Lina Bo Bardi

1.665 visualizações

Publicada em

Trabalho desenvolvido para a disciplina de Arquitetura do Brasil da Faculdade Multivix Vitória, ES.
A vida e obra de Lina Bo Bardi.

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.665
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
59
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Lina Bo Bardi

  1. 1. 1 Lina Bo Bardi Arquitetura no Brasil Alunos: Nayara Carvalho Turma: 122NA Raiaq Roos Multivix Vitória
  2. 2. 2 “No fundo vejo a arquitetura como serviço coletivo e como poesia.” – Lina Bo Bardi Arquiteta, designer, cenógrafa, editora e ilustradora. 1914 – Achillina Bo, nasceu em 05 de dezembro em Roma, Itália. 1939 – Graduou-se na Faculdade de Arquitetura de Roma. 1940 – Passa a atuar como arquiteta em Milão. 1946 – Retorna a Roma, se casa com Pietro Maria Bardi. Em outubro viajam para o Brasil. No Rio de Janeiro são recebidos pelo IAB. Conhece Lúcio Costa, Oscar Niemeyer, Rocha Miranda, Burle Marx, entre outros. 1947 – Fundação do Masp com sede provisória, em 1957 faz o projeto da nova sede.
  3. 3. 3 "Quando a gente nasce, não escolhe nada, nasce por acaso. Eu não nasci aqui, escolhi este lugar para viver.” – Lina Bo Bardi 1951 – Naturaliza-se brasileira. 1955 – Começa a atuar como docente na USP onde permanece até 1957. 1958 – Início das atividades em Salvador. 1960 – Inauguração das instalações provisórias do MAM-BA no foyer do Teatro Castro Alves, em janeiro. 1968 – Inaugurado o MASP na Avenida Paulista. 1977 – Inicia o projeto do Centro de Lazer Sesc - Fábrica Pompéia. 1991 – Pavilhão do Brasil na Exposição Internacional. 1992 - Lina morre em 20 de março na Casa de Vidro.
  4. 4. 4 Contexto da Trajetória Profissional:  Segunda Guerra Mundial (1939-1945);  Estúdio “Bo e Pagani” em 1940 na Via Gesù, com o arquiteto Carlo Pagani;  Em 1943 seu estúdio é destruído;  Arquitetos simpatizantes da resistência;  Movimento Studi Architettura;  Viagem por toda a Itália;  Vinda para o Brasil, reconstruindo a vida;  SP, desenvolvimento acelerado;  Trabalho em salvador, ditadura;  Nova Fase: Marcelo Ferraz, André Vainer e Marcelo Suzuki;  Últimos projetos.
  5. 5. 5 Principais Obras: MASP, 1957 Casa de Vidro – SP, 1951 Igreja E. Santo do Cerrado - Uberlândia,1976 MAM - SP, 1959
  6. 6. Casa do Chame-Chame - Salvador 1958 Restauro Solar do Unhão - Salvador 1959 6 Casa do Olodum - Salvador, 1988 Ladeira da Misericórdia - Salvador 1987
  7. 7. 7 SESC POMPÉIA – SP, 1977 André Vainer, Lina e Marcelo Ferraz “Arquitetura, para mim, é ver um velhinho, ou uma criança com um prato cheio de comida atravessando elegantemente o espaço do nosso restaurante à procura de um lugar para se sentar, numa mesa coletiva”. – Lina Bo Bardi
  8. 8. 8 Localização Fábrica Pompéia Original Análise da Implantação
  9. 9. 9 Análise do Complexo Original
  10. 10. 10 Teatro Espaço de leitura Restaurante Espaço de leitura com espelho d’água
  11. 11. 11 Análise do Anexo aos fundos do terreno
  12. 12. 12 Análise do Anexo aos fundos do terreno
  13. 13. 13 Quadras Poliesportivas Piscinas Ginástica
  14. 14. 14 Considerações Finais: Lina Bo Bardi certamente contribuiu muito para a formação da Arquitetura que conhecemos hoje. Ela foi o elo entre a Arquitetura Moderna desgastada e a contemporânea. As marcas que deixou certamente influenciarão arquitetos ao longo dos anos assim como influenciou Marcelo Ferraz, seu colaborador de 1977 a 1992, sócio-fundador do Escritório Brasil Arquitetura, referência em Arquitetura no país. Muito a frente de seu tempo, Lina propõe uma arquitetura mais socialista ou até mesmo comunista, no sentido de levar a arquitetura para todos, de torná-la acessível, convidativa e não opressiva à população e à cidade. O Projeto do Sesc Pompéia foi o ápice da experiência de Lina, e com poucas palavras ela descreve sua obra: “Fizemos aqui, uma experiência socialista.”

×