Caracteristicas da-cana-de-acucar

1.285 visualizações

Publicada em

Características da cana-de-açúcar

Publicada em: Educação
0 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.285
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
52
Comentários
0
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Caracteristicas da-cana-de-acucar

  1. 1. Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul Unidade: Glória de Dourados Curso: Tecnologia em Produção Sucroalcooleira Disciplina: Introdução ao Setor Sucroenergético 04 Características e Composição Tecnológica da Cana-de-açúcar Prof. Clauber Dalmas Rodrigues <clauber@uems.br> Fevereiro/2015 Clauber D.R. (UEMS) Transporte fev15 1 / 17
  2. 2. Sumário 1 Morfologia da cana-de-açúcar 2 Composição tecnológica dos colmos de cana-de-açúcar % Umidade Cana Clauber D.R. (UEMS) Transporte fev15 2 / 17
  3. 3. Sumario 1 Morfologia da cana-de-açúcar 2 Composição tecnológica dos colmos de cana-de-açúcar % Umidade Cana Clauber D.R. (UEMS) Transporte fev15 3 / 17
  4. 4. Variedades da cana-de-açúcar Existem diversas variedades cultivadas de cana-de-açúcar, que se distinguem pela cor e altura do caule, O caule (ou colmo) atinge entre 3 e 6 m de altura, por 2 a 5 cm de diâmetro. Sua multiplicação feita, desde a antiguidade, a partir de estacas (algumas variedades não produzem sementes férteis). É cultivada, principalmente, em clima tropical onde se alternam as estações secas e úmidas. Sua floração, em geral, começa no outono e a colheita se dá na estação seca, durante um período de 3 a 6 meses. Clauber D.R. (UEMS) Transporte fev15 4 / 17
  5. 5. Figura 1.1: Variedades de cana-de-açúcar (MARIN, 2015). Clauber D.R. (UEMS) Transporte fev15 5 / 17
  6. 6. Figura 1.2: Partes da planta de cana-de-açúcar. Clauber D.R. (UEMS) Transporte fev15 6 / 17
  7. 7. Composição morfológica básica Basicamente, a constituição da planta de cana-de-açúcar é: Colmo Caracterizados por nós bem marcados e entrenós distintos, são espessos e repletos de suco açucarado. Figura 1.3: Colmo da cana-de-açúcar. Fonte: www.sifaeg.com.br. Folhas Ponteiro Raízes Clauber D.R. (UEMS) Transporte fev15 7 / 17
  8. 8. Sumario 1 Morfologia da cana-de-açúcar 2 Composição tecnológica dos colmos de cana-de-açúcar % Umidade Cana Clauber D.R. (UEMS) Transporte fev15 8 / 17
  9. 9. Composição tecnológica dos colmos de cana-de-açúcar É necessário algumas características da qualidade da cana-de-açúcar como matéria-prima industrial que definem seu potencial para produção de açúcar e álcool. Essas características são influenciadas pelas condições do solo e clima e podem ser significativamente alteradas pelo manejo de produção. Sob o aspecto tecnológico, os colmos são constituídos de caldo mais sólidos insolúveis em água: Cana = Sólidos Insolúveis + Caldo (1) O caldo contém a água e os sólidos solúveis totais, que correspondem aos açúcares e não-açúcares: Clauber D.R. (UEMS) Transporte fev15 9 / 17
  10. 10. O caldo contém a água e os sólidos solúveis totais, que correspondem aos açúcares e não-açúcares: Cana    Sólidos Insolúveis Fibra (bagaço) Caldo    Água Sólidos Solúveis    Açúcares    Sacarose Glicose Frutose Não Açúcares Sais Minerais Compostos orgânicos Figura 2.1: Composição tecnológica da cana-de-açúcar. Clauber D.R. (UEMS) Transporte fev15 10 / 17
  11. 11. Sumario 1 Morfologia da cana-de-açúcar 2 Composição tecnológica dos colmos de cana-de-açúcar % Umidade Cana Clauber D.R. (UEMS) Transporte fev15 11 / 17
  12. 12. Quantidade de água na cana-de-açúcar – Umidade % Cana Caldo = Sólidos Solúveis + Água (2) Em quantidade, a água é o principal componente da cana-de-açúcar, assim como para todas as plantas. A quantidade de água na cana-de-açúcar é abreviada no setor sucroalcooleiro como Umidade % Cana. No período da safra na região centro-sul do Brasil a % de água na cana varia normalmente de (FERNANDES, 2011): 76% (cana não madura em área com muita umidade no solo) e decresce até 67% ou menos após longa estiagem. A partir das duas equações anteriores (Equações (1) e (2) ), teremos: Cana = Sólidos Solúveis + Sólidos Insolúveis + Água (3) Clauber D.R. (UEMS) Transporte fev15 12 / 17
  13. 13. A medida dos sólidos solúveis – o Brix A medida dos sólidos solúveis aparentes é denominado de Brix1. Os sólidos solúveis aparentes são classificados em açúcares e não açúcares (Veja a Fig. 2.1). A “água” da última equação representa a Umidade da cana, o que resulta em termos percentuais na “Primeira equação fundamental da tecnologia açúcareira”: Cana = Fibra + Brix +Umidade (4) 1Esta análise será estudada posteriormente Clauber D.R. (UEMS) Transporte fev15 13 / 17
  14. 14. Figura 2.2: Composição tecnológica do colmo da cana-de-açúcar, variedade RB72454 (FERNANDES, 2011) . Clauber D.R. (UEMS) Transporte fev15 14 / 17
  15. 15. Variação Umidade % Cana durante a Safra Durante o período de colheita, com madura, a umidade % cana situa-se normalmente entre 68% a 72%, sendo a a Cana média da safra é em torno de 70%. Abaixo de 67% de umidade a planta poderá estar entrando em estresse hídrico e acima de 73% pode significar que foi colhida fora do ponto de maturação ideal ou então é necessário verificar a qualidade dos resultados analíticos. Clauber D.R. (UEMS) Transporte fev15 15 / 17
  16. 16. Figura 2.3: Composição tecnológica do colmo da cana-de-açúcar, variedade RB72454 (FERNANDES, 2011) . Clauber D.R. (UEMS) Transporte fev15 16 / 17
  17. 17. Referências Bibliográficas I FERNANDES, A. C. Cálculos na Agroindústria da Cana-de-açúcar. 3. ed. Piracicaba: STAB - Sociedade dos Técnicos Açúcareiros e Alcooleiros do Brasil, 2011. 416 p. MARIN, F. R. Cana-de-açúcar: Variedades. Brasília: Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária - EMBRAPA, 2015. Disponível em: <http://www.agencia.cnptia.embrapa.br/gestor/cana-de-acucar/arvore/ CONTAG01_42_1110200717570.html>. Acesso em: 10 mar. 2015. Clauber D.R. (UEMS) Transporte fev15 17 / 17

×