SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 90
Baixar para ler offline
Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul
Unidade: Glória de Dourados
Curso: Tecnologia em Produção Sucroalcooleira
Disciplina: Introdução ao Setor Sucroenergético
03
Produção de Açúcar, Etanol e Energia
Prof. Clauber Dalmas Rodrigues
<clauber@uems.br>
Fevereiro/2015
Clauber D.R. (UEMS) Produção açúcar/etanol fev15 1 / 38
Sumário
1 Introdução
2 Usinas sucroenergéticas
3 Produção de açúcar
Maiores países importadores de açúcar
Maiores países exportadores de açúcar
4 Produção de etanol
5 Produção de Energia
A matrix energética Brasileira
Clauber D.R. (UEMS) Produção açúcar/etanol fev15 2 / 38
Sumario
1 Introdução
2 Usinas sucroenergéticas
3 Produção de açúcar
Maiores países importadores de açúcar
Maiores países exportadores de açúcar
4 Produção de etanol
5 Produção de Energia
A matrix energética Brasileira
Clauber D.R. (UEMS) Produção açúcar/etanol fev15 3 / 38
Breve comentário
Assim, o país produz etanol durante praticamente o ano todo, apesar de
a produção de etanol na região Norte-Nordeste ser de apenas 10% do
total nacional, que foi de 22,5 bilhões de litros em 2007.
Clauber D.R. (UEMS) Produção açúcar/etanol fev15 4 / 38
Breve comentário
Assim, o país produz etanol durante praticamente o ano todo, apesar de
a produção de etanol na região Norte-Nordeste ser de apenas 10% do
total nacional, que foi de 22,5 bilhões de litros em 2007.
As melhores destilarias produzem aproximadamente 85 litros de etanol
anidro por tonelada de cana.
Clauber D.R. (UEMS) Produção açúcar/etanol fev15 4 / 38
Breve comentário
Assim, o país produz etanol durante praticamente o ano todo, apesar de
a produção de etanol na região Norte-Nordeste ser de apenas 10% do
total nacional, que foi de 22,5 bilhões de litros em 2007.
As melhores destilarias produzem aproximadamente 85 litros de etanol
anidro por tonelada de cana.
As usinas têm produção em torno de 71 kg de açúcar e 42 litros de
etanol para cada tonelada de cana processada
Clauber D.R. (UEMS) Produção açúcar/etanol fev15 4 / 38
Sumario
1 Introdução
2 Usinas sucroenergéticas
3 Produção de açúcar
Maiores países importadores de açúcar
Maiores países exportadores de açúcar
4 Produção de etanol
5 Produção de Energia
A matrix energética Brasileira
Clauber D.R. (UEMS) Produção açúcar/etanol fev15 5 / 38
Figura 2.1: Usinas sucroenergéticas no Brasil (UDOP, 2015).
Clauber D.R. (UEMS) Produção açúcar/etanol fev15 6 / 38
Figura 2.2: Usinas sucroenergéticas no Estado do MS (UDOP, 2015).
Clauber D.R. (UEMS) Produção açúcar/etanol fev15 7 / 38
Tabela 1: Usinas atualmente em operação no estado do MS (UDOP, 2015).
No. Usina Grupo Município
5 Aurora Anaurilândia
1 Adecoagro - Unidade Angélica Adecoagro Angélica
4 Alcoolvale Aparecida do Taboado
13 Laguna Batayporã
3 Agrisul Agrícola Brasilândia
17 Raízen - Unidade Caarapó Raízen Caarapó
12 Iaco Agrícola Chapadão do Sul
14 Odebrecht Agroindustrial - Unidade
Costa Rica
Odebrecht Costa Rica
20 São Fernando Dourados
18 Rio Parana Eldorado
11 Fátima do Sul Fátima do Sul
10 Dcoil Iguatemi
2 Adecoagro - Unidade Ivinhema Adecoagro Ivinhema
6 Biosev - Unidade Maracajú Biosev Maracajú
23 Tonon - Unidade Vista Alegre Maracajú
24 Usinavi Naviraí
16 Odebrecht Agroindustrial - Unidade
Santa Luzia 1
Odebrecht Nova Alvorada do Sul
Clauber D.R. (UEMS) Produção açúcar/etanol fev15 8 / 38
19 Santa Helena – (MS) Nova Andradina
22 Terra Verde Nova Andradina
9 Bunge Brasil - Unidade Monteverde Bunge Ponta Porã
7 Biosev - Unidade Passa Tempo Biosev Rio Brilhante
8 Biosev - Unidade Rio Brilhante Biosev Rio Brilhante
15 Odebrecht Agroindustrial - Unidade El-
dorado
Odebrecht Rio Brilhante
21 Sonora Sonora
25 Vicentina Vicentina
Clauber D.R. (UEMS) Produção açúcar/etanol fev15 9 / 38
Clauber D.R. (UEMS) Produção açúcar/etanol fev15 10 / 38
Sumario
1 Introdução
2 Usinas sucroenergéticas
3 Produção de açúcar
Maiores países importadores de açúcar
Maiores países exportadores de açúcar
4 Produção de etanol
5 Produção de Energia
A matrix energética Brasileira
Clauber D.R. (UEMS) Produção açúcar/etanol fev15 11 / 38
2005/06
2006/07
2007/08
2008/09
2009/10
2010/11
2011/12
2012/13
2013/14
2014/15
26
28
30
32
34
36
38
26,4
30,2
31,3 31,6
33,1
38,2 38,3 38,3
37,9
36,4
Safra
emmilhõesdetoneladas Produção de açúcar no Brasil
Brasil
Figura 3.1: Série histórica de açúcar produzido no Brasil e em MS (Conab, 2015). Nota:
Previsão para safra 2014/2015
2005/06
2006/07
2007/08
2008/09
2009/10
2010/11
2011/12
2012/13
2013/14
2014/15
337,0
576,0 603,0
1.006,0
747,0
1.329,0
1.742,01.742,0
1.368,0
1.454,0
Safra
emmilhõesdetoneladas
Produção de açúcar no MS
MS
Figura 3.2: Série histórica de açúcar produzido no MS (Conab, 2015). Nota: Previsão para safra
2014/2015
Sumario
1 Introdução
2 Usinas sucroenergéticas
3 Produção de açúcar
Maiores países importadores de açúcar
Maiores países exportadores de açúcar
4 Produção de etanol
5 Produção de Energia
A matrix energética Brasileira
Clauber D.R. (UEMS) Produção açúcar/etanol fev15 14 / 38
Indonésia
E.U.A
C
hina
U
nião
Européia
Índia
0
1
2
3
4
3,0
3,3
4,4
3,4
0,2
3,6
2,6
2,8
3,8
1,3
3,3
3,0
2,0
3,5
0,5
País
emmilhõesdetoneladas Maiores países importadores de açúcar
2011/12
2011/12
2013/14
Figura 3.3: Maiores países importadores de açúcar (JANK, 2013).
Paises maiores importadores de açúcar
Os E.U.A. juntamente com a Indonésia continuarão como os maiores
importadores mundiais.
Clauber D.R. (UEMS) Produção açúcar/etanol fev15 16 / 38
Paises maiores importadores de açúcar
Os E.U.A. juntamente com a Indonésia continuarão como os maiores
importadores mundiais.
Forte redução das importações da China em função da boa produção da
safra 2012/13.
Clauber D.R. (UEMS) Produção açúcar/etanol fev15 16 / 38
Paises maiores importadores de açúcar
Os E.U.A. juntamente com a Indonésia continuarão como os maiores
importadores mundiais.
Forte redução das importações da China em função da boa produção da
safra 2012/13.
Rússia aumentando as importações com a queda na área plantada em
2013/14.
Clauber D.R. (UEMS) Produção açúcar/etanol fev15 16 / 38
Paises maiores importadores de açúcar
Os E.U.A. juntamente com a Indonésia continuarão como os maiores
importadores mundiais.
Forte redução das importações da China em função da boa produção da
safra 2012/13.
Rússia aumentando as importações com a queda na área plantada em
2013/14.
Índia é mais uma vez a grande incógnita do mercado. Se a produção
local for abaixo de 25 milhões de ton., o país poderá facilmente importar
volumes maiores que 1,0 milhões de ton (JANK, 2013).
Clauber D.R. (UEMS) Produção açúcar/etanol fev15 16 / 38
Sumario
1 Introdução
2 Usinas sucroenergéticas
3 Produção de açúcar
Maiores países importadores de açúcar
Maiores países exportadores de açúcar
4 Produção de etanol
5 Produção de Energia
A matrix energética Brasileira
Clauber D.R. (UEMS) Produção açúcar/etanol fev15 17 / 38
Brasil
Tailândia
Austrália
Índia
E.U.A
0
10
20
30
25,0
7,9
2,8
3,8
2,3
25,4
8,0
3,1
0,6
1,5
27,9
8,5
3,4
0,5
1,3
País
emmilhõesdetoneladas
Maiores países Exportadores de açúcar
2011/12
2011/12
2013/14
Figura 3.4: Maiores países exportadores de açúcar (JANK, 2013).
Países maiores exportadores de açúcar
Brasil → forte aumento das exportações devido a safra recorde de cana.
Clauber D.R. (UEMS) Produção açúcar/etanol fev15 19 / 38
Países maiores exportadores de açúcar
Brasil → forte aumento das exportações devido a safra recorde de cana.
Tailândia→ Nova super-safra de cana no horizonte de 2013/14,
aumentando o volume recorde para 8,5 milhões de ton.
Clauber D.R. (UEMS) Produção açúcar/etanol fev15 19 / 38
Países maiores exportadores de açúcar
Brasil → forte aumento das exportações devido a safra recorde de cana.
Tailândia→ Nova super-safra de cana no horizonte de 2013/14,
aumentando o volume recorde para 8,5 milhões de ton.
Austrália → Produção e exportação estagnada. Embarques distantes do
volume recorde de 4,5 milhões de ton. exportados na década de 90.
Clauber D.R. (UEMS) Produção açúcar/etanol fev15 19 / 38
Países maiores exportadores de açúcar
Brasil → forte aumento das exportações devido a safra recorde de cana.
Tailândia→ Nova super-safra de cana no horizonte de 2013/14,
aumentando o volume recorde para 8,5 milhões de ton.
Austrália → Produção e exportação estagnada. Embarques distantes do
volume recorde de 4,5 milhões de ton. exportados na década de 90.
Índia → Safra mediana. O mercado passou a ter uma parcial
desregulamentação nos preços e permissões de importações e
exportações. Mas o preço da cana ainda é controlado pelos estados.
Clauber D.R. (UEMS) Produção açúcar/etanol fev15 19 / 38
Países maiores exportadores de açúcar
Brasil → forte aumento das exportações devido a safra recorde de cana.
Tailândia→ Nova super-safra de cana no horizonte de 2013/14,
aumentando o volume recorde para 8,5 milhões de ton.
Austrália → Produção e exportação estagnada. Embarques distantes do
volume recorde de 4,5 milhões de ton. exportados na década de 90.
Índia → Safra mediana. O mercado passou a ter uma parcial
desregulamentação nos preços e permissões de importações e
exportações. Mas o preço da cana ainda é controlado pelos estados.
E.U.A. → Menor área plantada com beterraba, queda no volume
exportado.
Clauber D.R. (UEMS) Produção açúcar/etanol fev15 19 / 38
Sumario
1 Introdução
2 Usinas sucroenergéticas
3 Produção de açúcar
Maiores países importadores de açúcar
Maiores países exportadores de açúcar
4 Produção de etanol
5 Produção de Energia
A matrix energética Brasileira
Clauber D.R. (UEMS) Produção açúcar/etanol fev15 20 / 38
2003
2004
2005
2006
2007
2008
40
50
60
70
32,9
36,4
39,8
47,0
58,8
70,6
Safra
embilhõesdelitros
Produção de etanol no Mundo
Mundo
Figura 4.1: Série histórica de produção de etanol no mundo. (FAO, 2009).
2005/06
2006/07
2007/08
2008/09
2009/10
2010/11
2011/12
2012/13
2013/14
2014/15
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
17,0
17,4
23,0
26,7
25,8
27,6
23,4 23,6
28,0
28,7
Safra
embilhõesdelitros Produção de etanol no Brasil
Brasil
Figura 4.2: Série histórica de etanol produzido no Brasil (Conab, 2015). Nota: Previsão para
safra 2014/2015
2005/06
2006/07
2007/08
2008/09
2009/10
2010/11
2011/12
2012/13
2013/14
2014/15
0,5
1
1,5
2
2,5
0,6 0,6
0,9
1,1
1,3
1,9
1,9 1,9
2,2
2,6
Safra
embilhõesdelitros Produção de etanol no MS
MS
Figura 4.3: Série histórica de etanol produzido no MS (Conab, 2015). Nota: Previsão para safra
2014/2015
Sumario
1 Introdução
2 Usinas sucroenergéticas
3 Produção de açúcar
Maiores países importadores de açúcar
Maiores países exportadores de açúcar
4 Produção de etanol
5 Produção de Energia
A matrix energética Brasileira
Clauber D.R. (UEMS) Produção açúcar/etanol fev15 24 / 38
Sumario
1 Introdução
2 Usinas sucroenergéticas
3 Produção de açúcar
Maiores países importadores de açúcar
Maiores países exportadores de açúcar
4 Produção de etanol
5 Produção de Energia
A matrix energética Brasileira
Clauber D.R. (UEMS) Produção açúcar/etanol fev15 25 / 38
Matrix Energética
Conceito
Matriz energética é toda energia disponibilizada para ser transformada,
distribuída e consumida nos processos produtivos, é uma representação
quantitativa da oferta de energia, ou seja, da quantidade de recursos
energéticos oferecidos por um país ou por uma região.
Figura 5.1: Alguns exemplos de fontes de
energia que compõem uma matrix
energética. Fonte: www.significados.
com.br.
Clauber D.R. (UEMS) Produção açúcar/etanol fev15 26 / 38
Classificação de uma matrix energética
Renováveis
Clauber D.R. (UEMS) Produção açúcar/etanol fev15 27 / 38
Classificação de uma matrix energética
Renováveis
Hidrelétrica
Clauber D.R. (UEMS) Produção açúcar/etanol fev15 27 / 38
Classificação de uma matrix energética
Renováveis
Hidrelétrica
Eólica
Clauber D.R. (UEMS) Produção açúcar/etanol fev15 27 / 38
Classificação de uma matrix energética
Renováveis
Hidrelétrica
Eólica
Solar
Clauber D.R. (UEMS) Produção açúcar/etanol fev15 27 / 38
Classificação de uma matrix energética
Renováveis
Hidrelétrica
Eólica
Solar
Biomassa
Clauber D.R. (UEMS) Produção açúcar/etanol fev15 27 / 38
Classificação de uma matrix energética
Renováveis
Hidrelétrica
Eólica
Solar
Biomassa
Não-renováveis
Clauber D.R. (UEMS) Produção açúcar/etanol fev15 27 / 38
Classificação de uma matrix energética
Renováveis
Hidrelétrica
Eólica
Solar
Biomassa
Não-renováveis
Petróleo
Clauber D.R. (UEMS) Produção açúcar/etanol fev15 27 / 38
Classificação de uma matrix energética
Renováveis
Hidrelétrica
Eólica
Solar
Biomassa
Não-renováveis
Petróleo
carvão
Clauber D.R. (UEMS) Produção açúcar/etanol fev15 27 / 38
Classificação de uma matrix energética
Renováveis
Hidrelétrica
Eólica
Solar
Biomassa
Não-renováveis
Petróleo
carvão
Gás natural
Clauber D.R. (UEMS) Produção açúcar/etanol fev15 27 / 38
Classificação de uma matrix energética
Renováveis
Hidrelétrica
Eólica
Solar
Biomassa
Não-renováveis
Petróleo
carvão
Gás natural
Nuclear
Clauber D.R. (UEMS) Produção açúcar/etanol fev15 27 / 38
A Matrix energética do Mundial e Brasileira
A matriz energética brasileira é uma das mais limpas do planeta.
Clauber D.R. (UEMS) Produção açúcar/etanol fev15 28 / 38
A Matrix energética do Mundial e Brasileira
A matriz energética brasileira é uma das mais limpas do planeta.
Quase metade da energia (47%) consumida aqui é renovável.
Clauber D.R. (UEMS) Produção açúcar/etanol fev15 28 / 38
A Matrix energética do Mundial e Brasileira
A matriz energética brasileira é uma das mais limpas do planeta.
Quase metade da energia (47%) consumida aqui é renovável.
O número ganha destaque quando comparado à matriz energética
mundial, que, em 2007, era constituída de 82% de combustíveis fósseis -
fontes não renováveis (??).
Clauber D.R. (UEMS) Produção açúcar/etanol fev15 28 / 38
Renovável
10 % Outros
2 %
Hidroelétrica
34 %
Petróleo
6 %
Nuclear
21 %Gás 27 %
Carbono
Figura 5.2: Matrix energética mundial em 2007.
Clauber D.R. (UEMS) Produção açúcar/etanol fev15 29 / 38
Renovável
10 % Outros
2 %
Hidroelétrica
34 %
Petróleo
6 %
Nuclear
21 %Gás 27 %
Carbono
Figura 5.2: Matrix energética mundial em 2007.
Clauber D.R. (UEMS) Produção açúcar/etanol fev15 29 / 38
12.5 %
Madeira, eólica e
outras biomassas
14.2 %
Hidroelétrica
16.4 %
cana-de-açúcar
38.5 %
Petróleo e
derivados
Renováveis
6.1 %
Carvão
11 %
Gás natural
1.4 %
Urânio
Figura 5.3: Matrix energética Brasileira em 2012 (JANK, 2013).
Clauber D.R. (UEMS) Produção açúcar/etanol fev15 30 / 38
Renovável
12.5 %
Madeira, eólica e
outras biomassas
14.2 %
Hidroelétrica
16.4 %
cana-de-açúcar
38.5 %
Petróleo e
derivados
Renováveis
6.1 %
Carvão
11 %
Gás natural
1.4 %
Urânio
Figura 5.3: Matrix energética Brasileira em 2012 (JANK, 2013).
Clauber D.R. (UEMS) Produção açúcar/etanol fev15 30 / 38
Matrix Energética Mundial
Os combustíveis fosseis ainda são responsáveis por 3/4 da energia
consumida no mundo.
Clauber D.R. (UEMS) Produção açúcar/etanol fev15 31 / 38
Matrix Energética Mundial
Os combustíveis fosseis ainda são responsáveis por 3/4 da energia
consumida no mundo.
Durante muitos anos a base energética mundial foi o carvão mineral e
continua sendo ainda hoje em países como a China, segunda maior
economia mundial e caminhando rapidamente para o primeiro lugar com
uma população de mais de 1,3 bilhão de habitantes.
Clauber D.R. (UEMS) Produção açúcar/etanol fev15 31 / 38
Matrix Energética Mundial
Os combustíveis fosseis ainda são responsáveis por 3/4 da energia
consumida no mundo.
Durante muitos anos a base energética mundial foi o carvão mineral e
continua sendo ainda hoje em países como a China, segunda maior
economia mundial e caminhando rapidamente para o primeiro lugar com
uma população de mais de 1,3 bilhão de habitantes.
Na china o carvão é a base energética, por ele:
Clauber D.R. (UEMS) Produção açúcar/etanol fev15 31 / 38
Matrix Energética Mundial
Os combustíveis fosseis ainda são responsáveis por 3/4 da energia
consumida no mundo.
Durante muitos anos a base energética mundial foi o carvão mineral e
continua sendo ainda hoje em países como a China, segunda maior
economia mundial e caminhando rapidamente para o primeiro lugar com
uma população de mais de 1,3 bilhão de habitantes.
Na china o carvão é a base energética, por ele:
É gerada a energia elétrica pelas termoelétricas movimenta a indústria,
Clauber D.R. (UEMS) Produção açúcar/etanol fev15 31 / 38
Matrix Energética Mundial
Os combustíveis fosseis ainda são responsáveis por 3/4 da energia
consumida no mundo.
Durante muitos anos a base energética mundial foi o carvão mineral e
continua sendo ainda hoje em países como a China, segunda maior
economia mundial e caminhando rapidamente para o primeiro lugar com
uma população de mais de 1,3 bilhão de habitantes.
Na china o carvão é a base energética, por ele:
É gerada a energia elétrica pelas termoelétricas movimenta a indústria,
A população usa para aquecer suas casas, cozer seus alimentos, entre
outros usos.
Clauber D.R. (UEMS) Produção açúcar/etanol fev15 31 / 38
Matrix energética Brasileira
O Brasil está em uma posição pouco mais confortável que o restante do
mundo, e o motivo, a matriz a energética nacional é formada em quase
sua metade de por combustíveis renováveis, tais como:
Clauber D.R. (UEMS) Produção açúcar/etanol fev15 32 / 38
Matrix energética Brasileira
O Brasil está em uma posição pouco mais confortável que o restante do
mundo, e o motivo, a matriz a energética nacional é formada em quase
sua metade de por combustíveis renováveis, tais como:
Energia hidráulica,
Clauber D.R. (UEMS) Produção açúcar/etanol fev15 32 / 38
Matrix energética Brasileira
O Brasil está em uma posição pouco mais confortável que o restante do
mundo, e o motivo, a matriz a energética nacional é formada em quase
sua metade de por combustíveis renováveis, tais como:
Energia hidráulica,
Importação de hidroeletricidade,
Clauber D.R. (UEMS) Produção açúcar/etanol fev15 32 / 38
Matrix energética Brasileira
O Brasil está em uma posição pouco mais confortável que o restante do
mundo, e o motivo, a matriz a energética nacional é formada em quase
sua metade de por combustíveis renováveis, tais como:
Energia hidráulica,
Importação de hidroeletricidade,
Carvão vegetal e
Clauber D.R. (UEMS) Produção açúcar/etanol fev15 32 / 38
Matrix energética Brasileira
O Brasil está em uma posição pouco mais confortável que o restante do
mundo, e o motivo, a matriz a energética nacional é formada em quase
sua metade de por combustíveis renováveis, tais como:
Energia hidráulica,
Importação de hidroeletricidade,
Carvão vegetal e
Produtos da cana-de-açúcar — álcool e bagaço de cana, e
Clauber D.R. (UEMS) Produção açúcar/etanol fev15 32 / 38
Matrix energética Brasileira
O Brasil está em uma posição pouco mais confortável que o restante do
mundo, e o motivo, a matriz a energética nacional é formada em quase
sua metade de por combustíveis renováveis, tais como:
Energia hidráulica,
Importação de hidroeletricidade,
Carvão vegetal e
Produtos da cana-de-açúcar — álcool e bagaço de cana, e
Mais recentemente o gás natural assumiu um papel de destaque para
produção de energia elétrica, movimentando as termoelétricas substituindo
a suja matriz baseada em combustíveis fosseis.
Clauber D.R. (UEMS) Produção açúcar/etanol fev15 32 / 38
Matrix energética Brasileira
O Brasil está em uma posição pouco mais confortável que o restante do
mundo, e o motivo, a matriz a energética nacional é formada em quase
sua metade de por combustíveis renováveis, tais como:
Energia hidráulica,
Importação de hidroeletricidade,
Carvão vegetal e
Produtos da cana-de-açúcar — álcool e bagaço de cana, e
Mais recentemente o gás natural assumiu um papel de destaque para
produção de energia elétrica, movimentando as termoelétricas substituindo
a suja matriz baseada em combustíveis fosseis.
O excelente resultado do Brasil frente ao restante do mundo em
comparação a sua matriz energética, deve-se a hidroeletricidade e ao
etanol, juntos correspondem a 1/3 da energia produzida no país.
Clauber D.R. (UEMS) Produção açúcar/etanol fev15 32 / 38
0% 20% 40% 60% 80% 100%
França
Alemanha
Japão
Noruega
U.S.A.
Suíça
Canadá
Brasil
Índia
China
Rússia
Peru
Indonésia
100%
83%
64%
61%
60%
55%
37%
21%
16%
11%
6%
4%
30%
Potencial Hidrelétrico utilizado (%)
Potencial Hidrelétrico utilizado no mundo
Figura 5.4: Potencial Hidrelétrico utilizado no mundo.
Clauber D.R. (UEMS) Produção açúcar/etanol fev15 33 / 38
Produção de Energia
Segundo o site da UDOP (2015), o Brasil:
Possui atualmente 3.139 Agentes investindo no mercado de geração de
energia elétrica gerando 132.215.724 kW de potência.
Clauber D.R. (UEMS) Produção açúcar/etanol fev15 34 / 38
Produção de Energia
Segundo o site da UDOP (2015), o Brasil:
Possui atualmente 3.139 Agentes investindo no mercado de geração de
energia elétrica gerando 132.215.724 kW de potência.
Está prevista para os próximos anos uma adição de 36.354.307 kW na
capacidade de geração do País, proveniente dos 204 empreendimentos
atualmente em construção e mais 587 outorgadas.
Clauber D.R. (UEMS) Produção açúcar/etanol fev15 34 / 38
Produção de Energia
Segundo o site da UDOP (2015), o Brasil:
Possui atualmente 3.139 Agentes investindo no mercado de geração de
energia elétrica gerando 132.215.724 kW de potência.
Está prevista para os próximos anos uma adição de 36.354.307 kW na
capacidade de geração do País, proveniente dos 204 empreendimentos
atualmente em construção e mais 587 outorgadas.
O Bagaço de Cana é utilizado para geração de calor, vapor e energia no
processo produtivo.
Clauber D.R. (UEMS) Produção açúcar/etanol fev15 34 / 38
Tabela 3: Empreendimentos em Operação (UDOP, 2015).
Tipo Quantidade Potência (kW) %
Tabela 3: Empreendimentos em Operação (UDOP, 2015).
Tipo Quantidade Potência (kW) %
Tabela 3: Empreendimentos em Operação (UDOP, 2015).
Tipo Quantidade Potência (kW) %
Tabela 3: Empreendimentos em Operação (UDOP, 2015).
Tipo Quantidade Potência (kW) %
Tabela 3: Empreendimentos em Operação (UDOP, 2015).
Tipo Quantidade Potência (kW) %
Tabela 3: Empreendimentos em Operação (UDOP, 2015).
Tipo Quantidade Potência (kW) %
Tabela 3: Empreendimentos em Operação (UDOP, 2015).
Tipo Quantidade Potência (kW) %
Clauber D.R. (UEMS) Produção açúcar/etanol fev15 35 / 38
Tabela 3: Empreendimentos em Operação (UDOP, 2015).
Tipo Quantidade Potência (kW) %
Clauber D.R. (UEMS) Produção açúcar/etanol fev15 35 / 38
Tabela 3: Empreendimentos em Operação (UDOP, 2015).
Tipo Quantidade Potência (kW) %
Clauber D.R. (UEMS) Produção açúcar/etanol fev15 35 / 38
Tabela 3: Empreendimentos em Operação (UDOP, 2015).
Tipo Quantidade Potência (kW) %
Central Geradora Hidrelétrica
477 295.461 0,22
Clauber D.R. (UEMS) Produção açúcar/etanol fev15 35 / 38
Tabela 3: Empreendimentos em Operação (UDOP, 2015).
Tipo Quantidade Potência (kW) %
Central Geradora Hidrelétrica
477 295.461 0,22
Central Geradora Elielétrica
197 4.251.498 3,22
Clauber D.R. (UEMS) Produção açúcar/etanol fev15 35 / 38
Tabela 3: Empreendimentos em Operação (UDOP, 2015).
Tipo Quantidade Potência (kW) %
Central Geradora Hidrelétrica
477 295.461 0,22
Central Geradora Elielétrica
197 4.251.498 3,22
Clauber D.R. (UEMS) Produção açúcar/etanol fev15 35 / 38
Tabela 3: Empreendimentos em Operação (UDOP, 2015).
Tipo Quantidade Potência (kW) %
Central Geradora Hidrelétrica
477 295.461 0,22
Central Geradora Elielétrica
197 4.251.498 3,22
Pequena Central Hidrelétrica 469 4.667.132 3,54
Clauber D.R. (UEMS) Produção açúcar/etanol fev15 35 / 38
Tabela 3: Empreendimentos em Operação (UDOP, 2015).
Tipo Quantidade Potência (kW) %
Central Geradora Hidrelétrica
477 295.461 0,22
Central Geradora Elielétrica
197 4.251.498 3,22
Pequena Central Hidrelétrica 469 4.667.132 3,54
UFV
259 14.819 0,01
Unidade Hidrelétrica de Energia 200 83.529.466 63,12
Clauber D.R. (UEMS) Produção açúcar/etanol fev15 35 / 38
Tabela 3: Empreendimentos em Operação (UDOP, 2015).
Tipo Quantidade Potência (kW) %
Central Geradora Hidrelétrica
477 295.461 0,22
Central Geradora Elielétrica
197 4.251.498 3,22
Pequena Central Hidrelétrica 469 4.667.132 3,54
UFV
259 14.819 0,01
Unidade Hidrelétrica de Energia 200 83.529.466 63,12
Clauber D.R. (UEMS) Produção açúcar/etanol fev15 35 / 38
Tabela 3: Empreendimentos em Operação (UDOP, 2015).
Tipo Quantidade Potência (kW) %
Central Geradora Hidrelétrica
477 295.461 0,22
Central Geradora Elielétrica
197 4.251.498 3,22
Pequena Central Hidrelétrica 469 4.667.132 3,54
UFV
259 14.819 0,01
Unidade Hidrelétrica de Energia 200 83.529.466 63,12
Usina Termelétrica de Energia
1.877 37.529.446 28,39
Clauber D.R. (UEMS) Produção açúcar/etanol fev15 35 / 38
Tabela 3: Empreendimentos em Operação (UDOP, 2015).
Tipo Quantidade Potência (kW) %
Central Geradora Hidrelétrica
477 295.461 0,22
Central Geradora Elielétrica
197 4.251.498 3,22
Pequena Central Hidrelétrica 469 4.667.132 3,54
UFV
259 14.819 0,01
Unidade Hidrelétrica de Energia 200 83.529.466 63,12
Usina Termelétrica de Energia
1.877 37.529.446 28,39
Usina Termelétrica Nuclear
2 1.990.000 1,51
Clauber D.R. (UEMS) Produção açúcar/etanol fev15 35 / 38
Tabela 3: Empreendimentos em Operação (UDOP, 2015).
Tipo Quantidade Potência (kW) %
Central Geradora Hidrelétrica
477 295.461 0,22
Central Geradora Elielétrica
197 4.251.498 3,22
Pequena Central Hidrelétrica 469 4.667.132 3,54
UFV
259 14.819 0,01
Unidade Hidrelétrica de Energia 200 83.529.466 63,12
Usina Termelétrica de Energia
1.877 37.529.446 28,39
Usina Termelétrica Nuclear
2 1.990.000 1,51
Total
3.481 132.215.724 100
Clauber D.R. (UEMS) Produção açúcar/etanol fev15 35 / 38
BR Carregar
Clauber D.R. (UEMS) Produção açúcar/etanol fev15 36 / 38
Tabela 4: Empreendimentos em operação (UDOP, 2015). Atualizado em: 07/11/2014.
Clauber D.R. (UEMS) Produção açúcar/etanol fev15 36 / 38
Tabela 5: Empreendimentos em operação (UDOP, 2015) (continuação). Atualizado em:
07/11/2014.
Clauber D.R. (UEMS) Produção açúcar/etanol fev15 37 / 38
Referências Bibliográficas I
Companhia Nacional de Abastecimento. Séries históricas. Brasília,
2015. Disponível em: <http://www.conab.gov.br>. Acesso em: 28 jan.
2015.
FAO - FOOD AND AGRICULTURE ORGANIZATION OF THE UNITED
NATIONS. Sugar Beet White Sugar. Rome: FAO, 2009. Disponível
em: <http://www.eastagri.org/publications/pub_docs/4_Sugar_web.pdf>.
Acesso em: 12 fev. 2015.
JANK, M. S. Perpectivas do Setor Sucroenergético no Cenário Nacional
e Mundial - A problemática do etanol e seus desdobramentos. In: XXX
Simpósio da Agroindústria da Cana-de-açúcar de Alagoas. Maceió:
[s.n.], 2013. p. 42.
UDOP - União Brasileira dos Produtores de Bioenergia. Produção
Brasileira. Araçatuba/SP, 2015. Disponível em: <http://www.udop.com.br/
index.php?item=safras>. Acesso em: 28 jan. 2015.
Clauber D.R. (UEMS) Produção açúcar/etanol fev15 38 / 38

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

Cachaca bebida genuinamente_brasileira
Cachaca bebida genuinamente_brasileiraCachaca bebida genuinamente_brasileira
Cachaca bebida genuinamente_brasileira
 
5-Treinamento Fermentação /Destilação
5-Treinamento Fermentação /Destilação5-Treinamento Fermentação /Destilação
5-Treinamento Fermentação /Destilação
 
2-Treinamento Moenda
2-Treinamento Moenda2-Treinamento Moenda
2-Treinamento Moenda
 
Extração e Tratamento de Caldo
Extração e Tratamento de Caldo Extração e Tratamento de Caldo
Extração e Tratamento de Caldo
 
Fabricação do alcool
Fabricação do alcoolFabricação do alcool
Fabricação do alcool
 
Açucar e Alcool
Açucar e AlcoolAçucar e Alcool
Açucar e Alcool
 
Cana-de-açúcar processamento
Cana-de-açúcar processamento Cana-de-açúcar processamento
Cana-de-açúcar processamento
 
Relatorio analise de leite pratica
Relatorio analise de leite   praticaRelatorio analise de leite   pratica
Relatorio analise de leite pratica
 
Processo de produção do Etanol-Da Matéria Prima ao produto Final
Processo de produção do Etanol-Da Matéria Prima ao produto FinalProcesso de produção do Etanol-Da Matéria Prima ao produto Final
Processo de produção do Etanol-Da Matéria Prima ao produto Final
 
Processamento industrial e produtos da mandioca
Processamento industrial e produtos da mandiocaProcessamento industrial e produtos da mandioca
Processamento industrial e produtos da mandioca
 
Relatório mel
Relatório melRelatório mel
Relatório mel
 
Sabões e detergentes
Sabões e detergentesSabões e detergentes
Sabões e detergentes
 
Alcool
AlcoolAlcool
Alcool
 
Apostila biotecnologia alimentos
Apostila biotecnologia alimentosApostila biotecnologia alimentos
Apostila biotecnologia alimentos
 
3-Treinamento Tratamento De Caldo
3-Treinamento Tratamento De Caldo3-Treinamento Tratamento De Caldo
3-Treinamento Tratamento De Caldo
 
Apostila de cana de açucar
Apostila  de cana de açucarApostila  de cana de açucar
Apostila de cana de açucar
 
Amido de mandioca
Amido de mandiocaAmido de mandioca
Amido de mandioca
 
Leite
LeiteLeite
Leite
 
Tecnologia do leite
Tecnologia do leiteTecnologia do leite
Tecnologia do leite
 
Panificação
PanificaçãoPanificação
Panificação
 

Destaque

Balança, hilo e ponte rolante
Balança, hilo e ponte rolanteBalança, hilo e ponte rolante
Balança, hilo e ponte rolanteCamila Oliveira
 
7-Treinamento PreparaçãO De Reagentes
7-Treinamento PreparaçãO De Reagentes7-Treinamento PreparaçãO De Reagentes
7-Treinamento PreparaçãO De ReagentesLeandro Cândido
 
Apresentação - CEVSS
Apresentação - CEVSSApresentação - CEVSS
Apresentação - CEVSSriciware
 
Treinamento para operação de guincho
Treinamento para operação de guinchoTreinamento para operação de guincho
Treinamento para operação de guinchoAndressa Macedo
 
Oportunidades para Micro e Pequenas Empresas Geradas pela Implantação de Usin...
Oportunidades para Micro e Pequenas Empresas Geradas pela Implantação de Usin...Oportunidades para Micro e Pequenas Empresas Geradas pela Implantação de Usin...
Oportunidades para Micro e Pequenas Empresas Geradas pela Implantação de Usin...UGE SEBRAE
 
Tipos clases cafe
Tipos clases cafeTipos clases cafe
Tipos clases cafePaty7303
 
Manual Correção fator de Potência
Manual Correção fator de PotênciaManual Correção fator de Potência
Manual Correção fator de PotênciaCleuber Martins
 
6-Treinamento Levedura Seca
6-Treinamento Levedura Seca6-Treinamento Levedura Seca
6-Treinamento Levedura SecaLeandro Cândido
 
57768 1289 28.02.2012 13.34.08_01_introducao_r1 (1)
57768 1289 28.02.2012 13.34.08_01_introducao_r1 (1)57768 1289 28.02.2012 13.34.08_01_introducao_r1 (1)
57768 1289 28.02.2012 13.34.08_01_introducao_r1 (1)Tuane Paixão
 
Especificações técnicas de uma malha de controle de uma caldeira
Especificações técnicas de uma malha de controle de uma caldeiraEspecificações técnicas de uma malha de controle de uma caldeira
Especificações técnicas de uma malha de controle de uma caldeiraVictor Said
 
Sistema de Limpeza de Esteirão reduz 50% de consumo de energia
Sistema de Limpeza de Esteirão reduz 50% de consumo de energiaSistema de Limpeza de Esteirão reduz 50% de consumo de energia
Sistema de Limpeza de Esteirão reduz 50% de consumo de energiaSpraying Systems do Brasil
 

Destaque (20)

Balança, hilo e ponte rolante
Balança, hilo e ponte rolanteBalança, hilo e ponte rolante
Balança, hilo e ponte rolante
 
08 preparo_cana
08  preparo_cana08  preparo_cana
08 preparo_cana
 
7-Treinamento PreparaçãO De Reagentes
7-Treinamento PreparaçãO De Reagentes7-Treinamento PreparaçãO De Reagentes
7-Treinamento PreparaçãO De Reagentes
 
Apresentação - CEVSS
Apresentação - CEVSSApresentação - CEVSS
Apresentação - CEVSS
 
Ecofisiologia da cana
Ecofisiologia da canaEcofisiologia da cana
Ecofisiologia da cana
 
Moenda
MoendaMoenda
Moenda
 
Treinamento para operação de guincho
Treinamento para operação de guinchoTreinamento para operação de guincho
Treinamento para operação de guincho
 
Oportunidades para Micro e Pequenas Empresas Geradas pela Implantação de Usin...
Oportunidades para Micro e Pequenas Empresas Geradas pela Implantação de Usin...Oportunidades para Micro e Pequenas Empresas Geradas pela Implantação de Usin...
Oportunidades para Micro e Pequenas Empresas Geradas pela Implantação de Usin...
 
El arte del buen café
El arte del buen caféEl arte del buen café
El arte del buen café
 
Asbc1000 fev08v1-0
Asbc1000 fev08v1-0Asbc1000 fev08v1-0
Asbc1000 fev08v1-0
 
Tipos clases cafe
Tipos clases cafeTipos clases cafe
Tipos clases cafe
 
Manual Correção fator de Potência
Manual Correção fator de PotênciaManual Correção fator de Potência
Manual Correção fator de Potência
 
Caracteristicas da-cana-de-acucar
Caracteristicas da-cana-de-acucarCaracteristicas da-cana-de-acucar
Caracteristicas da-cana-de-acucar
 
6-Treinamento Levedura Seca
6-Treinamento Levedura Seca6-Treinamento Levedura Seca
6-Treinamento Levedura Seca
 
Energia do bagaço
Energia do bagaçoEnergia do bagaço
Energia do bagaço
 
Gv 06 regulagem e controle 2
Gv 06 regulagem e controle 2Gv 06 regulagem e controle 2
Gv 06 regulagem e controle 2
 
57768 1289 28.02.2012 13.34.08_01_introducao_r1 (1)
57768 1289 28.02.2012 13.34.08_01_introducao_r1 (1)57768 1289 28.02.2012 13.34.08_01_introducao_r1 (1)
57768 1289 28.02.2012 13.34.08_01_introducao_r1 (1)
 
Especificações técnicas de uma malha de controle de uma caldeira
Especificações técnicas de uma malha de controle de uma caldeiraEspecificações técnicas de uma malha de controle de uma caldeira
Especificações técnicas de uma malha de controle de uma caldeira
 
Organizando
OrganizandoOrganizando
Organizando
 
Sistema de Limpeza de Esteirão reduz 50% de consumo de energia
Sistema de Limpeza de Esteirão reduz 50% de consumo de energiaSistema de Limpeza de Esteirão reduz 50% de consumo de energia
Sistema de Limpeza de Esteirão reduz 50% de consumo de energia
 

Semelhante a Produção de açúcar, etanol e energia no Brasil

20150213 tereos internacional_presentation_q3_por_final
20150213 tereos internacional_presentation_q3_por_final20150213 tereos internacional_presentation_q3_por_final
20150213 tereos internacional_presentation_q3_por_finalTereosri
 
Relatório de Estágio - LIRA, A. B.
Relatório de Estágio - LIRA, A. B.Relatório de Estágio - LIRA, A. B.
Relatório de Estágio - LIRA, A. B.Arthur Lira
 
Tereos apresentacao 3_t13_port
Tereos apresentacao 3_t13_portTereos apresentacao 3_t13_port
Tereos apresentacao 3_t13_portTereosri
 
Apresentação teleconferência 2 t 0910
Apresentação teleconferência 2 t 0910Apresentação teleconferência 2 t 0910
Apresentação teleconferência 2 t 0910Tereosri
 
Resultados do 4T 2013/14
Resultados do 4T 2013/14Resultados do 4T 2013/14
Resultados do 4T 2013/14Tereosri
 
Apresentação teleconferência resultados 3 t 1112
Apresentação teleconferência resultados 3 t 1112Apresentação teleconferência resultados 3 t 1112
Apresentação teleconferência resultados 3 t 1112Tereosri
 
Tereos apresentacao 3_t12_port
Tereos apresentacao 3_t12_portTereos apresentacao 3_t12_port
Tereos apresentacao 3_t12_portTereosri
 
Tereos Apresentação 4T 2014/15 Port
Tereos Apresentação 4T 2014/15 PortTereos Apresentação 4T 2014/15 Port
Tereos Apresentação 4T 2014/15 PortTEREOSIR
 
Resultados do 2T 14/15
Resultados do 2T 14/15Resultados do 2T 14/15
Resultados do 2T 14/15Tereosri
 
Apresentação Tereos 1T 2015/16
Apresentação Tereos 1T 2015/16Apresentação Tereos 1T 2015/16
Apresentação Tereos 1T 2015/16Tereosri
 
Tereos Apresentação 1T 2015/16 Port
Tereos Apresentação 1T 2015/16 PortTereos Apresentação 1T 2015/16 Port
Tereos Apresentação 1T 2015/16 PortTEREOSIR
 
Seminário stab 2013 agrícola - 17. o que está sendo feito no centro sul par...
Seminário stab 2013   agrícola - 17. o que está sendo feito no centro sul par...Seminário stab 2013   agrícola - 17. o que está sendo feito no centro sul par...
Seminário stab 2013 agrícola - 17. o que está sendo feito no centro sul par...STAB Setentrional
 
Tereos internacional presentation_port_3_m
Tereos internacional presentation_port_3_mTereos internacional presentation_port_3_m
Tereos internacional presentation_port_3_mTereosri
 
Relatório Cogo - 26 de agosto
Relatório Cogo - 26 de agostoRelatório Cogo - 26 de agosto
Relatório Cogo - 26 de agostoJosé Florentino
 
Reunião Apimec 2015
Reunião Apimec 2015Reunião Apimec 2015
Reunião Apimec 2015TEREOSIR
 
Apresentação teleconferência 1 t 0910
Apresentação teleconferência 1 t 0910Apresentação teleconferência 1 t 0910
Apresentação teleconferência 1 t 0910Tereosri
 
Apresentação teleconferência resultados 1 t 1314
Apresentação teleconferência resultados 1 t 1314Apresentação teleconferência resultados 1 t 1314
Apresentação teleconferência resultados 1 t 1314Tereosri
 
Tereos apresentacao 1_t14_port
Tereos apresentacao 1_t14_portTereos apresentacao 1_t14_port
Tereos apresentacao 1_t14_portTereosri
 
Apresentação teleconferência 3 t 0910
Apresentação teleconferência 3 t 0910Apresentação teleconferência 3 t 0910
Apresentação teleconferência 3 t 0910Tereosri
 
Tendências do mercado de lácteos - julho 09
Tendências do mercado de lácteos - julho 09Tendências do mercado de lácteos - julho 09
Tendências do mercado de lácteos - julho 09AgriPoint Consultoria
 

Semelhante a Produção de açúcar, etanol e energia no Brasil (20)

20150213 tereos internacional_presentation_q3_por_final
20150213 tereos internacional_presentation_q3_por_final20150213 tereos internacional_presentation_q3_por_final
20150213 tereos internacional_presentation_q3_por_final
 
Relatório de Estágio - LIRA, A. B.
Relatório de Estágio - LIRA, A. B.Relatório de Estágio - LIRA, A. B.
Relatório de Estágio - LIRA, A. B.
 
Tereos apresentacao 3_t13_port
Tereos apresentacao 3_t13_portTereos apresentacao 3_t13_port
Tereos apresentacao 3_t13_port
 
Apresentação teleconferência 2 t 0910
Apresentação teleconferência 2 t 0910Apresentação teleconferência 2 t 0910
Apresentação teleconferência 2 t 0910
 
Resultados do 4T 2013/14
Resultados do 4T 2013/14Resultados do 4T 2013/14
Resultados do 4T 2013/14
 
Apresentação teleconferência resultados 3 t 1112
Apresentação teleconferência resultados 3 t 1112Apresentação teleconferência resultados 3 t 1112
Apresentação teleconferência resultados 3 t 1112
 
Tereos apresentacao 3_t12_port
Tereos apresentacao 3_t12_portTereos apresentacao 3_t12_port
Tereos apresentacao 3_t12_port
 
Tereos Apresentação 4T 2014/15 Port
Tereos Apresentação 4T 2014/15 PortTereos Apresentação 4T 2014/15 Port
Tereos Apresentação 4T 2014/15 Port
 
Resultados do 2T 14/15
Resultados do 2T 14/15Resultados do 2T 14/15
Resultados do 2T 14/15
 
Apresentação Tereos 1T 2015/16
Apresentação Tereos 1T 2015/16Apresentação Tereos 1T 2015/16
Apresentação Tereos 1T 2015/16
 
Tereos Apresentação 1T 2015/16 Port
Tereos Apresentação 1T 2015/16 PortTereos Apresentação 1T 2015/16 Port
Tereos Apresentação 1T 2015/16 Port
 
Seminário stab 2013 agrícola - 17. o que está sendo feito no centro sul par...
Seminário stab 2013   agrícola - 17. o que está sendo feito no centro sul par...Seminário stab 2013   agrícola - 17. o que está sendo feito no centro sul par...
Seminário stab 2013 agrícola - 17. o que está sendo feito no centro sul par...
 
Tereos internacional presentation_port_3_m
Tereos internacional presentation_port_3_mTereos internacional presentation_port_3_m
Tereos internacional presentation_port_3_m
 
Relatório Cogo - 26 de agosto
Relatório Cogo - 26 de agostoRelatório Cogo - 26 de agosto
Relatório Cogo - 26 de agosto
 
Reunião Apimec 2015
Reunião Apimec 2015Reunião Apimec 2015
Reunião Apimec 2015
 
Apresentação teleconferência 1 t 0910
Apresentação teleconferência 1 t 0910Apresentação teleconferência 1 t 0910
Apresentação teleconferência 1 t 0910
 
Apresentação teleconferência resultados 1 t 1314
Apresentação teleconferência resultados 1 t 1314Apresentação teleconferência resultados 1 t 1314
Apresentação teleconferência resultados 1 t 1314
 
Tereos apresentacao 1_t14_port
Tereos apresentacao 1_t14_portTereos apresentacao 1_t14_port
Tereos apresentacao 1_t14_port
 
Apresentação teleconferência 3 t 0910
Apresentação teleconferência 3 t 0910Apresentação teleconferência 3 t 0910
Apresentação teleconferência 3 t 0910
 
Tendências do mercado de lácteos - julho 09
Tendências do mercado de lácteos - julho 09Tendências do mercado de lácteos - julho 09
Tendências do mercado de lácteos - julho 09
 

Produção de açúcar, etanol e energia no Brasil

  • 1. Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul Unidade: Glória de Dourados Curso: Tecnologia em Produção Sucroalcooleira Disciplina: Introdução ao Setor Sucroenergético 03 Produção de Açúcar, Etanol e Energia Prof. Clauber Dalmas Rodrigues <clauber@uems.br> Fevereiro/2015 Clauber D.R. (UEMS) Produção açúcar/etanol fev15 1 / 38
  • 2. Sumário 1 Introdução 2 Usinas sucroenergéticas 3 Produção de açúcar Maiores países importadores de açúcar Maiores países exportadores de açúcar 4 Produção de etanol 5 Produção de Energia A matrix energética Brasileira Clauber D.R. (UEMS) Produção açúcar/etanol fev15 2 / 38
  • 3. Sumario 1 Introdução 2 Usinas sucroenergéticas 3 Produção de açúcar Maiores países importadores de açúcar Maiores países exportadores de açúcar 4 Produção de etanol 5 Produção de Energia A matrix energética Brasileira Clauber D.R. (UEMS) Produção açúcar/etanol fev15 3 / 38
  • 4. Breve comentário Assim, o país produz etanol durante praticamente o ano todo, apesar de a produção de etanol na região Norte-Nordeste ser de apenas 10% do total nacional, que foi de 22,5 bilhões de litros em 2007. Clauber D.R. (UEMS) Produção açúcar/etanol fev15 4 / 38
  • 5. Breve comentário Assim, o país produz etanol durante praticamente o ano todo, apesar de a produção de etanol na região Norte-Nordeste ser de apenas 10% do total nacional, que foi de 22,5 bilhões de litros em 2007. As melhores destilarias produzem aproximadamente 85 litros de etanol anidro por tonelada de cana. Clauber D.R. (UEMS) Produção açúcar/etanol fev15 4 / 38
  • 6. Breve comentário Assim, o país produz etanol durante praticamente o ano todo, apesar de a produção de etanol na região Norte-Nordeste ser de apenas 10% do total nacional, que foi de 22,5 bilhões de litros em 2007. As melhores destilarias produzem aproximadamente 85 litros de etanol anidro por tonelada de cana. As usinas têm produção em torno de 71 kg de açúcar e 42 litros de etanol para cada tonelada de cana processada Clauber D.R. (UEMS) Produção açúcar/etanol fev15 4 / 38
  • 7. Sumario 1 Introdução 2 Usinas sucroenergéticas 3 Produção de açúcar Maiores países importadores de açúcar Maiores países exportadores de açúcar 4 Produção de etanol 5 Produção de Energia A matrix energética Brasileira Clauber D.R. (UEMS) Produção açúcar/etanol fev15 5 / 38
  • 8. Figura 2.1: Usinas sucroenergéticas no Brasil (UDOP, 2015). Clauber D.R. (UEMS) Produção açúcar/etanol fev15 6 / 38
  • 9. Figura 2.2: Usinas sucroenergéticas no Estado do MS (UDOP, 2015). Clauber D.R. (UEMS) Produção açúcar/etanol fev15 7 / 38
  • 10. Tabela 1: Usinas atualmente em operação no estado do MS (UDOP, 2015). No. Usina Grupo Município 5 Aurora Anaurilândia 1 Adecoagro - Unidade Angélica Adecoagro Angélica 4 Alcoolvale Aparecida do Taboado 13 Laguna Batayporã 3 Agrisul Agrícola Brasilândia 17 Raízen - Unidade Caarapó Raízen Caarapó 12 Iaco Agrícola Chapadão do Sul 14 Odebrecht Agroindustrial - Unidade Costa Rica Odebrecht Costa Rica 20 São Fernando Dourados 18 Rio Parana Eldorado 11 Fátima do Sul Fátima do Sul 10 Dcoil Iguatemi 2 Adecoagro - Unidade Ivinhema Adecoagro Ivinhema 6 Biosev - Unidade Maracajú Biosev Maracajú 23 Tonon - Unidade Vista Alegre Maracajú 24 Usinavi Naviraí 16 Odebrecht Agroindustrial - Unidade Santa Luzia 1 Odebrecht Nova Alvorada do Sul Clauber D.R. (UEMS) Produção açúcar/etanol fev15 8 / 38
  • 11. 19 Santa Helena – (MS) Nova Andradina 22 Terra Verde Nova Andradina 9 Bunge Brasil - Unidade Monteverde Bunge Ponta Porã 7 Biosev - Unidade Passa Tempo Biosev Rio Brilhante 8 Biosev - Unidade Rio Brilhante Biosev Rio Brilhante 15 Odebrecht Agroindustrial - Unidade El- dorado Odebrecht Rio Brilhante 21 Sonora Sonora 25 Vicentina Vicentina Clauber D.R. (UEMS) Produção açúcar/etanol fev15 9 / 38
  • 12. Clauber D.R. (UEMS) Produção açúcar/etanol fev15 10 / 38
  • 13. Sumario 1 Introdução 2 Usinas sucroenergéticas 3 Produção de açúcar Maiores países importadores de açúcar Maiores países exportadores de açúcar 4 Produção de etanol 5 Produção de Energia A matrix energética Brasileira Clauber D.R. (UEMS) Produção açúcar/etanol fev15 11 / 38
  • 14. 2005/06 2006/07 2007/08 2008/09 2009/10 2010/11 2011/12 2012/13 2013/14 2014/15 26 28 30 32 34 36 38 26,4 30,2 31,3 31,6 33,1 38,2 38,3 38,3 37,9 36,4 Safra emmilhõesdetoneladas Produção de açúcar no Brasil Brasil Figura 3.1: Série histórica de açúcar produzido no Brasil e em MS (Conab, 2015). Nota: Previsão para safra 2014/2015
  • 15. 2005/06 2006/07 2007/08 2008/09 2009/10 2010/11 2011/12 2012/13 2013/14 2014/15 337,0 576,0 603,0 1.006,0 747,0 1.329,0 1.742,01.742,0 1.368,0 1.454,0 Safra emmilhõesdetoneladas Produção de açúcar no MS MS Figura 3.2: Série histórica de açúcar produzido no MS (Conab, 2015). Nota: Previsão para safra 2014/2015
  • 16. Sumario 1 Introdução 2 Usinas sucroenergéticas 3 Produção de açúcar Maiores países importadores de açúcar Maiores países exportadores de açúcar 4 Produção de etanol 5 Produção de Energia A matrix energética Brasileira Clauber D.R. (UEMS) Produção açúcar/etanol fev15 14 / 38
  • 17. Indonésia E.U.A C hina U nião Européia Índia 0 1 2 3 4 3,0 3,3 4,4 3,4 0,2 3,6 2,6 2,8 3,8 1,3 3,3 3,0 2,0 3,5 0,5 País emmilhõesdetoneladas Maiores países importadores de açúcar 2011/12 2011/12 2013/14 Figura 3.3: Maiores países importadores de açúcar (JANK, 2013).
  • 18. Paises maiores importadores de açúcar Os E.U.A. juntamente com a Indonésia continuarão como os maiores importadores mundiais. Clauber D.R. (UEMS) Produção açúcar/etanol fev15 16 / 38
  • 19. Paises maiores importadores de açúcar Os E.U.A. juntamente com a Indonésia continuarão como os maiores importadores mundiais. Forte redução das importações da China em função da boa produção da safra 2012/13. Clauber D.R. (UEMS) Produção açúcar/etanol fev15 16 / 38
  • 20. Paises maiores importadores de açúcar Os E.U.A. juntamente com a Indonésia continuarão como os maiores importadores mundiais. Forte redução das importações da China em função da boa produção da safra 2012/13. Rússia aumentando as importações com a queda na área plantada em 2013/14. Clauber D.R. (UEMS) Produção açúcar/etanol fev15 16 / 38
  • 21. Paises maiores importadores de açúcar Os E.U.A. juntamente com a Indonésia continuarão como os maiores importadores mundiais. Forte redução das importações da China em função da boa produção da safra 2012/13. Rússia aumentando as importações com a queda na área plantada em 2013/14. Índia é mais uma vez a grande incógnita do mercado. Se a produção local for abaixo de 25 milhões de ton., o país poderá facilmente importar volumes maiores que 1,0 milhões de ton (JANK, 2013). Clauber D.R. (UEMS) Produção açúcar/etanol fev15 16 / 38
  • 22. Sumario 1 Introdução 2 Usinas sucroenergéticas 3 Produção de açúcar Maiores países importadores de açúcar Maiores países exportadores de açúcar 4 Produção de etanol 5 Produção de Energia A matrix energética Brasileira Clauber D.R. (UEMS) Produção açúcar/etanol fev15 17 / 38
  • 24. Países maiores exportadores de açúcar Brasil → forte aumento das exportações devido a safra recorde de cana. Clauber D.R. (UEMS) Produção açúcar/etanol fev15 19 / 38
  • 25. Países maiores exportadores de açúcar Brasil → forte aumento das exportações devido a safra recorde de cana. Tailândia→ Nova super-safra de cana no horizonte de 2013/14, aumentando o volume recorde para 8,5 milhões de ton. Clauber D.R. (UEMS) Produção açúcar/etanol fev15 19 / 38
  • 26. Países maiores exportadores de açúcar Brasil → forte aumento das exportações devido a safra recorde de cana. Tailândia→ Nova super-safra de cana no horizonte de 2013/14, aumentando o volume recorde para 8,5 milhões de ton. Austrália → Produção e exportação estagnada. Embarques distantes do volume recorde de 4,5 milhões de ton. exportados na década de 90. Clauber D.R. (UEMS) Produção açúcar/etanol fev15 19 / 38
  • 27. Países maiores exportadores de açúcar Brasil → forte aumento das exportações devido a safra recorde de cana. Tailândia→ Nova super-safra de cana no horizonte de 2013/14, aumentando o volume recorde para 8,5 milhões de ton. Austrália → Produção e exportação estagnada. Embarques distantes do volume recorde de 4,5 milhões de ton. exportados na década de 90. Índia → Safra mediana. O mercado passou a ter uma parcial desregulamentação nos preços e permissões de importações e exportações. Mas o preço da cana ainda é controlado pelos estados. Clauber D.R. (UEMS) Produção açúcar/etanol fev15 19 / 38
  • 28. Países maiores exportadores de açúcar Brasil → forte aumento das exportações devido a safra recorde de cana. Tailândia→ Nova super-safra de cana no horizonte de 2013/14, aumentando o volume recorde para 8,5 milhões de ton. Austrália → Produção e exportação estagnada. Embarques distantes do volume recorde de 4,5 milhões de ton. exportados na década de 90. Índia → Safra mediana. O mercado passou a ter uma parcial desregulamentação nos preços e permissões de importações e exportações. Mas o preço da cana ainda é controlado pelos estados. E.U.A. → Menor área plantada com beterraba, queda no volume exportado. Clauber D.R. (UEMS) Produção açúcar/etanol fev15 19 / 38
  • 29. Sumario 1 Introdução 2 Usinas sucroenergéticas 3 Produção de açúcar Maiores países importadores de açúcar Maiores países exportadores de açúcar 4 Produção de etanol 5 Produção de Energia A matrix energética Brasileira Clauber D.R. (UEMS) Produção açúcar/etanol fev15 20 / 38
  • 30. 2003 2004 2005 2006 2007 2008 40 50 60 70 32,9 36,4 39,8 47,0 58,8 70,6 Safra embilhõesdelitros Produção de etanol no Mundo Mundo Figura 4.1: Série histórica de produção de etanol no mundo. (FAO, 2009).
  • 31. 2005/06 2006/07 2007/08 2008/09 2009/10 2010/11 2011/12 2012/13 2013/14 2014/15 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 17,0 17,4 23,0 26,7 25,8 27,6 23,4 23,6 28,0 28,7 Safra embilhõesdelitros Produção de etanol no Brasil Brasil Figura 4.2: Série histórica de etanol produzido no Brasil (Conab, 2015). Nota: Previsão para safra 2014/2015
  • 32. 2005/06 2006/07 2007/08 2008/09 2009/10 2010/11 2011/12 2012/13 2013/14 2014/15 0,5 1 1,5 2 2,5 0,6 0,6 0,9 1,1 1,3 1,9 1,9 1,9 2,2 2,6 Safra embilhõesdelitros Produção de etanol no MS MS Figura 4.3: Série histórica de etanol produzido no MS (Conab, 2015). Nota: Previsão para safra 2014/2015
  • 33. Sumario 1 Introdução 2 Usinas sucroenergéticas 3 Produção de açúcar Maiores países importadores de açúcar Maiores países exportadores de açúcar 4 Produção de etanol 5 Produção de Energia A matrix energética Brasileira Clauber D.R. (UEMS) Produção açúcar/etanol fev15 24 / 38
  • 34. Sumario 1 Introdução 2 Usinas sucroenergéticas 3 Produção de açúcar Maiores países importadores de açúcar Maiores países exportadores de açúcar 4 Produção de etanol 5 Produção de Energia A matrix energética Brasileira Clauber D.R. (UEMS) Produção açúcar/etanol fev15 25 / 38
  • 35. Matrix Energética Conceito Matriz energética é toda energia disponibilizada para ser transformada, distribuída e consumida nos processos produtivos, é uma representação quantitativa da oferta de energia, ou seja, da quantidade de recursos energéticos oferecidos por um país ou por uma região. Figura 5.1: Alguns exemplos de fontes de energia que compõem uma matrix energética. Fonte: www.significados. com.br. Clauber D.R. (UEMS) Produção açúcar/etanol fev15 26 / 38
  • 36. Classificação de uma matrix energética Renováveis Clauber D.R. (UEMS) Produção açúcar/etanol fev15 27 / 38
  • 37. Classificação de uma matrix energética Renováveis Hidrelétrica Clauber D.R. (UEMS) Produção açúcar/etanol fev15 27 / 38
  • 38. Classificação de uma matrix energética Renováveis Hidrelétrica Eólica Clauber D.R. (UEMS) Produção açúcar/etanol fev15 27 / 38
  • 39. Classificação de uma matrix energética Renováveis Hidrelétrica Eólica Solar Clauber D.R. (UEMS) Produção açúcar/etanol fev15 27 / 38
  • 40. Classificação de uma matrix energética Renováveis Hidrelétrica Eólica Solar Biomassa Clauber D.R. (UEMS) Produção açúcar/etanol fev15 27 / 38
  • 41. Classificação de uma matrix energética Renováveis Hidrelétrica Eólica Solar Biomassa Não-renováveis Clauber D.R. (UEMS) Produção açúcar/etanol fev15 27 / 38
  • 42. Classificação de uma matrix energética Renováveis Hidrelétrica Eólica Solar Biomassa Não-renováveis Petróleo Clauber D.R. (UEMS) Produção açúcar/etanol fev15 27 / 38
  • 43. Classificação de uma matrix energética Renováveis Hidrelétrica Eólica Solar Biomassa Não-renováveis Petróleo carvão Clauber D.R. (UEMS) Produção açúcar/etanol fev15 27 / 38
  • 44. Classificação de uma matrix energética Renováveis Hidrelétrica Eólica Solar Biomassa Não-renováveis Petróleo carvão Gás natural Clauber D.R. (UEMS) Produção açúcar/etanol fev15 27 / 38
  • 45. Classificação de uma matrix energética Renováveis Hidrelétrica Eólica Solar Biomassa Não-renováveis Petróleo carvão Gás natural Nuclear Clauber D.R. (UEMS) Produção açúcar/etanol fev15 27 / 38
  • 46. A Matrix energética do Mundial e Brasileira A matriz energética brasileira é uma das mais limpas do planeta. Clauber D.R. (UEMS) Produção açúcar/etanol fev15 28 / 38
  • 47. A Matrix energética do Mundial e Brasileira A matriz energética brasileira é uma das mais limpas do planeta. Quase metade da energia (47%) consumida aqui é renovável. Clauber D.R. (UEMS) Produção açúcar/etanol fev15 28 / 38
  • 48. A Matrix energética do Mundial e Brasileira A matriz energética brasileira é uma das mais limpas do planeta. Quase metade da energia (47%) consumida aqui é renovável. O número ganha destaque quando comparado à matriz energética mundial, que, em 2007, era constituída de 82% de combustíveis fósseis - fontes não renováveis (??). Clauber D.R. (UEMS) Produção açúcar/etanol fev15 28 / 38
  • 49. Renovável 10 % Outros 2 % Hidroelétrica 34 % Petróleo 6 % Nuclear 21 %Gás 27 % Carbono Figura 5.2: Matrix energética mundial em 2007. Clauber D.R. (UEMS) Produção açúcar/etanol fev15 29 / 38
  • 50. Renovável 10 % Outros 2 % Hidroelétrica 34 % Petróleo 6 % Nuclear 21 %Gás 27 % Carbono Figura 5.2: Matrix energética mundial em 2007. Clauber D.R. (UEMS) Produção açúcar/etanol fev15 29 / 38
  • 51. 12.5 % Madeira, eólica e outras biomassas 14.2 % Hidroelétrica 16.4 % cana-de-açúcar 38.5 % Petróleo e derivados Renováveis 6.1 % Carvão 11 % Gás natural 1.4 % Urânio Figura 5.3: Matrix energética Brasileira em 2012 (JANK, 2013). Clauber D.R. (UEMS) Produção açúcar/etanol fev15 30 / 38
  • 52. Renovável 12.5 % Madeira, eólica e outras biomassas 14.2 % Hidroelétrica 16.4 % cana-de-açúcar 38.5 % Petróleo e derivados Renováveis 6.1 % Carvão 11 % Gás natural 1.4 % Urânio Figura 5.3: Matrix energética Brasileira em 2012 (JANK, 2013). Clauber D.R. (UEMS) Produção açúcar/etanol fev15 30 / 38
  • 53. Matrix Energética Mundial Os combustíveis fosseis ainda são responsáveis por 3/4 da energia consumida no mundo. Clauber D.R. (UEMS) Produção açúcar/etanol fev15 31 / 38
  • 54. Matrix Energética Mundial Os combustíveis fosseis ainda são responsáveis por 3/4 da energia consumida no mundo. Durante muitos anos a base energética mundial foi o carvão mineral e continua sendo ainda hoje em países como a China, segunda maior economia mundial e caminhando rapidamente para o primeiro lugar com uma população de mais de 1,3 bilhão de habitantes. Clauber D.R. (UEMS) Produção açúcar/etanol fev15 31 / 38
  • 55. Matrix Energética Mundial Os combustíveis fosseis ainda são responsáveis por 3/4 da energia consumida no mundo. Durante muitos anos a base energética mundial foi o carvão mineral e continua sendo ainda hoje em países como a China, segunda maior economia mundial e caminhando rapidamente para o primeiro lugar com uma população de mais de 1,3 bilhão de habitantes. Na china o carvão é a base energética, por ele: Clauber D.R. (UEMS) Produção açúcar/etanol fev15 31 / 38
  • 56. Matrix Energética Mundial Os combustíveis fosseis ainda são responsáveis por 3/4 da energia consumida no mundo. Durante muitos anos a base energética mundial foi o carvão mineral e continua sendo ainda hoje em países como a China, segunda maior economia mundial e caminhando rapidamente para o primeiro lugar com uma população de mais de 1,3 bilhão de habitantes. Na china o carvão é a base energética, por ele: É gerada a energia elétrica pelas termoelétricas movimenta a indústria, Clauber D.R. (UEMS) Produção açúcar/etanol fev15 31 / 38
  • 57. Matrix Energética Mundial Os combustíveis fosseis ainda são responsáveis por 3/4 da energia consumida no mundo. Durante muitos anos a base energética mundial foi o carvão mineral e continua sendo ainda hoje em países como a China, segunda maior economia mundial e caminhando rapidamente para o primeiro lugar com uma população de mais de 1,3 bilhão de habitantes. Na china o carvão é a base energética, por ele: É gerada a energia elétrica pelas termoelétricas movimenta a indústria, A população usa para aquecer suas casas, cozer seus alimentos, entre outros usos. Clauber D.R. (UEMS) Produção açúcar/etanol fev15 31 / 38
  • 58. Matrix energética Brasileira O Brasil está em uma posição pouco mais confortável que o restante do mundo, e o motivo, a matriz a energética nacional é formada em quase sua metade de por combustíveis renováveis, tais como: Clauber D.R. (UEMS) Produção açúcar/etanol fev15 32 / 38
  • 59. Matrix energética Brasileira O Brasil está em uma posição pouco mais confortável que o restante do mundo, e o motivo, a matriz a energética nacional é formada em quase sua metade de por combustíveis renováveis, tais como: Energia hidráulica, Clauber D.R. (UEMS) Produção açúcar/etanol fev15 32 / 38
  • 60. Matrix energética Brasileira O Brasil está em uma posição pouco mais confortável que o restante do mundo, e o motivo, a matriz a energética nacional é formada em quase sua metade de por combustíveis renováveis, tais como: Energia hidráulica, Importação de hidroeletricidade, Clauber D.R. (UEMS) Produção açúcar/etanol fev15 32 / 38
  • 61. Matrix energética Brasileira O Brasil está em uma posição pouco mais confortável que o restante do mundo, e o motivo, a matriz a energética nacional é formada em quase sua metade de por combustíveis renováveis, tais como: Energia hidráulica, Importação de hidroeletricidade, Carvão vegetal e Clauber D.R. (UEMS) Produção açúcar/etanol fev15 32 / 38
  • 62. Matrix energética Brasileira O Brasil está em uma posição pouco mais confortável que o restante do mundo, e o motivo, a matriz a energética nacional é formada em quase sua metade de por combustíveis renováveis, tais como: Energia hidráulica, Importação de hidroeletricidade, Carvão vegetal e Produtos da cana-de-açúcar — álcool e bagaço de cana, e Clauber D.R. (UEMS) Produção açúcar/etanol fev15 32 / 38
  • 63. Matrix energética Brasileira O Brasil está em uma posição pouco mais confortável que o restante do mundo, e o motivo, a matriz a energética nacional é formada em quase sua metade de por combustíveis renováveis, tais como: Energia hidráulica, Importação de hidroeletricidade, Carvão vegetal e Produtos da cana-de-açúcar — álcool e bagaço de cana, e Mais recentemente o gás natural assumiu um papel de destaque para produção de energia elétrica, movimentando as termoelétricas substituindo a suja matriz baseada em combustíveis fosseis. Clauber D.R. (UEMS) Produção açúcar/etanol fev15 32 / 38
  • 64. Matrix energética Brasileira O Brasil está em uma posição pouco mais confortável que o restante do mundo, e o motivo, a matriz a energética nacional é formada em quase sua metade de por combustíveis renováveis, tais como: Energia hidráulica, Importação de hidroeletricidade, Carvão vegetal e Produtos da cana-de-açúcar — álcool e bagaço de cana, e Mais recentemente o gás natural assumiu um papel de destaque para produção de energia elétrica, movimentando as termoelétricas substituindo a suja matriz baseada em combustíveis fosseis. O excelente resultado do Brasil frente ao restante do mundo em comparação a sua matriz energética, deve-se a hidroeletricidade e ao etanol, juntos correspondem a 1/3 da energia produzida no país. Clauber D.R. (UEMS) Produção açúcar/etanol fev15 32 / 38
  • 65. 0% 20% 40% 60% 80% 100% França Alemanha Japão Noruega U.S.A. Suíça Canadá Brasil Índia China Rússia Peru Indonésia 100% 83% 64% 61% 60% 55% 37% 21% 16% 11% 6% 4% 30% Potencial Hidrelétrico utilizado (%) Potencial Hidrelétrico utilizado no mundo Figura 5.4: Potencial Hidrelétrico utilizado no mundo. Clauber D.R. (UEMS) Produção açúcar/etanol fev15 33 / 38
  • 66. Produção de Energia Segundo o site da UDOP (2015), o Brasil: Possui atualmente 3.139 Agentes investindo no mercado de geração de energia elétrica gerando 132.215.724 kW de potência. Clauber D.R. (UEMS) Produção açúcar/etanol fev15 34 / 38
  • 67. Produção de Energia Segundo o site da UDOP (2015), o Brasil: Possui atualmente 3.139 Agentes investindo no mercado de geração de energia elétrica gerando 132.215.724 kW de potência. Está prevista para os próximos anos uma adição de 36.354.307 kW na capacidade de geração do País, proveniente dos 204 empreendimentos atualmente em construção e mais 587 outorgadas. Clauber D.R. (UEMS) Produção açúcar/etanol fev15 34 / 38
  • 68. Produção de Energia Segundo o site da UDOP (2015), o Brasil: Possui atualmente 3.139 Agentes investindo no mercado de geração de energia elétrica gerando 132.215.724 kW de potência. Está prevista para os próximos anos uma adição de 36.354.307 kW na capacidade de geração do País, proveniente dos 204 empreendimentos atualmente em construção e mais 587 outorgadas. O Bagaço de Cana é utilizado para geração de calor, vapor e energia no processo produtivo. Clauber D.R. (UEMS) Produção açúcar/etanol fev15 34 / 38
  • 69. Tabela 3: Empreendimentos em Operação (UDOP, 2015). Tipo Quantidade Potência (kW) %
  • 70. Tabela 3: Empreendimentos em Operação (UDOP, 2015). Tipo Quantidade Potência (kW) %
  • 71. Tabela 3: Empreendimentos em Operação (UDOP, 2015). Tipo Quantidade Potência (kW) %
  • 72. Tabela 3: Empreendimentos em Operação (UDOP, 2015). Tipo Quantidade Potência (kW) %
  • 73. Tabela 3: Empreendimentos em Operação (UDOP, 2015). Tipo Quantidade Potência (kW) %
  • 74. Tabela 3: Empreendimentos em Operação (UDOP, 2015). Tipo Quantidade Potência (kW) %
  • 75. Tabela 3: Empreendimentos em Operação (UDOP, 2015). Tipo Quantidade Potência (kW) % Clauber D.R. (UEMS) Produção açúcar/etanol fev15 35 / 38
  • 76. Tabela 3: Empreendimentos em Operação (UDOP, 2015). Tipo Quantidade Potência (kW) % Clauber D.R. (UEMS) Produção açúcar/etanol fev15 35 / 38
  • 77. Tabela 3: Empreendimentos em Operação (UDOP, 2015). Tipo Quantidade Potência (kW) % Clauber D.R. (UEMS) Produção açúcar/etanol fev15 35 / 38
  • 78. Tabela 3: Empreendimentos em Operação (UDOP, 2015). Tipo Quantidade Potência (kW) % Central Geradora Hidrelétrica 477 295.461 0,22 Clauber D.R. (UEMS) Produção açúcar/etanol fev15 35 / 38
  • 79. Tabela 3: Empreendimentos em Operação (UDOP, 2015). Tipo Quantidade Potência (kW) % Central Geradora Hidrelétrica 477 295.461 0,22 Central Geradora Elielétrica 197 4.251.498 3,22 Clauber D.R. (UEMS) Produção açúcar/etanol fev15 35 / 38
  • 80. Tabela 3: Empreendimentos em Operação (UDOP, 2015). Tipo Quantidade Potência (kW) % Central Geradora Hidrelétrica 477 295.461 0,22 Central Geradora Elielétrica 197 4.251.498 3,22 Clauber D.R. (UEMS) Produção açúcar/etanol fev15 35 / 38
  • 81. Tabela 3: Empreendimentos em Operação (UDOP, 2015). Tipo Quantidade Potência (kW) % Central Geradora Hidrelétrica 477 295.461 0,22 Central Geradora Elielétrica 197 4.251.498 3,22 Pequena Central Hidrelétrica 469 4.667.132 3,54 Clauber D.R. (UEMS) Produção açúcar/etanol fev15 35 / 38
  • 82. Tabela 3: Empreendimentos em Operação (UDOP, 2015). Tipo Quantidade Potência (kW) % Central Geradora Hidrelétrica 477 295.461 0,22 Central Geradora Elielétrica 197 4.251.498 3,22 Pequena Central Hidrelétrica 469 4.667.132 3,54 UFV 259 14.819 0,01 Unidade Hidrelétrica de Energia 200 83.529.466 63,12 Clauber D.R. (UEMS) Produção açúcar/etanol fev15 35 / 38
  • 83. Tabela 3: Empreendimentos em Operação (UDOP, 2015). Tipo Quantidade Potência (kW) % Central Geradora Hidrelétrica 477 295.461 0,22 Central Geradora Elielétrica 197 4.251.498 3,22 Pequena Central Hidrelétrica 469 4.667.132 3,54 UFV 259 14.819 0,01 Unidade Hidrelétrica de Energia 200 83.529.466 63,12 Clauber D.R. (UEMS) Produção açúcar/etanol fev15 35 / 38
  • 84. Tabela 3: Empreendimentos em Operação (UDOP, 2015). Tipo Quantidade Potência (kW) % Central Geradora Hidrelétrica 477 295.461 0,22 Central Geradora Elielétrica 197 4.251.498 3,22 Pequena Central Hidrelétrica 469 4.667.132 3,54 UFV 259 14.819 0,01 Unidade Hidrelétrica de Energia 200 83.529.466 63,12 Usina Termelétrica de Energia 1.877 37.529.446 28,39 Clauber D.R. (UEMS) Produção açúcar/etanol fev15 35 / 38
  • 85. Tabela 3: Empreendimentos em Operação (UDOP, 2015). Tipo Quantidade Potência (kW) % Central Geradora Hidrelétrica 477 295.461 0,22 Central Geradora Elielétrica 197 4.251.498 3,22 Pequena Central Hidrelétrica 469 4.667.132 3,54 UFV 259 14.819 0,01 Unidade Hidrelétrica de Energia 200 83.529.466 63,12 Usina Termelétrica de Energia 1.877 37.529.446 28,39 Usina Termelétrica Nuclear 2 1.990.000 1,51 Clauber D.R. (UEMS) Produção açúcar/etanol fev15 35 / 38
  • 86. Tabela 3: Empreendimentos em Operação (UDOP, 2015). Tipo Quantidade Potência (kW) % Central Geradora Hidrelétrica 477 295.461 0,22 Central Geradora Elielétrica 197 4.251.498 3,22 Pequena Central Hidrelétrica 469 4.667.132 3,54 UFV 259 14.819 0,01 Unidade Hidrelétrica de Energia 200 83.529.466 63,12 Usina Termelétrica de Energia 1.877 37.529.446 28,39 Usina Termelétrica Nuclear 2 1.990.000 1,51 Total 3.481 132.215.724 100 Clauber D.R. (UEMS) Produção açúcar/etanol fev15 35 / 38
  • 87. BR Carregar Clauber D.R. (UEMS) Produção açúcar/etanol fev15 36 / 38
  • 88. Tabela 4: Empreendimentos em operação (UDOP, 2015). Atualizado em: 07/11/2014. Clauber D.R. (UEMS) Produção açúcar/etanol fev15 36 / 38
  • 89. Tabela 5: Empreendimentos em operação (UDOP, 2015) (continuação). Atualizado em: 07/11/2014. Clauber D.R. (UEMS) Produção açúcar/etanol fev15 37 / 38
  • 90. Referências Bibliográficas I Companhia Nacional de Abastecimento. Séries históricas. Brasília, 2015. Disponível em: <http://www.conab.gov.br>. Acesso em: 28 jan. 2015. FAO - FOOD AND AGRICULTURE ORGANIZATION OF THE UNITED NATIONS. Sugar Beet White Sugar. Rome: FAO, 2009. Disponível em: <http://www.eastagri.org/publications/pub_docs/4_Sugar_web.pdf>. Acesso em: 12 fev. 2015. JANK, M. S. Perpectivas do Setor Sucroenergético no Cenário Nacional e Mundial - A problemática do etanol e seus desdobramentos. In: XXX Simpósio da Agroindústria da Cana-de-açúcar de Alagoas. Maceió: [s.n.], 2013. p. 42. UDOP - União Brasileira dos Produtores de Bioenergia. Produção Brasileira. Araçatuba/SP, 2015. Disponível em: <http://www.udop.com.br/ index.php?item=safras>. Acesso em: 28 jan. 2015. Clauber D.R. (UEMS) Produção açúcar/etanol fev15 38 / 38