Arquitetura e limites

2.833 visualizações

Publicada em

arquitetura e limites. Kate Nesbitt

0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.833
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
56
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Arquitetura e limites

  1. 1. Aline Rodrigues Manoel (A12)Deborah da Soledade Franca Ferreira (A11)Fabiane Sakai Ito (A11)Karina Ignacio de Camargo (A11)Leandro André Venâncio Coser (A11)Maria Lidia Silva Vick (A11) Teoria da Arquitetura V Profs. C. A. Coelho e Marcio Lupion 17 de Maio de 2011
  2. 2. -ARQUITETURA E LIMITES I-LIMITES:- OBRAS À MARGEM DA PRODUÇÃO DE UM ARTISTA, QUE DESTOAM DE SUA ATIVIDADEREGULAR; EXCEÇÕES;- OBRAS DE LIMITE CONSTITUEM CASOS ISOLADOS EM MEIO À PRODUÇÃO COMERCIALDOMINANTE;- LIMITAR A ARQUITETURA É ESTABELECER A NATUREZA ESSENCIAL DELA;REDUCIONISTA:- ATITUDE QUE NEGA AS DIFERENÇAS E OS LIMITES- CARÁTER IMPOSSIBILITADOR – ESTREITA OS LIMITES ALÉM DOS QUAIS ALGO DEIXA DE SERPOSSÍVEL OU PERMISSÍVEL-SÉC. XX: ARQUITETURA DIVIDIDA EM 2 VERSÕES- (VOLTADAS PARA A DISSEMINAÇÃO NOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO DE MASSA) MAXIMALISTA X MINIMALISTA -QUESTÕES SOCIAIS -ESTILO -QUESTÕES CULTURAIS -TÉCNICA -QUESTÕES POLÍTICAS ETC. -QUESTÕES PROGRAMÁTICAS“Será que devemos excluir projetos mais audaciosos em nome da preservação da coerência estilísticado movimento moderno?”É preciso resistir a este “estreitamento da arquitetura como forma de conhecimento a umaarquitetura de mero conhecimento de forma”.
  3. 3. -ARQUITETURA E LIMITES II-PRECEITOS ARQUITETÔNICOS:-NOÇÕES DE ESCALA, PROPORÇÃO, SIMETRIA, COMPOSIÇÃO- RELAÇÃO PENSAMENTO/ESPAÇO, ABSTRAÇÃO/SUBSTÂNCIA-TEÓRICO x PRÁTICO- FORMA x FUNÇÃO-TIPOS IDEAIS-ORGANIZAÇÃO DE PROGRAMATRILOGIA VITRUVIANAPRECEITO QUE PERDUROU POR SÉCULOS : SÉC. XX: ROMPIMENTO1. VENUSTAS (APARÊNCIA ATRAENTE) ---------- ESTRUTURA COMO PARTIDO PRINCIPAL2. FIRMITAS (ESTABILIDADE ESTRUTURAL) ---------- AVANÇO DAS TÉCNICAS ESTRUTURAIS: POSSIBIILIDADE DE COMPOR VOLUMES SEM SE ATER À ESTRUTURA3. UTILITAS (ACOMODAÇÃO ESPACIAL) ----------- CORPO-NO-ESPAÇO NO LUGAR DO CORPO-COMO-OBJETOFENOMENOLOGIAINTERAÇÃO DO CORPO HUMANO COM O SEU AMBIENTE:SENSAÇÕES VISUAIS, TÁTEIS, AUDITVAS EOLFATIVAS. OS CORPOS PRODUZEM ESPAÇO POR MEIO E ATRAVÉS DE SEUS MOVIMENTOSCONTEMPORANEIDADE- LIBERDADE DE DISTORÇÃO ÀS NORMAS LINGUÍSTICAS. RECORRENTE DO AVANÇADODESENVOLVIMENTO NO MODO DE PRODUÇÃO DA ARQUITETURA.- CENSURA ÀS OBRAS QUE FOGEM DOS PADRÕES – SEM REGRAS SIMPLES E INSTRUÇÕES CLARAS.
  4. 4. -ARQUITETURA E LIMITES III-PROGRAMA ARQUITETÔNICOLISTA DE REQUISITOS UTILITÁRIOS, ONDE SE INDICA SUAS RELAÇÕES, MAS NÃO SUGERECOMBINAÇÃO OU PROPORÇÃO ENTRE ELAS.- É REFLEXO DE VALORES E CULTURAS PARTICULARES DE UM PERÍODO OU ESTADO;- SEPARAÇÃO USO x CONSTRUÇÃO COM O DESENVOLVIMENTO DE TÉCNICAS CIENTÍFICASBASEADAS NA ANÁLISE ESTRUTURAL E ESPACIAL;- ACADEMICISMO: SOFRERAM CRÍTICAS MODERNISTAS AOS SEUS PROGRAMAS, QUE REFLETIAMUMA SOCIEDADE OBSOLETA;- DÉCADA DE 1930: NOVO CONTEXTO SOCIAL “A FORMA SEGUE A FUNÇÃO”-DÉCADA DE 1950: FRACASSO DE FINS UTÓPICOS DA ARQUITETURA MODERNA “A FORMA SEGUE A FORMA”NÃO HÁ RELAÇÃO CAUSAL NECESSÁRIA ENTRE FUNÇÃO E FORMA. COMPROVADO QUANDOUMA QUANTIDADE SUFICIENTE DE PROGRAMAS CONSEGUIU FUNCIOINAR EM EDIFÍCIOSCONCEBIDOS PARA FINS DIFERENTES.-DÉCADA DE 1970: CRÍTICA MODERNISTA ALIADA À TEORIA DA SEMIÓTICA A ARQUITETURA PASSOU A INTEGRAR O PESO DOS VALORES SIMBÓLICOS, COMUNICATIVOS, HISTÓRICOS E CULTURAIS, GANHANDO UMA CARGA POÉTICA E SINGULAR.
  5. 5. -ARQUITETURA E LIMITES III--ARQUITETURA MODERNISTA x HISTORICISTA AMBAS DEFINEM A ARQUITETURA COMO MANIPULAÇÃO FORMAL OU ESTILÍSTICA A DIFERENÇA ESTÁ NO SIGNIFICADO E NO QUADRO DE REFERÊNCIAS.QUESTIONAMENTO E RUPTURA DA ORTOOXIA DO MOVIMENTO MODERNO-EXPERIMENTAÇÕES ARTÍSTICAS DOS ARQUITETOS ROMPERAM COM A VERDADE ABSOLUTADO MODERNISMO: ORGANIZAÇÕES DE CERIMÔNIAS, PROJETOS TEATRAIS, ENCENAÇÕES,FESTIVIDADES... - SURGIMENTO DE NOVOS CONCEITOS E PROGRAMAS A SÉRIE “’ARQUITETURA E LIMITES’ APRESENTA TRÊS ARQUITETOS – TSCHUMI, REM KOOLHAAS E ALAN PLATTUS – CUJO INTERESSE EM EVENTOS, CERIMÔNIAS E PROGRAMAS SUGERE UM POSSÍVEL AFASTAMENTO TANTO EM RELAÇÃO À ORTODOXIA MODERNISTA COMO AO REVIVAL HISTORICISTA.”
  6. 6. -OBRAS ARQUITETÔNICAS-Biblioteca Central de Seattle, A Casa Dançante em PragaRem Koolhaas e OMA Vlado Milunić e Frank Gehry
  7. 7. -OBRAS ARQUITETÔNICAS-Igreja do Jubileu Coliseu da MúsicaRichard Meier Santiago Calatrava
  8. 8. -OBRAS ARQUITETÔNICAS-Nuragic & Contemporary Art MuseumZaha Hadid UFA-Palast em Dresden Coop Himmelblau
  9. 9. -OBRAS ARQUITETÔNICAS-Imperial War Museum North, Inglaterra Centro Georges PompidouDaniel Libeskind Renzo Piano e Richard Rogers
  10. 10. -OBRAS ARQUITETÔNICAS- Mediacite Ron AradSede da Corporação Nunotani, TóquioPeter Eisenman
  11. 11. -REFERÊNCIAS-Livro: Uma nova agenda para a arquitetura Kate Nesbitt Cosac naify/2006Textos: Arquitetura e limites I, II e III Bernard Tschumi Do capítulo “Pós-estruturalismo e desconstrução” Da série “Arquitetura e limites”, da revista ArtForumImagens – Sites:-http://www.revistaau.com.br/arquitetura-urbanismo/181- Data consulta: 13/05/2011-http://pt.wikipedia.org/wiki/Arquitetura_desconstrutivista - Data consulta: 13/05/2011-http://ronarad.co.uk - Data consulta: 13/05/2011-http://diariodesign.com/ - Data consulta: 13/05/2011-Google imagens - Data consulta: 13/05/2011

×