O slideshow foi denunciado.
Utilizamos seu perfil e dados de atividades no LinkedIn para personalizar e exibir anúncios mais relevantes. Altere suas preferências de anúncios quando desejar.

Modelo de Fichamento

1.133 visualizações

Publicada em

Modelo de Fichamento

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Modelo de Fichamento

  1. 1. Aluno (a): Série: Turma: Professor: Bruno Oliveira Disciplina: Filosofia. FICHAMENTO #1 THOMPSON, E. P. A miséria da teoria. Rio de Janeiro: Zahar, 1981. Objeto central do Livro: Desconstrução do pensamento de Althusser acerca da História. Principais conceitos: A experiência surge espontaneamente no ser social, mas não surge sem pensamento. Surge porque homens e mulheres (e não apenas filósofos) são racionais e refletem sobre o que acontece a eles e ao seu mundo (p. 16); O diálogo entre o ser social e a consciência social da origem a experiência (p. 42); Lógica histórica, método de investigação adequado a materiais históricos, destinado, na medida do possível, a testar hipóteses quanta à estrutura, causação etc. (p. 49); A história não é uma fábrica para a manufatura da Grande Teoria, [...], também não é uma linha de montagem para produção em série de pequenas teorias (p. 57). Principais conclusões: A experiência, ao que se supõe, constitui uma parte da matéria-prima oferecida aos processos do discurso científico da demonstração. E mesmo alguns intelectuais atuantes sofreram, eles próprios, experiências. A experiência, portanto, não chega obedientemente, da maneira proposta por Althusser (p. 16); Se ignorar os diálogos, não pode compreender como o conhecimento histórico acontece (como experiência), nem os procedimentos de investigação e verificação da disciplina histórica (p. 42-43); Althusser simplesmente tomou uma moda da ideologia burguesa e deu-lhe o nome de marxismo (p. 170). Comentário pessoal: Em consonância com Thompson, acredito que os fatos históricos por si só, não revela nada, sendo assim, é papel do historiador realizar uma investigação minuciosa para extrair deles os acontecimentos intrínsecos ao homem e seu meio social. Corroborando ainda com o raciocínio de Thompson, acredito que as experiências pessoais são cruciais e a sua investigação não pode estar dissociada de conhecimentos e técnicas empíricas, dessa forma, a epistemologia e/ou lógica histórica seguem seus próprios princípios, fato esse que inviabiliza a produção do conhecimento histórico em um laboratório de fronte para uma escrivaninha. Palavras chave: História. Marxismo. Epistemologia.

×