SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 50
Baixar para ler offline
DIRETORIA DE ENSINO LESTE 4
NÚCLEO PEDAGÓGICO
"Somos diferentes, mas não queremos ser
transformados em desiguais. As nossas vidas só
precisam ser acrescidas de recursos especiais”.
EDUCAÇÃO
ESPECIAL
• Constituição Federal: Artigos 5º; 205; 206 (incisos I e VII); 208 (incisos
III e V).
• Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional – LDBEN (Lei nº
9.394, de 20 de dezembro de 1996): Artigos 4º (inciso III); 58
(parágrafos 1º a 3º); 59 (incisos I a IV).
• Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação
Inclusiva, MEC, 2008
• Deliberação CEE nº 68/2007
• Resolução SE nº 11/2008, alterada pela Resolução SE nº 31/2008.
• Decreto Federal nº 7.611, de 17 de novembro de 2011.
• Decreto Federal nº 7.612, de 17 de novembro de 2011.
• Todos esses documentos podem ser consultados na página do
CAPE na internet (http://cape.edunet.sp.gov.br, menu Legislação)
LEGISLAÇÃO ESPECÍFICA – EDUCAÇÃO ESPECIAL
DEFICIÊNCIA INTELECTUAL
NA ESCOLA
Segundo D´Antino, a definição de deficiência mental mais
difundida e aceita é a da Associação Americana de Deficiência
Mental, de 1992, que representa um avanço conceitual :
“Deficiência mental corresponde a um funcionamento
intelectual significativamente abaixo da média, coexistindo com
outras limitações relativas a duas ou mais das seguintes áreas de
habilidades adaptativas:
 Comunicação, auto cuidado, habilidades sociais, participação
familiar e comunitária, autonomia, saúde e segurança,
funcionalidade acadêmica, lazer e trabalho, manifestando-se
antes dos dezoito anos de idade”
D´Antino (1997, p.97)
Como identificar a Deficiência Intelectual?
Observando-se duas coisas :
1- a capacidade do cérebro da pessoa para aprender, resolver
problemas, encontrar um sentido do mundo, uma inteligência do mundo
que as rodeia (a esta capacidade chama-se funcionamento cognitivo ou
funcionamento intelectual
2- a competência necessária para viver com autonomia e
independência na comunidade em que se insere (a esta competência
também se chama comportamento adaptativo ou funcionamento
adaptativo).
Enquanto o diagnóstico do funcionamento cognitivo é
normalmente realizado por técnicos devidamente habilitados (psicólogos,
neurologistas, fonoaudiólogos, psiquiatras, etc.), já o funcionamento
adaptativo deve ser objeto de observação e análise por parte da família,
dos pais e dos educadores que convivem com a criança.
A deficiência é uma condição que abrange os campos da
saúde e da educação e tem implicações na área social e familiar.
Nenhuma dessas áreas deve ter predominância sobre a outra.
Em outras palavras, as áreas da educação e da saúde se completam,
mas não se sobrepõem.
O foco deve ser exclusivamente a criança: o que preciso
fazer para atender, da melhor forma possível, esta criança?
O que deve nortear a atuação do professor é a avaliação
pedagógica de seus alunos. E não estar preso a um laudo ou um
diagnóstico médico.
Para obter dados a respeito do comportamento adaptativo
deve procurar saber-se o que a criança consegue fazer em
comparação com crianças da mesma idade cronológica.
ADNM ou Deficiência Intelectual
DIAGNÓSTICO DE DEFICIÊNCIA INTELECTUAL
A deficiência intelectual pelo atual CID -10 (classificação internacional
de doenças):
-Retardo mental leve F70
-Retardo mental moderado F71
-Retardo mental grave F72
-Retardo mental profundo F73
-Outro retardo mental F78
-Retardo mental não especificado F79
-Variação normal de inteligência (VNI)
O diagnóstico só poderá ser dado pelo médico neurologista
ou psiquiatra.
CONDUTA MÉDICA
O médico deverá fazer uma anamnese e exame neurológico
completos com um exame de imagem como tomografia computadorizada
de encéfalo ou RMN de encéfalo para avaliar a possibilidade de
malformações cerebrais ou lesões cerebrais por infecções, anóxia etc...
avaliação oftalmológica e audiológica.
Lembrar que déficits auditivos e visuais podem apresentar
sintomas clínicos que lembram quadros de deficiência mental e devem
sempre fazer parte da investigação inicial dos pacientes com atraso ou
suspeita de deficiência mental
CONDUTA MÉDICA
Solicitar exames metabólicos como :
-Hemograma completo
-Eletrólitos (Na,K,Mg,Ca,CI)
-Glicemia de jejum
-Provas hepáticas e renais
-Provas reumatológicas
-Erros inatos do metabolismo
-Provas tireoidianas e paratireoidianas
-Fenilcetonúria
O diagnóstico de deficiência intelectual é fundamentado através
de avaliação psicológica (testes psicológicos) e da avaliação do
desempenho e rendimento do paciente ou seja , como o paciente funciona
no dia a dia.
AVALIAÇÃO DA GENÉTICA MÉDICA
(mapeamento genético)
Lembrar que a maioria das síndromes são acompanhadas de
deficiência mental (por exemplo: Síndrome do X frágil, Down, Klinefelter
entre outras.
A importância de fazer uma investigação para diagnosticar o
paciente com atraso ou deficiência mental é fundamental, pois apenas
através de um diagnóstico definido podemos ter uma conduta terapêutica.
Condições que podem levar a um quadro de Deficiência Intelectual
ou ADNM:
ERROS INATOS DO METABOLISMO
Grupo de doenças geneticamente determinadas, decorrentes da deficiência
de alguma via metabólica envolvida na síntese, transporte ou degradação de
alguma substância.
Fenilcetonúria: o mais conhecido dos erros inatos.Ocorre acúmulo de
fenilalanina no sangue e seu tratamento é dietário.
Sem tratamento pode ocorrer atraso no DNPM, DI e até traços autísticos.
A fenilcetonúria (PKU) é uma doença rara na qual o bebê nasce sem a
habilidade de quebrar adequadamente um aminoácido chamado
fenilalanina.
Causas
A fenilcetonúria é hereditária, isto é, passa de pais para filhos. O pai e a
mãe devem passar o gene defeituoso para que o bebê tenha essa doença.
Isso é conhecido como traço recessivo autossômico.
Os bebês com PKU não possuem uma enzima chamada fenilalanina
hidroxilase, necessária para quebrar um aminoácido essencial denominado
fenilalanina. Essa substância é encontrada em alimentos que contêm
proteínas.
Sem essa enzima, os níveis de fenilalanina e de duas substâncias
associadas a ela crescem no organismo. Tais substâncias são prejudiciais
ao sistema nervoso central e causam dano cerebral.
AUTISMO
Os sintomas autísticos se caracterizam
principalmente por:
-Estereotipias (balançar o corpo ou as mãos, girar objetos,etc..)
-Ecolalia (repetir geralmente a última palavra falada pelo entrevistador)
-Não falar ou falar pouco (ou emitir vocalizações)
-Isolamento (ficar restrito ao quarto ou sempre no mesmo lugar da
casa
-Não gostar de contato físico (abraços, toques)
-Não gostar da mudança de rotina (sentar no mesmo lugar,comer os
mesmos alimentos, fazer o mesmo caminho de ida e volta, às vezes
acompanhados de rituais, toques e tiques)
Como diagnosticar o autismo?
Diagnóstico
Para o diagnóstico do autismo, deverá ser utilizado um amplo
protocolo de avaliações de preferência multidisciplinares (neurologista,
pediatra, psicóloga, fonoaudióloga dentre outros), bem como a
realização de exames não para a detecção do autismo, mas para
identificação de outros quadros que com frequência se associam ao
autismo. É comum para este fim a realização de avaliação auditiva,
análise bioquímica para erros inatos do metabolismo, exames de
cariótipo, eletroencefalograma, ressonância magnética de crânio, além
de outros.
DEFICIÊNCIA MENTAL DE CAUSA
HORMONAL
Hipotireoidismo congênito “cretinismo” O Cretinismo é
uma deficiência mental provocada por
Hipotireoidismo congênito..
Durante o desenvolvimento do recém-nascido a
ausência da tiroxina, um dos hormônios da tireóide,
impede o amadurecimento cerebral normal
PARALISIA CEREBRAL
Definição: encefalopatia crônica não
progressiva é uma lesão de uma ou mais partes
do cérebro.
Sequela de uma agressão encefálica,que se caracteriza
primordialmente por um transtorno persistente,porém não invariável, do
tônus, da postura e do movimento, que surge na primeira infância e que
não é somente secundária a esta lesão não evolutiva do encéfalo, mas se
deve também à influência que a referida lesão exerce sobre a maturação
neurológica.
O fator causador pode ter ocorrido antes, durante ou após o parto.
O termo paralisia cerebral (PC) é usado para definir qualquer desordem
caracterizada por alteração do movimento secundária a uma lesão não
progressiva do cérebro em desenvolvimento.
O cérebro comanda as funções do corpo.
Cada área do cérebro é responsável por uma determinada função, como os
movimentos dos braços e das pernas, a visão, a audição e a inteligência.
SÍNDROME DE DOWN
A mais conhecida das síndromes causadoras de DI,
antigamente conhecida por mongolismo (pelo aspecto facial).
Consequência da trissomia do cromossomo 21, tem
grande correlação com a idade materna, fato que ocorrerá também
na Síndrome de Klinefelter.
O grau de comprometimento intelectual é variável.
SÍNDROME DE PRADER-WILLI
Citadas em conjunto por que são decorrentes de deficiência do
cromossomo 15 (sendo que respectivamente da hereditariedade
paterna e materna)
Prader-Willi:hipotonia neonatal, DI leve a moderado, baixa
estatura, hipogonadismo, chama atenção a polofagia (diabetes) e
consequente associação com obesidade.
SÍNDROME DE ANGELMAN
Angelman: Também conhecida como “Síndrome da marionete feliz”,
ocorre quadro de sinais e sintomas extra-piramidais (movimentos
abruptos, marcha irregular, parte superior do braço inflexível0, DI
severo,não há linguagem falada normal, paroxismos de risos
inapropriados, hiperatividade e por vezes acessos de agitação
(surtos).
A deficiência dos hormônios sexuais pode resultar em um desenvolvimento
defeituoso das características sexuais primárias ou secundárias, pouco
desenvolvimento das genitálias, ou efeitos de retirada (por exemplo,
menopausa prematura) em adultos. O desenvolvimento defeituoso das
gônadas resulta em infertilidade.
O termo hipogonadismo é geralmente aplicado para os defeitos
permanentes, ao invés dos temporários ou reversíveis, e geralmente implica
deficiência dos hormônios reprodutivos, com ou sem defeitos de fertilidade.
O termo é menos usado para infertilidade sem deficiência hormonal
Hipotonia é uma condição na qual o tônus muscular está anormalmente
baixo, geralmente envolvendo redução da força muscular.
SÍNDROME DE PRADER-WILLI
SÍNDROME DO TRIPLO X
• Também conhecida como Síndrome de Jacob.
• Acomete apenas mulheres, o cariótipo é 47 XXX;
• A hereditariedade pode ser materna ou paterna, as características
físicas são aparentemente normais, porém ocorre DI leve.
• Diferente de algumas outras síndromes, as portadoras podem ser
férteis.
SÍNDROME DO X FRÁGIL
É a causa de origem hereditária mais comum para DI, em graus que
vão de dificuldades de aprendizado, déficit de atenção a DI profundo.
A transmissão por linhagem materna é mais comum. Todas as mães
de indivíduos portadores da doença (que causa mutação do braço longo do
cromossomo X) são portadoras do gene alterado, o que traz alto risco de
outros filhos com a síndrome. O aconselhamento genético é muito importante.
A síndrome afeta ambos os sexos, mas é mais frequente em homens
, além do que neles as manifestações são mais graves.
Tendem a ser instáveis, demoram a falar, fazem pouco contato
visual, por vezes com tiques, estereotipias, retraídos socialmente, podem
haver traços autísticos.
SÍNDROME DE KLINEFELTER
• Restrita apenas a homens
• O cariótipo é 47 XXY. O cromossomo adicional em 50% dos casos é
de origem materna (como já dito há influência da idade) .
• Tem hipogonadismo, níveis baixos de testosterona, aspecto físico
(pêlos, gordura corporal, proporções) mais feminilizado.
• O diagnóstico é difícil antes da puberdade. Costumam ter baixo
índice de fertilidade.
• O quadro é de DI leve ou déficit de aprendizagem.
Síndrome da marionete feliz
Hipogonadismo e associação c/
obesidade
X frágil + autismo
Klinefelter
Down
FUNCIONALIDADE DO DIAGNÓSTICO CLÍNICO NO PROCESSO DE
APRENDIZAGEM
O paciente após receber o diagnóstico médico definido, pode ser
avaliado por outras especialidades terapêuticas e inclusive pelo pedagogo
que sabendo das dificuldades do paciente poderá fazer uma estratégia de
como melhor abordar cada caso em particular.
O profissional poderá comparar o desenvolvimento do paciente
através do tempo de tratamento ou abordagem pedagógica, uma vez que
possui uma avaliação antes de iniciar o processo de ensino ou tratamento.
TRATAMENTO
A abordagem adequada é multiprofissional
-Psicologia
-Psicopedagogia
-Terapia Ocupacional
-Fonoaudiologia
-Fisioterapia
-Neurologia
-Psiquiatria
-Fisiatria
-Ensino com especificações de deficientes auditivos
e visuais
-Equoterapia
-Etc..
Atendimento é oferecido no CAPS
PROGNÓSTICO
Podemos afirmar com certeza que na grande maioria dos casos,
os pacientes sempre terão melhora dos seus quadros, uma vez que
tenham um diagnóstico e sejam abordados de forma correta.
Observamos pacientes que receberam diagnóstico de ADNM e
após a correção de fatores como dificuldade visual, auditiva ou causas
metabólicas ou hormonais, passaram a apresentar desempenho dentro
da normalidade
SÍNDROME DE MOEBIUS
Síndrome neurológica rara, decorrente do desenvolvimento
anormal dos pares cranianos.
A característica principal é perda parcial ou total dos
movimentos da face, comprometendo expressões faciais, movimentos
oculares.
A associação com DI é frequente, e também podem acontecer
alterações dentárias, fraqueza muscular na parte superior do corpo e
malformações de extremidades (por exemplo sindactilia).
Ainda não há causa definida, mas há uma relação evidente com o uso
do misoprostol (CYTOTEC)
(Sindactilia é uma anormalidade embriológica que
resulta na visível união entre dois ou mais dedos das
mãos ou dos pés.)
Como lidar com alunos com deficiência intelectual na
escola?
As limitações impostas pela deficiência dependem muito do
desenvolvimento do indivíduo nas relações sociais e de seus aprendizados,
variando bastante de uma criança para outra.
Em geral, a deficiência intelectual traz mais dificuldades para que a
criança interprete conteúdos abstratos. Isso exige estratégias diferenciadas
por parte do professor, que diversifica os modos de exposição nas aulas,
relacionando os conteúdos curriculares a situações do cotidiano, e mostra
exemplos concretos para ilustrar ideias mais complexas.
O professor é capaz de identificar rapidamente o que o aluno não é
capaz de fazer. O melhor caminho para se trabalhar, no entanto, é identificar
as competências e habilidades que o aluno tem.
Propor atividades paralelas com conteúdos mais simples ou
diferentes, não caracteriza uma situação de inclusão.
É preciso redimensionar o conteúdo com relação ás formas de
exposição, flexibilizar o tempo para a realização das atividades e usar
estratégias diversificadas, como a ajuda dos colegas de sala – o que
também contribui para a integração e para a socialização do aluno.
Em sala, também é importante a mediação do adulto no que diz
respeito à organização da rotina. Falar para o aluno com deficiência
intelectual, previamente, o que será necessário para realizar determinada
tarefa e quais etapas devem ser seguidas é fundamental.
O aluno com deficiência intelectual: podemos falar em regularidades
quanto ao processo de aprendizagem?
Sim, mas...........
É preciso considerar que...
•O aluno é um sujeito epistêmico (sujeito do conhecimento )
•O aluno é uma pessoa contextualizada
•O aluno atribui significado ao meio físico e social
•O aluno incorpora elementos de sua cultura
Motivação
Os fatores motivacionais afetam o desempenho de alunos com
Deficiência Intelectual. Dentre esses fatores se destacam a qualidade das
relações sociais, as interações sociais negativas, a expectativa de fracasso, a
dependência dos outros e a baixa autoestima.
No plano pedagógico:
1- Reconhecer o esforço do aluno;
2- Acompanhar o aluno em seu percurso de resolução de problema quando
ele apresenta dificuldade, mas jamais fazer a tarefa em seu lugar;
3- Propor ao aluno problemas compatíveis com o seu nível de
desenvolvimento (zona de desenvolvimento proximal);
Atenção
Na deficiência intelectual o sujeito possui déficit de atenção, sente
dificuldade em orientar sua atenção para aquilo que realmente interessa,
comprometendo o desenvolvimento do aluno:
 No ritmo de aprendizagem;
 Na resolução de problemas;
 Na transferência de informações no interior de um procedimento
No plano pedagógico, é fundamental:
1- Dar orientações breves e precisas aos alunos;
2- Solicitar ao aluno que explore sistematicamente e descreva o material
sobre o qual ele deve trabalhar;
3- Explicar para o aluno exatamente o que está sendo solicitado dele
(compreensão do problema);
4- propor atividades de aprendizagem significativas e de interesse do
aluno;
5- orientar o aluno a verificar suas respostas.
Memória
Os sujeitos com deficiência intelectual possuem dificuldades no
processo da memória. Suas causas podem ser tanto de natureza estrutural
como na ausência de utilização de estratégias cognitivas de reagrupamento
ou de repetição interna que dificulta o processamento da memória a curto
prazo.
O déficit na memória de curto prazo pode causar dificuldades
nas situações de aprendizagem. Assim como nessa memória, a de longo
prazo também apela para as estratégias cognitivas de codificação e de
recuperação de informação.
No plano pedagógico:
1- Solicitar que o aluno formule com suas próprias palavras a demanda do
professor ;
2- Perguntar ao aluno se ele já realizou aprendizagens ou problemas
semelhantes;
3- interrogar frequentemente o aluno sobre as orientações para a realização
da tarefa;
4- Solicitar ao aluno que verifique se ele respeitou as orientações para a
realização da tarefa;
5- Pedir ao aluno que organize as informações, reagrupando-as de maneira
que possibilite a conservação da informação;
6- Ajudar ao aluno a dar sentido ao seu percurso
TRANSFERÊNCIA
No plano pedagógico:
1- Estabelecer relações com a família de maneira que as aprendizagens feitas
na escola possam ser aplicadas também em situações da vida cotidiana e vice
versa;
2- Planejar com o aluno a aplicação de seus novos saberes e saber fazer em
diferentes contextos.
Os sujeitos que apresentam deficiência intelectual sentem dificuldade na
transferência de conhecimentos de uma situação a outra.
Metacognição
Na deficiência intelectual existe uma fragilidade metacognitiva. A
passividade no plano intelectual pode ser resultado dessa fragilidade. Assim,
dificuldades em definir com clareza a natureza do problema a resolver,
estabelecer relações com outros problemas semelhantes, selecionar
estratégias úteis para solucioná-los são comuns em pessoas com deficiência
intelectual.
As pessoas com deficiência intelectual não solicitam
espontaneamente as estratégias metacognitivas tais como:
• Antecipar a natureza e as implicações do problema;
• Comparar e selecionar as estratégias de execução pertinentes; significa
“pensar sobre o próprio pensamento”.
O que considerar então na prática pedagógica?
1. Desenvolvimento de habilidades/recursos que estão em conexão com o
ensino voltado para as diferenças.
2. Análise dos objetivos que estão sendo perseguidos com relação ao
ensino voltado para as diferenças.
3. Identificação das principais estratégias de ensino que desenvolve em sala
de aula.
4. Compreensão das estratégias utilizadas.
5. Reflexão sobre a eficácia das estratégias e atividades no atendimento às
diferenças.
6. Reflexão sobre a leitura que faz da dinâmica dos seus alunos desde que
estão sujeitos a esse contexto de ensino.
AS AULAS DEVEM...
 Partir de um planejamento que envolva a organização da rotina, o clima
social da aula, as estratégias e os recursos pedagógicos.
 Ajudar os alunos a atribuir significado pessoal à aprendizagem.
 Explorar as ideias prévias antes de iniciar nova aprendizagem.
 Adotar uma variedade de estratégias e possibilidades de escolha.
 Utilizar estratégias de aprendizagem cooperativa.
 Dar oportunidade para que os alunos pratiquem e apliquem com autonomia
o que foi aprendido.
 Preparar e organizar os materiais e recursos de aprendizagem.
 Monitorar permanentemente o processo de aprendizagem dos alunos para
ajustar o ensino.
COMO SUPERAR ESSES DESAFIOS?
•Pautar-se pelas potencialidades dos alunos;
•Implementar atividades cooperativas/colaborativas (Aprendizagem
cooperativa);
•Considerar os diferentes níveis, ritmos e estilos de aprendizagem;
•Rever concepções;
•Romper com o modelo conservador de ensino;
•Oferecer opções de materiais diferenciados para a realização de uma mesma
atividade;
•Fortalecer as Interações entre professor-aluno e dos alunos entre si;
•Estabelecer expectativas positivas.
•Planejar e preparar recursos, materiais e estratégias de intervenção;
•Fortalecer os saberes dos professores (curriculares, experienciais...);
•Pautar-se pela colaboração entre os profissionais da escola;
•Instaurar a reflexão pelo professor sobre a prática que realiza;
•Realizar trabalho simultâneo, cooperativo e participativo;
•Considerar as necessidades do educando e as propostas
educacionais a serem propiciadas.
•Planejar atividades para uma turma levando em conta a presença de
alunos com deficiências e contemplá-los na programação;
Concluindo...
O ENSINO COM ATENÇÃO AS DIFERENÇAS DEVE...
 Organizar as interações e as atividades, de modo que cada aluno seja
confrontado constantemente, ou ao menos com bastante frequência,
com as situações didáticas mais fecundas para ele.
 Possibilitar o acesso a uma cultura de base comum através de uma
diferenciação no interior de situações didáticas abertas e variadas
levando cada aluno a se confrontar com aquilo que é do seu interesse
ou que é obstáculo na construção do conhecimento.
 Utilizar diversas estratégias didáticas, de forma que sejam respeitadas
e atendidas as características individuais dos alunos.
 Desenvolver diferentes atividades ao mesmo tempo na sala de aula, o
que implica numa organização apropriada da classe bem como na
possibilidade de cooperação estreita entre os professores no
planejamento.
DEFICIÊNCIA INTELECTUAL:
EMIR MACEDO..................................................................... 2 SALAS
JANDYRA VIEIRA DA CUNHA BARRA............................... 2 SALAS
JOCELYN PONTES GESTAL............................................... 2 SALAS
MISSIONÁRIO MANOEL DE MELLO.................................. 2 SALAS
MARIA DE LOURDES ROSÁRIO NEGREIROS................... 2 SALAS
MARIA DE LOURDES NOGUEIRA ALBERGARIA.............. 2 SALAS
MENOTTI DEL PICCHIA....................................................... 2 SALAS
OCTÁVIO MARCONDES FERRAZ.......................................2 SALAS
SÃO JOÃO EVANGELISTA................................................... 1 SALA
DEFICIÊNCIA VISUAL:
ORESTES ROSOLIA............................................................. 2 SALAS
DEFICIÊNCIA AUDITIVA:
SÃO JOÃO EVANGELISTA................................................... 2 SALAS
AUTISMO:
BERNARDO RODRIGUES NOGUEIRA................................. 2 SALAS
AUGUSTO BAILLOT............................................................... 2 SALAS
SALAS DE RECURSO – LESTE 4
IMPORTÂNCIA DO
REGISTRO
VOCÊ PENSA VOCÊ ESCREVE
O aluno não sabe O aluno não adquiriu os conceitos, está em fase de aprendizado
Não tem limites Apresenta dificuldades de auto-regulação, pois...
É nervoso Ainda não desenvolveu habilidades para o convívio no ambiente
escolar, pois...
Tem o costume de
roubar
Apresenta dificuldades de autocontrole quando...
É agressivo Demonstra agressividade em situações de conflito; usa de meios
físicos para alcançar o que deseja.
É bagunceiro,
relaxado, porco
Ainda não desenvolveu hábitos próprios de higiene e de cuidados
com seus pertences.
Não sabe nada Aprendeu algumas noções, mais necessita desenvolver...
É largado da família Apresenta ser desassistido pela família, pois...
É desobediente Costuma não aceitar e compreender as solicitações dos adultos;
tem dificuldades em cumprir regras...
É apático,
distraído
Ainda não demonstra interesse em participar das
atividades propostas; muitas vezes parece se desligar
da realidade, envolvido em seus pensamentos.
É mentiroso Costuma utilizar inverdade para justificar seus atos ou
relatar as atitudes dos colegas.
É fofoqueiro Costuma se preocupar com os hábitos e atitudes dos
colegas.
É chiclete É muito afetuoso; demonstra constantemente seu
carinho.
É sonso e
dissimulado
Em situações de conflito coloca-se como espectador,
mesmo quando está clara a sua participação.
É preguiçoso Não realiza as tarefas, aparentando desânimo e cansaço,
porém logo parte para brincadeiras e outras atividades.
É mimado Aparenta desejar atenções diferenciadas para si, solicitando
que sejam feitas todas as suas vontades.
É deprimido,
isolado,
antissocial
Evita o contato e o diálogo com os colegas e professores
preferindo permanecer sozinho;
Ainda não desenvolveu hábitos e atitudes próprias do convívio
social.
É tagarela Costuma falar mais do que o necessário, não respeitando os
momentos em que o grupo necessita de silêncio.
Tem a boca suja Utiliza-se de palavras pouco cordiais para repelir ou afrontar.
Possui distúrbio de
comportamento
Apresenta comportamento pouco comum para sua idade
o que desfavorece o seu convívio no grupo, tais como...
É egoísta Ainda não sabe dividir o espaço e os materiais de forma
coletiva.
Coloque sempre as intervenções feitas para as ações
apresentadas, isto ressalta o trabalho do educador em sala
de aula.
OBRIGADA.
Regina Leôncio
PCNP Educação Especial – DE Leste 4

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Slaide sobre deficiencia intelectual 2
Slaide sobre deficiencia intelectual 2Slaide sobre deficiencia intelectual 2
Slaide sobre deficiencia intelectual 2Raimunda Pereira Lopes
 
Tdah - Transtorno de Déficit de atenção e Hiperatividade - Prof. Esp. Viníciu...
Tdah - Transtorno de Déficit de atenção e Hiperatividade - Prof. Esp. Viníciu...Tdah - Transtorno de Déficit de atenção e Hiperatividade - Prof. Esp. Viníciu...
Tdah - Transtorno de Déficit de atenção e Hiperatividade - Prof. Esp. Viníciu...Vinícius Fagundes Dos Santos
 
Pedagogia - Autismo
Pedagogia - AutismoPedagogia - Autismo
Pedagogia - AutismoAurivan
 
Deficiência Multipla Centro Comunitrio
Deficiência Multipla Centro ComunitrioDeficiência Multipla Centro Comunitrio
Deficiência Multipla Centro ComunitrioRosana Santos
 
Slide Autismo
Slide   AutismoSlide   Autismo
Slide AutismoUNIME
 
Deficiência Intelectual Etiologias – PEI
Deficiência Intelectual Etiologias – PEI Deficiência Intelectual Etiologias – PEI
Deficiência Intelectual Etiologias – PEI lucianacarvalho
 
Curso Dsm-5 –Transtornos do Neurodesenvolvimento
Curso Dsm-5 –Transtornos do NeurodesenvolvimentoCurso Dsm-5 –Transtornos do Neurodesenvolvimento
Curso Dsm-5 –Transtornos do NeurodesenvolvimentoFelipe de Souza
 
Diferencças entre dificuldades, transtornos e deficies de aprendizagem
Diferencças entre dificuldades, transtornos e deficies de aprendizagemDiferencças entre dificuldades, transtornos e deficies de aprendizagem
Diferencças entre dificuldades, transtornos e deficies de aprendizagemClaudinéia da Silva de Oliveira
 
Tapiri def. intelectual
Tapiri def. intelectualTapiri def. intelectual
Tapiri def. intelectualdonnassol
 
Deficiência intelectual
Deficiência intelectualDeficiência intelectual
Deficiência intelectualJoemille Leal
 
Dificuldades de aprendizagem
Dificuldades de aprendizagemDificuldades de aprendizagem
Dificuldades de aprendizagemDeisiane Cazaroto
 

Mais procurados (20)

Dificuldades de aprendizagem
Dificuldades de aprendizagemDificuldades de aprendizagem
Dificuldades de aprendizagem
 
Slaide sobre deficiencia intelectual 2
Slaide sobre deficiencia intelectual 2Slaide sobre deficiencia intelectual 2
Slaide sobre deficiencia intelectual 2
 
Tdah - Transtorno de Déficit de atenção e Hiperatividade - Prof. Esp. Viníciu...
Tdah - Transtorno de Déficit de atenção e Hiperatividade - Prof. Esp. Viníciu...Tdah - Transtorno de Déficit de atenção e Hiperatividade - Prof. Esp. Viníciu...
Tdah - Transtorno de Déficit de atenção e Hiperatividade - Prof. Esp. Viníciu...
 
Deficiências
DeficiênciasDeficiências
Deficiências
 
Autismo
AutismoAutismo
Autismo
 
Pedagogia - Autismo
Pedagogia - AutismoPedagogia - Autismo
Pedagogia - Autismo
 
Deficiência Multipla Centro Comunitrio
Deficiência Multipla Centro ComunitrioDeficiência Multipla Centro Comunitrio
Deficiência Multipla Centro Comunitrio
 
Inclusão deficiência intelectual
Inclusão deficiência intelectualInclusão deficiência intelectual
Inclusão deficiência intelectual
 
Autismo
AutismoAutismo
Autismo
 
Slide Autismo
Slide   AutismoSlide   Autismo
Slide Autismo
 
Deficiência Intelectual Etiologias – PEI
Deficiência Intelectual Etiologias – PEI Deficiência Intelectual Etiologias – PEI
Deficiência Intelectual Etiologias – PEI
 
Curso Dsm-5 –Transtornos do Neurodesenvolvimento
Curso Dsm-5 –Transtornos do NeurodesenvolvimentoCurso Dsm-5 –Transtornos do Neurodesenvolvimento
Curso Dsm-5 –Transtornos do Neurodesenvolvimento
 
Diferencças entre dificuldades, transtornos e deficies de aprendizagem
Diferencças entre dificuldades, transtornos e deficies de aprendizagemDiferencças entre dificuldades, transtornos e deficies de aprendizagem
Diferencças entre dificuldades, transtornos e deficies de aprendizagem
 
Tecnologia assistiva
Tecnologia assistivaTecnologia assistiva
Tecnologia assistiva
 
Deficiência Intelectual
Deficiência IntelectualDeficiência Intelectual
Deficiência Intelectual
 
inclusão social
inclusão socialinclusão social
inclusão social
 
Tapiri def. intelectual
Tapiri def. intelectualTapiri def. intelectual
Tapiri def. intelectual
 
Transtornos da aprendizagem ufop
Transtornos da aprendizagem   ufopTranstornos da aprendizagem   ufop
Transtornos da aprendizagem ufop
 
Deficiência intelectual
Deficiência intelectualDeficiência intelectual
Deficiência intelectual
 
Dificuldades de aprendizagem
Dificuldades de aprendizagemDificuldades de aprendizagem
Dificuldades de aprendizagem
 

Destaque

Deficiência Mental e Intelectual
Deficiência Mental e Intelectual Deficiência Mental e Intelectual
Deficiência Mental e Intelectual Jose Luiz França
 
Educação Especial: OT Planejamento 2014 EF-Anos Finais e Ensino Médio
Educação Especial: OT Planejamento 2014 EF-Anos Finais e Ensino MédioEducação Especial: OT Planejamento 2014 EF-Anos Finais e Ensino Médio
Educação Especial: OT Planejamento 2014 EF-Anos Finais e Ensino MédioClaudia Elisabete Silva
 
Deficinciaintelectualnaescola 130506125859-phpapp01
Deficinciaintelectualnaescola 130506125859-phpapp01Deficinciaintelectualnaescola 130506125859-phpapp01
Deficinciaintelectualnaescola 130506125859-phpapp01avani gonçalves dos santos
 
Como colocar as referências segundo a abnt
Como colocar as referências segundo a abntComo colocar as referências segundo a abnt
Como colocar as referências segundo a abntitqturma201
 
Caderno educacao especial miolo
Caderno educacao especial   mioloCaderno educacao especial   miolo
Caderno educacao especial mioloIsa ...
 
Deficiencia intelectual
Deficiencia intelectualDeficiencia intelectual
Deficiencia intelectualRosana Santos
 
Jogos e brincadeiras a deficientes
Jogos e brincadeiras a deficientesJogos e brincadeiras a deficientes
Jogos e brincadeiras a deficientesAna Sebastião
 
Alfabetização com inclusão de crianças com deficiência intelectual
Alfabetização com inclusão de crianças com deficiência intelectualAlfabetização com inclusão de crianças com deficiência intelectual
Alfabetização com inclusão de crianças com deficiência intelectualJaime Balbino
 
Orientações Pedagógicas: Deficiências
Orientações Pedagógicas: Deficiências Orientações Pedagógicas: Deficiências
Orientações Pedagógicas: Deficiências Jardeane Fontenele
 
Atividades Pedagógicas 1_2_ano_Alfabetização
Atividades Pedagógicas 1_2_ano_AlfabetizaçãoAtividades Pedagógicas 1_2_ano_Alfabetização
Atividades Pedagógicas 1_2_ano_Alfabetizaçãosrentesupor
 
Cadernodeatividades
CadernodeatividadesCadernodeatividades
CadernodeatividadesIsa ...
 
Estrategias pedagogicas com deficiente intelectual
Estrategias pedagogicas com deficiente intelectualEstrategias pedagogicas com deficiente intelectual
Estrategias pedagogicas com deficiente intelectualPaula Aparecida Alve Alves
 
Curriculos Alternativos
Curriculos AlternativosCurriculos Alternativos
Curriculos Alternativosguestb20a74
 
Mini Dicionário de Inglês ampliado
Mini Dicionário de Inglês ampliadoMini Dicionário de Inglês ampliado
Mini Dicionário de Inglês ampliadoIsa ...
 
Portfolio adaptação curricular
Portfolio adaptação curricularPortfolio adaptação curricular
Portfolio adaptação curricularJuvenal Alves
 
75 jogos e brincadeiras na aprendizagem do autista por simone helen drumond
75 jogos e brincadeiras na aprendizagem do  autista por simone helen drumond75 jogos e brincadeiras na aprendizagem do  autista por simone helen drumond
75 jogos e brincadeiras na aprendizagem do autista por simone helen drumondSimoneHelenDrumond
 
Contos maravilhosos para criar história
Contos maravilhosos para criar históriaContos maravilhosos para criar história
Contos maravilhosos para criar históriaIsa ...
 

Destaque (20)

Deficiência Mental e Intelectual
Deficiência Mental e Intelectual Deficiência Mental e Intelectual
Deficiência Mental e Intelectual
 
Educação Especial: OT Planejamento 2014 EF-Anos Finais e Ensino Médio
Educação Especial: OT Planejamento 2014 EF-Anos Finais e Ensino MédioEducação Especial: OT Planejamento 2014 EF-Anos Finais e Ensino Médio
Educação Especial: OT Planejamento 2014 EF-Anos Finais e Ensino Médio
 
Deficinciaintelectualnaescola 130506125859-phpapp01
Deficinciaintelectualnaescola 130506125859-phpapp01Deficinciaintelectualnaescola 130506125859-phpapp01
Deficinciaintelectualnaescola 130506125859-phpapp01
 
Como colocar as referências segundo a abnt
Como colocar as referências segundo a abntComo colocar as referências segundo a abnt
Como colocar as referências segundo a abnt
 
Caderno educacao especial miolo
Caderno educacao especial   mioloCaderno educacao especial   miolo
Caderno educacao especial miolo
 
Deficiencia intelectual
Deficiencia intelectualDeficiencia intelectual
Deficiencia intelectual
 
Jogos e brincadeiras a deficientes
Jogos e brincadeiras a deficientesJogos e brincadeiras a deficientes
Jogos e brincadeiras a deficientes
 
Alfabetização com inclusão de crianças com deficiência intelectual
Alfabetização com inclusão de crianças com deficiência intelectualAlfabetização com inclusão de crianças com deficiência intelectual
Alfabetização com inclusão de crianças com deficiência intelectual
 
Orientações Pedagógicas: Deficiências
Orientações Pedagógicas: Deficiências Orientações Pedagógicas: Deficiências
Orientações Pedagógicas: Deficiências
 
Atividades Pedagógicas 1_2_ano_Alfabetização
Atividades Pedagógicas 1_2_ano_AlfabetizaçãoAtividades Pedagógicas 1_2_ano_Alfabetização
Atividades Pedagógicas 1_2_ano_Alfabetização
 
Cadernodeatividades
CadernodeatividadesCadernodeatividades
Cadernodeatividades
 
Síntese do caderno
Síntese do cadernoSíntese do caderno
Síntese do caderno
 
Estrategias pedagogicas com deficiente intelectual
Estrategias pedagogicas com deficiente intelectualEstrategias pedagogicas com deficiente intelectual
Estrategias pedagogicas com deficiente intelectual
 
Como Fazer Citações E Referências
Como Fazer Citações E ReferênciasComo Fazer Citações E Referências
Como Fazer Citações E Referências
 
Curriculos Alternativos
Curriculos AlternativosCurriculos Alternativos
Curriculos Alternativos
 
Mini Dicionário de Inglês ampliado
Mini Dicionário de Inglês ampliadoMini Dicionário de Inglês ampliado
Mini Dicionário de Inglês ampliado
 
Sugestões de Materiais e Recursos
Sugestões de Materiais e RecursosSugestões de Materiais e Recursos
Sugestões de Materiais e Recursos
 
Portfolio adaptação curricular
Portfolio adaptação curricularPortfolio adaptação curricular
Portfolio adaptação curricular
 
75 jogos e brincadeiras na aprendizagem do autista por simone helen drumond
75 jogos e brincadeiras na aprendizagem do  autista por simone helen drumond75 jogos e brincadeiras na aprendizagem do  autista por simone helen drumond
75 jogos e brincadeiras na aprendizagem do autista por simone helen drumond
 
Contos maravilhosos para criar história
Contos maravilhosos para criar históriaContos maravilhosos para criar história
Contos maravilhosos para criar história
 

Semelhante a Deficiência Intelectual na Escola

Apresentaçao inclusao
Apresentaçao inclusaoApresentaçao inclusao
Apresentaçao inclusaoRosy Sandra
 
EFEITO TERAPIA GH EM ALTURA EM CRIANÇA/INFANTIL COM BAIXA ESTATURA IDIOPÁTICA...
EFEITO TERAPIA GH EM ALTURA EM CRIANÇA/INFANTIL COM BAIXA ESTATURA IDIOPÁTICA...EFEITO TERAPIA GH EM ALTURA EM CRIANÇA/INFANTIL COM BAIXA ESTATURA IDIOPÁTICA...
EFEITO TERAPIA GH EM ALTURA EM CRIANÇA/INFANTIL COM BAIXA ESTATURA IDIOPÁTICA...Van Der Häägen Brazil
 
Deficiência intelectual..&..Síndrome de Down
Deficiência intelectual..&..Síndrome de DownDeficiência intelectual..&..Síndrome de Down
Deficiência intelectual..&..Síndrome de DownTathiane Cuesta
 
Quais são as alterações genéticas que podem provocar a síndrome de down
Quais são as alterações genéticas que podem provocar a síndrome de downQuais são as alterações genéticas que podem provocar a síndrome de down
Quais são as alterações genéticas que podem provocar a síndrome de downWellinton Prestes
 
Filho com-autismo-ou-deficit-de-atencao
Filho com-autismo-ou-deficit-de-atencaoFilho com-autismo-ou-deficit-de-atencao
Filho com-autismo-ou-deficit-de-atencaoKaline Dantas
 
Deficiência intelectual e dificuldade de aprendizagem
Deficiência intelectual e dificuldade de aprendizagemDeficiência intelectual e dificuldade de aprendizagem
Deficiência intelectual e dificuldade de aprendizagemmarcellebnogueira
 
3553_-_saude_mental_na_3._idade.pptx
3553_-_saude_mental_na_3._idade.pptx3553_-_saude_mental_na_3._idade.pptx
3553_-_saude_mental_na_3._idade.pptxMartaMatos44
 
TRANSTORNO DO ASPECTRO AUTISTA IMPACTO NAS FAMILIAS
TRANSTORNO DO ASPECTRO AUTISTA IMPACTO NAS FAMILIASTRANSTORNO DO ASPECTRO AUTISTA IMPACTO NAS FAMILIAS
TRANSTORNO DO ASPECTRO AUTISTA IMPACTO NAS FAMILIASandreiasilva642827
 
Demência.pptx O estudo sobre as diversas doenças que acometem o cérebro da pe...
Demência.pptx O estudo sobre as diversas doenças que acometem o cérebro da pe...Demência.pptx O estudo sobre as diversas doenças que acometem o cérebro da pe...
Demência.pptx O estudo sobre as diversas doenças que acometem o cérebro da pe...KarinaErthal
 
Fisiopatologia do Envelhecimento (061023).pdf
Fisiopatologia do Envelhecimento (061023).pdfFisiopatologia do Envelhecimento (061023).pdf
Fisiopatologia do Envelhecimento (061023).pdfSergioBSantos1
 
96 abordagem fisioterap-yutica_da_syndrome_de_down_em_crianyas
96 abordagem fisioterap-yutica_da_syndrome_de_down_em_crianyas96 abordagem fisioterap-yutica_da_syndrome_de_down_em_crianyas
96 abordagem fisioterap-yutica_da_syndrome_de_down_em_crianyasLuiza Doro
 
Semiologia 16 geriatria - avaliação geriátrica ampla pdf
Semiologia 16   geriatria - avaliação geriátrica ampla pdfSemiologia 16   geriatria - avaliação geriátrica ampla pdf
Semiologia 16 geriatria - avaliação geriátrica ampla pdfJucie Vasconcelos
 
CóPia De Curso De Esquizofrenia MóDulo V
CóPia De Curso De Esquizofrenia MóDulo VCóPia De Curso De Esquizofrenia MóDulo V
CóPia De Curso De Esquizofrenia MóDulo VAntonio Luis Sanfim
 

Semelhante a Deficiência Intelectual na Escola (20)

Deficiência mental
Deficiência mentalDeficiência mental
Deficiência mental
 
Apresentaçao inclusao
Apresentaçao inclusaoApresentaçao inclusao
Apresentaçao inclusao
 
EFEITO TERAPIA GH EM ALTURA EM CRIANÇA/INFANTIL COM BAIXA ESTATURA IDIOPÁTICA...
EFEITO TERAPIA GH EM ALTURA EM CRIANÇA/INFANTIL COM BAIXA ESTATURA IDIOPÁTICA...EFEITO TERAPIA GH EM ALTURA EM CRIANÇA/INFANTIL COM BAIXA ESTATURA IDIOPÁTICA...
EFEITO TERAPIA GH EM ALTURA EM CRIANÇA/INFANTIL COM BAIXA ESTATURA IDIOPÁTICA...
 
Deficiência intelectual..&..Síndrome de Down
Deficiência intelectual..&..Síndrome de DownDeficiência intelectual..&..Síndrome de Down
Deficiência intelectual..&..Síndrome de Down
 
Quais são as alterações genéticas que podem provocar a síndrome de down
Quais são as alterações genéticas que podem provocar a síndrome de downQuais são as alterações genéticas que podem provocar a síndrome de down
Quais são as alterações genéticas que podem provocar a síndrome de down
 
Sindrome de Prader Willi
Sindrome de Prader WilliSindrome de Prader Willi
Sindrome de Prader Willi
 
TDAH.ppt
TDAH.pptTDAH.ppt
TDAH.ppt
 
Filho com-autismo-ou-deficit-de-atencao
Filho com-autismo-ou-deficit-de-atencaoFilho com-autismo-ou-deficit-de-atencao
Filho com-autismo-ou-deficit-de-atencao
 
Deficiência intelectual e dificuldade de aprendizagem
Deficiência intelectual e dificuldade de aprendizagemDeficiência intelectual e dificuldade de aprendizagem
Deficiência intelectual e dificuldade de aprendizagem
 
Slide para blog sobre Autismo
Slide para blog sobre AutismoSlide para blog sobre Autismo
Slide para blog sobre Autismo
 
Autsimo
AutsimoAutsimo
Autsimo
 
3553_-_saude_mental_na_3._idade.pptx
3553_-_saude_mental_na_3._idade.pptx3553_-_saude_mental_na_3._idade.pptx
3553_-_saude_mental_na_3._idade.pptx
 
Tg ds
Tg dsTg ds
Tg ds
 
TRANSTORNO DO ASPECTRO AUTISTA IMPACTO NAS FAMILIAS
TRANSTORNO DO ASPECTRO AUTISTA IMPACTO NAS FAMILIASTRANSTORNO DO ASPECTRO AUTISTA IMPACTO NAS FAMILIAS
TRANSTORNO DO ASPECTRO AUTISTA IMPACTO NAS FAMILIAS
 
Paralisia cerebral
Paralisia cerebralParalisia cerebral
Paralisia cerebral
 
Demência.pptx O estudo sobre as diversas doenças que acometem o cérebro da pe...
Demência.pptx O estudo sobre as diversas doenças que acometem o cérebro da pe...Demência.pptx O estudo sobre as diversas doenças que acometem o cérebro da pe...
Demência.pptx O estudo sobre as diversas doenças que acometem o cérebro da pe...
 
Fisiopatologia do Envelhecimento (061023).pdf
Fisiopatologia do Envelhecimento (061023).pdfFisiopatologia do Envelhecimento (061023).pdf
Fisiopatologia do Envelhecimento (061023).pdf
 
96 abordagem fisioterap-yutica_da_syndrome_de_down_em_crianyas
96 abordagem fisioterap-yutica_da_syndrome_de_down_em_crianyas96 abordagem fisioterap-yutica_da_syndrome_de_down_em_crianyas
96 abordagem fisioterap-yutica_da_syndrome_de_down_em_crianyas
 
Semiologia 16 geriatria - avaliação geriátrica ampla pdf
Semiologia 16   geriatria - avaliação geriátrica ampla pdfSemiologia 16   geriatria - avaliação geriátrica ampla pdf
Semiologia 16 geriatria - avaliação geriátrica ampla pdf
 
CóPia De Curso De Esquizofrenia MóDulo V
CóPia De Curso De Esquizofrenia MóDulo VCóPia De Curso De Esquizofrenia MóDulo V
CóPia De Curso De Esquizofrenia MóDulo V
 

Mais de Claudia Elisabete Silva

DE Leste 4 - Cultura é Currículo - Maio 2014
DE Leste 4 - Cultura é Currículo - Maio 2014DE Leste 4 - Cultura é Currículo - Maio 2014
DE Leste 4 - Cultura é Currículo - Maio 2014Claudia Elisabete Silva
 
ATPC Como Espaço de Formação - Gestão da Sala de Aula
ATPC Como Espaço de Formação - Gestão da Sala de AulaATPC Como Espaço de Formação - Gestão da Sala de Aula
ATPC Como Espaço de Formação - Gestão da Sala de AulaClaudia Elisabete Silva
 
OT Mediação e Linguagem - II Encontro 13mar
OT Mediação e Linguagem - II Encontro 13marOT Mediação e Linguagem - II Encontro 13mar
OT Mediação e Linguagem - II Encontro 13marClaudia Elisabete Silva
 
ATPC Como Espaço de Formação - Avaliação
ATPC Como Espaço de Formação - AvaliaçãoATPC Como Espaço de Formação - Avaliação
ATPC Como Espaço de Formação - AvaliaçãoClaudia Elisabete Silva
 
Informe Técnico - Campanha de Vacinação HPV_Autorização
Informe Técnico - Campanha de Vacinação HPV_AutorizaçãoInforme Técnico - Campanha de Vacinação HPV_Autorização
Informe Técnico - Campanha de Vacinação HPV_AutorizaçãoClaudia Elisabete Silva
 
Guia Prático HPV - perguntas e respostas
Guia Prático HPV - perguntas e respostasGuia Prático HPV - perguntas e respostas
Guia Prático HPV - perguntas e respostasClaudia Elisabete Silva
 
OT Currículo e histórias indígena, africana e afro-brasileira
OT Currículo e histórias indígena, africana e afro-brasileiraOT Currículo e histórias indígena, africana e afro-brasileira
OT Currículo e histórias indígena, africana e afro-brasileiraClaudia Elisabete Silva
 
OT Múltiplas histórias na sala de aula: história africana, afro-brasileira e ...
OT Múltiplas histórias na sala de aula: história africana, afro-brasileira e ...OT Múltiplas histórias na sala de aula: história africana, afro-brasileira e ...
OT Múltiplas histórias na sala de aula: história africana, afro-brasileira e ...Claudia Elisabete Silva
 
1a Exposição de Boas Práticas da Diretoria de Ensino Leste 4
1a Exposição de Boas Práticas da Diretoria de Ensino Leste 41a Exposição de Boas Práticas da Diretoria de Ensino Leste 4
1a Exposição de Boas Práticas da Diretoria de Ensino Leste 4Claudia Elisabete Silva
 
Cronograma Cultura é Currículo - Outubro de 2013
Cronograma Cultura é Currículo - Outubro de 2013Cronograma Cultura é Currículo - Outubro de 2013
Cronograma Cultura é Currículo - Outubro de 2013Claudia Elisabete Silva
 
Cronograma Cultura é Currículo - Setembro 2013
Cronograma Cultura é Currículo - Setembro 2013Cronograma Cultura é Currículo - Setembro 2013
Cronograma Cultura é Currículo - Setembro 2013Claudia Elisabete Silva
 

Mais de Claudia Elisabete Silva (20)

DE Leste 4 - Cultura é Currículo - Maio 2014
DE Leste 4 - Cultura é Currículo - Maio 2014DE Leste 4 - Cultura é Currículo - Maio 2014
DE Leste 4 - Cultura é Currículo - Maio 2014
 
ATPC Como Espaço de Formação - Gestão da Sala de Aula
ATPC Como Espaço de Formação - Gestão da Sala de AulaATPC Como Espaço de Formação - Gestão da Sala de Aula
ATPC Como Espaço de Formação - Gestão da Sala de Aula
 
Cultura é Currículo - abril 2014
Cultura é Currículo - abril 2014Cultura é Currículo - abril 2014
Cultura é Currículo - abril 2014
 
OT Sala de Leitura 15abril
OT Sala de Leitura 15abrilOT Sala de Leitura 15abril
OT Sala de Leitura 15abril
 
OT Mediação e Linguagem - II Encontro 13mar
OT Mediação e Linguagem - II Encontro 13marOT Mediação e Linguagem - II Encontro 13mar
OT Mediação e Linguagem - II Encontro 13mar
 
OT Mediação e Linguagem 11fev
OT Mediação e Linguagem 11fevOT Mediação e Linguagem 11fev
OT Mediação e Linguagem 11fev
 
OT Sabores da Leitura 25fev
OT Sabores da Leitura 25fevOT Sabores da Leitura 25fev
OT Sabores da Leitura 25fev
 
Reset Tablet (DE Leste 4)
Reset Tablet (DE Leste 4)Reset Tablet (DE Leste 4)
Reset Tablet (DE Leste 4)
 
Tablet Educacional
Tablet EducacionalTablet Educacional
Tablet Educacional
 
ATPC Como Espaço de Formação - Avaliação
ATPC Como Espaço de Formação - AvaliaçãoATPC Como Espaço de Formação - Avaliação
ATPC Como Espaço de Formação - Avaliação
 
Porque vacinar contra o HPV
Porque vacinar contra o HPVPorque vacinar contra o HPV
Porque vacinar contra o HPV
 
Informe Técnico - Campanha de Vacinação HPV_Autorização
Informe Técnico - Campanha de Vacinação HPV_AutorizaçãoInforme Técnico - Campanha de Vacinação HPV_Autorização
Informe Técnico - Campanha de Vacinação HPV_Autorização
 
Guia Prático HPV - perguntas e respostas
Guia Prático HPV - perguntas e respostasGuia Prático HPV - perguntas e respostas
Guia Prático HPV - perguntas e respostas
 
Planejamento Escolar 2014
Planejamento Escolar 2014Planejamento Escolar 2014
Planejamento Escolar 2014
 
Ciencias da Natureza 2014
Ciencias da Natureza 2014Ciencias da Natureza 2014
Ciencias da Natureza 2014
 
OT Currículo e histórias indígena, africana e afro-brasileira
OT Currículo e histórias indígena, africana e afro-brasileiraOT Currículo e histórias indígena, africana e afro-brasileira
OT Currículo e histórias indígena, africana e afro-brasileira
 
OT Múltiplas histórias na sala de aula: história africana, afro-brasileira e ...
OT Múltiplas histórias na sala de aula: história africana, afro-brasileira e ...OT Múltiplas histórias na sala de aula: história africana, afro-brasileira e ...
OT Múltiplas histórias na sala de aula: história africana, afro-brasileira e ...
 
1a Exposição de Boas Práticas da Diretoria de Ensino Leste 4
1a Exposição de Boas Práticas da Diretoria de Ensino Leste 41a Exposição de Boas Práticas da Diretoria de Ensino Leste 4
1a Exposição de Boas Práticas da Diretoria de Ensino Leste 4
 
Cronograma Cultura é Currículo - Outubro de 2013
Cronograma Cultura é Currículo - Outubro de 2013Cronograma Cultura é Currículo - Outubro de 2013
Cronograma Cultura é Currículo - Outubro de 2013
 
Cronograma Cultura é Currículo - Setembro 2013
Cronograma Cultura é Currículo - Setembro 2013Cronograma Cultura é Currículo - Setembro 2013
Cronograma Cultura é Currículo - Setembro 2013
 

Último

UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...Manuais Formação
 
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdfARIANAMENDES11
 
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaNós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaIlda Bicacro
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisIlda Bicacro
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteLeonel Morgado
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasMonizeEvellin2
 
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAHISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAElianeAlves383563
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalcarlaOliveira438
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoVALMIRARIBEIRO1
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxRaquelMartins389880
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.HandersonFabio
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfmaria794949
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfssuser06ee57
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfManuais Formação
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoIlda Bicacro
 
Plano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola públicaPlano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola públicaanapsuls
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"Ilda Bicacro
 
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdfPlanejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdfdanielagracia9
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...LuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
 
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaNós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
 
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAHISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 
Plano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola públicaPlano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola pública
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdfPlanejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 

Deficiência Intelectual na Escola

  • 1. DIRETORIA DE ENSINO LESTE 4 NÚCLEO PEDAGÓGICO "Somos diferentes, mas não queremos ser transformados em desiguais. As nossas vidas só precisam ser acrescidas de recursos especiais”. EDUCAÇÃO ESPECIAL
  • 2. • Constituição Federal: Artigos 5º; 205; 206 (incisos I e VII); 208 (incisos III e V). • Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional – LDBEN (Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996): Artigos 4º (inciso III); 58 (parágrafos 1º a 3º); 59 (incisos I a IV). • Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva, MEC, 2008 • Deliberação CEE nº 68/2007 • Resolução SE nº 11/2008, alterada pela Resolução SE nº 31/2008. • Decreto Federal nº 7.611, de 17 de novembro de 2011. • Decreto Federal nº 7.612, de 17 de novembro de 2011. • Todos esses documentos podem ser consultados na página do CAPE na internet (http://cape.edunet.sp.gov.br, menu Legislação) LEGISLAÇÃO ESPECÍFICA – EDUCAÇÃO ESPECIAL
  • 4. Segundo D´Antino, a definição de deficiência mental mais difundida e aceita é a da Associação Americana de Deficiência Mental, de 1992, que representa um avanço conceitual : “Deficiência mental corresponde a um funcionamento intelectual significativamente abaixo da média, coexistindo com outras limitações relativas a duas ou mais das seguintes áreas de habilidades adaptativas:  Comunicação, auto cuidado, habilidades sociais, participação familiar e comunitária, autonomia, saúde e segurança, funcionalidade acadêmica, lazer e trabalho, manifestando-se antes dos dezoito anos de idade” D´Antino (1997, p.97)
  • 5. Como identificar a Deficiência Intelectual? Observando-se duas coisas : 1- a capacidade do cérebro da pessoa para aprender, resolver problemas, encontrar um sentido do mundo, uma inteligência do mundo que as rodeia (a esta capacidade chama-se funcionamento cognitivo ou funcionamento intelectual 2- a competência necessária para viver com autonomia e independência na comunidade em que se insere (a esta competência também se chama comportamento adaptativo ou funcionamento adaptativo). Enquanto o diagnóstico do funcionamento cognitivo é normalmente realizado por técnicos devidamente habilitados (psicólogos, neurologistas, fonoaudiólogos, psiquiatras, etc.), já o funcionamento adaptativo deve ser objeto de observação e análise por parte da família, dos pais e dos educadores que convivem com a criança.
  • 6. A deficiência é uma condição que abrange os campos da saúde e da educação e tem implicações na área social e familiar. Nenhuma dessas áreas deve ter predominância sobre a outra. Em outras palavras, as áreas da educação e da saúde se completam, mas não se sobrepõem. O foco deve ser exclusivamente a criança: o que preciso fazer para atender, da melhor forma possível, esta criança? O que deve nortear a atuação do professor é a avaliação pedagógica de seus alunos. E não estar preso a um laudo ou um diagnóstico médico. Para obter dados a respeito do comportamento adaptativo deve procurar saber-se o que a criança consegue fazer em comparação com crianças da mesma idade cronológica.
  • 7. ADNM ou Deficiência Intelectual
  • 8. DIAGNÓSTICO DE DEFICIÊNCIA INTELECTUAL A deficiência intelectual pelo atual CID -10 (classificação internacional de doenças): -Retardo mental leve F70 -Retardo mental moderado F71 -Retardo mental grave F72 -Retardo mental profundo F73 -Outro retardo mental F78 -Retardo mental não especificado F79 -Variação normal de inteligência (VNI) O diagnóstico só poderá ser dado pelo médico neurologista ou psiquiatra.
  • 9. CONDUTA MÉDICA O médico deverá fazer uma anamnese e exame neurológico completos com um exame de imagem como tomografia computadorizada de encéfalo ou RMN de encéfalo para avaliar a possibilidade de malformações cerebrais ou lesões cerebrais por infecções, anóxia etc... avaliação oftalmológica e audiológica. Lembrar que déficits auditivos e visuais podem apresentar sintomas clínicos que lembram quadros de deficiência mental e devem sempre fazer parte da investigação inicial dos pacientes com atraso ou suspeita de deficiência mental
  • 10. CONDUTA MÉDICA Solicitar exames metabólicos como : -Hemograma completo -Eletrólitos (Na,K,Mg,Ca,CI) -Glicemia de jejum -Provas hepáticas e renais -Provas reumatológicas -Erros inatos do metabolismo -Provas tireoidianas e paratireoidianas -Fenilcetonúria O diagnóstico de deficiência intelectual é fundamentado através de avaliação psicológica (testes psicológicos) e da avaliação do desempenho e rendimento do paciente ou seja , como o paciente funciona no dia a dia.
  • 11. AVALIAÇÃO DA GENÉTICA MÉDICA (mapeamento genético) Lembrar que a maioria das síndromes são acompanhadas de deficiência mental (por exemplo: Síndrome do X frágil, Down, Klinefelter entre outras. A importância de fazer uma investigação para diagnosticar o paciente com atraso ou deficiência mental é fundamental, pois apenas através de um diagnóstico definido podemos ter uma conduta terapêutica. Condições que podem levar a um quadro de Deficiência Intelectual ou ADNM:
  • 12. ERROS INATOS DO METABOLISMO Grupo de doenças geneticamente determinadas, decorrentes da deficiência de alguma via metabólica envolvida na síntese, transporte ou degradação de alguma substância. Fenilcetonúria: o mais conhecido dos erros inatos.Ocorre acúmulo de fenilalanina no sangue e seu tratamento é dietário. Sem tratamento pode ocorrer atraso no DNPM, DI e até traços autísticos.
  • 13. A fenilcetonúria (PKU) é uma doença rara na qual o bebê nasce sem a habilidade de quebrar adequadamente um aminoácido chamado fenilalanina. Causas A fenilcetonúria é hereditária, isto é, passa de pais para filhos. O pai e a mãe devem passar o gene defeituoso para que o bebê tenha essa doença. Isso é conhecido como traço recessivo autossômico. Os bebês com PKU não possuem uma enzima chamada fenilalanina hidroxilase, necessária para quebrar um aminoácido essencial denominado fenilalanina. Essa substância é encontrada em alimentos que contêm proteínas. Sem essa enzima, os níveis de fenilalanina e de duas substâncias associadas a ela crescem no organismo. Tais substâncias são prejudiciais ao sistema nervoso central e causam dano cerebral.
  • 14. AUTISMO Os sintomas autísticos se caracterizam principalmente por: -Estereotipias (balançar o corpo ou as mãos, girar objetos,etc..) -Ecolalia (repetir geralmente a última palavra falada pelo entrevistador) -Não falar ou falar pouco (ou emitir vocalizações) -Isolamento (ficar restrito ao quarto ou sempre no mesmo lugar da casa -Não gostar de contato físico (abraços, toques) -Não gostar da mudança de rotina (sentar no mesmo lugar,comer os mesmos alimentos, fazer o mesmo caminho de ida e volta, às vezes acompanhados de rituais, toques e tiques)
  • 15. Como diagnosticar o autismo? Diagnóstico Para o diagnóstico do autismo, deverá ser utilizado um amplo protocolo de avaliações de preferência multidisciplinares (neurologista, pediatra, psicóloga, fonoaudióloga dentre outros), bem como a realização de exames não para a detecção do autismo, mas para identificação de outros quadros que com frequência se associam ao autismo. É comum para este fim a realização de avaliação auditiva, análise bioquímica para erros inatos do metabolismo, exames de cariótipo, eletroencefalograma, ressonância magnética de crânio, além de outros.
  • 16. DEFICIÊNCIA MENTAL DE CAUSA HORMONAL Hipotireoidismo congênito “cretinismo” O Cretinismo é uma deficiência mental provocada por Hipotireoidismo congênito.. Durante o desenvolvimento do recém-nascido a ausência da tiroxina, um dos hormônios da tireóide, impede o amadurecimento cerebral normal
  • 17. PARALISIA CEREBRAL Definição: encefalopatia crônica não progressiva é uma lesão de uma ou mais partes do cérebro. Sequela de uma agressão encefálica,que se caracteriza primordialmente por um transtorno persistente,porém não invariável, do tônus, da postura e do movimento, que surge na primeira infância e que não é somente secundária a esta lesão não evolutiva do encéfalo, mas se deve também à influência que a referida lesão exerce sobre a maturação neurológica. O fator causador pode ter ocorrido antes, durante ou após o parto.
  • 18. O termo paralisia cerebral (PC) é usado para definir qualquer desordem caracterizada por alteração do movimento secundária a uma lesão não progressiva do cérebro em desenvolvimento. O cérebro comanda as funções do corpo. Cada área do cérebro é responsável por uma determinada função, como os movimentos dos braços e das pernas, a visão, a audição e a inteligência.
  • 19. SÍNDROME DE DOWN A mais conhecida das síndromes causadoras de DI, antigamente conhecida por mongolismo (pelo aspecto facial). Consequência da trissomia do cromossomo 21, tem grande correlação com a idade materna, fato que ocorrerá também na Síndrome de Klinefelter. O grau de comprometimento intelectual é variável.
  • 20. SÍNDROME DE PRADER-WILLI Citadas em conjunto por que são decorrentes de deficiência do cromossomo 15 (sendo que respectivamente da hereditariedade paterna e materna) Prader-Willi:hipotonia neonatal, DI leve a moderado, baixa estatura, hipogonadismo, chama atenção a polofagia (diabetes) e consequente associação com obesidade. SÍNDROME DE ANGELMAN Angelman: Também conhecida como “Síndrome da marionete feliz”, ocorre quadro de sinais e sintomas extra-piramidais (movimentos abruptos, marcha irregular, parte superior do braço inflexível0, DI severo,não há linguagem falada normal, paroxismos de risos inapropriados, hiperatividade e por vezes acessos de agitação (surtos).
  • 21. A deficiência dos hormônios sexuais pode resultar em um desenvolvimento defeituoso das características sexuais primárias ou secundárias, pouco desenvolvimento das genitálias, ou efeitos de retirada (por exemplo, menopausa prematura) em adultos. O desenvolvimento defeituoso das gônadas resulta em infertilidade. O termo hipogonadismo é geralmente aplicado para os defeitos permanentes, ao invés dos temporários ou reversíveis, e geralmente implica deficiência dos hormônios reprodutivos, com ou sem defeitos de fertilidade. O termo é menos usado para infertilidade sem deficiência hormonal Hipotonia é uma condição na qual o tônus muscular está anormalmente baixo, geralmente envolvendo redução da força muscular. SÍNDROME DE PRADER-WILLI
  • 22. SÍNDROME DO TRIPLO X • Também conhecida como Síndrome de Jacob. • Acomete apenas mulheres, o cariótipo é 47 XXX; • A hereditariedade pode ser materna ou paterna, as características físicas são aparentemente normais, porém ocorre DI leve. • Diferente de algumas outras síndromes, as portadoras podem ser férteis.
  • 23. SÍNDROME DO X FRÁGIL É a causa de origem hereditária mais comum para DI, em graus que vão de dificuldades de aprendizado, déficit de atenção a DI profundo. A transmissão por linhagem materna é mais comum. Todas as mães de indivíduos portadores da doença (que causa mutação do braço longo do cromossomo X) são portadoras do gene alterado, o que traz alto risco de outros filhos com a síndrome. O aconselhamento genético é muito importante. A síndrome afeta ambos os sexos, mas é mais frequente em homens , além do que neles as manifestações são mais graves. Tendem a ser instáveis, demoram a falar, fazem pouco contato visual, por vezes com tiques, estereotipias, retraídos socialmente, podem haver traços autísticos.
  • 24. SÍNDROME DE KLINEFELTER • Restrita apenas a homens • O cariótipo é 47 XXY. O cromossomo adicional em 50% dos casos é de origem materna (como já dito há influência da idade) . • Tem hipogonadismo, níveis baixos de testosterona, aspecto físico (pêlos, gordura corporal, proporções) mais feminilizado. • O diagnóstico é difícil antes da puberdade. Costumam ter baixo índice de fertilidade. • O quadro é de DI leve ou déficit de aprendizagem.
  • 25. Síndrome da marionete feliz Hipogonadismo e associação c/ obesidade X frágil + autismo Klinefelter Down
  • 26. FUNCIONALIDADE DO DIAGNÓSTICO CLÍNICO NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM O paciente após receber o diagnóstico médico definido, pode ser avaliado por outras especialidades terapêuticas e inclusive pelo pedagogo que sabendo das dificuldades do paciente poderá fazer uma estratégia de como melhor abordar cada caso em particular. O profissional poderá comparar o desenvolvimento do paciente através do tempo de tratamento ou abordagem pedagógica, uma vez que possui uma avaliação antes de iniciar o processo de ensino ou tratamento.
  • 27. TRATAMENTO A abordagem adequada é multiprofissional -Psicologia -Psicopedagogia -Terapia Ocupacional -Fonoaudiologia -Fisioterapia -Neurologia -Psiquiatria -Fisiatria -Ensino com especificações de deficientes auditivos e visuais -Equoterapia -Etc.. Atendimento é oferecido no CAPS
  • 28. PROGNÓSTICO Podemos afirmar com certeza que na grande maioria dos casos, os pacientes sempre terão melhora dos seus quadros, uma vez que tenham um diagnóstico e sejam abordados de forma correta. Observamos pacientes que receberam diagnóstico de ADNM e após a correção de fatores como dificuldade visual, auditiva ou causas metabólicas ou hormonais, passaram a apresentar desempenho dentro da normalidade
  • 29. SÍNDROME DE MOEBIUS Síndrome neurológica rara, decorrente do desenvolvimento anormal dos pares cranianos. A característica principal é perda parcial ou total dos movimentos da face, comprometendo expressões faciais, movimentos oculares. A associação com DI é frequente, e também podem acontecer alterações dentárias, fraqueza muscular na parte superior do corpo e malformações de extremidades (por exemplo sindactilia). Ainda não há causa definida, mas há uma relação evidente com o uso do misoprostol (CYTOTEC) (Sindactilia é uma anormalidade embriológica que resulta na visível união entre dois ou mais dedos das mãos ou dos pés.)
  • 30. Como lidar com alunos com deficiência intelectual na escola? As limitações impostas pela deficiência dependem muito do desenvolvimento do indivíduo nas relações sociais e de seus aprendizados, variando bastante de uma criança para outra. Em geral, a deficiência intelectual traz mais dificuldades para que a criança interprete conteúdos abstratos. Isso exige estratégias diferenciadas por parte do professor, que diversifica os modos de exposição nas aulas, relacionando os conteúdos curriculares a situações do cotidiano, e mostra exemplos concretos para ilustrar ideias mais complexas. O professor é capaz de identificar rapidamente o que o aluno não é capaz de fazer. O melhor caminho para se trabalhar, no entanto, é identificar as competências e habilidades que o aluno tem. Propor atividades paralelas com conteúdos mais simples ou diferentes, não caracteriza uma situação de inclusão.
  • 31. É preciso redimensionar o conteúdo com relação ás formas de exposição, flexibilizar o tempo para a realização das atividades e usar estratégias diversificadas, como a ajuda dos colegas de sala – o que também contribui para a integração e para a socialização do aluno. Em sala, também é importante a mediação do adulto no que diz respeito à organização da rotina. Falar para o aluno com deficiência intelectual, previamente, o que será necessário para realizar determinada tarefa e quais etapas devem ser seguidas é fundamental.
  • 32. O aluno com deficiência intelectual: podemos falar em regularidades quanto ao processo de aprendizagem? Sim, mas........... É preciso considerar que... •O aluno é um sujeito epistêmico (sujeito do conhecimento ) •O aluno é uma pessoa contextualizada •O aluno atribui significado ao meio físico e social •O aluno incorpora elementos de sua cultura
  • 33. Motivação Os fatores motivacionais afetam o desempenho de alunos com Deficiência Intelectual. Dentre esses fatores se destacam a qualidade das relações sociais, as interações sociais negativas, a expectativa de fracasso, a dependência dos outros e a baixa autoestima. No plano pedagógico: 1- Reconhecer o esforço do aluno; 2- Acompanhar o aluno em seu percurso de resolução de problema quando ele apresenta dificuldade, mas jamais fazer a tarefa em seu lugar; 3- Propor ao aluno problemas compatíveis com o seu nível de desenvolvimento (zona de desenvolvimento proximal);
  • 34. Atenção Na deficiência intelectual o sujeito possui déficit de atenção, sente dificuldade em orientar sua atenção para aquilo que realmente interessa, comprometendo o desenvolvimento do aluno:  No ritmo de aprendizagem;  Na resolução de problemas;  Na transferência de informações no interior de um procedimento No plano pedagógico, é fundamental: 1- Dar orientações breves e precisas aos alunos; 2- Solicitar ao aluno que explore sistematicamente e descreva o material sobre o qual ele deve trabalhar; 3- Explicar para o aluno exatamente o que está sendo solicitado dele (compreensão do problema); 4- propor atividades de aprendizagem significativas e de interesse do aluno; 5- orientar o aluno a verificar suas respostas.
  • 35. Memória Os sujeitos com deficiência intelectual possuem dificuldades no processo da memória. Suas causas podem ser tanto de natureza estrutural como na ausência de utilização de estratégias cognitivas de reagrupamento ou de repetição interna que dificulta o processamento da memória a curto prazo. O déficit na memória de curto prazo pode causar dificuldades nas situações de aprendizagem. Assim como nessa memória, a de longo prazo também apela para as estratégias cognitivas de codificação e de recuperação de informação.
  • 36. No plano pedagógico: 1- Solicitar que o aluno formule com suas próprias palavras a demanda do professor ; 2- Perguntar ao aluno se ele já realizou aprendizagens ou problemas semelhantes; 3- interrogar frequentemente o aluno sobre as orientações para a realização da tarefa; 4- Solicitar ao aluno que verifique se ele respeitou as orientações para a realização da tarefa; 5- Pedir ao aluno que organize as informações, reagrupando-as de maneira que possibilite a conservação da informação; 6- Ajudar ao aluno a dar sentido ao seu percurso
  • 37. TRANSFERÊNCIA No plano pedagógico: 1- Estabelecer relações com a família de maneira que as aprendizagens feitas na escola possam ser aplicadas também em situações da vida cotidiana e vice versa; 2- Planejar com o aluno a aplicação de seus novos saberes e saber fazer em diferentes contextos. Os sujeitos que apresentam deficiência intelectual sentem dificuldade na transferência de conhecimentos de uma situação a outra.
  • 38. Metacognição Na deficiência intelectual existe uma fragilidade metacognitiva. A passividade no plano intelectual pode ser resultado dessa fragilidade. Assim, dificuldades em definir com clareza a natureza do problema a resolver, estabelecer relações com outros problemas semelhantes, selecionar estratégias úteis para solucioná-los são comuns em pessoas com deficiência intelectual. As pessoas com deficiência intelectual não solicitam espontaneamente as estratégias metacognitivas tais como: • Antecipar a natureza e as implicações do problema; • Comparar e selecionar as estratégias de execução pertinentes; significa “pensar sobre o próprio pensamento”.
  • 39. O que considerar então na prática pedagógica? 1. Desenvolvimento de habilidades/recursos que estão em conexão com o ensino voltado para as diferenças. 2. Análise dos objetivos que estão sendo perseguidos com relação ao ensino voltado para as diferenças. 3. Identificação das principais estratégias de ensino que desenvolve em sala de aula. 4. Compreensão das estratégias utilizadas. 5. Reflexão sobre a eficácia das estratégias e atividades no atendimento às diferenças. 6. Reflexão sobre a leitura que faz da dinâmica dos seus alunos desde que estão sujeitos a esse contexto de ensino.
  • 40. AS AULAS DEVEM...  Partir de um planejamento que envolva a organização da rotina, o clima social da aula, as estratégias e os recursos pedagógicos.  Ajudar os alunos a atribuir significado pessoal à aprendizagem.  Explorar as ideias prévias antes de iniciar nova aprendizagem.  Adotar uma variedade de estratégias e possibilidades de escolha.  Utilizar estratégias de aprendizagem cooperativa.  Dar oportunidade para que os alunos pratiquem e apliquem com autonomia o que foi aprendido.  Preparar e organizar os materiais e recursos de aprendizagem.  Monitorar permanentemente o processo de aprendizagem dos alunos para ajustar o ensino.
  • 41. COMO SUPERAR ESSES DESAFIOS? •Pautar-se pelas potencialidades dos alunos; •Implementar atividades cooperativas/colaborativas (Aprendizagem cooperativa); •Considerar os diferentes níveis, ritmos e estilos de aprendizagem; •Rever concepções; •Romper com o modelo conservador de ensino; •Oferecer opções de materiais diferenciados para a realização de uma mesma atividade; •Fortalecer as Interações entre professor-aluno e dos alunos entre si; •Estabelecer expectativas positivas.
  • 42. •Planejar e preparar recursos, materiais e estratégias de intervenção; •Fortalecer os saberes dos professores (curriculares, experienciais...); •Pautar-se pela colaboração entre os profissionais da escola; •Instaurar a reflexão pelo professor sobre a prática que realiza; •Realizar trabalho simultâneo, cooperativo e participativo; •Considerar as necessidades do educando e as propostas educacionais a serem propiciadas. •Planejar atividades para uma turma levando em conta a presença de alunos com deficiências e contemplá-los na programação;
  • 43. Concluindo... O ENSINO COM ATENÇÃO AS DIFERENÇAS DEVE...  Organizar as interações e as atividades, de modo que cada aluno seja confrontado constantemente, ou ao menos com bastante frequência, com as situações didáticas mais fecundas para ele.  Possibilitar o acesso a uma cultura de base comum através de uma diferenciação no interior de situações didáticas abertas e variadas levando cada aluno a se confrontar com aquilo que é do seu interesse ou que é obstáculo na construção do conhecimento.  Utilizar diversas estratégias didáticas, de forma que sejam respeitadas e atendidas as características individuais dos alunos.  Desenvolver diferentes atividades ao mesmo tempo na sala de aula, o que implica numa organização apropriada da classe bem como na possibilidade de cooperação estreita entre os professores no planejamento.
  • 44. DEFICIÊNCIA INTELECTUAL: EMIR MACEDO..................................................................... 2 SALAS JANDYRA VIEIRA DA CUNHA BARRA............................... 2 SALAS JOCELYN PONTES GESTAL............................................... 2 SALAS MISSIONÁRIO MANOEL DE MELLO.................................. 2 SALAS MARIA DE LOURDES ROSÁRIO NEGREIROS................... 2 SALAS MARIA DE LOURDES NOGUEIRA ALBERGARIA.............. 2 SALAS MENOTTI DEL PICCHIA....................................................... 2 SALAS OCTÁVIO MARCONDES FERRAZ.......................................2 SALAS SÃO JOÃO EVANGELISTA................................................... 1 SALA DEFICIÊNCIA VISUAL: ORESTES ROSOLIA............................................................. 2 SALAS DEFICIÊNCIA AUDITIVA: SÃO JOÃO EVANGELISTA................................................... 2 SALAS AUTISMO: BERNARDO RODRIGUES NOGUEIRA................................. 2 SALAS AUGUSTO BAILLOT............................................................... 2 SALAS SALAS DE RECURSO – LESTE 4
  • 46. VOCÊ PENSA VOCÊ ESCREVE O aluno não sabe O aluno não adquiriu os conceitos, está em fase de aprendizado Não tem limites Apresenta dificuldades de auto-regulação, pois... É nervoso Ainda não desenvolveu habilidades para o convívio no ambiente escolar, pois... Tem o costume de roubar Apresenta dificuldades de autocontrole quando... É agressivo Demonstra agressividade em situações de conflito; usa de meios físicos para alcançar o que deseja. É bagunceiro, relaxado, porco Ainda não desenvolveu hábitos próprios de higiene e de cuidados com seus pertences. Não sabe nada Aprendeu algumas noções, mais necessita desenvolver... É largado da família Apresenta ser desassistido pela família, pois... É desobediente Costuma não aceitar e compreender as solicitações dos adultos; tem dificuldades em cumprir regras...
  • 47. É apático, distraído Ainda não demonstra interesse em participar das atividades propostas; muitas vezes parece se desligar da realidade, envolvido em seus pensamentos. É mentiroso Costuma utilizar inverdade para justificar seus atos ou relatar as atitudes dos colegas. É fofoqueiro Costuma se preocupar com os hábitos e atitudes dos colegas. É chiclete É muito afetuoso; demonstra constantemente seu carinho. É sonso e dissimulado Em situações de conflito coloca-se como espectador, mesmo quando está clara a sua participação.
  • 48. É preguiçoso Não realiza as tarefas, aparentando desânimo e cansaço, porém logo parte para brincadeiras e outras atividades. É mimado Aparenta desejar atenções diferenciadas para si, solicitando que sejam feitas todas as suas vontades. É deprimido, isolado, antissocial Evita o contato e o diálogo com os colegas e professores preferindo permanecer sozinho; Ainda não desenvolveu hábitos e atitudes próprias do convívio social. É tagarela Costuma falar mais do que o necessário, não respeitando os momentos em que o grupo necessita de silêncio. Tem a boca suja Utiliza-se de palavras pouco cordiais para repelir ou afrontar.
  • 49. Possui distúrbio de comportamento Apresenta comportamento pouco comum para sua idade o que desfavorece o seu convívio no grupo, tais como... É egoísta Ainda não sabe dividir o espaço e os materiais de forma coletiva. Coloque sempre as intervenções feitas para as ações apresentadas, isto ressalta o trabalho do educador em sala de aula.
  • 50. OBRIGADA. Regina Leôncio PCNP Educação Especial – DE Leste 4