SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 27
Modulo V
SEGURANÇA DO TRABALHO
 É uma lesão produzida no organismo por agentes térmicos, químicos,
radioativos, elétricos, etc., que podem lesar a pele, os músculos, os vasos
sanguíneos, os nervos e os ossos.
 Pode ser dividida segundo a profundidade e segundo a extensão.
CLASSIFICAÇÃO
De acordo com sua profundidade:
 1º grau - atinge somente a epiderme, caracterizando-se por vermelhidão e
dor na área atingida;
 2º grau - atinge a epiderme e derme, caracterizando-se por dor local
vermelhidão e formação de bolhas;
 3º grau - atinge o tecido de revestimento, alcançando o tecido muscular,
podendo atingir até o osso.
 Caracteriza-se pela necrose de tecido, ausência de dor no interior da
queimadura, devido à destruição dos terminais sensitivos, podendo a pele
ficar escurecida ou esbranquiçada, além de apresentar queimaduras de 2º
e 1º graus ao redor, as quais provocam fortes dores.
REGRAS GERAIS DE ATENDIMENTO PARA VÍTIMAS DE QUEIMADURAS
 Avalie as condições de segurança do local, identificando o tipo de acidente;
 Interrompa o contato da vítima com o agente lesivo (térmico, químico ou
elétrico).
 Se necessário, remova a vítima para local seguro antes de prosseguir o
atendimento;
 Efetue a análise primária e secundária e trate os problemas em ordem de
prioridade;
 Vítimas de queimaduras podem apresentar outros tipos de trauma associados.
 Portanto, faça o exame físico detalhado e se necessário adote as condutas
relativas ao atendimento de um politraumatizado.
 Dê especial cuidado durante o transporte para evitar agravamento das lesões
ou maior sofrimento para o acidentado;
TRATAMENTO QUEIMADURAS TÉRMICAS
 Apague o fogo com cobertor ou pano, começando sempre da cabeça para
os pés;
 Interrompa a ação do calor, resfriando a vítima com água em temperatura
ambiente;
 Retire das extremidades anéis, pulseiras, relógios ou jóias antes que o
membro apresente inchaço e a retirada fique impossibilitada;
 Lave o local com água corrente em abundância, exceto nas queimaduras
de 3º grau;
 Se houver acometimento da face, dê especial atenção para às vias aéreas
e respiração;
TRATAMENTO QUEIMADURAS TÉRMICAS
 Cubra os olhos da vítima com gaze umedecida em soro fisiológico ou água
limpa;
 Se acometer as mãos ou pés, separe os dedos com pequenos rolos de
gazes umedecidas com soro fisiológico ou água limpa;
 Não perfure bolhas e nem aplique medicamentos nas queimaduras;
 Cubra a área queimada com um plástico estéril;
 Evite contato de sua mão ou qualquer material contaminado com a área
queimada;
 Transporte-a com urgência para um hospital, prevenindo estado de
choque, mantendo sinais vitais e nível de consciência.
QUEIMADURAS QUÍMICAS
 Retire rapidamente a roupa da vítima, se estiver impregnada com o
produto, tomando cuidado para não se queimar;
 Lave o local com água corrente abundante, pelo menos durante 20
minutos;
 Se o produto for seco (na forma de granulado ou pó) retira-lo manualmente
sem friccionar (com pano seco ou escova). Em seguida irrigar o local com
água corrente abundante por 20 minutos;
 Proceda igual as queimaduras térmicas.
QUEIMADURAS PELO FRIO
 A gravidade da lesão pelo frio depende da temperatura, da duração da
exposição e das condições ambientais.
 Temperaturas mais baixas, imobilização, exposição prolongada, umidade,
presença de doença da circulação periférica e feridas abertas, aumentam a
gravidade da lesão:
 Troque roupas úmidas e apertadas por cobertores quentes;
 De líquidos quentes para a pessoa beber;
 Coloque a parte lesada em água quente corrente até voltar à cor rosa da pele;
 Evite calor seco;
 Leve assim que possível para o Pronto Socorro.
INTERMAÇÃO (exaustão pelo calor)
 Situação que ocorre quando uma pessoa que não está em boa condição física
realiza exercícios excessivos em ambiente quente.
Sinais e sintomas:
 Respiração rápida e superficial;
 Pulso fraco;
 Pele fria e às vezes pálida;
 Sudorese intensa;
 Debilidade física generalizada;
 Tontura e às vezes inconsciência.
INSOLAÇÃO
 Situação muito grave que ocorre quando uma pessoa tem sua temperatura corporal
elevada por falha dos mecanismos de regulação.
 A vítima nesse caso deixa de suar e a temperatura sobe aos poucos lesionando as células
cerebrais podendo levar a morte.
Sinais e sintomas:
 Respirações profundas, seguidas de respirações superficiais;
 Pulso rápido e forte, seguido de pulso rápido e fraco;
 Pele seca e quente, às vezes, avermelhada;
 Pupilas dilatadas;
 Perda da consciência;
 Convulsões e/ou tremor muscular podem estar presentes;
 Coma.
TRATAMENTO PRÉ-HOSPITALAR
 Remova a vítima para um ambiente seguro, fresco e arejado;
 Realize a análise primaria e secundária e trate os problemas em ordem de
prioridade;
 Se possível, remova as roupas do acidentado para diminuir a temperatura
corporal;
 Aplicar compressas frias, molhadas com água, na cabeça, pescoço, axilas,
laterais do tórax.
Importante:
 Tenha cautela para não provocar hipotermia;
 Transporte à vítima o mais rápido possível para um hospital;
 Não utilize compressas com álcool;
 Não forneça nada para a vítima ingerir
 Os acidentes por eletricidade podem causar manifestações locais,
produzindo queimaduras de vários graus, inclusive a carbonização; além
de traumas associados como fraturas, luxações, etc., e repercussões
gerais, atingindo o sistema nervoso, respiratório e circulatório podendo
levar a óbito por parada cardiorrespiratória.
Procedimento:
 Corte a fonte geradora de eletricidade, desligando o interruptor principal;
 na impossibilidade de desligar, retire a vítima da fonte geradora de eletricidade o mais
rápido possível, usando-se para tal madeira, borracha ou qualquer outro material isolante,
colocado-os no chão próximo à vítima, onde o socorrista ficará pisando em cima e com
auxílio de um cabo de vassoura ou qualquer outro material, retire a vítima;
 caso haja dificuldades em executar este procedimento, retire o ponto de apoio da vítima
para que a mesma caia, desfazendo a “linha terra”. Tome cuidado para não esbarrar na
vítima enquanto ela estiver presa à fonte geradora.
 Se a vítima estiver dentro de um veículo, com os fios em contato com o mesmo, oriente a
vítima a permanecer no seu interior até que a companhia de eletricidade possa
desenergizar, a não ser que haja risco iminente de incêndio ou explosões; nestas
situações, oriente a pular do veículo sem fechar o circuito com o solo.
 Nunca encoste na vitima se ela ainda estiver em contato com a eletricidade, o corpo é
condutor de energia, e o corpo dela poderá conduzir energia até o seu, gerando uma
segunda vitima
TRATAMENTO PRÉ-HOSPITALAR
 Realize Análise Primária;
 Observe atentamente a qualidade do pulso, pois nessas situações podem
ocorrer arritmias cardíacas;
 Trate a vítima como Politraumatizada, mantendo a vias aéreas pérvias e a
estabilizando da coluna cervical;
 Trate as queimaduras e ferimentos com técnicas adequadas;
 Transporte ao hospital em prancha rígida, prevenindo estado de choque.
 Consiste na perda da consciência na maioria das vezes por falta de
oxigenação do cérebro.
 Pode ser provocado por vários fatores como o cansaço, a falta de
alimentação, stress, excesso de sol e outros.
 Pode ser precipitado por nervosismo, angústia ou emoções fortes além de
ocorrência de muitas outras doenças.
TRATAMENTO PRÉ-HOSPITALAR
 Areje o ambiente.
 Deite a vítima com as costas em superfície rígida;
 Abra suas vestes (cuidado para não expor a intimidade da vitima);
 Eleve os membros inferiores (na suspeita de alguma patologia que provoque
hipertensão arterial ou que acometa o cérebro, não elevar os membros
inferiores);
 Não permita aglomeração no local para não prejudicar a vítima;
 Faça Análise Primária e Secundária;
 Se não souber a causa do desmaio mesmo que a pessoa mantenha os sinais
vitais, leve-a para o Pronto Socorro.
 Contrações violentas, incoordenadas e involuntárias de parte ou da
totalidade dos músculos, provocadas por diversas doenças neurológicas e
não neurológicas ou por traumatismo crânio-encefálico.
 São expressões de doenças orgânicas e não de doença mental.
Causas das convulsões:
 Epilepsia;
 Febre alta (convulsões febris);
 Traumatismo craniano;
 Doenças infecciosas, inflamatórias ou tumores cerebrais;
 Acidente Vascular Cerebral;
 Intoxicações.
 Doença neurológica convulsiva crônica.
 Manifesta-se por perda súbita da consciência.
 A epilepsia é uma enfermidade orgânica que pode
apresentar-se de diversas formas.
 Um episódio convulsivo epiléptico pode repetir-se
muitas vezes e não é contagiosa.
Sinais e sintomas de uma crise convulsiva:
 Perda da consciência. A vítima poderá cair e sofrer um trauma;
 Rigidez do corpo, especialmente do pescoço e extremidades.
 Poderá desenvolver um quadro de leves tremores ou sacudidas de
diversas amplitudes;
 Pode ocorrer cianose (roxos) ou até parada respiratória.
 Em algumas ocasiões, há perda do controle dos esfíncteres urinário e anal;
 Depois das convulsões a vítima recupera o seu estado de consciência
lentamente. Pode ficar confuso por um certo tempo e ter amnésia do
episódio.
TRATAMENTO PRÉ-HOSPITALAR
 Afaste objetos e curiosos de sua proximidade;
 Posicionar imediatamente a vítima deitada lateral, evitando que aspire secreções,
permitindo a queda da base da língua e a liberação das vias aereas;
 Não impeça os movimentos e mantenha a permeabilidade das vias aéreas,
protegendo sua cabeça para evitar traumatismos durante a crise;
 Afrouxe suas vestes;
 Após a crise verifique a presença de corpos estranhos na boca (dentaduras,
alimentos, etc.), previna hipotermia, trate eventuais ferimentos, preste apoio
psicológico e conduza para o hospital, mantendo nível de consciência e sinais
vitais;
 Se a crise durar mais de 5 min, transporte mantendo os cuidados anteriores.
Ao acabar a crise convulsiva poderá deixar a vitima em posição de segurança
 Pode ocorrer durante a febre alta. É importante lembrar que poderá repetir-
se (antecedentes). Sempre requer atenção médica.
TRATAMENTO PRÉ-HOSPITALAR
 Adote os cuidados gerais para qualquer tipo de crise convulsiva;
 Baixe a temperatura com aplicação de compressas frias nos locais onde
passam as principais artérias, tais como: pescoço, virilha, axilas e sob os
joelhos;
 Encaminhe para o hospital.
 Toda a substância capaz de causar dano ou matar um organismo é
chamada de toxina ou veneno.
 Os seres vivos que secretam substâncias tóxicas são denominados de
Animais Venenosos.
 Os animais que produzem veneno e possuem um aparato especializado
para injetá-lo são conhecidos como Animais Peçonhentos.
 Todas as serpentes são venenosas, mas poucas são peçonhentas.
 O mesmo podemos dizer das aranhas e escorpiões.
TRATAMENTO PRÉ-HOSPITALAR
ACIDENTES COM SERPENTES
 Mantenha a vítima em repouso absoluto.
 Evite que ela se movimente para não favorecer a absorção do veneno;
 Remova anéis, pulseiras, braceletes e outros adornos;
 Se a picada for na perna ou no braço, mantenha em posição mais elevada;
 Não faça torniquete, impedindo a circulação do sangue, você pode causar gangrena e necrose;
 Não corte o local da ferida evitando hemorragias e nem aplique folhas, pó de café ou terra sobre
ele para não provocar infecção;
 Não dê pinga, querosene ou fumo, como é costume em algumas regiões do País;
 Leve a vítima imediatamente ao serviço de saúde mais próximo, para que possa receber o soro
em tempo.
ACIDENTES COM ARANHAS E ESCORPIÕES
 Nos acidentes por aranhas e escorpiões com dor intensa, práticas como
espremer ou sugar o local da picada tem demonstrado ser de pouca
eficácia;
 O tratamento sintomático, à base de anestésicos e analgésico, tem sido
utilizado com resultados satisfatórios na maioria dos casos.
 Encaminhe a vitima para um pronto socorro o mais rápido possível, lá os
médicos aplicaram os medicamentos necessarios.
Importante:
 Em vitimas de acidentes com animais peçonhentos, o procedimento mais
indicado é levar ao Hospital do Instituto Butantan, que está sempre aberto, ou
solicitar instruções pelo telefone: (11) 3723-6969
 O Hospital Vital Brasil, que é especializado em acidentes com animais
peçonhentos e funciona dentro do Instituto Butantan, permanece aberto dia e
noite. O tratamento é gratuito para qualquer pessoa com tal problema;
 Capturar o animal que causou o acidente e trazê-lo junto com a pessoa picada,
facilita o diagnóstico e o tratamento correto. Além disso, o soro é feito a partir
do veneno que é extraído dos animais vivos que são enviados ao Instituto;
 O Instituto Butantan orienta sobre a captura de aranhas e escorpiões;
 O transporte por via férrea é gratuito, existindo um sistema de permuta de
animais enviados por ampolas de soro antipeçonhento.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Primeiros socorros 1
Primeiros socorros 1Primeiros socorros 1
Primeiros socorros 1
Ane Costa
 
Primeiros socorros acidentes com animais cobras e aranhas
Primeiros socorros acidentes com animais cobras e aranhasPrimeiros socorros acidentes com animais cobras e aranhas
Primeiros socorros acidentes com animais cobras e aranhas
Anita Queiroz
 
Puncao venosa tecnicos
Puncao venosa tecnicosPuncao venosa tecnicos
Puncao venosa tecnicos
shara cedraz
 

Mais procurados (20)

NOÇÕES DE PRIMEIROS SOCORROS
NOÇÕES DE PRIMEIROS SOCORROSNOÇÕES DE PRIMEIROS SOCORROS
NOÇÕES DE PRIMEIROS SOCORROS
 
Emergencias clinicas
Emergencias clinicasEmergencias clinicas
Emergencias clinicas
 
Principios de primeiros socorros 2017- GRUPO IRRADIAR
Principios de primeiros socorros 2017- GRUPO IRRADIARPrincipios de primeiros socorros 2017- GRUPO IRRADIAR
Principios de primeiros socorros 2017- GRUPO IRRADIAR
 
Primeiros Socorros
Primeiros SocorrosPrimeiros Socorros
Primeiros Socorros
 
Transportedevitimas
TransportedevitimasTransportedevitimas
Transportedevitimas
 
Palestra aph
Palestra aphPalestra aph
Palestra aph
 
Primeiros socorros - Queimaduras
Primeiros socorros - QueimadurasPrimeiros socorros - Queimaduras
Primeiros socorros - Queimaduras
 
Atendimento em primeiros socorros basicos
Atendimento em primeiros socorros basicosAtendimento em primeiros socorros basicos
Atendimento em primeiros socorros basicos
 
Transporte de vítimas
Transporte de vítimasTransporte de vítimas
Transporte de vítimas
 
Acidentes com animais peçonhentos
Acidentes com animais peçonhentosAcidentes com animais peçonhentos
Acidentes com animais peçonhentos
 
Aula 05 introdução aos primeiros socorros
Aula 05   introdução aos primeiros socorrosAula 05   introdução aos primeiros socorros
Aula 05 introdução aos primeiros socorros
 
Primeiros socorros 1
Primeiros socorros 1Primeiros socorros 1
Primeiros socorros 1
 
1 slides animais peçonhentos
1   slides    animais peçonhentos1   slides    animais peçonhentos
1 slides animais peçonhentos
 
TREINAMENTO PRIMEIROS SOCORROS
TREINAMENTO PRIMEIROS SOCORROSTREINAMENTO PRIMEIROS SOCORROS
TREINAMENTO PRIMEIROS SOCORROS
 
Suporte básico de vida
Suporte básico de vida Suporte básico de vida
Suporte básico de vida
 
Primeiros socorros acidentes com animais cobras e aranhas
Primeiros socorros acidentes com animais cobras e aranhasPrimeiros socorros acidentes com animais cobras e aranhas
Primeiros socorros acidentes com animais cobras e aranhas
 
1 socorros
1 socorros1 socorros
1 socorros
 
Primeiros socorros
Primeiros socorrosPrimeiros socorros
Primeiros socorros
 
Puncao venosa tecnicos
Puncao venosa tecnicosPuncao venosa tecnicos
Puncao venosa tecnicos
 
Primeiros Socorros - Afogamento
Primeiros Socorros - AfogamentoPrimeiros Socorros - Afogamento
Primeiros Socorros - Afogamento
 

Destaque

Nr.33 Segurança nos Serviços em Espaços confinados/Transparncia
Nr.33 Segurança nos Serviços em Espaços confinados/TransparnciaNr.33 Segurança nos Serviços em Espaços confinados/Transparncia
Nr.33 Segurança nos Serviços em Espaços confinados/Transparncia
Ana Paula Santos de Jesus Souza
 
Resgate em espaços confinados
Resgate em espaços confinadosResgate em espaços confinados
Resgate em espaços confinados
Robson Peixoto
 
Abhinav sharma resume - software engineer
Abhinav sharma   resume - software engineerAbhinav sharma   resume - software engineer
Abhinav sharma resume - software engineer
Abhinav Sharma
 

Destaque (19)

Primeiros Socorros Modulo VI
Primeiros Socorros Modulo VIPrimeiros Socorros Modulo VI
Primeiros Socorros Modulo VI
 
Primeiros Socorros Modulo III
Primeiros Socorros Modulo IIIPrimeiros Socorros Modulo III
Primeiros Socorros Modulo III
 
Manual de Suporte Básico de Vida (SBV) - INEM
Manual de Suporte Básico de Vida (SBV) - INEMManual de Suporte Básico de Vida (SBV) - INEM
Manual de Suporte Básico de Vida (SBV) - INEM
 
Bock behaviorismo
Bock behaviorismoBock behaviorismo
Bock behaviorismo
 
Dave Golding CV
Dave Golding CVDave Golding CV
Dave Golding CV
 
Ting Shih-Realidad y potencial de los nuevos modelos sanitarios
Ting Shih-Realidad y potencial de los nuevos modelos sanitariosTing Shih-Realidad y potencial de los nuevos modelos sanitarios
Ting Shih-Realidad y potencial de los nuevos modelos sanitarios
 
Clipping cnc 20022017 versão de impressão
Clipping cnc 20022017   versão de impressãoClipping cnc 20022017   versão de impressão
Clipping cnc 20022017 versão de impressão
 
Iml corp powerpoint
Iml corp powerpointIml corp powerpoint
Iml corp powerpoint
 
Exprimidordenaranjas 170211224723
Exprimidordenaranjas 170211224723Exprimidordenaranjas 170211224723
Exprimidordenaranjas 170211224723
 
GIT 4th IBD 2016.
GIT 4th IBD 2016.GIT 4th IBD 2016.
GIT 4th IBD 2016.
 
ATR - ESPAÇO CONFINADO
ATR - ESPAÇO CONFINADOATR - ESPAÇO CONFINADO
ATR - ESPAÇO CONFINADO
 
Nr.33 Segurança nos Serviços em Espaços confinados/Transparncia
Nr.33 Segurança nos Serviços em Espaços confinados/TransparnciaNr.33 Segurança nos Serviços em Espaços confinados/Transparncia
Nr.33 Segurança nos Serviços em Espaços confinados/Transparncia
 
Fístulas abdominales
Fístulas abdominalesFístulas abdominales
Fístulas abdominales
 
Resgate em espaços confinados
Resgate em espaços confinadosResgate em espaços confinados
Resgate em espaços confinados
 
Atr espaço confinado 2013 (caldeira)
Atr   espaço confinado 2013 (caldeira)Atr   espaço confinado 2013 (caldeira)
Atr espaço confinado 2013 (caldeira)
 
Abhinav sharma resume - software engineer
Abhinav sharma   resume - software engineerAbhinav sharma   resume - software engineer
Abhinav sharma resume - software engineer
 
Primeros auxilios IEB Para profesores
Primeros auxilios IEB Para profesoresPrimeros auxilios IEB Para profesores
Primeros auxilios IEB Para profesores
 
Check List - NR 33
Check List - NR 33Check List - NR 33
Check List - NR 33
 
Check list espaço-confinado
Check list espaço-confinadoCheck list espaço-confinado
Check list espaço-confinado
 

Semelhante a Primeiros Socorros Modulo V

12971430 1205924008primeirossocorros
12971430 1205924008primeirossocorros12971430 1205924008primeirossocorros
12971430 1205924008primeirossocorros
Pelo Siro
 
9208862 1205924008primeirossocorros
9208862 1205924008primeirossocorros9208862 1205924008primeirossocorros
9208862 1205924008primeirossocorros
Pelo Siro
 
2 primeiros socorros para segurança do trabalho aula 02
2 primeiros socorros para segurança do trabalho aula 022 primeiros socorros para segurança do trabalho aula 02
2 primeiros socorros para segurança do trabalho aula 02
Adriano Silva
 
Treinamento de Primeiros socorros
Treinamento de Primeiros socorros Treinamento de Primeiros socorros
Treinamento de Primeiros socorros
Ane Costa
 
noçoes de primeiros socorros para amadores.pptx
noçoes de primeiros socorros para amadores.pptxnoçoes de primeiros socorros para amadores.pptx
noçoes de primeiros socorros para amadores.pptx
Daniela Chucre
 
0430 queimaduras desidratação choque elétrico - Marion
0430 queimaduras desidratação choque elétrico - Marion0430 queimaduras desidratação choque elétrico - Marion
0430 queimaduras desidratação choque elétrico - Marion
laiscarlini
 

Semelhante a Primeiros Socorros Modulo V (20)

TREINAMENTO - PRIMEIROS SOCORROS (1) (1).pptx
TREINAMENTO - PRIMEIROS SOCORROS (1) (1).pptxTREINAMENTO - PRIMEIROS SOCORROS (1) (1).pptx
TREINAMENTO - PRIMEIROS SOCORROS (1) (1).pptx
 
PRIMEIROS SOCORROS.pdf
PRIMEIROS SOCORROS.pdfPRIMEIROS SOCORROS.pdf
PRIMEIROS SOCORROS.pdf
 
PRIMEIROS SOCORROS.docx
PRIMEIROS SOCORROS.docxPRIMEIROS SOCORROS.docx
PRIMEIROS SOCORROS.docx
 
Afogamentos, choque, queimaduras, intoxicação-1-1.pptx
Afogamentos, choque, queimaduras, intoxicação-1-1.pptxAfogamentos, choque, queimaduras, intoxicação-1-1.pptx
Afogamentos, choque, queimaduras, intoxicação-1-1.pptx
 
Primeiro socorros - NR 10.pptx
Primeiro socorros - NR 10.pptxPrimeiro socorros - NR 10.pptx
Primeiro socorros - NR 10.pptx
 
12971430 1205924008primeirossocorros
12971430 1205924008primeirossocorros12971430 1205924008primeirossocorros
12971430 1205924008primeirossocorros
 
9208862 1205924008primeirossocorros
9208862 1205924008primeirossocorros9208862 1205924008primeirossocorros
9208862 1205924008primeirossocorros
 
APRESENTAÇÃO PRIMEIROS SOCORROS 2023.pptx
APRESENTAÇÃO PRIMEIROS SOCORROS 2023.pptxAPRESENTAÇÃO PRIMEIROS SOCORROS 2023.pptx
APRESENTAÇÃO PRIMEIROS SOCORROS 2023.pptx
 
2 primeiros socorros para segurança do trabalho aula 02
2 primeiros socorros para segurança do trabalho aula 022 primeiros socorros para segurança do trabalho aula 02
2 primeiros socorros para segurança do trabalho aula 02
 
Primeiros Socorros Avançado - Meider.pptx
Primeiros Socorros Avançado - Meider.pptxPrimeiros Socorros Avançado - Meider.pptx
Primeiros Socorros Avançado - Meider.pptx
 
Primeiros socorros xxxii_sipat
Primeiros socorros xxxii_sipatPrimeiros socorros xxxii_sipat
Primeiros socorros xxxii_sipat
 
Treinamento de Primeiros socorros
Treinamento de Primeiros socorros Treinamento de Primeiros socorros
Treinamento de Primeiros socorros
 
noçoes de primeiros socorros para amadores.pptx
noçoes de primeiros socorros para amadores.pptxnoçoes de primeiros socorros para amadores.pptx
noçoes de primeiros socorros para amadores.pptx
 
Primeiros socorros segurança do trabalho
Primeiros socorros segurança do trabalhoPrimeiros socorros segurança do trabalho
Primeiros socorros segurança do trabalho
 
CURSO: NOÇÕES DE PRIMEIROS SOCORROS COMPLETO
CURSO: NOÇÕES DE PRIMEIROS SOCORROS COMPLETOCURSO: NOÇÕES DE PRIMEIROS SOCORROS COMPLETO
CURSO: NOÇÕES DE PRIMEIROS SOCORROS COMPLETO
 
Noções de Primeiros Socorros - NPS
Noções de Primeiros Socorros - NPSNoções de Primeiros Socorros - NPS
Noções de Primeiros Socorros - NPS
 
0430 queimaduras desidratação choque elétrico - Marion
0430 queimaduras desidratação choque elétrico - Marion0430 queimaduras desidratação choque elétrico - Marion
0430 queimaduras desidratação choque elétrico - Marion
 
PRIMEIROS SOCORROS CHOQUE ELETRICO
PRIMEIROS SOCORROS  CHOQUE ELETRICOPRIMEIROS SOCORROS  CHOQUE ELETRICO
PRIMEIROS SOCORROS CHOQUE ELETRICO
 
Primeiros socorros INCENDIO.ppt
Primeiros socorros INCENDIO.pptPrimeiros socorros INCENDIO.ppt
Primeiros socorros INCENDIO.ppt
 
vdocuments.pub_treinamento-de-primeiros-socorros [Salvo automaticamente].ppt
vdocuments.pub_treinamento-de-primeiros-socorros [Salvo automaticamente].pptvdocuments.pub_treinamento-de-primeiros-socorros [Salvo automaticamente].ppt
vdocuments.pub_treinamento-de-primeiros-socorros [Salvo automaticamente].ppt
 

Mais de emanueltstegeon

Mais de emanueltstegeon (10)

Trabalho a quente modulo II
Trabalho a quente   modulo IITrabalho a quente   modulo II
Trabalho a quente modulo II
 
Trabalho a Quente Modulo I
Trabalho a Quente   Modulo ITrabalho a Quente   Modulo I
Trabalho a Quente Modulo I
 
NR-33 - Espaço Confinado - Modulo III
NR-33 - Espaço Confinado - Modulo IIINR-33 - Espaço Confinado - Modulo III
NR-33 - Espaço Confinado - Modulo III
 
NR-33 - Espaço Confinado - Modulo II
NR-33 - Espaço Confinado - Modulo IINR-33 - Espaço Confinado - Modulo II
NR-33 - Espaço Confinado - Modulo II
 
NR-33 Espaço Confinado - Modulo I
NR-33   Espaço Confinado - Modulo INR-33   Espaço Confinado - Modulo I
NR-33 Espaço Confinado - Modulo I
 
NR 6 - Equipamento de Proteção Individual
NR 6 - Equipamento de Proteção IndividualNR 6 - Equipamento de Proteção Individual
NR 6 - Equipamento de Proteção Individual
 
Treinamento de CIPA modulo IV - Prevenção e Combate a Incêndio
Treinamento de CIPA   modulo IV - Prevenção e Combate a IncêndioTreinamento de CIPA   modulo IV - Prevenção e Combate a Incêndio
Treinamento de CIPA modulo IV - Prevenção e Combate a Incêndio
 
Treinamento de CIPA modulo III - NR 6 - Equipamento de Proteção Individual
Treinamento de CIPA   modulo III - NR 6 - Equipamento de Proteção IndividualTreinamento de CIPA   modulo III - NR 6 - Equipamento de Proteção Individual
Treinamento de CIPA modulo III - NR 6 - Equipamento de Proteção Individual
 
Treinamento de CIPA modulo II - Segurança do Trabalho
Treinamento de CIPA   modulo II - Segurança do TrabalhoTreinamento de CIPA   modulo II - Segurança do Trabalho
Treinamento de CIPA modulo II - Segurança do Trabalho
 
Treinamento de CIPA modulo I - NR 5 - Comissão Interna de Prevenção de Acidentes
Treinamento de CIPA modulo I - NR 5 - Comissão Interna de Prevenção de AcidentesTreinamento de CIPA modulo I - NR 5 - Comissão Interna de Prevenção de Acidentes
Treinamento de CIPA modulo I - NR 5 - Comissão Interna de Prevenção de Acidentes
 

Último (6)

ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdfATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
 
Saúde da Pessoa Negra e o papel da Psicologia.pptx
Saúde da Pessoa Negra e o papel da Psicologia.pptxSaúde da Pessoa Negra e o papel da Psicologia.pptx
Saúde da Pessoa Negra e o papel da Psicologia.pptx
 
Apresentação Saúde Mental para Adolescentes
Apresentação Saúde Mental para AdolescentesApresentação Saúde Mental para Adolescentes
Apresentação Saúde Mental para Adolescentes
 
Anatomia do Sistema Respiratorio função e movimentos musculares.
Anatomia do Sistema Respiratorio função e movimentos musculares.Anatomia do Sistema Respiratorio função e movimentos musculares.
Anatomia do Sistema Respiratorio função e movimentos musculares.
 
Humanização na Enfermagem: o que é e qual a importância?
Humanização na Enfermagem: o que é e qual a importância?Humanização na Enfermagem: o que é e qual a importância?
Humanização na Enfermagem: o que é e qual a importância?
 
Puerpério normal e patológico em obstetrícia
Puerpério normal e patológico em obstetríciaPuerpério normal e patológico em obstetrícia
Puerpério normal e patológico em obstetrícia
 

Primeiros Socorros Modulo V

  • 2.  É uma lesão produzida no organismo por agentes térmicos, químicos, radioativos, elétricos, etc., que podem lesar a pele, os músculos, os vasos sanguíneos, os nervos e os ossos.  Pode ser dividida segundo a profundidade e segundo a extensão.
  • 3. CLASSIFICAÇÃO De acordo com sua profundidade:  1º grau - atinge somente a epiderme, caracterizando-se por vermelhidão e dor na área atingida;  2º grau - atinge a epiderme e derme, caracterizando-se por dor local vermelhidão e formação de bolhas;  3º grau - atinge o tecido de revestimento, alcançando o tecido muscular, podendo atingir até o osso.  Caracteriza-se pela necrose de tecido, ausência de dor no interior da queimadura, devido à destruição dos terminais sensitivos, podendo a pele ficar escurecida ou esbranquiçada, além de apresentar queimaduras de 2º e 1º graus ao redor, as quais provocam fortes dores.
  • 4. REGRAS GERAIS DE ATENDIMENTO PARA VÍTIMAS DE QUEIMADURAS  Avalie as condições de segurança do local, identificando o tipo de acidente;  Interrompa o contato da vítima com o agente lesivo (térmico, químico ou elétrico).  Se necessário, remova a vítima para local seguro antes de prosseguir o atendimento;  Efetue a análise primária e secundária e trate os problemas em ordem de prioridade;  Vítimas de queimaduras podem apresentar outros tipos de trauma associados.  Portanto, faça o exame físico detalhado e se necessário adote as condutas relativas ao atendimento de um politraumatizado.  Dê especial cuidado durante o transporte para evitar agravamento das lesões ou maior sofrimento para o acidentado;
  • 5. TRATAMENTO QUEIMADURAS TÉRMICAS  Apague o fogo com cobertor ou pano, começando sempre da cabeça para os pés;  Interrompa a ação do calor, resfriando a vítima com água em temperatura ambiente;  Retire das extremidades anéis, pulseiras, relógios ou jóias antes que o membro apresente inchaço e a retirada fique impossibilitada;  Lave o local com água corrente em abundância, exceto nas queimaduras de 3º grau;  Se houver acometimento da face, dê especial atenção para às vias aéreas e respiração;
  • 6. TRATAMENTO QUEIMADURAS TÉRMICAS  Cubra os olhos da vítima com gaze umedecida em soro fisiológico ou água limpa;  Se acometer as mãos ou pés, separe os dedos com pequenos rolos de gazes umedecidas com soro fisiológico ou água limpa;  Não perfure bolhas e nem aplique medicamentos nas queimaduras;  Cubra a área queimada com um plástico estéril;  Evite contato de sua mão ou qualquer material contaminado com a área queimada;  Transporte-a com urgência para um hospital, prevenindo estado de choque, mantendo sinais vitais e nível de consciência.
  • 7. QUEIMADURAS QUÍMICAS  Retire rapidamente a roupa da vítima, se estiver impregnada com o produto, tomando cuidado para não se queimar;  Lave o local com água corrente abundante, pelo menos durante 20 minutos;  Se o produto for seco (na forma de granulado ou pó) retira-lo manualmente sem friccionar (com pano seco ou escova). Em seguida irrigar o local com água corrente abundante por 20 minutos;  Proceda igual as queimaduras térmicas.
  • 8. QUEIMADURAS PELO FRIO  A gravidade da lesão pelo frio depende da temperatura, da duração da exposição e das condições ambientais.  Temperaturas mais baixas, imobilização, exposição prolongada, umidade, presença de doença da circulação periférica e feridas abertas, aumentam a gravidade da lesão:  Troque roupas úmidas e apertadas por cobertores quentes;  De líquidos quentes para a pessoa beber;  Coloque a parte lesada em água quente corrente até voltar à cor rosa da pele;  Evite calor seco;  Leve assim que possível para o Pronto Socorro.
  • 9. INTERMAÇÃO (exaustão pelo calor)  Situação que ocorre quando uma pessoa que não está em boa condição física realiza exercícios excessivos em ambiente quente. Sinais e sintomas:  Respiração rápida e superficial;  Pulso fraco;  Pele fria e às vezes pálida;  Sudorese intensa;  Debilidade física generalizada;  Tontura e às vezes inconsciência.
  • 10. INSOLAÇÃO  Situação muito grave que ocorre quando uma pessoa tem sua temperatura corporal elevada por falha dos mecanismos de regulação.  A vítima nesse caso deixa de suar e a temperatura sobe aos poucos lesionando as células cerebrais podendo levar a morte. Sinais e sintomas:  Respirações profundas, seguidas de respirações superficiais;  Pulso rápido e forte, seguido de pulso rápido e fraco;  Pele seca e quente, às vezes, avermelhada;  Pupilas dilatadas;  Perda da consciência;  Convulsões e/ou tremor muscular podem estar presentes;  Coma.
  • 11. TRATAMENTO PRÉ-HOSPITALAR  Remova a vítima para um ambiente seguro, fresco e arejado;  Realize a análise primaria e secundária e trate os problemas em ordem de prioridade;  Se possível, remova as roupas do acidentado para diminuir a temperatura corporal;  Aplicar compressas frias, molhadas com água, na cabeça, pescoço, axilas, laterais do tórax. Importante:  Tenha cautela para não provocar hipotermia;  Transporte à vítima o mais rápido possível para um hospital;  Não utilize compressas com álcool;  Não forneça nada para a vítima ingerir
  • 12.  Os acidentes por eletricidade podem causar manifestações locais, produzindo queimaduras de vários graus, inclusive a carbonização; além de traumas associados como fraturas, luxações, etc., e repercussões gerais, atingindo o sistema nervoso, respiratório e circulatório podendo levar a óbito por parada cardiorrespiratória.
  • 13. Procedimento:  Corte a fonte geradora de eletricidade, desligando o interruptor principal;  na impossibilidade de desligar, retire a vítima da fonte geradora de eletricidade o mais rápido possível, usando-se para tal madeira, borracha ou qualquer outro material isolante, colocado-os no chão próximo à vítima, onde o socorrista ficará pisando em cima e com auxílio de um cabo de vassoura ou qualquer outro material, retire a vítima;  caso haja dificuldades em executar este procedimento, retire o ponto de apoio da vítima para que a mesma caia, desfazendo a “linha terra”. Tome cuidado para não esbarrar na vítima enquanto ela estiver presa à fonte geradora.  Se a vítima estiver dentro de um veículo, com os fios em contato com o mesmo, oriente a vítima a permanecer no seu interior até que a companhia de eletricidade possa desenergizar, a não ser que haja risco iminente de incêndio ou explosões; nestas situações, oriente a pular do veículo sem fechar o circuito com o solo.  Nunca encoste na vitima se ela ainda estiver em contato com a eletricidade, o corpo é condutor de energia, e o corpo dela poderá conduzir energia até o seu, gerando uma segunda vitima
  • 14. TRATAMENTO PRÉ-HOSPITALAR  Realize Análise Primária;  Observe atentamente a qualidade do pulso, pois nessas situações podem ocorrer arritmias cardíacas;  Trate a vítima como Politraumatizada, mantendo a vias aéreas pérvias e a estabilizando da coluna cervical;  Trate as queimaduras e ferimentos com técnicas adequadas;  Transporte ao hospital em prancha rígida, prevenindo estado de choque.
  • 15.  Consiste na perda da consciência na maioria das vezes por falta de oxigenação do cérebro.  Pode ser provocado por vários fatores como o cansaço, a falta de alimentação, stress, excesso de sol e outros.  Pode ser precipitado por nervosismo, angústia ou emoções fortes além de ocorrência de muitas outras doenças.
  • 16. TRATAMENTO PRÉ-HOSPITALAR  Areje o ambiente.  Deite a vítima com as costas em superfície rígida;  Abra suas vestes (cuidado para não expor a intimidade da vitima);  Eleve os membros inferiores (na suspeita de alguma patologia que provoque hipertensão arterial ou que acometa o cérebro, não elevar os membros inferiores);  Não permita aglomeração no local para não prejudicar a vítima;  Faça Análise Primária e Secundária;  Se não souber a causa do desmaio mesmo que a pessoa mantenha os sinais vitais, leve-a para o Pronto Socorro.
  • 17.  Contrações violentas, incoordenadas e involuntárias de parte ou da totalidade dos músculos, provocadas por diversas doenças neurológicas e não neurológicas ou por traumatismo crânio-encefálico.  São expressões de doenças orgânicas e não de doença mental.
  • 18. Causas das convulsões:  Epilepsia;  Febre alta (convulsões febris);  Traumatismo craniano;  Doenças infecciosas, inflamatórias ou tumores cerebrais;  Acidente Vascular Cerebral;  Intoxicações.
  • 19.  Doença neurológica convulsiva crônica.  Manifesta-se por perda súbita da consciência.  A epilepsia é uma enfermidade orgânica que pode apresentar-se de diversas formas.  Um episódio convulsivo epiléptico pode repetir-se muitas vezes e não é contagiosa.
  • 20. Sinais e sintomas de uma crise convulsiva:  Perda da consciência. A vítima poderá cair e sofrer um trauma;  Rigidez do corpo, especialmente do pescoço e extremidades.  Poderá desenvolver um quadro de leves tremores ou sacudidas de diversas amplitudes;  Pode ocorrer cianose (roxos) ou até parada respiratória.  Em algumas ocasiões, há perda do controle dos esfíncteres urinário e anal;  Depois das convulsões a vítima recupera o seu estado de consciência lentamente. Pode ficar confuso por um certo tempo e ter amnésia do episódio.
  • 21. TRATAMENTO PRÉ-HOSPITALAR  Afaste objetos e curiosos de sua proximidade;  Posicionar imediatamente a vítima deitada lateral, evitando que aspire secreções, permitindo a queda da base da língua e a liberação das vias aereas;  Não impeça os movimentos e mantenha a permeabilidade das vias aéreas, protegendo sua cabeça para evitar traumatismos durante a crise;  Afrouxe suas vestes;  Após a crise verifique a presença de corpos estranhos na boca (dentaduras, alimentos, etc.), previna hipotermia, trate eventuais ferimentos, preste apoio psicológico e conduza para o hospital, mantendo nível de consciência e sinais vitais;  Se a crise durar mais de 5 min, transporte mantendo os cuidados anteriores.
  • 22. Ao acabar a crise convulsiva poderá deixar a vitima em posição de segurança
  • 23.  Pode ocorrer durante a febre alta. É importante lembrar que poderá repetir- se (antecedentes). Sempre requer atenção médica. TRATAMENTO PRÉ-HOSPITALAR  Adote os cuidados gerais para qualquer tipo de crise convulsiva;  Baixe a temperatura com aplicação de compressas frias nos locais onde passam as principais artérias, tais como: pescoço, virilha, axilas e sob os joelhos;  Encaminhe para o hospital.
  • 24.  Toda a substância capaz de causar dano ou matar um organismo é chamada de toxina ou veneno.  Os seres vivos que secretam substâncias tóxicas são denominados de Animais Venenosos.  Os animais que produzem veneno e possuem um aparato especializado para injetá-lo são conhecidos como Animais Peçonhentos.  Todas as serpentes são venenosas, mas poucas são peçonhentas.  O mesmo podemos dizer das aranhas e escorpiões.
  • 25. TRATAMENTO PRÉ-HOSPITALAR ACIDENTES COM SERPENTES  Mantenha a vítima em repouso absoluto.  Evite que ela se movimente para não favorecer a absorção do veneno;  Remova anéis, pulseiras, braceletes e outros adornos;  Se a picada for na perna ou no braço, mantenha em posição mais elevada;  Não faça torniquete, impedindo a circulação do sangue, você pode causar gangrena e necrose;  Não corte o local da ferida evitando hemorragias e nem aplique folhas, pó de café ou terra sobre ele para não provocar infecção;  Não dê pinga, querosene ou fumo, como é costume em algumas regiões do País;  Leve a vítima imediatamente ao serviço de saúde mais próximo, para que possa receber o soro em tempo.
  • 26. ACIDENTES COM ARANHAS E ESCORPIÕES  Nos acidentes por aranhas e escorpiões com dor intensa, práticas como espremer ou sugar o local da picada tem demonstrado ser de pouca eficácia;  O tratamento sintomático, à base de anestésicos e analgésico, tem sido utilizado com resultados satisfatórios na maioria dos casos.  Encaminhe a vitima para um pronto socorro o mais rápido possível, lá os médicos aplicaram os medicamentos necessarios.
  • 27. Importante:  Em vitimas de acidentes com animais peçonhentos, o procedimento mais indicado é levar ao Hospital do Instituto Butantan, que está sempre aberto, ou solicitar instruções pelo telefone: (11) 3723-6969  O Hospital Vital Brasil, que é especializado em acidentes com animais peçonhentos e funciona dentro do Instituto Butantan, permanece aberto dia e noite. O tratamento é gratuito para qualquer pessoa com tal problema;  Capturar o animal que causou o acidente e trazê-lo junto com a pessoa picada, facilita o diagnóstico e o tratamento correto. Além disso, o soro é feito a partir do veneno que é extraído dos animais vivos que são enviados ao Instituto;  O Instituto Butantan orienta sobre a captura de aranhas e escorpiões;  O transporte por via férrea é gratuito, existindo um sistema de permuta de animais enviados por ampolas de soro antipeçonhento.