OT Mediação e Linguagem 11fev

1.147 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.147
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
6
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
26
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

OT Mediação e Linguagem 11fev

  1. 1. Diretoria de Ensino Leste 4 Dirigente Regional de Ensino José Carlos Francisco Núcleo Pedagógico ORIENTAÇÃO TÉCNICA DE LÍNGUA PORTUGUESA
  2. 2. MEDIAÇÃO E LINGUAGEM PCNPs Responsáveis: Tania Conceição Nunes de Sá Gomes Adriana Cristina de Brito Pereira
  3. 3. Objetivos da Orientação Técnica e da Videoconferência  Apresentar ao professor uma reflexão organizada a respeito do trabalho de revisão e reescrita dos textos apresentados nas práticas de linguagem;  Organizar os conhecimentos implicados na ação didática no cotidiano da sala de aula;  Contribuir para a análise prática de revisão de textos efetivamente realizados na escola.
  4. 4. Conceitos Preliminares A aprendizagem da produção escrita é uma das finalidades do ensino das línguas. Essa aprendizagem permite ao aluno: Comunicação com outros pela escrita; Obtenção êxito escolar; Promoção da socialização.  Produção de textos diversos, respeitando as convenções da língua e da comunicação, é uma condição importante para a integração do indivíduo na vida social e profissional.  Compreensão da escrita como uma prática social (função e utilidade do texto escrito).
  5. 5. A escrita como comunicação, expressão e conhecimento  A produção e compreensão da diversidade de textos orais e escritos é considerado como objetivo central do ensino das línguas;  Produzir um texto é expor uma imagem de si e da sua criatividade;  É preciso conhecer os conteúdos temáticos a serem abordados, o sistema linguístico, o destinatário e as convenções sociais do contexto de produção textual.
  6. 6. Dimensões da Escrita
  7. 7. Aspectos a serem considerados no processo de escrita dos textos  A aprendizagem da escrita, por meio da produção de textos é uma atividade complexa;  O texto, e não a frase ou a palavra, é considerado como unidade de trabalho;  É preciso levar em conta a diversidade das situações de comunicação;  Antecipação, por meio da análise, dos obstáculos e dificuldades a serem ultrapassados pelos alunos;  A análise didática dos textos pelo professor, a fim de se encontrar caminhos para intervenção.
  8. 8. ORIENTAÇÕES PARA REFLEXÃO
  9. 9. Momento 1 Para começar a prévia reflexão sobre o assunto, leia os excerto apresentados e, depois, faça a seguinte analise: De que modo as citações se relacionam entre si e com a prática de revisão de textos? Elabore um pequeno texto expositivo que caracterize o procedimento de revisão, tendo a reescrita como parte desse processo. Você pode organizá-lo na forma de itens ou simples anotações, se quiser, e começá-lo da seguinte maneira:“Podemos dizer que revisão envolve...”. Observação: Os participantes deverão dividir-se em 4 grupos para a realização da atividade proposta.
  10. 10. Excerto 1 “(...) os tempos deixaram de ser noite de si mesmos quando as pessoas começaram a escrever, ou a emendar... que é obra doutro requinte e doutra transfiguração.” (Saramago) Excerto 2 “(...) por que caminhos eles andaram e se perderam antes de alcançarem a definitiva forma, se é que tal coisa existe.” (Saramago;idem) Excerto 3 “Que a gente não canse, de apontar o lápis e refazer o texto, de procurar a palavra, de revirar o papel e a alma do avesso, de encontrar a ‘rima’. Que não nos vença o gosto amargo, o riso murcho, a palavra vazia. Que o inverso disso ganhe sim, e ganhe sempre. Que a rotina não nos destrua, que ainda nos dê crises de riso, que ainda pulse. Só isso que eu quero pra dezembro, e pros outros onze meses.” (Clara D.)2 Excerto 4 “Quero enfiar a ideia, achar o rumozinho forte das coisas, caminho do que houve e do que não houve. Às vezes não é fácil. Fé que não o é.” (Guimarães Rosa)
  11. 11. Excerto 5 “O crescimento de níveis de deliberação (que precisam ser mais bem conhecidos na esfera da pesquisa) envolve internalizações sucessivas de competências que se constroem no plano intersubjetivo e que permitem a consolidação das funções comunicativa (regulação da ação do outro) e individual (autorregulação) da escrita. Supomos que as mudanças nessa direção se iniciem nos esforços de distinção entre gerar o texto e pensar sobre o texto, distinção esta que não é manifestada imediatamente pelo escritor iniciante”. (Smolka e Góes:1992;p.96.) Excerto 6 “A aprendizagem da linguagem é já um ato de reflexão sobre a linguagem. (...) As ações linguísticas que praticamos nas interações em que nos envolvemos demandam esta reflexão, pois compreender a fala do outro e fazer-se compreender pelo outro tem a forma de um diálogo.” (Geraldi:1997,p.17.)
  12. 12. Excerto 7 [Sobre o rascunho como espaço de comunicação consigo mesmo.] “Duas semióticas intervêm nas modificações de gênese: a da linguagem verbal por um lado, e a de uma paralinguagem na qual se risca, flecha, sobrecarrega. O que faz o escriba? Ele faz indicações para ele mesmo: ele coloca em memória, de forma econômica e não explícita, um programa de modificações que ele reserva para modificar posteriormente. Ele representa para si mesmo ao menos duas faces da inscrição, uma comportando notações mínimas, frequentemente não verbalizadas, e outra traduzindo, por modificações de linguagem, indicações mais ou menos legíveis nas rasuras.” (Fabre:1992,p.09.) Excerto 8 “A reescrita tem como origem uma série de interrogações sobre a adequação do discurso primeiro em relação a uma consigna particular, um determinado leitor, seu próprio desejo, um ato a cumprir, desafios precisos etc. Reescrever é colocar questões sobre seu próprio texto, ou seja, indica uma consciência do já-dito, umacapacidade de avaliar em função de um certo número de parâmetros e da possibilidade de reformulação.” (Delamote-Legrand:1992,p.106)
  13. 13. Momento 2 Agora faça a leitura dos seguintes textos: A. BRÄKLING, Kátia Lomba. Revisão e correção: variações sobre o mesmo tema? São Paulo: 2012. B. DOLZ, Joaquim et alii. Produção escrita e dificuldades de aprendizagem. Campinas: Mercado de Letras.2010. Capítulo 1: Ensinar a Produção Escrita (pp. 13-30). Capítulo 5: Os Dispositivos de Ensino (pp. 61-66). Depois de realizada a leitura, retome as anotações que você fez a partir dos excertos e compare a reflexão que fez antes com a que realizou neste momento. Que aspectos puderam ser aprofundados, ampliados, esclarecidos? Observação: Os participantes deverão se dividir em 3 grupos para a realização da atividade proposta.
  14. 14. Em relação ao aluno é necessário observar:  Quais são os conhecimentos que os alunos dominam.  Quais são as lacunas, dificuldades e obstáculos potenciais da sua escrita.
  15. 15. Revisão e correção: o mesmo conceito?  Correção Supressão de erros ortográficos a partir da indicação de erros feita pelo professor; Ideia de que o que foi escrito está errado e precisa ser substituído; Atividade não reflexiva; Aponta generalidades e superficialidades; Condições de trabalho individual e sem cooperação.
  16. 16.  Revisão Revisar dialoga; Busca os sentidos pretendidos pelo aluno no texto; Tenta ajustar o texto às intenções do escritor e aos parâmetros definidos; Apresenta-se um conjunto de possibilidades linguístico-discursivas ao aluno; A revisão é um exercício de alteridade – colocar-se no lugar de quem escreveu para compreender suas intenções. É um processo de adequação do texto ao contexto de produção. A correção inserida no processo de revisão deve ser REFLEXIVA.
  17. 17.  Podemos dizer que a intervenção acima foi reflexiva?  Trata-se de uma orientação para revisão ou correção?  Que situações de escrita vivenciamos no cotidiano escolar, tão complexo?  Todas elas requerem o mesmo tipo de intervenção ao falarmos de revisão?  Que aspectos precisamos considerar ao organizar essas intervenções?  Que procedimentos devemos adotar para garantir as nossas referências teóricas e metodológicas?
  18. 18.  É preciso garantir ao aluno uma efetiva oportunidade de reflexão sobre os aspectos da língua e da linguagem, pelo processo de análise da adequação do texto, de levantamento de possibilidades de ajuste do texto e revisão;  Promoção das intervenções que orientam a textualização durante o processo de produção;  Acompanhamento dos alunos enquanto redigem, ainda que em parceria, ler o que escrevem e sugerir modificações, complementações, correções;  Acompanhamento dos registros feitos no caderno;  A apropriação do conhecimento ocorre pela cooperação na realização das tarefas. Os procedimentos didático-metodológicos de trabalho
  19. 19. Momento 3 Leia os textos dos alunos em anexo, assim como a proposta de produção apresentada para os mesmos. Escolha um dos textos e, supondo que seja representativo da proficiência de uma classe, organize uma atividade de revisão – ou uma sequência de atividades – para problematizar as questões textuais que apresenta. Observação: Os participantes deverão dividir-se em 4 grupos para a realização da atividade.
  20. 20. Proposta Apresentada para o Aluno SARESP 2012 7º ano do Ensino Fundamental Proposta de Redação Escreva seu texto imaginando que você está participando de um concurso lançado pelo jornal de sua cidade para descobrir novos talentos literários.As trinta melhores narrativas produzidas pelos alunos das escolas estaduais serão publicadas em uma coletânea. Para participar, leia o trecho a seguir e continue a narrativa. UM EXEMPLO DE CORAGEM E AMOR Num bairro da cidade, havia um barracão abandonado cujas portas estavam lacradas. No andar de cima, Sara, uma gatinha, vivia e alimentava-se de restos de comida que encontrava pelas redondezas. Ela conseguia entrar no barracão por uma janela que tinha o vidro quebrado. Estava, agora, com sua ninhada de cinco filhotes, no andar superior, bem protegidos, quando, no final de uma tarde, iniciou-se um grande incêndio no local. Considerando o que expressa o título do texto (Um exemplo de coragem e amor), crie um enredo com a história de Sara e seus filhotes. Envolva outros personagens, incluindo humanos. Crie momentos de suspense capazes de despertar a curiosidade e atenção do leitor. Dê um final à sua história, que poderá ter um desfecho feliz ou não. Observações: 1. Faça inicialmente um rascunho. 2. Passe seu rascunho para o local indicado, com caneta de tinta azul ou preta. 3. Capriche na letra. 4. Escreva seu texto na modalidade culta (norma-padrão) da língua portuguesa
  21. 21. Texto 1
  22. 22. Texto 2
  23. 23. Operações referentes à produção textual A. Contextualização – Produção e construção de texto coerente e adaptado à situação de comunicação. B. Progressão temática – Desenvolvimento dos conteúdos temáticos em função do gênero, atentando para a pertinência das escolhas das informações, o equilíbrio das informações do leitor e o aporte de novas informações. C. Planificação – Articulação das partes separadas do texto (coerência) pela organização interna do texto. D. Marcas Linguísticas – Coesão nominal e verbal utilizando meios linguísticos que asseguram as relações entre as frases. E. Releitura, revisão, reescrita - Retomada do texto pelo produtor.
  24. 24. Entre os aspectos indicados, serão sempre fundamentais os que forem relativos à: a) manutenção de coesão e coerência do texto no processo tanto de textualização de conteúdo já produzido (reescritas), quanto de criação de conteúdo (produções de autoria), considerando-se todos os aspectos implicados nesse processo; b) criação de conteúdo, em si, com a explicitação das relações que se estabelecem entre as ações narradas/inventadas (de anterioridade e/ou posterioridade, de causalidade, de explicação, entre outras); c) adequação do texto ao contexto de produção definido e combinado em classe.
  25. 25. Uma orientação didática coerente com os pressupostos indicados recomenda que o desenvolvimento do trabalho de ensino precisa organizar-se a partir de um movimento metodológico que suponha: a. trabalho no coletivo, feito pela professora: nesse momento, a intenção é fazer circular informações relevantes sobre determinado conhecimento, buscando-se a apropriação delas pelos alunos e modelizar procedimentos - de leitura, de escuta, de produção de textos, de análise – oferecendo referências aos alunos; b. trabalho em duplas/grupo: nesse momento a intenção é observar quais aspectos tematizados foram apropriados pelos alunos a partir do momento anterior e criar um espaço para que as informações apropriadas pelos diferentes parceiros circulem, colocando a possibilidade de novas apropriações e novos aprendizados; c. trabalho individual: esse é o momento de se constatar quais foram as aprendizagens realizadas, efetivamente, pelos alunos; quais foram os conteúdos apropriados por eles. Nesse momento tem-se a informação a respeito de quais aspectos precisarão ser novamente tematizados, reiniciando-se o movimento do trabalho.
  26. 26. Procedimentos a serem observados nas atividades de revisão  a questão da paragrafação;  a necessidade de esclarecimento de informações;  a adequação do título ao conteúdo temático do texto.
  27. 27. a) Ler os textos produzidos e marcar os aspectos que precisam ser revisados (aspectos relativos à coerência do texto; ausência de informações relevantes; não estabelecimento de relações adequadas entre os fatos, necessidade de paragrafação e pontuação, entre outros aspectos). b) Utilizar para marcar, p.e., um traço vertical em uma das margens, correspondendo ao trecho a ser revisto. d) Organizar os alunos em duplas. e) Devolver os seus textos, oriente-os para que conversem sobre o trecho a ser revisado, levantando possibilidades de ajuste. Os dois conversam sobre cada um dos textos, anotam as sugestões; depois, cada um revisa o seu próprio. Procedimentos a serem utilizados nas atividades de revisão:
  28. 28. f) Nessa revisão, os alunos não deverão apagar e escrever de novo. Devem escrever em um papel pautado, à parte. Depois que escreverem, cortam a tira de papel e a colam sobre a 1ª versão (o texto original), mas apenas na margem, de modo que se possa levantar a filipeta para ler o texto que está embaixo. g) Receber os textos revisados e, dessa vez, lê-los fazendo anotações de aspectos ortográficos que precisam ser revisados. h) As anotações para correção ortográfica devem levar à reflexão; portanto, procedimentos que já indicam ao aluno o que têm que corrigir e como, não devem ser utilizados nessa situação (a da revisão de textos). Nessa situação, as anotações devem ser feitas respeitando-se os seguintes critérios: •Erros relativos a aspectos já discutidos em classe: Ficha Ortográfica e Pauta de Memorização; •Erros relativos a aspectos ainda não discutidos em classe.
  29. 29. Bibliografia BRÄKLING, Kátia Lomba. Revisão e correção: variações sobre o mesmo tema? São Paulo: 2012. DOLZ, Joaquim et alii. Produção escrita e dificuldades de aprendizagem. Campinas: Mercado de Letras.2010. Capítulo 1: Ensinar a Produção Escrita (pp. 13-30). Capítulo 5: Os Dispositivos de Ensino (pp. 61-66).
  30. 30. Obrigada pela participação! Contato: Delt4npe@see.sp.gov.br 2742-3102

×