SlideShare uma empresa Scribd logo

Literatura portuguesa

C
cassab96
1 de 10
Baixar para ler offline
Trovadorismo
1189/1198 a 1385
Trovadorismo
1189/1198 a 1385
Literatura PortuguesaLiteratura Portuguesa
Contexto históricoContexto histórico
Alguns aspectos da história da Península Ibérica
importantes:
Séculos XII a XIV.
Feudalismo.
Reconquista do território dominado pelos árabes.
Teocentrismo.
Alguns aspectos da história da Península Ibérica
importantes:
Séculos XII a XIV.
Feudalismo.
Reconquista do território dominado pelos árabes.
Teocentrismo.
Contexto LiterárioContexto Literário
 A arte medieval é essencialmente não naturalista e alegórica.
 Pretende ensinar aos que não sabem ler.
 Poesia trovadoresca era poesia cantada cantigas.
 Características importantes:
 repetição de temas convencionais;
 repetição de palavras, de versos ou de estrofes inteiras.
 “Cantiga da Ribeirinha” ou “Cantiga de Guarvaia” Paio Soares de Taveirós.
 A arte medieval é essencialmente não naturalista e alegórica.
 Pretende ensinar aos que não sabem ler.
 Poesia trovadoresca era poesia cantada cantigas.
 Características importantes:
 repetição de temas convencionais;
 repetição de palavras, de versos ou de estrofes inteiras.
 “Cantiga da Ribeirinha” ou “Cantiga de Guarvaia” Paio Soares de Taveirós.
Características das cantigasCaracterísticas das cantigas
Língua: galego-português.
Tradição oral e coletiva.
Poesia de tradição oral, cantada e acompanhada por
instrumentos musicais, colecionada posteriormente em
cancioneiros.
Autores: trovadores.
Intérpretes: jograis, segréis e menestréis.
Gêneros: lírico e satírico.
Acompanhadas por dança.
Língua: galego-português.
Tradição oral e coletiva.
Poesia de tradição oral, cantada e acompanhada por
instrumentos musicais, colecionada posteriormente em
cancioneiros.
Autores: trovadores.
Intérpretes: jograis, segréis e menestréis.
Gêneros: lírico e satírico.
Acompanhadas por dança.
Cantigas LíricasCantigas Líricas
Características das cantigas de amigo:
 Voz lírica feminina.
 Tratamento dado ao namorado: amigo.
 Expressão da vida campesina e urbana.
 Realismo: fatos comuns da vida
cotidiana.
 Amor realizado ou possível: sofrimento
amoroso.
 Simplicidade: pequenos quadros
sentimentais.
 Paralelismo e refrão.
 Origem popular e autóctone.
Características das cantigas de amigo:
 Voz lírica feminina.
 Tratamento dado ao namorado: amigo.
 Expressão da vida campesina e urbana.
 Realismo: fatos comuns da vida
cotidiana.
 Amor realizado ou possível: sofrimento
amoroso.
 Simplicidade: pequenos quadros
sentimentais.
 Paralelismo e refrão.
 Origem popular e autóctone.
Características das cantigas de amor:
 Voz lírica masculina.
 Tratamento dado à mulher: mia senhor.
 Expressão da vida da corte.
 Convenções do amor cortês:
 Idealização da mulher;
 Vassalagem amorosa;
 Expressão da coita.
 Origem provençal.
Características das cantigas de amor:
 Voz lírica masculina.
 Tratamento dado à mulher: mia senhor.
 Expressão da vida da corte.
 Convenções do amor cortês:
 Idealização da mulher;
 Vassalagem amorosa;
 Expressão da coita.
 Origem provençal.
Cantigas SatíricasCantigas Satíricas
Características das cantigas de escárnio:
 Utilizam a ironia e o equívoco.
 Realiza zombaria, menosprezo,
desprezo, desdém.
Características das cantigas de escárnio:
 Utilizam a ironia e o equívoco.
 Realiza zombaria, menosprezo,
desprezo, desdém.
Características das cantigas de maldizer:
 Sátiras diretas, sem equívocos.
 Intenção difamatória
 Emprego de palavrões e xingamentos.
 Virulência.
Características das cantigas de maldizer:
 Sátiras diretas, sem equívocos.
 Intenção difamatória
 Emprego de palavrões e xingamentos.
 Virulência.

Recomendados

literatura portuguesa - 800 anos de história
literatura portuguesa - 800 anos de histórialiteratura portuguesa - 800 anos de história
literatura portuguesa - 800 anos de históriaanammjorge
 
Origens da literatura portuguesa
Origens da literatura portuguesaOrigens da literatura portuguesa
Origens da literatura portuguesadiegopla
 
A literatura portuguesa no século xx
A literatura portuguesa no século xxA literatura portuguesa no século xx
A literatura portuguesa no século xxPjaquinha
 
Aula de Literatura: Do Trovadorismo ao Barroco
Aula de Literatura: Do Trovadorismo ao  Barroco Aula de Literatura: Do Trovadorismo ao  Barroco
Aula de Literatura: Do Trovadorismo ao Barroco Nivaldo Marques
 
Literatura portuguesa quadro sinóptico
Literatura portuguesa quadro sinópticoLiteratura portuguesa quadro sinóptico
Literatura portuguesa quadro sinópticoheleira02
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

As origens da literatura portuguesa - Parte 2 - Humanismo
As origens da literatura portuguesa - Parte 2 - HumanismoAs origens da literatura portuguesa - Parte 2 - Humanismo
As origens da literatura portuguesa - Parte 2 - HumanismoKaren Olivan
 
Estudo dirigido Trovadorismo-Classicismo
Estudo dirigido Trovadorismo-ClassicismoEstudo dirigido Trovadorismo-Classicismo
Estudo dirigido Trovadorismo-ClassicismoProf Palmito Rocha
 
30095592 exercicios-trovadorismo-humanismo-classicismo-quinhentismo-e-barroco...
30095592 exercicios-trovadorismo-humanismo-classicismo-quinhentismo-e-barroco...30095592 exercicios-trovadorismo-humanismo-classicismo-quinhentismo-e-barroco...
30095592 exercicios-trovadorismo-humanismo-classicismo-quinhentismo-e-barroco...Samiures
 
Trovadorismo e humanismo
Trovadorismo e humanismoTrovadorismo e humanismo
Trovadorismo e humanismorosangelajoao
 
Prosa medieval
Prosa medievalProsa medieval
Prosa medievalheleira02
 
Literatura em portugal
Literatura em portugalLiteratura em portugal
Literatura em portugalSinziana Socol
 
Revisão de literatura
Revisão de literaturaRevisão de literatura
Revisão de literaturaRaika Barreto
 
Ft21 Lusiadas Textos Introdutorios
Ft21 Lusiadas Textos IntrodutoriosFt21 Lusiadas Textos Introdutorios
Ft21 Lusiadas Textos IntrodutoriosFernanda Soares
 
Trovadorismo (Período Medieval) - Literatura - Prof. Adriana Christinne
Trovadorismo (Período Medieval) - Literatura - Prof. Adriana Christinne Trovadorismo (Período Medieval) - Literatura - Prof. Adriana Christinne
Trovadorismo (Período Medieval) - Literatura - Prof. Adriana Christinne Colégio Santa Luzia
 

Mais procurados (20)

Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
 
As origens da literatura portuguesa - Parte 2 - Humanismo
As origens da literatura portuguesa - Parte 2 - HumanismoAs origens da literatura portuguesa - Parte 2 - Humanismo
As origens da literatura portuguesa - Parte 2 - Humanismo
 
Estudo dirigido Trovadorismo-Classicismo
Estudo dirigido Trovadorismo-ClassicismoEstudo dirigido Trovadorismo-Classicismo
Estudo dirigido Trovadorismo-Classicismo
 
30095592 exercicios-trovadorismo-humanismo-classicismo-quinhentismo-e-barroco...
30095592 exercicios-trovadorismo-humanismo-classicismo-quinhentismo-e-barroco...30095592 exercicios-trovadorismo-humanismo-classicismo-quinhentismo-e-barroco...
30095592 exercicios-trovadorismo-humanismo-classicismo-quinhentismo-e-barroco...
 
A literatura portuguesa
A literatura portuguesaA literatura portuguesa
A literatura portuguesa
 
Trovadorismo e humanismo
Trovadorismo e humanismoTrovadorismo e humanismo
Trovadorismo e humanismo
 
Os Lusíadas
Os LusíadasOs Lusíadas
Os Lusíadas
 
RecuperaçãO Final 1 Em
RecuperaçãO Final 1 EmRecuperaçãO Final 1 Em
RecuperaçãO Final 1 Em
 
Prosa medieval
Prosa medievalProsa medieval
Prosa medieval
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
 
Literatura em portugal
Literatura em portugalLiteratura em portugal
Literatura em portugal
 
Trovadorismo e humanismo
Trovadorismo e humanismoTrovadorismo e humanismo
Trovadorismo e humanismo
 
Revisão de literatura
Revisão de literaturaRevisão de literatura
Revisão de literatura
 
Revisão – literatura
Revisão – literatura Revisão – literatura
Revisão – literatura
 
Barroco 2.0
Barroco 2.0Barroco 2.0
Barroco 2.0
 
Movimento Literário Humanismo em Portugal 1º ano A 2013
Movimento Literário Humanismo em Portugal 1º ano A 2013Movimento Literário Humanismo em Portugal 1º ano A 2013
Movimento Literário Humanismo em Portugal 1º ano A 2013
 
Ft21 Lusiadas Textos Introdutorios
Ft21 Lusiadas Textos IntrodutoriosFt21 Lusiadas Textos Introdutorios
Ft21 Lusiadas Textos Introdutorios
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
 
Trovadorismo (Período Medieval) - Literatura - Prof. Adriana Christinne
Trovadorismo (Período Medieval) - Literatura - Prof. Adriana Christinne Trovadorismo (Período Medieval) - Literatura - Prof. Adriana Christinne
Trovadorismo (Período Medieval) - Literatura - Prof. Adriana Christinne
 
Literatura
LiteraturaLiteratura
Literatura
 

Destaque

Análise literária: poema português x poema contemporâneo
Análise literária: poema português x poema contemporâneoAnálise literária: poema português x poema contemporâneo
Análise literária: poema português x poema contemporâneoAna Polo
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismorafabebum
 
Literatura portuguesa quadro sinóptico
Literatura portuguesa quadro sinópticoLiteratura portuguesa quadro sinóptico
Literatura portuguesa quadro sinópticoHelena Coutinho
 
Romantismo em portugal aula 03
Romantismo em portugal   aula 03Romantismo em portugal   aula 03
Romantismo em portugal aula 03xipolito
 
Slides Romantismo
Slides RomantismoSlides Romantismo
Slides Romantismomix1981
 

Destaque (7)

Análise literária: poema português x poema contemporâneo
Análise literária: poema português x poema contemporâneoAnálise literária: poema português x poema contemporâneo
Análise literária: poema português x poema contemporâneo
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
 
Cantigas de amigo
Cantigas de amigoCantigas de amigo
Cantigas de amigo
 
Literatura portuguesa quadro sinóptico
Literatura portuguesa quadro sinópticoLiteratura portuguesa quadro sinóptico
Literatura portuguesa quadro sinóptico
 
Romantismo em portugal aula 03
Romantismo em portugal   aula 03Romantismo em portugal   aula 03
Romantismo em portugal aula 03
 
Slides Romantismo
Slides RomantismoSlides Romantismo
Slides Romantismo
 
As cantigas de amigo
As cantigas de amigoAs cantigas de amigo
As cantigas de amigo
 

Semelhante a Literatura portuguesa

Semelhante a Literatura portuguesa (20)

Trovadorismo - professora Vivian Trombini
Trovadorismo - professora Vivian TrombiniTrovadorismo - professora Vivian Trombini
Trovadorismo - professora Vivian Trombini
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
 
O Trovadorismo
O Trovadorismo O Trovadorismo
O Trovadorismo
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
 
Trovadorismo1
Trovadorismo1Trovadorismo1
Trovadorismo1
 
Trovadorismo1
Trovadorismo1Trovadorismo1
Trovadorismo1
 
Trovadorismo1
Trovadorismo1Trovadorismo1
Trovadorismo1
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
 
literatura_trovadorismo.ppt
literatura_trovadorismo.pptliteratura_trovadorismo.ppt
literatura_trovadorismo.ppt
 
literatura_trovadorismo.ppt
literatura_trovadorismo.pptliteratura_trovadorismo.ppt
literatura_trovadorismo.ppt
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
 
Trovadorismo
Trovadorismo Trovadorismo
Trovadorismo
 
Trovadorismo
Trovadorismo Trovadorismo
Trovadorismo
 
Trovadorismo prof.-micheli
Trovadorismo prof.-micheliTrovadorismo prof.-micheli
Trovadorismo prof.-micheli
 
Herança portuguesa - resumo dos movimentos portugueses
Herança portuguesa - resumo dos movimentos portuguesesHerança portuguesa - resumo dos movimentos portugueses
Herança portuguesa - resumo dos movimentos portugueses
 
Trovadorismo1
Trovadorismo1Trovadorismo1
Trovadorismo1
 
TROVADORISMO EM PORTUGAL MOVIMENTO LITERÁRIO DO SÉCULO XII
TROVADORISMO EM PORTUGAL MOVIMENTO LITERÁRIO DO SÉCULO XIITROVADORISMO EM PORTUGAL MOVIMENTO LITERÁRIO DO SÉCULO XII
TROVADORISMO EM PORTUGAL MOVIMENTO LITERÁRIO DO SÉCULO XII
 
Literatura Medieval
Literatura MedievalLiteratura Medieval
Literatura Medieval
 
Literatura Medieval
Literatura MedievalLiteratura Medieval
Literatura Medieval
 

Literatura portuguesa

  • 1. Trovadorismo 1189/1198 a 1385 Trovadorismo 1189/1198 a 1385 Literatura PortuguesaLiteratura Portuguesa
  • 2. Contexto históricoContexto histórico Alguns aspectos da história da Península Ibérica importantes: Séculos XII a XIV. Feudalismo. Reconquista do território dominado pelos árabes. Teocentrismo. Alguns aspectos da história da Península Ibérica importantes: Séculos XII a XIV. Feudalismo. Reconquista do território dominado pelos árabes. Teocentrismo.
  • 3. Contexto LiterárioContexto Literário  A arte medieval é essencialmente não naturalista e alegórica.  Pretende ensinar aos que não sabem ler.  Poesia trovadoresca era poesia cantada cantigas.  Características importantes:  repetição de temas convencionais;  repetição de palavras, de versos ou de estrofes inteiras.  “Cantiga da Ribeirinha” ou “Cantiga de Guarvaia” Paio Soares de Taveirós.  A arte medieval é essencialmente não naturalista e alegórica.  Pretende ensinar aos que não sabem ler.  Poesia trovadoresca era poesia cantada cantigas.  Características importantes:  repetição de temas convencionais;  repetição de palavras, de versos ou de estrofes inteiras.  “Cantiga da Ribeirinha” ou “Cantiga de Guarvaia” Paio Soares de Taveirós.
  • 4. Características das cantigasCaracterísticas das cantigas Língua: galego-português. Tradição oral e coletiva. Poesia de tradição oral, cantada e acompanhada por instrumentos musicais, colecionada posteriormente em cancioneiros. Autores: trovadores. Intérpretes: jograis, segréis e menestréis. Gêneros: lírico e satírico. Acompanhadas por dança. Língua: galego-português. Tradição oral e coletiva. Poesia de tradição oral, cantada e acompanhada por instrumentos musicais, colecionada posteriormente em cancioneiros. Autores: trovadores. Intérpretes: jograis, segréis e menestréis. Gêneros: lírico e satírico. Acompanhadas por dança.
  • 5. Cantigas LíricasCantigas Líricas Características das cantigas de amigo:  Voz lírica feminina.  Tratamento dado ao namorado: amigo.  Expressão da vida campesina e urbana.  Realismo: fatos comuns da vida cotidiana.  Amor realizado ou possível: sofrimento amoroso.  Simplicidade: pequenos quadros sentimentais.  Paralelismo e refrão.  Origem popular e autóctone. Características das cantigas de amigo:  Voz lírica feminina.  Tratamento dado ao namorado: amigo.  Expressão da vida campesina e urbana.  Realismo: fatos comuns da vida cotidiana.  Amor realizado ou possível: sofrimento amoroso.  Simplicidade: pequenos quadros sentimentais.  Paralelismo e refrão.  Origem popular e autóctone. Características das cantigas de amor:  Voz lírica masculina.  Tratamento dado à mulher: mia senhor.  Expressão da vida da corte.  Convenções do amor cortês:  Idealização da mulher;  Vassalagem amorosa;  Expressão da coita.  Origem provençal. Características das cantigas de amor:  Voz lírica masculina.  Tratamento dado à mulher: mia senhor.  Expressão da vida da corte.  Convenções do amor cortês:  Idealização da mulher;  Vassalagem amorosa;  Expressão da coita.  Origem provençal.
  • 6. Cantigas SatíricasCantigas Satíricas Características das cantigas de escárnio:  Utilizam a ironia e o equívoco.  Realiza zombaria, menosprezo, desprezo, desdém. Características das cantigas de escárnio:  Utilizam a ironia e o equívoco.  Realiza zombaria, menosprezo, desprezo, desdém. Características das cantigas de maldizer:  Sátiras diretas, sem equívocos.  Intenção difamatória  Emprego de palavrões e xingamentos.  Virulência. Características das cantigas de maldizer:  Sátiras diretas, sem equívocos.  Intenção difamatória  Emprego de palavrões e xingamentos.  Virulência.
  • 7. Cantigas LíricasCantigas Líricas Cantiga de amigo Martim Codax Ondas do mar de Vigo, acaso vistes meu amigo? Queira Deus que ele venha cedo! Ondas do mar agitado acaso vistes meu amado? Queira Deus que ele venha cedo! Acaso vistes meu amigo, aquele por quem suspiro? Queira Deus que ele venha cedo! Acaso vistes meu amado, por quem tenho grande cuidado (preocupação)? Queira Deus que ele venha cedo! In: Elsa Gonçalves. A lírica galego-portuguesa. Lisboa: Editorial Comunicação,1983. p. 161. Cantiga de amigo Martim Codax Ondas do mar de Vigo, acaso vistes meu amigo? Queira Deus que ele venha cedo! Ondas do mar agitado acaso vistes meu amado? Queira Deus que ele venha cedo! Acaso vistes meu amigo, aquele por quem suspiro? Queira Deus que ele venha cedo! Acaso vistes meu amado, por quem tenho grande cuidado (preocupação)? Queira Deus que ele venha cedo! In: Elsa Gonçalves. A lírica galego-portuguesa. Lisboa: Editorial Comunicação,1983. p. 161. Cantiga de amor D. Dinis Quero à moda provençal fazer agora um cantar de amor, e quererei muito aí louvar minha senhora a quem honra nem formosura não faltam, nem bondade; e mais vos direi sobre ela: Deus a fez tão cheia de qualidades que ela vale mais que todas as do mundo. Pois Deus quis fazer minha senhora de tal modo, quando a fez, que a fez conhecedora de todo bem e de muito grande valor, e além de tudo isto é muito sociável quando deve; também deu-lhe bom senso, e desde então não lhe fez pouco bem impedindo que nenhuma outra fosse igual a ela. Porque em minha senhora nunca Deus pôs mal, mas pôs nela honra e beleza e mérito [...] In: Elsa Gonçalves. Op. cit., p. 284. Cantiga de amor D. Dinis Quero à moda provençal fazer agora um cantar de amor, e quererei muito aí louvar minha senhora a quem honra nem formosura não faltam, nem bondade; e mais vos direi sobre ela: Deus a fez tão cheia de qualidades que ela vale mais que todas as do mundo. Pois Deus quis fazer minha senhora de tal modo, quando a fez, que a fez conhecedora de todo bem e de muito grande valor, e além de tudo isto é muito sociável quando deve; também deu-lhe bom senso, e desde então não lhe fez pouco bem impedindo que nenhuma outra fosse igual a ela. Porque em minha senhora nunca Deus pôs mal, mas pôs nela honra e beleza e mérito [...] In: Elsa Gonçalves. Op. cit., p. 284.
  • 8. Cantigas SatíricasCantigas Satíricas Cantiga de escárnio Pero Larouco De vós, senhor, quer’eu dizer verdade e nom ja sobr’[o] amor que vos ei: senhor, bem [moor] é vossa torpidade de quantas outras eno mundo sei; assi de fea come de maldade nem vos vence oje senom filha dum rei. [Eu] nom vos amo nem me perderei, u vos nom vir, por vós de soidade. [...] In: Elsa Gonçalves. Op. cit., p. 182. Cantiga de escárnio Pero Larouco De vós, senhor, quer’eu dizer verdade e nom ja sobr’[o] amor que vos ei: senhor, bem [moor] é vossa torpidade de quantas outras eno mundo sei; assi de fea come de maldade nem vos vence oje senom filha dum rei. [Eu] nom vos amo nem me perderei, u vos nom vir, por vós de soidade. [...] In: Elsa Gonçalves. Op. cit., p. 182. Cantiga de escárnio Pero Larouco Sobre vós, senhora, eu quero dizer verdade e não já sobre o amor que tenho por vós: senhora, bem maior é vossa torpidez do que a de quantas outras conheço no mundo; tanto na feiura quanto na maldade não vos vence hoje senão a filha de um rei. Eu não vos amo nem me perderei de saudade por vós, quando não vos vir. Cantiga de escárnio Pero Larouco Sobre vós, senhora, eu quero dizer verdade e não já sobre o amor que tenho por vós: senhora, bem maior é vossa torpidez do que a de quantas outras conheço no mundo; tanto na feiura quanto na maldade não vos vence hoje senão a filha de um rei. Eu não vos amo nem me perderei de saudade por vós, quando não vos vir.
  • 9. Considerações finais e BibliografiaConsiderações finais e Bibliografia  Matim Codax – trovador jogral da época de Afonso III (meados do século XIII). “Dele só nos restam sete cantigas d’amigo, que se caracterizam por um delicioso primitivismo poético e pelo fato de serem seis destas composições as únicas cantigas trovadorescas acompanhadas da respectiva notação musical” (S. Spina).  D. Dinis (1261 – 1325) – grande incentivador da cultura, fundou a universidade de Lisboa (1291), posteriormente transferida para Coimbra (1308). Foi chamado o rei- trovador, com 138 cantigas conhecidas.  Bibliografia: Coleção Novas Palavras (nova edição), vol. 1, Língua Portuguesa. Emília Amaral, Mauro Ferreira, Ricardo Leite, Severino Antônio. FTD  Matim Codax – trovador jogral da época de Afonso III (meados do século XIII). “Dele só nos restam sete cantigas d’amigo, que se caracterizam por um delicioso primitivismo poético e pelo fato de serem seis destas composições as únicas cantigas trovadorescas acompanhadas da respectiva notação musical” (S. Spina).  D. Dinis (1261 – 1325) – grande incentivador da cultura, fundou a universidade de Lisboa (1291), posteriormente transferida para Coimbra (1308). Foi chamado o rei- trovador, com 138 cantigas conhecidas.  Bibliografia: Coleção Novas Palavras (nova edição), vol. 1, Língua Portuguesa. Emília Amaral, Mauro Ferreira, Ricardo Leite, Severino Antônio. FTD
  • 10. Considerações finais e BibliografiaConsiderações finais e Bibliografia  Matim Codax – trovador jogral da época de Afonso III (meados do século XIII). “Dele só nos restam sete cantigas d’amigo, que se caracterizam por um delicioso primitivismo poético e pelo fato de serem seis destas composições as únicas cantigas trovadorescas acompanhadas da respectiva notação musical” (S. Spina).  D. Dinis (1261 – 1325) – grande incentivador da cultura, fundou a universidade de Lisboa (1291), posteriormente transferida para Coimbra (1308). Foi chamado o rei- trovador, com 138 cantigas conhecidas.  Bibliografia: Coleção Novas Palavras (nova edição), vol. 1, Língua Portuguesa. Emília Amaral, Mauro Ferreira, Ricardo Leite, Severino Antônio. FTD  Matim Codax – trovador jogral da época de Afonso III (meados do século XIII). “Dele só nos restam sete cantigas d’amigo, que se caracterizam por um delicioso primitivismo poético e pelo fato de serem seis destas composições as únicas cantigas trovadorescas acompanhadas da respectiva notação musical” (S. Spina).  D. Dinis (1261 – 1325) – grande incentivador da cultura, fundou a universidade de Lisboa (1291), posteriormente transferida para Coimbra (1308). Foi chamado o rei- trovador, com 138 cantigas conhecidas.  Bibliografia: Coleção Novas Palavras (nova edição), vol. 1, Língua Portuguesa. Emília Amaral, Mauro Ferreira, Ricardo Leite, Severino Antônio. FTD