O slideshow foi denunciado.
Utilizamos seu perfil e dados de atividades no LinkedIn para personalizar e exibir anúncios mais relevantes. Altere suas preferências de anúncios quando desejar.

Jb news informativo nr. 2016

155 visualizações

Publicada em

.

Publicada em: Arte e fotografia
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Jb news informativo nr. 2016

  1. 1. Nesta edição: Pesquisas – Arquivos e artigos próprios e de colaboradores e da Internet – Blogs - http:pt.wikipedia.org - Imagens: próprias, de colaboradores e www.google.com.br Os artigos aqui publicados não refletem necessariamente a opinião deste informativo, sendo plena a responsabilidade de seus autores. Saudações, Prezado Irmão! Índice do JB News nr. 2.016 – Florianópolis (SC) – sábado, 9 de abril de 2016 Bloco 1 – Almanaque Bloco 2 – IrBarbosa Nunes – Artigo nr. 269 – Ser honesto na administração pública não é uma .... Bloco 3 - IrMario López Rico – Filosofando un poco (10 de 10) El relativismo moral Bloco 4 - IrPaulo Roberto – Origens do Misticismo Ritualístico, Simbólico e Doutrinário do REAA Bloco 5 - IrBenjamin Pianowski Júnior – Como está a Maçonaria em relação aos pensamentos.... Bloco 6 – IrAdemar Valsechi – Coluna da Harmonia – Edição nr. 23 Bloco 7 – Destaques JB – Hoje com versos do Ir e Poeta Adilson Zotovici
  2. 2. JB News – Informativo nr. 2.016 – Florianópolis (SC) – sábado, 9 de abril de 2016 Pág. 2/24 Livros de artigos nos Graus de Aprendiz, Companheiro e Mestre Publicados na Revista O PRUMO. Durante o período de 1970 a 2015. Pedidos: site http://www.gosc.org.br Ou pelo telefone: (48) 3952-3300   1 – ALMANAQUE Hoje é o 100º dia do Calendário Gregoriano do ano de 2016– (Lua Nova) Faltam 266 dias para terminar este ano bissexto Dia Nacional do Aço Se o Irmão não deseja receber mais o informativo ou alterou o seu endereço eletrônico, POR FAVOR, comunique-nos pelo mesmo e-mail que recebeu a presente mensagem, para evitar atropelos em nossas remesssas diárias. Obrigado. Colabore conosco para evitar problemas na emissão de nossas mala direta diária. LIVROS
  3. 3. JB News – Informativo nr. 2.016 – Florianópolis (SC) – sábado, 9 de abril de 2016 Pág. 3/24  217 — O imperador romano Caracala é assassinado. É sucedido por seu prefeito do pretório, Macrino. 1860: Ofonoautógrafo deLeon Scott.  193 — Septímio Severo é proclamado Imperador Romano pelo exército na Ilíria, província romana nos Bálcãs.  475 — O imperador bizantino Basilisco expede uma carta circular (Enkyklikon) para os bispos de seu império, apoiando a posiçãocristológica monofisista.  1241 — Batalha de Legnica: forças mongóis derrotam os exércitos poloneses e alemães.  1413 — Henrique V é coroado rei da Inglaterra.  1440 — Cristóvão da Baviera é nomeado rei da Dinamarca.  1555 — O Cardeal Marcelo Cervini é eleito Papa com o nome de Marcelo II. O seu pontificado iria durar apenas 21 dias.  1682 — René Robert Cavelier de La Salle descobre a foz do rio Mississippi, reivindica o território para a França e o chama deLuisiana.  1782 — Guerra da Independência dos Estados Unidos: início da Batalha de Saintes.  1860 — Em sua máquina chamada fonoautógrafo, Leon Scott faz a mais antiga gravação conhecida de uma voz humana audível.  1865 — O general sulista Robert E. Lee rende-se a Ulysses S. Grant em Appomattox, pondo fim à Guerra Civil Americana.  1867 — Compra do Alasca: o Senado dos Estados Unidos ratifica o tratado com a Rússia para a compra do Alasca.  1916 — Primeira Guerra Mundial: Batalha de Verdun: tropas alemãs lançam a terceira ofensiva na batalha.  1917 — Primeira Guerra Mundial: Batalha de Arras: a batalha começa com o Corpo Canadense realizando um ataque maciço à serra de Vimy.  1918  Primeira Guerra Mundial: Batalha de La Lys: o Corpo Expedicionário Português é esmagado pelas forças alemãs durante o que é chamado deOfensiva da Primavera na região belga da Flandres.  O Conselho Nacional da Bessarábia proclama a união com o Reino da Romênia.  1928 — O islamismo deixa de ser reconhecido como religião estatal na Turquia.  1940 — Segunda Guerra Mundial: Operação Weserübung: a Alemanha invade a Dinamarca e Noruega.  1942 — Segunda Guerra Mundial: Batalha de Bataan/Marcha da Morte de Bataan: as forças dos Estados Unidos se rendem na península de Bataan. AMarinha Imperial Japonesa lança um ataque aéreo sobre Trincomalee no Ceilão (Sri Lanka).  1948  O assassinato de Jorge Eliécer Gaitán provoca uma revolta violenta em Bogotá (o Bogotazo), e mais dez anos de violência na Colômbia conhecido como La violencia.  Combatentes do Irgun e do grupo paramilitar sionista Lehi atacam Deir Yassin, perto de Jerusalém, matando mais de 100 civis palestinos desarmados.  1952 — O governo de Hugo Ballivián é derrubado pela Revolução Nacional da Bolívia, iniciando um período de reforma agrária, o sufrágio universal e nacionalização das minas de estanho.  1957 — O Canal de Suez no Egito é liberado para o transporte.  1959 — Projeto Mercury: a NASA anuncia a seleção dos primeiros sete astronautas dos Estados Unidos, os quais os meios de comunicação rapidamente passaram a chamar de "Mercury Seven".  1964 — Começo da vigência do Ato Institucional 1 (AI-1) na ditadura militar brasileira.  1967 — O primeiro Boeing 737 (uma série de 100) faz seu voo inaugural.  1969 — O avião supersônico britânico Concorde 002 termina com êxito seu voo de teste.  1986 — Primeiro CD musical lançado no Brasil: Garota de Ipanema, de Nara Leão e Roberto Menescal. Eventos históricos - (Fonte: https://pt.wikipedia.org/wiki) Aprofunde seu conhecimento clicando nas palavras sublinhadas
  4. 4. JB News – Informativo nr. 2.016 – Florianópolis (SC) – sábado, 9 de abril de 2016 Pág. 4/24  1991 — A Geórgia declara-se independente da União Soviética.  1992 — Um tribunal federal dos Estados Unidos julga o ex-ditador panamenho Manuel Noriega culpado por posse de drogas e extorsão. Ele é condenado a 30 anos de prisão.  1999 — Assassinato do presidente do Níger Ibrahim Baré Maïnassara.  2002 — Criada a Universidade Federal de Campina Grande - UFCG a partir do desmembramento da Universidade Federal da Paraíba - UFPB.  2003 — Guerra do Iraque: Saddam Hussein foge de Bagdá para o norte do país, depois ver o Exército iraquiano ser derrotado por tropas americanas e ser deposto do poder.  2005 — Casamento de Carlos, Príncipe de Gales e Camilla Parker-Bowles.  2009 — Em Tbilisi, capital da Geórgia, 60 000 pessoas manifestam-se contra o governo de Mikheil Saakashvili. 1794 Nasce, na cidade de Porto, em Portugal, José Gonçalves dos Santos Silva. Em 1820 veio fixar-se em Santa Catarina. Foi historiador deixando, entre outras obras, “Cartas Acerca da Província de Santa Catarina” e “As Leis em Conflito com o Direito de Ocupação e Conquista”, documento que serviu de subsídio para a defesa de Santa Catarina no litígio dos limites com o Paraná. 1887 Decreto Imperial nº 3.741, desta data, concede ao engenheiro Eduardo José de Moraes o privilégio para abrir e explorar um canal entre o porto da Laguna e a Lagoa dos Patos, no Rio Grande do Sul. O projeto não chegou a ser realizado. 1936 Fundado, em Blumenau, o Instituto Histórico e Cultural do Vale do Itajaí, aparecendo como fundadores Victor Konder, José Ferreira da Silva, Curt Hering, Frederico Kilian, Theodoro Lueders e Pedro Federsen. 1765 - 1765 - Documentos em Massachusetts, mostra que, o escravocrata, William Hall libertou um homem chamado Prince Hall, em 9 de abril de 1765, não pode ser conclusivamente ligado a qualquer pessoa, uma vez que não existe registro de nada menos que 21 homens chamado Prince Hall, e vários outros homens, chamado Prince Hall, que estava vivendo em Boston na época. Também não se sabe se ele foi uma pessoa que nasceu livre ou liberto. 1770 - 1770 - Prince Hall é o primeiro alojamento maçônico dos EUA, sendo o nome vindo de seu fundador e master, o qual era o mais famoso indivíduo na área de Boston durante a Revolução Americana e virada do Século XIX. 1952 Fundada a Loja “Fraternidade Tubaronense” nr. 9 (GLSC) em Tubarão. Fatos históricos de santa Catarina Fatos maçônicos do dia (Fontes: “O Livro dos Dias” do Ir João Guilherme - 20ª edição e arquivo pessoal)
  5. 5. JB News – Informativo nr. 2.016 – Florianópolis (SC) – sábado, 9 de abril de 2016 Pág. 5/24 TROQUE O DOMINGÃO DO FAUSTÃO PELO DOMINGÃO DO CHULETÃO Na ACM a partir das 11h00. Já está nascendo a churrasqueira. Acima, a primeira remessa dos tijolos. Abaixo, a armação sendo montada e o caminhão frigorífico ao lado, abrigando as “geladinhas”
  6. 6. JB News – Informativo nr. 2.016 – Florianópolis (SC) – sábado, 9 de abril de 2016 Pág. 6/24 INFORMATIVO BARBOSA NUNES Artigo nr. 269 do IrBarbosa Nunes, GM Geral Adjunto do GOB, que escreve a “Opinião” dos sábados. Este artigo está sendo publicado simultaneamente no Jornal Diário da Manhã (Goiânia) de 09.04.16 SER HONESTO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA NÃO É UMA VIRTUDE, É ANTES DE TUDO UM DEVER O Grande Oriente do Brasil, muito equilibrado, sem nenhum levante ou desobediência aos parâmetros cívicos e democráticos, se posiciona ao reencontro de um novo caminho, em respeito às instituições e volta do país à normalidade, sem quebrar o previsto na Constituição Brasileira, é uma instituição que nasceu para a Independência da Pátria. Prestes a completar 200 anos, no próximo 2022, vem nos momentos atuais, sob a liderança do Grão-Mestre Geral, Marcos José da Silva, tomando posições avançadas e em sintonia com o povo maçônico. Exemplo disto é a lei da “Ficha Limpa”, que foi projetada por Márlon Reis, maçom que mobilizou a sociedade brasileira na coleta de assinaturas para sua aprovação. Na sequência oficializou apoio ao Ministério Público Federal, buscando novamente assinaturas a favor do projeto “10 Medidas Contra a Corrupção”. Agora no mês de março, juntamente e com o respaldo dos Eminentes Grão-Mestres Estaduais de todo país, pelo Grão-Mestre Geral, com muita honra histórica, também por mim, como Grão-Mestre Geral Adjunto e corroborado pela Assembleia Federal Legislativa Maçônica, foi assinado o “Manifesto do Grande Oriente do Brasil pela moralidade da Gestão Pública”, posicionamento de apoio à Operação “Lava-jato”, assim exposto aos integrantes do GOB e à sociedade brasileira. “APOIAR a “Operação Lava Jato”, que diuturnamente revela à população brasileira, atos de corrupção e graves desvios éticos e morais, com repercussão direta na administração pública federal”. Prossegue: “Os fatos amplamente noticiados e apurados até aqui demonstram a contaminação de serviços e atividades públicas, formada por uma rede que pautou suas condutas contra o interesse público, em claro prejuízo e desserviço, não somente às Instituições Republicanas, mas sobretudo à sociedade e, em especial, aos menos favorecidos e carentes de educação, saúde, segurança pública e infra-estrutura com 2 – Opinião – Ser honesto na administração pública não é uma virtude, é antes de tudo um dever – Artigo nr. 269 do Informativo Barbosa Nunes
  7. 7. JB News – Informativo nr. 2.016 – Florianópolis (SC) – sábado, 9 de abril de 2016 Pág. 7/24 qualidade. As propinas que brotam das licitações conduzidas e que alimentam as campanhas políticas, não saem unicamente das empresas envolvidas, mas indiretamente do bolso de cada brasileiro, que paga seus impostos por um serviço deficitário e às vezes inexistente em muitas cidades. Sabemos que não existe lei que faça qualquer indivíduo ser honesto, pois isso é uma questão de princípio e na administração pública não é uma virtude – é antes de tudo um dever, razão pela qual manifestamos o irrestrito APOIO aos Órgãos Federais, especialmente à Polícia Federal, ao Ministério Público Federal e ao Poder Judiciário Federal. A todos os seus dignos representantes, diretamente envolvidos e comprometidos com o dever de investigar e aplicar a lei, indistintamente e independente de partido, ideologia ou condição social. Aos que praticaram esses crimes lesivos contra o povo brasileiro, devendo ser fomentado o absoluto respeito às instituições democráticas de Estado. Temos a convicção que a partir da resolução desses episódios da vida pública, reencontraremos o caminho da República que todos desejamos para a estabilidade democrática, o respeito e a prática dos princípios da administração pública, o equilíbrio da economia e o bem-estar do povo”. Este é o teor claro, transparente do histórico Grande Oriente do Brasil, sempre presente em momentos decisivos e muito colaborando para o caminhar normal do nosso país, em documento assinado pelos Grão-Mestre Geral, Adjunto e Grão-Mestres Estaduais assim identificados. Adalberto Aluizio Eyng (GOB-Santa Catarina), Américo Pereira da Rocha (GOB Espírito Santo), Antônio Francisco dos Passos (GOB-Mato Grosso), Antônio Pinheiro Barbosa Braga (GOB-Rio Grande do Norte), Armando Correa Júnior (Grande Oriente do Estado do Amazonas), Benedito Marques Ballouk Filho (Grande Oriente do Estado de São Paulo), Benilo Allegretti (Grande Oriente do Estado do Mato Grosso do Sul), Daury dos Santos Ximenes (GOB-Pernambuco), Derli Klusener (Grande Oriente do Estado de Alagoas), Édimo Muniz Pinho (GOB-Rio de Janeiro), Eduardo Teixeira Rezende (GOB-Minas Gerais), Geraldo Alves dos Santos (GOB-Paraíba), Geraldo Bento França (Grande Oriente do Estado do Tocantins), João Soares Gomes Filho (Grande Oriente do Estado do Maranhão), Jorge Pedron de Las LLanas (GOB-Rio Grande do Sul), José Antônio Dias Soares (Grande Oriente do Estado do Piauí), José Rodrigues Teles (Grande Oriente do Estado do Acre), Juraci Jorge da Silva (Grande Oriente do Estado de Rondônia), Lourival Mariano de Santana (GOB- Sergipe), Lucas Francisco Galdeano (Grande Oriente do Distrito Federal), Luis Carlos de Castro Coelho (Grande Oriente do Estado de Goiás), Luiz Rodrigo Larson Carstens (GOB- Paraná), Moacir Terrin Pereira (Grande Oriente do Estado do Pará), Raimundo Nonato Rodrigues Coelho (Grande Oriente do Estado de Roraima), Roberto Rocha Araújo (GOB- Ceará), Silvio Souza Cardim (Grande Oriente do Estado da Bahia) e Valdim Pereira de Souza (Delegado do GOB-Amapá). Grande Oriente do Brasil, instituição essencialmente progressista e evolucionista, cujos fins supremos são, Liberdade, Igualdade e Fraternidade. (Barbosa Nunes, advogado, ex- radialista, membro da AGI, delega- do de polícia aposentado, professor e maçom do Grande Oriente do Brasil – barbosanunes@terra.com.br)
  8. 8. JB News – Informativo nr. 2.016 – Florianópolis (SC) – sábado, 9 de abril de 2016 Pág. 8/24 O Irmão Mario López Rico é de La Coruña – Espanha. Escreve aos sábados. Responsável pela publicação espanhola Retales de Masononeria mario.lopezrico@yahoo.es retalesdemasoneria.blogspot.com.es Filosofando un poco (10 de 10) El relativismo moral. Decimos con grandilocuencia que buscamos la Luz y la Verdad sin darnos cuenta que es una tarea del todo imposible de completar por parte de este Ser al que llamamos hombre. Desde el mismo momento que nuestras facultades objetivas nos limitan en el conocimiento del medio en el cual habitamos y nos priva, por tanto, de poder conocer toda la información posible sobre cada tema; las verdades que alcancemos serán relativas y nunca la Verdad absoluta que pretendemos. Cada Ser Humano poseerá su verdad y esta es válida para él. Como podemos leer en el Kybalión “No existe la verdad, sino media verdades” Este mismo razonamiento podemos hacerlo extensivo a la moral. Cada cultura producida por la raza humana ha originado su estándar de moral y frecuentemente diferentes, y hasta opuestos, en lo moralmente permisible. ¿No existe acaso una Moral? Nuestras normas morales nos prohíben comer carne humana, tener dos o más esposas (maridos), andar desnudos por lugares públicos, poseer esclavos…pero en otras culturas o tribus lo permiten. La moral de una tribu antropófaga no se cuestiona comerse a otro ser humano y la moral religiosa musulmana no se cuestiona el tener más de una mujer, por poner solo un par de ejemplos. La teoría del relativismo moral defiende que no existe una verdad objetiva sobre lo que podemos llamar correcto o incorrecto; es decir, sobre que moral es la correcta. La única forma de determinar este punto consiste en comparar la acción con los estándares establecidos y, dado que cada sociedad ha desarrollado los suyos, el resultado depende por completo de donde habitemos. Correcto e incorrecto, moral e inmoral, pasan a ser posiciones relativas. Una mujer de la tribu masai cuyo marido lleva días o semanas fuera cazando puede mantener relaciones sexuales con otro hombre de la tribu y nadie la condenará por ello. Pero si nace un hijo fruto de esa relación será “hijo” de ella y de su marido. Tener hijos es muy importante porque garantiza tener quien les cuide en su ancianidad. Una mujer que se comporte así en nuestra sociedad sería rechazada y tratada de amoral (como mínimo). La pregunta aquí es porque nuestra moral tiene que ser la correcta o porque no pueden ambas ser correctas, cada una en su ámbito de aplicación. 3 – Filosofando un poco ( 10 de 10) El relativismo moral Mario López Rico
  9. 9. JB News – Informativo nr. 2.016 – Florianópolis (SC) – sábado, 9 de abril de 2016 Pág. 9/24 El relativismo moral se afirma como cierto argumentando que es la mejor manera de explicar la gran diversidad de códigos morales sobre el planeta Tierra. Dado que tenemos estándares para justificar posiciones morales contrapuestas, ¿cómo justificar que una persona que cumple su postura moral esté en lo cierto u otra que hace lo propio con la postura moral contrapuesta no lo esté? ¿Acaso no están ambos cumpliendo sus leyes morales y haciendo lo correcto dentro de su sociedad particular? Por otro lado, solo si pudiésemos definir a la perfección términos como bondad o maldad podríamos determinar una moral objetiva y podríamos decidir que moral es o no correcta en cada caso. En dicho estado nos sería posible definir una moral como la correcta y todas las demás como incorrectas. Sin embargo, el relativismo moral afirma que ser bueno o malo no es una propiedad física y que los actos moralmente buenos no son propiedades morales objetiva puesto que la bondad no depende de los sentidos objetivos sino de nuestros sentimientos subjetivos. Volviendo al ejemplo de la mujer masai, ella no se siente culpable, se siente bien porque “hace lo correcto” para garantizar su supervivencia y la de su marido cuando ambos sean ancianos. Cuantos más hijos tengan mejor y mantener relaciones con otros hombres cuando su marido no está favorece que los hijos sean más. Aunque esta teoría del relativismo puede parecer lógica, la mayor parte de los filósofos actuales rechazan el relativismo. Gilbert Harman es uno de los pocos que lo defienden y el de mayor influencia en dicha defensa Y usted ¿se alía con Harman o contra Harman? Sobre el autor Mario López Rico es maestro masón y trabaja actualmente su logia madre Renacimiento 54 – La Coruña – España, bajo la Obediencia de la Gran Logia de España, donde fue iniciado el 20 de Noviembre de 2007 y fue reconocido como maestro el 22 de Abril de 2010. A partir del año 2011 comienza a subir la escalera masónica filosófica del REAA siendo también, en la actualidad, Maestro de la Marca – Nauta del Arco Real, Compañero del Arco Real de Jerusalén y Super excelent master (grado cuarto y último de los Royal & Select Master – Rito york) Miembro Fundador Capitulo Semper Fidelis nº 36 de Masones del Arco Real el 18 – Oct – 2014 Miembro Fundador Consejo Mesa de Salomón nº 324 de Maestros Reales y Selectos (Masonería Criptica) el 20 – Feb - 2016
  10. 10. JB News – Informativo nr. 2.016 – Florianópolis (SC) – sábado, 9 de abril de 2016 Pág. 10/24 Ir. Paulo Roberto - MI da Loja Pitágoras nr. 15 Grande Secretário Adjunto Guarda-Selos da GLSC Escreve aos sábados prp.ephraim58@terra.com.br Paulo Roberto “Origens do Misticismo Ritualístico, Simbólico e Doutrinário do R.: E.: A.: A.:” O Misticismo nos Tempos Pré-Históricos... Por período pré-histórico, considera-se aquele situado entre o aparecimento de hominídeos em nosso planeta, dotados de cultura e a descoberta da escrita pelos homens; quando se viu iniciada a história (escrita), pois a ciência da Pré-História não possui que saibamos documentos escritos comprobatórios sobre a mesma. A grande importância dos tempos Pré-Históricos baseia-se no fato de que nessa época surgiram os rudimentos da tecnologia, da magia, da religião e da arte, somam-se, ainda, as instituições sociais básicas, tais como, governo, família, comércio, normas de direito e moral. Também, nessa época, surgiram as primeiras manifestações referentes à mitologia e às ideias filosóficas, que, bem sabemos, ao lado da religião e da magia, fizeram com que existisse, o misticismo pré-histórico. Recorde-se que várias classificações já foram propostas para dividir o período em discussão, sendo clássica, contudo, a divisão elaborada por Thomsen, em 1836, o qual classificou três épocas, recebendo as denominações de Idade da Pedra, Idade do Bronze (liga metálica de cobre e estanho) e, finalmente, a Idade do Ferro. Posteriormente, em 1865, o pesquisador Lubbock, dividia a Idade da Pedra em dois períodos:  Paleolítico (Idade da Pedra Lascada);  Neolítico (Idade da Pedra Polida). Um pouco mais a frente, 1883, Mortillet sugeriu a subdivisão arqueológica, com base nos sítios arqueológicos encontrados em andares (camadas). Sendo as culturas designadas de acordo com o nome da localidade onde tivessem sido encontrados os seus primeiros exemplares, sendo essa prática, empregue até os dias atuais. Já em 1892, Allen Brown, propôs o reconhecimento de um período intermediário, a que deu o nome de Mesolítico, enquanto o próprio Mortillet, em 1903, dividia o Paleolítico em três períodos, a saber: 4 – Origens do Misticismo Ritualístico, Simbólico e Doutrinário do REAA - Paulo Roberto
  11. 11. JB News – Informativo nr. 2.016 – Florianópolis (SC) – sábado, 9 de abril de 2016 Pág. 11/24  Inferior (mais antigo);  Médio;  Superior. Todos de acordo com o sistema arqueológico dos andares ou camadas. Dando ênfase ao até então pesquisado, lembramos que o período dito pré-histórico, se estende desde cerca de um milhão de anos atrás, até o quarto milênio a.C., quando foi então descoberta a escrita pelos sumerianos. Sabe-se, hoje, que a maior parte desse grande período, ou seja, desde o início até cerca de 8.000 a.C., é totalmente ocupada pelo Paleolítico. No próximo bloco, começaremos a analisar, cada um dos períodos e o surgimento do misticismo entre, os homens, considerados pré-históricos. II – A – Paleolítico Inferior Período compreendido entre o início da pré-história humana, até cerca de 150.000 anos atrás. Nesse período processou-se uma rápida evolução dos hominídeos, representados inicialmente, pelos australopitecíneos (australopitecos), encontrados na África (Australopitecus Africanus) e, depois, pelos pitecantropíneos. De acordo com os achados arqueológicos, esses hominídeos já possuíam indústrias líticas, com fabricação de instrumentos feitos de pedra, seixos, além de usarem também, outros materiais, tais como, ossos, dentes e carapaças de animais. Essas indústrias líticas foram se transformando e aperfeiçoando, através de todo o Paleolítico Inferior; entretanto, a grande descoberta humana desse período foi, sem sombra de dúvidas, a utilização do fogo, ocorrida há cerca de 500.000 anos, de acordo com achados arqueológicos perto de Pequim, onde, também, foram encontrados restos de um pitecantropíneo, o Homo Erectus Pekinensis. Nesse período, desconhecem-se manifestações místicas ou religiosas, nem através de ritos funerários, embora, essa seja a época mais nebulosa da pré-história humana. II – B – Paleolítico Médio Aqui, surge, o Homo Neanderthalensis (Homem de Neanderthal) e, se distingue do Paleolítico Inferior, pelo aperfeiçoamento da indústria da pedra e pelo aceleramento do progresso. Foi um período caracterizado, a princípio, pelo nomadismo exclusivo, mostrou posteriormente, o aparecimento dos rudimentos da linguagem e um pequeno esboço de organização social, com agrupamentos mais solidificados. Tendo durado de 150.000 a 40.000 a.C., mostrou, inicialmente, um homem primitivo, que talvez tivesse, algumas vezes, se interrogado sobre os mistérios da natureza. Todavia, surgiram em época mais recente a esse período, as primeiras manifestações místicas de caráter religioso – os homens de Neanderthal enterravam, com as devidas cerimônias, os seus mortos. Colocando objetos em seus túmulos, o que mostrava, já, a crença em uma vida futura, a qual iria dominar, posteriormente, todas as religiões e todos os sistemas filosóficos de doutrinação moral, tal como, a Instituição Maçônica. II – C – Paleolítico Superior Período iniciado há 40.000 anos, estendendo-se até aproximadamente 10.500 a.C., considerado um período de grandes mudanças e rápido progresso, onde existiram diversas etnias de Homo Sapiens, sendo a principal delas a de Cro-Magnon.
  12. 12. JB News – Informativo nr. 2.016 – Florianópolis (SC) – sábado, 9 de abril de 2016 Pág. 12/24 Nessa época existiu um determinado aperfeiçoamento dos instrumentos de pedra, com o surgimento de artefatos de uso mais especializado; além da pedra, usavam com abundância, outros materiais, tais como, osso, chifre e marfim. Nota-se, um aumento da complexidade da organização social, com os rudimentos da formação dos clãs e com os grupos dos homens para caçadas coletivas de animais de grande porte. Sim, é nesse período que surgiram as primeiras manifestações de arte pré-histórica, com a invenção do desenho, o aparecimento de esculturas em relevo, de entalhes, de objetos ornados etc. Essa arte das cavernas (pinturas rupestres) atingiu o seu apogeu por volta de 13.500 a.C. e parece ter sido realizada com finalidades mágicas, para proporcionar êxito na caça, embora alguns pesquisadores creiam que os desenhos e esculturas representem, apenas, uma reportagem pictórea e estatutária do dia-a-dia do homem pré-histórico. Também foram os homens do Paleolítico Superior que deram início a povoação da América, à qual chegaram vindos da Ásia, atravessando, a pé, o Estreito de Behring; isso teria ocorrido há cerca de 30.000 anos. A evolução do misticismo também foi apreciável, pois, além dos ritos funerários com oferendas, surgiram os rudimentos da magia, que era praticada para a cura das doenças, para afastar os inimigos e para propiciar boas e ótimas caçadas (como seria o caso da finalidade da arte das cavernas). A magia, iniciada nesse período, iria ser notavelmente incrementada nas civilizações da denominada Idade dos Metais, em franca relação com a religião, através da qual viria a influenciar a mística moderna.
  13. 13. JB News – Informativo nr. 2.016 – Florianópolis (SC) – sábado, 9 de abril de 2016 Pág. 13/24 Irmão Benjamin Pianowski Junior C M da Loja Breno Trautwein nº 62 Curitiba -PR Cadastro GOP nº 42.422 Como está a Maçonaria em relação aos pensamentos científico e filosófico? Para um Maçom estudioso, as contradições, as incongruências, as polêmicas e os assuntos ainda não esclarecidos ou resolvidos, passíveis de discussões, são o reino de seu aprendizado. (SPOLADORE, 2012) Acerca do que é atribuído ao grau de Companheiro Maçom e também sobre o pensamento do Irmão Spoladore, procurou-se, por meio de conceitos e associações, falar de certas qualidades imputadas ao grau de companheiro e de temas centrais que envolvem o quesito inicialmente proposto. Para orientação, ao elaborar este pequeno estudo, foram utilizadas como referências: Breno Trautwein, Nicola Abbagnano, Edegar Morin, Immanoel Kant, Hercule Spoladore e o Ritual de Companheiro R.E.A.E.. Para se abordar a prática de estudos comum aos maçons, este trabalho tem início com a seguinte informação acerca das tradições e do que é encontrado nos anais da Ordem Maçônica, onde diz que o 2º grau caracteriza-se por ser “profundamente histórico e realista” (R.E.A.A., C.M. 2012, p.9) e “revela a grande influência árabe no cristianismo e no judaísmo, desde a época Alexandrina, durante a Idade Média e até a Renascença” (R.E.A.A., C.M. 2012, p.9). Os árabes não se limitavam a conhecimentos restritos. Estudavam a sabedoria oriental e a filosofia grega, além da alquimia e da medicina. Influenciaram sábios da Igreja, como ocorreu, por exemplo, com Roger Bacon, o franciscano (1214-1294). Transformaram a cabala judaica medieval, ao divulgarem o neopitagorismo e a alquimia, a álgebra e a matemática. Em suma, os sábios árabes de Córdova e Toledo ensinaram a Ciência ao Ocidente. (R.E.A.A., C.M. 2012, p.9) A respeito dessas atividades científicas e filosóficas particulares dos árabes, pode-se aceverar que está nelas o intento de encotrar a verdade. Convém colocar aqui, sempre baseado nas referências utilizadas neste trabalho, que essa busca da verdade é algo sem fim (MORIN, 2005). O que ocorre com a ciência, de acordo com Edgar Morin (2005), é que a evolução de suas afirmações não segue para uma grande certeza. Embora, no senso comum, se acredite o contrário disso. Para expor mais sobre essa questão, podemos evocar uma citação onde Trautwein (1997), falando da Ordem Maçônica, aborda sobre a verdade, dando a entender que, devido ao despreparo, o indivíduo passa a adotar teorias e explicações como definitivas: 5 – Como está a Maçonaria em relação aos pensamentos científico e filosófico? – Benjamin Pianowski Júnior
  14. 14. JB News – Informativo nr. 2.016 – Florianópolis (SC) – sábado, 9 de abril de 2016 Pág. 14/24 Em nossa procura da verdade somos muitas vezes traídos pela ilusão de termos encontrado. E, como Dom Quixote, vamos de lança em riste, demolindo tudo aquilo que se antepõe aos nossos conceitos dogmáticos. (TRAUTWEIN, 1997, p 125) Vê-se que Trautwein faz um tipo de alerta contra os conceitos dogmáticos que, por ventura, se conceba ou se idealize. A produção de um dogma, por mais bem intencionada que seja a defesa de uma única verdade, por mais que ela pareça ser mesmo certa e definitiva, ela ainda será incompatível com o método dialético, onde deve haver diálogo e onde a verdade é uma tese que terá de ser contraposta. Tal tipo de procedimento, uma postura de legitimação de uma opinião ou de uma ideologia, choca-se com os propósitos e preceitos do maçom. Conforme o Ritual de Companheiro (GOP, 2012), uma das disposições do grau dois é a Dialética. Trata-se de um processo de investigação, de origem filosófica, onde há um antagonista a ser enfrentado, uma tese a ser contestada, estabelecendo dois protagonistas ou duas proposições divergentes, cujo produto será uma síntese, uma nova tese ou verdade a ser dialogada (ABBAGNANO 2010). Segundo as considerações de Morin (2005), a filosofia precisa da ciência e vice-versa, à primeira cabe preencher-se com conhecimentos empíricos e à segunda desenvolver-se na capacidade de pensar a si mesma. Além da dialética, os exaltados trabalhos moral e intelectual confirmam o quanto o grau de companheiro não deve trabalhar sem a ciência e a filosofia. No caso do trabalho moral, ele é inseparável da ciência e da filosofia, como pode ser observado durante a evolução histórica da moral, quando foi claramente influenciada pela Revolução Ciêntífica, intimamente ligada ao que se chamou de Revolução Copernicana no campo da filosofia (KANT, 2010), e conforme pode-se ver em sua definição geral. Segundo Abbagnano (2010), moral é a conduta orientada por normas, tida como objeto da ética que vem a ser a ciência da conduta. O significado geral de Trabalho Intelectual, segundo Abbagnano (2010), pode ser descrito como sendo a apreensão do significado de algo, alcançar a interpretação de um símbolo, entender as razões de um argumento, avaliar a importância de determinada intervenção etc. Para o iniciado, a Maçonaria apresenta-se através de sua história, de muitos conceitos, símbolos, leis e princípios que se interlaçam e devem ser decifrados por cada membro, sempre consoante os desiguais recursos individuais. Isso, associado aos conhecimentos científicos e filosóficos, são a laboração intelectual do maçom (SPOLADORE, 2012). Spoladore (2012) deixa evidente que os fundamentos dos pensamentos científico e filosófico são o caminho para a interpretação e o esclarecimento. Está manifesto que o companheiro maçom, em teoria, é um pesquisador e um estudioso sem limites e, obrigatoriamente, deveria estar atualizado. Acerca da ciência, Popper (apud MORIN, 2005) diz ser um espaço dedicado a contrariar princípios de explicações e teorias, o que equivale a dizer que faz empenho em rebater interpretações de mundo e postulados metafísicos. Ao estudar ciência, a intenção não é tornar-se cientista, nem saber as noticias recentes, mas sim tentar compreender seus fundamentos. Conforme Popper (apud MORIN, 2005) novamente, pode-se entender que o estudo científico é um campo permanentemente aberto e inexorável, onde há sempre contrários, mas também onde estão presente certas regras: a sujeição a fundamentos de coerência, de um lado; o respeito aos
  15. 15. JB News – Informativo nr. 2.016 – Florianópolis (SC) – sábado, 9 de abril de 2016 Pág. 15/24 elementos, por outro. Os oponentes entram nesse desafio determinados a seguir tais regulamentos, e isso faz da ciência excelente (MORIN, 2005). O levante feito por Truatwein (1997), sobre posições dogmáticas, serve para prevenir sobre posturas conclusivas, relativas a determinado tema, desacompanhadas de garantias da sua validade, ou seja, sem aplicar metodologia científica ou processo dialético. Pode-se dizer que ele descreve ali uma cena de uma prática não maçônica, desde a produção do dogma até a tentativa de infundi-lo. Segundo Abbagnano (2010) e Trautwein (1997), o dogma pode ser definido como sendo uma opinião, o oposto da ciência, produto do preconceito e da ignorância. É o quesito fundamental e indiscutível de uma crença, podendo ser, de cunho religioso, filosófico, social, político, ideológico, científico etc. Segundo Popper (apud MORIN, 2005), os dogmas e as doutrinas, por definição, não aceitam a possibilidade de que sejam qualificadas como falsas. As teorias científicas, para o serem, estão sempre abertas à demonstração de sua falsidade. Diante destas reflexões e informações, pode-se apresentar o seguinte silogismo: O Companheiro Maçom baseia seus estudos na ciência e na filosofia. A ciência e a filosofia são incompatíveis com dogmas e preconceitos. Logo, a Maçonaria é incompatível ou inconciliável com dogmas e preconceitos. Olhando-se para a ecologia do desenvolvimento humano de Bronfenbrenner (1996), onde considera que para uma certa sociedade ou grupo humano, pode-se afirmar que os micro, meso, exo e macrossistemas tendem a ter a mesma estrutura, como se fossem originários do mesmo modelo principal e os sistemas funcionassem de maneira parecida. Seguindo-se por essa teoria, oportuniza-se dizer que a Maçonaria, como um microssistema, é dominada pelas idéias prevalecentes no momento, ela não vence o desafio de fazer valer sua vocação para a liberdade de pensamento e nem de fazer prosperar os fundamentos da filosofia e da ciência, seguindo pelo dogmatismo evidente (TRAUTWEIN, 1997). E para concluir, retoma-se a questão: Como está a Maçonaria em relação aos pensamentos científico e filosófico? Pode-se dizer que as bases do conhecimento filosófico e também os princípios do pensamento científico não são priorizados na Ordem, o que justifica as duras críticas feitas por Trautwein (1997). Diante disso, propõe-se que o maçom se coloque diante da vida, dos fenômenos e das experiências com um olhar crítico e uma atitude de maçom pesquisador, buscando suspender seus pré- conceitos e compreender em profundidade aquilo que se propõe a estudar, fazendo valer os valores do iluminismo e demais princípios libertadores que inspiram a Ordem. .
  16. 16. JB News – Informativo nr. 2.016 – Florianópolis (SC) – sábado, 9 de abril de 2016 Pág. 16/24 Coluna da Harmonia O Irmão Ademar Valsechi escreve aos sábados. É MI da Loja Templários da Nova Era – 33º. REAA – membro da Academia Catarinense Maçônica de Letras, ex-Grande Mestre de Harmonia, atual Grande Secretário de Cultura da GLSC e autor do Livro “A Arte da Música Através do Tempo e na Maçonaria” além da Coletânea em MP3 de Músicas para Ocasiões Maçônicas. - valsechibr@gmail.com Coluna da Harmonia – Nr. 23 História da Música A Música na Antiguidade – 2ª parte OM: Como os povos de outras civilizações antigas, os chineses acreditavam que todo som audível, incluindo a música, era uma forma de manifestação muito fundamental de Som superfísico. Esse Som Fundamental equivalia ao que os hindus denominam OM. No crer dos chineses, o Som Fundamental, posto que inaudível se achava presente em toda parte como Vibração Divina. Também se diferencia em doze tons cósmicos, relacionados às doze regiões zodiacais do céu. No Hinduísmo, a sílaba OM não só representa o conceito de Som Cósmico, como também se acredita que ela, quando pronunciada, afina o indivíduo pelo próprio Tom Celestial. O Som Cósmico, impregnado da essência da consciência, tem sido variadamente conhecido por AUM, AMN, AMÉN, AMEEN, O MEN, O MON, I AM, YAHUVAH, o LOGOS, o VERBO e outros nomes. Harmonizando a 23ª Coluna da Harmonia, vamos ouvir: Crucifixion – John Debney 98 -Crucifixion - John Debney.mp3 Alexander – Vanessa Mae 107 - Alexander - Vanessa Mae .mp3 6 – Coluna da Harmonia nr. 23 Ademar Valsechi
  17. 17. JB News – Informativo nr. 2.016 – Florianópolis (SC) – sábado, 9 de abril de 2016 Pág. 17/24 (as letras em vermelho significam que a Loja completou ou está completando aniversário) GLSC - http://www.mrglsc.org.br GOSC https://www.gosc.org.br Data Nome Oriente 07.04.1997 Expedicionário Nilson Vasco Gondin Florianópolis 12.04.1997 Lara Ribas Florianópolis 21.04.1979 Colunas do Imbé Imbituba 26.04.1979 Duque de Caxias Florianópolis 28.04.1990 Luz do Vale Rio do Sul 28.04.2008 Consensio Içara Data Nome da Loja Oriente 02.04.2013 Sol do Oriente nr. 107 Balneário do Rincão 05.04.1983 Acácia Negra nr. 35 Mafra 08.04.2015 São Miguel da Terra Firme nr. 110 Biguaçú 09.04.1952 Fraternidade Tubaronense nr. 09 Tubarão 14.04.1956 Mozart nr. 08 Joinville 14.04.2014 Amadeus Mozart nr. 108 Joinville 15.04.2007 Acácia Riosulense nr. 95 Rio do Sul 18.04.1997 Padre Roma nr. 16 São José 21.04.1982 Inconfidência de Concórdia nr. 27 Concórdia 24.04.2001 Liberdade e Harmonia nr. 81 Florianópolis Lojas Aniversariantes de Santa Catarina Mês de abril 7 – Destaques (Resenha Final)
  18. 18. JB News – Informativo nr. 2.016 – Florianópolis (SC) – sábado, 9 de abril de 2016 Pág. 18/24 GOB/SC – http://www.gob-sc.org.br/gobsc Data Nome Oriente 02.04.1860 Regeneração Catarinense - 0138 Florianópolis 03.04.1998 Pedra Da Fraternidade - 3149 Itapoá 04.04.1974 Hermann Blumenau - 1896 Blumenau 12.04.1973 Plácido O De Oliveira 2385 Rio do Sul 19.04.1996 Universo Da Arte Real - 2947 Penha 23.04.2012 Ética E Justiça Florianópolis 24.04.1995 Estrela Da Harmonia -2868 Criciúma 25.04.2003 Laelia Purpurata - 3496 Camboriú 28.04.2003 Harmonia E Fraternidade -3490 Florianópolis
  19. 19. JB News – Informativo nr. 2.016 – Florianópolis (SC) – sábado, 9 de abril de 2016 Pág. 19/24
  20. 20. JB News – Informativo nr. 2.016 – Florianópolis (SC) – sábado, 9 de abril de 2016 Pág. 20/24
  21. 21. JB News – Informativo nr. 2.016 – Florianópolis (SC) – sábado, 9 de abril de 2016 Pág. 21/24
  22. 22. JB News – Informativo nr. 2.016 – Florianópolis (SC) – sábado, 9 de abril de 2016 Pág. 22/24 Loja Templários da Nova Era: Sessão Magna de Elevação realizada em 02.04.2009. Chegaram ao Grau de Companheiro os IIr Clovis Antonio Petry, Everton Balsimelli Staub, Névio João Nuernberg, Paulo Sergio da Silva Borges e Ricardo Isensee. (Foto JB News)
  23. 23. JB News – Informativo nr. 2.016 – Florianópolis (SC) – sábado, 9 de abril de 2016 Pág. 23/24 Os vídeos são pesquisados ou repassados, em sua maioria, por irmãos colaboradores do JB News. 1 – Relíquia: RelÃquia.mp4 2 – Rolls Royce: Rolls Royce 2010.pps 3 – Rodin Museum – Paris: RodinMuseumParis.pps 4 – Alsácia: alsacia.pps 5 – Revivendo Rolando Nero: Rolando Lero - Um dos gênios do humorismo.wmv 6 – Aulas de História da Turquia: Aula de História da Turquia.pps 7 - Filme do dia (A Chave do Problema) O Gordo e o Magro (dublado) https://www.youtube.com/watch?v=8aEGRVZVcJw
  24. 24. JB News – Informativo nr. 2.016 – Florianópolis (SC) – sábado, 9 de abril de 2016 Pág. 24/24 Irmão Adilson Zotovici, Loja Chequer Nassif-169 de São Bernardo do Campo – GLESP Escreve aos sábados neste espaço. adilsonzotovici@gmail.com TRISTE LIRA Basta de tanta mentira De chafurdar a decência Dessa ganância vampira De insensatez, imprudência ! Fato, com muita frequência, Se ato ruim transpira Breve, com grande fluência, Brande quem deve e conspira ! De lado a lado na mira Corrupção e indecência , Dum povo farto, com ira ! Tão triste quando se inspira Versejar sobre excrescência Ao invés de amor numa lira ! Adilson Zotovici ARLS Chequer Nassif-169

×