SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 17
Baixar para ler offline
Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul
Unidade: Glória de Dourados
Curso: Tecnologia em Produção Sucroalcooleira
Disciplina: Introdução ao Setor Sucroenergético
04
Características e Composição Tecnológica da
Cana-de-açúcar
Prof. Clauber Dalmas Rodrigues
<clauber@uems.br>
Fevereiro/2015
Clauber D.R. (UEMS) Transporte fev15 1 / 17
Sumário
1 Morfologia da cana-de-açúcar
2 Composição tecnológica dos colmos de cana-de-açúcar
% Umidade Cana
Clauber D.R. (UEMS) Transporte fev15 2 / 17
Sumario
1 Morfologia da cana-de-açúcar
2 Composição tecnológica dos colmos de cana-de-açúcar
% Umidade Cana
Clauber D.R. (UEMS) Transporte fev15 3 / 17
Variedades da cana-de-açúcar
Existem diversas variedades
cultivadas de cana-de-açúcar, que
se distinguem pela
cor e
altura do caule,
O caule (ou colmo) atinge entre 3
e 6 m de altura, por 2 a 5 cm de
diâmetro.
Sua multiplicação feita, desde a
antiguidade, a partir de estacas
(algumas variedades não
produzem sementes férteis).
É cultivada, principalmente, em
clima tropical onde se alternam as
estações secas e úmidas.
Sua floração, em geral, começa
no outono e a colheita se dá na
estação seca, durante um período
de 3 a 6 meses.
Clauber D.R. (UEMS) Transporte fev15 4 / 17
Figura 1.1: Variedades de cana-de-açúcar (MARIN, 2015).
Clauber D.R. (UEMS) Transporte fev15 5 / 17
Figura 1.2: Partes da planta
de cana-de-açúcar.
Clauber D.R. (UEMS) Transporte fev15 6 / 17
Composição morfológica básica
Basicamente, a constituição da planta de cana-de-açúcar é:
Colmo
Caracterizados por nós bem
marcados e entrenós distintos,
são espessos e repletos de
suco açucarado.
Figura 1.3: Colmo da cana-de-açúcar. Fonte:
www.sifaeg.com.br.
Folhas
Ponteiro
Raízes
Clauber D.R. (UEMS) Transporte fev15 7 / 17
Sumario
1 Morfologia da cana-de-açúcar
2 Composição tecnológica dos colmos de cana-de-açúcar
% Umidade Cana
Clauber D.R. (UEMS) Transporte fev15 8 / 17
Composição tecnológica dos colmos de
cana-de-açúcar
É necessário algumas características da qualidade da cana-de-açúcar
como matéria-prima industrial que definem seu potencial para produção
de açúcar e álcool.
Essas características são influenciadas pelas condições do solo e clima
e podem ser significativamente alteradas pelo manejo de produção.
Sob o aspecto tecnológico, os colmos são constituídos de caldo mais
sólidos insolúveis em água:
Cana =
Sólidos
Insolúveis
+ Caldo (1)
O caldo contém a água e os sólidos solúveis totais, que correspondem
aos açúcares e não-açúcares:
Clauber D.R. (UEMS) Transporte fev15 9 / 17
O caldo contém a água e os sólidos solúveis totais, que correspondem
aos açúcares e não-açúcares:
Cana



Sólidos
Insolúveis
Fibra (bagaço)
Caldo



Água
Sólidos
Solúveis



Açúcares



Sacarose
Glicose
Frutose
Não
Açúcares
Sais Minerais
Compostos orgânicos
Figura 2.1: Composição tecnológica da cana-de-açúcar.
Clauber D.R. (UEMS) Transporte fev15 10 / 17
Sumario
1 Morfologia da cana-de-açúcar
2 Composição tecnológica dos colmos de cana-de-açúcar
% Umidade Cana
Clauber D.R. (UEMS) Transporte fev15 11 / 17
Quantidade de água na cana-de-açúcar – Umidade % Cana
Caldo =
Sólidos
Solúveis
+ Água (2)
Em quantidade, a água é o principal componente da cana-de-açúcar,
assim como para todas as plantas.
A quantidade de água na cana-de-açúcar é abreviada no setor
sucroalcooleiro como Umidade % Cana.
No período da safra na região centro-sul do Brasil a % de água na cana
varia normalmente de (FERNANDES, 2011):
76% (cana não madura em área com muita umidade no solo) e
decresce até 67% ou menos após longa estiagem.
A partir das duas equações anteriores (Equações (1) e (2) ), teremos:
Cana =
Sólidos
Solúveis
+
Sólidos
Insolúveis
+ Água (3)
Clauber D.R. (UEMS) Transporte fev15 12 / 17
A medida dos sólidos solúveis – o Brix
A medida dos sólidos solúveis aparentes é denominado de Brix1.
Os sólidos solúveis aparentes são classificados em açúcares e não
açúcares (Veja a Fig. 2.1).
A “água” da última equação representa a Umidade da cana, o que
resulta em termos percentuais na “Primeira equação fundamental da
tecnologia açúcareira”:
Cana = Fibra + Brix +Umidade (4)
1Esta análise será estudada posteriormente
Clauber D.R. (UEMS) Transporte fev15 13 / 17
Figura 2.2: Composição tecnológica do colmo da cana-de-açúcar, variedade RB72454
(FERNANDES, 2011) .
Clauber D.R. (UEMS) Transporte fev15 14 / 17
Variação Umidade % Cana durante a Safra
Durante o período de colheita, com madura, a umidade % cana situa-se
normalmente entre 68% a 72%, sendo a a Cana média da safra é em
torno de 70%.
Abaixo de 67% de umidade a planta poderá estar entrando em estresse
hídrico e acima de 73% pode significar que foi colhida fora do ponto de
maturação ideal ou então é necessário verificar a qualidade dos
resultados analíticos.
Clauber D.R. (UEMS) Transporte fev15 15 / 17
Figura 2.3: Composição tecnológica do colmo da cana-de-açúcar, variedade RB72454
(FERNANDES, 2011) .
Clauber D.R. (UEMS) Transporte fev15 16 / 17
Referências Bibliográficas I
FERNANDES, A. C. Cálculos na Agroindústria da Cana-de-açúcar.
3. ed. Piracicaba: STAB - Sociedade dos Técnicos Açúcareiros e
Alcooleiros do Brasil, 2011. 416 p.
MARIN, F. R. Cana-de-açúcar: Variedades. Brasília: Empresa
Brasileira de Pesquisa Agropecuária - EMBRAPA, 2015. Disponível em:
<http://www.agencia.cnptia.embrapa.br/gestor/cana-de-acucar/arvore/
CONTAG01_42_1110200717570.html>. Acesso em: 10 mar. 2015.
Clauber D.R. (UEMS) Transporte fev15 17 / 17

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

5 botânica e morfologia da cana
5 botânica e morfologia da cana5 botânica e morfologia da cana
5 botânica e morfologia da canaCristóvão Lopes
 
Apresentação pós colheita
Apresentação pós colheitaApresentação pós colheita
Apresentação pós colheitaÍtalo Arrais
 
02 A produção e produtividade de cana-de-açúcar no Brasil e no mundo
02 A produção e produtividade de cana-de-açúcar no Brasil e no mundo02 A produção e produtividade de cana-de-açúcar no Brasil e no mundo
02 A produção e produtividade de cana-de-açúcar no Brasil e no mundoClauber Dalmas Rodrigues
 
Unidade 05 dormência de sementes
Unidade 05 dormência de sementesUnidade 05 dormência de sementes
Unidade 05 dormência de sementesBruno Rodrigues
 
Processamento industrial e produtos da mandioca
Processamento industrial e produtos da mandiocaProcessamento industrial e produtos da mandioca
Processamento industrial e produtos da mandiocaTiago Maboni Derlan
 
A cultura do Milho
A cultura do MilhoA cultura do Milho
A cultura do MilhoKiller Max
 
Colheita e Armazenamento: Milho
Colheita e Armazenamento: MilhoColheita e Armazenamento: Milho
Colheita e Armazenamento: MilhoGeagra UFG
 
Morfologia e Fenologia do Feijão
Morfologia e Fenologia do FeijãoMorfologia e Fenologia do Feijão
Morfologia e Fenologia do FeijãoKiller Max
 
Controle do amadurecimento e senescência dos frutos
Controle do amadurecimento e senescência dos frutosControle do amadurecimento e senescência dos frutos
Controle do amadurecimento e senescência dos frutosUERGS
 
Citricultura e Melhoramento Genético de Citrus
Citricultura e Melhoramento Genético de Citrus   Citricultura e Melhoramento Genético de Citrus
Citricultura e Melhoramento Genético de Citrus Lucas Alexandre
 
METODOS DE SECADO DE ALIMENTOS
METODOS DE SECADO DE ALIMENTOSMETODOS DE SECADO DE ALIMENTOS
METODOS DE SECADO DE ALIMENTOSgbm1877
 
Panorama da fruticultura brasileira
Panorama da fruticultura brasileiraPanorama da fruticultura brasileira
Panorama da fruticultura brasileiraBarreiras Comerciais
 

Mais procurados (20)

5 botânica e morfologia da cana
5 botânica e morfologia da cana5 botânica e morfologia da cana
5 botânica e morfologia da cana
 
Apresentação pós colheita
Apresentação pós colheitaApresentação pós colheita
Apresentação pós colheita
 
02 A produção e produtividade de cana-de-açúcar no Brasil e no mundo
02 A produção e produtividade de cana-de-açúcar no Brasil e no mundo02 A produção e produtividade de cana-de-açúcar no Brasil e no mundo
02 A produção e produtividade de cana-de-açúcar no Brasil e no mundo
 
Aula 02 cultura do maracujá.
Aula 02  cultura do maracujá.Aula 02  cultura do maracujá.
Aula 02 cultura do maracujá.
 
Soja
SojaSoja
Soja
 
Produção de Cerveja
Produção de CervejaProdução de Cerveja
Produção de Cerveja
 
Unidade 05 dormência de sementes
Unidade 05 dormência de sementesUnidade 05 dormência de sementes
Unidade 05 dormência de sementes
 
Processamento industrial e produtos da mandioca
Processamento industrial e produtos da mandiocaProcessamento industrial e produtos da mandioca
Processamento industrial e produtos da mandioca
 
A cultura do Milho
A cultura do MilhoA cultura do Milho
A cultura do Milho
 
Colheita e Armazenamento: Milho
Colheita e Armazenamento: MilhoColheita e Armazenamento: Milho
Colheita e Armazenamento: Milho
 
Trigo
TrigoTrigo
Trigo
 
Processamento mandioca fécula
Processamento mandioca féculaProcessamento mandioca fécula
Processamento mandioca fécula
 
Morfologia e Fenologia do Feijão
Morfologia e Fenologia do FeijãoMorfologia e Fenologia do Feijão
Morfologia e Fenologia do Feijão
 
Controle do amadurecimento e senescência dos frutos
Controle do amadurecimento e senescência dos frutosControle do amadurecimento e senescência dos frutos
Controle do amadurecimento e senescência dos frutos
 
Citricultura e Melhoramento Genético de Citrus
Citricultura e Melhoramento Genético de Citrus   Citricultura e Melhoramento Genético de Citrus
Citricultura e Melhoramento Genético de Citrus
 
cultura do café
cultura do cafécultura do café
cultura do café
 
METODOS DE SECADO DE ALIMENTOS
METODOS DE SECADO DE ALIMENTOSMETODOS DE SECADO DE ALIMENTOS
METODOS DE SECADO DE ALIMENTOS
 
Panorama da fruticultura brasileira
Panorama da fruticultura brasileiraPanorama da fruticultura brasileira
Panorama da fruticultura brasileira
 
Trigo
TrigoTrigo
Trigo
 
Germinação
GerminaçãoGerminação
Germinação
 

Destaque

APOSTILA DE CANA-DE-AÇÚCAR-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICAE AGRO...
APOSTILA DE CANA-DE-AÇÚCAR-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICAE AGRO...APOSTILA DE CANA-DE-AÇÚCAR-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICAE AGRO...
APOSTILA DE CANA-DE-AÇÚCAR-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICAE AGRO...Antonio Inácio Ferraz
 
Monografia marcio rogerio comin
Monografia marcio rogerio cominMonografia marcio rogerio comin
Monografia marcio rogerio cominVismael Santos
 
T39 tcc o efeito da escala em processamento de cana de açúcar estudo de caso_...
T39 tcc o efeito da escala em processamento de cana de açúcar estudo de caso_...T39 tcc o efeito da escala em processamento de cana de açúcar estudo de caso_...
T39 tcc o efeito da escala em processamento de cana de açúcar estudo de caso_...DanianaSantos
 
EFEITOS DA EXPANSÃO DA CANA DE AÇÚCAR NO SUDOESTE DO ESTADO DE MATO GROSSO DO...
EFEITOS DA EXPANSÃO DA CANA DE AÇÚCAR NO SUDOESTE DO ESTADO DE MATO GROSSO DO...EFEITOS DA EXPANSÃO DA CANA DE AÇÚCAR NO SUDOESTE DO ESTADO DE MATO GROSSO DO...
EFEITOS DA EXPANSÃO DA CANA DE AÇÚCAR NO SUDOESTE DO ESTADO DE MATO GROSSO DO...1sested
 
Apostila pós colheita do Café
Apostila pós colheita do CaféApostila pós colheita do Café
Apostila pós colheita do CaféBruno Ribeiro
 
Expressoes Populares
Expressoes PopularesExpressoes Populares
Expressoes PopularesTibirica
 
PÓS-COLHEITA E QUALIDADE DO CAFÉ - Prof. Flávio Meira Borém
PÓS-COLHEITA E QUALIDADE DO CAFÉ - Prof. Flávio Meira BorémPÓS-COLHEITA E QUALIDADE DO CAFÉ - Prof. Flávio Meira Borém
PÓS-COLHEITA E QUALIDADE DO CAFÉ - Prof. Flávio Meira BorémRevista Cafeicultura
 
pragas e doenças em cana de açúcar. CTC-antonio inacio ferraz
pragas e doenças em cana de açúcar. CTC-antonio inacio ferrazpragas e doenças em cana de açúcar. CTC-antonio inacio ferraz
pragas e doenças em cana de açúcar. CTC-antonio inacio ferrazANTONIO INACIO FERRAZ
 
Apresentação - CEVSS
Apresentação - CEVSSApresentação - CEVSS
Apresentação - CEVSSriciware
 
03 recepção da cana-de-açúcar em usina sucroalcooleira
03 recepção da cana-de-açúcar em usina sucroalcooleira03 recepção da cana-de-açúcar em usina sucroalcooleira
03 recepção da cana-de-açúcar em usina sucroalcooleiraClauber Dalmas Rodrigues
 
Palestra: Como preparar e apresenta um bom seminário!
Palestra: Como preparar e apresenta um bom seminário!Palestra: Como preparar e apresenta um bom seminário!
Palestra: Como preparar e apresenta um bom seminário!Rosalia Azambuja
 

Destaque (19)

Ecofisiologia da cana
Ecofisiologia da canaEcofisiologia da cana
Ecofisiologia da cana
 
APOSTILA DE CANA-DE-AÇÚCAR-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICAE AGRO...
APOSTILA DE CANA-DE-AÇÚCAR-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICAE AGRO...APOSTILA DE CANA-DE-AÇÚCAR-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICAE AGRO...
APOSTILA DE CANA-DE-AÇÚCAR-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICAE AGRO...
 
Monografia marcio rogerio comin
Monografia marcio rogerio cominMonografia marcio rogerio comin
Monografia marcio rogerio comin
 
,Fisiologia da cana de-açucar
,Fisiologia da cana de-açucar,Fisiologia da cana de-açucar
,Fisiologia da cana de-açucar
 
T39 tcc o efeito da escala em processamento de cana de açúcar estudo de caso_...
T39 tcc o efeito da escala em processamento de cana de açúcar estudo de caso_...T39 tcc o efeito da escala em processamento de cana de açúcar estudo de caso_...
T39 tcc o efeito da escala em processamento de cana de açúcar estudo de caso_...
 
Angiosperma
AngiospermaAngiosperma
Angiosperma
 
EFEITOS DA EXPANSÃO DA CANA DE AÇÚCAR NO SUDOESTE DO ESTADO DE MATO GROSSO DO...
EFEITOS DA EXPANSÃO DA CANA DE AÇÚCAR NO SUDOESTE DO ESTADO DE MATO GROSSO DO...EFEITOS DA EXPANSÃO DA CANA DE AÇÚCAR NO SUDOESTE DO ESTADO DE MATO GROSSO DO...
EFEITOS DA EXPANSÃO DA CANA DE AÇÚCAR NO SUDOESTE DO ESTADO DE MATO GROSSO DO...
 
Apostila pós colheita do Café
Apostila pós colheita do CaféApostila pós colheita do Café
Apostila pós colheita do Café
 
Expressoes Populares
Expressoes PopularesExpressoes Populares
Expressoes Populares
 
1-Treinamento Pcts
1-Treinamento Pcts1-Treinamento Pcts
1-Treinamento Pcts
 
PÓS-COLHEITA E QUALIDADE DO CAFÉ - Prof. Flávio Meira Borém
PÓS-COLHEITA E QUALIDADE DO CAFÉ - Prof. Flávio Meira BorémPÓS-COLHEITA E QUALIDADE DO CAFÉ - Prof. Flávio Meira Borém
PÓS-COLHEITA E QUALIDADE DO CAFÉ - Prof. Flávio Meira Borém
 
pragas e doenças em cana de açúcar. CTC-antonio inacio ferraz
pragas e doenças em cana de açúcar. CTC-antonio inacio ferrazpragas e doenças em cana de açúcar. CTC-antonio inacio ferraz
pragas e doenças em cana de açúcar. CTC-antonio inacio ferraz
 
Apresentação - CEVSS
Apresentação - CEVSSApresentação - CEVSS
Apresentação - CEVSS
 
08 preparo_cana
08  preparo_cana08  preparo_cana
08 preparo_cana
 
03 recepção da cana-de-açúcar em usina sucroalcooleira
03 recepção da cana-de-açúcar em usina sucroalcooleira03 recepção da cana-de-açúcar em usina sucroalcooleira
03 recepção da cana-de-açúcar em usina sucroalcooleira
 
Preparo da Cana-de-açúcar
Preparo da Cana-de-açúcarPreparo da Cana-de-açúcar
Preparo da Cana-de-açúcar
 
Moenda
MoendaMoenda
Moenda
 
Palestra: Como preparar e apresenta um bom seminário!
Palestra: Como preparar e apresenta um bom seminário!Palestra: Como preparar e apresenta um bom seminário!
Palestra: Como preparar e apresenta um bom seminário!
 
Apresentacao Seminario
Apresentacao SeminarioApresentacao Seminario
Apresentacao Seminario
 

Último

atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãodanielagracia9
 
Modelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesModelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesGilbraz Aragão
 
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Paula Meyer Piagentini
 
música paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdf
música paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdfmúsica paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdf
música paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdfWALDIRENEPINTODEMACE
 
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...MANUELJESUSVENTURASA
 
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Paula Meyer Piagentini
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...azulassessoria9
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREIVONETETAVARESRAMOS
 
Romero Britto - biografia 6º ano (1).pptx
Romero Britto - biografia 6º ano (1).pptxRomero Britto - biografia 6º ano (1).pptx
Romero Britto - biografia 6º ano (1).pptxLuisCarlosAlves10
 
8 ano - Congruência e Semelhança e Angulos em Triangulos.ppt
8 ano - Congruência e Semelhança e  Angulos em Triangulos.ppt8 ano - Congruência e Semelhança e  Angulos em Triangulos.ppt
8 ano - Congruência e Semelhança e Angulos em Triangulos.pptDaniloConceiodaSilva
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxGislaineDuresCruz
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...azulassessoria9
 
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoSer Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoJayaneSales1
 
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil  2023.ppsxA área de ciências da religião no brasil  2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsxGilbraz Aragão
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...nexocan937
 
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptxSlides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullyingMary Alvarenga
 

Último (20)

atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetização
 
Modelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesModelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das Religiões
 
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
 
música paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdf
música paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdfmúsica paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdf
música paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdf
 
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
 
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
 
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
 
Romero Britto - biografia 6º ano (1).pptx
Romero Britto - biografia 6º ano (1).pptxRomero Britto - biografia 6º ano (1).pptx
Romero Britto - biografia 6º ano (1).pptx
 
8 ano - Congruência e Semelhança e Angulos em Triangulos.ppt
8 ano - Congruência e Semelhança e  Angulos em Triangulos.ppt8 ano - Congruência e Semelhança e  Angulos em Triangulos.ppt
8 ano - Congruência e Semelhança e Angulos em Triangulos.ppt
 
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
 
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoSer Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
 
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil  2023.ppsxA área de ciências da religião no brasil  2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
 
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptxSlides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
 

Composição da cana-de-açúcar

  • 1. Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul Unidade: Glória de Dourados Curso: Tecnologia em Produção Sucroalcooleira Disciplina: Introdução ao Setor Sucroenergético 04 Características e Composição Tecnológica da Cana-de-açúcar Prof. Clauber Dalmas Rodrigues <clauber@uems.br> Fevereiro/2015 Clauber D.R. (UEMS) Transporte fev15 1 / 17
  • 2. Sumário 1 Morfologia da cana-de-açúcar 2 Composição tecnológica dos colmos de cana-de-açúcar % Umidade Cana Clauber D.R. (UEMS) Transporte fev15 2 / 17
  • 3. Sumario 1 Morfologia da cana-de-açúcar 2 Composição tecnológica dos colmos de cana-de-açúcar % Umidade Cana Clauber D.R. (UEMS) Transporte fev15 3 / 17
  • 4. Variedades da cana-de-açúcar Existem diversas variedades cultivadas de cana-de-açúcar, que se distinguem pela cor e altura do caule, O caule (ou colmo) atinge entre 3 e 6 m de altura, por 2 a 5 cm de diâmetro. Sua multiplicação feita, desde a antiguidade, a partir de estacas (algumas variedades não produzem sementes férteis). É cultivada, principalmente, em clima tropical onde se alternam as estações secas e úmidas. Sua floração, em geral, começa no outono e a colheita se dá na estação seca, durante um período de 3 a 6 meses. Clauber D.R. (UEMS) Transporte fev15 4 / 17
  • 5. Figura 1.1: Variedades de cana-de-açúcar (MARIN, 2015). Clauber D.R. (UEMS) Transporte fev15 5 / 17
  • 6. Figura 1.2: Partes da planta de cana-de-açúcar. Clauber D.R. (UEMS) Transporte fev15 6 / 17
  • 7. Composição morfológica básica Basicamente, a constituição da planta de cana-de-açúcar é: Colmo Caracterizados por nós bem marcados e entrenós distintos, são espessos e repletos de suco açucarado. Figura 1.3: Colmo da cana-de-açúcar. Fonte: www.sifaeg.com.br. Folhas Ponteiro Raízes Clauber D.R. (UEMS) Transporte fev15 7 / 17
  • 8. Sumario 1 Morfologia da cana-de-açúcar 2 Composição tecnológica dos colmos de cana-de-açúcar % Umidade Cana Clauber D.R. (UEMS) Transporte fev15 8 / 17
  • 9. Composição tecnológica dos colmos de cana-de-açúcar É necessário algumas características da qualidade da cana-de-açúcar como matéria-prima industrial que definem seu potencial para produção de açúcar e álcool. Essas características são influenciadas pelas condições do solo e clima e podem ser significativamente alteradas pelo manejo de produção. Sob o aspecto tecnológico, os colmos são constituídos de caldo mais sólidos insolúveis em água: Cana = Sólidos Insolúveis + Caldo (1) O caldo contém a água e os sólidos solúveis totais, que correspondem aos açúcares e não-açúcares: Clauber D.R. (UEMS) Transporte fev15 9 / 17
  • 10. O caldo contém a água e os sólidos solúveis totais, que correspondem aos açúcares e não-açúcares: Cana    Sólidos Insolúveis Fibra (bagaço) Caldo    Água Sólidos Solúveis    Açúcares    Sacarose Glicose Frutose Não Açúcares Sais Minerais Compostos orgânicos Figura 2.1: Composição tecnológica da cana-de-açúcar. Clauber D.R. (UEMS) Transporte fev15 10 / 17
  • 11. Sumario 1 Morfologia da cana-de-açúcar 2 Composição tecnológica dos colmos de cana-de-açúcar % Umidade Cana Clauber D.R. (UEMS) Transporte fev15 11 / 17
  • 12. Quantidade de água na cana-de-açúcar – Umidade % Cana Caldo = Sólidos Solúveis + Água (2) Em quantidade, a água é o principal componente da cana-de-açúcar, assim como para todas as plantas. A quantidade de água na cana-de-açúcar é abreviada no setor sucroalcooleiro como Umidade % Cana. No período da safra na região centro-sul do Brasil a % de água na cana varia normalmente de (FERNANDES, 2011): 76% (cana não madura em área com muita umidade no solo) e decresce até 67% ou menos após longa estiagem. A partir das duas equações anteriores (Equações (1) e (2) ), teremos: Cana = Sólidos Solúveis + Sólidos Insolúveis + Água (3) Clauber D.R. (UEMS) Transporte fev15 12 / 17
  • 13. A medida dos sólidos solúveis – o Brix A medida dos sólidos solúveis aparentes é denominado de Brix1. Os sólidos solúveis aparentes são classificados em açúcares e não açúcares (Veja a Fig. 2.1). A “água” da última equação representa a Umidade da cana, o que resulta em termos percentuais na “Primeira equação fundamental da tecnologia açúcareira”: Cana = Fibra + Brix +Umidade (4) 1Esta análise será estudada posteriormente Clauber D.R. (UEMS) Transporte fev15 13 / 17
  • 14. Figura 2.2: Composição tecnológica do colmo da cana-de-açúcar, variedade RB72454 (FERNANDES, 2011) . Clauber D.R. (UEMS) Transporte fev15 14 / 17
  • 15. Variação Umidade % Cana durante a Safra Durante o período de colheita, com madura, a umidade % cana situa-se normalmente entre 68% a 72%, sendo a a Cana média da safra é em torno de 70%. Abaixo de 67% de umidade a planta poderá estar entrando em estresse hídrico e acima de 73% pode significar que foi colhida fora do ponto de maturação ideal ou então é necessário verificar a qualidade dos resultados analíticos. Clauber D.R. (UEMS) Transporte fev15 15 / 17
  • 16. Figura 2.3: Composição tecnológica do colmo da cana-de-açúcar, variedade RB72454 (FERNANDES, 2011) . Clauber D.R. (UEMS) Transporte fev15 16 / 17
  • 17. Referências Bibliográficas I FERNANDES, A. C. Cálculos na Agroindústria da Cana-de-açúcar. 3. ed. Piracicaba: STAB - Sociedade dos Técnicos Açúcareiros e Alcooleiros do Brasil, 2011. 416 p. MARIN, F. R. Cana-de-açúcar: Variedades. Brasília: Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária - EMBRAPA, 2015. Disponível em: <http://www.agencia.cnptia.embrapa.br/gestor/cana-de-acucar/arvore/ CONTAG01_42_1110200717570.html>. Acesso em: 10 mar. 2015. Clauber D.R. (UEMS) Transporte fev15 17 / 17