SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 46
Baixar para ler offline
A superproteção dosA superproteção dos
pais aos filhos: castigopais aos filhos: castigo
ou recompensa?ou recompensa?
Tipos de educaçãoTipos de educação
Baumrind, Moreno e Cupero, Rego, Turiel, Weber
• O tipo de experiências que vive a criança em
seu círculo familiar parece influir na qualidade
de seu desenvolvimento moral
• Tipos:
– permissiva
– negligente
– autoritária
– elucidativa
PermissivaPermissiva
• valorizam o afeto e o diálogo
• estabelecem pouquíssimas regras, limites ou
responsabilidades às crianças
• por medo de entristecer seus filhos, cedem aos seus
apelos e exigências
• os filhos têm liberdade para fazerem o que querem
• não conseguem estabelecer os limites em situações de
conflito ou desobediência da criança
• possuem enorme dificuldade de exercer algum tipo de
controle sobre a criança
ConsequênciasConsequências:
• as crianças são mais alegres e dispostas, devido
as poucas exigências e controle de seus pais,
mas tendem a apresentar um comportamento
impulsivo e imaturo, assim como dificuldades
em assumir responsabilidades e persistir diante
de dificuldades
• dependentes
• costumam desenvolver pouca confiança em si
mesmas, um escasso autocontrole, pouca
autonomia e responsabilidade social
• dificuldades de serem gratas
NegligenteNegligente
• ausência de envolvimento dos pais na vida dos
filhos
• poucas demonstrações de afeto
• pouca imposição de regras e limites
• seus interesses são centrados em suas próprias
necessidades
• pouco tempo de convívio com as crianças
ConsequênciasConsequências
• menor desenvolvimento
• depressivos
• com baixa auto-estima
• inseguros
• vulneráveis ao uso de drogas, atos
infracionais e comportamento sexual
promíscuo
• altos níveis de agressividade
• dificuldades escolares e sociais
AutoritáriaAutoritária
• são poucos afetuosos, expansivos ou comunicativos
• são rígidos, controladores e muito exigentes
• valorizam a obediência às normas e regras por eles
definidas e não se preocupam em explicar às crianças
as razões destas imposições nem consultá-las acerca do
assunto
• diante da transgressão fazem uso de ameaças, do
castigo físico e de sanções expiatórias
• “Enquanto você morar em casa terá que me
obedecer” ou “É do meu jeito ou a porta da rua é
serventia da casa”
ConsequênciasConsequências
• tendem a manifestar maior obediência e
organização
• maior timidez, apreensão, conformismo e
diminuição da autoestima
• dificuldades para emitir opiniões, argumentar,
tomar decisões, resolver seus conflitos de forma
satisfatória para todos, expor e discutir seus
sentimentos - baixo índice de habilidade social
• rebeldia
• problemas internalizantes como depressão e
somatização
Ameaça de retirada de amorAmeaça de retirada de amor
• valem-se de estratégias que mostram que a criança é
egoísta e não amorosa com relação a eles,
entristecendo os pais quando desobedece
• a mensagem de 'desamor' não é usada apenas
quando a criança fere diretamente o pai ou a mãe,
mas sempre que ela não segue seus ditames
• tais mensagens não precisam necessariamente ser
verbais: basta um olhar de tristeza, uma lágrima,
ombros curvados, etc.
ConsequênciasConsequências
• aspectos positivos: afetividade e simetria
• uma pesada carga afetiva recai sobre os ombros da
criança quando os adultos constantemente fazem ameaças
de uma provável ruptura afetiva
– o medo da perda de amor é demasiadamente forte e
pode ser vivido de forma extremamente angustiante
pelas crianças
• forte sentimento de culpa
• chantagem sentimental - fazendo com que a criança fique
"refém" do bem-estar dos pais e carregue a vida toda um
sentimento de culpa
Elucidativa
• o adulto não deixa de ser a autoridade da relação, mas ele
possibilita a participação da criança na construção de
determinadas regras, oferece oportunidades de fazer pequenas
escolhas, de negociar com o adulto
• pais participativos que, mantém uma relação de equilíbrio e
respeito, compreendem as necessidades e opiniões de seus filhos
• diante de uma situação de conflito, os pais a oportunizam o pensar
e incentivam a busca de uma melhor forma de agir sem prejudicar
a si e ao outro
• quando uma ordem é dada ou um limite é estabelecido é sempre
apresentada uma explicação da sua razão de ser, da necessidade
do limite, revalidando-o
• essa justificativa é baseada nas conseqüência da infração e no
bem estar do outro
ConsequênciasConsequências
• os resultados desta relação são positivos, pois ajuda a
criança a ter maior auto-estima, autocontrole, a formar
normas e valores sociais que guiará sua conduta (maior
autonomia)
• legitimam intimamente os valores e regras morais
• os limites são colocados de forma clara, mas não são
legitimados somente em função do prestígio e
autoridade de quem os coloca, pois a necessidade dessas
regras existirem é explicada para a criança
• Os adolescentes que veem nos pais pessoas confiáveis
estão menos predispostos a terem comportamentos
delinquentes.
Dados de pesquisas recentes:
• Pais superprotetores tendem a formar
crianças mais ansiosas, possuem menos
iniciativa, apresentam baixa autoestima e
falta de responsabilidade (Univ. Macquarie
–Austrália - pesquisadores acompanharam
200 crianças ao longo de 5 anos).
• Reino Unido - análise de mais de seis mil
mulheres, cinco mil homens e mil e duzentas
crianças.
– crianças são mais felizes quando suas mães estão
felizes – não foi encontrada esta mesma relação
quanto aos pais.
– quando a mãe afirmava estar muito feliz, o
número de crianças felizes é de 73%
• Outros fatores que interferiram
– não ter discussões regulares com os pais
– jantar pelo menos três vezes por semana com a
família inteira
• Univ. de Manitoba e Hospital Infantil de
Eastern Ontario - analisaram 36 mil pessoas
durante 20 anos
– as crianças de dois a cinco anos são as que mais
sofrem castigos físicos
– nenhuma punição física tem efeito positivo – a
maior parte tem efeitos negativos
– há uma ligação direta entre as formas de
punição e problemas na vida adulta, como
depressão, ansiedade e vícios
Algumas características de umaAlgumas características de uma
educação para a autonomia...educação para a autonomia...
É importante que sejamÉ importante que sejam educadoreseducadores e nãoe não
colegascolegas
–– significa estabelecer limites e impor regrassignifica estabelecer limites e impor regras
Esclarecer aEsclarecer a necessidadenecessidade das normasdas normas
Se não há uma boa justificativa é melhor repensar a normaSe não há uma boa justificativa é melhor repensar a norma
• Pelo que vale a pena brigar?Pelo que vale a pena brigar?
• Ser firme no fundamental eSer firme no fundamental e
flexível no secundárioflexível no secundário
– ouvir o ponto de vista da criançaouvir o ponto de vista da criança
• Mostrar o queMostrar o que podepode ser feito eser feito e não o que nãonão o que não
podepode
– disciplina indutiva maior obediênciadisciplina indutiva maior obediência
Reconhecer osReconhecer os sentimentossentimentos, mas limitar, mas limitar
asas açõesações
Regras negociáveis e não negociáveisRegras negociáveis e não negociáveis
• HierarquiaHierarquia
• Auto-respeitoAuto-respeito
• Validar os princípiosValidar os princípios
• Linguagem firmeLinguagem firme
• ConfrontosConfrontos
• OpçõesOpções
• NegociaçãoNegociação
• os educadores são responsáveis pelaos educadores são responsáveis pela
educação do filho e não pela suaeducação do filho e não pela sua
“felicidade”“felicidade”
- seguir valores e perdas...- seguir valores e perdas...
A tristeza muitas vezes é necessáriaA tristeza muitas vezes é necessária ––
- A criança precisa aprender a lidar com sentimentos
tais como: perda, dor, raiva, frustração, etc
ex: mau amigo, não convite para a festa
• Estimular a criança aEstimular a criança a resolver osresolver os
problemasproblemas que enfrenta (mesmo queque enfrenta (mesmo que
não seja da melhor maneira) –não seja da melhor maneira) – não anão a
tirar dos conflitostirar dos conflitos
ImportanteImportante:
– não buscar culpados, mas resoluções
– não comparar ou tomar partido
Obs. Se as crianças estão bravas ou com raiva, pedir
que elas se separem até se sentirem mais calmas,
podendo escutar e falar
• Incentivar a criança aIncentivar a criança a falarfalar, a, a
colocar-secolocar-se quando tem algumaquando tem alguma
dificuldade –dificuldade – não “falar pelasnão “falar pelas
crianças”crianças”
-- ensiná-la a falar a quem é de direito
Outras sugestões aos pais eOutras sugestões aos pais e
educadores...educadores...
Valorizar o que a criança faz, quem
ela é
Buscar coisas positivas e diga a ela
Nunca dê a entender que o que a
criança diz é “bobagem”
DemonstrarDemonstrar afetoafeto pelo seupelo seu
filho sempre e independentefilho sempre e independente
da idadeda idade
Envolver-seEnvolver-se com acom a
vida do filho...vida do filho...
Exemplos:Exemplos:
• Controlando os meios deControlando os meios de
comunicação e diversão eletrônicascomunicação e diversão eletrônicas
• Restringindo as comprasRestringindo as compras
• Sabendo o que os filhos estãoSabendo o que os filhos estão
fazendo fora da escola e nos finsfazendo fora da escola e nos fins
de semanade semana
–– procurar proporcionar um dia-a-procurar proporcionar um dia-a-
dia bem planejado, oferecendodia bem planejado, oferecendo
atividades fora da escolaatividades fora da escola
• Acompanhando de perto oAcompanhando de perto o
desempenho escolar do filhodesempenho escolar do filho
• Estabelecendo horários paraEstabelecendo horários para
dormir e/ou retornar para casa.dormir e/ou retornar para casa.
• Organizando-se para passar maisOrganizando-se para passar mais
tempo com os filhostempo com os filhos (e com mais(e com mais
qualidade)qualidade)
–– demonstrar verdadeirademonstrar verdadeira
disponibilidadedisponibilidade
• Toda criança precisa de umToda criança precisa de um
pouco de atenção de vez empouco de atenção de vez em
quando,quando, mas não de atenção omas não de atenção o
tempo todotempo todo
• Realizando uma refeiçãoRealizando uma refeição
conjunta e com a televisãoconjunta e com a televisão
desligadadesligada
Mudar a forma de tratar os filhos
de acordo com a idade
AtribuirAtribuir pequenaspequenas
responsabilidadesresponsabilidades desde cedo,desde cedo,
mesmo que você consiga fazermesmo que você consiga fazer
melhor e mais rápido a tarefa –melhor e mais rápido a tarefa –
auxílio e não obrigação: lição deauxílio e não obrigação: lição de
casa, guardar brinquedos...casa, guardar brinquedos...
Incentivar a criança a fazer
sozinha tudo aquilo que ela já
pode realizar por si mesma
Auto-OrientaçãoAuto-Orientação
• Induzir as crianças a
pensar...
“Você já vestiu o uniforme
escolar sozinho, desligou
a TV e veio à cozinha
para comer. Não estaria
faltando alguma coisa?”
Permitir que sejam crianças ePermitir que sejam crianças e
jovensjovens
Dar oDar o exemploexemplo
As pequenas atitudes do dia a diaAs pequenas atitudes do dia a dia
fazem a diferençafazem a diferença
Evitar agressões físicas e verbais
críticas e ironias
A melhor sanção é permitir que aA melhor sanção é permitir que a
criança sinta acriança sinta a conseqüência de seusconseqüência de seus
atosatos –– ter atitudes de reciprocidade–– ter atitudes de reciprocidade
Andando, o principezinhoAndando, o principezinho
encontrou um jardim cheio deencontrou um jardim cheio de
rosas. Contemplou-as...eramrosas. Contemplou-as...eram
todas iguais à sua flor.todas iguais à sua flor.
E deitado na relva, ele chorou...E deitado na relva, ele chorou...
Quando chegou a hora da partida, a raposa disse:Quando chegou a hora da partida, a raposa disse:
- (...) Vai rever as rosas. Tu compreenderás que a- (...) Vai rever as rosas. Tu compreenderás que a
tua, é a única no mundo. (...)tua, é a única no mundo. (...)
Foi o tempo que perdeste com tua rosa, que fez tuaFoi o tempo que perdeste com tua rosa, que fez tua
rosa tão importanterosa tão importante. (...)Tu és responsável pela. (...)Tu és responsável pela
rosa...rosa...
Saint- ExupérySaint- Exupéry

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Desenvolvimento psicossocial
Desenvolvimento psicossocialDesenvolvimento psicossocial
Desenvolvimento psicossocialguest1f39a4
 
LiçãO 07 Educando Os Filhos Ii
LiçãO 07 Educando Os Filhos IiLiçãO 07 Educando Os Filhos Ii
LiçãO 07 Educando Os Filhos Iiguest06a00c
 
Criança e pre adolecentes
Criança e pre adolecentesCriança e pre adolecentes
Criança e pre adolecentesclaudinei1971
 
Disciplina positiva
Disciplina positivaDisciplina positiva
Disciplina positivaTamara Pina
 
1191714852 1831.auxiliares power_point_apresentacao_2a_paerte
1191714852 1831.auxiliares power_point_apresentacao_2a_paerte1191714852 1831.auxiliares power_point_apresentacao_2a_paerte
1191714852 1831.auxiliares power_point_apresentacao_2a_paertePelo Siro
 
Estilos parentais e práticas educativas
Estilos parentais e práticas educativasEstilos parentais e práticas educativas
Estilos parentais e práticas educativasLudmila Moura
 
Leia com atençao.
Leia com atençao.Leia com atençao.
Leia com atençao.papacampos
 
DESENVOLVIMENTO PSICOSSOCIAL NA 3º INFÂNCIA
DESENVOLVIMENTO PSICOSSOCIAL NA 3º INFÂNCIADESENVOLVIMENTO PSICOSSOCIAL NA 3º INFÂNCIA
DESENVOLVIMENTO PSICOSSOCIAL NA 3º INFÂNCIAElayne Camilo
 
1ª infância 0 aos 3 anos
1ª infância 0 aos 3 anos1ª infância 0 aos 3 anos
1ª infância 0 aos 3 anosritafeijao
 
Como proceder na educação de crianças difíceis de impor limites
Como proceder na educação de crianças difíceis de impor limitesComo proceder na educação de crianças difíceis de impor limites
Como proceder na educação de crianças difíceis de impor limitesfigueiredo5
 
Necessidades das crianças
Necessidades das criançasNecessidades das crianças
Necessidades das criançasAnderson Menger
 
A infância com disciplina positiva
A infância com disciplina positivaA infância com disciplina positiva
A infância com disciplina positivaLilian Ferraz
 
Crianças agressivas e adolescentes rebeldes o que têm em comum
Crianças agressivas e adolescentes rebeldes   o que têm em comumCrianças agressivas e adolescentes rebeldes   o que têm em comum
Crianças agressivas e adolescentes rebeldes o que têm em comumSimoneHelenDrumond
 
Crescimento e desenvolvimento infantil
Crescimento e desenvolvimento infantilCrescimento e desenvolvimento infantil
Crescimento e desenvolvimento infantilCamila Oliveira
 
Educação de filhos
Educação de filhosEducação de filhos
Educação de filhosCras Macatuba
 
Apa aula 03 _criança de 6 a 14
Apa aula 03 _criança de 6 a 14Apa aula 03 _criança de 6 a 14
Apa aula 03 _criança de 6 a 14Alana Ferreira
 
Encontro de outono pais e filhos
Encontro de outono pais e filhosEncontro de outono pais e filhos
Encontro de outono pais e filhosAlex Santos
 
A criança em idade pré escolar
A criança em idade pré escolarA criança em idade pré escolar
A criança em idade pré escolarEU O Escutismo
 

Mais procurados (19)

Desenvolvimento psicossocial
Desenvolvimento psicossocialDesenvolvimento psicossocial
Desenvolvimento psicossocial
 
LiçãO 07 Educando Os Filhos Ii
LiçãO 07 Educando Os Filhos IiLiçãO 07 Educando Os Filhos Ii
LiçãO 07 Educando Os Filhos Ii
 
Criança e pre adolecentes
Criança e pre adolecentesCriança e pre adolecentes
Criança e pre adolecentes
 
Disciplina positiva
Disciplina positivaDisciplina positiva
Disciplina positiva
 
1191714852 1831.auxiliares power_point_apresentacao_2a_paerte
1191714852 1831.auxiliares power_point_apresentacao_2a_paerte1191714852 1831.auxiliares power_point_apresentacao_2a_paerte
1191714852 1831.auxiliares power_point_apresentacao_2a_paerte
 
Estilos parentais e práticas educativas
Estilos parentais e práticas educativasEstilos parentais e práticas educativas
Estilos parentais e práticas educativas
 
Amar e educar
Amar e educarAmar e educar
Amar e educar
 
Leia com atençao.
Leia com atençao.Leia com atençao.
Leia com atençao.
 
DESENVOLVIMENTO PSICOSSOCIAL NA 3º INFÂNCIA
DESENVOLVIMENTO PSICOSSOCIAL NA 3º INFÂNCIADESENVOLVIMENTO PSICOSSOCIAL NA 3º INFÂNCIA
DESENVOLVIMENTO PSICOSSOCIAL NA 3º INFÂNCIA
 
1ª infância 0 aos 3 anos
1ª infância 0 aos 3 anos1ª infância 0 aos 3 anos
1ª infância 0 aos 3 anos
 
Como proceder na educação de crianças difíceis de impor limites
Como proceder na educação de crianças difíceis de impor limitesComo proceder na educação de crianças difíceis de impor limites
Como proceder na educação de crianças difíceis de impor limites
 
Necessidades das crianças
Necessidades das criançasNecessidades das crianças
Necessidades das crianças
 
A infância com disciplina positiva
A infância com disciplina positivaA infância com disciplina positiva
A infância com disciplina positiva
 
Crianças agressivas e adolescentes rebeldes o que têm em comum
Crianças agressivas e adolescentes rebeldes   o que têm em comumCrianças agressivas e adolescentes rebeldes   o que têm em comum
Crianças agressivas e adolescentes rebeldes o que têm em comum
 
Crescimento e desenvolvimento infantil
Crescimento e desenvolvimento infantilCrescimento e desenvolvimento infantil
Crescimento e desenvolvimento infantil
 
Educação de filhos
Educação de filhosEducação de filhos
Educação de filhos
 
Apa aula 03 _criança de 6 a 14
Apa aula 03 _criança de 6 a 14Apa aula 03 _criança de 6 a 14
Apa aula 03 _criança de 6 a 14
 
Encontro de outono pais e filhos
Encontro de outono pais e filhosEncontro de outono pais e filhos
Encontro de outono pais e filhos
 
A criança em idade pré escolar
A criança em idade pré escolarA criança em idade pré escolar
A criança em idade pré escolar
 

Semelhante a 0 pais relações

Prevenção da Toxicodependência
Prevenção da ToxicodependênciaPrevenção da Toxicodependência
Prevenção da ToxicodependênciaIsabel Rocha
 
Formacao-Parentalidade-Positiva-Diapositivos.pptx
Formacao-Parentalidade-Positiva-Diapositivos.pptxFormacao-Parentalidade-Positiva-Diapositivos.pptx
Formacao-Parentalidade-Positiva-Diapositivos.pptxCarlaCampelo3
 
LIMITES NA EDUCAÇÃO DOS FILHOS.pdf
LIMITES NA EDUCAÇÃO DOS FILHOS.pdfLIMITES NA EDUCAÇÃO DOS FILHOS.pdf
LIMITES NA EDUCAÇÃO DOS FILHOS.pdfSOLANGEDESOUZAAZERED
 
LIMITES NA EDUCAÇÃO DOS FILHOS.pptx
LIMITES NA EDUCAÇÃO DOS FILHOS.pptxLIMITES NA EDUCAÇÃO DOS FILHOS.pptx
LIMITES NA EDUCAÇÃO DOS FILHOS.pptxSOLANGEDESOUZAAZERED
 
Padrões de Educação Parental, Mónica Almeida (FT1)
Padrões de Educação Parental, Mónica Almeida (FT1)Padrões de Educação Parental, Mónica Almeida (FT1)
Padrões de Educação Parental, Mónica Almeida (FT1)efaesan
 
717438_Reuniao_de_Pais_Slides.pptx
717438_Reuniao_de_Pais_Slides.pptx717438_Reuniao_de_Pais_Slides.pptx
717438_Reuniao_de_Pais_Slides.pptxAlessandraGomes99
 
Conflitos entre pais e filhos na adolescëncia
Conflitos entre pais e filhos na adolescënciaConflitos entre pais e filhos na adolescëncia
Conflitos entre pais e filhos na adolescënciaLeticia Rodrigues
 
Educando os Filhos para a Vida.pptx
Educando os Filhos para a Vida.pptxEducando os Filhos para a Vida.pptx
Educando os Filhos para a Vida.pptxLucasSilva385433
 
LiçãO 06 Educando Os Filhos I
LiçãO 06 Educando Os Filhos ILiçãO 06 Educando Os Filhos I
LiçãO 06 Educando Os Filhos Iguest06a00c
 

Semelhante a 0 pais relações (20)

0 pais relações
0 pais relações0 pais relações
0 pais relações
 
Palestra.pdf
Palestra.pdfPalestra.pdf
Palestra.pdf
 
slides pais e filhos.ppt
slides pais e filhos.pptslides pais e filhos.ppt
slides pais e filhos.ppt
 
Prevenção da Toxicodependência
Prevenção da ToxicodependênciaPrevenção da Toxicodependência
Prevenção da Toxicodependência
 
Relação entre Pais e Filhos
Relação entre Pais e Filhos Relação entre Pais e Filhos
Relação entre Pais e Filhos
 
Drorlandacruz
DrorlandacruzDrorlandacruz
Drorlandacruz
 
Formacao-Parentalidade-Positiva-Diapositivos.pptx
Formacao-Parentalidade-Positiva-Diapositivos.pptxFormacao-Parentalidade-Positiva-Diapositivos.pptx
Formacao-Parentalidade-Positiva-Diapositivos.pptx
 
LIMITES NA EDUCAÇÃO DOS FILHOS.pdf
LIMITES NA EDUCAÇÃO DOS FILHOS.pdfLIMITES NA EDUCAÇÃO DOS FILHOS.pdf
LIMITES NA EDUCAÇÃO DOS FILHOS.pdf
 
LIMITES NA EDUCAÇÃO DOS FILHOS.pptx
LIMITES NA EDUCAÇÃO DOS FILHOS.pptxLIMITES NA EDUCAÇÃO DOS FILHOS.pptx
LIMITES NA EDUCAÇÃO DOS FILHOS.pptx
 
Desenvolvimento infantil
Desenvolvimento infantilDesenvolvimento infantil
Desenvolvimento infantil
 
Padrões de Educação Parental, Mónica Almeida (FT1)
Padrões de Educação Parental, Mónica Almeida (FT1)Padrões de Educação Parental, Mónica Almeida (FT1)
Padrões de Educação Parental, Mónica Almeida (FT1)
 
717438_Reuniao_de_Pais_Slides.pptx
717438_Reuniao_de_Pais_Slides.pptx717438_Reuniao_de_Pais_Slides.pptx
717438_Reuniao_de_Pais_Slides.pptx
 
Conflitos entre pais e filhos na adolescëncia
Conflitos entre pais e filhos na adolescënciaConflitos entre pais e filhos na adolescëncia
Conflitos entre pais e filhos na adolescëncia
 
Compreendendo o Aventureiro.pptx
Compreendendo o Aventureiro.pptxCompreendendo o Aventureiro.pptx
Compreendendo o Aventureiro.pptx
 
Autoritarismo infantil
Autoritarismo infantilAutoritarismo infantil
Autoritarismo infantil
 
Educando filhos
Educando filhosEducando filhos
Educando filhos
 
Educando os Filhos para a Vida.pptx
Educando os Filhos para a Vida.pptxEducando os Filhos para a Vida.pptx
Educando os Filhos para a Vida.pptx
 
Terapia Comportamental e Cognitiva Infantil
Terapia Comportamental e Cognitiva InfantilTerapia Comportamental e Cognitiva Infantil
Terapia Comportamental e Cognitiva Infantil
 
O autoritarismo infantil
O autoritarismo infantilO autoritarismo infantil
O autoritarismo infantil
 
LiçãO 06 Educando Os Filhos I
LiçãO 06 Educando Os Filhos ILiçãO 06 Educando Os Filhos I
LiçãO 06 Educando Os Filhos I
 

Mais de Euzebio Raimundo da Silva

Influência dos espíritos em nossas vidas berimbau 2017
Influência dos espíritos em nossas vidas berimbau 2017Influência dos espíritos em nossas vidas berimbau 2017
Influência dos espíritos em nossas vidas berimbau 2017Euzebio Raimundo da Silva
 
Palestra lei de justiça, amor e caridade 2015
Palestra lei de justiça, amor e caridade 2015Palestra lei de justiça, amor e caridade 2015
Palestra lei de justiça, amor e caridade 2015Euzebio Raimundo da Silva
 
Sensações dos espíritos a busca da cura de suas dores morais
Sensações dos espíritos a busca da cura de suas dores moraisSensações dos espíritos a busca da cura de suas dores morais
Sensações dos espíritos a busca da cura de suas dores moraisEuzebio Raimundo da Silva
 
Transição provas e expiações para regeneração (1)
Transição   provas e expiações para regeneração (1)Transição   provas e expiações para regeneração (1)
Transição provas e expiações para regeneração (1)Euzebio Raimundo da Silva
 
Texto 3 currículo tecnologia e cultura digital
Texto 3   currículo tecnologia e cultura digitalTexto 3   currículo tecnologia e cultura digital
Texto 3 currículo tecnologia e cultura digitalEuzebio Raimundo da Silva
 

Mais de Euzebio Raimundo da Silva (20)

Influência dos espíritos em nossas vidas berimbau 2017
Influência dos espíritos em nossas vidas berimbau 2017Influência dos espíritos em nossas vidas berimbau 2017
Influência dos espíritos em nossas vidas berimbau 2017
 
Palestra lei de justiça, amor e caridade 2015
Palestra lei de justiça, amor e caridade 2015Palestra lei de justiça, amor e caridade 2015
Palestra lei de justiça, amor e caridade 2015
 
Principio vital
Principio vitalPrincipio vital
Principio vital
 
Lei de adoração palestra 2015
Lei de adoração palestra 2015Lei de adoração palestra 2015
Lei de adoração palestra 2015
 
Sensações dos espíritos a busca da cura de suas dores morais
Sensações dos espíritos a busca da cura de suas dores moraisSensações dos espíritos a busca da cura de suas dores morais
Sensações dos espíritos a busca da cura de suas dores morais
 
A palavra instrumento espiritual
A palavra instrumento espiritualA palavra instrumento espiritual
A palavra instrumento espiritual
 
Paulo de tarso
Paulo de tarsoPaulo de tarso
Paulo de tarso
 
Paulo de tarso
Paulo de tarsoPaulo de tarso
Paulo de tarso
 
Metodologia do trabalho
Metodologia do trabalhoMetodologia do trabalho
Metodologia do trabalho
 
Transição provas e expiações para regeneração (1)
Transição   provas e expiações para regeneração (1)Transição   provas e expiações para regeneração (1)
Transição provas e expiações para regeneração (1)
 
Curriculo
CurriculoCurriculo
Curriculo
 
Euzebio baixa grande
Euzebio baixa grandeEuzebio baixa grande
Euzebio baixa grande
 
Amanhecer cobem
Amanhecer cobemAmanhecer cobem
Amanhecer cobem
 
Artigo lucin-ana-celia
Artigo lucin-ana-celiaArtigo lucin-ana-celia
Artigo lucin-ana-celia
 
Texto 3 currículo tecnologia e cultura digital
Texto 3   currículo tecnologia e cultura digitalTexto 3   currículo tecnologia e cultura digital
Texto 3 currículo tecnologia e cultura digital
 
Teto de Currículo.
Teto de Currículo.Teto de Currículo.
Teto de Currículo.
 
A formacao-profissionais-para-eja
A formacao-profissionais-para-ejaA formacao-profissionais-para-eja
A formacao-profissionais-para-eja
 
Artigo lucin-ana-celia
Artigo lucin-ana-celiaArtigo lucin-ana-celia
Artigo lucin-ana-celia
 
A maledicencia
A maledicenciaA maledicencia
A maledicencia
 
A maledicencia
A maledicenciaA maledicencia
A maledicencia
 

Último

Lição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptx
Lição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptxLição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptx
Lição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptxCelso Napoleon
 
slide da missa com leituras e oração eucarística
slide da missa com leituras e oração eucarísticaslide da missa com leituras e oração eucarística
slide da missa com leituras e oração eucarísticaFranklinOliveira30
 
Evangeliza - Diálogo com os Espíritos - Médiuns Esclarecedores
Evangeliza - Diálogo com os Espíritos - Médiuns EsclarecedoresEvangeliza - Diálogo com os Espíritos - Médiuns Esclarecedores
Evangeliza - Diálogo com os Espíritos - Médiuns EsclarecedoresAntonino Silva
 
Roteiro-para-Preparação-das-Visitas-Missionárias-3.pdf
Roteiro-para-Preparação-das-Visitas-Missionárias-3.pdfRoteiro-para-Preparação-das-Visitas-Missionárias-3.pdf
Roteiro-para-Preparação-das-Visitas-Missionárias-3.pdfLehonanSouza
 
LIÇÃO 02 - JOVENS - Escola Bíblica Dominical
LIÇÃO 02 - JOVENS - Escola Bíblica DominicalLIÇÃO 02 - JOVENS - Escola Bíblica Dominical
LIÇÃO 02 - JOVENS - Escola Bíblica DominicalAmaroJunior21
 
AUXADO_1TRIM_2024.pdf ESCOLA SABATINA 2024
AUXADO_1TRIM_2024.pdf ESCOLA SABATINA 2024AUXADO_1TRIM_2024.pdf ESCOLA SABATINA 2024
AUXADO_1TRIM_2024.pdf ESCOLA SABATINA 2024RaniereSilva14
 
O concílio de Jerusalém Cap 14 e 15.pptx
O concílio de Jerusalém  Cap 14 e 15.pptxO concílio de Jerusalém  Cap 14 e 15.pptx
O concílio de Jerusalém Cap 14 e 15.pptxPIB Penha
 
LIÇÕES - PG my life usar uma vez por semana
LIÇÕES - PG my life usar uma vez por semanaLIÇÕES - PG my life usar uma vez por semana
LIÇÕES - PG my life usar uma vez por semanaWillemarSousa1
 

Último (9)

Lição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptx
Lição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptxLição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptx
Lição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptx
 
slide da missa com leituras e oração eucarística
slide da missa com leituras e oração eucarísticaslide da missa com leituras e oração eucarística
slide da missa com leituras e oração eucarística
 
Evangeliza - Diálogo com os Espíritos - Médiuns Esclarecedores
Evangeliza - Diálogo com os Espíritos - Médiuns EsclarecedoresEvangeliza - Diálogo com os Espíritos - Médiuns Esclarecedores
Evangeliza - Diálogo com os Espíritos - Médiuns Esclarecedores
 
Roteiro-para-Preparação-das-Visitas-Missionárias-3.pdf
Roteiro-para-Preparação-das-Visitas-Missionárias-3.pdfRoteiro-para-Preparação-das-Visitas-Missionárias-3.pdf
Roteiro-para-Preparação-das-Visitas-Missionárias-3.pdf
 
LIÇÃO 02 - JOVENS - Escola Bíblica Dominical
LIÇÃO 02 - JOVENS - Escola Bíblica DominicalLIÇÃO 02 - JOVENS - Escola Bíblica Dominical
LIÇÃO 02 - JOVENS - Escola Bíblica Dominical
 
AUXADO_1TRIM_2024.pdf ESCOLA SABATINA 2024
AUXADO_1TRIM_2024.pdf ESCOLA SABATINA 2024AUXADO_1TRIM_2024.pdf ESCOLA SABATINA 2024
AUXADO_1TRIM_2024.pdf ESCOLA SABATINA 2024
 
O concílio de Jerusalém Cap 14 e 15.pptx
O concílio de Jerusalém  Cap 14 e 15.pptxO concílio de Jerusalém  Cap 14 e 15.pptx
O concílio de Jerusalém Cap 14 e 15.pptx
 
LIÇÕES - PG my life usar uma vez por semana
LIÇÕES - PG my life usar uma vez por semanaLIÇÕES - PG my life usar uma vez por semana
LIÇÕES - PG my life usar uma vez por semana
 
O Livro dos Espiritos - Allan Kardec.pdf
O Livro dos Espiritos - Allan Kardec.pdfO Livro dos Espiritos - Allan Kardec.pdf
O Livro dos Espiritos - Allan Kardec.pdf
 

0 pais relações

  • 1. A superproteção dosA superproteção dos pais aos filhos: castigopais aos filhos: castigo ou recompensa?ou recompensa?
  • 2. Tipos de educaçãoTipos de educação Baumrind, Moreno e Cupero, Rego, Turiel, Weber • O tipo de experiências que vive a criança em seu círculo familiar parece influir na qualidade de seu desenvolvimento moral • Tipos: – permissiva – negligente – autoritária – elucidativa
  • 3. PermissivaPermissiva • valorizam o afeto e o diálogo • estabelecem pouquíssimas regras, limites ou responsabilidades às crianças • por medo de entristecer seus filhos, cedem aos seus apelos e exigências • os filhos têm liberdade para fazerem o que querem • não conseguem estabelecer os limites em situações de conflito ou desobediência da criança • possuem enorme dificuldade de exercer algum tipo de controle sobre a criança
  • 4. ConsequênciasConsequências: • as crianças são mais alegres e dispostas, devido as poucas exigências e controle de seus pais, mas tendem a apresentar um comportamento impulsivo e imaturo, assim como dificuldades em assumir responsabilidades e persistir diante de dificuldades • dependentes • costumam desenvolver pouca confiança em si mesmas, um escasso autocontrole, pouca autonomia e responsabilidade social • dificuldades de serem gratas
  • 5. NegligenteNegligente • ausência de envolvimento dos pais na vida dos filhos • poucas demonstrações de afeto • pouca imposição de regras e limites • seus interesses são centrados em suas próprias necessidades • pouco tempo de convívio com as crianças
  • 6. ConsequênciasConsequências • menor desenvolvimento • depressivos • com baixa auto-estima • inseguros • vulneráveis ao uso de drogas, atos infracionais e comportamento sexual promíscuo • altos níveis de agressividade • dificuldades escolares e sociais
  • 7. AutoritáriaAutoritária • são poucos afetuosos, expansivos ou comunicativos • são rígidos, controladores e muito exigentes • valorizam a obediência às normas e regras por eles definidas e não se preocupam em explicar às crianças as razões destas imposições nem consultá-las acerca do assunto • diante da transgressão fazem uso de ameaças, do castigo físico e de sanções expiatórias • “Enquanto você morar em casa terá que me obedecer” ou “É do meu jeito ou a porta da rua é serventia da casa”
  • 8. ConsequênciasConsequências • tendem a manifestar maior obediência e organização • maior timidez, apreensão, conformismo e diminuição da autoestima • dificuldades para emitir opiniões, argumentar, tomar decisões, resolver seus conflitos de forma satisfatória para todos, expor e discutir seus sentimentos - baixo índice de habilidade social • rebeldia • problemas internalizantes como depressão e somatização
  • 9. Ameaça de retirada de amorAmeaça de retirada de amor • valem-se de estratégias que mostram que a criança é egoísta e não amorosa com relação a eles, entristecendo os pais quando desobedece • a mensagem de 'desamor' não é usada apenas quando a criança fere diretamente o pai ou a mãe, mas sempre que ela não segue seus ditames • tais mensagens não precisam necessariamente ser verbais: basta um olhar de tristeza, uma lágrima, ombros curvados, etc.
  • 10. ConsequênciasConsequências • aspectos positivos: afetividade e simetria • uma pesada carga afetiva recai sobre os ombros da criança quando os adultos constantemente fazem ameaças de uma provável ruptura afetiva – o medo da perda de amor é demasiadamente forte e pode ser vivido de forma extremamente angustiante pelas crianças • forte sentimento de culpa • chantagem sentimental - fazendo com que a criança fique "refém" do bem-estar dos pais e carregue a vida toda um sentimento de culpa
  • 11. Elucidativa • o adulto não deixa de ser a autoridade da relação, mas ele possibilita a participação da criança na construção de determinadas regras, oferece oportunidades de fazer pequenas escolhas, de negociar com o adulto • pais participativos que, mantém uma relação de equilíbrio e respeito, compreendem as necessidades e opiniões de seus filhos • diante de uma situação de conflito, os pais a oportunizam o pensar e incentivam a busca de uma melhor forma de agir sem prejudicar a si e ao outro • quando uma ordem é dada ou um limite é estabelecido é sempre apresentada uma explicação da sua razão de ser, da necessidade do limite, revalidando-o • essa justificativa é baseada nas conseqüência da infração e no bem estar do outro
  • 12. ConsequênciasConsequências • os resultados desta relação são positivos, pois ajuda a criança a ter maior auto-estima, autocontrole, a formar normas e valores sociais que guiará sua conduta (maior autonomia) • legitimam intimamente os valores e regras morais • os limites são colocados de forma clara, mas não são legitimados somente em função do prestígio e autoridade de quem os coloca, pois a necessidade dessas regras existirem é explicada para a criança • Os adolescentes que veem nos pais pessoas confiáveis estão menos predispostos a terem comportamentos delinquentes.
  • 13. Dados de pesquisas recentes: • Pais superprotetores tendem a formar crianças mais ansiosas, possuem menos iniciativa, apresentam baixa autoestima e falta de responsabilidade (Univ. Macquarie –Austrália - pesquisadores acompanharam 200 crianças ao longo de 5 anos).
  • 14. • Reino Unido - análise de mais de seis mil mulheres, cinco mil homens e mil e duzentas crianças. – crianças são mais felizes quando suas mães estão felizes – não foi encontrada esta mesma relação quanto aos pais. – quando a mãe afirmava estar muito feliz, o número de crianças felizes é de 73% • Outros fatores que interferiram – não ter discussões regulares com os pais – jantar pelo menos três vezes por semana com a família inteira
  • 15. • Univ. de Manitoba e Hospital Infantil de Eastern Ontario - analisaram 36 mil pessoas durante 20 anos – as crianças de dois a cinco anos são as que mais sofrem castigos físicos – nenhuma punição física tem efeito positivo – a maior parte tem efeitos negativos – há uma ligação direta entre as formas de punição e problemas na vida adulta, como depressão, ansiedade e vícios
  • 16. Algumas características de umaAlgumas características de uma educação para a autonomia...educação para a autonomia...
  • 17. É importante que sejamÉ importante que sejam educadoreseducadores e nãoe não colegascolegas –– significa estabelecer limites e impor regrassignifica estabelecer limites e impor regras Esclarecer aEsclarecer a necessidadenecessidade das normasdas normas Se não há uma boa justificativa é melhor repensar a normaSe não há uma boa justificativa é melhor repensar a norma
  • 18. • Pelo que vale a pena brigar?Pelo que vale a pena brigar? • Ser firme no fundamental eSer firme no fundamental e flexível no secundárioflexível no secundário – ouvir o ponto de vista da criançaouvir o ponto de vista da criança • Mostrar o queMostrar o que podepode ser feito eser feito e não o que nãonão o que não podepode – disciplina indutiva maior obediênciadisciplina indutiva maior obediência
  • 19. Reconhecer osReconhecer os sentimentossentimentos, mas limitar, mas limitar asas açõesações Regras negociáveis e não negociáveisRegras negociáveis e não negociáveis
  • 20. • HierarquiaHierarquia • Auto-respeitoAuto-respeito • Validar os princípiosValidar os princípios • Linguagem firmeLinguagem firme • ConfrontosConfrontos • OpçõesOpções • NegociaçãoNegociação
  • 21. • os educadores são responsáveis pelaos educadores são responsáveis pela educação do filho e não pela suaeducação do filho e não pela sua “felicidade”“felicidade” - seguir valores e perdas...- seguir valores e perdas...
  • 22. A tristeza muitas vezes é necessáriaA tristeza muitas vezes é necessária –– - A criança precisa aprender a lidar com sentimentos tais como: perda, dor, raiva, frustração, etc ex: mau amigo, não convite para a festa
  • 23. • Estimular a criança aEstimular a criança a resolver osresolver os problemasproblemas que enfrenta (mesmo queque enfrenta (mesmo que não seja da melhor maneira) –não seja da melhor maneira) – não anão a tirar dos conflitostirar dos conflitos
  • 24. ImportanteImportante: – não buscar culpados, mas resoluções – não comparar ou tomar partido Obs. Se as crianças estão bravas ou com raiva, pedir que elas se separem até se sentirem mais calmas, podendo escutar e falar
  • 25. • Incentivar a criança aIncentivar a criança a falarfalar, a, a colocar-secolocar-se quando tem algumaquando tem alguma dificuldade –dificuldade – não “falar pelasnão “falar pelas crianças”crianças” -- ensiná-la a falar a quem é de direito
  • 26. Outras sugestões aos pais eOutras sugestões aos pais e educadores...educadores...
  • 27. Valorizar o que a criança faz, quem ela é Buscar coisas positivas e diga a ela Nunca dê a entender que o que a criança diz é “bobagem”
  • 28. DemonstrarDemonstrar afetoafeto pelo seupelo seu filho sempre e independentefilho sempre e independente da idadeda idade
  • 29. Envolver-seEnvolver-se com acom a vida do filho...vida do filho... Exemplos:Exemplos:
  • 30. • Controlando os meios deControlando os meios de comunicação e diversão eletrônicascomunicação e diversão eletrônicas
  • 31. • Restringindo as comprasRestringindo as compras
  • 32. • Sabendo o que os filhos estãoSabendo o que os filhos estão fazendo fora da escola e nos finsfazendo fora da escola e nos fins de semanade semana –– procurar proporcionar um dia-a-procurar proporcionar um dia-a- dia bem planejado, oferecendodia bem planejado, oferecendo atividades fora da escolaatividades fora da escola
  • 33. • Acompanhando de perto oAcompanhando de perto o desempenho escolar do filhodesempenho escolar do filho
  • 34. • Estabelecendo horários paraEstabelecendo horários para dormir e/ou retornar para casa.dormir e/ou retornar para casa.
  • 35. • Organizando-se para passar maisOrganizando-se para passar mais tempo com os filhostempo com os filhos (e com mais(e com mais qualidade)qualidade) –– demonstrar verdadeirademonstrar verdadeira disponibilidadedisponibilidade
  • 36. • Toda criança precisa de umToda criança precisa de um pouco de atenção de vez empouco de atenção de vez em quando,quando, mas não de atenção omas não de atenção o tempo todotempo todo
  • 37. • Realizando uma refeiçãoRealizando uma refeição conjunta e com a televisãoconjunta e com a televisão desligadadesligada
  • 38. Mudar a forma de tratar os filhos de acordo com a idade
  • 39. AtribuirAtribuir pequenaspequenas responsabilidadesresponsabilidades desde cedo,desde cedo, mesmo que você consiga fazermesmo que você consiga fazer melhor e mais rápido a tarefa –melhor e mais rápido a tarefa – auxílio e não obrigação: lição deauxílio e não obrigação: lição de casa, guardar brinquedos...casa, guardar brinquedos...
  • 40. Incentivar a criança a fazer sozinha tudo aquilo que ela já pode realizar por si mesma
  • 41. Auto-OrientaçãoAuto-Orientação • Induzir as crianças a pensar... “Você já vestiu o uniforme escolar sozinho, desligou a TV e veio à cozinha para comer. Não estaria faltando alguma coisa?”
  • 42. Permitir que sejam crianças ePermitir que sejam crianças e jovensjovens
  • 43. Dar oDar o exemploexemplo As pequenas atitudes do dia a diaAs pequenas atitudes do dia a dia fazem a diferençafazem a diferença
  • 44. Evitar agressões físicas e verbais críticas e ironias
  • 45. A melhor sanção é permitir que aA melhor sanção é permitir que a criança sinta acriança sinta a conseqüência de seusconseqüência de seus atosatos –– ter atitudes de reciprocidade–– ter atitudes de reciprocidade
  • 46. Andando, o principezinhoAndando, o principezinho encontrou um jardim cheio deencontrou um jardim cheio de rosas. Contemplou-as...eramrosas. Contemplou-as...eram todas iguais à sua flor.todas iguais à sua flor. E deitado na relva, ele chorou...E deitado na relva, ele chorou... Quando chegou a hora da partida, a raposa disse:Quando chegou a hora da partida, a raposa disse: - (...) Vai rever as rosas. Tu compreenderás que a- (...) Vai rever as rosas. Tu compreenderás que a tua, é a única no mundo. (...)tua, é a única no mundo. (...) Foi o tempo que perdeste com tua rosa, que fez tuaFoi o tempo que perdeste com tua rosa, que fez tua rosa tão importanterosa tão importante. (...)Tu és responsável pela. (...)Tu és responsável pela rosa...rosa... Saint- ExupérySaint- Exupéry