SlideShare uma empresa Scribd logo
Breve IntroduçãoBreve Introdução
Pouco se sabe acerca dos povos que terão habitado a PenínsulaPouco se sabe acerca dos povos que terão habitado a Península
Hispânica antes da chegada dos romanos (séc. III a. C.). Nesses povosHispânica antes da chegada dos romanos (séc. III a. C.). Nesses povos
incluem-se, entre outros, osincluem-se, entre outros, os IberosIberos, os, os CeltasCeltas, os, os FeníciosFenícios, os, os GregosGregos e ose os
CartaginesesCartagineses..
A Península fora habitada, em tempos muito remotos, pelos Iberos,A Península fora habitada, em tempos muito remotos, pelos Iberos,
povo agrícola e pacífico. Por volta do século VI antes de Cristo, este territóriopovo agrícola e pacífico. Por volta do século VI antes de Cristo, este território
foi invadido pelos Celtas, um povo turbulento e guerreiro. E a prolongadafoi invadido pelos Celtas, um povo turbulento e guerreiro. E a prolongada
permanência provocou o cruzamento entre os dois povos, dando origem àpermanência provocou o cruzamento entre os dois povos, dando origem à
denominação dedenominação de CeltiberosCeltiberos..
Depois, os Fenícios, os Gregos e os Cartagineses estabeleceramDepois, os Fenícios, os Gregos e os Cartagineses estabeleceram
colónias comerciais em vários pontos da Península.colónias comerciais em vários pontos da Península.
Como os últimos pretendiam apoderar-se de todo o solo peninsular, osComo os últimos pretendiam apoderar-se de todo o solo peninsular, os
Celtiberos pediram socorro aos Romanos – E a “AVENTURA” começa…Celtiberos pediram socorro aos Romanos – E a “AVENTURA” começa…
Os Romanos invadem a Península, no século III antes de Cristo, com oOs Romanos invadem a Península, no século III antes de Cristo, com o
intuito de travar a expansão dos seus poderosos inimigos chefiados porintuito de travar a expansão dos seus poderosos inimigos chefiados por
Aníbal, os Cartagineses, dado que estes constituíam uma séria ameaça aoAníbal, os Cartagineses, dado que estes constituíam uma séria ameaça ao
domínio do mundo mediterrâneo pretendido por Roma.domínio do mundo mediterrâneo pretendido por Roma.
Vencidos os Cartagineses, seguiram-se as lutas contra os povosVencidos os Cartagineses, seguiram-se as lutas contra os povos
peninsulares.peninsulares.
Por volta de 194 a. C. deu-se o primeiro confronto com os Lusitanos.Por volta de 194 a. C. deu-se o primeiro confronto com os Lusitanos.
Entre os chefes destes sobressaíam Viriato e Sertório. A conquista daEntre os chefes destes sobressaíam Viriato e Sertório. A conquista da
Península iria demorar até 19 a. C., no tempo de Augusto, dada a enormePenínsula iria demorar até 19 a. C., no tempo de Augusto, dada a enorme
resistência dos povos peninsulares ao assédio romano. A conquista foi-seresistência dos povos peninsulares ao assédio romano. A conquista foi-se
estendendo do sul para o norte, mais montanhoso, onde era mais fácilestendendo do sul para o norte, mais montanhoso, onde era mais fácil
resistir.resistir.
Os Romanos acabaram por dominar toda a Península, tanto noOs Romanos acabaram por dominar toda a Península, tanto no
aspecto político-militar como no aspecto cultural, nomeadamente no queaspecto político-militar como no aspecto cultural, nomeadamente no que
respeita à língua.respeita à língua.
Romanização da Península IbéricaRomanização da Península Ibérica
Galba e os LusitanosGalba e os Lusitanos
Em 151 a.C., os chefes Lusitanos, que se encontravam nos castros (povoaçõesEm 151 a.C., os chefes Lusitanos, que se encontravam nos castros (povoações
rodeadas por muralhas) nos montes Hermínios, após muitas lutas contra os romanos,rodeadas por muralhas) nos montes Hermínios, após muitas lutas contra os romanos,
decidiram propor a paz. Em troca de terras férteis na planície, abandonariam a luta. Asdecidiram propor a paz. Em troca de terras férteis na planície, abandonariam a luta. As
conversações sobre a intenção dos Lusitanos tiveram como interlocutor um chefeconversações sobre a intenção dos Lusitanos tiveram como interlocutor um chefe
romano de seu nome Galba que fingiu aceitar a proposta oferecendo-lhes um localromano de seu nome Galba que fingiu aceitar a proposta oferecendo-lhes um local
esplêndido. Em troca teriam que entregar as armas.esplêndido. Em troca teriam que entregar as armas.
Quando os lusitanos se encontravam espalhados por uma zona sem hipóteses deQuando os lusitanos se encontravam espalhados por uma zona sem hipóteses de
defesa, Galba cercou-os, matando milhares de Lusitanos. Aprisionou e enviou para adefesa, Galba cercou-os, matando milhares de Lusitanos. Aprisionou e enviou para a
Gália, como escravos, outros tantos. Porém, alguns conseguiram escapar, entre osGália, como escravos, outros tantos. Porém, alguns conseguiram escapar, entre os
quais, Viriato.quais, Viriato.
CastroCastro
CastroCastro
Galba, com esta traição, pensava que a sua vitória seria bem recebidaGalba, com esta traição, pensava que a sua vitória seria bem recebida
em Roma e que com a violência do seu acto tivesse destruído para sempre aem Roma e que com a violência do seu acto tivesse destruído para sempre a
resistência dos Lusitanos. No entanto, esta traição ia contra os conceitosresistência dos Lusitanos. No entanto, esta traição ia contra os conceitos
estabelecidos pelas autoridades romanas, que davam muito valor às vitóriasestabelecidos pelas autoridades romanas, que davam muito valor às vitórias
militares mas exigiam lealdade e respeito pelos inimigos. Quando souberammilitares mas exigiam lealdade e respeito pelos inimigos. Quando souberam
que Galba tinha mentido e assassinado homens desarmados que tinhamque Galba tinha mentido e assassinado homens desarmados que tinham
confiado na palavra de um chefe romano, chamaram-no a Roma e julgaram-confiado na palavra de um chefe romano, chamaram-no a Roma e julgaram-
no em tribunal.no em tribunal.
   Os Lusitanos, ao contrário do esperado por Galba,Os Lusitanos, ao contrário do esperado por Galba,
formaram um exército de milhares de homens vindos deformaram um exército de milhares de homens vindos de
vários castros e desencadearam ataques sucessivos contra osvários castros e desencadearam ataques sucessivos contra os
Romanos, alcançando muitas vitórias sobre o comando desseRomanos, alcançando muitas vitórias sobre o comando desse
grande herói do povo Lusitano que só à traição seriagrande herói do povo Lusitano que só à traição seria
eliminado -eliminado - Viriato.Viriato.
ViriatoViriato
Chefe militar lusitano do século II a. C.Chefe militar lusitano do século II a. C.
Dedicou-se à pastorícia, como era comum aos homens do seu povo, eDedicou-se à pastorícia, como era comum aos homens do seu povo, e
veio a assumir a chefia dos Lusitanos contra o exército romano invasor,veio a assumir a chefia dos Lusitanos contra o exército romano invasor,
vencendo-o por sucessivas vezes. Ao fim de oito anos (147-139 a. C.) devencendo-o por sucessivas vezes. Ao fim de oito anos (147-139 a. C.) de
resistência bem sucedida, Viriato morreu assassinado por traidores, que seresistência bem sucedida, Viriato morreu assassinado por traidores, que se
venderam a troco de recompensa.venderam a troco de recompensa.
Morte de ViriatoMorte de Viriato
  
Sobre os lusitanos há que referir que tiveram grande influência celtibera. EramSobre os lusitanos há que referir que tiveram grande influência celtibera. Eram
ágeis, vigorosos e frugais. Dormiam na terra dura, usavam compridos e soltos cabelos,ágeis, vigorosos e frugais. Dormiam na terra dura, usavam compridos e soltos cabelos,
como os das mulheres. Apreciavam muito os sacrifícios e tiravam prognósticos docomo os das mulheres. Apreciavam muito os sacrifícios e tiravam prognósticos do
exame das entranhas das vítimas. Eram disciplinados e hábeis na arte da guerra.exame das entranhas das vítimas. Eram disciplinados e hábeis na arte da guerra.
Em suma,Em suma,
existe uma pequena filiação entre os portugueses de hoje e asexiste uma pequena filiação entre os portugueses de hoje e as
tribos que inicialmente habitaram a região, embora os portugueses desdetribos que inicialmente habitaram a região, embora os portugueses desde
sempre se considerem, eles próprios, descendentes dos Lusitanos, um povosempre se considerem, eles próprios, descendentes dos Lusitanos, um povo
celta que veio para a região depois de 1000 a.C.celta que veio para a região depois de 1000 a.C.
Os Lusitanos tinham como sua região chave a Serra da Estrela. Sob oOs Lusitanos tinham como sua região chave a Serra da Estrela. Sob o
comando decomando de ViriatoViriato (Século II a.C.) e(Século II a.C.) e SertórioSertório (Século I a.C.) resistiram(Século I a.C.) resistiram
à ocupação romana.à ocupação romana.
Após a morte de Sertório, os lusitanos desintegraram-se, o que foiApós a morte de Sertório, os lusitanos desintegraram-se, o que foi
aproveitado por Pompeu para os derrotar.aproveitado por Pompeu para os derrotar.
Mas a influência romana já se fazia sentir através de Sertório noMas a influência romana já se fazia sentir através de Sertório no
ensino, no direito, na educação da juventude e no movimento artístico. Aensino, no direito, na educação da juventude e no movimento artístico. A
partir daí foi a integração completa.partir daí foi a integração completa.
Algumas tribos, como os Cónios no Algarve, submeteram-se a RomaAlgumas tribos, como os Cónios no Algarve, submeteram-se a Roma
mais facilmente.mais facilmente.
Os habitantes do sul e do sudeste assimilaram prontamente a culturaOs habitantes do sul e do sudeste assimilaram prontamente a cultura
dos romanos, mas os povos do norte e do interior sofreram uma influênciados romanos, mas os povos do norte e do interior sofreram uma influência
menor.menor.
Júlio César e Augustus completaram a conquista da área,Júlio César e Augustus completaram a conquista da área,
nascendo assim anascendo assim a LusitâniaLusitânia, província romana. A sociedade, província romana. A sociedade
romana dominou e doromana dominou e do LatimLatim derivou a língua portuguesa.derivou a língua portuguesa.
Legado Político e Cultural RomanoLegado Político e Cultural Romano
Durante cerca de 200 anos deu-se a adaptação ao modo de vida romanoDurante cerca de 200 anos deu-se a adaptação ao modo de vida romano
por parte das sociedades conquistadas – romanização.por parte das sociedades conquistadas – romanização.
A romanização supõe uma mudança de vida em aspectos tãoA romanização supõe uma mudança de vida em aspectos tão
elementares como a língua, o ensino, os costumes, a religião, o urbanismo, oelementares como a língua, o ensino, os costumes, a religião, o urbanismo, o
comércio, a administração...comércio, a administração...
Consequentemente, a sua língua, o Latim, tornou-se indispensável eConsequentemente, a sua língua, o Latim, tornou-se indispensável e
obrigatória, suplantando os idiomas já existentes e funcionando como factorobrigatória, suplantando os idiomas já existentes e funcionando como factor
de ligação e de comunicação entre os vários povos.de ligação e de comunicação entre os vários povos.
OO latimlatim teve logicamente variantes regionais - em Portugal, o latimteve logicamente variantes regionais - em Portugal, o latim
vulgar deu origem aovulgar deu origem ao galaico-portuguêsgalaico-português que redundou na línguaque redundou na língua
actualmente falada, eliminando os entraves linguísticos que se colocavam aoactualmente falada, eliminando os entraves linguísticos que se colocavam ao
comércio, à implantação de colonos e à unidade no seio do Império.comércio, à implantação de colonos e à unidade no seio do Império.
As línguas românicas derivam do latim (que tem este nome por ser oAs línguas românicas derivam do latim (que tem este nome por ser o
idioma falado pelos habitantes do Lácio - núcleo inicial da cidade de Roma).idioma falado pelos habitantes do Lácio - núcleo inicial da cidade de Roma).
Após a conquista da Península Ibérica pelos Romanos, estes dividem-Após a conquista da Península Ibérica pelos Romanos, estes dividem-
na em três grandes províncias: Tarraconense, Lusitânia e Bética.na em três grandes províncias: Tarraconense, Lusitânia e Bética.
A Lusitânia tinha três conventos jurídicos:A Lusitânia tinha três conventos jurídicos: EméritaEmérita (Mérida),(Mérida), Pax IuliaPax Iulia
(Beja) e(Beja) e ScallabisScallabis (Santarém).(Santarém).
As povoações, até aí predominantemente nas montanhas, passaram aAs povoações, até aí predominantemente nas montanhas, passaram a
surgir nos vales ou planícies, habitando casas de tijolo cobertas com telha.surgir nos vales ou planícies, habitando casas de tijolo cobertas com telha.
Como exemplo de cidades que surgiram com os Romanos, temos BragaComo exemplo de cidades que surgiram com os Romanos, temos Braga
(Bracara Augusta)(Bracara Augusta) , Beja, Beja (Pax Iulia)(Pax Iulia) , Conímbriga e Chaves, Conímbriga e Chaves (Aquae Flaviae)(Aquae Flaviae) ..
A divisão administrativa e judicial foi feita à moda de Roma, com aA divisão administrativa e judicial foi feita à moda de Roma, com a
divisão da Península em três províncias (Tarraconense, Lusitânia, Bética) edivisão da Península em três províncias (Tarraconense, Lusitânia, Bética) e
com a criação doscom a criação dos conventosconventos jurídicos.jurídicos.
Dioramas da vida RomanaDioramas da vida Romana
Ora, o processo de romanização só era possível devido à existência de uma boaOra, o processo de romanização só era possível devido à existência de uma boa
rede de comunicações entre os distintos pontos do Império. Deste modo, e tomandorede de comunicações entre os distintos pontos do Império. Deste modo, e tomando
como ponto de partida a própria Roma, começaram a construir-se as primeiras vias oucomo ponto de partida a própria Roma, começaram a construir-se as primeiras vias ou
estradas e as calçadas, elemento chave para o desenvolvimento do Império, e queestradas e as calçadas, elemento chave para o desenvolvimento do Império, e que
facilitaram tanto o transporte de mercadorias como o imparável avanço das legiões. Osfacilitaram tanto o transporte de mercadorias como o imparável avanço das legiões. Os
romanos chegaram a dispor de 85.000 km de Calçadas, que percorriam o Império doromanos chegaram a dispor de 85.000 km de Calçadas, que percorriam o Império do
Norte a Sul, de Este a Oeste.Norte a Sul, de Este a Oeste.
Daquelas infra-estruturas restam ainda alguns troços. Sobre elas foram sendoDaquelas infra-estruturas restam ainda alguns troços. Sobre elas foram sendo
construídas muitas das actuais estradas.construídas muitas das actuais estradas.
MessinesMessines
Fornos de AlgodresFornos de Algodres
Neste âmbito entra ainda a arquitectura civil e religiosa, desde osNeste âmbito entra ainda a arquitectura civil e religiosa, desde os
aquedutos, as pontes e as represas à estrutura da malha urbana e aosaquedutos, as pontes e as represas à estrutura da malha urbana e aos
templos.templos.
As divisões administrativas romanas estão na origem também dasAs divisões administrativas romanas estão na origem também das
actuais, desde a demarcação de países (então denominados províncias) aosactuais, desde a demarcação de países (então denominados províncias) aos
conventusconventus (colónias romanas de província, onde residiam cidadãos).(colónias romanas de província, onde residiam cidadãos).
Calçada doCalçada do
TorrãoTorrão
Ponte Romana de Monforte – AltoPonte Romana de Monforte – Alto
AlentejoAlentejo
Os Aquedutos garantiam o abastecimento regular de águas às cidades. A suaOs Aquedutos garantiam o abastecimento regular de águas às cidades. A sua
construção implicava a condução da água desde as fontes fora das cidades. A estrutura,construção implicava a condução da água desde as fontes fora das cidades. A estrutura,
que era em sua maior parte subterrânea, corria com uma ligeira inclinação e era visívelque era em sua maior parte subterrânea, corria com uma ligeira inclinação e era visível
somente perto das cidades. O Aqueduto terminava num colector, a partir do qual umasomente perto das cidades. O Aqueduto terminava num colector, a partir do qual uma
rede de tubos distribuía a água por vários pontos da cidade.rede de tubos distribuía a água por vários pontos da cidade.
A construção dos Complexos Termais reflectia um duplo desejo dos governantesA construção dos Complexos Termais reflectia um duplo desejo dos governantes
romanos:romanos:
 embelezar a cidade e passarem para a posteridade como benfeitores do povo, uma vezembelezar a cidade e passarem para a posteridade como benfeitores do povo, uma vez
que alguns dos magníficos recintos de banhos e higiene foramque alguns dos magníficos recintos de banhos e higiene foram
disponibilizados àquele e incorporaram-se na vida quotidiana;disponibilizados àquele e incorporaram-se na vida quotidiana;
 neles untavam-se com óleos perfumados, recebiam medalhas,neles untavam-se com óleos perfumados, recebiam medalhas,
faziam exercício ou tomavam alguma bebida.faziam exercício ou tomavam alguma bebida.
Termas - Conímbriga
Ruínas de S.Ruínas de S.
CucufateCucufate
A indústria desenvolveu-se, sobretudo a olaria, as minas, a tecelagem eA indústria desenvolveu-se, sobretudo a olaria, as minas, a tecelagem e
as pedreiras, o que ajudou a desenvolver também o comércio, surgindoas pedreiras, o que ajudou a desenvolver também o comércio, surgindo
feiras e mercados, com circulação da moeda.feiras e mercados, com circulação da moeda.
A influência romana fez-se sentir também na religião e nasA influência romana fez-se sentir também na religião e nas
manifestações artísticas.manifestações artísticas.
A arte romana subsistiu em diversas vertentes técnicas e temáticas,A arte romana subsistiu em diversas vertentes técnicas e temáticas,
desde a arquitectura à escultura e pintura, depois de ter criado as suas raízesdesde a arquitectura à escultura e pintura, depois de ter criado as suas raízes
no ideal da arte praticada pelos helenos.no ideal da arte praticada pelos helenos.
Mosaicos Romanos - ConímbrigaMosaicos Romanos - Conímbriga
ConímbrigaConímbriga
Direito RomanoDireito Romano
É uma das mais grandiosas criações do povo romano e, no processo deÉ uma das mais grandiosas criações do povo romano e, no processo de
romanização, uma das suas mais valiosas contribuições para a civilizaçãoromanização, uma das suas mais valiosas contribuições para a civilização
ocidental.ocidental.
O mais apelativo do Direito Romano, em relação a outros DireitosO mais apelativo do Direito Romano, em relação a outros Direitos
nacionais, é não ter desaparecido quando desapareceu o poder político denacionais, é não ter desaparecido quando desapareceu o poder político de
Roma.Roma.
Desde a Idade Média, onde foi acolhido e assimilado pelos povosDesde a Idade Média, onde foi acolhido e assimilado pelos povos
bárbaros, passando para a Modernidade, até ao século XIX - com o Código debárbaros, passando para a Modernidade, até ao século XIX - com o Código de
Napoleão -, o Direito Romano não só sobreviveu como se estendeu a outrosNapoleão -, o Direito Romano não só sobreviveu como se estendeu a outros
continentes.continentes.
O sistema jurídico deixado por Roma constitui, hoje em dia, o núcleoO sistema jurídico deixado por Roma constitui, hoje em dia, o núcleo
do Direito de todo o mundo Ocidental.do Direito de todo o mundo Ocidental.
Cidades contemporâneas dos RomanosCidades contemporâneas dos Romanos
Aeminium –Aeminium – CoimbraCoimbra
Aquae Flaviae –Aquae Flaviae – ChavesChaves
Bracara Augusta –Bracara Augusta – BragaBraga
ConímbrigaConímbriga
Ebora Liberalitas Julia –Ebora Liberalitas Julia – ÉvoraÉvora
Egitânia –Egitânia – Idanha-a-VelhaIdanha-a-Velha
Interamniense-Viseo –Interamniense-Viseo – ViseuViseu
Miróbriga –Miróbriga – Santiago do CacémSantiago do Cacém
Myrtilis –Myrtilis – MértolaMértola
Olisipo Felicitas Julia –Olisipo Felicitas Julia – LisboaLisboa
Ossonoba –Ossonoba – FaroFaro
Pax Julia –Pax Julia – BejaBeja
Portucale-Castrum Novum –Portucale-Castrum Novum – PortoPorto
Salatia –Salatia – Alcácer do SalAlcácer do Sal
Scallabis –Scallabis – SantarémSantarém
Sellium –Sellium – TomarTomar
TróiaTróia
Império RomanoImpério Romano
E, para finalizar, um pequeno DESAFIO:E, para finalizar, um pequeno DESAFIO:
Preparado(a) para a batalha?Preparado(a) para a batalha?
Então, vamos ver se sabes como os Romanos conquistaram a PenínsulaEntão, vamos ver se sabes como os Romanos conquistaram a Península
Ibérica e nela introduziram a sua civilização.Ibérica e nela introduziram a sua civilização.
Pergunta 1Pergunta 1
Os Romanos eram originários da…Os Romanos eram originários da…
a) Península Itálica.a) Península Itálica.
b) Península Ibérica.b) Península Ibérica.
c) Península Arábica.c) Península Arábica.
Pergunta 2Pergunta 2
As legiões romanas chegaram pela primeira vez àAs legiões romanas chegaram pela primeira vez à
Península em…Península em…
a) 217 a. C.a) 217 a. C.
b) 218 a.C.b) 218 a.C.
c) 216 a.C.c) 216 a.C.
Pergunta 3Pergunta 3
As causas para a sua vinda foram…As causas para a sua vinda foram…
a) boas condições climáticas e riquezas.a) boas condições climáticas e riquezas.
b) boas vinhas e a preciosa cultura da oliveira.b) boas vinhas e a preciosa cultura da oliveira.
c) boas colheitas de milho e qualidade de vida.c) boas colheitas de milho e qualidade de vida.
Pergunta 4Pergunta 4
Romanização é o…Romanização é o…
a) processo de transformação social de todos os povos da Penínsulaa) processo de transformação social de todos os povos da Península
Ibérica.Ibérica.
b) processo de transformação étnica de todos os povos da Penínsulab) processo de transformação étnica de todos os povos da Península
Ibérica.Ibérica.
c) processo de transformação étnica, linguística, cultural e socialc) processo de transformação étnica, linguística, cultural e social
efectuada pelos romanos.efectuada pelos romanos.
Pergunta 5Pergunta 5
Que língua falavam os Romanos?Que língua falavam os Romanos?
a) Latim.a) Latim.
b) Inglês.b) Inglês.
c) Francês.c) Francês.
Pergunta 6Pergunta 6
Que afirmações sãoQue afirmações são verdadeirasverdadeiras e que afirmações sãoe que afirmações são falsasfalsas??
a) O Império Romano estendia-se por três continentes: Europa, Ásia e África.a) O Império Romano estendia-se por três continentes: Europa, Ásia e África.
b) As lutas entre os romanos e os povos peninsulares duraram cerca de 50 anos.b) As lutas entre os romanos e os povos peninsulares duraram cerca de 50 anos.
c) As riquezas da Península Ibérica não interessavam aos Romanos.c) As riquezas da Península Ibérica não interessavam aos Romanos.
d) Os Celtas foram um povo que resistiu aos Romanos.d) Os Celtas foram um povo que resistiu aos Romanos.
e) Viriato era o Imperador de Roma.e) Viriato era o Imperador de Roma.
f) Os Romanos permaneceram na Península Ibérica cerca de 700 anos.f) Os Romanos permaneceram na Península Ibérica cerca de 700 anos.
Pergunta 7Pergunta 7
Completa as frases:Completa as frases:
Os Romanos permaneceram à volta de __________ na PenínsulaOs Romanos permaneceram à volta de __________ na Península
Ibérica. Durante esse período, e a pouco e pouco, os povos IbéricosIbérica. Durante esse período, e a pouco e pouco, os povos Ibéricos
aprenderam a ____________, as ____________, os ____________, asaprenderam a ____________, as ____________, os ____________, as
__________ de construção e outros conhecimentos dos Romanos. Este__________ de construção e outros conhecimentos dos Romanos. Este
processo designa-se de ______________.processo designa-se de ______________.
Pergunta 8Pergunta 8
No estudo da História, em que situação a numeraçãoNo estudo da História, em que situação a numeração
romana é ainda hoje utilizada?romana é ainda hoje utilizada?
a) Nos séculos.a) Nos séculos.
b) Nos cardinais.b) Nos cardinais.
c) Nos ordinais.c) Nos ordinais.
Respostas correctasRespostas correctas
1. a)1. a)
2. b)2. b)
3. a)3. a)
4. c)4. c)
5. a)5. a)
6.6.
a) - Verdadeiraa) - Verdadeira
b) - Falsab) - Falsa
c) - Falsac) - Falsa
d) - Verdadeirad) - Verdadeira
e) - Falsae) - Falsa
f) - Falsaf) - Falsa
7. 700 anos … língua … leis …costumes … técnicas … Romanização.7. 700 anos … língua … leis …costumes … técnicas … Romanização.
8. a)8. a)
BibliografiaBibliografia
ARAÚJO, Carla et al (2003).ARAÚJO, Carla et al (2003). Grande Temática Planeta – História. Vol. 1.Grande Temática Planeta – História. Vol. 1.
Editorial Planeta de Agostini, S.A.Editorial Planeta de Agostini, S.A.
Diciopédia 2006Diciopédia 2006, Porto Editora, Porto Editora
Diciopédia XDiciopédia X
http://www.animationfactory.comhttp://www.animationfactory.com
http://http://www.enciclopedia.com.ptwww.enciclopedia.com.pt/readarticle.php?article_id=305/readarticle.php?article_id=305
http://esjmlima.prof2000.pt/http://esjmlima.prof2000.pt/hist_evol_linguahist_evol_lingua/R_GRU-C.HTM/R_GRU-C.HTM
Algumas fotografias da autoria de Guilherme Rosas BorgesAlgumas fotografias da autoria de Guilherme Rosas Borges
Investigador:Investigador:
 Guilherme BorgesGuilherme Borges
Elemento da equipa de investigadores:Elemento da equipa de investigadores:
7º B7º B
Data de realização do estudo:Data de realização do estudo:
Fevereiro de 2008Fevereiro de 2008

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Romanização em Portugal
Romanização em Portugal   Romanização em Portugal
Romanização em Portugal
Filipa Silva
 
Romanização Ppt
Romanização PptRomanização Ppt
Romanização Ppt
rukka
 
Romanização blogue
Romanização blogueRomanização blogue
Romanização blogue
Vítor Santos
 
Ficha formativa roma
Ficha formativa romaFicha formativa roma
Ficha formativa roma
Ana Barreiros
 
Os Romanos
Os RomanosOs Romanos
Os Romanos
crisanadu
 
O urbanismo e arte romana
O urbanismo e arte romanaO urbanismo e arte romana
O urbanismo e arte romana
Carla Teixeira
 
Romanos
RomanosRomanos
Romanos
cattonia
 
Cultura na idade média
Cultura na idade médiaCultura na idade média
Cultura na idade média
HCA_10I
 
A presença romana em portugal e os seus vestigios
A presença romana em portugal e os seus vestigiosA presença romana em portugal e os seus vestigios
A presença romana em portugal e os seus vestigios
Mário Tiago Viegas
 
Os Romanos
Os RomanosOs Romanos
Os Romanos
crisanadu
 
Romanização da Península Ibérica
Romanização da Península IbéricaRomanização da Península Ibérica
Romanização da Península Ibérica
Carlos Vieira
 
Os Romanos em Portugal
Os Romanos em PortugalOs Romanos em Portugal
Os Romanos em Portugal
Diogo Mota
 
Romanização da Península Ibérica
Romanização da Península IbéricaRomanização da Península Ibérica
Romanização da Península Ibérica
Patricia .
 
Os Romanos na Península Ibérica
Os Romanos na Península IbéricaOs Romanos na Península Ibérica
Os Romanos na Península Ibérica
HistN
 
A romanização em portugal helena 5_c (3)
A romanização em portugal helena 5_c (3)A romanização em portugal helena 5_c (3)
A romanização em portugal helena 5_c (3)
Mariajosesantos57
 
Reconq crista
Reconq cristaReconq crista
Reconq crista
cattonia
 
12 formação do império romano
12   formação do império romano12   formação do império romano
12 formação do império romano
Carla Freitas
 
Modelo romano parte 3
Modelo romano parte 3Modelo romano parte 3
Modelo romano parte 3
cattonia
 
Os romanos
Os romanosOs romanos
Os romanos
dafgpt
 
Primeiros povos
Primeiros povosPrimeiros povos
Primeiros povos
manuelaafig
 

Mais procurados (20)

Romanização em Portugal
Romanização em Portugal   Romanização em Portugal
Romanização em Portugal
 
Romanização Ppt
Romanização PptRomanização Ppt
Romanização Ppt
 
Romanização blogue
Romanização blogueRomanização blogue
Romanização blogue
 
Ficha formativa roma
Ficha formativa romaFicha formativa roma
Ficha formativa roma
 
Os Romanos
Os RomanosOs Romanos
Os Romanos
 
O urbanismo e arte romana
O urbanismo e arte romanaO urbanismo e arte romana
O urbanismo e arte romana
 
Romanos
RomanosRomanos
Romanos
 
Cultura na idade média
Cultura na idade médiaCultura na idade média
Cultura na idade média
 
A presença romana em portugal e os seus vestigios
A presença romana em portugal e os seus vestigiosA presença romana em portugal e os seus vestigios
A presença romana em portugal e os seus vestigios
 
Os Romanos
Os RomanosOs Romanos
Os Romanos
 
Romanização da Península Ibérica
Romanização da Península IbéricaRomanização da Península Ibérica
Romanização da Península Ibérica
 
Os Romanos em Portugal
Os Romanos em PortugalOs Romanos em Portugal
Os Romanos em Portugal
 
Romanização da Península Ibérica
Romanização da Península IbéricaRomanização da Península Ibérica
Romanização da Península Ibérica
 
Os Romanos na Península Ibérica
Os Romanos na Península IbéricaOs Romanos na Península Ibérica
Os Romanos na Península Ibérica
 
A romanização em portugal helena 5_c (3)
A romanização em portugal helena 5_c (3)A romanização em portugal helena 5_c (3)
A romanização em portugal helena 5_c (3)
 
Reconq crista
Reconq cristaReconq crista
Reconq crista
 
12 formação do império romano
12   formação do império romano12   formação do império romano
12 formação do império romano
 
Modelo romano parte 3
Modelo romano parte 3Modelo romano parte 3
Modelo romano parte 3
 
Os romanos
Os romanosOs romanos
Os romanos
 
Primeiros povos
Primeiros povosPrimeiros povos
Primeiros povos
 

Destaque

Romanização
RomanizaçãoRomanização
Romanização
Maria Gomes
 
A romanização romana
A romanização romanaA romanização romana
A romanização romana
Bruno Ganhão
 
A economia na Roma antiga
A economia na Roma antigaA economia na Roma antiga
A economia na Roma antiga
Maria Gomes
 
Primeiros Povos
Primeiros PovosPrimeiros Povos
Primeiros Povos
zialucio
 
Fenícios
FeníciosFenícios
Fenícios
Vanessa Frugoli
 
Império Songhai
Império SonghaiImpério Songhai
Império Songhai
2dot4
 
Songhai
SonghaiSonghai
Mediterrâneo Antigo
Mediterrâneo AntigoMediterrâneo Antigo
Mediterrâneo Antigo
renascimento
 
O Reino de Cartago
O Reino de CartagoO Reino de Cartago
O Reino de Cartago
2dot4
 
Templos Gregos
Templos GregosTemplos Gregos
Templos Gregos
Sílvia Mendonça
 
5º tema II
5º   tema II5º   tema II
5º tema II
liedson
 
Primeiros povos da península ibérica
Primeiros povos da península ibéricaPrimeiros povos da península ibérica
Primeiros povos da península ibérica
eb1favaios
 
Fenicios slide
Fenicios slideFenicios slide
Fenicios slide
Isabel Aguiar
 
Os iberos, celtas, fenícios, gregos
Os iberos, celtas, fenícios, gregosOs iberos, celtas, fenícios, gregos
Os iberos, celtas, fenícios, gregos
FernandoMarques
 
Fenícios, hebreus e persas
Fenícios, hebreus e persasFenícios, hebreus e persas
Fenícios, hebreus e persas
Douglas Barraqui
 
Fenícios
FeníciosFenícios
Fenícios
najlaghaouchee
 
A herança muçulmana em portugal
A herança muçulmana em portugalA herança muçulmana em portugal
A herança muçulmana em portugal
Luisa Jesus
 
Os Muçulmanos na Península Ibérica
Os Muçulmanos na Península IbéricaOs Muçulmanos na Península Ibérica
Os Muçulmanos na Península Ibérica
HistN
 
08 hebreus e fenícios
08   hebreus e fenícios08   hebreus e fenícios
08 hebreus e fenícios
Carla Freitas
 
Arquitetura grega
Arquitetura gregaArquitetura grega
Arquitetura grega
Ana Barreiros
 

Destaque (20)

Romanização
RomanizaçãoRomanização
Romanização
 
A romanização romana
A romanização romanaA romanização romana
A romanização romana
 
A economia na Roma antiga
A economia na Roma antigaA economia na Roma antiga
A economia na Roma antiga
 
Primeiros Povos
Primeiros PovosPrimeiros Povos
Primeiros Povos
 
Fenícios
FeníciosFenícios
Fenícios
 
Império Songhai
Império SonghaiImpério Songhai
Império Songhai
 
Songhai
SonghaiSonghai
Songhai
 
Mediterrâneo Antigo
Mediterrâneo AntigoMediterrâneo Antigo
Mediterrâneo Antigo
 
O Reino de Cartago
O Reino de CartagoO Reino de Cartago
O Reino de Cartago
 
Templos Gregos
Templos GregosTemplos Gregos
Templos Gregos
 
5º tema II
5º   tema II5º   tema II
5º tema II
 
Primeiros povos da península ibérica
Primeiros povos da península ibéricaPrimeiros povos da península ibérica
Primeiros povos da península ibérica
 
Fenicios slide
Fenicios slideFenicios slide
Fenicios slide
 
Os iberos, celtas, fenícios, gregos
Os iberos, celtas, fenícios, gregosOs iberos, celtas, fenícios, gregos
Os iberos, celtas, fenícios, gregos
 
Fenícios, hebreus e persas
Fenícios, hebreus e persasFenícios, hebreus e persas
Fenícios, hebreus e persas
 
Fenícios
FeníciosFenícios
Fenícios
 
A herança muçulmana em portugal
A herança muçulmana em portugalA herança muçulmana em portugal
A herança muçulmana em portugal
 
Os Muçulmanos na Península Ibérica
Os Muçulmanos na Península IbéricaOs Muçulmanos na Península Ibérica
Os Muçulmanos na Península Ibérica
 
08 hebreus e fenícios
08   hebreus e fenícios08   hebreus e fenícios
08 hebreus e fenícios
 
Arquitetura grega
Arquitetura gregaArquitetura grega
Arquitetura grega
 

Semelhante a Os Romanos Em Portugal

O império romano
O império romanoO império romano
O império romano
Cristina Soares
 
Primeiros povos
Primeiros povosPrimeiros povos
Primeiros povos
Ana Duarte
 
Povos pi ebql
Povos pi ebqlPovos pi ebql
Povos pi ebql
Carolina Magalhães
 
Povos da Península Ibérica
Povos da Península IbéricaPovos da Península Ibérica
Povos da Península Ibérica
Helena Rocha
 
Roma
RomaRoma
Encontros com viriato final
Encontros com viriato finalEncontros com viriato final
Encontros com viriato final
FernandoMarques
 
Apresentação 1ºs povos da pi
Apresentação 1ºs povos da piApresentação 1ºs povos da pi
Apresentação 1ºs povos da pi
Orinda Mourão Pires Pires
 
Apresenta‡æo 1§s povos da pi
Apresenta‡æo 1§s povos da piApresenta‡æo 1§s povos da pi
Apresenta‡æo 1§s povos da pi
Li Tagarelinhas
 
A civilização romana
A civilização romanaA civilização romana
A civilização romana
Luis Alberto Bassoli
 
11. Os primeiros povos - colar caderno.pdf
11. Os primeiros povos - colar caderno.pdf11. Os primeiros povos - colar caderno.pdf
11. Os primeiros povos - colar caderno.pdf
AndrChico
 
Civilização romana Parte dois
Civilização romana  Parte doisCivilização romana  Parte dois
Civilização romana Parte dois
Luis Alberto Bassoli
 
Romanização
RomanizaçãoRomanização
Romanização
alexandrafrade
 
Presentation1viriato1
Presentation1viriato1Presentation1viriato1
Presentation1viriato1
jenny.madeira
 
Presentation1viriato1
Presentation1viriato1Presentation1viriato1
Presentation1viriato1
jenny.madeira
 
Apesentação para a encola
Apesentação para a encolaApesentação para a encola
Apesentação para a encola
Patricia Monteiro
 
Roma antiga
Roma antigaRoma antiga
Roma antiga
Ramiro Bicca
 
História de portugal
História de portugalHistória de portugal
História de portugal
JWM V.
 
História de portugal
História de portugalHistória de portugal
História de portugal
EB Foros de Amora
 
Histriadeportugal 100521111158-phpapp01
Histriadeportugal 100521111158-phpapp01Histriadeportugal 100521111158-phpapp01
Histriadeportugal 100521111158-phpapp01
Hélder Raposo
 
História De Portugal
História De PortugalHistória De Portugal
História De Portugal
gigilu
 

Semelhante a Os Romanos Em Portugal (20)

O império romano
O império romanoO império romano
O império romano
 
Primeiros povos
Primeiros povosPrimeiros povos
Primeiros povos
 
Povos pi ebql
Povos pi ebqlPovos pi ebql
Povos pi ebql
 
Povos da Península Ibérica
Povos da Península IbéricaPovos da Península Ibérica
Povos da Península Ibérica
 
Roma
RomaRoma
Roma
 
Encontros com viriato final
Encontros com viriato finalEncontros com viriato final
Encontros com viriato final
 
Apresentação 1ºs povos da pi
Apresentação 1ºs povos da piApresentação 1ºs povos da pi
Apresentação 1ºs povos da pi
 
Apresenta‡æo 1§s povos da pi
Apresenta‡æo 1§s povos da piApresenta‡æo 1§s povos da pi
Apresenta‡æo 1§s povos da pi
 
A civilização romana
A civilização romanaA civilização romana
A civilização romana
 
11. Os primeiros povos - colar caderno.pdf
11. Os primeiros povos - colar caderno.pdf11. Os primeiros povos - colar caderno.pdf
11. Os primeiros povos - colar caderno.pdf
 
Civilização romana Parte dois
Civilização romana  Parte doisCivilização romana  Parte dois
Civilização romana Parte dois
 
Romanização
RomanizaçãoRomanização
Romanização
 
Presentation1viriato1
Presentation1viriato1Presentation1viriato1
Presentation1viriato1
 
Presentation1viriato1
Presentation1viriato1Presentation1viriato1
Presentation1viriato1
 
Apesentação para a encola
Apesentação para a encolaApesentação para a encola
Apesentação para a encola
 
Roma antiga
Roma antigaRoma antiga
Roma antiga
 
História de portugal
História de portugalHistória de portugal
História de portugal
 
História de portugal
História de portugalHistória de portugal
História de portugal
 
Histriadeportugal 100521111158-phpapp01
Histriadeportugal 100521111158-phpapp01Histriadeportugal 100521111158-phpapp01
Histriadeportugal 100521111158-phpapp01
 
História De Portugal
História De PortugalHistória De Portugal
História De Portugal
 

Mais de Sílvia Mendonça

FormaçAo De Portugal Nelson
FormaçAo De Portugal NelsonFormaçAo De Portugal Nelson
FormaçAo De Portugal Nelson
Sílvia Mendonça
 
FormaçAo De Portugal
FormaçAo De PortugalFormaçAo De Portugal
FormaçAo De Portugal
Sílvia Mendonça
 
O Islamismo
O IslamismoO Islamismo
O Islamismo
Sílvia Mendonça
 
A FormaçãO De Portugal
A FormaçãO De PortugalA FormaçãO De Portugal
A FormaçãO De Portugal
Sílvia Mendonça
 
A FormaçãO De Portugal
A FormaçãO De PortugalA FormaçãO De Portugal
A FormaçãO De Portugal
Sílvia Mendonça
 
A FormaçãO De Portugal
A FormaçãO De PortugalA FormaçãO De Portugal
A FormaçãO De Portugal
Sílvia Mendonça
 
O ComéRcio Internacional
O ComéRcio InternacionalO ComéRcio Internacional
O ComéRcio Internacional
Sílvia Mendonça
 
Crise Seculo Xiv
Crise Seculo XivCrise Seculo Xiv
Crise Seculo Xiv
Sílvia Mendonça
 
A FormaçãO De Portugal
A FormaçãO De PortugalA FormaçãO De Portugal
A FormaçãO De Portugal
Sílvia Mendonça
 
Historia Medieval
Historia MedievalHistoria Medieval
Historia Medieval
Sílvia Mendonça
 
Crescimento Demografico
Crescimento DemograficoCrescimento Demografico
Crescimento Demografico
Sílvia Mendonça
 
A FormaçãO De Portugal Trabalh O Ja Feit O
A FormaçãO De Portugal Trabalh O Ja Feit OA FormaçãO De Portugal Trabalh O Ja Feit O
A FormaçãO De Portugal Trabalh O Ja Feit O
Sílvia Mendonça
 
Trabalho De Historia Os Deuses Do Egipto 7ºA
Trabalho De Historia Os Deuses Do Egipto 7ºATrabalho De Historia Os Deuses Do Egipto 7ºA
Trabalho De Historia Os Deuses Do Egipto 7ºA
Sílvia Mendonça
 
Os Jogos OlíMpicos
Os Jogos OlíMpicosOs Jogos OlíMpicos
Os Jogos OlíMpicos
Sílvia Mendonça
 
Os Deuses Gregos
Os Deuses GregosOs Deuses Gregos
Os Deuses Gregos
Sílvia Mendonça
 
O Cristianismo
O CristianismoO Cristianismo
O Cristianismo
Sílvia Mendonça
 
Renovação económica-época medieval
Renovação económica-época medievalRenovação económica-época medieval
Renovação económica-época medieval
Sílvia Mendonça
 
O VestuáRio Em Roma
O VestuáRio Em RomaO VestuáRio Em Roma
O VestuáRio Em Roma
Sílvia Mendonça
 
MumificaçãO
MumificaçãOMumificaçãO
MumificaçãO
Sílvia Mendonça
 
Literatura E HistóRia Em Roma
Literatura E HistóRia Em RomaLiteratura E HistóRia Em Roma
Literatura E HistóRia Em Roma
Sílvia Mendonça
 

Mais de Sílvia Mendonça (20)

FormaçAo De Portugal Nelson
FormaçAo De Portugal NelsonFormaçAo De Portugal Nelson
FormaçAo De Portugal Nelson
 
FormaçAo De Portugal
FormaçAo De PortugalFormaçAo De Portugal
FormaçAo De Portugal
 
O Islamismo
O IslamismoO Islamismo
O Islamismo
 
A FormaçãO De Portugal
A FormaçãO De PortugalA FormaçãO De Portugal
A FormaçãO De Portugal
 
A FormaçãO De Portugal
A FormaçãO De PortugalA FormaçãO De Portugal
A FormaçãO De Portugal
 
A FormaçãO De Portugal
A FormaçãO De PortugalA FormaçãO De Portugal
A FormaçãO De Portugal
 
O ComéRcio Internacional
O ComéRcio InternacionalO ComéRcio Internacional
O ComéRcio Internacional
 
Crise Seculo Xiv
Crise Seculo XivCrise Seculo Xiv
Crise Seculo Xiv
 
A FormaçãO De Portugal
A FormaçãO De PortugalA FormaçãO De Portugal
A FormaçãO De Portugal
 
Historia Medieval
Historia MedievalHistoria Medieval
Historia Medieval
 
Crescimento Demografico
Crescimento DemograficoCrescimento Demografico
Crescimento Demografico
 
A FormaçãO De Portugal Trabalh O Ja Feit O
A FormaçãO De Portugal Trabalh O Ja Feit OA FormaçãO De Portugal Trabalh O Ja Feit O
A FormaçãO De Portugal Trabalh O Ja Feit O
 
Trabalho De Historia Os Deuses Do Egipto 7ºA
Trabalho De Historia Os Deuses Do Egipto 7ºATrabalho De Historia Os Deuses Do Egipto 7ºA
Trabalho De Historia Os Deuses Do Egipto 7ºA
 
Os Jogos OlíMpicos
Os Jogos OlíMpicosOs Jogos OlíMpicos
Os Jogos OlíMpicos
 
Os Deuses Gregos
Os Deuses GregosOs Deuses Gregos
Os Deuses Gregos
 
O Cristianismo
O CristianismoO Cristianismo
O Cristianismo
 
Renovação económica-época medieval
Renovação económica-época medievalRenovação económica-época medieval
Renovação económica-época medieval
 
O VestuáRio Em Roma
O VestuáRio Em RomaO VestuáRio Em Roma
O VestuáRio Em Roma
 
MumificaçãO
MumificaçãOMumificaçãO
MumificaçãO
 
Literatura E HistóRia Em Roma
Literatura E HistóRia Em RomaLiteratura E HistóRia Em Roma
Literatura E HistóRia Em Roma
 

Os Romanos Em Portugal

  • 1.
  • 2. Breve IntroduçãoBreve Introdução Pouco se sabe acerca dos povos que terão habitado a PenínsulaPouco se sabe acerca dos povos que terão habitado a Península Hispânica antes da chegada dos romanos (séc. III a. C.). Nesses povosHispânica antes da chegada dos romanos (séc. III a. C.). Nesses povos incluem-se, entre outros, osincluem-se, entre outros, os IberosIberos, os, os CeltasCeltas, os, os FeníciosFenícios, os, os GregosGregos e ose os CartaginesesCartagineses.. A Península fora habitada, em tempos muito remotos, pelos Iberos,A Península fora habitada, em tempos muito remotos, pelos Iberos, povo agrícola e pacífico. Por volta do século VI antes de Cristo, este territóriopovo agrícola e pacífico. Por volta do século VI antes de Cristo, este território foi invadido pelos Celtas, um povo turbulento e guerreiro. E a prolongadafoi invadido pelos Celtas, um povo turbulento e guerreiro. E a prolongada permanência provocou o cruzamento entre os dois povos, dando origem àpermanência provocou o cruzamento entre os dois povos, dando origem à denominação dedenominação de CeltiberosCeltiberos.. Depois, os Fenícios, os Gregos e os Cartagineses estabeleceramDepois, os Fenícios, os Gregos e os Cartagineses estabeleceram colónias comerciais em vários pontos da Península.colónias comerciais em vários pontos da Península. Como os últimos pretendiam apoderar-se de todo o solo peninsular, osComo os últimos pretendiam apoderar-se de todo o solo peninsular, os Celtiberos pediram socorro aos Romanos – E a “AVENTURA” começa…Celtiberos pediram socorro aos Romanos – E a “AVENTURA” começa…
  • 3. Os Romanos invadem a Península, no século III antes de Cristo, com oOs Romanos invadem a Península, no século III antes de Cristo, com o intuito de travar a expansão dos seus poderosos inimigos chefiados porintuito de travar a expansão dos seus poderosos inimigos chefiados por Aníbal, os Cartagineses, dado que estes constituíam uma séria ameaça aoAníbal, os Cartagineses, dado que estes constituíam uma séria ameaça ao domínio do mundo mediterrâneo pretendido por Roma.domínio do mundo mediterrâneo pretendido por Roma.
  • 4. Vencidos os Cartagineses, seguiram-se as lutas contra os povosVencidos os Cartagineses, seguiram-se as lutas contra os povos peninsulares.peninsulares. Por volta de 194 a. C. deu-se o primeiro confronto com os Lusitanos.Por volta de 194 a. C. deu-se o primeiro confronto com os Lusitanos. Entre os chefes destes sobressaíam Viriato e Sertório. A conquista daEntre os chefes destes sobressaíam Viriato e Sertório. A conquista da Península iria demorar até 19 a. C., no tempo de Augusto, dada a enormePenínsula iria demorar até 19 a. C., no tempo de Augusto, dada a enorme resistência dos povos peninsulares ao assédio romano. A conquista foi-seresistência dos povos peninsulares ao assédio romano. A conquista foi-se estendendo do sul para o norte, mais montanhoso, onde era mais fácilestendendo do sul para o norte, mais montanhoso, onde era mais fácil resistir.resistir. Os Romanos acabaram por dominar toda a Península, tanto noOs Romanos acabaram por dominar toda a Península, tanto no aspecto político-militar como no aspecto cultural, nomeadamente no queaspecto político-militar como no aspecto cultural, nomeadamente no que respeita à língua.respeita à língua. Romanização da Península IbéricaRomanização da Península Ibérica
  • 5. Galba e os LusitanosGalba e os Lusitanos Em 151 a.C., os chefes Lusitanos, que se encontravam nos castros (povoaçõesEm 151 a.C., os chefes Lusitanos, que se encontravam nos castros (povoações rodeadas por muralhas) nos montes Hermínios, após muitas lutas contra os romanos,rodeadas por muralhas) nos montes Hermínios, após muitas lutas contra os romanos, decidiram propor a paz. Em troca de terras férteis na planície, abandonariam a luta. Asdecidiram propor a paz. Em troca de terras férteis na planície, abandonariam a luta. As conversações sobre a intenção dos Lusitanos tiveram como interlocutor um chefeconversações sobre a intenção dos Lusitanos tiveram como interlocutor um chefe romano de seu nome Galba que fingiu aceitar a proposta oferecendo-lhes um localromano de seu nome Galba que fingiu aceitar a proposta oferecendo-lhes um local esplêndido. Em troca teriam que entregar as armas.esplêndido. Em troca teriam que entregar as armas. Quando os lusitanos se encontravam espalhados por uma zona sem hipóteses deQuando os lusitanos se encontravam espalhados por uma zona sem hipóteses de defesa, Galba cercou-os, matando milhares de Lusitanos. Aprisionou e enviou para adefesa, Galba cercou-os, matando milhares de Lusitanos. Aprisionou e enviou para a Gália, como escravos, outros tantos. Porém, alguns conseguiram escapar, entre osGália, como escravos, outros tantos. Porém, alguns conseguiram escapar, entre os quais, Viriato.quais, Viriato. CastroCastro CastroCastro
  • 6. Galba, com esta traição, pensava que a sua vitória seria bem recebidaGalba, com esta traição, pensava que a sua vitória seria bem recebida em Roma e que com a violência do seu acto tivesse destruído para sempre aem Roma e que com a violência do seu acto tivesse destruído para sempre a resistência dos Lusitanos. No entanto, esta traição ia contra os conceitosresistência dos Lusitanos. No entanto, esta traição ia contra os conceitos estabelecidos pelas autoridades romanas, que davam muito valor às vitóriasestabelecidos pelas autoridades romanas, que davam muito valor às vitórias militares mas exigiam lealdade e respeito pelos inimigos. Quando souberammilitares mas exigiam lealdade e respeito pelos inimigos. Quando souberam que Galba tinha mentido e assassinado homens desarmados que tinhamque Galba tinha mentido e assassinado homens desarmados que tinham confiado na palavra de um chefe romano, chamaram-no a Roma e julgaram-confiado na palavra de um chefe romano, chamaram-no a Roma e julgaram- no em tribunal.no em tribunal.    Os Lusitanos, ao contrário do esperado por Galba,Os Lusitanos, ao contrário do esperado por Galba, formaram um exército de milhares de homens vindos deformaram um exército de milhares de homens vindos de vários castros e desencadearam ataques sucessivos contra osvários castros e desencadearam ataques sucessivos contra os Romanos, alcançando muitas vitórias sobre o comando desseRomanos, alcançando muitas vitórias sobre o comando desse grande herói do povo Lusitano que só à traição seriagrande herói do povo Lusitano que só à traição seria eliminado -eliminado - Viriato.Viriato.
  • 7. ViriatoViriato Chefe militar lusitano do século II a. C.Chefe militar lusitano do século II a. C. Dedicou-se à pastorícia, como era comum aos homens do seu povo, eDedicou-se à pastorícia, como era comum aos homens do seu povo, e veio a assumir a chefia dos Lusitanos contra o exército romano invasor,veio a assumir a chefia dos Lusitanos contra o exército romano invasor, vencendo-o por sucessivas vezes. Ao fim de oito anos (147-139 a. C.) devencendo-o por sucessivas vezes. Ao fim de oito anos (147-139 a. C.) de resistência bem sucedida, Viriato morreu assassinado por traidores, que seresistência bem sucedida, Viriato morreu assassinado por traidores, que se venderam a troco de recompensa.venderam a troco de recompensa.
  • 9.    Sobre os lusitanos há que referir que tiveram grande influência celtibera. EramSobre os lusitanos há que referir que tiveram grande influência celtibera. Eram ágeis, vigorosos e frugais. Dormiam na terra dura, usavam compridos e soltos cabelos,ágeis, vigorosos e frugais. Dormiam na terra dura, usavam compridos e soltos cabelos, como os das mulheres. Apreciavam muito os sacrifícios e tiravam prognósticos docomo os das mulheres. Apreciavam muito os sacrifícios e tiravam prognósticos do exame das entranhas das vítimas. Eram disciplinados e hábeis na arte da guerra.exame das entranhas das vítimas. Eram disciplinados e hábeis na arte da guerra.
  • 10. Em suma,Em suma, existe uma pequena filiação entre os portugueses de hoje e asexiste uma pequena filiação entre os portugueses de hoje e as tribos que inicialmente habitaram a região, embora os portugueses desdetribos que inicialmente habitaram a região, embora os portugueses desde sempre se considerem, eles próprios, descendentes dos Lusitanos, um povosempre se considerem, eles próprios, descendentes dos Lusitanos, um povo celta que veio para a região depois de 1000 a.C.celta que veio para a região depois de 1000 a.C. Os Lusitanos tinham como sua região chave a Serra da Estrela. Sob oOs Lusitanos tinham como sua região chave a Serra da Estrela. Sob o comando decomando de ViriatoViriato (Século II a.C.) e(Século II a.C.) e SertórioSertório (Século I a.C.) resistiram(Século I a.C.) resistiram à ocupação romana.à ocupação romana.
  • 11. Após a morte de Sertório, os lusitanos desintegraram-se, o que foiApós a morte de Sertório, os lusitanos desintegraram-se, o que foi aproveitado por Pompeu para os derrotar.aproveitado por Pompeu para os derrotar. Mas a influência romana já se fazia sentir através de Sertório noMas a influência romana já se fazia sentir através de Sertório no ensino, no direito, na educação da juventude e no movimento artístico. Aensino, no direito, na educação da juventude e no movimento artístico. A partir daí foi a integração completa.partir daí foi a integração completa.
  • 12. Algumas tribos, como os Cónios no Algarve, submeteram-se a RomaAlgumas tribos, como os Cónios no Algarve, submeteram-se a Roma mais facilmente.mais facilmente. Os habitantes do sul e do sudeste assimilaram prontamente a culturaOs habitantes do sul e do sudeste assimilaram prontamente a cultura dos romanos, mas os povos do norte e do interior sofreram uma influênciados romanos, mas os povos do norte e do interior sofreram uma influência menor.menor. Júlio César e Augustus completaram a conquista da área,Júlio César e Augustus completaram a conquista da área, nascendo assim anascendo assim a LusitâniaLusitânia, província romana. A sociedade, província romana. A sociedade romana dominou e doromana dominou e do LatimLatim derivou a língua portuguesa.derivou a língua portuguesa.
  • 13. Legado Político e Cultural RomanoLegado Político e Cultural Romano Durante cerca de 200 anos deu-se a adaptação ao modo de vida romanoDurante cerca de 200 anos deu-se a adaptação ao modo de vida romano por parte das sociedades conquistadas – romanização.por parte das sociedades conquistadas – romanização. A romanização supõe uma mudança de vida em aspectos tãoA romanização supõe uma mudança de vida em aspectos tão elementares como a língua, o ensino, os costumes, a religião, o urbanismo, oelementares como a língua, o ensino, os costumes, a religião, o urbanismo, o comércio, a administração...comércio, a administração... Consequentemente, a sua língua, o Latim, tornou-se indispensável eConsequentemente, a sua língua, o Latim, tornou-se indispensável e obrigatória, suplantando os idiomas já existentes e funcionando como factorobrigatória, suplantando os idiomas já existentes e funcionando como factor de ligação e de comunicação entre os vários povos.de ligação e de comunicação entre os vários povos.
  • 14. OO latimlatim teve logicamente variantes regionais - em Portugal, o latimteve logicamente variantes regionais - em Portugal, o latim vulgar deu origem aovulgar deu origem ao galaico-portuguêsgalaico-português que redundou na línguaque redundou na língua actualmente falada, eliminando os entraves linguísticos que se colocavam aoactualmente falada, eliminando os entraves linguísticos que se colocavam ao comércio, à implantação de colonos e à unidade no seio do Império.comércio, à implantação de colonos e à unidade no seio do Império. As línguas românicas derivam do latim (que tem este nome por ser oAs línguas românicas derivam do latim (que tem este nome por ser o idioma falado pelos habitantes do Lácio - núcleo inicial da cidade de Roma).idioma falado pelos habitantes do Lácio - núcleo inicial da cidade de Roma).
  • 15. Após a conquista da Península Ibérica pelos Romanos, estes dividem-Após a conquista da Península Ibérica pelos Romanos, estes dividem- na em três grandes províncias: Tarraconense, Lusitânia e Bética.na em três grandes províncias: Tarraconense, Lusitânia e Bética. A Lusitânia tinha três conventos jurídicos:A Lusitânia tinha três conventos jurídicos: EméritaEmérita (Mérida),(Mérida), Pax IuliaPax Iulia (Beja) e(Beja) e ScallabisScallabis (Santarém).(Santarém).
  • 16. As povoações, até aí predominantemente nas montanhas, passaram aAs povoações, até aí predominantemente nas montanhas, passaram a surgir nos vales ou planícies, habitando casas de tijolo cobertas com telha.surgir nos vales ou planícies, habitando casas de tijolo cobertas com telha. Como exemplo de cidades que surgiram com os Romanos, temos BragaComo exemplo de cidades que surgiram com os Romanos, temos Braga (Bracara Augusta)(Bracara Augusta) , Beja, Beja (Pax Iulia)(Pax Iulia) , Conímbriga e Chaves, Conímbriga e Chaves (Aquae Flaviae)(Aquae Flaviae) .. A divisão administrativa e judicial foi feita à moda de Roma, com aA divisão administrativa e judicial foi feita à moda de Roma, com a divisão da Península em três províncias (Tarraconense, Lusitânia, Bética) edivisão da Península em três províncias (Tarraconense, Lusitânia, Bética) e com a criação doscom a criação dos conventosconventos jurídicos.jurídicos.
  • 17. Dioramas da vida RomanaDioramas da vida Romana
  • 18.
  • 19.
  • 20. Ora, o processo de romanização só era possível devido à existência de uma boaOra, o processo de romanização só era possível devido à existência de uma boa rede de comunicações entre os distintos pontos do Império. Deste modo, e tomandorede de comunicações entre os distintos pontos do Império. Deste modo, e tomando como ponto de partida a própria Roma, começaram a construir-se as primeiras vias oucomo ponto de partida a própria Roma, começaram a construir-se as primeiras vias ou estradas e as calçadas, elemento chave para o desenvolvimento do Império, e queestradas e as calçadas, elemento chave para o desenvolvimento do Império, e que facilitaram tanto o transporte de mercadorias como o imparável avanço das legiões. Osfacilitaram tanto o transporte de mercadorias como o imparável avanço das legiões. Os romanos chegaram a dispor de 85.000 km de Calçadas, que percorriam o Império doromanos chegaram a dispor de 85.000 km de Calçadas, que percorriam o Império do Norte a Sul, de Este a Oeste.Norte a Sul, de Este a Oeste. Daquelas infra-estruturas restam ainda alguns troços. Sobre elas foram sendoDaquelas infra-estruturas restam ainda alguns troços. Sobre elas foram sendo construídas muitas das actuais estradas.construídas muitas das actuais estradas. MessinesMessines Fornos de AlgodresFornos de Algodres
  • 21. Neste âmbito entra ainda a arquitectura civil e religiosa, desde osNeste âmbito entra ainda a arquitectura civil e religiosa, desde os aquedutos, as pontes e as represas à estrutura da malha urbana e aosaquedutos, as pontes e as represas à estrutura da malha urbana e aos templos.templos. As divisões administrativas romanas estão na origem também dasAs divisões administrativas romanas estão na origem também das actuais, desde a demarcação de países (então denominados províncias) aosactuais, desde a demarcação de países (então denominados províncias) aos conventusconventus (colónias romanas de província, onde residiam cidadãos).(colónias romanas de província, onde residiam cidadãos). Calçada doCalçada do TorrãoTorrão
  • 22. Ponte Romana de Monforte – AltoPonte Romana de Monforte – Alto AlentejoAlentejo
  • 23. Os Aquedutos garantiam o abastecimento regular de águas às cidades. A suaOs Aquedutos garantiam o abastecimento regular de águas às cidades. A sua construção implicava a condução da água desde as fontes fora das cidades. A estrutura,construção implicava a condução da água desde as fontes fora das cidades. A estrutura, que era em sua maior parte subterrânea, corria com uma ligeira inclinação e era visívelque era em sua maior parte subterrânea, corria com uma ligeira inclinação e era visível somente perto das cidades. O Aqueduto terminava num colector, a partir do qual umasomente perto das cidades. O Aqueduto terminava num colector, a partir do qual uma rede de tubos distribuía a água por vários pontos da cidade.rede de tubos distribuía a água por vários pontos da cidade. A construção dos Complexos Termais reflectia um duplo desejo dos governantesA construção dos Complexos Termais reflectia um duplo desejo dos governantes romanos:romanos:  embelezar a cidade e passarem para a posteridade como benfeitores do povo, uma vezembelezar a cidade e passarem para a posteridade como benfeitores do povo, uma vez que alguns dos magníficos recintos de banhos e higiene foramque alguns dos magníficos recintos de banhos e higiene foram disponibilizados àquele e incorporaram-se na vida quotidiana;disponibilizados àquele e incorporaram-se na vida quotidiana;  neles untavam-se com óleos perfumados, recebiam medalhas,neles untavam-se com óleos perfumados, recebiam medalhas, faziam exercício ou tomavam alguma bebida.faziam exercício ou tomavam alguma bebida.
  • 25. Ruínas de S.Ruínas de S. CucufateCucufate
  • 26. A indústria desenvolveu-se, sobretudo a olaria, as minas, a tecelagem eA indústria desenvolveu-se, sobretudo a olaria, as minas, a tecelagem e as pedreiras, o que ajudou a desenvolver também o comércio, surgindoas pedreiras, o que ajudou a desenvolver também o comércio, surgindo feiras e mercados, com circulação da moeda.feiras e mercados, com circulação da moeda. A influência romana fez-se sentir também na religião e nasA influência romana fez-se sentir também na religião e nas manifestações artísticas.manifestações artísticas. A arte romana subsistiu em diversas vertentes técnicas e temáticas,A arte romana subsistiu em diversas vertentes técnicas e temáticas, desde a arquitectura à escultura e pintura, depois de ter criado as suas raízesdesde a arquitectura à escultura e pintura, depois de ter criado as suas raízes no ideal da arte praticada pelos helenos.no ideal da arte praticada pelos helenos.
  • 27. Mosaicos Romanos - ConímbrigaMosaicos Romanos - Conímbriga
  • 29. Direito RomanoDireito Romano É uma das mais grandiosas criações do povo romano e, no processo deÉ uma das mais grandiosas criações do povo romano e, no processo de romanização, uma das suas mais valiosas contribuições para a civilizaçãoromanização, uma das suas mais valiosas contribuições para a civilização ocidental.ocidental. O mais apelativo do Direito Romano, em relação a outros DireitosO mais apelativo do Direito Romano, em relação a outros Direitos nacionais, é não ter desaparecido quando desapareceu o poder político denacionais, é não ter desaparecido quando desapareceu o poder político de Roma.Roma. Desde a Idade Média, onde foi acolhido e assimilado pelos povosDesde a Idade Média, onde foi acolhido e assimilado pelos povos bárbaros, passando para a Modernidade, até ao século XIX - com o Código debárbaros, passando para a Modernidade, até ao século XIX - com o Código de Napoleão -, o Direito Romano não só sobreviveu como se estendeu a outrosNapoleão -, o Direito Romano não só sobreviveu como se estendeu a outros continentes.continentes. O sistema jurídico deixado por Roma constitui, hoje em dia, o núcleoO sistema jurídico deixado por Roma constitui, hoje em dia, o núcleo do Direito de todo o mundo Ocidental.do Direito de todo o mundo Ocidental.
  • 30. Cidades contemporâneas dos RomanosCidades contemporâneas dos Romanos Aeminium –Aeminium – CoimbraCoimbra Aquae Flaviae –Aquae Flaviae – ChavesChaves Bracara Augusta –Bracara Augusta – BragaBraga ConímbrigaConímbriga Ebora Liberalitas Julia –Ebora Liberalitas Julia – ÉvoraÉvora Egitânia –Egitânia – Idanha-a-VelhaIdanha-a-Velha Interamniense-Viseo –Interamniense-Viseo – ViseuViseu Miróbriga –Miróbriga – Santiago do CacémSantiago do Cacém Myrtilis –Myrtilis – MértolaMértola Olisipo Felicitas Julia –Olisipo Felicitas Julia – LisboaLisboa Ossonoba –Ossonoba – FaroFaro Pax Julia –Pax Julia – BejaBeja Portucale-Castrum Novum –Portucale-Castrum Novum – PortoPorto Salatia –Salatia – Alcácer do SalAlcácer do Sal Scallabis –Scallabis – SantarémSantarém Sellium –Sellium – TomarTomar TróiaTróia
  • 32. E, para finalizar, um pequeno DESAFIO:E, para finalizar, um pequeno DESAFIO: Preparado(a) para a batalha?Preparado(a) para a batalha? Então, vamos ver se sabes como os Romanos conquistaram a PenínsulaEntão, vamos ver se sabes como os Romanos conquistaram a Península Ibérica e nela introduziram a sua civilização.Ibérica e nela introduziram a sua civilização.
  • 33. Pergunta 1Pergunta 1 Os Romanos eram originários da…Os Romanos eram originários da… a) Península Itálica.a) Península Itálica. b) Península Ibérica.b) Península Ibérica. c) Península Arábica.c) Península Arábica.
  • 34. Pergunta 2Pergunta 2 As legiões romanas chegaram pela primeira vez àAs legiões romanas chegaram pela primeira vez à Península em…Península em… a) 217 a. C.a) 217 a. C. b) 218 a.C.b) 218 a.C. c) 216 a.C.c) 216 a.C.
  • 35. Pergunta 3Pergunta 3 As causas para a sua vinda foram…As causas para a sua vinda foram… a) boas condições climáticas e riquezas.a) boas condições climáticas e riquezas. b) boas vinhas e a preciosa cultura da oliveira.b) boas vinhas e a preciosa cultura da oliveira. c) boas colheitas de milho e qualidade de vida.c) boas colheitas de milho e qualidade de vida.
  • 36. Pergunta 4Pergunta 4 Romanização é o…Romanização é o… a) processo de transformação social de todos os povos da Penínsulaa) processo de transformação social de todos os povos da Península Ibérica.Ibérica. b) processo de transformação étnica de todos os povos da Penínsulab) processo de transformação étnica de todos os povos da Península Ibérica.Ibérica. c) processo de transformação étnica, linguística, cultural e socialc) processo de transformação étnica, linguística, cultural e social efectuada pelos romanos.efectuada pelos romanos.
  • 37. Pergunta 5Pergunta 5 Que língua falavam os Romanos?Que língua falavam os Romanos? a) Latim.a) Latim. b) Inglês.b) Inglês. c) Francês.c) Francês.
  • 38. Pergunta 6Pergunta 6 Que afirmações sãoQue afirmações são verdadeirasverdadeiras e que afirmações sãoe que afirmações são falsasfalsas?? a) O Império Romano estendia-se por três continentes: Europa, Ásia e África.a) O Império Romano estendia-se por três continentes: Europa, Ásia e África. b) As lutas entre os romanos e os povos peninsulares duraram cerca de 50 anos.b) As lutas entre os romanos e os povos peninsulares duraram cerca de 50 anos. c) As riquezas da Península Ibérica não interessavam aos Romanos.c) As riquezas da Península Ibérica não interessavam aos Romanos. d) Os Celtas foram um povo que resistiu aos Romanos.d) Os Celtas foram um povo que resistiu aos Romanos. e) Viriato era o Imperador de Roma.e) Viriato era o Imperador de Roma. f) Os Romanos permaneceram na Península Ibérica cerca de 700 anos.f) Os Romanos permaneceram na Península Ibérica cerca de 700 anos.
  • 39. Pergunta 7Pergunta 7 Completa as frases:Completa as frases: Os Romanos permaneceram à volta de __________ na PenínsulaOs Romanos permaneceram à volta de __________ na Península Ibérica. Durante esse período, e a pouco e pouco, os povos IbéricosIbérica. Durante esse período, e a pouco e pouco, os povos Ibéricos aprenderam a ____________, as ____________, os ____________, asaprenderam a ____________, as ____________, os ____________, as __________ de construção e outros conhecimentos dos Romanos. Este__________ de construção e outros conhecimentos dos Romanos. Este processo designa-se de ______________.processo designa-se de ______________.
  • 40. Pergunta 8Pergunta 8 No estudo da História, em que situação a numeraçãoNo estudo da História, em que situação a numeração romana é ainda hoje utilizada?romana é ainda hoje utilizada? a) Nos séculos.a) Nos séculos. b) Nos cardinais.b) Nos cardinais. c) Nos ordinais.c) Nos ordinais.
  • 41. Respostas correctasRespostas correctas 1. a)1. a) 2. b)2. b) 3. a)3. a) 4. c)4. c) 5. a)5. a) 6.6. a) - Verdadeiraa) - Verdadeira b) - Falsab) - Falsa c) - Falsac) - Falsa d) - Verdadeirad) - Verdadeira e) - Falsae) - Falsa f) - Falsaf) - Falsa 7. 700 anos … língua … leis …costumes … técnicas … Romanização.7. 700 anos … língua … leis …costumes … técnicas … Romanização. 8. a)8. a)
  • 42. BibliografiaBibliografia ARAÚJO, Carla et al (2003).ARAÚJO, Carla et al (2003). Grande Temática Planeta – História. Vol. 1.Grande Temática Planeta – História. Vol. 1. Editorial Planeta de Agostini, S.A.Editorial Planeta de Agostini, S.A. Diciopédia 2006Diciopédia 2006, Porto Editora, Porto Editora Diciopédia XDiciopédia X http://www.animationfactory.comhttp://www.animationfactory.com http://http://www.enciclopedia.com.ptwww.enciclopedia.com.pt/readarticle.php?article_id=305/readarticle.php?article_id=305 http://esjmlima.prof2000.pt/http://esjmlima.prof2000.pt/hist_evol_linguahist_evol_lingua/R_GRU-C.HTM/R_GRU-C.HTM Algumas fotografias da autoria de Guilherme Rosas BorgesAlgumas fotografias da autoria de Guilherme Rosas Borges
  • 43. Investigador:Investigador:  Guilherme BorgesGuilherme Borges Elemento da equipa de investigadores:Elemento da equipa de investigadores: 7º B7º B Data de realização do estudo:Data de realização do estudo: Fevereiro de 2008Fevereiro de 2008