SlideShare uma empresa Scribd logo

Apresentação sobre análise de conjuntura econômica brasileira

Apresentação realizada para alunos e dois professores da Universidade Presbiteriana Mackenzie; abordando aspectos analisados em trabalho sobre conjuntura econômica brasileira.

1 de 90
Baixar para ler offline
Análise de Conjuntura para 2016
André Machado - 31333834
Daniel Cuzzi - 31350992
Danilo Augusto - 31213677
Dayane Santana - 31171354
Felipe Teixeira - 30817005
Gustavo Lima - 31054994
Tarik Kallas - 41324927
Thiago Tadao - 31340512
Introdução
 Tema: A inflação brasileira para o ano de 2016.
 Delimitação do Tema: O cenário econômico brasileiro para 2016, em uma análise
retrospectiva e prospectiva, tendo como principal alicerce o controle da inflação.
 Problema de Pesquisa: O Banco Central alcançará, pelo menos, o teto da meta
em 2016?
 Hipótese: Pela gravidade do cenário conjuntural brasileiro e uma concomitante
crise política, que interfere na flexibilidade fiscal, assume-se que o Banco Central não
obterá o controle da inflação ao ponto de ser alcançado o teto da meta de 6,5%.
Referencial Teórico: Escola Novo-Clássica.
 Individualismo Metodológico.
 Racionalidade dos agentes
 Micro: Maximização de utilidade e lucro.
 Macro: Expectativas Racionais.
 Equilíbrio Geral.
 Oferta Agregada Inelástica No Curto Prazo.
 Taxa Natural de Desemprego.
 Algumas Implicações
 Metas para a Inflação.
 Superávit Primário.
 Dominância Monetária.
Setor Externo
Cenário Político Internacional
Estados Unidos
 Eleições Presidenciais
 Principais candidatos:
1. Donald Trump - Partido Republicano; e
2. Hillary Clinton - Partido Democrata.
 Acordo Transpacífico (TPP)
 Posição:
i. Hillary Clinton: se opõe ao acordo temendo uma guerra cambial;
ii. Donald Trump: se opõe ao acordo por entender ser prejudicial aos EUA.
 China
 Posição:
 Hillary Clinton: tendência a manter uma relação cooperativa.
 Donald Trump: acusa a China de desvalorizar o renminbi artificialmente
em benefício de seus produtos exportáveis. Tende a endurecer as relações com
Beijing.
 Riscos: a eleição de Trump poderia trazer volatilidade aos ativos
financeiros, dada a sua posição em relação a China.

Recomendados

Exercício sobre colocação pronominal
Exercício sobre colocação pronominalExercício sobre colocação pronominal
Exercício sobre colocação pronominalMaria De Lourdes Ramos
 
6_ANO_EF_PLANO_DE_CURSO_2023 (2).pdf
6_ANO_EF_PLANO_DE_CURSO_2023 (2).pdf6_ANO_EF_PLANO_DE_CURSO_2023 (2).pdf
6_ANO_EF_PLANO_DE_CURSO_2023 (2).pdfJoaoAlves319493
 
Resumo sobre o "Modernismo em Portugal"
Resumo sobre o "Modernismo em Portugal"Resumo sobre o "Modernismo em Portugal"
Resumo sobre o "Modernismo em Portugal"Paula Meyer Piagentini
 
Mapa mental humanismo
Mapa mental humanismoMapa mental humanismo
Mapa mental humanismoJulimac
 
TAG Transtorno da Ansiedade Generalizada - Curso Psicologia Cognitiva da Ansi...
TAG Transtorno da Ansiedade Generalizada - Curso Psicologia Cognitiva da Ansi...TAG Transtorno da Ansiedade Generalizada - Curso Psicologia Cognitiva da Ansi...
TAG Transtorno da Ansiedade Generalizada - Curso Psicologia Cognitiva da Ansi...Felipe de Souza
 
Romantismo - 1ª geração - Literauta.
Romantismo - 1ª geração - Literauta.Romantismo - 1ª geração - Literauta.
Romantismo - 1ª geração - Literauta.Julia Maldonado Garcia
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Exercicios suplementares-7s-series-1-trim-2010
Exercicios suplementares-7s-series-1-trim-2010Exercicios suplementares-7s-series-1-trim-2010
Exercicios suplementares-7s-series-1-trim-2010Julia Candido
 
A evolução, multideterminação e processo grupal- psicologia social1
A evolução, multideterminação e processo grupal- psicologia social1A evolução, multideterminação e processo grupal- psicologia social1
A evolução, multideterminação e processo grupal- psicologia social1Daniele Rubim
 
Promovendo o DESENVOLVIMENTO da PRIMEIRA INFÂNCIA - síntese de evidências par...
Promovendo o DESENVOLVIMENTO da PRIMEIRA INFÂNCIA - síntese de evidências par...Promovendo o DESENVOLVIMENTO da PRIMEIRA INFÂNCIA - síntese de evidências par...
Promovendo o DESENVOLVIMENTO da PRIMEIRA INFÂNCIA - síntese de evidências par...Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Henri matisse colagem
Henri matisse colagemHenri matisse colagem
Henri matisse colagemCEF16
 
A Crítica Psicanalítica
A Crítica PsicanalíticaA Crítica Psicanalítica
A Crítica PsicanalíticaSobre Letras
 
Breve Histórico Do Assaré - CE
Breve Histórico Do Assaré - CEBreve Histórico Do Assaré - CE
Breve Histórico Do Assaré - CEprofesfrancleite
 
Avaliação filosofia 1o_bimestre_2oano_2012
Avaliação filosofia 1o_bimestre_2oano_2012Avaliação filosofia 1o_bimestre_2oano_2012
Avaliação filosofia 1o_bimestre_2oano_2012Rafael Oliveira
 
2º estudo de geografia - 7º ano - 2º trimestre
2º estudo de geografia - 7º ano - 2º trimestre2º estudo de geografia - 7º ano - 2º trimestre
2º estudo de geografia - 7º ano - 2º trimestreLuiza Collet
 
Mapa Resumo classicismo
Mapa Resumo classicismoMapa Resumo classicismo
Mapa Resumo classicismoJulimac
 
Terapia Cognitivo Comportamental dos Transtornos da Personalidade
Terapia Cognitivo Comportamental dos Transtornos da PersonalidadeTerapia Cognitivo Comportamental dos Transtornos da Personalidade
Terapia Cognitivo Comportamental dos Transtornos da PersonalidadeEduardo Moreira
 

Mais procurados (20)

Teorias sobre as emoções
Teorias sobre as emoçõesTeorias sobre as emoções
Teorias sobre as emoções
 
Exercicios suplementares-7s-series-1-trim-2010
Exercicios suplementares-7s-series-1-trim-2010Exercicios suplementares-7s-series-1-trim-2010
Exercicios suplementares-7s-series-1-trim-2010
 
Relações Precoces
Relações PrecocesRelações Precoces
Relações Precoces
 
Emoções
EmoçõesEmoções
Emoções
 
Emoção
Emoção  Emoção
Emoção
 
A evolução, multideterminação e processo grupal- psicologia social1
A evolução, multideterminação e processo grupal- psicologia social1A evolução, multideterminação e processo grupal- psicologia social1
A evolução, multideterminação e processo grupal- psicologia social1
 
Promovendo o DESENVOLVIMENTO da PRIMEIRA INFÂNCIA - síntese de evidências par...
Promovendo o DESENVOLVIMENTO da PRIMEIRA INFÂNCIA - síntese de evidências par...Promovendo o DESENVOLVIMENTO da PRIMEIRA INFÂNCIA - síntese de evidências par...
Promovendo o DESENVOLVIMENTO da PRIMEIRA INFÂNCIA - síntese de evidências par...
 
Henri matisse colagem
Henri matisse colagemHenri matisse colagem
Henri matisse colagem
 
John watson.
John watson.John watson.
John watson.
 
A Crítica Psicanalítica
A Crítica PsicanalíticaA Crítica Psicanalítica
A Crítica Psicanalítica
 
Tópico 3 cidadania e direitos sociais (idh)
Tópico 3 cidadania e direitos sociais (idh)Tópico 3 cidadania e direitos sociais (idh)
Tópico 3 cidadania e direitos sociais (idh)
 
Ultrarromantismo
UltrarromantismoUltrarromantismo
Ultrarromantismo
 
Breve Histórico Do Assaré - CE
Breve Histórico Do Assaré - CEBreve Histórico Do Assaré - CE
Breve Histórico Do Assaré - CE
 
Avaliação filosofia 1o_bimestre_2oano_2012
Avaliação filosofia 1o_bimestre_2oano_2012Avaliação filosofia 1o_bimestre_2oano_2012
Avaliação filosofia 1o_bimestre_2oano_2012
 
2º estudo de geografia - 7º ano - 2º trimestre
2º estudo de geografia - 7º ano - 2º trimestre2º estudo de geografia - 7º ano - 2º trimestre
2º estudo de geografia - 7º ano - 2º trimestre
 
Freud apresentação
Freud apresentaçãoFreud apresentação
Freud apresentação
 
AS EMOÇÕES
AS EMOÇÕESAS EMOÇÕES
AS EMOÇÕES
 
Pop art 9 questao 05
Pop art 9  questao 05Pop art 9  questao 05
Pop art 9 questao 05
 
Mapa Resumo classicismo
Mapa Resumo classicismoMapa Resumo classicismo
Mapa Resumo classicismo
 
Terapia Cognitivo Comportamental dos Transtornos da Personalidade
Terapia Cognitivo Comportamental dos Transtornos da PersonalidadeTerapia Cognitivo Comportamental dos Transtornos da Personalidade
Terapia Cognitivo Comportamental dos Transtornos da Personalidade
 

Semelhante a Apresentação sobre análise de conjuntura econômica brasileira

Retrospectiva Prospectiva: Um futuro não muito brilhante
Retrospectiva Prospectiva: Um futuro não muito brilhanteRetrospectiva Prospectiva: Um futuro não muito brilhante
Retrospectiva Prospectiva: Um futuro não muito brilhanteBanco Pine
 
Gustavoloyola 100525082203-phpapp02
Gustavoloyola 100525082203-phpapp02Gustavoloyola 100525082203-phpapp02
Gustavoloyola 100525082203-phpapp02arianh
 
Apresentação do ministro Guido Mantega
Apresentação do ministro Guido MantegaApresentação do ministro Guido Mantega
Apresentação do ministro Guido MantegaCartaCapital
 
Palestra: Um Mundo de Incertezas - Albert Fishlow
Palestra: Um Mundo de Incertezas - Albert FishlowPalestra: Um Mundo de Incertezas - Albert Fishlow
Palestra: Um Mundo de Incertezas - Albert FishlowExpoGestão
 
Cenários econômicos Brasil 2016
Cenários econômicos Brasil 2016Cenários econômicos Brasil 2016
Cenários econômicos Brasil 2016Wagner Gonsalez
 
Relatório economia 2011
Relatório economia 2011Relatório economia 2011
Relatório economia 2011hasaverus
 
14 03 14 brasil (nova versao)
14 03 14 brasil  (nova versao)14 03 14 brasil  (nova versao)
14 03 14 brasil (nova versao)MB Associados
 
14 03 14 brn (nova versao)
14 03 14 brn (nova versao)14 03 14 brn (nova versao)
14 03 14 brn (nova versao)MB Associados
 
A instabilidade econômica nacional e impactos no mercado consumidor
A instabilidade econômica nacional e impactos no mercado consumidorA instabilidade econômica nacional e impactos no mercado consumidor
A instabilidade econômica nacional e impactos no mercado consumidorFundação de Economia e Estatística
 
Apresentação - PEC 241/2016 e o Novo Regime Fiscal do Brasil (24/08/2016)
Apresentação - PEC 241/2016 e o Novo Regime Fiscal do Brasil (24/08/2016)Apresentação - PEC 241/2016 e o Novo Regime Fiscal do Brasil (24/08/2016)
Apresentação - PEC 241/2016 e o Novo Regime Fiscal do Brasil (24/08/2016)Ministério da Economia
 
Os Movimentos Sociais Atuais e suas repercussões na economia
Os Movimentos Sociais Atuais e suas repercussões na economiaOs Movimentos Sociais Atuais e suas repercussões na economia
Os Movimentos Sociais Atuais e suas repercussões na economiaAPEPREM
 
Cenários Econômicos para o Brasil Focalizados na Crise Mundial
Cenários Econômicos para o  Brasil Focalizados na Crise MundialCenários Econômicos para o  Brasil Focalizados na Crise Mundial
Cenários Econômicos para o Brasil Focalizados na Crise MundialMacroplan
 
“Desempenho da Indústria Gráfica Brasileira em 2011 e Perspectivas para 2012
“Desempenho da Indústria Gráfica Brasileira em 2011 e Perspectivas para 2012“Desempenho da Indústria Gráfica Brasileira em 2011 e Perspectivas para 2012
“Desempenho da Indústria Gráfica Brasileira em 2011 e Perspectivas para 2012ABIGRAF
 

Semelhante a Apresentação sobre análise de conjuntura econômica brasileira (20)

Retrospectiva Prospectiva: Um futuro não muito brilhante
Retrospectiva Prospectiva: Um futuro não muito brilhanteRetrospectiva Prospectiva: Um futuro não muito brilhante
Retrospectiva Prospectiva: Um futuro não muito brilhante
 
Gustavoloyola 100525082203-phpapp02
Gustavoloyola 100525082203-phpapp02Gustavoloyola 100525082203-phpapp02
Gustavoloyola 100525082203-phpapp02
 
Oficina de Federalismo Fiscal – SEAE/MF
Oficina de Federalismo Fiscal – SEAE/MFOficina de Federalismo Fiscal – SEAE/MF
Oficina de Federalismo Fiscal – SEAE/MF
 
Apresentação do ministro Guido Mantega
Apresentação do ministro Guido MantegaApresentação do ministro Guido Mantega
Apresentação do ministro Guido Mantega
 
Boletim depe 03_maio_2016
Boletim depe 03_maio_2016Boletim depe 03_maio_2016
Boletim depe 03_maio_2016
 
Palestra: Um Mundo de Incertezas - Albert Fishlow
Palestra: Um Mundo de Incertezas - Albert FishlowPalestra: Um Mundo de Incertezas - Albert Fishlow
Palestra: Um Mundo de Incertezas - Albert Fishlow
 
Relatório Sobre Acréscimos na Selic
Relatório Sobre Acréscimos na SelicRelatório Sobre Acréscimos na Selic
Relatório Sobre Acréscimos na Selic
 
Cenários econômicos Brasil 2016
Cenários econômicos Brasil 2016Cenários econômicos Brasil 2016
Cenários econômicos Brasil 2016
 
Apresentação Seminário Economia
Apresentação Seminário EconomiaApresentação Seminário Economia
Apresentação Seminário Economia
 
Relatório economia 2011
Relatório economia 2011Relatório economia 2011
Relatório economia 2011
 
Economia brasileira: uma visão macro e setorial
Economia brasileira: uma visão macro e setorialEconomia brasileira: uma visão macro e setorial
Economia brasileira: uma visão macro e setorial
 
14 03 14 brasil (nova versao)
14 03 14 brasil  (nova versao)14 03 14 brasil  (nova versao)
14 03 14 brasil (nova versao)
 
14 03 14 brn (nova versao)
14 03 14 brn (nova versao)14 03 14 brn (nova versao)
14 03 14 brn (nova versao)
 
A instabilidade econômica nacional e impactos no mercado consumidor
A instabilidade econômica nacional e impactos no mercado consumidorA instabilidade econômica nacional e impactos no mercado consumidor
A instabilidade econômica nacional e impactos no mercado consumidor
 
Apresentação - PEC 241/2016 e o Novo Regime Fiscal do Brasil (24/08/2016)
Apresentação - PEC 241/2016 e o Novo Regime Fiscal do Brasil (24/08/2016)Apresentação - PEC 241/2016 e o Novo Regime Fiscal do Brasil (24/08/2016)
Apresentação - PEC 241/2016 e o Novo Regime Fiscal do Brasil (24/08/2016)
 
Perspectivas Econômicas - Itaú
Perspectivas Econômicas - ItaúPerspectivas Econômicas - Itaú
Perspectivas Econômicas - Itaú
 
ME.pptx
ME.pptxME.pptx
ME.pptx
 
Os Movimentos Sociais Atuais e suas repercussões na economia
Os Movimentos Sociais Atuais e suas repercussões na economiaOs Movimentos Sociais Atuais e suas repercussões na economia
Os Movimentos Sociais Atuais e suas repercussões na economia
 
Cenários Econômicos para o Brasil Focalizados na Crise Mundial
Cenários Econômicos para o  Brasil Focalizados na Crise MundialCenários Econômicos para o  Brasil Focalizados na Crise Mundial
Cenários Econômicos para o Brasil Focalizados na Crise Mundial
 
“Desempenho da Indústria Gráfica Brasileira em 2011 e Perspectivas para 2012
“Desempenho da Indústria Gráfica Brasileira em 2011 e Perspectivas para 2012“Desempenho da Indústria Gráfica Brasileira em 2011 e Perspectivas para 2012
“Desempenho da Indústria Gráfica Brasileira em 2011 e Perspectivas para 2012
 

Mais de Thiago Yajima

Pre Projeto Fea-USP-Thiago Yajima
Pre Projeto Fea-USP-Thiago YajimaPre Projeto Fea-USP-Thiago Yajima
Pre Projeto Fea-USP-Thiago YajimaThiago Yajima
 
CAPITAL ASSET PRICING MODEL (CAPM) UM TESTE DO MODELO BÁSICO PARA O MERCADO B...
CAPITAL ASSET PRICING MODEL (CAPM)UM TESTE DO MODELO BÁSICO PARA O MERCADO B...CAPITAL ASSET PRICING MODEL (CAPM)UM TESTE DO MODELO BÁSICO PARA O MERCADO B...
CAPITAL ASSET PRICING MODEL (CAPM) UM TESTE DO MODELO BÁSICO PARA O MERCADO B...Thiago Yajima
 
Apresentação de trabalho sobre Gestão de Riscos Financeiros
Apresentação de trabalho sobre Gestão de Riscos FinanceirosApresentação de trabalho sobre Gestão de Riscos Financeiros
Apresentação de trabalho sobre Gestão de Riscos FinanceirosThiago Yajima
 
1º Governo Lula - 2003-2006
1º Governo Lula - 2003-20061º Governo Lula - 2003-2006
1º Governo Lula - 2003-2006Thiago Yajima
 
GREEN BONDS - OPORTUNIDADE PARA O SETOR DE ENERGIAS RENOVÁVEIS NO BRASIL E ...
GREEN BONDS - OPORTUNIDADE PARA O SETOR  DE ENERGIAS RENOVÁVEIS NO  BRASIL E ...GREEN BONDS - OPORTUNIDADE PARA O SETOR  DE ENERGIAS RENOVÁVEIS NO  BRASIL E ...
GREEN BONDS - OPORTUNIDADE PARA O SETOR DE ENERGIAS RENOVÁVEIS NO BRASIL E ...Thiago Yajima
 
Seminário de Conjuntura Econômica para 2016
Seminário de Conjuntura Econômica para 2016Seminário de Conjuntura Econômica para 2016
Seminário de Conjuntura Econômica para 2016Thiago Yajima
 
Business Plan - Cervejaria Royal
Business Plan - Cervejaria RoyalBusiness Plan - Cervejaria Royal
Business Plan - Cervejaria RoyalThiago Yajima
 
CONJUNTURA ECONÔMICA BRASILEIRA
CONJUNTURA ECONÔMICA BRASILEIRACONJUNTURA ECONÔMICA BRASILEIRA
CONJUNTURA ECONÔMICA BRASILEIRAThiago Yajima
 
Trabalho sobre gestão de riscos financeiros
Trabalho sobre gestão de riscos financeirosTrabalho sobre gestão de riscos financeiros
Trabalho sobre gestão de riscos financeirosThiago Yajima
 
Analise setorial - Setor de bebidas não alcoólicas gaseificadas
Analise setorial - Setor de bebidas não alcoólicas gaseificadasAnalise setorial - Setor de bebidas não alcoólicas gaseificadas
Analise setorial - Setor de bebidas não alcoólicas gaseificadasThiago Yajima
 
Plano de negócios - Loja de produtos alimentícios a granel e embalagens ambie...
Plano de negócios - Loja de produtos alimentícios a granel e embalagens ambie...Plano de negócios - Loja de produtos alimentícios a granel e embalagens ambie...
Plano de negócios - Loja de produtos alimentícios a granel e embalagens ambie...Thiago Yajima
 
CAPITAL ASSET PRICING MODEL (CAPM): UM TESTE DO MODELO BÁSICO PARA O MERCADO ...
CAPITAL ASSET PRICING MODEL (CAPM): UM TESTE DO MODELO BÁSICO PARA O MERCADO ...CAPITAL ASSET PRICING MODEL (CAPM): UM TESTE DO MODELO BÁSICO PARA O MERCADO ...
CAPITAL ASSET PRICING MODEL (CAPM): UM TESTE DO MODELO BÁSICO PARA O MERCADO ...Thiago Yajima
 
GREEN BONDS ­‐ OPORTUNIDADE PARA O SETOR DE ENERGIAS RENOVÁVEIS NO BRASIL E A...
GREEN BONDS ­‐ OPORTUNIDADE PARA O SETOR DE ENERGIAS RENOVÁVEIS NO BRASIL E A...GREEN BONDS ­‐ OPORTUNIDADE PARA O SETOR DE ENERGIAS RENOVÁVEIS NO BRASIL E A...
GREEN BONDS ­‐ OPORTUNIDADE PARA O SETOR DE ENERGIAS RENOVÁVEIS NO BRASIL E A...Thiago Yajima
 

Mais de Thiago Yajima (13)

Pre Projeto Fea-USP-Thiago Yajima
Pre Projeto Fea-USP-Thiago YajimaPre Projeto Fea-USP-Thiago Yajima
Pre Projeto Fea-USP-Thiago Yajima
 
CAPITAL ASSET PRICING MODEL (CAPM) UM TESTE DO MODELO BÁSICO PARA O MERCADO B...
CAPITAL ASSET PRICING MODEL (CAPM)UM TESTE DO MODELO BÁSICO PARA O MERCADO B...CAPITAL ASSET PRICING MODEL (CAPM)UM TESTE DO MODELO BÁSICO PARA O MERCADO B...
CAPITAL ASSET PRICING MODEL (CAPM) UM TESTE DO MODELO BÁSICO PARA O MERCADO B...
 
Apresentação de trabalho sobre Gestão de Riscos Financeiros
Apresentação de trabalho sobre Gestão de Riscos FinanceirosApresentação de trabalho sobre Gestão de Riscos Financeiros
Apresentação de trabalho sobre Gestão de Riscos Financeiros
 
1º Governo Lula - 2003-2006
1º Governo Lula - 2003-20061º Governo Lula - 2003-2006
1º Governo Lula - 2003-2006
 
GREEN BONDS - OPORTUNIDADE PARA O SETOR DE ENERGIAS RENOVÁVEIS NO BRASIL E ...
GREEN BONDS - OPORTUNIDADE PARA O SETOR  DE ENERGIAS RENOVÁVEIS NO  BRASIL E ...GREEN BONDS - OPORTUNIDADE PARA O SETOR  DE ENERGIAS RENOVÁVEIS NO  BRASIL E ...
GREEN BONDS - OPORTUNIDADE PARA O SETOR DE ENERGIAS RENOVÁVEIS NO BRASIL E ...
 
Seminário de Conjuntura Econômica para 2016
Seminário de Conjuntura Econômica para 2016Seminário de Conjuntura Econômica para 2016
Seminário de Conjuntura Econômica para 2016
 
Business Plan - Cervejaria Royal
Business Plan - Cervejaria RoyalBusiness Plan - Cervejaria Royal
Business Plan - Cervejaria Royal
 
CONJUNTURA ECONÔMICA BRASILEIRA
CONJUNTURA ECONÔMICA BRASILEIRACONJUNTURA ECONÔMICA BRASILEIRA
CONJUNTURA ECONÔMICA BRASILEIRA
 
Trabalho sobre gestão de riscos financeiros
Trabalho sobre gestão de riscos financeirosTrabalho sobre gestão de riscos financeiros
Trabalho sobre gestão de riscos financeiros
 
Analise setorial - Setor de bebidas não alcoólicas gaseificadas
Analise setorial - Setor de bebidas não alcoólicas gaseificadasAnalise setorial - Setor de bebidas não alcoólicas gaseificadas
Analise setorial - Setor de bebidas não alcoólicas gaseificadas
 
Plano de negócios - Loja de produtos alimentícios a granel e embalagens ambie...
Plano de negócios - Loja de produtos alimentícios a granel e embalagens ambie...Plano de negócios - Loja de produtos alimentícios a granel e embalagens ambie...
Plano de negócios - Loja de produtos alimentícios a granel e embalagens ambie...
 
CAPITAL ASSET PRICING MODEL (CAPM): UM TESTE DO MODELO BÁSICO PARA O MERCADO ...
CAPITAL ASSET PRICING MODEL (CAPM): UM TESTE DO MODELO BÁSICO PARA O MERCADO ...CAPITAL ASSET PRICING MODEL (CAPM): UM TESTE DO MODELO BÁSICO PARA O MERCADO ...
CAPITAL ASSET PRICING MODEL (CAPM): UM TESTE DO MODELO BÁSICO PARA O MERCADO ...
 
GREEN BONDS ­‐ OPORTUNIDADE PARA O SETOR DE ENERGIAS RENOVÁVEIS NO BRASIL E A...
GREEN BONDS ­‐ OPORTUNIDADE PARA O SETOR DE ENERGIAS RENOVÁVEIS NO BRASIL E A...GREEN BONDS ­‐ OPORTUNIDADE PARA O SETOR DE ENERGIAS RENOVÁVEIS NO BRASIL E A...
GREEN BONDS ­‐ OPORTUNIDADE PARA O SETOR DE ENERGIAS RENOVÁVEIS NO BRASIL E A...
 

Último

ATIVIDADE 1 - PRÁTICA PEDAGÓGICA SABERES DIGITAIS - 512024.pdf
ATIVIDADE 1 - PRÁTICA PEDAGÓGICA SABERES DIGITAIS - 512024.pdfATIVIDADE 1 - PRÁTICA PEDAGÓGICA SABERES DIGITAIS - 512024.pdf
ATIVIDADE 1 - PRÁTICA PEDAGÓGICA SABERES DIGITAIS - 512024.pdfliliandlm20
 
No âmbito do Direito, a interpretação das normas é essencial para sua aplicaç...
No âmbito do Direito, a interpretação das normas é essencial para sua aplicaç...No âmbito do Direito, a interpretação das normas é essencial para sua aplicaç...
No âmbito do Direito, a interpretação das normas é essencial para sua aplicaç...dl assessoria 8
 
Um País na América do Sul foi denunciado por violação a direitos humanos pelo...
Um País na América do Sul foi denunciado por violação a direitos humanos pelo...Um País na América do Sul foi denunciado por violação a direitos humanos pelo...
Um País na América do Sul foi denunciado por violação a direitos humanos pelo...leonardodl361
 
Em 26 de janeiro de 2024, a Agência Petrobras fez o seguinte comunicado: Petr...
Em 26 de janeiro de 2024, a Agência Petrobras fez o seguinte comunicado: Petr...Em 26 de janeiro de 2024, a Agência Petrobras fez o seguinte comunicado: Petr...
Em 26 de janeiro de 2024, a Agência Petrobras fez o seguinte comunicado: Petr...AcademicaDlaUnicesum
 
Presente nas discussões de quase todas as áreas das atividades humanas, a Bio...
Presente nas discussões de quase todas as áreas das atividades humanas, a Bio...Presente nas discussões de quase todas as áreas das atividades humanas, a Bio...
Presente nas discussões de quase todas as áreas das atividades humanas, a Bio...dl assessoria9
 
MAPA - ENF - FUNDAMENTOS BÁSICOS DA PRÁTICA ASSISTENCIAL - 51/2024
MAPA - ENF - FUNDAMENTOS BÁSICOS DA PRÁTICA ASSISTENCIAL - 51/2024MAPA - ENF - FUNDAMENTOS BÁSICOS DA PRÁTICA ASSISTENCIAL - 51/2024
MAPA - ENF - FUNDAMENTOS BÁSICOS DA PRÁTICA ASSISTENCIAL - 51/2024AaAssessoriadll
 
ATIVIDADE 1 - BEDU - ATIVIDADE FÍSICA E QUALIDADE DE VIDA - 51/2024
ATIVIDADE 1 - BEDU - ATIVIDADE FÍSICA E QUALIDADE DE VIDA - 51/2024ATIVIDADE 1 - BEDU - ATIVIDADE FÍSICA E QUALIDADE DE VIDA - 51/2024
ATIVIDADE 1 - BEDU - ATIVIDADE FÍSICA E QUALIDADE DE VIDA - 51/2024AssessoriaDl1
 
EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO Nº 05-2024 - 17º SALÃO DO ARTESANATO - RAÍZES BR...
EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO Nº 05-2024 - 17º SALÃO DO ARTESANATO - RAÍZES BR...EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO Nº 05-2024 - 17º SALÃO DO ARTESANATO - RAÍZES BR...
EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO Nº 05-2024 - 17º SALÃO DO ARTESANATO - RAÍZES BR...AgnesVitoriano
 
Em 26 de janeiro de 2024, a Agência Petrobras fez o seguinte comunicado: Petr...
Em 26 de janeiro de 2024, a Agência Petrobras fez o seguinte comunicado: Petr...Em 26 de janeiro de 2024, a Agência Petrobras fez o seguinte comunicado: Petr...
Em 26 de janeiro de 2024, a Agência Petrobras fez o seguinte comunicado: Petr...AcademicaDlaUnicesum
 
Demora na entrega e altas taxas são as principais reclamações de usuários de ...
Demora na entrega e altas taxas são as principais reclamações de usuários de ...Demora na entrega e altas taxas são as principais reclamações de usuários de ...
Demora na entrega e altas taxas são as principais reclamações de usuários de ...assedlmoi
 

Último (10)

ATIVIDADE 1 - PRÁTICA PEDAGÓGICA SABERES DIGITAIS - 512024.pdf
ATIVIDADE 1 - PRÁTICA PEDAGÓGICA SABERES DIGITAIS - 512024.pdfATIVIDADE 1 - PRÁTICA PEDAGÓGICA SABERES DIGITAIS - 512024.pdf
ATIVIDADE 1 - PRÁTICA PEDAGÓGICA SABERES DIGITAIS - 512024.pdf
 
No âmbito do Direito, a interpretação das normas é essencial para sua aplicaç...
No âmbito do Direito, a interpretação das normas é essencial para sua aplicaç...No âmbito do Direito, a interpretação das normas é essencial para sua aplicaç...
No âmbito do Direito, a interpretação das normas é essencial para sua aplicaç...
 
Um País na América do Sul foi denunciado por violação a direitos humanos pelo...
Um País na América do Sul foi denunciado por violação a direitos humanos pelo...Um País na América do Sul foi denunciado por violação a direitos humanos pelo...
Um País na América do Sul foi denunciado por violação a direitos humanos pelo...
 
Em 26 de janeiro de 2024, a Agência Petrobras fez o seguinte comunicado: Petr...
Em 26 de janeiro de 2024, a Agência Petrobras fez o seguinte comunicado: Petr...Em 26 de janeiro de 2024, a Agência Petrobras fez o seguinte comunicado: Petr...
Em 26 de janeiro de 2024, a Agência Petrobras fez o seguinte comunicado: Petr...
 
Presente nas discussões de quase todas as áreas das atividades humanas, a Bio...
Presente nas discussões de quase todas as áreas das atividades humanas, a Bio...Presente nas discussões de quase todas as áreas das atividades humanas, a Bio...
Presente nas discussões de quase todas as áreas das atividades humanas, a Bio...
 
MAPA - ENF - FUNDAMENTOS BÁSICOS DA PRÁTICA ASSISTENCIAL - 51/2024
MAPA - ENF - FUNDAMENTOS BÁSICOS DA PRÁTICA ASSISTENCIAL - 51/2024MAPA - ENF - FUNDAMENTOS BÁSICOS DA PRÁTICA ASSISTENCIAL - 51/2024
MAPA - ENF - FUNDAMENTOS BÁSICOS DA PRÁTICA ASSISTENCIAL - 51/2024
 
ATIVIDADE 1 - BEDU - ATIVIDADE FÍSICA E QUALIDADE DE VIDA - 51/2024
ATIVIDADE 1 - BEDU - ATIVIDADE FÍSICA E QUALIDADE DE VIDA - 51/2024ATIVIDADE 1 - BEDU - ATIVIDADE FÍSICA E QUALIDADE DE VIDA - 51/2024
ATIVIDADE 1 - BEDU - ATIVIDADE FÍSICA E QUALIDADE DE VIDA - 51/2024
 
EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO Nº 05-2024 - 17º SALÃO DO ARTESANATO - RAÍZES BR...
EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO Nº 05-2024 - 17º SALÃO DO ARTESANATO - RAÍZES BR...EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO Nº 05-2024 - 17º SALÃO DO ARTESANATO - RAÍZES BR...
EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO Nº 05-2024 - 17º SALÃO DO ARTESANATO - RAÍZES BR...
 
Em 26 de janeiro de 2024, a Agência Petrobras fez o seguinte comunicado: Petr...
Em 26 de janeiro de 2024, a Agência Petrobras fez o seguinte comunicado: Petr...Em 26 de janeiro de 2024, a Agência Petrobras fez o seguinte comunicado: Petr...
Em 26 de janeiro de 2024, a Agência Petrobras fez o seguinte comunicado: Petr...
 
Demora na entrega e altas taxas são as principais reclamações de usuários de ...
Demora na entrega e altas taxas são as principais reclamações de usuários de ...Demora na entrega e altas taxas são as principais reclamações de usuários de ...
Demora na entrega e altas taxas são as principais reclamações de usuários de ...
 

Apresentação sobre análise de conjuntura econômica brasileira

  • 1. Análise de Conjuntura para 2016 André Machado - 31333834 Daniel Cuzzi - 31350992 Danilo Augusto - 31213677 Dayane Santana - 31171354 Felipe Teixeira - 30817005 Gustavo Lima - 31054994 Tarik Kallas - 41324927 Thiago Tadao - 31340512
  • 2. Introdução  Tema: A inflação brasileira para o ano de 2016.  Delimitação do Tema: O cenário econômico brasileiro para 2016, em uma análise retrospectiva e prospectiva, tendo como principal alicerce o controle da inflação.  Problema de Pesquisa: O Banco Central alcançará, pelo menos, o teto da meta em 2016?  Hipótese: Pela gravidade do cenário conjuntural brasileiro e uma concomitante crise política, que interfere na flexibilidade fiscal, assume-se que o Banco Central não obterá o controle da inflação ao ponto de ser alcançado o teto da meta de 6,5%.
  • 3. Referencial Teórico: Escola Novo-Clássica.  Individualismo Metodológico.  Racionalidade dos agentes  Micro: Maximização de utilidade e lucro.  Macro: Expectativas Racionais.  Equilíbrio Geral.  Oferta Agregada Inelástica No Curto Prazo.  Taxa Natural de Desemprego.  Algumas Implicações  Metas para a Inflação.  Superávit Primário.  Dominância Monetária.
  • 6. Estados Unidos  Eleições Presidenciais  Principais candidatos: 1. Donald Trump - Partido Republicano; e 2. Hillary Clinton - Partido Democrata.  Acordo Transpacífico (TPP)  Posição: i. Hillary Clinton: se opõe ao acordo temendo uma guerra cambial; ii. Donald Trump: se opõe ao acordo por entender ser prejudicial aos EUA.  China  Posição:  Hillary Clinton: tendência a manter uma relação cooperativa.  Donald Trump: acusa a China de desvalorizar o renminbi artificialmente em benefício de seus produtos exportáveis. Tende a endurecer as relações com Beijing.  Riscos: a eleição de Trump poderia trazer volatilidade aos ativos financeiros, dada a sua posição em relação a China.
  • 7. Argentina e o Mercosul  Brasil - Argentina: forte relação política e econômica com o país vizinho. Principal mercado para as exportações brasileiras de manufaturados.  Acordo Automotivo: estão negociando a sua renovação. Atualmente, ele permite ao Brasil vender, sem pagar imposto, o equivalente a U$$1,50 para Argentina, em troca de cada U$$1,00 que compra dela.  Mercosul e U.E: propostas de produtos que poderão ter a tarifa zerada, o que beneficiaria o Brasil, trazendo abertura comercial (aumentando a demanda por seus produtos no exterior).
  • 8. China  Relevância: maior parceiro comercial brasileiro.  Novo modelo de Crescimento: sustentável e voltado para o consumo interno.  Risco: desaceleração persistir e de forma mais acentuada.  Zona do Euro: corresponde a 25 % do PIB mundial.  Quantitative Easing: o Banco Central Europeu vem intervindo para incentivar a economia.  Alemanha: 4º maior parceiro comercial do Brasil. Estreitamento de relações via acordos de cooperação técnica. Zona do Euro e Alemanha
  • 10. Mundo 4.2 3.5 3.3 3.4 3.1 3.2 2011 2012 2013 2014 2015 2016e PIB anual (em %) Fonte: FMI. Elaboração própria  Economia mundial em crescimento moderado.  Nível de desemprego estável.  Países desenvolvidos vêem adotando políticas monetárias expansionistas, a fim de aquecer suas economias.  Países subdesenvolvidos enfrentam instabilidade política e econômica. 6.0 6.0 6.0 5.8 5.8 5.8 2011 2012 2013 2014 2015 2016e Taxa de desemprego mundial (em %) Fonte: OIT. Elaboração própria
  • 11. País Inflação acumulada em 12 meses (%) Alvo para a inflação (%) Inflação prevista para 2016 (%) Taxa de juros nominal atual (%) Taxa de juros real atual (%) EUA 1,0 2,0 1,3 0,5 -0,5 Zona do Euro -0,2 < 2,0 0,3 0,0 0,2 China 2,3 3,0 1,7 4,4 2,1 Japão 0,3 2,0 0,3 0,1 -0,2 Alemanha 0,0 < 2,0 0,4 0,0 0,0 Reino Unido 0,3 2,0 0,7 0,5 0,2 França -0,2 < 2,0 0,3 0,0 0,2 Índia 5,2 4,0 ± 2,0 5,0 6,8 1,6 Itália -0,3 < 2,0 0,2 0,0 0,3 Projeções de inflação mundial 3.7 5.1 4.1 3.7 3.2 2.8 2.8 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016e Inflação mundial anual - preços ao consumidor (em %) Fonte: FMI. Elaboração própria. Fonte: Bloomberg. Elaboração própria.  Inflação nos países desenvolvidos segue abaixo das respectivas metas. Mundo
  • 12. Estados Unidos 1.6 2.2 1.5 2.4 2.4 2.4 PIB - var. real anual (em %) Fonte: FMI Elaboração própria. 9.1 8.2 7.5 6.3 5.3 4.9 Taxa de desemprego (em %) Fonte: OIT. Elaboração própria.  Economia norte-americana segue crescendo moderadamente, porém em ritmo consistente.
  • 13. 3.1 2.1 1.5 1.6 0.1 0.8 2011 2012 2013 2014 2015 2016e CPI anual (em %)  Inflação continua abaixo de 2%.  Federal Reserve permanece atento ao mercado de trabalho, atividade econômica e inflação dos EUA, a fim de aumentar as taxas de juros, caso tais variáveis, esbocem um maior aquecimento da economia. Fonte: Bureau of Labor Statistics. Elaboração própria. 0.00 0.10 0.20 0.30 0.40 0.50 0.60 Fed Funds (em %) Fonte: BACEN. Elaboração própria. Estados Unidos
  • 14. Zona do Euro 1.6 -0.9 -0.3 0.9 1.6 1.5 3.7 0.6 0.4 1.6 1.5 1.5 EU e Alemanha- PIB - var. real anual(em %) EU Alemanha Fonte: FMI Elaboração própria. 2.6 2.5 1.4 0.5 0.1 0.4 EU - HICP anual (em %) Fonte: ECB. Elaboração própria.  Crescimento modesto e inflação baixa.  Principal economia da região, a Alemanha acompanhará o desempenho do bloco.
  • 15. China 10.6 9.5 7.7 7.7 7.3 6.9 6.5 PIB - var. real anual(em %) Fonte: FMI Elaboração própria. Fonte: BACEN. Elaboração própria.  Desaceleração do crescimento.  Governo tenta estabilizar a saída de capitais e reduzir a pressão sobre o renminbi. 5.8 5.9 6 6.1 6.2 6.3 6.4 6.5 6.6 6.7 Renminbi (média de período) - u.m.c./US$
  • 16. Argentina 8.4 0.8 2.9 0.5 1.2 -1.0 PIB - var. real anual(em %) Fonte: FMI. Elaboração própria.  A despeito do impulso do governo em corrigir desequilíbrios macroeconômicos e distorções setoriais, o país poderá sofrer uma recessão em 2016.
  • 17. Commodities Fonte: FMI Elaboração própria. Fonte: FMI. Elaboração própria.  Embora, os preços das commodities tenham apresentado uma leve recuperação no começo de 2016, a tendência é de que permaneçam em patamares historicamente baixos. 0 20 40 60 80 100 120 140 160 180 200 2014M3 2014M4 2014M5 2014M6 2014M7 2014M8 2014M9 2014M10 2014M11 2014M12 2015M1 2015M2 2015M3 2015M4 2015M5 2015M6 2015M7 2015M8 2015M9 2015M10 2015M11 2015M12 2016M1 2016M2 2016M3 Índice composto de commodities (2005 = 100) 0 100 200 300 400 500 600 0 20 40 60 80 100 120 140 Preçosojaemgrão Preçospetróleobrutoeminériodeferro Preços de commodities (em USD) Crude Oil Iron Ore Soybean Soybean Iron Ore Crude Oil
  • 19. Transações Correntes  Balança Comercial  Serviços  Renda Primária  Renda Secundária Fonte: BACEN. Elaboração própria. 0.1% 0.3% 0.3% 0.3% 0.0% -0.6% -0.5% -1.3% -1.3% -1.2% -1.2% -1.7% -1.0% -0.4% 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016* Transações correntes
  • 20. Balança Comercial  Principais parceiros comerciais e pauta de exportações
  • 21.  Queda entre 2011 e 2014 explicada por:  Redução dos preços internacionais das commodities;  Crescimento baixo de países importadores de manufaturados brasileiros 3.40% 2.52% 0.00% 0.50% 1.00% 1.50% 2.00% 2.50% 3.00% 3.50% 4.00% 4.50% 5.00% 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016* Importações x Exportações (% PIB) Exportações Importações 0.30% 0.85% -0.20% 0.00% 0.20% 0.40% 0.60% 0.80% 1.00% 1.20% 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016* Balança Comercial Fonte: BACEN. Elaboração própria. Fonte: BACEN. Elaboração própria. Balança Comercial
  • 22. Exportações  Principais commodities exportadas tiveram seus preços reduzidos entre 2010 e 2015. Fonte: Banco Central do Brasil Importações  Variação negativa das Importações em 2015:  Redução da demanda por produtos importados;  Aumento da taxa de câmbio; -15.2% 1.5% -30.0% -20.0% -10.0% 0.0% 10.0% 20.0% 30.0% 40.0% 50.0% 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016* Exportações - volume (variação ano/ano) -25.3% -17.1% -30.0% -20.0% -10.0% 0.0% 10.0% 20.0% 30.0% 40.0% 50.0% 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016* Importações (variação ano/ao) Fonte: Banco Central do Brasil
  • 23. Serviços  Composta por:  Transportes  Viagens  Aluguel de equipamentos Participação na Balança de Serviços 2010 2011 2012 2013 2014 2015 Transportes 20,4% 21,4% 20,9% 20,2% 18,1% 15,3% Viagens 35,5% 39,6% 39,0% 40,0% 38,9% 31,2% Aluguel de equipamentos 45,5% 44,9% 46,6% 41,1% 47,0% 58,3% Fonte: BACEN. Elaboração própria. -0.1% -0.1% -0.2% -0.2% -0.3% -0.3% -0.4% -0.5% -0.6% -0.7% -0.8% -0.8% -0.6% -0.6% -0.9% -0.8% -0.7% -0.6% -0.5% -0.4% -0.3% -0.2% -0.1% 0.0% 0.1% 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016* Serviços (% PIB) Transportes Viagens Aluguel de equipamentos Serviços Fonte: BACEN. Elaboração própria.
  • 24. Renda Primária  Salários e Ordenados  Renda de Investimentos  Investimento Direto  Investimento em Carteira  Outros Investimentos (juros) -1.0% -0.9% -0.8% -0.7% -0.6% -0.5% -0.4% -0.3% -0.2% -0.1% 0.0% 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 Renda de Investimentos Renda de Investimento direto Renda de investimento em carteira Fonte: BACEN. Elaboração própria. 0.8% 49.4% 42.0% 7.8% Participação na Renda Primária (2015) Salários e ordenados Renda de investimento direto Renda de investimento em carteira Outros 0.9% 58.5% 38.9% 1.6% Participação na Renda Primária (2010-2014) Salários e ordenados Renda de investimento direto Renda de investimento em carteira Outros Fonte: BACEN. Elaboração própria. Fonte:BACEN.Elaboraçãoprópria.
  • 25. Investimento Direto no País 14% 39% 47% Investimento Direto no País em 2015 (%) Agricultura, pecuária e extrativa mineral Indústria Serviços 0.2% 0.4% 0.3% 0.4% 0.9% 1.0% 0.6% 1.6% 1.7% 1.5% 1.1% 1.6% 1.3% 1.0% -0.2% 0.0% 0.2% 0.4% 0.6% 0.8% 1.0% 1.2% 1.4% 1.6% 1.8% 2.0% 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016* Investimentos Diretos no País (% PIB) Investimentos diretos no país Participação no capital – total – passivos Operações intercompanhia – passivos Fonte: BACEN. Elaboração própria.Fonte: BACEN. Elaboração própria.
  • 26. Passivos de Investimento em Carteira  Passivos de Investimento em Carteira registram as aquisições de não residentes por ações e títulos de renda fixa. 0.11% 0.06% 0.14% -0.40% -0.20% 0.00% 0.20% 0.40% 0.60% 0.80% 1.00% 1.20% 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 Investimento em Carteira (% PIB) Investimentos em ações Investimentos em fundos de investimento Títulos de renda fixa Investimento em Carteira (US$ Bilhões) 2010-2014 2015 Investimentos em ações 15,0 6,6 Investimentos em fundos de investimento 0,2 3,5 Títulos de renda fixa 25,8 8,5 Fonte: BACEN. Elaboração própria. Fonte: BACEN. Elaboração própria.
  • 27. Reservas Internacionais 3.2% 2.6% 3.0% 3.4% 6.5% 6.3% 7.1% 7.3% 8.0% 7.9% 6.8% 6.6% 6.0% 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 Reservas (% PIB)  O resultado do Balanço de Pagamentos é igual a variação das reservas internacionais.  De 2006 a 2011 houve um salto nas reservas, indo de 3,45% para 8,05% do PIB. Esse salto é explicado por: i. Volume das exportações; ii. Impulso na conta financeira.  A partir de 2013 percebe-se uma queda nas reservas relativas ao PIB.  A variação das reservas é decrescente. Fonte: BACEN. Elaboração própria.
  • 28. 2,66 3,90 2.00 2.50 3.00 3.50 4.00 Taxa de Câmbio Nominal – comercial (venda) Taxa de Câmbio  O real vem se desvalorizando frente ao dólar, desde a reeleição da Presidente Dilma, em outubro de 2014. O cenário político conturbado e de incertezas também tem contribuído para esse aumento.  Dado as perspectivas de melhora no Balanço de Pagamentos, principalmente na Balança Comercial a expectativa é que a Taxa de Câmbio Nominal, ao final de 2016, seja de 3,80R$/US$. + 46,6% Dez/16e = 3,80 - 2,6% Fonte: BACEN. Elaboração própria.
  • 31. Participação no PIB 49% 16% 14% 21% Componentes no PIB 2015 Consumo das famílias Consumo do governo Investimentos Setor externo Fonte: IBGE. Elaboração própria.
  • 32.  Condições desfavoráveis no mercado de trabalho.  Vendas do varejo em queda.  Elevado endividamento das famílias.  Confiança do consumidor em níveis historicamente baixos. Fonte: IPEA. Elaboração própria. Desaceleração do consumo das famílias 140 145 150 155 160 165 170 175 180 185 190 Consumo das famílias, índice dessazonalizado (1995=100) 50.0 60.0 70.0 80.0 90.0 100.0 110.0 120.0 130.0 140.0 150.0 Índice de confiança do consumidor – ICC (em pontos) Consumidor Otimista Consumidor Pessimista Mar/16 = 67,1 Fonte: FGV. Elaboração própria.
  • 33.  Expectativa de fraca atividade econômica em 2016 contribuirá para a deterioração dos empregos.  Elevado desemprego, aliado a pressões inflacionárias levarão a uma queda dos rendimentos das famílias. Condições desfavoráveis no mercado de trabalho 1.2 0.3 -1.9 1.6 1.1 -0.7 -1.1 -1.1 -0.3 6.8 7.0 6.9 6.5 7.4 8.1 8.7 9.0 10.2 -5.0 -3.0 -1.0 1.0 3.0 5.0 7.0 9.0 0.0 2.0 4.0 6.0 8.0 10.0 12.0 Taxa de desemprego e variação do rendimento real médio Var. rendimento famílias (%) Taxa desemprego (%) Fonte: BACEN. Elaboração própria.
  • 34.  Desaceleração das vendas do varejo ampliado, reflexo do declínio acentuado nas vendas de automóveis e material de construção; e do varejo restrito, com destaque para a retração em móveis e eletrodomésticos.  Menor renda disponível e crescimento do crédito mais lento são a origem da queda nas vendas do varejo em 2016. Vendas do varejo em queda -6.1 -2.5 -8.6 -14.1 3.0 -10.9 -1.8 -1.3 -4.3 -17.8 -8.4 -8.6 -9.5 -2.8 -12.9 -17.0 2.4 -14.9 -16.8 -12.8 -7.0 -13.5 -14.7 -9.4 Combustíveis e lubrificantes Hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo Tecidos, vestuário e calçados Móveis e eletrodomésticos Artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, de perfumaria e cosméticos Livros, jornais, revistas e papelaria Equipamentos e materiais para escritório, informática e comunicação Outros artigos de uso pessoal e doméstico Varejo restrito Veículos, motocicletas, partes e peças Material de construção Varejo ampliado Vendas do varejo – Variação acumulada no ano (em %) mar/16 2015 Fonte: IBGE. Elaboração própria.
  • 35.  Número de famílias endividadas vem se mantendo em patamares elevados.  Dívidas bancárias tem comprometido maior parte da renda. Elevado endividamento das famílias Fonte: CNC. Elaboração própria. 58 59 59 59 61 60 63 % de famílias endividadas Cartão de crédito 81% Cheque especial 8% Crédito Pessoal 11% Fonte: CNC. Elaboração própria.
  • 36.  Custo de oportunidade elevado.  Desaceleração na concessão de financiamentos do BNDES.  Redução de investimentos da Petrobras  Queda nos investimentos públicos.  Indústria pouco propícia a realizar investimentos nos próximos 12 meses. Fonte: FGV. Elaboração própria. Contração dos investimentos 50.0 70.0 90.0 110.0 130.0 150.0 3T12 4T12 1T13 2T13 3T13 4T13 1T14 2T14 3T14 4T14 1T15 2T15 3T15 4T15 1T16 Índice de intenção de investimentos da indústria (em pontos) Indústria otimista Indústria Pessimista Média = 111,4 1T16=72,6 Fonte: IPEA Elaboração própria. 60 80 100 120 140 2010T1 2010T2 2010T3 2010T4 2011T1 2011T2 2011T3 2011T4 2012T1 2012T2 2012T3 2012T4 2013T1 2013T2 2013T3 2013T4 2014T1 2014T2 2014T3 2014T4 2015T1 2015T2 2015T3 2015T4 FBCF, índice de base móvel (média do ano anterior = 100) Horizonte temporal: 12 meses seguintes 4.2 -0.9 1.3 20.3 0.3 -4.5 1994-1998 1998-2002 2002-2006 2006-2010 2010-2014 2011-2015 Taxa de crescimento dos investimentos públicos – 1994 à 2015 (em %) Fonte: IPEA. Elaboração própria.
  • 37.  Recessão econômica, baixa confiança da indústria e TJLP mais elevada contribuirão para a desaceleração na concessão de financiamentos pelo BNDES. Fonte: SPE/MF. Elaboração própria. BNDES -2 52 17 -24 -46 1T12 1T13 1T14 1T15 1T16 Variação desembolsos BNDES (em %) Fonte: BNDES Elaboração própria. Petrobras  Alta participação da empresa na economia.  Redução da previsão de investimentos para 2016 em 26%; de USD27bi para USD20bi (Fonte: Ajustes no PNG 2015– 2019, Petrobras, 12/06/2016).  Impacto negativo no PIB. 1.1 1.1 1.2 1.4 1.7 1.7 2.1 2.0 1.7 1.8 2.0 1.6 1.5 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015e Participação dos investimentos da Petrobras no PIB (em %)
  • 38.  Aperto fiscal reduzirá o crescimento do consumo do governo. Fonte: FUNCEX. Elaboração própria. Consumo do governo Fonte: IPEA. Elaboração própria. Setor externo  Manutenção dos preços das principais commodities exportáveis em patamares relativamente baixos e crescimento moderado das principais economias globais ,impossibilitarão uma melhora dos termos de troca. 132 134 136 138 140 142 144 146 148 150 152 154 Consumo do governo (média 1995 = 100) Mar/16 = 97,4 80 90 100 110 120 130 140 2014.01 2014.02 2014.03 2014.04 2014.05 2014.06 2014.07 2014.08 2014.09 2014.10 2014.11 2014.12 2015.01 2015.02 2015.03 2015.04 2015.05 2015.06 2015.07 2015.08 2015.09 2015.10 2015.11 2015.12 2016.01 2016.02 2016.03 Índice de termos de troca (média 2006 = 100)
  • 40. Participação no PIB 72% 23% 5% Componentes no PIB 2015 Serviços Industria Agropecuaria Fonte: IBGE – Elaboração própria
  • 41. Serviços -4.5 -2.9 -6.0 -4.0 -2.0 0.0 2.0 4.0 6.0 PIB Valor adicionado bruto de serviços -20 0 20 40 60 80 100 120 140 160 180 Jan/11 Mar/11 May/11 Jul/11 Sep/11 Nov/11 Jan/12 Mar/12 May/12 Jul/12 Sep/12 Nov/12 Jan/13 Mar/13 May/13 Jul/13 Sep/13 Nov/13 Jan/14 Mar/14 May/14 Jul/14 Sep/14 Nov/14 Jan/15 Mar/15 May/15 Jul/15 Sep/15 Nov/15 Jan/16 Variacao mensal (base: igual mes do ano anterior) (Percentual) Indice base fixa (2011=100) (Numero indice) Linear (Variacao mensal (base: igual mes do ano anterior) (Percentual)) 3 per. Mov. Avg. (Indice base fixa (2011=100) (Numero indice)) Variação mensal das vendas do varejo – (2011 = 100) Valor adicionado bruto dos serviços versus movimentação do PIB – Variação (%) em volume – Taxa trimestral Fonte: IBGE - Elaboração Própria.Fonte: IBGE - Elaboração Própria.  Por ser mais sensível a ciclos econômicos a produção no setor de serviços continuará a apresentar resultado negativo.
  • 42. Serviços Variação % no nível de emprego no setor de Serviços nos últimos 12 meses (Fevereiro 2016) Fonte: CAGED / MTE TOTAL VAR. EMPR % -2,09% NORTE -1,48% NORDESTE -2,24% SUDESTE -2,60% SUL -1,21% CENTRO-OESTE -0,16% REGIÕES METR. -3,06% -4.0 -3.0 -2.0 -1.0 0.0 1.0 2.0 3.0 4.0 5.0 Valor adicionado bruto de serviços Média dos ultimos 5 anos Valor adicionado bruto dos serviços – Variação (%) em volume – Taxa trimestral Fonte: IBGE - Elaboração Própria.
  • 43. Indústria ICEI – Índice de Confiança do Empresário Industrial (em pontos) Fonte: Bloomberg Utilização da Capacidade Industrial (em %) Fonte: Bloomberg  Prolongamento do cenário desfavorável, principalmente para os setores automotivo e de construção; puxarão o PIB da indústria para baixo.
  • 44. Indústria Nível de Vendas da Indústria (2006 = 100) Fonte: Bloomberg Nível de Emprego na Indústria (2006 = 100) Fonte: Bloomberg
  • 45. 5.64 -3.08 8.36 2.08 1.83 -4 -2 0 2 4 6 8 10 2011 2012 2013 2014 2015 Var. % real anual 75 80 85 90 95 100 105 110 4T13 1T14 2T14 3T14 4T14 1T15 2T15 3T15 4T15 Índice de Confiança do Produtor e da Indústria Agropecuária AGROPECUÁRIO AGROINDÚSTRIA ICAGRO Agropecuária Fonte: IBGE - Elaboração Própria. Fonte: ICAGRO - Elaboração Própria.  Beneficiado pela valorização do dólar e do conseqüente aumento da competitividade dos produtos brasileiros no mercado internacional; a produção agropecuária continuará a apresentar crescimento.
  • 46. Projeção Fonte: IBGE. Elaboração própria.  Queda na Demanda Agregada.  Baixa confiança dos agentes econômicos privados.  Desaceleração no consumo das famílias.  Redução dos investimentos públicos e privados.  Contração do consumo do governo.  Crescimento moderado do setor externo.  Retração da Oferta Agregada  Queda do setor de serviços.  Crescimento negativo da produção industrial.  Baixa participação relativa da agropecuária no PIB. -1.5 -0.6 -2.5 0.9 -2.5 -3.3 2.0 -3.8 Consumo das famílias Consumo da governo Investimentos Setor externo Serviços Indústria Agropecuária PIB Var. Real PIB (em %)
  • 48. IPCA e Regime de Metas 3.14 4.46 5.9 4.31 5.91 6.5 5.84 5.91 6.41 10.67 6,806.5 4.5 2.5 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016e IPCA X Regime de Metas IPCA Banda Superior Meta Banda Inferior  O IPCA é baseado nas famílias com renda mensal entre 01 e 40 salários mínimos e residentes de áreas urbanas das regiões abrangidas.  É oficialmente usado pelo governo para formulação nas metas inflacionárias.  Em 2015 o IPCA acumulado foi de 10,67%, ficando muito acima do teto da meta de 6,5%. Fonte: IBGE. Elaboração própria.
  • 49. Inflação (12 meses) Ponderação Alimentação e Bebidas 13,19% 25,48% Transportes 8,40% 18,54% Habitação 14,88% 15,67% Saúde e cuidados pessoais 10,13% 11,09% Despesas pessoais 8,88% 10,63% Vestuário 5,83% 6,03% Educação 9,28% 4,49% Artigos de residência 6,29% 4,24% Comunicações 2,88% 3,83% Total 10,36% 100,00% 8.98% 8.03% 23.61% 35.61% 23.77% Ponderação por tipo de Bem/Serviços e Preços Monitorados Bens Duráveis Bens Semiduráveis Bens Não-duráveis Serviços Monitoriados Fonte: IBGE. Elaboração própria. Desagregando o IPCA Fonte: IBGE. Elaboração própria.
  • 50. IPCA acumulado em 12 meses 7.5 9.7 13.4 13.4 14.1 15.1 16.0 15.8 16.4 17.5 18.0 18.1 17.2 Preços Monitoriados (%) 8.8 8.6 8.0 8.3 8.2 7.9 8.5 8.2 8.1 8.3 8.3 8.1 7.9 Serviços (%) 7.3 7.9 6.9 6.4 7.3 8.4 9.3 9.6 9.0 9.7 11.3 12.3 13.4 Bens Não-duráveis (%) 2.9 3.2 3.2 3.3 3.1 3.2 3.3 3.4 3.6 2.9 3.2 3.3 3.13.4 3.3 3.5 4.0 3.8 4.1 4.3 4.7 4.6 4.7 4.9 5.2 5.6 Bens Duráveis e Semiduráveis (%) Bens Duráveis Bens Semiduráveis Fonte:IBGE.Elaboraçãoprópria.Fonte:IBGE.Elaboraçãoprópria. Fonte:IBGE.Elaboraçãoprópria.Fonte:IBGE.Elaboraçãoprópria.
  • 51. Evolução dos Preços Monitorados Item 2014 2015 2016* Taxa de água e esgoto -2,69 14,75 2,66 Gás de botijão 4,86 22,55 -0,66 Energia elétrica residencial 17,06 51,00 -0,55 Transporte público 4,73 9,15 4,31 Gasolina 2,89 20,10 2,43 Óleo diesel 6,84 13,14 1,45  Preços monitorados são aqueles estabelecidos por contrato ou por órgão público.  Tem peso de 23,77% no IPCA.  Transporte Público: 4,49%.  Energia Elétrica: 4,04%.  Gasolina: 4,07%. 8.3 11.7 36.3 38.1 41.9 42.0 48.0 47.3 47.7 49.0 50.5 51.0 Jan/15 Feb/15 Mar/15 Apr/15 May/15 Jun/15 Jul/15 Aug/15 Sep/15 Oct/15 Nov/15 Dec/15 Energia Elétrica 0.01 8.43 9.8 9.06 9.31 9.24 8.92 9.65 9.4 14.92 18.61 20.1 Jan/15 Feb/15 Mar/15 Apr/15 May/15 Jun/15 Jul/15 Aug/15 Sep/15 Oct/15 Nov/15 Dec/15 Gasolina 5.07 3.83 2.85 3.89 1.9 4.44 4.96 2.93 4.78 5.36 5.53 9.15 Jan/15 Feb/15 Mar/15 Apr/15 May/15 Jun/15 Jul/15 Aug/15 Sep/15 Oct/15 Nov/15 Dec/15 Transporte Público Fonte: IBGE. Elaboração própria. IPCA acumulado no ano (em %) Fonte: IBGE. Elaboração própria. Var. dos componentes dos preços monitorados (em %)
  • 52. Evolução dos Preços de Alimentos  Alimentos no domicílio tem peso de 16,7% no IPCA.  Carnes: 4,3%  Legumes, frutas e vegetais: 3,2%  Massas e pães: 2,6%  Bebidas: 1,8%  Condimentos: 1,3%  Outros: 3,3% 10.4 13.7 17.4 19.7 28.4 28.8 27.1 19.5 13.7 7.9 19.7 27.1 Jan/15 Feb/15 Mar/15 Apr/15 May/15 Jun/15 Jul/15 Aug/15 Sep/15 Oct/15 Nov/15 Dec/15 Alimentos In Natura 3.3 5.4 7.0 6.6 5.6 5.1 5.3 4.3 4.6 7.1 9.9 12.7 Jan/15 Feb/15 Mar/15 Apr/15 May/15 Jun/15 Jul/15 Aug/15 Sep/15 Oct/15 Nov/15 Dec/15 Carnes, Pescados e Aves 7.8 8.3 7.0 6.5 7.7 9.0 10.1 10.4 9.6 9.8 11.3 12.3 13.4 13.9 Alimentos no Domicílio (IPCA acumulado em 12 meses) Fonte: IBGE. Elaboração própria. Fonte:IBGE.Elaboraçãoprópria. Fonte: IBGE. Elaboração própria.
  • 53. Inflação de Serviços  Serviços tem ponderação de 35,61% no IPCA.  Alimentação: 8,78%  Empregada Doméstica: 4,02%  Aluguel Residencial: 4,02%  Aumento de salário mínimo tem impacto na inflação de serviços.  O IGP-M é o índice utilizado para balizar os contratos de aluguel e serviços.  Acumulado no ano de 2015 foi de 10,54%  A perspectiva é de que em 2016, o IGP-M seja de 7,7% 1.01 1.97 3.16 4.16 5.14 5.65 6.46 7.07 7.9 8.9 9.67 10.38 Jan/15 Feb/15 Mar/15 Apr/15 May/15 Jun/15 Jul/15 Aug/15 Sep/15 Oct/15 Nov/15 Dec/15 Alimentação fora do domicílio 1.5 1.94 2.42 3.58 3.79 4.47 5.11 5.67 6.31 7.41 7.89 8.35 Jan/15 Feb/15 Mar/15 Apr/15 May/15 Jun/15 Jul/15 Aug/15 Sep/15 Oct/15 Nov/15 Dec/15 Empregado Doméstico 1.22 1.87 2.45 3.2 3.88 4.57 5.08 5.5 6.12 6.73 7.18 7.83 Jan/15 Feb/15 Mar/15 Apr/15 May/15 Jun/15 Jul/15 Aug/15 Sep/15 Oct/15 Nov/15 Dec/15 Aluguel Residencial Inflação acumulada no ano (em %) Fonte:IBGE.Elaboraçãoprópria. Fonte: IBGE. Elaboração própria. Fonte:IBGE.Elaboraçãoprópria.
  • 54. Livres vs Monitorados 0.00 2.00 4.00 6.00 8.00 10.00 12.00 14.00 16.00 18.00 20.00 Preços Livres e Monitorados acumulados em 12 meses (em %) Livres Monitorados  Maior realinhamento entre preços livres e monitorados, com destaque para a forte desaceleração dos preços administrados. Fonte: IBGE. Elaboração própria. 6.50 5.84 5.91 6.41 10.67 6.806.63 6.56 7.29 6.72 8.51 6.686.20 3.65 1.54 5.32 18.07 7.20 2011 2012 2013 2014 2015 2016e IPCA; e preços livres e monitorados (em % a.a.) IPCA Livres Monitorados Projeções Fonte: IBGE. Elaboração própria.  Menor intensidade de alta dos preços livres e monitorados levarão a uma expressiva queda do IPCA em 2016 ante 2015. A inflação projetada é de 6,80%.
  • 56. Selic
  • 57. Estrutura Operacional Objetivo  Estabilizar a inflação ao redor da meta  Decreto 3.088, 21/06/1999 - RMI Instrumentos  Gerenciamento de liquidez 1. Operações de Open Market 2. Recolhimentos compulsórios 3. Redesconto de liquidez  Controle das expectativas inflacionárias 1. Comunicação (atas , RTI e notas) Função de reação  Guia operacional de tomada de decisões do BC para taxa de juros de curto prazo.  Regra de Taylor modificada  Incorpora modelo forward looking i. expectativas racionais dos agentes; e ii. defasagem na transmissão dos efeitos da Política Monetária sobre o nível de preços.  BC reage principalmente a desvios das expectativas de inflação do ano corrente e do ano seguinte em relação às respectivas metas.
  • 58. Função de reação estimada para o BC Fonte: Minella, A. et al. Inflation Targeting in Brazil: Constructing Credibility under Exchange Rate Volatility. Working Series Paper 77, Banco Central do Brasil, julho de 2003.
  • 59. Mecanismos de transmissão da P.M Choques externos Taxa SELIC Taxas de mercado Preços dos ativos Expectativas Crédito Taxa de câmbio Investimento privado Demanda agregada Inflação Consumo de bens duráveis Exportações líquidas Preços externos Fonte: BACEN, 1999. Elaboração própria.
  • 60. “[...] riscos inerentes ao comportamento recente das expectativas e das taxas observadas de inflação, combinados com a presença de mecanismos de indexação na economia brasileira e de incertezas quanto ao processo de recuperação dos resultados fiscais e sua composição, não nos permitem trabalhar com a hipótese de flexibilização das condições monetárias.” Alexandre Tombini, Presidente do Banco Central do Brasil, Comissão de Assuntos Econômicos (CAE), 22/03/2016. “O Comitê ressalta que há incertezas associadas ao balanço de riscos, principalmente, quanto ao processo de recuperação dos resultados fiscais e sua composição, e que o processo de realinhamento de preços relativos mostrou-se mais demorado e mais intenso que o previsto. [...]”. Ata COPOM, 10/03/2016.  Manutenção da meta Selic em 14,25% a.a. nas reuniões de abril e junho de 2016.  Posições do BC quanto ao comportamento das trajetórias de inflação efetiva e esperada; e  Maiores incertezas sobre os efeitos da Política Monetária nas expectativas; reforçam nossa visão. Inflexibilização da P.M no curto prazo
  • 61.  Desde 2012, tanto as expectativas de médio e longo prazos têm estado acima do centro da meta.  Percepção dos agentes de que a autoridade monetária estaria satisfeita com qualquer taxa de inflação abaixo de 6,5%.  Política Monetária tem perdido seu poder de ancoragem das expectativas inflacionárias em 4,5%. Menor poder de ancoragem da P.M
  • 62. 11,00% 7,25% 11,00% 14,25% 11,00% 14,25%  Menor credibilidade na implementação de uma Política Monetária consistente, aliada a rigidez dos preços monitorados ,aumentam as incertezas sobre a eficácia dos efeitos da Política Monetária ao longo do tempo.  Ciclos monetários mais longos. 13 meses 4meses 6meses 10 meses Fonte: BACEN. Elaboração própria. Ciclos monetários mais longos Ciclo monetário – abr/13 até fev/16 33 meses Média histórica = 11 meses
  • 63.  Reflexo do realinhamento de preços monitorados e livres.  Inflação esperada para 1 ano recuou de 9,82% em dez/15 para 7,54% em mar/16 e para 2 anos de 9,70% para 7,26%.  Risco de desvios da inflação efetiva em relação à esperada diminui. Trajetória de inflação esperada em queda
  • 64.  Queda na atividade econômica e, conseqüente, aumento da capacidade ociosa da economia; tem contribuído para a ampliação de um hiato do produto desinflacionário.  Desde o 2T15 o PIB efetivo tem estado abaixo de seu potencial.  Menor risco de pressão inflacionária em 2016 e carry over inflacionário mais fraco para 2017. Hiato do produto desinflacionário
  • 65.  Melhoras contínuas nas expectativas para a inflação em 2016 e 2017; somadas ao menor risco de reversão de sua rota e também à defasagem dos efeitos da Política Monetária sobre o nível de preços; permitirão à autoridade monetária iniciar um ciclo de afrouxamento monetário no 2º semestre de 2016.  Meta Selic será reduzida à 13,25% a.a., com quatro cortes consecutivos de 0,25 p.p nas reuniões do COPOM de julho, agosto, outubro e novembro de 2016. Meta Selic em 13,25% até o final de 2016
  • 66.  Nossa projeção assume que a Taxa de Juros de Longo Prazo (TJLP) será mantida em 7,5% até o 3Q16 pelo Conselho Monetário Nacional (CMN).  O gap entre a Selic e a TJLP ficará em torno de 5,7%, próximo à média histórica de 6% . Manutenção da TJLP em 7,5% a.a.
  • 67.  Seguindo medidas adotadas em 2014 e 2015 e com o início do ciclo de afrouxamento monetário no 2S16, o BC pode vir a mudar as regras dos recolhimentos compulsórios, com vista, a aumentar a liquidez na economia e, assim, estimular a concessão de crédito. Possíveis mudanças nas regras de Recolhimentos Compulsórios
  • 69. BNDES  Empréstimos do BNDES explicam boa parte do aumento do volume de crédito direcionado para PJ.  De Fev./15 a Fev./16 o volume de empréstimos totais do BNDES aumentou em 5,4%.  Variação do volume de crédito por categoria:  R.D: 2,1%.  R.L: -1,45%. 9% 10% 10% 10% 10% 10% 11% 11% 11% Empréstimos Totais do BNDES 27 28 28 28 28 28 29 29 29 Evolução do Crédito. PJ (%PIB) Fonte:BancoCentral–elaboraçãoprópriaFonte:BancoCentral–elaboraçãoprópria
  • 70. BNDES Fonte de Recursos 2010 2015 Patrimônio Liquido 12,00% 3,30% Outras Obrigações 5,00% 3,10% Outras Fontes Governamentais 3,60% 3,90% Captações Externas 3,60% 6,10% FAT/PIS-PASEP 29,70% 27,30% Tesouro Nacional 46,10% 56,30% Saldo Contábil dos Empréstimos (%PIB) 2010 5,0% 2015 10,0%  De 2010 para 2015 a mudança qualitativa estrutural da fonte de recursos para financiamentos do BNDES, mostrou que a tendência não é otimista.  PL: -72,5%  TN: 22,1%  A participação do BNDES dobrou com relação ao PIB durante o período, ao mesmo tempo que depende mais do Tesouro Nacional e reduziu a ¼ seu patrimônio líquido. Fonte: BNDES– elaboração própria Fonte: BNDES– elaboração própria
  • 71. Taxa de Juros, Spread e Inadimplência Δ% da taxa de Captação PJ PF Recursos Livres 17,0% 25,2% Recursos Direcionados 40,5% 22,8% 5.0 10.0 15.0 20.0 25.0 30.0 Spread Bancário em p.p. PJ PF Total 1.0 1.5 2.0 2.5 3.0 3.5 4.0 4.5 Taxa de Inadimplência (%) PJ PF Total Fonte: Banco Central – elaboração própria Fonte:BancoCentral–elaboraçãoprópriaFonte:BancoCentral–elaboraçãoprópria
  • 72. Multiplicador Monetário 0.20 0.22 0.24 0.26 0.28 0.30 CX/DV RB/DV 1.3 1.3 1.3 1.3 1.3 1.3 1.3 1.3 1.3 1.3 1.3 1.3 1.3 1.22 1.24 1.26 1.28 1.30 1.32 1.34 0.40 0.45 0.50 0.55 0.60 PMPP/M1 DV/M1  Variação percentual.  C=PPMP/M1…. 8,9%  D=DV/M1…… -9,5%  R1=CX/DV……11,7%  R2=RB/DV.…...0,9%  m………….… -4,6% Multiplicador monetário – fev/15 a fev/16 m = 1 1 - d( 1 - R) Fonte: Banco Central – elaboração própria Fonte:BancoCentral–elaboraçãoprópriaFonte:BancoCentral–elaboraçãoprópria
  • 74. Lei de Diretrizes Orçamentárias
  • 75. Despesas Primárias 16.7% 16.9% 17.3% 18.3% 19.5% 2011 2012 2013 2014 2015 Despesas primárias do Governo Central: 2011-2015. % PIB Fonte: Tesouro Nacional – elaboração própria 18.9% 18.5% 18.7% 18.0% 17.6% 2011 2012 2013 2014 2015 Receita líquida anual do Governo Central: 2011 à 2015 – (%) PIB Fonte: Tesouro Nacional – elaboração própria Receita do Governo Central
  • 76. Resultado Primário e Nominal 2.1% 1.8% 1.4% -0.4% -2.0% 2011 2012 2013 2014 2015 Resultado Primário: 2011-2015 (%) PIB -4.1% -3.1% -3.5% -4.4% -6.7% 2011 2012 2013 2014 2015 Juros Nominais: 2011-2015 (%) PIB -2.0% -1.3% -2.1% -4.8% -8.7% 2011 2012 2013 2014 2015 Resultado Nominal: 2011-2015 (%) PIB Fonte: Tesouro Nacional – elaboração própria.Fonte: Tesouro Nacional – elaboração própria. Fonte: Tesouro Nacional – elaboração própria.
  • 77. Endividamento Público 12.6 14.3 16.6 16.6 14.0 13.9 13.3 13.7 12.5 13.1 13.8 15.6 15.1 Custo médio mensal da DPMFi (%a.a.) 4.3 4.5 4.4 4.4 4.5 4.6 4.5 4.5 4.4 4.5 4.6 4.5 4.4 Prazo médio da DPMFi (anos) LFT 3% LTN 69% NTN-B 21% NTN-C 1% NTN-F 5% Outros 1% Composição da DPMFi em % Fonte: Tesouro Nacional - Elaboração Própria Fonte:TesouroNacional-ElaboraçãoPrópriaFonte:TesouroNacional-ElaboraçãoPrópria
  • 78. Plano Anual de Financiamento (PAF)  Substituir gradualmente os títulos remunerados por taxas de juros flutuantes por títulos com rentabilidade prefixada e remunerados por índices de preço.  Suavização da estrutura de vencimentos, com atenção para a dívida que vence no curto prazo.  Aumento do prazo médio do estoque.  Aumento da liquidez dos títulos públicos federais no mercado secundário.  Ampliação da base de investidores. Objetivo Necessidade bruta de financiamento R$698 bi Dívida externa R$16 bi Dívida interna em mercado R$613 bi Encargos do BC R$69 bi Recursos orçamentários R$109 bi Necessidade líquida de financiamento R$690 bi Diretrizes  Gestão da DPF de forma a suprir eficientemente as necessidades de financiamento do governo federal, ao menor custo no longo prazo, respeitando os limites de risco. Busca também contribuir para o bom funcionamento do mercado brasileiro de títulos públicos. + + = - Necessidade de Financiamento do Governo Federal (posição em 31/12/2015)
  • 79. DBGG e DLSP -40.0 -35.0 -30.0 -25.0 -20.0 -15.0 -10.0 -5.0 0.0 Principais determinantes da DLSP em relação ao PIB (%) Créditos do governo geral Créditos internos Disponibilidades do governo geral Disponibilidades do governo federal no Bacen Créditos concedidos a Inst. Financ. Oficiais Créditos junto ao BNDES 55.5 55.5 56.7 56.0 59.2 51.8 51.3 53.8 51.7 57.2 70.7 50 55 60 65 70 75 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 Evolução da dívida pública em relação ao PIB com projeção para 2016 (%) 66.50% 36.20% DBGG DLSP Representatividade em relação % do PIB ano de 2015 Fonte:BancoCentral–Elaboraçãoprópria 0.0 20.0 40.0 60.0 80.0 Principais determinantes da DBGG em % do PIB. Dívida interna (D) Dívida mobiliária em mercado Dívida mobiliária do Tesouro Nacional Fonte:BancoCentral–Elaboraçãoprópria Fonte:BancoCentral–ElaboraçãoprópriaFonte:BancoCentral–Elaboraçãoprópria
  • 80. Ajuste Fiscal CONTIGENCIAMENTO PROPOSTAS  2015 ano de maior déficit fiscal de 1,88% do PIB.  Meta oficial para 2016 é de 0,5% do PIB.  Criação de banda fiscal permitindo que o governo encerre o ano com déficit de 0,5% do PIB.  Governo Federal propõe reforma previdenciária principalmente em relação a idade média da aposentadoria.  Criação da CPMF e prorrogação da DRU.  Elevação de PIS e COFINS.  Elevação da CSLL.  Imposto sobre ganho de capital progressivo.  Bloqueio do reajuste de servidores.  Reforma ministerial.  Suspensão de concursos públicos.
  • 82. Modelo Político: Presidencialismo de Coalizão  Alinhamento de Poderes Executivo e Legislativo.  Três peças são fundamentais: 1. Presidente eleito: Dilma Vana Rousseff (PT) – reeleita em 2014 com 51,64% dos votos válidos; 2. Presidente da Câmara dos Deputados: Eduardo Cunha (PMDB); 3. Presidente do Senado Federal: Renan Calheiros (PMDB).
  • 83. Base Aliada Histórico da Base Aliada no Governo Dilma: Atual distribuição de Partidos:  Após as eleições de 2014, o PT perdeu algumas cadeiras na bancada dos deputados;  PMDB – Base aliada da Dilma, entretanto, 42 % era contra a aliança;  Reforma Ministerial realizada em 2015 gerou conflito => Separação do bloco do PMDB;  Líder do PMDB: Leonardo Picciani - Ponte de negociação para recuperar a aliança com o PMDB. Reeleito em fevereiro de 2016;  PMDB instável e imprevisível => Ruptura da Base aliada. Partido PT PMDB PSD PP PR PROs PDT PCdoB PRB Base Aliada da Dilma - nas eleições de 2014: Partido / Bloco Bancada dos Deputados Bloco PR, PSD, PROS 80 Bloco PP, PTB, PSC, PHS 80 Bloco PMDB, PEN 69 PT 58 PSDB 51 Bloco PRB, PTN, PTC, PTdoB, PSL 40 PSB 33 DEM 23 PDT 18 SD 16 PCdoB 12 PPS 10 PV 6 PSOL 5 REDE 5 PMB 4 S.PART. 3 Total 513 Fonte:CâmaradosDeputados–elaboraçãoprópria. Fonte: Site oficial da Câmara dos Deputados – elaboração própria.
  • 84. Popularidade do Governo Evolução da avaliação do governo da Dilma Rousseff – 1° mandato – estimulada em % Fonte: Datafolha Evolução da avaliação do governo da Dilma Rousseff – 2° mandato – estimulada em % Fonte: Datafolha
  • 85. Crise Política 1. Operação Lava Jato  Começou a ser investigada em março de 2014;  Ministério Público desvendou participação da Petrobras no esquema.  Como o esquema funcionava?  Empreiteiras: organizadas em cartel => Contratos da Petrobras em forma de revezamento;  Funcionários da Petrobras: esquematizavam as reuniões em favor do Cartel;  Operadores financeiros: pagamento e disfarce das propinas;  Agentes políticos: nomeação esquematizada dos diretores da Petrobras. Obs.: Até a data de apuração de dados da conjuntura: 732 mandados expedidos (Fonte: MPF). 2. Ministério da Casa Civil  Estratégia do Governo: nomeação do Lula como Ministro da Casa Civil.  Conseqüências:  Descontentamento da população;  Ruptura oficial da base aliada;  Abertura para a oposição pedir pelo processo de Impeachment.
  • 86. Pedaladas Fiscais  Prática do Tesouro Nacional (TN) de atrasar intencionalmente repasses aos bancos públicos e autarquias.  Objetivo de melhorar artificialmente as contas públicas.  Classificado como crime de responsabilidade fiscal. Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) proíbe que bancos públicos financiem seu controlador (TN) .  Conseqüência:  Se aprovado pelo Congresso Nacional, o processo de Impeachment da Presidente Dilma, culminará com o seu afastamento por 180 dias e a posse de Michel Temer.
  • 88.  Politica Monetária está no caminho certo.  Necessidade do Ajuste Fiscal.  Divergência das Politicas Econômicas.  A meta de inflação ≤ 6,5%, para 2016, não será alcançada. Projeções PIB (Δ%) Inflação (%) Desemprego (%) Selic (%) Déficit Primário (%PIB) Taxa de Câmbio R$/USD 2016 -3,8 6,80 9,70 13,25 8,7 3,80 Brasil em números
  • 89. Balanço de Risco  Aumento da taxa de juros nos EUA.  Pode dificultar o ajustamento das contas externas, por conta de fuga de capitais  Agravamento da Crise Política e Institucional.  Aumento da incerteza na economia.  Não ser feito o Ajuste Fiscal.  Aumenta a probabilidade com a manutenção do Governo Dilma.  Desaceleração da Economia Mundial.  Principalmente da China.