aula 14 - parte 1

1.240 visualizações

Publicada em

0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.240
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
57
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

aula 14 - parte 1

  1. 1. ARQUITETURA BRASILEIRA Aula 14 – Anos 90 – Fim de século Parte 1
  2. 2. .... e o Pós-Modernismo ainda presente nos anos 80 ....
  3. 3. Ed. Terra Brasilis – 1986-90 São Paulo - SP Arq. Jorge Königsberger e Gianfranco Vannucchi
  4. 4. Ed. Terra Brasilis – 1986-90 São Paulo - SP Arq. Jorge Königsberger e Gianfranco Vannucchi “ O prédio representa também uma espécie de síntese e ruptura ao mesmo tempo. Síntese pois, ao recorrer à colagem de elementos modernos (como pilotis de Corbusier , marquise curva de Niemeyer , grelha racionalista ), históricos (a torre e o relógio do palácio Vecchio ) ou mesmo locais (como a citação ao escalonamento dos edifícios do centro da cidade ), o projeto é a materialização do momento de instabilidade pelo qual passava a arquitetura, colocando em xeque tanto o modernismo quanto o pós-modernismo. Ruptura, com certa dose de humor e descompromisso, por inspirar-se na ficção - Flash Gordon e Metrópolis , o grande filme expressionista do cineasta Fritz Lang, por exemplo.” (FONTE: http://www.skyscrapercity.com/showthread.php?t=790552).
  5. 5. Anos 90 Arquitetura fim de século
  6. 6. <ul><li>CARACTERÍSTICAS </li></ul><ul><li>diálogo entre espaços e elementos arquiteturais de natureza diversa que passam a se evidenciar por meio do contraste máximo: </li></ul><ul><li>- o opaco e o transparente </li></ul><ul><li>- o maciço e o imaterial </li></ul><ul><li>- o pesado e o leve </li></ul><ul><li>- o fechado e o aberto </li></ul><ul><li>com o fim do período de governo ditatorial a arquitetura torna-se mais “leve” </li></ul><ul><li>preferência por estruturas leves e de rápida execução </li></ul><ul><li>a desmaterialização está em sintonia com as tendências internacionais mais fortes para além do ano 2000, visto que os novos arquitetos utilizam um mínimo possível de alvenarias. </li></ul><ul><li>as transparências, a leveza e a simplicidade advinda de plantas de grande racionalidade remetem inequivocamente aos exemplos mais emblemáticos do Estilo Internacional. </li></ul><ul><li>há na arquitetura, e em boa parte da arquitetura dos anos 90, o espírito inequívoco da &quot;brasilidade&quot;, pois a ditadura acabou e busca-se as raízes nacionais. </li></ul><ul><li>tendência cada vez maior da aplicação do conceito de High Tech (alta tecnologia) com equipamentos mais populares (Ex. elevador de alta velocidade, circuitos internos de segurança, sensores de presença, timers , potenciomêtros de luz, etc.) </li></ul>
  7. 7. <ul><li>diversidade de revestimentos de arquitetura. </li></ul><ul><li>volta do uso da pastilha de vidro </li></ul><ul><li>uso intenso de azulejos coloridos em formatos 10x10cm em fachadas </li></ul><ul><li>aço-inóx e alumínio escovado </li></ul><ul><li>móveis planejados </li></ul><ul><li>diversificação de cores </li></ul><ul><li>alumínio como revestimento de fachadas </li></ul><ul><li>fachadas “pele de vidro” </li></ul><ul><li>preocupação mais intensa com o meio ambiente </li></ul><ul><li>aplicação mais presente dos conceitos: </li></ul><ul><li>- restauro </li></ul><ul><li>- revitalização </li></ul><ul><li>- requalificação </li></ul><ul><li>com o aparecimento das máquinas de tinta com fornecimento na hora para o cliente (tinta latex, esmalte, automotiva, ex. Suvinil, Coral, etc.) a arquitetura tem agora a possibilidade de ter cores mais diversas criadas pelo arquiteto </li></ul><ul><li>o granito e o mármore estão mais presentes como materiais de revestimento </li></ul><ul><li>a vertente do Pós-Modernismo conhecida como Desconstrutivista torna-se mais presente. </li></ul><ul><li>a iluminação na arquitetura é mais atenta quanto a qualidade do efeito cênico, nascendo o conceito de Lighting Design </li></ul>
  8. 8. <ul><li>volta do uso do tijolo de vidro, tão presente nos anos 60 e 70 </li></ul><ul><li>estética da não simetria </li></ul><ul><li>tendência que vem do Desconstrutivismo (Pós-Modernismo) de repetir elementos seqüenciados em fachadas, pisos, etc. (ex. quadrados vazados como se fossem fita de filme) </li></ul><ul><li>preocupação com o urbanismo na busca de soluções para os meios de transporte público e privado com mais fluidez </li></ul><ul><li>instalação mais efetiva de sistemas de segurança </li></ul><ul><li>o conceito de Domótica (automatização predial) </li></ul><ul><li>o gesso começa a ser utilizado em larga escala, principalmente para efeitos em teto com desenhos em sancas </li></ul><ul><li>uso mais intenso do tipo de iluminação fria (lâmpadas fluorescentes, econômicas) </li></ul><ul><li>com a liberação das importações a arquitetura começa a ter mais opções de também de eletrodomésticos </li></ul><ul><li>a sala de televisão transforma-se no Hometeather </li></ul><ul><li>condomínios fechados </li></ul><ul><li>Bienais de Arquitetura </li></ul><ul><li>início da popularização do sistema de desenho CAD através dos computadores do tipo PC </li></ul>
  9. 9. Pinacoteca do Estado de São Paulo - 1993 São Paulo - SP Arq. Paulo Mendes da Rocha Eduardo Colonelli Weliton Torres
  10. 10. Museu Brasileiro da Escultura - MUBE - 1993 São Paulo - SP Arq. Paulo Mendes da Rocha Eduardo Colonelli Weliton Torres
  11. 11. Ed. Previnor - 1993 Salvador – BA Arq. Fernando Peixoto
  12. 12. Ática Shopping Cultural – 1995-97 São Paulo – SP Arq. Paulo Bruno Roberto Cerqueira Cézar
  13. 13. Edifício Birman 21 - 1996 São Paulo - SP Arq. escritório SOM com participação de Villar e Associados
  14. 14. Sala São Paulo - 1997 São Paulo - SP Arq. Nelson Dupré
  15. 15. Hotel Renaissance – 1997 São Paulo - SP Proj. Ruy Ohtake
  16. 16. Avanço ou retrocesso “ Se nos anos 80 podemos observar a predominância do pós-modernismo estéril e caricato, mas que de certa forma sinalizava uma tentativa de “acertar os ponteiros” com a produção internacional, os anos 90 são marcados por um abismo entre a “redescoberta” do moderno por uma nova geração de jovens talentosos e a arquitetura ostentatória e opressiva dos grandes edifícios corporativos - a versão nacional do grande conflito mundial gestado pela globalização - e entre a padronização capitalista e as sobrevivências regionais.” (FONTE: Ana Luíza Nobre Arquiteta, membro do Comitê Internacional dos Críticos de Arquitetura (Cica), editora do site arquitetura.critica. In: http://www.arcoweb.com.br/artigos/arquitetura-brasileira-nos-anos-90-a-opiniao-23-01-2001.html).
  17. 17. Museu de Niterói – 1996 Proj. Oscar Niemeyer
  18. 18. FONTE: http://www.itaucultural.org.br/aplicexternas/enciclopedia_ic/index.cfm?fuseaction=instituicoes_texto&cd_verbete=4991

×