Dinâmica das
bacias
hidrográficas
Geografia – 8º ano
Nov 13
Emília Cabral
(baseado no ppt de
Cláudia Fonseca)
afluente

Superfície de terreno drenada por
uma rede hidrográfica.

Conjunto formado pelo rio
e os seus tributários
(aflue...
Outros conceitos
• Leito: Espaço que pode ser ocupado
• pelas águas de um rio.
• Caudal: Volume de água que passa
numa det...
FATORES DE EVOLUÇÃO DE
UMA BACIA HIDROGRÁFICA
AS TRÊS FASES DE
EROSÃO DE UM RIO
• Desgaste: desagregação das rochas;
• Transporte:
deslocação
dos
materiais
desagregados...
O Curso Superior

Os Cursos do Rio

O Curso Médio

O Curso Inferior
1 – NO CURSO SUPERIOR
(troço do rio mais próximo da nascente)

No Curso Superior, domina a
Superior
ação de desgaste:
•Dec...
CURSO SUPERIOR
VALE EM “V” FECHADO
2 – NO CURSO MÉDIO
No Curso Médio, o rio efetua a
édio
acção de transporte:
 O declive é mais suave;
 A velocidade das á...
CURSO MÉDIO - VALE EM “V”
ABERTO OU EM U
3 – NO CURSO INFERIOR
(sessão mais próxima da foz)

No Curso Inferior, domina da
Inferior
ação de acumulação de
sedimentos...
CURSO INFERIOR - VALE ABERTO
OU “EM CALEIRA ALUVIAL”
PERFIL LONGITUDINAL E TRANSVERSAL DE UM RIO

- linha de intersecção de um plano
vertical com o vale, perpndicularmente
ao ...
O LEITO DE ESTIAGEM

O LEITO NORMAL

O LEITO DE CHEIA OU DE
INUNDAÇÃO

Corresponde à zona ocupada
por uma quantidade menor...
1- Mississípi

9- Indo

2- Amazonas

10- Ganges

4- Danúbio

11- Amarelo

5- Volga

12- Yang-Tsé (Iansequião)

6- Nilo

13...
Bacias Hidrográficas LusoEspanholas
OS PRINCIPAIS RIOS DE PORTUGAL
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Dinâmica das bacias hidrográficas

3.087 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

Dinâmica das bacias hidrográficas

  1. 1. Dinâmica das bacias hidrográficas Geografia – 8º ano Nov 13 Emília Cabral (baseado no ppt de Cláudia Fonseca)
  2. 2. afluente Superfície de terreno drenada por uma rede hidrográfica. Conjunto formado pelo rio e os seus tributários (afluentes e subafluentes). Rede hidrográfica
  3. 3. Outros conceitos • Leito: Espaço que pode ser ocupado • pelas águas de um rio. • Caudal: Volume de água que passa numa determinada secção do rio, por unidade de tempo. (Exprime-se em m3/s). • Regime: Variação do caudal ao longo do ano.
  4. 4. FATORES DE EVOLUÇÃO DE UMA BACIA HIDROGRÁFICA
  5. 5. AS TRÊS FASES DE EROSÃO DE UM RIO • Desgaste: desagregação das rochas; • Transporte: deslocação dos materiais desagregados da superfície, independentemente da sua dimensão; • Acumulação/Sedimentação: deposição dos materiais transportados. Estas três fases manifestam-se ao longo de todo o percurso do rio, embora cada uma delas seja predominante numa das várias secções (ou cursos). Visto o desgaste do leito do rio ser provocado pelo curso das águas , dá-se o nome dessa erosão – Erosão Fluvial. Também se pode designar de Erosão Normal.
  6. 6. O Curso Superior Os Cursos do Rio O Curso Médio O Curso Inferior
  7. 7. 1 – NO CURSO SUPERIOR (troço do rio mais próximo da nascente) No Curso Superior, domina a Superior ação de desgaste: •Declives muito acentuados; •A força das águas é muito significativa; •Arranca às margens e ao leito materiais rochosos que arrasta consigo. Vale mais ou menos estreito e profundo com a forma de um « V » bastante fechado.
  8. 8. CURSO SUPERIOR VALE EM “V” FECHADO
  9. 9. 2 – NO CURSO MÉDIO No Curso Médio, o rio efetua a édio acção de transporte:  O declive é mais suave;  A velocidade das águas é menor;  Predomina o transporte dos sedimentos, embora se faça sentir também o desgaste lateral O vale apresenta um « V » cada vez mais aberto, devido ao recuo das vertentes.
  10. 10. CURSO MÉDIO - VALE EM “V” ABERTO OU EM U
  11. 11. 3 – NO CURSO INFERIOR (sessão mais próxima da foz) No Curso Inferior, domina da Inferior ação de acumulação de sedimentos O declive é muito fraco; A velocidade das águas é bastante reduzida. O rio não tem força e vai acumulando os sedimentos que transportava. O vale é geralmente largo e as margens são baixas.  CURSO INFERIOR
  12. 12. CURSO INFERIOR - VALE ABERTO OU “EM CALEIRA ALUVIAL”
  13. 13. PERFIL LONGITUDINAL E TRANSVERSAL DE UM RIO - linha de intersecção de um plano vertical com o vale, perpndicularmente ao leito. - linha que une os pontos mais baixos do leito do rio.
  14. 14. O LEITO DE ESTIAGEM O LEITO NORMAL O LEITO DE CHEIA OU DE INUNDAÇÃO Corresponde à zona ocupada por uma quantidade menor de água, como acontece, por exemplo, no Verão. Canal do rio onde, normalmente, as águas escoam. Canal do rio ocupado pelas águas em períodos de cheia.
  15. 15. 1- Mississípi 9- Indo 2- Amazonas 10- Ganges 4- Danúbio 11- Amarelo 5- Volga 12- Yang-Tsé (Iansequião) 6- Nilo 13- Murray 8- Congo
  16. 16. Bacias Hidrográficas LusoEspanholas
  17. 17. OS PRINCIPAIS RIOS DE PORTUGAL

×