ESTUDO DE CASO ROCHAVERÁ

5.636 visualizações

Publicada em

Um breve estudo de caso sobre o Edificio Empresarial Rochaverá, localizado na Cidade de São Paulo /SP. Trabalho realizado no curso de Arquitetura e Urbanismo na Universidade Paulista.

Publicada em: Educação
0 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
5.636
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
18
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
201
Comentários
0
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

ESTUDO DE CASO ROCHAVERÁ

  1. 1. ESTUDO DE CASO EDIFÍCIO ROCHAVERÁ Corporate Towers ARQUITETURA E URBANISMO - UNIP DISCENTES: Amanda Minari Fábio Oliveira Gustavo Ferrari Isadora Buchala Luis Vinicius Dian Mariana Chapadeiro SÃO JOSÉ DO RIO PRETO, 2012
  2. 2. FICHA TÉCNICA Período da Obra: 2002 - 2012 Situação: Em Execução Área Construída: 224.600 m² Cliente: Autonomy Investimentos Realização: Aflalo & Gasperini Arquitetos. Pamela Burton & Company - Arquitetura e Paisagismo. Construtora: Tishman Speyer Método Projeto: Julio Kassoy e Mário Franco Localização: Av. das Nações Unidas,14195 – St. Amaro, São Paulo/SP
  3. 3. Localização EDIFÍCIO ROCHAVERÁ
  4. 4. Estudo de Caso Empreendimento da categoria Triple A; Empreendimento da categoria Triple A; Formado por quatro torres com mais de 120 mil m² de área útil de escritórios; Formado por quatro torres com mais de 120 mil m² de área útil de escritórios; Possui praça de caráter semipúblico; Possui praça de caráter semipúblico; Atende a requisitos de sustentabilidade que lhe garantiram uma das primeiras certificações Leed do Brasil; Atende a requisitos de sustentabilidade que lhe garantiram uma das primeiras certificações Leed do Brasil; Quatro premissas: redução do consumo de energia e dos custos operacionais e de manutenção; diminuição do uso de recursos ambientais não renováveis; melhoria da qualidade interna do ar; e ganhos de qualidade de vida e da saúde dos usuários; Quatro premissas: redução do consumo de energia e dos custos operacionais e de manutenção; diminuição do uso de recursos ambientais não renováveis; melhoria da qualidade interna do ar; e ganhos de qualidade de vida e da saúde dos usuários; Sistema próprio de cogeração de energia elétrica, capaz de atender a 100% da carga de todo o complexo. Sistema próprio de cogeração de energia elétrica, capaz de atender a 100% da carga de todo o complexo.
  5. 5. Certificações  Leadership in Energy and Environmental Design (Leed) categoria Gold, do United States Green Building (USGB);  Prêmio Asbea na categoria edifícios de serviços;  Prix d’Excellence como projeto sustentável, concedido pela Federação Internacional da Profissões Imobiliárias (Fiabci).
  6. 6. Estudos para Implantação Sequência de estudos realizados até a configuração final adotada no Rochaverá
  7. 7. CROQUIS
  8. 8. Implantação
  9. 9. CORTE GERAL
  10. 10. CORTE EM PERSPECTIVA 3D
  11. 11. TORRES  Construídas em 3 fases: 1ª) Torres A e B, praça de acesso e central; 2ª) Torre D e demais subsolos; 3ª) Torre C , edifício-garagem e grande praça entre as unidades A e D;  As torres A e B, possuem basicamente o mesmo projeto, com 16 pavimentos-tipo, fachas inclinadas e lajes maiores nos andares superiores. A principal diferença entre elas está nas plantas, que são espelhadas;  A torre D é a menor de todas com apenas 7 pavimentos-tipo;  A torre C é a maior com 30 pavimentos-tipo.
  12. 12. PROJETO ARQUITETÔNICO TORRE A E B
  13. 13. PROJETO ARQUITETÔNICO TORRE A E B
  14. 14. PROJETO ARQUITETÔNICO TORRE A E B
  15. 15. PROJETO ARQUITETÔNICO TORRE A E B
  16. 16. PROJETO ARQUITETÔNICO TORRE A E B
  17. 17. PROJETO ARQUITETÔNICO TORRE C
  18. 18. PROJETO ARQUITETÔNICO TORRE C
  19. 19. PROJETO ARQUITETÔNICO TORRE C
  20. 20. PROJETO ARQUITETÔNICO TORRE D
  21. 21. PROJETO ARQUITETÔNICO TORRE D
  22. 22. PROJETO ARQUITETÔNICO TORRE D
  23. 23. Fachada Torre A e B As duas primeiras torres exibem fachadas que conjugam habilmente simplicidade e impacto visual, características que intencionalmente evitam a obsolescência precoce e dão maior longevidade ao empreendimento. Os planos inclinados das fachadas criam ilusão de ótica e se confundem com a perspectiva, de modo que não podem ser percebidos sem o auxílio de um referencial pelos observadores que estão posicionados frontalmente e muito próximos dos prédios.
  24. 24. Iluminação O projeto de luminotécnica ficou a cargo de Gunter Parschalk, que já assinava a iluminação dos lobbies: À noite, a praça ganha iluminação suave, pois conta com a intensa luz branca dos lobbies. Nas cascatas, as luzes são azuis.
  25. 25. Telhado Verde Outro ponto que contribuiu para a conquista da certificação Leed é o telhado verde, pois ajuda a melhorar a qualidade do ar da cidade, captura dióxido de carbono (CO2) da atmosfera, aprimora a climatização do prédio, a drenagem de águas de chuvas e a biodiversidade urbana.
  26. 26. Jardim A paisagista norte-americana Pamela Burton enviou os croquis, A paisagista norte-americana Pamela Burton enviou os croquis, indicando as passagens e os desníveis, com uma vegetação típica dos Estados Unidos. As plantas nativas brasileiras foram escolhidas pelo paisagista Sergio Santana, que “tropicalizou” o jardim, mas mantendo os efeitos da proposta original. indicando as passagens e os desníveis, com uma vegetação típica dos Estados Unidos. As plantas nativas brasileiras foram escolhidas pelo paisagista Sergio Santana, que “tropicalizou” o jardim, mas mantendo os efeitos da proposta original.
  27. 27. Sustentabilidade Interface dos múltiplos projetos complementares de instalação de sistemas de reúso e captação de água, teto verde, cobertura branca reflexiva (para a não-absorção dos raios solares) e do estacionamento, que incluiu um bicicletário com vestiário. Interface dos múltiplos projetos complementares de instalação de sistemas de reúso e captação de água, teto verde, cobertura branca reflexiva (para a não-absorção dos raios solares) e do estacionamento, que incluiu um bicicletário com vestiário. a construção da fachada translúcida, feita com placas especiais de vidro de alta eficiência energética. Elas cobrem 41% da fachada, fazendo uma barreira ao calor, o que exige menos do sistema de ar condicionado e, em consequência, reduz o consumo de energia elétrica. O destaque ficou para a construção da fachada translúcida, feita com placas especiais de vidro de alta eficiência energética. Elas cobrem 41% da fachada, fazendo uma barreira ao calor, o que exige menos do sistema de ar condicionado e, em consequência, reduz o consumo de energia elétrica.
  28. 28. Autossuficiência com Sistema de Cogeração de Energia O sistema, que demandou investimento inicial próximo a R$ 28 milhões, foi concebido para atender às quatro torres do complexo. A tecnologia permite o atendimento de 100% da demanda interna, alimentando sistemas de climatização e energia de forma ininterrupta. O sistema funciona diariamente, inclusive nos horários de pico, momento em que o consumo de energia chega a até seis vezes mais. Além do retorno econômico, o abastecimento de cogeração de energia a gás proporciona confiabilidade uma vez que, nesses horários, parte das concessionárias de energia elétrica está com o sistema de distribuição congestionado. No processo de cogeração, é possível obter aproveitamento de até 85% do gás empregado no processo, enquanto que em uma termoelétrica, a eficiência gira em torno de 45%, segundo os entrevistados.
  29. 29. O sistema de cogeração é responsável por atender toda a capacidade do complexo em refrigeração e climatização. A mesma água utilizada para resfriar o gás serve para abastecer as edificações Sistema
  30. 30. Sistema Todo o sistema tem capacidade para atender uma demanda total de 4 megawatts de potência. Por conta da entrega da quarta torre a usina está sendo ampliada para dobrar sua capacidade de fornecimento de energia
  31. 31. Obras da Torre A Construção
  32. 32. Referências Bibliográficas PINI WEB - Complexo comercial em São Paulo consegue autossuficiência com sistema de cogeração de energia. Disponível em: http://www.piniweb.com.br/construcao/tecnologia-materiais/complexo-comercial-em-sao- paulo-consegue-autossuficiencia-com-sistema-de-224943-1.asp. Acesso 16 ago 2012 ARCO WEB – Edifícios de escritório Rochaverá, São Paulo. Disponível em: http://www.arcoweb.com.br/arquitetura/aflalo-amp-gasperini-arquitetos-edificios-de-02- 07-2009.html. Acesso 16 ago 2012 SKYSCRAPERCITY - (SP) São Paulo, Rochaverá Corporate Towers, Marginal Pinheiros. Disponível em: http://www.skyscrapercity.com/showthread.php?t=1252009. Acesso 16 ago 2012 ECOD - Telhado Verde é um dos itens que mais contribuem para a certificação Leed. Disponível em: http://canais.ecodesenvolvimento.org/conteudo/posts/2011/marco/parceria-busca-popularizar- os-telhados-verdes-no?canal=corredores-verdes-reduzem-mais-a-poluicao-do- que. Acesso 16 ago 2012 PURARQUITETURA – Rochaverá Coporate Towers. Disponível em: http://www.purarquitetura.arq.br/projeto.php?id=4. Acesso 17 ago 2012

×