SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 26
TORNOZELO: ESTRUTURA ARTICULAR,
 MUSCULAR, LESÕES E EXERCÍCIOS.




                             MAURO EDUARDO

              APROFUNDAMENTO EM CINESIOLOGIA
INTRODUÇÃO
        Este trabalho tem como objetivo abordar a articulação do tornozelo, falar
sobre suas especificidades, seus movimentos, possíveis lesões e exercícios
musculares para fortalecer esta que é uma das regiões mais importantes do
corpo, já que sustenta todo peso corporal e deve aliar resistência e flexibilidade.
O COMPLEXO ARTICULAR DO
                      TORNOZELO
        A articulação do tornozelo, ou tíbio-tarsiana, é a articulação distal do
membro inferior. É uma diartrose, isto é, uma articulação móvel, também
chamada de sinovial e, sendo assim, possui todos os componentes necessários
para desempenhar este papel. Sua estrutura é formada principalmente pela
união de 3 ossos: a tíbia, a fíbula e o tálus, um dos 26 ossos do pé, antigamente
chamado de astrágalo. Além disso, possui 31 articulações e 20 músculos que
lhe são próprios.

         Trata-se de uma articulação muito fechada, de bastante congruência,
que tem limitações importantes, pois quando se está em apoio monopodal,
suporta todo o peso do corpo, que pode inclusive estar aumentado pela energia
cinética, quando o pé entra em contato com o solo a certa velocidade. Por esse
motivo, torna-se problemático a criação de próteses tíbio-tarsianas totais, com
certa garantia de longevidade.

         Do complexo articular do tornozelo, apenas 3 articulações
desempenham um importante papel na função biomecânica, são elas: tíbio-
társica, subtalar e as articulações transversais do tarso.




       ARTICULAÇÃO
     TÍBIO-TÁRSICA
         A articulação tíbio-tarsiana é
considerada a “rainha” de todo o
complexo articular da parte posterior
do pé, pois deve receber o peso do
corpo, ajustar-se em superfícies
irregulares       e     permitir      o
desenvolvimento             progressivo
dinâmico do passo durante a marcha,
aliando assim a plasticidade do pé e
a potência dos ossos da perna.

       É formada pela articulação da tíbia e fíbula com o dorso do tálus. Por ser
uma tróclea, sua superfície de encaixe é classificada como gínglimo ou
dobradiça, sendo uniaxial e permitindo apenas movimentos no plano sagital.
Considerada a forma óssea, os únicos movimentos possíveis realizam-se
anteroposteriormente. O eixo em torno do qual a movimentação ocorre estende-
se obliquamente da face póstero-lateral do maléolo fíbular à face ântero-medial
do maléolo tibial. A flexão e a extensão são os movimentos que ocorrem neste
eixo.

         Flexão é o movimento do pé no qual a superfície plantar se move
       em direção caudal e posterior.

         Extensão é o movimento no qual a superfície dorsal do pé move-
       se em direção anterior e cranial.

Originou-se muita confusão a respeito
da      terminologia     destes     dois
movimentos       da    articulação   do
tornozelo.        Ocorre        aparente
discrepância porque diminuir um
ângulo frequentemente associa-se
com flexão, enquanto que aumentá-lo
é associado com extensão. Trazer o
pé para cima para “dobrar o tornozelo”
parece ter a conotação de flexão,
enquanto que apontar o pé para baixo
para “retificar o tornozelo” conota
extensão. Porém, a termiologia hoje
usada e com ampla aceitação a fim de
evitar confusão dos termos são a Dorsiflexão para os movimentos de extensão
do tornozelo e Flexão Plantar para os movimentos de flexão.



                    Dorsiflexão                  Extensão

                 Flexão Plantar                  Flexão



       Para medir os graus de amplitude de movimento do tornozelo, o joelho
deve estar flexionado. Com o joelho fletido, o tornozelo pode ser dorsifletido
cerca de 20º, já com o joelho estendido , essa amplitude diminui para 15º, isso
devido a maior ou menor tensão do músculo gastrocnêmio. A amplitude de
movimentação em flexão plantar do tornozelo é de aproximadamente 45º.
A estabilização do tornozelo

         A estabilização do tornozelo se dá graças aos
ligamentos (estabilização passiva) e aos tendões dos
músculos (estabilização ativa) que por ali passam.
Quanto a estabilidade óssea, ela é melhor em dorsiflexão
que em flexão plantar. Em flexão plantar, a parte
posterior da tróclea, mais estreita, encontra-se “folgada”,
fazendo com que o tornozelo fique osseamente menos
estável.

         Já em dorsiflexão, a parte anterior da tróclea,
mais larga está muito bem encaixada dentro da “pinça”
(vista anteriormente, a articulação do tornozelo
assemelha-se a uma pinça plana, como uma chave
inglesa, formada pelas extremidades distais da tíbia e da
fíbula, que encobre uma superfície situada no dorso do
tálus) resultando em uma posição mais estável o
tornozelo.

         A estabilização passiva se dá pela cápsula articular e pelos ligamentos
do tornozelo. A cápsula se fixa nas proximidades das superfícies articulares dos
três principais ossos da articulação tíbio-társica. Essa cápsula é frouxa anterior e
posteriormente, permitindo os movimentos de flexão plantar e dorsiflexão. Ela
ainda recebe a ajuda dos ligamentos colaterais, reforçando a articulação.

        O ligamento colateral lateral é formado
por três feixes, um anterior, um médio e um
posterior. Os feixes anteriores e posteriores
terminam no tálus, fixando-se diretamente aos
ossos da perna, no caso, a fíbula. Já o feixe médio
vai até o calcâneo, sendo, desse modo, envolvido
pelo jogo do tornozelo. É o ligamento que mais
frequentemente se distende na entorse do
tornozelo, por isso chamado de ligamento da
entorse.

        O ligamento colateral medial é
também formado por três feixes, porém,
encontra-se em duas camadas, uma camada
superficial (em azul) com um feixe que termina
no     osso      navicular,   no     ligamento
calcaneonavicular plantar, no sustentáculo do
tálus.
Já a camada profunda (em laranja) do ligamento colateral medial é
formado por um feixe anterior e um posterior que termina no tálus.

         A tensão dos ligamentos varia com a posição do tornozelo. Em
dorsiflexão, os feixes posteriores estão tensionados e os anteriores estão
relaxados. Na flexão plantar ocorre o contrário.

        Devido à anatomia da articulação do tornozelo, existe uma maior
tendência a movimentos de supinação (movimento que orienta a planta do pé
medialmente, levantando a margem medial do pé) requerendo assim uma maior
ativação dos feixes anteriores, sobretudo dos feixes médios.

         A estabilidade do tornozelo é completada pelas ações musculares
(estabilização ativa) que adaptam a pinça ao produzirem movimentos. Como já
foi dito anteriormente, em flexão plantar a estabilidade óssea é menos estável,
fazendo com que a articulação torne-se vulnerável a lesões. Nesse caso, o
tornozelo se estabiliza por um jogo de ações musculares, cujo efeito é duplo.

        A pinça se adapta a sua forma; a fíbula se abaixa. 4 músculos são
responsáveis por isso: Fibulares curto e longo, extensor longo do hálux e tibial
posterior. O abaixamento do maléolo lateral da fíbula melhora o encaixe dos
superfícies.
 A pinça aperta ativamente a tróclea; o extensor longo do hálux e o
tibial posterior provocam um aperto dos dois ossos. Com isso o abaixamento da
fíbula tensiona os ligamentos tibiofibulares. Essa tensão ocasiona uma
aproximação passiva automática dos dois ossos. Essa estabilização realiza-se
ao produzir-se uma flexão plantar ativa, quando se “sobe sobre a ponta dos
pés”.




    ARTICULAÇÃO
     SUBTALAR
         A articulação subtalar é uma
articulação       plana     ou      de
deslizamento modificada, formada
pela união do tálus com o calcâneo.
O tálus também se articula com o
navicular,      e     a    articulação
talonavicular é envolvida nos
movimentos atribuídos à articulação
subtalar. Situada verticalmente no
mesmo nível da articulação tíbio-tarsiana e inferiormente disposta, a subtalar
permite mobilidade em direções mais numerosas que a tíbio-társica, nos três
planos do espaço (sagital, frontal, transverso) porém, com amplitude mais
reduzida.
Supinação e pronação são os seus movimentos principais, isto é, os
que possuem uma maior amplitude. A Supinação é a rotação do pé na qual a
planta do pé se move em direção medial. Já a Pronação é a rotação na qual
planta do pé se move em direção lateral.




         Ná prática, em virtude da orientação e da forma das superfícies
articulares, os movimentos combinam-se automaticamente ao redor de um único
eixo, o eixo de henké. Esse eixo penetraria inferiormente pelo processo lateral
da tuberosidade do calcâneo e sairia superior, anterior e medialmente pelo colo
do tálus na sua parte medial. É, portanto, obliquo para cima, para a frente e
medialmente.

                                 EIXO DE HENKÉ
Ao redor dele efetuam-se movimentos de Inversão e Eversão.

         Inverção é um movimento combinando supinação, adução e flexão
          plantar.
         Everção é um movimento combinando pronação, abdução e
          dorsiflexão.




        A articulação subtalar é mantida pelo
conjunto de cápsulas e ligamentos. As cápsulas se
dividem em duas, uma posterior que se fixa ao
redor das superfícies e outra anteriormente, uma
cápsula comum com a da articulação transversa do
tarso. Já os ligamentos situam-se ao longo do túnel
do seio do tarso, formando uma dupla fileira, é o
ligamento talocalcâneo interósseo.




    ARTICULAÇÕES
 TRANSVERSAIS DO
      TARSO
         As    articulações társicas
transversais são formadas pelas
pelas articulações do tálus com o
navicular    (medialmente)   e    do
calcâneo       com       o  cubóide
(lateralmente). Tal como ocorre na
subtalar, os movimentos combinados
que se produzem são os de inversão e eversão, porém, com maior amplitude, os
movimentos de Adução e Abdução são dominantes nessa articulação.
 Adução é o movimento do antepé em direção medial.
              Abdução é o movimento do antepé na direção lateral.

       Esses movimentos podem ser aumentados ou confundidos com as
rotações do quadril ou do joelho, se o joelho estiver estendido. Nesse caso,
deve-se observar o deslocamento da tuberosidade da tíbia.

         As duas articulações são mantidas por cápsulas distintas. No lado
medial, a cápsula é comum à da articulação subtalar. Lateralmente, uma cápsula
une o calcâneo ao cubóide. Além disso, numerosos ligamentos reforçam essa
articulação.

        Desta maneira, pode-se concluir que o complexo articular do tornozelo
possui movimentos nos 3 planos: sagital, frontal e transverso.




        Eixo Transversal XX’ - Movimentos de flexão e extensão.

        Eixo Longitudinal da Perna Y – Movimentos de adução e abdução.

        Eixo Longitudinal do Pé Z – Movimentos de supinação e pronação.
ESTRUTURA MUSCULAR DO
                     TORNOZELO
         Como já foi visto anteriormente, o tornozelo exerce uma função
primordial na locomoção do ser humano. Além de sustentar o peso corporal do
indivíduo, deve adaptar-se para absorver forças e acomodar-se frente a
superfícies irregulares. Com essa quantidade de tensão, é melhor que o corpo
humano tenha um grande sistema de apoio muscular, ajudando os ligamentos a
estabilizar a articulação.
         Vários músculos apóiam o tornozelo e o sistema esquelético do pé
inteiro. Eles são responsáveis pela atividade normal do tornozelo e por sua
estabilização ativa. Dois tipos musculares atuam sobre o pé e o tornozelo: os
músculos extrínsecos e os músculos intrínsecos.

    Músculos Extrínsecos são aqueles que se fixam em outros ossos que
     aqueles do pé: tíbia, fíbula e fêmur (para o gastrôcnemio) . Todos
     terminam nos ossos do pé. São todos poliarticulares, atuando sobre o
     tornozelo e o pé. Seus tendões se arqueiam quando passam anterior ou
     posteriormente ao tornozelo. Subdividem-se em 3 grandes grupos: os
     anteriores, os laterais e os posteriores. Abordaremos mais sobre esse
     grupo.

    Músculos intrínsecos são os mais curtos, só se fixam nos ossos do pé,
     sobretudo do lado plantar. Formam , em parte, a massa carnosa da planta
     do pé.

                    Músculos Extrínsecos do pé / região anterior

        Três músculos longos encontram-se situados na região da anterior da
perna. Seus tendões curvam-se anteriormente ao tornozelo onde são manttidos
por uma “fita” ligamentrar: o retináculo inferior dos músculos extensores
(anular anterior do tarso). São eles: Tibial Anterior, extensor longo da hálux,
extensor longo dos dedos e fibular terceiro.
TIBIAL ANTERIOR:

Origem: Côndilo lateral da tíbia e ½ proximal da face
lateral da tíbia e membrana interóssea

Inserção: Cuneiforme medial e base do 1º metatarsal

Inervação: Nervo Fibular Profundo (L4 - S1)

Ação: Flexão dorsal e inversão do pé


EXTENSOR LONG
XTENSOR LONGO DODEDOS

        EXTENSOR LONGO DO HÁLUX:

Origem: 2/4 intermediários da fíbula e membrana
interóssea

Inserção: Falange distal do hálux

Inervação: Nervo Fibular Profundo (L4 - S1)

Ação: Extensão do hálux, flexão dorsal e inversão do
pé




        EXTENSOR LONGO DOS DEDOS:

Origem: Côndilo lateral da tíbia, ¾ proximais da fíbula e
membrana interóssea

Inserção: Falange média e distal do 2º ao 5º dedos


Inervação: Nervo Fibular Profundo (L4 - S1)

Ação: Extensão da MF, IFP e IFD do 2º ao 5º dedos
FIBULAR TERCEIRO:

Origem: 1/3 distal da face anterior da fíbula

Inserção: Base do 5º metatarsal

Inervação: Nervo Fibular Profundo (L5 - S1)

Ação: Eversão do pé




                      Músculos Extrínsecos do pé / região lateral

         Na região lateral da perna encontram-se dois músculos que se fixam na
face lateral da fíbula. São eles: Fibular Longo e Fibular Curto.




        FIBULAR LONGO:

Origem: Cabeça, 2/3 proximais da superfície lateral da
fíbula e côndilo lateral da tíbia

Inserção: 1º metatarsal e cuneiforme medial

Inervação: Nervo Fibular Superficial (L4 - S1)

Ação: Flexão plantar e eversão do pé
FIBULAR CURTO:

Origem: 2/3 distais da face lateral da fíbula

Inserção: Base do 5º metatarsal

Inervação: Nervo Fibular Superficial (L4 - S1)

Ação: Flexão plantar e eversão do pé



                    Músculos Extrínsecos do pé / região posterior

       O grupo posterior dos músculos da perna é o mais importante. Consta
de duas camadas. A camada mais profunda constitui-se três músculos situados
um ao lado do outro nas faces posteriores da tíbia e da fíbula. São eles: Flexor
longo dos dedos, Tibial Posterior e Flexor longo do Hálux.




        FLEXOR LONGO DOS DEDOS:

Origem: Face posterior da tíbia

Inserção: Falanges distais do 2º ao 5º dedo

Inervação: Nervo Tibial (L5 - S1)

Ação: Flexão plantar e inversão do tornozelo, flexão da
MF, IFP e IFD do 2º ao 5º dedos
TIBIAL POSTERIOR:

Origem: Face posterior da tíbia e 2/3 proximais da
fíbula e membrana interóssea

Inserção: 3 cuneiformes (medial , médio e lateral),
cubóide, navicular e base do 2º ao 4º metatarsais

Inervação: Nervo Tibial (L5 e S1)

Ação: Flexão plantar e inversão do pé




        FLEXOR LONGO DO HÁLUX:

Origem: 2/3 distais da face posterior da fíbula e
membrana interóssea

Inserção: Falange distal do hálux

Inervação: Nervo Tibial (L5 - S2)

Ação: Flexão do hálux, flexão plantar e inversão do
tornozelo


        A camada superficial do grupo muscular posterior é constituída pelo
músculo Plantar e pelo Tríceps Sural. Este músculo, o mais forte da perna é
formado por três partes musculares que tem uma mesma inserção: o tendão do
calcâneo (Tendão de Aquiles), o qual se insere na face posterior do calcâneo.
A parte mais profunda é ocupada pelo Sóleo. Este é recorberto por partes mais
superficiais: as cabeças medial e lateral do Gastrocnêmio.
PLANTAR:

Origem: Côndilo lateral do fêmur

Inserção: Calcâneo

Inervação: Nervo Tibial (L4 - S1)

Ação: Auxilia o tríceps sural




        SÓLEO:

Origem: 1/3 intermédio da face medial da tíbia e
cabeça da fíbula

Inserção: Calcâneo (tendão dos gastrocnêmios)

Inervação: Nervo Tibial ( L5 - S1)

Ação: Flexão plantar do tornozelo




        GASTROCNÊMIO:

Origem: Côndilo medial e lateral do fêmur

Inserção: Calcâneo

Inervação: Nervo Tibial (S1 - S2)

Ação: Flexão do joelho e flexão plantar do tornozelo
Sendo assim, pode-se resumir as ações musculares sobre o tornozelo
da seguinte maneira:




                LESÕES DO TORNOZELO
       As lesões do tornozelo estão entre os mais comuns problemas vistos por
médicos em atendimento de emergência, sendo graduadas dependendo da
gravidade da lesão.As entorses podem envolver os ligamentos laterais,
ligamentos mediais e/ou a sindesmose.

                  Lesão do Complexo Ligamentar Lateral

        O complexo ligamentar lateral é formado pelo ligamento talofibular
anterior (LTFA), pelo ligamento talofibular posterior (LTFP) e pelo ligamento
fibulocalcâneo (LFC). A maioria das entorses do tornozelo envolvem o complexo
ligamentar   lateral.,comumente   associadas    a   atividades   esportivas,
especialmente em atletas entre 15 e 35 anos de idade. O paciente geralmente
relata uma lesão do tornozelo quando fazia um movimento de mudança de
direção.

         As causas comuns são atividades esportivas, como futebol, saltos,
corridas, ou traumatismos quando caminhava ou descia uma escada. No exame
é facilmente localizado o ponto de dor sobre os ligamentos que foram
lesionados. Aumento de volume e equimose pode estar presentes no local. Os
exames radiográficos são úteis para identificar alguma lesão óssea, como uma
fratura.


         As entorses do tornozelo são classificadas em três graus:

    Grau I envolve uma lesão microscópica do ligamento.
    Grau II envolve uma lesão macroscópica.
    Grau III uma completa ruptura do ligamento.



                                   Tratamento

          Lesões grau I e II ocorrem nos ligamentos LFC e LTFA e são tratadas
conservadoramente, com repouso, gelo, elevação da extremidade, medicações
anti-inflamatórias, por 24 à 72 horas. Após, avalia-se a estabilidade e inicia-se o
tratamento fisioterápico, com retorno gradual a atividade física.

       Lesões grau III frequentemente apresentam ruptura dos LFC e do LTFA,
podendo tornar-se um tornozelo instável. O tratamento se faz da seguinte
maneira: imobilização por cerca de 6 semanas, quando então inicia-se um
programa de fisioterapia. Alguns autores preferem o tratamento cirúrgico em
determinados pacientes, especialmente atletas de alto nível. Aproximadamente
20% dos pacientes podem apresentar sintomas residuais de dor e instabilidade
após uma lesão do tornozelo.

                          Lesão crônica no tornozelo

        A reabilitação é crítica, quanto mais um tornozelo sofreu uma entorse,
maiores são as possibilidades de sofrer de novo. Deverá ser recomendado
sapatos com apoio na zona do tornozelo, como meia-bota ou bota, se a pessoa
sofrer de tornozelo instável ou tiver um ciclo mecânico de pronação, deverá ser
acomodado em calçado com estabilidade. Devemos também nos certificar que o
pé não é demasiado largo para o sapato (o pé nunca pode ficar justo na caixa
dos dedos, permitindo uma expansão natural durante o exercício físico).
A dor recorrente ou persistente (crônica) no lado exterior (lateral) do
tornozelo desenvolve-se frequentemente após uma lesão. Entretanto, diversas
outras circunstâncias podem também causar a dor crônica do tornozelo.

       Sintomas:
      Dor, geralmente no lado exterior do tornozelo. A dor pode ser tão intensa
       que se tem dificuldade em andar ou que praticar desporto. Em alguns
       casos, a dor é constante e persistente;
      Dificuldade que anda em terreno irregular ou em saltos altos;
      Um sentimento de instabilidade;
      Inchaço;
      Rigidez;
      Torções repetidas do tornozelo;


                  Possíveis causas para a dor crônica do tornozelo

        A causa mais comum para uma dor persistente no tornozelo é a cura
incompleta depois de uma torção. Quando se torce o tornozelo, o(s)
ligamento(s) entre os ossos é esticado ou rasgado. Sem uma reabilitação
completa o(s) ligamento(s) ou os músculos circunvizinhos podem permanecer
fracos, tendo como resultado a instabilidade recorrente. Em consequência,
poderá sofrer mais facilmente lesões no tornozelo.

   Outras causas da dor crônica do tornozelo incluem:
    Um ferimento dos nervos que passam através do tornozelo. Os nervos
   podem ser esticados, rasgado, ferido por uma pressão direta, ou ser
   comprimidos sob pressão;
    Um tendão rompido ou inflamado;
    Uma ruptura (fratura) num dos ossos que compõem a articulação do
   tornozelo;
    Inflamação da membrana sinovial. (junto às cartilagens)
    O desenvolvimento de tecido de cicatriz no tornozelo após uma torção. O
   tecido de cicatriz ocupa espaço encima da articulação, aplicando assim
   pressão sobre os ligamentos.

                                  Tratamento

          O tratamento dependerá do diagnóstico final e deve ser personalizado
as necessidades individuais do paciente. Os métodos de tratamento tradicionais
(sem intervenção cirúrgica) e cirúrgicos podem ser usados. Os tratamentos
tradicionais incluem:

     Os medicamentos anti-inflamatórios tais como a aspirina ou ibuprofeno
para reduzir o inchaço e a inflamação ;
 A terapia física, incluindo exercícios sobre plano instável (proprioceptivo),
fortalecendo os músculos, e restaurando a escala do movimento;
      Uma cinta, ligadura ou outra peça de sustentação para o tornozelo;
      Numa fractura, imobilização para permitir que o osso cure.

        Se a lesão o requerer, ou se o tratamento não trouxer melhorias de
relevo, o médico pode recomendar a cirurgia. Alguns procedimentos cirúrgicos
usam técnicas artroscopia; outros requerem uma cirurgia aberta. A reabilitação
pode tardar de 6 a 10 semanas para assegurar uma recuperação apropriada.

       As opções cirúrgicas incluem:
     Remover os fragmentos soltos
     Limpar a articulação ou a superfície da articulação
     Reparar ou reconstruir os ligamentos ou os tendões
EXERCÍCIOS PARA FORTALECIMENTO
        MUSCULAR DA ARTICULAÇÃO DO
                 TORNOZELO
         Embora os exercícios para o fortalecimento do tornozelo sejam limitados
em comparação as demais articulações do corpo, continuam sendo um
importante aliado contra as lesões do tornozelo, além de melhorar o retorno
venoso ao coração e, também, ajudando a manter a harmonia entre os membros
inferiores e superiores.

        Muitos indivíduos trabalham apenas a cadeia posterior da perna, como
flexão plantar em aparelhos específicos, mas acabam se esquecendo da parte
lateral e do grupamento anterior da perna. Um equilíbrio entre essas
musculaturas é fundamental para uma melhor estabilização do tornozelo.

        Os exercícios a seguir dão ênfase a todas as partes da região do
tornozelo.

                     Exercícios para a região anterior da perna



       Exercícios de Dorsiflexão

       Sentado em uma cadeira ou em um banco, com o calcanhar apoiado no
chão e o joelho estendido, faça movimentos de flexionar e estender o tornozelo
levando os dedos em direção à canela e ao chão levemente, considerando o
movimento de ida e volta como uma repetição.
Este exercício também pode ser realizado com um peso segurado pelos
pés, no cross over com a polia baixa ou simplesmente com um elástico fazendo
resistência contra o movimento. É um excelente movimento para trabalhar o
músculo tibial anterior já que ele é composto por mais fibras de contração rápida
que o gastrocnêmio e 3x mais que o sóleo, além de dar uma aparência muito
mais impressionante a parte anterior da perna.




                  Exercícios para a região medial e lateral da perna

        Exercícios de Inversão e Eversão:

       D1 – Pernas esticadas e pés relaxados( peça para alguém segurar ou
amarre a faixa em um ponto fixo).

         D2- Movimente o pé lentamente para dentro, fazendo força contra a
faixa e, logo após, volte o pé lentamente na posição inicial.
C1-Pernas esticadas e pés relaxados coloque a faixa nos dois pés.

        C2- Movimente os pés lentamente para fora, fazendo força contra a faixa
e, logo após, volte os pés lentamente na posição inicial.




                     Exercício para a região posterior da perna

       Exercícios de Flexão Plantar:

        B1 – joelho esticado e tornozelo a 90º(segure a faixa criando uma
resistência contra a flexão).

        B2 – Flexione lentamente o pé para baixo, forçando contra a faixa, logo
após, volte o pé na posição inicial.
Exercícios de Flexão Plantar em aparelhos específicos:

        A execução do exercício de flexão plantar em aparelhos apresenta
algumas variações na posição de execução com o objetivo de diferenciar a
intensidade do trabalho dos músculos gastrocnêmios e sóleo, músculos que
formam o tríceps sural. As possibilidades de execução do movimento são em pé
e sentado. Em pé, a ativação é maior nos gastrocnêmios. Já sentado, a ativação
é maior nos sóleos. Isso acontece porque quando o joelho é flexionado, o
gastrocnêmio, que é um poliarticular, acaba relaxando e isso impossibilita a sua
maior ativação.




        As rotações externa e interna do quadril são equivocadamente utilizadas
para alterar a ativação dos gastrocnêmios - cabeça lateral e cabeça medial-
devido à impossibilidade de realizar as rotações externa e interna do joelho com
estes em extensão. Isso fica evidenciado, uma vez que esse movimento não
altera a função dos gastrocnêmios - cabeça lateral e cabeça medial - no que se
refere aos aspectos mecânico e fisiológico.
Quando o exercício é realizado na posição sentada, existe a possibilidade
de executá-Io com rotação externa ou interna do joelho, Essa alteração
provocará mudança no comprimento muscular e no vetor de força dos
gastrocnêmios e permitirá uma maior ativação do gastrocnêmio medial quando o
joelho estiver em rotação externa e uma maior ativação do gastrocnêmio lateral
quando o joelho estiver em rotação interna,
BIBLIOGRAFIA
Músculos – Provas e Funções, Florence P. Kendall e Elizabeth Kendall
McCreary, 3ª Edição, Editora Manole.

Fisiologia Articular, A. I. Kapandji, Volume 2, Membros Inferiores, 5ª Edição,
Editora Manole.

Anatomía para El Movimiento, Blandine Calais-Germian, 1ª Edição, 1994,
Volume 1, Los Libros de La Liebre de Marzo S.I.

Anatomia para o Movimento, Blandine Calais-Germian, 3ª Edição, 2010 ,
Volume 1, Editora Manole.

Guia dos Movimentos de Musculação, Frédéric Delavier, 4ª Edição, 2006,
Editora Manole.

Cinesiologia e Musculação, Cláudia Silveira Lima e Ronei Silveira Pinto,
2007, Editora ArtMed.

Atlas Interativo de Anatomia Humana, Franck H. Netter, Versão 3.0

www.auladeanatomia.com/sistemamuscular/perna.htm

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

2014827 111116 lesao+ligamentar+joelho
2014827 111116 lesao+ligamentar+joelho2014827 111116 lesao+ligamentar+joelho
2014827 111116 lesao+ligamentar+joelho
Isabel Amarante
 
Biomecânica aplicada ao jogador de basquete
Biomecânica aplicada ao jogador de basquete Biomecânica aplicada ao jogador de basquete
Biomecânica aplicada ao jogador de basquete
Samara Lyvia
 
Reabilitação em amputados
Reabilitação em amputadosReabilitação em amputados
Reabilitação em amputados
Nay Ribeiro
 
Complexo do ombro 2013 - 2
Complexo do ombro   2013 - 2Complexo do ombro   2013 - 2
Complexo do ombro 2013 - 2
paraiba1974
 
Músculos dos membros superiores 2013.1
Músculos dos membros superiores 2013.1Músculos dos membros superiores 2013.1
Músculos dos membros superiores 2013.1
Blenda Neiva
 

Mais procurados (20)

2014827 111116 lesao+ligamentar+joelho
2014827 111116 lesao+ligamentar+joelho2014827 111116 lesao+ligamentar+joelho
2014827 111116 lesao+ligamentar+joelho
 
Fisioterapia Em Traumatofuncional
Fisioterapia Em TraumatofuncionalFisioterapia Em Traumatofuncional
Fisioterapia Em Traumatofuncional
 
Biomecânica aplicada ao jogador de basquete
Biomecânica aplicada ao jogador de basquete Biomecânica aplicada ao jogador de basquete
Biomecânica aplicada ao jogador de basquete
 
Origem, inserção e ação dos músculos
Origem, inserção e ação dos músculosOrigem, inserção e ação dos músculos
Origem, inserção e ação dos músculos
 
Protocolos avaliacao-postural
Protocolos avaliacao-posturalProtocolos avaliacao-postural
Protocolos avaliacao-postural
 
Biomecânica do Joelho
Biomecânica do JoelhoBiomecânica do Joelho
Biomecânica do Joelho
 
Apresentação desvios posturais
Apresentação desvios posturaisApresentação desvios posturais
Apresentação desvios posturais
 
Doença Degenerativa Articular
Doença Degenerativa ArticularDoença Degenerativa Articular
Doença Degenerativa Articular
 
Enfermidades específicas do joelho
Enfermidades específicas do joelhoEnfermidades específicas do joelho
Enfermidades específicas do joelho
 
Joelho
JoelhoJoelho
Joelho
 
Complexo articular do ombro
Complexo articular do ombroComplexo articular do ombro
Complexo articular do ombro
 
Traumas dos Membros Inferiores
Traumas dos Membros InferioresTraumas dos Membros Inferiores
Traumas dos Membros Inferiores
 
Reabilitação em amputados
Reabilitação em amputadosReabilitação em amputados
Reabilitação em amputados
 
Artrose quadril
Artrose quadrilArtrose quadril
Artrose quadril
 
Exame fisico do quadril ac
Exame fisico do quadril   acExame fisico do quadril   ac
Exame fisico do quadril ac
 
Complexo do ombro 2013 - 2
Complexo do ombro   2013 - 2Complexo do ombro   2013 - 2
Complexo do ombro 2013 - 2
 
Noções do Método Bobath
Noções do Método Bobath Noções do Método Bobath
Noções do Método Bobath
 
Reflexos
ReflexosReflexos
Reflexos
 
Músculos dos membros superiores 2013.1
Músculos dos membros superiores 2013.1Músculos dos membros superiores 2013.1
Músculos dos membros superiores 2013.1
 
Testes especiais de coluna lombar e pelve em Fisioterapia
Testes especiais de coluna lombar e pelve em FisioterapiaTestes especiais de coluna lombar e pelve em Fisioterapia
Testes especiais de coluna lombar e pelve em Fisioterapia
 

Semelhante a O complexo articular do tornozelo

Musculatura membro superior e inferior
Musculatura membro superior e inferiorMusculatura membro superior e inferior
Musculatura membro superior e inferior
Ivy Nora
 
Complexo articular do joelho e o seu funcionamento
Complexo articular do joelho e o seu funcionamentoComplexo articular do joelho e o seu funcionamento
Complexo articular do joelho e o seu funcionamento
Neuza Cardeira
 

Semelhante a O complexo articular do tornozelo (20)

Universidade Internacional do Cuanza-Anatomne-1.docx 2023.docx M INFERIOR.pdf...
Universidade Internacional do Cuanza-Anatomne-1.docx 2023.docx M INFERIOR.pdf...Universidade Internacional do Cuanza-Anatomne-1.docx 2023.docx M INFERIOR.pdf...
Universidade Internacional do Cuanza-Anatomne-1.docx 2023.docx M INFERIOR.pdf...
 
Membros inferiores
Membros inferioresMembros inferiores
Membros inferiores
 
EXERCICIOS AQUÁTICOS INDICADOS NO TRATAMENTO DA CONDROMALACIA PATELAR
EXERCICIOS AQUÁTICOS INDICADOS NO TRATAMENTO DA  CONDROMALACIA PATELAREXERCICIOS AQUÁTICOS INDICADOS NO TRATAMENTO DA  CONDROMALACIA PATELAR
EXERCICIOS AQUÁTICOS INDICADOS NO TRATAMENTO DA CONDROMALACIA PATELAR
 
Sistema articular
Sistema articularSistema articular
Sistema articular
 
Joelho
JoelhoJoelho
Joelho
 
Cinesiologia e biomecânica do Ombro
Cinesiologia e biomecânica do OmbroCinesiologia e biomecânica do Ombro
Cinesiologia e biomecânica do Ombro
 
Articulação - Joelho e Ombro (Básico)
Articulação -  Joelho e Ombro (Básico)Articulação -  Joelho e Ombro (Básico)
Articulação - Joelho e Ombro (Básico)
 
Articulacoes
ArticulacoesArticulacoes
Articulacoes
 
Musculatura membro superior e inferior
Musculatura membro superior e inferiorMusculatura membro superior e inferior
Musculatura membro superior e inferior
 
As articulações do esqueleto axial
As articulações do esqueleto axialAs articulações do esqueleto axial
As articulações do esqueleto axial
 
Os principais movimentos do corpo
Os principais movimentos do corpoOs principais movimentos do corpo
Os principais movimentos do corpo
 
ANATOMIA E CINESIOLOGIA DO OMBRO.pptx
ANATOMIA E CINESIOLOGIA DO OMBRO.pptxANATOMIA E CINESIOLOGIA DO OMBRO.pptx
ANATOMIA E CINESIOLOGIA DO OMBRO.pptx
 
Complexo articular do joelho e o seu funcionamento
Complexo articular do joelho e o seu funcionamentoComplexo articular do joelho e o seu funcionamento
Complexo articular do joelho e o seu funcionamento
 
Músculos origem-e-inserção-membro-inferior
Músculos origem-e-inserção-membro-inferiorMúsculos origem-e-inserção-membro-inferior
Músculos origem-e-inserção-membro-inferior
 
Articulacoes
ArticulacoesArticulacoes
Articulacoes
 
Articulações
ArticulaçõesArticulações
Articulações
 
Articulacoes
ArticulacoesArticulacoes
Articulacoes
 
Articulacoes cinesiologia
Articulacoes  cinesiologiaArticulacoes  cinesiologia
Articulacoes cinesiologia
 
Artrologia 2017
Artrologia  2017Artrologia  2017
Artrologia 2017
 
Artrologia
ArtrologiaArtrologia
Artrologia
 

Último

relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
HELLEN CRISTINA
 
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion  ais.pdfrelatorio ciencias morfofuncion  ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
HELLEN CRISTINA
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
HELLEN CRISTINA
 
Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................
paulo222341
 
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
HELLEN CRISTINA
 
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 

Último (9)

relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
 
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion  ais.pdfrelatorio ciencias morfofuncion  ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
 
Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................
 
AULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptx
AULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptxAULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptx
AULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptx
 
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdfATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
 
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
 
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdfCrianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
 
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
 

O complexo articular do tornozelo

  • 1. TORNOZELO: ESTRUTURA ARTICULAR, MUSCULAR, LESÕES E EXERCÍCIOS. MAURO EDUARDO APROFUNDAMENTO EM CINESIOLOGIA
  • 2. INTRODUÇÃO Este trabalho tem como objetivo abordar a articulação do tornozelo, falar sobre suas especificidades, seus movimentos, possíveis lesões e exercícios musculares para fortalecer esta que é uma das regiões mais importantes do corpo, já que sustenta todo peso corporal e deve aliar resistência e flexibilidade.
  • 3. O COMPLEXO ARTICULAR DO TORNOZELO A articulação do tornozelo, ou tíbio-tarsiana, é a articulação distal do membro inferior. É uma diartrose, isto é, uma articulação móvel, também chamada de sinovial e, sendo assim, possui todos os componentes necessários para desempenhar este papel. Sua estrutura é formada principalmente pela união de 3 ossos: a tíbia, a fíbula e o tálus, um dos 26 ossos do pé, antigamente chamado de astrágalo. Além disso, possui 31 articulações e 20 músculos que lhe são próprios. Trata-se de uma articulação muito fechada, de bastante congruência, que tem limitações importantes, pois quando se está em apoio monopodal, suporta todo o peso do corpo, que pode inclusive estar aumentado pela energia cinética, quando o pé entra em contato com o solo a certa velocidade. Por esse motivo, torna-se problemático a criação de próteses tíbio-tarsianas totais, com certa garantia de longevidade. Do complexo articular do tornozelo, apenas 3 articulações desempenham um importante papel na função biomecânica, são elas: tíbio- társica, subtalar e as articulações transversais do tarso. ARTICULAÇÃO TÍBIO-TÁRSICA A articulação tíbio-tarsiana é considerada a “rainha” de todo o complexo articular da parte posterior do pé, pois deve receber o peso do corpo, ajustar-se em superfícies irregulares e permitir o desenvolvimento progressivo dinâmico do passo durante a marcha, aliando assim a plasticidade do pé e a potência dos ossos da perna. É formada pela articulação da tíbia e fíbula com o dorso do tálus. Por ser uma tróclea, sua superfície de encaixe é classificada como gínglimo ou dobradiça, sendo uniaxial e permitindo apenas movimentos no plano sagital. Considerada a forma óssea, os únicos movimentos possíveis realizam-se anteroposteriormente. O eixo em torno do qual a movimentação ocorre estende-
  • 4. se obliquamente da face póstero-lateral do maléolo fíbular à face ântero-medial do maléolo tibial. A flexão e a extensão são os movimentos que ocorrem neste eixo.  Flexão é o movimento do pé no qual a superfície plantar se move em direção caudal e posterior.  Extensão é o movimento no qual a superfície dorsal do pé move- se em direção anterior e cranial. Originou-se muita confusão a respeito da terminologia destes dois movimentos da articulação do tornozelo. Ocorre aparente discrepância porque diminuir um ângulo frequentemente associa-se com flexão, enquanto que aumentá-lo é associado com extensão. Trazer o pé para cima para “dobrar o tornozelo” parece ter a conotação de flexão, enquanto que apontar o pé para baixo para “retificar o tornozelo” conota extensão. Porém, a termiologia hoje usada e com ampla aceitação a fim de evitar confusão dos termos são a Dorsiflexão para os movimentos de extensão do tornozelo e Flexão Plantar para os movimentos de flexão. Dorsiflexão Extensão Flexão Plantar Flexão Para medir os graus de amplitude de movimento do tornozelo, o joelho deve estar flexionado. Com o joelho fletido, o tornozelo pode ser dorsifletido cerca de 20º, já com o joelho estendido , essa amplitude diminui para 15º, isso devido a maior ou menor tensão do músculo gastrocnêmio. A amplitude de movimentação em flexão plantar do tornozelo é de aproximadamente 45º.
  • 5. A estabilização do tornozelo A estabilização do tornozelo se dá graças aos ligamentos (estabilização passiva) e aos tendões dos músculos (estabilização ativa) que por ali passam. Quanto a estabilidade óssea, ela é melhor em dorsiflexão que em flexão plantar. Em flexão plantar, a parte posterior da tróclea, mais estreita, encontra-se “folgada”, fazendo com que o tornozelo fique osseamente menos estável. Já em dorsiflexão, a parte anterior da tróclea, mais larga está muito bem encaixada dentro da “pinça” (vista anteriormente, a articulação do tornozelo assemelha-se a uma pinça plana, como uma chave inglesa, formada pelas extremidades distais da tíbia e da fíbula, que encobre uma superfície situada no dorso do tálus) resultando em uma posição mais estável o tornozelo. A estabilização passiva se dá pela cápsula articular e pelos ligamentos do tornozelo. A cápsula se fixa nas proximidades das superfícies articulares dos três principais ossos da articulação tíbio-társica. Essa cápsula é frouxa anterior e posteriormente, permitindo os movimentos de flexão plantar e dorsiflexão. Ela ainda recebe a ajuda dos ligamentos colaterais, reforçando a articulação. O ligamento colateral lateral é formado por três feixes, um anterior, um médio e um posterior. Os feixes anteriores e posteriores terminam no tálus, fixando-se diretamente aos ossos da perna, no caso, a fíbula. Já o feixe médio vai até o calcâneo, sendo, desse modo, envolvido pelo jogo do tornozelo. É o ligamento que mais frequentemente se distende na entorse do tornozelo, por isso chamado de ligamento da entorse. O ligamento colateral medial é também formado por três feixes, porém, encontra-se em duas camadas, uma camada superficial (em azul) com um feixe que termina no osso navicular, no ligamento calcaneonavicular plantar, no sustentáculo do tálus.
  • 6. Já a camada profunda (em laranja) do ligamento colateral medial é formado por um feixe anterior e um posterior que termina no tálus. A tensão dos ligamentos varia com a posição do tornozelo. Em dorsiflexão, os feixes posteriores estão tensionados e os anteriores estão relaxados. Na flexão plantar ocorre o contrário. Devido à anatomia da articulação do tornozelo, existe uma maior tendência a movimentos de supinação (movimento que orienta a planta do pé medialmente, levantando a margem medial do pé) requerendo assim uma maior ativação dos feixes anteriores, sobretudo dos feixes médios. A estabilidade do tornozelo é completada pelas ações musculares (estabilização ativa) que adaptam a pinça ao produzirem movimentos. Como já foi dito anteriormente, em flexão plantar a estabilidade óssea é menos estável, fazendo com que a articulação torne-se vulnerável a lesões. Nesse caso, o tornozelo se estabiliza por um jogo de ações musculares, cujo efeito é duplo.  A pinça se adapta a sua forma; a fíbula se abaixa. 4 músculos são responsáveis por isso: Fibulares curto e longo, extensor longo do hálux e tibial posterior. O abaixamento do maléolo lateral da fíbula melhora o encaixe dos superfícies.
  • 7.  A pinça aperta ativamente a tróclea; o extensor longo do hálux e o tibial posterior provocam um aperto dos dois ossos. Com isso o abaixamento da fíbula tensiona os ligamentos tibiofibulares. Essa tensão ocasiona uma aproximação passiva automática dos dois ossos. Essa estabilização realiza-se ao produzir-se uma flexão plantar ativa, quando se “sobe sobre a ponta dos pés”. ARTICULAÇÃO SUBTALAR A articulação subtalar é uma articulação plana ou de deslizamento modificada, formada pela união do tálus com o calcâneo. O tálus também se articula com o navicular, e a articulação talonavicular é envolvida nos movimentos atribuídos à articulação subtalar. Situada verticalmente no mesmo nível da articulação tíbio-tarsiana e inferiormente disposta, a subtalar permite mobilidade em direções mais numerosas que a tíbio-társica, nos três planos do espaço (sagital, frontal, transverso) porém, com amplitude mais reduzida.
  • 8. Supinação e pronação são os seus movimentos principais, isto é, os que possuem uma maior amplitude. A Supinação é a rotação do pé na qual a planta do pé se move em direção medial. Já a Pronação é a rotação na qual planta do pé se move em direção lateral. Ná prática, em virtude da orientação e da forma das superfícies articulares, os movimentos combinam-se automaticamente ao redor de um único eixo, o eixo de henké. Esse eixo penetraria inferiormente pelo processo lateral da tuberosidade do calcâneo e sairia superior, anterior e medialmente pelo colo do tálus na sua parte medial. É, portanto, obliquo para cima, para a frente e medialmente. EIXO DE HENKÉ
  • 9. Ao redor dele efetuam-se movimentos de Inversão e Eversão.  Inverção é um movimento combinando supinação, adução e flexão plantar.  Everção é um movimento combinando pronação, abdução e dorsiflexão. A articulação subtalar é mantida pelo conjunto de cápsulas e ligamentos. As cápsulas se dividem em duas, uma posterior que se fixa ao redor das superfícies e outra anteriormente, uma cápsula comum com a da articulação transversa do tarso. Já os ligamentos situam-se ao longo do túnel do seio do tarso, formando uma dupla fileira, é o ligamento talocalcâneo interósseo. ARTICULAÇÕES TRANSVERSAIS DO TARSO As articulações társicas transversais são formadas pelas pelas articulações do tálus com o navicular (medialmente) e do calcâneo com o cubóide (lateralmente). Tal como ocorre na subtalar, os movimentos combinados que se produzem são os de inversão e eversão, porém, com maior amplitude, os movimentos de Adução e Abdução são dominantes nessa articulação.
  • 10.  Adução é o movimento do antepé em direção medial.  Abdução é o movimento do antepé na direção lateral. Esses movimentos podem ser aumentados ou confundidos com as rotações do quadril ou do joelho, se o joelho estiver estendido. Nesse caso, deve-se observar o deslocamento da tuberosidade da tíbia. As duas articulações são mantidas por cápsulas distintas. No lado medial, a cápsula é comum à da articulação subtalar. Lateralmente, uma cápsula une o calcâneo ao cubóide. Além disso, numerosos ligamentos reforçam essa articulação. Desta maneira, pode-se concluir que o complexo articular do tornozelo possui movimentos nos 3 planos: sagital, frontal e transverso. Eixo Transversal XX’ - Movimentos de flexão e extensão. Eixo Longitudinal da Perna Y – Movimentos de adução e abdução. Eixo Longitudinal do Pé Z – Movimentos de supinação e pronação.
  • 11. ESTRUTURA MUSCULAR DO TORNOZELO Como já foi visto anteriormente, o tornozelo exerce uma função primordial na locomoção do ser humano. Além de sustentar o peso corporal do indivíduo, deve adaptar-se para absorver forças e acomodar-se frente a superfícies irregulares. Com essa quantidade de tensão, é melhor que o corpo humano tenha um grande sistema de apoio muscular, ajudando os ligamentos a estabilizar a articulação. Vários músculos apóiam o tornozelo e o sistema esquelético do pé inteiro. Eles são responsáveis pela atividade normal do tornozelo e por sua estabilização ativa. Dois tipos musculares atuam sobre o pé e o tornozelo: os músculos extrínsecos e os músculos intrínsecos.  Músculos Extrínsecos são aqueles que se fixam em outros ossos que aqueles do pé: tíbia, fíbula e fêmur (para o gastrôcnemio) . Todos terminam nos ossos do pé. São todos poliarticulares, atuando sobre o tornozelo e o pé. Seus tendões se arqueiam quando passam anterior ou posteriormente ao tornozelo. Subdividem-se em 3 grandes grupos: os anteriores, os laterais e os posteriores. Abordaremos mais sobre esse grupo.  Músculos intrínsecos são os mais curtos, só se fixam nos ossos do pé, sobretudo do lado plantar. Formam , em parte, a massa carnosa da planta do pé. Músculos Extrínsecos do pé / região anterior Três músculos longos encontram-se situados na região da anterior da perna. Seus tendões curvam-se anteriormente ao tornozelo onde são manttidos por uma “fita” ligamentrar: o retináculo inferior dos músculos extensores (anular anterior do tarso). São eles: Tibial Anterior, extensor longo da hálux, extensor longo dos dedos e fibular terceiro.
  • 12. TIBIAL ANTERIOR: Origem: Côndilo lateral da tíbia e ½ proximal da face lateral da tíbia e membrana interóssea Inserção: Cuneiforme medial e base do 1º metatarsal Inervação: Nervo Fibular Profundo (L4 - S1) Ação: Flexão dorsal e inversão do pé EXTENSOR LONG XTENSOR LONGO DODEDOS EXTENSOR LONGO DO HÁLUX: Origem: 2/4 intermediários da fíbula e membrana interóssea Inserção: Falange distal do hálux Inervação: Nervo Fibular Profundo (L4 - S1) Ação: Extensão do hálux, flexão dorsal e inversão do pé EXTENSOR LONGO DOS DEDOS: Origem: Côndilo lateral da tíbia, ¾ proximais da fíbula e membrana interóssea Inserção: Falange média e distal do 2º ao 5º dedos Inervação: Nervo Fibular Profundo (L4 - S1) Ação: Extensão da MF, IFP e IFD do 2º ao 5º dedos
  • 13. FIBULAR TERCEIRO: Origem: 1/3 distal da face anterior da fíbula Inserção: Base do 5º metatarsal Inervação: Nervo Fibular Profundo (L5 - S1) Ação: Eversão do pé Músculos Extrínsecos do pé / região lateral Na região lateral da perna encontram-se dois músculos que se fixam na face lateral da fíbula. São eles: Fibular Longo e Fibular Curto. FIBULAR LONGO: Origem: Cabeça, 2/3 proximais da superfície lateral da fíbula e côndilo lateral da tíbia Inserção: 1º metatarsal e cuneiforme medial Inervação: Nervo Fibular Superficial (L4 - S1) Ação: Flexão plantar e eversão do pé
  • 14. FIBULAR CURTO: Origem: 2/3 distais da face lateral da fíbula Inserção: Base do 5º metatarsal Inervação: Nervo Fibular Superficial (L4 - S1) Ação: Flexão plantar e eversão do pé Músculos Extrínsecos do pé / região posterior O grupo posterior dos músculos da perna é o mais importante. Consta de duas camadas. A camada mais profunda constitui-se três músculos situados um ao lado do outro nas faces posteriores da tíbia e da fíbula. São eles: Flexor longo dos dedos, Tibial Posterior e Flexor longo do Hálux. FLEXOR LONGO DOS DEDOS: Origem: Face posterior da tíbia Inserção: Falanges distais do 2º ao 5º dedo Inervação: Nervo Tibial (L5 - S1) Ação: Flexão plantar e inversão do tornozelo, flexão da MF, IFP e IFD do 2º ao 5º dedos
  • 15. TIBIAL POSTERIOR: Origem: Face posterior da tíbia e 2/3 proximais da fíbula e membrana interóssea Inserção: 3 cuneiformes (medial , médio e lateral), cubóide, navicular e base do 2º ao 4º metatarsais Inervação: Nervo Tibial (L5 e S1) Ação: Flexão plantar e inversão do pé FLEXOR LONGO DO HÁLUX: Origem: 2/3 distais da face posterior da fíbula e membrana interóssea Inserção: Falange distal do hálux Inervação: Nervo Tibial (L5 - S2) Ação: Flexão do hálux, flexão plantar e inversão do tornozelo A camada superficial do grupo muscular posterior é constituída pelo músculo Plantar e pelo Tríceps Sural. Este músculo, o mais forte da perna é formado por três partes musculares que tem uma mesma inserção: o tendão do calcâneo (Tendão de Aquiles), o qual se insere na face posterior do calcâneo. A parte mais profunda é ocupada pelo Sóleo. Este é recorberto por partes mais superficiais: as cabeças medial e lateral do Gastrocnêmio.
  • 16. PLANTAR: Origem: Côndilo lateral do fêmur Inserção: Calcâneo Inervação: Nervo Tibial (L4 - S1) Ação: Auxilia o tríceps sural SÓLEO: Origem: 1/3 intermédio da face medial da tíbia e cabeça da fíbula Inserção: Calcâneo (tendão dos gastrocnêmios) Inervação: Nervo Tibial ( L5 - S1) Ação: Flexão plantar do tornozelo GASTROCNÊMIO: Origem: Côndilo medial e lateral do fêmur Inserção: Calcâneo Inervação: Nervo Tibial (S1 - S2) Ação: Flexão do joelho e flexão plantar do tornozelo
  • 17. Sendo assim, pode-se resumir as ações musculares sobre o tornozelo da seguinte maneira: LESÕES DO TORNOZELO As lesões do tornozelo estão entre os mais comuns problemas vistos por médicos em atendimento de emergência, sendo graduadas dependendo da gravidade da lesão.As entorses podem envolver os ligamentos laterais, ligamentos mediais e/ou a sindesmose. Lesão do Complexo Ligamentar Lateral O complexo ligamentar lateral é formado pelo ligamento talofibular anterior (LTFA), pelo ligamento talofibular posterior (LTFP) e pelo ligamento fibulocalcâneo (LFC). A maioria das entorses do tornozelo envolvem o complexo
  • 18. ligamentar lateral.,comumente associadas a atividades esportivas, especialmente em atletas entre 15 e 35 anos de idade. O paciente geralmente relata uma lesão do tornozelo quando fazia um movimento de mudança de direção. As causas comuns são atividades esportivas, como futebol, saltos, corridas, ou traumatismos quando caminhava ou descia uma escada. No exame é facilmente localizado o ponto de dor sobre os ligamentos que foram lesionados. Aumento de volume e equimose pode estar presentes no local. Os exames radiográficos são úteis para identificar alguma lesão óssea, como uma fratura. As entorses do tornozelo são classificadas em três graus:  Grau I envolve uma lesão microscópica do ligamento.  Grau II envolve uma lesão macroscópica.  Grau III uma completa ruptura do ligamento. Tratamento Lesões grau I e II ocorrem nos ligamentos LFC e LTFA e são tratadas conservadoramente, com repouso, gelo, elevação da extremidade, medicações anti-inflamatórias, por 24 à 72 horas. Após, avalia-se a estabilidade e inicia-se o tratamento fisioterápico, com retorno gradual a atividade física. Lesões grau III frequentemente apresentam ruptura dos LFC e do LTFA, podendo tornar-se um tornozelo instável. O tratamento se faz da seguinte maneira: imobilização por cerca de 6 semanas, quando então inicia-se um programa de fisioterapia. Alguns autores preferem o tratamento cirúrgico em determinados pacientes, especialmente atletas de alto nível. Aproximadamente 20% dos pacientes podem apresentar sintomas residuais de dor e instabilidade após uma lesão do tornozelo. Lesão crônica no tornozelo A reabilitação é crítica, quanto mais um tornozelo sofreu uma entorse, maiores são as possibilidades de sofrer de novo. Deverá ser recomendado sapatos com apoio na zona do tornozelo, como meia-bota ou bota, se a pessoa sofrer de tornozelo instável ou tiver um ciclo mecânico de pronação, deverá ser acomodado em calçado com estabilidade. Devemos também nos certificar que o pé não é demasiado largo para o sapato (o pé nunca pode ficar justo na caixa dos dedos, permitindo uma expansão natural durante o exercício físico).
  • 19. A dor recorrente ou persistente (crônica) no lado exterior (lateral) do tornozelo desenvolve-se frequentemente após uma lesão. Entretanto, diversas outras circunstâncias podem também causar a dor crônica do tornozelo. Sintomas:  Dor, geralmente no lado exterior do tornozelo. A dor pode ser tão intensa que se tem dificuldade em andar ou que praticar desporto. Em alguns casos, a dor é constante e persistente;  Dificuldade que anda em terreno irregular ou em saltos altos;  Um sentimento de instabilidade;  Inchaço;  Rigidez;  Torções repetidas do tornozelo; Possíveis causas para a dor crônica do tornozelo A causa mais comum para uma dor persistente no tornozelo é a cura incompleta depois de uma torção. Quando se torce o tornozelo, o(s) ligamento(s) entre os ossos é esticado ou rasgado. Sem uma reabilitação completa o(s) ligamento(s) ou os músculos circunvizinhos podem permanecer fracos, tendo como resultado a instabilidade recorrente. Em consequência, poderá sofrer mais facilmente lesões no tornozelo. Outras causas da dor crônica do tornozelo incluem:  Um ferimento dos nervos que passam através do tornozelo. Os nervos podem ser esticados, rasgado, ferido por uma pressão direta, ou ser comprimidos sob pressão;  Um tendão rompido ou inflamado;  Uma ruptura (fratura) num dos ossos que compõem a articulação do tornozelo;  Inflamação da membrana sinovial. (junto às cartilagens)  O desenvolvimento de tecido de cicatriz no tornozelo após uma torção. O tecido de cicatriz ocupa espaço encima da articulação, aplicando assim pressão sobre os ligamentos. Tratamento O tratamento dependerá do diagnóstico final e deve ser personalizado as necessidades individuais do paciente. Os métodos de tratamento tradicionais (sem intervenção cirúrgica) e cirúrgicos podem ser usados. Os tratamentos tradicionais incluem:  Os medicamentos anti-inflamatórios tais como a aspirina ou ibuprofeno para reduzir o inchaço e a inflamação ;
  • 20.  A terapia física, incluindo exercícios sobre plano instável (proprioceptivo), fortalecendo os músculos, e restaurando a escala do movimento;  Uma cinta, ligadura ou outra peça de sustentação para o tornozelo;  Numa fractura, imobilização para permitir que o osso cure. Se a lesão o requerer, ou se o tratamento não trouxer melhorias de relevo, o médico pode recomendar a cirurgia. Alguns procedimentos cirúrgicos usam técnicas artroscopia; outros requerem uma cirurgia aberta. A reabilitação pode tardar de 6 a 10 semanas para assegurar uma recuperação apropriada. As opções cirúrgicas incluem:  Remover os fragmentos soltos  Limpar a articulação ou a superfície da articulação  Reparar ou reconstruir os ligamentos ou os tendões
  • 21. EXERCÍCIOS PARA FORTALECIMENTO MUSCULAR DA ARTICULAÇÃO DO TORNOZELO Embora os exercícios para o fortalecimento do tornozelo sejam limitados em comparação as demais articulações do corpo, continuam sendo um importante aliado contra as lesões do tornozelo, além de melhorar o retorno venoso ao coração e, também, ajudando a manter a harmonia entre os membros inferiores e superiores. Muitos indivíduos trabalham apenas a cadeia posterior da perna, como flexão plantar em aparelhos específicos, mas acabam se esquecendo da parte lateral e do grupamento anterior da perna. Um equilíbrio entre essas musculaturas é fundamental para uma melhor estabilização do tornozelo. Os exercícios a seguir dão ênfase a todas as partes da região do tornozelo. Exercícios para a região anterior da perna Exercícios de Dorsiflexão Sentado em uma cadeira ou em um banco, com o calcanhar apoiado no chão e o joelho estendido, faça movimentos de flexionar e estender o tornozelo levando os dedos em direção à canela e ao chão levemente, considerando o movimento de ida e volta como uma repetição.
  • 22. Este exercício também pode ser realizado com um peso segurado pelos pés, no cross over com a polia baixa ou simplesmente com um elástico fazendo resistência contra o movimento. É um excelente movimento para trabalhar o músculo tibial anterior já que ele é composto por mais fibras de contração rápida que o gastrocnêmio e 3x mais que o sóleo, além de dar uma aparência muito mais impressionante a parte anterior da perna. Exercícios para a região medial e lateral da perna Exercícios de Inversão e Eversão: D1 – Pernas esticadas e pés relaxados( peça para alguém segurar ou amarre a faixa em um ponto fixo). D2- Movimente o pé lentamente para dentro, fazendo força contra a faixa e, logo após, volte o pé lentamente na posição inicial.
  • 23. C1-Pernas esticadas e pés relaxados coloque a faixa nos dois pés. C2- Movimente os pés lentamente para fora, fazendo força contra a faixa e, logo após, volte os pés lentamente na posição inicial. Exercício para a região posterior da perna Exercícios de Flexão Plantar: B1 – joelho esticado e tornozelo a 90º(segure a faixa criando uma resistência contra a flexão). B2 – Flexione lentamente o pé para baixo, forçando contra a faixa, logo após, volte o pé na posição inicial.
  • 24. Exercícios de Flexão Plantar em aparelhos específicos: A execução do exercício de flexão plantar em aparelhos apresenta algumas variações na posição de execução com o objetivo de diferenciar a intensidade do trabalho dos músculos gastrocnêmios e sóleo, músculos que formam o tríceps sural. As possibilidades de execução do movimento são em pé e sentado. Em pé, a ativação é maior nos gastrocnêmios. Já sentado, a ativação é maior nos sóleos. Isso acontece porque quando o joelho é flexionado, o gastrocnêmio, que é um poliarticular, acaba relaxando e isso impossibilita a sua maior ativação. As rotações externa e interna do quadril são equivocadamente utilizadas para alterar a ativação dos gastrocnêmios - cabeça lateral e cabeça medial- devido à impossibilidade de realizar as rotações externa e interna do joelho com estes em extensão. Isso fica evidenciado, uma vez que esse movimento não altera a função dos gastrocnêmios - cabeça lateral e cabeça medial - no que se refere aos aspectos mecânico e fisiológico.
  • 25. Quando o exercício é realizado na posição sentada, existe a possibilidade de executá-Io com rotação externa ou interna do joelho, Essa alteração provocará mudança no comprimento muscular e no vetor de força dos gastrocnêmios e permitirá uma maior ativação do gastrocnêmio medial quando o joelho estiver em rotação externa e uma maior ativação do gastrocnêmio lateral quando o joelho estiver em rotação interna,
  • 26. BIBLIOGRAFIA Músculos – Provas e Funções, Florence P. Kendall e Elizabeth Kendall McCreary, 3ª Edição, Editora Manole. Fisiologia Articular, A. I. Kapandji, Volume 2, Membros Inferiores, 5ª Edição, Editora Manole. Anatomía para El Movimiento, Blandine Calais-Germian, 1ª Edição, 1994, Volume 1, Los Libros de La Liebre de Marzo S.I. Anatomia para o Movimento, Blandine Calais-Germian, 3ª Edição, 2010 , Volume 1, Editora Manole. Guia dos Movimentos de Musculação, Frédéric Delavier, 4ª Edição, 2006, Editora Manole. Cinesiologia e Musculação, Cláudia Silveira Lima e Ronei Silveira Pinto, 2007, Editora ArtMed. Atlas Interativo de Anatomia Humana, Franck H. Netter, Versão 3.0 www.auladeanatomia.com/sistemamuscular/perna.htm