SlideShare uma empresa Scribd logo

Enterocolites Infecciosa

O documento discute enterocolites, inflamações do intestino delgado e cólon, causadas principalmente por vírus, parasitas e bactérias. As enterocolites agudas mais comuns incluem aquelas causadas por rotavírus, giardia e bactérias como E. coli e campylobacter, resultando em sintomas como diarreia, cólicas e febre. O diagnóstico e tratamento envolvem reidratação, dieta e em alguns casos antibióticos.

1 de 30
Baixar para ler offline
ENTEROCOLITES
ENTEROCOLITES
 Inflamação do intestino delgado e do cólon
 Sintomas: cólicas, diarréia, vômitos, mal-
estar e febre
 As mais comuns e de maior interesse
prático são as que determinam diarréia
aguda
ENTEROCOLITES AGUDAS
 Vírus (Rotavírus, Calicivírus, Adenovírus
entéricos e Astrovírus)
 Parasitas: (G.lamblia)
 Bactérias: Infecções do intestino delgado ou do
cólon devidas a bactérias entero-invasivas,
bactérias toxinogénicas não invasivas e a
exotoxinas bacterianas produzidas nos
alimentos
 Associação de agentes: 20 a 30%
OUTRAS ENTEROCOLITES
 Enterocolite necrosante: necrose causada por
isquemia intestinal que favorece a proliferação
bacteriana
 Enterocolite do recém-nascido
 Escherichia coli ECEP
 Klebsiella pneumoniae
 Pseudomonas aeruginosa
 Clostridium butyricum
 Enterocolite do adulto
 Clostridium perfringens
OUTRAS ENTEROCOLITES
 Enterocolite pseudo-membranosa
 Infecções desencadeadas por uma antibioterapia
prolongada – Clostridium difficile
 Enterocolites crônicas
 Infecções pouco dolorosas com evolução lenta,
com crises febris levando a uma má absorção e
perda de peso, devidas principalmente ao
Criptosporidium parvus, Mycobacterium
tuberculosis, infecções fúngicas
FISIOPATOLOGIA
 Flora comensal
 Bactérias anaeróbias estritas, aero-anaeróbias
facultativas e leveduras que se encontram em
quantidade abundante e de um modo constante
 Estão em equilíbrio ecológico, protegem o hospedeiro
impedindo, por inibição competitiva, que uma bactéria
potencialmente patogénica se fixe aos receptores
específicos da mucosa
 Mecanismos de ordem imunológica
 A mucosa intestinal, rica em plasmócitos que secretam
IgA, IgG e IgM, constitui também um obstáculo à
implantação de bactérias potencialmente patogénicas

Recomendados

Sindrome do abdome agudo
Sindrome do abdome agudoSindrome do abdome agudo
Sindrome do abdome agudopauloalambert
 
Pneumonias Conceito Classificações Fisiopatologia Manifestações Clínicas Diag...
Pneumonias Conceito Classificações Fisiopatologia Manifestações Clínicas Diag...Pneumonias Conceito Classificações Fisiopatologia Manifestações Clínicas Diag...
Pneumonias Conceito Classificações Fisiopatologia Manifestações Clínicas Diag...Alexandre Naime Barbosa
 
Leucemia Mielóide Crônica
Leucemia Mielóide CrônicaLeucemia Mielóide Crônica
Leucemia Mielóide CrônicaJoão Marcos
 
Síndromes de vias biliares
Síndromes de vias biliaresSíndromes de vias biliares
Síndromes de vias biliarespauloalambert
 
Sindromes diarreicas 2019
Sindromes diarreicas 2019 Sindromes diarreicas 2019
Sindromes diarreicas 2019 pauloalambert
 
Síndromes Abdominais
Síndromes AbdominaisSíndromes Abdominais
Síndromes Abdominaisdapab
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Endocardite infecciosa
Endocardite infecciosaEndocardite infecciosa
Endocardite infecciosalukeni2015
 
Propedeutica das hemorragias digestivas
Propedeutica das hemorragias digestivasPropedeutica das hemorragias digestivas
Propedeutica das hemorragias digestivasPaulo Alambert
 
Caso clinico Anemia ferropriva
Caso clinico Anemia ferroprivaCaso clinico Anemia ferropriva
Caso clinico Anemia ferroprivaMAIQUELE SANTANA
 
Slide 2 Aula 2 LeucóCitos
Slide 2   Aula 2 LeucóCitosSlide 2   Aula 2 LeucóCitos
Slide 2 Aula 2 LeucóCitossamir12
 
Pneumonias na infância: Pneumonias Adquiridas na Comunidade
Pneumonias na infância: Pneumonias Adquiridas na ComunidadePneumonias na infância: Pneumonias Adquiridas na Comunidade
Pneumonias na infância: Pneumonias Adquiridas na Comunidadeblogped1
 
Sintomas e exame físico do aparelho urinário
Sintomas e exame físico do aparelho urinário Sintomas e exame físico do aparelho urinário
Sintomas e exame físico do aparelho urinário Paulo Alambert
 
Distúrbios hidroeletrolíticos
Distúrbios hidroeletrolíticosDistúrbios hidroeletrolíticos
Distúrbios hidroeletrolíticosresenfe2013
 
Endocardite infecciosa
Endocardite infecciosaEndocardite infecciosa
Endocardite infecciosadapab
 
Microbiologia: meios de cultura e provas de identificação
Microbiologia: meios de cultura e provas de identificaçãoMicrobiologia: meios de cultura e provas de identificação
Microbiologia: meios de cultura e provas de identificaçãoJoão Marcos
 

Mais procurados (20)

Nauseas e vomitos
Nauseas e vomitosNauseas e vomitos
Nauseas e vomitos
 
Endocardite infecciosa
Endocardite infecciosaEndocardite infecciosa
Endocardite infecciosa
 
Propedeutica das hemorragias digestivas
Propedeutica das hemorragias digestivasPropedeutica das hemorragias digestivas
Propedeutica das hemorragias digestivas
 
Diarréia aguda
Diarréia agudaDiarréia aguda
Diarréia aguda
 
Anemia 20
Anemia 20Anemia 20
Anemia 20
 
Manual de coleta de material biologico
Manual de coleta de material biologicoManual de coleta de material biologico
Manual de coleta de material biologico
 
2 Anemias - Visão Geral
2  Anemias - Visão Geral2  Anemias - Visão Geral
2 Anemias - Visão Geral
 
Imunologia - Casos Clínicos
Imunologia - Casos ClínicosImunologia - Casos Clínicos
Imunologia - Casos Clínicos
 
Aula 05 bacterias
Aula   05  bacteriasAula   05  bacterias
Aula 05 bacterias
 
Caso clinico Anemia ferropriva
Caso clinico Anemia ferroprivaCaso clinico Anemia ferropriva
Caso clinico Anemia ferropriva
 
Slide 2 Aula 2 LeucóCitos
Slide 2   Aula 2 LeucóCitosSlide 2   Aula 2 LeucóCitos
Slide 2 Aula 2 LeucóCitos
 
Retocolite Ulcerativa
Retocolite UlcerativaRetocolite Ulcerativa
Retocolite Ulcerativa
 
Pneumonias na infância: Pneumonias Adquiridas na Comunidade
Pneumonias na infância: Pneumonias Adquiridas na ComunidadePneumonias na infância: Pneumonias Adquiridas na Comunidade
Pneumonias na infância: Pneumonias Adquiridas na Comunidade
 
Apresentação anemia
Apresentação anemiaApresentação anemia
Apresentação anemia
 
Sintomas e exame físico do aparelho urinário
Sintomas e exame físico do aparelho urinário Sintomas e exame físico do aparelho urinário
Sintomas e exame físico do aparelho urinário
 
Semiologia da Febre
Semiologia da FebreSemiologia da Febre
Semiologia da Febre
 
Distúrbios hidroeletrolíticos
Distúrbios hidroeletrolíticosDistúrbios hidroeletrolíticos
Distúrbios hidroeletrolíticos
 
Endocardite infecciosa
Endocardite infecciosaEndocardite infecciosa
Endocardite infecciosa
 
Microbiologia: meios de cultura e provas de identificação
Microbiologia: meios de cultura e provas de identificaçãoMicrobiologia: meios de cultura e provas de identificação
Microbiologia: meios de cultura e provas de identificação
 
Parasitoses Intestinais
Parasitoses IntestinaisParasitoses Intestinais
Parasitoses Intestinais
 

Semelhante a Enterocolites Infecciosa

Aula+intestino+delgado
Aula+intestino+delgadoAula+intestino+delgado
Aula+intestino+delgadoRaquel Stein
 
Infecciones gastrointestinales.es.pt.pdf
Infecciones gastrointestinales.es.pt.pdfInfecciones gastrointestinales.es.pt.pdf
Infecciones gastrointestinales.es.pt.pdfjoaopaulobrito3
 
Infecciones gastrointestinales.es.pt.pdf
Infecciones gastrointestinales.es.pt.pdfInfecciones gastrointestinales.es.pt.pdf
Infecciones gastrointestinales.es.pt.pdfjoaopaulobrito4
 
Diarreia Aguda na Infância
Diarreia Aguda na InfânciaDiarreia Aguda na Infância
Diarreia Aguda na Infânciablogped1
 
Diarreia aguda na infância
Diarreia aguda na infânciaDiarreia aguda na infância
Diarreia aguda na infânciaNíris Stéfany
 
Infeccoes trato-gastrintestinal
Infeccoes trato-gastrintestinalInfeccoes trato-gastrintestinal
Infeccoes trato-gastrintestinalValeria Zampronha
 
Fisiologia dos distúrbios gastrointestinais
Fisiologia dos distúrbios gastrointestinaisFisiologia dos distúrbios gastrointestinais
Fisiologia dos distúrbios gastrointestinaisLucas Fontes
 
Aula de digestivo parte 2
Aula de digestivo parte 2Aula de digestivo parte 2
Aula de digestivo parte 2Raimundo Tostes
 
Resumo parasitoses e diarreia aguda
Resumo parasitoses e diarreia agudaResumo parasitoses e diarreia aguda
Resumo parasitoses e diarreia agudaLívia Zadra
 
0010_ITU NA INFANCIA.pdf fornecido pelo professor
0010_ITU NA INFANCIA.pdf fornecido pelo professor0010_ITU NA INFANCIA.pdf fornecido pelo professor
0010_ITU NA INFANCIA.pdf fornecido pelo professorLayanneStephanneFigu
 
Síndromes Diarréicas
Síndromes DiarréicasSíndromes Diarréicas
Síndromes DiarréicasPaulo Alambert
 
Infeccoes intestinais bacterianas
Infeccoes intestinais bacterianasInfeccoes intestinais bacterianas
Infeccoes intestinais bacterianasUFRJ
 
Dietoterapia -problemas[1]
Dietoterapia  -problemas[1]Dietoterapia  -problemas[1]
Dietoterapia -problemas[1]Abel Zito Buce
 
Doenças Intestinais
Doenças IntestinaisDoenças Intestinais
Doenças IntestinaisThamyNoronha
 
Doenças Intestinais
Doenças IntestinaisDoenças Intestinais
Doenças IntestinaisThamyNoronha
 

Semelhante a Enterocolites Infecciosa (20)

Diarreia
DiarreiaDiarreia
Diarreia
 
Aula+intestino+delgado
Aula+intestino+delgadoAula+intestino+delgado
Aula+intestino+delgado
 
Infecciones gastrointestinales.es.pt.pdf
Infecciones gastrointestinales.es.pt.pdfInfecciones gastrointestinales.es.pt.pdf
Infecciones gastrointestinales.es.pt.pdf
 
Infecciones gastrointestinales.es.pt.pdf
Infecciones gastrointestinales.es.pt.pdfInfecciones gastrointestinales.es.pt.pdf
Infecciones gastrointestinales.es.pt.pdf
 
Sessoclnica 130703084417-phpapp02
Sessoclnica 130703084417-phpapp02Sessoclnica 130703084417-phpapp02
Sessoclnica 130703084417-phpapp02
 
DIARREIA AGUDA.pdf
DIARREIA AGUDA.pdfDIARREIA AGUDA.pdf
DIARREIA AGUDA.pdf
 
DIARREIA AGUDA.pdf
DIARREIA AGUDA.pdfDIARREIA AGUDA.pdf
DIARREIA AGUDA.pdf
 
Diarreia Aguda na Infância
Diarreia Aguda na InfânciaDiarreia Aguda na Infância
Diarreia Aguda na Infância
 
Diarreia aguda na infância
Diarreia aguda na infânciaDiarreia aguda na infância
Diarreia aguda na infância
 
Infeccoes trato-gastrintestinal
Infeccoes trato-gastrintestinalInfeccoes trato-gastrintestinal
Infeccoes trato-gastrintestinal
 
Fisiologia dos distúrbios gastrointestinais
Fisiologia dos distúrbios gastrointestinaisFisiologia dos distúrbios gastrointestinais
Fisiologia dos distúrbios gastrointestinais
 
Aula de digestivo parte 2
Aula de digestivo parte 2Aula de digestivo parte 2
Aula de digestivo parte 2
 
Resumo parasitoses e diarreia aguda
Resumo parasitoses e diarreia agudaResumo parasitoses e diarreia aguda
Resumo parasitoses e diarreia aguda
 
0010_ITU NA INFANCIA.pdf fornecido pelo professor
0010_ITU NA INFANCIA.pdf fornecido pelo professor0010_ITU NA INFANCIA.pdf fornecido pelo professor
0010_ITU NA INFANCIA.pdf fornecido pelo professor
 
Síndromes Diarréicas
Síndromes DiarréicasSíndromes Diarréicas
Síndromes Diarréicas
 
Infeccoes intestinais bacterianas
Infeccoes intestinais bacterianasInfeccoes intestinais bacterianas
Infeccoes intestinais bacterianas
 
Dietoterapia -problemas[1]
Dietoterapia  -problemas[1]Dietoterapia  -problemas[1]
Dietoterapia -problemas[1]
 
Trabalho de Biologia
Trabalho de BiologiaTrabalho de Biologia
Trabalho de Biologia
 
Doenças Intestinais
Doenças IntestinaisDoenças Intestinais
Doenças Intestinais
 
Doenças Intestinais
Doenças IntestinaisDoenças Intestinais
Doenças Intestinais
 

Enterocolites Infecciosa

  • 2. ENTEROCOLITES  Inflamação do intestino delgado e do cólon  Sintomas: cólicas, diarréia, vômitos, mal- estar e febre  As mais comuns e de maior interesse prático são as que determinam diarréia aguda
  • 3. ENTEROCOLITES AGUDAS  Vírus (Rotavírus, Calicivírus, Adenovírus entéricos e Astrovírus)  Parasitas: (G.lamblia)  Bactérias: Infecções do intestino delgado ou do cólon devidas a bactérias entero-invasivas, bactérias toxinogénicas não invasivas e a exotoxinas bacterianas produzidas nos alimentos  Associação de agentes: 20 a 30%
  • 4. OUTRAS ENTEROCOLITES  Enterocolite necrosante: necrose causada por isquemia intestinal que favorece a proliferação bacteriana  Enterocolite do recém-nascido  Escherichia coli ECEP  Klebsiella pneumoniae  Pseudomonas aeruginosa  Clostridium butyricum  Enterocolite do adulto  Clostridium perfringens
  • 5. OUTRAS ENTEROCOLITES  Enterocolite pseudo-membranosa  Infecções desencadeadas por uma antibioterapia prolongada – Clostridium difficile  Enterocolites crônicas  Infecções pouco dolorosas com evolução lenta, com crises febris levando a uma má absorção e perda de peso, devidas principalmente ao Criptosporidium parvus, Mycobacterium tuberculosis, infecções fúngicas
  • 6. FISIOPATOLOGIA  Flora comensal  Bactérias anaeróbias estritas, aero-anaeróbias facultativas e leveduras que se encontram em quantidade abundante e de um modo constante  Estão em equilíbrio ecológico, protegem o hospedeiro impedindo, por inibição competitiva, que uma bactéria potencialmente patogénica se fixe aos receptores específicos da mucosa  Mecanismos de ordem imunológica  A mucosa intestinal, rica em plasmócitos que secretam IgA, IgG e IgM, constitui também um obstáculo à implantação de bactérias potencialmente patogénicas
  • 7. FISIOPATOLOGIA  Dose infectante de bactéria  Cada bactéria possui uma dose infectante  Aderência Bacteriana  Proteínas específicas para aderir à superfície celular da borda em escova da mucosa intestinal  Produção de Toxinas  Enterotoxinas, Citotoxinas, Neurotoxinas, Toxinas mistas (Shigella)  Invasão Bacteriana  Bactérias invadem a mucosa intestinal  Motilidade intestinal  Aumento da peristalse diminui flora comensal
  • 8. DIARRÉIA  Diarréia: eliminação de fezes amolecidas, de consitência líquida. Geralmente vem acompanhado de aumento do número de evacuações diárias e aumento da massa fecal diária  Diarréia Aguda: até 2 semanas  Diarréia Persistente: Inicia como diarréia aguda, tem duração superior a 2 semanas  Diarréia crônica: duração > 4 semanas, sem início bem definido  Diarréia alta: Mais volumoso, menor frequência  Diarréia baixa: Menos volumoso, maior frequência
  • 9. DIARRÉIA: MECANISMOS FISIOPATOLÓGICOS 1. Diarréia Osmótica:  Aumento das forças osmóticas exercidas por solutos intraluminais  Diferença osmótica entre as fezes e o plasma  Cessa com o jejum 2. Diarréia secretória não invasiva  Algum fator, geralmente toxina, droga ou substância neuro- hormonal está estimlando secreção ou inibindo a absorção pelo epitélio intestinal  Persiste no jejum 3. Diarréia invasiva (ou inflamatória)  Decorrente da liberação de citocinas e mediadores inflamatórias na mucosa intestinal  Inflamção tem efeito secretor e estimulante da motilidade  Infecciosa ou não infecciosa  Muco + sangue (Disenteria)
  • 10. MODALIDADES DA INFECÇÃO  Processo invasivo  Bactérias com características invasivas, capazes de destruir a mucosa, aderem às células epiteliais, penetram e multiplicam-se  Fezes múltiplas com sangue e pus  Shigella  Salmonella  Campylobacter jejuni  Yersinea enterocolitica  Escherichia coli ECEI
  • 11. MODALIDADES DA INFECÇÃO  Processo tóxico  Bactérias produtoras de exotoxinas ou enterotoxinas fixam-se à superfície da mucosa, mas não penetram no epitélio, e produzem uma exotoxina, responsável por uma vaso dilatação capilar e perturbações do metabolismo celular  Diarréia secretória não invasiva  Vibrio cholerae  Escherichia coli (ECET, ECEH, ECEP)  Clostridium perfringens  Clostridium difficile
  • 12. MODALIDADES DA INFECÇÃO  Intoxicações alimentares  A toxina é produzida no alimento, a bactéria não é, por si só, a principal interveniente na infecção, mas sim a toxina  Staphylococcus aureus enterotoxina termoestável  Clostridium perfringens  Clostridium botulinum  Bacillus cereus enterotoxina termoestável
  • 13. MODALIDADES DA INFECÇÃO  Dismicrobismo  Desequilíbrio da flora intestinal, após uma antibioterapia prolongada, pode levar a um estado infeccioso no qual a estirpe  Clostridium difficile é a principal responsável, levando a Entrocolite pseudo-menbranosa  Ocorre principalmente após o uso de Tetraciclinas e Clindamicina.
  • 14. DIAGNÓSTICO  História clínica  Exposição recente a alimentos suspeitos  Freqüência, volume, aspecto e duração do episódio diarréico  Exames  HMG  Bioquímica  Exame de fezes a fresco  Indispensável para a pesquisa de parasitas  Pesquisa de leucócitos e de hemácias/ Dosagem de lactoferrina fecal (produto dos neutrófilos  Coprocultura
  • 15. ABORDAGEM CLÍNICO-TERAPÊUTICA  Vale a pena investigar todos os casos de diarréia aguda, se a maioria é auto-limitada, durando de 24-72 horas?  Investigar se tiver pelo menos 1 dos seguintes itens: 1. Idade > 70 anos 2. Imunodeprimidos 3. Sinais de desidratação 4. Febre > 38,5ºC 5. Presença de muco ou sangue nas fezes 6. > 6 evacuações díárias
  • 17. ESCHERICHIA COLI  Normalmente não causa doença  Contato com novas cepas pode causar doença  Escherichia coli enterotoxinogénica (ECET)  Produzem dois tipos de enterotoxinas: termo- lábil (LT) ou termo-estável (ST)  “Diarréia do viajante”  Diarréia secretória
  • 18.  Escherichia coli enteroinvasiva (ECEI)  Invadem e destroem o enterócito, ocasionando uma diarreia aguda com sangue e pus  Diarréia invasiva (muco + sangue)
  • 19.  Escherichia coli enteropatogénica (ECEP)  Caracteriza-se por ter um mecanismo invasivo diferente do ECEI  Aderem ao enterócito promovendo a fusão das vilosidades o que leva à formação de filamentos de actina polimerizada, provocando a destruição do enterócito, causando diarréia com sangue  Associadas à diarreia do recém-nascido
  • 20.  Escherichia coli enterohemorrágica (ECEH)  Produz uma endotoxina vulgarmente conhecida como verotoxina que provoca a morte do enterócito dando origem a diarréias com sangue  Diarréia invasiva
  • 21. SALMONELOSE  Salmonella enteritidis  Sorotipo mais comum, pode causar doença auto- limitada a grave  Transmissão  Fecal-Oral, água contaminada, alimentos preparados a base de ovos, carnes  Principal causa de diarréia aguda bacteriana em países desenvolvidos  Pode causar diarréia invasiva ou secretória
  • 22. FEBRE TIFÓIDE  Salmonella Tiphy  Transmissão: via digestiva  Doença sistêmica que cursa com:  Febre alta  Fraqueza nas pernas  Mialgia difusa  Cefaléia intensa que não cedem com analgésicos  Dor abdominal  Constipação intestinal no início do quadro, após 3ª semana apresenta Diarréia Baixa e pode ocorrer perfuração intestinal (placas de Payer) e choque  Hepatoesplenomegalia  Rash cutâneo  Exames Laboratoriais  HMG: Leucopenia com neutropenia e aumento de bastões (desvio a E) – típico de Gram negativo  Transaminases Elevadas  Hemocultura – Fecha Diagnóstico  Reação de Widal com títulos > que 1/80 – Fecha Diagnóstico  Tratamento  Quinolona (1ª Escolha) – Norfloxa e Ciprofloxacin  Cefalosporina (2ª Escolha)  Fazer DD principalmente com Leptospirose
  • 23. SHIGELLOSE  Shigella flexnerii  Transmissão  Ingesta de alimentos e agua contaminadas  Quadro clínico  Febre no início da doença  Dor abdominal em cólicas  Diarréia aquosa com sangue  Diarréia Baixa (aumento da freq. de evac)  Exames  HMG infeccioso  Coprocultura com crescimento da bactéria  Em geral auto-limitada
  • 24. VIBRIO CHOLERAE  Processo tóxico  Enterotoxina (Enterotoxina cholera toxin)que aumenta o AMPc dentro das células, alterando a sua permeabilidade, levando a perda de eletrólitos e água (diarréia secretória)  Diarreia profusa aquosa de aspecto amarelado ou claro  Pode chegar a perdas > 1L água por hora, causando choque hipovolêmico  Tratamento com hidratação vigorosa
  • 25. CAMPYLOBACTER  Bactérias que colonizam a mucosa intestinal dos animais mamíferos e aves  No homem as espécies C. jejuni e C. coli são os principais responsáveis por enterocolites por um processo tóxico e/ou invasivo  Adquirida geralmente de frangos mal cozidos  Pode simular uma apendicite pois produz inflamação no intestino grosso e linfoadenopatia ileocecal  Diarréia Baixa  Fezes sanguinolentas  Dor abdominal  Pode precipitar Sd. de Guillain-Barré
  • 26. GIARDÍASE AGUDA  Giardia intestinalis ou giardia lamblia  Transmissão  Água contaminada  Interpessoal  Quadro clínico  Diarréia aquosa + esteatorréia (70% dos casos)  Fezes mal cheirosas  Distensão e dor abdominal  Flatulência  Perda ponderal  Febre  Náusea e vômitos  Diarréia costuma durar mais de 7 dias  Diagnóstico  Identificação dos cistos ou trofozoítos nas fezes  Tratamento  Metronidazol  Tinidazol
  • 27. ROTAVIROSE  Infecção auto-limitada  Acomete basicamente lactentes  Ocorrem surtos nos meses de frio  Quadro clínico  Diarréia aquosa  Náusea e vômito  Febre moderada
  • 28. TRATAMENTO DA DIARRÉIA AGUDA  Reposição hidro-eletrolítica  Solução de reidratação oral: 1L de água potável + 3,5g NaCl + 20g glicose + 1,5g KCl + 3g NaHCO3  Desidratação grave: hidratação venosa  Alimentação  Dieta contendo carboidratos, cozidos  Cereais cozinhados agúa e sal  Dieta líquida, evitando laticínios (def. secundária de lactase) no adulto  Antidiarréicos  Podem ser utilizados apenas nas diarréia não invasivas  É contra-indicado nas diarréias invasivas  Drogas  Loperamida  Difenoxilato  Subsalicilato de bismuto  Próbióticos
  • 29. ANTIBIÓTICO EMPÍRICO  Em casos de:  Febre  Fezes com sangue  > 8 evacuações diárias  Desidratação  Diarréia por mais de 7 dias  Drogas (quinolonas) por 5 dias  Norfloxacina 400mg 12/12h  Ofloxacina 400mg 12/12h  Ciprofloxacina 500mg 12/12h
  • 30. PACIENTES IMUNODEPRIMIDOS  Sempre investigar  Agentes oportunistas  Cryptosporidium  Microsporidium  Isospora belli  Mycobacterium avium-intracellulare  Giárdia lamblia  Vírus Epstein-Barr  Herpes simplex  Mycobacterium tuberculosis  Enterocytozoon bieneusi  Strongyloides stercoralis  Septata intestinalis  Entamoeba histolytica  Citomegalovírus