SlideShare uma empresa Scribd logo
CONCURSO SEE-MG - EDITAL 2011
LÍNGUA PORTUGUESA
GRAMÁTICA
CLASSE DE PALAVRAS
ATENAS – CURSO PREPARATÓRIO PARA CONCURSOS
PÚBLICOS.
A língua portuguesa subdivide-se em QUATRO GRUPOS DE
ESTUDOS, levando em consideração cada aspecto da língua.
SINTAXE - A sintaxe é a parte da gramática que estuda a
disposição das palavras na frase e a das frases no discurso,
bem como a relação lógica das frases entre si.
SEMÂNTICA - é o estudo do sentido das palavras de uma
língua.
MORFOLOGIA - é o estudo da estrutura, da formação e da
classificação das palavras. A morfologia está agrupada em dez
classes, denominadas classes de palavras ou classes
gramaticais. São elas: Substantivo, Artigo, Adjetivo,
Numeral, Pronome, Verbo, Advérbio, Preposição,
Conjunção e Interjeição.
FONOLOGIA - é o ramo da linguística que estuda o sistema
sonoro de um idioma. Ao estudar a maneira como os fones
(sons) se organizam dentro de uma língua, classifica-os em
unidades capazes de distinguir significados, chamadas
fonemas.
MORFOLOGIA
Classes gramaticais
Variáveis – substantivos, adjetivos, pronomes, artigos,
numerais e verbos.
Invariáveis - preposições, conjunções, advérbios e
interjeições.
SUBSTANTIVO
Tudo o que existe é ser e cada ser tem um nome.
Substantivo é a classe gramatical de palavras variáveis, as
quais denominam os seres. Além de objetos, pessoas e
fenômenos, os substantivos também nomeiam:
lugares: Alemanha, Porto Alegre... / sentimentos: raiva,
amor... /estados: alegria, tristeza... / qualidades:
honestidade, sinceridade... / -ações: corrida, pescaria...
CLASSIFICAÇÃO
Comum - é aquele que designa os seres de uma mesma
espécie de forma genérica. Ex: cidade, menino, homem,
mulher, país, cachorro.
Próprio: é aquele que designa os seres de uma mesma
espécie de forma particular. Ex: Londres, Paulinho, Pedro,
Tietê, Brasil.
Concreto: é aquele que designa o ser que existe,
independentemente de outros seres. Obs: os substantivos
concretos designam seres do mundo real e do mundo
imaginário.
real: homem, mulher, cadeira, cobra, Brasília, etc.
imaginário: saci, mãe-d'água, fantasma, etc.
Abstrato: é aquele que designa seres que dependem de
outros para se manifestar ou existir. Os substantivos abstratos
designam estados, qualidades, ações e sentimentos dos
seres, dos quais podem ser abstraídos, e sem os quais não
podem existir. Ex: vida (estado), rapidez (qualidade), viagem
(ação), saudade (sentimento).
Coletivos - é o substantivo comum que, mesmo estando no
singular, designa um conjunto de seres da mesma espécie.
Ex: abelha - enxame, colmeia; aluno – classe.
Nota: o coletivo é um substantivo singular, mas com ideia de
plural.
Formação dos Substantivos
Simples: é aquele formado por um único elemento.Ex:
tempo, sol, sofá, etc.
Composto: é aquele formado por dois ou mais elementos.
Ex: beija-flor, passatempo.
Primitivo: é aquele que não deriva de nenhuma outra palavra
da própria língua portuguesa. O substantivo limoeiro é
derivado, pois se originou a partir da palavra limão.
Derivado: é aquele que se origina de outra palavra.
FLEXÃO DOS SUBSTANTIVOS
O substantivo é uma classe variável. A palavra é variável
quando sofre flexão (variação). A palavra menino, por
exemplo, pode sofrer variações para indicar:
Plural: meninos / Feminino: menina / Aumentativo: meninão
Diminutivo: menininho
Flexão de Gênero
Na língua portuguesa, há dois gêneros: masculino e feminino.
Pertencem ao gênero masculino os substantivos que podem
vir precedidos dos artigos o, os, um, uns. Veja estes títulos
de filmes:
- O velho e o mar. / - Um Natal inesquecível. / - Os reis da
praia
Pertencem ao gênero feminino os substantivos que podem
vir precedidos dos artigos a, as, uma, umas:
Ex: A história sem fim - / Uma cidade sem passado.
Substantivos Biformes e Uniformes
Biformes (= duas formas): ao indicar nomes de seres
vivos, geralmente o gênero da palavra está relacionado ao
sexo do ser, havendo, portanto, duas formas, uma para o
masculino e outra para o feminino. Observe: gato – gata,/
homem – mulher / poeta – poetisa / prefeito – prefeita.
Uniformes: são aqueles que apresentam uma única forma,
que serve tanto para o masculino quanto para o feminino.
Classificam-se em:
Epicenos: têm um só gênero e nomeiam bichos. Ex: a cobra
macho e a cobra fêmea, o jacaré macho e o jacaré fêmea.
Sobrecomuns: têm um só gênero e nomeiam pessoas. Ex: a
criança, a testemunha, a vítima, o cônjuge, o gênio, o ídolo, o
indivíduo.
Comuns de Dois Gêneros: indicam o sexo das pessoas por
meio do artigo. Ex: o colega e a colega, o doente, a doente, o
artista , a artista.
Existem certos substantivos que, variando de gênero,
variam em seu significado.
Por exemplo:
o rádio (aparelho receptor) e a rádio (estação emissora)
o capital (dinheiro) e a capital (cidade)
Plural dos Substantivos Compostos
A formação do plural dos substantivos compostos depende
da forma como são grafados, do tipo de palavras que formam
o composto e da relação que estabelecem entre si. Aqueles
que são grafados sem hífen comportam-se como os
substantivos simples:
Aguardente - aguardentes girassol – girassóis
pontapé - pontapés malmequer – malmequeres
O plural dos substantivos compostos cujos elementos são
ligados por hífen costuma provocar muitas dúvidas e
discussões. Algumas orientações são dadas a seguir:
a) Flexionam-se os dois elementos, quando formados de
substantivo + substantivo = couve-flor e couves-flores
substantivo + adjetivo = amor-perfeito e amores-perfeitos
adjetivo + substantivo = gentil-homem e gentis-homens
numeral + substantivo = quinta-feira e quintas-feiras
b)Flexiona-se somente o segundo elemento, quando
formados de:
verbo + substantivo = guarda-roupa e guarda-roupas
palavra invariável + palavra variável = alto-falante e alto-
falantes
palavras repetidas ou imitativas = reco-reco e reco-recos
c) Flexiona-se somente o primeiro elemento
substantivo + preposição clara + substantivo = água-de-
colônia e águas-de-colônia
substantivo + preposição oculta + substantivo = cavalo-vapor
e cavalos-vapor
substantivo + substantivo que funciona como determinante
do primeiro, ou seja, especifica a função ou o tipo do termo
anterior.
Exemplos:
palavra-chave - palavras-chave
bomba-relógio - bombas-relógio
notícia-bomba - notícias-bomba
homem-rã - homens-rã
peixe-espada - peixes-espada
ADJETIVOS
Adjetivo é a palavra que expressa uma qualidade ou
característica do ser e se "encaixa" diretamente ao lado de
um substantivo.
Ao analisarmos a palavra bondoso, percebemos que além
de expressar uma qualidade, ela pode ser "encaixada
diretamente" ao lado de um substantivo: homem bondoso,
moça bondosa, pessoa bondosa.
Já com a palavra bondade, embora expresse uma qualidade,
não acontece o mesmo; não faz sentido dizer: homem
bondade, moça bondade, pessoa bondade. Bondade,
portanto, não é adjetivo, mas substantivo, pois admite o
artigo: a bondade.
Classificação
Explicativo: exprime qualidade própria do ser. Por exemplo:
neve fria.
Restritivo: exprime qualidade que não é própria do ser. Por
exemplo: fruta madura.
Formação
simples - Formado por um só radical. brasileiro, escuro.
Composto - Formado por mais de um radical. luso-
brasileiro, castanho-escuro, amarelo-canário.
Primitivo - aquele que dá origem a outros adjetivos. belo,
bom, feliz, puro.
Derivado - É aquele que deriva de substantivos ou verbos.
belíssimo, bondoso, magrelo.
*** Morfossintaxe do Adjetivo: O adjetivo exerce sempre
funções sintáticas relativas aos substantivos, atuando como
adjunto adnominal ou como predicativo (do sujeito ou do
objeto).
Pátrio - indica a nacionalidade ou o lugar de origem do ser.
Observe alguns deles:
Estados e cidades brasileiros:
Acre acreano
Alagoas alagoano
Amapá amapaense
Pátrio Composto - na formação do adjetivo pátrio composto,
o primeiro elemento aparece na forma reduzida e,
normalmente, erudita. Observe :
África afro- / Por exemplo: Cultura afro-americana
Portugal luso- / Por exemplo: Acordos luso-brasileiros
*** LOCUÇÃO ADJETIVA
Locução = reunião de palavras. Sempre que são
necessárias duas ou mais palavras para contar a mesma
coisa, tem-se locução. Às vezes, uma preposição +
substantivo tem o mesmo valor de um adjetivo: é a Locução
Adjetiva (expressão que equivale a um adjetivo.)
Por exemplo: aves da noite (aves noturnas), paixão sem
freio (paixão desenfreada).
Obs.: nem toda locução adjetiva possui um adjetivo
correspondente, com o mesmo significado. Ex:
Vi as alunas da 5ª série. / O muro de tijolos caiu.
**** É necessário critério!
Há muitos adjetivos que mantêm certa correspondência de
significado com locuções adjetivas, e vice-versa. No entanto, isso
não significa que a substituição da locução pelo adjetivo seja
sempre possível. Tampouco o contrário é sempre admissível.
Colar de marfim é uma expressão cotidiana; seria pouco
recomendável passar a dizer colar ebúrneo ou ebóreo, pois esses
adjetivos têm uso restrito à linguagem literária. Contrato leonino
é uma expressão usada na linguagem jurídica; é muito pouco
provável que os advogados passem a dizer contrato de leão. Em
outros casos, a substituição é perfeitamente possível,
transformando a equivalência entre adjetivos e locuções
adjetivas em mais uma ferramenta para o aprimoramento dos
textos, pois oferece possibilidades de variação vocabular.
Por exemplo: A população das cidades tem aumentado. A falta
de planejamento urbano faz com que isso se torne um imenso
problema.
FLEXÃO DOS ADJETIVOS
O adjetivo varia em gênero, número e grau.
Gênero - os adjetivos concordam com o substantivo a que
se referem (masculino e feminino). De forma semelhante aos
substantivos, classificam-se em:
Biformes - têm duas formas, sendo uma para o masculino e
outra para o feminino. ativo e ativa, mau e má, judeu e judia.
Se o adjetivo é composto e biforme, ele flexiona no feminino
somente o último elemento.o motivo socioliterário, a causa
socioliterária. Exceção: surdo-mudo e surda-muda.
Uniformes - têm uma só forma tanto para o masculino como
para o feminino.
Ex: homem feliz e mulher feliz.Se o adjetivo é composto e
uniforme, fica invariável no feminino.Ex: conflito político-
social e desavença político-social.
Composto - é aquele formado por dois ou mais elementos.
Normalmente, esses elementos são ligados por hífen.
Apenas o último elemento concorda com o substantivo a
que se refere; os demais ficam na forma masculina, singular.
Caso um dos elementos que formam o adjetivo composto
seja um substantivo adjetivado, todo o adjetivo composto
ficará invariável.
Ex: a palavra rosa é originalmente um substantivo, porém, se
estiver qualificando um elemento, funcionará como adjetivo.
Caso se ligue a outra palavra por hífen, formará um adjetivo
composto; como é um substantivo adjetivado, o adjetivo
composto inteiro ficará invariável.
Exemplos:
Camisas rosa-claro.
Ternos rosa-claro.
Olhos verde-claros.
Calças azul-escuras e camisas verde-mar.
Telhados marrom-café e paredes verde-claras.
Obs: - Azul-marinho, azul-celeste, ultravioleta e qualquer
adjetivo composto iniciado por cor-de-... são sempre
invariáveis.
- Os adjetivos compostos surdo-mudo e pele-vermelha têm
os dois elementos flexionados.
Grau
Os adjetivos flexionam-se em grau para indicar a intensidade
da qualidade do ser. São dois os graus do adjetivo: o
comparativo e o superlativo.
Comparativo - Nesse grau, comparam-se a mesma
característica atribuída a dois ou mais seres ou duas ou
mais características atribuídas ao mesmo ser. O
comparativo pode ser de igualdade, de superioridade ou de
inferioridade. Observe os exemplos abaixo:
1) Sou tão alto como você. Comparativo De Igualdade
No comparativo de igualdade, o segundo termo da
comparação é introduzido pelas palavras como, quanto ou
quão.
2) Sou mais alto (do) que você. Comparativo de
Superioridade Analítico
No comparativo de superioridade analítico, entre os dois
substantivos comparados, um tem qualidade superior. A forma
é analítica porque pedimos auxílio a "mais...do que" ou
"mais...que".
3) O Sol é maior (do) que a Terra. Comparativo de
Superioridade Sintético.
Alguns adjetivos possuem, para o comparativo de
superioridade, formas sintéticas, herdadas do latim. São eles:
bom-melhor pequeno-menor
mau-pior alto-superior
grande-maior baixo-inferior
IMPORTANTE:
a) As formas menor e pior são comparativos de
superioridade, pois equivalem a mais pequeno e mais
mau, respectivamente.
b) Bom, mau, grande e pequeno têm formas sintéticas
(melhor, pior, maior e menor), porém, em comparações
feitas entre duas qualidades de um mesmo elemento,
deve-se usar as formas analíticas mais bom, mais mau,
mais grande e mais pequeno.
Pedro é maior do que Paulo - Comparação de dois
elementos.
Pedro é mais grande que pequeno - comparação de duas
qualidades de um mesmo elemento.
4) Sou menos alto (do) que você. Comparativo De
Inferioridade. Sou menos passivo (do) que tolerante.
Superlativo - expressa qualidades num grau muito elevado
ou em grau máximo. O grau superlativo pode ser absoluto
ou relativo e apresenta as seguintes modalidades:
Superlativo Absoluto: ocorre quando a qualidade de um ser
é intensificada, sem relação com outros seres. Apresenta-
se nas formas:
Analítica: a intensificação se faz com o auxílio de palavras
que dão ideia de intensidade (advérbios).
O secretário é muito inteligente.
Sintética: a intensificação se faz por meio do acréscimo de
sufixos.
Por exemplo:
O secretário é inteligentíssimo.
Observe alguns superlativos sintéticos:
benéfico beneficentíssimo
bom boníssimo ou ótimo
Superlativo Relativo: ocorre quando a qualidade de um ser
é intensificada em relação a um conjunto de seres. Essa
relação pode ser:
De Superioridade: Clara é a mais bela da sala.
De Inferioridade: Clara é a menos bela da sala.
Adjetivos, leitura e produção de textos
   A adjetivação é um dos elementos modalizadores de um texto, 
ou seja, imprime ao que se fala ou escreve. Quando é excessiva e 
voltada a obtenção de efeitos retóricos, prejudica a qualidade do 
texto  e  evidencia  o  despreparo  ou  a  má-fé  de  quem  escreve. 
Quando é feita com sobriedade e sensibilidade, contribui para a 
eficiência interlocutiva do texto.
   Nos textos dissertativos, os adjetivos normalmente explicitam a 
posição de quem escreve em relação ao assunto tratado. É muitas 
vezes por meio de adjetivos que os juízos e avaliações do produtor 
do  texto  vêm  a  tona,  transmitindo  ao  leitor  atitudes  como 
provação, reprovação, aversão, admiração, indiferença. Analisar a 
adjetivação de um texto dissertativo é, portanto, um bom caminho 
para captar com segurança a opinião de quem o produziu. Lembre-
se de que é a sua adjetivação que deve cumprir esse papel quando 
você escreve.  
Nos textos ou passagens descritivas, os adjetivos cumprem uma 
função mais plástica: é por meio deles que se costuma atribuir 
formas, cor, peso, sabor e outras dimensões aos seres que estão 
sendo  descritos.  É  óbvio  que,  neste  caso,  o  emprego  de  uma 
seleção sensível e eficiente de adjetivos conduz a um texto mais 
bem-sucedido,  capaz  de  transmitir  ao  leitor  uma  impressão 
bastante nítida do ser ou objeto descrito. São nessas passagens 
descritivas que a adjetivação atua nos textos narrativos.
NUMERAL
Numeral é a palavra que indica os seres em termos
numéricos, isto é, que atribui quantidade aos seres ou os
situa em determinada sequência.
Exemplos:
Os quatro últimos ingressos foram vendidos há pouco.
[quatro: numeral = atributo numérico de "ingresso"]
Eu quero café duplo, e você?
...[duplo: numeral = atributo numérico de "café"]
A primeira pessoa da fila pode entrar, por favor!
...[primeira: numeral = situa o ser "pessoa" na sequência
de "fila"]
Note bem: os numerais traduzem, em palavras, o que os
números indicam em relação aos seres. Assim, quando a
expressão é colocada em números (1, 1°, 1/3, etc.) não se
trata de numerais, mas sim de algarismos.
Além dos numerais mais conhecidos, já que refletem a ideia
expressa pelos números, existem mais algumas palavras
consideradas numerais porque denotam quantidade,
proporção ou ordenação. São alguns exemplos: década,
dúzia, par, ambos(as), novena.
Classificação
Cardinais: indicam contagem, medida. É o número básico.
um, dois, cem mil, etc.
Ordinais: indicam a ordem ou lugar do ser numa série dada.
Por exemplo: primeiro, segundo, centésimo, etc.
Fracionários: indicam parte de um inteiro, ou seja, a divisão
dos seres. Por exemplo: meio, terço, dois quintos, etc.
Multiplicativos: expressam ideia de multiplicação dos seres,
indicando quantas vezes a quantidade foi aumentada. Por
exemplo: dobro, triplo, quíntuplo, etc.
Flexão
Os numerais cardinais que variam em gênero são um/uma,
dois/duas e os que indicam centenas de duzentos/duzentas
em diante: trezentos/trezentas; quatrocentos/quatrocentas,
etc. Cardinais como milhão, bilhão, trilhão, etc. variam em
número: milhões, bilhões, trilhões, etc. Os demais cardinais
são invariáveis. Os numerais ordinais variam em gênero e
número:
primeiro segundo milésimo
primeira segunda milésimas
Os numerais multiplicativos são invariáveis quando
atuam em funções substantivas:
Por exemplo:
Fizeram o dobro do esforço e conseguiram o triplo de
produção.
Quando atuam em funções adjetivas, esses numerais
flexionam-se em gênero e número:
Por exemplo:
Teve de tomar doses triplas do medicamento.
Os numerais fracionários flexionam-se em gênero e
número. Observe:
um terço/dois terços
Os numerais coletivos flexionam-se em número. Veja:
uma dúzia / um milheiro / duas dúzias
É comum na linguagem coloquial a indicação de grau nos
numerais, traduzindo afetividade ou especialização de sentido.
É o que ocorre em frases como:
Me empresta duzentinho...
É artigo de primeiríssima qualidade!
O time está arriscado por ter caído na segundona. (= segunda
divisão de futebol)
Emprego dos Numerais
Para designar papas, reis, imperadores, séculos e partes em
que se divide uma obra, utilizam-se os ordinais até décimo e
a partir daí os cardinais, desde que o numeral venha
depois do substantivo:
Ordinais Cardinais
João Paulo II (segundo) Tomo XV (quinze)
D. Pedro II (segundo) Luís XVI (dezesseis)
Ato II (segundo) Capítulo XX (vinte)
Século VIII (oitavo) Século XX (vinte)
Canto IX (nono) João XXIII ( vinte e três)
Para designar leis, decretos e portarias, utiliza-se o ordinal
até nono e o cardinal de dez em diante:
Artigo 1.° (primeiro) Artigo 10 (dez)
Artigo 9.° (nono) Artigo 21 (vinte e um)
Ambos/ambas são considerados numerais. Significam "um
e outro", "os dois" (ou "uma e outra", "as duas") e são
largamente empregados para retomar pares de seres aos
quais já se fez referência.
Por exemplo:
Pedro e João parecem ter finalmente percebido a
importância da solidariedade. Ambos agora partcipam das
atividades comunitárias de seu bairro.
Obs.: a forma "ambos os dois" é considerada enfática.
Numerais, leitura e produção de textos.
O conhecimento das formas da norma padrão dos numerais
é obviamente importante para quem tem necessidade de
produzir e interpretar textos em linguagem formal. Em
particular nas exposições orais, o uso dessas formas é
indispensável, por razões óbvias (não é possível substituir
numerais por algarismos na língua falada!), e evita
constrangimentos que podem comprometer a credibilidade
do expositor.
Os numerais também podem ser empregados na produção
e interpretação de textos dissertativos escritos. As palavras
dessa classe gramatical compartilham com os pronomes a
capacidade de retomar ou antecipar entes e dados e de
inter-relacionar partes do texto. São, por isso, elementos
importantes para a obtenção de coesão e coerência
textuais.
1. Qual das palavras destacadas a seguir não é um adjetivo?
a) As pesquisas eliminaram PARTE da emoção. 
b) Os BONS candidatos nem sempre são eleitos. 
c) Nas eleições há feriado NACIONAL. 
d) As GRANDES empresas patrocinam candidatos. 
e) Os resultados são dados no dia SEGUINTE. 
2. Assinale a palavra cujo gênero está indevidamente indicado pelo artigo. 
a) a dó 
b) a dinamite 
c) o suéter 
d) o champanhe 
e) a cal
3 - Das palavras abaixo, qual pode trocar de gênero, sem sofrer nenhuma
alteração ortográfica, apenas pela troca de artigo que a anteceda?
a) cientistas
b) biólogo
c) princípio                          
d) professor
e) altura 
Pronome
É a palavra que acompanha ou
substitui o substantivo, indicando
sua posição em relação às pessoas
do discurso ou mesmo situando-o no
espaço e no tempo.
OS PRONOMES PODEM SER:
•substantivos: são aqueles que tomam o lugar do 
substantivo.
 
Ela era a mais animada da festa.
•adjetivos: são aqueles que acompanham o 
adjetivo.
 
Minha bicicleta quebrou.
 
CLASSIFICAÇÃO DOS PRONOMES
•Pronome pessoal
•Pronome possessivo
•Pronome demonstrativo
•Pronome relativo
•Pronome indefinido
•Pronome interrogativo
Pronome pessoais.
Os pronome pessoais são aqueles que indicam as
pessoas do discurso. Dividem-se em retos que exercem a
função de sujeito e os oblíquos que exercem a função de
complemento.
RETOS
Número 1ª pessoa 2ª pessoa 3ª pessoa
Singular *Eu *Tu (você) Ele
Plural Nós Vós (Vocês) Eles
EXERCEM A FUNÇÃO DE SUJEITO / PODEM EXERCER A FUNÇÃO DE
COMPLEMENTO
NÚMERO PESSOA CASO RETO PRONOMES OBLÍQUO
ÁTONOS
SEM/PREP
TÔNICOS
COM/PREP
SINGULAR
1ª EU ME MIM, COMIGO
2ª TU TE TI, CONTIGO
3ª ELE O, A, LHE, SE SI, CONSIGO
PLURAL
1ª NÓS NOS
NÓS,
CONOSCO
2ª VÓS VOS
VÓS,
CONVOSCO
3ª ELES
OS, AS, LHES
SE
SI, CONSIGO.
QUADRO DOS PRONOMES PESSOAIS
Emprego dos pronomes pessoais
Os pronomes pessoais retos funcionam como sujeitos de frases:
Eu vou à loja, talvez ele esteja lá.
Retos: Eu, tu, ele, nós, vós, eles.
.Os pronomes pessoais retos nunca aparecem depois de uma
preposição. Torna-se obrigatório o uso dos pronomes oblíquos:
Entre mim e ti há uma distância enorme.
preposição
Os pronomes pessoais oblíquos podem ser átonos ou
tônicos.
•São pronomes oblíquos átonos:
me, te, o, a, lhe, se, nos, vos, os, as, lhes.
Os pronomes pessoais oblíquos átonos, com formas verbais:
A mãe esperava-o ansiosa
•São pronomes oblíquos tônicos:
mim, ti, ele, ela, si, nos, vos, eles, elas.
Os pronomes pessoais oblíquos tônicos são usados com
preposição:
A mãe ansiosa esperava por mim.
EMPREGO DOS PRONOMES PESSOAIS
• Os pronomes oblíquos átonos o, a, os, as exercem a função de
objeto direto:
A enfermeira examinou o garoto. Objeto direto
A enfermeira examinou-o
(quem examina, examina alguma coisa – VTD)
•Os pronomes oblíquos átonos lhe, lhes exercem a função de
objeto indireto.
O garçom oferece-lhe bebida.
(quem oferece, oferece alguma coisa a alguém)
preposição
•Antes de verbo no infinitivo só usamos eu e tu, jamais mim e ti.
Fizeram de tudo para eu me emocionar.
Fizeram de tudo para tu comprares a casa.
Nos casos acima os pronomes “eu e tu” são sujeitos dos verbos
emocionar e comprares.
Obs: Os pronomes retos “eu e tu” nunca serão complementos,
mesmo regidos de preposição.
Só se usam os pronomes eu e tu quando funcionarem como sujeito
de um verbo. Perceba, então, que o segredo é este:
analisar sintaticamente a oração; caso o pronome funcione como
sujeito, use “eu” ou “tu”; senão, use “mim” ou “ti”.
Por exemplo:
“Era para eu sair mais cedo hoje”, pois o sujeito de “sair” é o
pronome “eu”;
“Ela trouxe o livro para mim”, pois o pronome não funciona como
sujeito.
Agora preste atenção a esta frase: “Foi difícil para mim conseguir
o emprego.” Parece estar errada, não é mesmo? mas está certa, pois o
pronome não funciona como sujeito, como à primeira vista possa
parecer.
Na verdade, “conseguir o emprego” é uma oração que funciona como
sujeito do verbo “ser”. Observe a inversão:
“Conseguir o emprego foi difícil para mim.”
Percebeu como o pronome não funciona como sujeito? Isso ocorre
quando surgir “custar, faltar, restar, bastar ou verbo de ligação
com predicativo do sujeito”:
“ Custou para mim aceitar a situação.”
“ Falta para mim conversar com três candidatos.”
“ Resta para mim explicar duas teorias.”
“ Basta para mim ter você ao meu lado.”
“ É necessário para mim aguardar ordens superiores.”
Os pronomes oblíquos “se, si, consigo” são pronomes
reflexivos ou recíprocos, portanto só poderão ser usados
na voz reflexiva ou na voz reflexiva recíproca.
Reflexiva - quando o sujeito praticar a ação sobre si
mesmo.
Carla machucou-se.
Marcos cortou-se com a faca.
Reflexiva recíproca - quando houver dois elementos
como sujeito: um pratica a ação sobre o outro, que
pratica a ação sobre o primeiro.
Paula e Renato amam-se.
Os jovens agrediram-se durante a festa.
Os ônibus chocaram-se violentamente.
Conosco e convosco - são utilizados normalmente
em sua forma sintética. Caso haja palavra de
reforço, tais pronomes devem ser substituídos por
formas analíticas.
Queria falar conosco.
Queria falar com nós dois.
Os oblíquos “o, os ,a ,as” quando precedidos de
verbos que terminem em “r, s, z” assumem as
formas: lo, los, la, las. (VTD).
Vou (amar) amá-lo por toda a vida.
O jogo (fiz) fi-lo sozinho.
Tu (amas) amá-lo como a ti mesma.
Quando precedidos de verbos que terminam em “-
m, -ão, -õe, assumem a forma no, nas, nos, nas.
Entregaram-no ao professor.
Entregaram o livro ao professor. – objeto direto.
O assunto, dão-no por encerrado.
Independentemente da predicação verbal, se o verbo
terminar em mos, seguido de nos ou de vos, retira-se a
terminação -s.
Ex. * Encontramo-nos ontem à noite.
* Recolhemo-nos cedo todos os dias.
Obs: Se o verbo for transitivo indireto terminado em
“s”, seguido de lhe, lhes, não se retira a terminação s.
Ex. * Obedecemos-lhe cegamente.
* Tu obedeces-lhe?
Muitas vezes os pronomes oblíquos equivalem a
pronomes possessivos, exercendo a função sintática
de adjunto adnominal.
Roubaram-me o livro. = Roubaram o meu livro.
Escutei-lhe os conselhos = Escutei seus conselhos.
As formas plurais “nós e vós” podem ser
empregadas para representar uma única pessoa
( singular), adquirindo valor de modéstia.( política)
Nós – disse o prefeito – procuramos resolver o
problema das enchentes.
COLOCAÇÃO PRONOMINAL -
USO DOS PRONOMES – me, te, se, lhes,o,a,os, as,nos,vos.
Próclise - antes do verbo – Nos o amamos muito.
Ênclise - depois do verbo – Entregaram-me as camisas.
Mesóclise - aparece no meio do verbo - Convidar-me-iam
para a festa.
REGRA GERAL – OS PRONOME DEVEM VIR EM ÊNCLISE.
Uso da próclise –
1- Com palavras ou expressões negativas: não, nunca,
jamais, nada, ninguém, nem, de modo algum.
Exemplos: Nada me perturba. / Ninguém se mexeu. /
De modo algum me afastarei daqui.
Ela nem se importou com meus problemas.
2- Com conjunções subordinativas: quando, se, porque,
que, conforme, embora, logo, que.
Exemplos: - Quando se trata de comida, ele é um gênio.
- É necessário que a deixe na escola.
- Fazia a lista de convidados, conforme me lembrava dos
amigos sinceros.
3 – quando aparecem advérbios
Exemplos - Aqui se tem paz.
- Sempre me dediquei aos estudos.
-Talvez o veja na escola.
OBS: Se houver vírgula depois do advérbio, este (o advérbio)
deixa de atrair o pronome.
-Aqui, trabalha-se.
4 - Pronomes relativos, demonstrativos e indefinidos.
- Alguém me ligou? (indefinido)
- A pessoa que me ligou era minha amiga. (relativo)
-Isso me traz muita felicidade. (demonstrativo
5 – Quando aparecer frases interrogativas.
Exemplo: Quanto me cobrará pela tradução?
6- Em frases exclamativas ou optativas (que exprimem
desejo).
- Deus o abençoe! (Exclamativa)
- Macacos me mordam! (exclamativa)
-Deus te abençoe, meu filho! (optativas)
7 - Com verbo no gerúndio antecedido de preposição EM.
- Em se plantando tudo dá.
-Em se tratando de beleza, ele é campeão.
8 - Com formas verbais proparoxítonas
-Nós o censurávamos. ( verbo com a tonicidade
proparoxítona)
MESÓCLISE
•Usada quando o verbo estiver no futuro do presente (vai
acontecer – amarei, amarás, …) ou no futuro do pretérito (ia
acontecer mas não aconteceu – amaria, amarias, …)
Convidar-me-ão para a festa.
- Convidar-me-iam para a festa.
*Se houver uma palavra atrativa, a próclise será obrigatória.
-Não (palavra atrativa) me convidarão para a festa.
ÊNCLISE
1 - Ênclise de verbo no futuro e particípio está sempre errada.
Tornarei-me……. (errada)
Tinha entregado-nos……….(errada) * Nesse caso usa-se próclise)
2 - Ênclise de verbo no infinitivo estará sempre correta.
Entregar-lhe (correta)
-Não posso recebê-lo. (correta) (verbo terminado em r, faz-se o
objetivo direto retirando a letra “r” e colocando a letra”l”.
3 - Com o verbo no início da frase: Entregaram-me as camisas.
4 - Com o verbo no imperativo afirmativo: Alunos, comportem-
se.
5 - Com o verbo no gerúndio: Saiu deixando-nos por instantes.
6 - Com o verbo no infinitivo impessoal: Convém contar-lhe tudo.
OBS: se o gerúndio vier precedido de preposição ou de palavra
atrativa, ocorrerá a próclise:
Exemplos: Em se tratando de cinema, prefiro o suspense.
Saiu do escritório, não nos revelando os motivos.
COLOCAÇÃO PRONOMINAL NAS LOCUÇÕES VERBAIS
*Locuções verbais são formadas por um verbo auxiliar + infinitivo,
gerúndio ou particípio.
AUX + PARTICÍPIO: o pronome deve ficar depois do verbo auxiliar.
Se houver palavra atrativa, o pronome deverá ficar antes do verbo
auxiliar.
Havia-lhe contado a verdade.
- Não (palavra atrativa) lhe havia contado a verdade.
AUX + GERÚNDIO OU INFINITIVO: se não houver palavra
atrativa, o pronome oblíquo virá depois do verbo auxiliar ou do verbo
principal.
Exemplos: Infinitivo
- Quero-lhe dizer o que aconteceu.
- Quero dizer-lhe o que aconteceu.
Gerúndio
- Ia-lhe dizendo o que aconteceu.
-Ia dizendo-lhe o que aconteceu.
Se houver palavra atrativa, o pronome oblíquo virá antes do verbo
auxiliar ou depois do verbo principal.
Infinitivo
- Não lhe quero dizer o que aconteceu.
- Não quero dizer-lhe o que aconteceu.
Gerúndio
- Não lhe ia dizendo a verdade.
- Não ia dizendo-lhe a verdade.
Pronomes Possessivos
São aqueles que indicam posse, em relação às três pessoas do
discurso. São eles: meu(s),minha(s), teu(s), tua(s), seu(s), sua(s),
nosso(s), nossa(s), vosso(s), vossa(s).
Empregos dos pronomes possessivos
O emprego dos possessivos de terceira pessoa seu, sua, seus, suas
pode dar duplo sentido à frase (ambiguidade). Para evitar isso,
coloca-se à frente do substantivo dele, dela, deles, delas, ou troca-se
o possessivo por esses elementos.
Joaquim contou-me que Sandra desaparecera com seus
documentos. De quem eram os documentos? Não há como saber.
Então a frase está ambígua. Para tirar a ambigüidade, coloca-se,
após o substantivo, o elemento referente ao dono dos documentos:
Não se devem usar pronomes possessivos diante da palavra casa,
quando for a residência da pessoa que estiver falando.
Ex. Acabei de chegar de casa.
Estou em casa, tranquilo.
Pronomes Demonstrativos
Pronomes demonstrativos são aqueles que situam os seres no tempo
e no espaço, em relação às pessoas do discurso. São os seguintes:
Este, esta, isto: são usados para o que está próximo da pessoa que
fala e para o tempo presente.
Este chapéu que estou usando é de couro.( próximo a 1ª pessoa)
Este ano está sendo cheio de surpresas. (presente)
Esse, essa, isso: são usados para o que está próximo da pessoa
com quem se fala, para o tempo passado recente e para o futuro.
Ex. Esse chapéu que você está usando é de couro?
2003. Esse ano será envolto em mistérios.
Em novembro de 2001, inauguramos a loja. Até esse mês, nada
sabíamos sobre comércio.
Aquele, aquela, aquilo: são usados para o que está distante da
pessoa que fala e da pessoa com quem se fala e para o tempo
passado remoto.
Ex. Aquele chapéu que ele está usando é de couro?
Em 1974, eu tinha 15 anos. Naquela época, Londrina era uma
cidade pequena.
***Outros usos dos demonstrativos
Em uma citação oral ou escrita, usa-se este, esta, isto para o que
ainda vai ser dito ou escrito, e esse, essa, isso para o que já foi
dito ou escrito.
Esta é a verdade: existe a violência, porque a sociedade a permitiu.
Existe a violência, porque a sociedade a permitiu. A verdade é essa.
Usa-se este, esta, isto em referência a um termo imediatamente
anterior. Ex. O fumo é prejudicial à saúde, e esta deve ser
preservada.
Quando interpelei Roberval, este assustou-se inexplicavelmente.
***Para estabelecer-se a distinção entre dois elementos
anteriormente citados, usa-se este, esta, isto em relação ao que foi
mencionado por último e aquele, aquela, aquilo, em relação ao que
foi nomeado em primeiro lugar.
• Sabemos que a relação entre o Brasil e os Estados Unidos é de
domínio destes sobre aquele.
• Os filmes brasileiros não são tão respeitados quanto as novelas,
mas eu prefiro aqueles a estas.
O, a, os, as são pronomes demonstrativos, quando equivalem a
isto, isso, aquilo ou aquele(s), aquela(s).
Ex.• Não concordo com o que ele falou. (aquilo que ele falou)
• Tudo o que aconteceu foi um equívoco. (aquilo que aconteceu)
Pronomes Indefinidos
Os pronomes indefinidos referem-se à terceira pessoa do discurso de
uma maneira vaga, imprecisa, genérica.
São eles: alguém, ninguém, tudo, nada, algo, cada, outrem, mais,
menos, demais, algum, alguns, alguma, algumas, nenhum,
nenhuns, nenhuma, nenhumas, todo, todos, toda, todas, muito,
muitos, muita, muitas, bastante, bastantes, pouco, poucos, pouca,
poucas, certo, certos, certa, certas, tanto, tantos, tanta, tantas,
quanto, quantos, quanta, quantas, um, uns, uma, umas, qualquer,
quaisquer além das locuções pronominais indefinidas cada um, cada
qual, quem quer que, todo aquele que, tudo o mais...
Usos de alguns pronomes indefinidos
Todo - deve ser usado com artigo, se significar inteiro e o
substantivo à sua frente o exigir; caso signifique cada ou todos
não terá artigo, mesmo que o substantivo exija.
Ex. • Todo dia telefono a ela. (Todos os dias)
• Fiquei todo o dia em casa. (O dia inteiro)
• Todo ele ficou machucado. (Ele inteiro, mas a palavra ele não
admite artigo)
Todos, todas - devem ser usados com artigo, se o substantivo à
sua frente o exigir.
Ex. • Todos os colegas o desprezam.
• Todas as meninas foram à festa.
• Todos vocês merecem respeito.
Pronomes Interrogativos
São os pronomes que, quem, qual e quanto usados em frases
interrogativas diretas ou indiretas.
Ex. • Que farei agora? - Interrogativa direta.
• Quanto te devo, meu amigo? - Interrogativa direta.
• Qual é o seu nome? - Interrogativa direta.
• Não sei quanto devo cobrar por esse trabalho. - Interrogativa
indireta.
Notas: Na expressão interrogativa Que é de? subentende-se a
palavra feito: Que é do sorriso? (= Que é feito do sorriso? ), Que é
dele? (= Que é feito dele?). Nunca se deve usar “quédê, quedê ou
cadê”, pois essas palavras oficialmente não existem, apesar de, no
Brasil, o uso de cadê ser cada dia mais constante.
Não se deve usar a forma o que como pronome interrogativo; usa-se
apenas que, a não ser que o pronome seja colocado depois do verbo.
Ex. • Que você fará hoje à noite? e não O que você fará hoje à
noite? • Que queres de mim? e não O que queres de mim?
• Você fará o quê?
Pronomes Relativos
Que - deve ser utilizado com o intuito de substituir um substantivo
(pessoa ou "coisa"), evitando sua repetição. Na montagem do
período, deve-se colocá-lo imediatamente após o substantivo
repetido, que passará a ser chamado de elemento antecedente.
Ex: nas orações Roubaram a peça. A peça era rara no Brasil há o
substantivo peça repetido.
Pode-se usar o pronome relativo que e, assim, evitar a repetição de
peça. O pronome será colocado após o substantivo. Então teremos
Roubaram a peça que... . Este “que” está no lugar da palavra peça
da outra oração. Deve-se, agora, terminar a outra oração: ...era rara
no Brasil, ficando
Roubaram a peça que era rara no Brasil.
Outro exemplo:
01) Encontrei o garoto. Você estava procurando o garoto.
• Substantivo repetido = garoto
• Colocação do pronome após o substantivo = Encontrei o garoto
que ...
• Restante da outra oração = ... você estava procurando.
• Junção de tudo = Encontrei o garoto que você estava procurando.
O Pronome Relativo Cujo
Este pronome indica posse (algo de alguém).
Na montagem do período, deve-se colocá-lo entre o possuidor e o
possuído (alguém cujo algo)
Ex: Antipatizei com o rapaz. Você conhece a namorada do rapaz. o
substantivo repetido rapaz possui namorada. Deveremos, então
usar o pronome relativo cujo, que será colocado entre o possuidor
e o possuído: Algo de alguém = Alguém cujo algo. Então, tem-se a
namorada do rapaz = o rapaz cujo a namorada. Não se pode, porém,
usar artigo (o, a, os, as) depois de cujo. Ele deverá contrair-se com o
pronome, ficando: cujo + o = cujo; cujo + a = cuja cujo + os = cujos;
cujo + as = cujas. Então a frase ficará o rapaz cuja namorada.
Somando a duas orações, tem-se
Antipatizei com o rapaz cuja namorada você conhece.
O artista morreu ontem. Eu falara da obra do artista.
• Substantivo repetido = artista - o substantivo repetido possui
algo. • Algo de alguém = Alguém cujo algo: a obra do artista = o
artista cuja obra. Somando as duas orações, tem-se
O artista cuja obra eu falara morreu ontem.
Observe que, nesse último exemplo, a junção de tudo ficou
incompleta, pois a segunda oração é Eu falara da obra do artista,
porém, na junção, a prep. de desapareceu. Portanto o período está
inadequado gramaticalmente. A explicação é a seguinte: Quando
o verbo da oração subordinada adjetiva exigir preposição, deve-se
colocá-la antes do pronome relativo. Então, tem-se:
O artista de cuja obra eu falara morreu ontem.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Mais procurados (20)

Regência nominal e verbal
Regência nominal e verbalRegência nominal e verbal
Regência nominal e verbal
 
Concordância Nominal
Concordância NominalConcordância Nominal
Concordância Nominal
 
Conto
ContoConto
Conto
 
Artigo
ArtigoArtigo
Artigo
 
Adjetivos e locuções adjetivas antonio
Adjetivos e locuções  adjetivas antonioAdjetivos e locuções  adjetivas antonio
Adjetivos e locuções adjetivas antonio
 
Estrutura das palavras
Estrutura das palavras Estrutura das palavras
Estrutura das palavras
 
SUBSTANTIVOS
SUBSTANTIVOSSUBSTANTIVOS
SUBSTANTIVOS
 
Letra e fonema
Letra e fonemaLetra e fonema
Letra e fonema
 
Mas, mais e más
Mas, mais e másMas, mais e más
Mas, mais e más
 
Mau ou mal
Mau ou malMau ou mal
Mau ou mal
 
Tudo sobre POEMAS
Tudo sobre POEMASTudo sobre POEMAS
Tudo sobre POEMAS
 
Sujeito. Predicado
Sujeito. PredicadoSujeito. Predicado
Sujeito. Predicado
 
Slides Novo Acordo OrtográFico
Slides Novo Acordo OrtográFicoSlides Novo Acordo OrtográFico
Slides Novo Acordo OrtográFico
 
Conto Fantástico
Conto FantásticoConto Fantástico
Conto Fantástico
 
Verbos
VerbosVerbos
Verbos
 
Objeto direto e indireto
Objeto direto e indiretoObjeto direto e indireto
Objeto direto e indireto
 
Pronomes demonstrativos
Pronomes demonstrativosPronomes demonstrativos
Pronomes demonstrativos
 
Estrutura verbal e Formas nominais do verbo
Estrutura verbal e Formas nominais do verboEstrutura verbal e Formas nominais do verbo
Estrutura verbal e Formas nominais do verbo
 
Pronomes
PronomesPronomes
Pronomes
 
Preposições
PreposiçõesPreposições
Preposições
 

Semelhante a Substantivos, adjetivos e numerais

Semelhante a Substantivos, adjetivos e numerais (20)

Estudo das Classes de Palavras do Português
Estudo das Classes de Palavras do PortuguêsEstudo das Classes de Palavras do Português
Estudo das Classes de Palavras do Português
 
3s e ppv - CLASSE DE PALAVRAS.ppt
3s e ppv - CLASSE DE PALAVRAS.ppt3s e ppv - CLASSE DE PALAVRAS.ppt
3s e ppv - CLASSE DE PALAVRAS.ppt
 
CLASSE DE PALAVRAS completo para b .pptx
CLASSE DE PALAVRAS completo para b .pptxCLASSE DE PALAVRAS completo para b .pptx
CLASSE DE PALAVRAS completo para b .pptx
 
Aula 2 lp em
Aula 2   lp emAula 2   lp em
Aula 2 lp em
 
Classe gramatical
Classe  gramaticalClasse  gramatical
Classe gramatical
 
Classe gramatical
Classe  gramaticalClasse  gramatical
Classe gramatical
 
Substantivo
SubstantivoSubstantivo
Substantivo
 
Substantivo
SubstantivoSubstantivo
Substantivo
 
Português 1
Português 1Português 1
Português 1
 
Morfossintaxe - substantivos
Morfossintaxe - substantivosMorfossintaxe - substantivos
Morfossintaxe - substantivos
 
Resumão de português
Resumão de portuguêsResumão de português
Resumão de português
 
Substantivo
SubstantivoSubstantivo
Substantivo
 
Substantivo e adjetivo
Substantivo e adjetivoSubstantivo e adjetivo
Substantivo e adjetivo
 
Substantivo
SubstantivoSubstantivo
Substantivo
 
substantivo-160312155027.pdf
substantivo-160312155027.pdfsubstantivo-160312155027.pdf
substantivo-160312155027.pdf
 
Substantivos
SubstantivosSubstantivos
Substantivos
 
Adjetivos
AdjetivosAdjetivos
Adjetivos
 
Adjetivo
AdjetivoAdjetivo
Adjetivo
 
Plural dos substantivos
Plural dos substantivosPlural dos substantivos
Plural dos substantivos
 
Letras e fonemas
Letras e fonemasLetras e fonemas
Letras e fonemas
 

Mais de Flávio Ferreira (20)

Aulas 21 22
Aulas 21 22Aulas 21 22
Aulas 21 22
 
Figuras de linguagem e efeitos de sentido.
Figuras de linguagem e efeitos de sentido.Figuras de linguagem e efeitos de sentido.
Figuras de linguagem e efeitos de sentido.
 
Or278200918405
Or278200918405Or278200918405
Or278200918405
 
Perc3adodo composto-41
Perc3adodo composto-41Perc3adodo composto-41
Perc3adodo composto-41
 
A mo ca tecela pdf
A mo ca tecela pdfA mo ca tecela pdf
A mo ca tecela pdf
 
06 periodo composto_2
06 periodo composto_206 periodo composto_2
06 periodo composto_2
 
Verbos e-vozes-verbais-ii2610201119519
Verbos e-vozes-verbais-ii2610201119519Verbos e-vozes-verbais-ii2610201119519
Verbos e-vozes-verbais-ii2610201119519
 
Oracoes
OracoesOracoes
Oracoes
 
Oracoessubstantivas
OracoessubstantivasOracoessubstantivas
Oracoessubstantivas
 
O pequeno-principe
O pequeno-principeO pequeno-principe
O pequeno-principe
 
Regulamento concurso de_redacao_2016_bau
Regulamento concurso de_redacao_2016_bauRegulamento concurso de_redacao_2016_bau
Regulamento concurso de_redacao_2016_bau
 
4
44
4
 
3
33
3
 
1
11
1
 
Reformaortografica
ReformaortograficaReformaortografica
Reformaortografica
 
Acordo20ortografico20me1rcia
Acordo20ortografico20me1rciaAcordo20ortografico20me1rcia
Acordo20ortografico20me1rcia
 
2
22
2
 
1
11
1
 
1
11
1
 
Vozes verbais 7a_serie
Vozes verbais 7a_serieVozes verbais 7a_serie
Vozes verbais 7a_serie
 

Último

Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_AssisMemórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assisbrunocali007
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....LuizHenriquedeAlmeid6
 
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-carloseduardogonalve36
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é precisoMary Alvarenga
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...Manuais Formação
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalcarlamgalves5
 
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantilApresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantilMariaHelena293800
 
ATPCG 27.05 - Recomposição de aprendizagem.pptx
ATPCG 27.05 - Recomposição de aprendizagem.pptxATPCG 27.05 - Recomposição de aprendizagem.pptx
ATPCG 27.05 - Recomposição de aprendizagem.pptxmairaviani
 
Atividade português 7 ano página 38 a 40
Atividade português 7 ano página 38 a 40Atividade português 7 ano página 38 a 40
Atividade português 7 ano página 38 a 40vitoriaalyce2011
 
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
Atividade com a música Xote  da  Alegria    -   FalamansaAtividade com a música Xote  da  Alegria    -   Falamansa
Atividade com a música Xote da Alegria - FalamansaMary Alvarenga
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfManuais Formação
 
Apresentação Formação em Prevenção ao Assédio
Apresentação Formação em Prevenção ao AssédioApresentação Formação em Prevenção ao Assédio
Apresentação Formação em Prevenção ao Assédioifbauab
 
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdfGRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdfrarakey779
 
Junho Violeta - Sugestão de Ações na Igreja
Junho Violeta - Sugestão de Ações na IgrejaJunho Violeta - Sugestão de Ações na Igreja
Junho Violeta - Sugestão de Ações na IgrejaComando Resgatai
 
00Certificado - MBA - Gestão de projetos
00Certificado - MBA - Gestão de projetos00Certificado - MBA - Gestão de projetos
00Certificado - MBA - Gestão de projetosLeonardoHenrique931183
 
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdfedjailmax
 
O QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
O QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkkO QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
O QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkkLisaneWerlang
 
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/AcumuladorRecurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/AcumuladorCasa Ciências
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfrarakey779
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalcarlaOliveira438
 

Último (20)

Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_AssisMemórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
 
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantilApresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
 
ATPCG 27.05 - Recomposição de aprendizagem.pptx
ATPCG 27.05 - Recomposição de aprendizagem.pptxATPCG 27.05 - Recomposição de aprendizagem.pptx
ATPCG 27.05 - Recomposição de aprendizagem.pptx
 
Atividade português 7 ano página 38 a 40
Atividade português 7 ano página 38 a 40Atividade português 7 ano página 38 a 40
Atividade português 7 ano página 38 a 40
 
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
Atividade com a música Xote  da  Alegria    -   FalamansaAtividade com a música Xote  da  Alegria    -   Falamansa
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
Apresentação Formação em Prevenção ao Assédio
Apresentação Formação em Prevenção ao AssédioApresentação Formação em Prevenção ao Assédio
Apresentação Formação em Prevenção ao Assédio
 
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdfGRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
 
Junho Violeta - Sugestão de Ações na Igreja
Junho Violeta - Sugestão de Ações na IgrejaJunho Violeta - Sugestão de Ações na Igreja
Junho Violeta - Sugestão de Ações na Igreja
 
00Certificado - MBA - Gestão de projetos
00Certificado - MBA - Gestão de projetos00Certificado - MBA - Gestão de projetos
00Certificado - MBA - Gestão de projetos
 
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
 
O QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
O QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkkO QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
O QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
 
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/AcumuladorRecurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
 

Substantivos, adjetivos e numerais

  • 1. CONCURSO SEE-MG - EDITAL 2011 LÍNGUA PORTUGUESA GRAMÁTICA CLASSE DE PALAVRAS ATENAS – CURSO PREPARATÓRIO PARA CONCURSOS PÚBLICOS.
  • 2. A língua portuguesa subdivide-se em QUATRO GRUPOS DE ESTUDOS, levando em consideração cada aspecto da língua. SINTAXE - A sintaxe é a parte da gramática que estuda a disposição das palavras na frase e a das frases no discurso, bem como a relação lógica das frases entre si. SEMÂNTICA - é o estudo do sentido das palavras de uma língua. MORFOLOGIA - é o estudo da estrutura, da formação e da classificação das palavras. A morfologia está agrupada em dez classes, denominadas classes de palavras ou classes gramaticais. São elas: Substantivo, Artigo, Adjetivo, Numeral, Pronome, Verbo, Advérbio, Preposição, Conjunção e Interjeição.
  • 3. FONOLOGIA - é o ramo da linguística que estuda o sistema sonoro de um idioma. Ao estudar a maneira como os fones (sons) se organizam dentro de uma língua, classifica-os em unidades capazes de distinguir significados, chamadas fonemas. MORFOLOGIA Classes gramaticais Variáveis – substantivos, adjetivos, pronomes, artigos, numerais e verbos. Invariáveis - preposições, conjunções, advérbios e interjeições.
  • 4. SUBSTANTIVO Tudo o que existe é ser e cada ser tem um nome. Substantivo é a classe gramatical de palavras variáveis, as quais denominam os seres. Além de objetos, pessoas e fenômenos, os substantivos também nomeiam: lugares: Alemanha, Porto Alegre... / sentimentos: raiva, amor... /estados: alegria, tristeza... / qualidades: honestidade, sinceridade... / -ações: corrida, pescaria... CLASSIFICAÇÃO Comum - é aquele que designa os seres de uma mesma espécie de forma genérica. Ex: cidade, menino, homem, mulher, país, cachorro. Próprio: é aquele que designa os seres de uma mesma espécie de forma particular. Ex: Londres, Paulinho, Pedro, Tietê, Brasil.
  • 5. Concreto: é aquele que designa o ser que existe, independentemente de outros seres. Obs: os substantivos concretos designam seres do mundo real e do mundo imaginário. real: homem, mulher, cadeira, cobra, Brasília, etc. imaginário: saci, mãe-d'água, fantasma, etc. Abstrato: é aquele que designa seres que dependem de outros para se manifestar ou existir. Os substantivos abstratos designam estados, qualidades, ações e sentimentos dos seres, dos quais podem ser abstraídos, e sem os quais não podem existir. Ex: vida (estado), rapidez (qualidade), viagem (ação), saudade (sentimento). Coletivos - é o substantivo comum que, mesmo estando no singular, designa um conjunto de seres da mesma espécie. Ex: abelha - enxame, colmeia; aluno – classe.
  • 6. Nota: o coletivo é um substantivo singular, mas com ideia de plural. Formação dos Substantivos Simples: é aquele formado por um único elemento.Ex: tempo, sol, sofá, etc. Composto: é aquele formado por dois ou mais elementos. Ex: beija-flor, passatempo. Primitivo: é aquele que não deriva de nenhuma outra palavra da própria língua portuguesa. O substantivo limoeiro é derivado, pois se originou a partir da palavra limão. Derivado: é aquele que se origina de outra palavra.
  • 7. FLEXÃO DOS SUBSTANTIVOS O substantivo é uma classe variável. A palavra é variável quando sofre flexão (variação). A palavra menino, por exemplo, pode sofrer variações para indicar: Plural: meninos / Feminino: menina / Aumentativo: meninão Diminutivo: menininho Flexão de Gênero Na língua portuguesa, há dois gêneros: masculino e feminino. Pertencem ao gênero masculino os substantivos que podem vir precedidos dos artigos o, os, um, uns. Veja estes títulos de filmes: - O velho e o mar. / - Um Natal inesquecível. / - Os reis da praia
  • 8. Pertencem ao gênero feminino os substantivos que podem vir precedidos dos artigos a, as, uma, umas: Ex: A história sem fim - / Uma cidade sem passado. Substantivos Biformes e Uniformes Biformes (= duas formas): ao indicar nomes de seres vivos, geralmente o gênero da palavra está relacionado ao sexo do ser, havendo, portanto, duas formas, uma para o masculino e outra para o feminino. Observe: gato – gata,/ homem – mulher / poeta – poetisa / prefeito – prefeita. Uniformes: são aqueles que apresentam uma única forma, que serve tanto para o masculino quanto para o feminino. Classificam-se em:
  • 9. Epicenos: têm um só gênero e nomeiam bichos. Ex: a cobra macho e a cobra fêmea, o jacaré macho e o jacaré fêmea. Sobrecomuns: têm um só gênero e nomeiam pessoas. Ex: a criança, a testemunha, a vítima, o cônjuge, o gênio, o ídolo, o indivíduo. Comuns de Dois Gêneros: indicam o sexo das pessoas por meio do artigo. Ex: o colega e a colega, o doente, a doente, o artista , a artista. Existem certos substantivos que, variando de gênero, variam em seu significado. Por exemplo: o rádio (aparelho receptor) e a rádio (estação emissora) o capital (dinheiro) e a capital (cidade)
  • 10. Plural dos Substantivos Compostos A formação do plural dos substantivos compostos depende da forma como são grafados, do tipo de palavras que formam o composto e da relação que estabelecem entre si. Aqueles que são grafados sem hífen comportam-se como os substantivos simples: Aguardente - aguardentes girassol – girassóis pontapé - pontapés malmequer – malmequeres O plural dos substantivos compostos cujos elementos são ligados por hífen costuma provocar muitas dúvidas e discussões. Algumas orientações são dadas a seguir:
  • 11. a) Flexionam-se os dois elementos, quando formados de substantivo + substantivo = couve-flor e couves-flores substantivo + adjetivo = amor-perfeito e amores-perfeitos adjetivo + substantivo = gentil-homem e gentis-homens numeral + substantivo = quinta-feira e quintas-feiras b)Flexiona-se somente o segundo elemento, quando formados de: verbo + substantivo = guarda-roupa e guarda-roupas palavra invariável + palavra variável = alto-falante e alto- falantes palavras repetidas ou imitativas = reco-reco e reco-recos
  • 12. c) Flexiona-se somente o primeiro elemento substantivo + preposição clara + substantivo = água-de- colônia e águas-de-colônia substantivo + preposição oculta + substantivo = cavalo-vapor e cavalos-vapor substantivo + substantivo que funciona como determinante do primeiro, ou seja, especifica a função ou o tipo do termo anterior. Exemplos: palavra-chave - palavras-chave bomba-relógio - bombas-relógio notícia-bomba - notícias-bomba homem-rã - homens-rã peixe-espada - peixes-espada
  • 13. ADJETIVOS Adjetivo é a palavra que expressa uma qualidade ou característica do ser e se "encaixa" diretamente ao lado de um substantivo. Ao analisarmos a palavra bondoso, percebemos que além de expressar uma qualidade, ela pode ser "encaixada diretamente" ao lado de um substantivo: homem bondoso, moça bondosa, pessoa bondosa. Já com a palavra bondade, embora expresse uma qualidade, não acontece o mesmo; não faz sentido dizer: homem bondade, moça bondade, pessoa bondade. Bondade, portanto, não é adjetivo, mas substantivo, pois admite o artigo: a bondade.
  • 14. Classificação Explicativo: exprime qualidade própria do ser. Por exemplo: neve fria. Restritivo: exprime qualidade que não é própria do ser. Por exemplo: fruta madura. Formação simples - Formado por um só radical. brasileiro, escuro. Composto - Formado por mais de um radical. luso- brasileiro, castanho-escuro, amarelo-canário. Primitivo - aquele que dá origem a outros adjetivos. belo, bom, feliz, puro. Derivado - É aquele que deriva de substantivos ou verbos. belíssimo, bondoso, magrelo.
  • 15. *** Morfossintaxe do Adjetivo: O adjetivo exerce sempre funções sintáticas relativas aos substantivos, atuando como adjunto adnominal ou como predicativo (do sujeito ou do objeto). Pátrio - indica a nacionalidade ou o lugar de origem do ser. Observe alguns deles: Estados e cidades brasileiros: Acre acreano Alagoas alagoano Amapá amapaense Pátrio Composto - na formação do adjetivo pátrio composto, o primeiro elemento aparece na forma reduzida e, normalmente, erudita. Observe : África afro- / Por exemplo: Cultura afro-americana Portugal luso- / Por exemplo: Acordos luso-brasileiros
  • 16. *** LOCUÇÃO ADJETIVA Locução = reunião de palavras. Sempre que são necessárias duas ou mais palavras para contar a mesma coisa, tem-se locução. Às vezes, uma preposição + substantivo tem o mesmo valor de um adjetivo: é a Locução Adjetiva (expressão que equivale a um adjetivo.) Por exemplo: aves da noite (aves noturnas), paixão sem freio (paixão desenfreada). Obs.: nem toda locução adjetiva possui um adjetivo correspondente, com o mesmo significado. Ex: Vi as alunas da 5ª série. / O muro de tijolos caiu.
  • 17. **** É necessário critério! Há muitos adjetivos que mantêm certa correspondência de significado com locuções adjetivas, e vice-versa. No entanto, isso não significa que a substituição da locução pelo adjetivo seja sempre possível. Tampouco o contrário é sempre admissível. Colar de marfim é uma expressão cotidiana; seria pouco recomendável passar a dizer colar ebúrneo ou ebóreo, pois esses adjetivos têm uso restrito à linguagem literária. Contrato leonino é uma expressão usada na linguagem jurídica; é muito pouco provável que os advogados passem a dizer contrato de leão. Em outros casos, a substituição é perfeitamente possível, transformando a equivalência entre adjetivos e locuções adjetivas em mais uma ferramenta para o aprimoramento dos textos, pois oferece possibilidades de variação vocabular. Por exemplo: A população das cidades tem aumentado. A falta de planejamento urbano faz com que isso se torne um imenso problema.
  • 18. FLEXÃO DOS ADJETIVOS O adjetivo varia em gênero, número e grau. Gênero - os adjetivos concordam com o substantivo a que se referem (masculino e feminino). De forma semelhante aos substantivos, classificam-se em: Biformes - têm duas formas, sendo uma para o masculino e outra para o feminino. ativo e ativa, mau e má, judeu e judia. Se o adjetivo é composto e biforme, ele flexiona no feminino somente o último elemento.o motivo socioliterário, a causa socioliterária. Exceção: surdo-mudo e surda-muda. Uniformes - têm uma só forma tanto para o masculino como para o feminino.
  • 19. Ex: homem feliz e mulher feliz.Se o adjetivo é composto e uniforme, fica invariável no feminino.Ex: conflito político- social e desavença político-social. Composto - é aquele formado por dois ou mais elementos. Normalmente, esses elementos são ligados por hífen. Apenas o último elemento concorda com o substantivo a que se refere; os demais ficam na forma masculina, singular. Caso um dos elementos que formam o adjetivo composto seja um substantivo adjetivado, todo o adjetivo composto ficará invariável. Ex: a palavra rosa é originalmente um substantivo, porém, se estiver qualificando um elemento, funcionará como adjetivo. Caso se ligue a outra palavra por hífen, formará um adjetivo composto; como é um substantivo adjetivado, o adjetivo composto inteiro ficará invariável.
  • 20. Exemplos: Camisas rosa-claro. Ternos rosa-claro. Olhos verde-claros. Calças azul-escuras e camisas verde-mar. Telhados marrom-café e paredes verde-claras. Obs: - Azul-marinho, azul-celeste, ultravioleta e qualquer adjetivo composto iniciado por cor-de-... são sempre invariáveis. - Os adjetivos compostos surdo-mudo e pele-vermelha têm os dois elementos flexionados.
  • 21. Grau Os adjetivos flexionam-se em grau para indicar a intensidade da qualidade do ser. São dois os graus do adjetivo: o comparativo e o superlativo. Comparativo - Nesse grau, comparam-se a mesma característica atribuída a dois ou mais seres ou duas ou mais características atribuídas ao mesmo ser. O comparativo pode ser de igualdade, de superioridade ou de inferioridade. Observe os exemplos abaixo: 1) Sou tão alto como você. Comparativo De Igualdade No comparativo de igualdade, o segundo termo da comparação é introduzido pelas palavras como, quanto ou quão.
  • 22. 2) Sou mais alto (do) que você. Comparativo de Superioridade Analítico No comparativo de superioridade analítico, entre os dois substantivos comparados, um tem qualidade superior. A forma é analítica porque pedimos auxílio a "mais...do que" ou "mais...que". 3) O Sol é maior (do) que a Terra. Comparativo de Superioridade Sintético. Alguns adjetivos possuem, para o comparativo de superioridade, formas sintéticas, herdadas do latim. São eles: bom-melhor pequeno-menor mau-pior alto-superior grande-maior baixo-inferior
  • 23. IMPORTANTE: a) As formas menor e pior são comparativos de superioridade, pois equivalem a mais pequeno e mais mau, respectivamente. b) Bom, mau, grande e pequeno têm formas sintéticas (melhor, pior, maior e menor), porém, em comparações feitas entre duas qualidades de um mesmo elemento, deve-se usar as formas analíticas mais bom, mais mau, mais grande e mais pequeno. Pedro é maior do que Paulo - Comparação de dois elementos. Pedro é mais grande que pequeno - comparação de duas qualidades de um mesmo elemento.
  • 24. 4) Sou menos alto (do) que você. Comparativo De Inferioridade. Sou menos passivo (do) que tolerante. Superlativo - expressa qualidades num grau muito elevado ou em grau máximo. O grau superlativo pode ser absoluto ou relativo e apresenta as seguintes modalidades: Superlativo Absoluto: ocorre quando a qualidade de um ser é intensificada, sem relação com outros seres. Apresenta- se nas formas: Analítica: a intensificação se faz com o auxílio de palavras que dão ideia de intensidade (advérbios). O secretário é muito inteligente. Sintética: a intensificação se faz por meio do acréscimo de sufixos.
  • 25. Por exemplo: O secretário é inteligentíssimo. Observe alguns superlativos sintéticos: benéfico beneficentíssimo bom boníssimo ou ótimo Superlativo Relativo: ocorre quando a qualidade de um ser é intensificada em relação a um conjunto de seres. Essa relação pode ser: De Superioridade: Clara é a mais bela da sala. De Inferioridade: Clara é a menos bela da sala.
  • 26. Adjetivos, leitura e produção de textos    A adjetivação é um dos elementos modalizadores de um texto,  ou seja, imprime ao que se fala ou escreve. Quando é excessiva e  voltada a obtenção de efeitos retóricos, prejudica a qualidade do  texto  e  evidencia  o  despreparo  ou  a  má-fé  de  quem  escreve.  Quando é feita com sobriedade e sensibilidade, contribui para a  eficiência interlocutiva do texto.    Nos textos dissertativos, os adjetivos normalmente explicitam a  posição de quem escreve em relação ao assunto tratado. É muitas  vezes por meio de adjetivos que os juízos e avaliações do produtor  do  texto  vêm  a  tona,  transmitindo  ao  leitor  atitudes  como  provação, reprovação, aversão, admiração, indiferença. Analisar a  adjetivação de um texto dissertativo é, portanto, um bom caminho  para captar com segurança a opinião de quem o produziu. Lembre- se de que é a sua adjetivação que deve cumprir esse papel quando  você escreve.  
  • 27. Nos textos ou passagens descritivas, os adjetivos cumprem uma  função mais plástica: é por meio deles que se costuma atribuir  formas, cor, peso, sabor e outras dimensões aos seres que estão  sendo  descritos.  É  óbvio  que,  neste  caso,  o  emprego  de  uma  seleção sensível e eficiente de adjetivos conduz a um texto mais  bem-sucedido,  capaz  de  transmitir  ao  leitor  uma  impressão  bastante nítida do ser ou objeto descrito. São nessas passagens  descritivas que a adjetivação atua nos textos narrativos.
  • 28. NUMERAL Numeral é a palavra que indica os seres em termos numéricos, isto é, que atribui quantidade aos seres ou os situa em determinada sequência. Exemplos: Os quatro últimos ingressos foram vendidos há pouco. [quatro: numeral = atributo numérico de "ingresso"] Eu quero café duplo, e você? ...[duplo: numeral = atributo numérico de "café"] A primeira pessoa da fila pode entrar, por favor! ...[primeira: numeral = situa o ser "pessoa" na sequência de "fila"]
  • 29. Note bem: os numerais traduzem, em palavras, o que os números indicam em relação aos seres. Assim, quando a expressão é colocada em números (1, 1°, 1/3, etc.) não se trata de numerais, mas sim de algarismos. Além dos numerais mais conhecidos, já que refletem a ideia expressa pelos números, existem mais algumas palavras consideradas numerais porque denotam quantidade, proporção ou ordenação. São alguns exemplos: década, dúzia, par, ambos(as), novena. Classificação Cardinais: indicam contagem, medida. É o número básico. um, dois, cem mil, etc. Ordinais: indicam a ordem ou lugar do ser numa série dada. Por exemplo: primeiro, segundo, centésimo, etc.
  • 30. Fracionários: indicam parte de um inteiro, ou seja, a divisão dos seres. Por exemplo: meio, terço, dois quintos, etc. Multiplicativos: expressam ideia de multiplicação dos seres, indicando quantas vezes a quantidade foi aumentada. Por exemplo: dobro, triplo, quíntuplo, etc. Flexão Os numerais cardinais que variam em gênero são um/uma, dois/duas e os que indicam centenas de duzentos/duzentas em diante: trezentos/trezentas; quatrocentos/quatrocentas, etc. Cardinais como milhão, bilhão, trilhão, etc. variam em número: milhões, bilhões, trilhões, etc. Os demais cardinais são invariáveis. Os numerais ordinais variam em gênero e número: primeiro segundo milésimo primeira segunda milésimas
  • 31. Os numerais multiplicativos são invariáveis quando atuam em funções substantivas: Por exemplo: Fizeram o dobro do esforço e conseguiram o triplo de produção. Quando atuam em funções adjetivas, esses numerais flexionam-se em gênero e número: Por exemplo: Teve de tomar doses triplas do medicamento. Os numerais fracionários flexionam-se em gênero e número. Observe: um terço/dois terços
  • 32. Os numerais coletivos flexionam-se em número. Veja: uma dúzia / um milheiro / duas dúzias É comum na linguagem coloquial a indicação de grau nos numerais, traduzindo afetividade ou especialização de sentido. É o que ocorre em frases como: Me empresta duzentinho... É artigo de primeiríssima qualidade! O time está arriscado por ter caído na segundona. (= segunda divisão de futebol)
  • 33. Emprego dos Numerais Para designar papas, reis, imperadores, séculos e partes em que se divide uma obra, utilizam-se os ordinais até décimo e a partir daí os cardinais, desde que o numeral venha depois do substantivo: Ordinais Cardinais João Paulo II (segundo) Tomo XV (quinze) D. Pedro II (segundo) Luís XVI (dezesseis) Ato II (segundo) Capítulo XX (vinte) Século VIII (oitavo) Século XX (vinte) Canto IX (nono) João XXIII ( vinte e três)
  • 34. Para designar leis, decretos e portarias, utiliza-se o ordinal até nono e o cardinal de dez em diante: Artigo 1.° (primeiro) Artigo 10 (dez) Artigo 9.° (nono) Artigo 21 (vinte e um) Ambos/ambas são considerados numerais. Significam "um e outro", "os dois" (ou "uma e outra", "as duas") e são largamente empregados para retomar pares de seres aos quais já se fez referência. Por exemplo: Pedro e João parecem ter finalmente percebido a importância da solidariedade. Ambos agora partcipam das atividades comunitárias de seu bairro. Obs.: a forma "ambos os dois" é considerada enfática.
  • 35. Numerais, leitura e produção de textos. O conhecimento das formas da norma padrão dos numerais é obviamente importante para quem tem necessidade de produzir e interpretar textos em linguagem formal. Em particular nas exposições orais, o uso dessas formas é indispensável, por razões óbvias (não é possível substituir numerais por algarismos na língua falada!), e evita constrangimentos que podem comprometer a credibilidade do expositor. Os numerais também podem ser empregados na produção e interpretação de textos dissertativos escritos. As palavras dessa classe gramatical compartilham com os pronomes a capacidade de retomar ou antecipar entes e dados e de inter-relacionar partes do texto. São, por isso, elementos importantes para a obtenção de coesão e coerência textuais.
  • 36. 1. Qual das palavras destacadas a seguir não é um adjetivo? a) As pesquisas eliminaram PARTE da emoção.  b) Os BONS candidatos nem sempre são eleitos.  c) Nas eleições há feriado NACIONAL.  d) As GRANDES empresas patrocinam candidatos.  e) Os resultados são dados no dia SEGUINTE.  2. Assinale a palavra cujo gênero está indevidamente indicado pelo artigo.  a) a dó  b) a dinamite  c) o suéter  d) o champanhe  e) a cal 3 - Das palavras abaixo, qual pode trocar de gênero, sem sofrer nenhuma alteração ortográfica, apenas pela troca de artigo que a anteceda? a) cientistas b) biólogo c) princípio                           d) professor e) altura 
  • 37. Pronome É a palavra que acompanha ou substitui o substantivo, indicando sua posição em relação às pessoas do discurso ou mesmo situando-o no espaço e no tempo.
  • 38. OS PRONOMES PODEM SER: •substantivos: são aqueles que tomam o lugar do  substantivo.   Ela era a mais animada da festa. •adjetivos: são aqueles que acompanham o  adjetivo.   Minha bicicleta quebrou.  
  • 39. CLASSIFICAÇÃO DOS PRONOMES •Pronome pessoal •Pronome possessivo •Pronome demonstrativo •Pronome relativo •Pronome indefinido •Pronome interrogativo
  • 40. Pronome pessoais. Os pronome pessoais são aqueles que indicam as pessoas do discurso. Dividem-se em retos que exercem a função de sujeito e os oblíquos que exercem a função de complemento. RETOS Número 1ª pessoa 2ª pessoa 3ª pessoa Singular *Eu *Tu (você) Ele Plural Nós Vós (Vocês) Eles EXERCEM A FUNÇÃO DE SUJEITO / PODEM EXERCER A FUNÇÃO DE COMPLEMENTO
  • 41. NÚMERO PESSOA CASO RETO PRONOMES OBLÍQUO ÁTONOS SEM/PREP TÔNICOS COM/PREP SINGULAR 1ª EU ME MIM, COMIGO 2ª TU TE TI, CONTIGO 3ª ELE O, A, LHE, SE SI, CONSIGO PLURAL 1ª NÓS NOS NÓS, CONOSCO 2ª VÓS VOS VÓS, CONVOSCO 3ª ELES OS, AS, LHES SE SI, CONSIGO. QUADRO DOS PRONOMES PESSOAIS
  • 42. Emprego dos pronomes pessoais Os pronomes pessoais retos funcionam como sujeitos de frases: Eu vou à loja, talvez ele esteja lá. Retos: Eu, tu, ele, nós, vós, eles. .Os pronomes pessoais retos nunca aparecem depois de uma preposição. Torna-se obrigatório o uso dos pronomes oblíquos: Entre mim e ti há uma distância enorme. preposição
  • 43. Os pronomes pessoais oblíquos podem ser átonos ou tônicos. •São pronomes oblíquos átonos: me, te, o, a, lhe, se, nos, vos, os, as, lhes. Os pronomes pessoais oblíquos átonos, com formas verbais: A mãe esperava-o ansiosa •São pronomes oblíquos tônicos: mim, ti, ele, ela, si, nos, vos, eles, elas. Os pronomes pessoais oblíquos tônicos são usados com preposição: A mãe ansiosa esperava por mim.
  • 44. EMPREGO DOS PRONOMES PESSOAIS • Os pronomes oblíquos átonos o, a, os, as exercem a função de objeto direto: A enfermeira examinou o garoto. Objeto direto A enfermeira examinou-o (quem examina, examina alguma coisa – VTD) •Os pronomes oblíquos átonos lhe, lhes exercem a função de objeto indireto. O garçom oferece-lhe bebida. (quem oferece, oferece alguma coisa a alguém) preposição
  • 45. •Antes de verbo no infinitivo só usamos eu e tu, jamais mim e ti. Fizeram de tudo para eu me emocionar. Fizeram de tudo para tu comprares a casa. Nos casos acima os pronomes “eu e tu” são sujeitos dos verbos emocionar e comprares. Obs: Os pronomes retos “eu e tu” nunca serão complementos, mesmo regidos de preposição.
  • 46.
  • 47. Só se usam os pronomes eu e tu quando funcionarem como sujeito de um verbo. Perceba, então, que o segredo é este: analisar sintaticamente a oração; caso o pronome funcione como sujeito, use “eu” ou “tu”; senão, use “mim” ou “ti”. Por exemplo: “Era para eu sair mais cedo hoje”, pois o sujeito de “sair” é o pronome “eu”; “Ela trouxe o livro para mim”, pois o pronome não funciona como sujeito. Agora preste atenção a esta frase: “Foi difícil para mim conseguir o emprego.” Parece estar errada, não é mesmo? mas está certa, pois o pronome não funciona como sujeito, como à primeira vista possa parecer. Na verdade, “conseguir o emprego” é uma oração que funciona como sujeito do verbo “ser”. Observe a inversão: “Conseguir o emprego foi difícil para mim.”
  • 48. Percebeu como o pronome não funciona como sujeito? Isso ocorre quando surgir “custar, faltar, restar, bastar ou verbo de ligação com predicativo do sujeito”: “ Custou para mim aceitar a situação.” “ Falta para mim conversar com três candidatos.” “ Resta para mim explicar duas teorias.” “ Basta para mim ter você ao meu lado.” “ É necessário para mim aguardar ordens superiores.”
  • 49. Os pronomes oblíquos “se, si, consigo” são pronomes reflexivos ou recíprocos, portanto só poderão ser usados na voz reflexiva ou na voz reflexiva recíproca. Reflexiva - quando o sujeito praticar a ação sobre si mesmo. Carla machucou-se. Marcos cortou-se com a faca. Reflexiva recíproca - quando houver dois elementos como sujeito: um pratica a ação sobre o outro, que pratica a ação sobre o primeiro.
  • 50. Paula e Renato amam-se. Os jovens agrediram-se durante a festa. Os ônibus chocaram-se violentamente. Conosco e convosco - são utilizados normalmente em sua forma sintética. Caso haja palavra de reforço, tais pronomes devem ser substituídos por formas analíticas. Queria falar conosco. Queria falar com nós dois.
  • 51. Os oblíquos “o, os ,a ,as” quando precedidos de verbos que terminem em “r, s, z” assumem as formas: lo, los, la, las. (VTD). Vou (amar) amá-lo por toda a vida. O jogo (fiz) fi-lo sozinho. Tu (amas) amá-lo como a ti mesma. Quando precedidos de verbos que terminam em “- m, -ão, -õe, assumem a forma no, nas, nos, nas. Entregaram-no ao professor. Entregaram o livro ao professor. – objeto direto. O assunto, dão-no por encerrado.
  • 52. Independentemente da predicação verbal, se o verbo terminar em mos, seguido de nos ou de vos, retira-se a terminação -s. Ex. * Encontramo-nos ontem à noite. * Recolhemo-nos cedo todos os dias. Obs: Se o verbo for transitivo indireto terminado em “s”, seguido de lhe, lhes, não se retira a terminação s. Ex. * Obedecemos-lhe cegamente. * Tu obedeces-lhe?
  • 53. Muitas vezes os pronomes oblíquos equivalem a pronomes possessivos, exercendo a função sintática de adjunto adnominal. Roubaram-me o livro. = Roubaram o meu livro. Escutei-lhe os conselhos = Escutei seus conselhos. As formas plurais “nós e vós” podem ser empregadas para representar uma única pessoa ( singular), adquirindo valor de modéstia.( política) Nós – disse o prefeito – procuramos resolver o problema das enchentes.
  • 54. COLOCAÇÃO PRONOMINAL - USO DOS PRONOMES – me, te, se, lhes,o,a,os, as,nos,vos. Próclise - antes do verbo – Nos o amamos muito. Ênclise - depois do verbo – Entregaram-me as camisas. Mesóclise - aparece no meio do verbo - Convidar-me-iam para a festa. REGRA GERAL – OS PRONOME DEVEM VIR EM ÊNCLISE. Uso da próclise – 1- Com palavras ou expressões negativas: não, nunca, jamais, nada, ninguém, nem, de modo algum. Exemplos: Nada me perturba. / Ninguém se mexeu. / De modo algum me afastarei daqui. Ela nem se importou com meus problemas.
  • 55. 2- Com conjunções subordinativas: quando, se, porque, que, conforme, embora, logo, que. Exemplos: - Quando se trata de comida, ele é um gênio. - É necessário que a deixe na escola. - Fazia a lista de convidados, conforme me lembrava dos amigos sinceros. 3 – quando aparecem advérbios Exemplos - Aqui se tem paz. - Sempre me dediquei aos estudos. -Talvez o veja na escola. OBS: Se houver vírgula depois do advérbio, este (o advérbio) deixa de atrair o pronome. -Aqui, trabalha-se.
  • 56. 4 - Pronomes relativos, demonstrativos e indefinidos. - Alguém me ligou? (indefinido) - A pessoa que me ligou era minha amiga. (relativo) -Isso me traz muita felicidade. (demonstrativo 5 – Quando aparecer frases interrogativas. Exemplo: Quanto me cobrará pela tradução? 6- Em frases exclamativas ou optativas (que exprimem desejo). - Deus o abençoe! (Exclamativa) - Macacos me mordam! (exclamativa) -Deus te abençoe, meu filho! (optativas) 7 - Com verbo no gerúndio antecedido de preposição EM. - Em se plantando tudo dá. -Em se tratando de beleza, ele é campeão.
  • 57. 8 - Com formas verbais proparoxítonas -Nós o censurávamos. ( verbo com a tonicidade proparoxítona) MESÓCLISE •Usada quando o verbo estiver no futuro do presente (vai acontecer – amarei, amarás, …) ou no futuro do pretérito (ia acontecer mas não aconteceu – amaria, amarias, …) Convidar-me-ão para a festa. - Convidar-me-iam para a festa. *Se houver uma palavra atrativa, a próclise será obrigatória. -Não (palavra atrativa) me convidarão para a festa.
  • 58. ÊNCLISE 1 - Ênclise de verbo no futuro e particípio está sempre errada. Tornarei-me……. (errada) Tinha entregado-nos……….(errada) * Nesse caso usa-se próclise) 2 - Ênclise de verbo no infinitivo estará sempre correta. Entregar-lhe (correta) -Não posso recebê-lo. (correta) (verbo terminado em r, faz-se o objetivo direto retirando a letra “r” e colocando a letra”l”. 3 - Com o verbo no início da frase: Entregaram-me as camisas. 4 - Com o verbo no imperativo afirmativo: Alunos, comportem- se. 5 - Com o verbo no gerúndio: Saiu deixando-nos por instantes.
  • 59. 6 - Com o verbo no infinitivo impessoal: Convém contar-lhe tudo. OBS: se o gerúndio vier precedido de preposição ou de palavra atrativa, ocorrerá a próclise: Exemplos: Em se tratando de cinema, prefiro o suspense. Saiu do escritório, não nos revelando os motivos. COLOCAÇÃO PRONOMINAL NAS LOCUÇÕES VERBAIS *Locuções verbais são formadas por um verbo auxiliar + infinitivo, gerúndio ou particípio. AUX + PARTICÍPIO: o pronome deve ficar depois do verbo auxiliar. Se houver palavra atrativa, o pronome deverá ficar antes do verbo auxiliar. Havia-lhe contado a verdade. - Não (palavra atrativa) lhe havia contado a verdade.
  • 60. AUX + GERÚNDIO OU INFINITIVO: se não houver palavra atrativa, o pronome oblíquo virá depois do verbo auxiliar ou do verbo principal. Exemplos: Infinitivo - Quero-lhe dizer o que aconteceu. - Quero dizer-lhe o que aconteceu. Gerúndio - Ia-lhe dizendo o que aconteceu. -Ia dizendo-lhe o que aconteceu. Se houver palavra atrativa, o pronome oblíquo virá antes do verbo auxiliar ou depois do verbo principal. Infinitivo - Não lhe quero dizer o que aconteceu. - Não quero dizer-lhe o que aconteceu.
  • 61. Gerúndio - Não lhe ia dizendo a verdade. - Não ia dizendo-lhe a verdade.
  • 62. Pronomes Possessivos São aqueles que indicam posse, em relação às três pessoas do discurso. São eles: meu(s),minha(s), teu(s), tua(s), seu(s), sua(s), nosso(s), nossa(s), vosso(s), vossa(s). Empregos dos pronomes possessivos O emprego dos possessivos de terceira pessoa seu, sua, seus, suas pode dar duplo sentido à frase (ambiguidade). Para evitar isso, coloca-se à frente do substantivo dele, dela, deles, delas, ou troca-se o possessivo por esses elementos. Joaquim contou-me que Sandra desaparecera com seus documentos. De quem eram os documentos? Não há como saber. Então a frase está ambígua. Para tirar a ambigüidade, coloca-se, após o substantivo, o elemento referente ao dono dos documentos:
  • 63.
  • 64. Não se devem usar pronomes possessivos diante da palavra casa, quando for a residência da pessoa que estiver falando. Ex. Acabei de chegar de casa. Estou em casa, tranquilo. Pronomes Demonstrativos Pronomes demonstrativos são aqueles que situam os seres no tempo e no espaço, em relação às pessoas do discurso. São os seguintes: Este, esta, isto: são usados para o que está próximo da pessoa que fala e para o tempo presente. Este chapéu que estou usando é de couro.( próximo a 1ª pessoa) Este ano está sendo cheio de surpresas. (presente)
  • 65. Esse, essa, isso: são usados para o que está próximo da pessoa com quem se fala, para o tempo passado recente e para o futuro. Ex. Esse chapéu que você está usando é de couro? 2003. Esse ano será envolto em mistérios. Em novembro de 2001, inauguramos a loja. Até esse mês, nada sabíamos sobre comércio. Aquele, aquela, aquilo: são usados para o que está distante da pessoa que fala e da pessoa com quem se fala e para o tempo passado remoto. Ex. Aquele chapéu que ele está usando é de couro? Em 1974, eu tinha 15 anos. Naquela época, Londrina era uma cidade pequena. ***Outros usos dos demonstrativos Em uma citação oral ou escrita, usa-se este, esta, isto para o que ainda vai ser dito ou escrito, e esse, essa, isso para o que já foi dito ou escrito.
  • 66. Esta é a verdade: existe a violência, porque a sociedade a permitiu. Existe a violência, porque a sociedade a permitiu. A verdade é essa. Usa-se este, esta, isto em referência a um termo imediatamente anterior. Ex. O fumo é prejudicial à saúde, e esta deve ser preservada. Quando interpelei Roberval, este assustou-se inexplicavelmente. ***Para estabelecer-se a distinção entre dois elementos anteriormente citados, usa-se este, esta, isto em relação ao que foi mencionado por último e aquele, aquela, aquilo, em relação ao que foi nomeado em primeiro lugar. • Sabemos que a relação entre o Brasil e os Estados Unidos é de domínio destes sobre aquele. • Os filmes brasileiros não são tão respeitados quanto as novelas, mas eu prefiro aqueles a estas.
  • 67. O, a, os, as são pronomes demonstrativos, quando equivalem a isto, isso, aquilo ou aquele(s), aquela(s). Ex.• Não concordo com o que ele falou. (aquilo que ele falou) • Tudo o que aconteceu foi um equívoco. (aquilo que aconteceu) Pronomes Indefinidos Os pronomes indefinidos referem-se à terceira pessoa do discurso de uma maneira vaga, imprecisa, genérica. São eles: alguém, ninguém, tudo, nada, algo, cada, outrem, mais, menos, demais, algum, alguns, alguma, algumas, nenhum, nenhuns, nenhuma, nenhumas, todo, todos, toda, todas, muito, muitos, muita, muitas, bastante, bastantes, pouco, poucos, pouca, poucas, certo, certos, certa, certas, tanto, tantos, tanta, tantas, quanto, quantos, quanta, quantas, um, uns, uma, umas, qualquer, quaisquer além das locuções pronominais indefinidas cada um, cada qual, quem quer que, todo aquele que, tudo o mais...
  • 68. Usos de alguns pronomes indefinidos Todo - deve ser usado com artigo, se significar inteiro e o substantivo à sua frente o exigir; caso signifique cada ou todos não terá artigo, mesmo que o substantivo exija. Ex. • Todo dia telefono a ela. (Todos os dias) • Fiquei todo o dia em casa. (O dia inteiro) • Todo ele ficou machucado. (Ele inteiro, mas a palavra ele não admite artigo) Todos, todas - devem ser usados com artigo, se o substantivo à sua frente o exigir. Ex. • Todos os colegas o desprezam. • Todas as meninas foram à festa. • Todos vocês merecem respeito.
  • 69.
  • 70. Pronomes Interrogativos São os pronomes que, quem, qual e quanto usados em frases interrogativas diretas ou indiretas. Ex. • Que farei agora? - Interrogativa direta. • Quanto te devo, meu amigo? - Interrogativa direta. • Qual é o seu nome? - Interrogativa direta. • Não sei quanto devo cobrar por esse trabalho. - Interrogativa indireta. Notas: Na expressão interrogativa Que é de? subentende-se a palavra feito: Que é do sorriso? (= Que é feito do sorriso? ), Que é dele? (= Que é feito dele?). Nunca se deve usar “quédê, quedê ou cadê”, pois essas palavras oficialmente não existem, apesar de, no Brasil, o uso de cadê ser cada dia mais constante.
  • 71. Não se deve usar a forma o que como pronome interrogativo; usa-se apenas que, a não ser que o pronome seja colocado depois do verbo. Ex. • Que você fará hoje à noite? e não O que você fará hoje à noite? • Que queres de mim? e não O que queres de mim? • Você fará o quê? Pronomes Relativos Que - deve ser utilizado com o intuito de substituir um substantivo (pessoa ou "coisa"), evitando sua repetição. Na montagem do período, deve-se colocá-lo imediatamente após o substantivo repetido, que passará a ser chamado de elemento antecedente. Ex: nas orações Roubaram a peça. A peça era rara no Brasil há o substantivo peça repetido.
  • 72. Pode-se usar o pronome relativo que e, assim, evitar a repetição de peça. O pronome será colocado após o substantivo. Então teremos Roubaram a peça que... . Este “que” está no lugar da palavra peça da outra oração. Deve-se, agora, terminar a outra oração: ...era rara no Brasil, ficando Roubaram a peça que era rara no Brasil. Outro exemplo: 01) Encontrei o garoto. Você estava procurando o garoto. • Substantivo repetido = garoto • Colocação do pronome após o substantivo = Encontrei o garoto que ... • Restante da outra oração = ... você estava procurando. • Junção de tudo = Encontrei o garoto que você estava procurando.
  • 73. O Pronome Relativo Cujo Este pronome indica posse (algo de alguém). Na montagem do período, deve-se colocá-lo entre o possuidor e o possuído (alguém cujo algo) Ex: Antipatizei com o rapaz. Você conhece a namorada do rapaz. o substantivo repetido rapaz possui namorada. Deveremos, então usar o pronome relativo cujo, que será colocado entre o possuidor e o possuído: Algo de alguém = Alguém cujo algo. Então, tem-se a namorada do rapaz = o rapaz cujo a namorada. Não se pode, porém, usar artigo (o, a, os, as) depois de cujo. Ele deverá contrair-se com o pronome, ficando: cujo + o = cujo; cujo + a = cuja cujo + os = cujos; cujo + as = cujas. Então a frase ficará o rapaz cuja namorada. Somando a duas orações, tem-se Antipatizei com o rapaz cuja namorada você conhece.
  • 74. O artista morreu ontem. Eu falara da obra do artista. • Substantivo repetido = artista - o substantivo repetido possui algo. • Algo de alguém = Alguém cujo algo: a obra do artista = o artista cuja obra. Somando as duas orações, tem-se O artista cuja obra eu falara morreu ontem. Observe que, nesse último exemplo, a junção de tudo ficou incompleta, pois a segunda oração é Eu falara da obra do artista, porém, na junção, a prep. de desapareceu. Portanto o período está inadequado gramaticalmente. A explicação é a seguinte: Quando o verbo da oração subordinada adjetiva exigir preposição, deve-se colocá-la antes do pronome relativo. Então, tem-se: O artista de cuja obra eu falara morreu ontem.