Ec 2 adm_a01

419 visualizações

Publicada em

0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
419
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
52
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
14
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Ec 2 adm_a01

  1. 1. FUNDAMENTOS DE ECONOMIA• Conceitos Econômicos Básicos
  2. 2. Pais da EconomiaAdam Smith (1723 – 1790)Economista e filósofo escocês. É o paida economia moderna, e éconsiderado o mais importante teóricodo liberalismo econômico. Autor de"Uma investigação sobre a naturezae a causa da riqueza das nações“sua obra mais conhecida. Procuroudemonstrar que a riqueza das naçõesresultava da atuação de indivíduosque, movidos apenas pelo seu própriointeresse, promoviam o crescimentoeconômico e a inovação tecnológica.
  3. 3. Pais da EconomiaDavid Ricardo (1772 – 1823)Considerado como um dos fundadoresda escola clássica inglesa da economiapolítica, juntamente com Adam Smith eThomas Malthus, as suas obras maisdestacadas incluem:O alto preço do ouro, uma prova dadepreciação das notas bancárias em1810;Ensaio sobre a influência de um baixopreço do cereal sobre os lucros docapital em 1815;Princípios da economia política etributação em 1817 (reeditado em 1819e 1821).
  4. 4. Pais da Economia John Stuart Mill (1806 –1873)Foi um filósofo e economistainglês, e um dos pensadoresliberais mais influentes doséculo XIX. Foi um defensor doutilitarismo, a teoria éticaproposta inicialmente por seupadrinho Jeremy Bentham.Mill trabalhou na CompanhiaInglesa das Índias Orientais,lidando com a correspondênciarotineira referente à atuação dogoverno inglês na Índia.
  5. 5. Pais da Economia Joseph Alois Schumpeter (1883 –1950)Foi um dos mais importanteseconomistas da primeira metade doséculo XX.Sempre foi um entusiasta daintegração com a Sociologia para omelhor entendimento de suas teoriaseconômicas. Atualmente considera-seque as idéias de Schumpeter sobreciclos econômicos e desenvolvimentonão podiam ser assimiladas através doinstrumental matemático disponível emsua época.
  6. 6. Economistas atuaisRobert Alexander Mundell (1931)Com a proposta de unir economiasnuma única moeda, o canadenseRobert Mundell recebeu umPrêmio Nobel de Economia. É delea autoria de um dos primeirosplanos de moeda comum, umtrabalho realizado no começo dadécada de 70 que resultou nacriação do Euro, anos mais tarde.Robert Mundell é autor deinúmeros trabalhos e artigos sobrea teoria econômica, pioneiro dateoria mista de política fiscal emonetária e contribuiu parareformular a teoria da inflação ejuros.
  7. 7. A lista ainda conta com:James Heckman - "Pelo desenvolvimento de teorias ede métodos para análise de amostras seletivas“Daniel McFadden - "Pelo desenvolvimento de teorias emétodos para análise de escolha discreta“Edward Prescott - "Por suas contribuições àmacroeconomia dinâmica: a consistência temporal dapolítica económicas e das forças motrizes ciclos denegócios“Christopher Pissarides - Pela sua análise dos mercadoscom fricções de procura.
  8. 8. Principais Bibliografias• VASCONCELOS, Marco Antônio; GARCIA, M. E. Fundamentos de Economia. São Paulo: Atlas.• ROSSETTI, José Paschoal. Introdução à Economia. São Paulo: Atlas.• TROSTER, R. Luiz. Economia Básica. São Paulo: Atlas.
  9. 9. Conceitos de Economia A economia pode ser definida assim: o estudo decomo as pessoas e a sociedade decidem empregarrecursos escassos, que poderiam ter utilizaçõesalternativas, para produzir bens variados.Pode-se fazer a seguinte divisão no estudo econômico:- Macroeconomia- analisa o comportamento daeconomia como um todo, por meio de preços equantidades absolutos. Faz parte dela os movimentosglobais nos preços, na produção ou no emprego.- Microeconomia- estuda o comportamento de cada“molécula econômica” do sistema, por meio de preçose quantidades relativas. Para exemplificar, pode-secitar a análise do funcionamento de empresas.
  10. 10. Conceitos de Economia Enquanto a economia positiva ocupa-seda descrição de fatos, circunstâncias e relaçõeseconômicas, a economia normativa expressajulgamentos éticos e valorativos. As grandesdivergências entre os economistas aparecemnas discussões de caráter normativo, como porexemplo o da dimensão do Estado e o poderdos sindicatos.
  11. 11. Definições Não obstante a história do pensamento econômico registre que a expressãoeconomia política tenha aparecido só no século XVII com a publicação, no ano de1615, do Traité de l’Économie Politique, do mercantilista francês Antoine deMontchrétien (1575-1621), há autores que a atribuem a Aristóteles (384-322, a.C.). Na verdade, tenha ou não Aristóteles empregado essa expressão paradesignar essa complexa ciência que hoje se ocupa do desenvolvimento, da inflaçãode preços, do desemprego, do nível da renda social, das recessões e da plenautilização dos escassos recursos do sistema econômico, o fato é que esse notáveldiscípulo de Platão "é considerado o fundador de muitas ciências e também —observa J. F. BELL 1 — o primeiro analista econômico". Em sua época, porém,Economia era considerada como a ciência da administração da comunidadedoméstica. O núcleo central das Ciências Econômicas, seu campo de ação e suadefinição derivariam, então, da própria etimologia da palavra economia (do gregooikonomia, de oikos = casa, nomos = lei). Tratava-se, pois, de um ramo doconhecimento destinado a abranger apenas o campo comunal da atividadeeconômica, em suas mais simples funções de produção e distribuição. Como a teriadefinido Aristóteles, a Economia era "a ciência do abastecimento, que trata da arteda aquisição".
  12. 12. Definições Aparentemente menos influenciada porsistemas ideológicos, uma tentativa maisrecente (e também mais atraente) decaracterizar os fatos econômicos e de entãoidentificar em que consiste o aspectopropriamente econômico da conduta humana,foi empreendida na primeira metade dos anos30, por Leonel Robbins, no ensaio An Essay ofNature and Significance of Econoinic Science.
  13. 13. Microeconomia A Microeconomia é definida como um problema de alocação derecursos escassos em relação a uma série possivel de fins. Osdesdobramentos lógicos desses problemas levam ao estudo docomportamento econômico individual de consumidores, e firmas bem comoa distribuição da produção e rendimento entre eles. A Microeconomia éconsiderada a base da moderna teoria econômica, estudando suasrelações fundamentais. As famílias são consideradas fornecedores de trabalho e capital, edemandantes de bens de consumo. As firmas são consideradasdemandantes de trabalho e fatores de produção e fornecedoras deprodutos. Os consumidores maximizam a utilidade a partir de um orçamentodeterminado. As firmas maximizam lucro a partir de custos e receitaspossíveis. A microeconomia procura analisar o mercado e outros tipos demecanismos que estabelecem preços relativos entre os produtos eserviços, alocando de modos alternativos os recursos dos quais dispõedeterminados indivíduos organizados numa sociedade.
  14. 14. Macroeconomia É uma das divisões da ciência econômica dedicada ao estudo, medida e observação de umaeconomia regional ou nacional como um todo. A macroeconomia é um dos dois pilares do estudo daeconomia, sendo o outro a microeconomia. O estudo macroeconômico surgiu como forma de oposiçãoao sistema mercantilista vigente na Europa, este movimento foi chamado por Keynes de RevoluçãoClássica. Os dois dogmas mercantilistas atacados pelos clássicos eram, o metalismo (a crença de que ariqueza e o poder de uma nação estava no acúmulo de metais preciosos), e a crença na necessidadede intervenção estatal para direcionar o desenvolvimento do sistema capitalista. O primeiro trabalhoclássico foi A riqueza das nações, 1776 de Adam Smith, sendo considerado a partir desta publicação oinício ciência econômica. O termo macroeconomia teve origem na década de 1930 a partir da GrandeDepressão iniciada em 1929, onde foram intensificadas a urgência dos estudo das questõesmacroeconômicas, sendo a primeira grande obra literária macroeconômica o livro Teoria Geral doEmprego, do Juro e da Moeda, do economista britânico John Maynard Keynes, dando origem aRevolução Keynesiana que se opôs à ortodoxia da Economia Clássica.
  15. 15. Necessidades, Bens e Serviços A satisfação das NECESSIDADES psicofisiológicas comoalimentos, vestuário, habitação; e, as de caráter coletivo de umasociedade obriga seus membros a se ocuparem de determinadasatividades produtivas, através das quais geram os bens e serviçosnecessários à consecução de seus objetivos; e que,posteriormente, se distribuem para seu consumo entre os membrosdessa mesma sociedade. BEM é tudo aquilo que é suscetível de satisfazer a umanecessidade humana, seja ela primária, secundária e/ou de carátercoletivo. Em relação ao consumo as famílias têm que decidir como vãogastar a renda familiar entre os diferentes bens e SERVIÇOSofertados para satisfazer suas necessidades. Assim, na hora dedecidir entre um televisor e uma máquina de lavar, por exemplo,levará em conta suas necessidades, os preços de ambos os bens esuas próprias preferências, de forma que o resultado da escolhaseja o mais apropriado.
  16. 16. Abraham Maslow foi um psicólogo de grande destaque por causa de seu estudorelacionado às necessidades humanas. Segundo ele, o homem é motivadosegundo suas necessidades que se manifestam em graus de importância ondeas fisiológicas são as necessidades iniciais e as de realização pessoal são asnecessidades finais. Cada necessidade humana influencia na motivação e narealização do indivíduo que o faz prosseguir para outras necessidades quemarcam uma pirâmide hierárquica:

×