SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 28
Baixar para ler offline
VERDADE PRÁTICA
Como Homem, Jesus encarnou
e demonstrou ter um caráter
perfeito, suportando as
fraquezas humanas, sem dar
lugar ao pecado.
LEITURA BÍBLICA
Mateus 1.18, 21-23; 3.16,17
Mt 1.18 - Ora, o nascimento de Jesus Cristo foi assim: Estando
Maria, sua mãe, desposada com José, antes de se ajuntarem,
achou-se ter concebido do Espírito Santo.
21 - E ela dará à luz um filho, e lhe porás o nome de Jesus,
porque ele salvará o seu povo dos seus pecados.
22 - Tudo isso aconteceu para que se cumprisse o que foi dito
da parte do Senhor pelo profeta, que diz:
23 - Eis que a virgem conceberá e dará à luz um filho, e ele
será chamado pelo nome de EMANUEL. (EMANUEL traduzido
é: Deus conosco).
Mt 3.16 - E, sendo Jesus batizado, saiu logo da água, e eis que
se lhe abriram os céus, e viu o Espírito de Deus descendo
como pomba e vindo sobre ele.
17 - E eis que uma voz dos céus dizia: Este é o meu Filho
amado, em quem me comprazo.
INTRODUÇÃO
INTRODUÇÃO
• Jesus deve ser nosso modelo e referência.
• Que possamos seguir sempre os seus passos,
glorificando o seu nome.
• Jesus, o Homem de caráter perfeito.
• Jesus, um Deus entre nós, o Emanuel (Mt 1.23) e o
remidor da humanidade.
PONTO CENTRAL
Como Homem, Jesus
demonstrou ter um caráter
perfeito.
I - JESUS DE NAZARÉ,
O FILHO DO HOMEM
1. Sua origem humana
Ele nasceu como homem no tempo (gr kairós) de Deus. Paulo diz: "Mas,
vindo a plenitude dos tempos, Deus enviou seu Filho, nascido de
mulher, nascido sob a lei, para remir os que estavam debaixo da lei, a
fim de recebermos a adoção de filhos" (Gálatas 4.4-5).
O apóstolo João escreveu sua primeira epístola a fim de combater um
ensino herético (docetismo) que negava a encarnação de Jesus. Ele teria
apenas aparência de ser humano, mas não era material. João percebeu
logo a verdadeira intenção dessa doutrina anti-cristã: negar a
humanidade de Jesus era negar a possibilidade da Salvação (1 Jo 4.2-3)
Nisto reconheceis o Espírito de Deus: todo espírito que confessa que
Jesus Cristo veio em carne é de Deus; 3 e todo espírito que não
confessa a Jesus não procede de Deus; pelo contrário, este é o espírito
do anticristo, a respeito do qual tendes ouvido que vem e,
presentemente, já está no mundo.
Jesus se fez homem a fim de remir o homem perdido, através do
mistério da encarnação (João 1.14 E o Verbo se fez carne e habitou
entre nós, cheio de graça e de verdade, e vimos a sua glória, glória como
do unigênito do Pai).
2. Sua entrada no mundo
Primeiro argumento: Jesus nasceu.
Ele não desceu do céu como um homem já feito. Ele foi concebido no
ventre de uma mãe humana e nutrido pelo cordão umbilical como
qualquer outro ser humano. Sua concepção foi sobrenatural, mas todo o
Seu desenvolvimento a partir daí foi natural.
Segundo argumento: Jesus teve família.
Ele esteve ligado biologicamente a seus ancestrais e recebeu deles uma
herança genética como qualquer pessoa normal. Certamente trazia em
Seu corpo e em Seu semblante os traços e aparência de sua mãe, tios,
primos e avós.
Terceiro argumento: Jesus Se desenvolveu
Lucas, em seu evangelho (2.52) dá grande ênfase à humanidade perfeita
de Jesus dizendo, por exemplo, que Ele crescia “em sabedoria, estatura e
graça diante de Deus e dos homens”. O “crescimento” a que se refere não
é apenas em sabedoria e graça, mas também em “estatura”, isto é, físico.
O seu nascimento foi profetizado: Isaías 7.14 Portanto, o Senhor
mesmo vos dará um sinal: eis que a virgem conceberá e dará à luz um
filho e lhe chamará Emanuel.
3. Seu desenvolvimento humano e espiritual
Jesus Cristo, enquanto homem teve de aprender tudo aquilo que é
necessário para Se tornar pessoa normal, madura e equilibrada. E nesse
processo de desenvolvimento experimentou todas as dificuldades que um
aprendizado acarretam. Hb 5.7,8. Ele, Jesus, nos dias da sua carne, tendo
oferecido, com forte clamor e lágrimas, orações e súplicas a quem o podia
livrar da morte e tendo sido ouvido por causa da sua piedade, 8 embora
sendo Filho, aprendeu a obediência pelas coisas que sofreu
Jesus atravessou todas as etapas de desenvolvimento pelas quais
passamos. Lucas 2.52. Conforme crescia, Jesus ia crescendo também em
sabedoria, e tanto Deus como as pessoas gostavam cada vez mais dele. O
fato de sabermos que Ele “crescia em estatura” confirma que Seu corpo
precisou se desenvolver, como o de qualquer pessoa. Ele não veio como
um “Super-Homem à prova de balas”.
Aos 12 anos discutia com os mestres do templo, demonstrando sua
dedicação com as Escrituras. Dos doze aos trinta anos, Jesus exerceu
o ofício de carpinteiro
Sua resistência era limitada
Jesus ficava cansado: Jo 4.6. Estava ali a fonte de Jacó. Cansado da
viagem, assentara-se Jesus junto à fonte, por volta da hora sexta.
Sentia sono: Mt 8.24. Mas os discípulos vieram acordá-lo, clamando:
Senhor, salva-nos! Perecemos!
Sentia fome: Mt 4.2. E, depois de jejuar quarenta dias e quarenta noites,
teve fome
Sentia Sede: Jo 4.6,7. (Jo 21.18) Estava ali a fonte de Jacó. Cansado da
viagem, assentara-se Jesus junto à fonte, por volta da hora sexta. 7 Nisto,
veio uma mulher samaritana tirar água. Disse-lhe Jesus: Dá-me de beber.
Sentia fraqueza: Mt 4.2. E, depois de jejuar quarenta dias e quarenta
noites, teve fome.
Sentia dor: (1 Pe 4.1 Ora, tendo Cristo sofrido na carne, armai-vos
também vós do mesmo pensamento; pois aquele que sofreu na carne
deixou o pecado,) Hb 13.12 Por isso, foi que também Jesus, para
santificar o povo, pelo seu próprio sangue, sofreu fora da porta.
SÍNTESE DO TÓPICO
Jesus de Nazaré foi e é o Filho do
Homem
Filho do Homem era primeiramente um título messiânico. Fora usado
por Daniel com referência a um que viria nas nuvens, interpretado como
sendo o Messias (Daniel 7.13). Nos lábios de Jesus, porém, o título vai
mais longe, identificando o Messias com a própria humanidade. A
palavra “filho” é um hebraísmo, uma forma própria de expressão dos
semitas que identifica as qualidades de uma pessoa. Por isso, uma série
de expressões é usada com a palavra filho: “filho do reino” (Mateus
8.12); “filho da perdição” (João 17.12); “filho da ressurreição” (Lucas
20.36), e assim por diante
A genealogia de Jesus evidencia quão grande é a misericórdia e a
(compaixão de nosso Senhor Jesus Cristo) "Sendo rico, fez-se pobre por
amor de vós" (2 Co 8:9) e abrindo mão de Sua glória foi capaz de Se
humilhar e habitar entre nós • em semelhança de homens ... " (Fp 2:7).
II - SEU MINISTÉRIO E
CARÁTER SUPREMO
1. O caráter exemplar de Jesus
• Humildade e mansidão:
• Se permitiu ser batizado por João Batista (Mt 3.13-15);
• Despojou de seus atributos divinos e se tornou servo (Fp
2.6-8);
• Lavou os pés de seus discípulos, um trabalho escravo
(Jo 13.3-5);
• Tinha condições de se apresentar como “estudo de caso”
de humildade e mansidão (Mt 11.28-31).
• Misericórdia e compaixão:
• Ele teve compaixão das multidões, que andavam
desgarradas como ovelhas sem pastor (Mt 9.36);
• Curou muitos que sofriam com enfermidades (Mt 14.14);
• Ele se compadeceu das pessoas famintas (Mt 15.32).
1. O caráter exemplar de Jesus
ESPÍRITO PACIFICADOR
Ele não cometeu pecado algum, e nenhum engano foi encontrado em
sua boca". 23 Quando insultado, não revidava; quando sofria, não fazia
ameaç as, mas entregava-se àquele que julga com justiça. 1 Pedro
2.23. Jesus conhecia bem a natureza humana sujeita a desavenças e
desentendimentos. Em João 2.24 Mas Jesus não se confiava a eles,
pois conhecia a todos. O contexto de diz que creram em seu nome por
causa dos sinais.
Jesus, no que dependia dele, mantinha um bom relacionamento com
seus liderados, bem como seus inimigos;
Advertiu que a desavença pode ser motivo para perdição e impede a
participação na ceia (Mt 5.23,24);
No que depender de nós, devemos ter paz com todos (Rm 12.8; Hb
12.14 Segui a paz com todos e a santificação, sem a qual ninguém verá
o Senhor, ) Mt 5.8. bem-aventurados os limpos de coração, porque eles
verão a Deus;
2. Na prática
• Ele demonstrou o seu imenso amor pelos pecadores.
• Os fariseus queriam matar a mulher adúltera. Jesus a
perdoou e ordenou que não pecasse mais (Jo 8.11).
• Ele amava os seus discípulos e os incentiva a permanecer
no mesmo amor (Jo 15.9 Como o Pai me amou, também eu
vos amei a vós; permanecei no meu amor).
• Ele ensinou amava o Pai acima de tudo (Mt 22.34-40).
• O amor é "a marca do cristão" (Jo 13.34,35).
3. Seu caráter é referência para a Igreja
• Ele disse: "Porque eu vos dei o exemplo, para que, como eu vos fiz,
façais vós também" (Jo 13.15).
• Em seu aspecto espiritual, como corpo de Cristo, a Igreja não tem
defeito (Ef 5.27).
• No aspecto humano, porém, como organização existem as
"igrejas", formadas por homens mortais, falíveis e sujeitos a erros
e pecados.
• Independente do comportamento destas “igrejas” dentro da Igreja,
OLHE para Jesus, pois ele é o verdadeiro referencial (Jo 14.6).
SÍNTESE DO TÓPICO
Como Filho do Homem, Jesus teve
um ministério e caráter supremo.
III - A MORTE, RESSURREIÇÃO
E VOLTA DE CRISTO
1. A morte de Cristo, exemplo supremo de amor
• O significado de sua morte pode ser resumido no que Ele próprio
disse a Nicodemos:
"Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho
unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas
tenha a vida eterna" (Jo 3.16).
• A sua morte expiatória permitiu a reconciliação do ser humano
com Deus (Hb 2.17 Pelo que convinha que, em tudo, fosse
semelhante aos irmãos, para ser misericordioso e fiel sumo
sacerdote naquilo que é de Deus, para expiar os pecados do povo).
• Na cruz, Ele revelou o auge de seu caráter amoroso e perdoador:
"E dizia Jesus: Pai, perdoa-lhes, porque não sabem o que fazem
[...]" (Lc 23.34).
2. A ressurreição de Jesus
• Na ressurreição, o caráter humano foi absorvido pelo caráter
divino.
• Se para fazer-se homem despojou-se de sua glória, na
ressurreição retomou a plenitude de sua grandeza divina (1 Co
15.19-26).
• A ressurreição de Jesus é a garantia da vitória do cristão.
SÍNTESE DO TÓPICO
Jesus veio ao mundo, morreu,
ressuscitou e voltará novamente para
buscar aqueles que são seus.
CONSIDERAÇÕES FINAIS
CONSIDERAÇÕES FINAIS
Nesta lição nós aprendemos que:
1. Jesus é o maior e mais excelente personagem da História.
2. O exemplo de Jesus deve ser o nosso referencial de vida.
3. Se seguirmos e exemplo de Cristo teremos garantia proporcionada
pela eficácia de sua morte, a vida eterna com Deus.
http://estascoisasvosescrevo.blogspot.com.br
Pr Manuel Segundo Neto

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A Necessidade do Novo Nascimento.
A Necessidade do Novo Nascimento.A Necessidade do Novo Nascimento.
A Necessidade do Novo Nascimento.Márcio Martins
 
Lição 4 - O perfil dos enviados de cristo
Lição 4 - O perfil dos enviados de cristoLição 4 - O perfil dos enviados de cristo
Lição 4 - O perfil dos enviados de cristoErberson Pinheiro
 
Lição 5 - A identidade do Espírito Santo
Lição 5 - A identidade do Espírito SantoLição 5 - A identidade do Espírito Santo
Lição 5 - A identidade do Espírito SantoErberson Pinheiro
 
Lição 9 - A necessidade de termos uma vida santa
Lição 9 - A necessidade de termos uma vida santa Lição 9 - A necessidade de termos uma vida santa
Lição 9 - A necessidade de termos uma vida santa Erberson Pinheiro
 
Lição 3 - A maravilhosa e inefável graça de deus
Lição 3 - A maravilhosa e inefável graça de deusLição 3 - A maravilhosa e inefável graça de deus
Lição 3 - A maravilhosa e inefável graça de deusErberson Pinheiro
 
Lição 3 - O batismo de Jesus - Lições Bíblicas Jovens - 1 tri 2018
Lição 3 - O batismo de Jesus - Lições Bíblicas Jovens - 1 tri 2018Lição 3 - O batismo de Jesus - Lições Bíblicas Jovens - 1 tri 2018
Lição 3 - O batismo de Jesus - Lições Bíblicas Jovens - 1 tri 2018Natalino das Neves Neves
 
Aula 6 - Cristo o Grande Sacerdote
Aula 6 - Cristo o Grande SacerdoteAula 6 - Cristo o Grande Sacerdote
Aula 6 - Cristo o Grande SacerdoteRicardo Gondim
 
Lição 7 - A necessidade do novo nascimento
Lição 7 - A necessidade do novo nascimentoLição 7 - A necessidade do novo nascimento
Lição 7 - A necessidade do novo nascimentoErberson Pinheiro
 
HISTÓRIA DO MINISTÉRIO PENTECOSTAL ROMPENDO EM FÉ
HISTÓRIA DO MINISTÉRIO PENTECOSTAL ROMPENDO EM FÉHISTÓRIA DO MINISTÉRIO PENTECOSTAL ROMPENDO EM FÉ
HISTÓRIA DO MINISTÉRIO PENTECOSTAL ROMPENDO EM FÉjoaquim2010_2011
 
Lição 5 - Cristo é Superior a Arão e à Ordem Levítica
Lição 5 - Cristo é Superior a Arão e à Ordem LevíticaLição 5 - Cristo é Superior a Arão e à Ordem Levítica
Lição 5 - Cristo é Superior a Arão e à Ordem LevíticaÉder Tomé
 
Lição 7 - A Necessidade do Novo Nascimento
Lição 7 - A Necessidade do Novo NascimentoLição 7 - A Necessidade do Novo Nascimento
Lição 7 - A Necessidade do Novo NascimentoÉder Tomé
 
Unidade 12 - Descobrindo o Plano de Salvação - Aspecto 2
Unidade 12 - Descobrindo o Plano de Salvação - Aspecto 2Unidade 12 - Descobrindo o Plano de Salvação - Aspecto 2
Unidade 12 - Descobrindo o Plano de Salvação - Aspecto 2Ramón Zazatt
 

Mais procurados (20)

A Necessidade do Novo Nascimento.
A Necessidade do Novo Nascimento.A Necessidade do Novo Nascimento.
A Necessidade do Novo Nascimento.
 
Lição 4 - O perfil dos enviados de cristo
Lição 4 - O perfil dos enviados de cristoLição 4 - O perfil dos enviados de cristo
Lição 4 - O perfil dos enviados de cristo
 
Lição 5 - A identidade do Espírito Santo
Lição 5 - A identidade do Espírito SantoLição 5 - A identidade do Espírito Santo
Lição 5 - A identidade do Espírito Santo
 
Lição 9 - A necessidade de termos uma vida santa
Lição 9 - A necessidade de termos uma vida santa Lição 9 - A necessidade de termos uma vida santa
Lição 9 - A necessidade de termos uma vida santa
 
Lição 3 - A maravilhosa e inefável graça de deus
Lição 3 - A maravilhosa e inefável graça de deusLição 3 - A maravilhosa e inefável graça de deus
Lição 3 - A maravilhosa e inefável graça de deus
 
Lição 12 hebreus
Lição 12   hebreusLição 12   hebreus
Lição 12 hebreus
 
Lição 3 - O batismo de Jesus - Lições Bíblicas Jovens - 1 tri 2018
Lição 3 - O batismo de Jesus - Lições Bíblicas Jovens - 1 tri 2018Lição 3 - O batismo de Jesus - Lições Bíblicas Jovens - 1 tri 2018
Lição 3 - O batismo de Jesus - Lições Bíblicas Jovens - 1 tri 2018
 
Lição 3 Hebreus
Lição 3   HebreusLição 3   Hebreus
Lição 3 Hebreus
 
Aula 6 - Cristo o Grande Sacerdote
Aula 6 - Cristo o Grande SacerdoteAula 6 - Cristo o Grande Sacerdote
Aula 6 - Cristo o Grande Sacerdote
 
Lição 2 Hebreus
Lição 2   HebreusLição 2   Hebreus
Lição 2 Hebreus
 
Lição 7 - A necessidade do novo nascimento
Lição 7 - A necessidade do novo nascimentoLição 7 - A necessidade do novo nascimento
Lição 7 - A necessidade do novo nascimento
 
HISTÓRIA DO MINISTÉRIO PENTECOSTAL ROMPENDO EM FÉ
HISTÓRIA DO MINISTÉRIO PENTECOSTAL ROMPENDO EM FÉHISTÓRIA DO MINISTÉRIO PENTECOSTAL ROMPENDO EM FÉ
HISTÓRIA DO MINISTÉRIO PENTECOSTAL ROMPENDO EM FÉ
 
Lição 5 - Cristo é Superior a Arão e à Ordem Levítica
Lição 5 - Cristo é Superior a Arão e à Ordem LevíticaLição 5 - Cristo é Superior a Arão e à Ordem Levítica
Lição 5 - Cristo é Superior a Arão e à Ordem Levítica
 
A Epístola aos Romanos
A Epístola aos RomanosA Epístola aos Romanos
A Epístola aos Romanos
 
Lição 7 - A Necessidade do Novo Nascimento
Lição 7 - A Necessidade do Novo NascimentoLição 7 - A Necessidade do Novo Nascimento
Lição 7 - A Necessidade do Novo Nascimento
 
A NATUREZA HUMANA DE CRISTO
A NATUREZA HUMANA DE CRISTOA NATUREZA HUMANA DE CRISTO
A NATUREZA HUMANA DE CRISTO
 
Lição 6 hebreus
Lição 6   hebreusLição 6   hebreus
Lição 6 hebreus
 
Unidade 12 - Descobrindo o Plano de Salvação - Aspecto 2
Unidade 12 - Descobrindo o Plano de Salvação - Aspecto 2Unidade 12 - Descobrindo o Plano de Salvação - Aspecto 2
Unidade 12 - Descobrindo o Plano de Salvação - Aspecto 2
 
A humanidade de cristo
A humanidade de cristoA humanidade de cristo
A humanidade de cristo
 
Estudo Livro de Apocalipse - aula II
Estudo Livro de Apocalipse - aula IIEstudo Livro de Apocalipse - aula II
Estudo Livro de Apocalipse - aula II
 

Semelhante a Jesus, o modelo de caráter perfeito

LIÇÃO 13 - Jesus cristo, o modelo supremo de caráter
LIÇÃO 13 - Jesus cristo, o modelo supremo de caráterLIÇÃO 13 - Jesus cristo, o modelo supremo de caráter
LIÇÃO 13 - Jesus cristo, o modelo supremo de caráterNatalino das Neves Neves
 
Jesus Cristo, o Modelo Supremo de Caráter
Jesus Cristo, o Modelo Supremo de CaráterJesus Cristo, o Modelo Supremo de Caráter
Jesus Cristo, o Modelo Supremo de CaráterMárcio Martins
 
Lição 13 - Jesus cristo, o modelo supremo de caráter
Lição 13 - Jesus cristo, o modelo supremo de caráterLição 13 - Jesus cristo, o modelo supremo de caráter
Lição 13 - Jesus cristo, o modelo supremo de caráterErberson Pinheiro
 
A natureza humana de cristo
A natureza humana de cristoA natureza humana de cristo
A natureza humana de cristoMonteiro07
 
A natureza humana
A natureza humanaA natureza humana
A natureza humanaJose Moraes
 
Lição 3 - A salvação e o advento do Salvador
Lição 3 - A salvação e o advento do SalvadorLição 3 - A salvação e o advento do Salvador
Lição 3 - A salvação e o advento do SalvadorErberson Pinheiro
 
Lição_222016_Início do ministério de Cristo_GGR
Lição_222016_Início do ministério de Cristo_GGRLição_222016_Início do ministério de Cristo_GGR
Lição_222016_Início do ministério de Cristo_GGRGerson G. Ramos
 
Lição 13 - Jesus Cristo, o Modelo Supremo de Caráter
 Lição 13 - Jesus Cristo, o Modelo Supremo de Caráter Lição 13 - Jesus Cristo, o Modelo Supremo de Caráter
Lição 13 - Jesus Cristo, o Modelo Supremo de CaráterI.A.D.F.J - SAMAMABAIA SUL
 
O Filho_Lição_original com textos_232014
O Filho_Lição_original com textos_232014O Filho_Lição_original com textos_232014
O Filho_Lição_original com textos_232014Gerson G. Ramos
 
1 trindade - 08-09-2013 (1)
1   trindade - 08-09-2013 (1)1   trindade - 08-09-2013 (1)
1 trindade - 08-09-2013 (1)judju
 
Lição 13 - Jesus Cristo, o Modelo Supremo de caráter
Lição 13 - Jesus Cristo, o Modelo Supremo de caráterLição 13 - Jesus Cristo, o Modelo Supremo de caráter
Lição 13 - Jesus Cristo, o Modelo Supremo de caráterÉder Tomé
 
O oficio sacerdotal de cristo
O oficio sacerdotal de cristoO oficio sacerdotal de cristo
O oficio sacerdotal de cristodimas campos
 
O oficio sacerdotal de cristo
O oficio sacerdotal de cristoO oficio sacerdotal de cristo
O oficio sacerdotal de cristodimas campos
 
Respostas_Discipulando os enfermos_512014
Respostas_Discipulando os enfermos_512014Respostas_Discipulando os enfermos_512014
Respostas_Discipulando os enfermos_512014Gerson G. Ramos
 
Lição_822016_Pedro e a Rocha_GGR
Lição_822016_Pedro e a Rocha_GGRLição_822016_Pedro e a Rocha_GGR
Lição_822016_Pedro e a Rocha_GGRGerson G. Ramos
 

Semelhante a Jesus, o modelo de caráter perfeito (20)

LIÇÃO 13 - Jesus cristo, o modelo supremo de caráter
LIÇÃO 13 - Jesus cristo, o modelo supremo de caráterLIÇÃO 13 - Jesus cristo, o modelo supremo de caráter
LIÇÃO 13 - Jesus cristo, o modelo supremo de caráter
 
Jesus Cristo, o Modelo Supremo de Caráter
Jesus Cristo, o Modelo Supremo de CaráterJesus Cristo, o Modelo Supremo de Caráter
Jesus Cristo, o Modelo Supremo de Caráter
 
Lição 13 - Jesus cristo, o modelo supremo de caráter
Lição 13 - Jesus cristo, o modelo supremo de caráterLição 13 - Jesus cristo, o modelo supremo de caráter
Lição 13 - Jesus cristo, o modelo supremo de caráter
 
A natureza humana de cristo
A natureza humana de cristoA natureza humana de cristo
A natureza humana de cristo
 
A natureza humana
A natureza humanaA natureza humana
A natureza humana
 
Lição 3 - A salvação e o advento do Salvador
Lição 3 - A salvação e o advento do SalvadorLição 3 - A salvação e o advento do Salvador
Lição 3 - A salvação e o advento do Salvador
 
Lição_222016_Início do ministério de Cristo_GGR
Lição_222016_Início do ministério de Cristo_GGRLição_222016_Início do ministério de Cristo_GGR
Lição_222016_Início do ministério de Cristo_GGR
 
Lição 13 - Jesus Cristo, o Modelo Supremo de Caráter
 Lição 13 - Jesus Cristo, o Modelo Supremo de Caráter Lição 13 - Jesus Cristo, o Modelo Supremo de Caráter
Lição 13 - Jesus Cristo, o Modelo Supremo de Caráter
 
O Filho_Lição_original com textos_232014
O Filho_Lição_original com textos_232014O Filho_Lição_original com textos_232014
O Filho_Lição_original com textos_232014
 
Lição 01
Lição 01Lição 01
Lição 01
 
1 trindade - 08-09-2013 (1)
1   trindade - 08-09-2013 (1)1   trindade - 08-09-2013 (1)
1 trindade - 08-09-2013 (1)
 
29 joão
29 joão29 joão
29 joão
 
Lição 13 - Jesus Cristo, o Modelo Supremo de caráter
Lição 13 - Jesus Cristo, o Modelo Supremo de caráterLição 13 - Jesus Cristo, o Modelo Supremo de caráter
Lição 13 - Jesus Cristo, o Modelo Supremo de caráter
 
O oficio sacerdotal de cristo
O oficio sacerdotal de cristoO oficio sacerdotal de cristo
O oficio sacerdotal de cristo
 
O oficio sacerdotal de cristo
O oficio sacerdotal de cristoO oficio sacerdotal de cristo
O oficio sacerdotal de cristo
 
Respostas_Discipulando os enfermos_512014
Respostas_Discipulando os enfermos_512014Respostas_Discipulando os enfermos_512014
Respostas_Discipulando os enfermos_512014
 
Lição_822016_Pedro e a Rocha_GGR
Lição_822016_Pedro e a Rocha_GGRLição_822016_Pedro e a Rocha_GGR
Lição_822016_Pedro e a Rocha_GGR
 
Carta Apostólica Patris corde.pdf
Carta Apostólica Patris corde.pdfCarta Apostólica Patris corde.pdf
Carta Apostólica Patris corde.pdf
 
Jesus cristo
Jesus cristoJesus cristo
Jesus cristo
 
Lição 02: A visão do Cristo Glorificado (IEAD-Cacimba do Povo)
Lição 02: A visão do Cristo Glorificado (IEAD-Cacimba do Povo)Lição 02: A visão do Cristo Glorificado (IEAD-Cacimba do Povo)
Lição 02: A visão do Cristo Glorificado (IEAD-Cacimba do Povo)
 

Mais de Pr Neto

Adotados por deuslião_11
Adotados por deuslião_11Adotados por deuslião_11
Adotados por deuslião_11Pr Neto
 
Espírito santo
Espírito santoEspírito santo
Espírito santoPr Neto
 
Selição 07 a-salvação_pela_graça
Selição 07 a-salvação_pela_graçaSelição 07 a-salvação_pela_graça
Selição 07 a-salvação_pela_graçaPr Neto
 
Lição 01 uma_promessa_de_salvação
Lição 01 uma_promessa_de_salvaçãoLição 01 uma_promessa_de_salvação
Lição 01 uma_promessa_de_salvaçãoPr Neto
 
Batismo nas águas
Batismo nas águasBatismo nas águas
Batismo nas águasPr Neto
 
A indentidade do Espírito Santo
A indentidade do Espírito SantoA indentidade do Espírito Santo
A indentidade do Espírito SantoPr Neto
 
LIÇÃO_04 Jesus cristo
LIÇÃO_04 Jesus cristoLIÇÃO_04 Jesus cristo
LIÇÃO_04 Jesus cristoPr Neto
 
A santissima trindade
A santissima trindadeA santissima trindade
A santissima trindadePr Neto
 
INSPIRAÇÃO DIVINA E AUTORIDADE DA BÍBLIA
INSPIRAÇÃO DIVINA E AUTORIDADE DA BÍBLIAINSPIRAÇÃO DIVINA E AUTORIDADE DA BÍBLIA
INSPIRAÇÃO DIVINA E AUTORIDADE DA BÍBLIAPr Neto
 
Fé_Completo
Fé_CompletoFé_Completo
Fé_CompletoPr Neto
 
Revista da escola_bíblica_3_trimestre_2017
Revista da escola_bíblica_3_trimestre_2017Revista da escola_bíblica_3_trimestre_2017
Revista da escola_bíblica_3_trimestre_2017Pr Neto
 
LIÇÃO_01_INSPIRAÇÃO DIVINA E AUTORIDADE DA BÍBLIA
 LIÇÃO_01_INSPIRAÇÃO DIVINA E AUTORIDADE DA BÍBLIA LIÇÃO_01_INSPIRAÇÃO DIVINA E AUTORIDADE DA BÍBLIA
LIÇÃO_01_INSPIRAÇÃO DIVINA E AUTORIDADE DA BÍBLIAPr Neto
 
Escola Bíblica Jônatas Um exemplo de lealdade
Escola Bíblica Jônatas Um exemplo de lealdadeEscola Bíblica Jônatas Um exemplo de lealdade
Escola Bíblica Jônatas Um exemplo de lealdadePr Neto
 
José, o pai_terreno_de_Jesus
José, o pai_terreno_de_JesusJosé, o pai_terreno_de_Jesus
José, o pai_terreno_de_JesusPr Neto
 

Mais de Pr Neto (14)

Adotados por deuslião_11
Adotados por deuslião_11Adotados por deuslião_11
Adotados por deuslião_11
 
Espírito santo
Espírito santoEspírito santo
Espírito santo
 
Selição 07 a-salvação_pela_graça
Selição 07 a-salvação_pela_graçaSelição 07 a-salvação_pela_graça
Selição 07 a-salvação_pela_graça
 
Lição 01 uma_promessa_de_salvação
Lição 01 uma_promessa_de_salvaçãoLição 01 uma_promessa_de_salvação
Lição 01 uma_promessa_de_salvação
 
Batismo nas águas
Batismo nas águasBatismo nas águas
Batismo nas águas
 
A indentidade do Espírito Santo
A indentidade do Espírito SantoA indentidade do Espírito Santo
A indentidade do Espírito Santo
 
LIÇÃO_04 Jesus cristo
LIÇÃO_04 Jesus cristoLIÇÃO_04 Jesus cristo
LIÇÃO_04 Jesus cristo
 
A santissima trindade
A santissima trindadeA santissima trindade
A santissima trindade
 
INSPIRAÇÃO DIVINA E AUTORIDADE DA BÍBLIA
INSPIRAÇÃO DIVINA E AUTORIDADE DA BÍBLIAINSPIRAÇÃO DIVINA E AUTORIDADE DA BÍBLIA
INSPIRAÇÃO DIVINA E AUTORIDADE DA BÍBLIA
 
Fé_Completo
Fé_CompletoFé_Completo
Fé_Completo
 
Revista da escola_bíblica_3_trimestre_2017
Revista da escola_bíblica_3_trimestre_2017Revista da escola_bíblica_3_trimestre_2017
Revista da escola_bíblica_3_trimestre_2017
 
LIÇÃO_01_INSPIRAÇÃO DIVINA E AUTORIDADE DA BÍBLIA
 LIÇÃO_01_INSPIRAÇÃO DIVINA E AUTORIDADE DA BÍBLIA LIÇÃO_01_INSPIRAÇÃO DIVINA E AUTORIDADE DA BÍBLIA
LIÇÃO_01_INSPIRAÇÃO DIVINA E AUTORIDADE DA BÍBLIA
 
Escola Bíblica Jônatas Um exemplo de lealdade
Escola Bíblica Jônatas Um exemplo de lealdadeEscola Bíblica Jônatas Um exemplo de lealdade
Escola Bíblica Jônatas Um exemplo de lealdade
 
José, o pai_terreno_de_Jesus
José, o pai_terreno_de_JesusJosé, o pai_terreno_de_Jesus
José, o pai_terreno_de_Jesus
 

Último

RESOLVENDO CONFLITOS NO CASAMENTOe na familia
RESOLVENDO CONFLITOS NO CASAMENTOe na familiaRESOLVENDO CONFLITOS NO CASAMENTOe na familia
RESOLVENDO CONFLITOS NO CASAMENTOe na familiamaysa997520
 
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula ao vivo
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula ao vivoEbook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula ao vivo
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula ao vivoInsituto Propósitos de Ensino
 
O concílio de Jerusalém Cap 14 e 15.pptx
O concílio de Jerusalém  Cap 14 e 15.pptxO concílio de Jerusalém  Cap 14 e 15.pptx
O concílio de Jerusalém Cap 14 e 15.pptxPIB Penha
 
AUXADO_1TRIM_2024.pdf ESCOLA SABATINA 2024
AUXADO_1TRIM_2024.pdf ESCOLA SABATINA 2024AUXADO_1TRIM_2024.pdf ESCOLA SABATINA 2024
AUXADO_1TRIM_2024.pdf ESCOLA SABATINA 2024RaniereSilva14
 
slide da missa com leituras e oração eucarística
slide da missa com leituras e oração eucarísticaslide da missa com leituras e oração eucarística
slide da missa com leituras e oração eucarísticaFranklinOliveira30
 
Lição 1 - O início da caminhada - CPAD.pptx
Lição 1 - O início da caminhada - CPAD.pptxLição 1 - O início da caminhada - CPAD.pptx
Lição 1 - O início da caminhada - CPAD.pptxCelso Napoleon
 
Lição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptx
Lição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptxLição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptx
Lição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptxCelso Napoleon
 
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Introdução
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - IntroduçãoEbook - Mentoria Ministério com Jovens - Introdução
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - IntroduçãoInsituto Propósitos de Ensino
 

Último (12)

RESOLVENDO CONFLITOS NO CASAMENTOe na familia
RESOLVENDO CONFLITOS NO CASAMENTOe na familiaRESOLVENDO CONFLITOS NO CASAMENTOe na familia
RESOLVENDO CONFLITOS NO CASAMENTOe na familia
 
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 03
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 03Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 03
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 03
 
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 02
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 02Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 02
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 02
 
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula ao vivo
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula ao vivoEbook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula ao vivo
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula ao vivo
 
O concílio de Jerusalém Cap 14 e 15.pptx
O concílio de Jerusalém  Cap 14 e 15.pptxO concílio de Jerusalém  Cap 14 e 15.pptx
O concílio de Jerusalém Cap 14 e 15.pptx
 
AUXADO_1TRIM_2024.pdf ESCOLA SABATINA 2024
AUXADO_1TRIM_2024.pdf ESCOLA SABATINA 2024AUXADO_1TRIM_2024.pdf ESCOLA SABATINA 2024
AUXADO_1TRIM_2024.pdf ESCOLA SABATINA 2024
 
slide da missa com leituras e oração eucarística
slide da missa com leituras e oração eucarísticaslide da missa com leituras e oração eucarística
slide da missa com leituras e oração eucarística
 
Lição 1 - O início da caminhada - CPAD.pptx
Lição 1 - O início da caminhada - CPAD.pptxLição 1 - O início da caminhada - CPAD.pptx
Lição 1 - O início da caminhada - CPAD.pptx
 
Lição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptx
Lição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptxLição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptx
Lição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptx
 
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 01
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 01Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 01
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 01
 
O Livro dos Espiritos - Allan Kardec.pdf
O Livro dos Espiritos - Allan Kardec.pdfO Livro dos Espiritos - Allan Kardec.pdf
O Livro dos Espiritos - Allan Kardec.pdf
 
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Introdução
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - IntroduçãoEbook - Mentoria Ministério com Jovens - Introdução
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Introdução
 

Jesus, o modelo de caráter perfeito

  • 1.
  • 2.
  • 3. VERDADE PRÁTICA Como Homem, Jesus encarnou e demonstrou ter um caráter perfeito, suportando as fraquezas humanas, sem dar lugar ao pecado.
  • 5. Mt 1.18 - Ora, o nascimento de Jesus Cristo foi assim: Estando Maria, sua mãe, desposada com José, antes de se ajuntarem, achou-se ter concebido do Espírito Santo. 21 - E ela dará à luz um filho, e lhe porás o nome de Jesus, porque ele salvará o seu povo dos seus pecados. 22 - Tudo isso aconteceu para que se cumprisse o que foi dito da parte do Senhor pelo profeta, que diz: 23 - Eis que a virgem conceberá e dará à luz um filho, e ele será chamado pelo nome de EMANUEL. (EMANUEL traduzido é: Deus conosco). Mt 3.16 - E, sendo Jesus batizado, saiu logo da água, e eis que se lhe abriram os céus, e viu o Espírito de Deus descendo como pomba e vindo sobre ele. 17 - E eis que uma voz dos céus dizia: Este é o meu Filho amado, em quem me comprazo.
  • 7. INTRODUÇÃO • Jesus deve ser nosso modelo e referência. • Que possamos seguir sempre os seus passos, glorificando o seu nome. • Jesus, o Homem de caráter perfeito. • Jesus, um Deus entre nós, o Emanuel (Mt 1.23) e o remidor da humanidade.
  • 8. PONTO CENTRAL Como Homem, Jesus demonstrou ter um caráter perfeito.
  • 9. I - JESUS DE NAZARÉ, O FILHO DO HOMEM
  • 10. 1. Sua origem humana Ele nasceu como homem no tempo (gr kairós) de Deus. Paulo diz: "Mas, vindo a plenitude dos tempos, Deus enviou seu Filho, nascido de mulher, nascido sob a lei, para remir os que estavam debaixo da lei, a fim de recebermos a adoção de filhos" (Gálatas 4.4-5). O apóstolo João escreveu sua primeira epístola a fim de combater um ensino herético (docetismo) que negava a encarnação de Jesus. Ele teria apenas aparência de ser humano, mas não era material. João percebeu logo a verdadeira intenção dessa doutrina anti-cristã: negar a humanidade de Jesus era negar a possibilidade da Salvação (1 Jo 4.2-3) Nisto reconheceis o Espírito de Deus: todo espírito que confessa que Jesus Cristo veio em carne é de Deus; 3 e todo espírito que não confessa a Jesus não procede de Deus; pelo contrário, este é o espírito do anticristo, a respeito do qual tendes ouvido que vem e, presentemente, já está no mundo. Jesus se fez homem a fim de remir o homem perdido, através do mistério da encarnação (João 1.14 E o Verbo se fez carne e habitou entre nós, cheio de graça e de verdade, e vimos a sua glória, glória como do unigênito do Pai).
  • 11. 2. Sua entrada no mundo Primeiro argumento: Jesus nasceu. Ele não desceu do céu como um homem já feito. Ele foi concebido no ventre de uma mãe humana e nutrido pelo cordão umbilical como qualquer outro ser humano. Sua concepção foi sobrenatural, mas todo o Seu desenvolvimento a partir daí foi natural. Segundo argumento: Jesus teve família. Ele esteve ligado biologicamente a seus ancestrais e recebeu deles uma herança genética como qualquer pessoa normal. Certamente trazia em Seu corpo e em Seu semblante os traços e aparência de sua mãe, tios, primos e avós. Terceiro argumento: Jesus Se desenvolveu Lucas, em seu evangelho (2.52) dá grande ênfase à humanidade perfeita de Jesus dizendo, por exemplo, que Ele crescia “em sabedoria, estatura e graça diante de Deus e dos homens”. O “crescimento” a que se refere não é apenas em sabedoria e graça, mas também em “estatura”, isto é, físico. O seu nascimento foi profetizado: Isaías 7.14 Portanto, o Senhor mesmo vos dará um sinal: eis que a virgem conceberá e dará à luz um filho e lhe chamará Emanuel.
  • 12. 3. Seu desenvolvimento humano e espiritual Jesus Cristo, enquanto homem teve de aprender tudo aquilo que é necessário para Se tornar pessoa normal, madura e equilibrada. E nesse processo de desenvolvimento experimentou todas as dificuldades que um aprendizado acarretam. Hb 5.7,8. Ele, Jesus, nos dias da sua carne, tendo oferecido, com forte clamor e lágrimas, orações e súplicas a quem o podia livrar da morte e tendo sido ouvido por causa da sua piedade, 8 embora sendo Filho, aprendeu a obediência pelas coisas que sofreu Jesus atravessou todas as etapas de desenvolvimento pelas quais passamos. Lucas 2.52. Conforme crescia, Jesus ia crescendo também em sabedoria, e tanto Deus como as pessoas gostavam cada vez mais dele. O fato de sabermos que Ele “crescia em estatura” confirma que Seu corpo precisou se desenvolver, como o de qualquer pessoa. Ele não veio como um “Super-Homem à prova de balas”. Aos 12 anos discutia com os mestres do templo, demonstrando sua dedicação com as Escrituras. Dos doze aos trinta anos, Jesus exerceu o ofício de carpinteiro
  • 13. Sua resistência era limitada Jesus ficava cansado: Jo 4.6. Estava ali a fonte de Jacó. Cansado da viagem, assentara-se Jesus junto à fonte, por volta da hora sexta. Sentia sono: Mt 8.24. Mas os discípulos vieram acordá-lo, clamando: Senhor, salva-nos! Perecemos! Sentia fome: Mt 4.2. E, depois de jejuar quarenta dias e quarenta noites, teve fome Sentia Sede: Jo 4.6,7. (Jo 21.18) Estava ali a fonte de Jacó. Cansado da viagem, assentara-se Jesus junto à fonte, por volta da hora sexta. 7 Nisto, veio uma mulher samaritana tirar água. Disse-lhe Jesus: Dá-me de beber. Sentia fraqueza: Mt 4.2. E, depois de jejuar quarenta dias e quarenta noites, teve fome. Sentia dor: (1 Pe 4.1 Ora, tendo Cristo sofrido na carne, armai-vos também vós do mesmo pensamento; pois aquele que sofreu na carne deixou o pecado,) Hb 13.12 Por isso, foi que também Jesus, para santificar o povo, pelo seu próprio sangue, sofreu fora da porta.
  • 14. SÍNTESE DO TÓPICO Jesus de Nazaré foi e é o Filho do Homem
  • 15. Filho do Homem era primeiramente um título messiânico. Fora usado por Daniel com referência a um que viria nas nuvens, interpretado como sendo o Messias (Daniel 7.13). Nos lábios de Jesus, porém, o título vai mais longe, identificando o Messias com a própria humanidade. A palavra “filho” é um hebraísmo, uma forma própria de expressão dos semitas que identifica as qualidades de uma pessoa. Por isso, uma série de expressões é usada com a palavra filho: “filho do reino” (Mateus 8.12); “filho da perdição” (João 17.12); “filho da ressurreição” (Lucas 20.36), e assim por diante A genealogia de Jesus evidencia quão grande é a misericórdia e a (compaixão de nosso Senhor Jesus Cristo) "Sendo rico, fez-se pobre por amor de vós" (2 Co 8:9) e abrindo mão de Sua glória foi capaz de Se humilhar e habitar entre nós • em semelhança de homens ... " (Fp 2:7).
  • 16. II - SEU MINISTÉRIO E CARÁTER SUPREMO
  • 17. 1. O caráter exemplar de Jesus • Humildade e mansidão: • Se permitiu ser batizado por João Batista (Mt 3.13-15); • Despojou de seus atributos divinos e se tornou servo (Fp 2.6-8); • Lavou os pés de seus discípulos, um trabalho escravo (Jo 13.3-5); • Tinha condições de se apresentar como “estudo de caso” de humildade e mansidão (Mt 11.28-31). • Misericórdia e compaixão: • Ele teve compaixão das multidões, que andavam desgarradas como ovelhas sem pastor (Mt 9.36); • Curou muitos que sofriam com enfermidades (Mt 14.14); • Ele se compadeceu das pessoas famintas (Mt 15.32).
  • 18. 1. O caráter exemplar de Jesus ESPÍRITO PACIFICADOR Ele não cometeu pecado algum, e nenhum engano foi encontrado em sua boca". 23 Quando insultado, não revidava; quando sofria, não fazia ameaç as, mas entregava-se àquele que julga com justiça. 1 Pedro 2.23. Jesus conhecia bem a natureza humana sujeita a desavenças e desentendimentos. Em João 2.24 Mas Jesus não se confiava a eles, pois conhecia a todos. O contexto de diz que creram em seu nome por causa dos sinais. Jesus, no que dependia dele, mantinha um bom relacionamento com seus liderados, bem como seus inimigos; Advertiu que a desavença pode ser motivo para perdição e impede a participação na ceia (Mt 5.23,24); No que depender de nós, devemos ter paz com todos (Rm 12.8; Hb 12.14 Segui a paz com todos e a santificação, sem a qual ninguém verá o Senhor, ) Mt 5.8. bem-aventurados os limpos de coração, porque eles verão a Deus;
  • 19. 2. Na prática • Ele demonstrou o seu imenso amor pelos pecadores. • Os fariseus queriam matar a mulher adúltera. Jesus a perdoou e ordenou que não pecasse mais (Jo 8.11). • Ele amava os seus discípulos e os incentiva a permanecer no mesmo amor (Jo 15.9 Como o Pai me amou, também eu vos amei a vós; permanecei no meu amor). • Ele ensinou amava o Pai acima de tudo (Mt 22.34-40). • O amor é "a marca do cristão" (Jo 13.34,35).
  • 20. 3. Seu caráter é referência para a Igreja • Ele disse: "Porque eu vos dei o exemplo, para que, como eu vos fiz, façais vós também" (Jo 13.15). • Em seu aspecto espiritual, como corpo de Cristo, a Igreja não tem defeito (Ef 5.27). • No aspecto humano, porém, como organização existem as "igrejas", formadas por homens mortais, falíveis e sujeitos a erros e pecados. • Independente do comportamento destas “igrejas” dentro da Igreja, OLHE para Jesus, pois ele é o verdadeiro referencial (Jo 14.6).
  • 21. SÍNTESE DO TÓPICO Como Filho do Homem, Jesus teve um ministério e caráter supremo.
  • 22. III - A MORTE, RESSURREIÇÃO E VOLTA DE CRISTO
  • 23. 1. A morte de Cristo, exemplo supremo de amor • O significado de sua morte pode ser resumido no que Ele próprio disse a Nicodemos: "Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna" (Jo 3.16). • A sua morte expiatória permitiu a reconciliação do ser humano com Deus (Hb 2.17 Pelo que convinha que, em tudo, fosse semelhante aos irmãos, para ser misericordioso e fiel sumo sacerdote naquilo que é de Deus, para expiar os pecados do povo). • Na cruz, Ele revelou o auge de seu caráter amoroso e perdoador: "E dizia Jesus: Pai, perdoa-lhes, porque não sabem o que fazem [...]" (Lc 23.34).
  • 24. 2. A ressurreição de Jesus • Na ressurreição, o caráter humano foi absorvido pelo caráter divino. • Se para fazer-se homem despojou-se de sua glória, na ressurreição retomou a plenitude de sua grandeza divina (1 Co 15.19-26). • A ressurreição de Jesus é a garantia da vitória do cristão.
  • 25. SÍNTESE DO TÓPICO Jesus veio ao mundo, morreu, ressuscitou e voltará novamente para buscar aqueles que são seus.
  • 27. CONSIDERAÇÕES FINAIS Nesta lição nós aprendemos que: 1. Jesus é o maior e mais excelente personagem da História. 2. O exemplo de Jesus deve ser o nosso referencial de vida. 3. Se seguirmos e exemplo de Cristo teremos garantia proporcionada pela eficácia de sua morte, a vida eterna com Deus.