www.profcleytonpaes.blogspot.com.br
1AULAS PARTICULARES – PROF. CLEYTON PAES
ESTRUTURA E FORMAÇÃO DE PALAVRAS
1. Radical
I...
www.profcleytonpaes.blogspot.com.br
2AULAS PARTICULARES – PROF. CLEYTON PAES
Ex.: planalto, aguardente.
6.2. Derivação
Há ...
www.profcleytonpaes.blogspot.com.br
3AULAS PARTICULARES – PROF. CLEYTON PAES
Ex.: CRF (Clube de Regatas do Flamengo), PT (...
www.profcleytonpaes.blogspot.com.br
4AULAS PARTICULARES – PROF. CLEYTON PAES
derivação.
III. autodestruição, contrapartida...
www.profcleytonpaes.blogspot.com.br
5AULAS PARTICULARES – PROF. CLEYTON PAES
Acrescentem-se os seguintes casos:
a) Nos pre...
www.profcleytonpaes.blogspot.com.br
6AULAS PARTICULARES – PROF. CLEYTON PAES
Para-quedas Paraquedas
Manda-chuva Mandachuva...
www.profcleytonpaes.blogspot.com.br
7AULAS PARTICULARES – PROF. CLEYTON PAES
Antes do acordo Depois do acordo
Capim-açu Ca...
www.profcleytonpaes.blogspot.com.br
8AULAS PARTICULARES – PROF. CLEYTON PAES
a) antiinflacionário
b) antiético
c) supracit...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Dicas de português_hífen e processo de formação das palavras.

817 visualizações

Publicada em

E aí que tal tirar algumas dúvidas sobre o processo de formação das palavras e sobre o uso do hífen? Aproveite.

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
817
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
73
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Dicas de português_hífen e processo de formação das palavras.

  1. 1. www.profcleytonpaes.blogspot.com.br 1AULAS PARTICULARES – PROF. CLEYTON PAES ESTRUTURA E FORMAÇÃO DE PALAVRAS 1. Radical Indica o significado dos termos. Ex.: ferrugem, ferreiro, ferrinho – O radical é FERR, o que faz compreender ser algo relativo a ferro. 2. Afixos Dividem-se em dois tipos: Prefixos que se localizam antes do radical e Sufixos, após. INFELIZ – Prefixo IN; REELEITO – Prefixo RE. PENSAMENTO – Sufixo MENTO; ROTAÇÃO – Sufixo – ÇÃO. 3. Vogal temática Localiza-se após o radical nos nomes que não sejam oxítonos ou terminados em consoantes. Ex.: carro, planta, vida, espaço. Obs.: São atemáticos os nomes oxítonos ou terminados em consoantes. Ex.: café, urubu, fêmur, lápis. 4. Desinências 4.4.1. De gênero Indica a contrapartida de gênero masculino/feminino. Ex.: menino, menina; gato, gata. Obs.: Há autores que só reconhecem desinência de gênero nos substantivos femininos em contrapartida aos substantivos masculinos, pois a desinência de gênero serviria – na concepção deles – para diferençar o feminino do masculino e não o masculino do feminino. 4.2. De número Indica o plural. Ex.: casas, meninos. 4.3. De grau Indica o aumentativo ou o diminutivo dos nomes. Ex.: garotão, garotinho. 5. Vogais e consoantes de ligação Fazem a ligação entre o radical e o sufixo, desinência ou outro radical. Ex.: cafezinho, gasômetro. 6. Formação dos nomes 6.1. Composição Há mais de um radical. 6.1.1. Justaposição Não há perda de fonemas. Ex.: minissaia, pé de moleque. 6.1.2. Aglutinação Há perda de fonemas.
  2. 2. www.profcleytonpaes.blogspot.com.br 2AULAS PARTICULARES – PROF. CLEYTON PAES Ex.: planalto, aguardente. 6.2. Derivação Há apenas um radical. 6.2.1. Sufixal Radical + sufixo. Ex.: cafeteira, livraria. 6.2.2. Prefixal Prefixo + radical. Ex.: prefixo, dissílabo. 6.2.3. Prefixal e sufixal (derivação sucessiva) Prefixo + radical + sufixo. Ocorre quando uma palavra possui prefixo e sufixo, sem que um exija a presença do outro. Ex.: deslealdade, infelizmente. Observe que estas palavras possuem prefixo e sufixo, porém também existiriam sem a presença de um deles: desleal e lealdade, infeliz e felizmente. 6.2.4. Parassintética Prefixo + radical + sufixo. Acontece quando uma palavra possui prefixo e sufixo obrigatoriamente ao mesmo tempo, ou seja, um exige a presença do outro. A derivação parassintética é formadora de verbo. Ex.: anoitecer, enlouquecer. Observe que estas palavras não podem existir somente com prefixo e radical ou radical e sufixo: anoite e noitecer, enlouco e louquecer. 6.2.5. Regressiva Substantivo que se forma de verbo, perdendo fonema. Ex.: jogo (derivado de jogar), toque (derivado de tocar). 6.3. Conversão Palavra utilizada em classe gramatical diferente da de origem. Ex.: gilete (substantivo simples), Gillette (substantivo próprio); o falar (substantivo), falar (verbo). Obs.: Necessário se faz informar que a efetivação deste caso só pode ser observada no contexto. 6.4. Hibridismo Palavra formada por morfemas de origens diferentes. Ex.: burocracia (francês e grego); sociologia (latim e grego). 6.5. Reduplicação Repetição de parte da palavra. Ex.: tico-tico, reco-reco. 6.6. Abreviação Parte da palavra pelo todo. Ex.: moto (motocicleta), pneu (pneumático). 6.7. Sigla Iniciais das palavras.
  3. 3. www.profcleytonpaes.blogspot.com.br 3AULAS PARTICULARES – PROF. CLEYTON PAES Ex.: CRF (Clube de Regatas do Flamengo), PT (Partido dos Trabalhadores). 6.8. Neologismo Formação de novas palavras. Ex.: Nhenhenhém, imexível. Obs.: Quando um vocábulo já passou por vários processos de formação, devesse levar em consideração apenas a última fase. Por exemplo: a palavra ENTERRAR, por parassíntese, formou-se de TERRA e, por sua vez, por regressão, forma ENTERRO. Sendo assim, para a palavra ENTERRO, deve-se avaliar somente o último passo: a regressão. Já a palavra EMPOBRECER, por parassíntese, deriva-se de POBRE. Acrescendo-se o sufixo, forma EMPOBRECIMENTO. Para este vocábulo, leva-se em conta só o último processo: sufixal. Exercícios 1. (UFF) O sufixo destacado em “organizador” tem o mesmo valor semântico que o presente em: a) confidência b) outonal c) pedinte d) refeitório e) brasileiro 2. (UFF) A alternativa em que todos os sufixos têm, fundamentalmente, o mesmo valor que o sufixo presente no substantivo percursionista é: a) barbeiro, bancário, cantor b) estudante, formigueiro, vestiário c) jogador, noticiário, pedinte d) cinzeiro, poetastro, colaborador e) operário, fazendeiro, budismo 3. (Cesgranrio) Assinale a série de vocábulos em que todos os sufixos exprimem noção de qualidade: a) sensibilidade – delicadeza – docemente b) decoração – bronzeado – selvagem c) franqueza – doçura – ferocidade d) sentimento – rapidamente – majestosa e) dourado – vegetação – beleza 4. (PUC) Assinale o vocábulo cujo prefixo é semanticamente diferente do de “intocável”: a) afônico b) ilegal c) desconfortável d) anônimo e) imigrante 5. Fiscal ICMS-RJ – FGV. Com relação aos processos de formação de palavras, analise as afimativas a seguir: I. estruturador, civilizacional e renováveis são adjetivos formados por derivação sufial. II. hominização, dilapidação e autodestruição são substantivos formados por composição e
  4. 4. www.profcleytonpaes.blogspot.com.br 4AULAS PARTICULARES – PROF. CLEYTON PAES derivação. III. autodestruição, contrapartida e responsabilidade são substantivos formados por composição. Assinale: a) se somente a afirmativa I estiver correta. b) se somente a afirmativa II estiver correta. c) se somente a afirmativa III estiver correta. d) se somente as afirmativas I e II estiverem corretas. e) se todas as afirmativas estiverem corretas. 6. (Uni-Rio) Numere a coluna da direita, relacionando-a com a da esquerda, pelo significado do prefixo. A seguir, assinale a resposta correta: 1) desesperança ( ) repetição 2) contramarcha ( ) oposição 3) redobra ( ) privação, negação 4) influir ( ) passar além de 5) translúcido ( ) movimento para dentro a) 3-5-2-1-4 b) 2-3-4-5-1 c) 3-2-1-5-4 d) 4-3-2-1-5 e) 5-4-3-1-2 7. (Uni-Rio) Assinale a opção em que os prefixos têm o mesmo significado: a) contradizer – antídoto b) desfolhar – epiderme c) decapitar – homicídio d) supercílio – acéfalo e) semimorto – perianto 8. (Tiradentes) Assinale o par de vocábulos cujos sufixos apresentam valor semântico idêntico ao dos sufixos de “empreendedor” e “riqueza”, respectivamente. a) estudante / ancaradouro b) dormitório / inabilidade c) brasileiro / folhagem d) professor / artista e) faxineiro / doçura GABARITO: 1 –C 2-A 3-C 4-E 5-A 6-C 7-A 8-E USO DO HÍFEN Uso do hífen em prefixos – regra geral – emprega-se o hífen, quando, após o prefixo, aparecer a mesma letra ou H. Ex.: Arqui-inimigo, infra-hepático, anti-inflmatório, contra-almirante, sobre-humano, sobre- estimar, ad-digital, sub-biblioteca, sub-humano, inter-regional, super-revista, super-homem
  5. 5. www.profcleytonpaes.blogspot.com.br 5AULAS PARTICULARES – PROF. CLEYTON PAES Acrescentem-se os seguintes casos: a) Nos prefixos terminados em D ou B (ab, ad, ob, sob, sub), além da situação prevista na regra geral (mesma letra ou H), vindo R, usa-se o hífen. Ex.: ad-referendar, sub-reitor, sob-roda b) No prefixo CIRCUM, além da situação prevista na regra geral (mesma letra ou H), vindo B, N, P ou VOGAL, também se usa o hífen. Ex.: circum-escolar, circum-hospitalar, circum-navegação. c) No prefixo PAN, além da situação prevista na regra geral (mesma letra ou H), vindo B, M, P ou VOGAL, também se usa o hífen. Ex.: pan-harmônico, pan-brasileiro, pan-mágico, pan-americano d) Emprega-se o hífen, quando o primeiro termo for acentuado (pré, pró, pós). Ex.: pós-graduação, pré-história, pró-europeu e) Emprega-se o hífen com os prefixos ex (anterioridade), sota, soto, vice, vizo. Ex.: ex-presidente, sota-capitão, soto-almirante, vice-governador, vizo-rei Obs.: Segundo Evanildo Bechara, “nos casos em que não houver perda do som da vogal final do 1 o elemento, e o elemento seguinte começar com “h”, serão usadas as duas formas gráfias: bi-hebdomadário e biebdomadário;carbo-hidrato e carboidrato; zoo-hematina e zooematina.” Tal possibilidade foi explorada pela Fundação Getúlio Vargas, em questões de ortografia, mencionando a correção da ortografia em “megaipótese” e “socioistórico”. NÃO SE USA O HÍFEN NOS PREFIXOS a) Nas aglutinações dos prefixos co- e re- e nas aglutinações iniciadas por pro- ou pre- (sem acento) com vocábulos iniciados por O ou E: Ex.: cooperar, coedição, reelaborar, reedição, preeleito, preeminência, OBS.: Há alternância entre PRE e PRÉ – que permite as duas ortografis – nos seguintes casos: preembrião / pré-embrião; preesclerótico / pré-esclerótico; preeleito / pré- eleito. b) Quando, após os prefixos DES e IN, se o segundo elemento perder o H inicial. Ex.: desumano, inábil c) Quando a situação não se enquadrar nos itens iniciais A a E deste capítulo. Ex.: infraestrutura, extraoficial, intrauterino, contraespião, semiárido, adjunto, sublinha, supermercado, antiaéreo, neoimperialismo, pseudoepígrafe... Obs.: Sendo o prefixo concluído em vogal, e o elemento seguinte iniciado por R ou S, tais consoantes deverão ocorrer dobradas. Ex.: antirreligioso, contrarrazões, microssistema, minissaia. EMPREGO DE HÍFEN NOS COMPOSTOS a) Emprega-se hífen nas palavras compostas por justaposição, em que os elementos mantêm uma unidade semântica, mas constituem uma tonicidade própria. O primeiro elemento será representado por uma forma substantiva, adjetiva, numeral ou verbal (não houve alteração): Obs.: Não se usa hífen em palavras compostas cuja noção de composição se perdeu: Antes do acordo Depois do acordo
  6. 6. www.profcleytonpaes.blogspot.com.br 6AULAS PARTICULARES – PROF. CLEYTON PAES Para-quedas Paraquedas Manda-chuva Mandachuva Gira-sol Girassol Ponta-pé Pontapé Obs.: Outros compostos com a forma verbal “PARA” e “MANDA” continuarão sendo separados por hífen: para-brisa, para-lama, para-choque, manda-tudo. b) Emprega-se hífen nas formas compostas por grã- ou grão- quando formarem nomes geográficos, ou nas formas verbais e nos compostos ligados por artigo (não houve alteração): Antes do acordo Depois do acordo Grã-Bretanha Grã-Bretanha Grão-Pará Grão-Pará Passa-Quatro Passa-Quatro Trás-os-Montes Trás-os-Montes c) Emprega-se hífen em compostos que designam espécies botânicas e zoológicas (não houve alteração): Antes do acordo Depois do acordo Andorinha-do-mar Andorinha-do-mar Cobra-capelo Cobra-capelo João-de-barro João-de-barro Erva-doce Erva-doce Obs.: Quando os compostos acima tiverem aplicação diferente, não se usará hífen (não houve alteração): Antes do acordo Depois do acordo Bico-de-papagaio (planta) Bico de papagaio (nariz adunco) Bola-de-neve (arbusto europeu) Bola de neve (aquilo que toma vulto rapidamente) Não-me-toques (plantas) Não me toques (melindres) d) Emprega-se hífen quando o primeiro elemento estiver representado pelas formas além, aquém, recém, bem e sem (não houve alteração): Antes do acordo Depois do acordo Além-mar Além-mar Aquém-mar Aquém-mar Recém-casado Recém-casado Bem-humorado Bem-humorado Sem-vergonha Sem-vergonha Obs.: O advérbio BEM, em muitas situações, ocorre aglutinado ao termo seguinte. Tal situação se dá, quando o significado primitivo dos termos é alterado. Ex.: bendito (= abençoado), benfeito (= benefício), benfeitor e) Emprega-se hífen nas palavras terminadas por sufixos de origem tupiguarani que representam formas adjetivas (-açu = grande; -guaçu =grande; -mirim = pequeno) (não houve alteração):
  7. 7. www.profcleytonpaes.blogspot.com.br 7AULAS PARTICULARES – PROF. CLEYTON PAES Antes do acordo Depois do acordo Capim-açu Capim-açu Ceará-mirim Ceará-mirim Amoré-guaçu Amoré-guaçu f) Emprega-se hífen quando o primeiro elemento for “mal” e o segundo elemento começar por vogal, h ou l (não houve alteração): Antes do acordo Depois do acordo Mal-entendido Mal-entendido Mal-humorado Mal-humorado Mal-limpo Mal-limpo Obs.: Malcriado, malgrado, malvisto etc. Quando mal significar doença, empregar-se-á o hífen: mal-caduco. NÃO SE EMPREGA O HÍFEN NAS SEGUINTES COMPOSIÇÕES a) Nas formas empregadas adjetivamente com afro-; anglo-; franco-; indo-; luso-; sino- e semelhantes. Estas continuarão a ser grafadas sem hífen em: Afrodescendente Anglomania Eurocêntrico Eurodeputado Obs.: Torna-se necessário, como já o era, o emprego do hífen, quando houver mais de uma etnia. Afro-brasileiro, anglo-saxão, euro-asiático. b) Nas locuções – substantivas – cão de guarda, fim de semana, mão de obra, sala de jantar – adjetivas – cor de café com lei, cor de vinho – pronominais – eu próprio, ninguém mesmo – adverbiais – à parte, à vontade, depois de amanhã – prepositivas – a fim de, ao encontro de, apesar de, com objetivo de, de encontro a – conjuntivas – a fim de que, à medida que Obs.: Em face de serem termos consagrados pelo uso, conservou-se o hífen em: água-de- colônia, mais-que-perfeito, pé-de-meia, ao deus-dará, à queima-roupa. 27. Em consonância com o novo acordo ortográfico, que vocábulo a seguir perdeu o hífen? a) anti-higiênico; b) ex-almirante; c) auto-sugestão d) sub-reino e) semicírculo 28. Em consonância com o novo acordo ortográfico, que vocábulo passou a ter hífen?
  8. 8. www.profcleytonpaes.blogspot.com.br 8AULAS PARTICULARES – PROF. CLEYTON PAES a) antiinflacionário b) antiético c) supracitado d) sobreloja e) hipermercado 29. (Santa Casa) Considerando-se que o hífen é empregado corretamente: nos compostos, cujos elementos, reduzidos ou não, perderam a sua significação própria; nos compostos com o primeiro elemento de forma adjetiva, reduzida ou não, assinale a alternativa que contém apenas exemplos certos, de acordo com a regra: a) extraordinário, sobre-mesa, anti-higiênico; b) maleducado, mal-humorado, subreino; c) arco-íris, tenente-coronel, luso-brasileiro; d) paraquedista, panamericano, bel-prazer; e) auto-sugestão, extraregimental, pró-cônsul. 30. Analista Legislativo Senado Federal – FGV – A palavra megadiversidade foi grafada corretamente no texto. Assinale a alternativa em que, compondo-se palavra com o elemento mega-, obedeceu-se às regras de ortografia. a) mega-homenagem b) megaipótese c) mega sucesso d) megaritual e) mega-evento GABARITO: 27- C 28-A 29-C 30-B Os exercícios contidos aqui são apenas para fixação do conteúdo. REFERÊNCIA ROSENTHAL, Marcelo. Gramática para concursos [recurso eletrônico]: teoria e mais de 1000 questões. 5ª edição. Rio de Janeiro: ELSEVIER, 2011. ALMEIDA, Nilson Teixeira de. Gramática da Língua Portuguesa para concursos, vestibulares, ENEM, colégios técnicos e militares. 9ª edição. São Paulo: Saraiva, 2012.

×