SlideShare uma empresa Scribd logo
LÍNGUA PORTUGUESA - LEITURA
INTERPRETANDO TEXTOS
Quem mal lê, mal ouve,
mal fala, mal vê.
Monteiro Lobato
Os verdadeiros
analfabetos são os que
aprenderam a ler e não
leem.
Mario Quintana
COMPETÊNCIA LEITORA
O BOM LEITOR
É capaz de relacionar as intenções
comunicativas a partir das
experiências de leitura que possui.
Tem pensamento
crítico construído
através da leitura.
Ler vários tipos de textos e
consegue identificar as
palavras-chave que dão
sentido ao texto.
Habilidade
leitora
Comparar
ideias
Identificar temas
principais
Identificar temas
periféricos
Levantar
hipóteses
Captar
inferências
OUSADIA
O que é ousadia?
Sobre o que o texto vai falar?
O que é uma pessoa ousada para
você?
A moça ia no ônibus muito contente desta
vida, mas, ao saltar, a contrariedade se anunciou:
- A sua passagem já está paga, disse o
motorista.
- Paga por quem?
- Esse cavalheiro aí.
Quem ia no ônibus?
O que aconteceu quando ela foi descer?
Quem pagou a passagem para a moça?
Quem era o cavalheiro?
E apontou um mulato bem vestido que acabara
de deixar o ônibus, e aguardava com um sorriso junto
à calçada.
- É algum engano, não conheço esse homem.
Faça o favor de receber.
- Mas já está paga...
- Faça o favor de receber! – insistiu ela,
estendendo o dinheiro e falando bem alto para que o
homem ouvisse: - Já disse que não conheço! Sujeito
atrevido, ainda fica ali me esperando, o senhor não
está vendo? Por favor, faço questão que o senhor
receba minha passagem.
Quem pagou a passagem?
A moça gostou ou não? Por quê?
Por que a moça acha que o mulato é
um sujeito “atrevido”?
Por que ele pagou a passagem para ela?
O motorista irá aceitar o dinheiro da moça?
O motorista ergueu os ombros e
acabou recebendo: melhor para ele,
ganhava duas vezes.
A moça saltou do ônibus e passou
fuzilanda de indignação pelo homem.
Foi seguindo pela rua sem olhar para
ele.
Se olhasse, veria que ele a seguia,
meio ressabiado, a alguns passos.
O motorista aceitou o dinheiro da moça? Por quê?
Como foi que a moça saltou do ônibus?
O moço a seguia? De que forma?
O que é “fuzilando de indignação”?
Por que ela foi seguindo sem olhar para ele?
Para que o moço a seguia?
O motorista fez bem em aceitar o dinheiro da moça?
Por quê?
Somente quando dobrou à direita para
entrar no edifício onde morava, arriscou uma
espiada: lá vinha ele! Correu para o apartamento,
que era no térreo, pôs-se a bater aflita:
- Abre! Abre aí!
Para onde foi a moça?
O mulato continuava seguindo-a?
Ela vai entrar em seu apartamento? Onde fica o
apartamento?
Quem abrirá a porta?
A empregada veio abrir e ela irrompeu pela
sala, contando aos pais atônitos, em termos
confusos, a sua aventura.
- Descarado, como é que tem coragem?
Me seguiu até aqui!
De súbito, ao voltar-se, viu pela porta
aberta que o homem ainda estava lá fora, no
saguão. Protegida pela presença dos pais, ousou
enfrentá-lo
- Olha ele ali! É ele, venha ver! Ainda está
ali, o sem-vergonha. Mas que ousadia!
Quem abriu a porta?
Como a moça entrou em casa?
A quem ela contou o acontecimento?
Por que o moço a seguiu?
Por que ela o chamou de “sem-vergonha”?
O que os pais vão fazer?
O que o rapaz fez para ser chamado de sem- vergonha? O
que é uma pessoa sem-vergonha?
No saguão, Marcelo torcia as mãos
encabulado:
- A senhora é que me desculpe, foi muita
ousadia...
Marcelo a desculpou?
Qual o sentido da palavra “ousadia” nesse contexto?
Por que a moça não reconheceu Marcelo?
Que outro título ficaria bem nesse texto?
Marcelo deveria ou não ter pago a passagem dela?
Por quê?
Texto Ousadia, de Fernando Sabino
Leitura interativa
Professora Ana Cleide
(1923-2004)
A PARTIR DO TEXTO
• "assimilar", "captar", "perceber",
"entender ou interiorizar através da
inteligência, do raciocínio"
APREENDER
• analisar o que realmente está
escrito. É o mesmo que coletar
dados do texto.
compreender
• É o que se infere (se conclui) do
que está escrito.
INTERPRETAR
Enunciados que pedem compreensão
de texto
Segundo o texto, está correta...
De acordo com o texto, está incorreta...
Tendo em vista o texto, é incorreto...
O autor sugere ainda...
De acordo com o texto, é certo...
O autor afirma que...
Na opinião do autor do texto...
Enunciados que pedem interpretação
de texto
O texto possibilita o entendimento de que...
Com apoio no texto, infere-se que...
O texto encaminha o leitor para...
Pretende o texto mostrar que o leitor...
O texto possibilita deduzir-se que...
Pressupostos e Subentendidos
Informações
implícitas
Pressupostos: Não estão escritos na
frase, mas podem ser entendidos por
causa de uma palavra ou expressão
contida na sentença.
Subentendidos: Sempre envolve um
julgamento, um juízo de valor, e por vezes leva à
distorção da verdade.
Pressupostos são conteúdos implícitos que
decorrem de uma palavra ou expressão presente
no ato de fala produzido. O pressuposto é
indiscutível tanto para o falante quanto para o
ouvinte, pois decorre, necessariamente, de um
marcador linguístico, diferentemente de outros
implícitos (os subentendidos), que dependem do
contexto, da situação de comunicação.
(Adaptado de FIORIN, J. L. O dito pelo não dito. In:
Língua Portuguesa, ano I, n. 6, 2006. p. 36-37.)
Atenção!
OBSERVE:
Eu passei o dia inteiro na escola, mas foi bom.
Informações explícitas: 1- Eu passei o dia na escola.
2- Esse tempo na escola foi bom.
Informação pressuposta: A palavra MAS mostra que geralmente
o tempo na escola não é tão bom assim.
Sávio parou de beber.
--------------------------------------------------------------------------
Embora tenha chovido, esse fim de semana foi muito agradável.
-----------------------------------------------------------------------------------------
Os funcionários ainda não receberam o salário deste mês.
-------------------------------------------------------------------------------------------
Encontre os pressupostos:
OBSERVE:
Eu passei o dia inteiro na escola, mas foi bom.
Informações explícitas: 1- Eu passei o dia na escola.
2- Esse tempo na escola foi bom.
Informação pressuposta: A palavra MAS mostra que geralmente
o tempo na escola não é tão bom assim.
Sávio parou de beber.
Sávio bebia antes.
Embora tenha chovido, esse fim de semana foi muito agradável.
Quando chove, o dia não é agradável.
Os funcionários ainda não receberam o salário deste mês.
Os funcionários já deveriam ter recebido
Encontre os pressupostos:
“Eu gosto tanto de você
Que até prefiro esconder
Deixo assim ficar subentendido
Como uma ideia que existe na cabeça
E não tem a menor obrigação de acontecer”
(Lulu Santos)
Os subentendidos são ideias INSINUADAS no texto. Elas
não estão escritas, precisamos entender o contexto, ou
seja, o tão famoso “ler nas entrelinhas”.
VEJA!
- Mário, o que você achou do meu novo
filme?
- O cenário é bom!
-Você está dizendo que o resto está ruim?
* O subentendido pode ser
negado, pois não está
escrito; é o contexto que o
torna aparente. Ao dizer
que o “cenário é bom”,
afirma que o resto não é.
_Você tem relógio?
_Filho, leve o guarda-chuva.
_ Nossa! Está muito calor lá fora!
Analisando subentendidos
UNICAMP- Observe o diálogo:
(ITA-2002) Leia o seguinte trecho com atenção:
Iniciamos a jornada, uma jornada sentimental, seguindo as regras
estabelecidas. Os cavalos pisavam tão macio, tão
macio que parecia estarem calçados de sapatilhas. A rigor não
pisavam. Faziam cafuné com as patas delicadas ao
longo do caminho.
(OLIVEIRA, Raymundo Farias de. Na madrugada do silêncio. Linguagem Viva,
n° 142. São Paulo, jun. 2001, p. 2.)
O confronto das frases "Os cavalos pisavam" e "A rigor não pisavam"
concretiza:
a) um desmentido.
b) uma indecisão.
c) uma ironia.
d) uma contradição.
e) um reforço.
(ITA-2002) Leia o seguinte trecho com atenção:
Iniciamos a jornada, uma jornada sentimental, seguindo as regras
estabelecidas. Os cavalos pisavam tão macio, tão
macio que parecia estarem calçados de sapatilhas. A rigor não
pisavam. Faziam cafuné com as patas delicadas ao
longo do caminho.
(OLIVEIRA, Raymundo Farias de. Na madrugada do silêncio. Linguagem Viva,
n° 142. São Paulo, jun. 2001, p. 2.)
O confronto das frases "Os cavalos pisavam" e "A rigor não pisavam"
concretiza:
a) um desmentido.
b) uma indecisão.
c) uma ironia.
d) uma contradição.
e) um reforço.
4ª) Levando-se em conta os aspectos textuais e visuais da tirinha, assinale a
alternativa correta.
a) A pergunta de Helga, no primeiro quadrinho, revela que ela quer pedir o divórcio.
b) O humor da tira se constrói a partir da possibilidade de Helga ter se casado por
duas vezes.
c) A pergunta de Eddie Sortudo, no segundo quadrinho, evidencia a ideia de que
Hagar é um bom marido.
d) A graça da tira está no fato de Eddie Sortudo partir da pressuposição de que Helga
não estivesse se referindo a Hagar, seu único marido.
e) A fisionomia de Hagar, nos dois quadrinhos, denota sua irritação com o fato de
Helga ter se lembrado de seu ex-marido.
4ª) Levando-se em conta os aspectos textuais e visuais da tirinha, assinale a
alternativa correta.
a) A pergunta de Helga, no primeiro quadrinho, revela que ela quer pedir o divórcio.
b) O humor da tira se constrói a partir da possibilidade de Helga ter se casado por
duas vezes.
c) A pergunta de Eddie Sortudo, no segundo quadrinho, evidencia a ideia de que
Hagar é um bom marido.
d) A graça da tira está no fato de Eddie Sortudo partir da pressuposição de que Helga
não estivesse se referindo a Hagar, seu único marido.
e) A fisionomia de Hagar, nos dois quadrinhos, denota sua irritação com o fato de
Helga ter se lembrado de seu ex-marido.
– Relação entre recursos expressivos e efeitos de
sentido
O uso de recursos expressivos possibilita uma leitura
para além dos elementos superficiais do texto e auxilia o
leitor na construção de novos significados. Nesse sentido,
o conhecimento de diferentes gêneros textuais
proporciona ao leitor o desenvolvimento de estratégias
de antecipação de informações que levam o leitor à
construção de significados.
VEJA!
Tipos de homônimas
Sentidos diferentes
Perfeitas
Som e grafia
iguais
Homófonas
Mesmo som e
grafia diferente
Homógrafas
Mesma grafia e
som diferente
ATENÇÃO! Paronímia: as palavras parônimas não têm
nada igual – grafia, som e significado diferentes
 Polissemia: palavra polissêmica é aquela
que reúne vários significados.
• Ela me deu uma mão para eu terminar esse trabalho. -
refere-se à ajuda.
• Gustavo vai pedir a mão de Bia a seu pai esta noite. -
refere-se a propor casamento.
• Ela entregou o emprego de mão beijada para o amigo. -
refere-se a coisas fáceis, sem exigência.
• Todos estão com a mão na massa. - refere-se a estar
trabalhando em alguma coisa de que se trata no
momento.
 Campo lexical: é formado pelas palavras que derivam de um
mesmo radical. Assim, o campo lexical ou a família da palavra
“pedra”, é pedregulho, pedraria, pedreira, pedrinha, dentre
outros.
 Campo lexical compreende ainda as palavras que pertencem à
mesma área de conhecimento:
I- Escola: professor, caderno, aula, livro, apostila, material escolar,
diretor, etc.
II- Linguagem bíblica: mandamentos, Jesus, Novo Testamento,
Apocalipse, Céus, Inferno, discípulos, etc.
 Campo semântico: é um conjunto de palavras unidas
pelo sentido. Por exemplo, o campo semântico de mãe
inclui: mãe-de-família, mãe-de-santo, mãe solteira, terra-
mãe, mãe-de-água,…
NÃO CONFUNDA
Hiperonímia:
•É a palavra que dá ideia de um todo,
do qual se originam várias partes ou
ramificações.
Hiponímia
•É exatamente o contrário, o oposto
da hiperonímia: É a palavra que indica
cada parte ou cada item de um todo.
Que Deus abençoe cada um de
vocês!
Lembre-se: Você deve fazer a sua
parte e esperar, pois Deus sempre
estará no controle.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Slide introdução à literatura
Slide introdução à literaturaSlide introdução à literatura
Slide introdução à literatura
fabrinnem
 
O que é Literatura?
O que é Literatura?O que é Literatura?
O que é Literatura?
Faell Vasconcelos
 
FICHA - GÊNEROS LITERÁRIOS - EXERCÍCIOS - Gabarito.pdf
FICHA - GÊNEROS LITERÁRIOS - EXERCÍCIOS - Gabarito.pdfFICHA - GÊNEROS LITERÁRIOS - EXERCÍCIOS - Gabarito.pdf
FICHA - GÊNEROS LITERÁRIOS - EXERCÍCIOS - Gabarito.pdf
Natália Moura
 
Exercícios sobre gêneros literários
Exercícios sobre gêneros literáriosExercícios sobre gêneros literários
Exercícios sobre gêneros literários
Andriane Cursino
 
A Geração De 45 - Prof. Kelly Mendes - Literatura
A Geração De 45 - Prof. Kelly Mendes - LiteraturaA Geração De 45 - Prof. Kelly Mendes - Literatura
A Geração De 45 - Prof. Kelly Mendes - Literatura
Hadassa Castro
 
ANÁLISE ALGUMA POESIA KDABRA.pptx
ANÁLISE ALGUMA POESIA KDABRA.pptxANÁLISE ALGUMA POESIA KDABRA.pptx
ANÁLISE ALGUMA POESIA KDABRA.pptx
PabloGabrielKdabra
 
Questões sobre negrinha
Questões sobre negrinhaQuestões sobre negrinha
Questões sobre negrinha
ma.no.el.ne.ves
 
Parnasianismo e Simbolismo 2021
Parnasianismo e Simbolismo 2021Parnasianismo e Simbolismo 2021
Parnasianismo e Simbolismo 2021
CrisBiagio
 
LÍNGUA PORTUGUESA | 2ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LGG201)/ (GO-EMLGG201A)
LÍNGUA PORTUGUESA | 2ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LGG201)/ (GO-EMLGG201A)LÍNGUA PORTUGUESA | 2ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LGG201)/ (GO-EMLGG201A)
LÍNGUA PORTUGUESA | 2ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LGG201)/ (GO-EMLGG201A)
GernciadeProduodeMat
 
D7 (3ª Série - Ens. Médio - L.P - BLOG do Prof. Warles).doc.pdf
D7 (3ª Série - Ens. Médio - L.P - BLOG do Prof. Warles).doc.pdfD7 (3ª Série - Ens. Médio - L.P - BLOG do Prof. Warles).doc.pdf
D7 (3ª Série - Ens. Médio - L.P - BLOG do Prof. Warles).doc.pdf
Rayanne Costa
 
leitura E INTERPRETAÇÃO TEXTUAL
leitura E INTERPRETAÇÃO TEXTUALleitura E INTERPRETAÇÃO TEXTUAL
leitura E INTERPRETAÇÃO TEXTUAL
Daniel Vitor de Almeida
 
Avaliação de Língua Portuguesa Ensino Médio
Avaliação de Língua Portuguesa Ensino MédioAvaliação de Língua Portuguesa Ensino Médio
Avaliação de Língua Portuguesa Ensino Médio
Marcia Oliveira
 
Aula9: O texto opinativo
Aula9:  O texto opinativoAula9:  O texto opinativo
Aula9: O texto opinativo
André Figundio
 
Elaboração de biografia
Elaboração de biografia Elaboração de biografia
Elaboração de biografia
Edson Alves
 
Exercícios tipologia textual
Exercícios   tipologia textualExercícios   tipologia textual
Exercícios tipologia textual
Lu1zFern4nando
 
Aula sinais de pontuação
Aula sinais de pontuaçãoAula sinais de pontuação
Aula sinais de pontuação
Péricles Penuel
 
Linguagem Formal e Informal
Linguagem Formal e InformalLinguagem Formal e Informal
Linguagem Formal e Informal
Kelvin Illitch Santos
 
ESCOLAS LITERÁRIAS.ppt
ESCOLAS LITERÁRIAS.pptESCOLAS LITERÁRIAS.ppt
ESCOLAS LITERÁRIAS.ppt
CsarMarin3
 
ficha literaria clara dos anjos - lima barreto
ficha literaria clara dos anjos - lima barretoficha literaria clara dos anjos - lima barreto
ficha literaria clara dos anjos - lima barreto
Wesley Germano Otávio
 
A poesia de manuel bandeira
A poesia de manuel bandeiraA poesia de manuel bandeira
A poesia de manuel bandeira
ma.no.el.ne.ves
 

Mais procurados (20)

Slide introdução à literatura
Slide introdução à literaturaSlide introdução à literatura
Slide introdução à literatura
 
O que é Literatura?
O que é Literatura?O que é Literatura?
O que é Literatura?
 
FICHA - GÊNEROS LITERÁRIOS - EXERCÍCIOS - Gabarito.pdf
FICHA - GÊNEROS LITERÁRIOS - EXERCÍCIOS - Gabarito.pdfFICHA - GÊNEROS LITERÁRIOS - EXERCÍCIOS - Gabarito.pdf
FICHA - GÊNEROS LITERÁRIOS - EXERCÍCIOS - Gabarito.pdf
 
Exercícios sobre gêneros literários
Exercícios sobre gêneros literáriosExercícios sobre gêneros literários
Exercícios sobre gêneros literários
 
A Geração De 45 - Prof. Kelly Mendes - Literatura
A Geração De 45 - Prof. Kelly Mendes - LiteraturaA Geração De 45 - Prof. Kelly Mendes - Literatura
A Geração De 45 - Prof. Kelly Mendes - Literatura
 
ANÁLISE ALGUMA POESIA KDABRA.pptx
ANÁLISE ALGUMA POESIA KDABRA.pptxANÁLISE ALGUMA POESIA KDABRA.pptx
ANÁLISE ALGUMA POESIA KDABRA.pptx
 
Questões sobre negrinha
Questões sobre negrinhaQuestões sobre negrinha
Questões sobre negrinha
 
Parnasianismo e Simbolismo 2021
Parnasianismo e Simbolismo 2021Parnasianismo e Simbolismo 2021
Parnasianismo e Simbolismo 2021
 
LÍNGUA PORTUGUESA | 2ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LGG201)/ (GO-EMLGG201A)
LÍNGUA PORTUGUESA | 2ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LGG201)/ (GO-EMLGG201A)LÍNGUA PORTUGUESA | 2ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LGG201)/ (GO-EMLGG201A)
LÍNGUA PORTUGUESA | 2ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LGG201)/ (GO-EMLGG201A)
 
D7 (3ª Série - Ens. Médio - L.P - BLOG do Prof. Warles).doc.pdf
D7 (3ª Série - Ens. Médio - L.P - BLOG do Prof. Warles).doc.pdfD7 (3ª Série - Ens. Médio - L.P - BLOG do Prof. Warles).doc.pdf
D7 (3ª Série - Ens. Médio - L.P - BLOG do Prof. Warles).doc.pdf
 
leitura E INTERPRETAÇÃO TEXTUAL
leitura E INTERPRETAÇÃO TEXTUALleitura E INTERPRETAÇÃO TEXTUAL
leitura E INTERPRETAÇÃO TEXTUAL
 
Avaliação de Língua Portuguesa Ensino Médio
Avaliação de Língua Portuguesa Ensino MédioAvaliação de Língua Portuguesa Ensino Médio
Avaliação de Língua Portuguesa Ensino Médio
 
Aula9: O texto opinativo
Aula9:  O texto opinativoAula9:  O texto opinativo
Aula9: O texto opinativo
 
Elaboração de biografia
Elaboração de biografia Elaboração de biografia
Elaboração de biografia
 
Exercícios tipologia textual
Exercícios   tipologia textualExercícios   tipologia textual
Exercícios tipologia textual
 
Aula sinais de pontuação
Aula sinais de pontuaçãoAula sinais de pontuação
Aula sinais de pontuação
 
Linguagem Formal e Informal
Linguagem Formal e InformalLinguagem Formal e Informal
Linguagem Formal e Informal
 
ESCOLAS LITERÁRIAS.ppt
ESCOLAS LITERÁRIAS.pptESCOLAS LITERÁRIAS.ppt
ESCOLAS LITERÁRIAS.ppt
 
ficha literaria clara dos anjos - lima barreto
ficha literaria clara dos anjos - lima barretoficha literaria clara dos anjos - lima barreto
ficha literaria clara dos anjos - lima barreto
 
A poesia de manuel bandeira
A poesia de manuel bandeiraA poesia de manuel bandeira
A poesia de manuel bandeira
 

Destaque

Enquanto Deus não está olhando
Enquanto Deus não está olhandoEnquanto Deus não está olhando
Enquanto Deus não está olhando
Ana Batista
 
2º momento modernista poema
2º momento modernista   poema2º momento modernista   poema
2º momento modernista poema
Cicero Luciano
 
Semana de arte moderna
Semana de arte modernaSemana de arte moderna
Semana de arte moderna
Ana Batista
 
Interpretação de texto
Interpretação de textoInterpretação de texto
Interpretação de texto
Cicero Luciano
 
O Romantismo no Brasil II
O Romantismo no Brasil IIO Romantismo no Brasil II
O Romantismo no Brasil II
Cicero Luciano
 
Competência leitura (Interpretação de texto)
Competência leitura (Interpretação de texto)Competência leitura (Interpretação de texto)
Competência leitura (Interpretação de texto)
Cicero Luciano
 
Td para estudo em grupo concurso ufca
Td para estudo em grupo   concurso ufcaTd para estudo em grupo   concurso ufca
Td para estudo em grupo concurso ufca
Ana Batista
 
Especial água viva
Especial água vivaEspecial água viva
Especial água viva
Ana Batista
 
Especial Clarice Lispector
Especial Clarice LispectorEspecial Clarice Lispector
Especial Clarice Lispector
Ana Batista
 
Outros cantos
Outros cantosOutros cantos
Outros cantos
Ana Batista
 
São Bernardo
São BernardoSão Bernardo
São Bernardo
Ana Batista
 
Os bruzundangas
Os bruzundangasOs bruzundangas
Os bruzundangas
Ana Batista
 
Vanguarda europeia
Vanguarda europeiaVanguarda europeia
Vanguarda europeia
Ana Batista
 
Adélia Prado
Adélia PradoAdélia Prado
Adélia Prado
Ana Batista
 
Texto dissertativo argumentativo
Texto dissertativo argumentativoTexto dissertativo argumentativo
Texto dissertativo argumentativo
Cicero Luciano
 
Segundo momento modernista prosa
Segundo momento modernista  prosaSegundo momento modernista  prosa
Segundo momento modernista prosa
Ana Batista
 
Guiadoparticipanteredacao enem2012
Guiadoparticipanteredacao enem2012Guiadoparticipanteredacao enem2012
Guiadoparticipanteredacao enem2012
Cicero Luciano
 
Venha ver o por do sol
Venha ver o por do solVenha ver o por do sol
Venha ver o por do sol
Cicero Luciano
 
O Ateneu especial
O Ateneu especialO Ateneu especial
O Ateneu especial
Ana Batista
 
O pré modernismo
O pré modernismoO pré modernismo
O pré modernismo
Ana Batista
 

Destaque (20)

Enquanto Deus não está olhando
Enquanto Deus não está olhandoEnquanto Deus não está olhando
Enquanto Deus não está olhando
 
2º momento modernista poema
2º momento modernista   poema2º momento modernista   poema
2º momento modernista poema
 
Semana de arte moderna
Semana de arte modernaSemana de arte moderna
Semana de arte moderna
 
Interpretação de texto
Interpretação de textoInterpretação de texto
Interpretação de texto
 
O Romantismo no Brasil II
O Romantismo no Brasil IIO Romantismo no Brasil II
O Romantismo no Brasil II
 
Competência leitura (Interpretação de texto)
Competência leitura (Interpretação de texto)Competência leitura (Interpretação de texto)
Competência leitura (Interpretação de texto)
 
Td para estudo em grupo concurso ufca
Td para estudo em grupo   concurso ufcaTd para estudo em grupo   concurso ufca
Td para estudo em grupo concurso ufca
 
Especial água viva
Especial água vivaEspecial água viva
Especial água viva
 
Especial Clarice Lispector
Especial Clarice LispectorEspecial Clarice Lispector
Especial Clarice Lispector
 
Outros cantos
Outros cantosOutros cantos
Outros cantos
 
São Bernardo
São BernardoSão Bernardo
São Bernardo
 
Os bruzundangas
Os bruzundangasOs bruzundangas
Os bruzundangas
 
Vanguarda europeia
Vanguarda europeiaVanguarda europeia
Vanguarda europeia
 
Adélia Prado
Adélia PradoAdélia Prado
Adélia Prado
 
Texto dissertativo argumentativo
Texto dissertativo argumentativoTexto dissertativo argumentativo
Texto dissertativo argumentativo
 
Segundo momento modernista prosa
Segundo momento modernista  prosaSegundo momento modernista  prosa
Segundo momento modernista prosa
 
Guiadoparticipanteredacao enem2012
Guiadoparticipanteredacao enem2012Guiadoparticipanteredacao enem2012
Guiadoparticipanteredacao enem2012
 
Venha ver o por do sol
Venha ver o por do solVenha ver o por do sol
Venha ver o por do sol
 
O Ateneu especial
O Ateneu especialO Ateneu especial
O Ateneu especial
 
O pré modernismo
O pré modernismoO pré modernismo
O pré modernismo
 

Semelhante a Língua portuguesa leitura concurso ufca

LÍNGUA PORTUGUESA - LEITURA-intertextualidade.pptx
LÍNGUA PORTUGUESA - LEITURA-intertextualidade.pptxLÍNGUA PORTUGUESA - LEITURA-intertextualidade.pptx
LÍNGUA PORTUGUESA - LEITURA-intertextualidade.pptx
Maria Domingas de Souza
 
LÍNGUA PORTUGUESA - LEITURA-intertextualidade.pptx
LÍNGUA PORTUGUESA - LEITURA-intertextualidade.pptxLÍNGUA PORTUGUESA - LEITURA-intertextualidade.pptx
LÍNGUA PORTUGUESA - LEITURA-intertextualidade.pptx
Maria Domingas de Souza
 
Avelino
AvelinoAvelino
SLIDES DA AULA - SABER 11.pptx
SLIDES DA AULA - SABER 11.pptxSLIDES DA AULA - SABER 11.pptx
SLIDES DA AULA - SABER 11.pptx
Carlyane Almeida
 
Atividades sobre substantivo, adjetivo, numeral
Atividades sobre substantivo, adjetivo, numeralAtividades sobre substantivo, adjetivo, numeral
Atividades sobre substantivo, adjetivo, numeral
Professora sonhadora
 
Fichas gramaticais
Fichas gramaticaisFichas gramaticais
Fichas gramaticais
Lina Rodrigues
 
Redacao 8serie-ef
Redacao 8serie-efRedacao 8serie-ef
Redacao 8serie-ef
sachagomes
 
Sequência didática soldado de chumbo
Sequência didática soldado de chumboSequência didática soldado de chumbo
Sequência didática soldado de chumbo
Josianne Lacerda
 
sequenciasoldadinhodechumbo-131031174900-phpapp02 (2).pdf
sequenciasoldadinhodechumbo-131031174900-phpapp02 (2).pdfsequenciasoldadinhodechumbo-131031174900-phpapp02 (2).pdf
sequenciasoldadinhodechumbo-131031174900-phpapp02 (2).pdf
IedaGoethe
 
Atividades recuperacao final 6 ano (1) (3)
Atividades recuperacao final 6 ano (1) (3)Atividades recuperacao final 6 ano (1) (3)
Atividades recuperacao final 6 ano (1) (3)
MADELOM FERREIRAA
 
Sequencia soldadinho de chumbo
Sequencia soldadinho de chumboSequencia soldadinho de chumbo
Sequencia soldadinho de chumbo
Katia Teixeira Dos Santos
 
Gramática Prof. Fernando Santos
Gramática   Prof. Fernando SantosGramática   Prof. Fernando Santos
Gramática Prof. Fernando Santos
Pré-Enem Seduc
 
SIMULADO DE LÍNGUA PORTUGUESA - 7° ANO - doc
SIMULADO DE LÍNGUA PORTUGUESA - 7° ANO - docSIMULADO DE LÍNGUA PORTUGUESA - 7° ANO - doc
SIMULADO DE LÍNGUA PORTUGUESA - 7° ANO - doc
wendell Viana
 
Prova internet-pss-i-2010
Prova internet-pss-i-2010Prova internet-pss-i-2010
Prova internet-pss-i-2010
Lucas Ferreira
 
D234412257-leitura-colaborativa-OUSADIA.pptx
D234412257-leitura-colaborativa-OUSADIA.pptxD234412257-leitura-colaborativa-OUSADIA.pptx
D234412257-leitura-colaborativa-OUSADIA.pptx
DanielSilvadejesus4
 
Gênero de texto conto
Gênero de texto contoGênero de texto conto
Gênero de texto conto
guestd9a4ef3c
 
O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá - A estação do verão
O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá - A estação do verãoO Gato Malhado e a Andorinha Sinhá - A estação do verão
O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá - A estação do verão
Margarida Santos
 
APOSTILA PREPARATÓRIA ENEM 2012. LINGUAGENS SUAS TECNOLOGIAS E SEUS CÓDIGOS.
APOSTILA PREPARATÓRIA ENEM 2012. LINGUAGENS SUAS TECNOLOGIAS E SEUS CÓDIGOS.APOSTILA PREPARATÓRIA ENEM 2012. LINGUAGENS SUAS TECNOLOGIAS E SEUS CÓDIGOS.
APOSTILA PREPARATÓRIA ENEM 2012. LINGUAGENS SUAS TECNOLOGIAS E SEUS CÓDIGOS.
Antônio Fernandes
 
Cge 2089
Cge 2089Cge 2089
Cge 2089
MarcosFSX
 
Exercícios classes de palavras
Exercícios classes de palavrasExercícios classes de palavras
Exercícios classes de palavras
Thalita Lameira
 

Semelhante a Língua portuguesa leitura concurso ufca (20)

LÍNGUA PORTUGUESA - LEITURA-intertextualidade.pptx
LÍNGUA PORTUGUESA - LEITURA-intertextualidade.pptxLÍNGUA PORTUGUESA - LEITURA-intertextualidade.pptx
LÍNGUA PORTUGUESA - LEITURA-intertextualidade.pptx
 
LÍNGUA PORTUGUESA - LEITURA-intertextualidade.pptx
LÍNGUA PORTUGUESA - LEITURA-intertextualidade.pptxLÍNGUA PORTUGUESA - LEITURA-intertextualidade.pptx
LÍNGUA PORTUGUESA - LEITURA-intertextualidade.pptx
 
Avelino
AvelinoAvelino
Avelino
 
SLIDES DA AULA - SABER 11.pptx
SLIDES DA AULA - SABER 11.pptxSLIDES DA AULA - SABER 11.pptx
SLIDES DA AULA - SABER 11.pptx
 
Atividades sobre substantivo, adjetivo, numeral
Atividades sobre substantivo, adjetivo, numeralAtividades sobre substantivo, adjetivo, numeral
Atividades sobre substantivo, adjetivo, numeral
 
Fichas gramaticais
Fichas gramaticaisFichas gramaticais
Fichas gramaticais
 
Redacao 8serie-ef
Redacao 8serie-efRedacao 8serie-ef
Redacao 8serie-ef
 
Sequência didática soldado de chumbo
Sequência didática soldado de chumboSequência didática soldado de chumbo
Sequência didática soldado de chumbo
 
sequenciasoldadinhodechumbo-131031174900-phpapp02 (2).pdf
sequenciasoldadinhodechumbo-131031174900-phpapp02 (2).pdfsequenciasoldadinhodechumbo-131031174900-phpapp02 (2).pdf
sequenciasoldadinhodechumbo-131031174900-phpapp02 (2).pdf
 
Atividades recuperacao final 6 ano (1) (3)
Atividades recuperacao final 6 ano (1) (3)Atividades recuperacao final 6 ano (1) (3)
Atividades recuperacao final 6 ano (1) (3)
 
Sequencia soldadinho de chumbo
Sequencia soldadinho de chumboSequencia soldadinho de chumbo
Sequencia soldadinho de chumbo
 
Gramática Prof. Fernando Santos
Gramática   Prof. Fernando SantosGramática   Prof. Fernando Santos
Gramática Prof. Fernando Santos
 
SIMULADO DE LÍNGUA PORTUGUESA - 7° ANO - doc
SIMULADO DE LÍNGUA PORTUGUESA - 7° ANO - docSIMULADO DE LÍNGUA PORTUGUESA - 7° ANO - doc
SIMULADO DE LÍNGUA PORTUGUESA - 7° ANO - doc
 
Prova internet-pss-i-2010
Prova internet-pss-i-2010Prova internet-pss-i-2010
Prova internet-pss-i-2010
 
D234412257-leitura-colaborativa-OUSADIA.pptx
D234412257-leitura-colaborativa-OUSADIA.pptxD234412257-leitura-colaborativa-OUSADIA.pptx
D234412257-leitura-colaborativa-OUSADIA.pptx
 
Gênero de texto conto
Gênero de texto contoGênero de texto conto
Gênero de texto conto
 
O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá - A estação do verão
O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá - A estação do verãoO Gato Malhado e a Andorinha Sinhá - A estação do verão
O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá - A estação do verão
 
APOSTILA PREPARATÓRIA ENEM 2012. LINGUAGENS SUAS TECNOLOGIAS E SEUS CÓDIGOS.
APOSTILA PREPARATÓRIA ENEM 2012. LINGUAGENS SUAS TECNOLOGIAS E SEUS CÓDIGOS.APOSTILA PREPARATÓRIA ENEM 2012. LINGUAGENS SUAS TECNOLOGIAS E SEUS CÓDIGOS.
APOSTILA PREPARATÓRIA ENEM 2012. LINGUAGENS SUAS TECNOLOGIAS E SEUS CÓDIGOS.
 
Cge 2089
Cge 2089Cge 2089
Cge 2089
 
Exercícios classes de palavras
Exercícios classes de palavrasExercícios classes de palavras
Exercícios classes de palavras
 

Último

Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Miguel Delamontagne
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
Falcão Brasil
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 
Livro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdf
Livro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdfLivro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdf
Livro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdf
CarolineSaback2
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Falcão Brasil
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Falcão Brasil
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
JocelynNavarroBonta
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Falcão Brasil
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Falcão Brasil
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
Sandra Pratas
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Falcão Brasil
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Falcão Brasil
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
Ceiça Martins Vital
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
MariaJooSilva58
 

Último (20)

Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 
Livro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdf
Livro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdfLivro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdf
Livro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdf
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
 
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
 

Língua portuguesa leitura concurso ufca

  • 1. LÍNGUA PORTUGUESA - LEITURA INTERPRETANDO TEXTOS Quem mal lê, mal ouve, mal fala, mal vê. Monteiro Lobato
  • 2. Os verdadeiros analfabetos são os que aprenderam a ler e não leem. Mario Quintana
  • 3. COMPETÊNCIA LEITORA O BOM LEITOR É capaz de relacionar as intenções comunicativas a partir das experiências de leitura que possui. Tem pensamento crítico construído através da leitura. Ler vários tipos de textos e consegue identificar as palavras-chave que dão sentido ao texto.
  • 5. OUSADIA O que é ousadia? Sobre o que o texto vai falar? O que é uma pessoa ousada para você?
  • 6. A moça ia no ônibus muito contente desta vida, mas, ao saltar, a contrariedade se anunciou: - A sua passagem já está paga, disse o motorista. - Paga por quem? - Esse cavalheiro aí. Quem ia no ônibus? O que aconteceu quando ela foi descer? Quem pagou a passagem para a moça? Quem era o cavalheiro?
  • 7. E apontou um mulato bem vestido que acabara de deixar o ônibus, e aguardava com um sorriso junto à calçada. - É algum engano, não conheço esse homem. Faça o favor de receber. - Mas já está paga... - Faça o favor de receber! – insistiu ela, estendendo o dinheiro e falando bem alto para que o homem ouvisse: - Já disse que não conheço! Sujeito atrevido, ainda fica ali me esperando, o senhor não está vendo? Por favor, faço questão que o senhor receba minha passagem.
  • 8. Quem pagou a passagem? A moça gostou ou não? Por quê? Por que a moça acha que o mulato é um sujeito “atrevido”? Por que ele pagou a passagem para ela? O motorista irá aceitar o dinheiro da moça?
  • 9. O motorista ergueu os ombros e acabou recebendo: melhor para ele, ganhava duas vezes. A moça saltou do ônibus e passou fuzilanda de indignação pelo homem. Foi seguindo pela rua sem olhar para ele. Se olhasse, veria que ele a seguia, meio ressabiado, a alguns passos.
  • 10. O motorista aceitou o dinheiro da moça? Por quê? Como foi que a moça saltou do ônibus? O moço a seguia? De que forma? O que é “fuzilando de indignação”? Por que ela foi seguindo sem olhar para ele? Para que o moço a seguia? O motorista fez bem em aceitar o dinheiro da moça? Por quê?
  • 11. Somente quando dobrou à direita para entrar no edifício onde morava, arriscou uma espiada: lá vinha ele! Correu para o apartamento, que era no térreo, pôs-se a bater aflita: - Abre! Abre aí! Para onde foi a moça? O mulato continuava seguindo-a? Ela vai entrar em seu apartamento? Onde fica o apartamento? Quem abrirá a porta?
  • 12. A empregada veio abrir e ela irrompeu pela sala, contando aos pais atônitos, em termos confusos, a sua aventura. - Descarado, como é que tem coragem? Me seguiu até aqui! De súbito, ao voltar-se, viu pela porta aberta que o homem ainda estava lá fora, no saguão. Protegida pela presença dos pais, ousou enfrentá-lo - Olha ele ali! É ele, venha ver! Ainda está ali, o sem-vergonha. Mas que ousadia!
  • 13. Quem abriu a porta? Como a moça entrou em casa? A quem ela contou o acontecimento? Por que o moço a seguiu? Por que ela o chamou de “sem-vergonha”? O que os pais vão fazer? O que o rapaz fez para ser chamado de sem- vergonha? O que é uma pessoa sem-vergonha?
  • 14. No saguão, Marcelo torcia as mãos encabulado: - A senhora é que me desculpe, foi muita ousadia... Marcelo a desculpou? Qual o sentido da palavra “ousadia” nesse contexto? Por que a moça não reconheceu Marcelo? Que outro título ficaria bem nesse texto? Marcelo deveria ou não ter pago a passagem dela? Por quê?
  • 15. Texto Ousadia, de Fernando Sabino Leitura interativa Professora Ana Cleide (1923-2004)
  • 16. A PARTIR DO TEXTO • "assimilar", "captar", "perceber", "entender ou interiorizar através da inteligência, do raciocínio" APREENDER • analisar o que realmente está escrito. É o mesmo que coletar dados do texto. compreender • É o que se infere (se conclui) do que está escrito. INTERPRETAR
  • 17. Enunciados que pedem compreensão de texto Segundo o texto, está correta... De acordo com o texto, está incorreta... Tendo em vista o texto, é incorreto... O autor sugere ainda... De acordo com o texto, é certo... O autor afirma que... Na opinião do autor do texto...
  • 18. Enunciados que pedem interpretação de texto O texto possibilita o entendimento de que... Com apoio no texto, infere-se que... O texto encaminha o leitor para... Pretende o texto mostrar que o leitor... O texto possibilita deduzir-se que...
  • 19. Pressupostos e Subentendidos Informações implícitas Pressupostos: Não estão escritos na frase, mas podem ser entendidos por causa de uma palavra ou expressão contida na sentença. Subentendidos: Sempre envolve um julgamento, um juízo de valor, e por vezes leva à distorção da verdade.
  • 20. Pressupostos são conteúdos implícitos que decorrem de uma palavra ou expressão presente no ato de fala produzido. O pressuposto é indiscutível tanto para o falante quanto para o ouvinte, pois decorre, necessariamente, de um marcador linguístico, diferentemente de outros implícitos (os subentendidos), que dependem do contexto, da situação de comunicação. (Adaptado de FIORIN, J. L. O dito pelo não dito. In: Língua Portuguesa, ano I, n. 6, 2006. p. 36-37.) Atenção!
  • 21. OBSERVE: Eu passei o dia inteiro na escola, mas foi bom. Informações explícitas: 1- Eu passei o dia na escola. 2- Esse tempo na escola foi bom. Informação pressuposta: A palavra MAS mostra que geralmente o tempo na escola não é tão bom assim. Sávio parou de beber. -------------------------------------------------------------------------- Embora tenha chovido, esse fim de semana foi muito agradável. ----------------------------------------------------------------------------------------- Os funcionários ainda não receberam o salário deste mês. ------------------------------------------------------------------------------------------- Encontre os pressupostos:
  • 22. OBSERVE: Eu passei o dia inteiro na escola, mas foi bom. Informações explícitas: 1- Eu passei o dia na escola. 2- Esse tempo na escola foi bom. Informação pressuposta: A palavra MAS mostra que geralmente o tempo na escola não é tão bom assim. Sávio parou de beber. Sávio bebia antes. Embora tenha chovido, esse fim de semana foi muito agradável. Quando chove, o dia não é agradável. Os funcionários ainda não receberam o salário deste mês. Os funcionários já deveriam ter recebido Encontre os pressupostos:
  • 23. “Eu gosto tanto de você Que até prefiro esconder Deixo assim ficar subentendido Como uma ideia que existe na cabeça E não tem a menor obrigação de acontecer” (Lulu Santos) Os subentendidos são ideias INSINUADAS no texto. Elas não estão escritas, precisamos entender o contexto, ou seja, o tão famoso “ler nas entrelinhas”. VEJA!
  • 24. - Mário, o que você achou do meu novo filme? - O cenário é bom! -Você está dizendo que o resto está ruim? * O subentendido pode ser negado, pois não está escrito; é o contexto que o torna aparente. Ao dizer que o “cenário é bom”, afirma que o resto não é.
  • 25. _Você tem relógio? _Filho, leve o guarda-chuva. _ Nossa! Está muito calor lá fora! Analisando subentendidos
  • 26. UNICAMP- Observe o diálogo:
  • 27. (ITA-2002) Leia o seguinte trecho com atenção: Iniciamos a jornada, uma jornada sentimental, seguindo as regras estabelecidas. Os cavalos pisavam tão macio, tão macio que parecia estarem calçados de sapatilhas. A rigor não pisavam. Faziam cafuné com as patas delicadas ao longo do caminho. (OLIVEIRA, Raymundo Farias de. Na madrugada do silêncio. Linguagem Viva, n° 142. São Paulo, jun. 2001, p. 2.) O confronto das frases "Os cavalos pisavam" e "A rigor não pisavam" concretiza: a) um desmentido. b) uma indecisão. c) uma ironia. d) uma contradição. e) um reforço.
  • 28. (ITA-2002) Leia o seguinte trecho com atenção: Iniciamos a jornada, uma jornada sentimental, seguindo as regras estabelecidas. Os cavalos pisavam tão macio, tão macio que parecia estarem calçados de sapatilhas. A rigor não pisavam. Faziam cafuné com as patas delicadas ao longo do caminho. (OLIVEIRA, Raymundo Farias de. Na madrugada do silêncio. Linguagem Viva, n° 142. São Paulo, jun. 2001, p. 2.) O confronto das frases "Os cavalos pisavam" e "A rigor não pisavam" concretiza: a) um desmentido. b) uma indecisão. c) uma ironia. d) uma contradição. e) um reforço.
  • 29. 4ª) Levando-se em conta os aspectos textuais e visuais da tirinha, assinale a alternativa correta. a) A pergunta de Helga, no primeiro quadrinho, revela que ela quer pedir o divórcio. b) O humor da tira se constrói a partir da possibilidade de Helga ter se casado por duas vezes. c) A pergunta de Eddie Sortudo, no segundo quadrinho, evidencia a ideia de que Hagar é um bom marido. d) A graça da tira está no fato de Eddie Sortudo partir da pressuposição de que Helga não estivesse se referindo a Hagar, seu único marido. e) A fisionomia de Hagar, nos dois quadrinhos, denota sua irritação com o fato de Helga ter se lembrado de seu ex-marido.
  • 30. 4ª) Levando-se em conta os aspectos textuais e visuais da tirinha, assinale a alternativa correta. a) A pergunta de Helga, no primeiro quadrinho, revela que ela quer pedir o divórcio. b) O humor da tira se constrói a partir da possibilidade de Helga ter se casado por duas vezes. c) A pergunta de Eddie Sortudo, no segundo quadrinho, evidencia a ideia de que Hagar é um bom marido. d) A graça da tira está no fato de Eddie Sortudo partir da pressuposição de que Helga não estivesse se referindo a Hagar, seu único marido. e) A fisionomia de Hagar, nos dois quadrinhos, denota sua irritação com o fato de Helga ter se lembrado de seu ex-marido.
  • 31. – Relação entre recursos expressivos e efeitos de sentido O uso de recursos expressivos possibilita uma leitura para além dos elementos superficiais do texto e auxilia o leitor na construção de novos significados. Nesse sentido, o conhecimento de diferentes gêneros textuais proporciona ao leitor o desenvolvimento de estratégias de antecipação de informações que levam o leitor à construção de significados.
  • 32. VEJA!
  • 33. Tipos de homônimas Sentidos diferentes Perfeitas Som e grafia iguais Homófonas Mesmo som e grafia diferente Homógrafas Mesma grafia e som diferente ATENÇÃO! Paronímia: as palavras parônimas não têm nada igual – grafia, som e significado diferentes
  • 34.  Polissemia: palavra polissêmica é aquela que reúne vários significados. • Ela me deu uma mão para eu terminar esse trabalho. - refere-se à ajuda. • Gustavo vai pedir a mão de Bia a seu pai esta noite. - refere-se a propor casamento. • Ela entregou o emprego de mão beijada para o amigo. - refere-se a coisas fáceis, sem exigência. • Todos estão com a mão na massa. - refere-se a estar trabalhando em alguma coisa de que se trata no momento.
  • 35.  Campo lexical: é formado pelas palavras que derivam de um mesmo radical. Assim, o campo lexical ou a família da palavra “pedra”, é pedregulho, pedraria, pedreira, pedrinha, dentre outros.  Campo lexical compreende ainda as palavras que pertencem à mesma área de conhecimento: I- Escola: professor, caderno, aula, livro, apostila, material escolar, diretor, etc. II- Linguagem bíblica: mandamentos, Jesus, Novo Testamento, Apocalipse, Céus, Inferno, discípulos, etc.  Campo semântico: é um conjunto de palavras unidas pelo sentido. Por exemplo, o campo semântico de mãe inclui: mãe-de-família, mãe-de-santo, mãe solteira, terra- mãe, mãe-de-água,… NÃO CONFUNDA
  • 36. Hiperonímia: •É a palavra que dá ideia de um todo, do qual se originam várias partes ou ramificações. Hiponímia •É exatamente o contrário, o oposto da hiperonímia: É a palavra que indica cada parte ou cada item de um todo.
  • 37. Que Deus abençoe cada um de vocês! Lembre-se: Você deve fazer a sua parte e esperar, pois Deus sempre estará no controle.