SlideShare uma empresa Scribd logo
ESTRUTURAL E SISTÊMICA
Para a antropologia cultural, cada cultura particular, caracterizada
por um conjunto de tendências tais como aparecem
empiricamente ao observador, é um pouco comparável às peças
de um quebra – cabeça. E nessas condições, a cultura é
concebida como uma espécie de mosaico. Não se trata mais em
estudar tal aspecto de uma sociedade em si, relacionando-o ao
conjunto das relações sociais (antropologia social), e muito
menos tal cultura particular na lógica que lhe é
própria(antropologia cultural, mas também simbólica); trata-se de
estudar a lógica da cultura.
Antropologia da comunicação: Estuda as diferentes modalidades
da comunicação entre os homens, não a partir dos interlocutores
que seriam considerados como elementos separados uns dos
outros, mas a partir dos processos de interação formando
sistemas de troca, integrando notadamente tudo o que, no
encontro, se dá ao nível (não verbal) das sensações, dos gestos,
das mímicas e das palavras
 A enopsiquiatria: É uma prática claramente
pluridisciplinar, procurando compreender ao
mesmo tempo a dimensão étnica dos
distúrbios mentais e a dimensão psicológica e
psicopatológica da cultura.
 Estruturalismo francês: Do qual muitos
gostam hoje de dizer que está há muito tempo
ultrapassado, mas alguns estudiosos
consideram pessoalmente como mais atual do
que nunca.
 Este pensamento antropológico, se insere no campo das ciências
humanas e não no das ciências sociais. Enquanto as ciências
sociais “aceitam sem reticências se estabelecer no próprio âmago
de sua sociedade”, as ciências humanas, visando “aprender uma
realidade imanente ao homem, se colocam a parte de todo
individuo e de toda sociedade”.
 O exemplo da obra de Bateson, A Cerimônia do Naven, é
revelador. Primeiramente devido à sua exigência de
pluridisciplinaridade. Em seguida por seu caráter inovador no
campo da antropologia anglo-saxônica da época, caracterizada
pela monografia. O interesse de Bateson era a possibilidade de
aceder a uma teoria transcultural, cujos conceitos poderão ser
utilizados na compreensão de outras sociedades. Lévi-Strauss e
Devereux, foram quem mais insistiram no fato de que não se pode
aprender sobre culturas particulares sem referência à “cultura”.
Daí vem o caráter “metacultural” desse pensamento, que é o
oposto do “culturalismo”, e é o fundador da possibilidade da
comunicação intercultural.
 É importante ressaltar que as diferentes
abordagens são abordagens da totalidade,
sem levar em conta consideração sobre
apenas um aspecto parcelar da realidade
social. Para Lévi-Strauss como para Bateson,
não existem nunca relações de causalidade
unilinear entre dois fenômenos, e sim
“correlações funcionais”. Por isso a
antropologia é considerada um “pensamento
dos conjuntos”, preocupado em não deixar
escapar nada na investigação do social.
 A abordagem de Lévi-Strauss, que procede a uma série de rupturas
radicais:
 A ruptura com o humanismo e a filosofia, isto é, as ideologias do
sujeito considerado enquanto fonte de significações. Agora o sentido
não está mais ligado a consciência, a qual se vê descentrada pelo
projeto freudiano. Ou seja,
 eu sou pensado, sou falado, sou agido, sou atravessado por
estruturas que me preexistem.
 A ruptura com relação ao pensamento histórico: o evolucionismo e
qualquer forma de história. Tentar compreender o presente através do
passado. Visto de outra forma a análise dos processos, opõe-se a
inteligibilidade estrutural e combinatória de um comportamento e de
um relato.
 A ruptura com o atomismo, que considera os elementos
independentemente da totalidade.
 A ruptura com o empirismo. “Para alcançar o real, é preciso primeiro
repudiar o vivido”, diz Lévi-Strauss em Tristes Trópicos. Ou seja, o
objeto científico deve ser arrancado da experiência da impressão, da
percepção espontânea.
 Relação homem/mulher.
 Variantes
 levirato
 sororato
 poligamia
 monogamia
 Relação homem/divindades.
 monoteismo
 politeismo
 ateísmo
 agnosticismo
 Exemplos usados por Lévi-Strauss
 baralho
 caleidoscópio
 Todo o programa e toda a abordagem do estruturalismo estão
nesses dois textos :
1) a existência de um certo número de materiais culturais
idênticos, que, como as cartas ou os elementos de
caleidoscópio, podem ser qualificados de invariantes;
2) as diferentes estruturações possíveis destes materiais( isto
é, as maneiras com as quais se organizam entre si quando
passamos de uma cultura para outra, ou de uma época outra)
que não estão em número ilimitado, pois são comandadas pelo
que Lévi-Strauss chama de "leis universais que regem as
atividades inconscientes do espírito";
3) finalmente, comparáveis a aplicação de leis gramaticais, o
próprio desenrolar do jogo de baralho ou os movimentos do
caleidoscópio que não para de girar, com alguém que observa
o esse process - o etnólogo - dirigindo, no caso do autor de
Tristes Trópicos, sobre o que percebe, um olhar que convém
qualificar de estético.
 Levi-Strauss não ignora a diversidade das culturas- já que procurará
precisamente dar conta dela - nem a história. Mas, de um lado
desconfia de um "ecletismo apressado" que confundiria as tarefas e
misturaria os programas".
E, de outro, considera que para compreender o movimento das
sociedades é preciso não se situar ao nível da consciência que o
Ocidente tem da história. Essa consciência história do "progresso"
nao carrega consigo nenhuma verdade, é um mito que convém
estudar como os outros mitos, isto é, estendendo no espaço aquilo
que o historiador percebe como escalonado no tempo.
Tal é o significado do conceito de estrutura que Pouilon (1996) define
como " a sintaxe das transformações que fazem passar de uma
variente para outra", pois "é essa sintaxe que dá conta de seu número
limitado, da exploração restrita das possibilidades teóricas".Ou seja, a
história é um jogo no qual a identidade dos parceiros tem menos
importância que as partidas jogadas, e mais ainda as regras das
partidas jogáveis.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Antropologia CONCEITOS BÁSICOS
Antropologia CONCEITOS BÁSICOSAntropologia CONCEITOS BÁSICOS
Antropologia CONCEITOS BÁSICOSUniceuma
 
Teoria do conhecimento aristóteles
Teoria do conhecimento aristótelesTeoria do conhecimento aristóteles
Teoria do conhecimento aristótelesCristian Oliveira
 
Mapa conceitual - conhecimento e lógica
Mapa conceitual - conhecimento e lógicaMapa conceitual - conhecimento e lógica
Mapa conceitual - conhecimento e lógicaGilberto Cotrim
 
O Que é Filosofia? 1º Ano!
O Que é Filosofia? 1º Ano!O Que é Filosofia? 1º Ano!
O Que é Filosofia? 1º Ano!Lu Rebordosa
 
3 ética em aristóteles
3 ética em aristóteles3 ética em aristóteles
3 ética em aristótelesErica Frau
 
Texto de apoio de antropologia cultural
Texto de apoio  de antropologia culturalTexto de apoio  de antropologia cultural
Texto de apoio de antropologia culturalmarcelestevao
 
Slides - Aula 01 - O surgimento da Antropologia e as suas escolas.pdf
Slides - Aula 01 - O surgimento da Antropologia e as suas escolas.pdfSlides - Aula 01 - O surgimento da Antropologia e as suas escolas.pdf
Slides - Aula 01 - O surgimento da Antropologia e as suas escolas.pdfNatan Baptista
 
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Atitude Filosófica
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Atitude FilosóficaSlides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Atitude Filosófica
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Atitude FilosóficaTurma Olímpica
 

Mais procurados (20)

Antropologia CONCEITOS BÁSICOS
Antropologia CONCEITOS BÁSICOSAntropologia CONCEITOS BÁSICOS
Antropologia CONCEITOS BÁSICOS
 
Antropologia
AntropologiaAntropologia
Antropologia
 
Teoria do conhecimento aristóteles
Teoria do conhecimento aristótelesTeoria do conhecimento aristóteles
Teoria do conhecimento aristóteles
 
Mapa conceitual - conhecimento e lógica
Mapa conceitual - conhecimento e lógicaMapa conceitual - conhecimento e lógica
Mapa conceitual - conhecimento e lógica
 
O Que é Filosofia? 1º Ano!
O Que é Filosofia? 1º Ano!O Que é Filosofia? 1º Ano!
O Que é Filosofia? 1º Ano!
 
3 ética em aristóteles
3 ética em aristóteles3 ética em aristóteles
3 ética em aristóteles
 
Filosofia Medieval
Filosofia MedievalFilosofia Medieval
Filosofia Medieval
 
Texto de apoio de antropologia cultural
Texto de apoio  de antropologia culturalTexto de apoio  de antropologia cultural
Texto de apoio de antropologia cultural
 
Antropologia: conceitos basicos
 Antropologia: conceitos basicos Antropologia: conceitos basicos
Antropologia: conceitos basicos
 
Aula 3 metafísica
Aula 3   metafísicaAula 3   metafísica
Aula 3 metafísica
 
Introdução à fenomenologia
Introdução à fenomenologiaIntrodução à fenomenologia
Introdução à fenomenologia
 
Pierre bourdieu
Pierre bourdieuPierre bourdieu
Pierre bourdieu
 
Filosofia
Filosofia Filosofia
Filosofia
 
fenomenologia husserl
fenomenologia husserlfenomenologia husserl
fenomenologia husserl
 
Antropologia e cultura tylor boas e malinowski
Antropologia e cultura tylor boas e malinowskiAntropologia e cultura tylor boas e malinowski
Antropologia e cultura tylor boas e malinowski
 
Slides - Aula 01 - O surgimento da Antropologia e as suas escolas.pdf
Slides - Aula 01 - O surgimento da Antropologia e as suas escolas.pdfSlides - Aula 01 - O surgimento da Antropologia e as suas escolas.pdf
Slides - Aula 01 - O surgimento da Antropologia e as suas escolas.pdf
 
Antropologia introdução
Antropologia introduçãoAntropologia introdução
Antropologia introdução
 
O racionalismo
O racionalismoO racionalismo
O racionalismo
 
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Atitude Filosófica
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Atitude FilosóficaSlides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Atitude Filosófica
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Atitude Filosófica
 
Existencialismo
ExistencialismoExistencialismo
Existencialismo
 

Destaque (9)

Antropologia arte levistrauss (2)
Antropologia arte levistrauss (2)Antropologia arte levistrauss (2)
Antropologia arte levistrauss (2)
 
Linguagem e Parentesco
Linguagem e ParentescoLinguagem e Parentesco
Linguagem e Parentesco
 
Antropologia slides
Antropologia slidesAntropologia slides
Antropologia slides
 
4 antropologia missionária
4 antropologia missionária4 antropologia missionária
4 antropologia missionária
 
Antropologia.
Antropologia.Antropologia.
Antropologia.
 
Antropologia
AntropologiaAntropologia
Antropologia
 
Teoria estruturalista
Teoria estruturalistaTeoria estruturalista
Teoria estruturalista
 
Estruturalismo
EstruturalismoEstruturalismo
Estruturalismo
 
Antropologia.
Antropologia.Antropologia.
Antropologia.
 

Semelhante a A antropologia

História e etnologia
História e etnologiaHistória e etnologia
História e etnologiafewfwefw
 
24.02 atividade sociologia_3_b_douglas
24.02 atividade sociologia_3_b_douglas24.02 atividade sociologia_3_b_douglas
24.02 atividade sociologia_3_b_douglasDouglasElaine Moraes
 
Resumo de Teorias Clássicas da Antropologia
Resumo de Teorias Clássicas da AntropologiaResumo de Teorias Clássicas da Antropologia
Resumo de Teorias Clássicas da AntropologiaTradicao Viva
 
A teoria vivida e outros ensaios de antropologia
A teoria vivida e outros ensaios de antropologiaA teoria vivida e outros ensaios de antropologia
A teoria vivida e outros ensaios de antropologiaCésar Augusto de Oliveira
 
A pós modernidade e a forma-sujeito-fluido
A pós modernidade e a forma-sujeito-fluidoA pós modernidade e a forma-sujeito-fluido
A pós modernidade e a forma-sujeito-fluidoEwerton Gindri
 
Etnografia do-estado questoes metodologicas
Etnografia do-estado questoes metodologicasEtnografia do-estado questoes metodologicas
Etnografia do-estado questoes metodologicasAna Estrela
 
Disculta aproximações e afastamentos entre marshal sahlins e hortner (salvo a...
Disculta aproximações e afastamentos entre marshal sahlins e hortner (salvo a...Disculta aproximações e afastamentos entre marshal sahlins e hortner (salvo a...
Disculta aproximações e afastamentos entre marshal sahlins e hortner (salvo a...Willian Rozendo
 
Pinho, L. C. Por uma existência artística - ética e estética em Nietzsche e F...
Pinho, L. C. Por uma existência artística - ética e estética em Nietzsche e F...Pinho, L. C. Por uma existência artística - ética e estética em Nietzsche e F...
Pinho, L. C. Por uma existência artística - ética e estética em Nietzsche e F...LuizCelso1966
 
Antropologia e psicologia apontamentos para um diálogo aberto, 2004
Antropologia e psicologia   apontamentos para um diálogo aberto, 2004Antropologia e psicologia   apontamentos para um diálogo aberto, 2004
Antropologia e psicologia apontamentos para um diálogo aberto, 2004Jailda Gama
 
Mitologia: abordagens metodológicas para o historiador de Antiguidade Clássica
Mitologia: abordagens metodológicas para o historiador de Antiguidade ClássicaMitologia: abordagens metodológicas para o historiador de Antiguidade Clássica
Mitologia: abordagens metodológicas para o historiador de Antiguidade ClássicaAndré Santos Luigi
 
O Perspectivismo Cultural e as Mitologias Antropogônicas.
O Perspectivismo Cultural e as Mitologias Antropogônicas.O Perspectivismo Cultural e as Mitologias Antropogônicas.
O Perspectivismo Cultural e as Mitologias Antropogônicas.MNTB / Instituto Antropos
 
Dilthey e os tipos de concepção do mundo
Dilthey e os tipos de concepção do mundoDilthey e os tipos de concepção do mundo
Dilthey e os tipos de concepção do mundoCarlos Alberto Monteiro
 
CLASTRES, Pierre. Arqueologia da Violência.pdf
CLASTRES, Pierre. Arqueologia da Violência.pdfCLASTRES, Pierre. Arqueologia da Violência.pdf
CLASTRES, Pierre. Arqueologia da Violência.pdfVIEIRA RESENDE
 

Semelhante a A antropologia (20)

História e etnologia
História e etnologiaHistória e etnologia
História e etnologia
 
Volume1numero1
Volume1numero1Volume1numero1
Volume1numero1
 
24.02 atividade sociologia_3_b_douglas
24.02 atividade sociologia_3_b_douglas24.02 atividade sociologia_3_b_douglas
24.02 atividade sociologia_3_b_douglas
 
Resumo de Teorias Clássicas da Antropologia
Resumo de Teorias Clássicas da AntropologiaResumo de Teorias Clássicas da Antropologia
Resumo de Teorias Clássicas da Antropologia
 
Estruturalismo funcionalismo
Estruturalismo funcionalismoEstruturalismo funcionalismo
Estruturalismo funcionalismo
 
A teoria vivida e outros ensaios de antropologia
A teoria vivida e outros ensaios de antropologiaA teoria vivida e outros ensaios de antropologia
A teoria vivida e outros ensaios de antropologia
 
A pós modernidade e a forma-sujeito-fluido
A pós modernidade e a forma-sujeito-fluidoA pós modernidade e a forma-sujeito-fluido
A pós modernidade e a forma-sujeito-fluido
 
Etnografia do-estado questoes metodologicas
Etnografia do-estado questoes metodologicasEtnografia do-estado questoes metodologicas
Etnografia do-estado questoes metodologicas
 
Disculta aproximações e afastamentos entre marshal sahlins e hortner (salvo a...
Disculta aproximações e afastamentos entre marshal sahlins e hortner (salvo a...Disculta aproximações e afastamentos entre marshal sahlins e hortner (salvo a...
Disculta aproximações e afastamentos entre marshal sahlins e hortner (salvo a...
 
Pinho, L. C. Por uma existência artística - ética e estética em Nietzsche e F...
Pinho, L. C. Por uma existência artística - ética e estética em Nietzsche e F...Pinho, L. C. Por uma existência artística - ética e estética em Nietzsche e F...
Pinho, L. C. Por uma existência artística - ética e estética em Nietzsche e F...
 
Antropologia da religião 2
Antropologia da religião 2Antropologia da religião 2
Antropologia da religião 2
 
Antropologia e psicologia apontamentos para um diálogo aberto, 2004
Antropologia e psicologia   apontamentos para um diálogo aberto, 2004Antropologia e psicologia   apontamentos para um diálogo aberto, 2004
Antropologia e psicologia apontamentos para um diálogo aberto, 2004
 
Mitologia: abordagens metodológicas para o historiador de Antiguidade Clássica
Mitologia: abordagens metodológicas para o historiador de Antiguidade ClássicaMitologia: abordagens metodológicas para o historiador de Antiguidade Clássica
Mitologia: abordagens metodológicas para o historiador de Antiguidade Clássica
 
Antropologia
AntropologiaAntropologia
Antropologia
 
Antropologia
AntropologiaAntropologia
Antropologia
 
O Perspectivismo Cultural e as Mitologias Antropogônicas.
O Perspectivismo Cultural e as Mitologias Antropogônicas.O Perspectivismo Cultural e as Mitologias Antropogônicas.
O Perspectivismo Cultural e as Mitologias Antropogônicas.
 
Breve análise do texto de José Matoso
Breve análise do texto de José MatosoBreve análise do texto de José Matoso
Breve análise do texto de José Matoso
 
Dilthey Tipos de concepção de mundo
Dilthey Tipos de concepção de mundoDilthey Tipos de concepção de mundo
Dilthey Tipos de concepção de mundo
 
Dilthey e os tipos de concepção do mundo
Dilthey e os tipos de concepção do mundoDilthey e os tipos de concepção do mundo
Dilthey e os tipos de concepção do mundo
 
CLASTRES, Pierre. Arqueologia da Violência.pdf
CLASTRES, Pierre. Arqueologia da Violência.pdfCLASTRES, Pierre. Arqueologia da Violência.pdf
CLASTRES, Pierre. Arqueologia da Violência.pdf
 

A antropologia

  • 2. Para a antropologia cultural, cada cultura particular, caracterizada por um conjunto de tendências tais como aparecem empiricamente ao observador, é um pouco comparável às peças de um quebra – cabeça. E nessas condições, a cultura é concebida como uma espécie de mosaico. Não se trata mais em estudar tal aspecto de uma sociedade em si, relacionando-o ao conjunto das relações sociais (antropologia social), e muito menos tal cultura particular na lógica que lhe é própria(antropologia cultural, mas também simbólica); trata-se de estudar a lógica da cultura. Antropologia da comunicação: Estuda as diferentes modalidades da comunicação entre os homens, não a partir dos interlocutores que seriam considerados como elementos separados uns dos outros, mas a partir dos processos de interação formando sistemas de troca, integrando notadamente tudo o que, no encontro, se dá ao nível (não verbal) das sensações, dos gestos, das mímicas e das palavras
  • 3.  A enopsiquiatria: É uma prática claramente pluridisciplinar, procurando compreender ao mesmo tempo a dimensão étnica dos distúrbios mentais e a dimensão psicológica e psicopatológica da cultura.  Estruturalismo francês: Do qual muitos gostam hoje de dizer que está há muito tempo ultrapassado, mas alguns estudiosos consideram pessoalmente como mais atual do que nunca.
  • 4.  Este pensamento antropológico, se insere no campo das ciências humanas e não no das ciências sociais. Enquanto as ciências sociais “aceitam sem reticências se estabelecer no próprio âmago de sua sociedade”, as ciências humanas, visando “aprender uma realidade imanente ao homem, se colocam a parte de todo individuo e de toda sociedade”.  O exemplo da obra de Bateson, A Cerimônia do Naven, é revelador. Primeiramente devido à sua exigência de pluridisciplinaridade. Em seguida por seu caráter inovador no campo da antropologia anglo-saxônica da época, caracterizada pela monografia. O interesse de Bateson era a possibilidade de aceder a uma teoria transcultural, cujos conceitos poderão ser utilizados na compreensão de outras sociedades. Lévi-Strauss e Devereux, foram quem mais insistiram no fato de que não se pode aprender sobre culturas particulares sem referência à “cultura”. Daí vem o caráter “metacultural” desse pensamento, que é o oposto do “culturalismo”, e é o fundador da possibilidade da comunicação intercultural.
  • 5.  É importante ressaltar que as diferentes abordagens são abordagens da totalidade, sem levar em conta consideração sobre apenas um aspecto parcelar da realidade social. Para Lévi-Strauss como para Bateson, não existem nunca relações de causalidade unilinear entre dois fenômenos, e sim “correlações funcionais”. Por isso a antropologia é considerada um “pensamento dos conjuntos”, preocupado em não deixar escapar nada na investigação do social.
  • 6.  A abordagem de Lévi-Strauss, que procede a uma série de rupturas radicais:  A ruptura com o humanismo e a filosofia, isto é, as ideologias do sujeito considerado enquanto fonte de significações. Agora o sentido não está mais ligado a consciência, a qual se vê descentrada pelo projeto freudiano. Ou seja,  eu sou pensado, sou falado, sou agido, sou atravessado por estruturas que me preexistem.  A ruptura com relação ao pensamento histórico: o evolucionismo e qualquer forma de história. Tentar compreender o presente através do passado. Visto de outra forma a análise dos processos, opõe-se a inteligibilidade estrutural e combinatória de um comportamento e de um relato.  A ruptura com o atomismo, que considera os elementos independentemente da totalidade.  A ruptura com o empirismo. “Para alcançar o real, é preciso primeiro repudiar o vivido”, diz Lévi-Strauss em Tristes Trópicos. Ou seja, o objeto científico deve ser arrancado da experiência da impressão, da percepção espontânea.
  • 7.  Relação homem/mulher.  Variantes  levirato  sororato  poligamia  monogamia
  • 8.  Relação homem/divindades.  monoteismo  politeismo  ateísmo  agnosticismo
  • 9.  Exemplos usados por Lévi-Strauss  baralho  caleidoscópio
  • 10.  Todo o programa e toda a abordagem do estruturalismo estão nesses dois textos : 1) a existência de um certo número de materiais culturais idênticos, que, como as cartas ou os elementos de caleidoscópio, podem ser qualificados de invariantes; 2) as diferentes estruturações possíveis destes materiais( isto é, as maneiras com as quais se organizam entre si quando passamos de uma cultura para outra, ou de uma época outra) que não estão em número ilimitado, pois são comandadas pelo que Lévi-Strauss chama de "leis universais que regem as atividades inconscientes do espírito"; 3) finalmente, comparáveis a aplicação de leis gramaticais, o próprio desenrolar do jogo de baralho ou os movimentos do caleidoscópio que não para de girar, com alguém que observa o esse process - o etnólogo - dirigindo, no caso do autor de Tristes Trópicos, sobre o que percebe, um olhar que convém qualificar de estético.
  • 11.  Levi-Strauss não ignora a diversidade das culturas- já que procurará precisamente dar conta dela - nem a história. Mas, de um lado desconfia de um "ecletismo apressado" que confundiria as tarefas e misturaria os programas". E, de outro, considera que para compreender o movimento das sociedades é preciso não se situar ao nível da consciência que o Ocidente tem da história. Essa consciência história do "progresso" nao carrega consigo nenhuma verdade, é um mito que convém estudar como os outros mitos, isto é, estendendo no espaço aquilo que o historiador percebe como escalonado no tempo. Tal é o significado do conceito de estrutura que Pouilon (1996) define como " a sintaxe das transformações que fazem passar de uma variente para outra", pois "é essa sintaxe que dá conta de seu número limitado, da exploração restrita das possibilidades teóricas".Ou seja, a história é um jogo no qual a identidade dos parceiros tem menos importância que as partidas jogadas, e mais ainda as regras das partidas jogáveis.