SlideShare uma empresa Scribd logo

Deficiência intelectual..&..Síndrome de Down

1 de 34
Baixar para ler offline
Por Tathiane Rubin Rodrigues Cuesta
Deficiência intelectual..&..Síndrome de Down
   Como ocorre:

   Os seres humanos são formados por 22 pares de
    cromossomos mais 1 par sexual, totalizando 46
    cromossomos.
   Os espermatozoides e os óvulos possuem a
    metade dos cromossomos e no momento da
    fecundação ocorre a união do material genético
    formando uma nova célula que se multiplicará
    para formar o corpo humano.
   Cariótipo humano normal: 44 +par sexual (xx ou
    xy)

Deficiência intelectual..&..Síndrome de Down
Provocam alterações no número típico de
cromossomos da espécie (cariótipo).
Podem produzir anomalias graves e até a morte do
organismo.
Se dividem em Euploidias quando há a alteração de
um   genoma    inteiro   e   Aneuploidias   quando
acrescentam ou perdem um ou poucos
      cromossomos.
Há um aumento ou diminuição de um ou mais pares
de cromossomos, mas não de todos. A maioria dos
pacientes aneuplóides apresenta trissomia (três
cromossomos em vez do par normal de
cromossomo) ou, menos frequente, monossomia
(apenas um representante de um cromossomo). O
mecanismo cromossômico mais comum da
aneuploidia é a não-disjunção meiótica, uma falha
da separação de um par de cromossomos durante
uma das duas divisões meióticas.

Recomendados

PSICOLOGIA ESCOLAR
PSICOLOGIA ESCOLARPSICOLOGIA ESCOLAR
PSICOLOGIA ESCOLARCassia Dias
 
Autismo os educadores são a chave para inclusão!
Autismo  os educadores são a chave para inclusão!Autismo  os educadores são a chave para inclusão!
Autismo os educadores são a chave para inclusão!Raline Guimaraes
 
Slide Autismo
Slide   AutismoSlide   Autismo
Slide AutismoUNIME
 
Transtorno Desafiador Opositivo - TDO
Transtorno Desafiador Opositivo - TDOTranstorno Desafiador Opositivo - TDO
Transtorno Desafiador Opositivo - TDOCassia Dias
 
O QUE ESTÁ ACONTECENDO COMIGO?
O QUE ESTÁ ACONTECENDO COMIGO?O QUE ESTÁ ACONTECENDO COMIGO?
O QUE ESTÁ ACONTECENDO COMIGO?Renata Pimentel
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Tdah - Transtorno de Déficit de atenção e Hiperatividade - Prof. Esp. Viníciu...
Tdah - Transtorno de Déficit de atenção e Hiperatividade - Prof. Esp. Viníciu...Tdah - Transtorno de Déficit de atenção e Hiperatividade - Prof. Esp. Viníciu...
Tdah - Transtorno de Déficit de atenção e Hiperatividade - Prof. Esp. Viníciu...Vinícius Fagundes Dos Santos
 
Psicologia escolar e educacional
Psicologia escolar e educacionalPsicologia escolar e educacional
Psicologia escolar e educacionalThiago de Almeida
 
Plano de ação setor de psicologia
Plano de ação   setor de psicologiaPlano de ação   setor de psicologia
Plano de ação setor de psicologiaJosé H B Ramos
 
Transtorno opositor desafiante
Transtorno opositor desafianteTranstorno opositor desafiante
Transtorno opositor desafianteisismaat
 
Psicologia escolar
Psicologia escolarPsicologia escolar
Psicologia escolarFelix Jose
 
Transtorno do déficit de atenção e hiperatividade tdah power point
Transtorno do déficit de atenção e hiperatividade tdah power pointTranstorno do déficit de atenção e hiperatividade tdah power point
Transtorno do déficit de atenção e hiperatividade tdah power pointSme Otacílio Costa
 
Como ensinar uma criança com tdah
Como ensinar uma criança com tdahComo ensinar uma criança com tdah
Como ensinar uma criança com tdahSimoneHelenDrumond
 
Intervenção em crises
Intervenção em crisesIntervenção em crises
Intervenção em crisesAroldo Gavioli
 
Palestra Depressão e Ansiedade
Palestra Depressão e AnsiedadePalestra Depressão e Ansiedade
Palestra Depressão e AnsiedadeRenata Pimentel
 

Mais procurados (20)

Tdah - Transtorno de Déficit de atenção e Hiperatividade - Prof. Esp. Viníciu...
Tdah - Transtorno de Déficit de atenção e Hiperatividade - Prof. Esp. Viníciu...Tdah - Transtorno de Déficit de atenção e Hiperatividade - Prof. Esp. Viníciu...
Tdah - Transtorno de Déficit de atenção e Hiperatividade - Prof. Esp. Viníciu...
 
saude mental
saude mental saude mental
saude mental
 
Psicologia escolar e educacional
Psicologia escolar e educacionalPsicologia escolar e educacional
Psicologia escolar e educacional
 
Saúde mental e trabalho
Saúde mental e trabalhoSaúde mental e trabalho
Saúde mental e trabalho
 
Plano de ação setor de psicologia
Plano de ação   setor de psicologiaPlano de ação   setor de psicologia
Plano de ação setor de psicologia
 
ApresentaçãO Autismo
ApresentaçãO AutismoApresentaçãO Autismo
ApresentaçãO Autismo
 
Neurociências e aprendizagem
Neurociências e aprendizagem   Neurociências e aprendizagem
Neurociências e aprendizagem
 
Palestra Autismo
Palestra AutismoPalestra Autismo
Palestra Autismo
 
Transtorno opositor desafiante
Transtorno opositor desafianteTranstorno opositor desafiante
Transtorno opositor desafiante
 
Psicologia escolar
Psicologia escolarPsicologia escolar
Psicologia escolar
 
Autismo aula power point
Autismo aula power pointAutismo aula power point
Autismo aula power point
 
Transtorno do déficit de atenção e hiperatividade tdah power point
Transtorno do déficit de atenção e hiperatividade tdah power pointTranstorno do déficit de atenção e hiperatividade tdah power point
Transtorno do déficit de atenção e hiperatividade tdah power point
 
Como ensinar uma criança com tdah
Como ensinar uma criança com tdahComo ensinar uma criança com tdah
Como ensinar uma criança com tdah
 
Autismo
AutismoAutismo
Autismo
 
Intervenção em crises
Intervenção em crisesIntervenção em crises
Intervenção em crises
 
Autismo e educação
Autismo e educaçãoAutismo e educação
Autismo e educação
 
Síndrome de down
Síndrome de down Síndrome de down
Síndrome de down
 
01. manual do psi. escolar
01. manual do psi. escolar01. manual do psi. escolar
01. manual do psi. escolar
 
TDAH para Educadores
TDAH para EducadoresTDAH para Educadores
TDAH para Educadores
 
Palestra Depressão e Ansiedade
Palestra Depressão e AnsiedadePalestra Depressão e Ansiedade
Palestra Depressão e Ansiedade
 

Semelhante a Deficiência intelectual..&..Síndrome de Down

Semelhante a Deficiência intelectual..&..Síndrome de Down (20)

Quais são as alterações genéticas que podem provocar a síndrome de down
Quais são as alterações genéticas que podem provocar a síndrome de downQuais são as alterações genéticas que podem provocar a síndrome de down
Quais são as alterações genéticas que podem provocar a síndrome de down
 
As etiologias biológicas dos
As etiologias biológicas dosAs etiologias biológicas dos
As etiologias biológicas dos
 
Trabalho
TrabalhoTrabalho
Trabalho
 
Trissomia21 diferenças
Trissomia21 diferençasTrissomia21 diferenças
Trissomia21 diferenças
 
Trissomia 21
Trissomia 21Trissomia 21
Trissomia 21
 
Trissomia 21
Trissomia 21Trissomia 21
Trissomia 21
 
Aprendizagem escolar
Aprendizagem escolarAprendizagem escolar
Aprendizagem escolar
 
Deficiência mental
Deficiência mentalDeficiência mental
Deficiência mental
 
DESENVOLVIMENTO DO CEREBRO.pptx
DESENVOLVIMENTO DO CEREBRO.pptxDESENVOLVIMENTO DO CEREBRO.pptx
DESENVOLVIMENTO DO CEREBRO.pptx
 
Sindrome De Downn
Sindrome De DownnSindrome De Downn
Sindrome De Downn
 
Sindrome de-down (1)
Sindrome de-down (1)Sindrome de-down (1)
Sindrome de-down (1)
 
Deficiência Mental
Deficiência MentalDeficiência Mental
Deficiência Mental
 
Deficiencia Mental
Deficiencia MentalDeficiencia Mental
Deficiencia Mental
 
Sindrome de-down everton
Sindrome de-down evertonSindrome de-down everton
Sindrome de-down everton
 
Síndrome de down - Seminário de Biologia Celular e Molecular
Síndrome de down - Seminário de Biologia Celular e MolecularSíndrome de down - Seminário de Biologia Celular e Molecular
Síndrome de down - Seminário de Biologia Celular e Molecular
 
Filho com-autismo-ou-deficit-de-atencao
Filho com-autismo-ou-deficit-de-atencaoFilho com-autismo-ou-deficit-de-atencao
Filho com-autismo-ou-deficit-de-atencao
 
Autsimo
AutsimoAutsimo
Autsimo
 
Slide para blog sobre Autismo
Slide para blog sobre AutismoSlide para blog sobre Autismo
Slide para blog sobre Autismo
 
8621 62260-1-pb
8621 62260-1-pb8621 62260-1-pb
8621 62260-1-pb
 
Microcefalia e/ou alterações do snc e a relação com vírus zika
Microcefalia e/ou alterações do snc e a relação com vírus zikaMicrocefalia e/ou alterações do snc e a relação com vírus zika
Microcefalia e/ou alterações do snc e a relação com vírus zika
 

Mais de Tathiane Cuesta

Mais de Tathiane Cuesta (7)

Tdc ed especial
Tdc ed especialTdc ed especial
Tdc ed especial
 
Informações sobre Autismo
Informações sobre AutismoInformações sobre Autismo
Informações sobre Autismo
 
Deficiência auditiva
Deficiência auditiva Deficiência auditiva
Deficiência auditiva
 
Deficiência auditiva
Deficiência auditivaDeficiência auditiva
Deficiência auditiva
 
Deficiência visual
Deficiência visualDeficiência visual
Deficiência visual
 
Apresentação comunicação alternativa
Apresentação comunicação alternativaApresentação comunicação alternativa
Apresentação comunicação alternativa
 
Paralisia cerebral
Paralisia cerebralParalisia cerebral
Paralisia cerebral
 

Deficiência intelectual..&..Síndrome de Down

  • 1. Por Tathiane Rubin Rodrigues Cuesta
  • 3. Como ocorre:  Os seres humanos são formados por 22 pares de cromossomos mais 1 par sexual, totalizando 46 cromossomos.  Os espermatozoides e os óvulos possuem a metade dos cromossomos e no momento da fecundação ocorre a união do material genético formando uma nova célula que se multiplicará para formar o corpo humano.  Cariótipo humano normal: 44 +par sexual (xx ou xy) 
  • 5. Provocam alterações no número típico de cromossomos da espécie (cariótipo). Podem produzir anomalias graves e até a morte do organismo. Se dividem em Euploidias quando há a alteração de um genoma inteiro e Aneuploidias quando acrescentam ou perdem um ou poucos cromossomos.
  • 6. Há um aumento ou diminuição de um ou mais pares de cromossomos, mas não de todos. A maioria dos pacientes aneuplóides apresenta trissomia (três cromossomos em vez do par normal de cromossomo) ou, menos frequente, monossomia (apenas um representante de um cromossomo). O mecanismo cromossômico mais comum da aneuploidia é a não-disjunção meiótica, uma falha da separação de um par de cromossomos durante uma das duas divisões meióticas.
  • 7. Autossômicas- do par 1 ao 22  Sexuais- no par 23  A síndrome de Down (SD) é um distúrbio genético caracterizado pela presença de um cromossomo 21 adicional em todas as células do organismo de seu portador, levando-o a apresentar várias características físicas e mentais específicas, correspondendo a uma das mais frequentes anomalias numéricas dos cromossomos autossômicos. Infelizmente, as crianças com síndrome de Down possuem vários distúrbios associados, sendo estes a causa principal de mortalidades.
  • 9. Trissomia 21 simples (ou padrão): a pessoa possui 47 cromossomos em todas as células (ocorre em 95% dos casos de Síndrome de Down).
  • 10. Mosaico: a alteração genética compromete apenas parte das células, ou seja, algumas células têm 47 e outras 46 cromossomos (2% dos casos de Síndrome de Down).
  • 11. Translocação: o cromossomo extra do par 21 fica "grudado" em outro cromossomo. Nesse caso embora indivíduo tenha 46 cromossomos, ele é portador da Síndrome de Down (cerca de 3% dos casos de Síndrome de Down).
  • 19. Em 1995 o termo deficiência mental foi modificado para deficiência intelectual, que se trata de deficiência diferentemente de doença mental (quadros psiquiátricos não necessariamente associados a déficit intelectual).  O termo deficiência intelectual foi consagrado como documento na “Declaração de Montreal sobre Deficiência Intelectual” em 2004.
  • 20. A deficiência intelectual é conhecida por problemas com origem no cérebro e que causam baixa produção de conhecimento, dificuldade de aprendizagem e um baixo nível intelectual. Entre as causas mais comuns deste transtorno estão os fatores de ordem genética, as complicações ocorridas ao longo da gestação ou durante o parto e as pós-natais
  • 21. Embora seja possível identificar a maior parte dos casos de deficiência intelectual na infância, infelizmente este distúrbio só é percebido em muitas crianças quando elas começam a frequentar a escola. Isso acontece porque esta patologia é encontrada em vários graus, desde os mais leves, passando pelos moderados, até os mais graves. Nos casos mais sutis, os testes de inteligência direcionados para os pequenos não são nada confiáveis, torna-se então difícil detectar esse problema. Nos centros educacionais as exigências intelectuais aumentam e aí a deficiência intelectual torna-se mais explícita.
  • 22. “funcionamento intelectual inferior a média (QI) associada a limitações adaptativas em pelo menos duas áreas de habilidades: comunicação, cuidados pessoais, habilidades sociais, desempenho na família e comunidade, independência na locomoção, saúde e segurança, desempenho escolar, lazer e trabalho” (PCN, 1998).
  • 23. Para se concluir o diagnostico de deficiência intelectual será preciso da avaliação de médicos e psicólogos clínicos, realizados em consultórios, hospitais, centros de reabilitação e clínicas. Ou também por equipes interdisciplinares de instituições educacionais. Verifica-se também ao se analisar sua atuação intelectual e suas habilidades adaptativas, entendendo-se por habilidades adaptativas “a coleção de habilidades conceituais e práticas que as pessoas aprendem a fim de atuar em sua rotina diária” (AAMR, 2002, p.73)
  • 24. Como a deficiência intelectual está entre as síndromes consideradas anormais, é importante definir o que é normal para os especialistas, quais referências eles adotam para estabelecer se uma criança possuiu alguma deficiência. O fator mais associado à ideia de normalidade é a capacidade da criança de se adequar ao objeto ou ao seu universo. Mas geralmente este distúrbio psíquico é considerado como uma condição relativa da mente, comparada com as outras pessoas de uma mesma sociedade.
  • 25. Pré Natal: desnutrição materna; doenças infecciosas (sífilis, rubéola, toxoplasmose); tóxicos (alcoolismo, consumo de drogas, efeito colaterais de medicamentos, tabagismo); genéticos: alterações cromossômicas. ex: Síndrome de Down, Síndrome de Matin Bell; alterações gênicas ex: erros inatos do metabolismo (fenilcetunúria), Síndrome de William, Esclerose Tuberosa etc
  • 26. Perinatal - que ocorrem desde o início do trabalho de parto até o trigésimo dia de vida do bebê: traumas de parto e má assistência; falta de oxigenação cerebral; prematuridade e baixo peso; icterícia grave do recém nascido. PósNatal - que ocorrem desde o trigésimo dia de vida até o final da adolescência: desnutrição, desidratação grave, carência de estimulação global; infeccões (meningoencefalites, sarampo, etc); intoxicações exógenas, ou seja,
  • 27. envenenamento por remédios, inseticidas, produtos químicos (chumbo, mercúrio, etc); acidentes (transito, afogamento, choque elétrico, asfixia, quedas, etc); infestações ex: larva da Taenia Solium etc. Do ponto de vista pós-natal, a aplicação de vacinas, alimentação adequada, ambiente familiar saudável e estimulador, cuidados relacionados aos acidentes na infância também são poderosos aliados.
  • 28. A identificação e a intervenção precoce são fundamentais para as crianças com DI e suas famílias. A intervenção precoce pode limitar a gravidade do DI ou mesmo preveni-lo (Guaralnick, 1998; U.S. Department of Education, 2001). As experiências na pré-escola fornecem a base para o desenvolvimento de habilidades que, mais tarde, serão importantes na escola e na vida e ocorrem no momento em que a família está começando seu longo envolvimento na educação do seu filho com deficiência.
  • 29. Focar a atenção, dando prioridade aos objetivos que queremos ensinar; Partir de contextos reais; Criar situações de aprendizagem positivas e significativas, preferencialmente em ambientes naturais aos alunos; Usar situações e formas o mais concretas possíveis; Transferir comportamentos e aprendizados  adquiridos para novas situações;
  • 30. Saiba que o bom desempenho do professor pode fazer uma grande diferença na vida de uma criança com deficiência ou sem deficiência. Nunca subestime a capacidade de seu aluno com deficiência intelectual, procure saber quais são suas potencialidades e interesses e dedique todos os seus esforços no seu desenvolvimento.
  • 31. Dividir as tarefas e partes, gradualmente, dificultando as aquisições aos poucos, respeitando o ritmo do aluno; Motivar, elogiar o sucesso e valorizar a auto- estima; Atender não só a área dos conhecimentos acadêmicos, mas também os aprendizados que melhorem a qualidade de vida de todos os alunos; Utilizar em seu trabalho diferentes tipos de linguagens, como música, artes, expressões corporais, entre outras;
  • 32. Acompanhar continuamente o processo de aprendizagem do aluno, registrando suas observações para poder, com o tempo, perceber como é a melhor forma que cada aluno em especial apresenta para aprender; Avaliar o aluno pelo seu progresso individual e com base em seus talentos e suas habilidades naturais, sem compará-lo com a turma.
  • 33. www.redesaci.org.br  www.onu.com  www.fsdown.org.br  www.campinas.apaebrasil.org.br
  • 34. O oitavo dia  Forrest Gump: o contador de histórias  Uma lição de amor  Simples Como Amar  O Selvagem de Aveiron