O slideshow foi denunciado.
Utilizamos seu perfil e dados de atividades no LinkedIn para personalizar e exibir anúncios mais relevantes. Altere suas preferências de anúncios quando desejar.

Aee. sala multifuncional

4.889 visualizações

Publicada em

Atendimento Educacional Especializado

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

Aee. sala multifuncional

  1. 1. Atendimento Educacional Especializado: aspectos teóricos e práticos Laboratório Pedagógico AEE
  2. 2. Historicamente a escola se caracterizou pela visão da educação que delimita a escolarização como privilégio de um grupo.
  3. 3. A Educação Especial se organizou tradicionalmente como atendimento educacional especializado substitutivo ao ensino comum levando a criação de instituições especializadas, escolas especiais e classes especiais
  4. 4. Em 1994, A Política Nacional de Educação Especial orienta o processo de integração instrucional que condiciona o acesso às classes comuns do ensino regular
  5. 5.  É quando os direitos de TODOS são garantidos e respeitados.  É quando se oferece espaços e momentos de acolhimento e valorização das diferenças.  É quando as diferenças tornam-se valor social, e não um problema.  É quando o respeito e a cooperação fazem parte do cotidiano das pessoas. O QUE É INCLUSÃO?
  6. 6. Política Nacional de Educação Especial na perspectiva da Educação Inclusiva/2008 Propõe a mudança de valores, atitudes e práticas educacionais para atender a todos os estudantes, sem nenhum tipo de discriminação, assegurando uma educação de qualidade. O ensino comum: que responde pela escolarização de todos os alunos nas classes comuns de ensino. O atendimento educacional especializado: assegura que os alunos aprendam o currículo do ensino comum e aquilo que é necessário para que possam ultrapassar as barreiras impostas pela deficiência.
  7. 7. O que é o Atendimento Educacional Especializado? • Decreto nº 6571/2008 § 1º Considera-se atendimento educacional especializado o conjunto de atividades, recursos de acessibilidade e pedagógicos organizados institucionalmente,prestado de forma complementar ou suplementar à formação dos alunos no ensino regular. § 2º O atendimento educacional especializado deve integrar a proposta pedagógica da escola, envolver a participação da família e ser realizado em articulação com as demais políticas públicas.
  8. 8. Atendimento Educacional Especializado: conceito  É um serviço da educação especial que [...] identifica, elabora, e organiza recursos pedagógicos e de acessibilidade, que eliminem as barreiras para a plena participação dos alunos, considerando suas necessidades específicas (SEESP/MEC, 2008).
  9. 9. Em que consiste? • Realizar uma ação específica para ajudar o aluno com deficiência, transtorno global do desenvolvimento, altas habilidades/superdotação a agir de modo estruturado no ambiente escolar e fora dele considerando as especificidades desse aluno.
  10. 10. A oferta do AEE • o AEE é ofertado em todas as etapas e modalidades da educação básica e do ensino superior e nas modalidades: educação indígena, educação do campo e quilombola e nos projetos pedagógicos construídos com base nas diferenças socioculturais desses grupos. • o AEE é organizado para suprir as necessidades de acesso ao conhecimento e à participação dos alunos com deficiência e dos demais que são público alvo da Educação Especial, nas escolas comuns. • constitui oferta obrigatória dos sistemas de ensino, embora participar do AEE seja uma decisão do aluno e/ou de seus pais/responsáveis.
  11. 11. Organização do AEE • Realizado, de preferência, nas escolas comuns na Sala de Recurso Multifuncional • Cada aluno tem um tipo de recurso a ser utilizado, uma duração de atendimento e um plano de ação que garanta sua participação e aprendizagem nas atividades escolares • Alunos com a mesma deficiência podem necessitar de atendimentos diferenciados, por isso, o primeiro passo para se planejar o AEE não é saber as causas, diagnósticos, prognóstico da deficiência do aluno, mas identificar a natureza da problemática vivenciada pelo aluno.
  12. 12. Organização do AEE • Não é reforço escolar e não substitui o ensino comum • Tem funções próprias da educação especial • Considera as peculiaridades de cada aluno
  13. 13. Conteúdos do AEE • Língua Brasileira de Sinais – LIBRAS. • Língua Portuguesa na modalidade escrita. • Produção e adequação de materiais didáticos e pedagógicos com base em imagens. • Sistema Braille. • Orientação e mobilidade. • Tecnologias de informação e de comunicação (TICS) acessíveis: ponteiras de cabeça, acionadores, mouses, teclados com colméias, sintetizadores de voz, entre outros. • Produção de materiais táteis (desenhos, mapas, gráficos). • Sorobã (ábaco).
  14. 14. Conteúdos do AEE • Disponibilização de materiais didático-pedagógicos acessíveis: transcrição de material em tinta para o Braille, áudio-livro, texto digital acessível e outros. • Recursos ópticos e não ópticos. • Produção de textos escritos com caracteres ampliados, materiais com contraste visual. • Estimulação visual. • Comunicação alternativa e aumentativa – CAA.
  15. 15. Conteúdos do AEE • Recursos de acessibilidade: engrossadores de lápis, plano inclinado, tesouras acessíveis, quadro magnético com letras imantadas. • Indicação e aquisição e a adequação de mobiliário: cadeiras, quadro. • Desenvolvimento de processos educativos que favoreçam a atividade cognitiva: Alfabeto digital e Braille tátil.
  16. 16. Público Alvo do AEE • Alunos com deficiência: aqueles que tem impedimentos de longo prazo de natureza física, intelectual, mental ou sensorial • Alunos com transtornos globais do desenvolvimento: aqueles que apresentam um quadro de alterações no desenvolvimento neuropsicomotor, comprometimento nas relações sociais, na comunicação ou estereotipias motoras.
  17. 17. Público Alvo do AEE • Incluem-se alunos com autismo clássico, síndrome de Asperger, síndrome de Rett, transtorno desintegrativo da infância (psicoses) e transtornos invasivos sem outra especificação • Alunos com altas habilidades/superdotação
  18. 18. Quem atua no AEE? • É realizado mediante a atuação de professores com conhecimentos específicos no ensino de: • LIBRAS, língua portuguesa na modalidade escrita, como segunda língua de pessoas com surdez • sistema Braille, sorobã, orientação e mobilidade, utilização de recursos ópticos e não ópticos • Tecnologia Assistiva - TA • desenvolvimento de processos mentais, • Adequação e produção de materiais didáticos e pedagógicos, enriquecimento curricular e outros
  19. 19. O que faz o professor do AEE? • Apóia o desenvolvimento do aluno com deficiência, transtornos globais de desenvolvimento e altas habilidades/superdotação; • disponibiliza o ensino de linguagens e de códigos específicos de comunicação e sinalização; • oferece Tecnologia Assistiva – TA; • Faz adequações e produz materiais didáticos e pedagógicos, tendo em vista as necessidades específicas dos alunos; • oportuniza o enriquecimento curricular (para alunos com altas habilidades/superdotação). O AEE deve se articular com a proposta da escola comum, embora suas atividades se diferenciem das realizadas em salas de aula de ensino comum.
  20. 20. Atuações do Professor do AEE • Organizar situações que favoreçam o desenvolvimento do aluno • Produzir materiais didáticos e pedagógicos, tendo em vista as necessidades específicas desses alunos • Promover a inclusão e interação do aluno na sala de aula do ensino regular.
  21. 21. Funções do Professor do AEE • Gestão dos processos de aprendizagem • Avaliação • Acompanhamento
  22. 22. Gestão dos Processos de Aprendizagem • Consiste na organização de situações de aprendizagem nos espaços das salas de recurso multifuncional, bem como na interlocução do professor do ensino comum.
  23. 23. A gestão dos processos de aprendizagem • Na sala de recurso multifuncional o trabalho deve centrar-se: – na atenção aos aspectos que podem potencializar o desenvolvimento e a aprendizagem do aluno com deficiência – na eliminação das barreiras que dificultam a aprendizagem desse aluno.
  24. 24. A gestão dos processos de aprendizagem • A interlocução com o professor do ensino comum deve centrar-se: – na obtenção de informações sobre o funcionamento do aluno na sala de aula – no conhecimento das práticas do professor do ensino comum. – Na observação sobre a organização do espaço físico da sala – Na criação, quando necessário, de materiais de suporte para o acesso ao conhecimento em sala de aula regular.
  25. 25. OS MECANISMOS DE APRENDIZAGEM MOTIVAÇÃO ATENÇÃO MEMÓRIA TRANSFERÊNCIA METACOGNIÇÃO
  26. 26. MOTIVAÇÃO Os fatores motivacionais afetam o desempenho de alunos com Deficiência Intelectual. Dentre esses fatores se destacam a qualidade das relações sociais, as interações sociais negativas, a expectativa de fracasso, a dependência dos outros e a baixa auto- estima.
  27. 27. ATENÇÃO Alguns alunos apresentam muitas dificuldades para focalizar sua atenção sobre os elementos pertinentes para realizarem uma tarefa
  28. 28. MEMÓRIA As pessoas com deficiência intelectual apresentam uma fragilidade na memória de curto prazo. Elas não utilizam espontaneamente as estratégias cognitivas de codificação.
  29. 29. TRANSFERÊNCIA A transferência das aprendizagens em novos contextos constitui uma das maiores dificuldades. Problemas de natureza metacognitiva poderiam explicar, em parte, essas dificuldades de transferência.
  30. 30. METACOGNIÇÃO Refere-se entre outras coisas, ao conhecimento do próprio conhecimento, à avaliação, à regulação e a organização dos próprios processos cognitivos. É a reflexão sobre sua ação, é pensar sua ação, é a consciência dos atos mentais que são utilizados numa situação de resolução de problemas.
  31. 31. Competências Metacognitivas • Compreende a finalidade da tarefa • Planifica a sua realização • Aplica e altera estrategicamente estratégias de estudo • Avalia o seu próprio processo de execução
  32. 32. Influências da Metacognição • Influencia em áreas fundamentais da aprendizagem: – Comunicação e compreensão oral e escrita – Resolução de problemas – Motivação (gerir os próprios processos cognitivos)
  33. 33. METACOGNIÇÃO E O PAPEL DOS PROFESSORES • Os professores agem como promotores da autorregulação ao possibilitarem a emergência de planos pessoais; assumem um papel fundamental na preparação da autonomia dos alunos. •Devem multiplicar situações abertas de investigação, a resolução de problemas complexos para que o aluno seja capaz de escolher entre várias alternativas, antecipando a consequência de suas escolhas
  34. 34. Os processos metacognitivos e a intervenção educacional • As crianças com deficiência intelectual necessitam de uma instrução completa em cada um dos passos necessários para adquiri- los: aprendizagem da estratégia, aprendizagem do significado da estratégia e generalização da mesma a novas situações.
  35. 35. Avaliação • Efetiva-se através do estudo de caso, que visa construir um perfil do aluno que possibilite elaborar o plano de intervenção. • O estudo de caso deve ser efetivado pelo professor do AEE em colaboração com o professor do ensino comum e com outros profissionais que trabalham com esse aluno no contexto da escola.
  36. 36. Onde ocorre a avaliação? • Em três ambientes principais: –Na sala de recurso multifuncional –Na sala de aula –Na família
  37. 37. A avaliação na sala de recurso multifuncional • Avaliar em função dos aspectos motores, do desenvolvimento da linguagem oral e da escrita, do raciocínio lógico matemático, do funcionamento cognitivo, da afetividade (comportamento e interação) e da relação que o aluno estabelece com o saber.
  38. 38. A avaliação na sala de aula • O professor do AEE deve observar: – A organização e a gestão da sala de aula – O recreio, as brincadeiras, as atividades realizadas na biblioteca e no laboratório de informática – Como o aluno se relaciona com o conhecimento.: – Se é necessário o uso de recursos, equipamentos e materiais para acessibilidade ao conhecimento – Se o aluno apresenta melhor desempenho em atividades individuais, em pequenos grupos ou em grupos maiores e ainda a forma como ele interage com seus colegas.
  39. 39. A avaliação na sala de aula • O professor do AEE deve observar: – o tipo de atividade proposta, se ele utiliza atividades que permitam o aluno se expressar de acordo com a sua evolução conceitual, como ele organiza a sequência didática dos conteúdos, se ele está atento aos diferentes ritmos e estilos de aprendizagem dos alunos. – Se o professor do ensino comum utiliza estratégias da aprendizagem cooperativa e como procede em relação aos agrupamentos dos alunos.
  40. 40. A avaliação na sala de aula • Essa avaliação deve ser feita preferencialmente através da observação direta, quando não for possível deve se respaldar nas informações do professor de sala de aula.
  41. 41. A avaliação na família • A família pode oferecer informações importantes quanto ao desempenho do aluno nas atividades domiciliares, bem como sua relação com o ensino e com os conteúdos escolares. • A avaliação poderá ser realizada através de entrevistas com os pais ou responsáveis e quando necessário o professor do AEE poderá realizar visitas domiciliares
  42. 42. O Acompanhamento • Consiste no desenvolvimento de ações que visam o progresso no desenvolvimento e na aprendizagem do aluno, bem como a sua melhor interação no espaço escolar. • Poderá ser realizado na sala de recurso multifuncional, na sala de aula e nos espaços da escola
  43. 43. Como é realizado o Acompanhamento? • Implica necessariamente na elaboração de um plano de atendimento educacional especializado. • O plano de AEE consiste na previsão de atividades que devem ser realizadas com o aluno na sala de recurso multifuncional, além daquelas realizadas em sala de aula pelo professor do ensino.
  44. 44. • Prevê a articulação do professor do AEE com outros profissionais que possam dar suporte às necessidades específicas desses alunos. • Prevê a articulação com a família no sentido de construir as condições propícias ao desenvolvimento e aprendizagem desses alunos. • Implica na necessidade de avaliação permanente da evolução do aluno nos diferentes espaços educacionais e redimensionamento das ações educacionais. Como é realizado o Acompanhamento?
  45. 45. O acompanhamento na sala de aula • Na sala de aula do ensino comum deve ser observada a forma como aluno se relaciona com o conhecimento e com os colegas, verificando seu funcionamento durante a realização das atividades, verificando se ele trabalha de modo autônomo ou dependente. • Em colaboração com o professor do ensino comum o professor do AEE verifica se há necessidade ou não de algum ajustamento de material ou de ações que favoreçam a aprendizagem desse aluno nos diferentes ambientes da escola
  46. 46. Língua Portuguesa para alunos com surdez Comunicação aumentativa e alternativa - CAA O professor de AEE, na sala de recursos multifuncionais Atendimento individual e em grupos
  47. 47. Pasta de comunicação Tesoura acessível Material pedagógico para o ensino da Libras Livros de literatura com desenhos em alto relevo Jogo cara a cara Revisão do texto em Braille
  48. 48. O AEE nas salas de recursos multifuncionais Treinamento de recurso óptico Informática acessível Comunicação aumentativa e alternativa - CAA Sistema Braille na máquina de escrever.
  49. 49. Jogos acessíveis Maquete da planta baixa da escola. Livro com caracteres ampliados para o aluno com baixa visão. Materiais didáticos
  50. 50. Imagem de um livro de literatura infantil feita em alto relevo. Materiais didáticos
  51. 51. AEE em informática acessível. AEE em Comunicação aumentativa e alternativa – CAA Materiais produzidos para o ensino da Língua Brasileira de Sinais. Tecnologia Assistiva
  52. 52. Jogo da velha e dominó com diferentes texturas. Cadeira de rodas acessível com mesa escolar. Áudio livro Aquisição de equipamentos e adequação de materiais
  53. 53. A inclusão é para todos • A inclusão não é para quem demonstra mérito. • Inclusão é mudança de mentalidade e de atitude, é ruptura com os preconceitos e a discriminação. • A lógica da inclusão repousa no reconhecimento das diferenças e da pluralidade existentes na vida.
  54. 54. Se as diferenciações ou preferências podem ser admitidas em algumas circunstâncias, a EXCLUSÃO ou RESTRIÇÃO jamais serão permitidas se o motivo for a deficiência. Convenção da Guatemala/2001

×