SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 8
Baixar para ler offline
Programação Neurolinguística
A palavra NEURO reconhece a ideia de que
todos os comportamentos dos seres
humanos nascem dos processos
neurológicos da visão, audição, olfato,
paladar, tato e sensação
Nossa neurologia
não inclui
apenas os
processos
mentais
invisíveis, mas as
reações
fisiológicas a
ideias e
acontecimentos,
onde uns
refletem outros
no nível físico
A palavra
LINGUÍSTICA
indica que
usamos a
linguagem para
ordenar nossos
pensamentos e
comportament
os e nos
comunicarmos
com os outros
Já a palavra PROGRAMAÇÃO se refere a maneira como
organizamos nossas ideias e ações a fim de produzir
resultados. Sendo assim, a PNL trata da estrutura da
experiência humana subjetiva, de como organizamos o
que vemos através dos nossos sentidos
A PNL também examina a forma como
descrevemos isso através da linguagem e
como agimos – intencionalmente ou não –
para produzir resultados
A História da Programação Neurolinguística
No fim dos anos 90
Richard Bandler
estudava matemática e
psicologia em uma
universidade da
Califórnia e, nos finais
de semana, ele
trabalhava gravando
workshops
Ele ficou muito impressionado com a
habilidade de comunicação de 2
terapeutas com quem teve contato,
interessando-se em aprender o que
eles faziam. Pediu ajuda a um
professor de linguística e, estudando
os vídeos, decodificaram os padrões
de linguagem e comportamento
daqueles 2 terapeutas
Baseado nessas
observações escreveram o
livro Estrutura da Magia,
mostrando que algo que
parecia mágica tinha uma
estrutura e daí foi criado o
1º modelo de PNL (o
Metamodelo de Linguagem)
Depois disso, eles
estudaram com o médico,
psicólogo e
hipnoterapeuta (Dr.
Milton Erickson) e
escreveram o livro Os
Padrões da Linguagem
Hipnótica
Erickson escreveu o
prefácio e
comentou que, ao
trabalhar com
hipnose, não tinha
noção de como
fazia, dos padrões
de linguagem que
usava e que foram
descritos por
Bandler e Erickson
Junto com as esposas e amigos decidiram aplicar os
modelos aprendidos e, mesmo sem serem terapeutas,
começaram a obter resultados daqueles que eles
modelaram, dando um nome para o que estavam fazendo
(Programação Neurolinguística – PNL)
Então, pode-se
dizer que a PNL
começou como um
processo de
modelagem e, se
alguém faz algo
muito bem, com a
PNL pode-se
levantar o
processo, a
estratégia e fazer
igual, obtendo os
mesmos resultados
Daí a PNL se
expandiu para o
mundo no campo da
comunicação e da
terapia, começando
a ser utilizada
também no campo
da aprendizagem,
saúde, criatividade,
liderança,
gerenciamento,
vendas, consultoria
e treinamento nas
organizações
Definição e Conceito da
Programação Neurolinguística
Alguns estudiosos afirmam que PNL é o
estudo da estrutura da experiência
subjetiva, estudando os padrões
(programação) criados pela interação entre
o celebro (neuro), a linguagem (linguística)
e o corpo. Ela estuda como o celebro e a
mente funcionam, como criamos nossos
pensamentos, sentimentos, estados
emocionais, comportamentos e como
podemos direcionar e otimizar esse
processo
Assim, a PNL estuda como o ser humano funciona e como ele
pode escolher a maneira que quer funcionar. Ela estuda
também como se processam nossos pensamentos, pois pensar
é usar os sentidos internamente. Nós pensamos vendo imagens
internas, ouvindo sons, falando internamente e tendo
sensações
A PNL também estuda a influência da linguagem que,
embora seja produto do sistema nervoso, ativa, direciona
e estimula o cérebro, tornando-se a maneira mais eficaz
de ativar o sistema nervoso dos outros e facilitando a
comunicação
Competências da
Programação
Neurolinguística
1) Atitudes que
produzem resultados
2) Modelagem: Se alguém é capaz de produzir resultado,
qualquer pessoa também será capaz de obtê-los ao
repetindo os mesmos padrões de comportamento e
sentimento 3) Técnicas: São os
processos e
procedimentos para que
possamos transferir os
resultados citados
OBSERVAÇÃO: Não é a PNL que é importante e,
na verdade, o que fazemos com ela é o que
importa
A Programação
Neurolinguística é
diferente de outras
abordagens de
desenvolvimento pessoal,
pois ela é o resultado da
modelagem dos indivíduos
que eram especialistas ou
gênios que ajudaram
outras pessoas a mudar
Ela considera a forma como nos
relacionamos com o mundo
através da nossa experiência
sensorial e como armazenar e
alterar essa experiência através da
utilização de nossas mentes e
corpos. A PNL é muito eficaz na
conexão de recursos conscientes
ou não, levando as pessoas a
conhecerem e utilizar seu
potencial inexplorado
Portanto, a
Programação
Neurolinguística
combina
pensamento lógico,
sensorial,
emocional e
intuitivo para
permitir que as
pessoas alcancem
seus objetivos mais
facilmente
No meio corporativo a PNL tem aplicações altamente eficazes e a
sua prática leva as pessoas a sua liberdade pessoal. E, mais do
que uma ferramenta de comunicação, a PNL é uma espécie de
manual de como utilizamos o nosso cérebro de forma realmente
produtiva e eficiente, nos afastando de comportamentos
inadequados e pensamentos improdutivos
Os Canais de Comunicação e os Pressupostos da PNL
Nossos pensamentos e
recordações possuem
um determinado
padrão e, quando
mudamos esse padrão
ou estrutura, nossa
experiência muda
automaticamente
Os seres humanos podem neutralizar
lembranças desagradáveis e
enriquecerem outras que nos serão mais
úteis. As imagens mentais, vozes
interiores, sensações e sentimentos são
os blocos básicos de construção de
todos os nossos recursos mentais e
físicos
Pode-se usá-los
para construir
qualquer
pensamento,
sentimento ou
habilidade que
desejarmos,
colocando-os
depois nas nossas
vidas onde
quisermos ou mais
precisarmos
É Impossível Não se Comunicar
Estamos sempre nos comunicando não verbalmente, onde
as palavras são menos importantes. Um suspiro, um sorriso
ou um olhar são importantes formas de comunicação. Até os
nossos pensamentos são formas de nos comunicarmos
conosco, revelando-se aos outros pelos nossos olhos, tom
de voz, atitudes e movimentos corporais
As pessoas recebem o que dizemos e
fazemos através dos seus “mapas
mentais” do mundo e, quando alguém
ouve algo diferente do que tivemos a
intenção de falar, é a nossa chance de
observarmos que a comunicação é o
que se recebe
Sendo assim, observar como
a nossa comunicação é
recebida nos permite ajustá-
la para que, da próxima vez,
ela possa ser mais clara
Todos os nossos comportamentos
nocivos, prejudiciais ou impensados
tiveram um propósito inicial positivo.
Exemplos: gritar para ser reconhecido,
agredir para se defender, esconder-se
para se sentir mais seguro
Então, em vez de condenar essas ações,
podemos separá-las da intenção positiva
daquela pessoa para que seja possível
acrescentar novas opções mais atualizadas
e positivas, a fim de satisfazer a mesma
intenção
Os Canais
da
Comunicaç
ão Humana
Canal Cinestésico: Ou
sensações externas, que
incluem o toque, a
textura, a temperatura, o
odor, o sabor, etc.
Canal Auditivo: Inclui os sons, as palavras que
ouvimos, o tom e o timbre dessas palavras
Canal Visual: Inclui o que vemos e como
somos olhados
Se atuarmos através do CANAL VISUAL tudo o que nos chamará
a atenção é a cor, o modelo, a estrutura, a ordem, a limpeza e o
brilho. Exemplo: Se você está vendendo seu carro e o
comprador é mais visual, não adianta tentar convencê-lo que o
veículo é macio por ele vai se interessar mais pela cor, modelo e
os detalhes que tornam o carro mais bonito
Se atuamos mais através do
CANAL AUDITIVO o que nos
chamará a atenção será
uma música, uma palavra,
um som ou um barulho.
Exemplo: Se o cliente for
mais auditivo, assim que
você mostrar o carro a ele,
o que chamará a sua
atenção será o barulho e
então ele precisará fazê-lo
funcionar e ouvir o “ronco”
do motor
Se atuarmos mais através do CANAL CINESTÉSICO, o
que nos chamará a atenção será um abraço, um toque e
o sentimento. Exemplo: Se o cliente for mais
cinestésico ele nem notará a beleza do veículo, mas
passará a mão nos bancos, apertará o volante para
sentir se é macio e sentará para sentir se é confortável
Portanto, depois que a informação (evento
externo) for captada pelos canais sensoriais
faremos uma filtragem (triagem) dessas
informações, antes de formularmos uma
“representação interna”, a qual determinará nosso
comportamento exterior ou resposta aos estímulos

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a PNL: Programação Neurolinguística em

A pnl e a sua vida profisional
A pnl e a sua vida profisionalA pnl e a sua vida profisional
A pnl e a sua vida profisionalArtetudo
 
375826 pnl-programacao-neurolinguistica-portugues
375826 pnl-programacao-neurolinguistica-portugues375826 pnl-programacao-neurolinguistica-portugues
375826 pnl-programacao-neurolinguistica-portuguesPatricia Lubacheski
 
Dethox escuta afetiva são paulo
Dethox escuta afetiva são pauloDethox escuta afetiva são paulo
Dethox escuta afetiva são pauloGustavo Brito
 
TÉCNICAS EM VENDAS COM PNL.pptx
TÉCNICAS EM VENDAS COM PNL.pptxTÉCNICAS EM VENDAS COM PNL.pptx
TÉCNICAS EM VENDAS COM PNL.pptxGlendaMacdo1
 
Programação neurolinguística para sucesso ilimitado -Adriano Jose Meirinho
Programação neurolinguística para sucesso ilimitado -Adriano Jose Meirinho Programação neurolinguística para sucesso ilimitado -Adriano Jose Meirinho
Programação neurolinguística para sucesso ilimitado -Adriano Jose Meirinho Adriano Jose Meirinho
 
Comunicação intra e interpessoal como fatores diferenciais no crescimento pro...
Comunicação intra e interpessoal como fatores diferenciais no crescimento pro...Comunicação intra e interpessoal como fatores diferenciais no crescimento pro...
Comunicação intra e interpessoal como fatores diferenciais no crescimento pro...tdc-globalcode
 
Programação Neurolinguística
Programação NeurolinguísticaProgramação Neurolinguística
Programação NeurolinguísticaCleoalvares
 
Workshop - FUNÇÕES COGNITIVAS E SUPERDOTAÇÃO.pdf
Workshop - FUNÇÕES COGNITIVAS E SUPERDOTAÇÃO.pdfWorkshop - FUNÇÕES COGNITIVAS E SUPERDOTAÇÃO.pdf
Workshop - FUNÇÕES COGNITIVAS E SUPERDOTAÇÃO.pdfDani Rocha
 

Semelhante a PNL: Programação Neurolinguística em (20)

A pnl e a sua vida profisional
A pnl e a sua vida profisionalA pnl e a sua vida profisional
A pnl e a sua vida profisional
 
A pnl e sua vida profissional 2
A pnl e sua vida profissional 2A pnl e sua vida profissional 2
A pnl e sua vida profissional 2
 
A Cura das Emoções Doentes
A Cura das Emoções DoentesA Cura das Emoções Doentes
A Cura das Emoções Doentes
 
PNL 01
PNL 01PNL 01
PNL 01
 
375826 pnl-programacao-neurolinguistica-portugues
375826 pnl-programacao-neurolinguistica-portugues375826 pnl-programacao-neurolinguistica-portugues
375826 pnl-programacao-neurolinguistica-portugues
 
Dethox escuta afetiva são paulo
Dethox escuta afetiva são pauloDethox escuta afetiva são paulo
Dethox escuta afetiva são paulo
 
Comunicação eficaz com pnl
Comunicação eficaz com pnlComunicação eficaz com pnl
Comunicação eficaz com pnl
 
TÉCNICAS EM VENDAS COM PNL.pptx
TÉCNICAS EM VENDAS COM PNL.pptxTÉCNICAS EM VENDAS COM PNL.pptx
TÉCNICAS EM VENDAS COM PNL.pptx
 
Curso Pnl
Curso PnlCurso Pnl
Curso Pnl
 
Folder taoi 2013
Folder taoi 2013Folder taoi 2013
Folder taoi 2013
 
Programação neurolinguística para sucesso ilimitado -Adriano Jose Meirinho
Programação neurolinguística para sucesso ilimitado -Adriano Jose Meirinho Programação neurolinguística para sucesso ilimitado -Adriano Jose Meirinho
Programação neurolinguística para sucesso ilimitado -Adriano Jose Meirinho
 
Comunicação intra e interpessoal como fatores diferenciais no crescimento pro...
Comunicação intra e interpessoal como fatores diferenciais no crescimento pro...Comunicação intra e interpessoal como fatores diferenciais no crescimento pro...
Comunicação intra e interpessoal como fatores diferenciais no crescimento pro...
 
PNL 02
PNL 02PNL 02
PNL 02
 
Programação Neurolinguística
Programação NeurolinguísticaProgramação Neurolinguística
Programação Neurolinguística
 
Treinamento percepção organizacional
Treinamento   percepção organizacionalTreinamento   percepção organizacional
Treinamento percepção organizacional
 
Bem Estar
Bem EstarBem Estar
Bem Estar
 
Workshop - FUNÇÕES COGNITIVAS E SUPERDOTAÇÃO.pdf
Workshop - FUNÇÕES COGNITIVAS E SUPERDOTAÇÃO.pdfWorkshop - FUNÇÕES COGNITIVAS E SUPERDOTAÇÃO.pdf
Workshop - FUNÇÕES COGNITIVAS E SUPERDOTAÇÃO.pdf
 
Apresentação1
Apresentação1Apresentação1
Apresentação1
 
Apresentação2
Apresentação2Apresentação2
Apresentação2
 
Power
PowerPower
Power
 

Mais de PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas

Mais de PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas (20)

Comportamento em Ambientes de Trabalho
Comportamento em Ambientes de TrabalhoComportamento em Ambientes de Trabalho
Comportamento em Ambientes de Trabalho
 
Como Utilizar o Marketing nas Redes Sociais
Como Utilizar o Marketing nas Redes SociaisComo Utilizar o Marketing nas Redes Sociais
Como Utilizar o Marketing nas Redes Sociais
 
Ambiente Empreendedor nas Corporações e a Proposta de Um Modelo de Inovação P...
Ambiente Empreendedor nas Corporações e a Proposta de Um Modelo de Inovação P...Ambiente Empreendedor nas Corporações e a Proposta de Um Modelo de Inovação P...
Ambiente Empreendedor nas Corporações e a Proposta de Um Modelo de Inovação P...
 
Postura e Imagem Profissional em Ambientes Corporativos
Postura e Imagem Profissional em Ambientes CorporativosPostura e Imagem Profissional em Ambientes Corporativos
Postura e Imagem Profissional em Ambientes Corporativos
 
Psicologia do Trabalho (Uma Introdução ao Estudo do Comportamento e da Person...
Psicologia do Trabalho (Uma Introdução ao Estudo do Comportamento e da Person...Psicologia do Trabalho (Uma Introdução ao Estudo do Comportamento e da Person...
Psicologia do Trabalho (Uma Introdução ao Estudo do Comportamento e da Person...
 
O Processo de Transporte de Cargas.pptx
O Processo de Transporte de Cargas.pptxO Processo de Transporte de Cargas.pptx
O Processo de Transporte de Cargas.pptx
 
Conceitos, Evolução e Processos Logísticos.pptx
Conceitos, Evolução e Processos Logísticos.pptxConceitos, Evolução e Processos Logísticos.pptx
Conceitos, Evolução e Processos Logísticos.pptx
 
A Criatividade Como Estratégia Competitiva Nas Organizacões
A Criatividade Como Estratégia Competitiva Nas OrganizacõesA Criatividade Como Estratégia Competitiva Nas Organizacões
A Criatividade Como Estratégia Competitiva Nas Organizacões
 
A Ciência Política e as Implicações Filosóficas, Sociológicas e Jurídicas no ...
A Ciência Política e as Implicações Filosóficas, Sociológicas e Jurídicas no ...A Ciência Política e as Implicações Filosóficas, Sociológicas e Jurídicas no ...
A Ciência Política e as Implicações Filosóficas, Sociológicas e Jurídicas no ...
 
Técnicas de Relacionamentos Interpessoais.pptx
Técnicas de Relacionamentos Interpessoais.pptxTécnicas de Relacionamentos Interpessoais.pptx
Técnicas de Relacionamentos Interpessoais.pptx
 
A Identidade Visual na Criação de Uma Marca.pptx
A Identidade Visual na Criação de Uma Marca.pptxA Identidade Visual na Criação de Uma Marca.pptx
A Identidade Visual na Criação de Uma Marca.pptx
 
Gestão Financeira Para Pequenas Empresas.pptx
Gestão Financeira Para Pequenas Empresas.pptxGestão Financeira Para Pequenas Empresas.pptx
Gestão Financeira Para Pequenas Empresas.pptx
 
A Contabilidade Como Instrumento Gerencial.pptx
A Contabilidade Como Instrumento Gerencial.pptxA Contabilidade Como Instrumento Gerencial.pptx
A Contabilidade Como Instrumento Gerencial.pptx
 
DINÂMICA de GRUPO.pptx
DINÂMICA de GRUPO.pptxDINÂMICA de GRUPO.pptx
DINÂMICA de GRUPO.pptx
 
AUXILIAR DE ESCRITÓRIO.pptx
AUXILIAR DE ESCRITÓRIO.pptxAUXILIAR DE ESCRITÓRIO.pptx
AUXILIAR DE ESCRITÓRIO.pptx
 
DESENVOLVIMENTO PESSOAL no TRABALHO.pptx
DESENVOLVIMENTO PESSOAL no TRABALHO.pptxDESENVOLVIMENTO PESSOAL no TRABALHO.pptx
DESENVOLVIMENTO PESSOAL no TRABALHO.pptx
 
INTELIGÊNCIA de NEGÓCIOS.pptx
INTELIGÊNCIA de NEGÓCIOS.pptxINTELIGÊNCIA de NEGÓCIOS.pptx
INTELIGÊNCIA de NEGÓCIOS.pptx
 
A Controladoria Voltada a Avaliação de Desempenho nas Empresas.pptx
A Controladoria Voltada a Avaliação de Desempenho nas Empresas.pptxA Controladoria Voltada a Avaliação de Desempenho nas Empresas.pptx
A Controladoria Voltada a Avaliação de Desempenho nas Empresas.pptx
 
Psicologia Organizacional (Histórico, Conceitos e Clima)
Psicologia Organizacional (Histórico, Conceitos e Clima)Psicologia Organizacional (Histórico, Conceitos e Clima)
Psicologia Organizacional (Histórico, Conceitos e Clima)
 
A Negociação e as Principais Etapas de Uma Apresentação de Vendas
A Negociação e as Principais Etapas de Uma Apresentação de VendasA Negociação e as Principais Etapas de Uma Apresentação de Vendas
A Negociação e as Principais Etapas de Uma Apresentação de Vendas
 

PNL: Programação Neurolinguística em

  • 1. Programação Neurolinguística A palavra NEURO reconhece a ideia de que todos os comportamentos dos seres humanos nascem dos processos neurológicos da visão, audição, olfato, paladar, tato e sensação Nossa neurologia não inclui apenas os processos mentais invisíveis, mas as reações fisiológicas a ideias e acontecimentos, onde uns refletem outros no nível físico A palavra LINGUÍSTICA indica que usamos a linguagem para ordenar nossos pensamentos e comportament os e nos comunicarmos com os outros Já a palavra PROGRAMAÇÃO se refere a maneira como organizamos nossas ideias e ações a fim de produzir resultados. Sendo assim, a PNL trata da estrutura da experiência humana subjetiva, de como organizamos o que vemos através dos nossos sentidos A PNL também examina a forma como descrevemos isso através da linguagem e como agimos – intencionalmente ou não – para produzir resultados
  • 2. A História da Programação Neurolinguística No fim dos anos 90 Richard Bandler estudava matemática e psicologia em uma universidade da Califórnia e, nos finais de semana, ele trabalhava gravando workshops Ele ficou muito impressionado com a habilidade de comunicação de 2 terapeutas com quem teve contato, interessando-se em aprender o que eles faziam. Pediu ajuda a um professor de linguística e, estudando os vídeos, decodificaram os padrões de linguagem e comportamento daqueles 2 terapeutas Baseado nessas observações escreveram o livro Estrutura da Magia, mostrando que algo que parecia mágica tinha uma estrutura e daí foi criado o 1º modelo de PNL (o Metamodelo de Linguagem) Depois disso, eles estudaram com o médico, psicólogo e hipnoterapeuta (Dr. Milton Erickson) e escreveram o livro Os Padrões da Linguagem Hipnótica Erickson escreveu o prefácio e comentou que, ao trabalhar com hipnose, não tinha noção de como fazia, dos padrões de linguagem que usava e que foram descritos por Bandler e Erickson
  • 3. Junto com as esposas e amigos decidiram aplicar os modelos aprendidos e, mesmo sem serem terapeutas, começaram a obter resultados daqueles que eles modelaram, dando um nome para o que estavam fazendo (Programação Neurolinguística – PNL) Então, pode-se dizer que a PNL começou como um processo de modelagem e, se alguém faz algo muito bem, com a PNL pode-se levantar o processo, a estratégia e fazer igual, obtendo os mesmos resultados Daí a PNL se expandiu para o mundo no campo da comunicação e da terapia, começando a ser utilizada também no campo da aprendizagem, saúde, criatividade, liderança, gerenciamento, vendas, consultoria e treinamento nas organizações Definição e Conceito da Programação Neurolinguística Alguns estudiosos afirmam que PNL é o estudo da estrutura da experiência subjetiva, estudando os padrões (programação) criados pela interação entre o celebro (neuro), a linguagem (linguística) e o corpo. Ela estuda como o celebro e a mente funcionam, como criamos nossos pensamentos, sentimentos, estados emocionais, comportamentos e como podemos direcionar e otimizar esse processo
  • 4. Assim, a PNL estuda como o ser humano funciona e como ele pode escolher a maneira que quer funcionar. Ela estuda também como se processam nossos pensamentos, pois pensar é usar os sentidos internamente. Nós pensamos vendo imagens internas, ouvindo sons, falando internamente e tendo sensações A PNL também estuda a influência da linguagem que, embora seja produto do sistema nervoso, ativa, direciona e estimula o cérebro, tornando-se a maneira mais eficaz de ativar o sistema nervoso dos outros e facilitando a comunicação Competências da Programação Neurolinguística 1) Atitudes que produzem resultados 2) Modelagem: Se alguém é capaz de produzir resultado, qualquer pessoa também será capaz de obtê-los ao repetindo os mesmos padrões de comportamento e sentimento 3) Técnicas: São os processos e procedimentos para que possamos transferir os resultados citados OBSERVAÇÃO: Não é a PNL que é importante e, na verdade, o que fazemos com ela é o que importa
  • 5. A Programação Neurolinguística é diferente de outras abordagens de desenvolvimento pessoal, pois ela é o resultado da modelagem dos indivíduos que eram especialistas ou gênios que ajudaram outras pessoas a mudar Ela considera a forma como nos relacionamos com o mundo através da nossa experiência sensorial e como armazenar e alterar essa experiência através da utilização de nossas mentes e corpos. A PNL é muito eficaz na conexão de recursos conscientes ou não, levando as pessoas a conhecerem e utilizar seu potencial inexplorado Portanto, a Programação Neurolinguística combina pensamento lógico, sensorial, emocional e intuitivo para permitir que as pessoas alcancem seus objetivos mais facilmente No meio corporativo a PNL tem aplicações altamente eficazes e a sua prática leva as pessoas a sua liberdade pessoal. E, mais do que uma ferramenta de comunicação, a PNL é uma espécie de manual de como utilizamos o nosso cérebro de forma realmente produtiva e eficiente, nos afastando de comportamentos inadequados e pensamentos improdutivos
  • 6. Os Canais de Comunicação e os Pressupostos da PNL Nossos pensamentos e recordações possuem um determinado padrão e, quando mudamos esse padrão ou estrutura, nossa experiência muda automaticamente Os seres humanos podem neutralizar lembranças desagradáveis e enriquecerem outras que nos serão mais úteis. As imagens mentais, vozes interiores, sensações e sentimentos são os blocos básicos de construção de todos os nossos recursos mentais e físicos Pode-se usá-los para construir qualquer pensamento, sentimento ou habilidade que desejarmos, colocando-os depois nas nossas vidas onde quisermos ou mais precisarmos É Impossível Não se Comunicar Estamos sempre nos comunicando não verbalmente, onde as palavras são menos importantes. Um suspiro, um sorriso ou um olhar são importantes formas de comunicação. Até os nossos pensamentos são formas de nos comunicarmos conosco, revelando-se aos outros pelos nossos olhos, tom de voz, atitudes e movimentos corporais
  • 7. As pessoas recebem o que dizemos e fazemos através dos seus “mapas mentais” do mundo e, quando alguém ouve algo diferente do que tivemos a intenção de falar, é a nossa chance de observarmos que a comunicação é o que se recebe Sendo assim, observar como a nossa comunicação é recebida nos permite ajustá- la para que, da próxima vez, ela possa ser mais clara Todos os nossos comportamentos nocivos, prejudiciais ou impensados tiveram um propósito inicial positivo. Exemplos: gritar para ser reconhecido, agredir para se defender, esconder-se para se sentir mais seguro Então, em vez de condenar essas ações, podemos separá-las da intenção positiva daquela pessoa para que seja possível acrescentar novas opções mais atualizadas e positivas, a fim de satisfazer a mesma intenção Os Canais da Comunicaç ão Humana Canal Cinestésico: Ou sensações externas, que incluem o toque, a textura, a temperatura, o odor, o sabor, etc. Canal Auditivo: Inclui os sons, as palavras que ouvimos, o tom e o timbre dessas palavras Canal Visual: Inclui o que vemos e como somos olhados
  • 8. Se atuarmos através do CANAL VISUAL tudo o que nos chamará a atenção é a cor, o modelo, a estrutura, a ordem, a limpeza e o brilho. Exemplo: Se você está vendendo seu carro e o comprador é mais visual, não adianta tentar convencê-lo que o veículo é macio por ele vai se interessar mais pela cor, modelo e os detalhes que tornam o carro mais bonito Se atuamos mais através do CANAL AUDITIVO o que nos chamará a atenção será uma música, uma palavra, um som ou um barulho. Exemplo: Se o cliente for mais auditivo, assim que você mostrar o carro a ele, o que chamará a sua atenção será o barulho e então ele precisará fazê-lo funcionar e ouvir o “ronco” do motor Se atuarmos mais através do CANAL CINESTÉSICO, o que nos chamará a atenção será um abraço, um toque e o sentimento. Exemplo: Se o cliente for mais cinestésico ele nem notará a beleza do veículo, mas passará a mão nos bancos, apertará o volante para sentir se é macio e sentará para sentir se é confortável Portanto, depois que a informação (evento externo) for captada pelos canais sensoriais faremos uma filtragem (triagem) dessas informações, antes de formularmos uma “representação interna”, a qual determinará nosso comportamento exterior ou resposta aos estímulos