SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 41
A INDÚSTRIA
A indústria
• 9.1 Os diferentes tipos de indústria
• 9.2 A evolução da indústria
• 9.3 Os fatores de localização industrial
• 9.4 As consequências da atividade industrial
• 9.5 A distribuição espacial da indústria
• 9.6 Os Novos Países Industrializados (NPI)
• 9.7 A deslocalização industrial na atualidade
• 9.8 A indústria em Portugal
9.1 OS DIFERENTES TIPOS DE
INDÚSTRIA
A indústria é a atividade que transforma as matérias-primas em
produtos acabados ou semiacabados, que, sofrendo uma nova
transformação, dão origem a um produto final.
Indústria químicaIndústria alimentar
Os diferentes tipos de indústria
A indústria envolve
sempre meios
mecânicos e visa uma
produção em larga
escala.
Produção de objetos de
forma essencialmente
manual ou com recurso a
ferramentas rudimentares.
A produção é feita peça a
peça e utiliza quase
sempre recursos locais.
Sistema de produção em
que começou a existir uma
repartição de tarefas.
Este processo pode ser
manual (como era feito
antes da Revolução
Industrial) ou com recurso
à utilização de máquinas.
Indústria siderúrgica Artesanato Manufatura com separação
de tarefas
Os diferentes tipos de indústria
Características da atividade industrial
atualmente
Maior especialização dos
trabalhadores.
Maior diversificação e
personalização dos
produtos.
Usa maquinaria
progressivamente mais
sofisticada (menos mão de
obra).
Quanto ao destino da produção
Indústria de bens de
consumo
Destina-se, exclusivamente, a
satisfazer as necessidades de
consumo do mercado.
Indústria têxtil ou alimentar
Indústria de bens de
equipamento
Produz bens que servem para
criar novos produtos.
Indústria metalo-mecânica,
produção de maquinaria
Indústria de bens
intermédios
Destina a sua produção a bens
que voltam a entrar no processo
produtivo.
Indústria siderúrgica do aço
Tipos de indústria
Quanto ao peso da matéria-prima
Indústria pesada ou de base
Fabrica produtos básicos para as outras
atividades industriais.
Indústria metalúrgica ou petroquímica
Indústria ligeira
Fabrica produtos essencialmente de
consumo.
Tipos de indústria
Quanto à tecnologia
Indústria tradicional
Fabrica produtos com pouca incorporação
tecnológica, quase sempre envolvendo
unidades familiares que utilizam recursos
locais
Algumas industrias alimentares
Indústria de ponta
Utiliza tecnologia de vanguarda
Indústria farmacêutica ou eletrónica
Tipos de indústria
9.2 A EVOLUÇÃO DA INDÚSTRIA
No final do século XVIII, no Reino Unido, um conjunto de descobertas
científicas e técnicas foi designado por Revolução Industrial.
A atividade industrial evoluiu em três fases:
A evolução da indústria
Revolução mecânica Revolução energética
Revolução eletrónica ou
neotécnica
Duração: Do final do século
XVIII até final do século XIX.
Local: Próximo das matérias-
-primas (minas de carvão).
Energia: Carvão.
Indústria: Siderurgia e têxtil.
Inovação: Máquina a vapor.
Potência industrial: Reino
Unido.
Duração: Do final do século XIX
até à Segunda Guerra Mundial.
Local: Próximo do mercado
(cidades).
Energia: Petróleo.
Indústria: Automóvel e de
eletrodomésticos.
Inovação: Cadeia de montagem e
trabalho em série.
Potência industrial: EUA.
Duração: Do fim da Segunda
Guerra Mundial até à atualidade.
Local: Próximo da mão de obra
barata ou qualificada.
Energia: Petróleo, gás natural e
energia nuclear.
Indústria: Eletrónica, informática
e bioquímica.
Inovação: Informatização e
robótica.
Potência industrial: Japão.
9.3 OS FATORES DE LOCALIZAÇÃO
INDUSTRIAL
Os fatores de localização industrial
Os fatores de localização industrial
explicam a localização de diferentes
indústrias, com o objetivo de reduzir
os custos e aumentar os lucros da
atividade.
Estes fatores podem também levar à
deslocalização das indústrias, isto é, ao
abandono das áreas geográficas
tradicionais de implantação a favor de
outras (muitas vezes longínquas) que
têm condições mais favoráveis (do
ponto de vista da indústria).
Proximidade dos transportes e
das vias de comunicação
Fator que facilita o transporte
das matérias-primas até à
unidade industrial e o
escoamento dos produtos
acabados. Algumas indústrias,
como, por exemplo, as
siderurgias e as refinarias de
petróleo e de açúcar, localizam-
-se perto de vias navegáveis ou
de portos marítimos, sobretudo
em países que não dispõem de
matéria-prima.
Preço do terreno/espaço
Fundamental para indústrias que
necessitam de muito espaço, uma
vez que obriga a ponderar o preço
do terreno (metro quadrado) em
relação ao espaço necessário.
Condicionantes estatais
A localização industrial
dependente de condições
colocadas pelos Estados:
proibições legislativas, incentivos
financeiros e subsídios estatais.
Proximidade das matérias-
-primas
Fator determinante quando uma
indústria necessita de grandes
quantidades de matérias-primas
de difícil transporte (serrações e
cimenteiras) ou que são
perecíveis (transformação de
tomate ou leite).
Proximidade do mercado
Fator importante para indústrias
de produtos que se deterioram
rapidamente ou que têm um
público-alvo muito específico
(tipografias) e de produtos de
consumo imediato
(panificadoras).
Proximidade da mão de obra
De mão de obra muito
qualificada (indústria
farmacêutica ou aeronáutica),
junto de centros de investigação
e universidades, assim como de
mão de obra pouco qualificada e
abundante (junto de grandes
cidades).
9.4 AS CONSEQUÊNCIAS DA
ATIVIDADE INDUSTRIAL
As consequências da atividade industrial
A atividade industrial é responsável por consequências ambientais e
económicas.
Consequências ambientais Consequências económicas
• Poluição atmosférica, que resulta da libertação de fumos e poeiras de
indústrias como a siderurgia ou a cimenteira;
• Poluição das águas, resultante do lançamento de esgotos não tratados nos
cursos de água e nos oceanos, como acontece nas indústrias de celulose e
têxtil;
• Poluição sonora, como consequência da utilização de maquinaria no processo
produtivo e da inexistência de medidas de isolamento do som adequadas. É o
caso das serrações e da extração de rocha, por exemplo;
• Resíduos industriais, produzidos pelas indústrias, constituem um problema
para as populações, sobretudo no caso dos resíduos tóxicos mais perigosos,
que, abandonados ou colocados junto de lixos domésticos, originam
consequências ambientais graves no solo, nas águas e no ar, pondo em risco a
saúde pública.
As consequências da atividade industrial
Soluções para os problemas ambientais
Colocação de
filtros nas
chaminés das
fábricas.
Construção de
centrais de
tratamento
dos esgotos
industriais.
Medidas
penalizadoras
para com as
atividades
poluentes.
Aposta na
reciclagem
como a
política dos
3R.
Política dos três R
Reduzir: Diminuir a quantidade de resíduos
produzidos.
Reciclar: Utilizar a matéria-prima de um produto
para produzir outro.
Reutilizar: Utilizar novamente um produto com
o mesmo fim ou dar-lhe uma nova utilidade.
Consequências económicas
Consequências
económicas
Sobreprodução
Consumismo
Dependência
económica
Consequências sociais
Desemprego, causado pela
deslocalização industrial.
Encerramento de unidades
industriais por deslocalização
para regiões onde os salários são
mais baixos.
Introdução de tecnologias e
consequente libertação de mão
de obra menos qualificada
(desemprego tecnológico).
Trabalho infantil e mão de obra
escrava.
9.5 A DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DA
INDÚSTRIA
A distribuição espacial da indústria
As principais áreas de atividade industrial no Mundo localizam-se na Europa Ocidental,
nos Estados Unidos da América, no Japão e nos novos países industrializados.
Estados Unidos da América
São a maior potência industrial do Mundo pelos seus recursos minerais,
tecnológicos e energéticos. Como tal, possuem as regiões industriais
mais importantes. A sua área industrial mais antiga localiza-se na região
Nordeste, próximo do Atlântico, onde predominam setores tradicionais,
como a metalurgia, a química de base e a construção naval. No Oeste
(Califórnia), localizam-se os setores mais modernos, como a eletrónica,
a informática e a aeronáutica (Seattle). Esta região assumiu uma clara
importância com o crescente dinamismo do Japão e das restantes
economias asiáticas.
América Central e do Sul
No continente americano têm vindo a surgir potências
industriais importantes, como o México, com a
exploração dos recursos energéticos e a existência de
empresas têxteis e de calçado que exploram a mão de
obra barata.
O Brasil, no triângulo industrial São Paulo, Rio de Janeiro
e Belo Horizonte, é um dos mais importantes focos
industriais da América do Sul.
União Europeia
No seu conjunto, é a maior região industrial do Mundo. Destaca-se pela
produção de bens de equipamento, automóveis, material de comunicações e
artigos de luxo, assim como pelas suas indústrias aeroespacial e química. As
suas principais áreas industriais encontram-se na Alemanha (entre os rios
Weser e Elba), no eixo Roterdão-Milão (que vai dos Países Baixos ao norte de
Itália), na região de Paris-Le Havre e no centro e sul do Reino Unido.
Rússia e Ucrânia
Persistem nestes países antigas áreas industriais,
agora em declínio, de metalurgia, siderurgia e
química pesada. As transformações recentes
passam pelo crescimento, por exemplo, da
indústria automóvel.
Japão
O seu processo de industrialização ocorreu
sobretudo após a Segunda Guerra Mundial e
assumiu características diferentes de outras
regiões, pela superação da falta de matérias-
-primas e de recursos energéticos, com uma
mão de obra muito qualificada e disciplinada,
que, juntamente com a tecnologia, permite
uma elevada produtividade em indústrias
como as de eletrónica, telecomunicações,
automóvel e informática.
Novos países industrializados do Sudeste Asiático
Na segunda metade do século XX, Hong Kong, Singapura, Coreia do Sul e Taiwan
industrializaram-se, copiando os produtos dos países tradicionalmente mais
industrializados e fabricando-os com menores custos devido aos seus baixos salários.
Atualmente, estes países já produzem com tecnologia própria e a preços muito
competitivos. Taiwan e Singapura destacam-se pelos seus produtos de alta
tecnologia, como os microprocessadores, equipamentos de comunicações,
computadores e instrumentos de precisão. A Coreia do Sul evidencia-se pela
indústria naval, siderúrgica e automóvel. Hong Kong, pelos seus artigos eletrónicos.
Na Tailândia, na Malásia, na Indonésia e no Vietname verificou-se um processo
semelhante, mas numa fase mais recente.
China
É o país que tem registado o maior crescimento industrial dos últimos
anos. Baseia o seu modelo no baixo custo da sua mão de obra, o que fez
com que muitas empresas europeias e americanas tivessem
deslocalizado as suas fábricas para este país. Converteu-se no maior
produtor de têxteis, calçado e brinquedos, mas também de produtos
eletrónicos de baixa qualidade. As condições de trabalho neste país são
muito precárias.
Índia
Tem registado um grande crescimento industrial, num
processo parecido com o da China, ou seja, assente
na exploração da mão de obra barata. As indústrias
são sobretudo a têxtil, a de confeção e a de calçado,
ainda que na cidade de Bangalore exista um centro
de indústria informática dos mais desenvolvidos do
Mundo.
9.5 OS NOVOS PAÍSES
INDUSTRIALIZADOS (NPI)
O Japão e os NPI
Os Novos Países Industrializados (NPI)
Os Novos Países Industrializados (NPI
ou NIC, em inglês) são um grupo de
países que conhecem um grande
crescimento industrial, que começou a
surgir de forma significativa no mercado
mundial, no início dos anos 80 do século
XX. Estes países situam-se no Sudeste
asiático e basearam o seu modelo
industrial na exploração de mão de obra
barata.
Numa primeira fase, faziam parte desse
conjunto de países: a Coreia do Sul, a
Formosa (Taiwan), Singapura e Hong
Kong.
O crescimento industrial dos NPI deve-se:
• Ao desenvolvimento registado no setor dos transportes.
• À crescente importância do Japão na economia mundial.
• À mão de obra disponível, de baixo custo.
• Ao potencial do mercado desta região, cujo crescimento demográfico é
o maior no Mundo.
Os Novos Países Industrializados (NPI)
Os NPI dedicaram-se nesta primeira fase a:
Produção de indústrias com
mão de obra pouco
qualificada (têxtil, sapatos,
brinquedos e montagem de
eletrodomésticos, rádios e
televisores).
Unidades
pertencentes a
companhias
internacionais.
Processo de
desconcentração
industrial e de
segmentação da
produção.
Desconcentração industrial
Transferência dos locais de
produção para outros
locais/países em que
a mão de obra é mais barata
e os custos de produção
menores.
Segmentação da produção
Várias tarefas do processo
produtivo são separadas por
várias unidades de
diferentes países,
beneficiando de preços de
salários mais baixos.
Segmentação da produção na indústria têxtil
Nos anos 90 do século XX, a mão de obra ficou mais qualificada pela
aposta na formação. A Coreia do Sul e Singapura têm tecnologia através
de grandes empreendimentos conjuntos — joint-ventures — com
empresas de países mais desenvolvidos, como o Japão (principal
investidor regional) e os Estados Unidos da América.
Este facto abriu possibilidades a novos países nos setores intensivos em
mão de obra barata, os quais se transformam numa nova vaga de NPI.
Esses países são a Tailândia, a Malásia, as Filipinas e a Indonésia (os
«quatro tigres asiáticos»). Mais recentemente, e com um crescimento
mais acelerado, juntou-se-lhes a China.
Evolução dos NPI e os ramos industriais
Evolução dos NPI e os ramos industriais
9.6 A DESLOCALIZAÇÃO
INDUSTRIAL NA ATUALIDADE
Países industrializados e países em
desenvolvimento
Na segunda metade do século XX a visão do Mundo era a separação entre os países
industrializados (América do Norte, os países da Europa, União Soviética, Japão, «dragões
asiáticos», Austrália e Nova Zelândia) e os não industrializados (os países da América
Latina, da África, do Médio Oriente e do sul da Ásia).
A Rússia e outros países da Comunidade de Estados Independentes (CEI) passaram, nas
últimas décadas, por um processo de ajustamento a uma economia de mercado que os
aproximou de alguns países que estão a emergir como novas potências económicas: Brasil,
Índia e China (BRIC) .
BRIC — Novas potências económicas:
o Brasil, a Rússia, a Índia e a China
No continente africano, a África do Sul é outro país com estas características. As
condições de trabalho e de remuneração nos países emergentes e os efeitos que
terá no futuro a «desindustrialização» dos países tradicionalmente
industrializados, por causa da deslocalização de indústrias, surgem como os
principais problemas.
Países recentemente industrializados
9.7 A INDÚSTRIA EM PORTUGAL
A indústria em Portugal
Portugal passou por várias fases desde a
segunda metade do século XIX até à
atualidade.
Período Características Locais afetados
Segunda
metade
do século
XIX
Industrialização
lenta
Locais afetados: áreas
próximas de Lisboa e Porto
(têxtil, tabaco, calçado,
metalurgia); Marinha Grande
(vidro); Aveiro (cerâmica);
Covilhã (têxteis); e Algarve
(conservas de peixe).
Produção de vidro na Marinha Grande
Implantação da indústria em Portugal
Período Características Locais afetados
Até
à segunda
metade do
século XX
Indústria
tradicional
e dirigida ao
mercado
interno
Locais afetados: vale do Ave
(têxteis); Paços de Ferreira
(mobiliário); e São João da
Madeira (calçado).
Produção de calçado em
São João da Madeira
Período Características Locais afetados
Após
a Segunda
Guerra
Mundial
Aposta na
exportação da
produção
Locais afetados: Setúbal
(indústrias de cimentos);
Almada (naval); complexo de
Sines (metalomecânica e
refinação de petróleo).
Metalomecânica e
refinação de petróleo
em Sines
Implantação da indústria em Portugal
Período Características Locais afetados
Década
de 70 do
século XX
Os principais fatores que
possibilitavam a expor-
tação industrial e atraiam
o investimento estran-
geiro eram os salários
baixos e a mão de obra
pouco qualificada.
Locais afetados: Região
Norte — Porto, Braga,
Coimbra, Setúbal,
Viana do Castelo e
Viseu (vestuário e
metalúrgica
de base).
Fabrico de vestuário
Período Características Locais afetados
Últimas
décadas do
século XX
Globalização da
indústria e
encerramento de muitas
unidades industriais
devido à deslocalização
Locais afetados: Porto,
Ovar, Seixal, Castelo
Branco, Santa Comba
Dão (indústria
automóvel, material
elétrico, têxtil e
calçado), inicialmente
para a China e, depois,
para o Leste Europeu.
Indústria automóvel
Implantação da indústria em Portugal
A adesão de Portugal à União
Europeia em 1986 trouxe
profundas alterações à indústria
portuguesa.
Atualmente, a indústria localiza-se
sobretudo no litoral, em especial a
norte, e enfrenta a concorrência
difícil dos países emergentes e do
Leste da Europa.
A localização das áreas industriais
Características da
indústria
portuguesa na
atualidade
Mercado português
aberto à concorrência
externa
Desaparecimento das
unidades tradicionais,
incapazes de enfrentar
a concorrência
Modernização de
unidades
Novas indústrias: automóvel
(Palmela), com investimento
estrangeiro para exportação;
indústria de moldes (Marinha
Grande), que fornece peças e
componentes metálicos e
plásticos às indústrias pesadas de
outros países
Indústria automóvel em Palmela
(Autoeuropa)
Os problemas com que a indústria
portuguesa se depara são crónicos.
Problemas da indústria portuguesa
Fraca formação
e qualificação
da mão de obra
Dificuldades na aposta
em setores de maior
incorporação
tecnológica
Falta de
investimento devido
a uma classe
empresarial pouco
empreendedora
Falta de
competitividade na
economia global,
onde existe mão de
obra mais barata
Posição geográfica
periférica, face aos
nossos mercados
exportadores
tradicionais
O preço relativo da mão de obra em
Portugal

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Países desenvolvidos vs países em desenvolvimento
Países desenvolvidos vs países em desenvolvimentoPaíses desenvolvidos vs países em desenvolvimento
Países desenvolvidos vs países em desenvolvimentolidia76
 
A expansão urbana em Portugal - Geografia 11º ano
A expansão urbana em Portugal - Geografia 11º anoA expansão urbana em Portugal - Geografia 11º ano
A expansão urbana em Portugal - Geografia 11º ano713773
 
áReas funcionais
áReas funcionaisáReas funcionais
áReas funcionaisPocarolas
 
Obstáculos ao desenvolvimento
Obstáculos ao desenvolvimentoObstáculos ao desenvolvimento
Obstáculos ao desenvolvimentoRosária Zamith
 
9ºano: Cidades, critérios de definição e formas de expansão
9ºano: Cidades, critérios de definição e formas de expansão9ºano: Cidades, critérios de definição e formas de expansão
9ºano: Cidades, critérios de definição e formas de expansãoIdalina Leite
 
Geografia A 10 ano - Recursos do Subsolo
Geografia A 10 ano - Recursos do SubsoloGeografia A 10 ano - Recursos do Subsolo
Geografia A 10 ano - Recursos do SubsoloRaffaella Ergün
 
Redes de transporte e telecomunicações (novo)
Redes de transporte e telecomunicações (novo)Redes de transporte e telecomunicações (novo)
Redes de transporte e telecomunicações (novo)Rosária Zamith
 
A rede ferroviária portuguesa
A rede ferroviária portuguesaA rede ferroviária portuguesa
A rede ferroviária portuguesaMiguel Jesus
 
Estrutura do Texto de Apreciação Crítica
Estrutura do Texto de Apreciação CríticaEstrutura do Texto de Apreciação Crítica
Estrutura do Texto de Apreciação CríticaVanda Sousa
 
1 globalização
1 globalização1 globalização
1 globalizaçãomanuela3016
 
Recursos energéticos
Recursos energéticosRecursos energéticos
Recursos energéticosIlda Bicacro
 
Globalização cultural
Globalização culturalGlobalização cultural
Globalização culturalJessie1r98
 

Mais procurados (20)

Regioes agrarias
Regioes agrariasRegioes agrarias
Regioes agrarias
 
A Agricultura
A AgriculturaA Agricultura
A Agricultura
 
O Turismo
O TurismoO Turismo
O Turismo
 
Países desenvolvidos vs países em desenvolvimento
Países desenvolvidos vs países em desenvolvimentoPaíses desenvolvidos vs países em desenvolvimento
Países desenvolvidos vs países em desenvolvimento
 
Os Serviços
Os ServiçosOs Serviços
Os Serviços
 
A expansão urbana em Portugal - Geografia 11º ano
A expansão urbana em Portugal - Geografia 11º anoA expansão urbana em Portugal - Geografia 11º ano
A expansão urbana em Portugal - Geografia 11º ano
 
Rural versus urbano
Rural versus urbanoRural versus urbano
Rural versus urbano
 
áReas funcionais
áReas funcionaisáReas funcionais
áReas funcionais
 
Funções urbanas (2)
Funções urbanas (2)Funções urbanas (2)
Funções urbanas (2)
 
Obstáculos ao desenvolvimento
Obstáculos ao desenvolvimentoObstáculos ao desenvolvimento
Obstáculos ao desenvolvimento
 
Características da agricultura portuguesa
Características da agricultura portuguesaCaracterísticas da agricultura portuguesa
Características da agricultura portuguesa
 
9ºano: Cidades, critérios de definição e formas de expansão
9ºano: Cidades, critérios de definição e formas de expansão9ºano: Cidades, critérios de definição e formas de expansão
9ºano: Cidades, critérios de definição e formas de expansão
 
A ExpansãO Urbana
A ExpansãO UrbanaA ExpansãO Urbana
A ExpansãO Urbana
 
Geografia A 10 ano - Recursos do Subsolo
Geografia A 10 ano - Recursos do SubsoloGeografia A 10 ano - Recursos do Subsolo
Geografia A 10 ano - Recursos do Subsolo
 
Redes de transporte e telecomunicações (novo)
Redes de transporte e telecomunicações (novo)Redes de transporte e telecomunicações (novo)
Redes de transporte e telecomunicações (novo)
 
A rede ferroviária portuguesa
A rede ferroviária portuguesaA rede ferroviária portuguesa
A rede ferroviária portuguesa
 
Estrutura do Texto de Apreciação Crítica
Estrutura do Texto de Apreciação CríticaEstrutura do Texto de Apreciação Crítica
Estrutura do Texto de Apreciação Crítica
 
1 globalização
1 globalização1 globalização
1 globalização
 
Recursos energéticos
Recursos energéticosRecursos energéticos
Recursos energéticos
 
Globalização cultural
Globalização culturalGlobalização cultural
Globalização cultural
 

Semelhante a A Industria

Industrialização - 9º ano.ppt para pesquisas básicas
Industrialização - 9º ano.ppt para pesquisas básicasIndustrialização - 9º ano.ppt para pesquisas básicas
Industrialização - 9º ano.ppt para pesquisas básicasMariazinhaGideoni
 
Atesanatoindustriarevindustriais 140309195140-phpapp02
Atesanatoindustriarevindustriais 140309195140-phpapp02Atesanatoindustriarevindustriais 140309195140-phpapp02
Atesanatoindustriarevindustriais 140309195140-phpapp02Magno Rodrigues
 
Evolução, classificação e modelos de industrialização
Evolução, classificação e modelos de industrializaçãoEvolução, classificação e modelos de industrialização
Evolução, classificação e modelos de industrializaçãoJoão José Ferreira Tojal
 
A economia industrial da união europeia
A economia industrial da união europeiaA economia industrial da união europeia
A economia industrial da união europeiaProfessor
 
Atividade industrial
Atividade industrialAtividade industrial
Atividade industrialProfessor
 
Atividade industrial
Atividade industrialAtividade industrial
Atividade industrialflaviocosac
 
11 industria
11  industria11  industria
11 industriaMayjö .
 
Indstrias conceitos basicos
Indstrias conceitos basicosIndstrias conceitos basicos
Indstrias conceitos basicosAlexsandro Silva
 
Industrias Professor Edu Gonzaga 2015.
Industrias Professor Edu Gonzaga 2015.Industrias Professor Edu Gonzaga 2015.
Industrias Professor Edu Gonzaga 2015.Edu Gonzaga
 
5 alterações na industria
5  alterações na industria5  alterações na industria
5 alterações na industriaMayjö .
 
Atividade industrial
Atividade industrialAtividade industrial
Atividade industrialProfessor
 

Semelhante a A Industria (20)

indústria_21.pptx
indústria_21.pptxindústria_21.pptx
indústria_21.pptx
 
Industrialização - 9º ano.ppt para pesquisas básicas
Industrialização - 9º ano.ppt para pesquisas básicasIndustrialização - 9º ano.ppt para pesquisas básicas
Industrialização - 9º ano.ppt para pesquisas básicas
 
Industrialização
IndustrializaçãoIndustrialização
Industrialização
 
Atesanatoindustriarevindustriais 140309195140-phpapp02
Atesanatoindustriarevindustriais 140309195140-phpapp02Atesanatoindustriarevindustriais 140309195140-phpapp02
Atesanatoindustriarevindustriais 140309195140-phpapp02
 
Evolução, classificação e modelos de industrialização
Evolução, classificação e modelos de industrializaçãoEvolução, classificação e modelos de industrialização
Evolução, classificação e modelos de industrialização
 
A economia industrial da união europeia
A economia industrial da união europeiaA economia industrial da união europeia
A economia industrial da união europeia
 
Industria 2° ano
Industria 2° anoIndustria 2° ano
Industria 2° ano
 
Indústria
IndústriaIndústria
Indústria
 
Indústria
IndústriaIndústria
Indústria
 
Atividade industrial
Atividade industrialAtividade industrial
Atividade industrial
 
Atividade industrial
Atividade industrialAtividade industrial
Atividade industrial
 
Indústria e espaço geográfico
Indústria e espaço geográficoIndústria e espaço geográfico
Indústria e espaço geográfico
 
11 industria
11  industria11  industria
11 industria
 
Atividade Industrial (Setor Secundário)
Atividade Industrial (Setor Secundário)Atividade Industrial (Setor Secundário)
Atividade Industrial (Setor Secundário)
 
Indstrias conceitos basicos
Indstrias conceitos basicosIndstrias conceitos basicos
Indstrias conceitos basicos
 
1. industrialização
1. industrialização1. industrialização
1. industrialização
 
Industrias Professor Edu Gonzaga 2015.
Industrias Professor Edu Gonzaga 2015.Industrias Professor Edu Gonzaga 2015.
Industrias Professor Edu Gonzaga 2015.
 
5 alterações na industria
5  alterações na industria5  alterações na industria
5 alterações na industria
 
Atividade industrial
Atividade industrialAtividade industrial
Atividade industrial
 
Industria
IndustriaIndustria
Industria
 

Mais de Diogo Mateus

Principais Áreas de Fixaçao Humana
Principais Áreas de Fixaçao HumanaPrincipais Áreas de Fixaçao Humana
Principais Áreas de Fixaçao HumanaDiogo Mateus
 
Os Recursos Naturais
Os Recursos NaturaisOs Recursos Naturais
Os Recursos NaturaisDiogo Mateus
 
Evolução da Populaçao Mundial
Evolução da Populaçao MundialEvolução da Populaçao Mundial
Evolução da Populaçao MundialDiogo Mateus
 
Distribuição da População Mundial
Distribuição da População MundialDistribuição da População Mundial
Distribuição da População MundialDiogo Mateus
 
A Diversidade Humana
A Diversidade HumanaA Diversidade Humana
A Diversidade HumanaDiogo Mateus
 

Mais de Diogo Mateus (6)

Principais Áreas de Fixaçao Humana
Principais Áreas de Fixaçao HumanaPrincipais Áreas de Fixaçao Humana
Principais Áreas de Fixaçao Humana
 
Os Recursos Naturais
Os Recursos NaturaisOs Recursos Naturais
Os Recursos Naturais
 
Migrações
MigraçõesMigrações
Migrações
 
Evolução da Populaçao Mundial
Evolução da Populaçao MundialEvolução da Populaçao Mundial
Evolução da Populaçao Mundial
 
Distribuição da População Mundial
Distribuição da População MundialDistribuição da População Mundial
Distribuição da População Mundial
 
A Diversidade Humana
A Diversidade HumanaA Diversidade Humana
A Diversidade Humana
 

Último

As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.pptAs teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.pptorlando dias da silva
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...azulassessoria9
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxIlda Bicacro
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxIlda Bicacro
 
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfUFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfManuais Formação
 
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfMarcianaClaudioClaud
 
Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja Mary Alvarenga
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaHenrique Santos
 
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfKelly Mendes
 
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdfLindinhaSilva1
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.HandersonFabio
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...azulassessoria9
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...LuizHenriquedeAlmeid6
 
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024azulassessoria9
 
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresModelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresAna Isabel Correia
 
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigasPeça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigasBibliotecaViatodos
 
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfTema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfAnaAugustaLagesZuqui
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasMonizeEvellin2
 

Último (20)

662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica
 
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.pptAs teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 
Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja
 
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfUFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
 
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
 
Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
 
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
 
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
 
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresModelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
 
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigasPeça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
 
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfTema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
 

A Industria

  • 2. A indústria • 9.1 Os diferentes tipos de indústria • 9.2 A evolução da indústria • 9.3 Os fatores de localização industrial • 9.4 As consequências da atividade industrial • 9.5 A distribuição espacial da indústria • 9.6 Os Novos Países Industrializados (NPI) • 9.7 A deslocalização industrial na atualidade • 9.8 A indústria em Portugal
  • 3. 9.1 OS DIFERENTES TIPOS DE INDÚSTRIA
  • 4. A indústria é a atividade que transforma as matérias-primas em produtos acabados ou semiacabados, que, sofrendo uma nova transformação, dão origem a um produto final. Indústria químicaIndústria alimentar Os diferentes tipos de indústria
  • 5. A indústria envolve sempre meios mecânicos e visa uma produção em larga escala. Produção de objetos de forma essencialmente manual ou com recurso a ferramentas rudimentares. A produção é feita peça a peça e utiliza quase sempre recursos locais. Sistema de produção em que começou a existir uma repartição de tarefas. Este processo pode ser manual (como era feito antes da Revolução Industrial) ou com recurso à utilização de máquinas. Indústria siderúrgica Artesanato Manufatura com separação de tarefas Os diferentes tipos de indústria
  • 6. Características da atividade industrial atualmente Maior especialização dos trabalhadores. Maior diversificação e personalização dos produtos. Usa maquinaria progressivamente mais sofisticada (menos mão de obra).
  • 7. Quanto ao destino da produção Indústria de bens de consumo Destina-se, exclusivamente, a satisfazer as necessidades de consumo do mercado. Indústria têxtil ou alimentar Indústria de bens de equipamento Produz bens que servem para criar novos produtos. Indústria metalo-mecânica, produção de maquinaria Indústria de bens intermédios Destina a sua produção a bens que voltam a entrar no processo produtivo. Indústria siderúrgica do aço Tipos de indústria
  • 8. Quanto ao peso da matéria-prima Indústria pesada ou de base Fabrica produtos básicos para as outras atividades industriais. Indústria metalúrgica ou petroquímica Indústria ligeira Fabrica produtos essencialmente de consumo. Tipos de indústria
  • 9. Quanto à tecnologia Indústria tradicional Fabrica produtos com pouca incorporação tecnológica, quase sempre envolvendo unidades familiares que utilizam recursos locais Algumas industrias alimentares Indústria de ponta Utiliza tecnologia de vanguarda Indústria farmacêutica ou eletrónica Tipos de indústria
  • 10. 9.2 A EVOLUÇÃO DA INDÚSTRIA
  • 11. No final do século XVIII, no Reino Unido, um conjunto de descobertas científicas e técnicas foi designado por Revolução Industrial. A atividade industrial evoluiu em três fases: A evolução da indústria Revolução mecânica Revolução energética Revolução eletrónica ou neotécnica Duração: Do final do século XVIII até final do século XIX. Local: Próximo das matérias- -primas (minas de carvão). Energia: Carvão. Indústria: Siderurgia e têxtil. Inovação: Máquina a vapor. Potência industrial: Reino Unido. Duração: Do final do século XIX até à Segunda Guerra Mundial. Local: Próximo do mercado (cidades). Energia: Petróleo. Indústria: Automóvel e de eletrodomésticos. Inovação: Cadeia de montagem e trabalho em série. Potência industrial: EUA. Duração: Do fim da Segunda Guerra Mundial até à atualidade. Local: Próximo da mão de obra barata ou qualificada. Energia: Petróleo, gás natural e energia nuclear. Indústria: Eletrónica, informática e bioquímica. Inovação: Informatização e robótica. Potência industrial: Japão.
  • 12. 9.3 OS FATORES DE LOCALIZAÇÃO INDUSTRIAL
  • 13. Os fatores de localização industrial Os fatores de localização industrial explicam a localização de diferentes indústrias, com o objetivo de reduzir os custos e aumentar os lucros da atividade. Estes fatores podem também levar à deslocalização das indústrias, isto é, ao abandono das áreas geográficas tradicionais de implantação a favor de outras (muitas vezes longínquas) que têm condições mais favoráveis (do ponto de vista da indústria).
  • 14. Proximidade dos transportes e das vias de comunicação Fator que facilita o transporte das matérias-primas até à unidade industrial e o escoamento dos produtos acabados. Algumas indústrias, como, por exemplo, as siderurgias e as refinarias de petróleo e de açúcar, localizam- -se perto de vias navegáveis ou de portos marítimos, sobretudo em países que não dispõem de matéria-prima. Preço do terreno/espaço Fundamental para indústrias que necessitam de muito espaço, uma vez que obriga a ponderar o preço do terreno (metro quadrado) em relação ao espaço necessário. Condicionantes estatais A localização industrial dependente de condições colocadas pelos Estados: proibições legislativas, incentivos financeiros e subsídios estatais. Proximidade das matérias- -primas Fator determinante quando uma indústria necessita de grandes quantidades de matérias-primas de difícil transporte (serrações e cimenteiras) ou que são perecíveis (transformação de tomate ou leite). Proximidade do mercado Fator importante para indústrias de produtos que se deterioram rapidamente ou que têm um público-alvo muito específico (tipografias) e de produtos de consumo imediato (panificadoras). Proximidade da mão de obra De mão de obra muito qualificada (indústria farmacêutica ou aeronáutica), junto de centros de investigação e universidades, assim como de mão de obra pouco qualificada e abundante (junto de grandes cidades).
  • 15. 9.4 AS CONSEQUÊNCIAS DA ATIVIDADE INDUSTRIAL
  • 16. As consequências da atividade industrial A atividade industrial é responsável por consequências ambientais e económicas. Consequências ambientais Consequências económicas
  • 17. • Poluição atmosférica, que resulta da libertação de fumos e poeiras de indústrias como a siderurgia ou a cimenteira; • Poluição das águas, resultante do lançamento de esgotos não tratados nos cursos de água e nos oceanos, como acontece nas indústrias de celulose e têxtil; • Poluição sonora, como consequência da utilização de maquinaria no processo produtivo e da inexistência de medidas de isolamento do som adequadas. É o caso das serrações e da extração de rocha, por exemplo; • Resíduos industriais, produzidos pelas indústrias, constituem um problema para as populações, sobretudo no caso dos resíduos tóxicos mais perigosos, que, abandonados ou colocados junto de lixos domésticos, originam consequências ambientais graves no solo, nas águas e no ar, pondo em risco a saúde pública. As consequências da atividade industrial
  • 18. Soluções para os problemas ambientais Colocação de filtros nas chaminés das fábricas. Construção de centrais de tratamento dos esgotos industriais. Medidas penalizadoras para com as atividades poluentes. Aposta na reciclagem como a política dos 3R. Política dos três R Reduzir: Diminuir a quantidade de resíduos produzidos. Reciclar: Utilizar a matéria-prima de um produto para produzir outro. Reutilizar: Utilizar novamente um produto com o mesmo fim ou dar-lhe uma nova utilidade.
  • 19. Consequências económicas Consequências económicas Sobreprodução Consumismo Dependência económica Consequências sociais Desemprego, causado pela deslocalização industrial. Encerramento de unidades industriais por deslocalização para regiões onde os salários são mais baixos. Introdução de tecnologias e consequente libertação de mão de obra menos qualificada (desemprego tecnológico). Trabalho infantil e mão de obra escrava.
  • 20. 9.5 A DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DA INDÚSTRIA
  • 21. A distribuição espacial da indústria As principais áreas de atividade industrial no Mundo localizam-se na Europa Ocidental, nos Estados Unidos da América, no Japão e nos novos países industrializados.
  • 22. Estados Unidos da América São a maior potência industrial do Mundo pelos seus recursos minerais, tecnológicos e energéticos. Como tal, possuem as regiões industriais mais importantes. A sua área industrial mais antiga localiza-se na região Nordeste, próximo do Atlântico, onde predominam setores tradicionais, como a metalurgia, a química de base e a construção naval. No Oeste (Califórnia), localizam-se os setores mais modernos, como a eletrónica, a informática e a aeronáutica (Seattle). Esta região assumiu uma clara importância com o crescente dinamismo do Japão e das restantes economias asiáticas. América Central e do Sul No continente americano têm vindo a surgir potências industriais importantes, como o México, com a exploração dos recursos energéticos e a existência de empresas têxteis e de calçado que exploram a mão de obra barata. O Brasil, no triângulo industrial São Paulo, Rio de Janeiro e Belo Horizonte, é um dos mais importantes focos industriais da América do Sul.
  • 23. União Europeia No seu conjunto, é a maior região industrial do Mundo. Destaca-se pela produção de bens de equipamento, automóveis, material de comunicações e artigos de luxo, assim como pelas suas indústrias aeroespacial e química. As suas principais áreas industriais encontram-se na Alemanha (entre os rios Weser e Elba), no eixo Roterdão-Milão (que vai dos Países Baixos ao norte de Itália), na região de Paris-Le Havre e no centro e sul do Reino Unido. Rússia e Ucrânia Persistem nestes países antigas áreas industriais, agora em declínio, de metalurgia, siderurgia e química pesada. As transformações recentes passam pelo crescimento, por exemplo, da indústria automóvel.
  • 24. Japão O seu processo de industrialização ocorreu sobretudo após a Segunda Guerra Mundial e assumiu características diferentes de outras regiões, pela superação da falta de matérias- -primas e de recursos energéticos, com uma mão de obra muito qualificada e disciplinada, que, juntamente com a tecnologia, permite uma elevada produtividade em indústrias como as de eletrónica, telecomunicações, automóvel e informática. Novos países industrializados do Sudeste Asiático Na segunda metade do século XX, Hong Kong, Singapura, Coreia do Sul e Taiwan industrializaram-se, copiando os produtos dos países tradicionalmente mais industrializados e fabricando-os com menores custos devido aos seus baixos salários. Atualmente, estes países já produzem com tecnologia própria e a preços muito competitivos. Taiwan e Singapura destacam-se pelos seus produtos de alta tecnologia, como os microprocessadores, equipamentos de comunicações, computadores e instrumentos de precisão. A Coreia do Sul evidencia-se pela indústria naval, siderúrgica e automóvel. Hong Kong, pelos seus artigos eletrónicos. Na Tailândia, na Malásia, na Indonésia e no Vietname verificou-se um processo semelhante, mas numa fase mais recente.
  • 25. China É o país que tem registado o maior crescimento industrial dos últimos anos. Baseia o seu modelo no baixo custo da sua mão de obra, o que fez com que muitas empresas europeias e americanas tivessem deslocalizado as suas fábricas para este país. Converteu-se no maior produtor de têxteis, calçado e brinquedos, mas também de produtos eletrónicos de baixa qualidade. As condições de trabalho neste país são muito precárias. Índia Tem registado um grande crescimento industrial, num processo parecido com o da China, ou seja, assente na exploração da mão de obra barata. As indústrias são sobretudo a têxtil, a de confeção e a de calçado, ainda que na cidade de Bangalore exista um centro de indústria informática dos mais desenvolvidos do Mundo.
  • 26. 9.5 OS NOVOS PAÍSES INDUSTRIALIZADOS (NPI)
  • 27. O Japão e os NPI Os Novos Países Industrializados (NPI) Os Novos Países Industrializados (NPI ou NIC, em inglês) são um grupo de países que conhecem um grande crescimento industrial, que começou a surgir de forma significativa no mercado mundial, no início dos anos 80 do século XX. Estes países situam-se no Sudeste asiático e basearam o seu modelo industrial na exploração de mão de obra barata. Numa primeira fase, faziam parte desse conjunto de países: a Coreia do Sul, a Formosa (Taiwan), Singapura e Hong Kong.
  • 28. O crescimento industrial dos NPI deve-se: • Ao desenvolvimento registado no setor dos transportes. • À crescente importância do Japão na economia mundial. • À mão de obra disponível, de baixo custo. • Ao potencial do mercado desta região, cujo crescimento demográfico é o maior no Mundo. Os Novos Países Industrializados (NPI)
  • 29. Os NPI dedicaram-se nesta primeira fase a: Produção de indústrias com mão de obra pouco qualificada (têxtil, sapatos, brinquedos e montagem de eletrodomésticos, rádios e televisores). Unidades pertencentes a companhias internacionais. Processo de desconcentração industrial e de segmentação da produção. Desconcentração industrial Transferência dos locais de produção para outros locais/países em que a mão de obra é mais barata e os custos de produção menores. Segmentação da produção Várias tarefas do processo produtivo são separadas por várias unidades de diferentes países, beneficiando de preços de salários mais baixos. Segmentação da produção na indústria têxtil
  • 30. Nos anos 90 do século XX, a mão de obra ficou mais qualificada pela aposta na formação. A Coreia do Sul e Singapura têm tecnologia através de grandes empreendimentos conjuntos — joint-ventures — com empresas de países mais desenvolvidos, como o Japão (principal investidor regional) e os Estados Unidos da América. Este facto abriu possibilidades a novos países nos setores intensivos em mão de obra barata, os quais se transformam numa nova vaga de NPI. Esses países são a Tailândia, a Malásia, as Filipinas e a Indonésia (os «quatro tigres asiáticos»). Mais recentemente, e com um crescimento mais acelerado, juntou-se-lhes a China. Evolução dos NPI e os ramos industriais
  • 31. Evolução dos NPI e os ramos industriais
  • 33. Países industrializados e países em desenvolvimento Na segunda metade do século XX a visão do Mundo era a separação entre os países industrializados (América do Norte, os países da Europa, União Soviética, Japão, «dragões asiáticos», Austrália e Nova Zelândia) e os não industrializados (os países da América Latina, da África, do Médio Oriente e do sul da Ásia). A Rússia e outros países da Comunidade de Estados Independentes (CEI) passaram, nas últimas décadas, por um processo de ajustamento a uma economia de mercado que os aproximou de alguns países que estão a emergir como novas potências económicas: Brasil, Índia e China (BRIC) . BRIC — Novas potências económicas: o Brasil, a Rússia, a Índia e a China
  • 34. No continente africano, a África do Sul é outro país com estas características. As condições de trabalho e de remuneração nos países emergentes e os efeitos que terá no futuro a «desindustrialização» dos países tradicionalmente industrializados, por causa da deslocalização de indústrias, surgem como os principais problemas. Países recentemente industrializados
  • 35. 9.7 A INDÚSTRIA EM PORTUGAL
  • 36. A indústria em Portugal Portugal passou por várias fases desde a segunda metade do século XIX até à atualidade. Período Características Locais afetados Segunda metade do século XIX Industrialização lenta Locais afetados: áreas próximas de Lisboa e Porto (têxtil, tabaco, calçado, metalurgia); Marinha Grande (vidro); Aveiro (cerâmica); Covilhã (têxteis); e Algarve (conservas de peixe). Produção de vidro na Marinha Grande Implantação da indústria em Portugal
  • 37. Período Características Locais afetados Até à segunda metade do século XX Indústria tradicional e dirigida ao mercado interno Locais afetados: vale do Ave (têxteis); Paços de Ferreira (mobiliário); e São João da Madeira (calçado). Produção de calçado em São João da Madeira Período Características Locais afetados Após a Segunda Guerra Mundial Aposta na exportação da produção Locais afetados: Setúbal (indústrias de cimentos); Almada (naval); complexo de Sines (metalomecânica e refinação de petróleo). Metalomecânica e refinação de petróleo em Sines Implantação da indústria em Portugal
  • 38. Período Características Locais afetados Década de 70 do século XX Os principais fatores que possibilitavam a expor- tação industrial e atraiam o investimento estran- geiro eram os salários baixos e a mão de obra pouco qualificada. Locais afetados: Região Norte — Porto, Braga, Coimbra, Setúbal, Viana do Castelo e Viseu (vestuário e metalúrgica de base). Fabrico de vestuário Período Características Locais afetados Últimas décadas do século XX Globalização da indústria e encerramento de muitas unidades industriais devido à deslocalização Locais afetados: Porto, Ovar, Seixal, Castelo Branco, Santa Comba Dão (indústria automóvel, material elétrico, têxtil e calçado), inicialmente para a China e, depois, para o Leste Europeu. Indústria automóvel Implantação da indústria em Portugal
  • 39. A adesão de Portugal à União Europeia em 1986 trouxe profundas alterações à indústria portuguesa. Atualmente, a indústria localiza-se sobretudo no litoral, em especial a norte, e enfrenta a concorrência difícil dos países emergentes e do Leste da Europa. A localização das áreas industriais
  • 40. Características da indústria portuguesa na atualidade Mercado português aberto à concorrência externa Desaparecimento das unidades tradicionais, incapazes de enfrentar a concorrência Modernização de unidades Novas indústrias: automóvel (Palmela), com investimento estrangeiro para exportação; indústria de moldes (Marinha Grande), que fornece peças e componentes metálicos e plásticos às indústrias pesadas de outros países Indústria automóvel em Palmela (Autoeuropa)
  • 41. Os problemas com que a indústria portuguesa se depara são crónicos. Problemas da indústria portuguesa Fraca formação e qualificação da mão de obra Dificuldades na aposta em setores de maior incorporação tecnológica Falta de investimento devido a uma classe empresarial pouco empreendedora Falta de competitividade na economia global, onde existe mão de obra mais barata Posição geográfica periférica, face aos nossos mercados exportadores tradicionais O preço relativo da mão de obra em Portugal