1ª infância 0 aos 3 anos

1.055 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.055
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
38
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

1ª infância 0 aos 3 anos

  1. 1. Conversas Com Chá Psicóloga Educacional Rita Leonardo Feijão Conversas com chá - Psicóloga Rita Leonardo Feijão 1
  2. 2. A Parentalidade… Conversas com chá - Psicóloga Rita Leonardo Feijão 2
  3. 3. Uma Parentalidade responsável implica… Promover cuidados de alimentação, higiene e saúde Promover suporte económico Apoio emocional Conversas com chá - Psicóloga Rita Leonardo Feijão 3
  4. 4. O Pai O pai foi um progenitor negligenciado durante muitos anos… A partir dos anos 70 começa a surgir uma nova imagem do pai. Antes dos anos 70 Depois dos anos 70 Assegurava a subsistência económica da família Impunha disciplina aos mais velhos. O pai ideal passa a ter um envolvimento activo desde a gravidez acompanhando todas as etapas de desenvolvimento da criança. Conversas com chá - Psicóloga Rita Leonardo Feijão 4
  5. 5. 4 condições que influenciam o envolvimento paterno Sentimentos de competência (contexto diário) Motivação Suporte da companheira (crenças tradicionais; valorização da participação) Conversas com chá - Psicóloga Rita Leonardo Feijão 5
  6. 6. Sentimento de exclusão serão ou não saudáveis? A mulher está mais auto-concentrada enquanto mãe; É normal existirem ciúmes e alguma competição com a companheira pelo filho, sobretudo se for um pai envolvido, bem como rivalidade pela atenção da mulher/progenitora. Estas reacções são positivas porque fomentam a vinculação ao filho e reforçam os laços do casal, a não ser que haja uma dependência muito grande. Conversas com chá - Psicóloga Rita Leonardo Feijão 6
  7. 7. Conversas com chá - Psicóloga Rita Leonardo Feijão 7
  8. 8. Filhos de mães trabalhadoras v.s. filhos de mães não trabalhadoras Estudos indicam que não existem diferenças no desenvolvimento da linguagem, desempenho escolar, auto-estima e problemas comportamentais. Conversas com chá - Psicóloga Rita Leonardo Feijão 8
  9. 9. É cada vez mais evidente, que não são o número de horas fora de casa que faz a diferença, mas sim: A qualidade da relação entre os pais e a criança; A atenção proporcionada á criança quando ela e os pais estão juntos; A qualidade das creches e jardins-de-infância; Equilíbrio emocional dos pais. Conversas com chá - Psicóloga Rita Leonardo Feijão 9
  10. 10. É o conhecimento que eu tenho de mim própria (o). 10 Conversas com chá - Psicóloga Rita Leonardo Feijão
  11. 11. Conversas com chá - Psicóloga Rita Leonardo Feijão 11
  12. 12. Quem terá contribuído para a imagem que temos de nós próprios? Pais Avos Pares Professores Conversas com chá - Psicóloga Rita Leonardo Feijão 12
  13. 13. Nunca serei, como o meu pai… 13 Conversas com chá - Psicóloga Rita Leonardo Feijão
  14. 14. Será possível mudar algo em nós? Existem momentos da nossa vida em que por diversas circunstâncias temos necessidade de mudar algo em nós. Ser pessoa, assim como o acto de educar, são processos que estão em permanente construção. Conversas com chá - Psicóloga Rita Leonardo Feijão 14
  15. 15. O que eu gostava de mudar em mim e porquê? Conversas com chá - Psicóloga Rita Leonardo Feijão 15
  16. 16. É fundamental conhecermo-nos bem, para assim podermos mudar algo na nossa maneira de ser e de agir. Favorável ás relações interpessoais. Conversas com chá - Psicóloga Rita Leonardo Feijão 16
  17. 17. Reconhecer a necessidade de mudança é o primeiro e fundamental passo para que essa mudança ocorra. Conversas com chá - Psicóloga Rita Leonardo Feijão 17
  18. 18. Conversas com chá - Psicóloga Rita Leonardo Feijão 18
  19. 19. Conversas com chá - Psicóloga Rita Leonardo Feijão 19
  20. 20. Conversas com chá - Psicóloga Rita Leonardo Feijão 20
  21. 21. Conversas com chá - Psicóloga Rita Leonardo Feijão 21
  22. 22. Etapas de desenvolvimento desde o nascimento até aos 3 anos Do nascimento aos 2 anos de idade – Confiança vs Desconfiança. Dos 2 aos 3 anos de idade – Autonomia vs Vergonha Conversas com chá - Psicóloga Rita Leonardo Feijão 22
  23. 23. Confiança vs Desconfiança A forma como esta fase é ultrapassada está intimamente ligado ao modo como o bebé é tratado, a carga afectiva e a dedicação que lhe é colocado. O grau em que o bebé experimenta o mundo como um sítio seguro e caloroso. Conversas com chá - Psicóloga Rita Leonardo Feijão 23
  24. 24. Existem investigações que demonstram a importância da qualidade de vinculação na vida futura das pessoas. Harlow criou macacos bebés sujeitos a diferentes tipos de vivências . Construiu 2 tipos de mães macacas Ambas produziam leite Conversas com chá - Psicóloga Rita Leonardo Feijão 24
  25. 25. Impacto Quente, macia feita de pano Foram capazes de explorar situações estranhas e até mesmo situações que implicavam dominar o perigo. Fria, áspera e feita de arame Manifestavam comportamentos bizarros em adultos. Não foram capazes de acasalar, de se relacionar com objectos estranhos. Conversas com chá - Psicóloga Rita Leonardo Feijão 25
  26. 26. O Choro O choro é a forma de comunicação mais importante no recém-nascido. Nenhum outro sinal tem junto dos pais um efeito tão poderoso. Responder às exigências do choro é um dos primeiros problemas que os pais têm que enfrentar. Terá fome? Estará desconfortável? Terei que mudar a fralda? Dói-lhe alguma coisa? Existem diferentes tipos de choro: Dor; Fome; Desconforto. Conversas com chá - Psicóloga Rita Leonardo Feijão 26
  27. 27. Temperamentos Agitado Elevado nível de actividade Rápidas transições para o choro convulsivo difícil de acalmar. Calmo Mais lento a reagir através do choro. Pode fazer diversas tentativas para se acalmar. Conversas com chá - Psicóloga Rita Leonardo Feijão 27
  28. 28. O bebé agitado pode gerar na mãe sentimentos de: Impotência para o acalmar De auto-questionar as suas competências enquanto mãe O choro é entendido como critica e rejeição Bebés com temperamento agitado pode aumentar o risco da mãe vir a sofrer de depressão pós parto. Depressão pós parto: afecta cerca de 10% Conversas com chá - Psicóloga das mulheres Rita Leonardo Feijão 28
  29. 29. O sorriso O sorriso inicialmente consiste numa reacção ao estado de mudança de vigília/sono. Como a reacção dos pais recompensa o bebé repete-a. Conversas com chá - Psicóloga Rita Leonardo Feijão 29
  30. 30. O sono Desde que o meu filho nasceu não consigo dormir uma noite seguida… Conversas com chá - Psicóloga Rita Leonardo Feijão 30
  31. 31. O sono é essencial para o desenvolvimento do bebé, nomeadamente para o desenvolvimento cognitivo e bem estar emocional. O bebé deve adaptar-se progressivamente aos ritmos e padrões de sono e vigília dos adultos; Conversas com chá - Psicóloga Rita Leonardo Feijão 31
  32. 32. Ensinar o seu filho a voltar a adormecer Depois da fase dos ciclos de 3 a 4 horas de sono o bebé deve progressivamente reorganizar o seu sono. Acorda do sono leve remexe-se na cama e volta a dormir. Num período de sono de 8 horas o bebé remexe-se pelo menos 2 vezes; Num período de 12 horas de sono remexe-se pelo menos 3 vezes. Os pais sentem que devem acorrer de imediato e acabam por fazer parte do ritual do voltar a adormecer. Conversas com chá - Psicóloga Rita Leonardo Feijão 32
  33. 33. No que diz respeito ao sono as crianças servem-se de 3 estratégias para atormentar os pais: Não querem ficar na cama quando as deitam à noite; Acordam a meio da noite; Sorrateiramente em silêncio vão para a cama dos pais ao meio da noite. Há outras ocasiões em que as crianças acordam porque estão doentes, com os dentes a romper, têm medos. Nesta situação a criança necessita de suporte e carinho. Conversas com chá - Psicóloga Rita Leonardo Feijão 33
  34. 34. Estratégia: Não se deixem levar facilmente pelo choro; Deixar chorar durante alguns minutos, não vá de imediato ter com a criança; Se o choro continuar entre no quarto e sem levantá-la da cama tente acalmá-la ; Quando o choro reduzir de intensidade saia do quarto; A criança poderá começar a chorar de imediato; Não vá de imediato deixe a chorar mais um bocadinho; Conversas com chá - Psicóloga Rita Leonardo Feijão 34
  35. 35. Fazer tocar a caixinha de musica; Dar-lhe um objecto de conforto; Para os mais velhinhos encoraje-os a dormir sozinhos “ tu és capaz de dormir sozinho, já és muito crescido” tu ontem conseguiste”. Conversas com chá - Psicóloga Rita Leonardo Feijão 35
  36. 36. Acalmar as crianças: Não fazer jogos muito excitantes (as lutas; jogar a apanhada,…) antes de ir para a cama; Sair do quarto sem hesitações: todas as noites despedirem-se da mesma forma, com uma mensagem de carinho; Se a criança se levantar da cama, seja firme e não se sinta culpado, por isso, pois pense que o sono é um factor muito importante para o desenvolvimento; Se a criança se voltar a levantar, os pais estão perante um desafio sério, ou se aguentam e são firmes ou então estão a abalar a vossa posição de líder. Conversas com chá - Psicóloga Rita Leonardo Feijão 36
  37. 37. Pontos de referências - Há alturas em que as crianças já dormem bem sozinhas, e inesperadamente observam-se alterações de sono, isso pode-se dever á aquisição de novas competências desenvolvimentos (pôr-se de pé; aprender a andar). Compreender isto permite aos pais apoiarem e darem confiança. Conversas com chá - Psicóloga Rita Leonardo Feijão 37
  38. 38. É Importante …. Consciência de que o tempo não volta atrás Ser consistente e confiante Estar atento ao impacto que determinados comportamentos possam ter Passar tempo de qualidade com os nossos filhos ; Ser um exemplo Conversas com chá - Psicóloga Rita Leonardo Feijão 38
  39. 39. Conversas com chá - Psicóloga Rita Leonardo Feijão 39
  40. 40. Conversas com chá - Psicóloga Rita Leonardo Feijão 40
  41. 41. Conversas com chá - Psicóloga Rita Leonardo Feijão 41
  42. 42. Conversas com chá - Psicóloga Rita Leonardo Feijão 42
  43. 43. Conversas com chá - Psicóloga Rita Leonardo Feijão 43
  44. 44. Educai as crianças para que não seja necessário punir os adultos. (Pitagoras) Conversas com chá - Psicóloga Rita Leonardo Feijão 44

×