A literatura enquanto catalisadora da mudança social

1.025 visualizações

Publicada em

Apresentação feita para o III Encontro Catarinense de Escritores e I Encontro Internacional de Escritores de Alfredo Wagner

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.025
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
25
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • \n
  • \n
  • \n
  • \n
  • \n
  • \n
  • \n
  • \n
  • \n
  • \n
  • \n
  • \n
  • \n
  • \n
  • \n
  • \n
  • \n
  • \n
  • \n
  • \n
  • \n
  • \n
  • \n
  • \n
  • \n
  • \n
  • \n
  • \n
  • \n
  • \n
  • \n
  • \n
  • \n
  • \n
  • \n
  • \n
  • \n
  • \n
  • \n
  • \n
  • \n
  • \n
  • \n
  • \n
  • \n
  • \n
  • \n
  • \n
  • \n
  • \n
  • \n
  • \n
  • \n
  • \n
  • \n
  • \n
  • \n
  • \n
  • \n
  • \n
  • \n
  • \n
  • \n
  • \n
  • \n
  • \n
  • \n
  • A literatura enquanto catalisadora da mudança social

    1. 1. A literatura enquantocatalisadora damudança social Rafael Reinehr
    2. 2. Apropaganda socialista
    3. 3. A propaganda espiritual
    4. 4. Algumas obras...Fábulas: George Orwell em A Revolução dosBichosJornada imaginária: Jonathan Swift em AsViagens de GulliverFantasias utópicas: A Utopia, de ThomasMorus - Admirável Mundo Novo, de AldousHuxley - 1984, de George Orwell
    5. 5. “Eu vejo o protesto como uma forma genuína de encorajar alguém a sentir asinconsistências, o horror das vidas que levamos. O protesto social está dizendoque não precisamos viver dessa forma. Se sentimos profundamente, e encorajamosnós mesmos e outros a sentir profundamente, encontraremos o germe das nossasrespostas sobre a mudança. Porque uma vez que reconheçamos o que estamossentindo, que reconheçamos que podemos sentir profundamente, amarprofundamente, sentir encantamento, então vamos demandar que todas partes denossas vidas produzam tal tipo de encantamento. E se elas não o fizerem, vamosperguntar: “Porque elas não o fazem?” E é a pergunta que irá nos guiar para ainevitável mudança social. Assim, a questão do protesto social e da arte éinseparável para mim. (...) Arte pela arte não existe para mim. (...) Eu amo apoesia e amo as palavras, mas o que é bonito precisa servir ao propósito de mudarminha vida, ou eu teria morrido. Se eu não puder ventilar esta dor e alterá-la, eucertamente dela morrerei. Este é o começo do protesto social.”Audre Lorde
    6. 6. “Eu sugiro que o papel do artista é transcender a sabedoria convencional,transcender a palavra do estabelecido, transcender a ortodoxia, ir além eescapar do que é oferecido pelo governo e do que é dito na mídia... É otrabalho do artista pensar fora dos limites do permissível e se atrever adizer coisas que ninguém mais diria... É absolutamente patrióticoapontar o dedo ao governo e dizer que ele não está fazendo o que deveriafazer para salvaguardar o direito dos cidadãos à vida, liberdade e busca dafelicidade... Precisamos ser capazes de olhar para nós mesmos, olhar paranosso país honesta e claramente e tal como podemos examinar as terríveiscoisas que as pessoas fazem em outros lugares, precisamos estar dispostosa examinar as terríveis coisas que são feitas aqui pelo nosso governo.”Howard Zinn, Artistas em Tempos de Guerra
    7. 7. Como a literaturafunciona para nósOu: dos usos da literatura para a sociedade humana
    8. 8. SabedoriaSabedoria acumuladaatravés de gerações deescritores, técnicas,registros, temas,tópicos, padrões dereflexão e representação
    9. 9. ExploraçãoCriação de mundospossíveisImaginação deexperiências dramáticasExploração das regrasbásicas da naturezahumana e da estruturado mundo
    10. 10. Representação ouReflexo da RealidadeA experiência humana éafetiva e simbólicaA literatura usa afetos esímbolos e poderepresentargenuinamente aexperiência humana
    11. 11. Ideologia ou Visão de MundoA literatura poderepresentar as formascom que as pessoasenxergam o mundoPode se posicionardesta ou daquelamaneira, estabelecendouma postura ideológica
    12. 12. Código CulturalUma roupa tem códigosLiteratura os tem maisdensos e sutis ecomplexos que outrasformas de comunicarA partir do estudo eaplicação dos códigos, oescritor consegue levara reflexões profundas
    13. 13. LinguagemUma boa literaturaconsegue engajar oleitor a refinar suascapacidades delinguagemAumento dacapacidade deconceitualização eentendimento domundo
    14. 14. SubjetividadeTemos papéis sociaisque ditam como sentir eagirLiteratura permite“modelar” estes papéise entrar no papel dooutroTambém examina ainteração dassubjetividades
    15. 15. Função CulturalArticula valores,mantendo o poder dossímbolos em uma culturaIdentifica e abordaquestões relevantes auma culturaDá senso de identidade auma comunidade,através de suasnarrativas
    16. 16. Algumas ideiaspara melhorar o mundo
    17. 17. BibliotecasComunitárias
    18. 18. Biblioteca na BaseComunitária do JardimRanieri São Paulo - SP espaço ocioso base da polícia militar cooperação/mutirão integração com a comunidade
    19. 19. BorrachaliotecaSabará - MGMarcos Túlio gostavade ler, e queria usar seutempo livre
    20. 20. Livro Livre,Livro de Rua
    21. 21. Parada Cultural -Biblioteca Popular 24hBrasília - DFinício em um açougue >6000 livros em umaparada de ônibus35 pontos, 600 livros emcada parada da AsaNorte
    22. 22. Livros em Locais de Circulação
    23. 23. Livros Itinerantes
    24. 24. Biblioteca Livro em RodaConde - PBárea ruralitinerante - 21 escolas e3 creches, mais de 2450crianças e adolescentes
    25. 25. “Ler em Casa”Picada Café, RSsacolas de livroscirculam pelos bairros“Expresso da leitura”-transporte gratuito até aBibl. Pública Municipal“Saberes da nossagente”- aulasdomicilares
    26. 26. Tenda da Biblioteca PopularTrairi - CE5% dos munícipes em 1anoA biblioteca leva tendaàs feiras, eventos,exposições
    27. 27. Projeto Jegue-LivroAlto Alegre do Pindaré- MA2/3 população empovoados espalhadosacervo da Casa doProfessorjovens promovematividades de incentivoà leitura
    28. 28. BiciclotecaCampo Limpo - SP >São Paulo - SPJardim Maria Sampaio> Instituto MobilidadeVerdeO livro vai ao leitor
    29. 29. Crossbooking
    30. 30. “Esquecer” um livroUm ato de libertaçãoUm ato de educaçãoUm ato de culturaUm ato de desapegoUm ato de humanidade
    31. 31. Oficinas literárias gratuitas
    32. 32. Celeiro de OficinasColetivo APonte! - Redede Educadores LivresFavo Araranguá daCoolmeiaOficina de Criação deMinicontos
    33. 33. Oficinas de escrita criativa
    34. 34. Projeto Meninos RomânticosHortolândia - SPFanzine criado porcrianças, adolescentes ejovenscanal de expressãosuperação da situaçãode violação de direitos eexercício da cidadania
    35. 35. Clube de Leituras
    36. 36. Clube da LeituraPirapora - MGLeo, esposa e filhosgostavam de lerVendiam peixe durantea semanaSolução: Livro + peixe!
    37. 37. Círculo de LeiturasSão Paulo, SãoBernardo, Pernambuco1800 jovensmultiplicadoresmelhor desempenhoescolar, interação,convivialidade
    38. 38. Criação comunitária de livros
    39. 39. Elaboraçãocomunitária de livroVila da Penha, RJResgate das pessoascomuns da comunidadeResgate da história dacomunidadeLivro produzidocoletivamente
    40. 40. Poemas no ônibus
    41. 41. Leitura para todosBelo Horizonte - MGdesde 2004, poemas,contos e crônicas
    42. 42. Poemas no ÔnibusEm Porto Alegre, há 16anosConcurso cultural anualCentenas de ônibusA comunidadeparticipa
    43. 43. Contação de Histórias
    44. 44. Poesia Viva - A Poesia bate à sua portaMariana - MGuma artista plástica - deporta em porta -levando poesia eliteratura para os laresleitura de poesias,contos crônicasdistribuição de jornais elivros
    45. 45. Leitura para bebês na UTI neonatalRio de Janeiro - RJtornar ambiente maisacolhedor, substituir osom das máquinas pelohumanoestabelecer com bebêdiálogo afetivo eacolhedor
    46. 46. Saraus literários
    47. 47. O Canto das LetrasBairro CidadeTiradentes - SP - 30 milescolas públicas,mistura de arte e leiturasaraus, contação dehistória, letramentoparticipaçãocomunitária
    48. 48. Feiras do Livro
    49. 49. FLIPParaty, RJEncontro de escritoresde renomeinternacionalLiteratura, cultura,novos escritores,efervescência
    50. 50. Feira do Livro de Porto Alegre Mais de 50 anos convivialidade todos estratos sociais mudança da paisagem ativação e reativação de leitores
    51. 51. Jornadas Literárias de Passo Fundo Passo Fundo - RS Oficinas, grandes escritores, prêmios Parceria com UPF Comunidade participa em peso
    52. 52. Mural Público
    53. 53. Inclusão social
    54. 54. Livro falado, umaquestão de cidadaniaCuritiba - PRVanessa, profa. 7a sérieAumentar a seção deaudiolivros, paradeficientes visuais
    55. 55. Leituras e Vivências comRecuperandos do SistemaPrisional Nova Lima - MG leitura, análise e produção de textos aumento da habilidade de comunicação e auto- estima 10% de reinciência criminal, ante 85% da média brasileira
    56. 56. Conexão com redes de mudança
    57. 57. Aprendizagem, Educação Popular,Democrática e LibertáriaPermacultura, Agroecologia, AlimentaçãoSaudávelSaúde, Bem-estar e FelicidadeEconomia Solidária e Comércio JustoComunicação e Mídias Livres
    58. 58. Em relação à Literatura...Oferecer condições para a formação de umasociedade leitoraDespertar o prazer de lerOcupar espaços públicos e privados comatividades culturais em torno da leituraMobilizar o público para a necessidade daleituraDemocratizar o acesso aos bens culturais
    59. 59. Nossa Missãopromover ações e soluções que tragam overdadeiro e justo benefício ao maior númeropossível de pessoas.
    60. 60. Quem somosSomos uma rede de pessoas organizadas deforma horizontal e não-hierárquica dedicadas àtarefa de enfrentar os grandes desafios donosso tempo. Somos um grupo de visionáriosunidos pela tarefa de encontrar, compartilhar,discutir e aprimorar informações, atitudes esoluções voltadas para o Bem Comum.
    61. 61. As ferramentas para construir um brilhantefuturo para todos já estão entre nós. ACoolmeia se propõe a agregá-las.
    62. 62. Precisamos de melhores ferrramentas,modelos , ideias e atitudes para mudar omundo para melhor.Quanto mais pessoas tiverem acesso a essesmodelos, ferramentas, ideias e atitudes,melhores suas próprias ideias se tornarão emais ideias e boas atitudes passarão aacontecer.
    63. 63. Considere esta conversa um convite parajuntar-se à aventura.Que tipo de futuro você criará?
    64. 64. coolmeia@coolmeia.org

    ×