SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 11
Baixar para ler offline
A Evolução do Pensamento Econômico
O pensamento econômico foi se desenvolvendo ao longo do tempo à
medida que as trocas comerciais foram se estabelecendo e surgiram os
primeiros comércios. Com isso, foram surgiram diversas escolas de
pensamento econômico formadas por filósofos e economistas da época
Essas escolas surgiram no mundo com o objetivo de organizar a
economia e, nesse sentido, elas constituem um conjunto de
princípios teóricos e de ideais e valores que envolvem questões
políticas, sociais e éticas
O pensamento econômico é formado 1º de
forma teórica e, em um segundo momento,
pela vinculação ideológica. Dessa forma,
as ideias e os valores que os pensadores
de uma classe dominante produzem para
que se forme uma nova classe e que se
sobrepõe as outras não-dominantes, se
tornam um padrão de ideias e passam a ser
aceitos pela sociedade
Quando aceitos pela sociedade,
esse padrão de ideias serve de
base para uma nova dominação
de classe, formando-se assim as
ideologias. Nesse sentido, as
escolas econômicas são
ideologias formadas ao longo do
tempo no mundo
A Escola Mercantilista
Foi a 1ª escola econômica e mesmo não tendo
um conjunto técnico homogêneo de regras, o
Mercantilismo se preocupava com o acúmulo de
riquezas de uma nação e possuía alguns
princípios para fomentar o comércio exterior
Nessa época, surgiram os relatos mais importantes
sobre a moeda e, diante disso, o acúmulo de metais se
tornou importante. Acreditava-se que o poder de um
país poderia ser medido pelo seu estoque de metais
preciosos
A política colonial mercantilista consistia
em explorar ao máximo a colônia em
relação aos metais preciosos e em
relação aos demais produtos tropicais.
Além disso, em exigir um Pacto Colonial,
em que se estabelecia exclusividade da
comercialização entre as colônias e suas
respectivas metrópoles
O Mercantilismo costurou os
interesses do Estado
colonialista nos séculos 16 e 17
e os seus principais pensadores
econômicos foram Thomas Mun,
Gerard Malynes, Jean Bodin e
Jean Baptiste Colbert
Escola da Fisiocracia A fim de combater as práticas mercantilistas
exploradoras, surgiram os fisiocratas, que
eram economistas que contestavam a
regulação da economia pelo governo. Eles
defendiam que a natureza como ordem natural
e que a produção agrícola eram as únicas
formas de gerar a economia e ampliação dos
excedentes econômicos
O objetivo da Fisiocracia
era o livre comércio, onde
o preço do mercado era
considerado de ordem
natural. O principal
trabalho realizado pela
fisiocracia foi
apresentado pelo Dr.
François Quesnay
A Fisiocracia foi
considerada a 1ª escola
que estudou a economia
como ciência e, segundo
Rossetti, a economia
enquanto ciência social é
aquela que busca cumprir
os seus objetivos e
resolver os problemas
econômicos fundamentais
A partir da Escola da
Fisiocracia surgiram
outras escolas que
contribuíram para a
evolução do
pensamento econômico,
tais como: a clássica, a
neoclássica, a
keynesiana e a atual
Escola Clássica
Defendia os ideais individualistas do Liberalismo e seus
principais pensadores econômicos foram Adam Smith,
Jean Baptiste Say, John Stuart Mill e David Ricardo
O bem-estar social defendido pelos pensadores dessa
escola poderia ser alcançado por instituições como a
propriedade privada, os meios de produção e a liberdade
de mercado
O pensador econômico
Adam Smith teve
bastante influência
nessa escola, ao
desenvolver sua grande
obra “A Riqueza das
Nações”, a qual
contribuiu para o estudo
a respeito do livre
mercado, do Estado
mínimo e da divisão de
trabalho
Jean Baptiste Say
desenvolveu a Lei da
Oferta e da Demanda,
que afirma que toda
oferta cria sua própria
demanda (procura).
David Ricardo
desenvolveu estudos
baseados nas vantagens
comparativas e na área
de comércio
internacional
Ele atribuía todos os custos da
empresa aos custos de trabalho e,
além disso, também relacionou o
acúmulo de capital ao aumento
desenfreado da população e à
elevação de renda. Já John Stuart Mill
foi um grande defensor da liberdade
de mercado, aprofundando os seus
estudos no funcionamento da
economia de mercado
Escola
Neoclássica
Concentrava seus estudos sobre o comportamento do
consumidor, sobre a teoria marginalista e a teoria quantitativa
da moeda. No período em que essa teoria nasceu os aspectos
microeconômicos foram os merecedores de atenção, pois
existia a crença na economia de mercado e em sua capacidade
de autorregulação entre as forças de demanda e oferta
A Lei de Say dizia
que a oferta
criava sua
própria demanda
e é válida para
essa teoria.
Dessa forma, a
demanda não
constitui uma
variável
determinante
para o nível do
produto
Outro ponto importante foi o comportamento dos agentes, baseado
na noção de que os consumidores buscavam a máxima satisfação de
consumo e os produtores buscavam a máxima obtenção de lucro
Escola
Keynesiana
Desenvolvida pelo pensador John Maynard Keynes, aprofundando seus estudos
sobre a teoria geral do emprego, dos juros e da moeda. Seu trabalho teve
importante impacto, pois surgiu na época da Grande Depressão quando muitos
países capitalistas enfrentavam sua pior crise
Para Keynes caso o país estivesse em uma recessão, seria
necessário a intervenção do Estado através de políticas de
incentivos aos gastos públicos, a fim de promover a
demanda
Existem inúmeros debates teóricos a respeito do
trabalho de Keynes, com a divisão de 3 grupos:
Os monetaristas
acreditam que o
controle da moeda e
pouca intervenção
do Estado é a melhor
forma de atuação em
situação de crise
Já os fiscalistas ou
keynesianos acreditam
que o alto grau de
intervenção do Estado
e as políticas fiscais
ativas constituem a
melhor saída
Por fim, os pós-
keynesianos
acreditavam que a
política econômica
deveria ser
conduzida de
forma ativa
Escola
Institucionalista
Surgiu como um desdobramento da
outas teorias, buscando entender a
harmonia natural da vida econômica.
Dirige suas críticas às escolas clássicas
e neoclássicas por não considerarem
em suas análises a história e os meios
sociais e institucionais
Seus estudos aprofundaram-se
em estatísticas sobre o
funcionamento da economia.
Nessa escola, o homem é
estudado como um ser
econômico racional, capaz de
realizar cálculos
Escolas Alternativas A teoria econômica tem sido muito criticada e recebido abordagens
alternativas, sendo que muitas críticas foram incorporadas à teoria.
Dos críticos, podemos destacar os marxistas e os institucionalistas
Marx compreendia que o valor da força de trabalho
equivalia ao trabalho necessário à sobrevivência do
trabalhador. Portanto, mais-valia significava a diferença
entre o valor incorporado a um bem e a remuneração do
trabalho que foi necessário para sua produção
Os economistas chamados de
marginalistas eram contra os
pensamentos socialistas e
contribuíram para o
pensamento econômico,
desenvolvendo modelos
teóricos dedutivos para
comprovar o equilíbrio geral
da economia
Escolas Atuais
A partir de 1970, a Teoria
Econômica vem apresentando
diversas transformações e, uma
delas, diz respeito às limitações
de aplicação das teorias. Outro
ponto é o avanço do
conhecimento empírico da
Economia e também à
consolidação das contribuições
dos demais períodos anteriores
Com a
informatização, o
volume e a precisão
do processamento de
informações
aumentaram muito,
tornando o
conhecimento
empírico muito mais
prático
Atualmente, a análise econômica é feita com base em quase todos os
aspectos da vida humana. Isto faz com que o padrão de vida e o bem
estar das pessoas tenham uma melhora significativa
Os séculos 19 e 20 foram importantes para as decisões
econômicas e políticas do mundo. As guerras que ocorreram foram
cruciais para a formação ideológica atual e, além da destruição em
massa da 1ª e 2ª Guerras, tivemos a Guerra Fria, que durou 40
anos, período em que as 2 grandes potências dividiram o mundo
em 2 partes opostas
O mundo foi dividido em 2 blocos: a
República Federal da Alemanha
(RFA), representada pelo
Capitalismo liderado pelos EUA e a
República Democrática Alemã (RDA),
constituída pelos países socialistas
comandados pela antiga URSS
A Queda do Muro de Berlim
começou a colocar um fim a essa
divisão. O capitalismo venceu o
socialismo predominando até os
dias atuais. Dessa forma, a
economia mundial passou por
transformações para atender às
necessidades capitalistas
Os Sistemas Econômicos Atuais (Evolução e Classificação)
Com o objetivo de
resolver os principais
problemas econômicos (o
que, como, para quem e
quando produzir) e de
estruturação, a sociedade
passou a se organizar em
sistemas econômicos
Um sistema econômico é uma
forma de organizar a produção, a
distribuição e o consumo de bens
e serviços da sociedade e, para
isso, existem elementos (como os
fatores de produção) que devem
ser administrados e alocados
eficientemente, tais como:
Recursos humanos (as
pessoas, a força de
trabalho) / Capital (as
máquinas, equipamentos
e instalações) / Terra
(recursos naturais, terras
cultiváveis)
Os sistemas econômicos são classificados em:
A) Economia de Mercado: Atua de forma
descentralizada, sem a intervenção do
Estado na economia. Os EUA é um bom
exemplo, pois não possui uma
autoridade central para regular o que
deve e para quem deve ser produzido
O sistema Capitalista também é conhecido
como economia de mercado, possuindo uma
economia regida pelas forças de mercado; ou
seja, a intervenção governamental não é
predominante. Nele, os fatores de produção
são de propriedade privada, prevalecendo a
livre iniciativa
Além disso, os preços e salários são determinados pelas forças da
oferta e da demanda, sem intervenção governamental. Esse tipo
de economia pode ser analisado sob dois sistemas (a) Sistema de
Concorrência Pura (perfeita) e (b) Sistema de Economia Mista
O sistema de Concorrência Pura é baseado no
pensamento do liberalismo econômico, defendendo
que o indivíduo atue de forma livre no mercado sem a
intervenção do Estado. A expressão francesa laissez-
faire foi utilizada no liberalismo para demonstrar a
liberdade econômica
Essa expressão foi
utilizada por Adam Smith
em seu livro “A Riqueza
das Nações”. O argumento
é a força da livre economia
de mercado em que o
agente é lançado por uma
mão invisível a fim de
atender ao seu interesse
próprio e, por sua livre
iniciativa, possibilita o
bem-estar econômico de
todos os agentes
Para Smith, se o mercado fosse deixado em paz
pelos governos ele se manteria sempre em
equilíbrio. Caberia ao Estado apenas três (3)
funções: (A) o estabelecimento e a manutenção
da justiça; (B) a defesa nacional; (C) a criação e
a manutenção de certas obras e instituições
públicas, as quais não fossem de interesse
privado
Outro tipo de economia de mercado é o de Economia Mista
onde as forças de mercado prevalecem, mas o Governo cuida
da produção dos bens públicos como educação, saúde,
saneamento, justiça, defesa nacional, etc.
Nos sistemas Capitalistas prevalece a Economia Mista,
uma vez que o Estado atua na alocação e na distribuição
de recursos em algumas áreas, como infraestrutura,
energia, saneamento, telecomunicações e transporte
Outro sistema econômico é o de
Economia Planificada (ou
centralizada). Conhecido
também como Socialista, existe
um mercado descentralizado,
pois o Estado intervém na
economia do país, determinado
o que, para que, quando e para
quem produzir no país
No sistema Socialista (ou Economia
Centralizada) há um órgão central de
planejamento, predominando a propriedade
governamental dos fatores de produção,
abrangendo os meios de fabricação, terras,
prédios, bancos e matérias primas. Fora isso, os
preços e salários não são decididos pelo
mercado, mas pelo Governo que detém a maioria
dos fatores de produção (terra, capital e
máquinas)

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula 1 Economia e Mercado Global
Aula 1 Economia e Mercado GlobalAula 1 Economia e Mercado Global
Aula 1 Economia e Mercado GlobalLuciano Cavalcante
 
Elasticidade e suas aplicações
Elasticidade e suas aplicaçõesElasticidade e suas aplicações
Elasticidade e suas aplicaçõesLuciano Pires
 
Keynes e a Nova Economia
Keynes e a Nova EconomiaKeynes e a Nova Economia
Keynes e a Nova EconomiaGabriel Resende
 
Evolução do pensamento econômico
Evolução do pensamento econômicoEvolução do pensamento econômico
Evolução do pensamento econômicoAndré Dal Bello
 
Introdução a economia
Introdução a economiaIntrodução a economia
Introdução a economiaStudiesfree
 
04 Introdução à Microeconomia
04   Introdução à Microeconomia04   Introdução à Microeconomia
04 Introdução à MicroeconomiaRicardo Barbosa
 
02 Economia - Pensamento Econômico
02 Economia - Pensamento Econômico02 Economia - Pensamento Econômico
02 Economia - Pensamento EconômicoRicardo Barbosa
 
Aula de macroeconomia
Aula de macroeconomiaAula de macroeconomia
Aula de macroeconomiaAmanda Pontar
 
introdução a economia 1
introdução a economia 1introdução a economia 1
introdução a economia 1anna caroline
 
Introdução à economia 1a parte conceitos básicos
Introdução à economia 1a parte conceitos básicosIntrodução à economia 1a parte conceitos básicos
Introdução à economia 1a parte conceitos básicosJoão Cláudio Arroyo
 
As Escolas: Mercantilista, Fisiocrata e Clássica
As Escolas: Mercantilista, Fisiocrata e ClássicaAs Escolas: Mercantilista, Fisiocrata e Clássica
As Escolas: Mercantilista, Fisiocrata e Clássicaeconomiadeuniversitario
 
Liberalismo
LiberalismoLiberalismo
Liberalismocattonia
 
Os 10 princípios básicos da economia
Os 10 princípios básicos da economiaOs 10 princípios básicos da economia
Os 10 princípios básicos da economiaAlexandre Cunha Gomes
 

Mais procurados (20)

Slides Economia
Slides EconomiaSlides Economia
Slides Economia
 
Aula 1 Economia e Mercado Global
Aula 1 Economia e Mercado GlobalAula 1 Economia e Mercado Global
Aula 1 Economia e Mercado Global
 
Elasticidade e suas aplicações
Elasticidade e suas aplicaçõesElasticidade e suas aplicações
Elasticidade e suas aplicações
 
Keynes e a Nova Economia
Keynes e a Nova EconomiaKeynes e a Nova Economia
Keynes e a Nova Economia
 
Introdução à Economia - Conceitos
Introdução à Economia - ConceitosIntrodução à Economia - Conceitos
Introdução à Economia - Conceitos
 
Evolução do pensamento econômico
Evolução do pensamento econômicoEvolução do pensamento econômico
Evolução do pensamento econômico
 
Economia e mercado
Economia e mercadoEconomia e mercado
Economia e mercado
 
Introdução a economia
Introdução a economiaIntrodução a economia
Introdução a economia
 
SLIDES DE MACROECONOMIA (AULA 2)
SLIDES DE MACROECONOMIA (AULA 2) SLIDES DE MACROECONOMIA (AULA 2)
SLIDES DE MACROECONOMIA (AULA 2)
 
04 Introdução à Microeconomia
04   Introdução à Microeconomia04   Introdução à Microeconomia
04 Introdução à Microeconomia
 
02 Economia - Pensamento Econômico
02 Economia - Pensamento Econômico02 Economia - Pensamento Econômico
02 Economia - Pensamento Econômico
 
Estruturas de mercado 2011_01
Estruturas de mercado 2011_01Estruturas de mercado 2011_01
Estruturas de mercado 2011_01
 
Aula de macroeconomia
Aula de macroeconomiaAula de macroeconomia
Aula de macroeconomia
 
introdução a economia 1
introdução a economia 1introdução a economia 1
introdução a economia 1
 
Introdução à economia 1a parte conceitos básicos
Introdução à economia 1a parte conceitos básicosIntrodução à economia 1a parte conceitos básicos
Introdução à economia 1a parte conceitos básicos
 
As Escolas: Mercantilista, Fisiocrata e Clássica
As Escolas: Mercantilista, Fisiocrata e ClássicaAs Escolas: Mercantilista, Fisiocrata e Clássica
As Escolas: Mercantilista, Fisiocrata e Clássica
 
Aula 1 princípios da economia
Aula 1   princípios da economiaAula 1   princípios da economia
Aula 1 princípios da economia
 
Liberalismo
LiberalismoLiberalismo
Liberalismo
 
Aula 1 economia original
Aula 1 economia originalAula 1 economia original
Aula 1 economia original
 
Os 10 princípios básicos da economia
Os 10 princípios básicos da economiaOs 10 princípios básicos da economia
Os 10 princípios básicos da economia
 

Semelhante a A Evolução do Pensamento Econômico

Economia 2 adm_a01
Economia 2 adm_a01Economia 2 adm_a01
Economia 2 adm_a01Angelo Yasui
 
Fundamentos de econômia
Fundamentos de econômiaFundamentos de econômia
Fundamentos de econômiaDayane Dias
 
Teoria Econômica
Teoria EconômicaTeoria Econômica
Teoria EconômicaYuri Silver
 
Qualificação profissional em tempos de crise
Qualificação profissional em tempos de criseQualificação profissional em tempos de crise
Qualificação profissional em tempos de criseCarlos Rocha
 
A EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ECONÔMICO E SEUS EFEITOS SOBRE A ECONOMIA MUNDIAL AO...
A EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ECONÔMICO E SEUS EFEITOS SOBRE A ECONOMIA MUNDIAL AO...A EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ECONÔMICO E SEUS EFEITOS SOBRE A ECONOMIA MUNDIAL AO...
A EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ECONÔMICO E SEUS EFEITOS SOBRE A ECONOMIA MUNDIAL AO...Fernando Alcoforado
 
O que é a economia ?.docx
O que é a economia ?.docxO que é a economia ?.docx
O que é a economia ?.docxcarolinabalona3
 
As Principais Escolas Da Econimia E A Crise Atual
As Principais Escolas Da Econimia E A Crise AtualAs Principais Escolas Da Econimia E A Crise Atual
As Principais Escolas Da Econimia E A Crise Atualgustavocorreia
 
Sem nome economia
Sem nome economiaSem nome economia
Sem nome economiaholinaldo
 

Semelhante a A Evolução do Pensamento Econômico (20)

Economia politica 1
Economia politica 1Economia politica 1
Economia politica 1
 
Economia politica
Economia politicaEconomia politica
Economia politica
 
Economia 2 adm_a01
Economia 2 adm_a01Economia 2 adm_a01
Economia 2 adm_a01
 
Ec 2 adm_a01
Ec 2 adm_a01Ec 2 adm_a01
Ec 2 adm_a01
 
Fundamentos de econômia
Fundamentos de econômiaFundamentos de econômia
Fundamentos de econômia
 
( Espiritismo) # - ademar a c reis - neoliberalismo x espiritismo
( Espiritismo)   # - ademar a c reis - neoliberalismo x espiritismo( Espiritismo)   # - ademar a c reis - neoliberalismo x espiritismo
( Espiritismo) # - ademar a c reis - neoliberalismo x espiritismo
 
( Espiritismo) # - ademar a c reis - neoliberalismo x espiritismo
( Espiritismo)   # - ademar a c reis - neoliberalismo x espiritismo( Espiritismo)   # - ademar a c reis - neoliberalismo x espiritismo
( Espiritismo) # - ademar a c reis - neoliberalismo x espiritismo
 
Teoria Econômica
Teoria EconômicaTeoria Econômica
Teoria Econômica
 
Te 2011 31
Te 2011 31Te 2011 31
Te 2011 31
 
Economia politica 2
Economia politica 2Economia politica 2
Economia politica 2
 
Schumpeter
SchumpeterSchumpeter
Schumpeter
 
Qualificação profissional em tempos de crise
Qualificação profissional em tempos de criseQualificação profissional em tempos de crise
Qualificação profissional em tempos de crise
 
Td eco-01 apostila-de_economia[2]
Td eco-01 apostila-de_economia[2]Td eco-01 apostila-de_economia[2]
Td eco-01 apostila-de_economia[2]
 
92 questões de geografia
92 questões de geografia92 questões de geografia
92 questões de geografia
 
Aula 8
Aula 8Aula 8
Aula 8
 
A EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ECONÔMICO E SEUS EFEITOS SOBRE A ECONOMIA MUNDIAL AO...
A EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ECONÔMICO E SEUS EFEITOS SOBRE A ECONOMIA MUNDIAL AO...A EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ECONÔMICO E SEUS EFEITOS SOBRE A ECONOMIA MUNDIAL AO...
A EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ECONÔMICO E SEUS EFEITOS SOBRE A ECONOMIA MUNDIAL AO...
 
O que é a economia ?.docx
O que é a economia ?.docxO que é a economia ?.docx
O que é a economia ?.docx
 
Sociologia m1
Sociologia m1Sociologia m1
Sociologia m1
 
As Principais Escolas Da Econimia E A Crise Atual
As Principais Escolas Da Econimia E A Crise AtualAs Principais Escolas Da Econimia E A Crise Atual
As Principais Escolas Da Econimia E A Crise Atual
 
Sem nome economia
Sem nome economiaSem nome economia
Sem nome economia
 

Mais de PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas

Mais de PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas (20)

Comportamento em Ambientes de Trabalho
Comportamento em Ambientes de TrabalhoComportamento em Ambientes de Trabalho
Comportamento em Ambientes de Trabalho
 
Como Utilizar o Marketing nas Redes Sociais
Como Utilizar o Marketing nas Redes SociaisComo Utilizar o Marketing nas Redes Sociais
Como Utilizar o Marketing nas Redes Sociais
 
Ambiente Empreendedor nas Corporações e a Proposta de Um Modelo de Inovação P...
Ambiente Empreendedor nas Corporações e a Proposta de Um Modelo de Inovação P...Ambiente Empreendedor nas Corporações e a Proposta de Um Modelo de Inovação P...
Ambiente Empreendedor nas Corporações e a Proposta de Um Modelo de Inovação P...
 
Postura e Imagem Profissional em Ambientes Corporativos
Postura e Imagem Profissional em Ambientes CorporativosPostura e Imagem Profissional em Ambientes Corporativos
Postura e Imagem Profissional em Ambientes Corporativos
 
Psicologia do Trabalho (Uma Introdução ao Estudo do Comportamento e da Person...
Psicologia do Trabalho (Uma Introdução ao Estudo do Comportamento e da Person...Psicologia do Trabalho (Uma Introdução ao Estudo do Comportamento e da Person...
Psicologia do Trabalho (Uma Introdução ao Estudo do Comportamento e da Person...
 
O Processo de Transporte de Cargas.pptx
O Processo de Transporte de Cargas.pptxO Processo de Transporte de Cargas.pptx
O Processo de Transporte de Cargas.pptx
 
Conceitos, Evolução e Processos Logísticos.pptx
Conceitos, Evolução e Processos Logísticos.pptxConceitos, Evolução e Processos Logísticos.pptx
Conceitos, Evolução e Processos Logísticos.pptx
 
A Criatividade Como Estratégia Competitiva Nas Organizacões
A Criatividade Como Estratégia Competitiva Nas OrganizacõesA Criatividade Como Estratégia Competitiva Nas Organizacões
A Criatividade Como Estratégia Competitiva Nas Organizacões
 
A Ciência Política e as Implicações Filosóficas, Sociológicas e Jurídicas no ...
A Ciência Política e as Implicações Filosóficas, Sociológicas e Jurídicas no ...A Ciência Política e as Implicações Filosóficas, Sociológicas e Jurídicas no ...
A Ciência Política e as Implicações Filosóficas, Sociológicas e Jurídicas no ...
 
Técnicas de Relacionamentos Interpessoais.pptx
Técnicas de Relacionamentos Interpessoais.pptxTécnicas de Relacionamentos Interpessoais.pptx
Técnicas de Relacionamentos Interpessoais.pptx
 
A Identidade Visual na Criação de Uma Marca.pptx
A Identidade Visual na Criação de Uma Marca.pptxA Identidade Visual na Criação de Uma Marca.pptx
A Identidade Visual na Criação de Uma Marca.pptx
 
Gestão Financeira Para Pequenas Empresas.pptx
Gestão Financeira Para Pequenas Empresas.pptxGestão Financeira Para Pequenas Empresas.pptx
Gestão Financeira Para Pequenas Empresas.pptx
 
A Contabilidade Como Instrumento Gerencial.pptx
A Contabilidade Como Instrumento Gerencial.pptxA Contabilidade Como Instrumento Gerencial.pptx
A Contabilidade Como Instrumento Gerencial.pptx
 
Programação Neurolinguística – História, Competências e Pressupostos.pptx
Programação Neurolinguística – História, Competências e Pressupostos.pptxProgramação Neurolinguística – História, Competências e Pressupostos.pptx
Programação Neurolinguística – História, Competências e Pressupostos.pptx
 
DINÂMICA de GRUPO.pptx
DINÂMICA de GRUPO.pptxDINÂMICA de GRUPO.pptx
DINÂMICA de GRUPO.pptx
 
AUXILIAR DE ESCRITÓRIO.pptx
AUXILIAR DE ESCRITÓRIO.pptxAUXILIAR DE ESCRITÓRIO.pptx
AUXILIAR DE ESCRITÓRIO.pptx
 
DESENVOLVIMENTO PESSOAL no TRABALHO.pptx
DESENVOLVIMENTO PESSOAL no TRABALHO.pptxDESENVOLVIMENTO PESSOAL no TRABALHO.pptx
DESENVOLVIMENTO PESSOAL no TRABALHO.pptx
 
INTELIGÊNCIA de NEGÓCIOS.pptx
INTELIGÊNCIA de NEGÓCIOS.pptxINTELIGÊNCIA de NEGÓCIOS.pptx
INTELIGÊNCIA de NEGÓCIOS.pptx
 
A Controladoria Voltada a Avaliação de Desempenho nas Empresas.pptx
A Controladoria Voltada a Avaliação de Desempenho nas Empresas.pptxA Controladoria Voltada a Avaliação de Desempenho nas Empresas.pptx
A Controladoria Voltada a Avaliação de Desempenho nas Empresas.pptx
 
Psicologia Organizacional (Histórico, Conceitos e Clima)
Psicologia Organizacional (Histórico, Conceitos e Clima)Psicologia Organizacional (Histórico, Conceitos e Clima)
Psicologia Organizacional (Histórico, Conceitos e Clima)
 

Último

Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptxSlides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREIVONETETAVARESRAMOS
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxGislaineDuresCruz
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...azulassessoria9
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...azulassessoria9
 
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.azulassessoria9
 
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoSer Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoJayaneSales1
 
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil  2023.ppsxA área de ciências da religião no brasil  2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsxGilbraz Aragão
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfQueleLiberato
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãodanielagracia9
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...Unidad de Espiritualidad Eudista
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullyingMary Alvarenga
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas BrasileirosMary Alvarenga
 
Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita Phyton
Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita PhytonAlgumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita Phyton
Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita PhytonRosiniaGonalves
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...nexocan937
 
Modelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesModelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesGilbraz Aragão
 
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTECAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTEJoaquim Colôa
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terraBiblioteca UCS
 

Último (20)

Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptxSlides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
 
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
 
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
 
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoSer Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
 
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil  2023.ppsxA área de ciências da religião no brasil  2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetização
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
 
Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita Phyton
Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita PhytonAlgumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita Phyton
Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita Phyton
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
 
Modelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesModelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das Religiões
 
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTECAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
 

A Evolução do Pensamento Econômico

  • 1. A Evolução do Pensamento Econômico O pensamento econômico foi se desenvolvendo ao longo do tempo à medida que as trocas comerciais foram se estabelecendo e surgiram os primeiros comércios. Com isso, foram surgiram diversas escolas de pensamento econômico formadas por filósofos e economistas da época Essas escolas surgiram no mundo com o objetivo de organizar a economia e, nesse sentido, elas constituem um conjunto de princípios teóricos e de ideais e valores que envolvem questões políticas, sociais e éticas O pensamento econômico é formado 1º de forma teórica e, em um segundo momento, pela vinculação ideológica. Dessa forma, as ideias e os valores que os pensadores de uma classe dominante produzem para que se forme uma nova classe e que se sobrepõe as outras não-dominantes, se tornam um padrão de ideias e passam a ser aceitos pela sociedade Quando aceitos pela sociedade, esse padrão de ideias serve de base para uma nova dominação de classe, formando-se assim as ideologias. Nesse sentido, as escolas econômicas são ideologias formadas ao longo do tempo no mundo
  • 2. A Escola Mercantilista Foi a 1ª escola econômica e mesmo não tendo um conjunto técnico homogêneo de regras, o Mercantilismo se preocupava com o acúmulo de riquezas de uma nação e possuía alguns princípios para fomentar o comércio exterior Nessa época, surgiram os relatos mais importantes sobre a moeda e, diante disso, o acúmulo de metais se tornou importante. Acreditava-se que o poder de um país poderia ser medido pelo seu estoque de metais preciosos A política colonial mercantilista consistia em explorar ao máximo a colônia em relação aos metais preciosos e em relação aos demais produtos tropicais. Além disso, em exigir um Pacto Colonial, em que se estabelecia exclusividade da comercialização entre as colônias e suas respectivas metrópoles O Mercantilismo costurou os interesses do Estado colonialista nos séculos 16 e 17 e os seus principais pensadores econômicos foram Thomas Mun, Gerard Malynes, Jean Bodin e Jean Baptiste Colbert
  • 3. Escola da Fisiocracia A fim de combater as práticas mercantilistas exploradoras, surgiram os fisiocratas, que eram economistas que contestavam a regulação da economia pelo governo. Eles defendiam que a natureza como ordem natural e que a produção agrícola eram as únicas formas de gerar a economia e ampliação dos excedentes econômicos O objetivo da Fisiocracia era o livre comércio, onde o preço do mercado era considerado de ordem natural. O principal trabalho realizado pela fisiocracia foi apresentado pelo Dr. François Quesnay A Fisiocracia foi considerada a 1ª escola que estudou a economia como ciência e, segundo Rossetti, a economia enquanto ciência social é aquela que busca cumprir os seus objetivos e resolver os problemas econômicos fundamentais A partir da Escola da Fisiocracia surgiram outras escolas que contribuíram para a evolução do pensamento econômico, tais como: a clássica, a neoclássica, a keynesiana e a atual
  • 4. Escola Clássica Defendia os ideais individualistas do Liberalismo e seus principais pensadores econômicos foram Adam Smith, Jean Baptiste Say, John Stuart Mill e David Ricardo O bem-estar social defendido pelos pensadores dessa escola poderia ser alcançado por instituições como a propriedade privada, os meios de produção e a liberdade de mercado O pensador econômico Adam Smith teve bastante influência nessa escola, ao desenvolver sua grande obra “A Riqueza das Nações”, a qual contribuiu para o estudo a respeito do livre mercado, do Estado mínimo e da divisão de trabalho Jean Baptiste Say desenvolveu a Lei da Oferta e da Demanda, que afirma que toda oferta cria sua própria demanda (procura). David Ricardo desenvolveu estudos baseados nas vantagens comparativas e na área de comércio internacional Ele atribuía todos os custos da empresa aos custos de trabalho e, além disso, também relacionou o acúmulo de capital ao aumento desenfreado da população e à elevação de renda. Já John Stuart Mill foi um grande defensor da liberdade de mercado, aprofundando os seus estudos no funcionamento da economia de mercado
  • 5. Escola Neoclássica Concentrava seus estudos sobre o comportamento do consumidor, sobre a teoria marginalista e a teoria quantitativa da moeda. No período em que essa teoria nasceu os aspectos microeconômicos foram os merecedores de atenção, pois existia a crença na economia de mercado e em sua capacidade de autorregulação entre as forças de demanda e oferta A Lei de Say dizia que a oferta criava sua própria demanda e é válida para essa teoria. Dessa forma, a demanda não constitui uma variável determinante para o nível do produto Outro ponto importante foi o comportamento dos agentes, baseado na noção de que os consumidores buscavam a máxima satisfação de consumo e os produtores buscavam a máxima obtenção de lucro Escola Keynesiana Desenvolvida pelo pensador John Maynard Keynes, aprofundando seus estudos sobre a teoria geral do emprego, dos juros e da moeda. Seu trabalho teve importante impacto, pois surgiu na época da Grande Depressão quando muitos países capitalistas enfrentavam sua pior crise Para Keynes caso o país estivesse em uma recessão, seria necessário a intervenção do Estado através de políticas de incentivos aos gastos públicos, a fim de promover a demanda
  • 6. Existem inúmeros debates teóricos a respeito do trabalho de Keynes, com a divisão de 3 grupos: Os monetaristas acreditam que o controle da moeda e pouca intervenção do Estado é a melhor forma de atuação em situação de crise Já os fiscalistas ou keynesianos acreditam que o alto grau de intervenção do Estado e as políticas fiscais ativas constituem a melhor saída Por fim, os pós- keynesianos acreditavam que a política econômica deveria ser conduzida de forma ativa Escola Institucionalista Surgiu como um desdobramento da outas teorias, buscando entender a harmonia natural da vida econômica. Dirige suas críticas às escolas clássicas e neoclássicas por não considerarem em suas análises a história e os meios sociais e institucionais Seus estudos aprofundaram-se em estatísticas sobre o funcionamento da economia. Nessa escola, o homem é estudado como um ser econômico racional, capaz de realizar cálculos
  • 7. Escolas Alternativas A teoria econômica tem sido muito criticada e recebido abordagens alternativas, sendo que muitas críticas foram incorporadas à teoria. Dos críticos, podemos destacar os marxistas e os institucionalistas Marx compreendia que o valor da força de trabalho equivalia ao trabalho necessário à sobrevivência do trabalhador. Portanto, mais-valia significava a diferença entre o valor incorporado a um bem e a remuneração do trabalho que foi necessário para sua produção Os economistas chamados de marginalistas eram contra os pensamentos socialistas e contribuíram para o pensamento econômico, desenvolvendo modelos teóricos dedutivos para comprovar o equilíbrio geral da economia Escolas Atuais A partir de 1970, a Teoria Econômica vem apresentando diversas transformações e, uma delas, diz respeito às limitações de aplicação das teorias. Outro ponto é o avanço do conhecimento empírico da Economia e também à consolidação das contribuições dos demais períodos anteriores Com a informatização, o volume e a precisão do processamento de informações aumentaram muito, tornando o conhecimento empírico muito mais prático
  • 8. Atualmente, a análise econômica é feita com base em quase todos os aspectos da vida humana. Isto faz com que o padrão de vida e o bem estar das pessoas tenham uma melhora significativa Os séculos 19 e 20 foram importantes para as decisões econômicas e políticas do mundo. As guerras que ocorreram foram cruciais para a formação ideológica atual e, além da destruição em massa da 1ª e 2ª Guerras, tivemos a Guerra Fria, que durou 40 anos, período em que as 2 grandes potências dividiram o mundo em 2 partes opostas O mundo foi dividido em 2 blocos: a República Federal da Alemanha (RFA), representada pelo Capitalismo liderado pelos EUA e a República Democrática Alemã (RDA), constituída pelos países socialistas comandados pela antiga URSS A Queda do Muro de Berlim começou a colocar um fim a essa divisão. O capitalismo venceu o socialismo predominando até os dias atuais. Dessa forma, a economia mundial passou por transformações para atender às necessidades capitalistas
  • 9. Os Sistemas Econômicos Atuais (Evolução e Classificação) Com o objetivo de resolver os principais problemas econômicos (o que, como, para quem e quando produzir) e de estruturação, a sociedade passou a se organizar em sistemas econômicos Um sistema econômico é uma forma de organizar a produção, a distribuição e o consumo de bens e serviços da sociedade e, para isso, existem elementos (como os fatores de produção) que devem ser administrados e alocados eficientemente, tais como: Recursos humanos (as pessoas, a força de trabalho) / Capital (as máquinas, equipamentos e instalações) / Terra (recursos naturais, terras cultiváveis) Os sistemas econômicos são classificados em: A) Economia de Mercado: Atua de forma descentralizada, sem a intervenção do Estado na economia. Os EUA é um bom exemplo, pois não possui uma autoridade central para regular o que deve e para quem deve ser produzido O sistema Capitalista também é conhecido como economia de mercado, possuindo uma economia regida pelas forças de mercado; ou seja, a intervenção governamental não é predominante. Nele, os fatores de produção são de propriedade privada, prevalecendo a livre iniciativa
  • 10. Além disso, os preços e salários são determinados pelas forças da oferta e da demanda, sem intervenção governamental. Esse tipo de economia pode ser analisado sob dois sistemas (a) Sistema de Concorrência Pura (perfeita) e (b) Sistema de Economia Mista O sistema de Concorrência Pura é baseado no pensamento do liberalismo econômico, defendendo que o indivíduo atue de forma livre no mercado sem a intervenção do Estado. A expressão francesa laissez- faire foi utilizada no liberalismo para demonstrar a liberdade econômica Essa expressão foi utilizada por Adam Smith em seu livro “A Riqueza das Nações”. O argumento é a força da livre economia de mercado em que o agente é lançado por uma mão invisível a fim de atender ao seu interesse próprio e, por sua livre iniciativa, possibilita o bem-estar econômico de todos os agentes Para Smith, se o mercado fosse deixado em paz pelos governos ele se manteria sempre em equilíbrio. Caberia ao Estado apenas três (3) funções: (A) o estabelecimento e a manutenção da justiça; (B) a defesa nacional; (C) a criação e a manutenção de certas obras e instituições públicas, as quais não fossem de interesse privado
  • 11. Outro tipo de economia de mercado é o de Economia Mista onde as forças de mercado prevalecem, mas o Governo cuida da produção dos bens públicos como educação, saúde, saneamento, justiça, defesa nacional, etc. Nos sistemas Capitalistas prevalece a Economia Mista, uma vez que o Estado atua na alocação e na distribuição de recursos em algumas áreas, como infraestrutura, energia, saneamento, telecomunicações e transporte Outro sistema econômico é o de Economia Planificada (ou centralizada). Conhecido também como Socialista, existe um mercado descentralizado, pois o Estado intervém na economia do país, determinado o que, para que, quando e para quem produzir no país No sistema Socialista (ou Economia Centralizada) há um órgão central de planejamento, predominando a propriedade governamental dos fatores de produção, abrangendo os meios de fabricação, terras, prédios, bancos e matérias primas. Fora isso, os preços e salários não são decididos pelo mercado, mas pelo Governo que detém a maioria dos fatores de produção (terra, capital e máquinas)