Anemia falciforme

2.709 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.709
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
36
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
76
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Anemia falciforme

  1. 1. Vivian Cassoli
  2. 2. Anemia Falciforme. • Origem Anemia falciforme é o nome dado a uma doença hereditária que causa a má formação das hemácias, que assumem forma semelhante a foices Pessoas com Anemia Falciforme herdaram genes para um tipo de hemoglobina.Este tipo de hemoglobina, quando submetida a quantidades baixas de oxigênio, se “cristaliza” e se deforma, tornando a hemácia rígida e com uma aparência de foice (daí o nome Falciforme).
  3. 3. Anemia Falciforme
  4. 4. Anemia Falciforme • Sintomas Crises de Dor: São surtos de dor que ocorrem quando as hemácias afoiçadas entopem os vasos sanguíneos, interrompem o suprimento de oxigênio para as células daquele órgão, causando micro- enfartos. As crises de dor da Anemia Falciforme que podem afetar muitas articulações (juntas) e órgãos diferentes do corpo; mas as costas, o tórax, as mãos, os pés e o abdome geralmente são mais afetados.
  5. 5. Anemia Falciforme • Sintomas • ICTERÍCIA: A pele e a parte branca dos olhos tornam-se amareladas; • REDUÇÃO NA VELOCIDADE DE CRESCIMENTO; • PUBERDADE ATRASADA NAS CRIANÇAS; • INFECÇÕES FREQUENTES; • PROBLEMAS OCULARES, podendo inclusive chegar à cegueira; • PROBLEMAS NEUROLÓGICOS: Pode ocorrer tanto derrame cerebral isquêmico (por obstrução do vaso) quanto hemorrágico (por ruptura do vaso);
  6. 6. Anemia Falciforme • Prevenção no desenvolvimento da doença Evitar desidratação. Evitar queda da pressão arterial (hipotensão), seja por desidratação como por sangramento. Evitar situações de stress e atividade física excessiva.
  7. 7. Referências • 02. ORDOOKHANI A, MIRMIRAN P, HAJIPOUR P, HEDAYATI M e AZIZI F. Screening for congenital hypothyroidism in the Islamic Republic of Iran: strategies, obstacles and future perspectives. Eastern Mediterranean Health Journ l 2002; 8(4). • 03. KUBA VM et al. Avaliação custo-efetividade dos testes de rastreamento de Hipotireoidismo Congênito em Campos-Rio de Janeiro. Arq Brás Endocrinol Metab 1997; 41(1):1-5. • 04. CARVALHO DP. Hipotireoidismo: diagnóstico e princípios terapêuticos. Thyroid Update 2003: 6-25. • 05. LEGER J et al. Thyroid developmental anomalies in first degree relatives of children with congenital hypothyroidism. J Clin Endocrinol Metab 2002; 87(2): 575-80. • 06. FISHER DA. Hipotireoidismo Congênito. Thyroid Innternational.2002; 6(3): 1-12. • 07. NASCIMENTO ML, PIRES MM, NASSAR SM, RUHLAND L.Avaliação do programa de rastreamento neonatal para hipotireoidismo congênito da secretaria de estado da saúde de Santa Catarina.Arq BrasEndocrinol Metab 2003; 47(1): 75-80. • Foley TP. Disorders of the thyroid in children. In: Sperling MA, editor. Pediatric endocrinology. Philadelphia: W B Saunders; 1996. p. 171-94. • 5. Dunn JT. Endemic goiter and cretinism: an update on iodine status. J Pediatr Endocrinol Metab. 2001;14:1469-73.
  8. 8. " Investir em conhecimento,rende sempre os melhores juros” Benjamin Franklin Vivian Cassoli Fernanda Didone Estudantes de nutrição 06° semestre – Uninove nutricao.vivi@gmail.com fernandadidone@yahoo.com.br
  9. 9. Agradecimentos www.guida.com.br

×