O slideshow foi denunciado.
Utilizamos seu perfil e dados de atividades no LinkedIn para personalizar e exibir anúncios mais relevantes. Altere suas preferências de anúncios quando desejar.

Escoliose e RPG / GPR and Scoliosis

374 visualizações

Publicada em

Tratamennto de Escoliose

Publicada em: Saúde e medicina
  • Seja o primeiro a comentar

Escoliose e RPG / GPR and Scoliosis

  1. 1. Fábio Mazzola
  2. 2. Fábio Mazzola HistóriaHistória Galeno (130-201d.C.) descreveu as deformidades da Coluna Vertebral:  Cifose (desvio posterior);  Lordose (desvio anterior);  Escoliose (desvio lateral).
  3. 3. Fábio Mazzola HistHistóóriaria Escoliose se define como um desvio lateral da Coluna Vertebral, parcialmente estrutural, que não pode voltar a endireitar-se completamente.
  4. 4. Fábio Mazzola Quando a coluna é o tutor do tronco, este é controlado pela musculatura tônica, essencialmente constituída pelos transversos espinais que em uma ação unilateral gera uma latero-flexão e rotação para o lado oposto. Coluna VertebralColuna Vertebral Estática – Capacidade de suportar carga.
  5. 5. Fábio Mazzola Quando a coluna é a articulação de movimentos do tronco, ela é mobilizada pela musculatura dinâmica: longo do tórax, iliocostal, espinal do tórax, que em uma função unilateral causa latero-flexão e rotação para o mesmo lado. Coluna VertebralColuna Vertebral Cinética – Permite adaptação ao movimento. Longo doLongo do TóraxTórax IliocostalIliocostal dodo TóraxTórax IliocostalIliocostal LombarLombar Espinal doEspinal do TóraxTórax
  6. 6. Fábio Mazzola EscolioseEscoliose Definição “É uma deformidade ântero-posterior em lordose, causada por um movimento em torção de todo segmento raquidiano. Essa deformidade se expressa lateralmente e trata-se de uma curva reversa.” (Perdriolle)
  7. 7. Fábio Mazzola
  8. 8. Fábio Mazzola A Escoliose FuncionalA Escoliose Funcional Caracteriza-se por posição viciosa escoliótica, não demonstrando ao exame radiológico deformações e ao exame clínico nenhuma evidência de giba.
  9. 9. Fábio Mazzola Diagnóstico DiferencialDiagnóstico Diferencial A Escoliose Funcional:  *Redutível;  *Ausência de gibosidade;  Rotação para o mesmo lado da Inclinação;  *Não evolutiva. Escoliose:  *Irredutível;  Presença de gibosidade;  Rotação para o lado oposto da Inclinação;  Geralmente evolutiva.
  10. 10. Fábio Mazzola EtiologiaEtiologia • Defeitos dos Corpos Vertebrais; • Afecções Neurológicas; • Afecções Musculares; • Neurofibromatoses; • Mesenquimopatias; • Traumáticas: • Intervenções Cirúrgicas; • Fraturas. • Osteopática; • Congênita; • Paralítica; • Estática; • De Cicatrizes; • Antálgica; • Doenças de Sistemas; • Histérica; • Genética; • Idiopática (70 – 75%).
  11. 11. Fábio Mazzola História Natural da EscolioseHistória Natural da Escoliose  Riscos de Agravamento na Fase de Crescimento:  Amplitude da curvatura;  Topografia;  Potencial de crescimento restante;  Sexo;  Gibas pronunciadas;  Desequilíbrio do eixo occiptal;  Raça.
  12. 12. Fábio Mazzola A Rotação do Corpo VertebralA Rotação do Corpo Vertebral O corpo vertebral encontra-se rodado para o lado da convexidade da curva, enquanto as espinhosas rodam para a concavidade.
  13. 13. Fábio Mazzola
  14. 14. Fábio Mazzola Alterações RespiratóriasAlterações Respiratórias  Freqüência Respiratória Aumentada;  Diminuição do Volume de Reserva Expiratório;  Comprometimento dos Músculos Acessórios;  Alteração da Biomecânica do Diafragma.
  15. 15. Fábio Mazzola Alterações RespiratóriasAlterações Respiratórias Lado Côncavo: as costelas estão em posição expiratória, embora verticais demais. Lado Convexo: a horizontalização das costelas limita o movimento que poderia aumentar o diâmetro transverso do tórax.
  16. 16. Fábio Mazzola Avaliação da GibosidadeAvaliação da Gibosidade
  17. 17. Fábio Mazzola Avaliação ClínicaAvaliação Clínica Escoliômetro
  18. 18. Fábio Mazzola Exames por ImagemExames por Imagem • Topografia; • Rotação: • Cobb; • Nash-Moe; • Pedriolle; • Raymondi; • Ângulo de Cobb; • Ângulo de Fergusson; • Ângulo Ileo-lombar; • Ângulo de Metha; • Ângulo de Sèze; • Grau de Risser; • Bending – test; • Suspensão axial.
  19. 19. Fábio Mazzola Exames por ImagemExames por Imagem
  20. 20. Fábio Mazzola As Indicações TerapêuticasAs Indicações Terapêuticas  Tratamento Cirúrgico  Tratamento Ortopédico com Protetores  Tratamento Cinesioterápico
  21. 21. Fábio Mazzola O Tratamento CirúrgicoO Tratamento Cirúrgico Artrodese – permite o bloqueio vertebral mediante a fusão óssea. Endoprótese – permite fixar a correção obtida mediante um sistema de hastes metálicas extensíveis. * Vias anteriores ou posteriores.
  22. 22. Fábio Mazzola O Tratamento CirúrgicoO Tratamento Cirúrgico
  23. 23. Fábio Mazzola O Tratamento OrtopédicoO Tratamento Ortopédico Segundo a Escola Ortopédica Francesa: Escolioses de médio grau de 30º a 50 º Cobb uso de colete. * Duração média de dois anos.
  24. 24. Fábio Mazzola TOPOGRAFIA ANGULAÇÃO Angulação até 25o /30o Angulação > 25o /30o Coletes curtos (para escolioses lombares, tóraco -lombares e torácicas baixas). SAINT-ÉTIENNE CDC CARBONO CAEN’S CHARLESTON MICHEL BOSTON CHENEAU LYONNAIS (só TL) BODY JACKET DE WILMINGTON GARCHOIS BERCKOIS MAGUELONE Coletes longos (para escolioses em S e torácicas) CARBONO OLYMPE CAEN’S CHARLESTON CDC CHENEAU LYONNAIS GARCHOIS BERCKOIS Tipos de ColetesTipos de Coletes
  25. 25. Fábio Mazzola Colete Maguelone Colete Olympe Colete Saint - Étienne Colete Caen’s Colete 3 -D Colete Lyonnais (Stagnara) Colete de Cheneu Colete de Charleston Colete de Wilmington
  26. 26. Fábio Mazzola
  27. 27. Fábio Mazzola Colete de BOSTONColete de BOSTON
  28. 28. Fábio Mazzola Colete de MilwaukeeColete de Milwaukee
  29. 29. Fábio Mazzola O Tratamento CinesioterápicoO Tratamento Cinesioterápico  Ganho de flexibilidade;  Favorecer a redução da curva;  Desacelerar a evolução da curva;  Reequilíbrio das massas paravertebrais;  Efetuar uma reeducação neuromuscular;  Criar automatismos subseqüentes;  Oferecer meios de manutenção;  Integração da correção postural.
  30. 30. Fábio Mazzola FisioterapiaFisioterapia  Exercícios Terapêuticos;  Técnicas Neuromusculares / Estabilzação Segmentar;  Liberação Miofascial;  Mobilização Neural;  Mobilizações Articulares;  Reeducação Postural Global.
  31. 31. Fábio Mazzola Exercícios TerapExercícios Terapêuticosêuticos
  32. 32. Fábio Mazzola Exercícios TerapExercícios Terapêuticosêuticos
  33. 33. Fábio Mazzola Técnicas NeuromuscularesTécnicas Neuromusculares
  34. 34. Fábio Mazzola Liberação MiofascialLiberação Miofascial
  35. 35. Fábio Mazzola Mobilzação NeuralMobilzação Neural
  36. 36. Fábio Mazzola Manobras ArticularesManobras Articulares
  37. 37. Fábio Mazzola Reeducação Postural GlobalReeducação Postural Global
  38. 38. Fábio Mazzola Reeducação Postural GlobalReeducação Postural Global
  39. 39. Fábio Mazzola Reeducação Postural GlobalReeducação Postural Global
  40. 40. Fábio Mazzola ÂNGULO ABERTO ÂNGULO FECHADO 1. D.D. 2. EM PÉ, COM APOIO 3. EM PÉ, SEM APOIO 1. D.D. 2. SENTADA 3. EM PÉ, INCLINADO
  41. 41. Fábio Mazzola
  42. 42. Fábio Mazzola Seja qual for o caso, devemos tratar a deformidade raquidiana (ou outra qualquer possivelmente a ela associada), o mais precocemente possível, para que ela permaneça dentro de limites o mais próximos do normal, não se fixe, permaneça uma compensação da causa primária ou, em outras palavras, não se torne uma deformidade ou patologia. ConclusãoConclusão
  43. 43. Fábio Mazzola
  44. 44. Fábio Mazzola f.mazzola@uol.com.br www.qualifica.com.br

×