SlideShare uma empresa Scribd logo
DIREÇÃO-GERAL DOS ESTABELECIMENTOS ESCOLARES 
DIREÇÃO DE SERVIÇOS DA REGIÃO NORTE 
AGRUPAMENTO DE ESCOLAS EMÍDIO GARCIA 
CÓDIGO 151816 
PROCEDIMENTOS E CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO 
ANO LETIVO 2014/2015 
I 
Introdução 
A avaliação tem como objetivo certificar os saberes, estimular o sucesso e promover a qualidade do sistema educativo. É parte integrante do processo de aprendizagem e constitui uma fonte de informação fundamental, para o professor, o aluno e o encarregado de educação. 
A certificação dos conhecimentos e das capacidades dos alunos determina o recurso a uma pluralidade de instrumentos de avaliação. 
A avaliação do aluno é um processo que espelha não só o seu interesse e os resultados que atingiu, mas também a avaliação global de todo o processo ensino-aprendizagem e de todos os atores nele envolvidos. 
Tendo o processo de avaliação uma componente subjetiva, é reconhecida a necessidade de uniformizar determinados procedimentos e terminologias. 
II 
1- Modalidades de Avaliação. 
Da avaliação fazem parte as seguintes modalidades: avaliação diagnóstica, avaliação formativa, avaliação sumativa, autoavaliação e heteroavaliação. 
- A avaliação diagnóstica deve ser feita no início do ano letivo e, se o professor achar oportuno, no início de uma unidade didática. Esta destina-se a verificar se o aluno tem os pré-requisitos necessários para apreender os conteúdos seguintes do programa, podendo os seus resultados determinar a reformulação da planificação prevista. Permite, portanto, estabelecer estratégias de diferenciação pedagógica. 
Página 1 de 7
- A avaliação formativa deve ocorrer em pelo menos dois momentos por período e tem o propósito de fazer pontos da situação relativamente ao progresso dos alunos, face aos vários tipos de metas/objetivos do currículo, permitindo ao professor introduzir as necessárias alterações/correções na sua estratégia de ensino. Permite também ao aluno autorregular as suas aprendizagens, consciencializando-o de que a aprendizagem é um produto a construir e que ele próprio tem um papel fundamental nessa construção. 
- A avaliação sumativa consiste na formulação de um juízo globalizante sobre o desenvolvimento das aprendizagens do aluno e das metas definidas para cada disciplina e área curricular e tem como objetivo a classificação e certificação. Realiza-se sempre que seja preciso fazer o balanço das aprendizagens desenvolvidas. Materializa-se nos vários domínios da avaliação e ocorre nos finais de período e nos finais de ciclo. Corresponde a balanços que se vão fazendo ao longo do processo ensino-aprendizagem tendo em conta as metas/objetivos que, uma vez atingidos, permitem passar a etapas seguintes. Terá em conta todos os instrumentos de avaliação utilizados, de acordo com a importância atribuída a cada um e é definida em grupo disciplinar. 
- A autoavaliação constitui um modo de participação e implicação dos alunos na sua própria formação e contribui para o desenvolvimento de atitudes de responsabilidade, cooperação e tolerância. Fomenta a auto- estima e a afirmação progressiva da autonomia. Cada Área Disciplinar deve uniformizar o processo de auto- avaliação dos alunos. 
- A heteroavaliação é um processo de complemento da autoavaliação e deve ser realizada no final de cada período. 
No início do ano letivo, é fundamental que cada professor dê a conhecer aos alunos, com clareza, todos os critérios de avaliação no âmbito da respetiva disciplina e o modo como os vai operacionalizar. 
2- Avaliação das Áreas Curriculares Disciplinares. 
As metas/objetivos gerais do ensino constituem as referências orientadoras da prática pedagógica e é a partir deles que se estabelece o conjunto de aprendizagens exigíveis no final de cada etapa do processo ensino-aprendizagem. 
Essas aprendizagens pertencem aos domínios dos conhecimentos, das capacidades, das atitudes e valores. 
Assim, a avaliação do processo ensino-aprendizagem deve: 
a) - Proporcionar informação aos diferentes intervenientes, de modo a contribuir para a regulação do mesmo e orientar o percurso escolar dos alunos; 
b) - Articular-se, necessariamente, com as metas/objetivos e as estratégias de cada grupo disciplinar, de acordo com as planificações a longo, médio e curto prazos; 
Página 2 de 7
2.1- Domínios da Avaliação: 
2.1.1. Atitudes e Valores: 
- Assiduidade e pontualidade; 
- Sentido de responsabilidade; 
- Interesse e participação no trabalho; 
- Espírito crítico e curiosidade científica; 
- Respeito pela opinião dos outros; 
- Cumprimento das regras de segurança; 
- Cumprimento das regras de funcionamento da aula; 
-Colaboração/Cooperação com os outros. 
- Autonomia… 
2.1.2. Capacidades e Conhecimentos 
- Aquisição de Conhecimentos na abordagem de situações relacionadas com os programas das várias disciplinas curriculares; 
- Capacidade de comunicação oral e escrita; 
- Capacidade de analisar criticamente situações e temas propostos; 
- Capacidade de síntese; 
- Capacidade de relacionar aspetos teóricos com a prática; 
- Domínio da Língua Materna; 
- Seleção e organização de informação; 
- Interpretação de dados e resultados; 
- Capacidade de planificar atividades; 
- Utilização e aplicação de material informático e de laboratório; 
- Capacidade psicomotora. 
2.2- Ponderação na Atribuição Percentual aos Diferentes Domínios. 
O valor percentual a atribuir ao domínio dos valores e atitudes será entre 10% e 40%. O valor percentual a atribuir ao domínio das capacidades e conhecimentos será entre 60% e 90%. Deverá ser considerado o estipulado no ponto 5 do artigo 7.º da Portaria n.º 243/2012, de 10 de agosto. 
2.3- Técnicas e Instrumentos de Avaliação. 
A avaliação far-se-á de uma forma contínua e basear-se-á na análise do desempenho quotidiano do aluno e, nos resultados obtidos nos testes de avaliação, fichas de trabalho, trabalhos escritos/orais (individuais e de grupo), trabalhos práticos, relatórios e/ou trabalhos 
Página 3 de 7
de pesquisa e grelhas de observação. 
3- Avaliação na Educação Pré-Escolar 
A avaliação na Educação Pré-Escolar é formativa, assenta na observação contínua dos progressos da criança e incide, preferencialmente, sobre os processos numa perspetiva de construção progressiva das aprendizagens e de regulação da ação constituindo, assim, o instrumento de apoio e de suporte da intervenção educativa, ao nível do planeamento e da tomada de decisões do educador. 
3.1- Momentos de Avaliação: 
3.1.1. Avaliação diagnóstica - no início do ano letivo, tendo em vista a caracterização do grupo e de cada criança; 
3.1.2. No final de cada período letivo dever-se-á assegurar: 
3.1.2.1. A avaliação do Plano Anual de Atividades – em articulação com os outros níveis de ensino, privilegiando o 1.º ciclo do ensino básico; 
3.1.2.2. A avaliação do Projeto Curricular de Grupo; 
3.1.2.3. A avaliação do Plano Educativo Individual (quando existem crianças com Necessidades Educativas Especiais); 
3.1.2.4. A avaliação das aprendizagens das crianças; 
3.1.2.5. A avaliação das atividades desenvolvidas na Componente de Apoio à Família; 
3.1.2.6. A informação descritiva aos encarregados de educação sobre as aprendizagens e os progressos de cada criança. 
3.1.3. No período de encerramento do ano letivo, além das alíneas anteriores dever- se-á assegurar também: 
3.1.3.1. A articulação com o 1.º ciclo do ensino básico dos Processos Individuais das Crianças que transitam para este nível de ensino; 
3.1.3.2. A elaboração do relatório circunstanciado definido no artigo n.º 13 do DL n.º 3/2008; 
3.1.3.3. A preparação do ano letivo seguinte. 
3.1.4. Procedimentos da avaliação: 
De acordo com as suas conceções e opções pedagógicas, cada educador utiliza Página 4 de 7
técnicas e instrumentos de observação e registo diversificados, tais como: 
a) Observação direta; 
b) Entrevistas; 
c) Abordagens narrativas; 
d) Fotografias; 
e) Gravações áudio e vídeo; 
f) Registos de autoavaliação; 
g) Portefólios construídos com as crianças; 
4. Avaliação no 1.º Ciclo 
A avaliação é expressa através de uma síntese descritiva e/ou quantitativa em todas as áreas curriculares, às quais corresponde uma ponderação de 70%. (Pelo Decreto – Lei nº 139/2012 de 05/07, o 4º ano de escolaridade, a informação resultante da avaliação sumativa interna materializa-se de forma descritiva em todas as áreas curriculares, com exceção das disciplinas de Português e Matemática, a qual se expressa numa escala de 1 a 5). 
5. Avaliação sumativa interna 
5.1. 1.º, 2.º e 3.º Ciclos do Ensino Básico 
Disciplinas curriculares: A avaliação é quantitativa numa escala de níveis de 1 a 5. 
Nível 
% 
Nível 
% 
Nível 
% 
Nível 
% 
Nível 
% 
1º Ciclo 
(4ºano) 
1 
0-19 
2 
20-49 
3 
50-69 
4 
70-89 
5 
90-100 
2º Ciclo 
1 ou 2 
0-49 
3 
50-69 
4 
70-89 
5 
90-100 
3º Ciclo 
1 
0-19 
2 
20-49 
3 
50-69 
4 
70-89 
5 
90-100 
Áreas curriculares não disciplinares - nos cursos em que existam - (Estudo Acompanhado, Formação Cívica, Informática e Área de Projeto) – a avaliação é qualitativa atribuindo as menções: Não Satisfaz, Satisfaz e Satisfaz Bem, sendo no 1.º ciclo do ensino básico: Não Satisfaz, Satisfaz Pouco, Satisfaz, Satisfaz Bem e Satisfaz Muito Bem. 
Página 5 de 7
5.2. Ensino Secundário 
A avaliação é quantitativa numa escala de 0 a 20 valores. 
6 -Menções a Registar nos Elementos de Avaliação. 
As provas escritas e/ou trabalhos escritos/práticos, de avaliação, devem ser sempre classificados através de uma menção qualitativa, seguida da indicação quantitativa (que será percentual para o Ensino Básico), e de acordo com a tabela que se segue: 
2.º Ciclo do Ensino Básico 
Não Satisfaz 
1 ou 2 
0 % - 49 % 
Satisfaz 
3 
50 % - 69 % 
Satisfaz Bastante 
4 
70 % - 89 % 
Excelente 
5 
90 % - 100 % 
3.º Ciclo do Ensino Básico 
Ensino Secundário 
Reduzido 
1 
0 % - 19 % 
Mau 
0 – 4 
2 
20 % - 49 % 
Medíocre 
5 – 9 
Médio 
3 
50 % - 69 % 
Suficiente 
10 – 13 
Médio Mais 
4 
70 % - 89 % 
Bom 
14 – 17 
Elevado 
5 
90 % - 100 % 
Muito Bom 
18 - 20 
7- Provas de Avaliação 
- Devem ser realizadas, no mínimo, duas provas escritas e/ou práticas de avaliação em cada período letivo, salvo em situações excecionais, devidamente justificadas em Departamento e de acordo com a especificidade própria de cada disciplina; 
- No início de cada período letivo os alunos devem ser informados, pelo professor de cada disciplina, sobre as datas de realização das provas escritas e/ou práticas de avaliação, Página 6 de 7
devendo as mesmas ser registadas, pelo professor; 
- A calendarização das provas escritas de avaliação, no primeiro, segundo e terceiro ciclos, deverá ser facultada, em cada período, aos encarregados de educação; 
-Só a título excecional poderão realizar-se mais do que uma prova escrita e/ou prática no mesmo dia; 
- Na última semana de aulas de cada período letivo não poderão ser realizadas provas escritas e/ou práticas de avaliação, salvo por motivo de força maior; 
- É obrigatória a entrega das provas escritas e/ou práticas de avaliação devidamente classificadas, no horário normal da turma e antes da realização da prova seguinte; 
- As provas de avaliação não podem ser entregues aos alunos num período diferente daquele em que foram realizadas, salvo por motivo de força maior; 
- Os professores deverão proceder à apresentação, perante os alunos, da correção das provas escritas de avaliação, de forma oral ou por escrito. Sempre que possível, o professor deverá orientar os alunos, com vista à realização de atividades de remediação; 
- Na classificação das provas escritas todos os professores deverão ter em consideração o domínio da Língua Portuguesa por parte de todos os alunos; 
- Nos enunciados das provas de avaliação escritas e/ou práticas deverão constar as cotações das respetivas questões; 
7.1- Não é compatível com os presentes critérios de avaliação a existência de tetos em qualquer dos momentos de avaliação sumativa; 
7.2- A avaliação, ao permitir uma reflexão sobre o trabalho desenvolvido, fornece indicadores sobre o processo de ensino-aprendizagem. Devem os professores, em Conselho de Turma e de Departamento, repensar a prática utilizada, reformular estratégias e aferir instrumentos de observação e avaliação, em função dos resultados obtidos quer através da avaliação interna quer da avaliação externa. 
Página 7 de 7
III 
Disposições Finais 
Os casos omissos serão objeto de resolução por parte da Direção, ouvido, sempre que possível, o Conselho Pedagógico e tendo em conta a legislação em vigor. 
Os presentes Critérios Gerais de Avaliação foram revistos e aprovados em reunião do Conselho Pedagógico de 12 de junho de 2014 
O Presidente do Conselho Pedagógico 
_______________________ 
(Eduardo Manuel dos Santos) 
Página 8 de 7

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Marquês de pombal power-point
Marquês de pombal  power-pointMarquês de pombal  power-point
Marquês de pombal power-point
PAFB
 
O Dominio Filipino
O Dominio FilipinoO Dominio Filipino
O Dominio Filipino
guest6298af
 
A identidade civilizacional da Europa Ocidental
A identidade civilizacional da Europa OcidentalA identidade civilizacional da Europa Ocidental
A identidade civilizacional da Europa Ocidental
Susana Simões
 
Sociedade do Antigo Regime
Sociedade do Antigo RegimeSociedade do Antigo Regime
Sociedade do Antigo Regime
Susana Simões
 
Ficha de estudo para o teste de geografia 8º ano
Ficha de estudo para o teste de geografia 8º anoFicha de estudo para o teste de geografia 8º ano
Ficha de estudo para o teste de geografia 8º ano
anacristinaccc
 
Oracoes subordinadas-ficha-correccao
Oracoes subordinadas-ficha-correccaoOracoes subordinadas-ficha-correccao
Oracoes subordinadas-ficha-correccao
José Monteiro
 
A identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidentalA identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidental
Vítor Santos
 
Os romanos e a romanização
Os romanos e a romanizaçãoOs romanos e a romanização
Os romanos e a romanização
Isabel Mendinhos
 
Os primeiros povos a habitar a península ibérica
Os primeiros povos a habitar a península ibéricaOs primeiros povos a habitar a península ibérica
Os primeiros povos a habitar a península ibérica
paulasalvador
 

Mais procurados (20)

Concelhos e cortes - séculos XIII e XIV
Concelhos e cortes - séculos XIII e XIVConcelhos e cortes - séculos XIII e XIV
Concelhos e cortes - séculos XIII e XIV
 
A cultura monástica,cortesã e a cultura popular.
A cultura monástica,cortesã e a cultura popular.A cultura monástica,cortesã e a cultura popular.
A cultura monástica,cortesã e a cultura popular.
 
Domínio senhorial
Domínio senhorialDomínio senhorial
Domínio senhorial
 
A sociedade no Antigo Regime
A sociedade no Antigo RegimeA sociedade no Antigo Regime
A sociedade no Antigo Regime
 
Marquês de pombal power-point
Marquês de pombal  power-pointMarquês de pombal  power-point
Marquês de pombal power-point
 
O Dominio Filipino
O Dominio FilipinoO Dominio Filipino
O Dominio Filipino
 
Arte romanica gotica
Arte romanica goticaArte romanica gotica
Arte romanica gotica
 
A identidade civilizacional da Europa Ocidental
A identidade civilizacional da Europa OcidentalA identidade civilizacional da Europa Ocidental
A identidade civilizacional da Europa Ocidental
 
Sociedade do Antigo Regime
Sociedade do Antigo RegimeSociedade do Antigo Regime
Sociedade do Antigo Regime
 
Ficha de estudo para o teste de geografia 8º ano
Ficha de estudo para o teste de geografia 8º anoFicha de estudo para o teste de geografia 8º ano
Ficha de estudo para o teste de geografia 8º ano
 
material auxiliar de francês 8º ano (básico)
material auxiliar de francês 8º ano (básico)material auxiliar de francês 8º ano (básico)
material auxiliar de francês 8º ano (básico)
 
Teste historia renascimento
Teste historia renascimentoTeste historia renascimento
Teste historia renascimento
 
Oracoes subordinadas-ficha-correccao
Oracoes subordinadas-ficha-correccaoOracoes subordinadas-ficha-correccao
Oracoes subordinadas-ficha-correccao
 
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - O renascimento das cidades...
 A identidade civilizacional da Europa Ocidental - O renascimento das cidades... A identidade civilizacional da Europa Ocidental - O renascimento das cidades...
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - O renascimento das cidades...
 
A identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidentalA identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidental
 
Os romanos e a romanização
Os romanos e a romanizaçãoOs romanos e a romanização
Os romanos e a romanização
 
7 a nee teste de avaliação novembro
7 a nee teste de avaliação novembro7 a nee teste de avaliação novembro
7 a nee teste de avaliação novembro
 
Swoosh 9 evaluation tests
Swoosh 9   evaluation testsSwoosh 9   evaluation tests
Swoosh 9 evaluation tests
 
9. O Modelo Romano: A Romanização na Península Ibérica
9. O Modelo Romano: A Romanização na Península Ibérica9. O Modelo Romano: A Romanização na Península Ibérica
9. O Modelo Romano: A Romanização na Península Ibérica
 
Os primeiros povos a habitar a península ibérica
Os primeiros povos a habitar a península ibéricaOs primeiros povos a habitar a península ibérica
Os primeiros povos a habitar a península ibérica
 

Semelhante a Critérios gerais de avaliação 2014 2015 visto ped1

Guia de elaboracao_matematica_90527
Guia de elaboracao_matematica_90527Guia de elaboracao_matematica_90527
Guia de elaboracao_matematica_90527
elannialins
 
Sistemaavaliacaoensinosecundario
SistemaavaliacaoensinosecundarioSistemaavaliacaoensinosecundario
Sistemaavaliacaoensinosecundario
Ministerio_Educacao
 
Guia de elaboracao_%20_portugues_90527
Guia de elaboracao_%20_portugues_90527Guia de elaboracao_%20_portugues_90527
Guia de elaboracao_%20_portugues_90527
elannialins
 
Despacho normativo i serie-070-2013-06-06
Despacho normativo i serie-070-2013-06-06Despacho normativo i serie-070-2013-06-06
Despacho normativo i serie-070-2013-06-06
pinkytortue
 
Apostila iniciantes enfermagem
Apostila iniciantes enfermagemApostila iniciantes enfermagem
Apostila iniciantes enfermagem
suelenbechara
 
Critérios avaliação 2011.2012 d.c.1.º ceb (4)
Critérios avaliação 2011.2012 d.c.1.º ceb (4)Critérios avaliação 2011.2012 d.c.1.º ceb (4)
Critérios avaliação 2011.2012 d.c.1.º ceb (4)
Zy Pires
 
Citeriosaval preescolar 2013_2014
Citeriosaval preescolar 2013_2014Citeriosaval preescolar 2013_2014
Citeriosaval preescolar 2013_2014
Bela Catarina
 

Semelhante a Critérios gerais de avaliação 2014 2015 visto ped1 (20)

2014 imp-crit.aval-horta
2014 imp-crit.aval-horta2014 imp-crit.aval-horta
2014 imp-crit.aval-horta
 
Critérios de avaliação 1º ciclo
Critérios de avaliação 1º cicloCritérios de avaliação 1º ciclo
Critérios de avaliação 1º ciclo
 
Decreto - Lei
Decreto - LeiDecreto - Lei
Decreto - Lei
 
Guia de elaboracao_matematica_90527
Guia de elaboracao_matematica_90527Guia de elaboracao_matematica_90527
Guia de elaboracao_matematica_90527
 
Projeto_MAIA_Abacao_julho2021.pdf
Projeto_MAIA_Abacao_julho2021.pdfProjeto_MAIA_Abacao_julho2021.pdf
Projeto_MAIA_Abacao_julho2021.pdf
 
Sistemaavaliacaoensinosecundario
SistemaavaliacaoensinosecundarioSistemaavaliacaoensinosecundario
Sistemaavaliacaoensinosecundario
 
Manual com os objetivos do curso de enfermagem - pppppd
Manual com os objetivos do curso de enfermagem - pppppdManual com os objetivos do curso de enfermagem - pppppd
Manual com os objetivos do curso de enfermagem - pppppd
 
Guia de elaboracao_%20_portugues_90527
Guia de elaboracao_%20_portugues_90527Guia de elaboracao_%20_portugues_90527
Guia de elaboracao_%20_portugues_90527
 
AVALIAÇÃO (2).pptx
AVALIAÇÃO (2).pptxAVALIAÇÃO (2).pptx
AVALIAÇÃO (2).pptx
 
Despacho normativo i serie-070-2013-06-06
Despacho normativo i serie-070-2013-06-06Despacho normativo i serie-070-2013-06-06
Despacho normativo i serie-070-2013-06-06
 
Tipos de avaliações
Tipos de avaliaçõesTipos de avaliações
Tipos de avaliações
 
Submodulo 8.1
Submodulo 8.1Submodulo 8.1
Submodulo 8.1
 
Apostila iniciantes enfermagem
Apostila iniciantes enfermagemApostila iniciantes enfermagem
Apostila iniciantes enfermagem
 
Apresentação_detalhada_e_aberta__Acomp._Aprendizagens.pptx
Apresentação_detalhada_e_aberta__Acomp._Aprendizagens.pptxApresentação_detalhada_e_aberta__Acomp._Aprendizagens.pptx
Apresentação_detalhada_e_aberta__Acomp._Aprendizagens.pptx
 
AvaliaçãO De Desempenho
AvaliaçãO De DesempenhoAvaliaçãO De Desempenho
AvaliaçãO De Desempenho
 
Avaliação em cursos remotos.pdf
Avaliação em cursos remotos.pdfAvaliação em cursos remotos.pdf
Avaliação em cursos remotos.pdf
 
Técnicas e Instrumentos de Avaliação Formativa – Construir e Aplicar
Técnicas e Instrumentos de Avaliação Formativa – Construir e AplicarTécnicas e Instrumentos de Avaliação Formativa – Construir e Aplicar
Técnicas e Instrumentos de Avaliação Formativa – Construir e Aplicar
 
Técnicas e Instrumentos de Avaliação Formativa – Construir e Aplicar.pdf
Técnicas e Instrumentos de Avaliação Formativa – Construir e Aplicar.pdfTécnicas e Instrumentos de Avaliação Formativa – Construir e Aplicar.pdf
Técnicas e Instrumentos de Avaliação Formativa – Construir e Aplicar.pdf
 
Critérios avaliação 2011.2012 d.c.1.º ceb (4)
Critérios avaliação 2011.2012 d.c.1.º ceb (4)Critérios avaliação 2011.2012 d.c.1.º ceb (4)
Critérios avaliação 2011.2012 d.c.1.º ceb (4)
 
Citeriosaval preescolar 2013_2014
Citeriosaval preescolar 2013_2014Citeriosaval preescolar 2013_2014
Citeriosaval preescolar 2013_2014
 

Mais de Cesé Bragança

Microsoft Word - EMENTA MUNICIPIO DE BRAGANÇA 19.02.2024 a 19.04.2024 (1).pdf
Microsoft Word - EMENTA MUNICIPIO DE BRAGANÇA 19.02.2024 a 19.04.2024 (1).pdfMicrosoft Word - EMENTA MUNICIPIO DE BRAGANÇA 19.02.2024 a 19.04.2024 (1).pdf
Microsoft Word - EMENTA MUNICIPIO DE BRAGANÇA 19.02.2024 a 19.04.2024 (1).pdf
Cesé Bragança
 
Ementas municipio de bragança 15.11.2021 a 14.01.2022
Ementas municipio de bragança 15.11.2021 a 14.01.2022Ementas municipio de bragança 15.11.2021 a 14.01.2022
Ementas municipio de bragança 15.11.2021 a 14.01.2022
Cesé Bragança
 

Mais de Cesé Bragança (20)

Microsoft Word - EMENTA MUNICIPIO DE BRAGANÇA 19.02.2024 a 19.04.2024 (1).pdf
Microsoft Word - EMENTA MUNICIPIO DE BRAGANÇA 19.02.2024 a 19.04.2024 (1).pdfMicrosoft Word - EMENTA MUNICIPIO DE BRAGANÇA 19.02.2024 a 19.04.2024 (1).pdf
Microsoft Word - EMENTA MUNICIPIO DE BRAGANÇA 19.02.2024 a 19.04.2024 (1).pdf
 
EMENTA MUNICIPIO DE BRAGANÇA 03.01.2024 a 16.02.2024.pdf
EMENTA MUNICIPIO DE BRAGANÇA 03.01.2024 a 16.02.2024.pdfEMENTA MUNICIPIO DE BRAGANÇA 03.01.2024 a 16.02.2024.pdf
EMENTA MUNICIPIO DE BRAGANÇA 03.01.2024 a 16.02.2024.pdf
 
ementa escolar OUT-DEZ2023.pdf
ementa escolar OUT-DEZ2023.pdfementa escolar OUT-DEZ2023.pdf
ementa escolar OUT-DEZ2023.pdf
 
EMENTAS MUNICIPIO DE BRAGANÇA 12.09.2023 a 13.10.2023.pdf
EMENTAS MUNICIPIO DE BRAGANÇA 12.09.2023 a 13.10.2023.pdfEMENTAS MUNICIPIO DE BRAGANÇA 12.09.2023 a 13.10.2023.pdf
EMENTAS MUNICIPIO DE BRAGANÇA 12.09.2023 a 13.10.2023.pdf
 
EMENTAS MUNICIPIO DE BRAGANÇA 01.05.2023 a 16.06.2023.pdf
EMENTAS MUNICIPIO DE BRAGANÇA 01.05.2023 a 16.06.2023.pdfEMENTAS MUNICIPIO DE BRAGANÇA 01.05.2023 a 16.06.2023.pdf
EMENTAS MUNICIPIO DE BRAGANÇA 01.05.2023 a 16.06.2023.pdf
 
EMENTAS 2702-2804.pdf
EMENTAS 2702-2804.pdfEMENTAS 2702-2804.pdf
EMENTAS 2702-2804.pdf
 
ementa municipio23.pdf
ementa municipio23.pdfementa municipio23.pdf
ementa municipio23.pdf
 
EMENTAS9 JAN 24 FEV.docx
EMENTAS9 JAN 24 FEV.docxEMENTAS9 JAN 24 FEV.docx
EMENTAS9 JAN 24 FEV.docx
 
ementa municipio novembro22.pdf
ementa municipio novembro22.pdfementa municipio novembro22.pdf
ementa municipio novembro22.pdf
 
EMENTAS MUNICIPIO DE BRAGANÇA 19.09.2022 a 04.11.2022.pdf
EMENTAS MUNICIPIO DE BRAGANÇA 19.09.2022 a 04.11.2022.pdfEMENTAS MUNICIPIO DE BRAGANÇA 19.09.2022 a 04.11.2022.pdf
EMENTAS MUNICIPIO DE BRAGANÇA 19.09.2022 a 04.11.2022.pdf
 
EMENTAS MAIO-JUNHO.pdf
EMENTAS MAIO-JUNHO.pdfEMENTAS MAIO-JUNHO.pdf
EMENTAS MAIO-JUNHO.pdf
 
Ementas 0703 2904
Ementas 0703 2904Ementas 0703 2904
Ementas 0703 2904
 
Ementas municipio de bragança 17.01.2022 a 04.03.2022
Ementas municipio de bragança 17.01.2022 a 04.03.2022Ementas municipio de bragança 17.01.2022 a 04.03.2022
Ementas municipio de bragança 17.01.2022 a 04.03.2022
 
Ementas municipio de bragança 15.11.2021 a 14.01.2022
Ementas municipio de bragança 15.11.2021 a 14.01.2022Ementas municipio de bragança 15.11.2021 a 14.01.2022
Ementas municipio de bragança 15.11.2021 a 14.01.2022
 
Ementas municipio de bragança 04.10.2021 a 12.11.2021 (3)
Ementas municipio de bragança 04.10.2021 a 12.11.2021 (3)Ementas municipio de bragança 04.10.2021 a 12.11.2021 (3)
Ementas municipio de bragança 04.10.2021 a 12.11.2021 (3)
 
Ementas municipio de bragança 17.09.2021 a 01.10.2021 (1)
Ementas municipio de bragança 17.09.2021 a 01.10.2021 (1)Ementas municipio de bragança 17.09.2021 a 01.10.2021 (1)
Ementas municipio de bragança 17.09.2021 a 01.10.2021 (1)
 
Ementas 14-06 a 8-07
Ementas 14-06 a 8-07Ementas 14-06 a 8-07
Ementas 14-06 a 8-07
 
Ementas 14 06 a 8-07
Ementas 14 06 a 8-07Ementas 14 06 a 8-07
Ementas 14 06 a 8-07
 
Ementas 14 06 a8-07
Ementas 14 06 a8-07Ementas 14 06 a8-07
Ementas 14 06 a8-07
 
Ementas0305a1106
Ementas0305a1106Ementas0305a1106
Ementas0305a1106
 

Último

PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
carlaOliveira438
 
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
edjailmax
 

Último (20)

Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco LeiteOs Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
 
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anosFotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
 
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdfRespostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
 
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
Atividade com a música Xote  da  Alegria    -   FalamansaAtividade com a música Xote  da  Alegria    -   Falamansa
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
 
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimentoApresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/AcumuladorRecurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
 
Labor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdf
Labor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdfLabor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdf
Labor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdf
 
O carteiro chegou - Janet & Allan Ahlberg
O carteiro chegou - Janet & Allan AhlbergO carteiro chegou - Janet & Allan Ahlberg
O carteiro chegou - Janet & Allan Ahlberg
 
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 
Poema - Reciclar é preciso
Poema            -        Reciclar é precisoPoema            -        Reciclar é preciso
Poema - Reciclar é preciso
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_AssisMemórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
 

Critérios gerais de avaliação 2014 2015 visto ped1

  • 1. DIREÇÃO-GERAL DOS ESTABELECIMENTOS ESCOLARES DIREÇÃO DE SERVIÇOS DA REGIÃO NORTE AGRUPAMENTO DE ESCOLAS EMÍDIO GARCIA CÓDIGO 151816 PROCEDIMENTOS E CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO ANO LETIVO 2014/2015 I Introdução A avaliação tem como objetivo certificar os saberes, estimular o sucesso e promover a qualidade do sistema educativo. É parte integrante do processo de aprendizagem e constitui uma fonte de informação fundamental, para o professor, o aluno e o encarregado de educação. A certificação dos conhecimentos e das capacidades dos alunos determina o recurso a uma pluralidade de instrumentos de avaliação. A avaliação do aluno é um processo que espelha não só o seu interesse e os resultados que atingiu, mas também a avaliação global de todo o processo ensino-aprendizagem e de todos os atores nele envolvidos. Tendo o processo de avaliação uma componente subjetiva, é reconhecida a necessidade de uniformizar determinados procedimentos e terminologias. II 1- Modalidades de Avaliação. Da avaliação fazem parte as seguintes modalidades: avaliação diagnóstica, avaliação formativa, avaliação sumativa, autoavaliação e heteroavaliação. - A avaliação diagnóstica deve ser feita no início do ano letivo e, se o professor achar oportuno, no início de uma unidade didática. Esta destina-se a verificar se o aluno tem os pré-requisitos necessários para apreender os conteúdos seguintes do programa, podendo os seus resultados determinar a reformulação da planificação prevista. Permite, portanto, estabelecer estratégias de diferenciação pedagógica. Página 1 de 7
  • 2. - A avaliação formativa deve ocorrer em pelo menos dois momentos por período e tem o propósito de fazer pontos da situação relativamente ao progresso dos alunos, face aos vários tipos de metas/objetivos do currículo, permitindo ao professor introduzir as necessárias alterações/correções na sua estratégia de ensino. Permite também ao aluno autorregular as suas aprendizagens, consciencializando-o de que a aprendizagem é um produto a construir e que ele próprio tem um papel fundamental nessa construção. - A avaliação sumativa consiste na formulação de um juízo globalizante sobre o desenvolvimento das aprendizagens do aluno e das metas definidas para cada disciplina e área curricular e tem como objetivo a classificação e certificação. Realiza-se sempre que seja preciso fazer o balanço das aprendizagens desenvolvidas. Materializa-se nos vários domínios da avaliação e ocorre nos finais de período e nos finais de ciclo. Corresponde a balanços que se vão fazendo ao longo do processo ensino-aprendizagem tendo em conta as metas/objetivos que, uma vez atingidos, permitem passar a etapas seguintes. Terá em conta todos os instrumentos de avaliação utilizados, de acordo com a importância atribuída a cada um e é definida em grupo disciplinar. - A autoavaliação constitui um modo de participação e implicação dos alunos na sua própria formação e contribui para o desenvolvimento de atitudes de responsabilidade, cooperação e tolerância. Fomenta a auto- estima e a afirmação progressiva da autonomia. Cada Área Disciplinar deve uniformizar o processo de auto- avaliação dos alunos. - A heteroavaliação é um processo de complemento da autoavaliação e deve ser realizada no final de cada período. No início do ano letivo, é fundamental que cada professor dê a conhecer aos alunos, com clareza, todos os critérios de avaliação no âmbito da respetiva disciplina e o modo como os vai operacionalizar. 2- Avaliação das Áreas Curriculares Disciplinares. As metas/objetivos gerais do ensino constituem as referências orientadoras da prática pedagógica e é a partir deles que se estabelece o conjunto de aprendizagens exigíveis no final de cada etapa do processo ensino-aprendizagem. Essas aprendizagens pertencem aos domínios dos conhecimentos, das capacidades, das atitudes e valores. Assim, a avaliação do processo ensino-aprendizagem deve: a) - Proporcionar informação aos diferentes intervenientes, de modo a contribuir para a regulação do mesmo e orientar o percurso escolar dos alunos; b) - Articular-se, necessariamente, com as metas/objetivos e as estratégias de cada grupo disciplinar, de acordo com as planificações a longo, médio e curto prazos; Página 2 de 7
  • 3. 2.1- Domínios da Avaliação: 2.1.1. Atitudes e Valores: - Assiduidade e pontualidade; - Sentido de responsabilidade; - Interesse e participação no trabalho; - Espírito crítico e curiosidade científica; - Respeito pela opinião dos outros; - Cumprimento das regras de segurança; - Cumprimento das regras de funcionamento da aula; -Colaboração/Cooperação com os outros. - Autonomia… 2.1.2. Capacidades e Conhecimentos - Aquisição de Conhecimentos na abordagem de situações relacionadas com os programas das várias disciplinas curriculares; - Capacidade de comunicação oral e escrita; - Capacidade de analisar criticamente situações e temas propostos; - Capacidade de síntese; - Capacidade de relacionar aspetos teóricos com a prática; - Domínio da Língua Materna; - Seleção e organização de informação; - Interpretação de dados e resultados; - Capacidade de planificar atividades; - Utilização e aplicação de material informático e de laboratório; - Capacidade psicomotora. 2.2- Ponderação na Atribuição Percentual aos Diferentes Domínios. O valor percentual a atribuir ao domínio dos valores e atitudes será entre 10% e 40%. O valor percentual a atribuir ao domínio das capacidades e conhecimentos será entre 60% e 90%. Deverá ser considerado o estipulado no ponto 5 do artigo 7.º da Portaria n.º 243/2012, de 10 de agosto. 2.3- Técnicas e Instrumentos de Avaliação. A avaliação far-se-á de uma forma contínua e basear-se-á na análise do desempenho quotidiano do aluno e, nos resultados obtidos nos testes de avaliação, fichas de trabalho, trabalhos escritos/orais (individuais e de grupo), trabalhos práticos, relatórios e/ou trabalhos Página 3 de 7
  • 4. de pesquisa e grelhas de observação. 3- Avaliação na Educação Pré-Escolar A avaliação na Educação Pré-Escolar é formativa, assenta na observação contínua dos progressos da criança e incide, preferencialmente, sobre os processos numa perspetiva de construção progressiva das aprendizagens e de regulação da ação constituindo, assim, o instrumento de apoio e de suporte da intervenção educativa, ao nível do planeamento e da tomada de decisões do educador. 3.1- Momentos de Avaliação: 3.1.1. Avaliação diagnóstica - no início do ano letivo, tendo em vista a caracterização do grupo e de cada criança; 3.1.2. No final de cada período letivo dever-se-á assegurar: 3.1.2.1. A avaliação do Plano Anual de Atividades – em articulação com os outros níveis de ensino, privilegiando o 1.º ciclo do ensino básico; 3.1.2.2. A avaliação do Projeto Curricular de Grupo; 3.1.2.3. A avaliação do Plano Educativo Individual (quando existem crianças com Necessidades Educativas Especiais); 3.1.2.4. A avaliação das aprendizagens das crianças; 3.1.2.5. A avaliação das atividades desenvolvidas na Componente de Apoio à Família; 3.1.2.6. A informação descritiva aos encarregados de educação sobre as aprendizagens e os progressos de cada criança. 3.1.3. No período de encerramento do ano letivo, além das alíneas anteriores dever- se-á assegurar também: 3.1.3.1. A articulação com o 1.º ciclo do ensino básico dos Processos Individuais das Crianças que transitam para este nível de ensino; 3.1.3.2. A elaboração do relatório circunstanciado definido no artigo n.º 13 do DL n.º 3/2008; 3.1.3.3. A preparação do ano letivo seguinte. 3.1.4. Procedimentos da avaliação: De acordo com as suas conceções e opções pedagógicas, cada educador utiliza Página 4 de 7
  • 5. técnicas e instrumentos de observação e registo diversificados, tais como: a) Observação direta; b) Entrevistas; c) Abordagens narrativas; d) Fotografias; e) Gravações áudio e vídeo; f) Registos de autoavaliação; g) Portefólios construídos com as crianças; 4. Avaliação no 1.º Ciclo A avaliação é expressa através de uma síntese descritiva e/ou quantitativa em todas as áreas curriculares, às quais corresponde uma ponderação de 70%. (Pelo Decreto – Lei nº 139/2012 de 05/07, o 4º ano de escolaridade, a informação resultante da avaliação sumativa interna materializa-se de forma descritiva em todas as áreas curriculares, com exceção das disciplinas de Português e Matemática, a qual se expressa numa escala de 1 a 5). 5. Avaliação sumativa interna 5.1. 1.º, 2.º e 3.º Ciclos do Ensino Básico Disciplinas curriculares: A avaliação é quantitativa numa escala de níveis de 1 a 5. Nível % Nível % Nível % Nível % Nível % 1º Ciclo (4ºano) 1 0-19 2 20-49 3 50-69 4 70-89 5 90-100 2º Ciclo 1 ou 2 0-49 3 50-69 4 70-89 5 90-100 3º Ciclo 1 0-19 2 20-49 3 50-69 4 70-89 5 90-100 Áreas curriculares não disciplinares - nos cursos em que existam - (Estudo Acompanhado, Formação Cívica, Informática e Área de Projeto) – a avaliação é qualitativa atribuindo as menções: Não Satisfaz, Satisfaz e Satisfaz Bem, sendo no 1.º ciclo do ensino básico: Não Satisfaz, Satisfaz Pouco, Satisfaz, Satisfaz Bem e Satisfaz Muito Bem. Página 5 de 7
  • 6. 5.2. Ensino Secundário A avaliação é quantitativa numa escala de 0 a 20 valores. 6 -Menções a Registar nos Elementos de Avaliação. As provas escritas e/ou trabalhos escritos/práticos, de avaliação, devem ser sempre classificados através de uma menção qualitativa, seguida da indicação quantitativa (que será percentual para o Ensino Básico), e de acordo com a tabela que se segue: 2.º Ciclo do Ensino Básico Não Satisfaz 1 ou 2 0 % - 49 % Satisfaz 3 50 % - 69 % Satisfaz Bastante 4 70 % - 89 % Excelente 5 90 % - 100 % 3.º Ciclo do Ensino Básico Ensino Secundário Reduzido 1 0 % - 19 % Mau 0 – 4 2 20 % - 49 % Medíocre 5 – 9 Médio 3 50 % - 69 % Suficiente 10 – 13 Médio Mais 4 70 % - 89 % Bom 14 – 17 Elevado 5 90 % - 100 % Muito Bom 18 - 20 7- Provas de Avaliação - Devem ser realizadas, no mínimo, duas provas escritas e/ou práticas de avaliação em cada período letivo, salvo em situações excecionais, devidamente justificadas em Departamento e de acordo com a especificidade própria de cada disciplina; - No início de cada período letivo os alunos devem ser informados, pelo professor de cada disciplina, sobre as datas de realização das provas escritas e/ou práticas de avaliação, Página 6 de 7
  • 7. devendo as mesmas ser registadas, pelo professor; - A calendarização das provas escritas de avaliação, no primeiro, segundo e terceiro ciclos, deverá ser facultada, em cada período, aos encarregados de educação; -Só a título excecional poderão realizar-se mais do que uma prova escrita e/ou prática no mesmo dia; - Na última semana de aulas de cada período letivo não poderão ser realizadas provas escritas e/ou práticas de avaliação, salvo por motivo de força maior; - É obrigatória a entrega das provas escritas e/ou práticas de avaliação devidamente classificadas, no horário normal da turma e antes da realização da prova seguinte; - As provas de avaliação não podem ser entregues aos alunos num período diferente daquele em que foram realizadas, salvo por motivo de força maior; - Os professores deverão proceder à apresentação, perante os alunos, da correção das provas escritas de avaliação, de forma oral ou por escrito. Sempre que possível, o professor deverá orientar os alunos, com vista à realização de atividades de remediação; - Na classificação das provas escritas todos os professores deverão ter em consideração o domínio da Língua Portuguesa por parte de todos os alunos; - Nos enunciados das provas de avaliação escritas e/ou práticas deverão constar as cotações das respetivas questões; 7.1- Não é compatível com os presentes critérios de avaliação a existência de tetos em qualquer dos momentos de avaliação sumativa; 7.2- A avaliação, ao permitir uma reflexão sobre o trabalho desenvolvido, fornece indicadores sobre o processo de ensino-aprendizagem. Devem os professores, em Conselho de Turma e de Departamento, repensar a prática utilizada, reformular estratégias e aferir instrumentos de observação e avaliação, em função dos resultados obtidos quer através da avaliação interna quer da avaliação externa. Página 7 de 7
  • 8. III Disposições Finais Os casos omissos serão objeto de resolução por parte da Direção, ouvido, sempre que possível, o Conselho Pedagógico e tendo em conta a legislação em vigor. Os presentes Critérios Gerais de Avaliação foram revistos e aprovados em reunião do Conselho Pedagógico de 12 de junho de 2014 O Presidente do Conselho Pedagógico _______________________ (Eduardo Manuel dos Santos) Página 8 de 7