Lição 5 Hebreus

1.843 visualizações

Publicada em

Série de estudos sobre o livro de Hebreus, capítulo a capítulo, ministradas na Escola Bíblica em Igreja Evangélica Sem Fronteiras.

Publicada em: Espiritual
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.843
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
153
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • Beginning course details and/or books/materials needed for a class/project.
  • Beginning course details and/or books/materials needed for a class/project.
  • Beginning course details and/or books/materials needed for a class/project.
  • Beginning course details and/or books/materials needed for a class/project.
  • Beginning course details and/or books/materials needed for a class/project.
  • Beginning course details and/or books/materials needed for a class/project.
  • Beginning course details and/or books/materials needed for a class/project.
  • Beginning course details and/or books/materials needed for a class/project.
  • Beginning course details and/or books/materials needed for a class/project.
  • Beginning course details and/or books/materials needed for a class/project.
  • Beginning course details and/or books/materials needed for a class/project.
  • Beginning course details and/or books/materials needed for a class/project.
  • Beginning course details and/or books/materials needed for a class/project.
  • Beginning course details and/or books/materials needed for a class/project.
  • Beginning course details and/or books/materials needed for a class/project.
  • Beginning course details and/or books/materials needed for a class/project.
  • Beginning course details and/or books/materials needed for a class/project.
  • Beginning course details and/or books/materials needed for a class/project.
  • Beginning course details and/or books/materials needed for a class/project.
  • Beginning course details and/or books/materials needed for a class/project.
  • Beginning course details and/or books/materials needed for a class/project.
  • Beginning course details and/or books/materials needed for a class/project.
  • Beginning course details and/or books/materials needed for a class/project.
  • Beginning course details and/or books/materials needed for a class/project.
  • Beginning course details and/or books/materials needed for a class/project.
  • Beginning course details and/or books/materials needed for a class/project.
  • Beginning course details and/or books/materials needed for a class/project.
  • Beginning course details and/or books/materials needed for a class/project.
  • Lição 5 Hebreus

    1. 1. ESCOLA BÍBLICA IGREJA EVANGÉLICA SEM FRONTEIRA O LIVRO DE
    2. 2. CRISTO, SUMO SACERDOTE SUPERIOR A ARÃO LIÇÃO
    3. 3. Lição 5: CRISTO, SUMO SACERDOTE SUPERIOR A ARÃO TEXTO ÁUREO “Como também diz noutro lugar: Tu és sacerdote eternamente, segundo a ordem de Melquisedeque” (Hb 5.6).
    4. 4. Lição 5: CRISTO, SUMO SACERDOTE SUPERIOR A ARÃO VERDADE PRÁTICA O sacerdócio de Cristo é infinitamente superior ao de Arão, por ser divino, eterno e por todos os salvos.
    5. 5. Lição 5: CRISTO, SUMO SACERDOTE SUPERIOR A ARÃO LEITURA DIÁRIA Êx 4.14 - Arão, irmão de Moisés Êx 17.12 - Arão, ajudador de Moisés Êx 32 - Arão e sua falha Hb 7.1-4 - Melquisedeque, rei de Salém e sacerdote de Deus Hb 6.20 - Jesus, nosso eterno sumo sacerdote
    6. 6. Lição 5: CRISTO, SUMO SACERDOTE SUPERIOR A ARÃO LEITURA BÍBLICA EM CLASSE Hebreus 5.1-10
    7. 7. Lição 5: CRISTO, SUMO SACERDOTE SUPERIOR A ARÃO OBJETIVOS Após esta aula, devemos estar aptos a:    Definir as diferenças entre Jesus e os sacerdotes do Antigo Pacto. Reconhecer que o sacerdócio de Cristo é superior ao de Arão. Identificar Jesus como sacerdote segundo a ordem de Melquisedeque.
    8. 8. INTRODUÇÃO Os sumos sacerdotes do Antigo Testamento, apesar de serem santos, eram limitados e imperfeitos. Arão, por exemplo, ainda que grandemente honrado ao ser separado para o ofício de sumo sacerdote, cometeu uma falha indecorosa: levantou um ídolo em forma de bezerro de ouro e levou o povo a pecar. Mas Cristo, nosso Sumo Sacerdote, é superior a Arão, não somente por sua infalibilidade e perfeição, mas porque cumpriu cabalmente o plano divino de redenção de toda a
    9. 9. I. O SUMO SACERDOTE DO ANTIGO TESTAMENTO 1. Características básicas (v.1). a) “Tomado dentre os homens”. O sumo sacerdote na Antiga Aliança era uma pessoa comum que, apesar de separada por Deus, levava para o sacerdócio suas virtudes e defeitos. Ele não era tomado dentre anjos ou espíritos, mas “dentre os homens”. E essa é uma característica muito importante. b) “Constituído a favor dos homens”. O sumo sacerdote não era eleito pelos seus pares, nem pelo povo em geral. Sua investidura no cargo era por nomeação direta da parte de Deus. Hoje, há diversas formas utilizadas na escolha e consagração de um
    10. 10. I. O SUMO SACERDOTE DO ANTIGO TESTAMENTO c) “Nas coisas concernentes a Deus”. O sacerdote falava e agia em nome de Deus, no que concernia à sua expressa vontade. Por outro lado, ouvia os homens e intercedia por eles diante do Altíssimo. Em tudo, a missão sacerdotal era cuidar dos interesses de Deus em relação ao povo e os do povo em relação a Deus. Era um mediador,
    11. 11. I. O SUMO SACERDOTE DO ANTIGO TESTAMENTO FUNÇÕES 2. Funções primordiais. De modo geral as principais funções do sumo sacerdote eram ensinar a lei de Deus e interceder pelo povo. a) Oferecer dons e sacrifícios pelos pecados (v.1b). Na Antiga Aliança os oferentes não podiam dirigir-se diretamente a Deus. Traziam suas dádivas e ofertas e as apresentavam ao sacerdote. Segundo estudiosos do Antigo Testamento, os dons eram ofertas de cereais e os sacrifícios eram “ofertas de sangue”. No Novo Testamento, Jesus, nosso Sumo Sacerdote quanto a nossa salvação, é
    12. 12. I. O SUMO SACERDOTE DO ANTIGO TESTAMENTO b) “Compadecer-se ternamente dos ignorantes e errados” (v.2). O sumo sacerdote deveria ter simpatia, ou seja, capacidade para compartir as alegrias ou as tristezas das pessoas que lhe procuravam e, ao mesmo tempo, ter empatia, capacidade para se colocar na situação do outro. Só quem tem essas qualidades pode de fato ser um intercessor. Da mesma forma devem proceder os obreiros do Senhor no trato com os que
    13. 13. II – O CONFLITO DAS GERAÇÕES Quando Jesus apareceu, e mesmo após ter subindo aos céus, onde nasceram ali os primeiros cristãos (Atos 1:8), mostrou-lhes uma nova maneira de servir a Deus “Em Espírito e em verdade...” (João 4:28) Aqueles judeus que sentiam de se converterem a Cristo enfrentavam uma grande conflito: Aonde teriam ido parar o sacerdócio, os ritos, os sacrifícios, o culto do Antigo Testamento, que durante séculos tinham ocupado um lugar central na espiritualidade de Israel? Podiam desaparecer assim de um golpe? Era preciso ter mente poderosa, que dominasse as antigas instituições e conhecesse profundamente a pessoa de Cristo, para poder resolver semelhante problema teológico que perturbava os judeus que queriam passar-se para o cristianismo. E foi assim que, por volta do ano 90, apareceu na cidade de Roma um personagem, de vasta cultura e notável manejo da língua grega, que após analisar cuidadosamente este problema descobriu a solução. Este autor, que para nós permanece anónimo, inspirado pelo Espírito Santo, compôs uma obra chamada atualmente a Carta aos Hebreus, e que constitui o
    14. 14. II – O CONFLITO DAS GERAÇÕES Um possível problema que o autor da Carta aos Hebreus devia enfrentar naquela época era o dos rumores que circulavam de que Jesus não podia ser o verdadeiro Messias porque não era sacerdote. Com efeito, os judeus da época de Jesus esperavam a aparição de três grandes personagens prometidos por Deus para o fim dos tempos: um Sacerdote, um Profeta e um Rei. A aparição de um futuro Profeta era anunciada pelo livro do Deuteronômio, quando Deus diz a Moisés: “Suscitarei um Profeta como tu de entre os teus irmãos” (18,18). A promessa de um futuro Rei estava no 2º livro de Samuel, onde Deu diz a David: “Quando chegar o fim os teus dias e repousares com teus pais, manterei depois de ti a descendência que nascerá de ti e consolidarei o seu reino” (7,12). Finalmente, a promessa de um futuro Sacerdote para os últimos tempos tinha
    15. 15. III. DIFERENÇA FUNDAMENTAL ENTRE CRISTO E ARÃO 1. Jesus, sacerdote perfeito. A Lei previa a possibilidade de erro ou pecado por parte dos sacerdotes (v.3; Lv 4.3). O próprio sumo sacerdote Arão tinha a orientação de Deus para oferecer sacrifícios não só pelo povo (Lv 16.15ss.), mas por si próprio (Lv 16.11-14). Enquanto o sumo sacerdote do Antigo Testamento estava sujeito a pecar, Jesus nunca pecou. Ele é perfeito. Satisfez todas as condições para o perfeito sacerdócio. Foi ungido como Rei, como Filho (Sl 2.6,7); e Sacerdote Eterno (Sl 110.4); foi enviado por Deus (Jo 5.30); veio em nome do Pai (Jo 5.43). Jesus não se glorificou a si mesmo para fazer-se sumo sacerdote (v.6). Diante de todas essas qualificações, o Mestre nunca ofereceu sacrifícios por si próprio. Ele deu-se
    16. 16. III. DIFERENÇA FUNDAMENTAL ENTRE CRISTO E ARÃO 2. Sacerdote eterno (v.6). O escritor aos hebreus faz referência a dois textos bíblicos no livro de Salmos para demonstrar o caráter especial do sacerdócio de Cristo: um sacerdócio que não tem fim: “Tu és meu filho; hoje te gerei” (Sl 2.7); e “Tu és um sacerdote eterno, segundo a ordem de
    17. 17. III. A MISSÃO TERRENA DE JESUS 1. “Nos dias de sua carne” (v.1). É uma referência direta à vida humana de Jesus. O escritor já houvera acentuado esse aspecto no cap. 2.14-17. Aqui, mais uma vez, ele demonstra que o nosso Sumo Sacerdote, mesmo provindo de uma linhagem especial, encarnou-se, tomando a forma de homem, como vemos no Evangelho de João (1.14): “E o verbo se fez carne...”. O Verbo refere-se a Jesus Cristo (cf. Ap 19.13).  Os gnósticos ensinavam que o corpo é intrinsecamente mau. Mas Jesus, o Verbo divino, provou o contrário. Ele se fez carne, “e habitou entre nós”, tornando-se homem completo, pleno, perfeito. E não apenas se fez carne, mas tomou a “forma de servo” (Fp 2.7); na semelhança da “carne do
    18. 18. III. A MISSÃO TERRENA DE JESUS 2. Clamor, lágrimas, orações e súplicas (v.7). A Escritura diz que Jesus clamou a Deus, com “lágrimas, orações e súplicas ao que o podia livrar da morte”. No Evangelho segundo João 11.35 está escrito que Jesus chorou, mas aquela não foi a única vez, como atesta o v.7. É por isso que Jesus entende de lágrimas e, um dia, como Deus, enxugará dos olhos toda a
    19. 19. III. A MISSÃO TERRENA DE JESUS 3. Aprendeu a obediência (v.8). Haverá prova mais autêntica da humanidade de Jesus? “Ainda que era Filho, aprendeu a obediência, por aquilo que padeceu” (Hb 5.8). Ele, sendo divino, obedeceu a Deus. A mente humana é, por vezes, levada a indagar: “Afinal, se Ele era Deus, porque deveria obediência a alguém?”. Esse é um mistério que só a fé pode aceitar. Jesus como ser humano teve um desenvolvimento humano normal: “E crescia Jesus em sabedoria, e em estatura, e em graça para com Deus e os homens” (Lc 2.52). Como Filho de Deus, Ele obedeceu ao Pai. 4. “Por aquilo que padeceu” (v.8b). A prova suprema da obediência de Cristo foi a sua paixão e morte. O Diabo tudo fez para que Jesus não executasse o plano da salvação. Na tentação no deserto, seu objetivo era que o Senhor obedecesse suas sugestões (Mt 4.1-11); na crucificação, o inimigo usou alguém para lhe sugerir que “provasse” que Ele era o Filho de
    20. 20. III. A MISSÃO TERRENA DE JESUS 5. Trouxe eterna salvação (v.9). “E, sendo ele consumado, veio a ser a causa de eterna salvação para todos os que lhe obedecem”, (grifo nosso) Jesus declarou ao Pai: “Eu glorifiquei-te na terra, tendo consumado a obra que me deste a fazer” (Jo 17.4). Na cruz, no momento supremo de seu sacrifício em favor dos pecadores, Ele exclamou: “Está consumado...” (Jo 19.30). Nesse aspecto, é oportuno lembrar que alguns teólogos, baseados no versículo em foco e em outras referências, pregam a doutrina da predestinação absoluta, resumida na sentença “uma vez salvo, para sempre salvo”. Entretanto, o versículo mostra inequivocamente que a salvação não é eterna a priori, mas sim condicional. Ela é eterna para “todos os que lhe obedecem”. Desse modo, exclusivamente é salvo
    21. 21. III. A MISSÃO TERRENA DE JESUS 6. Chamado por Deus (v.10). Jesus pertenceu a uma ordem sacerdotal singular, diferente da de Arão. Nisto, vemos mais uma importante distinção entre o sacerdócio de Cristo e o sacerdócio arônico. Jesus, como diz o v.10, foi “chamado por Deus sumo sacerdote, segundo a ordem de Melquisedeque” (v.10).
    22. 22. O JURAMENTO DE DEUS O núcleo dos ensinamentos desta carta está nos capítulos 7 a 10. Ali, o autor começa por dizer que Jesus Cristo era sacerdote. Mas, como podia sê-lo, se não pertencia à tribo de Levi? Aí está a chave! O autor afirma que Jesus pertencia a uma “ordem” diferente dos levitas: à “ordem” de Melquisedec. Esta resposta descobriu-a lendo um Salmo, que dizia: «O Senhor jurou e não voltará atrás: “Tu és sacerdote para sempre seguindo a ordem de Melquisedec”» (110, 4). Para o nosso autor, este antigo Salmo anunciava a futura aparição de uma nova “ordem” de sacerdotes que substituirá os levitas. Pois se Deus tivesse querido que o sacerdócio dos levitas fosse definitivo, que necessidade tinha de anunciar a aparição de um novo segundo a ordem de Melquisedec? Portanto o sacerdócio dos levitas, isto é, do Antigo Testamento, com as suas regras, as suas leis e os seus ritos, não podia
    23. 23. MELQUISEDEQUE – UM SACERDOTE “ESTRANHO” Este sacerdote Melquisedec, continua o autor a raciocinar, aparece como um personagem estranho. Antes de mais, não se diz quem era o seu pai, nem a sua mãe, nem os seus antepassados. Normalmente a Bíblia menciona a genealogia de todos os ministros, para demonstrar que pertenciam à pura linhagem de Levi. Mas o facto de não constarem as origens familiares de Melquisedec, indicava que o seu sacerdócio não era levita. Tão-pouco se conta o seu nascimento nem a sua morte. E isto, diz o autor, só pode significar uma coisa: que Melquisedec não morreu, que permanece
    24. 24. MELQUISEDEQUE – UM SACERDOTE “ESTRANHO” E assim, pergunta-se o autor, quem é o único que pode ser sacerdote como Melquisedec? Quem é o único que reúne as duas características dele (ausência de genealogia humana e de limites temporais)? E responde: Jesus Cristo, ao ressuscitar. Porque, ao erguer-se do túmulo, foi como se tivesse nascido de novo, mas sem intervenção de pais humanos (isto é, sem antepassados); e desde então já não pode voltar a morrer (isto é, permanece para sempre). Portanto Jesus Cristo, embora não fosse sacerdote durante a sua vida terrena, depois de ressuscitar tornou-se sacerdote de uma nova “ordem”, um novo
    25. 25. NADA A VER COM O ANTIGO O autor da Carta aos Hebreus, com a sua genial argumentação, passa logo a demonstrar a superioridade do sacerdócio de Cristo sobre o sacerdócio dos levitas mediante uma série de comparações. Os sacerdotes levitas eram passageiros, transitórios, porque a morte impedia-os de perdurar; por isso, tinham forçosamente que ser muitos; (de facto, no tempo de Jesus havia mais de 8.000 sacerdotes que oficiavam no Templo de Jerusalém por turnos). Pelo contrário, Jesus Cristo, como sacerdote, nunca mais morre. Permanece para sempre. É eterno. Por isso, o seu sacerdócio é único. Os sacerdotes levitas, antes de oferecerem sacrifícios pelos pecados das pessoas tinham que oferecer sacrifícios pelos seus próprios pecados, porque eram homens com defeitos e erros. Pelo contrário, Jesus Cristo não necessita de oferecer
    26. 26. A TRÍPLICE BARREIRA Com o seu estilo brilhante e admirável, o autor da Carta aos Hebreus demonstra que Jesus Cristo não só se tornou sacerdote ao ressuscitar, mas deu origem a um sacerdócio superior e mais abrangente que o dos judeus. Porquê? Porque o sacerdócio judaico provocava uma tríplice barreira em relação às outras pessoas. a) O sacerdote judeu pertencia a uma casta social selecta, exclusiva: a tribo de Levi. Só eles podiam ser sacerdotes. b) O sacerdote judeu recebia uma consagração especial de Deus, que as outras pessoas não podiam receber; isto era indicado mediante rituais minuciosos, vestes especiais e adornos de pedras preciosas. c) O sacerdote judeu estava mais do lado de Deus, que dos homens. Ocupava-se mais do culto e dos direitos de Deus, que das pessoas. (Por isso, quando alguém ofendia a Deus não
    27. 27. A TRÍPLICE BARREIRA DERRUBADA Jesus Cristo, pelo contrário, com o seu novo sacerdócio, derrubou esta tripla divisão. a) Ao não nascer da tribo de Levi, aboliu a exclusividade e abriu o sacerdócio a todos os homens. Todos os batizados, pois, participam do sacerdócio comum de Cristo. b) Ao não ser “ordenado” sacerdote com um rito especial, mas sendo-o por cumprir fielmente a vontade de Deus, mostrou que todos os cristãos, quando praticam o amor ao próximo e obedecem ao Pai que está no Céu, são sacerdotes como Ele. c) Ao colocar-se do lado da gente, ao sentar-se a comer com ladrões e prostitutas, juntar-se com pecadores, e ao não condenar nunca os que viviam erradamente, mostrou que este sacerdócio não servia para “salvar” os direitos de Deus, mas para salvar a vida das pessoas.
    28. 28. CONCLUSÃO O sacerdócio de Cristo, portanto, é diferente do dos levitas do Antigo Testamento. Este tinha por missão sacrificar animais para Deus, oferecer-lhe o seu sangue, que, por ser o símbolo da “vida”, era uma forma de entregar a Deus a vida, de o reconhecer como senhor. Mas tudo isto não era mais que um símbolo imperfeito, uma sombra, de outro sacerdócio que Deus estava a preparar para depois: o sacerdócio de Cristo. Atualmente, todos os cristãos têm este novo sacerdócio, que se chama o “sacerdócio comum dos fiéis”. E já não consiste em oferecer a Deus a vida de animais, nem o sangue, mas a vida de si mesmo. Cada um deles é sacerdote da sua própria vida, da sua própria existência, e deve oferecê-la livremente a Deus, vivendo conforme a sua vontade. Este é o modo de exercer o novo sacerdócio, para que toda a humanidade seja um dia cheia de Deus, da sua justiça e da sua paz. Coisa que não se podia alcançar com o sangue de animais.
    29. 29. CONCLUSÃO – O SACERDÓCIO PARA TODOS  Vòs também, como pedras vivas, sois edificados casa espiritual e sacerdòcio santo, para oferecer sacrifícios espirituais agradáveis a Deus por Jesus Cristo. 1 Pedro 2:5  Mas vòs sois a geração eleita, o sacerdòcio real, a nação santa, o povo adquirido, para que anuncieis as virtudes daquele que vos chamou das trevas para a sua maravilhosa luz; 1 Pedro 2:9
    30. 30. CONCLUSÃO – O SACERDÓCIO PARA TODOS  Ainda que não o saibam, todos os cristãos, pelo facto de receberem a Cristo e serem batizados são sacerdotes. Depois, e para organizar melhor as tarefas na Igreja, uns podem tornar-se ministros (Efésios 4:11) e outros trabalhar mais diretamente no mundo (como leigos), mas todos são sacerdotes de Jesus Cristo, e participam do seu sacerdócio. A missão deste novo sacerdócio já não é fechar-se em nenhum Templo, em determinados dias, e praticar certos ritos, mas transformar a terra, a sociedade, a história de todos os dias, com a sua alegria e as suas dores, a sua festa e as suas tragédias, as suas tarefas e desvelos, e orientá-la segundo Deus. Injetar nela uma nova vida, feita de fraternidade, de solidariedade, de amor. Numa palavra: consagrar toda a humanidade para Deus. Se todos os cristãos exercessem o seu sacerdócio, aquele que foi descoberto pelo autor da Carta aos Hebreus, vivendo a sua vida com fé e exercendo-a no serviço aos outros, tal como Jesus exercia o seu

    ×