade de exposição a agentes
biológicos, devem ser fornecidas aos
trabalhadores instruções escritas, em
linguagem acessível, das rotinas
realizadas no local de trabalho e
medidas de prevenção de acidentes e
de doenças relacionadas ao trabalho.
RISCO BIOLÓGICO 32.2
32.2.4.9.1 - CAPACITAÇÃO
A Capacitação deve ser adaptada à evolução do conhecimento
e à identificação de novos riscos biológicos e deve incluir:
• Os dados disponíveis sobre riscos potenciais para a saúde;
• Medidas de controle que minimizem a exposição aos
agentes;
• Normas e procedimentos de higiene;
• Utilização de equipamentos de proteção coletiva,
individual e vestimentas de trabalho;
• Medidas para a prevenção de acidentes e incidentes;
• Medidas a serem adotadas pelos trabalhadores no caso de
ocorrência de incidentes e acidentes.
RISCO BIOLÓGICO 32.2
32.2.4.17 VACINAÇÃO
A todo trabalhador dos serviços de
saúde deve ser fornecido,
gratuitamente, programa de
imunização ativa contra tétano, difteria,
hepatite B e os estabelecidos no
PCMSO.
Indicação recomendada
GERAL
NR32 – 32.2.4.17.1 e
32.2.4.17.3
GERAL
NR32 – 32.2.4.17.1
GERAL
NR32 – 32.2.4.17.2
GERAL
NR32 – 32.2.4.17.2
GERAL
NR32 – 32.2.4.17.2
GERAL
NR32 – 32.2.4.17.2
Vacinas
Hepatite B com sorologia de
controle
Tétano e Difteria
MS - Port 1.602, de 17.07.
2006
Influenza
Tríplice Viral
MS - Port 1.602, de 17.07.
2006
Varicela
Pneumocócica
RISCO BIOLÓGICO-32.2.4.17 - VACINAÇÃO
Vacinas Indicação recomendada
Hepatite A
NR32 – 32.2.4.17.1 e 2
PCMSO
Os que tem contato com: crianças,
hepatopatas, pacientes de alto risco, fezes
e roupas ou objetos contaminados com
fezes
Febre Amarela
MS - Port 1.602, de 17.07.
2006 PCMSO
Residentes ou visitantes de áreas
endêmicas ou de risco potencial NR32 –
32.2.4.17.2
Febre Tifóide
NR32 – 32.2.4.17.1 e 2
PCMSO
Em contato habitual com Salmonella typhi e
residentes ou visitantes de áreas endêmicas
ou de risco
Anti meningocócica em presença de surto
RISCO BIOLÓGICO-32.2.4.17 - VACINAÇÃO
VACINAÇÃO CONTRA TUBERCULOSE - BCG
Programa para Controle de Tuberculose - BUSCA ATIVA
DE CASOS E O TRATAMENTO SUPERVISIONADO DOS DOENTES.
Adoção das ações de Precauções para Aerossóis
•Quarto privativo, portas fechadas
•Limitar o transporte do paciente
•Sistema especial de ventilação / exaustão (pressão negativa)
•Uso de máscaras para agente de risco biológico N95
•E as Precauções Padrão
ABRIR CAT COM DIAGNÓSTICO COMPROVADO
Máscara de Proteção Respiratória para TB - EPI
Máscaras N95 CA - ABNT
94% de filtragem
-No Brasil estima-se que ocorram 129.000
casos por ano.
-São notificados cerca de 90.000 casos por
ano.
-Em 1998 o coeficiente de mortalidade foi de
3,5 por 100.000 Habitantes.
NÃO
TB em Trabalhadores de
Enfermagem
A Revista Brasileira de Saúde Ocupacional –Vol.33
nº117-jan/jun2008,
Publicou interessante artigo sobre a incidência de TB
entre os Trabalhadores de Enfermagem,baseado em
pesquisa comparativa.
Os autores Dra Ivone Martini de Oliveira
e o Dr. Ricardo Luiz Lorenzi, demonstram como a
enfermagem apresenta risco maior de Tuberculose-
doença que o da população referência e concluem
com discussão, comentários e perspectivas
extremamente pertinentes.
PCMSO E NR - 32
Programa de Controle Médico de Saúde
O Programa além do previsto na NR-07,
deve contemplar a relação contendo a
identificação dos trabalhadores , sua
função, o local em que desempenham suas
atividades o risco a que estão expostos; a
vigilância médica; o programa de
vacinação.
O PCMSO deve considerar as informações contidas
nas fichas descritivas dos produtos químicos citadas no
PPRA para:
a) direcionar os exames de saúde aos agravos à saúde
relacionados à exposição a estes agentes químicos;
b) indicar os cuidados de emergência para os
trabalhadores em caso de exposição acidental aguda;
c) prever medicamentos ou materiais para o
atendimento dos trabalhadores em caso de exposição
acidental.
PCMSO E NR - 32
PPRA E NR - 32
32.3.4.1
No PPRA dos serviços de saúde deve
constar inventário de todos os produtos
químicos, inclusive intermediários e
resíduos, com indicação daqueles que
impliquem em riscos à segurança e saúde
do trabalhador.
Cabe ao empregador capacitar, inicialmente e de
forma continuada, os trabalhadores nos seguintes
assuntos:
a) segregação, acondicionamento e transporte dos resíduos;
b) definições, classificação e potencial de risco dos resíduos;
c) sistema de gerenciamento adotado internamente no
estabelecimento;
d) formas de reduzir a geração de resíduos;
e) conhecimento das responsabilidades e de tarefas;
f) reconhecimento dos símbolos de identificação das classes de
resíduos;
g) conhecimento sobre a utilização dos veículos de coleta;
h) orientações quanto ao uso de Equipamentos de Proteção
Individual – EPIs.
NR-32 E RESÍDUOS – 32.5.1
Sanções - Punições
Praticamente todos os itens
aplicáveis são passíveis de multa
(PORTARIA N.° 167, DE 30 DE
MAIO DE 2006)(DOU de
31/05/2006)
Exemplo: Deixar de elaborar o PPRA
contendo a identificação dos
riscos biológicos mais prováveis.
Aplicabilidade
Responsabilidade penal do empregador
(Lei 8.213/91, art. 19, §2º); Constitui contravenção
penal, punível com multa, deixar a empresa de
cumprir as normas de segurança e higiene do
trabalho.
Havendo dano ao empregado pelo descumprimento
da norma, NR-32 serve de fundamento (culpa)
para responsabilidade civil do empregador;
Multa trabalhista;
Viabilidade de ação civil pública (MPT) com
imposição de multa diária.
INTERDIÇÃO
São consideradas como condições de risco
grave e iminente, passíveis de interdição
pela DRT, a presença de irregularidades,
tais como, por exemplo:
•Manter área para o preparo de quimioterápicos
antineoplásicos sem sala específica para o preparo
dos quimioterápicos (alínea b, do item 32.3.9.4.1).
•Deixar de dotar a sala de preparo dos
quimioterápicos antineoplásicos de Cabine de
Segurança Biológica Classe II B2 (item
32.3.9.4.5).
INTERVENÇÃO
São consideradas como situações
prioritárias de intervenção a presença de
irregularidades, por exemplo :
•Deixar de capacitar, inicialmente e de forma
continuada, os trabalhadores
•Deixar de elaborar PCMSO e PPRA com
especificidades para as exposições à riscos
biológicos, químicos (quimioterápicos) e à
substâncias radioativas .
NR-32 e o Enfermeiro
Como Responsável Técnico o Enfermeiro deve:
 Conhecer a NR-32 no que diz respeito à área
de interesse e de foco assistencial da
Instituição;
 Incentivar a participação dos colaboradores
e promover a divulgação da NR-32;
 Investir em ações conjuntas com a CIPA-
CCIH e SESMT da Instituição;
 Formar Comissão de Estudos sobre a NR-32,
com participação de Enfermeiros e demais
colaboradores
NR-32 e o Enfermeiro
 Levantar todos os riscos pertinentes à execução dos
procedimentos técnicos de Enfermagem que estejam
compreendidos pela NR-32;
 Elaborar Protocolos Técnicos e Regimento Disciplinar
Interno, prevendo atitudes, condutas e posturas em
questões previstas na NR-32, relacionadas com o
processo assistencial institucional;
 Promover reunião mensal para discussão de
situações de risco identificadas e ações pro-ativas
necessárias;
 Levar ao conhecimento do COREN-SP situações que
impliquem em risco assistencial e profissional por
não observância à NR-32
NR-32 e o Técnico/Auxiliar de
Enfermagem
 Conhecer a NR-32 no que diz respeito à área de
interesse e de foco assistencial da Instituição;
 Participar da Comissão de Estudos sobre a NR-32,
buscando a conscientização pertinente;
 Acusar ao Enfermeiro RT e/ou Comissão pertinente
(CCIH-SESMT-etc...) todos os riscos referentes à
execução dos procedimentos técnicos de
Enfermagem que estejam compreendidos pela NR-
32;
 Participar de reunião mensal para discussão de
situações de risco identificadas e ações pro-ativas
necessárias;
 Levar ao conhecimento do COREN-SP situações que
impliquem em risco assistencial e profissional por
não observância à NR-32
CÓDIGO DE ÉTICA DOS PROFISSIONAIS DE
ENFERMAGEM
RESOLUÇÃO COFEN Nº 311/2007
Aprova a Reformulação do Código de Ética dos Profissionais de Enfermagem que
entre outros artigos, salientamos :
Art. 63 - Desenvolver suas atividades profissionais em
condições de trabalho que promovam a própria segurança e a
da pessoa, família e coletividade sob seus cuidados, e dispor de
material e equipamentos de proteção individual e coletiva,
segundo as normas vigentes.
Art. 64 - Recusar-se a desenvolver atividades profissionais na
falta de material ou equipamentos de proteção individual e
coletiva definidos na legislação específica
WWW.COFEN.ORG.BR ; WWW.CORENSP.ORG.BR
Lembre-se:
Atitudes,
Gestos Seguros,
Persistência,
Prudência,
E Responsabilidade
SÃO INDISPENSÁVEIS AO
SUCESSO !!!!!!
O esforço coletivo de combatentes e sobreviventes
Para buscar novas armas...
Mais adeptos... E assim enfrentar o inimigo,
reduz o número de vítimas, alvos e
órfãos dessa guerra...
Engaje-se nessa luta...
E de uma coisa temos certeza :
Você nunca mais
será o mesmo...
Seus pensamentos mudarão...
Sua segurança também...
Aproveite!!!!
TODA JORNADA COMEÇA COM O
PRIMEIRO PASSO ..... CORAGEM !!!!!
www.anamt.org.br
Guia de vacinação dos trabalhadores saudáveis 2006
www.riscobiologico.org
www.corensp.org.br
htpp://portal.saude.gov.br/portal/svs
www.anent.org.br
www.corensp.org.br
www.mte.gov.br
Sites úteis para consulta
OBRIGADA
COREN-SP
E mail para contatos
dfi@corensp.org.br

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Treinamento de NR 32.ppt

NR-32 (atualizada 2011).pdf
NR-32 (atualizada 2011).pdfNR-32 (atualizada 2011).pdf
NR-32 (atualizada 2011).pdfAndrea491870
 
Nr32slidecerto123 150827210047-lva1-app6892
Nr32slidecerto123 150827210047-lva1-app6892Nr32slidecerto123 150827210047-lva1-app6892
Nr32slidecerto123 150827210047-lva1-app6892saulo montenegro
 
nr32slidecerto123-150827210047-lva1-app6892.pptx
nr32slidecerto123-150827210047-lva1-app6892.pptxnr32slidecerto123-150827210047-lva1-app6892.pptx
nr32slidecerto123-150827210047-lva1-app6892.pptxFlvioSegredo
 
Segurança no Trabalho em Serviços de Saúde
Segurança no Trabalho em Serviços de SaúdeSegurança no Trabalho em Serviços de Saúde
Segurança no Trabalho em Serviços de SaúdeJosé Carlos Nascimento
 
Saúde e Segurança no Trabalho em Serviços de Saúde
Saúde e Segurança no Trabalho em Serviços de SaúdeSaúde e Segurança no Trabalho em Serviços de Saúde
Saúde e Segurança no Trabalho em Serviços de SaúdeProfessor Robson
 
Apresentação aula sobre nr32 em biossegurança ceeps
Apresentação aula sobre  nr32 em biossegurança  ceepsApresentação aula sobre  nr32 em biossegurança  ceeps
Apresentação aula sobre nr32 em biossegurança ceepsJose Maciel Dos Anjos
 
AULA 01 - INTRODUÇÃO, DEFINIÇAO, HISTÓRICO.pptx
AULA 01 - INTRODUÇÃO, DEFINIÇAO, HISTÓRICO.pptxAULA 01 - INTRODUÇÃO, DEFINIÇAO, HISTÓRICO.pptx
AULA 01 - INTRODUÇÃO, DEFINIÇAO, HISTÓRICO.pptxLanaMonteiro8
 
44 biosseguranca - riscos e contencao
44 biosseguranca - riscos e contencao44 biosseguranca - riscos e contencao
44 biosseguranca - riscos e contencaoUPA Fortaleza
 
Manual biosseguranca
Manual biossegurancaManual biosseguranca
Manual biossegurancaojcn
 
Guia tecnico risco biologico nr-32
Guia tecnico risco biologico nr-32Guia tecnico risco biologico nr-32
Guia tecnico risco biologico nr-32Renatbar
 
Guia tecnico riscos_biologicos
Guia tecnico riscos_biologicosGuia tecnico riscos_biologicos
Guia tecnico riscos_biologicosRingo Rodrigues
 
Guia técnico de riscos biológicos nr-32 (ano 2008)
Guia técnico de riscos biológicos   nr-32 (ano 2008)Guia técnico de riscos biológicos   nr-32 (ano 2008)
Guia técnico de riscos biológicos nr-32 (ano 2008)coliveira1408
 

Semelhante a Treinamento de NR 32.ppt (20)

NR-32 (atualizada 2011).pdf
NR-32 (atualizada 2011).pdfNR-32 (atualizada 2011).pdf
NR-32 (atualizada 2011).pdf
 
NR 32
NR 32 NR 32
NR 32
 
Nr32slidecerto123 150827210047-lva1-app6892
Nr32slidecerto123 150827210047-lva1-app6892Nr32slidecerto123 150827210047-lva1-app6892
Nr32slidecerto123 150827210047-lva1-app6892
 
nr32slidecerto123-150827210047-lva1-app6892.pptx
nr32slidecerto123-150827210047-lva1-app6892.pptxnr32slidecerto123-150827210047-lva1-app6892.pptx
nr32slidecerto123-150827210047-lva1-app6892.pptx
 
Livreto nr32 Coren
Livreto nr32 CorenLivreto nr32 Coren
Livreto nr32 Coren
 
Segurança no Trabalho em Serviços de Saúde
Segurança no Trabalho em Serviços de SaúdeSegurança no Trabalho em Serviços de Saúde
Segurança no Trabalho em Serviços de Saúde
 
Nr – 32
Nr – 32Nr – 32
Nr – 32
 
Saúde e Segurança no Trabalho em Serviços de Saúde
Saúde e Segurança no Trabalho em Serviços de SaúdeSaúde e Segurança no Trabalho em Serviços de Saúde
Saúde e Segurança no Trabalho em Serviços de Saúde
 
nr-32.ppt
nr-32.pptnr-32.ppt
nr-32.ppt
 
nr-32.ppt
nr-32.pptnr-32.ppt
nr-32.ppt
 
biossegurança
biossegurançabiossegurança
biossegurança
 
Livreto nr32 0
Livreto nr32 0Livreto nr32 0
Livreto nr32 0
 
Apresentação aula sobre nr32 em biossegurança ceeps
Apresentação aula sobre  nr32 em biossegurança  ceepsApresentação aula sobre  nr32 em biossegurança  ceeps
Apresentação aula sobre nr32 em biossegurança ceeps
 
AULA 01 - INTRODUÇÃO, DEFINIÇAO, HISTÓRICO.pptx
AULA 01 - INTRODUÇÃO, DEFINIÇAO, HISTÓRICO.pptxAULA 01 - INTRODUÇÃO, DEFINIÇAO, HISTÓRICO.pptx
AULA 01 - INTRODUÇÃO, DEFINIÇAO, HISTÓRICO.pptx
 
Biossegurança
BiossegurançaBiossegurança
Biossegurança
 
44 biosseguranca - riscos e contencao
44 biosseguranca - riscos e contencao44 biosseguranca - riscos e contencao
44 biosseguranca - riscos e contencao
 
Manual biosseguranca
Manual biossegurancaManual biosseguranca
Manual biosseguranca
 
Guia tecnico risco biologico nr-32
Guia tecnico risco biologico nr-32Guia tecnico risco biologico nr-32
Guia tecnico risco biologico nr-32
 
Guia tecnico riscos_biologicos
Guia tecnico riscos_biologicosGuia tecnico riscos_biologicos
Guia tecnico riscos_biologicos
 
Guia técnico de riscos biológicos nr-32 (ano 2008)
Guia técnico de riscos biológicos   nr-32 (ano 2008)Guia técnico de riscos biológicos   nr-32 (ano 2008)
Guia técnico de riscos biológicos nr-32 (ano 2008)
 

Mais de ELTONARAUJORAMOS2

Mais de ELTONARAUJORAMOS2 (11)

NR18-Treinamento-Montagem-Andaimes.pptx
NR18-Treinamento-Montagem-Andaimes.pptxNR18-Treinamento-Montagem-Andaimes.pptx
NR18-Treinamento-Montagem-Andaimes.pptx
 
NR12-Treinamento-Rocadeira.pptx
NR12-Treinamento-Rocadeira.pptxNR12-Treinamento-Rocadeira.pptx
NR12-Treinamento-Rocadeira.pptx
 
Slides - Manipulação Segura de Alimentos.pdf
Slides - Manipulação Segura de Alimentos.pdfSlides - Manipulação Segura de Alimentos.pdf
Slides - Manipulação Segura de Alimentos.pdf
 
CURSO-bpf.pdf
CURSO-bpf.pdfCURSO-bpf.pdf
CURSO-bpf.pdf
 
Treinamento - Assédio Moral 02.pptx
Treinamento - Assédio Moral 02.pptxTreinamento - Assédio Moral 02.pptx
Treinamento - Assédio Moral 02.pptx
 
PRIMEIROS SOCORROS.ppt
PRIMEIROS SOCORROS.pptPRIMEIROS SOCORROS.ppt
PRIMEIROS SOCORROS.ppt
 
12-ENVENENAMENTO.ppt
12-ENVENENAMENTO.ppt12-ENVENENAMENTO.ppt
12-ENVENENAMENTO.ppt
 
Bloqueio e Etiquetagem.pdf
Bloqueio e Etiquetagem.pdfBloqueio e Etiquetagem.pdf
Bloqueio e Etiquetagem.pdf
 
Grupo 01.pdf
Grupo 01.pdfGrupo 01.pdf
Grupo 01.pdf
 
Apresentação do PowerPoint NR 33.pdf
Apresentação do PowerPoint NR 33.pdfApresentação do PowerPoint NR 33.pdf
Apresentação do PowerPoint NR 33.pdf
 
nr11-e-empilhadeiras.ppt
nr11-e-empilhadeiras.pptnr11-e-empilhadeiras.ppt
nr11-e-empilhadeiras.ppt
 

Último

Escala-CARS-1.pdf teste para crianças com autismo
Escala-CARS-1.pdf teste para crianças com autismoEscala-CARS-1.pdf teste para crianças com autismo
Escala-CARS-1.pdf teste para crianças com autismoJose Ribamar
 
AULA 07 - PROTOZOARIO E PRINCIPAIS DOENÇAS.pptx
AULA 07 - PROTOZOARIO E PRINCIPAIS DOENÇAS.pptxAULA 07 - PROTOZOARIO E PRINCIPAIS DOENÇAS.pptx
AULA 07 - PROTOZOARIO E PRINCIPAIS DOENÇAS.pptxLanaMonteiro8
 
Rowe_etal_2024Evidence for planning and motor subtypes of stuttering based on...
Rowe_etal_2024Evidence for planning and motor subtypes of stuttering based on...Rowe_etal_2024Evidence for planning and motor subtypes of stuttering based on...
Rowe_etal_2024Evidence for planning and motor subtypes of stuttering based on...Astrid Mühle Moreira Ferreira
 
Protocolo Zero Rugas - formato digital01
Protocolo Zero Rugas - formato digital01Protocolo Zero Rugas - formato digital01
Protocolo Zero Rugas - formato digital01perfilnovo3rich
 
aula de Me enxergou na minha tormenta Me livrou em meus problemas Transformou...
aula de Me enxergou na minha tormenta Me livrou em meus problemas Transformou...aula de Me enxergou na minha tormenta Me livrou em meus problemas Transformou...
aula de Me enxergou na minha tormenta Me livrou em meus problemas Transformou...quelenfermeira
 
aula sobre HELMINTOS E DOENÇAS CAUSADAS.pptx
aula sobre HELMINTOS E DOENÇAS CAUSADAS.pptxaula sobre HELMINTOS E DOENÇAS CAUSADAS.pptx
aula sobre HELMINTOS E DOENÇAS CAUSADAS.pptxLanaMonteiro8
 
anemia ferropriva e megaloblástica FINAL.pptx
anemia ferropriva e megaloblástica FINAL.pptxanemia ferropriva e megaloblástica FINAL.pptx
anemia ferropriva e megaloblástica FINAL.pptxnarayaskara215
 
Farmacologia do Sistema Nervoso Autonomo
Farmacologia do Sistema Nervoso AutonomoFarmacologia do Sistema Nervoso Autonomo
Farmacologia do Sistema Nervoso AutonomoPAULOVINICIUSDOSSANT1
 
CARL ROGERS E A ACPNascido em 1902, em Oak Park, Illinois, subúrbio de Chicag...
CARL ROGERS E A ACPNascido em 1902, em Oak Park, Illinois, subúrbio de Chicag...CARL ROGERS E A ACPNascido em 1902, em Oak Park, Illinois, subúrbio de Chicag...
CARL ROGERS E A ACPNascido em 1902, em Oak Park, Illinois, subúrbio de Chicag...wilkaccb
 
Atenção Humanizada ao recém nascido - em pdf
Atenção Humanizada ao recém nascido - em pdfAtenção Humanizada ao recém nascido - em pdf
Atenção Humanizada ao recém nascido - em pdfJuliaFernandes234579
 

Último (10)

Escala-CARS-1.pdf teste para crianças com autismo
Escala-CARS-1.pdf teste para crianças com autismoEscala-CARS-1.pdf teste para crianças com autismo
Escala-CARS-1.pdf teste para crianças com autismo
 
AULA 07 - PROTOZOARIO E PRINCIPAIS DOENÇAS.pptx
AULA 07 - PROTOZOARIO E PRINCIPAIS DOENÇAS.pptxAULA 07 - PROTOZOARIO E PRINCIPAIS DOENÇAS.pptx
AULA 07 - PROTOZOARIO E PRINCIPAIS DOENÇAS.pptx
 
Rowe_etal_2024Evidence for planning and motor subtypes of stuttering based on...
Rowe_etal_2024Evidence for planning and motor subtypes of stuttering based on...Rowe_etal_2024Evidence for planning and motor subtypes of stuttering based on...
Rowe_etal_2024Evidence for planning and motor subtypes of stuttering based on...
 
Protocolo Zero Rugas - formato digital01
Protocolo Zero Rugas - formato digital01Protocolo Zero Rugas - formato digital01
Protocolo Zero Rugas - formato digital01
 
aula de Me enxergou na minha tormenta Me livrou em meus problemas Transformou...
aula de Me enxergou na minha tormenta Me livrou em meus problemas Transformou...aula de Me enxergou na minha tormenta Me livrou em meus problemas Transformou...
aula de Me enxergou na minha tormenta Me livrou em meus problemas Transformou...
 
aula sobre HELMINTOS E DOENÇAS CAUSADAS.pptx
aula sobre HELMINTOS E DOENÇAS CAUSADAS.pptxaula sobre HELMINTOS E DOENÇAS CAUSADAS.pptx
aula sobre HELMINTOS E DOENÇAS CAUSADAS.pptx
 
anemia ferropriva e megaloblástica FINAL.pptx
anemia ferropriva e megaloblástica FINAL.pptxanemia ferropriva e megaloblástica FINAL.pptx
anemia ferropriva e megaloblástica FINAL.pptx
 
Farmacologia do Sistema Nervoso Autonomo
Farmacologia do Sistema Nervoso AutonomoFarmacologia do Sistema Nervoso Autonomo
Farmacologia do Sistema Nervoso Autonomo
 
CARL ROGERS E A ACPNascido em 1902, em Oak Park, Illinois, subúrbio de Chicag...
CARL ROGERS E A ACPNascido em 1902, em Oak Park, Illinois, subúrbio de Chicag...CARL ROGERS E A ACPNascido em 1902, em Oak Park, Illinois, subúrbio de Chicag...
CARL ROGERS E A ACPNascido em 1902, em Oak Park, Illinois, subúrbio de Chicag...
 
Atenção Humanizada ao recém nascido - em pdf
Atenção Humanizada ao recém nascido - em pdfAtenção Humanizada ao recém nascido - em pdf
Atenção Humanizada ao recém nascido - em pdf
 

Treinamento de NR 32.ppt

  • 1. NR NR- 32  PROTEÇÃO DA   SAÚDE E  E SEGURANÇA SEGURANÇA 
  • 2. SERVIÇOS DE SAÚDE ABRANGE TODAS AS EDIFICAÇÕES DESTINADAS ÀS AÇÕES DE : PROMOÇÃO, RECUPERAÇÃO, ASSISTÊNCIA , PESQUISA E ENSINO EM SAÚDE NÃO SÓ A ÁREA HOSPITALAR
  • 3. NRs - NORMAS REGULAMENTADORAS As Normas Regulamentadoras - NR, são relativas à segurança e medicina do trabalho, e de observância obrigatória pelas empresas privadas e públicas e pelos órgãos públicos ,administração direta e indireta, e pelos órgãos dos Poderes Legislativo e Judiciário, que tenham empregados regidos pela Consolidação das Leis doTrabalho - CLT.
  • 4.  NR – 04 Serviços Especializados em Engenharia de segurança e em Medicina do Trabalho - SESMT  NR – 05 Comissão Interna de Prevenção de Acidentes - CIPA  NR – 06 Equipamento de Proteção Individual- EPI  NR - 07 Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional - PCMSO  NR – 09 Programa de Prevenção de Riscos Ambientais - PPRA Interação da NR-32 com as demais NRs
  • 5. Interação da NR-32 com as demais NRs  NR- 15 Atividades e Operações Insalubres  NR- 16 Atividades e Operações Perigosas  NR – 17 Ergonomia  NR – 24 Condições Sanitárias e de Conforto  NR - 26 Sinalização de Segurança
  • 6.  Plano de Proteção Radiológica - P P R  P rograma de Gerenciamento de Resíduos nos Serviços de Saúde - PGRSS  Programa Nacional de Imunização - PNI- MS  Programa de Controle de Infecção Hospitalar  RDC – 50 da ANVISA INTEGRAÇÃO da NR-32 com outros PROGRAMAS
  • 7. A NR – 32 é um importante ganho e fundamental passo para a Segurança do Trabalhador da Área da Saúde
  • 8. MEDIDAS NORMATIZADAS • RISCOS BIOLÓGICOS 32.2.1 a 32.2.4.17.7 • RISCOS QUÍMICOS 32.3.1 a 32.3.10.1.1 Gases Medicinais Medicamentos e das Drogas de Risco Gases e Vapores Anestésicos Quimioterápicos Antineoplásicos
  • 9. MEDIDAS NORMATIZADAS • Radiações Ionizantes 32.4 a 32.4.16.2 • Resíduos tóxicos 32.5 a 32.5.9 • Condições de higiene e conforto por ocasião das refeições 32.6 a 32.6.3 • Lavanderia 32.7 a 32.7.4 • Limpeza e Conservação 32.8 a 32.8.3 • Manutenção de máquinas e Equipamentos 32.9 a 32.9.6.1
  • 10. MEDIDAS NORMATIZADAS •Das Disposições Gerais 32.10 a 32.10.16 • Das Disposições Finais 32.11 a 32.11.4 •ANEXO I - Classificação de Risco dos Agentes Biológicos •ANEXO II –Tabela de Classificação de grupos de agentes biológicos •GLOSSÁRIO
  • 11. A NR-32 AINDA NÃO ESTÁ FINALIZADA É A MAIOR NORMA REGULAMENTADORA, POSSUI MAIS DE 700 ITENS. HÁ UMA COMISSÃO TRIPARTITE NACIONAL QUE A APRIMORA CONTINUAMENTE (CTPN) E TAMBÉM CTP REGIONAL (CTPR) DAS QUAIS O COREN-SP PARTICIPA. CTPN E CTPR
  • 14. EQUIPES FACILITADORAS NA IMPLEMENTAÇÃO CIPA Comissão Interna de Prevenção de Acidentes CCIH / SCIH Comissão/Serviço de Controle de infecção Hospitalar COMISSÕES Compras, Materiais Hospitalares, Ética, Ensino, Pesquisa Científica, Educação Pernamente, etc...
  • 15. PROGRAMAS FACILITADORES NA IMPLANTAÇÃO PPR – Plano de Proteção Radiológica; PGRSS – Plano de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde; Programas de Controle de Infecção Hospitalar elaborados pela CCIH/SCIH; Programa Nacional de Imunização – PNI Programa de Prevenção de Riscos Ambientais PPRA Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional - PCMSO
  • 16. NA IMPLEMENTAÇÃO INCREMENTE :  # ELABORAÇÃO DE CHECK LIST DE SITUAÇÃO  # DISTRIBUIÇÃO DO CHECK LIST POR SETOR  # AGENDAMENTO DE REUNIÕES PERIÓDICAS  # ACOMPANHAMENTO POR EQUIPE MULTIDISCIPLINAR  # APRESENTAÇÃO DE ANALISE DE DADOS À DIREÇÃO  # ADEQUAÇÕES NECESSÁRIAS  # UTILIZAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS PRÓPRIOS  # VERIFICAÇÃO PERIÓDICA DE EFICACIA DE AÇÕES  # ANALISE DE FALHAS PARA CORREÇÃO
  • 17. NA IMPLANTAÇÃO INVISTA EM : 1. CAPACITAÇÃO 2. INFORMAÇÃO 3. TREINAMENTO 4. EDUCAÇÃO CONTINUADA PARA TODOS 5. DOCUMENTAÇÃO ESCRITA 6. ATIVIDADES INTERDISCIPLINARES 7. INTERAÇÕES
  • 18. CAPACITAÇÃO INICIAL E CONTINUADA a) Na Contratação e sempre que ocorra mudança das condições de exposição dos trabalhadores aos agentes biológicos, químicos físicos, ergonômicos b) Durante a jornada de trabalho; c) Por profissionais de saúde familiarizados com os riscos inerentes aos agentes ambientais. d)Normas e Procedimentos disponíveis
  • 19. RISCO BIOLÓGICO 32.2 É O QUE CONTEM O MAIOR Nº DE ITENS:  32.2.1 Para fins de aplicação desta NR, considera-se Risco Biológico a probabilidade da exposição ocupacional a agentes biológicos.  32.2.1.1 Consideram-se Agentes Biológicos os microrganismos, geneticamente modificados ou não; as culturas de células; os parasitas; as toxinas e os príons.
  • 20. RISCO BIOLÓGICO 32.2 32.2.4.10 INFORMAÇÃO Em todo local onde exista a possibilidade de exposição a agentes biológicos, devem ser fornecidas aos trabalhadores instruções escritas, em linguagem acessível, das rotinas realizadas no local de trabalho e medidas de prevenção de acidentes e de doenças relacionadas ao trabalho.
  • 21. RISCO BIOLÓGICO 32.2 32.2.4.9.1 - CAPACITAÇÃO A Capacitação deve ser adaptada à evolução do conhecimento e à identificação de novos riscos biológicos e deve incluir: • Os dados disponíveis sobre riscos potenciais para a saúde; • Medidas de controle que minimizem a exposição aos agentes; • Normas e procedimentos de higiene; • Utilização de equipamentos de proteção coletiva, individual e vestimentas de trabalho; • Medidas para a prevenção de acidentes e incidentes; • Medidas a serem adotadas pelos trabalhadores no caso de ocorrência de incidentes e acidentes.
  • 22. RISCO BIOLÓGICO 32.2 32.2.4.17 VACINAÇÃO A todo trabalhador dos serviços de saúde deve ser fornecido, gratuitamente, programa de imunização ativa contra tétano, difteria, hepatite B e os estabelecidos no PCMSO.
  • 23. Indicação recomendada GERAL NR32 – 32.2.4.17.1 e 32.2.4.17.3 GERAL NR32 – 32.2.4.17.1 GERAL NR32 – 32.2.4.17.2 GERAL NR32 – 32.2.4.17.2 GERAL NR32 – 32.2.4.17.2 GERAL NR32 – 32.2.4.17.2 Vacinas Hepatite B com sorologia de controle Tétano e Difteria MS - Port 1.602, de 17.07. 2006 Influenza Tríplice Viral MS - Port 1.602, de 17.07. 2006 Varicela Pneumocócica RISCO BIOLÓGICO-32.2.4.17 - VACINAÇÃO
  • 24. Vacinas Indicação recomendada Hepatite A NR32 – 32.2.4.17.1 e 2 PCMSO Os que tem contato com: crianças, hepatopatas, pacientes de alto risco, fezes e roupas ou objetos contaminados com fezes Febre Amarela MS - Port 1.602, de 17.07. 2006 PCMSO Residentes ou visitantes de áreas endêmicas ou de risco potencial NR32 – 32.2.4.17.2 Febre Tifóide NR32 – 32.2.4.17.1 e 2 PCMSO Em contato habitual com Salmonella typhi e residentes ou visitantes de áreas endêmicas ou de risco Anti meningocócica em presença de surto RISCO BIOLÓGICO-32.2.4.17 - VACINAÇÃO
  • 25. VACINAÇÃO CONTRA TUBERCULOSE - BCG Programa para Controle de Tuberculose - BUSCA ATIVA DE CASOS E O TRATAMENTO SUPERVISIONADO DOS DOENTES. Adoção das ações de Precauções para Aerossóis •Quarto privativo, portas fechadas •Limitar o transporte do paciente •Sistema especial de ventilação / exaustão (pressão negativa) •Uso de máscaras para agente de risco biológico N95 •E as Precauções Padrão ABRIR CAT COM DIAGNÓSTICO COMPROVADO
  • 26. Máscara de Proteção Respiratória para TB - EPI Máscaras N95 CA - ABNT 94% de filtragem -No Brasil estima-se que ocorram 129.000 casos por ano. -São notificados cerca de 90.000 casos por ano. -Em 1998 o coeficiente de mortalidade foi de 3,5 por 100.000 Habitantes. NÃO
  • 27. TB em Trabalhadores de Enfermagem A Revista Brasileira de Saúde Ocupacional –Vol.33 nº117-jan/jun2008, Publicou interessante artigo sobre a incidência de TB entre os Trabalhadores de Enfermagem,baseado em pesquisa comparativa. Os autores Dra Ivone Martini de Oliveira e o Dr. Ricardo Luiz Lorenzi, demonstram como a enfermagem apresenta risco maior de Tuberculose- doença que o da população referência e concluem com discussão, comentários e perspectivas extremamente pertinentes.
  • 28. PCMSO E NR - 32 Programa de Controle Médico de Saúde O Programa além do previsto na NR-07, deve contemplar a relação contendo a identificação dos trabalhadores , sua função, o local em que desempenham suas atividades o risco a que estão expostos; a vigilância médica; o programa de vacinação.
  • 29. O PCMSO deve considerar as informações contidas nas fichas descritivas dos produtos químicos citadas no PPRA para: a) direcionar os exames de saúde aos agravos à saúde relacionados à exposição a estes agentes químicos; b) indicar os cuidados de emergência para os trabalhadores em caso de exposição acidental aguda; c) prever medicamentos ou materiais para o atendimento dos trabalhadores em caso de exposição acidental. PCMSO E NR - 32
  • 30. PPRA E NR - 32 32.3.4.1 No PPRA dos serviços de saúde deve constar inventário de todos os produtos químicos, inclusive intermediários e resíduos, com indicação daqueles que impliquem em riscos à segurança e saúde do trabalhador.
  • 31. Cabe ao empregador capacitar, inicialmente e de forma continuada, os trabalhadores nos seguintes assuntos: a) segregação, acondicionamento e transporte dos resíduos; b) definições, classificação e potencial de risco dos resíduos; c) sistema de gerenciamento adotado internamente no estabelecimento; d) formas de reduzir a geração de resíduos; e) conhecimento das responsabilidades e de tarefas; f) reconhecimento dos símbolos de identificação das classes de resíduos; g) conhecimento sobre a utilização dos veículos de coleta; h) orientações quanto ao uso de Equipamentos de Proteção Individual – EPIs. NR-32 E RESÍDUOS – 32.5.1
  • 32. Sanções - Punições Praticamente todos os itens aplicáveis são passíveis de multa (PORTARIA N.° 167, DE 30 DE MAIO DE 2006)(DOU de 31/05/2006) Exemplo: Deixar de elaborar o PPRA contendo a identificação dos riscos biológicos mais prováveis.
  • 33. Aplicabilidade Responsabilidade penal do empregador (Lei 8.213/91, art. 19, §2º); Constitui contravenção penal, punível com multa, deixar a empresa de cumprir as normas de segurança e higiene do trabalho. Havendo dano ao empregado pelo descumprimento da norma, NR-32 serve de fundamento (culpa) para responsabilidade civil do empregador; Multa trabalhista; Viabilidade de ação civil pública (MPT) com imposição de multa diária.
  • 34. INTERDIÇÃO São consideradas como condições de risco grave e iminente, passíveis de interdição pela DRT, a presença de irregularidades, tais como, por exemplo: •Manter área para o preparo de quimioterápicos antineoplásicos sem sala específica para o preparo dos quimioterápicos (alínea b, do item 32.3.9.4.1). •Deixar de dotar a sala de preparo dos quimioterápicos antineoplásicos de Cabine de Segurança Biológica Classe II B2 (item 32.3.9.4.5).
  • 35. INTERVENÇÃO São consideradas como situações prioritárias de intervenção a presença de irregularidades, por exemplo : •Deixar de capacitar, inicialmente e de forma continuada, os trabalhadores •Deixar de elaborar PCMSO e PPRA com especificidades para as exposições à riscos biológicos, químicos (quimioterápicos) e à substâncias radioativas .
  • 36. NR-32 e o Enfermeiro Como Responsável Técnico o Enfermeiro deve:  Conhecer a NR-32 no que diz respeito à área de interesse e de foco assistencial da Instituição;  Incentivar a participação dos colaboradores e promover a divulgação da NR-32;  Investir em ações conjuntas com a CIPA- CCIH e SESMT da Instituição;  Formar Comissão de Estudos sobre a NR-32, com participação de Enfermeiros e demais colaboradores
  • 37. NR-32 e o Enfermeiro  Levantar todos os riscos pertinentes à execução dos procedimentos técnicos de Enfermagem que estejam compreendidos pela NR-32;  Elaborar Protocolos Técnicos e Regimento Disciplinar Interno, prevendo atitudes, condutas e posturas em questões previstas na NR-32, relacionadas com o processo assistencial institucional;  Promover reunião mensal para discussão de situações de risco identificadas e ações pro-ativas necessárias;  Levar ao conhecimento do COREN-SP situações que impliquem em risco assistencial e profissional por não observância à NR-32
  • 38. NR-32 e o Técnico/Auxiliar de Enfermagem  Conhecer a NR-32 no que diz respeito à área de interesse e de foco assistencial da Instituição;  Participar da Comissão de Estudos sobre a NR-32, buscando a conscientização pertinente;  Acusar ao Enfermeiro RT e/ou Comissão pertinente (CCIH-SESMT-etc...) todos os riscos referentes à execução dos procedimentos técnicos de Enfermagem que estejam compreendidos pela NR- 32;  Participar de reunião mensal para discussão de situações de risco identificadas e ações pro-ativas necessárias;  Levar ao conhecimento do COREN-SP situações que impliquem em risco assistencial e profissional por não observância à NR-32
  • 39. CÓDIGO DE ÉTICA DOS PROFISSIONAIS DE ENFERMAGEM RESOLUÇÃO COFEN Nº 311/2007 Aprova a Reformulação do Código de Ética dos Profissionais de Enfermagem que entre outros artigos, salientamos : Art. 63 - Desenvolver suas atividades profissionais em condições de trabalho que promovam a própria segurança e a da pessoa, família e coletividade sob seus cuidados, e dispor de material e equipamentos de proteção individual e coletiva, segundo as normas vigentes. Art. 64 - Recusar-se a desenvolver atividades profissionais na falta de material ou equipamentos de proteção individual e coletiva definidos na legislação específica WWW.COFEN.ORG.BR ; WWW.CORENSP.ORG.BR
  • 41. O esforço coletivo de combatentes e sobreviventes Para buscar novas armas... Mais adeptos... E assim enfrentar o inimigo, reduz o número de vítimas, alvos e órfãos dessa guerra... Engaje-se nessa luta... E de uma coisa temos certeza : Você nunca mais será o mesmo... Seus pensamentos mudarão... Sua segurança também... Aproveite!!!! TODA JORNADA COMEÇA COM O PRIMEIRO PASSO ..... CORAGEM !!!!!
  • 42. www.anamt.org.br Guia de vacinação dos trabalhadores saudáveis 2006 www.riscobiologico.org www.corensp.org.br htpp://portal.saude.gov.br/portal/svs www.anent.org.br www.corensp.org.br www.mte.gov.br Sites úteis para consulta
  • 43. OBRIGADA COREN-SP E mail para contatos dfi@corensp.org.br