Machado de Assis e seu Dom Casmurro

21.147 visualizações

Publicada em

Orientações sobre a leitura de Dom Casmurro

Publicada em: Educação
6 comentários
35 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
21.147
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
10.059
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
6
Gostaram
35
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Machado de Assis e seu Dom Casmurro

  1. 1. Machado de Assis “Sonharás uns amores de romance, quase impossíveis. Digo-lhe que faz mal, que é melhor contentar-se com a realidade; se ela não é brilhante como os sonhos, tem pelo menos a vantagem de existir.”
  2. 2. Contexto Histórico
  3. 3. Machado de Assis nasceu na Biografiacidade do Rio de Janeiro, era mestiço e de origem humilde. Cresceu sob os cuidados da madrasta Maria Inês, pois assim como a mãe, aportuguesa Maria Leopoldina, seu pai, o mulato Francisco José de Assis, morreu cedo. Apesar de ter frequentado escolapública e começado a trabalhar desde cedo, alcançou boa posição como funcionário público, cargo que lheproporcionou tranqüilidade financeira. Casado com Carolina Xavier deNovais, Machado de Assis dedicou-seà literatura e produziu a melhor prosa brasileira do século XIX. Machado aos 25 anos Não deixou filhos.
  4. 4. À CarolinaQuerida, ao pé do leito derradeiroEm que descansas dessa longa vida,Aqui venho e virei, pobre querida,Trazer-te o coração do companheiro.Pulsa-lhe aquele afeto verdadeiroQue, a despeito de toda a humana lida,Fez a nossa existência apetecidaE num recanto pôs um mundo inteiro.Trago-te flores, - restos arrancadosDa terra que nos viu passar unidosE ora mortos nos deixa e separados.Que eu, se tenho nos olhos malferidosPensamentos de vida formulados,São pensamentos idos e vividos.
  5. 5. As fases machadianas Memórias póstumas de Brás Cubas (1881) Machado revela-se mais maduro a partir desta publicação Os romances e contos anteriores O escritor desenvolve uma ironia feroz, à década de 1880 revelam retrata um humor velado e amargo influências românticas, em relação àquilo que retrata. assim como Ressurreição , Nessa nova fase incluem-se os romances A mão e a luva , Quincas Borba , Dom Casmurro eHelena, Iaiá Garcia , Contos Fluminenses e Histórias da meia-noite Memorial de Aires.
  6. 6. Entre seus romances realistas estão •Memórias póstumas de Brás Cubas (1881), •Quincas Borba (1891), •Dom Casmurro ( 1900), • Esaú e Jacó (1904), •Memorial de Aires (1908). Entre seus inúmeros contos realistas estão: •“O alienista”, •“A cartomante”, •“Missa do galo”, •“Uns braços”, •“O espelho”, • “Cantiga de esponsais”, •“Teoria do medalhão”,O escritor desenvolve uma ironia feroz, retrata •“A causa secreta”.um humor velado e amargo em relação àquilo * O escritor compôs cerca de 200 contos. que retrata.
  7. 7. “Publicado em 1881, Memórias Póstumas de Brás Cubas, além de inaugurar o Realismo brasileiro, apresenta as mais radicais experimentações na prosa do país até então. Narrado por um defunto, de forma digressiva e agressiva, o romance apresenta a vida inútil e desperdiçada do anti-herói Brás Cubas. Utilizando recursos narrativos inusitados, Machado surpreende a cada página com sua ironia cortante e, acima de tudo, com a inteligência que prende até o leitor mais desconfiado. Antecipando procedimentos modernistas e descobertas da psicanálise, esta obra ácida e irônica de Machado de Assis eleva a literatura brasileira a um patamar jamais antes atingido.”1881
  8. 8. Realismo interesses econômicos dissimulação e vaidade ambição desmedidaadultério
  9. 9. Filmografia IndicadaFilme: O Rio de Machado de Assis.Produção: Norma BengellFilme de : Sônia Nercessian e Kika LopesElenco: Paulo José, Fernanda Torres, José de Abreu,Tonico Pereira.Realização: NB Produções e GlobosatDocumentário: Alma Curiosa de Perfeição -Machado de Assis.Produção: José Maria Ulles, Marcos Brochado eRaquel Madeira.Narração: Lauro Moreira e Myriam Violeta.
  10. 10. Estrutura da obra O romance Dom Casmurro é dividido em 148 capítulos de diversas dimensões, predominando os curtos (técnica já utilizada em Memórias Póstumas de Brás Cubas).Ação O enredo da obra não é dinâmico, já que predomina o elemento psicológico. A narrativa é digressiva, ou seja, interrompida todo o tempo por fugas da linearidade para acrescentar pensamentos ou lembranças fragmentadas do narrador.
  11. 11. Tempo “A primeira referência é o ano de 1857, no momento que José Dias sugere a D. Glória a necessidade de apressar a ida de Bentinho para o seminário. Em 1858, Bentinho vai para o seminário. Em 1865, Bentinho e Capitu casam-se. Em 1872, Bentinho e Capitu separam-se. Aliás, se observarmos melhor essas datas, veremos que entre a ida de Bentinho para o seminário e o casamento decorrem sete anos, entre este último e a separação mais sete anos. Se tomarmos em conta essa “suposta coincidência”, podemos perceber que cada período forma um ciclo completo: ascensão, plenitude e declínio ou morte do sentimento amoroso.” (http://www.passeiweb.com/na_ponta_lingua/livros/analises_completas/d/dom_casmurro/)
  12. 12. Espaço Toda a ação narrativa passa-se no Rio de Janeiro. O narrador faz-nos acompanhar sua trajetória pelos bairros e ruas do Rio, desde o Engenho Novo, onde escreve sua obra, até a Rua de Matacavalos, onde passou sua infância e conheceu Capitu. É interessante lembrar, que as duas casas amarram-se novamente num círculo perfeito, já que a do Engenho Novo foi construída à semelhança da casa de Matacavalos. A tentativa do narrador de atar as duas pontas da vida parece funcionar não apenas na ligação entre o presente e o passado, mas também na própria estrutura da obra, como vimos na introdução dessa parte. (http://www.passeiweb.com/na_ponta_lingua/livros/analises_completas/d/dom_casmurro/) “O Rio de Janeiro de Machado de Assis” (Vídeo divulgado pela Academia Brasileira de Letras)
  13. 13. O narradorO foco narrativo é em primeira pessoa e toda a narrativa éum flashback do narrador.Decidiu escrever um livro para se livrar dos fantasmas dopassado, demonstrando definitivamente que não errou naatitude que tomou em relação à mulher e ao filho. A ação sepassa aproximadamente entre 1857 e 1875, embora o livrotenha sido escrito na década de 1890.Bento SantiagoCinqüentão amargurado, solitário e magoado. Vai reconstituindo o tempoperdido de sua existência, desde a infância até o início da velhice, filtrandotodos os fatos sob a sua ótica de vida.Emotivamente, encontra-se mutilado, pois acredita ter sido traído pelaesposa, Capitu, e pelo melhor amigo, Escobar.
  14. 14. Machado: realismo + inovação de estilo Os realistas tinham como prática conduzir o leitor por uma narrativa linear. O que significa dizer que Machado de Assis inovou este procedimento?
  15. 15. http://www.youtube.com/watch?v=D4X_yKkIAqg
  16. 16. Tio Escobar Todos os Cosme Sanchapersonagenssó se tornam conhecidos Padre D.Glóriado leitor pela Cabral perspectivade Bentinho. Esse é o José Donagrande lance Bentinho Dias Fortunata da obra: aescolha certa do foco narrativo. Ezequiel Capitu Prima Senhor Justina Pedro Pádua Santiago
  17. 17. Qual a principal armadilha do romance? A professora americana Helen Cadwel apontaBentinho, e não a esposa,como o problema central a ser desvendado. Por quê???
  18. 18. Casmurro “Não consultes dicionários. Casmurro não está aqui no sentido que eles lhe dão, mas no que lhe pôs o vulgo de homem calado e metido consigo. Dom veio por ironia, para atribuir-me fumos de fidalgo. Tudo por estar cochilando! Também não achei melhor título para a minha narração; se não tiver outro daqui até o fim do livro, vai este mesmo. O meu poeta do trem ficará sabendo que não lhe guardo rancor. E com pequeno esforço, sendo o título seu, poderá cuidar que a obra é sua. Há livros que Habilidadse como o apenas terão isso dos seus autores; alguns nem narrador faz parecer tanto.” sem importância o que Por que Machado cria esta é fundamental... ironia, dizendo que há Realismo?? Relaçaõ?? livros, que de seus autores, apenas têm o título? O que há nos livros, então?
  19. 19. Casmurro ou Bento?Bento – santo; Santiago- santinho + Iago personagem de Otelo, de Shakespeare que, como um diabo, um demônio ardiloso, instila o mal, o ciúme e a vingança no coração doSantiago como fusão entre o bem e o mal, de príncipe; Iago é o responsável direto pelo assassinato de Desdêmona.santo com Iago. Nesse sentido, o ciúme deBentinho aproxima-se do drama de Otelo. De que forma o próprio nome do narrador insinua a sua ambiguidade ?
  20. 20. O que teria levado Bentinho à situação de indivíduo ensimesmado, fechado, solitário, teimoso, um casmurro?A morte: primeiro dos familiares, depois da mulher e do filho,tornam o narrador um indivíduo sem amigos, que vive apenas em seu mundo particular, isolado das demais pessoas.
  21. 21. Capítulo IX A ópera “(…) e como eu lhe dissesse que a vida tanto podia ser uma ópera, como uma viagem de mar ou uma batalha, abanou a cabeça e replicou: -A vida é uma ópera e uma grande ópera. O tenor e o barítono lutam pelo soprano (…). Deus é o poeta. A música é de Satanás, jovem maestro de muito futuro(…)Capítulo XAceito a teoria (…) pela verossimilhança, que é muita vez toda a verdade (…) minha vida se casa bem à definição.
  22. 22. “Cantei um duo terníssimo,depois um trio, depois um quatuor…” (Bentinho, capítulo X) Bentinho aproveita a metáfora da ópera para representar suas relações amorosas. A quais relações referem-se o duo, o trio e o quatuor ?
  23. 23. Diálogo entre as obras“Pérfida como a onda”“Uma mulher pérfida é um demônio doméstico,um punhal oculto nas mangas de um jesuíta”(Otelo, Shakespeare) “Capitu(…) aqueles olhos que o diabo lhe deu… Você já reparou nos olhos dela?” (Dom Casmurro, Machado de Assis- cap.XXV) “Olhos de ressaca? Vá, de ressaca (…) fluido misterioso e energético, uma força que arrastava para dentro, como a vaga que se retira da praia, nos dias de ressaca. Para não ser arrastado, agarrei-me às outras partes” (Dom Casmurro, Machado de Assis- cap.XXXII)
  24. 24. Quem é Capitu ? "criatura de 14 anos, alta, forte e cheia, apertada em um vestido de chita, meio desbotado. Os cabelos grossos, feitos em duas tranças, com as pontas atadas uma à outra, à moda do tempo,... morena, olhos claros e grandes, nariz reto e comprido, tinha a boca fina e o queixo largo... calçava sapatos de duraque, rasos e velhos, a que ela mesma dera alguns pontos". (Bentinho,cap. XIII)
  25. 25. Capitu“Capitu, até a metade do livro, é quem dá as cartas na relação. Ela articula maneiras de livrá-lo [Bentinho] do seminário. Disso podemos tirar que ela é uma menina pobre, avançada e independente, muito diferente domodelo de mulher do século XIX e de D. Glória, mãe de Bentinho. Nesse sentido, Capitu representa no livroduas categorias sociais marginalizadasno Brasil: ser pobre e mulher. Junte-se a isso o fato de ela de ela “perturbar” a família abastada, isto é, casar-se com um homem rico” (Almanaque Abril,p. 70)
  26. 26. “Capitu sugere inúmerasderivações:• de caput (em latim, significacabeça) numa alusão à inteligênciaou à esperteza•Foneticamente aproxima-se decapeta, imagem da vivacidade, ouda maldade e traição com que aimpregna o narrador enciumado.”
  27. 27. Os olhos de Capitu Segundo José Dias, Capitu possuía "olhos de cigana oblíqua e dissimulada”, mas, para Bentinho os olhos pareciam "olhos de ressaca"; "Traziam não sei que fluido misterioso e energético, uma força que arrastava para dentro, com a vaga que se retira da praia, nos dias de ressaca" http://www.youtube.com/watch?v=rMExNsc8cLU&feature=related
  28. 28. O grande tema dessa obra é a suspeita do adultério nascida do “Capitu, até a metade do livro, é ciúme doentio do quem dá as cartas na relação. Ela narrador. articula maneiras de livrá-loEsse suposto adultério [Bentinho] do seminário. Disso é pano de fundo para podemos tirar que ela é umaque Machado de Assis menina pobre, avançada e introduza de forma independente, muito diferente do inovadora questõesrelativas à situação da modelo de mulher do século XIX mulher. e de D. Glória, mãe de Bentinho. Nesse sentido, Capitu representa no livro duas categorias sociais Pode-se afirmar, marginalizadas no Brasil: ser portanto, que pobre e mulher. Junte-se a isso o Machado de Assis fato de ela de ela “perturbar” a introduz na família abastada, isto é, casar-se literatura brasileira com um homem rico” o problema das classes (Almanaque Abril,p. 70)
  29. 29. Capitu (Luiz Tatit)De um lado vem você com seu jeitinhoHábil, hábil, hábilE pronto!Me conquista com seu dom Capitu A ressaca dos maresDe outro esse seu site petulante A sereia do sulWWW Captando os olharesPonto Nosso totem tabuPoderosa ponto com A mulher em milhares CapituÉ esse o seu modo de ser ambíguoSábio, sábio No site o seu poder provoca o ócio, o ócioE todo encanto Um passo para o vício, o vícioCanto, canto É só navegar, é só te seguir, e então naufragarRaposa e sereia da terra e do marNa tela e no ar CapituVocê é virtualmente amada amante Feminino com arteVocê real é ainda mais tocante A traição atraenteNão há quem não se encante Um capítulo à parte Quase vírus ardenteUm método de agir que é tão astuto Imperando no siteCom jeitinho alcança tudo, tudo, tudo CapituÉ só se entregar, é não resistir, é capitular
  30. 30. O Realismo dissimulado Dom Casmurro coloca no centro de sua temática a menina que não se deixa comandar e, em virtude disso, perturba a ordem vigente naquele ambiente social estreito e conservador.
  31. 31. É interessante notar as inúmerascitações bíblicas feitas porMachado de Assis durante todo olivro; mais que isso, é notar que naépoca em que o Romance foiescrito, estávamos vivendo omovimento literário chamadoRealismo, no qual predominava arazão sobre a emoção econsequentemente oantropocentrismo sobre oteocentrismo. E, mesmo assim, namaioria das obras Machadianas,temos a constante e intensapresença da religião, em especialna obra Dom Casmurro, na qual aprimeira trama acontece devido aofato de a mãe de Bentinho,D.Glória, ter feito uma promessa aDeus pela vida de seu filho. por Paula Bulio, in : www.geocities.com/linguasolta/paulabulio.htm
  32. 32. + inovação Uma das características marcantes da obra de Machado de Assis é a análise psicológica. O autor chegou até mesmo a antecipar conceitos que mais tarde o próprio Sigmund Freud (1856-1939) formalizaria, como é o caso do complexo de Édipo, claramente prefigurado no romance. **TORRES,Risiel Cristine Pires Koch, 2010. disponível em http://letras.cesjf.br/node/14228
  33. 33. Quem é Escobar? “Era um rapaz esbelto, olhos claros, um pouco fugitivos, como as mãos, como os pés, como a fala, como tudo (…) Não fitava de rosto, não falava claro nem seguido (…) Escobar veio abrindo a alma toda, desde a porta da rua até o fundo do quintal.” (Cap. LVI) “Escobar era muito polido. (…) Os olhos de Escobar eram dulcíssimos”. “Assim os definiu José Dias.” ( Cap.LXXI) Ezequiel de Souza Escobar* Capítulo: O seminarista
  34. 34. José Dias agregado Depois de muitos anos em casa de D. Glória, passou a fazer parte da família, sendo ouvido pela velha senhora. "com o tempo adquiriu curta autoridade na família, certa audiência, ao menos; não abusava, e sabia opinar obedecendo" Tenta, no início, persuadir Dona Glória a mandar Bentinho para o Seminário, passando-se, depois para cúmplice do menino: "as cortesias que fizesse vinham antes do cálculo que da índole". Não apenas cuidava de Bentinho como protegia-o de forma paternal. http://www.youtube.com/watch?v=7tlfM3AWRBg&feature=related
  35. 35. De onde vem a desconfiança? Capitu sempre soube exatamente o que queria: casar-se com Bentinho. Ao contrário de Bentinho, ela é forte, consegue facilmente dissimular situações embaraçosas, como as duas primeiras vezes que se beijaram. Em ambas ela tomou a atitude inicial e também soube sair-se bem diante da mãe, e depois, do pai. http://www.youtube.com/watch?v=- AB6m7PtCkk&feature=related http://www.youtube.com/watch?v=I7-5biqAXpICapítulo: Olhos de ressaca + o penteado Capítulo: A inscrição
  36. 36. É dessa força de Capitu que nasce a fraqueza de Bentinho. Este não sabia o que esperar dasatitudes da mulher, que seguia seus próprios passos e princípios. Isso gerava a incerteza efazia nascer a suspeita. Estamos certos de que, se o quisesse, Capitu realmente teria traídoBentinho, sem que esse sequer suspeitasse, se é que não o fez. Ela sabia dissimular comoninguém e manter-se em seu pedestal. Bentinho sabia disso e daí cresce a dúvida que oamargura e angustia.
  37. 37. Capitu traiu ou não o marido? "Até hoje, a maioria das pessoas só tem se preocupado emressaltar a ambigüidade e dissimulação de Capitu, porque isso éo que Bentinho diz dela. Não se pode esquecer, porém, que DomCasmurro é um retrato de mulher feito pelo marido. Vem daí queaquela a ambigüidade depende da maneira com que o marido a vê. E, além disso, sendo um retrato moral, jamais poderia ser preciso." (Ivan Teixeira, crítico literário) Será que isso, de fato, importa?
  38. 38. Traiu ou não traiu? Importa? Caso não tenha sido traído, Bentinho pensou que foi. Então agiu da mesma maneira: mandou a família para a Europa, não assumiu sua separação, etc. Isso nos leva a concluir que tanto faz, e que discutiremos o fato ad aeternum enquanto o velho bruxo do Cosme Velho ri de nós lá do infinito, em sua eterna superação de tudo quanto é humano.
  39. 39. Filmografia Indicada Título: Capitu Título: Dom Diretor: Luiz Diretor: Moacyr Fernando Carvalho Góes País de produção: País de produção: Brasil, 2008. Brasil, 2003. Duração: 300 min. Duração: 91 min.
  40. 40. Fontes de pesquisa• Andrade, Fernando Teixeira. "Memórias Póstumas de Brás Cubas" In: Os Livros da Fuvest I. São Paulo: Ed. Sol, 2001.• Assis, Machado de. Dom Casmurro. Ed. Ática, 28a edição• http://www.passeiweb.com/na_ponta_lingua/livros/analises_completas/d/dom_casmurro/• http://pre-vestibular.arteblog.com.br/52151/DOM-CASMURRO-O-Otelo-de-Machado-de-Assis/• http://www.biblio.com.br/defaultz.asp?link=http://www.biblio.com.br/conteudo/MachadodeAssis/domcasmurro.htm• http://consultoriopsique.com.br/allborralho/analise-psicologica-da-obra-%E2%80%9Cdom-casmurro%E2%80%9D-a-luz-da- psicologia-analitica/• http://guiadoestudante.abril.com.br/estude/literatura/materia_416084.shtml• TORRES,Risiel Cristine Pires Koch, 2010. disponível em http://letras.cesjf.br/node/14228• Almanaque Abril,Edição I, 2007.• SILVA, Maurício.Estética Literária;. Editora Fundo de Cultura, Rio de Janeiro, 1973..• ASSIS, Machado.O Estado de São Paulo/ Klick Editora, Indiana, 1997.• http://educacao.uol.com.br/literatura/realismo-contexto-historico-do-movimento.jhtm Todas as imagens utilizadas nesta apresentação estão disponíveis na internet. Pesquisa e organizaçãoProfa. Cláudia Heloísa C. AndriaGraduada em Letras – UnisantosContato: clauheloisa@yahoo.com.br

×