SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 20
Baixar para ler offline
CILP – Curso Isolado de Língua Portuguesa | Professor Jason Lima | emlinguagem.blogspot.com.br Página 1
CILP – CURSO ISOLADO DE LÍNGUA PORTUGUESA
Professor Jason Lima
Sintaxe | Exercícios
01 - (Fac. Direito de Sorocaba SP) Leia a tira.
Folha de S.Paulo, 26.10.2012)
Observando os termos “doente” e “egoísta” (1.º quadrinho) e
“doença” e “egoísmo” (3.º quadrinho), é correto afirmar que
a) os dois primeiros são advérbios, pois expressam circunstância
de modo; os dois últimos são adjetivos, pois qualificam o
termo “lucrar”.
b) os quatro são substantivos, sendo que há relação de sinonímia
entre “doente-doença” e “egoísta-egoísmo”.
c) os dois primeiros são substantivos, pois nomeiam a
“sociedade”; os dois últimos são adjetivos, pois são
predicativos de “lucrar”.
d) os quatro são adjetivos, sendo que há relação de sentido entre
“doente-doença” e “egoísta-egoísmo”, que são palavras
derivadas.
e) os dois primeiros são adjetivos, pois qualificam o substantivo
“sociedade”; os dois últimos são substantivos, pois nomeiam.
02 - (UFPR) A sentença “Ele anda ouvindo música” pode ser
interpretada de duas formas: a) ele ouve música enquanto
caminha – neste caso, o verbo “andar” funciona como verbo
pleno, significando “caminhar”; b) a atividade de ele ouvir
música tem se repetido ultimamente – neste caso, o verbo “andar”
se esvazia de seu sentido pleno e funciona como elemento
gramatical, um auxiliar. Podemos identificar no português outros
verbos que podem ter esses dois usos: um com seu sentido lexical
pleno e outro funcionando como elemento gramatical. Tendo isso
em vista, considere os conjuntos de sentenças abaixo:
1. Ele chegou na festa e bagunçou o tempo todo.
Ele chegou a interferir no processo, mas foi neutralizado.
2. Ela está querendo comer camarão.
Ela está querendo ficar doente.
3. O que ela fez com a faca que estava no chão? Ela pegou e
guardou na gaveta.
Como ele agiu quando se deparou com o grupo? Ah, ele
pegou e foi batendo em todo mundo.
4. Todos trabalham pela causa.
Eles trabalham vendendo computadores.
Em qualquer caso, independente do contexto, o verbo grifado
pode ser interpretado com sentido lexical pleno em ambas as
ocorrências:
a) do conjunto 3 apenas.
b) do conjunto 4 apenas.
c) dos conjuntos 1 e 4 apenas.
d) dos conjuntos 1 e 2 apenas.
e) dos conjuntos 2, 3 e 4 apenas.
03 - (UDESC SC) Assinale a alternativa incorreta, considerando
o excerto do conto Os brejos dos Ratones, da obra Homens e
Algas, de Othon d’Eça.
Texto 3
1
O Doca passou a ser um farrapo de homem esfiado, balofo, a
barba muito rala e toda branca.
2
Os cabelos já não luziam como peixe grisalhos, empastados nas
têmporas duras, pareciam restos encardidos de algodão.
3
Não caminhava; os seus passos tracejavam linhas vacilantes.
4
Quase nem podia suportar o peso do samburá.
5
Mas você, Doca, assim doente e ainda vai ao mar?
6
As crianças carecem comer.
7
O Doca estava morrendo de uma lenta e impassível miséria.
[D´EÇA, Othon. Homens e Algas. Florianópolis: Ufsc, 2007.]
a) Os artigos definidos que antecedem o nome Doca (ref. 1 e 7)
revela um grau de familiaridade entre ele e o narrador.
b) Em “passou a ser um farrapo” (ref. 1) e “já não luziam como
peixe” (ref. 2), há o pressuposto de que, em outra época, ele
não era um farrapo e seus cabelos brilhavam como peixe.
c) É possível perceber, no excerto, um certo tom de pesar do
narrador em relação ao destino do Doca.
d) Os verbos “suportar” (ref. 4) e “tracejavam” (ref. 3) são
intransitivos.
e) No período “Mas você, Doca, assim doente” (ref. 5), o
termo destacado é um vocativo e por isso separado por
vírgulas.
04 - (UNIRIO RJ) Assinale a opção que apresenta o número
correto de orações contidas no oitavo período do texto.
a) 5 d) 8
b) 6 e) 9
c) 7
As questões 05 e 06 são baseadas no texto abaixo:
"Em meio da viagem, soprou de súbito rijo nordeste, e o mar, que
até então se conservara plácido e próspero, encapelou-se
raivoso. Em três minutos as ondas esbravejaram já terrivelmente,
e a canoa, erguida a grande altura, e de novo arremessada ao
pélago, num estardalhaço de vagas, recebia no bojo quantidade
de água suficiente para metê-la a pique."
(Histórias Brejeiras)
05 - (PAIES MG) Em relação ao trecho acima, qual das
ocorrências, apresentadas nas opções abaixo, está mais
precisamente relacionada a um fato ainda não acontecido, porém
já previsível:
CILP – Curso Isolado de Língua Portuguesa | Professor Jason Lima | emlinguagem.blogspot.com.br Página 2
a) "soprou de súbito rijo nordeste"
b) "as ondas esbravejaram já terrivelmente"
c) "recebia no bojo quantidade de água suficiente"
d) "encapelou-se raivoso"
e) "a canoa erguida a grande altura"
06 - (PAIES MG) Nas orações a seguir:
I. "soprou de súbito rijo nordeste"
II. "que até então se conservara plácido e próspero"
III. "Em três minutos as ondas esbravejaram já
terrivelmente"
o predicado é, respectivamente,
a) verbal, verbo-nominal, verbal
b) nominal, nominal, nominal
c) verbal, verbal, verbal
d) verbo-nominal, verbo-nominal, verbo-nominal
e) nominal, verbo-nominal, verbal
07 - (PUC PR)
Curitiba, 20 de novembro de 2003.
À
Verde Vivo - Paisagismo e jardinagem
At.: Joaquim Maria Matos
Assunto: Solicitação de vaga.
Senhor Gerente:
Buscando pleitear uma vaga em sua conceituada empresa,
encaminho meu currículo resumido. Também informo que possuo
disponibilidade para viagens.
No aguardo de uma resposta, desde já agradeço a atenção
dispensada.
Atenciosamente,
João Fabrício Mazza
Nesse texto, podem-se destacar alguns conectores responsáveis
pela coesão, tanto no interior da frase quanto na relação entre uma
e outra.
São eles:
a) uma, a.
b) em, meu.
c) que, no.
d) também, desde já.
e) senhor, atenciosamente.
08 - (UEL PR) "POR ISSO, comemos mais quando estamos
entre amigos, e menos em ambientes hostis ou sob estresse
psicológico."
O termo destacado serve para relacionar as duas últimas frases do
texto. Qual das alternativas abaixo descreve corretamente o tipo
de raciocínio presente nessa relação?
a) Enfatiza a oposição entre as frases.
b) Propõe uma alternativa àquilo que foi exposto
inicialmente.
c) Indica a consequência da ideia expressa anteriormente.
d) Aponta a causa do que vem referido antes.
e) Estabelece uma comparação entre as duas frases.
09 - (UFMG) "Por que razão é tão difícil manter o peso ideal,
se todos almejam ficar esguios e sabem que a obesidade aumenta
o risco de hipertensão, diabetes, osteoartrite, ataques cardíacos e
derrames cerebrais?"
Assinale a alternativa que substitui corretamente esse período,
sem alterar-lhe o sentido.
a) Tendo em vista que todos almejam ficar esguios, ao mesmo
tempo em que a obesidade aumenta o risco da hipertensão,
diabetes, osteoartrite, ataques cardíacos e derrames cerebrais,
como se justifica a dificuldade em manter o peso ideal?
b) Apesar de todos quererem ficar esguios e saberem que a
obesidade aumenta o risco de hipertensão, diabetes, osteoartrite,
ataques cardíacos e derrames cerebrais, por que têm tanta
dificuldade em manter o peso ideal?
c) Como todos sabem que a obesidade aumenta o risco da
hipertensão, diabetes, osteoartrite, ataques cardíacos e derrames
cerebrais, por que é tão difícil manter o peso ideal, se todos
almejam ficar esguios?
d) Se manter o peso ideal é tão difícil, como todos almejam ficar
esguios, mesmo sabendo que a obesidade aumenta o risco de
hipertensão, diabetes, osteoartrite, ataques cardíacos e derrames
cerebrais?
e) O fato de todos almejarem ficar esguios sabendo que a
obesidade aumenta o risco de hipertensão, diabetes, osteoartrite,
ataques cardíacos e derrames cerebrais justifica a dificuldade de
manter o peso ideal?
10 - (UFRRJ)"O assunto é amplo. A discussão também
precisaria ser".
Reunindo-se as duas orações acima em um único período, sem
alterar-lhes o sentido, podem-se construir várias frases
evidenciando-se diferentes relações semânticas. A partir dessas
possibilidades, estabeleça a correspondência adequada entre as
colunas abaixo:
( ) Por ser amplo o assunto, a discussão também precisaria ser.
( ) O assunto é tão amplo, que a discussão também precisaria
ser.
( ) Se o assunto é amplo, a discussão também precisaria ser.
( ) O assunto é amplo, portanto a discussão também precisaria
ser.
( ) O assunto é amplo, mas a discussão também precisaria ser.
(1) conclusão
(2) condição
(3) causa
(4) ressalva
(5) consequência
A sequência correta, ao estabelecermos a relação, é
a) 3, 5, 2, 1, 4.
b) 3, 1, 2, 5, 4.
c) 2, 5, 4, 1, 3.
d) 2, 3, 4, 5, 1.
e) 4, 5, 2, 3, 1.
11 - (PUC MG)
AMEAÇA DE VETO
Num lance decisivo para a crise iraquiana, os ministros das
Relações Exteriores da França, da Rússia e da Alemanha
anunciaram ontem em Paris, após um encontro de emergência,
que não permitirão que o Conselho de Segurança (CS) da ONU
aprove uma nova resolução que autorize a guerra contra Bagdá.
França e Rússia, como membros permanentes do CS, têm
poder de veto. Poderiam, portanto, bloquear a resolução, proposta
por EUA, Reino Unido e Espanha, que declara o Iraque em
CILP – Curso Isolado de Língua Portuguesa | Professor Jason Lima | emlinguagem.blogspot.com.br Página 3
violação material de decisões da ONU, abrindo assim caminho
para a intervenção militar.
Essa foi a mais clara indicação de que Paris e Moscou
eventualmente utilizarão seu poder de veto. Até agora, a
estratégia dos EUA era obter os nove votos do CS necessários
para aprovar a nova resolução e esperar que nenhum membro
permanente do Conselho apusesse seu veto.
Com efeito, não seria insignificante o ônus político de opor-se
aos projetos imperiais da única superpotência do planeta.
Atuando conjuntamente, França, Rússia e Alemanha esperam
diluir o peso dessa decisão, bem como atrair para o bloco de
países contrários à guerra outros membros do CS que ainda
estejam indecisos em relação à nova resolução.
A primeira reação dos EUA foi a de relativizar a importância
do anúncio franco-russo-germânico. A Casa Branca disse que
continua confiante na aprovação da nova resolução. Mas o
secretário de Estado norte-americano, Colin Powell, voltou a
afirmar que, se os EUA não obtiverem o aval das Nações Unidas,
agirão sem ele.
A situação é delicada e parece inevitável que a ONU saia
fraturada do episódio. Ainda assim, a ruptura - que não precisa
ser definitiva - é preferível à simples capitulação diante de
Washington.
Se a comunidade internacional está majoritariamente contra a
guerra, tem o dever de dizê-lo no foro adequado, que é o CS. Não
fazê-lo seria condenar a ONU a permanecer como um títere nas
mãos da superpotência americana.
"Folha de S. Paulo", 6 de março de 2003.
Assinale a alternativa em que o articulador sintático destacado
possa ser substituído ADEQUADAMENTE pela expressão
indicada nos parênteses.
a) "Poderiam, PORTANTO, bloquear" (entretanto)
b) "AINDA ASSIM, a ruptura" (Dessa maneira)
c) "E esperar que nenhum membro" (a fim de)
d) "MAS o secretário de Estado" (No entanto)
12 - (MACK SP) "Da janela do seu quarto é que ELE A VIRA
PELA PRIMEIRA VEZ". Passando-se a oração em destaque para
a voz passiva analítica, a forma verbal correspondente é
a) foi vista.
b) havia visto.
c) estava sendo visto.
d) seria vista.
e) fora vista.
13 - (FATEC SP) Ela queria sair de peito nu no carnaval.
A alternativa em que se encontra sintaxe de orações análoga à
desse período é:
a) O ex-namorado promete ser seu escravo para o resto da
vida.
b) Se desfilar, está acabado.
c) Parecia que nem estava contra.
d) Quanto ao trabalho, estava disposta a encarar as
conseqüências.
e) Para evitar palavrões, nem falaram com ele.
14 - (PUC PR) Assinale a alternativa em que NÃO se uniu
adequadamente em 2 as duas frases que constam em 1.
a) 1. Estava fazendo muito calor. Fui, pois, tomar um
banho de mar.
2. Como estava fazendo muito calor, fui tomar um
banho de mar.
b) 1. Não lhe peço só admiração. Peço-lhe também
respeito.
2. Não lhe peço só admiração, mas também respeito.
c) 1. Acalme-se. O caso não é tão grave assim.
2. Acalme-se, que o caso não é tão grave assim.
d) 1. Compreendi que estava errado. Procurei, portanto,
corrigir-me.
2. Compreendi que estava errado, procurei, porém,
corrigir-me.
e) 1. Ele é meu adversário. Mesmo assim não posso deixar
de admirá-lo.
2. Embora ele seja meu adversário, não posso deixar de
admirá-lo.
15 - (UFLA MG) "Observo nas minhas próprias crônicas a
insistência com algumas palavrinhas da moda QUE SE
TORNARAM CHATAS."
O período acima tem
a) 1 oração.
b) 3 orações.
c) 2 orações.
d) 5 orações.
e) 4 orações.
16 - (PUCCamp SP) A única frase inteiramente correta é:
a) Ele se caracteriza pela decência de suas atitudes.
b) A moldura do quadro tem tudo haver com o estilo do
artista.
c) Esses fatos remontam há, pelo menos, duas décadas.
d) Muitos exitaram na hora de indicar a mais bela canção.
e) Tudo que se fez na campanha foi em pró da vida
humana.
17 - (ITA SP) A norma gramatical não é seguida com rigor em:
“Água pura. Valorizando a vida.”
Assinale a opção indicativa da transgressão:
a) As frases incompletas não fazem sentido.
b) Na segunda frase não há oração principal.
c) As frases estão fora de ordem.
d) O tempo verbal está inadequado.
e) Não há sujeito na segunda frase.
18 - (UNIRIO RJ)
Sabadoyles
1 Guimarães Rosa deu o título de "Terceiras estórias" a um de
seus livros. Não era segredo que havia escrito outro chamado
"Primeiras estórias". Onde estavam as segundas estórias, que
nunca saíram? "Afinal, explique a confusão," pediram num
almoço na editora José Olympio. Rosa, com o garfo na mão,
apontou para o advogado da editora, Plínio Doyle: "Todos
sabem que o Doyle não sossega sem um texto nas mãos. Pois
ele me pediu os originais das "Segundas estórias" e até hoje
não me devolveu." Pura invenção. Outra vez, Doyle mostrou
um original de Castro Alves, documento que ele julgava da
maior importância, aos amigos reunidos em sua casa. Carlos
Drummond de Andrade, sentado na "bancada mineira", o
sofá que compartilhava com Alphonsus de Guimaraens e
Pedro Nava, falou baixinho, mas suficientemente alto para
que ele ouvisse: "Coitado do Doyle! Castro Alves assinava
sem cortar letra 't'. Olha esse papel: o 't' está cortado. É
cópia!" Tudo mentira. Era brincadeira do poeta maior.
2 Houve um tempo em que as relações humanas eram mais
afáveis. Uma das expressões mais belas dessa cordilidade
CILP – Curso Isolado de Língua Portuguesa | Professor Jason Lima | emlinguagem.blogspot.com.br Página 4
eram as reuniões semanais, aos sábados à tarde, na casa de
Doyle, hoje com 92 anos, na pacata Barão de Jaguaribe, em
Ipanema. Era ponto de encontro de alguns dos intelectuais de
maior envergadura do país neste século. E era apenas uma
reunião entre amigos. Quem batizou foi Raul Bopp. "Sábado
do Doyle. Eram três 'do', um desperdício. Ficou o
neologismo sabadoyle. Pegou," conta o anfitrião. Os
sabadoyles duraram 34 anos. Foram 1.708 reuniões, até
1998. "Qual é a explicação para tal façanha, poeta?", alguém
perguntou a Drumond. "É milagre do Doyle." O advogado
nunca escreveu uma linha sequer, exceto petições e
memorandos. Mas foi parceiro de uma geração inigualável
de escritores e poetas brasileiros, um aglutinador, companhia
amistosa e confiável. Uma lição de fraternidade e civilidade.
"Esse privilégio eu tive", diz ele. "Todos já morreram.
Fiquei eu. Não sei por quê."
("Isto É" - O BRASILEIRO DO SÉCULO - Especial 4, 1999.)
A ordem direta dos termos sintáticos está mantida em:
a) "Onde estavam as segundas estórias," (par. 1)
b) "Olha esse papel: o 't' está cortado," (par. 1)
c) "Quem batizou foi Raul Bopp." (par. 2)
d) "Ficou o neologismo sabadoyle." (par. 2)
e) "Esse privilégio eu tive" (par. 2)
19 - (UFSM RS) COMPORTAMENTO ANIMAL - 76 -
SUPER - OUTUBRO 1998
A outra face do macaco
TEXTO I
Os chimpanzés, nossos primos genéticos, também fazem uso da
força bruta de forma gratuita e com requintes de crueldade. Já não
estamos sós no inferno da violência.
(Por Gabriela Aguerre)
TEXTO II
No livro "Uma Janela para a Vida", no qual relata suas três
décadas de experiência nas selvas da Tanzânia, tornando-se uma
das pioneiras da observação direta dos chimpanzés, Jane Goodall
relata sua decepção com o comportamento dos animais. "Durante
muitos anos acreditei que os chimpanzés eram, no geral, bem
mais legais do que nós. De repente descobri que, sob certas
circunstâncias, podiam ser igualmente brutais, que também
tinham em sua natureza um lado obscuro. Isso doeu."
Analise as afirmativas que tratam de possibilidades de mudança
na ordem das palavras do texto I.
I. Se o segmento "nossos primos genéticos" fosse colocado
antes de "Os chimpanzés", continuaria a ser o aposto da frase.
II. O segmento "fazem uso da força bruta" pode ser substituído
por "fazem uso de uma bruta força" sem alteração do sentido da
frase.
III. Se o segmento "com requintes de crueldade" fosse substituído
por "com crueldade de requintes", continuaria a indicar um modo
de ação.
Está(ão) correta(s)
a) apenas I.
b) apenas II.
c) apenas III.
d) apenas I e II.
e) apenas II e III.
20 - (UEL PR) Considere as frases a seguir.
I. Eles estavam preocupados com o problema que causaram.
II. Eles apresentaram suas explicações.
III. As explicações não eram convincentes.
Reunidas em um só período, elas estarão em correta relação
lógica e sintática na frase:
a) Apresentaram suas explicações porque estavam preocupados
com o problema causado por eles, pois não eram
convincentes.
b) As explicações não eram convincentes, mas eles as
apresentaram, contudo estavam preocupados com o
problema que haviam causado.
c) Preocupados com o problema que haviam causado, eles
apresentaram suas explicações, ainda que não convincentes.
d) Quando apresentaram suas explicações, elas não eram
convincentes, portanto estavam preocupados com os
problemas que causaram.
e) Quanto mais eles apresentavam suas explicações, mais elas
não eram convincentes, à medida que eles estavam
preocupados com o problema que causaram.
21 - (FUVEST SP) A Casa não passava, bem dizer, de uma
casa-rancho. A rebaixa - um alpendre cercado -; o rancho de
carros-de-boi; outros ranchos; outras casinhas; outros rústicos
pavilhões. A apresentação de elementos descritivos estáticos, por
meio de frases nominais, ocorre também em:
a) Convidei-o silenciosamente olhando uma janela por
onde se viam, sobre livros de escrituração, as suíças
brancas e os óculos de seu Ribeiro.
b) E mestre Caetano gemendo no catre, recebia todas as
semanas um dinheirão de Madalena. Visitas, remédios
de farmácia, galinhas.
c) E tu falavas de um amor celeste, De um anjo, que
depois se fez esposa...
d) Pera aquele fogo ardente, que nom temeste vivendo.
e) Projetava-se nela a imagem de mulher poderosa e
humilde ao mesmo tempo.
22 - (CESGRANRIO RJ)
DO TÍTULO
1 Uma noite destas, vindo da cidade para o Engenho Novo,
encontrei no trem da Central um rapaz aqui do bairro, que
eu conheço de vista e de chapéu. Cumprimentou-me,
sentou-se ao pé de mim, falou da lua e dos ministros, e
acabou recitando-me versos. A viagem era curta, e os versos
pode ser que não fossem inteiramente maus. Sucedeu,
porém, que, como eu estava cansado, fechei os olhos três ou
quatro vezes; tanto bastou para que ele interrompesse a
leitura e metesse os versos no bolso.
2 - Continue, disse eu acordando.
3 - Já acabei, murmurou ele.
4 - São muito bonitos.
5 Vi-lhe fazer um gesto para tirá-los outra vez do bolso, mas
não passou do gesto; estava amuado. No dia seguinte entrou
a dizer de mim nomes feios, o acabou alcunhando-me Dom
Casmurro. Os vizinhos, que não gostam de meus hábitos
reclusos e calados, deram curso à alcunha, que afinal pegou.
Nem por isso me zanguei. Contei a anedota aos amigos da
cidade, e eles, por graça, chamam-me assim, alguns em
bilhetes: "Dom Casmurro, domingo vou jantar com você." -
CILP – Curso Isolado de Língua Portuguesa | Professor Jason Lima | emlinguagem.blogspot.com.br Página 5
"Vou para Petrópolis, Dom Casmurro; a casa é a mesma da
Renânia; vê se deixas essa caverna do Engenho Novo, e vai
lá passar uns quinze dias comigo." - "Meu caro Dom
Casmurro, não cuide que o dispenso do teatro amanhã;
venha e dormirá aqui na cidade; dou-lhe camarote, dou-lhe
chá, dou-lhe cama; só não lhe dou moça."
6 Não consultes dicionários. Casmurro não está aqui no
sentido que eles lhe dão, mas no que lhe pôs o vulgo de
homem calado e metido consigo. Dom veio por ironia, para
atribuir-me fumos de fidalgo. Tudo por estar cochilando!
Também não achei melhor título para a minha narração; se
não tiver outro daqui até ao fim do livro, vai este mesmo. O
meu poeta do trem ficará sabendo que não lhe guardo
rancor. E com pequeno esforço, sendo o título seu, poderá
cuidar que a obra é sua. Há livros que apenas terão isso dos
seus autores: alguns nem tanto.
(Machado de Assis, DOM CASMURRO. Rio de Janeiro,
Aguilar, cap.I)
Em qual das frases a seguir, extraídas do texto, há um predicativo
do objeto?
a) "A viagem era CURTA". (1Ž parágrafo)
b) "tanto bastou para que ele interrompesse A LEITURA".
(1Ž parágrafo)
c) "e acabou alcunhando-me DOM CASMURRO". (5Ž
parágrafo)
d) "que não gostam de meus hábitos RECLUSOS E
CALADOS". (5Ž parágrafo)
e) "não cuide que o dispenso DO TEATRO amanhã". (5Ž
parágrafo)
23 - (PUCCamp SP) O acompanhamento do trabalho
desenvolvido pelo estagiário prevê a observação de sua
capacidade de transferir para a prática o que viu na teoria e que
ele se comporta criteriosamente, ou não, diante das situações em
que é solicitado a atuar.
A alternativa que corrige o erro de paralelismo gramatical
existente na frase anterior é:
a) O acompanhamento do trabalho desenvolvido pelo
estagiário prevê a observação de sua capacidade de
transferir para a prática o que viu na teoria e onde se
comporta, ou não, criteriosamente diante das situações em
que é solicitado a atuar.
b) O acompanhamento do trabalho desenvolvido pelo
estagiário prevê a observação de sua capacidade de
transmitir para a prática o que viu na teoria e quando ele se
comporta criteriosamente diante das situações em que é
solicitado a atuar.
c) O acompanhamento do trabalho desenvolvido pelo
estagiário prevê a observação de sua capacidade de
transferir para a prática o que viu na teoria e de como ele se
comporta criteriosamente diante das situações em que é
solicitado a atuar.
d) O acompanhamento do trabalho desenvolvido pelo
estagiário prevê não só a observação de sua capacidade de
transferir para a prática o que viu na teoria, como também a
de seu comportamento, se é criterioso, ou não, diante das
situações em que é solicitado em atuar.
e) O acompanhamento do trabalho desenvolvido pelo
estagiário prevê não só a observação de sua capacidade de
transferir para a prática o que viu na teoria e também avaliar
como ele se comporta - mais, ou menos, criteriosamente -
diante das situações em que é solicitado a atuar.
24 - (FATEC SP) A oração entre aspas está em forma reduzida
(de infinitivo):
"Apesar de só dizer a verdade", não lhe deram crédito.
Assinale a alternativa em que ela aparece desenvolvida de forma
correta.
a) Apesar que só dizia a verdade, não lhe deram crédito.
b) Apesar que só dissesse a verdade, não lhe deram crédito.
c) Visto que só dizia a verdade, não lhe deram crédito.
d) Embora só dissesse a verdade, não lhe deram crédito.
e) Mesmo dizendo a verdade, não lhe deram crédito.
25 - (UFRR) Assinale a única frase com verbo de ligação.
a) Todo mundo bebe e sai dirigindo.
b) O discurso muda radicalmente quando se passa da
condição de infrator à de vítima.
c) Beber e dirigir coloca sua vida e a de outras pessoas em
risco.
d) No Brasil, 36 mil mortes no trânsito por ano estão
ligadas à combinação perversa de álcool e direção.
e) Brindemos à lei seca.
26 - (UFTM MG) Considere o trecho para responder à questão
de número
O que o sistema linfático conduz é a linfa, um fluido clarinho
formado principalmente por células linfócitas e macrófagas,
famosas por tirar bactérias e outros bichos de circulação.
O trecho – ... um fluido clarinho formado principalmente por
células linfócitas e macrófagas ...– em relação à expressão a linfa
estabelece uma relação
a) opositiva.
b) exemplificativa.
c) explicativa.
d) expletiva.
e) contrastiva.
27 - (CEFET RJ) TEXTO
“Iracema, a virgem dos lábios de mel, que tinha os cabelos
mais negros do que a asa da graúna, e mais longos que seu talhe
de palmeir.
O favo da jati não era doce como o seu sorriso; nem a
baunilha recendia no bosque como seu hálito perfumado.
Mais rápida que a ema selvagem, a morena virgem corria o
sertão e as matas do Ipu, onde campeava sua guerreira tribo, da
grande nação tabajara. O pé grácil e nu, mal roçando, alisava
apenas a verde pelúcia que vestia a terra com as primeiras águas.”
(ALENCAR, José de. Iracema. São Paulo: Scipione, 1994, p. 10)
Assinale a opção cuja expressão destacada tem valor sintático
semelhante ao da destacada em “Iracema, virgem dos lábios de
mel”.
a) O cão que dorme na calçada acalmou-se, após a ventania.
b) espiei os três cavaleiros, que permaneciam mudos sobre suas
montarias.
c) Sinhá Vitória, que era a sofrida esposa de Fabiano, esticou o
beiço, indicando vagamente uma direção.
d) Marília, não perturbe o vaqueiro, porque ele precisa guardar
o alheio gado.
e) Iracema tinha um desejo: que o guerreiro branco jamais
retornasse à pátria.
CILP – Curso Isolado de Língua Portuguesa | Professor Jason Lima | emlinguagem.blogspot.com.br Página 6
28 - (ITA SP) SUGESTÃO
Sede assim – qualquer coisa
Serena, isenta, fiel.
Flor que se cumpre,
Sem pergunta.
5 Onda que se esforça,
par exercício desinteressado.
Lua que envolve igualmente
Os noivos abraçados
e os soldados já frios.
10 Também como este ar da noite:
sussurrante de silêncios,
cheio de nascimento e pétalas.
Igual à pedra detida,
Sustentando seu demorado destino.
15 E a nuvem, leve e bela,
vivendo de nunca chegar a ser.
À cigarra, queimando-se em música,
ao camelo que mastiga a sua longa solidão,
ao pássaro que procura o fim do mundo,
20 ao boi que vai com inocência para a morte.
Sede assim qualquer coisa
Serena, isenta, fiel.
Não como o resto dos homens
Assinale a opção em que os termos desempenham a mesma
função sintática:
a) flor – ar – destino;
b) nascimentos – pétalas – pedra detida;
c) coisa – sem pergunta – onda;
d) ar – cheio – igual;
e) coisa – abraçados – solidão.
29 - (UFCG PB) No trecho “Estudos indicam a criação de três
milhões de empregos se a carga for reduzida para 40 horas
semanais, sem redução salarial. No futuro, será possível chegar
às 36 horas, viabilizando sete milhões de empregos. Reforma
trabalhista sim. Mas qual?
Paulo, Paim. Revista Isto é Online. 08/08/08.
O termo em destaque ”no futuro...” por indicar circunstância
trata-se de:
a) adjunto adnominal.
b) adjunto adverbial de lugar.
c) adjunto adverbial de tempo.
d) adjunto adnominal de tempo.
e) complemento nominal.
Texto para as questões 30 e 31
“APELO”
Amanhã faz um mês que a Senhora está longe de casa.
Primeiros dias, pra dizer a verdade, não senti falta, bom chegar
tarde, esquecido na conversa de esquina. Não foi ausência por
uma semana: o batom ainda no lenço, o prato na mesa por
engano, a imagem de relance no espelho.
Com os dias, Senhora, o leite primeira vez coalhou. A notícia
de sua perda veio aos poucos: a pilha de jornais ali no chão,
ninguém os guardou debaixo da escada. Toda a casa era um
corredor deserto, e até o canário ficou mudo. Para não dar parte
de fraco, ah, Senhora, fui beber com os amigos. Uma hora da
noite e eles se iam e eu ficava só, sem o perdão de sua presença a
todas as aflições do dia, com a última luz na varanda.
E comecei a sentir falta das pequenas brigas por causa do
tempero na salada – o meu jeito de querer bem. Acaso é saudade.
Senhora? Às suas violetas, na janela, não lhes poupei água e elas
murcham. Não tenho botão na camisa, calço a meia furada. Que
fim levou o saca-rolhas? Nenhum de nós sabe, sem a Senhora,
conversar com os outros: bocas raivosas mastigando. Venha para
casa, Senhora, por favor.”
DALTON TREVISAN, “Apelo”, em “O Conto Brasileiro
Contemporâneo” (seleção de textos, introdução e notas
bibliográficas por Alfredo Bosi) 2ª ed., São Paulo, Cultrix, 1977,
p.190.
30 - (UNIRIO RJ) O número de ocorrências de VOCATIVO,
no texto, corresponde a:
a) dois.
b) três.
c) quatro.
d) cinco
e) seis
31 - As funções sintáticas de sem o perdão de sua presença (l.
11-12) e de a todas as aflições do dia (l. 12) são,
respectivamente:
a) predicativo do sujeito indireto.
b) predicativo do sujeito e complemento nominal de
perdão.
c) adjunto adverbial de exclusão e complemento nominal
de presença.
d) adjunto adverbial de exclusão e objeto indireto.
e) adjunto adverbial da exclusão e adjunto adnominal de
presença.
32 - (MACK SP) Texto
Cuido haver dito, no capítulo XIV, que Marcela morria de
amores pelo Xavier. Não morria, vivia. Viver não é a mesma
coisa que morrer; assim o afirmam todos os joalheiros deste
mundo, gente muito vista na gramática. Bons joalheiros, que seria
do amor se não fossem os vossos dixes* e fiados? Um terço ou
um quinto do universal comércio dos corações. (…) O que eu
quero dizer é que a mais bela testa do mundo não fica menos bela,
se a cingir um diadema de pedras finas; nem menos bela, nem
menos amada. Marcela, por exemplo, que era bem bonita,
Marcela amou-me (...) durante quinze meses e onze contos de
réis; nada menos.
* Dixes: jóias, enfeites
Machado de Assis - Memórias póstumas de Brás Cubas
Assinale a alternativa correta sobre o texto II.
a) Em morria de amores pelo Xavier (linha 1), de amores tem a
função de adjunto adverbial de intensidade.
b) Em assim o afirmam todos os joalheiros (linha 2), o
pronome oblíquo o retoma o período Não morria, vivia
(linha 1).
c) Em assim o afirmam todos os joalheiros (linha 2), joalheiros
é complemento do verbo afirmar.
d) O narrador surpreende o leitor ao utilizar o aposto gente
muito vista na gramática (linha 2) para caracterizar
joalheiros.
CILP – Curso Isolado de Língua Portuguesa | Professor Jason Lima | emlinguagem.blogspot.com.br Página 7
e) Ao dizer Não morria, vivia (linha 1), o narrador, através de
uma antítese, confirma que Marcela padecia de amores por
Xavier.
33 - (UFSM RS)
A. "Até esta data, o brasileiro era, antes de tudo, um
envergonhado."
B. "No plano das ideias, o século gerou três obras que se
tornariam clássicos da reflexão sobre o país."
Sobre a organização sintática do fragmento B, é correto afirmar
que
a) o período é composto por coordenação e subordinação.
b) a palavra "que" introduz uma oração substantiva.
c) há apenas um sujeito no período.
d) a forma TORNAR-SE-IAM ficaria igualmente correta
no texto.
e) a ordem direta foi alterada com o deslocamento de um
adjunto adverbial.
34 - (UNIMES SP) “E Margarida?... Essa mais pungentes
sentia ainda as saudades. Sempre assim acontece. Em todas as
separações, tem mais amargo quinhão de dores o que fica, do que
o que vai partir. A este esperam-no novos lugares, novas cenas,
novas pessoas; sobretudo espera-o o atrativo do desconhecido,
que de antemão lhe absorve quase todos os pensamentos [...] Mas
ao que fica... lá estão todos os objetos que vê a recordar-lhe as
venturas que perdeu; ali as flores que colheram juntos, para as
trocar depois; acolá, a árvore a cuja sombra se sentaram [...].”
DINIS, Júlio. As pupilas do senhor reitor. S.P: Ática, 1995, p.41.
Observe que, no texto de Júlio Dinis, há duas ocorrências do
pronome pessoal lhe.
Pode-se afirmar que:
a) na primeira, o pronome exerce a função sintática de
objeto direto e, na segunda, de objeto indireto.
b) na primeira, o pronome exerce a função sintática de
complemento nominal e, na segunda, de objeto indireto.
c) na primeira, o pronome exerce a função sintática de
objeto indireto e, na segunda, de objeto direto.
d) na primeira, o pronome exerce a função sintática de
adjunto adnominal e, na segunda, de complemento
nominal.
e) na primeira, o pronome exerce a função sintática de
adjunto adnominal e, na segunda, de objeto indireto.
35 - (UFAC) Identifique as funções sintáticas introduzidas pelas
preposições, relacionando a 2ª coluna à 1ª e marcando, em
seguida, a opção correta.
( S ) depender de alguém ( ) complemento
nominal
( E ) agir com prudência ( ) aposto
( L ) homem de coragem ( ) adjunto adnominal
( V ) necessidade de carinho ( ) objeto indireto
( A ) a cidade de Rio Branco ( ) adjunto adverbial
a) VALES
b) VELAS
c) VALSE
d) SALVE
e) LEVAS
36 - (EFEI SP) Na frase "A vida daquele povo da casa grande
ninguém podia compreender." é correto afirmar que:
a) vida é o núcleo do sujeito.
b) o núcleo do sujeito é um pronome indefinido
substantivo.
c) não há objeto direto, pois o verbo é intransitivo.
d) o sujeito é a vida daquele povo.
e) povo é o núcleo do objeto direto.
37 - (EFEI SP) Redigindo o período "A sala de visitas tinha
muito quadro, tinha um espelho para o corpo inteiro, tapetes no
chão.", em linguagem culta:
a) o verbo haver seria empregado no lugar do verbo ter.
b) o termo "a sala de visitas" seria adjunto adverbial de lugar,
sendo introduzido pela preposição em.
c) quadro, espelho e tapetes seriam núcleos do objeto direto.
d) a oração não teria sujeito.
e) todas as alternativas estão corretas.
38 - (INTEGRADO RJ) Indique a opção em que o termo
grifado NÃO é predicativo.
a) “As palavras, porém, são mais difíceis ...”
b) “... e vêm carregadas de uma vida ...”
c) “... vi-me cercada de pessoas ...”
d) “... selecionado animadamente e com grande
competência ...”
e) “Pareciam pequenas abelhas alegres ...”
39 - (USS RJ) Texto
UM SONHO DE SIMPLICIDADE
Então, de repente, no meio dessa desarrumação feroz da vida
urbana, dá na gente um sonho de simplicidade. Será um sonho
vão? Detenho-me um instante, entre duas providências a tomar,
para me fazer essa pergunta. Por que fumar tantos cigarros? Eles
não me dão prazer algum; apenas me fazem falta. São uma
necessidade que inventei. Por que beber uísque, por que procurar
a voz de mulher na penumbra ou os amigos no bar para dizer
coisas vãs, brilhar um pouco, saber intrigas?
Uma vez, entrando numa loja para comprar uma gravata, tive
de repente um ataque de pudor, me surpreendendo assim, a
escolher um pano colorido para amarrar ao pescoço.
A vida bem poderia ser mais simples. Precisamos de uma
casa, comida simples mulher, que mais? Que se possa andar
limpo e não ter fome, nem sede, nem frio. Para que beber tanta
coisa gelada? Antes eu tomava a água fresca da talha, e a água era
boa. E quando precisava de um pouco de evasão, meu trago de
cachaça.
[…]
(BRAGA, Rubem. In: 200 crônicas escolhidas, 3 ed. Rio de
Janeiro: Record, 1979. p.262-3.)
A respeito do sujeito do verbo poder no enunciado – “Que se
possa andar limpo”... (L. 18) – é CORRETO afirmar que:
a) é indeterminado.
b) é inexistente.
c) é composto.
d) é simples.
e) é oculto.
40 - (UNIRIO RJ) Indique a opção em que o termo grifado
NÃO é predicativo.
a) “As palavras, porém, são mais difíceis …”
b) “… e vêm carregadas de uma vida…”
c) “…vi-me cercada de pessoas…”
CILP – Curso Isolado de Língua Portuguesa | Professor Jason Lima | emlinguagem.blogspot.com.br Página 8
d) “…selecionando animadamente e com grande
competência…”
e) “Pareciam pequenas abelhas alegres…”
41 - (UNIRIO RJ) Em "ACORDEI PENSANDO EM RIOS - QUE
DÃO SEMPRE UM TOQUE FEMININO A QUALQUER CIDADE - E
ME DIZENDO QUE O ÚNICO POSSÍVEL DEFEITO DO RIO DE
JANEIRO É NÃO TER UM RIO." o autor usou o travessão para:
a) ligar grupos de palavras.
b) iniciar diálogo.
c) substituir parênteses.
d) destacar um aposto.
e) destacar um adjunto adnominal explicativo.
42 - (UNIFOR CE)
Mas também as palavras possuem um poder
transformador…
A função sintática do termo grifado acima é idêntica à do
termo também grifado na frase:
a) nasceria um mundo melhor.
b) todas as pessoas teriam os mesmos direitos.
c) não tiveram resultados muito felizes.
d) como fazia antes da guerra.
e) que se enquadra na idéia de justiça.
43 - (UNIFOR CE)
Atitude semelhante à que se tem numa igreja.
As palavras sublinhadas na frase acima classificam-se,
respectivamente, como:
a) advérbio; conjunção integrante e partícula apassivadora.
b) adjetivo; conjunção integrante e pronome oblíquo.
c) advérbio; pronome relativo e partícula apassivadora.
d) adjetivo; pronome relativo e índice de indeterminação
do sujeito.
e) advérbio; pronome relativo e índice de indeterminação
do sujeito.
44 - (UNIFICADO RJ) Texto
Por amor à Pátria
O que é mesmo a Pátria?
Houve, com certeza, uma considerável quantidade de
brasileiros(as) que, na linha da própria formação, evocaram a
Pátria com critérios puramente geográficos: uma vastíssima
porção de terra, delimitada, porém, por tratados e convenções.
Ainda bem quando acrescentaram: a Pátria é também o Povo,
milhões de homens e mulheres que nasceram, moram, vivem,
dentro desse território.
Outros, numerosos, aprimoraram essa noção de Pátria e
pensaram nas riquezas e belezas naturais encerradas na vastidão
da terra. Então, a partir das cores da bandeira, decantaram o verde
das florestas, o azul do firmamento espelhado no oceano, o
amarelo dos metais escondidos no subsolo. Ufanaram-se
legitimamente do seu país ou declararam, convictos, aos filhos
jovens, que jamais hão-de ver país como este.
Foi o que fizeram todos quantos procuraram a Pátria no quase
meio milênio da História do Brasil, complexa e fascinante
História de conquistas e reservas, de “sangue, suor e lágrimas”,
mas também de esperanças e de realizações. Evocaram gestos
heróicos, comovedoras lendas e sugestivas tradições.
Tudo isso e o formidável universo humano e sacrossanto que
se oculta debaixo de tudo isso constituem a Pátria. Ela é história,
é política e é religião. Por isso é mais do que o mero território. É
algo de telúrico. É mais do que a justaposição de indivíduos, mas
reflete a pulsação da inenarrável história de cada um.
A pátria é mais do que a Nação e o Estado e vem antes deles.
A Nação mais elaborada e o Estado mais forte e poderoso, se não
partem da noção de Pátria e não servem para dar à Pátria sua
fisionomia e sua substância interior, não têm todo o seu valor.
Por último, quero exprimir, com os olhos fixos na Pátria, o
seu paradoxo mais estimulante. De um lado, ela é algo de
acabado, que se recebe em herança.
Por outro lado, ela nunca está definitivamente pronta. Está em
construção e só é digno dela quem colabora, em mutirão, para ir
aperfeiçoando o seu ser. Independente, ela precisa de quem
complete a sua independência. Democrática, ela pertence a quem
tutela e aprimora a democracia. Livre, ela conta com quem
salvaguarda a sua liberdade. E sobretudo, hospitaleira, fraterna,
aconchegante, cordial, ela reclama cidadãos e filhos que a façam
crescer mais e mais nestes atributos essenciais de concórdia,
equilíbrio, harmonia, que a fazem inacreditavelmente Pátria - e
me dá vontade de dizer, se me permitem criar um neologismo,
inacreditavelemente Mátria.
Pensando bem, cada brasileiro, quem quer que seja, tem o
direito de esperar que os outros 140 milhões de brasileiros sejam,
para ele, Pátria.
Dom Lucas Moreira Neves (adaptação) Jornal do Brasil -
08/09/93.
Assinale a opção que traz corretas classificações do sujeito e da
predicação verbal.
a) “Houve... uma considerável quantidade” (negrito) -
sujeito inexistente; verbo transitivo direto.
b) “que jamais hão-de ver país como este” (negrito) -
sujeito indeterminado; verbo transitivo indireto.
c) “mas reflete a pulsação da inenarrável história de cada
um” (negrito) - sujeito simples; verbo transitivo direto
e indireto.
d) “que se recebe em herança” (negrito) - sujeito
indeterminado; verbo transitivo indireto.
e) “a quem tutela” (negrito) - sujeito simples; verbo
intransitivo.
45 - (UNICE CE) Nas orações a seguir:
I. No trabalho, use equipamento de proteção.
II. Júlio, no clube, falaram mal de você.
III. Vendeu-se a pá.
O sujeito é, respectivamente:
a) simples, simples, simples.
b) oculto, simples, simples.
c) indeterminado, indeterminado, simples.
d) oculto, indeterminado, simples.
e) oculto, indeterminado, indeterminado.
46 - (MACK SP) (...)
E surgia na Bahia o anacoreta sombrio, cabelos crescidos
até aos ombros, barba inculta e longa; face escaveirada;
olhar fulgurante; monstruoso, dentro de um hábito azul
de brim americano; abordoado ao clássico bastão em
que se apóia o passo tardo dos peregrinos.
É desconhecida a sua existência durante tão longo
período. Um velho caboclo, preso em Canudos nos
últimos dias da campanha, disse-me algo a respeito,
mas vagamente, sem precisar datas, sem pormenores
característicos. Conhecera-o nos sertões de Pernambuco,
um ou dous anos depois da partida do Crato.
CILP – Curso Isolado de Língua Portuguesa | Professor Jason Lima | emlinguagem.blogspot.com.br Página 9
Considere as afirmações.
I. o anacoreta sombrio (linha 1) e a sua existência (linha
4) desempenham função sintática de sujeito.
II. Os pronomes oblíquos assinalados desempenham
funções sintáticas diferentes.
III. Depois da conjunção mas (linha 5) há elipse de um
verbo.
Assinale:
a) se apenas I e II estiverem corretas.
b) se apenas II e III estiverem corretas.
c) se apenas II estiver correta.
d) se todas estiverem corretas.
e) se apenas I e III estiverem corretas.
47 - (FEI SP)
1 "Fabiano ia satisfeito. Sim senhor, arrumara-se. Chegara
naquele estado, com a família morrendo de fome, comendo
raízes. Caíra no fim do pátio, debaixo de um juazeiro, depois
tomara conta da casa deserta. ELE, a mulher e os filhos
tinham-se habituado à camarinha escura, pareciam ratos - e
a lembrança dos sofrimentos passados esmorecera(...).
2 - Fabiano, VOCÊ é um homem, exclamou em voz alta.
3 Conteve-se, notou que os meninos estavam perto, com
certeza iam admirar-se ouvindo-o falar só. E, pensando bem,
ele não era um homem: era apenas um cabra ocupado em
guardar coisas dos outros. (...) Olhou em torno, com receio
de que, fora os meninos, ALGUÉM tivesse percebido a frase
imprudente. Corrigiu-a, murmurando:
4 - Você é um bicho, Fabiano.
5 Isto para ele era motivo de orgulho. Sim senhor, um bicho
capaz de vencer dificuldades".
Observe a oração: "Fabiano ia SATISFEITO". O termo em
destaque assume a função de:
a) predicativo do sujeito
b) objeto direto
c) adjunto adverbial
d) adjunto adnominal
e) agente da passiva
48 - (UFAM) Observe o início do Hino Nacional Brasileiro:
Ouviram do Ipiranga as margens plácidas
De um povo heroico o brado retumbante...
Na oração acima, o sujeito é:
a) indeterminado
b) um povo heroico
c) inexistente
d) as margens plácidas do Ipiranga
e) o brado retumbante
49 - (UFAM) Assinale a alternativa falsa em relação ao período
abaixo e aos seus termos:
No futebol brasileiro houve época em que não existia grande
jogador.
a) O substantivo época é o sujeito do verbo haver.
b) O período é composto por subordinação e consta de duas
orações.
c) Os adjetivos constantes do período funcionam como
adjunto adnominal.
d) O substantivo futebol exerce a mesma função sintática
do pronome relativo que.
e) O substantivo jogador é o sujeito do verbo existir.
50 - (UFAM)
Assinale a alternativa constante de oração sem sujeito:
a) Ouve-se o relógio de hora em hora.
b) Houve por improcedente o pedido do funcionário.
c) Faltavam quatro dias para o casamento.
d) Há de conseguir a aprovação nos exames.
e) Houve aulas no final de semana.
51 - (FUVEST SP)
Olhar para o céu noturno é quase um privilégio em nossa
atribulada e iluminada vida moderna. (...) Companhias de turismo
deveriam criar “excursões noturnas”, em que grupos de pessoas
são transportados até pontos estratégicos para serem instruídos
por um astrônomo sobre as maravilhas do céu noturno. Seria o
nascimento do “turismo astronômico”, que complementaria
perfeitamente o novo turismo ecológico. E por que não?
Turismo astronômico ou não, talvez a primeira impressão ao
observarmos o céu noturno seja uma enorme sensação de paz, de
permanência, de profunda ausência de movimento, fora um
eventual avião ou mesmo um satélite distante (uma estrela que se
move!). Vemos incontáveis estrelas, emitindo sua radiação
eletromagnética, perfeitamente indiferentes às atribulações
humanas.
Essa visão pacata dos céus é completamente diferente da
visão de um astrofísico moderno. As inocentes estrelas são
verdadeiras fornalhas nucleares, produzindo uma quantidade
enorme de energia a cada segundo. A morte de uma estrela
modesta como o Sol, por exemplo, virá acompanhada de uma
explosão que chegará até a nossa vizinhança, transformando tudo
o que encontrar pela frente em poeira cósmica. (O leitor não
precisa se preocupar muito. O Sol ainda produzirá energia
“docilmente” por mais uns 5 bilhões de anos.)
(Marcelo Gleiser, Retalhos cósmicos)
Transpondo-se corretamente para a voz ativa a oração “para
serem instruídos por um astrônomo (...)”, obtém-se:
a) para que sejam instruídos por um astrônomo (...).
b) para um astrônomo os instruírem (...).
c) para que um astrônomo lhes instruíssem (...).
d) para um astrônomo instruí-los (...).
e) para que fossem instruídos por um astrônomo (...).
52 - (EFEI SP) No fragmento "dizendo-lhe que", lhe é
analisado morfossintaticamente como:
a) pronome pessoal reto na função de objeto direto.
b) pronome pessoal reto na função de objeto indireto.
c) pronome pessoal oblíquo na função de objeto direto.
d) pronome pessoal oblíquo na função de objeto indireto.
e) pronome possessivo na função de adjunto adnominal.
53 - (INTEGRADO RJ) O pronome me NÃO exerce função
sintática de objeto direto na opção:
a) “... o que me parece ...”
b) “... que me rodeiam.”
c) “... vi-me cercada ...”
d) “Incorporei-me a elas ...”
e) “... me discriminassem, ...”
CILP – Curso Isolado de Língua Portuguesa | Professor Jason Lima | emlinguagem.blogspot.com.br Página 10
54 - (ITA SP) Leia, a seguir, o texto em que Millôr Fernandes
parodia Manuel Bandeira:
Que Manuel Bandeira me perdoe, mas
VOU-ME EMBORA DE PASÁRGADA
Vou-me embora de Pasárgada
Sou inimigo do Rei
Não tenho nada que eu quero
Não tenho e nunca terei
Vou-me embora de Pasárgada
Aqui eu não sou feliz
A existência é tão dura
As elites tão senis
Que Joana, a louca da Espanha,
Ainda é mais coerente
do que os donos do país.
(FERNANDES, Millôr. Mais! Folha de S.Paulo, mar.
2001.)
Os três últimos versos de Millôr Fernandes exprimem:
a) a inconsequência dos governantes.
b) a má vontade dos políticos.
c) a ignorância do povo.
d) a pobreza de espírito das elites.
e) a loucura das mulheres no governo.
55 - (UNP RN) “Em face da História, rio sem fim que vai
arrastando tudo e todos no seu curso, o contista é um pescador de
momentos singulares, cheios de significação. Inventor do novo:
descobrir o que os outros homens não souberam ver com tanta
clareza, não souberam sentir com tanta força. Literariamente: o
contista explora no discurso ficcional uma hora intensa e aguda
de percepção. Esta, acicatada pelo demônio da visão, não cessa de
perscrutar situações narráveis na massa aparentemente amorfa do
real. E entre nós, o que tem achado?”
Os verbos “ver” e “sentir” necessitam de um complemento para
que tenham realmente sentido. Sendo assim, concluímos que o
objeto deles, no texto acima, é :
a) momento - momentos
b) pescador - pescador
c) homens - homens
d) que - que
56 - (UNP RN) Objeto direto preposicionado é um recurso da
língua que permite o uso de uma preposição junto a um verbo
transitivo direto, a fim de adequar o texto à norma culta da língua.
Nas alternativas abaixo, apenas em uma delas esse recurso não foi
utilizado, estabelecendo, portanto, um erro. Aponte-a :
a) “Mulher que ama a dois, a ambos engana.”
b) Esta é a pessoa a quem respeito muito.
c) Encontrei a ele em um momento de grande dificuldade.
d) Na Copa do Mundo de 1998, venceu a França o Brasil.
57 - (UNIRIO RJ) A função sintática do que está correta em:
a) “…um adestramento que já não tenho” – predicativo do
objeto direto.
b) “…de uma vida que se foi desenrolando” – objeto direto.
c) “…dos seres que me rodeiam” – adjunto adverbial.
d) “Mulheres de meia-idade que compravam lãs” – aposto.
e) “…os pontos que minha pequena mão infantil executara
– objeto direto.
58 - (UNIRIO RJ) O pronome me NÃO exerce função
sintática de objeto direto na opção:
a) “…o que me parece…”
b) “…que me rodeiam.”
c) “…vi-me cercada…”
d) “Incorporei-me a elas…”
e) “…me discriminassem, …”
59 - (UNIMAR SP) “A nossa intenção era de que todos os alunos
fossem ouvidos, mas não houve tempo.”
Os termos grifados exercem a função sintática,
respectivamente, de:
a) Objeto indireto e sujeito
b) Objeto direto e objeto direto
c) Sujeito e sujeito
d) Objeto direto e sujeito
e) Sujeito e objeto direto.
60 - (UNIFOR CE)
É verdade que podemos votar, é verdade que podemos, como
cidadãos eleitores e normalmente por via partidária, escolher os
nossos representantes no governo. Mas é igualmente verdade que
a possibilidade de ação democrática começa e acaba aí.
O eleitor poderá tirar do poder um governo que não lhe
agrade e pôr outro no seu lugar, mas o seu voto não teve, não tem,
nem nunca terá qualquer efeito visível sobre a única real força
que governa o mundo e, portanto, o seu país e a sua pessoa.
Refiro-me, obviamente, ao poder econômico, em particular à
parte dele sempre em aumento, gerida pelas empresas
multinacionais de acordo com estratégias de domínio que nada
têm que ver com aquele bem comum a que, por definição, a
democracia aspira.
Todos sabemos que é assim e, contudo, por uma espécie de
automatismo verbal e mental que não nos deixa ver a nudez crua
dos fatos, continuamos a falar de democracia como se se tratasse
de algo vivo e atuante, quando dela pouco mais nos resta que um
conjunto de forças ritualizadas, os inócuos passes e os gestos de
uma espécie de missa laica.
(José Saramago – Trecho do discurso pronunciado no
“Fórum de Porto Alegre”, realizado em janeiro de 2002)
Refiro-me, obviamente, ao poder econômico.
A função sintática do termo sublinhado acima é a mesma do
termo também sublinhado na frase:
a) continuamos a falar de democracia.
b) efeito visível sobre a única real força.
c) por uma espécie de automismo verbal.
d) gerida pelas empresas multinacionais.
e) de acordo com estratégias de domínio.
61 - (UNIMAR SP) Colocando a oração “No peito pintou-se a
águia ”, na ordem direta e na voz ativa, temos:
a) Pintaram a águia no peito;
b) A águia pintou-se no peito;
c) No peito, a águia pintaram;
d) Tinha-se pintado no peito a águia;
e) A águia foi pintada no peito.
62 - (UNIFOR CE)… e sonhava em escrever um grande
romance.
Considere as frases abaixo, construídas com o verbo grifado
acima.
I. Dizem que Napoleão sonhava com uma grande
reputação literária.
CILP – Curso Isolado de Língua Portuguesa | Professor Jason Lima | emlinguagem.blogspot.com.br Página 11
II. Napoleão sonhava-se um afamado escritor.
III. Ninguém poderia sonhar o que Napoleão faria.
O tipo de complemento exigido pelo verbo sonhar está correto
em:
a) I, II e III.
b) I e II, somente.
c) II e III, somente.
d) III, somente.
e) I, somente.
63 - (UNIFOR CE) …ter muitos filhos era uma garantia para o
futuro.
A função sintática do termo grifado na frase acima repete-se no
termo também grifado na frase:
a) A razão pela qual a população nas sociedades rurais
aumenta…
b) e ainda ocorre em algumas regiões.
c) Muitos filhos são a garantia de mais braços…
d) …e estabilizou a taxa populacional nas nações mais
ricas.
e) …que levaria ao planejamento familiar.
64 - (UNIFOR CE) A expressão sublinhada na oração
"Qualquer pessoa vende produto para qualquer outra pessoa"
exerce a mesma função sintática da expressão sublinhada em:
a) As empresas estão estudando formas de estabelecer um
padrão.
b) Seja quando se trata de informação privativa.
c) Por isso ainda há muitos problemas.
d) A desconfiança quanto à segurança, indispensável ao
comércio livre.
e) É a principal chave para o sucesso da INTERNET
comercial.
65 - (UNIFICADO RJ) Assinale a opção em que o termo
sublinhado apresenta função sintática idêntica ao do exemplo em
destaque: vontade de chorar
a) choro de saudades
b) olhos de minha pátria
c) passar-lhe a mão pelos cabelos
d) nasci do vento
e) em contato com a dor
66 - (MACK SP)
Amava Simão uma sua vizinha, menina de quinze anos, rica
herdeira, regularmente bonita e bem-nascida. Da janela do seu
quarto é que ele a vira a primeira vez, para amá-la sempre. Não
ficara ela incólume da ferida que fizera no coração do vizinho:
amou-o também, e com mais seriedade que a usual nos seus anos.
Os poetas cansam-nos a paciência a falarem do amor da
mulher aos quinze anos, como paixão perigosa, única e inflexível.
Alguns prosadores de romances dizem o mesmo. Enganam-se
ambos. O amor dos quinze anos é uma brincadeira; é a última
manifestação do amor às bonecas; é a tentativa da avezinha que
ensaia o vôo fora do ninho, sempre com os olhos fitos na ave-
mãe, que a está da fronde próxima chamando; tanto sabe a
primeira o que é amar muito, como a segunda o que é voar para
longe.
Teresa de Albuquerque devia ser, porventura, uma exceção
no seu amor.
Camilo Castelo Branco – Amor de perdição
Da janela do seu quarto é que ele a vira pela primeira vez.
Passando-se a oração em destaque para a voz passiva analítica, a
forma verbal correspondente é:
a) foi vista.
b) havia visto.
c) estava sendo visto.
d) seria vista.
e) fora vista.
67 - (PUC PR) Observe a frase que segue:
“Não posso lhe garantir que todos estarão presentes à sua festa de
formatura”.
Do enunciado acima, pode-se afirmar que a parte sublinhada
desempenha a função de:
a) sujeito de posso,
b) objeto direto de posso,
c) objeto indireto de posso,
d) objeto direto de garantir,
e) objeto indireto de garantir.
68 - (UFAM) Assinale a alternativa em que se converteu
erroneamente a voz ativa na passiva:
a) As chuvas, em algumas regiões, provocam inundações
terríveis. Inundações terríveis, em algumas regiões, são
provocadas pelas chuvas.
b) O pai lhe aconselhava maior prudência. Maior prudência lhe
era aconselhada pelo pai.
c) Quem me cassará a palavra? Por quem a palavra me seria
cassada?
d) Exaltavam sempre a inteligência de Aristarco. A inteligência
de Aristarco era sempre exaltada.
e) Promover-se-ão festas durante o mês do santo padroeiro.
Festas serão promovidas durante o mês do santo padroeiro.
TEXTO: 1 - Comum à questão: 69
JOÃO sem terra
Viajar para a lua?
Complexo de quem gostaria de não ter nascido na Terra.
Não dele, para quem a lua é rural.
Tem a forma de uma foice ou de um fruto.
Não dele, João sem terra mas sujo de terra.
Procurar outra terra?
Mas em outra terra a mesma lua, a mesma foice o mesmo
coice, a mesma condição de João sem terra e -
paradoxalmente -
João sujo de terra, sub-João.
Enterro e desterro palavras que só se escrevem na Terra com
terra.
Poderia ter nascido em outro planeta, por exemplo: onde não
houvesse terra.
Onde não vivesse tão sujo de terra.
Mas não; nasceu na Terra.
No fundo do latifúndio os cães latindo.
João sem terra mas sujo de terra.
Corroído pelo pó da terra.
Vestido de chuva e de sol.
Girassol que erra de terra em terra.
O seu suor em flor mas para o senhor feudal da terra.
CILP – Curso Isolado de Língua Portuguesa | Professor Jason Lima | emlinguagem.blogspot.com.br Página 12
Sem terra mas na Terra.
Sem terra mas sujo de terra.
Não o João Sem Terra da loura Inglaterra.
RICARDO, Cassiano. Jeremias sem-chorar. 2. ed. Rio de
Janeiro: J. Olympio. 1968.141 p.João Sem Terra: Rei da
Inglaterra (1199-1216) que assinou a Carta Magna em junho
de 1215.
69 - (UNIRIO RJ) Na estrutura sintático-semântica da última
estrofe do poema João sem terra:
a) não ocorre oração subordinada.
b) prevalece o processo sintático de subordinação.
c) predomina o processo sintático de coordenação.
d) ocorrem orações intercaladas.
e) não ocorre oração coordenada sindética, cujo verbo está
elíptico.
TEXTO: 2 - Comum à questão: 70
O FORTE
As amuradas, plantadas no chão, fecham o pátio. Os
corredores são galerias adentro dos paredões de pedra, levam aos
antigos depósitos e às prisões, estabelecem as comunicações entre
os alojamentos. No centro, bem no centro, a terra nua. Quase um
castelo assim em seu tamanho, altas suas torres de vigia, deve
pesar como uma montanha. Erguendo-se na colina, quadrado
pelos muros que sobem, vê as ladeiras, as ruas, as praças. E,
muito embaixo, o mar de saveiros e o oceano aberto. Os canhões
enferrujados, para o mar, voltados já estiveram. Poder-se-ia dizer,
e sem mentir, que a Bahia cresceu com ele.
Largos são os passeios que o rodeiam e neles a multidão
passa durante o dia, descendo e subindo, o ar cheio de barulho.
Caminho de muitos, as ladeiras saindo dos quatro cantos, sua
sombra escurece os sobrados de azulejos. O portão, na verdade
uma cancela gigantesca, range quando se abre. Por cima, nas
manhãs de domingo, saíam os cantos dos sinos de sua capela. É
possível vê-la, encostada ao pátio, ameaçando cair. Baixa, as
paredes esburacadas, as telhas partidas. E por cima também
escapavam, nos velhos tempos, as ordens das cornetas, os
rumores das marchas, as algazarras do rancho.
A terra nua, no pátio, tem a cor do cobre. Sustenta,
porém, as três árvores. Espalhadas, os troncos grossos, ganharam
altura. Levantam-se como se o Forte fosse um convento,
tranqüilas, moradia de pássaros. Os ventos altos, vindos do mar,
não têm forças para agitá-las. E, no verão, sua sombra é pouso.
Faz bem vê-las, assim nos recantos, folhas cobrindo o chão. O
pico da colina está coberto. A carcaça imensa, o labirinto por
dentro, torres e colunas, os fundos alicerces plantados na rocha.
Construído aos pedaços, alargando-se e subindo, sua dureza fere
os olhos. O ar, porém, é livre. E abriga, quando o vento não falta,
os cheiros da Bahia. Os torreões aprumados, como braços
erguidos, apontam o céu de estrelas e paz.
(ADONIAS FILHO, O Forte.)
70 - (FESO RJ)
“E abriga, quando o vento não falta, os cheiros da Bahia."(§3)
A oração sublinhada estabelece relação idêntica à do termo
destacado na frase:
a) "As amuradas, plantadas NO CHÃO, fecham o pátio."
(§1)
b) "No centro, BEM no centro, a terra nua." (§1)
c) "E por cima também escapavam, NOS VELHOS
TEMPOS, as ordens das cornetas, os rumores das
marchas, as algazarras do rancho." (§2)
d) "Faz bem vê-las, ASSIM nos recantos, folhas cobrindo o
chão." (§3)
e) "Construído AOS PEDAÇOS, alargando-se e subindo,
sua dureza fere os olhos." (§3)
TEXTO: 3 - Comum à questão: 71
Neste momento, o bordado está pousado em cima do console
e o interrompi para escrever, substituindo a tessitura dos pontos
pela das palavras, o que me parece um exercício bem mais difícil.
Os pontos que vou fazendo exigem de mim uma habilidade e
um adestramento que já não tenho. Esforço-me e vou
conseguindo vencer minhas deficiências. As palavras, porém são
mais difíceis de adestrar e vêm carregadas de uma vida que se foi
desenrolando dentro e fora de mim, todos esses anos. São
teimosas, ambíguas e ferem. Minha luta com elas é uma luta
extenuante. Assim, nesse momento, enceto duas lutas: com as
linhas e com as palavras, mas tenho a certeza que, desta vez,
estou querendo chegar a um resultado semelhante e descobrir ao
fim do bordado e ao fim desse texto, algo de delicado, recôndito e
imperceptível sobre o meu próprio destino e sobre o destino dos
seres que me rodeiam. Ontem, quando entrei no armarinho para
escolher as linhas, vi-me cercada de pessoas com quem não
convivia há muito tempo, ou convinha muito pouco, de cuja
existência tinha esquecido. Mulheres de meia-idade que
compravam lãs para bordar tapeçarias, selecionando
animadamente e com grande competência os novelos,
comparando as cores com os riscos trazidos, contando os pontos
na etamine, medindo o tamanho do bastidor. Incorporei-me a elas
e comecei a escolher, com grande acuidade, as tonalidades das
minhas meadas de linha mercerizada. Pareciam pequenas abelhas
alegres (...), levando a sério as suas tarefas. (...) Naquelas
mulheres havia alguma coisa preservada, sua capacidade de
bordar dava-lhes uma dignidade e um aval. Não queria que me
discriminassem, conversei com elas de igual para igual,
mostrando-lhes os pontos que minha pequena mão infantil
executara.
(JARDIM, Rachel. O penhoar chinês. 4 ed. Rio de Janeiro: José
Olympio, 1990.)
71 - (INTEGRADO RJ)
Assinale a opção que apresenta o número correto de orações
contidas no oitavo período do texto.
a) 5
b) 6
c) 7
d) 8
e) 9
TEXTO: 4 - Comum à questão: 72
Psicologia de um vencido
Eu, filho do carbono e do amoníaco,
Monstro de escuridão e rutilância.
Sofro, desde a epigênesis da infância,
A influência má dos signos do zodíaco.
Profundissimamente hipocondríaco,
Este ambiente me causar repugnância…
Sobe-se à boca uma ânsia análoga à ânsia
Que se escapa da boca de um cardíaco.
CILP – Curso Isolado de Língua Portuguesa | Professor Jason Lima | emlinguagem.blogspot.com.br Página 13
Já o verme – este operário das ruínas –
Que o sangue podre das carnificinas
Come, e à vida em geral declara guerra,
Anda a espreita meus olhos para roê-los,
E há de deixar-me apenas os cabelos
Na frialdade inorgânica da terra!
Augusto dos Anjos
72 - (ITA SP)
Em “Sobe-me à boca uma ânsia análoga à ânsia” os termos
grifados funcionam respectivamente como:
a) adjunto adverbial e adjunto adnominal
b) adjunto adverbial e adjunto adverbial
c) objeto indireto e complemento nominal
d) objeto adverbial e adjunto adnominal
e) adjunto adnominal e complemento nominal
73 - (UNIFOA MG)
“A senhora anda muito engraçada.” Assinale a alternativa em
que o verbo tem valor sintático idêntico ao do verbo sublinhado
na oração acima:
a) A senhora anda muito rápido!
b) O jantar está na mesa.
c) Nós continuamos a marcha pela paz.
d) Todos permaneceram no local do acidente.
e) A moça parecia insatisfeita com o trabalho.
74 - (UNIFOA MG)
“O marido de dona Malu se serviu de guisadinho...” Assinale a
alternativa em que o “se” tem valor sintático idêntico ao da
oração acima.
a) Trabalha-se muito aqui.
b) Não sei se ele voltará para casa.
c) Compram-se carros usados.
d) O ator vestiu-se rapidamente e entrou em cena.
e) Serviu-se um ótimo guisado no almoço.
75 - (UNIFOA MG)
“...por causa de um coronel que se chama Zacarias...”
Assinale a alternativa em que a palavra “se” tem valor
sintático idêntico ao da oração acima.
a) a morte que se morre de velhice antes dos trinta
b) se ao menos mais cinco havia com nome de Severino
c) na mesma cabeça grande que a custo se equilibra
d) E se somos Severinos iguais em tudo na vida
e) Suando-se muito em cima
76 - (PUC RJ) Leia com atenção os itens a seguir.
I. “Eu ia dando a minha voltinha num silêncio interior de
paz.”
II. “Aberto a qualquer convite, podia comprar um
bombom, ou uma flor.”
III. “Sem nenhum objetivo, ia eu bem satisfeitinho na
minha disponibilidade.”
IV. “Nessa altura, as minhas pernas tinham me levado pro
mundo da Lua.”
V. “Quando dei comigo de volta, estava espiando uma fila
que coleava na calçada.”
A ação verbal em destaque só NÃO revela continuidade em:
a) I e II
b) II e IV
c) II e III
d) IV e V
e) III e V
TEXTO: 8 - Comum à questão: 77
O MELHOR DE CALVIN / Bill Walterson
77 - (MACK SP) No texto,
a) o termo verbar, na oração Verbar esquisita as palavras,
assume a função de sujeito, mais comumente
desempenhada por nomes.
b) o processo de verbar amplia as possibilidades de
emprego sintático, sem promover alterações na forma
original do nome.
c) o processo de verbar promove a alteração ortográfica
da palavra original, sem alterar as funções sintáticas
que ela desempenha.
d) o processo de verbar impede que os verbos resultantes
sejam empregados na voz passiva.
e) o termo verbar pode ser usado como verbo transitivo
direto (verbar palavras), ou como intransitivo (Verbar
esquisita o idioma).
TEXTO: 9 - Comum à questão: 78
TEXTO II
A doença nasce em silêncio. Seja pela ação de germes, ou
substâncias nocivas, ou por processos endógenos, sutis alterações
processam-se nas células: é a enfermidade em marcha.
Quietamente, imperceptivelmente, implacavelmente. Em algum
momento, algo acontecerá, a chamar a atenção da pessoa: uma
febre, uma dor, falta de ar, palpitação, hemorragia. A consciência
da anormalidade desperta a angústia, e a angústia se expressará
em palavras. Mais cedo ou mais tarde um médico as ouvirá. E
também ele traduzirá aquilo que ouviu, aquilo que constatou,
aquilo que pensa, em palavras. Palavras dirigidas ao paciente, aos
familiares, a outros médicos, a estudantes de medicina, ao
CILP – Curso Isolado de Língua Portuguesa | Professor Jason Lima | emlinguagem.blogspot.com.br Página 14
público. Pessoas falarão da doença, pois não há como não falar
nessa experiência que todos partilhamos. Freqüentemente as
palavras serão postas no papel: a história clínica, o artigo
científico, o ensaio, a ficção. A história da medicina é uma
história de vozes. As vozes misteriosas do corpo: o sopro, o
sibilo, o borborigmo, a crepitação, o estridor. As vozes
inarticuladas do paciente: a queixa, o relato da doença, as
perguntas inquietas. A voz articulada do médico: a anamnese, o
diagnóstico, o prognóstico. Vozes que falam da doença, vozes
calmas, vozes ansiosas, vozes curiosas, vozes sábias, vozes
resignadas, vozes revoltadas. Vozes que se querem perpetuar:
palavras escritas em argila, em pergaminho, em papel; no
prontuário, na revista, no livro, na tela do computador. Vozerio,
corrente ininterrupta de vozes que flui desde tempos imemoriais e
que continuará fluindo.
(SCLIAR, Moacyr.)
78 - (ESCS DF)
No texto II, há uma série de expressões caracterizadoras das
vozes na história da medicina, como por exemplo: vozes que
falam da doença, vozes calmas, vozes ansiosas, vozes curiosas,
vozes sábias, vozes resignadas, vozes revoltadas. Vozes que se
perpetuam...
A respeito das expressões apresentadas no enunciado acima, é
correto afirmar que:
a) todas elas são locuções adjetivas, que contêm substantivo
mais adjetivo;
b) todas elas são expressões nominais, que contêm um núcleo
substantivo e um modificador;
c) todas elas são expressões nominais, que contêm um núcleo
substantivo mais um vocábulo adjetivo;
d) a caracterização do vocábulo vozes é feita somente pelo uso
de orações adjetivas;
e) os adjetivos e as orações adjetivas caracterizam o vocábulo
vozes, que é o núcleo do sintagma adverbial.
79 - (FGV ) Na frase “... não cabia a mim entrar em arruaça...”
(L. 67) , o sujeito de cabia é:
a) Eu.
b) A mim.
c) Entrar em arruaça.
d) Em arruaça.
e) Não.
TEXTO: 11 - Comum à questão: 80
Poética de Anchieta
Anchieta escrevia na areia,
E a maré levava...
Anchieta escrevia na areia,
E a maré levava...
O bom jesuíta havia assim criado
uma espécie de antecipação
do computador ...
Zuca Sardanga
80 - (MACK SP)
De acordo com a norma culta, a forma passiva do segmento O
bom jesuíta havia assim criado / uma espécie de antecipação / do
computador... é:
a) Uma espécie de antecipação do computador havia assim
criado o bom jesuíta.
b) Uma espécie de antecipação do computador havia assim
sido criada pelo bom jesuíta.
c) Uma espécie de antecipação do computador foi assim
criada pelo bom jesuíta.
d) Criava-se assim uma espécie de antecipação do
computador pelo bom jesuíta.
e) Pelo bom jesuíta foi-se assim criando uma espécie de
antecipação do computador.
TEXTO: 12 - Comum à questão: 81
01
Olá. Espero que esteja gostando da revista. Neste artigo, eu
02
gostaria de apresentar algo que pode ser de extrema importância
03
para você. Você já foi induzido a dizer “sim”? Já se sentiu
forçado a 04
comprar o que não queria ou a contribuir com alguma
causa 05
suspeita? Alguma vez já desejou entender por que agiu
desse jeito, 06
para que no futuro pudesse resistir a esses ardis?
Sim? Então este 07
artigo é perfeito para você. Ele contém
informações de grande valor 08
sobre as mais poderosas pressões
psicológicas que fazem você 09
responder “sim” a pedidos. E é
repleto de pesquisas NOVAS e 10
APRIMORADAS que mostram
exatamente como e por que essas 11
técnicas funcionam. Então não
perca tempo, apenas relaxe e acesse 12
as informações – que, no
fundo, você já está desejando ter.
Adaptado de Robert Cialdini
81 - (MACK SP)
Neste artigo, eu gostaria de apresentar algo que pode ser de
extrema importância para você.
Assinale a alternativa que, alterando a ordem dos termos, mantém
o sentido original do trecho acima.
a) Eu gostaria de apresentar algo neste artigo de extrema
importância para você.
b) Eu gostaria, neste artigo, de poder apresentar algo de
extrema importância para você.
c) Eu gostaria de apresentar, neste artigo, algo que pode ser
de extrema importância para você.
d) Para você, eu gostaria de apresentar algo que pode ser de
extrema importância neste artigo.
e) Eu gostaria, neste artigo, de poder apresentar, para você,
algo que pode ser de extrema importância.
TEXTO: 13 - Comum à questão: 82
Breve história do tique
01
A palavra parece nascida da linguagem dos desenhos
animados. 02
Segundo alguns, sua clara origem onomatopaica
derivaria do alemão 03
ticken, que significa “tocar
ligeiramente”, ou de um termo da 04
medicina veterinária
que, já no século XVII, associava ticq e ticquet 05
a um
fenômeno no qual os cavalos sofrem uma súbita suspensão
da 06
respiração, seguida por um ruído: uma espécie de
soluço que produz 07
no animal comportamentos estranhos e
sofrimento. Daí a extensão a 08
várias manifestações que têm
em comum a rapidez, o caráter repetitivo 09
e pouco
controlável e a piora em situação de stress.
Rosella Castelnuovo
82 - (MACK SP)
Transpondo a frase “uma espécie de soluço que produz no animal
comportamentos estranhos e sofrimento” para a voz passiva, a
forma verbal destacada acima corresponde a:
CILP – Curso Isolado de Língua Portuguesa | Professor Jason Lima | emlinguagem.blogspot.com.br Página 15
a) “são produzidos”.
b) “é produzido”.
c) “foram produzidos”.
d) “estão produzidos”.
e) “havia sido produzido”.
TEXTO: 14 - Comum à questão: 83
Faz a imaginação de um bem amado,
Que nele se transforme o peito amante;
Daqui vem que a minha alma delirante
Se não distingue já do meu cuidado.
Cláudio Manuel da Costa
Obs. : do meu cuidado = da pessoa amada
83 - (MACK SP) Assinale a alternativa correta.
a) O termo a imaginação de um bem amado (verso 1) é objeto
direto do verbo “fazer”.
b) O termo o peito amante (verso 2) é sujeito do verbo
“transformar”.
c) O segmento Daqui vem (verso 3) introduz idéia de causa.
d) O segmento Se não distingue (verso 4) introduz idéia de
condição.
e) O segmento que a minha alma delirante / Se não distingue já
do meu cuidado (versos 3 e 4) é objeto direto do verbo “vir”.
TEXTO: 15 - Comum à questão: 84
TUDO VERDE NA GROELÂNDIA
As geleiras da Groelândia estão derretendo tão
rapidamente que, em alguns lugares, os níveis glaciais
baixaram 10 metros num único ano. A constatação é de um
grupo de cientistas da fundação Gary Comer, entidade
americana que estuda as mudanças bruscas do clima no
planeta. Para os pesquisadores, o território dinamarquês se
tornou um laboratório gigante das transformações
ambientais. O recuo do gelo e o desnudamento das rochas
deram espaço a liquens e até a plantas mais desenvolvidas,
além de resgatarem traços da agricultura viking extinta no
século 15, quando a temperatura caiu tanto que nenhuma
civilização resistiu ali. Hoje, a novidade ressuscita o verde e
os fazendeiros. O aparente bom pasto é apenas a ponta de um
grande problema ecológico.
( Terra, ed. 162, out. 2005, p.25.)
84 - (PUC PR) “A constatação é de um grupo de cientistas da
fundação Gary Comer, entidade americana que estuda as
mudanças bruscas do clima no planeta.”
O enunciado destacado tem a função de:
a) referir-se ao Estados Unidos.
b) explicar as mudanças bruscas no clima.
c) caracterizar as mudanças climáticas.
d) explicar o que vem a ser a fundação Gary Comer.
e) referir-se aos cientistas e suas habilidades.
TEXTO: 16 - Comum às questões: 85, 86, 87
Um papa brasileiro? Não!
O ideal é que o novo papa não seja brasileiro. Seria ruim para
o Brasil. Nos últimos tempos, a duras penas, a sociedade
brasileira tem conseguido alguns avanços relevantes. As
pesquisas com células-tronco embrionárias, ainda que de forma
bastante limitada, foram aprovadas. As pílulas do dia seguinte são
distribuídas nos postos de saúde da rede pública. As mulheres
vítimas de estupro estão – pelo menos até agora – autorizadas a ir
direto a um hospital em busca do aborto sem ter de passar antes
na delegacia para pegar um boletim de ocorrência. O aborto de
fetos sem cérebro está para ser julgado pelo Supremo Tribunal
Federal e tem chance de ser aprovado. Tudo isso são avanços
importantes, especialmente no Brasil, o maior país católico do
mundo. Afinal, ninguém desconhece que a Igreja Católica, pelo
menos essa que esteve longos anos sob o comando de João Paulo
II, tem cerrado fileiras contra tudo isso.
Um papa brasileiro teria uma ascendência imensa sobre a
sociedade brasileira e, portanto, mais condições de impedir que
esses avanços se consolidem – e, sobretudo, de impedir que novos
avanços éticos e morais sejam atingidos, como a aprovação da
união civil entre pessoas do mesmo sexo, outra matéria contra a
qual a Igreja Católica milita.
Dom Cláudio Hummes, o arcebispo de São Paulo, é o
brasileiro mais cotado para ser o novo papa. Ele tem biografia
impecável. Não é autoritário nem centralizador como João Paulo
II. Tampouco arrasta a batina para a Opus Dei, a mais reacionária
organização católica, a qual João Paulo II cumulou de mimos e
poderes. Dom Cláudio Hummes, se tivesse assumido no lugar de
João Paulo II, lá no fim dos anos 70, com certeza teria feito um
papado diferente, arejado, participativo. Mas assumir agora é
outra coisa. A Igreja Católica é uma instituição sólida, milenar,
vetusta. Não dá guinadas ideológicas, como se fosse um diretório
estudantil. Dom Cláudio Hummes não poderia – não no tempo de
um papado apenas – imprimir as mudanças radicais tão
necessárias para que a Igreja Católica se modernize.
Forçosamente, teria de manter grande parte da visão conservadora
do antecessor. E nós, brasileiros, seríamos as vítimas
preferenciais desse atraso esmagador. Não merecemos isso.
(Veja, 13/04/2005, p. 93)
85 - (UEPG PR) Marque as afirmações corretas, tendo em vista
o emprego dos tempos verbais nas cinco primeiras frases do
texto.
01) Na primeira frase, seja, no presente do subjuntivo,
expressa uma hipótese futura.
02) Na segunda frase, seria, no futuro do pretérito, exprime
uma possibilidade.
04) Na terceira frase, tem conseguido, forma composta do
pretérito perfeito, indica um processo passado que se
repete até o presente.
08) Na quarta frase, foram aprovadas, forma composta de
voz passiva, no pretérito perfeito, expressa um processo
passado concluído.
16) Na quinta frase, são distribuídas, forma composta de voz
passiva, no presente, expressa ação habitual.
86 - (UEPG PR) A conversão da voz passiva com verbo
auxiliar à passiva com "se" e da voz passiva à ativa está correta
em:
01) As pesquisas com células-tronco embrionárias foram
aprovadas. Aprovaram-se as pesquisas com células-
tronco embrionárias.
02) As pílulas do dia seguinte são distribuídas nos postos de
saúde da rede pública. Distribuem-se as pílulas do dia
seguinte nos postos de saúde da rede pública.
04) As mulheres vítimas de estupro estão autorizadas a ir
direto a um hospital em busca do aborto. As mulheres
vítimas de estupro são autorizadas a ir direto a um
hospital em busca do aborto.
CILP – Curso Isolado de Língua Portuguesa | Professor Jason Lima | emlinguagem.blogspot.com.br Página 16
08) Teria condições de impedir que novos avanços sejam
atingidos pela sociedade. Teria condições de impedir que
a sociedade seja atingida por novos avanços.
16) O aborto de fetos sem cérebro está para ser julgado pelo
Supremo Tribunal Federal. O Supremo Tribunal Federal
está para julgar o aborto de fetos sem cérebro.
87 - (UEPG PR) Escolha as frases em que os termos sublinhados
estejam funcionando como aposto.
01) Tudo isso são avanços importantes, especialmente no
Brasil, o maior país católico do mundo.
02) Dom Cláudio Hummes, o arcebispo de São Paulo, é o
brasileiro mais cotado para ser o novo papa.
04) Tampouco arrasta a batina para a Opus Dei, a mais
reacionária organização católica, a qual João Paulo II
cumulou de mimos e poderes.
08) E nós, brasileiros, seríamos as vítimas preferenciais
desse atraso esmagador.
16) A Igreja Católica é uma instituição sólida, milenar,
vetusta.
88 - (UFRN) Considere o trecho:
“Deve-se botar trancas e alarmes nas portas, não em nossa mente.
Deve-se repudiar o que fazem os bandidos, mas deve-se evitar o
banditismo.” (ref. 29 e 30)
O elemento linguístico se é partícula apassivadora nos três casos
em que ocorre no trecho acima. Considerando essa informação, é
correto afirmar, quanto às formas verbais em destaque e de
acordo com o registro culto da língua escrita:
a) apenas as duas últimas formas verbais devem ser
flexionadas no plural.
b) apenas a segunda forma verbal deve ser flexionada no
plural.
c) apenas as duas primeiras formas verbais devem ser
flexionadas no plural.
d) apenas a primeira forma verbal deve ser flexionada no
plural.
TEXTO: 18 - Comum à questão: 89
Código virtual
A linguagem dos chats não é tão absurda quanto parece,
desde que seja usada na hora e no lugar certo
Para a geração que cresceu em frente ao computador, escrever por
códigos é tão natural quanto falar. Abreviações como vc (você) e
pq (porque) são usadas dezenas de vezes enquanto os internautas
batem papo. As abreviações assustam os puristas do idioma. E até
entre os viciados em internet há quem abomine esse linguajar.
Um grupo de fóruns PCs, uma comunidade de discussão virtual,
lançou a campanha Eu sei escrever a fim de moralizar a língua
portuguesa. A turma tem uma comunidade no Orkut destinada a
combater o que ela chama de “analfabetismo virtual” (...).
89 - (UFRR) O subtítulo do texto contém:
a) 01 oração subordinada adverbial comparativa e 01 oração
subordinada adverbial condicional;
b) duas orações subordinadas comparativas e uma oração
coordenada assindética;
c) uma oração subordinada reduzida e uma oração subordinada
adverbial condicional;
d) 01 oração coordenada adjetiva restritiva e 01 oração
coordenada adjetiva explicativa ;
e) 01 oração coordenada sindética adversativa e 02 orações
subordinadas adjetivas explicativas.
TEXTO: 19 - Comum à questão: 90
Experimente ver pela primeira vez o que você vê todo dia, sem
ver. Parece fácil, mas não é. O que nos cerca, o que nos é
familiar, já não desperta curiosidade. O campo visual da nossa
rotina é como um vazio. (...) O hábito suja os olhos e lhes baixa a
voltagem. Mas há sempre o que ver. Gente, coisas, bichos. E
vemos? Não, não vemos.
REZENDE, Otto Lara, Folha de S. Paulo, São Paulo, 23.02.92
90 - (UNAERP SP)
Mas há sempre o que ver. Gente, coisas, bichos. A segunda frase,
em relação à primeira, é:
a) uma gradação imprópria.
b) uma oração reduzida.
c) um aposto.
d) um adjunto adverbial.
e) uma oração subordinada predicativa.
91 - (UNIFOR CE)
Assisti ao evento em um local público. (início do texto) Função
sintática idêntica à do termo grifado acima encontra-se no termo,
também grifado, da frase:
a) As televisões hipnotizaram os espectadores ...
b) Seu automóvel caíra em um rio.
c) Perguntei-me: indiferença?
d) Ao acabar o noticiário ...
e) ... nos quais indiferença e distância são fenômenos
inseparáveis.
Texto - O oráculo do mercado publicitário
“Enquanto a nata do concorrido mercado publicitário paulista
ferve os neurônios atrás de mais uma idéia brilhante que garanta a
genialidade de suas campanhas, um carioca que já passou dos 60
– e não troca o final de tarde em Ipanema por nada – dá a pauta
do que será assunto nas principais agências do Brasil.
Julio Hungria, 66, é o criador, editor e webmaster de um dos
sites mais acessados por esse público, o Blue Bus
(www.bluebus.com.br). Presente na lista de favoritos de 11 em
cada 10 publicitários, o endereço traz diariamente uma grande
variedade de notas sobre assuntos que vão dos bastidores do
mercado até fofocas sobre celebridades.”
André Mascarenhas
O Estado de S.Paulo. 15/08/2005, p.L14.
92 - (UNIMES SP) No primeiro parágrafo do trecho acima
transcrito, há três ocorrências do pronome relativo que. Quanto à
função sintática desse pronome, pode-se afirmar que ele funciona
como:
a) sujeito nas três ocorrências.
b) objeto direto nas três ocorrências.
c) sujeito nas primeira ocorrência e como objeto direto nas
outras duas.
d) objeto direto na primeira ocorrência e como sujeito nas
outras duas.
e) sujeito na primeira ocorrência, objeto direto na segunda
e sujeito na terceira.
CILP – Curso Isolado de Língua Portuguesa | Professor Jason Lima | emlinguagem.blogspot.com.br Página 17
TEXTO: 22 - Comum à questão: 93
1
“Ainda madrugada. Nenhuma luz na serraria. Tudo coberto
pela bruma.
Procópio estacionou o caminhão junto às pilhas de tábuas e
buzinou. Os homens começaram a sair dos ranchos,
estremunhados, alguns sungando as calças.
Salustiano, o encarregado dos depósitos, também veio,
sorridente, cumprimentando o 5
amigo.
[...]
Procópio deu partida ao motor. Acenou para o amigo e
meteu-se na estrada, disposto a enfrentar a jornada longa.
Alguém, por certo, estava lucrando com a sua trabalheira. Ele é
que não era, porém. Nem tampouco o Salustiano, simples
empregado. Talvez nem o gerente, um 10
mandado sem voz ativa.
Mas alguém estava enricando com a exploração do pinho. Apesar
da crise, alguém estava tendo os seus lucros. Bem podia ser que a
baixa [no preço da madeira] tivesse sido provocada... Ele é que
não entendia do assunto. Só sabia dizer que as coisas estavam
péssimas, numa situação quase insustentável. O frete da madeira
não dava mais nada.”
(SASSI, Guido Wilmar. Amigo velho. Porto Alegre:
Movimento, Brasília: INL, 1982, p. 19-20.)
93 - (UDESC SC)
Assinale a alternativa INCORRETA.
a) Em “enfrentar a jornada longa” (linha 8) a expressão
sublinhada corresponde a um objeto direto.
b) “cumprimentando” (linha 4) é forma nominal do
gerúndio; transmite a idéia de que a ação verbal está em
curso.
c) No imperativo afirmativo as formas verbais sublinhadas,
em “Acenou para o amigo e meteu-se na estrada” (linha
7), ficam Acene e meta-se.
d) Passando para a voz ativa “Procópio estacionou o
caminhão” (linha 2), o núcleo verbal fica seria
estacionado.
e) Em “Bem podia ser” (linha 11) a forma verbal
sublinhada encontra-se no pretérito imperfeito do
indicativo, com valor de futuro do pretérito (poderia).
TEXTO: 23 - Comum à questão: 94
XXXVII
Porém já cinco sóis eram passados
Que dali nos partíramos, cortando
Os mares nunca de outrem navegados,
Prosperamente os ventos assoprando,
Quando ua noite, estando descuidados
Na cortadora proa vigiando,
Ua nuvem, que os ares escurece,
Sobre nossas cabeças aparece.
XXXVIII
Tão temerosa vinha e carregada,
Que pôs nos corações um grande medo.
Bramindo, o negro mar de longe brada,
Como se desse em vão nalgum rochedo
- “Ó Potestade – disse – sublimada,
Que ameaço divino ou que segredo
Este clima e este mar nos apresenta,
Que mor cousa parece que tormenta?”
(CAMÕES, Luís Vaz de. Os Lusíadas. 4ª. ed. Porto:
Editorial Domingos Barreira, s.d. p. 332.)
94 - (UEL PR)
Com base no segundo verso da estrofe XXXVIII, considere
as afirmativas a seguir.
I. O “que” substitui “nuvem”, termo presente no penúltimo
verso da estrofe anterior.
II. O “que” é um conectivo com valor de consequência das
situações apresentadas no verso anterior.
III. A expressão “um grande medo” é complemento da
forma verbal “pôs”.
IV. O agente da forma verbal “pôs” é “nuvem”, termo
omitido neste verso.
Estão corretas apenas as afirmativas:
a) I e II.
b) I e III.
c) III e IV.
d) I, II e IV.
e) II, III e IV.
95 - (UNIMONTES MG)
Nas alternativas abaixo, NÃO se indicou corretamente a
circunstância expressa pelo adjunto adverbial ou pela(s)
oração(ões) adverbial(ais) em:
a) ”Definir felicidade é tão complexo e abstrato quanto
decifrar a insanidade.” (COMPARAÇÃO)
b) ”A vida seguiu, mesmo que entre a lama e o medo do
caos.” (CONCESSÃO)
c) ”Erramos ao tentar prever o que nos fará felizes...”
(TEMPO)
d) ”Pensamos que seremos felizes depois de trocar de
carro, receber aumento, encontrar um grande amor,
reformar a cozinha...” (CONDIÇÃO)
96 - (UNIMONTES MG)
Na passagem “Ele percebe duas maneiras de pensar a felicidade:
uma sensação de paz, completude e harmonia ou uma conquista”,
o verbo pensar tem a seguinte regência e significado:
a) transitivo indireto  imaginar
b) transitivo direto  conceber
c) transitivo direto e indireto  definir
d) intransitivo  tratar
97 - (UNIMONTES MG)
Em qual das alternativas abaixo em verbo de conteúdo relacional
está integrado um predicado nominal?
a) ”E o que se fez com esse pobre homem?”
b) ”Foi acusado de assassino...”
c) ”...[o filho] sem andar de bicicleta...”
d) ”Jeson virou a Geni de Franca...”
CILP – Curso Isolado de Língua Portuguesa | Professor Jason Lima | emlinguagem.blogspot.com.br Página 18
TEXTO: 26 - Comum à questão: 98
Texto 1
Dar mais atenção a você é uma prioridade do Ministério da
Saúde, mas é um compromisso que você também deve ter
principalmente quem tem pressão alta. Se você é hipertenso,
evite sal na comida. É importantíssimo uma alimentação
saudável. Não fume, controle o seu peso e a taxa de
colesterol. Faça acompanhamento periódico e pratique
atividade física regularmente, mas nunca sem consultar um
médico. Os postos de saúde estão prontos para atender você.
98 - (EFOA MG)
“HIPERTENSO, ALÉM DO MINISTÉRIO DA SAÚDE,
OUTROS ÓRGÃOS TAMBÉM SE PREOCUPAM COM
VOCÊ.”
Com base no fragmento acima, assinale a afirmativa
INCORRETA:
a) O termo “hipertenso” tem a função comunicativa de
interpelar alguém.
b) O termo “hipertenso” além de interpelar alguém
funciona também como sujeito da sentença.
c) Os termos “além do” e “também” funcionam como
elementos que adicionam informações à idéia central.
d) O termo “você” é usado para envolver e interpelar
diretamente o leitor do texto.
e) O termo “órgãos” tem sentido diferente do que em
“Esses órgãos são responsáveis por intermediar as
relações entre os países.”
99 - (FGV )
A propósito do trecho “Compadeceu-se o Senhor. Passou o
furacão. Tenho a cabeça fria da beira da sepultura, de onde me
ergui.”, pode-se dizer que:
a) Teodora diz que Deus havia tido dó de seus sofrimentos.
Assim, o termo Senhor é sujeito de compadeceu-se.
b) A autora da carta dirige-se a Deus; assim, a função
sintática de Senhor é vocativo.
c) Teodora é sujeito do verbo compadecer.
d) “O Senhor” é aposto.
e) Em passou o furacão, identifica-se a figura chamada
silepse.
TEXTO:
MAR PORTUGUÊS
Ó mar salgado, quanto do teu sal
São lágrimas de Portugal!
Por te cruzarmos, quantas mães choraram,
Quantos filhos em vão rezaram!
Quantas noivas ficaram por casar
Para que fosses nosso, ó mar!
Valeu a pena? Tudo vale a pena
Se a alma não é pequena.
Quem quer passar além do Bojador
Tem que passar além da dor.
Deus ao mar o perigo e o abismo deu,
Mas nele é que espelhou o céu.
Fonte: PESSOA, F. Mensagem. In: Mensagem e outros
poemas afins seguidos de Fernando Pessoa e idéia de
Portugal. Mem
Martins: Europa-América [19-].
100 - (UEL PR)
Em “Ó mar salgado, quanto do teu sal / São lágrimas de
Portugal”. A expressão Ó mar salgado classifica-se,
sintaticamente, como:
a) Sujeito, pois expressa o ser de quem se diz algo.
b) Objeto, pois completa o sentido do verbo transitivo
direto.
c) Vocativo, pois expressa o ser a quem se dirige a
mensagem do narrador.
d) Complemento nominal, pois completa a idéia expressa
por um nome.
e) Aposto, pois explica e identifica o termo a que se refere
o narrador.
CILP – Curso Isolado de Língua Portuguesa | Professor Jason Lima | emlinguagem.blogspot.com.br Página 19
GABARITO:
1) Gab: E
2) Gab: B
3) Gab: D
4) Gab: C
5) Gab: C
6) Gab: A
7) Gab: D
8) Gab: C
9) Gab: C
10) Gab: A
11) Gab: D
12) Gab: E
13) Gab: A
14) Gab: D
15) Gab: C
16) Gab: A
17) Gab: B
18) Gab: B
19) Gab: C
20) Gab: C
21) Gab: B
22) Gab: C
23) Gab: D
24) Gab: D
25) Gab: D
26) Gab: C
27) Gab: E
28) Gab: B
29) Gab: C
30) Gab: C
31) Gab: B
32) Gab: D
33) Gab: E
34) Gab: E
35) Gab: C
36) Gab: B
37) Gab: E
38) Gab: D
39) Gab: A
40) Gab: D
41) Gab: E
42) Gab: A
43) Gab: D
44) Gab: A
45) Gab: D
46) Gab: D
47) Gab: A
48) Gab: D
49) Gab: A
50) Gab: E
51) Gab: D
52) Gab: D
53) Gab: A
54) Gab: D ou A
"Os donos do país" são as "elites", ou parte delas, que são
objeto da observação anterior do humorista ("as elites tão
senis"). A "incoerência" dos "donos do país" pode ser
associada à "pobreza de espírito" mencionada na alternativa
d. As demais alternativas não são aceitáveis porque não é
correto associar "donos do país" nem aos "governantes" e aos
"políticos" (a e b), que muitas vezes não são mais do que
representantes dos tais donos, nem muito menos ao "povo"
(c), que se situa no pólo oposto ao das elites, ou à "loucura
das mulheres no governo" (e), pelo fato de ser mulher e
rainha a personagem louca mencionada nos versos da paródia
de Millôr Fernandes (assim como no original de Manuel
Bandeira). A alternativa a é a que mais se presta a confusão,
dado que a falta de coerência pode ser descrita como
"inconseqüência". Ocorre, porém, que a identificação de
"donos do país" com "governantes" nem encontra apoio no
texto, nem, necessariamente, nos fatos (o famoso livro de
Raymundo Faoro, de título semelhante, é uma demonstração
CILP – Curso Isolado de Língua Portuguesa | Professor Jason Lima | emlinguagem.blogspot.com.br Página 20
disso). Não obstante, é de temer que, num teste impreciso
como este (como se poderia determinar a que grupo de fato
se refere a expressão "donos do país"?), a Banca
Examinadora tenha considerado a alternativa a como correta.
55) Gab: D
56) Gab: D
57) Gab: E
58) Gab: A
59) Gab: E
60) Gab: A
61) Gab: B
62) Gab: A
63) Gab: D
64) Gab: B
65) Gab: E
66) Gab: E
67) Gab: D
68) Gab: C
69) Gab: C
70) Gab: C
71) Gab: C
72) Gab: E
73) Gab: E
74) Gab: D
75) Gab: C
76) Gab: B
77) Gab: A
78) Gab: B
79) Gab: C
80) Gab: B
81) Gab: C
82) Gab: A
83) Gab: B
84) Gab: D
85) Gab: 31
86) Gab: 19
87) Gab: 15
88) Gab: D
89) Gab: A
90) Gab: C
91) Gab: C
92) Gab: A
93) Gab: D
94) Gab: E
95) Gab: D
96) Gab: B
97) Gab: D
98) Gab: B
99) Gab: A
100) Gab: C

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula 04 variacao linguistica
Aula 04   variacao linguisticaAula 04   variacao linguistica
Aula 04 variacao linguisticaMarcia Simone
 
Plano aula modelo gasparim genero textual
Plano aula modelo gasparim  genero textualPlano aula modelo gasparim  genero textual
Plano aula modelo gasparim genero textualLuis Carlos Santos
 
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURAAULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURAMarcelo Cordeiro Souza
 
Substantivos concretos e abstratos
Substantivos concretos e abstratosSubstantivos concretos e abstratos
Substantivos concretos e abstratosMary Santos
 
Caça-palavras homonimos e paronimos1
Caça-palavras homonimos e paronimos1Caça-palavras homonimos e paronimos1
Caça-palavras homonimos e paronimos1Dilmara Faria
 
AULA 3 - COESÃO E COERÊNCIA
AULA 3 - COESÃO E COERÊNCIAAULA 3 - COESÃO E COERÊNCIA
AULA 3 - COESÃO E COERÊNCIAaulasdejornalismo
 
Processo de formação de palavras
Processo de formação de palavrasProcesso de formação de palavras
Processo de formação de palavrasKaren Olivan
 
82428046 exercicios-denotacao-e-conotacao
82428046 exercicios-denotacao-e-conotacao82428046 exercicios-denotacao-e-conotacao
82428046 exercicios-denotacao-e-conotacaoGeija Fortunato
 
Frase oracao-periodo-aula
Frase oracao-periodo-aulaFrase oracao-periodo-aula
Frase oracao-periodo-aulaemanuelee
 
Exercicio coesão e coerência textual
Exercicio coesão e coerência textualExercicio coesão e coerência textual
Exercicio coesão e coerência textualluizcarmo
 
Compreensão e Interpretação de Textos
Compreensão e Interpretação de Textos Compreensão e Interpretação de Textos
Compreensão e Interpretação de Textos Professor Rômulo Viana
 
FICHA - GÊNEROS LITERÁRIOS - EXERCÍCIOS - Gabarito.pdf
FICHA - GÊNEROS LITERÁRIOS - EXERCÍCIOS - Gabarito.pdfFICHA - GÊNEROS LITERÁRIOS - EXERCÍCIOS - Gabarito.pdf
FICHA - GÊNEROS LITERÁRIOS - EXERCÍCIOS - Gabarito.pdfNatália Moura
 
Atividade avaliativa 9º figuras de linguagem
Atividade avaliativa 9º figuras de linguagemAtividade avaliativa 9º figuras de linguagem
Atividade avaliativa 9º figuras de linguagemKatiuscia Soares
 
Classes gramaticais
Classes gramaticais Classes gramaticais
Classes gramaticais iamraphael
 
Adverbios e locuções adverbiais
Adverbios e locuções adverbiaisAdverbios e locuções adverbiais
Adverbios e locuções adverbiaisAna Paula Mendes
 

Mais procurados (20)

Aula 04 variacao linguistica
Aula 04   variacao linguisticaAula 04   variacao linguistica
Aula 04 variacao linguistica
 
Plano aula modelo gasparim genero textual
Plano aula modelo gasparim  genero textualPlano aula modelo gasparim  genero textual
Plano aula modelo gasparim genero textual
 
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURAAULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
 
Substantivos concretos e abstratos
Substantivos concretos e abstratosSubstantivos concretos e abstratos
Substantivos concretos e abstratos
 
Caça-palavras homonimos e paronimos1
Caça-palavras homonimos e paronimos1Caça-palavras homonimos e paronimos1
Caça-palavras homonimos e paronimos1
 
Tipos de sujeito e predicado- exercícios
Tipos de sujeito e predicado-   exercícios Tipos de sujeito e predicado-   exercícios
Tipos de sujeito e predicado- exercícios
 
1.3 ortografia
1.3   ortografia1.3   ortografia
1.3 ortografia
 
AULA 3 - COESÃO E COERÊNCIA
AULA 3 - COESÃO E COERÊNCIAAULA 3 - COESÃO E COERÊNCIA
AULA 3 - COESÃO E COERÊNCIA
 
Processo de formação de palavras
Processo de formação de palavrasProcesso de formação de palavras
Processo de formação de palavras
 
82428046 exercicios-denotacao-e-conotacao
82428046 exercicios-denotacao-e-conotacao82428046 exercicios-denotacao-e-conotacao
82428046 exercicios-denotacao-e-conotacao
 
Frase oracao-periodo-aula
Frase oracao-periodo-aulaFrase oracao-periodo-aula
Frase oracao-periodo-aula
 
Exercicio coesão e coerência textual
Exercicio coesão e coerência textualExercicio coesão e coerência textual
Exercicio coesão e coerência textual
 
Atividade de transitividade verbal
Atividade de transitividade verbalAtividade de transitividade verbal
Atividade de transitividade verbal
 
Compreensão e Interpretação de Textos
Compreensão e Interpretação de Textos Compreensão e Interpretação de Textos
Compreensão e Interpretação de Textos
 
Exemplo de Relato Pessoal
Exemplo de Relato PessoalExemplo de Relato Pessoal
Exemplo de Relato Pessoal
 
FICHA - GÊNEROS LITERÁRIOS - EXERCÍCIOS - Gabarito.pdf
FICHA - GÊNEROS LITERÁRIOS - EXERCÍCIOS - Gabarito.pdfFICHA - GÊNEROS LITERÁRIOS - EXERCÍCIOS - Gabarito.pdf
FICHA - GÊNEROS LITERÁRIOS - EXERCÍCIOS - Gabarito.pdf
 
Atividade avaliativa 9º figuras de linguagem
Atividade avaliativa 9º figuras de linguagemAtividade avaliativa 9º figuras de linguagem
Atividade avaliativa 9º figuras de linguagem
 
Classes gramaticais
Classes gramaticais Classes gramaticais
Classes gramaticais
 
Adverbios e locuções adverbiais
Adverbios e locuções adverbiaisAdverbios e locuções adverbiais
Adverbios e locuções adverbiais
 
Crase
CraseCrase
Crase
 

Destaque

Aula 10 termos da oração análise sintática
Aula 10   termos da oração análise sintáticaAula 10   termos da oração análise sintática
Aula 10 termos da oração análise sintáticaJ M
 
Exercícios de concordância
Exercícios de concordânciaExercícios de concordância
Exercícios de concordânciama.no.el.ne.ves
 
Questões de Língua Portuguesa de Vestibulares - Módulo 1
Questões de Língua Portuguesa de Vestibulares - Módulo 1Questões de Língua Portuguesa de Vestibulares - Módulo 1
Questões de Língua Portuguesa de Vestibulares - Módulo 1Evaí Oliveira
 
Segunda aplicação do enem 2012, aspectos gramaticais
Segunda aplicação do enem 2012, aspectos gramaticaisSegunda aplicação do enem 2012, aspectos gramaticais
Segunda aplicação do enem 2012, aspectos gramaticaisma.no.el.ne.ves
 
Segunda aplicação do enem 2012, compreensão textual
Segunda aplicação do enem 2012, compreensão textualSegunda aplicação do enem 2012, compreensão textual
Segunda aplicação do enem 2012, compreensão textualma.no.el.ne.ves
 
Vestibular 2015 da UPE (Provas do 1º dia)
Vestibular 2015 da UPE (Provas do 1º dia) Vestibular 2015 da UPE (Provas do 1º dia)
Vestibular 2015 da UPE (Provas do 1º dia) Isaquel Silva
 
Segunda aplicação do enem 2016; Compreensão textual
Segunda aplicação do enem 2016; Compreensão textualSegunda aplicação do enem 2016; Compreensão textual
Segunda aplicação do enem 2016; Compreensão textualma.no.el.ne.ves
 
Prova internet-pssi-2006
Prova internet-pssi-2006Prova internet-pssi-2006
Prova internet-pssi-2006Lucas Ferreira
 
Prova internet-pss-i-2010
Prova internet-pss-i-2010Prova internet-pss-i-2010
Prova internet-pss-i-2010Lucas Ferreira
 
Apostila de portugues para concursos
Apostila de portugues para concursosApostila de portugues para concursos
Apostila de portugues para concursosThiago Machado
 
Aula 01 portugues - aula 01
Aula 01   portugues - aula 01Aula 01   portugues - aula 01
Aula 01 portugues - aula 01Roseana Faria
 
apostila português e matemática
apostila português e matemáticaapostila português e matemática
apostila português e matemáticajoaozedoca
 
Figuras de linguagem
Figuras de linguagemFiguras de linguagem
Figuras de linguagemUNOPAR, UNEB
 
Revisão de Teoria Gramatical do CTSP da PMMG
Revisão de Teoria Gramatical do CTSP da PMMGRevisão de Teoria Gramatical do CTSP da PMMG
Revisão de Teoria Gramatical do CTSP da PMMGma.no.el.ne.ves
 
Revisional de língua portuguesa para o cfsd
Revisional de língua portuguesa para o cfsdRevisional de língua portuguesa para o cfsd
Revisional de língua portuguesa para o cfsdma.no.el.ne.ves
 
Prova ssa3 i primeiro dia
Prova ssa3 i primeiro diaProva ssa3 i primeiro dia
Prova ssa3 i primeiro diapepontocom
 

Destaque (20)

Aula 10 termos da oração análise sintática
Aula 10   termos da oração análise sintáticaAula 10   termos da oração análise sintática
Aula 10 termos da oração análise sintática
 
Exercícios de concordância
Exercícios de concordânciaExercícios de concordância
Exercícios de concordância
 
Questões de Língua Portuguesa de Vestibulares - Módulo 1
Questões de Língua Portuguesa de Vestibulares - Módulo 1Questões de Língua Portuguesa de Vestibulares - Módulo 1
Questões de Língua Portuguesa de Vestibulares - Módulo 1
 
Segunda aplicação do enem 2012, aspectos gramaticais
Segunda aplicação do enem 2012, aspectos gramaticaisSegunda aplicação do enem 2012, aspectos gramaticais
Segunda aplicação do enem 2012, aspectos gramaticais
 
Segunda aplicação do enem 2012, compreensão textual
Segunda aplicação do enem 2012, compreensão textualSegunda aplicação do enem 2012, compreensão textual
Segunda aplicação do enem 2012, compreensão textual
 
Apostila gramatica
Apostila gramaticaApostila gramatica
Apostila gramatica
 
Vestibular 2015 da UPE (Provas do 1º dia)
Vestibular 2015 da UPE (Provas do 1º dia) Vestibular 2015 da UPE (Provas do 1º dia)
Vestibular 2015 da UPE (Provas do 1º dia)
 
Segunda aplicação do enem 2016; Compreensão textual
Segunda aplicação do enem 2016; Compreensão textualSegunda aplicação do enem 2016; Compreensão textual
Segunda aplicação do enem 2016; Compreensão textual
 
Fatec 1sem 2006
Fatec 1sem 2006Fatec 1sem 2006
Fatec 1sem 2006
 
Prova internet-pssi-2006
Prova internet-pssi-2006Prova internet-pssi-2006
Prova internet-pssi-2006
 
Prova internet-pss-i-2010
Prova internet-pss-i-2010Prova internet-pss-i-2010
Prova internet-pss-i-2010
 
Biquimafi quizz
Biquimafi quizzBiquimafi quizz
Biquimafi quizz
 
Apostila de portugues para concursos
Apostila de portugues para concursosApostila de portugues para concursos
Apostila de portugues para concursos
 
Aula 01 portugues - aula 01
Aula 01   portugues - aula 01Aula 01   portugues - aula 01
Aula 01 portugues - aula 01
 
apostila português e matemática
apostila português e matemáticaapostila português e matemática
apostila português e matemática
 
Figuras de linguagem
Figuras de linguagemFiguras de linguagem
Figuras de linguagem
 
Revisão de Teoria Gramatical do CTSP da PMMG
Revisão de Teoria Gramatical do CTSP da PMMGRevisão de Teoria Gramatical do CTSP da PMMG
Revisão de Teoria Gramatical do CTSP da PMMG
 
Revisional de língua portuguesa para o cfsd
Revisional de língua portuguesa para o cfsdRevisional de língua portuguesa para o cfsd
Revisional de língua portuguesa para o cfsd
 
Gv economia 1fase_2010
Gv economia 1fase_2010Gv economia 1fase_2010
Gv economia 1fase_2010
 
Prova ssa3 i primeiro dia
Prova ssa3 i primeiro diaProva ssa3 i primeiro dia
Prova ssa3 i primeiro dia
 

Semelhante a CILP - Sintaxe - 100 questões com gabarito

Xiv questoes comentadas do cespe - so concordancia
Xiv   questoes comentadas do cespe - so concordanciaXiv   questoes comentadas do cespe - so concordancia
Xiv questoes comentadas do cespe - so concordanciaIsabelly Sarmento
 
Exercicios portugues fonetica_fonologia_acentuacao
Exercicios portugues fonetica_fonologia_acentuacaoExercicios portugues fonetica_fonologia_acentuacao
Exercicios portugues fonetica_fonologia_acentuacaoMarisa Goulart
 
D7 (3ª Série - Ens. Médio - L.P - BLOG do Prof. Warles).doc.pdf
D7 (3ª Série - Ens. Médio - L.P - BLOG do Prof. Warles).doc.pdfD7 (3ª Série - Ens. Médio - L.P - BLOG do Prof. Warles).doc.pdf
D7 (3ª Série - Ens. Médio - L.P - BLOG do Prof. Warles).doc.pdfRayanne Costa
 
Rta aula 6 - 2010
Rta   aula 6 - 2010Rta   aula 6 - 2010
Rta aula 6 - 2010LeYa
 
Simulado 2012 3º_ano_acy_de_barros
Simulado 2012 3º_ano_acy_de_barrosSimulado 2012 3º_ano_acy_de_barros
Simulado 2012 3º_ano_acy_de_barrosNilson
 
Fonologia EAOF extra com gabarito
Fonologia EAOF extra com gabaritoFonologia EAOF extra com gabarito
Fonologia EAOF extra com gabaritojasonrplima
 
1° simulado – estilo Cefet
1° simulado – estilo Cefet1° simulado – estilo Cefet
1° simulado – estilo CefetProfFernandaBraga
 
Simulado uerj exato original
Simulado uerj exato originalSimulado uerj exato original
Simulado uerj exato originaligor luiz
 
Prova enem-amarela-98
Prova enem-amarela-98Prova enem-amarela-98
Prova enem-amarela-98Lucilo Campos
 
Enem98 amarela
Enem98 amarelaEnem98 amarela
Enem98 amarelajullyvi
 
PROVA AMARELA ENEM 1998. DIGITAL SÓ A CORNÉLIA TEM.
PROVA AMARELA ENEM 1998. DIGITAL  SÓ A CORNÉLIA TEM.PROVA AMARELA ENEM 1998. DIGITAL  SÓ A CORNÉLIA TEM.
PROVA AMARELA ENEM 1998. DIGITAL SÓ A CORNÉLIA TEM.Antônio Fernandes
 
Prova enem amarela-98
Prova enem amarela-98Prova enem amarela-98
Prova enem amarela-98Lucilo Campos
 
avaliação de língua portuguesa 3ª A
avaliação de língua portuguesa 3ª A avaliação de língua portuguesa 3ª A
avaliação de língua portuguesa 3ª A Marcia Oliveira
 

Semelhante a CILP - Sintaxe - 100 questões com gabarito (20)

Faminas
FaminasFaminas
Faminas
 
Xiv questoes comentadas do cespe - so concordancia
Xiv   questoes comentadas do cespe - so concordanciaXiv   questoes comentadas do cespe - so concordancia
Xiv questoes comentadas do cespe - so concordancia
 
Figuras de linguagem
Figuras de linguagemFiguras de linguagem
Figuras de linguagem
 
Recuperação 2015
Recuperação 2015Recuperação 2015
Recuperação 2015
 
Exercicios portugues fonetica_fonologia_acentuacao
Exercicios portugues fonetica_fonologia_acentuacaoExercicios portugues fonetica_fonologia_acentuacao
Exercicios portugues fonetica_fonologia_acentuacao
 
D7 (3ª Série - Ens. Médio - L.P - BLOG do Prof. Warles).doc.pdf
D7 (3ª Série - Ens. Médio - L.P - BLOG do Prof. Warles).doc.pdfD7 (3ª Série - Ens. Médio - L.P - BLOG do Prof. Warles).doc.pdf
D7 (3ª Série - Ens. Médio - L.P - BLOG do Prof. Warles).doc.pdf
 
Rta aula 6 - 2010
Rta   aula 6 - 2010Rta   aula 6 - 2010
Rta aula 6 - 2010
 
Simulado - Segundo Ano
Simulado - Segundo AnoSimulado - Segundo Ano
Simulado - Segundo Ano
 
Simulado 2012 3º_ano_acy_de_barros
Simulado 2012 3º_ano_acy_de_barrosSimulado 2012 3º_ano_acy_de_barros
Simulado 2012 3º_ano_acy_de_barros
 
Fonologia EAOF extra com gabarito
Fonologia EAOF extra com gabaritoFonologia EAOF extra com gabarito
Fonologia EAOF extra com gabarito
 
1° simulado – estilo Cefet
1° simulado – estilo Cefet1° simulado – estilo Cefet
1° simulado – estilo Cefet
 
Simulado uerj exato original
Simulado uerj exato originalSimulado uerj exato original
Simulado uerj exato original
 
Avaliação proeb língua portuguesa 3º ano - em
Avaliação proeb língua portuguesa   3º ano - emAvaliação proeb língua portuguesa   3º ano - em
Avaliação proeb língua portuguesa 3º ano - em
 
Enem amarela
Enem amarelaEnem amarela
Enem amarela
 
Prova enem-amarela-98
Prova enem-amarela-98Prova enem-amarela-98
Prova enem-amarela-98
 
Enem98 amarela
Enem98 amarelaEnem98 amarela
Enem98 amarela
 
PROVA AMARELA ENEM 1998. DIGITAL SÓ A CORNÉLIA TEM.
PROVA AMARELA ENEM 1998. DIGITAL  SÓ A CORNÉLIA TEM.PROVA AMARELA ENEM 1998. DIGITAL  SÓ A CORNÉLIA TEM.
PROVA AMARELA ENEM 1998. DIGITAL SÓ A CORNÉLIA TEM.
 
Prova enem amarela-98
Prova enem amarela-98Prova enem amarela-98
Prova enem amarela-98
 
Teste 12 Ano
Teste  12 Ano Teste  12 Ano
Teste 12 Ano
 
avaliação de língua portuguesa 3ª A
avaliação de língua portuguesa 3ª A avaliação de língua portuguesa 3ª A
avaliação de língua portuguesa 3ª A
 

Mais de jasonrplima

Isolado over 2016 tema 1 - maconha medicinal
Isolado over 2016   tema 1 - maconha medicinalIsolado over 2016   tema 1 - maconha medicinal
Isolado over 2016 tema 1 - maconha medicinaljasonrplima
 
Conclusão Mágica 2016 para o ENEM
Conclusão Mágica 2016 para o ENEMConclusão Mágica 2016 para o ENEM
Conclusão Mágica 2016 para o ENEMjasonrplima
 
Os caminhos para a redação nota 1000 e introduções mágicas
Os caminhos para a redação nota 1000 e introduções mágicasOs caminhos para a redação nota 1000 e introduções mágicas
Os caminhos para a redação nota 1000 e introduções mágicasjasonrplima
 
Tipologia textual - Professor Jason Lima
Tipologia textual - Professor Jason LimaTipologia textual - Professor Jason Lima
Tipologia textual - Professor Jason Limajasonrplima
 
Revisao - interpretação com gabarito
Revisao - interpretação com gabaritoRevisao - interpretação com gabarito
Revisao - interpretação com gabaritojasonrplima
 
Overdose UnP tema social - redação 1 - narcisismo
Overdose UnP tema social - redação 1 - narcisismoOverdose UnP tema social - redação 1 - narcisismo
Overdose UnP tema social - redação 1 - narcisismojasonrplima
 
2a geração - modenista poesia
2a geração - modenista poesia2a geração - modenista poesia
2a geração - modenista poesiajasonrplima
 
Ideologia e formação discursiva - Professor Jason Lima
Ideologia e formação discursiva - Professor Jason LimaIdeologia e formação discursiva - Professor Jason Lima
Ideologia e formação discursiva - Professor Jason Limajasonrplima
 
Jason - ideologia e formação discursiva - Professor Jason Lima
Jason - ideologia e formação discursiva - Professor Jason LimaJason - ideologia e formação discursiva - Professor Jason Lima
Jason - ideologia e formação discursiva - Professor Jason Limajasonrplima
 
Funções da linguagem - Professor Jason lima
Funções da linguagem - Professor Jason limaFunções da linguagem - Professor Jason lima
Funções da linguagem - Professor Jason limajasonrplima
 
Vidas secas - slides - Gênesis
Vidas secas - slides - GênesisVidas secas - slides - Gênesis
Vidas secas - slides - Gênesisjasonrplima
 
Trabalho AV1 - Livro Parte I 3º ano - Gênesis Colégio e Curso
Trabalho AV1 - Livro Parte I 3º ano - Gênesis Colégio e CursoTrabalho AV1 - Livro Parte I 3º ano - Gênesis Colégio e Curso
Trabalho AV1 - Livro Parte I 3º ano - Gênesis Colégio e Cursojasonrplima
 
Questões militares _extra__acentuacao__estrutura__ortografia - verbo
Questões militares _extra__acentuacao__estrutura__ortografia - verboQuestões militares _extra__acentuacao__estrutura__ortografia - verbo
Questões militares _extra__acentuacao__estrutura__ortografia - verbojasonrplima
 
Resolucao 2015 pre-vestibular_redao_l1_split
Resolucao 2015 pre-vestibular_redao_l1_splitResolucao 2015 pre-vestibular_redao_l1_split
Resolucao 2015 pre-vestibular_redao_l1_splitjasonrplima
 
Resolucao 2015 pre-vestibular_literatura_l1_split - SAS
Resolucao 2015 pre-vestibular_literatura_l1_split - SASResolucao 2015 pre-vestibular_literatura_l1_split - SAS
Resolucao 2015 pre-vestibular_literatura_l1_split - SASjasonrplima
 
Resolucao 2015 pre-vestibular_interpretao_textual_2_split - SAS
Resolucao 2015 pre-vestibular_interpretao_textual_2_split - SASResolucao 2015 pre-vestibular_interpretao_textual_2_split - SAS
Resolucao 2015 pre-vestibular_interpretao_textual_2_split - SASjasonrplima
 
Resolucao 2015 pre-vestibular_interpretao_textual_1_split - SAS
Resolucao 2015 pre-vestibular_interpretao_textual_1_split - SASResolucao 2015 pre-vestibular_interpretao_textual_1_split - SAS
Resolucao 2015 pre-vestibular_interpretao_textual_1_split - SASjasonrplima
 
Resolução 2013 med_3a_prevestibular_gramatica_v1 - SAS
Resolução 2013 med_3a_prevestibular_gramatica_v1 - SASResolução 2013 med_3a_prevestibular_gramatica_v1 - SAS
Resolução 2013 med_3a_prevestibular_gramatica_v1 - SASjasonrplima
 
Revisão I - Acentuação - Ortografia - Fonologia (com gabarito)
Revisão  I - Acentuação - Ortografia - Fonologia (com gabarito)Revisão  I - Acentuação - Ortografia - Fonologia (com gabarito)
Revisão I - Acentuação - Ortografia - Fonologia (com gabarito)jasonrplima
 
Overdose UnP Medicina - Redação extra 1 - Carta Argumentativa
Overdose UnP Medicina - Redação extra 1 - Carta ArgumentativaOverdose UnP Medicina - Redação extra 1 - Carta Argumentativa
Overdose UnP Medicina - Redação extra 1 - Carta Argumentativajasonrplima
 

Mais de jasonrplima (20)

Isolado over 2016 tema 1 - maconha medicinal
Isolado over 2016   tema 1 - maconha medicinalIsolado over 2016   tema 1 - maconha medicinal
Isolado over 2016 tema 1 - maconha medicinal
 
Conclusão Mágica 2016 para o ENEM
Conclusão Mágica 2016 para o ENEMConclusão Mágica 2016 para o ENEM
Conclusão Mágica 2016 para o ENEM
 
Os caminhos para a redação nota 1000 e introduções mágicas
Os caminhos para a redação nota 1000 e introduções mágicasOs caminhos para a redação nota 1000 e introduções mágicas
Os caminhos para a redação nota 1000 e introduções mágicas
 
Tipologia textual - Professor Jason Lima
Tipologia textual - Professor Jason LimaTipologia textual - Professor Jason Lima
Tipologia textual - Professor Jason Lima
 
Revisao - interpretação com gabarito
Revisao - interpretação com gabaritoRevisao - interpretação com gabarito
Revisao - interpretação com gabarito
 
Overdose UnP tema social - redação 1 - narcisismo
Overdose UnP tema social - redação 1 - narcisismoOverdose UnP tema social - redação 1 - narcisismo
Overdose UnP tema social - redação 1 - narcisismo
 
2a geração - modenista poesia
2a geração - modenista poesia2a geração - modenista poesia
2a geração - modenista poesia
 
Ideologia e formação discursiva - Professor Jason Lima
Ideologia e formação discursiva - Professor Jason LimaIdeologia e formação discursiva - Professor Jason Lima
Ideologia e formação discursiva - Professor Jason Lima
 
Jason - ideologia e formação discursiva - Professor Jason Lima
Jason - ideologia e formação discursiva - Professor Jason LimaJason - ideologia e formação discursiva - Professor Jason Lima
Jason - ideologia e formação discursiva - Professor Jason Lima
 
Funções da linguagem - Professor Jason lima
Funções da linguagem - Professor Jason limaFunções da linguagem - Professor Jason lima
Funções da linguagem - Professor Jason lima
 
Vidas secas - slides - Gênesis
Vidas secas - slides - GênesisVidas secas - slides - Gênesis
Vidas secas - slides - Gênesis
 
Trabalho AV1 - Livro Parte I 3º ano - Gênesis Colégio e Curso
Trabalho AV1 - Livro Parte I 3º ano - Gênesis Colégio e CursoTrabalho AV1 - Livro Parte I 3º ano - Gênesis Colégio e Curso
Trabalho AV1 - Livro Parte I 3º ano - Gênesis Colégio e Curso
 
Questões militares _extra__acentuacao__estrutura__ortografia - verbo
Questões militares _extra__acentuacao__estrutura__ortografia - verboQuestões militares _extra__acentuacao__estrutura__ortografia - verbo
Questões militares _extra__acentuacao__estrutura__ortografia - verbo
 
Resolucao 2015 pre-vestibular_redao_l1_split
Resolucao 2015 pre-vestibular_redao_l1_splitResolucao 2015 pre-vestibular_redao_l1_split
Resolucao 2015 pre-vestibular_redao_l1_split
 
Resolucao 2015 pre-vestibular_literatura_l1_split - SAS
Resolucao 2015 pre-vestibular_literatura_l1_split - SASResolucao 2015 pre-vestibular_literatura_l1_split - SAS
Resolucao 2015 pre-vestibular_literatura_l1_split - SAS
 
Resolucao 2015 pre-vestibular_interpretao_textual_2_split - SAS
Resolucao 2015 pre-vestibular_interpretao_textual_2_split - SASResolucao 2015 pre-vestibular_interpretao_textual_2_split - SAS
Resolucao 2015 pre-vestibular_interpretao_textual_2_split - SAS
 
Resolucao 2015 pre-vestibular_interpretao_textual_1_split - SAS
Resolucao 2015 pre-vestibular_interpretao_textual_1_split - SASResolucao 2015 pre-vestibular_interpretao_textual_1_split - SAS
Resolucao 2015 pre-vestibular_interpretao_textual_1_split - SAS
 
Resolução 2013 med_3a_prevestibular_gramatica_v1 - SAS
Resolução 2013 med_3a_prevestibular_gramatica_v1 - SASResolução 2013 med_3a_prevestibular_gramatica_v1 - SAS
Resolução 2013 med_3a_prevestibular_gramatica_v1 - SAS
 
Revisão I - Acentuação - Ortografia - Fonologia (com gabarito)
Revisão  I - Acentuação - Ortografia - Fonologia (com gabarito)Revisão  I - Acentuação - Ortografia - Fonologia (com gabarito)
Revisão I - Acentuação - Ortografia - Fonologia (com gabarito)
 
Overdose UnP Medicina - Redação extra 1 - Carta Argumentativa
Overdose UnP Medicina - Redação extra 1 - Carta ArgumentativaOverdose UnP Medicina - Redação extra 1 - Carta Argumentativa
Overdose UnP Medicina - Redação extra 1 - Carta Argumentativa
 

Último

Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxCarolineWaitman
 
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfTestes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfCsarBaltazar1
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...LuizHenriquedeAlmeid6
 
Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja Mary Alvarenga
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxIlda Bicacro
 
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - GeoprocessamentoDados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - GeoprocessamentoVitor Vieira Vasconcelos
 
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...GisellySobral
 
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfTema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfAnaAugustaLagesZuqui
 
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxSlides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na ÁfricaPeriodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na Áfricajuekfuek
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoIlda Bicacro
 
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVASAPRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVASricardo644666
 
Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................mariagrave
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfAndersonW5
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxIlda Bicacro
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptxnelsontobontrujillo
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEblogdoelvis
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisIlda Bicacro
 
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfKelly Mendes
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...azulassessoria9
 

Último (20)

Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
 
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfTestes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
 
Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
 
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - GeoprocessamentoDados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
 
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...
 
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfTema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
 
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxSlides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
 
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na ÁfricaPeriodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVASAPRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
 
Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 

CILP - Sintaxe - 100 questões com gabarito

  • 1. CILP – Curso Isolado de Língua Portuguesa | Professor Jason Lima | emlinguagem.blogspot.com.br Página 1 CILP – CURSO ISOLADO DE LÍNGUA PORTUGUESA Professor Jason Lima Sintaxe | Exercícios 01 - (Fac. Direito de Sorocaba SP) Leia a tira. Folha de S.Paulo, 26.10.2012) Observando os termos “doente” e “egoísta” (1.º quadrinho) e “doença” e “egoísmo” (3.º quadrinho), é correto afirmar que a) os dois primeiros são advérbios, pois expressam circunstância de modo; os dois últimos são adjetivos, pois qualificam o termo “lucrar”. b) os quatro são substantivos, sendo que há relação de sinonímia entre “doente-doença” e “egoísta-egoísmo”. c) os dois primeiros são substantivos, pois nomeiam a “sociedade”; os dois últimos são adjetivos, pois são predicativos de “lucrar”. d) os quatro são adjetivos, sendo que há relação de sentido entre “doente-doença” e “egoísta-egoísmo”, que são palavras derivadas. e) os dois primeiros são adjetivos, pois qualificam o substantivo “sociedade”; os dois últimos são substantivos, pois nomeiam. 02 - (UFPR) A sentença “Ele anda ouvindo música” pode ser interpretada de duas formas: a) ele ouve música enquanto caminha – neste caso, o verbo “andar” funciona como verbo pleno, significando “caminhar”; b) a atividade de ele ouvir música tem se repetido ultimamente – neste caso, o verbo “andar” se esvazia de seu sentido pleno e funciona como elemento gramatical, um auxiliar. Podemos identificar no português outros verbos que podem ter esses dois usos: um com seu sentido lexical pleno e outro funcionando como elemento gramatical. Tendo isso em vista, considere os conjuntos de sentenças abaixo: 1. Ele chegou na festa e bagunçou o tempo todo. Ele chegou a interferir no processo, mas foi neutralizado. 2. Ela está querendo comer camarão. Ela está querendo ficar doente. 3. O que ela fez com a faca que estava no chão? Ela pegou e guardou na gaveta. Como ele agiu quando se deparou com o grupo? Ah, ele pegou e foi batendo em todo mundo. 4. Todos trabalham pela causa. Eles trabalham vendendo computadores. Em qualquer caso, independente do contexto, o verbo grifado pode ser interpretado com sentido lexical pleno em ambas as ocorrências: a) do conjunto 3 apenas. b) do conjunto 4 apenas. c) dos conjuntos 1 e 4 apenas. d) dos conjuntos 1 e 2 apenas. e) dos conjuntos 2, 3 e 4 apenas. 03 - (UDESC SC) Assinale a alternativa incorreta, considerando o excerto do conto Os brejos dos Ratones, da obra Homens e Algas, de Othon d’Eça. Texto 3 1 O Doca passou a ser um farrapo de homem esfiado, balofo, a barba muito rala e toda branca. 2 Os cabelos já não luziam como peixe grisalhos, empastados nas têmporas duras, pareciam restos encardidos de algodão. 3 Não caminhava; os seus passos tracejavam linhas vacilantes. 4 Quase nem podia suportar o peso do samburá. 5 Mas você, Doca, assim doente e ainda vai ao mar? 6 As crianças carecem comer. 7 O Doca estava morrendo de uma lenta e impassível miséria. [D´EÇA, Othon. Homens e Algas. Florianópolis: Ufsc, 2007.] a) Os artigos definidos que antecedem o nome Doca (ref. 1 e 7) revela um grau de familiaridade entre ele e o narrador. b) Em “passou a ser um farrapo” (ref. 1) e “já não luziam como peixe” (ref. 2), há o pressuposto de que, em outra época, ele não era um farrapo e seus cabelos brilhavam como peixe. c) É possível perceber, no excerto, um certo tom de pesar do narrador em relação ao destino do Doca. d) Os verbos “suportar” (ref. 4) e “tracejavam” (ref. 3) são intransitivos. e) No período “Mas você, Doca, assim doente” (ref. 5), o termo destacado é um vocativo e por isso separado por vírgulas. 04 - (UNIRIO RJ) Assinale a opção que apresenta o número correto de orações contidas no oitavo período do texto. a) 5 d) 8 b) 6 e) 9 c) 7 As questões 05 e 06 são baseadas no texto abaixo: "Em meio da viagem, soprou de súbito rijo nordeste, e o mar, que até então se conservara plácido e próspero, encapelou-se raivoso. Em três minutos as ondas esbravejaram já terrivelmente, e a canoa, erguida a grande altura, e de novo arremessada ao pélago, num estardalhaço de vagas, recebia no bojo quantidade de água suficiente para metê-la a pique." (Histórias Brejeiras) 05 - (PAIES MG) Em relação ao trecho acima, qual das ocorrências, apresentadas nas opções abaixo, está mais precisamente relacionada a um fato ainda não acontecido, porém já previsível:
  • 2. CILP – Curso Isolado de Língua Portuguesa | Professor Jason Lima | emlinguagem.blogspot.com.br Página 2 a) "soprou de súbito rijo nordeste" b) "as ondas esbravejaram já terrivelmente" c) "recebia no bojo quantidade de água suficiente" d) "encapelou-se raivoso" e) "a canoa erguida a grande altura" 06 - (PAIES MG) Nas orações a seguir: I. "soprou de súbito rijo nordeste" II. "que até então se conservara plácido e próspero" III. "Em três minutos as ondas esbravejaram já terrivelmente" o predicado é, respectivamente, a) verbal, verbo-nominal, verbal b) nominal, nominal, nominal c) verbal, verbal, verbal d) verbo-nominal, verbo-nominal, verbo-nominal e) nominal, verbo-nominal, verbal 07 - (PUC PR) Curitiba, 20 de novembro de 2003. À Verde Vivo - Paisagismo e jardinagem At.: Joaquim Maria Matos Assunto: Solicitação de vaga. Senhor Gerente: Buscando pleitear uma vaga em sua conceituada empresa, encaminho meu currículo resumido. Também informo que possuo disponibilidade para viagens. No aguardo de uma resposta, desde já agradeço a atenção dispensada. Atenciosamente, João Fabrício Mazza Nesse texto, podem-se destacar alguns conectores responsáveis pela coesão, tanto no interior da frase quanto na relação entre uma e outra. São eles: a) uma, a. b) em, meu. c) que, no. d) também, desde já. e) senhor, atenciosamente. 08 - (UEL PR) "POR ISSO, comemos mais quando estamos entre amigos, e menos em ambientes hostis ou sob estresse psicológico." O termo destacado serve para relacionar as duas últimas frases do texto. Qual das alternativas abaixo descreve corretamente o tipo de raciocínio presente nessa relação? a) Enfatiza a oposição entre as frases. b) Propõe uma alternativa àquilo que foi exposto inicialmente. c) Indica a consequência da ideia expressa anteriormente. d) Aponta a causa do que vem referido antes. e) Estabelece uma comparação entre as duas frases. 09 - (UFMG) "Por que razão é tão difícil manter o peso ideal, se todos almejam ficar esguios e sabem que a obesidade aumenta o risco de hipertensão, diabetes, osteoartrite, ataques cardíacos e derrames cerebrais?" Assinale a alternativa que substitui corretamente esse período, sem alterar-lhe o sentido. a) Tendo em vista que todos almejam ficar esguios, ao mesmo tempo em que a obesidade aumenta o risco da hipertensão, diabetes, osteoartrite, ataques cardíacos e derrames cerebrais, como se justifica a dificuldade em manter o peso ideal? b) Apesar de todos quererem ficar esguios e saberem que a obesidade aumenta o risco de hipertensão, diabetes, osteoartrite, ataques cardíacos e derrames cerebrais, por que têm tanta dificuldade em manter o peso ideal? c) Como todos sabem que a obesidade aumenta o risco da hipertensão, diabetes, osteoartrite, ataques cardíacos e derrames cerebrais, por que é tão difícil manter o peso ideal, se todos almejam ficar esguios? d) Se manter o peso ideal é tão difícil, como todos almejam ficar esguios, mesmo sabendo que a obesidade aumenta o risco de hipertensão, diabetes, osteoartrite, ataques cardíacos e derrames cerebrais? e) O fato de todos almejarem ficar esguios sabendo que a obesidade aumenta o risco de hipertensão, diabetes, osteoartrite, ataques cardíacos e derrames cerebrais justifica a dificuldade de manter o peso ideal? 10 - (UFRRJ)"O assunto é amplo. A discussão também precisaria ser". Reunindo-se as duas orações acima em um único período, sem alterar-lhes o sentido, podem-se construir várias frases evidenciando-se diferentes relações semânticas. A partir dessas possibilidades, estabeleça a correspondência adequada entre as colunas abaixo: ( ) Por ser amplo o assunto, a discussão também precisaria ser. ( ) O assunto é tão amplo, que a discussão também precisaria ser. ( ) Se o assunto é amplo, a discussão também precisaria ser. ( ) O assunto é amplo, portanto a discussão também precisaria ser. ( ) O assunto é amplo, mas a discussão também precisaria ser. (1) conclusão (2) condição (3) causa (4) ressalva (5) consequência A sequência correta, ao estabelecermos a relação, é a) 3, 5, 2, 1, 4. b) 3, 1, 2, 5, 4. c) 2, 5, 4, 1, 3. d) 2, 3, 4, 5, 1. e) 4, 5, 2, 3, 1. 11 - (PUC MG) AMEAÇA DE VETO Num lance decisivo para a crise iraquiana, os ministros das Relações Exteriores da França, da Rússia e da Alemanha anunciaram ontem em Paris, após um encontro de emergência, que não permitirão que o Conselho de Segurança (CS) da ONU aprove uma nova resolução que autorize a guerra contra Bagdá. França e Rússia, como membros permanentes do CS, têm poder de veto. Poderiam, portanto, bloquear a resolução, proposta por EUA, Reino Unido e Espanha, que declara o Iraque em
  • 3. CILP – Curso Isolado de Língua Portuguesa | Professor Jason Lima | emlinguagem.blogspot.com.br Página 3 violação material de decisões da ONU, abrindo assim caminho para a intervenção militar. Essa foi a mais clara indicação de que Paris e Moscou eventualmente utilizarão seu poder de veto. Até agora, a estratégia dos EUA era obter os nove votos do CS necessários para aprovar a nova resolução e esperar que nenhum membro permanente do Conselho apusesse seu veto. Com efeito, não seria insignificante o ônus político de opor-se aos projetos imperiais da única superpotência do planeta. Atuando conjuntamente, França, Rússia e Alemanha esperam diluir o peso dessa decisão, bem como atrair para o bloco de países contrários à guerra outros membros do CS que ainda estejam indecisos em relação à nova resolução. A primeira reação dos EUA foi a de relativizar a importância do anúncio franco-russo-germânico. A Casa Branca disse que continua confiante na aprovação da nova resolução. Mas o secretário de Estado norte-americano, Colin Powell, voltou a afirmar que, se os EUA não obtiverem o aval das Nações Unidas, agirão sem ele. A situação é delicada e parece inevitável que a ONU saia fraturada do episódio. Ainda assim, a ruptura - que não precisa ser definitiva - é preferível à simples capitulação diante de Washington. Se a comunidade internacional está majoritariamente contra a guerra, tem o dever de dizê-lo no foro adequado, que é o CS. Não fazê-lo seria condenar a ONU a permanecer como um títere nas mãos da superpotência americana. "Folha de S. Paulo", 6 de março de 2003. Assinale a alternativa em que o articulador sintático destacado possa ser substituído ADEQUADAMENTE pela expressão indicada nos parênteses. a) "Poderiam, PORTANTO, bloquear" (entretanto) b) "AINDA ASSIM, a ruptura" (Dessa maneira) c) "E esperar que nenhum membro" (a fim de) d) "MAS o secretário de Estado" (No entanto) 12 - (MACK SP) "Da janela do seu quarto é que ELE A VIRA PELA PRIMEIRA VEZ". Passando-se a oração em destaque para a voz passiva analítica, a forma verbal correspondente é a) foi vista. b) havia visto. c) estava sendo visto. d) seria vista. e) fora vista. 13 - (FATEC SP) Ela queria sair de peito nu no carnaval. A alternativa em que se encontra sintaxe de orações análoga à desse período é: a) O ex-namorado promete ser seu escravo para o resto da vida. b) Se desfilar, está acabado. c) Parecia que nem estava contra. d) Quanto ao trabalho, estava disposta a encarar as conseqüências. e) Para evitar palavrões, nem falaram com ele. 14 - (PUC PR) Assinale a alternativa em que NÃO se uniu adequadamente em 2 as duas frases que constam em 1. a) 1. Estava fazendo muito calor. Fui, pois, tomar um banho de mar. 2. Como estava fazendo muito calor, fui tomar um banho de mar. b) 1. Não lhe peço só admiração. Peço-lhe também respeito. 2. Não lhe peço só admiração, mas também respeito. c) 1. Acalme-se. O caso não é tão grave assim. 2. Acalme-se, que o caso não é tão grave assim. d) 1. Compreendi que estava errado. Procurei, portanto, corrigir-me. 2. Compreendi que estava errado, procurei, porém, corrigir-me. e) 1. Ele é meu adversário. Mesmo assim não posso deixar de admirá-lo. 2. Embora ele seja meu adversário, não posso deixar de admirá-lo. 15 - (UFLA MG) "Observo nas minhas próprias crônicas a insistência com algumas palavrinhas da moda QUE SE TORNARAM CHATAS." O período acima tem a) 1 oração. b) 3 orações. c) 2 orações. d) 5 orações. e) 4 orações. 16 - (PUCCamp SP) A única frase inteiramente correta é: a) Ele se caracteriza pela decência de suas atitudes. b) A moldura do quadro tem tudo haver com o estilo do artista. c) Esses fatos remontam há, pelo menos, duas décadas. d) Muitos exitaram na hora de indicar a mais bela canção. e) Tudo que se fez na campanha foi em pró da vida humana. 17 - (ITA SP) A norma gramatical não é seguida com rigor em: “Água pura. Valorizando a vida.” Assinale a opção indicativa da transgressão: a) As frases incompletas não fazem sentido. b) Na segunda frase não há oração principal. c) As frases estão fora de ordem. d) O tempo verbal está inadequado. e) Não há sujeito na segunda frase. 18 - (UNIRIO RJ) Sabadoyles 1 Guimarães Rosa deu o título de "Terceiras estórias" a um de seus livros. Não era segredo que havia escrito outro chamado "Primeiras estórias". Onde estavam as segundas estórias, que nunca saíram? "Afinal, explique a confusão," pediram num almoço na editora José Olympio. Rosa, com o garfo na mão, apontou para o advogado da editora, Plínio Doyle: "Todos sabem que o Doyle não sossega sem um texto nas mãos. Pois ele me pediu os originais das "Segundas estórias" e até hoje não me devolveu." Pura invenção. Outra vez, Doyle mostrou um original de Castro Alves, documento que ele julgava da maior importância, aos amigos reunidos em sua casa. Carlos Drummond de Andrade, sentado na "bancada mineira", o sofá que compartilhava com Alphonsus de Guimaraens e Pedro Nava, falou baixinho, mas suficientemente alto para que ele ouvisse: "Coitado do Doyle! Castro Alves assinava sem cortar letra 't'. Olha esse papel: o 't' está cortado. É cópia!" Tudo mentira. Era brincadeira do poeta maior. 2 Houve um tempo em que as relações humanas eram mais afáveis. Uma das expressões mais belas dessa cordilidade
  • 4. CILP – Curso Isolado de Língua Portuguesa | Professor Jason Lima | emlinguagem.blogspot.com.br Página 4 eram as reuniões semanais, aos sábados à tarde, na casa de Doyle, hoje com 92 anos, na pacata Barão de Jaguaribe, em Ipanema. Era ponto de encontro de alguns dos intelectuais de maior envergadura do país neste século. E era apenas uma reunião entre amigos. Quem batizou foi Raul Bopp. "Sábado do Doyle. Eram três 'do', um desperdício. Ficou o neologismo sabadoyle. Pegou," conta o anfitrião. Os sabadoyles duraram 34 anos. Foram 1.708 reuniões, até 1998. "Qual é a explicação para tal façanha, poeta?", alguém perguntou a Drumond. "É milagre do Doyle." O advogado nunca escreveu uma linha sequer, exceto petições e memorandos. Mas foi parceiro de uma geração inigualável de escritores e poetas brasileiros, um aglutinador, companhia amistosa e confiável. Uma lição de fraternidade e civilidade. "Esse privilégio eu tive", diz ele. "Todos já morreram. Fiquei eu. Não sei por quê." ("Isto É" - O BRASILEIRO DO SÉCULO - Especial 4, 1999.) A ordem direta dos termos sintáticos está mantida em: a) "Onde estavam as segundas estórias," (par. 1) b) "Olha esse papel: o 't' está cortado," (par. 1) c) "Quem batizou foi Raul Bopp." (par. 2) d) "Ficou o neologismo sabadoyle." (par. 2) e) "Esse privilégio eu tive" (par. 2) 19 - (UFSM RS) COMPORTAMENTO ANIMAL - 76 - SUPER - OUTUBRO 1998 A outra face do macaco TEXTO I Os chimpanzés, nossos primos genéticos, também fazem uso da força bruta de forma gratuita e com requintes de crueldade. Já não estamos sós no inferno da violência. (Por Gabriela Aguerre) TEXTO II No livro "Uma Janela para a Vida", no qual relata suas três décadas de experiência nas selvas da Tanzânia, tornando-se uma das pioneiras da observação direta dos chimpanzés, Jane Goodall relata sua decepção com o comportamento dos animais. "Durante muitos anos acreditei que os chimpanzés eram, no geral, bem mais legais do que nós. De repente descobri que, sob certas circunstâncias, podiam ser igualmente brutais, que também tinham em sua natureza um lado obscuro. Isso doeu." Analise as afirmativas que tratam de possibilidades de mudança na ordem das palavras do texto I. I. Se o segmento "nossos primos genéticos" fosse colocado antes de "Os chimpanzés", continuaria a ser o aposto da frase. II. O segmento "fazem uso da força bruta" pode ser substituído por "fazem uso de uma bruta força" sem alteração do sentido da frase. III. Se o segmento "com requintes de crueldade" fosse substituído por "com crueldade de requintes", continuaria a indicar um modo de ação. Está(ão) correta(s) a) apenas I. b) apenas II. c) apenas III. d) apenas I e II. e) apenas II e III. 20 - (UEL PR) Considere as frases a seguir. I. Eles estavam preocupados com o problema que causaram. II. Eles apresentaram suas explicações. III. As explicações não eram convincentes. Reunidas em um só período, elas estarão em correta relação lógica e sintática na frase: a) Apresentaram suas explicações porque estavam preocupados com o problema causado por eles, pois não eram convincentes. b) As explicações não eram convincentes, mas eles as apresentaram, contudo estavam preocupados com o problema que haviam causado. c) Preocupados com o problema que haviam causado, eles apresentaram suas explicações, ainda que não convincentes. d) Quando apresentaram suas explicações, elas não eram convincentes, portanto estavam preocupados com os problemas que causaram. e) Quanto mais eles apresentavam suas explicações, mais elas não eram convincentes, à medida que eles estavam preocupados com o problema que causaram. 21 - (FUVEST SP) A Casa não passava, bem dizer, de uma casa-rancho. A rebaixa - um alpendre cercado -; o rancho de carros-de-boi; outros ranchos; outras casinhas; outros rústicos pavilhões. A apresentação de elementos descritivos estáticos, por meio de frases nominais, ocorre também em: a) Convidei-o silenciosamente olhando uma janela por onde se viam, sobre livros de escrituração, as suíças brancas e os óculos de seu Ribeiro. b) E mestre Caetano gemendo no catre, recebia todas as semanas um dinheirão de Madalena. Visitas, remédios de farmácia, galinhas. c) E tu falavas de um amor celeste, De um anjo, que depois se fez esposa... d) Pera aquele fogo ardente, que nom temeste vivendo. e) Projetava-se nela a imagem de mulher poderosa e humilde ao mesmo tempo. 22 - (CESGRANRIO RJ) DO TÍTULO 1 Uma noite destas, vindo da cidade para o Engenho Novo, encontrei no trem da Central um rapaz aqui do bairro, que eu conheço de vista e de chapéu. Cumprimentou-me, sentou-se ao pé de mim, falou da lua e dos ministros, e acabou recitando-me versos. A viagem era curta, e os versos pode ser que não fossem inteiramente maus. Sucedeu, porém, que, como eu estava cansado, fechei os olhos três ou quatro vezes; tanto bastou para que ele interrompesse a leitura e metesse os versos no bolso. 2 - Continue, disse eu acordando. 3 - Já acabei, murmurou ele. 4 - São muito bonitos. 5 Vi-lhe fazer um gesto para tirá-los outra vez do bolso, mas não passou do gesto; estava amuado. No dia seguinte entrou a dizer de mim nomes feios, o acabou alcunhando-me Dom Casmurro. Os vizinhos, que não gostam de meus hábitos reclusos e calados, deram curso à alcunha, que afinal pegou. Nem por isso me zanguei. Contei a anedota aos amigos da cidade, e eles, por graça, chamam-me assim, alguns em bilhetes: "Dom Casmurro, domingo vou jantar com você." -
  • 5. CILP – Curso Isolado de Língua Portuguesa | Professor Jason Lima | emlinguagem.blogspot.com.br Página 5 "Vou para Petrópolis, Dom Casmurro; a casa é a mesma da Renânia; vê se deixas essa caverna do Engenho Novo, e vai lá passar uns quinze dias comigo." - "Meu caro Dom Casmurro, não cuide que o dispenso do teatro amanhã; venha e dormirá aqui na cidade; dou-lhe camarote, dou-lhe chá, dou-lhe cama; só não lhe dou moça." 6 Não consultes dicionários. Casmurro não está aqui no sentido que eles lhe dão, mas no que lhe pôs o vulgo de homem calado e metido consigo. Dom veio por ironia, para atribuir-me fumos de fidalgo. Tudo por estar cochilando! Também não achei melhor título para a minha narração; se não tiver outro daqui até ao fim do livro, vai este mesmo. O meu poeta do trem ficará sabendo que não lhe guardo rancor. E com pequeno esforço, sendo o título seu, poderá cuidar que a obra é sua. Há livros que apenas terão isso dos seus autores: alguns nem tanto. (Machado de Assis, DOM CASMURRO. Rio de Janeiro, Aguilar, cap.I) Em qual das frases a seguir, extraídas do texto, há um predicativo do objeto? a) "A viagem era CURTA". (1Ž parágrafo) b) "tanto bastou para que ele interrompesse A LEITURA". (1Ž parágrafo) c) "e acabou alcunhando-me DOM CASMURRO". (5Ž parágrafo) d) "que não gostam de meus hábitos RECLUSOS E CALADOS". (5Ž parágrafo) e) "não cuide que o dispenso DO TEATRO amanhã". (5Ž parágrafo) 23 - (PUCCamp SP) O acompanhamento do trabalho desenvolvido pelo estagiário prevê a observação de sua capacidade de transferir para a prática o que viu na teoria e que ele se comporta criteriosamente, ou não, diante das situações em que é solicitado a atuar. A alternativa que corrige o erro de paralelismo gramatical existente na frase anterior é: a) O acompanhamento do trabalho desenvolvido pelo estagiário prevê a observação de sua capacidade de transferir para a prática o que viu na teoria e onde se comporta, ou não, criteriosamente diante das situações em que é solicitado a atuar. b) O acompanhamento do trabalho desenvolvido pelo estagiário prevê a observação de sua capacidade de transmitir para a prática o que viu na teoria e quando ele se comporta criteriosamente diante das situações em que é solicitado a atuar. c) O acompanhamento do trabalho desenvolvido pelo estagiário prevê a observação de sua capacidade de transferir para a prática o que viu na teoria e de como ele se comporta criteriosamente diante das situações em que é solicitado a atuar. d) O acompanhamento do trabalho desenvolvido pelo estagiário prevê não só a observação de sua capacidade de transferir para a prática o que viu na teoria, como também a de seu comportamento, se é criterioso, ou não, diante das situações em que é solicitado em atuar. e) O acompanhamento do trabalho desenvolvido pelo estagiário prevê não só a observação de sua capacidade de transferir para a prática o que viu na teoria e também avaliar como ele se comporta - mais, ou menos, criteriosamente - diante das situações em que é solicitado a atuar. 24 - (FATEC SP) A oração entre aspas está em forma reduzida (de infinitivo): "Apesar de só dizer a verdade", não lhe deram crédito. Assinale a alternativa em que ela aparece desenvolvida de forma correta. a) Apesar que só dizia a verdade, não lhe deram crédito. b) Apesar que só dissesse a verdade, não lhe deram crédito. c) Visto que só dizia a verdade, não lhe deram crédito. d) Embora só dissesse a verdade, não lhe deram crédito. e) Mesmo dizendo a verdade, não lhe deram crédito. 25 - (UFRR) Assinale a única frase com verbo de ligação. a) Todo mundo bebe e sai dirigindo. b) O discurso muda radicalmente quando se passa da condição de infrator à de vítima. c) Beber e dirigir coloca sua vida e a de outras pessoas em risco. d) No Brasil, 36 mil mortes no trânsito por ano estão ligadas à combinação perversa de álcool e direção. e) Brindemos à lei seca. 26 - (UFTM MG) Considere o trecho para responder à questão de número O que o sistema linfático conduz é a linfa, um fluido clarinho formado principalmente por células linfócitas e macrófagas, famosas por tirar bactérias e outros bichos de circulação. O trecho – ... um fluido clarinho formado principalmente por células linfócitas e macrófagas ...– em relação à expressão a linfa estabelece uma relação a) opositiva. b) exemplificativa. c) explicativa. d) expletiva. e) contrastiva. 27 - (CEFET RJ) TEXTO “Iracema, a virgem dos lábios de mel, que tinha os cabelos mais negros do que a asa da graúna, e mais longos que seu talhe de palmeir. O favo da jati não era doce como o seu sorriso; nem a baunilha recendia no bosque como seu hálito perfumado. Mais rápida que a ema selvagem, a morena virgem corria o sertão e as matas do Ipu, onde campeava sua guerreira tribo, da grande nação tabajara. O pé grácil e nu, mal roçando, alisava apenas a verde pelúcia que vestia a terra com as primeiras águas.” (ALENCAR, José de. Iracema. São Paulo: Scipione, 1994, p. 10) Assinale a opção cuja expressão destacada tem valor sintático semelhante ao da destacada em “Iracema, virgem dos lábios de mel”. a) O cão que dorme na calçada acalmou-se, após a ventania. b) espiei os três cavaleiros, que permaneciam mudos sobre suas montarias. c) Sinhá Vitória, que era a sofrida esposa de Fabiano, esticou o beiço, indicando vagamente uma direção. d) Marília, não perturbe o vaqueiro, porque ele precisa guardar o alheio gado. e) Iracema tinha um desejo: que o guerreiro branco jamais retornasse à pátria.
  • 6. CILP – Curso Isolado de Língua Portuguesa | Professor Jason Lima | emlinguagem.blogspot.com.br Página 6 28 - (ITA SP) SUGESTÃO Sede assim – qualquer coisa Serena, isenta, fiel. Flor que se cumpre, Sem pergunta. 5 Onda que se esforça, par exercício desinteressado. Lua que envolve igualmente Os noivos abraçados e os soldados já frios. 10 Também como este ar da noite: sussurrante de silêncios, cheio de nascimento e pétalas. Igual à pedra detida, Sustentando seu demorado destino. 15 E a nuvem, leve e bela, vivendo de nunca chegar a ser. À cigarra, queimando-se em música, ao camelo que mastiga a sua longa solidão, ao pássaro que procura o fim do mundo, 20 ao boi que vai com inocência para a morte. Sede assim qualquer coisa Serena, isenta, fiel. Não como o resto dos homens Assinale a opção em que os termos desempenham a mesma função sintática: a) flor – ar – destino; b) nascimentos – pétalas – pedra detida; c) coisa – sem pergunta – onda; d) ar – cheio – igual; e) coisa – abraçados – solidão. 29 - (UFCG PB) No trecho “Estudos indicam a criação de três milhões de empregos se a carga for reduzida para 40 horas semanais, sem redução salarial. No futuro, será possível chegar às 36 horas, viabilizando sete milhões de empregos. Reforma trabalhista sim. Mas qual? Paulo, Paim. Revista Isto é Online. 08/08/08. O termo em destaque ”no futuro...” por indicar circunstância trata-se de: a) adjunto adnominal. b) adjunto adverbial de lugar. c) adjunto adverbial de tempo. d) adjunto adnominal de tempo. e) complemento nominal. Texto para as questões 30 e 31 “APELO” Amanhã faz um mês que a Senhora está longe de casa. Primeiros dias, pra dizer a verdade, não senti falta, bom chegar tarde, esquecido na conversa de esquina. Não foi ausência por uma semana: o batom ainda no lenço, o prato na mesa por engano, a imagem de relance no espelho. Com os dias, Senhora, o leite primeira vez coalhou. A notícia de sua perda veio aos poucos: a pilha de jornais ali no chão, ninguém os guardou debaixo da escada. Toda a casa era um corredor deserto, e até o canário ficou mudo. Para não dar parte de fraco, ah, Senhora, fui beber com os amigos. Uma hora da noite e eles se iam e eu ficava só, sem o perdão de sua presença a todas as aflições do dia, com a última luz na varanda. E comecei a sentir falta das pequenas brigas por causa do tempero na salada – o meu jeito de querer bem. Acaso é saudade. Senhora? Às suas violetas, na janela, não lhes poupei água e elas murcham. Não tenho botão na camisa, calço a meia furada. Que fim levou o saca-rolhas? Nenhum de nós sabe, sem a Senhora, conversar com os outros: bocas raivosas mastigando. Venha para casa, Senhora, por favor.” DALTON TREVISAN, “Apelo”, em “O Conto Brasileiro Contemporâneo” (seleção de textos, introdução e notas bibliográficas por Alfredo Bosi) 2ª ed., São Paulo, Cultrix, 1977, p.190. 30 - (UNIRIO RJ) O número de ocorrências de VOCATIVO, no texto, corresponde a: a) dois. b) três. c) quatro. d) cinco e) seis 31 - As funções sintáticas de sem o perdão de sua presença (l. 11-12) e de a todas as aflições do dia (l. 12) são, respectivamente: a) predicativo do sujeito indireto. b) predicativo do sujeito e complemento nominal de perdão. c) adjunto adverbial de exclusão e complemento nominal de presença. d) adjunto adverbial de exclusão e objeto indireto. e) adjunto adverbial da exclusão e adjunto adnominal de presença. 32 - (MACK SP) Texto Cuido haver dito, no capítulo XIV, que Marcela morria de amores pelo Xavier. Não morria, vivia. Viver não é a mesma coisa que morrer; assim o afirmam todos os joalheiros deste mundo, gente muito vista na gramática. Bons joalheiros, que seria do amor se não fossem os vossos dixes* e fiados? Um terço ou um quinto do universal comércio dos corações. (…) O que eu quero dizer é que a mais bela testa do mundo não fica menos bela, se a cingir um diadema de pedras finas; nem menos bela, nem menos amada. Marcela, por exemplo, que era bem bonita, Marcela amou-me (...) durante quinze meses e onze contos de réis; nada menos. * Dixes: jóias, enfeites Machado de Assis - Memórias póstumas de Brás Cubas Assinale a alternativa correta sobre o texto II. a) Em morria de amores pelo Xavier (linha 1), de amores tem a função de adjunto adverbial de intensidade. b) Em assim o afirmam todos os joalheiros (linha 2), o pronome oblíquo o retoma o período Não morria, vivia (linha 1). c) Em assim o afirmam todos os joalheiros (linha 2), joalheiros é complemento do verbo afirmar. d) O narrador surpreende o leitor ao utilizar o aposto gente muito vista na gramática (linha 2) para caracterizar joalheiros.
  • 7. CILP – Curso Isolado de Língua Portuguesa | Professor Jason Lima | emlinguagem.blogspot.com.br Página 7 e) Ao dizer Não morria, vivia (linha 1), o narrador, através de uma antítese, confirma que Marcela padecia de amores por Xavier. 33 - (UFSM RS) A. "Até esta data, o brasileiro era, antes de tudo, um envergonhado." B. "No plano das ideias, o século gerou três obras que se tornariam clássicos da reflexão sobre o país." Sobre a organização sintática do fragmento B, é correto afirmar que a) o período é composto por coordenação e subordinação. b) a palavra "que" introduz uma oração substantiva. c) há apenas um sujeito no período. d) a forma TORNAR-SE-IAM ficaria igualmente correta no texto. e) a ordem direta foi alterada com o deslocamento de um adjunto adverbial. 34 - (UNIMES SP) “E Margarida?... Essa mais pungentes sentia ainda as saudades. Sempre assim acontece. Em todas as separações, tem mais amargo quinhão de dores o que fica, do que o que vai partir. A este esperam-no novos lugares, novas cenas, novas pessoas; sobretudo espera-o o atrativo do desconhecido, que de antemão lhe absorve quase todos os pensamentos [...] Mas ao que fica... lá estão todos os objetos que vê a recordar-lhe as venturas que perdeu; ali as flores que colheram juntos, para as trocar depois; acolá, a árvore a cuja sombra se sentaram [...].” DINIS, Júlio. As pupilas do senhor reitor. S.P: Ática, 1995, p.41. Observe que, no texto de Júlio Dinis, há duas ocorrências do pronome pessoal lhe. Pode-se afirmar que: a) na primeira, o pronome exerce a função sintática de objeto direto e, na segunda, de objeto indireto. b) na primeira, o pronome exerce a função sintática de complemento nominal e, na segunda, de objeto indireto. c) na primeira, o pronome exerce a função sintática de objeto indireto e, na segunda, de objeto direto. d) na primeira, o pronome exerce a função sintática de adjunto adnominal e, na segunda, de complemento nominal. e) na primeira, o pronome exerce a função sintática de adjunto adnominal e, na segunda, de objeto indireto. 35 - (UFAC) Identifique as funções sintáticas introduzidas pelas preposições, relacionando a 2ª coluna à 1ª e marcando, em seguida, a opção correta. ( S ) depender de alguém ( ) complemento nominal ( E ) agir com prudência ( ) aposto ( L ) homem de coragem ( ) adjunto adnominal ( V ) necessidade de carinho ( ) objeto indireto ( A ) a cidade de Rio Branco ( ) adjunto adverbial a) VALES b) VELAS c) VALSE d) SALVE e) LEVAS 36 - (EFEI SP) Na frase "A vida daquele povo da casa grande ninguém podia compreender." é correto afirmar que: a) vida é o núcleo do sujeito. b) o núcleo do sujeito é um pronome indefinido substantivo. c) não há objeto direto, pois o verbo é intransitivo. d) o sujeito é a vida daquele povo. e) povo é o núcleo do objeto direto. 37 - (EFEI SP) Redigindo o período "A sala de visitas tinha muito quadro, tinha um espelho para o corpo inteiro, tapetes no chão.", em linguagem culta: a) o verbo haver seria empregado no lugar do verbo ter. b) o termo "a sala de visitas" seria adjunto adverbial de lugar, sendo introduzido pela preposição em. c) quadro, espelho e tapetes seriam núcleos do objeto direto. d) a oração não teria sujeito. e) todas as alternativas estão corretas. 38 - (INTEGRADO RJ) Indique a opção em que o termo grifado NÃO é predicativo. a) “As palavras, porém, são mais difíceis ...” b) “... e vêm carregadas de uma vida ...” c) “... vi-me cercada de pessoas ...” d) “... selecionado animadamente e com grande competência ...” e) “Pareciam pequenas abelhas alegres ...” 39 - (USS RJ) Texto UM SONHO DE SIMPLICIDADE Então, de repente, no meio dessa desarrumação feroz da vida urbana, dá na gente um sonho de simplicidade. Será um sonho vão? Detenho-me um instante, entre duas providências a tomar, para me fazer essa pergunta. Por que fumar tantos cigarros? Eles não me dão prazer algum; apenas me fazem falta. São uma necessidade que inventei. Por que beber uísque, por que procurar a voz de mulher na penumbra ou os amigos no bar para dizer coisas vãs, brilhar um pouco, saber intrigas? Uma vez, entrando numa loja para comprar uma gravata, tive de repente um ataque de pudor, me surpreendendo assim, a escolher um pano colorido para amarrar ao pescoço. A vida bem poderia ser mais simples. Precisamos de uma casa, comida simples mulher, que mais? Que se possa andar limpo e não ter fome, nem sede, nem frio. Para que beber tanta coisa gelada? Antes eu tomava a água fresca da talha, e a água era boa. E quando precisava de um pouco de evasão, meu trago de cachaça. […] (BRAGA, Rubem. In: 200 crônicas escolhidas, 3 ed. Rio de Janeiro: Record, 1979. p.262-3.) A respeito do sujeito do verbo poder no enunciado – “Que se possa andar limpo”... (L. 18) – é CORRETO afirmar que: a) é indeterminado. b) é inexistente. c) é composto. d) é simples. e) é oculto. 40 - (UNIRIO RJ) Indique a opção em que o termo grifado NÃO é predicativo. a) “As palavras, porém, são mais difíceis …” b) “… e vêm carregadas de uma vida…” c) “…vi-me cercada de pessoas…”
  • 8. CILP – Curso Isolado de Língua Portuguesa | Professor Jason Lima | emlinguagem.blogspot.com.br Página 8 d) “…selecionando animadamente e com grande competência…” e) “Pareciam pequenas abelhas alegres…” 41 - (UNIRIO RJ) Em "ACORDEI PENSANDO EM RIOS - QUE DÃO SEMPRE UM TOQUE FEMININO A QUALQUER CIDADE - E ME DIZENDO QUE O ÚNICO POSSÍVEL DEFEITO DO RIO DE JANEIRO É NÃO TER UM RIO." o autor usou o travessão para: a) ligar grupos de palavras. b) iniciar diálogo. c) substituir parênteses. d) destacar um aposto. e) destacar um adjunto adnominal explicativo. 42 - (UNIFOR CE) Mas também as palavras possuem um poder transformador… A função sintática do termo grifado acima é idêntica à do termo também grifado na frase: a) nasceria um mundo melhor. b) todas as pessoas teriam os mesmos direitos. c) não tiveram resultados muito felizes. d) como fazia antes da guerra. e) que se enquadra na idéia de justiça. 43 - (UNIFOR CE) Atitude semelhante à que se tem numa igreja. As palavras sublinhadas na frase acima classificam-se, respectivamente, como: a) advérbio; conjunção integrante e partícula apassivadora. b) adjetivo; conjunção integrante e pronome oblíquo. c) advérbio; pronome relativo e partícula apassivadora. d) adjetivo; pronome relativo e índice de indeterminação do sujeito. e) advérbio; pronome relativo e índice de indeterminação do sujeito. 44 - (UNIFICADO RJ) Texto Por amor à Pátria O que é mesmo a Pátria? Houve, com certeza, uma considerável quantidade de brasileiros(as) que, na linha da própria formação, evocaram a Pátria com critérios puramente geográficos: uma vastíssima porção de terra, delimitada, porém, por tratados e convenções. Ainda bem quando acrescentaram: a Pátria é também o Povo, milhões de homens e mulheres que nasceram, moram, vivem, dentro desse território. Outros, numerosos, aprimoraram essa noção de Pátria e pensaram nas riquezas e belezas naturais encerradas na vastidão da terra. Então, a partir das cores da bandeira, decantaram o verde das florestas, o azul do firmamento espelhado no oceano, o amarelo dos metais escondidos no subsolo. Ufanaram-se legitimamente do seu país ou declararam, convictos, aos filhos jovens, que jamais hão-de ver país como este. Foi o que fizeram todos quantos procuraram a Pátria no quase meio milênio da História do Brasil, complexa e fascinante História de conquistas e reservas, de “sangue, suor e lágrimas”, mas também de esperanças e de realizações. Evocaram gestos heróicos, comovedoras lendas e sugestivas tradições. Tudo isso e o formidável universo humano e sacrossanto que se oculta debaixo de tudo isso constituem a Pátria. Ela é história, é política e é religião. Por isso é mais do que o mero território. É algo de telúrico. É mais do que a justaposição de indivíduos, mas reflete a pulsação da inenarrável história de cada um. A pátria é mais do que a Nação e o Estado e vem antes deles. A Nação mais elaborada e o Estado mais forte e poderoso, se não partem da noção de Pátria e não servem para dar à Pátria sua fisionomia e sua substância interior, não têm todo o seu valor. Por último, quero exprimir, com os olhos fixos na Pátria, o seu paradoxo mais estimulante. De um lado, ela é algo de acabado, que se recebe em herança. Por outro lado, ela nunca está definitivamente pronta. Está em construção e só é digno dela quem colabora, em mutirão, para ir aperfeiçoando o seu ser. Independente, ela precisa de quem complete a sua independência. Democrática, ela pertence a quem tutela e aprimora a democracia. Livre, ela conta com quem salvaguarda a sua liberdade. E sobretudo, hospitaleira, fraterna, aconchegante, cordial, ela reclama cidadãos e filhos que a façam crescer mais e mais nestes atributos essenciais de concórdia, equilíbrio, harmonia, que a fazem inacreditavelmente Pátria - e me dá vontade de dizer, se me permitem criar um neologismo, inacreditavelemente Mátria. Pensando bem, cada brasileiro, quem quer que seja, tem o direito de esperar que os outros 140 milhões de brasileiros sejam, para ele, Pátria. Dom Lucas Moreira Neves (adaptação) Jornal do Brasil - 08/09/93. Assinale a opção que traz corretas classificações do sujeito e da predicação verbal. a) “Houve... uma considerável quantidade” (negrito) - sujeito inexistente; verbo transitivo direto. b) “que jamais hão-de ver país como este” (negrito) - sujeito indeterminado; verbo transitivo indireto. c) “mas reflete a pulsação da inenarrável história de cada um” (negrito) - sujeito simples; verbo transitivo direto e indireto. d) “que se recebe em herança” (negrito) - sujeito indeterminado; verbo transitivo indireto. e) “a quem tutela” (negrito) - sujeito simples; verbo intransitivo. 45 - (UNICE CE) Nas orações a seguir: I. No trabalho, use equipamento de proteção. II. Júlio, no clube, falaram mal de você. III. Vendeu-se a pá. O sujeito é, respectivamente: a) simples, simples, simples. b) oculto, simples, simples. c) indeterminado, indeterminado, simples. d) oculto, indeterminado, simples. e) oculto, indeterminado, indeterminado. 46 - (MACK SP) (...) E surgia na Bahia o anacoreta sombrio, cabelos crescidos até aos ombros, barba inculta e longa; face escaveirada; olhar fulgurante; monstruoso, dentro de um hábito azul de brim americano; abordoado ao clássico bastão em que se apóia o passo tardo dos peregrinos. É desconhecida a sua existência durante tão longo período. Um velho caboclo, preso em Canudos nos últimos dias da campanha, disse-me algo a respeito, mas vagamente, sem precisar datas, sem pormenores característicos. Conhecera-o nos sertões de Pernambuco, um ou dous anos depois da partida do Crato.
  • 9. CILP – Curso Isolado de Língua Portuguesa | Professor Jason Lima | emlinguagem.blogspot.com.br Página 9 Considere as afirmações. I. o anacoreta sombrio (linha 1) e a sua existência (linha 4) desempenham função sintática de sujeito. II. Os pronomes oblíquos assinalados desempenham funções sintáticas diferentes. III. Depois da conjunção mas (linha 5) há elipse de um verbo. Assinale: a) se apenas I e II estiverem corretas. b) se apenas II e III estiverem corretas. c) se apenas II estiver correta. d) se todas estiverem corretas. e) se apenas I e III estiverem corretas. 47 - (FEI SP) 1 "Fabiano ia satisfeito. Sim senhor, arrumara-se. Chegara naquele estado, com a família morrendo de fome, comendo raízes. Caíra no fim do pátio, debaixo de um juazeiro, depois tomara conta da casa deserta. ELE, a mulher e os filhos tinham-se habituado à camarinha escura, pareciam ratos - e a lembrança dos sofrimentos passados esmorecera(...). 2 - Fabiano, VOCÊ é um homem, exclamou em voz alta. 3 Conteve-se, notou que os meninos estavam perto, com certeza iam admirar-se ouvindo-o falar só. E, pensando bem, ele não era um homem: era apenas um cabra ocupado em guardar coisas dos outros. (...) Olhou em torno, com receio de que, fora os meninos, ALGUÉM tivesse percebido a frase imprudente. Corrigiu-a, murmurando: 4 - Você é um bicho, Fabiano. 5 Isto para ele era motivo de orgulho. Sim senhor, um bicho capaz de vencer dificuldades". Observe a oração: "Fabiano ia SATISFEITO". O termo em destaque assume a função de: a) predicativo do sujeito b) objeto direto c) adjunto adverbial d) adjunto adnominal e) agente da passiva 48 - (UFAM) Observe o início do Hino Nacional Brasileiro: Ouviram do Ipiranga as margens plácidas De um povo heroico o brado retumbante... Na oração acima, o sujeito é: a) indeterminado b) um povo heroico c) inexistente d) as margens plácidas do Ipiranga e) o brado retumbante 49 - (UFAM) Assinale a alternativa falsa em relação ao período abaixo e aos seus termos: No futebol brasileiro houve época em que não existia grande jogador. a) O substantivo época é o sujeito do verbo haver. b) O período é composto por subordinação e consta de duas orações. c) Os adjetivos constantes do período funcionam como adjunto adnominal. d) O substantivo futebol exerce a mesma função sintática do pronome relativo que. e) O substantivo jogador é o sujeito do verbo existir. 50 - (UFAM) Assinale a alternativa constante de oração sem sujeito: a) Ouve-se o relógio de hora em hora. b) Houve por improcedente o pedido do funcionário. c) Faltavam quatro dias para o casamento. d) Há de conseguir a aprovação nos exames. e) Houve aulas no final de semana. 51 - (FUVEST SP) Olhar para o céu noturno é quase um privilégio em nossa atribulada e iluminada vida moderna. (...) Companhias de turismo deveriam criar “excursões noturnas”, em que grupos de pessoas são transportados até pontos estratégicos para serem instruídos por um astrônomo sobre as maravilhas do céu noturno. Seria o nascimento do “turismo astronômico”, que complementaria perfeitamente o novo turismo ecológico. E por que não? Turismo astronômico ou não, talvez a primeira impressão ao observarmos o céu noturno seja uma enorme sensação de paz, de permanência, de profunda ausência de movimento, fora um eventual avião ou mesmo um satélite distante (uma estrela que se move!). Vemos incontáveis estrelas, emitindo sua radiação eletromagnética, perfeitamente indiferentes às atribulações humanas. Essa visão pacata dos céus é completamente diferente da visão de um astrofísico moderno. As inocentes estrelas são verdadeiras fornalhas nucleares, produzindo uma quantidade enorme de energia a cada segundo. A morte de uma estrela modesta como o Sol, por exemplo, virá acompanhada de uma explosão que chegará até a nossa vizinhança, transformando tudo o que encontrar pela frente em poeira cósmica. (O leitor não precisa se preocupar muito. O Sol ainda produzirá energia “docilmente” por mais uns 5 bilhões de anos.) (Marcelo Gleiser, Retalhos cósmicos) Transpondo-se corretamente para a voz ativa a oração “para serem instruídos por um astrônomo (...)”, obtém-se: a) para que sejam instruídos por um astrônomo (...). b) para um astrônomo os instruírem (...). c) para que um astrônomo lhes instruíssem (...). d) para um astrônomo instruí-los (...). e) para que fossem instruídos por um astrônomo (...). 52 - (EFEI SP) No fragmento "dizendo-lhe que", lhe é analisado morfossintaticamente como: a) pronome pessoal reto na função de objeto direto. b) pronome pessoal reto na função de objeto indireto. c) pronome pessoal oblíquo na função de objeto direto. d) pronome pessoal oblíquo na função de objeto indireto. e) pronome possessivo na função de adjunto adnominal. 53 - (INTEGRADO RJ) O pronome me NÃO exerce função sintática de objeto direto na opção: a) “... o que me parece ...” b) “... que me rodeiam.” c) “... vi-me cercada ...” d) “Incorporei-me a elas ...” e) “... me discriminassem, ...”
  • 10. CILP – Curso Isolado de Língua Portuguesa | Professor Jason Lima | emlinguagem.blogspot.com.br Página 10 54 - (ITA SP) Leia, a seguir, o texto em que Millôr Fernandes parodia Manuel Bandeira: Que Manuel Bandeira me perdoe, mas VOU-ME EMBORA DE PASÁRGADA Vou-me embora de Pasárgada Sou inimigo do Rei Não tenho nada que eu quero Não tenho e nunca terei Vou-me embora de Pasárgada Aqui eu não sou feliz A existência é tão dura As elites tão senis Que Joana, a louca da Espanha, Ainda é mais coerente do que os donos do país. (FERNANDES, Millôr. Mais! Folha de S.Paulo, mar. 2001.) Os três últimos versos de Millôr Fernandes exprimem: a) a inconsequência dos governantes. b) a má vontade dos políticos. c) a ignorância do povo. d) a pobreza de espírito das elites. e) a loucura das mulheres no governo. 55 - (UNP RN) “Em face da História, rio sem fim que vai arrastando tudo e todos no seu curso, o contista é um pescador de momentos singulares, cheios de significação. Inventor do novo: descobrir o que os outros homens não souberam ver com tanta clareza, não souberam sentir com tanta força. Literariamente: o contista explora no discurso ficcional uma hora intensa e aguda de percepção. Esta, acicatada pelo demônio da visão, não cessa de perscrutar situações narráveis na massa aparentemente amorfa do real. E entre nós, o que tem achado?” Os verbos “ver” e “sentir” necessitam de um complemento para que tenham realmente sentido. Sendo assim, concluímos que o objeto deles, no texto acima, é : a) momento - momentos b) pescador - pescador c) homens - homens d) que - que 56 - (UNP RN) Objeto direto preposicionado é um recurso da língua que permite o uso de uma preposição junto a um verbo transitivo direto, a fim de adequar o texto à norma culta da língua. Nas alternativas abaixo, apenas em uma delas esse recurso não foi utilizado, estabelecendo, portanto, um erro. Aponte-a : a) “Mulher que ama a dois, a ambos engana.” b) Esta é a pessoa a quem respeito muito. c) Encontrei a ele em um momento de grande dificuldade. d) Na Copa do Mundo de 1998, venceu a França o Brasil. 57 - (UNIRIO RJ) A função sintática do que está correta em: a) “…um adestramento que já não tenho” – predicativo do objeto direto. b) “…de uma vida que se foi desenrolando” – objeto direto. c) “…dos seres que me rodeiam” – adjunto adverbial. d) “Mulheres de meia-idade que compravam lãs” – aposto. e) “…os pontos que minha pequena mão infantil executara – objeto direto. 58 - (UNIRIO RJ) O pronome me NÃO exerce função sintática de objeto direto na opção: a) “…o que me parece…” b) “…que me rodeiam.” c) “…vi-me cercada…” d) “Incorporei-me a elas…” e) “…me discriminassem, …” 59 - (UNIMAR SP) “A nossa intenção era de que todos os alunos fossem ouvidos, mas não houve tempo.” Os termos grifados exercem a função sintática, respectivamente, de: a) Objeto indireto e sujeito b) Objeto direto e objeto direto c) Sujeito e sujeito d) Objeto direto e sujeito e) Sujeito e objeto direto. 60 - (UNIFOR CE) É verdade que podemos votar, é verdade que podemos, como cidadãos eleitores e normalmente por via partidária, escolher os nossos representantes no governo. Mas é igualmente verdade que a possibilidade de ação democrática começa e acaba aí. O eleitor poderá tirar do poder um governo que não lhe agrade e pôr outro no seu lugar, mas o seu voto não teve, não tem, nem nunca terá qualquer efeito visível sobre a única real força que governa o mundo e, portanto, o seu país e a sua pessoa. Refiro-me, obviamente, ao poder econômico, em particular à parte dele sempre em aumento, gerida pelas empresas multinacionais de acordo com estratégias de domínio que nada têm que ver com aquele bem comum a que, por definição, a democracia aspira. Todos sabemos que é assim e, contudo, por uma espécie de automatismo verbal e mental que não nos deixa ver a nudez crua dos fatos, continuamos a falar de democracia como se se tratasse de algo vivo e atuante, quando dela pouco mais nos resta que um conjunto de forças ritualizadas, os inócuos passes e os gestos de uma espécie de missa laica. (José Saramago – Trecho do discurso pronunciado no “Fórum de Porto Alegre”, realizado em janeiro de 2002) Refiro-me, obviamente, ao poder econômico. A função sintática do termo sublinhado acima é a mesma do termo também sublinhado na frase: a) continuamos a falar de democracia. b) efeito visível sobre a única real força. c) por uma espécie de automismo verbal. d) gerida pelas empresas multinacionais. e) de acordo com estratégias de domínio. 61 - (UNIMAR SP) Colocando a oração “No peito pintou-se a águia ”, na ordem direta e na voz ativa, temos: a) Pintaram a águia no peito; b) A águia pintou-se no peito; c) No peito, a águia pintaram; d) Tinha-se pintado no peito a águia; e) A águia foi pintada no peito. 62 - (UNIFOR CE)… e sonhava em escrever um grande romance. Considere as frases abaixo, construídas com o verbo grifado acima. I. Dizem que Napoleão sonhava com uma grande reputação literária.
  • 11. CILP – Curso Isolado de Língua Portuguesa | Professor Jason Lima | emlinguagem.blogspot.com.br Página 11 II. Napoleão sonhava-se um afamado escritor. III. Ninguém poderia sonhar o que Napoleão faria. O tipo de complemento exigido pelo verbo sonhar está correto em: a) I, II e III. b) I e II, somente. c) II e III, somente. d) III, somente. e) I, somente. 63 - (UNIFOR CE) …ter muitos filhos era uma garantia para o futuro. A função sintática do termo grifado na frase acima repete-se no termo também grifado na frase: a) A razão pela qual a população nas sociedades rurais aumenta… b) e ainda ocorre em algumas regiões. c) Muitos filhos são a garantia de mais braços… d) …e estabilizou a taxa populacional nas nações mais ricas. e) …que levaria ao planejamento familiar. 64 - (UNIFOR CE) A expressão sublinhada na oração "Qualquer pessoa vende produto para qualquer outra pessoa" exerce a mesma função sintática da expressão sublinhada em: a) As empresas estão estudando formas de estabelecer um padrão. b) Seja quando se trata de informação privativa. c) Por isso ainda há muitos problemas. d) A desconfiança quanto à segurança, indispensável ao comércio livre. e) É a principal chave para o sucesso da INTERNET comercial. 65 - (UNIFICADO RJ) Assinale a opção em que o termo sublinhado apresenta função sintática idêntica ao do exemplo em destaque: vontade de chorar a) choro de saudades b) olhos de minha pátria c) passar-lhe a mão pelos cabelos d) nasci do vento e) em contato com a dor 66 - (MACK SP) Amava Simão uma sua vizinha, menina de quinze anos, rica herdeira, regularmente bonita e bem-nascida. Da janela do seu quarto é que ele a vira a primeira vez, para amá-la sempre. Não ficara ela incólume da ferida que fizera no coração do vizinho: amou-o também, e com mais seriedade que a usual nos seus anos. Os poetas cansam-nos a paciência a falarem do amor da mulher aos quinze anos, como paixão perigosa, única e inflexível. Alguns prosadores de romances dizem o mesmo. Enganam-se ambos. O amor dos quinze anos é uma brincadeira; é a última manifestação do amor às bonecas; é a tentativa da avezinha que ensaia o vôo fora do ninho, sempre com os olhos fitos na ave- mãe, que a está da fronde próxima chamando; tanto sabe a primeira o que é amar muito, como a segunda o que é voar para longe. Teresa de Albuquerque devia ser, porventura, uma exceção no seu amor. Camilo Castelo Branco – Amor de perdição Da janela do seu quarto é que ele a vira pela primeira vez. Passando-se a oração em destaque para a voz passiva analítica, a forma verbal correspondente é: a) foi vista. b) havia visto. c) estava sendo visto. d) seria vista. e) fora vista. 67 - (PUC PR) Observe a frase que segue: “Não posso lhe garantir que todos estarão presentes à sua festa de formatura”. Do enunciado acima, pode-se afirmar que a parte sublinhada desempenha a função de: a) sujeito de posso, b) objeto direto de posso, c) objeto indireto de posso, d) objeto direto de garantir, e) objeto indireto de garantir. 68 - (UFAM) Assinale a alternativa em que se converteu erroneamente a voz ativa na passiva: a) As chuvas, em algumas regiões, provocam inundações terríveis. Inundações terríveis, em algumas regiões, são provocadas pelas chuvas. b) O pai lhe aconselhava maior prudência. Maior prudência lhe era aconselhada pelo pai. c) Quem me cassará a palavra? Por quem a palavra me seria cassada? d) Exaltavam sempre a inteligência de Aristarco. A inteligência de Aristarco era sempre exaltada. e) Promover-se-ão festas durante o mês do santo padroeiro. Festas serão promovidas durante o mês do santo padroeiro. TEXTO: 1 - Comum à questão: 69 JOÃO sem terra Viajar para a lua? Complexo de quem gostaria de não ter nascido na Terra. Não dele, para quem a lua é rural. Tem a forma de uma foice ou de um fruto. Não dele, João sem terra mas sujo de terra. Procurar outra terra? Mas em outra terra a mesma lua, a mesma foice o mesmo coice, a mesma condição de João sem terra e - paradoxalmente - João sujo de terra, sub-João. Enterro e desterro palavras que só se escrevem na Terra com terra. Poderia ter nascido em outro planeta, por exemplo: onde não houvesse terra. Onde não vivesse tão sujo de terra. Mas não; nasceu na Terra. No fundo do latifúndio os cães latindo. João sem terra mas sujo de terra. Corroído pelo pó da terra. Vestido de chuva e de sol. Girassol que erra de terra em terra. O seu suor em flor mas para o senhor feudal da terra.
  • 12. CILP – Curso Isolado de Língua Portuguesa | Professor Jason Lima | emlinguagem.blogspot.com.br Página 12 Sem terra mas na Terra. Sem terra mas sujo de terra. Não o João Sem Terra da loura Inglaterra. RICARDO, Cassiano. Jeremias sem-chorar. 2. ed. Rio de Janeiro: J. Olympio. 1968.141 p.João Sem Terra: Rei da Inglaterra (1199-1216) que assinou a Carta Magna em junho de 1215. 69 - (UNIRIO RJ) Na estrutura sintático-semântica da última estrofe do poema João sem terra: a) não ocorre oração subordinada. b) prevalece o processo sintático de subordinação. c) predomina o processo sintático de coordenação. d) ocorrem orações intercaladas. e) não ocorre oração coordenada sindética, cujo verbo está elíptico. TEXTO: 2 - Comum à questão: 70 O FORTE As amuradas, plantadas no chão, fecham o pátio. Os corredores são galerias adentro dos paredões de pedra, levam aos antigos depósitos e às prisões, estabelecem as comunicações entre os alojamentos. No centro, bem no centro, a terra nua. Quase um castelo assim em seu tamanho, altas suas torres de vigia, deve pesar como uma montanha. Erguendo-se na colina, quadrado pelos muros que sobem, vê as ladeiras, as ruas, as praças. E, muito embaixo, o mar de saveiros e o oceano aberto. Os canhões enferrujados, para o mar, voltados já estiveram. Poder-se-ia dizer, e sem mentir, que a Bahia cresceu com ele. Largos são os passeios que o rodeiam e neles a multidão passa durante o dia, descendo e subindo, o ar cheio de barulho. Caminho de muitos, as ladeiras saindo dos quatro cantos, sua sombra escurece os sobrados de azulejos. O portão, na verdade uma cancela gigantesca, range quando se abre. Por cima, nas manhãs de domingo, saíam os cantos dos sinos de sua capela. É possível vê-la, encostada ao pátio, ameaçando cair. Baixa, as paredes esburacadas, as telhas partidas. E por cima também escapavam, nos velhos tempos, as ordens das cornetas, os rumores das marchas, as algazarras do rancho. A terra nua, no pátio, tem a cor do cobre. Sustenta, porém, as três árvores. Espalhadas, os troncos grossos, ganharam altura. Levantam-se como se o Forte fosse um convento, tranqüilas, moradia de pássaros. Os ventos altos, vindos do mar, não têm forças para agitá-las. E, no verão, sua sombra é pouso. Faz bem vê-las, assim nos recantos, folhas cobrindo o chão. O pico da colina está coberto. A carcaça imensa, o labirinto por dentro, torres e colunas, os fundos alicerces plantados na rocha. Construído aos pedaços, alargando-se e subindo, sua dureza fere os olhos. O ar, porém, é livre. E abriga, quando o vento não falta, os cheiros da Bahia. Os torreões aprumados, como braços erguidos, apontam o céu de estrelas e paz. (ADONIAS FILHO, O Forte.) 70 - (FESO RJ) “E abriga, quando o vento não falta, os cheiros da Bahia."(§3) A oração sublinhada estabelece relação idêntica à do termo destacado na frase: a) "As amuradas, plantadas NO CHÃO, fecham o pátio." (§1) b) "No centro, BEM no centro, a terra nua." (§1) c) "E por cima também escapavam, NOS VELHOS TEMPOS, as ordens das cornetas, os rumores das marchas, as algazarras do rancho." (§2) d) "Faz bem vê-las, ASSIM nos recantos, folhas cobrindo o chão." (§3) e) "Construído AOS PEDAÇOS, alargando-se e subindo, sua dureza fere os olhos." (§3) TEXTO: 3 - Comum à questão: 71 Neste momento, o bordado está pousado em cima do console e o interrompi para escrever, substituindo a tessitura dos pontos pela das palavras, o que me parece um exercício bem mais difícil. Os pontos que vou fazendo exigem de mim uma habilidade e um adestramento que já não tenho. Esforço-me e vou conseguindo vencer minhas deficiências. As palavras, porém são mais difíceis de adestrar e vêm carregadas de uma vida que se foi desenrolando dentro e fora de mim, todos esses anos. São teimosas, ambíguas e ferem. Minha luta com elas é uma luta extenuante. Assim, nesse momento, enceto duas lutas: com as linhas e com as palavras, mas tenho a certeza que, desta vez, estou querendo chegar a um resultado semelhante e descobrir ao fim do bordado e ao fim desse texto, algo de delicado, recôndito e imperceptível sobre o meu próprio destino e sobre o destino dos seres que me rodeiam. Ontem, quando entrei no armarinho para escolher as linhas, vi-me cercada de pessoas com quem não convivia há muito tempo, ou convinha muito pouco, de cuja existência tinha esquecido. Mulheres de meia-idade que compravam lãs para bordar tapeçarias, selecionando animadamente e com grande competência os novelos, comparando as cores com os riscos trazidos, contando os pontos na etamine, medindo o tamanho do bastidor. Incorporei-me a elas e comecei a escolher, com grande acuidade, as tonalidades das minhas meadas de linha mercerizada. Pareciam pequenas abelhas alegres (...), levando a sério as suas tarefas. (...) Naquelas mulheres havia alguma coisa preservada, sua capacidade de bordar dava-lhes uma dignidade e um aval. Não queria que me discriminassem, conversei com elas de igual para igual, mostrando-lhes os pontos que minha pequena mão infantil executara. (JARDIM, Rachel. O penhoar chinês. 4 ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 1990.) 71 - (INTEGRADO RJ) Assinale a opção que apresenta o número correto de orações contidas no oitavo período do texto. a) 5 b) 6 c) 7 d) 8 e) 9 TEXTO: 4 - Comum à questão: 72 Psicologia de um vencido Eu, filho do carbono e do amoníaco, Monstro de escuridão e rutilância. Sofro, desde a epigênesis da infância, A influência má dos signos do zodíaco. Profundissimamente hipocondríaco, Este ambiente me causar repugnância… Sobe-se à boca uma ânsia análoga à ânsia Que se escapa da boca de um cardíaco.
  • 13. CILP – Curso Isolado de Língua Portuguesa | Professor Jason Lima | emlinguagem.blogspot.com.br Página 13 Já o verme – este operário das ruínas – Que o sangue podre das carnificinas Come, e à vida em geral declara guerra, Anda a espreita meus olhos para roê-los, E há de deixar-me apenas os cabelos Na frialdade inorgânica da terra! Augusto dos Anjos 72 - (ITA SP) Em “Sobe-me à boca uma ânsia análoga à ânsia” os termos grifados funcionam respectivamente como: a) adjunto adverbial e adjunto adnominal b) adjunto adverbial e adjunto adverbial c) objeto indireto e complemento nominal d) objeto adverbial e adjunto adnominal e) adjunto adnominal e complemento nominal 73 - (UNIFOA MG) “A senhora anda muito engraçada.” Assinale a alternativa em que o verbo tem valor sintático idêntico ao do verbo sublinhado na oração acima: a) A senhora anda muito rápido! b) O jantar está na mesa. c) Nós continuamos a marcha pela paz. d) Todos permaneceram no local do acidente. e) A moça parecia insatisfeita com o trabalho. 74 - (UNIFOA MG) “O marido de dona Malu se serviu de guisadinho...” Assinale a alternativa em que o “se” tem valor sintático idêntico ao da oração acima. a) Trabalha-se muito aqui. b) Não sei se ele voltará para casa. c) Compram-se carros usados. d) O ator vestiu-se rapidamente e entrou em cena. e) Serviu-se um ótimo guisado no almoço. 75 - (UNIFOA MG) “...por causa de um coronel que se chama Zacarias...” Assinale a alternativa em que a palavra “se” tem valor sintático idêntico ao da oração acima. a) a morte que se morre de velhice antes dos trinta b) se ao menos mais cinco havia com nome de Severino c) na mesma cabeça grande que a custo se equilibra d) E se somos Severinos iguais em tudo na vida e) Suando-se muito em cima 76 - (PUC RJ) Leia com atenção os itens a seguir. I. “Eu ia dando a minha voltinha num silêncio interior de paz.” II. “Aberto a qualquer convite, podia comprar um bombom, ou uma flor.” III. “Sem nenhum objetivo, ia eu bem satisfeitinho na minha disponibilidade.” IV. “Nessa altura, as minhas pernas tinham me levado pro mundo da Lua.” V. “Quando dei comigo de volta, estava espiando uma fila que coleava na calçada.” A ação verbal em destaque só NÃO revela continuidade em: a) I e II b) II e IV c) II e III d) IV e V e) III e V TEXTO: 8 - Comum à questão: 77 O MELHOR DE CALVIN / Bill Walterson 77 - (MACK SP) No texto, a) o termo verbar, na oração Verbar esquisita as palavras, assume a função de sujeito, mais comumente desempenhada por nomes. b) o processo de verbar amplia as possibilidades de emprego sintático, sem promover alterações na forma original do nome. c) o processo de verbar promove a alteração ortográfica da palavra original, sem alterar as funções sintáticas que ela desempenha. d) o processo de verbar impede que os verbos resultantes sejam empregados na voz passiva. e) o termo verbar pode ser usado como verbo transitivo direto (verbar palavras), ou como intransitivo (Verbar esquisita o idioma). TEXTO: 9 - Comum à questão: 78 TEXTO II A doença nasce em silêncio. Seja pela ação de germes, ou substâncias nocivas, ou por processos endógenos, sutis alterações processam-se nas células: é a enfermidade em marcha. Quietamente, imperceptivelmente, implacavelmente. Em algum momento, algo acontecerá, a chamar a atenção da pessoa: uma febre, uma dor, falta de ar, palpitação, hemorragia. A consciência da anormalidade desperta a angústia, e a angústia se expressará em palavras. Mais cedo ou mais tarde um médico as ouvirá. E também ele traduzirá aquilo que ouviu, aquilo que constatou, aquilo que pensa, em palavras. Palavras dirigidas ao paciente, aos familiares, a outros médicos, a estudantes de medicina, ao
  • 14. CILP – Curso Isolado de Língua Portuguesa | Professor Jason Lima | emlinguagem.blogspot.com.br Página 14 público. Pessoas falarão da doença, pois não há como não falar nessa experiência que todos partilhamos. Freqüentemente as palavras serão postas no papel: a história clínica, o artigo científico, o ensaio, a ficção. A história da medicina é uma história de vozes. As vozes misteriosas do corpo: o sopro, o sibilo, o borborigmo, a crepitação, o estridor. As vozes inarticuladas do paciente: a queixa, o relato da doença, as perguntas inquietas. A voz articulada do médico: a anamnese, o diagnóstico, o prognóstico. Vozes que falam da doença, vozes calmas, vozes ansiosas, vozes curiosas, vozes sábias, vozes resignadas, vozes revoltadas. Vozes que se querem perpetuar: palavras escritas em argila, em pergaminho, em papel; no prontuário, na revista, no livro, na tela do computador. Vozerio, corrente ininterrupta de vozes que flui desde tempos imemoriais e que continuará fluindo. (SCLIAR, Moacyr.) 78 - (ESCS DF) No texto II, há uma série de expressões caracterizadoras das vozes na história da medicina, como por exemplo: vozes que falam da doença, vozes calmas, vozes ansiosas, vozes curiosas, vozes sábias, vozes resignadas, vozes revoltadas. Vozes que se perpetuam... A respeito das expressões apresentadas no enunciado acima, é correto afirmar que: a) todas elas são locuções adjetivas, que contêm substantivo mais adjetivo; b) todas elas são expressões nominais, que contêm um núcleo substantivo e um modificador; c) todas elas são expressões nominais, que contêm um núcleo substantivo mais um vocábulo adjetivo; d) a caracterização do vocábulo vozes é feita somente pelo uso de orações adjetivas; e) os adjetivos e as orações adjetivas caracterizam o vocábulo vozes, que é o núcleo do sintagma adverbial. 79 - (FGV ) Na frase “... não cabia a mim entrar em arruaça...” (L. 67) , o sujeito de cabia é: a) Eu. b) A mim. c) Entrar em arruaça. d) Em arruaça. e) Não. TEXTO: 11 - Comum à questão: 80 Poética de Anchieta Anchieta escrevia na areia, E a maré levava... Anchieta escrevia na areia, E a maré levava... O bom jesuíta havia assim criado uma espécie de antecipação do computador ... Zuca Sardanga 80 - (MACK SP) De acordo com a norma culta, a forma passiva do segmento O bom jesuíta havia assim criado / uma espécie de antecipação / do computador... é: a) Uma espécie de antecipação do computador havia assim criado o bom jesuíta. b) Uma espécie de antecipação do computador havia assim sido criada pelo bom jesuíta. c) Uma espécie de antecipação do computador foi assim criada pelo bom jesuíta. d) Criava-se assim uma espécie de antecipação do computador pelo bom jesuíta. e) Pelo bom jesuíta foi-se assim criando uma espécie de antecipação do computador. TEXTO: 12 - Comum à questão: 81 01 Olá. Espero que esteja gostando da revista. Neste artigo, eu 02 gostaria de apresentar algo que pode ser de extrema importância 03 para você. Você já foi induzido a dizer “sim”? Já se sentiu forçado a 04 comprar o que não queria ou a contribuir com alguma causa 05 suspeita? Alguma vez já desejou entender por que agiu desse jeito, 06 para que no futuro pudesse resistir a esses ardis? Sim? Então este 07 artigo é perfeito para você. Ele contém informações de grande valor 08 sobre as mais poderosas pressões psicológicas que fazem você 09 responder “sim” a pedidos. E é repleto de pesquisas NOVAS e 10 APRIMORADAS que mostram exatamente como e por que essas 11 técnicas funcionam. Então não perca tempo, apenas relaxe e acesse 12 as informações – que, no fundo, você já está desejando ter. Adaptado de Robert Cialdini 81 - (MACK SP) Neste artigo, eu gostaria de apresentar algo que pode ser de extrema importância para você. Assinale a alternativa que, alterando a ordem dos termos, mantém o sentido original do trecho acima. a) Eu gostaria de apresentar algo neste artigo de extrema importância para você. b) Eu gostaria, neste artigo, de poder apresentar algo de extrema importância para você. c) Eu gostaria de apresentar, neste artigo, algo que pode ser de extrema importância para você. d) Para você, eu gostaria de apresentar algo que pode ser de extrema importância neste artigo. e) Eu gostaria, neste artigo, de poder apresentar, para você, algo que pode ser de extrema importância. TEXTO: 13 - Comum à questão: 82 Breve história do tique 01 A palavra parece nascida da linguagem dos desenhos animados. 02 Segundo alguns, sua clara origem onomatopaica derivaria do alemão 03 ticken, que significa “tocar ligeiramente”, ou de um termo da 04 medicina veterinária que, já no século XVII, associava ticq e ticquet 05 a um fenômeno no qual os cavalos sofrem uma súbita suspensão da 06 respiração, seguida por um ruído: uma espécie de soluço que produz 07 no animal comportamentos estranhos e sofrimento. Daí a extensão a 08 várias manifestações que têm em comum a rapidez, o caráter repetitivo 09 e pouco controlável e a piora em situação de stress. Rosella Castelnuovo 82 - (MACK SP) Transpondo a frase “uma espécie de soluço que produz no animal comportamentos estranhos e sofrimento” para a voz passiva, a forma verbal destacada acima corresponde a:
  • 15. CILP – Curso Isolado de Língua Portuguesa | Professor Jason Lima | emlinguagem.blogspot.com.br Página 15 a) “são produzidos”. b) “é produzido”. c) “foram produzidos”. d) “estão produzidos”. e) “havia sido produzido”. TEXTO: 14 - Comum à questão: 83 Faz a imaginação de um bem amado, Que nele se transforme o peito amante; Daqui vem que a minha alma delirante Se não distingue já do meu cuidado. Cláudio Manuel da Costa Obs. : do meu cuidado = da pessoa amada 83 - (MACK SP) Assinale a alternativa correta. a) O termo a imaginação de um bem amado (verso 1) é objeto direto do verbo “fazer”. b) O termo o peito amante (verso 2) é sujeito do verbo “transformar”. c) O segmento Daqui vem (verso 3) introduz idéia de causa. d) O segmento Se não distingue (verso 4) introduz idéia de condição. e) O segmento que a minha alma delirante / Se não distingue já do meu cuidado (versos 3 e 4) é objeto direto do verbo “vir”. TEXTO: 15 - Comum à questão: 84 TUDO VERDE NA GROELÂNDIA As geleiras da Groelândia estão derretendo tão rapidamente que, em alguns lugares, os níveis glaciais baixaram 10 metros num único ano. A constatação é de um grupo de cientistas da fundação Gary Comer, entidade americana que estuda as mudanças bruscas do clima no planeta. Para os pesquisadores, o território dinamarquês se tornou um laboratório gigante das transformações ambientais. O recuo do gelo e o desnudamento das rochas deram espaço a liquens e até a plantas mais desenvolvidas, além de resgatarem traços da agricultura viking extinta no século 15, quando a temperatura caiu tanto que nenhuma civilização resistiu ali. Hoje, a novidade ressuscita o verde e os fazendeiros. O aparente bom pasto é apenas a ponta de um grande problema ecológico. ( Terra, ed. 162, out. 2005, p.25.) 84 - (PUC PR) “A constatação é de um grupo de cientistas da fundação Gary Comer, entidade americana que estuda as mudanças bruscas do clima no planeta.” O enunciado destacado tem a função de: a) referir-se ao Estados Unidos. b) explicar as mudanças bruscas no clima. c) caracterizar as mudanças climáticas. d) explicar o que vem a ser a fundação Gary Comer. e) referir-se aos cientistas e suas habilidades. TEXTO: 16 - Comum às questões: 85, 86, 87 Um papa brasileiro? Não! O ideal é que o novo papa não seja brasileiro. Seria ruim para o Brasil. Nos últimos tempos, a duras penas, a sociedade brasileira tem conseguido alguns avanços relevantes. As pesquisas com células-tronco embrionárias, ainda que de forma bastante limitada, foram aprovadas. As pílulas do dia seguinte são distribuídas nos postos de saúde da rede pública. As mulheres vítimas de estupro estão – pelo menos até agora – autorizadas a ir direto a um hospital em busca do aborto sem ter de passar antes na delegacia para pegar um boletim de ocorrência. O aborto de fetos sem cérebro está para ser julgado pelo Supremo Tribunal Federal e tem chance de ser aprovado. Tudo isso são avanços importantes, especialmente no Brasil, o maior país católico do mundo. Afinal, ninguém desconhece que a Igreja Católica, pelo menos essa que esteve longos anos sob o comando de João Paulo II, tem cerrado fileiras contra tudo isso. Um papa brasileiro teria uma ascendência imensa sobre a sociedade brasileira e, portanto, mais condições de impedir que esses avanços se consolidem – e, sobretudo, de impedir que novos avanços éticos e morais sejam atingidos, como a aprovação da união civil entre pessoas do mesmo sexo, outra matéria contra a qual a Igreja Católica milita. Dom Cláudio Hummes, o arcebispo de São Paulo, é o brasileiro mais cotado para ser o novo papa. Ele tem biografia impecável. Não é autoritário nem centralizador como João Paulo II. Tampouco arrasta a batina para a Opus Dei, a mais reacionária organização católica, a qual João Paulo II cumulou de mimos e poderes. Dom Cláudio Hummes, se tivesse assumido no lugar de João Paulo II, lá no fim dos anos 70, com certeza teria feito um papado diferente, arejado, participativo. Mas assumir agora é outra coisa. A Igreja Católica é uma instituição sólida, milenar, vetusta. Não dá guinadas ideológicas, como se fosse um diretório estudantil. Dom Cláudio Hummes não poderia – não no tempo de um papado apenas – imprimir as mudanças radicais tão necessárias para que a Igreja Católica se modernize. Forçosamente, teria de manter grande parte da visão conservadora do antecessor. E nós, brasileiros, seríamos as vítimas preferenciais desse atraso esmagador. Não merecemos isso. (Veja, 13/04/2005, p. 93) 85 - (UEPG PR) Marque as afirmações corretas, tendo em vista o emprego dos tempos verbais nas cinco primeiras frases do texto. 01) Na primeira frase, seja, no presente do subjuntivo, expressa uma hipótese futura. 02) Na segunda frase, seria, no futuro do pretérito, exprime uma possibilidade. 04) Na terceira frase, tem conseguido, forma composta do pretérito perfeito, indica um processo passado que se repete até o presente. 08) Na quarta frase, foram aprovadas, forma composta de voz passiva, no pretérito perfeito, expressa um processo passado concluído. 16) Na quinta frase, são distribuídas, forma composta de voz passiva, no presente, expressa ação habitual. 86 - (UEPG PR) A conversão da voz passiva com verbo auxiliar à passiva com "se" e da voz passiva à ativa está correta em: 01) As pesquisas com células-tronco embrionárias foram aprovadas. Aprovaram-se as pesquisas com células- tronco embrionárias. 02) As pílulas do dia seguinte são distribuídas nos postos de saúde da rede pública. Distribuem-se as pílulas do dia seguinte nos postos de saúde da rede pública. 04) As mulheres vítimas de estupro estão autorizadas a ir direto a um hospital em busca do aborto. As mulheres vítimas de estupro são autorizadas a ir direto a um hospital em busca do aborto.
  • 16. CILP – Curso Isolado de Língua Portuguesa | Professor Jason Lima | emlinguagem.blogspot.com.br Página 16 08) Teria condições de impedir que novos avanços sejam atingidos pela sociedade. Teria condições de impedir que a sociedade seja atingida por novos avanços. 16) O aborto de fetos sem cérebro está para ser julgado pelo Supremo Tribunal Federal. O Supremo Tribunal Federal está para julgar o aborto de fetos sem cérebro. 87 - (UEPG PR) Escolha as frases em que os termos sublinhados estejam funcionando como aposto. 01) Tudo isso são avanços importantes, especialmente no Brasil, o maior país católico do mundo. 02) Dom Cláudio Hummes, o arcebispo de São Paulo, é o brasileiro mais cotado para ser o novo papa. 04) Tampouco arrasta a batina para a Opus Dei, a mais reacionária organização católica, a qual João Paulo II cumulou de mimos e poderes. 08) E nós, brasileiros, seríamos as vítimas preferenciais desse atraso esmagador. 16) A Igreja Católica é uma instituição sólida, milenar, vetusta. 88 - (UFRN) Considere o trecho: “Deve-se botar trancas e alarmes nas portas, não em nossa mente. Deve-se repudiar o que fazem os bandidos, mas deve-se evitar o banditismo.” (ref. 29 e 30) O elemento linguístico se é partícula apassivadora nos três casos em que ocorre no trecho acima. Considerando essa informação, é correto afirmar, quanto às formas verbais em destaque e de acordo com o registro culto da língua escrita: a) apenas as duas últimas formas verbais devem ser flexionadas no plural. b) apenas a segunda forma verbal deve ser flexionada no plural. c) apenas as duas primeiras formas verbais devem ser flexionadas no plural. d) apenas a primeira forma verbal deve ser flexionada no plural. TEXTO: 18 - Comum à questão: 89 Código virtual A linguagem dos chats não é tão absurda quanto parece, desde que seja usada na hora e no lugar certo Para a geração que cresceu em frente ao computador, escrever por códigos é tão natural quanto falar. Abreviações como vc (você) e pq (porque) são usadas dezenas de vezes enquanto os internautas batem papo. As abreviações assustam os puristas do idioma. E até entre os viciados em internet há quem abomine esse linguajar. Um grupo de fóruns PCs, uma comunidade de discussão virtual, lançou a campanha Eu sei escrever a fim de moralizar a língua portuguesa. A turma tem uma comunidade no Orkut destinada a combater o que ela chama de “analfabetismo virtual” (...). 89 - (UFRR) O subtítulo do texto contém: a) 01 oração subordinada adverbial comparativa e 01 oração subordinada adverbial condicional; b) duas orações subordinadas comparativas e uma oração coordenada assindética; c) uma oração subordinada reduzida e uma oração subordinada adverbial condicional; d) 01 oração coordenada adjetiva restritiva e 01 oração coordenada adjetiva explicativa ; e) 01 oração coordenada sindética adversativa e 02 orações subordinadas adjetivas explicativas. TEXTO: 19 - Comum à questão: 90 Experimente ver pela primeira vez o que você vê todo dia, sem ver. Parece fácil, mas não é. O que nos cerca, o que nos é familiar, já não desperta curiosidade. O campo visual da nossa rotina é como um vazio. (...) O hábito suja os olhos e lhes baixa a voltagem. Mas há sempre o que ver. Gente, coisas, bichos. E vemos? Não, não vemos. REZENDE, Otto Lara, Folha de S. Paulo, São Paulo, 23.02.92 90 - (UNAERP SP) Mas há sempre o que ver. Gente, coisas, bichos. A segunda frase, em relação à primeira, é: a) uma gradação imprópria. b) uma oração reduzida. c) um aposto. d) um adjunto adverbial. e) uma oração subordinada predicativa. 91 - (UNIFOR CE) Assisti ao evento em um local público. (início do texto) Função sintática idêntica à do termo grifado acima encontra-se no termo, também grifado, da frase: a) As televisões hipnotizaram os espectadores ... b) Seu automóvel caíra em um rio. c) Perguntei-me: indiferença? d) Ao acabar o noticiário ... e) ... nos quais indiferença e distância são fenômenos inseparáveis. Texto - O oráculo do mercado publicitário “Enquanto a nata do concorrido mercado publicitário paulista ferve os neurônios atrás de mais uma idéia brilhante que garanta a genialidade de suas campanhas, um carioca que já passou dos 60 – e não troca o final de tarde em Ipanema por nada – dá a pauta do que será assunto nas principais agências do Brasil. Julio Hungria, 66, é o criador, editor e webmaster de um dos sites mais acessados por esse público, o Blue Bus (www.bluebus.com.br). Presente na lista de favoritos de 11 em cada 10 publicitários, o endereço traz diariamente uma grande variedade de notas sobre assuntos que vão dos bastidores do mercado até fofocas sobre celebridades.” André Mascarenhas O Estado de S.Paulo. 15/08/2005, p.L14. 92 - (UNIMES SP) No primeiro parágrafo do trecho acima transcrito, há três ocorrências do pronome relativo que. Quanto à função sintática desse pronome, pode-se afirmar que ele funciona como: a) sujeito nas três ocorrências. b) objeto direto nas três ocorrências. c) sujeito nas primeira ocorrência e como objeto direto nas outras duas. d) objeto direto na primeira ocorrência e como sujeito nas outras duas. e) sujeito na primeira ocorrência, objeto direto na segunda e sujeito na terceira.
  • 17. CILP – Curso Isolado de Língua Portuguesa | Professor Jason Lima | emlinguagem.blogspot.com.br Página 17 TEXTO: 22 - Comum à questão: 93 1 “Ainda madrugada. Nenhuma luz na serraria. Tudo coberto pela bruma. Procópio estacionou o caminhão junto às pilhas de tábuas e buzinou. Os homens começaram a sair dos ranchos, estremunhados, alguns sungando as calças. Salustiano, o encarregado dos depósitos, também veio, sorridente, cumprimentando o 5 amigo. [...] Procópio deu partida ao motor. Acenou para o amigo e meteu-se na estrada, disposto a enfrentar a jornada longa. Alguém, por certo, estava lucrando com a sua trabalheira. Ele é que não era, porém. Nem tampouco o Salustiano, simples empregado. Talvez nem o gerente, um 10 mandado sem voz ativa. Mas alguém estava enricando com a exploração do pinho. Apesar da crise, alguém estava tendo os seus lucros. Bem podia ser que a baixa [no preço da madeira] tivesse sido provocada... Ele é que não entendia do assunto. Só sabia dizer que as coisas estavam péssimas, numa situação quase insustentável. O frete da madeira não dava mais nada.” (SASSI, Guido Wilmar. Amigo velho. Porto Alegre: Movimento, Brasília: INL, 1982, p. 19-20.) 93 - (UDESC SC) Assinale a alternativa INCORRETA. a) Em “enfrentar a jornada longa” (linha 8) a expressão sublinhada corresponde a um objeto direto. b) “cumprimentando” (linha 4) é forma nominal do gerúndio; transmite a idéia de que a ação verbal está em curso. c) No imperativo afirmativo as formas verbais sublinhadas, em “Acenou para o amigo e meteu-se na estrada” (linha 7), ficam Acene e meta-se. d) Passando para a voz ativa “Procópio estacionou o caminhão” (linha 2), o núcleo verbal fica seria estacionado. e) Em “Bem podia ser” (linha 11) a forma verbal sublinhada encontra-se no pretérito imperfeito do indicativo, com valor de futuro do pretérito (poderia). TEXTO: 23 - Comum à questão: 94 XXXVII Porém já cinco sóis eram passados Que dali nos partíramos, cortando Os mares nunca de outrem navegados, Prosperamente os ventos assoprando, Quando ua noite, estando descuidados Na cortadora proa vigiando, Ua nuvem, que os ares escurece, Sobre nossas cabeças aparece. XXXVIII Tão temerosa vinha e carregada, Que pôs nos corações um grande medo. Bramindo, o negro mar de longe brada, Como se desse em vão nalgum rochedo - “Ó Potestade – disse – sublimada, Que ameaço divino ou que segredo Este clima e este mar nos apresenta, Que mor cousa parece que tormenta?” (CAMÕES, Luís Vaz de. Os Lusíadas. 4ª. ed. Porto: Editorial Domingos Barreira, s.d. p. 332.) 94 - (UEL PR) Com base no segundo verso da estrofe XXXVIII, considere as afirmativas a seguir. I. O “que” substitui “nuvem”, termo presente no penúltimo verso da estrofe anterior. II. O “que” é um conectivo com valor de consequência das situações apresentadas no verso anterior. III. A expressão “um grande medo” é complemento da forma verbal “pôs”. IV. O agente da forma verbal “pôs” é “nuvem”, termo omitido neste verso. Estão corretas apenas as afirmativas: a) I e II. b) I e III. c) III e IV. d) I, II e IV. e) II, III e IV. 95 - (UNIMONTES MG) Nas alternativas abaixo, NÃO se indicou corretamente a circunstância expressa pelo adjunto adverbial ou pela(s) oração(ões) adverbial(ais) em: a) ”Definir felicidade é tão complexo e abstrato quanto decifrar a insanidade.” (COMPARAÇÃO) b) ”A vida seguiu, mesmo que entre a lama e o medo do caos.” (CONCESSÃO) c) ”Erramos ao tentar prever o que nos fará felizes...” (TEMPO) d) ”Pensamos que seremos felizes depois de trocar de carro, receber aumento, encontrar um grande amor, reformar a cozinha...” (CONDIÇÃO) 96 - (UNIMONTES MG) Na passagem “Ele percebe duas maneiras de pensar a felicidade: uma sensação de paz, completude e harmonia ou uma conquista”, o verbo pensar tem a seguinte regência e significado: a) transitivo indireto  imaginar b) transitivo direto  conceber c) transitivo direto e indireto  definir d) intransitivo  tratar 97 - (UNIMONTES MG) Em qual das alternativas abaixo em verbo de conteúdo relacional está integrado um predicado nominal? a) ”E o que se fez com esse pobre homem?” b) ”Foi acusado de assassino...” c) ”...[o filho] sem andar de bicicleta...” d) ”Jeson virou a Geni de Franca...”
  • 18. CILP – Curso Isolado de Língua Portuguesa | Professor Jason Lima | emlinguagem.blogspot.com.br Página 18 TEXTO: 26 - Comum à questão: 98 Texto 1 Dar mais atenção a você é uma prioridade do Ministério da Saúde, mas é um compromisso que você também deve ter principalmente quem tem pressão alta. Se você é hipertenso, evite sal na comida. É importantíssimo uma alimentação saudável. Não fume, controle o seu peso e a taxa de colesterol. Faça acompanhamento periódico e pratique atividade física regularmente, mas nunca sem consultar um médico. Os postos de saúde estão prontos para atender você. 98 - (EFOA MG) “HIPERTENSO, ALÉM DO MINISTÉRIO DA SAÚDE, OUTROS ÓRGÃOS TAMBÉM SE PREOCUPAM COM VOCÊ.” Com base no fragmento acima, assinale a afirmativa INCORRETA: a) O termo “hipertenso” tem a função comunicativa de interpelar alguém. b) O termo “hipertenso” além de interpelar alguém funciona também como sujeito da sentença. c) Os termos “além do” e “também” funcionam como elementos que adicionam informações à idéia central. d) O termo “você” é usado para envolver e interpelar diretamente o leitor do texto. e) O termo “órgãos” tem sentido diferente do que em “Esses órgãos são responsáveis por intermediar as relações entre os países.” 99 - (FGV ) A propósito do trecho “Compadeceu-se o Senhor. Passou o furacão. Tenho a cabeça fria da beira da sepultura, de onde me ergui.”, pode-se dizer que: a) Teodora diz que Deus havia tido dó de seus sofrimentos. Assim, o termo Senhor é sujeito de compadeceu-se. b) A autora da carta dirige-se a Deus; assim, a função sintática de Senhor é vocativo. c) Teodora é sujeito do verbo compadecer. d) “O Senhor” é aposto. e) Em passou o furacão, identifica-se a figura chamada silepse. TEXTO: MAR PORTUGUÊS Ó mar salgado, quanto do teu sal São lágrimas de Portugal! Por te cruzarmos, quantas mães choraram, Quantos filhos em vão rezaram! Quantas noivas ficaram por casar Para que fosses nosso, ó mar! Valeu a pena? Tudo vale a pena Se a alma não é pequena. Quem quer passar além do Bojador Tem que passar além da dor. Deus ao mar o perigo e o abismo deu, Mas nele é que espelhou o céu. Fonte: PESSOA, F. Mensagem. In: Mensagem e outros poemas afins seguidos de Fernando Pessoa e idéia de Portugal. Mem Martins: Europa-América [19-]. 100 - (UEL PR) Em “Ó mar salgado, quanto do teu sal / São lágrimas de Portugal”. A expressão Ó mar salgado classifica-se, sintaticamente, como: a) Sujeito, pois expressa o ser de quem se diz algo. b) Objeto, pois completa o sentido do verbo transitivo direto. c) Vocativo, pois expressa o ser a quem se dirige a mensagem do narrador. d) Complemento nominal, pois completa a idéia expressa por um nome. e) Aposto, pois explica e identifica o termo a que se refere o narrador.
  • 19. CILP – Curso Isolado de Língua Portuguesa | Professor Jason Lima | emlinguagem.blogspot.com.br Página 19 GABARITO: 1) Gab: E 2) Gab: B 3) Gab: D 4) Gab: C 5) Gab: C 6) Gab: A 7) Gab: D 8) Gab: C 9) Gab: C 10) Gab: A 11) Gab: D 12) Gab: E 13) Gab: A 14) Gab: D 15) Gab: C 16) Gab: A 17) Gab: B 18) Gab: B 19) Gab: C 20) Gab: C 21) Gab: B 22) Gab: C 23) Gab: D 24) Gab: D 25) Gab: D 26) Gab: C 27) Gab: E 28) Gab: B 29) Gab: C 30) Gab: C 31) Gab: B 32) Gab: D 33) Gab: E 34) Gab: E 35) Gab: C 36) Gab: B 37) Gab: E 38) Gab: D 39) Gab: A 40) Gab: D 41) Gab: E 42) Gab: A 43) Gab: D 44) Gab: A 45) Gab: D 46) Gab: D 47) Gab: A 48) Gab: D 49) Gab: A 50) Gab: E 51) Gab: D 52) Gab: D 53) Gab: A 54) Gab: D ou A "Os donos do país" são as "elites", ou parte delas, que são objeto da observação anterior do humorista ("as elites tão senis"). A "incoerência" dos "donos do país" pode ser associada à "pobreza de espírito" mencionada na alternativa d. As demais alternativas não são aceitáveis porque não é correto associar "donos do país" nem aos "governantes" e aos "políticos" (a e b), que muitas vezes não são mais do que representantes dos tais donos, nem muito menos ao "povo" (c), que se situa no pólo oposto ao das elites, ou à "loucura das mulheres no governo" (e), pelo fato de ser mulher e rainha a personagem louca mencionada nos versos da paródia de Millôr Fernandes (assim como no original de Manuel Bandeira). A alternativa a é a que mais se presta a confusão, dado que a falta de coerência pode ser descrita como "inconseqüência". Ocorre, porém, que a identificação de "donos do país" com "governantes" nem encontra apoio no texto, nem, necessariamente, nos fatos (o famoso livro de Raymundo Faoro, de título semelhante, é uma demonstração
  • 20. CILP – Curso Isolado de Língua Portuguesa | Professor Jason Lima | emlinguagem.blogspot.com.br Página 20 disso). Não obstante, é de temer que, num teste impreciso como este (como se poderia determinar a que grupo de fato se refere a expressão "donos do país"?), a Banca Examinadora tenha considerado a alternativa a como correta. 55) Gab: D 56) Gab: D 57) Gab: E 58) Gab: A 59) Gab: E 60) Gab: A 61) Gab: B 62) Gab: A 63) Gab: D 64) Gab: B 65) Gab: E 66) Gab: E 67) Gab: D 68) Gab: C 69) Gab: C 70) Gab: C 71) Gab: C 72) Gab: E 73) Gab: E 74) Gab: D 75) Gab: C 76) Gab: B 77) Gab: A 78) Gab: B 79) Gab: C 80) Gab: B 81) Gab: C 82) Gab: A 83) Gab: B 84) Gab: D 85) Gab: 31 86) Gab: 19 87) Gab: 15 88) Gab: D 89) Gab: A 90) Gab: C 91) Gab: C 92) Gab: A 93) Gab: D 94) Gab: E 95) Gab: D 96) Gab: B 97) Gab: D 98) Gab: B 99) Gab: A 100) Gab: C